Vous êtes sur la page 1sur 24

UNIVERSIDADE LÚRIO

FACULDADE DE ENGENHARIA
LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL
4º ANO

PATOLOGIA CONSERVAÇÃO E REABILITAÇÃO

Análise de patologias de um edifício

PEMBA,OUTUBRO 2016
Yassmin Macete Carimo Rajabo

ANÁLISE DE PATOLOGIAS DE UM EDIFICIO

Trabalho em grupo de caracter


avaliativo na cadeira de patologia,
lesionada pelo Engo Josefa Vanguir.
Curso de licenciatura em Engenharia
civil, 4º Ano 2o semestre.

PEMBA, OUTUBRO 2016


Índice
INTRODUÇÃO ............................................................................................................................................ 1
DELIMITAÇÃO DO TEMA ........................................................................................................................ 2
OBJECTIVO GERAL DO TRABALHO ..................................................................................................... 2
OBJECTIVO GERAL .................................................................................................................................. 2
OBJECTIVOS ESPECÍFICOS ..................................................................................................................... 2
METODOLOGIA DO TRABALHO............................................................................................................ 3
REVISÃO DE LITERATURA ..................................................................................................................... 3
BREVE HISTORIAL ................................................................................................................................... 4
AVALIAÇÃO DAS PATOLOGIAS DO EDIFICIO ................................................................................... 5
INSPECÇÃO PRELIMINAR ....................................................................................................................... 5
INSPECÇÃO DETALHADA ....................................................................................................................... 6
PRÉ-DIAGNÓSTICO................................................................................................................................... 7
DIAGNÓSTICO ........................................................................................................................................... 7
CORROSÃO ................................................................................................................................................. 9
PAREDES DE ALVENARIA .................................................................................................................... 10
FISSURAÇÕES CAUSADAS POR MOVIMENTAÇÕES ....................................................................... 11
CAUSAS ..................................................................................................................................................... 14
COBERTURA ............................................................................................................................................ 14
CAUSAS ..................................................................................................................................................... 17
MEDIDAS A TOMAR EM RELAÇÃO AO EDIFICIO ........................................................................... 17
CAUSAS DA DEMOLIÇÃO ..................................................................................................................... 18
CONSIDERAÇÕES FINAIS...................................................................................................................... 18
CONCLUSÃO ............................................................................................................................................ 19
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ........................................................................................................ 20
INTRODUÇÃO

O presente trabalho, no âmbito de Segurança e conservação de edifícios, tem como finalidade a


tomada de medidas preventivas e de auto protecção do estabelecimento desenvolvimento e a
aplicação destas expressam-se através de algumas análises.

A preocupação pelas questões de segurança, quer individuais quer colectivas, cada vez mais, se
tornam importantes e daí ser necessária a caracterização e controle de edifícios no que se refere à
concepção, construção e utilização dos espaços, aos equipamentos e sistemas em uso, e ainda aos
critérios incluídos na organização e gestão da segurança.

Assim sendo, a concretização e implementação de um Plano de análise de Segurança de edifícios,


deve-se reger por legislação (leis, portarias, e normas) que regulem os parâmetros de segurança,
desde a fase de projecto até à execução das obras de construção e à manutenção das condições de
segurança durante toda a vida útil. Estas etapas devem ser executadas cuidadosamente para que na
ocorrência de alguns riscos (internos, externos ou naturais), não se sofra perdas graves no edifício,
isto em termos dos materiais de construção, equipamentos de trabalho e do seu sistema.

1
DELIMITAÇÃO DO TEMA

A complexidade e o conhecimento de patologias levam a impor delimitação temporal e espacial


sobre evolução de patologias em um determinado edifício, dentro do seu período de vida útil sem
no entanto esquecer os aspectos que vem ocorrendo no mesmo durante o seu tempo devida útil
(durante a sua utilização).

OBJECTIVO GERAL DO TRABALHO

Os objectivos gerais "estão ligados a uma visão global e abrangente do tema, relaciona-se com o
conteúdo intrínseco, quer dos fenómenos e eventos, quer das ideias estudadas vincula-se
directamente a própria significação da tese proposta pelo projecto."

