Vous êtes sur la page 1sur 2

WALDIR JORGE DE ARAUJO 201403307105

Caso Concreto 5 : Em 2013, determinado Município concedeu isenção do ISSQN,


por 10 (dez) anos, para as empresas prestadoras de serviços que viessem se
instalar naquele território, gerando, em cada uma delas 25 (vinte e cinco) empregos
diretos.
Várias dessas empresas, atraídas por esse incentivo fiscal, lá se instalaram. E no
ano de 2016, surgiu uma outra norma jurídica revogando essa isenção do ISSQN.

Responda:
a) Este caso concreto refere-se a qual espécie de isenção?

Resposta: Prazo Certo, Onerosa, Subjetiva e Condicionada

b) Pode esta isenção ser revogada? Qual(is) princípio(s) deve(m) ser observado(s)?
Resposta: De acordo com o art. 178 do CTN, a lei que concede isenção pode
ser revogada, porém nas isenções de Prazo Certo e Onerosa, não cabe a
revogação, pois estaria violando o Princípio da Segurança Jurídica e o
princípio constitucional da anualidade (§ 29 do art. 153 da Constituição Federal
de 1967).

c) É possível o ajuizamento de alguma ação para evitar a revogação da isenção


mencionada no caso concreto? Caso positivo, qual(is)?

Resposta: Sim. Mandado de Segurança ou Ação Declaratória. Ação de


contestação dos efeitos da lei com pedido de liminar de concessão, já que a
matéria não diz respeito à expectativa de direitos, mas sim de direito adquirido.
Ver súmula 544 STF(Isenções tributárias concedidas, sob condição onerosa,
não podem ser livremente suprimidas).

Questão objetiva: O Tribunal de Contas


(X) a. auxilia o Legislativo na fiscalização da aplicação de subvenções e na
apreciação de renúncia de receitas.
( ) b. é subordinado ao Poder Legislativo, ao qual auxilia no exercício do Controle
Externo.
( ) c. integra o Poder Legislativo, por força de disposição constitucional.
( ) d. não integra nenhum dos Poderes, condição assegurada por cláusula pétrea
constitucional.
( ) e. tem a titularidade do exercício do controle externo e suas decisões de que
resultem multa ou imputação de débito tem a natureza de título executivo.