Vous êtes sur la page 1sur 12

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/318795372

Mulheres usuárias de crack em internação hospitalar: prostituição e


doenças sexualmente transmissíveis

Presentation · October 2015


DOI: 10.13140/RG.2.2.19655.19361

CITATIONS READS

0 10

5 authors, including:

Bruna Hartmann Luana Mello


Universidade do Vale do Rio dos Sinos Universidade do Vale do Rio dos Sinos
7 PUBLICATIONS   0 CITATIONS    35 PUBLICATIONS   0 CITATIONS   

SEE PROFILE SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Habilidades Sociais Educativas Parentais e o manejo do uso da internet pelos filhos adolescentes View project

Esquemas iniciais desadaptativos e problemas de comportamento no ciclo vital View project

All content following this page was uploaded by Luana Mello on 31 July 2017.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


MULHERES USUÁRIAS DE CRACK EM INTERNAÇÃO
HOSPITALAR:
PROSTITUIÇÃO E DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

Bruna Hartmann
Luana T. Nesi de Mello, Emanuelli Beneton, Jéssica Limberger
Orientadora: Profª Drª Ilana Andretta
Mulheres usuárias de crack
• Mulheres Prostituição Dependência Química¹
• Perfil de risco²
• Comportamentos sexuais arriscados
• Manter o consumo por meio da prostituição
• Moeda de troca
• Imagem historicamente construída da mulher (mãe,
cuidadora e esposa) não condiz com a imagem da mulher
usuária de drogas3

¹Vernaglia, T. V. C., Vieira, R. A. M. S., & Cruz, M. S. (2015). Usuários de crack em situação de rua – características de gênero. Ciênc. saúde coletiva, 20(6), p. 1851-59.
2Ribeiro, L. A., Sanchez, Z. M. & Nappo, S. A. Estratégias desenvolvidas por usuários de crack para lidar com os riscos decorrentes do consumo da droga. (2010). J Bras Psiquiatr. 59(3), p.210-18.
3Souza, M. R. R., Oliveira, J. F., & Nascimento, E. R. (2014). A saúde de mulheres e o fenômeno das drogas em revistas brasileiras. Texto Contexto Enferm. 23(1), 92–100
Prostituição e DST’s
• Prostituição forma de obtenção do
crack4 fator de risco para DST5
• Situação de maior vulnerabilidade2,7
• Relações sexuais desprotegidas sob
os efeitos do uso de drogas6
• Sem uso de preservativos
• DST’s
• Gravidez indesejada

2Ribeiro, L. A., Sanchez, Z. M., & Nappo, S. A. Estratégias desenvolvidas por usuários de crack para lidar com os riscos decorrentes do consumo da droga. (2010). J Bras Psiquiatr. 59(3), p.210-18.
4Pedroso, R. S., Kessler, F., & Pechansky, F. (2013). Treatment of female and male inpatient crack users: a qualitative study. Trends Psychiatry Psychother, 35(1), 36–45.
5Passos, A. D. C., & Figueiredo, J. F. C. (2004). Fatores de risco para DST entre prostitutas e travestis de Ribeirão Preto (SP), Brasil. Rev Panam Salud Publica, 16(2), p. 95-101.
6Nunes, E. L. G., & Andrade, A. G. (2009). Adolescentes em situação de rua: prostituição, drogas e HIV/AIDS em Santo André, Brasil. Psicol. Soc. 21(1), p. 45-54.
7Limberger, J., & Andretta, I. (2015). Novas problemáticas sociais: o uso do crack em mulheres e a perspectiva de gênero. CS. 15, p.41-65.
Metodologia
Pesquisa descritiva, de delineamento transversal quantitativo6

Questões Éticas Objetivo


• Pesquisa “Habilidades Sociais, perfil • Descrever o perfil de mulheres que
clínicio e cognitivo de mulheres utilizam a prostituição como meio de
usuárias de crack em internação obtenção do crack
hospitalar”, aprovada pelo Comitê de
Ética em Pesquisa da UNISINOS sob
parecer 13.172.
Metodologia
• Locais de coleta

