Vous êtes sur la page 1sur 7

Instituto de Engenharia e Desenvolvimento Sustentável

Curso de Engenharia de Energias


Disciplina: Laboratório de Conversão Eletromecânica

Prática 3: ENSAIO DE CIRCUITO ABERTO DE TRANSFORMADORES

Docente: Humberto Ícaro Pinto Fontinele

Discentes: Cátia Sofia Carvalho Séca


Neyla Danquá dos Ramos

Acarape, Abril de 2018


ÍNDICE

OBJETIVOS.................................................................................................................03
PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL.......................................................................04
RESULTADOS E DISCUSSÃO.................................................................................05
QUESTIONÁRIO........................................................................................................06
REFERENCIAS...........................................................................................................07
OBJETIVOS:

• Utilizar instrumentos de medida elétricas (voltímetro, amperímetro e wattímetro) para


obter os parâmetros de impedância do ramo de excitação de um transformador;

• Obter o rendimento de um transformador.


PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
Inicialmente identificou-se os terminais de baixa e alta tensão do transformador.
Tendo-se assumido como primário o lado de baixa tensão conforme recomenda o
procedimento (48V) e secundário o lado de alta tensão (220V), tornando se um
transformador elevador de tensão de 48:220 Volts com a relação de transformação.
Em seguida fez se a montagem do circuito de acordo com a figura 1 do roteiro, a
fim de se determinar a impedância de excitação que pode ser dada através da equação 1.

fig 1. Circuito equivalente com secundário em aberto

Equação 1

Em seguida fez-se as devidas conexões apropriadas do amperímetro, e voltímetro do lado


primário do transformador e aplicou-se a tensão nominal no lado primário e anotou-se os
valores de corrente, tensão e potencia ativa.
RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os ensaios são testes importantes realizados em transformadores para estabelecer


parâmetros e também verificar o funcionamento dos mesmos, e de acordo com os
resultados obtidos podemos manter ou alterar as características do equipamento visando
o melhor funcionamento do mesmo.

Este ensaio permite obter as perdas em núcleo, do circuito de magnetização do circuito,


enquanto que o ensaio em cadeia, podem ser impedidos, a queda de tensão interna,
impedância, resistência e reatância percentuais.

Identificou-se os terminais primário (baixa tensão) e secundário (alta tensão) do


transformador, além de sua relação de transformação.
Em seguida, fez-se as conexões apropriadas do amperímetro, watímetro e voltímetro no
lado primario do transfomador.

Foi aplicada a tensão nominal no lado primário e anotou-se os valores de corrente, tensão
e potência ativa, como se pode observar na tabela 1.

Tabela 1: Valores medidos em ensaio aberto do transformador

Corrente (A) Tensão (v) Potência Ativa (w)

21 48 420

Depois de achar estes valores, dimensionando o wattímetro, voltímetro e o amperímetro,


fez-se os cálculos de impedância, resistência e reatância.
QUESTIONÁRIO

1-Calcule os valores de impedância do ramo de excitação, resistência de perdas no


núcleo e reatância de magnetização.

𝑉𝑐𝑎 48
• Zϕ= = = 2,29 Ω
𝐼𝑐𝑎 21𝐴

𝑉𝑐𝑎2 482
• Rca = = = 5,486 𝑘Ω
𝑃𝑐𝑎 420

1 1
• Xm = 1 1
= 1 1
= 2,5214 𝑘Ω
√(𝑍ϕ)2− (𝑅𝑐𝑎)2 √(2,29)2 −(5,48)2

2-Por que no cálculo da resistência de perdas no núcleo a potência Pca, obtida a


partir do wattímetro, não pode ser substituída diretamente pelo produto Vca x Ica?

R: Isso porque um wattímetro/osciloscópio é um instrumento que mede potência CC


ou potência CA real. Este aparelho utiliza bobinas fixas para indicar a corrente no circuito,
enquanto uma bobina móvel indica tensão, como as bobinas apresentam defasagem entre
a corrente e a tensão, por isso a leitura feita pelo osciloscópio envolve o fator de potencia
ou o ângulo de fase entre os dois sendo a leitura dada por: P=V*I*CosØ.

3-Calcule os valores de resistência e reatância dos lados primário e secundário do


transformador utilizando a relação de transformação obtida no procedimento 1 do
experimento.
𝑉2 𝑁1
= =a
𝑉2 𝑁2

𝑉1 𝑁1 220
a= = = = 4,583
𝑉2 𝑁2 48

Com este resultado, pode-se dizer que as resistências do primário, são 4,5 vezes maiores
que as resistências do secundário.

Rc = 5486
Rc = Rc1 + Rc2

Sabe-se que, pela relação de espiras:

Rc1/ Rc2 = a2
Rc1 = Rc2*a2
Rc = Rc2*a2 + Rc2
5486 = (4,583)2 * Rc2 + Rc2
22,004Rc2 = 5486
Rc2 = 249,32 Ω
Sabe-se que:
Xm = Xm1 + Xm2
2521,4 = (4,583)2Xm2 + Xm2
22,004Xm2 = 2521,4
Xm2 = j114,59 Ω

Xm1 = a2*Xm2
Xm1 = (4,583)2 * 114,59
Xm1 = j2406,84 Ω

4-Utilize os valores de impedância, resistência e reatância do ensaio de curto-circuito


encontrados através da Prática 2 e potência dissipada no núcleo obtida nesta, para
calcular o rendimento do transformador a plena carga e com fator de potência
unitário (carga resistiva). Considere como valores nominais de potência aparente e
tensão, respectivamente, 1kVA e 220:110V

𝑷𝑠𝑎í𝑑𝑎 𝑷𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎𝑑𝑎−𝑷𝑝𝑒𝑟𝑑𝑎𝑠
Rendimento = = 1-
𝑷𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎𝑑𝑎 𝑷𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎𝑑𝑎

Pca = Pperdas = 0,2


Pentrada = 2,96

2,96 −0,2
Rendimento = 1-
2,96

Rendimento = 0,0644

REFERÊNCIAS

FITZGERALD, Arthur E.; KINGSLEY, Charles; UMANS, Stephen D., Máquinas


elétricas. 6.ed. PORTO ALEGRE: Bookman, c2006. 648p.