OBJECTIVO GERAL do trabalho é:

Analisar as patologias do edifício a fim de saber o seu estado e a finalidade do mesmo para melhor
segurança da população.

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

Assim o trabalho tem como objectivos específicos:


 Analisar a gravidade das patologias do edifício;
 Saber o enquadramento destas patologias;
 Identificar as causas das patologias;
 Apresentar meios simples e práticos para enfrentar a problemática que esta causando a
agregação patológica do edifício;

2
METODOLOGIA DO TRABALHO

Para elaboração deste trabalho foi feito uma pesquisa bibliográfica, pesquisa local na Rua
Gerónimo Romero. Onde foi usado o método indutivo, que é um método responsável pela
generalização, isto é, parti de uma questão mais ampla, algo particular para uma questão geral em
relação ao historial do edifício. Portanto, o objectivo dos argumentos indutivos é levar a conclusões
cujo conteúdo é muito mais amplo do que o das premissas nas quais nos baseia-mos.

O estudo limitou-se na pesquisa b local em parte, por meio das informações existentes na região
onde se situa o edifício, de conhecimentos gerais, pesquisas bibliográficas, imagens e análises do
edifício tudo para descrever e responder aos objetivos propostos.

REVISÃO DE LITERATURA

A revisão de literatura é uma das etapas fundamentais para o estudo, pois fornece a fundamentação
teórica sobre o tema e a construção do conceito que dará suporte ao desenvolvimento da pesquisa
(MORESI, 2003). Somado a isso, o autor acrescenta que a revisão de literatura é o resultado dos
levantamentos e análises já publicadas sobre o tema da pesquisa, tendo com objetivo a
contextualização teórica do trabalho dentro da grande área de pesquisa.

Praticamente este capítulo compreende as seguintes secções:


 A primeira fase teremos o historial do edifício em estudo;
 A segunda fase aborda a utilização do mesmo.
 A terceira fase descreve a situação patológica do edifício e os aspectos que interferem para
essa situação e por último apresentam-se outros elementos relacionados com o tópico deste
trabalho.

3
BREVE HISTORIAL

Apesar do crescimento económico causado pelas descobertas de gás no norte de Moçambique, os


edifícios históricos de pemba continuam degradados. Os investimentos vão a construção de novos
edifícios e não a reabilitação. A degradação não poupa os prédios com elevado histórico como a
situação deste edifício:

Fig.1

Que foi na era colonial, ate 1979 a primeira tabacaria da cidade de pemba na província de Cabo
Delgado.

A tabacaria localiza-se na cidade baixa da cidade de pemba desde 1970. Foi uma atracção turística
de Pemba que em tempos coloniais era chamada de Porto Amelia, o edifício resistiu aas
intempéries naturais e ainda testemunha o quanto foi importante no tempo colonial.

4
Nesta tabacaria eram encontrados diversos tipos de produtos, alimentares assim como os de
primeira necessidade, foi aqui que os residentes do bairro mais antigo de pemba (primeiro bairro)
compravam os seus produtos e teve um papel muito importante durante o tempo colonial em 1970.

A esperança era que a explosão do gás ajudasse a reabilitar os edifícios históricos da cidade de
pemba, mas em vez de renovar e adaptar edifícios históricos já existentes para aproveitamento do
monumento histórico e preservação do historial da cidade de Porto Amelia, constroem-se novos
edifícios em pemba, a capital da Província Moçambicana Cabo Delgado. Os investimentos da
cidade capital são empregues para construção de novos edifícios e não para a reabilitação dos
antigos, e desta forma os edifícios acabam se transformando num tremendo caus como o caso da
antiga tabacaria que se encontra abandonada e com inúmeras patologias.

Uma área da construção civil, que tem vindo a desenvolver-se, significativamente, ao longo dos
tempos é a Patologia, que é à ciência que compreende as anomalias e as suas respetivas
causas/origens que poderão surgir num edificado, após a sua concretização.

Durante a execução de qualquer obra, ou durante a vida útil da mesma, é frequente observarem-se
fenómenos anómalos que podem condicionar o desempenho estético ou funcional dos materiais
constituintes (Garcia, 2006). Na realidade, essas mesmas anomalias podem ter implicações na
funcionalidade do edifício ou na segurança estrutural.

