Vous êtes sur la page 1sur 15

PROGRAMA DE PROTEÇÃO

RESPIRATÓRIA - PPR

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO MARIA APARECIDA PEDROSSIAN -


HUMAP

CAMPO GRANDE-MS, MARÇO DE 2017


PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA – PPR

O documento original está disponível na SOST/DIVGP.


Elaboração e Coordenação: Aprovação:

Equipe de Segurança do Trabalho Luiz Henrique Santos Coelho


Gerente Administrativo
SOST - Saúde Ocupacional e
Segurança do Trabalho.

Este documento quando impresso só é válido com assinatura.

Quadro de controle de Revisões


DATA Revisão Descrição Motivo

- Emissão em: 1
22.03.2017
22.03.2017
Motivo: 1 - Atendimento à legislação / 2 - Incorporação de nova atividade
3 - Alteração de metodologia / 4 - Melhoria do processo

2
Sumário

1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA .......................................................................................... 4


2. OBJETIVO ................................................................................................................................ 5
3. POLÍTICA DA EMPRESA ...................................................................................................... 5
4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA ...................................................................................... 5
5. ABRANGÊNCIA ....................................................................................................................... 6
6. RESPONSABILIDADES ......................................................................................................... 6
7. CRITÉRIO PARA SELEÇÃO, LIMITAÇÃO E USO DE RESPIRADORES .................... 8
8. OUTROS FATORES QUE AFETAM A SELEÇÃO DE UM RESPIRADOR ................... 9
9. TREINAMENTO ..................................................................................................................... 10
9.1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO TREINAMENTO: ............................................... 11
10. EXAMES MÉDICOS.......................................................................................................... 11
11. REVISÃO DO PROGRAMA ............................................................................................. 12
12. ARQUIVAMENTO DE REGISTROS .............................................................................. 12
13. TERMO DE APROVAÇÃO DA NORMATIVA ............................................................... 15
ANEXO 1 – PLANO DE AÇÕES (CRONOGRAMA DE METAS)

3
1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

Nome Empresarial: EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES – EBSERH


Título do Estabelecimento: EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES –
EBSERH
Filial: Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian - HUMAP/EBSERH
Endereço: Rua Senador Filinto Muller, 335, Bairro Cidade Universitária.
Bairro: Vila Ipiranga CEP: 79.002-970
Telefones: (67) 3345-3304
Cidade: Campo Grande / MS
CNPJ: 15126437/0018-91 (Filial).
CNAE Principal: 86.60-7-00 - Atividades de apoio à gestão de saúde - Grau de Risco
01
CNAE Secundário: Grau de Risco 03
ATIVIDADES DE ATENDIMENTO HOSPITALAR, EXCETO PRONTO-SOCORRO E UNIDADES PARA
8610-1/01
ATENDIMENTO A URGÊNCIAS.
8630-5/01 ATIVIDADE MÉDICA AMBULATORIAL COM RECURSOS PARA REALIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS
8630-5/02 CIRÚRGICOS.
ATIVIDADE MÉDICA AMBULATORIAL COM RECURSOS PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES
8630-5/06 COMPLEMENTARES.
SERVIÇOS DE VACINAÇÃO E IMUNIZAÇÃO HUMANA.
8640-2/01 LABORATÓRIOS DE ANATOMIA PATOLÓGICA E CITOLÓGICA.
8640-2/02 LABORATÓRIOS CLÍNICOS.
8640-2/03 SERVIÇOS DE DIÁLISE E NEFROLOGIA.
8640-2/04 SERVIÇOS DE TOMOGRAFIA.
8640-2/06 SERVIÇOS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA.
8640-2/08 SERVIÇOS DE DIAGNÓSTICO POR REGISTRO GRÁFICO - ECG, EEG E OUTROS EXAMES ANÁLOGOS.
8640-2/09 SERVIÇOS DE DIAGNÓSTICO POR MÉTODOS ÓPTICOS - ENDOSCOPIA E OUTROS EXAMES
8640-2/10 ANÁLOGOS.
SERVIÇOS DE QUIMIOTERAPIA
ATIVIDADES DE SERVIÇOS DE COMPLEMENTAÇÃO DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA NÃO
8640-2/99
ESPECIFICADAS ANTERIORMENTE.

