Vous êtes sur la page 1sur 6

MINISTÉRIO DE CURA E LIBERTAÇÃO

O ministério da Cura na Igreja Católica nos


ensinamentos da
Sagrada Escritura.

Um dos méritos da Renovação Carismática Católica é o


de ter redescoberto uma das características da Igreja
Primitiva, o antigo carisma da cura, na Igreja dos dias
atuais.

Hoje também, o Espírito Santo quer realizar as


mesmas coisas que lemos nas páginas das Escrituras. Ele
não perdeu nada de seu poder e nenhum de seus dons. A
missão de Jesus e da Igreja ainda não terminou. E deve
continuar, através dos apóstolos dos tempos modernos, que
pregam e realizam os mesmos atos de poder que Jesus e os
Apóstolos, até a fazer “maiores obras do que Ele mesmo”,
por que, indo para o Pai, Ele confiou à Igreja a tarefa de
continuar o seu ministério (Jo 14, 12).

Portanto, a evangelização feito pela Igreja Católica,


que é uma extensão da missão do Senhor Ressuscitado,
deve ser acompanhada pelos carismas divinos do Espírito
Santo, conforme descritos para nós nos Atos dos Apóstolos
e no Evangelho de S. Marcos (ver Mc 16,18b).

Jesus mandou os apóstolos pregarem, curarem e


expulsarem os demônios (ver Mc 10, 7-8) mas, se a Igreja
Católica só pregasse sem expulsar os demônios, não estaria
fazendo a vontade de Jesus! Se a Igreja Católica pregasse a
mensagem da salvação sem continuar a fazer as mesmas
obras que Jesus fazia, seria como se traísse o mandato que
Deus deu à Igreja. Proclamar a doutrina da divina salvação
que é abstrata, teórica, intelectual ou moralista, sem ser
uma salvação de fato, ou falar de um conceito de salvação
que seja eficaz, seria uma retórica vazia.
O Santo Padre, o Papa João Paulo II, diz que Cristo é o
redentor do homem todo (Redemptor Hominis), espírito,
alma e corpo. O ministério da cura testemunha o cuidado e
a compaixão que Jesus e sua Igreja tem pelos enfermos,
não apenas no espírito, mas, também no corpo.

Portanto, os católicos são levados pela Palavra de


Deus a exercer os ministérios carismáticos, entre os quais
está o da cura. São motivados a desejar sincera e
humildemente estes carismas para a edificação da Igreja (1
Cor 12,4-11; Ef 4, 11; Rm 12, 6-9) e a libertar-se de todos os
obstáculos que restrinjam o seu uso. S. Paulo diz: “A
respeito dos dons espirituais, irmãos, não quero que vivais
na ignorância” (1 Cor 12, 1).

No ensinamento da Igreja Católica

A este respeito, o ensinamento oficial da Igreja


Católica no Concílio Vaticano II foi o de encorajar o uso dos
carismas para a evangelização, como revelado na
Constituição Dogmática sobre a Igreja: os Carismas “são
úteis para a renovação e para a crescente expansão da
Igreja” (LG 12).

Também, de acordo com a Lumen Gentium, “estes


carismas, embora extraordinários, devem ser recebidos
com gratidão e grande alegria”. Para apoiar o uso do
ministério de cura na Igreja Católica, o Vaticano expressou-
se em três ocasiões importantes:

a) O primeiro é um relatório editado por quatro Dicastérios


do Vaticano, que afirma que uma atenção especial deve ser
reservada à dimensão da experiência, isto é, à descoberta
da pessoa de Cristo através de uma vida de oração e de
serviço (por exemplo, na Renovação Carismática e em
outros movimentos, a experiência de “nascer de novo”).
Obs.: Atenção especial deve ser dada ao ministério
de cura através da oração.

b) O segundo documento é uma carta do Secretário de


Estado do Vaticano, em nome de João Paulo II, aos
participantes do Seminário Internacional sobre o Ministério
de Cura organizado pelo Pontifício Conselho dos Leigos e
pelo ICCRS, em San Giovanni Rotondo (Foggia), em outubro
de 1995: “Sua Santidade espera que o Seminário contribua
para uma maior apreciação dos dons carismáticos de cura
nos seus aspectos essenciais em relação à fé em Cristo e à
edificação de sua Igreja, na unidade e no amor”.

c) O terceiro documentos foi publicado recentemente pela


Congregação da Doutrina da Fé, intitulado “Instrução para
oração para receber a cura de Deus”.

A contribuição da Renovação Carismática Católica

Através do ensinamento da Igreja primitiva e da


doutrina da Igreja Católica, a Renovação Carismática
Católica aprendeu a usar o ministério de cura na
evangelização. A Renovação Carismática Católica sabe da
importância de seguir os ensinos do Magistério Eclesial e de
ouvir “cum Ecclesia” (“com a Igreja”), e é por esta razão
que ela assumiu a tarefa de continuar sua missão
evangelizadora na Igreja, exercendo corajosamente o
ministério de cura na proclamação da palavra de Deus. O
ministério de cura é também, conforme uma de nossas
expressões, uma oração de libertação que muitas vezes é
acompanhada de benefícios tanto espirituais como físicos
(cf. Mc 16, 18; 1 Cor 12, 9; Tg 5, 14). E aqueles que foram
libertados e curados são chamados a dar testemunhos para
que os cristãos sejam um sinal de que o Reino de Deus está
entre os homens (ver Lc 10, 9; Mt 11, 4).