AVALIAÇÃO DAS PATOLOGIAS DO EDIFICIO

Avaliar o estado de conservação de um edifício é de mera importância, pois isso determina o nível
de conservação em que se encontra o imóvel e ajuda na tomada de decisões para as actividades
posteriores, caso eles exijam.

Durante a avaliação do edifício em estudo prossegue-se uma serie de perguntas aos moradores da
cidade baixa de pemba que ajudaram na recolha de informação para alguns estudos que foram
feitos ao edifício para a identificação das anomalias como e o caso da inspecção.

INSPECÇÃO PRELIMINAR

Deveria ser feita a inspecção preliminar que permitiria avaliar a evolução das anomalias
superficiais e acompanhar o processo das detetadas anteriormente;

5
Para prosseguir com essa inspecção dever-se-ia ter em conta os seguintes aspectos:

 Observação visual directa;


 Periodicidade: 15 meses;
 Visitas parciais;
 Planeamento e meios simples de acesso;
 Equipa com pelo menos um técnico experiente;
 Equipamento portátil de simples utilização.

Manutenção corrente durante a inspecção: remoção de vegetação, limpeza do sistema de


drenagem, retoques de pintura.

INSPECÇÃO DETALHADA

Essa análise deveria ser feita através de uma observação generalista da construção, que permitem
um bom conhecimento de defeitos superficiais, fendilhação, deterioração dos materiais,
deformações da estrutura e sistema de drenagem, onde deveriam ser levados em conta os seguintes
aspectos:

 Observação visual (check-up da construção);


 Periodicidade: 5 anos;
 Visita preliminar e aumento da frequência;
 Ensaios in-situ não destrutivos;
 Ensaios laboratoriais (se indispensáveis);
 Meios de acesso (simples e especiais);
 Equipa com engenheiro especialista.

Deveriam ter sido feitas as inspeções durante o tempo de utilização da tabacaria no seu tempo de
vida útil para evitar que durante o seu diagnóstico o edifício fosse deparado com graves sintomas
de anomalias, ou seja graves patologias.

6
PRÉ-DIAGNÓSTICO

Foi feita uma visita ao edifício para recolha de informações, e com a visita obtive informações que
o edifício foi construído no ano de 1979 com período de vida útil de 30 anos. Tendo este
actualmente 46 anos.

Durante o seu período de vida útil o edifício não sofreu nenhuma reabilitação, nenhuma reforma e
nenhuma intervenção para além do edificado. Já foi utilizados para vários fins comerciais para
além de venda de produtos no tempo colonial. Nunca sofreu nenhuma sobrecarga adicional para
além do que foi dimensionado no projecto.

DIAGNÓSTICO

Entendimento completo dos fenómenos ocorridos - análise de relações causa-efeito, que


normalmente caracterizam um problema patológico - entender os “porquê” e os “como” dos dados
conhecidos;

Depois de conhecer o historial do edifício e analisar fisicamente o estado do edifício comparando


o historial local e as pesquisas bibliográficas encontradas deste, constata-se que deveria ser feita
uma inspecção do edifício. Para sabe porque o edifício se encontra no estado em que esta
actualmente quais foram as causas que levaram esse edifício a chegar ate ao nível de patologias
em que se encontra.

Depois de feito o diagnostico no edifício em estudo, as patologias encontradas seriam de grandes


portes que essas por sua vez são conhecidas em engenharia como Deterioração e Corrosão do
Betão, Ferrugem na cobertura de chapas de zinco, fissuração como podemos ver nas figuras a
seguir:

7
Fig. 2

Fig.3

8
Devido ao estado do edifício actualmente, depois de ser feito o diagnóstico constataríamos que o
edifício em estudo não sofreu nenhuma inspecção durante o seu tempo de vida útil ate o seu
abandono. Por essa razão este encontra-se em um estado gravíssimo, com uma serie de anomalias
patológicas e em estado de degradação devido a patologias que serão caracterizadas a seguir.