Grupo da CIPA: C-34.


Colaboradores ativos CLT: 769.
Data do levantamento: 12/2016 a 03/2017.

Programa elaborado por:


Eng.º Seg.ª do Trabalho – Túlio Antunes Pinto Coelho – CREA-MG 188511/D

4
2. OBJETIVO

Este Programa de Proteção Respiratória (PPR) tem como objetivo garantir


segurança aos trabalhadores contra riscos respiratórios por meio da
adequada utilização de respiradores. Esses equipamentos somente podem ser
utilizados quando necessário para complementar as medidas de proteção coletiva
implementadas, ou enquanto as mesmas estiverem sendo implantadas e nas
emergências.

3. POLÍTICA DA EMPRESA

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – EBSERH, filial Hospital


Universitário Maria Aparecida Pedrossian – HUMAP/UFMS - estabelece, por meio
deste PPR, um conjunto de medidas com a finalidade de adequar a utilização dos
equipamentos de proteção respiratória (EPR), quando necessários, para
complementar medidas de proteção coletiva existentes ou para garantir uma
completa proteção ao funcionário contra os riscos respiratórios nos ambientes de
trabalho.

4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

 IN 1/94 – Regulamento técnico sobre o uso de equipamentos para proteção


respiratória.
 Norma Regulamentadora nº 6 – Equipamentos de Proteção Individual (EPI).
 Norma Regulamentadora nº 7 – Programa de Controle Médico de Saúde
Ocupacional (PCMSO).
 Norma Regulamentadora nº 9 – Programa de Prevenção de Riscos
Ambientais (PPRA).
 Norma Regulamentadora nº 32 – Segurança e Saúde no Trabalho em
Serviços de Saúde.

5
5. ABRANGÊNCIA

Todos os trabalhadores do HUMAP com exposição a riscos respiratórios, bem


como os prestadores de serviço a qualquer título devem cumprir e colaborar para
o sucesso deste programa.

6. RESPONSABILIDADES

Da Gerência Administrativa

 Aprovar e garantir a implantação do PPR, bem como zelar pela sua


eficácia.

 Apoiar e prover recursos, instrumentos, materiais e condições necessárias


à execução do PPR.

 Indicar o profissional responsável pela administração do PPR.

 Cumprir e fazer cumprir a legislação vigente.

Do Serviço de Segurança do Trabalho

 Elaborar o PPR e coordenar o desenvolvimento das ações propostas neste


programa, com foco em prevenção de acidentes e doenças do trabalho.

 Auxiliar os setores a executar ações para implantação e manutenção do


PPR.

 Especificar o respirador adequado à exposição do empregado, desde que


apresente Certificado de Aprovação (CA) emitido pelo Ministério do
Trabalho e Previdência Social (MTPS) e registro na Agência Nacional de
Vigilância Sanitária (ANVISA), no caso de risco biológico.

 Realizar treinamento sobre uso e conservação dos respiradores, bem como


informar sobre os riscos envolvidos na operação.

 Monitorar o funcionamento do respirador e tomar providências necessárias.


No caso de constatação de defeito de fabricação, comunicar ao fabricante
e à Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho (SSST).

6
 Manter atualizadas as avaliações sobre contaminantes na área de trabalho,
para seleção e acompanhamento efetivo dos respiradores.

 Realizar a gestão de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e demais


materiais e equipamentos necessários à execução do PPR.

 Controlar, registrar e realizar os ensaios de vedação dos respiradores.

 Avaliar, aprovar ou reprovar o uso de respirador pelo empregado.

Do Serviço de Saúde Ocupacional

 Realizar exames médicos ocupacionais.

 Determinar se o empregado tem ou não condições médicas para utilizar um


respirador, caso haja restrição ao uso do EPR informar ao Setor de Gestão
de Pessoas, ao Setor de lotação do empregado e ao Serviço de Segurança
do Trabalho para providências cabíveis.

