Vous êtes sur la page 1sur 12

ANÁLISE DE BALANÇOS DOS CLUBES DE FUTEBOL DA 1ª DIVISÃO DO

CAMPEONATO BRASILEIRO - RESULTADOS DE 2004 E 2003

VISÃO GERAL

9 Dos 17 balanços publicados pelos clubes da primeira divisão do campeonato


brasileiro, somente 9 apresentaram déficit no exercício de 2004. Dentre os
clubes que apresentaram déficit no exercício, se destacam o Vasco da Gama
(R$ 47 milhões) e o Atlético Mineiro (R$ 26 milhões), mostrando assim a má
administração financeira desses clubes;

9 No conjunto, as dívidas desses clubes superam o montante de R$ 1,4 bilhões,


evidenciando um aumento 7,5% em relação a 2003;

9 O montante de receitas dos 17 clubes foi R$ 1.2 bilhões, em compensação, o


valor das despesas superou esse montante em R$ 40 milhões;

9 Dos 17 balanços analisados, 4 (FLA, FLU, BOTAFOGO e PONTE PRETA)


apresentaram Patrimônio Líquido Negativo, ou seja, possuem mais dívidas do
que ativos (bens e direitos);

VISÃO REGIONAL
Rio de Janeiro

BOTAFOGO

9 Conseguiu aumentar suas receitas em 27% com relação a 2003, porém, suas
despesas superaram em mais que o dobro esse percentual 56%, acarretando
um déficit no período superior a R$ 8 milhões;

9 O clube apresentou no balanço de 2004, patrimônio líquido negativo no


montante de R$ 109 milhões, mostrando uma situação real de insolvência;

9 O clube apresenta uma péssima situação de liquidez, tanto a curto como a longo
prazo;

9 Não publicou o parecer dos auditores independentes junto com as


demonstrações contábeis, fazendo apenas uma breve referência ao assunto;

9 A maior parte das dívidas do clube (60%), são contingências fiscais e


trabalhistas;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 152


milhões;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios déficits superiores a R$ 10


milhões.
FLAMENGO
9 Manteve seu volume de receitas e reduziu em 32% suas despesas
(principalmente de pessoal), apresentando no período um pequeno superávit;

9 O clube apresentou no balanço de 2004, patrimônio líquido negativo no montante


de R$ 138 milhões, mostrando uma situação real de insolvência;

9 Foram registrados no balanço do clube, contratos futuros de direitos de


transmissão, imagem e de patrocínio no montante de R$ 96 milhões, ainda não
recebidos, superavaliando seu ativo (contas a receber) em contrapartida de
resultado de exercícios futuros. Tal procedimento não está previsto nas normas
contábeis adotadas no Brasil;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 199


milhões;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios déficits superiores a R$ 23


milhões.

FLUMINENSE
9 O clube apresentou no balanço de 2004, patrimônio líquido negativo no montante
de R$ 102 milhões, mostrando uma situação real de insolvência;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios déficits superiores a R$ 15


milhões;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 139


milhões;

9 O considerável aumento no Ativo Realizável a Longo Prazo (contas a receber) foi


em função do registro de contratos com a televisão para transmissão de jogos e
publicidade.

VASCO DA GAMA
9 O clube apresentou o pior resultado entre os balanços analisados, déficit de R$
47 milhões;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 128


milhões;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios déficits superiores a R$ 60


milhões;

9 O clube não faz a depreciação do ativo imobilizado, apresentando dessa forma


um resultado superavaliado;

9 O balanço não apresenta nenhuma rubrica referente à provisão para possíveis


contingências cíveis ou trabalhistas;
CONSOLIDADO

Rio de Janeiro

9 As dívidas dos clubes do Rio de Janeiro superam R$ 619 milhões,


representando 42% das dívidas de todos os clubes analisados;

9 Os clubes acumularam nos dois últimos exercícios déficits superiores a R$ 108


milhões;

9 No conjunto, os clubes apresentam Patrimônio Líquido Negativo no montante de


R$ 339 milhões, um crescimento de 8% em relação a 2003;

9 Os clubes apresentam uma situação real de insolvência, ou seja, possuem mais


dívidas do que ativos (bens e direitos);

9 Na análise consolidada os clubes apresentam no exercício de 2004 um déficit


superior a R$ 60 milhões;

9 No conjunto, os clubes apresentaram no exercício de 2004, receitas no montante


de R$ 138 milhões, um crescimento de apenas 2% em relação a 2003; já as
despesas apresentaram um crescimento de 8% em relação a 2003, superando o
montante de R$ 198 milhões.
VISÃO REGIONAL
São Paulo

CORINTHIANS

9 Conseguiu aumentar suas receitas em 84% com relação a 2003, porém, suas
despesas também cresceram 33%, acarretando um superávit no exercício de
2004, superior a R$ 13 milhões;

9 O clube apresenta uma péssima situação de liquidez, tanto a curto como a longo
prazo;

9 A maior parte das dívidas do clube (60%), são empréstimos e contingências


fiscais e trabalhistas;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 68


milhões;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios superávits superiores a R$ 3


milhões;

PALMEIRAS

9 Aumentou seu volume de receitas em 47% (venda de atletas) e reduziu em 2%


suas despesas, apresentando no exercício um superávit superior a R$ 8
milhões;

9 O clube apresenta no exercício de 2004 uma boa situação de liquidez à curto


prazo, porém, a longo prazo a situação é bastante desconfortável;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 130


milhões;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios déficits superiores a R$ 7 milhões.