CORROSÃO

O processo de corrosão de armaduras, em peças de betão armado, inicia-se quando ocorre a


despassivação das armaduras. Poderá estar associado ao fenómeno de carbonatação, ou ao ataque
de iões de cloreto nas armaduras.

Na realidade, existem algumas particularidades na composição do betão que proporcionam um


excelente meio de proteção para as suas respetivas armaduras, destacando-se os seguintes factos:

 A camada de betão de recobrimento, que constitui um impedimento à penetração de


agentes externos ameaçadores às armaduras;
 A elevada alcalinidade (valor de pH entre os 12 e 13) proporcionada através dos compostos
presentes no betão, tais como os hidróxidos de cálcio, sódio e potássio, faz com que o
ambiente em volta das armaduras se mantenha passivo.

O processo de carbonatação do betão é algo inerente a qualquer estrutura de betão armado que
esteja inserida num ambiente contendo dióxido de carbono, proporcionando-se um fenómeno que
cuja ocorrência pode ser controlada e minimizada, mas que será sempre dificilmente evitada
(Amaro, 2011). Por sua vez, a corrosão de armaduras provocada por ataque de cloretos é um
processo significativamente mais gravoso que a corrosão provocada pela carbonatação do betão,
uma vez que a ocorre com velocidades consideravelmente superiores (Amaro, 2011).

Segundo Appleton & Costa (1999), chega mesmo a existir uma relação equivalente entre o período
de vida útil da estrutura de betão armado e o período de iniciação do processo de corrosão de
cloretos, devendo-se, essencialmente à velocidade extremamente elevada de corrosão.

9
PAREDES DE ALVENARIA

As alvenarias têm sido e são ainda a solução construtiva mais utilizada para a construção do
elemento parede, cuja principal função é separar o espaço exterior do interior e ainda
compartimentar e definir os espaços interiores. No entanto, as paredes de alvenaria de edifícios,
em particular as que não apresentam função estrutural, são muitas vezes esquecidas na atividade
de projeto e na fase de execução o que tem contribuído para o aparecimento assíduo de diversos
fenómenos patológicos (Gonçalves et al., 2008). Segundo Aguiar et al. (2006), em paredes de
edifícios poder-se-á observar as seguintes anomalias não estruturais:

 Anomalias devido à ação da humidade;


 Fendilhação (limitada, às paredes sem função estrutural);
 Envelhecimento e degradação dos materiais, não imputável à humidade.

Porém, segundo Pereira (2005), os problemas visualizados nas paredes, por vezes, não passam de
meros efeitos, relacionados direta ou indiretamente com as alvenarias.

Fig.4

10
Fig.5

Contudo, será importante destacar as três anomalias provenientes do fenómeno de humidade de


condensação: criação de machas de bolores em locais de pontes térmicas (Fig. 4), surgimento de
manchas escuras em paramentos exteriores de parede devido a fenómenos de termoforese e
aparecimento de espectros de juntas em superfícies interiores de paredes exteriores (fig.5).

FISSURAÇÕES CAUSADAS POR MOVIMENTAÇÕES

Devido à variação de temperatura, diária e sazonal, a que os elementos e componentes construtivos


estão sujeitos, desenvolve-se uma variação dimensional dos materiais de construção (dilatação ou
contração), a qual provoca movimentos nos mesmos (Pereira, 2005). Porém, em circunstâncias de
restrição desta tipologia de movimentos promove-se o aparecimento de fissuras, provenientes da
manifestação de tensões que excedem a capacidade resistente à tração dos materiais envolvidos.

As fissuras causadas por origem térmica dependem de vários fatores, entre os quais se destacam:

 Gama de variação da temperatura (valores extremos de variação de temperatura);


 Temperatura inicial dos materiais de alvenaria;

11
 Teor de água inicial dos materiais da alvenaria;
 Efeito de restrição exercida sobre as paredes de alvenaria pelos elementos confinantes.

Contudo, as fissuras de origem térmica poderão surgir por movimentações diferenciadas entre
componentes de um elemento, entre elementos de um sistema e entre regiões distintas de um
mesmo material (Pereira, 2005).