 Acompanhar o ensaio de vedação.

 Anexar os registros do ensaio de vedação nos prontuários médicos.

Do Setor de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH/SCCIH)

 Realizar treinamento de controle de infecção hospitalar.

 Executar programa de educação sobre precauções de isolamento.

 Auxiliar os trabalhadores quanto ao uso adequado dos respiradores.

 Divulgar as doenças transmitidas por contato, gotícula aerossol.

Do Empregado

 Cumprir as disposições legais e regulamentares sobre segurança e saúde


do trabalho, inclusive as ordens de serviço expedidas.

 Colaborar com a execução do PPR.

 Submeter-se ao ensaio de vedação e aos exames médicos ocupacionais.

 Cumprir as orientações médicas decorrentes da avaliação de sua saúde.

7
 Fazer uso do EPR de acordo com os treinamentos e instruções recebidos.

 Comunicar, o mais breve possível, ao Médico do Trabalho ou Enfermeiro


do Trabalho, quando acometido por problema de saúde, principalmente se
associado ao trabalho.

 Em caso de acidentes, comunicar ao supervisor e ao SOST,


imediatamente.

 Guardar o respirador que não estiver em uso, preservando-o de danos ou


deformidade.

 Comunicar à SOST qualquer alteração do seu estado de saúde, que possa


influir na sua capacidade de usar EPR de modo seguro.

 Deixar o local, se perceber que o EPR não está funcionando


adequadamente.

 Manter a área do rosto isenta de pelos faciais (barba, bigode,


costeletas ou cabelos).

7. CRITÉRIO PARA SELEÇÃO, LIMITAÇÃO E USO DE RESPIRADORES

Atividades do usuário

Na seleção de um respirador devem ser considerados os riscos respiratórios a


que os trabalhadores estão ou poderão estar expostos, bem como o tempo
durante o qual o respirador será utilizado.

A seleção de um respirador requer que o profissional conheça as operações e os


riscos envolvidos nas atividades. Tal conhecimento permite a seleção assertiva do
tipo ou classe de respirador que proporcione uma proteção adequada.

Localização da área de risco

Na seleção é importante considerar se o local é seguro e possui ar respirável.


Isso faz com que seja possível estabelecer quais rotas são as mais seguras em
caso de emergência, bem como a realização dos serviços de manutenção,
operação ou resgate.

8
Características e limitações dos respiradores

As características físicas e funcionais dos respiradores, assim como suas


limitações, deverão ser observadas no processo. Os diversos respiradores
disponíveis no mercado fazem com que cada um atenda a diferentes demandas.

Características da tarefa

O nível de esforço exigido em cada atividade, bem como a condição do ambiente,


é determinante na vida útil do respirador. No caso extremo de esforço a
quantidade de ar trocada aumenta e os filtros presentes em alguns tipos de
máscaras poderão ter sua eficiência comprometida mais rapidamente, causando
então uma dificuldade na troca de ar.

Aprovação e validade dos respiradores

Somente será permitida a utilização de respiradores aprovados pelo Ministério do


Trabalho e Previdência Social (MTPS), que possuam Certificado de Aprovação
(CA) válido no momento da aquisição e que estejam dentro do prazo de validade
estabelecido pelo fabricante. No caso de exposição a risco biológico, será
necessário também o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária
(ANVISA).

8. OUTROS FATORES QUE AFETAM A SELEÇÃO DE UM RESPIRADOR

Pelos Faciais

O trabalhador que usa respirador não poderá ter pelos faciais (barba, bigode,
costeletas ou cabelos). Os pelos nessa região fazem com que a vedação e o
funcionamento das válvulas sejam comprometidos.

A barba impede um ajuste facial adequado. Eventualmente, bigodes e


costeletas podem ser compatíveis com um bom ajuste facial, desde que não
interfiram na zona de selagem e no funcionamento das válvulas do respirador.

Visão

Em caso de uso de lentes de contato, óculos de grau, óculos de segurança,


protetor facial, máscara de soldador ou outro tipo de proteção ocular ou facial,
eles não devem comprometer a vedação do respirador.