• Critérios de inclusão
• Abstinência de sete dias7
• Em internção hospitalar para o tratamento de Transtorno por Uso de Crack
• Prostituir-se como uma das formas de obtenção da droga
• Não apresentarem prejuízo cognitivo identificado pelo Screening Cognitivo do WAIS8
• Ausência de sintomas psicóticos verificados pela MINI Plus9
• Idade entre 18 e 59 anos
• Concordância em participar da pesquisa
6
Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, M. P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa. Porto Alegre: Penso.
7Bertram, G. K. (2003). Farmacologia Básica e Clínica, 8ª. Ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan.
8Feldens, A. C. M.; Silva, J. G.; Oliveira, M. S. (2011). Avaliação das funções executivas em alcoolistas. Cad. Saúde Coletiva, 19(2), p.164-71.
9Amorin, P.(2000). Mini International Neuropsychiatric Interview (MINI): validação de entrevista breve para diagnóstico de transtornos mentais. Revista Brasileira Psiquiatria, 22(3):106-15.
Instrumentos
• Questionário para avaliação de dados sociodemográficos, clínicos e
de consumo
• Desenvolvido pelo grupo

• Screening Cognitivo do WAIS-III10


• Subtestes vocabulário (α=0,92), cubos (α=0,83), códigos e dígitos (α=0,85)

• Mini International Neuropsychiatric Interview (MINI Plus)9


• Entrevista clínica padronizada, compatível com critérios diagnósticos do DSM-
IV-TR
• Índices Kappa: transtornos psicóticos (0,62 a 0,95)
10Wechsler, D. (2012). WAIS-III: Escala de Inteligência Wechsler para Adultos: manual de administração e avaliação. São Paulo: Casa do Psicólogo.
9Amorin, P.(2000). Mini International Neuropsychiatric Interview (MINI): validação de entrevista breve para diagnóstico de transtornos mentais. Revista Brasileira Psiquiatria, 22(3):106-15.
Resultados

Idade
20 mulheres
Maioria Prostituição
> 6 meses 35%
M=30,85 6 a 24 meses 25%
anos Afrodescendente Mães 95% M=41,29 meses < 24 meses 40%
(DP=6,59) 45% 1 gestante (DP=51,45)
Resultados
Sempre
55%
• Uso de preservativos Poucas
80% vezes
10%

• Doenças relacionadas à
prostituição
45%
• HIV e sífilis

Frequentemente
25%
Discussão
A maioria tinha tempo de prostituição
superior a 24 meses4
Tempo médio de prostituição
(41,29 meses) >24 meses
A maioria declarou ter filhos11,12

Possuíam filhos
95%
A maioria sempre usava preservativos4,13
Uso não frequente relatado pela maioria14
Uso de preservativos
Sempre 55%
A minoria referiu-se à DST’s4
Doenças relacionadas à Prevalência de HIV e sífilis14
prostituição
HIV e sífilis 45%
A maioria se autodeclarou negra ou parda11
4Passos, A. D. C., & Figueiredo, J. F. C. (2004). Fatores de risco para DSTs entre prostitutas e travestis de Ribeirão Preto (SP), Brasil. Rev Panam Salud Publica, 16(2), p. 95-101.
Afrodescendentes 11Cruz, C. D. et al. (2014). Condições sociodemográficas e padrões de consumo de crack entre mulheres. Texto Contexto Enferm. 23(4), p.1068-76.

45% 12Yabuuti, P. L. K., & Bernardy, C. C. F. (2014). Perfil de gestantes usuárias de drogas atendidas em um CAPs. Rev. Bai. Saúde Pública. 38(2), p.344-56.
13Giocomozzi, A. I. (2011). Representações sociais da droga e vulnerabilidade de usuários de CAPSad em relação Às DST/HIV/AIDS. Estudos e Pesquisas em Psicol. 11(3) p.776-95.
14Minghelli, M. A. et al. (2005). Doenças sexualmente transmissíveis em mulheres pobres usuárias dr crack de Porto Alegre, Brasil. Revista HCPA, 25(supl 1), p.124.
Considerações finais
• Compreensão do uso de drogas no âmbito da saúde3
• Ir além das dimensões biomédicas
• Olhar mais amplo sobre o processo saúde/doença
• Contemplando as especificidades da mulher enquanto sujeito social

• Considerar aspectos no tratamento da mulher usuária de


crack
• Prostituição
• Prevenção por meio de conscientização do uso de preservativos
• Evitar a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis e a gravidez

3Souza, M. R. R., Oliveira, J. F., & Nascimento, E. R. (2014). A saúde de mulheres e o fenômeno das drogas em revistas brasileiras. Texto Contexto Enferm. 23(1), 92–100
Obrigada pela atenção!
Bruna Hartmann, Luana T. Nesi de Mello, Emanuelli Beneton, Jéssica
Limberger e Ilana Andretta
bruna.hartmann@hotmail.com
iccep.unisinos@gmail.com

View publication stats