O fenómeno de retração também é bastante frequente nas lajes de betão armado, originando
fissurações bastante significativas em paredes de alvenaria que encontram-se solidárias às
componentes estruturais em questão.

Fig.6

12
Fig.6

13
CAUSAS

De facto, as estruturas de betão armado e alvenarias localizadas em meios próximos de ambientes


marítimos encontram-se em situações mais oportunas de sofrer corrosão de armaduras provindo
do ataque de cloretos. Porém os iões cloreto poderão encontrar-se no ligante aplicado no betão
armado, devido à utilização de areias inadequadas no mesmo. No entanto, a medida de
recobrimento e o estado de conservação superficial dos elementos construtivos de betão armado,
influenciam a progressão da penetração dos cloretos nos elementos em questão.

O edifício em estudo encontra-se numa zona muito baixa da cidade, zona costeira, de muita
percolação, por ser uma zona de fácil acessibilidade da água e de muita vulnerabilidade podemos
constatar que uma das causas das patologias do edifício seja o contacto dos elementos de betão
com a água.

Para além dos elementos de betão alguns materiais de construção devem se isentos do contacto
com a água, podemos também referir a grande movimentação da zona devido a localização do
porto, essa zona e muito acessível e de muita vibração, que por sua vez podem ser responsáveis
pelas causas das patologias.

COBERTURA

As coberturas são um dos elementos construtivos mais afetados pela ação dos agentes atmosféricos
devido à sua elevada exposição e desempenham um papel fundamental na proteção dos edifícios
contra a penetração da humidade e água das chuvas (Garcez, 2009).

De facto, as principais anomalias que se poderão observar em elementos de coberturas inclinadas


ou planas são associadas a fenómenos de humidade, onde as ocorrências que induzem maior risco
são provindas da humidade de precipitação e de condensação (Aguiar et al., 2006).

Será relevante referir, que as consequências diretas da ocorrência de anomalias não estruturais em
coberturas encontram-se associadas à não satisfação dos requisitos de exigências de segurança não
estrutural, de segurança ao incêndio, contra choques acidentais, de intrusão e de eficiência térmica
e acústica. Porém, tal como os pavimentos, as anomalias não estruturais em coberturas
manifestam-se nos respetivos revestimentos.

14
A cobertura de zinco do edifício em estudo encontra-se com graves patologias como podemos ver
na figura abaixo:

Fig.7

Podemos verificar nas imagens a degradação dos elementos da cobertura, as ripas quase desabando
a cobertura a baixo, as fissuras nos elementos da cobertura expostas, as chapas de zinco
encurraladas de ferrugem e caindo aos pedaços para o interior do edifico.

O estado da cobertura do edifício em estudo deve ser considerado grave porque a estrutura esta
praticamente destruída oque coloca em perigo os indivíduos que frequentam esse edifício, porque
apesar de esse encontrar-se desocupado ainda tem sido vigilada, e também a sociedade em geral.

15
Fig.8

Fig.9

16
CAUSAS

Como referido anteriormente, as coberturas são um dos elementos construtivos mais afetados pela
ação dos agentes atmosféricos devido à sua elevada exposição. A mudança da temperatura tem
sido um dos factores principais no aparecimento de patologias nas coberturas dos edifícios, a
utilização de material inadequado também tem sido uma das causas.

No caso do edifício em estudo foi usado um material de alta qualidade, o que faz com que o
material não seja uma das causas. Se prosseguirmos com um estudo aprofundado constataríamos
que a principal causa das patologias no edifício em estudo será a temperatura especificamente o
aquecimento.

Visto que a cidade de Pemba tem havido muita falta de ocorrência de chuvas as coberturas de
zinco deste edifício foram expostas a altas temperaturas de aquecimento e com ausência das chuvas
estas foram criando sujidade e com as molhas das poucas chuvas que ocorrem nesta regiam elas
criam bolor que acaba danificando a estrutura de zinco criando ferrugem. Também por motivos de
falta de inspecção do edifício, essas patologias chegaram ao estado grave como deparado nas
figuras anteriores.