PONTE PRETA

9 O clube apresentou no balanço de 2004, patrimônio líquido negativo no montante


de R$ 15 milhões, mostrando uma situação real de insolvência;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios déficits superiores a R$ 10


milhões;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 27


milhões;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios déficits superiores a R$10 milhões.
SANTOS

9 O clube apresentou superávit no exercício de 2004, superior a R$ 10 milhões;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 105


milhões;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios superávits superiores a R$ 54


milhões;

9 O clube registra no Ativo Realizável a Longo Prazo, os direitos federativos sobre


seus atletas profissionais com base no valor da cláusula penal contratual, tendo
efeito positivo no superávit no montante de R$ 57 milhões;

SÃO CAETANO

9 O clube apresentou superávit no exercício de 2004, superior a R$ 5 milhões;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 6


milhões;

9 O balanço analisado foi do São Caetano Ltda, empresa criada em 2004 para
gerir os negócios do clube;

SÃO PAULO

9 Reduziu seu volume de receitas em 15% e reduziu em 5% suas despesas,


apresentando no exercício um déficit de R$ 2 milhões;

9 O clube não apresenta uma boa situação de liquidez tanto a curto, como a longo
prazo;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 54


milhões;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios superávits superiores a R$ 5


milhões.
CONSOLIDADO

São Paulo

9 As dívidas dos clubes de São Paulo superam R$ 392 milhões, representando


28% das dívidas de todos os clubes analisados;

9 Na análise consolidada os clubes de São Paulo apresentam Patrimônio Líquido


positivo superior a R$ 470 milhões;

9 As receitas dos clubes superam o montante de R$ 367 milhões, um crescimento


de 25% em relação a 2003; as despesas alcançaram o montante de R$ 333
milhões, um crescimento de 19% em relação a 2003;

9 Na análise consolidada os clubes apresentam no exercício de 2004, superávit


superior a R$ 34 milhões.
VISÃO REGIONAL
Minas Gerais

ATLÉTICO MINEIRO

9 Conseguiu aumentar suas receitas em 28% com relação a 2003, porém, suas
despesas também cresceram 29%, acarretando um déficit no exercício de 2004,
superior a R$ 26 milhões;

9 O clube apresenta uma péssima situação de liquidez, tanto a curto como a longo
prazo;

9 O capital de giro do clube é negativo em R$ 7 milhões;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 154


milhões, um acréscimo de 20% em relação a 2003;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios déficits superiores a R$ 46


milhões;

CRUZEIRO

9 Aumentou seu volume de receitas em 41% e aumentou em 12% suas despesas,


apresentando no exercício um superávit superior a R$ 51 mil;

9 O clube apresenta no exercício de 2004 uma boa situação de liquidez,


principalmente por ter registrado os direitos federativos sobre os jogadores no
Ativo Circulante;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 67


milhões;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios superávits superiores a R$ 300


mil;

9 O clube não constitui provisões para contingências em processo judiciais; e


também não registrou os encargos de depreciação do seu ativo imobilizado,
superavaliando possivelmente seu resultado no exercício.
CONSOLIDADO

Minas Gerais

9 As dívidas dos clubes de Minas Gerais superam R$ 222 milhões, representando


16% das dívidas de todos os clubes analisados;

9 Na análise consolidada os clubes de minas Gerais apresentam Patrimônio


Líquido positivo superior a R$ 121 milhões;

9 As receitas dos clubes superam o montante de R$ 95 milhões, um crescimento


de 17,5% em relação a 2003; as despesas alcançaram o montante de R$ 121
milhões, um crescimento de 20% em relação a 2003;

9 Na análise consolidada os clubes apresentam no exercício de 2004, déficit


superior a R$ 26 milhões.
VISÃO REGIONAL
Paraná
ATLÉTICO PARANAENSE

9 Conseguiu reduzir as receitas e despesas em 18% com relação a 2003,


acarretando um déficit no exercício de 2004, superior a R$ 18 mil;

9 O clube apresenta situação de liquidez apertada, tanto a curto como a longo


prazo, mesmo registrando os direitos federativos sobre os jogadores no Ativo
Circulante;

9 O capital de giro do clube é negativo em R$ 5 milhões;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 35


milhões, um acréscimo de 34% em relação a 2003;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios déficits superiores a R$ 499 mil;

CORITIBA
9 Aumentou seu volume de receitas em 11% e aumentou em 13% suas despesas,
apresentando no exercício um déficit superior a R$ 640 mil;

9 O clube apresenta no exercício de 2004 uma péssima situação de liquidez;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 32


milhões;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios superávits superiores a R$800 mil;

9 O clube não constitui provisões para contingências em processo judiciais; e


também não registrou os encargos de depreciação do seu ativo imobilizado,
superavaliando, possivelmente, seu resultado no exercício.