No ministério de cura há a expressão de fé, de que a


salvação e a cura são para a pessoa toda. Cristo não veio
somente para salvar as almas mas, para o homem em sua
totalidade. A imposição das mãos e a unção com óleo são
maneiras através das quais a Igreja expressa sua fé. Jesus
veio como o grande Médico que cura as almas enfermas de
pecado e de doenças físicas. Ele é o Redentor do homem.

Neste ministério podemos encontrar uma lição preciosa de


alta pedagogia: o toque do divino na carne do homem
mostra a boa nova de que mesmo os mais fracos são
merecedores de tornar-se recebedores de honra, através da
qual Deus revela os ministérios do Reino. Não é difícil
encontrar em nossas comunidades pessoas que são usadas
por Deus para levar cura a outras. Suas mãos tornam-se
mãos de Deus e seu toque revela o poder de Deus. Isto é
realmente um mistério!

Muitas vezes é o ministério de cura que causa as


maiores preocupações à autoridade da Igreja. O
relacionamento corpo-espírito, redescoberto na Renovação,
faz a oração carismática parecer incontrolável e muito
emocional àqueles cuja aproximação a Deus é
fundamentalmente de maneira cognitiva.
Apesar disto, é este relacionamento corpo-espírito que atrai
aqueles que sabem que nem tudo está “sob controle”,
aqueles que não tem nada a perder. São estas pessoas que
aceitam abrir os braços para Deus; porque Deus é uma
realidade e não uma teoria: Ele é uma pessoa viva e
quando esta gente o experimenta pessoalmente, diz que
uma enorme mudança acontece em suas vidas. O “Deus do
Céu”, veio para viver dentro delas e afirmam que não são
mais as mesmas.

A respeito do importante argumento do carisma da


cura, o Pontifício Conselho para os Leigos do vaticano
convidou o ICCRS para colaborar na organização de um
importante “Colóquio sobre a oração de cura e a Renovação
Carismática Católica”, que se realizou em Roma em
novembro último e reuniu especialistas, teólogos, bispos,
cardeais e líderes de destaque da Renovação Carismática
Católica de todo o mundo.

Tal colóquio mostrou a importância que hoje tem o


ministério de cura para as autoridades eclesiásticas e a
decisiva contribuição que a Renovação Carismática Católica
pode dar na sua redescoberta e em seu uso na Igreja
Católica de nossos dias.

ALGUMAS PERGUNTAS E RESPOSTAS IMPORTANTES

I - O que é Ministério de Oração por Cura e Libertação

Como um dos Ministérios exercidos por participantes


do Movimento Eclesial da Renovação Carismática Católica
no Brasil, o Ministério de Oração por Cura e Libertação é o
serviço que alguns servos ministeriados e preparados com
adequada formação, prestam aos membros participantes
dos Grupos de Oração, visando evangelizá-los e orientá-los
a buscarem a cura e a libertação para si e para os seus, em
Jesus - o Senhor vivo e ressuscitado -, através da oração
dos irmãos.

Tem como objetivo reacender a chama da fé no


coração de todos, pois “Jesus Cristo é sempre o mesmo:
ontem, hoje e por toda a eternidade” (Hb 13,8), realizando
sinais, milagres, prodígios e maravilhas no meio de nós; na
certeza que o plano do Pai é nos conceder em Jesus Seu
Filho, vida em plenitude (cf. Jo 10,10), pelo poder do Seu
Santo Espírito.

II - O que faz o Ministério de Oração por Cura e Libertação


Os servos Ministeriados na Oração por Cura e
Libertação, devem acolher todos aqueles que vêm aos
Grupos de Oração em busca de intercessão e de orientação
para seus problemas e/ou dificuldades pessoais, familiares.

Devem estar preparados para ouvi-los com atenção,


discrição e evitando emitir opinião pessoal sobre as
situações partilhadas, e mantendo sempre rigoroso sigilo
dos fatos.
Se aqueles que vieram pedir aconselhamento, desejarem,
orar por cada um, sob a inspiração do Dom de Oração em
Línguas, da Palavra de Ciência e do Discernimento dos
Espíritos, procurando ajudá-los a compreenderem o Plano
de Deus.

Aconselhá-los, sob a inspiração da Palavra de


Sabedoria, dando-lhes algumas orientações práticas quanto
à vida com Deus e com os irmãos, para que cheguem à
solução de seus problemas e a viverem segundo a vontade
do Pai.

Tudo isto os incentive a viverem na graça de Deus,


orando mais intensamente, participando com maior
assiduidade dos Sacramentos e da vida comunitária, sendo
mais perseverantes da leitura e meditação da Bíblia
Sagrada, para assim escutarem o Senhor e viverem o Amor.