MEDIDAS A TOMAR EM RELAÇÃO AO EDIFICIO

Com a análise dos elementos construtivos dos edifícios e das respetivas exigências e graus de
satisfação respetivos, os resultados do diagnóstico provêm da atribuição de níveis de qualidade das
ocorrências no edifício. Contudo será importante referir, que no presente edifício, apenas se
considerou como prosseguir em relação a avaliação das patologias do mesmo.

Importará referir que a proposta apresentada tem especial interesse em classificar a situação atual
dos edifícios existentes no que respeita à avaliação da qualidade dos elementos da envolvente.

De facto, tal circunstância permitiu estudar os melhores cenários para a reabilitação do edifício
intervencionado, uma vez que permitiria a preservação dos pontos históricos da cidade, a
preservação da poluição do ambiente assim como as intervenções mais eficientes do ponto de vista
da vertente económica.

17
Mas tem-se a referir que o estado do edifício intervencionado é ligeiramente delicado por diversas
razoes que seria de grave responsabilidade manter o edifício em utilização mesmo passando por
uma reabilitação ou reforma. De salientar que edifício intervencionados nestes casos são
convencionados a DEMOLIÇÃO imediata.

CAUSAS DA DEMOLIÇÃO

 O edifício atingiu o seu estado limite último;


 Encontra-se em um estado degradado (elementos da estrutura danificados);
 Durante o seu tempo de vida útil não sofreu intervenção especial;
 Constitui um perigo a comunidade local (as estruturas de cobertura encontram-se em esta
de desabamento.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Por fim referir que depois de indicar os pontos de análise deste edifício, ou seja, como proferir
para avaliar este edifício, é de salientar que um dos pontos de análise para este será que o edifício
em causa não tem condições de salvamento, ou seja, a única solução para este edifício será a
demolição e construção de um novo edifício.

Caso o município da cidade de pemba queira preservar o edifício histórico, um dos poucos edifícios
que restara da história da antiga cidade de Porto Amélia poderia prosseguir no salvamento da
arquitetura do edifício, ou seja depois da demolição poderiam optar por reerguer um edifício novo
com a cara do edifício anterior, mesmo que não fosse exatamente igual seria uma das formas de
preservação do historial da cidade.

18
CONCLUSÃO

As manifestações patológicas são originadas por falhas que incidem durante a realização de uma
ou mais das actividades do processo da construção civil. Muitos cuidados são deixados de lado
quando se projecta se constrói ou se utiliza uma edificação, prejudicando a vida útil e desempenho
da estrutura durante sua vida útil. A realização de inspecções periódicas com a finalidade de
subsidiar as actividades de manutenção certamente possibilitará uma melhor estratégia de acção,
evitando que muitos dos problemas que ocorrem nas estruturas tenham seus efeitos intensificados
a ponto de comprometer as condições de funcionamento e a durabilidade. As inspecções devem
garantir a funcionalidade das construções durante toda a sua vida útil e prolongar esta tanto quanto
possível. A implementação de sistema de inspecção e diagnóstico facilita o armazenamento da
informação recolhida, a normalização de procedimentos e relatórios na inspecção e as tomadas de
decisão.

Contudo conclui que e pertinente fazer uma avaliação e segurança efectiva dos edifícios de modo
a mantê-los num bom nível de conservação, e em boas condições de utilização para que esgote o
seu período útil sem nenhum inconveniente para que não chegue ao nível de demolição também
que existem outras opções melhor ainda de como conservar um edifício individualmente. Pós se
optar em uma rotina de segurança e inspecção do edifício, melhor será a conservação, visto que
fazendo a tal rotina poderás identificar varias anomalias antes que as mesmas se agravem e assim
tomando providencia as solucionaras.

19
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRITO, de Jorge (2001), “Normalização de Processos na Inspecção de Pontes”, Seminário sobre


Segurança e Reabilitação das Pontes em Portugal, FEUP, Porto

Helene, Paulo & Pereira, Fernanda (Ed.). Rehabilitación y Mantenimiento de Estructuras de


Concreto. Bogotá, Colômbia, SIKA, 2007. 600 p. ISBN 85-60457-00-3

Instituto Superior Técnico, Patologia e Reabilitação da Construção Mestrado Integrado em


Engenharia Civil

20

Centres d'intérêt liés