9
É vedado o uso de óculos com tiras ou hastes que passem na área de vedação
do respirador do tipo com vedação facial.

Comunicação

A necessidade de comunicação por parte de alguns profissionais e a dificuldade


criada em ambientes ruidosos deverão ser consideradas na seleção do
respirador.

Problemas de Vedação

É vedado o uso de gorros e bonés com abas que interfiram na vedação dos
respiradores.

Os tirantes dos respiradores com vedação facial não devem ser colocados ou
apoiados sobre hastes de óculos, capacetes e protetores auditivos circum-
auriculares. Nenhum EPI ou acessório deverá intervir na vedação da peça.

Verificação de Vedação

Toda vez que o usuário colocar o respirador antes de entrar na área de risco ou
reajustá-lo quando já estiver no local, deve “verificar a vedação” para garantir que
o respirador esteja ajustado corretamente na face.

Ensaio de Vedação

Todo usuário de respirador com vedação facial (desde as peças semifaciais


filtrantes até as máscaras autônomas) deve ser submetido a um ensaio de
vedação para determinar se o respirador já aprovado na verificação de vedação
apresenta uma selagem aceitável em seu rosto.

9. TREINAMENTO

A fim de garantir o uso adequado do EPR os empregados deverão receber


treinamento de segurança inicial e, posteriormente, com periodicidade bienal ou
sempre que houver alteração da exposição ao risco que implique em
fornecimento de novos equipamentos.

10
9.1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO TREINAMENTO:

 O risco respiratório e o efeito sobre o organismo humano se o respirador


não for usado de modo correto;

 As medidas de controle coletivo e administrativo que estão sendo adotadas


e a necessidade do uso de respiradores para proporcionar a proteção
adequada;

 O funcionamento, as características e as limitações do respirador


selecionado;

 O modo de colocar o respirador e de verificar se ele está colocado


corretamente no rosto;

 O modo correto de usar o respirador durante a realização do trabalho;

 Higienização correta do respirador;

 Os cuidados de manutenção, inspeção e guarda quando não estiver em


uso;

 O reconhecimento de situações de emergência e como enfrentá-las;

 As exigências legais sobre o uso de respiradores para certas substâncias;

 A necessidade de informar o seu supervisor de qualquer problema que


tenha ocorrido consigo devido ao uso do respirador, ou com seus colegas
de trabalho.

10. EXAMES MÉDICOS

Todos os usuários de EPRs deverão passar por exames médicos específicos


antes de utilizar os respiradores. Estes exames serão indicados pelo médico
coordenador do PCMSO.

11
11. REVISÃO DO PROGRAMA

A verificação da eficácia do PPR é realizada anualmente (Auditoria Anual), no


período em que ocorre a revisão do documento base. Nessa etapa, serão
avaliadas as metas descritas no Planejamento Anual (Anexo 1) quanto ao seu
cumprimento, execução das medidas de controle adotadas à eliminação,
neutralização ou redução dos riscos, ou ainda se surgiram novos riscos no
ambiente de trabalho.

12. ARQUIVAMENTO DE REGISTROS

O presente PPR deverá ser arquivado pela Empresa Brasileira de Serviços


Hospitalares – EBSERH, Filial Hospital Maria Aparecida pedrossian –
HUMAP/UFMS, pelo período mínimo de 20 (vinte) anos, cabendo à empresa
garantir a divulgação de seu conteúdo aos trabalhadores.

12
ANEXO 1 – IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES (CRONOGRAMA DE METAS)

De acordo com o levantamento de campo, foi elaborado um plano de ação


contemplando atividades, metas e prioridades a serem implementadas de forma a
eliminar, minimizar ou controlar os riscos ambientais, conforme cronograma
abaixo:

CRONOGRAMA METAS PARA OS PRÓXIMOS 12 MESES

Ação Prazo Responsável Observações

Cabe aos gestores supervisionar


Realizar inspeções nos ambientes Segurança do o uso dos respiradores no local
Mensal
de trabalho Trabalho de trabalho e implantar as
recomendações.
Os EPIs descartáveis
encontram-se disponíveis no
Registrar na ficha de EPI a Segurança do local de trabalho a partir da
Permanente
primeira entrega do EPR Trabalho primeira troca. Mascaras N95
podem ser adquiridas também
na SOST.