PARANÁ CLUBE

9 Conseguiu reduzir as receitas e despesas em 13% com relação a 2003,


acarretando um déficit no exercício de 2004 superior a R$ 1 milhão;

9 O clube apresenta no exercício de 2004 uma péssima situação de liquidez, tanto


a curto como a longo prazo;

9 O capital de giro do clube é negativo em mais de R$ 4 milhões;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 12


milhões, um acréscimo de 14% em relação a 2003;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios déficits superiores a R$ 2 milhões;


CONSOLIDADO

PARANÁ

9 As dívidas dos clubes do Paraná superam R$ 81 milhões, representando 6% das


dívidas de todos os clubes analisados;

9 Na análise consolidada, os clubes do Paraná apresentam Patrimônio Líquido


positivo superior a R$ 84 milhões;

9 As receitas dos clubes superam o montante de R$ 57 milhões, uma redução de


8% em relação a 2003; as despesas alcançaram o montante de R$ 68 milhões,
uma redução de 8% em relação a 2003;

9 Na análise consolidada os clubes apresentam no exercício de 2004, déficit


superior a R$ 1,5 milhões.
VISÃO REGIONAL
Rio Grande do Sul

INTERNACIONAL

9 Aumentou consideravelmente o volume de receitas em 116% em relação a 2003,


e as despesas só aumentaram 20%, apresentando no exercício de 2004 um
superávit superior a R$ 15 milhões;

9 O clube apresenta situação de liquidez péssima, tanto a curto como a longo


prazo;

9 O capital de giro do clube é negativo em mais de R$ 20 milhões;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 108


milhões, uma redução de 1% em relação a 2003;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios superávits superiores a R$ 4


milhões;

9 O Parecer da auditoria não foi publicado junto às demonstrações contábeis.

VISÃO REGIONAL
Santa Catarina

FIGUEIRENSE

9 Aumentou o volume de receitas em 42% em relação a 2003, Em compensação


as despesas aumentaram em 71% em relação a 2003, acarretando no exercício
de 2004 um superávit superior a R$ 8 mil;

9 O clube apresenta situação de liquidez péssima, tanto a curto como a longo


prazo;

9 O capital de giro do clube é negativo em mais de R$ 295 mil;

9 As dívidas do clube no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 5


milhões, um aumento de 10% em relação a 2003;

9 O clube acumulou nos dois últimos exercícios superávits superiores a


R$1milhão;
ANÁLISE DO BALANÇO DA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL
9 Reduziu o volume de receitas e despesas em 7% em relação a 2003,
apresentando no exercício de 2004 um superávit superior a R$ 3 milhões;

9 Apresenta uma boa situação de liquidez, principalmente a curto prazo;

9 O capital de giro da CBF é positivo em mais de R$ 22 milhões;

9 As dívidas da CBF no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 31


milhões, um aumento de 39% em relação a 2003;

9 A CBF acumulou nos dois últimos exercícios superávits superiores a R$ 8


milhões;

9 No exercício de 2004, a CBF contabilizou no Passivo Exigível a longo Prazo o


adiantamento de patrocinador referente a 2005, no montante de R$ 11 milhões.
Dessa forma corrigiu o erro que no exercício de 2003, superavaliou o Resultado
e o Patrimônio Líquido da Entidade;

9 A entidade melhorou o nível de transparência de suas demonstrações contábeis.

ANÁLISE DO BALANÇO DA FEDERAÇÃO DE FUTEBOL DO RIO DE JANEIRO


9 Reduziu o volume de receitas em 85% em relação a 2003, como também reduziu
as despesas em 72% em relação a 2003, acarretando no exercício de 2004 um
déficit superior a R$ 1,5 milhões. No ano de 2003 A FERJ contabilizou como
receita não operacional (deságio títulos da dívida pública) o montante de R$ 13
milhões, sendo o principal motivo para o considerável aumento nas receitas
desse exercício, o que não ocorreu no exercício de 2004. Com relação às
despesas, o considerável aumento no exercício de 2003 deu-se em virtude da
constituição de provisão para contingências e atualização monetária no REFIS, o
que não ocorreu em 2004;

9 O FERJ apresenta péssima situação de liquidez;

9 O capital de giro da FERJ é negativo em mais de R$ 8 milhões;

9 As dívidas da FERJ no exercício de 2004 ultrapassam o montante de R$ 9


milhões, um aumento de 15% em relação a 2003;

9 Os Auditores Independentes fizeram ressalva no Parecer, em virtude da


Entidade não fazer as devidas depreciações e não corrigir os impostos e
contribuições sociais;

9 A FERJ acumulou nos dois últimos exercícios superávits superiores a


R$ 400 mil;

9 As Notas Explicativas são muito pouco elucidativas.