Controlar e executar a distribuição


Terceirizadas devem apresentar
dos respiradores para os setores e Permanente Almoxarifado
seus próprios respiradores.
profissionais do HUMAP

O treinamento deve incluir:


princípios e critérios de seleção
de respiradores, verificação de
Realizar treinamento sobre
Segurança do vedação, ensaio de vedação,
utilização de respiradores Permanente
Trabalho inspeção, distribuição, uso e
(treinamento biossegurança)
monitoramento de respiradores,
manutenção e guarda, legislação
relativa a uso de respiradores.
O trabalhador deve avaliar de
Avaliar se o respirador está em
forma sistemática o ajuste e a
bom estado e realizar verificação Permanente Trabalhador
vedação do respirador ao seu
de vedação
rosto.
Verificar se o trabalhador utiliza o Cabe à Segurança do Trabalho
Segurança do
respirador adequadamente e se Permanente fiscaliza o uso dos respiradores
Trabalho
faz a verificação da vedação no local de trabalho.
Será adicionado ao próximo
Proxima termo de referencia clausula
Elaborar procedimento
Licitação de Segurança do referente à necessidade da
operacional para ensaio de aplicação do Fit Test por parte
Compra de Trabalho
vedação (Fit Test)
EPI’s da empresa fornecedora.

13
Ação Prazo Responsável Observações

Identificar substâncias capazes de


Segurança do
oferecer riscos respiratórios aos Permanente .
Trabalho
trabalhadores
Avaliar se o trabalhador pode
desenvolver as tarefas que lhe
Realizar exames médicos foram atribuídas e que ele
ocupacionais, atentando para o Saúde próprio não se constituirá um
Permanente
risco respiratório e o uso de Ocupacional risco potencial, que o respirador
respiradores. não irá causar nenhum problema
especial e que ele está apto para
usá-lo.
Garantir a participação do Cabe à Gerência/Chefia liberar o
trabalhador nos treinamentos, nos Gerência/ empregado para participar dos
Permanente
ensaios de vedação e nos exames Chefia treinamentos, ensaios de
médicos ocupacionais. vedação e exames médicos.
O PPR deverá ser revisado
anualmente ou sempre que
Realizar auditoria e análise global Segurança do
Até Mar/18 houver mudança de atividades
do PPR Trabalho
com exposição a riscos
diferentes.
O PPR deverá ser revisado
anualmente ou sempre que
Segurança do
Revisar o PPR Até Mar/18 houver mudança de atividades
Trabalho
com exposição a riscos
diferentes.
Contratação de empresa para
Aguardando Segurança do
realização de avaliação Processo 23538.000408/2017-75
Licitação Trabalho
quantitativa de químicos

14
13. TERMO DE APROVAÇÃO DA NORMATIVA

Este Documento é emitido em via impressa e digital. A via impressa é assinada


pelos responsáveis pela elaboração do PROGRAMA DE PROTEÇÃO
RESPIRATÓRIA, Divisão de Gestão de Pessoas, Gerente Administrativo e
Superintendente ficando arquivada no Setor de Saúde Ocupacional da EBSERH –
HUMAP e à disposição da Inspeção do Trabalho.

Campo Grande-MS, 22 de março de 2017.

Maurício das Neves Andreo Regis Faustino Duarte


Tec. Segurança do Trabalho Téc. Segurança do Trabalho

Gleidson Gomes Barbosa Patricia Galvão da Silva


Tec. Segurança do Trabalho Tec. Segurança do Trabalho

Túlio Antunes Pinto Coelho


Eng. Segurança do Trabalho

Diego Aparecido Melo


Chefe da Divisão de Gestão de Pessoas

Luiz Henrique Santos Coelho


Gerente Administrativo

Andreia Conceição Milan Brochado Antoniolli Silva


Superintendente

15

Centres d'intérêt liés