Vous êtes sur la page 1sur 5

ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO SETOR DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

(Desenvolvido pela regional Nordeste)

NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

A Assessoria de Relações Internacionais (ARI) é o órgão responsável pela definição da política


de relações internacionais do Instituto Federal (IF), cabendo-lhe intensificar a inserção e
ampliação das parcerias com a comunidade acadêmica (escola-trabalho) em todo o mundo, em
consonância com as diretrizes estabelecidas no Plano de Desenvolvimento Institucional do IF,
cabendo-lhe ainda a coordenação, indução e acompanhamento das atividades pertinentes a essa
área de atuação.

A ARI tem a Missão de inserir o IF no cenário internacional, para que se fortaleçam a


cooperação e a interação com Instituições de Ensino, Pesquisa e Extensão no Exterior.

COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES

1. Planejar, organizar, implementar e avaliar programas, projetos e ações de relações


internacionais no campo da educação, contemplando o ensino, a pesquisa e a extensão, em
articulação com as Pró-Reitorias e as Direções Gerais dos Campi em consonância com as metas
de internacionalização da SETEC/MEC;
2. Assessorar a Reitoria e os Campi na coordenação e supervisão dos assuntos internacionais,
bilaterais e multilaterais, na área da educação;
3. Implementar a política de relações internacionais do Instituto Federal com base nas diretrizes
da política externa brasileira para educação profissional e tecnológica;
4. Dar suporte à participação dos representantes do Instituto Federal em eventos, negociações e
comitês internacionais;
5. Responder pelos contatos e pela execução de eventos, acordos e convênios internacionais
assumidos pelo IF, bem como pela representação e cooperação com outras instituições,
participando de órgãos representativos;
6. Interagir com os Campi e setores do IF na condução e execução dos diversos programas
internacionais, monitorando o seu desenvolvimento e divulgando os resultados obtidos;
7. Informar, em parceria com a Comunicação Social do IF, a Reitoria e a comunidade interna,
sobre as oportunidades de ações de relações internacionais;
8. Articular, orientar e prestar assistência à comunidade acadêmica em acordos e convênios de
cooperação com instituições estrangeiras;
9. Auxiliar na elaboração dos exemplares dos Acordos e Convênios internacionais para
assinatura do(a) Reitor(a) do IF e Instituições parceiras;
10. Incentivar a comunidade interna a participar de ações internacionais;
11. Criar e manter um banco de dados interativo, atualizado com informações sobre as ações
com instituições estrangeiras conveniadas, bem como órgãos nacionais e internacionais de
fomento e de desenvolvimento de projetos;
12. Articular o encaminhamento de projetos aos órgãos de fomento nacionais e internacionais;
13. Realizar visitas a instituições nacionais e internacionais, com o objetivo de compartilhar
experiências e promover parcerias em potencial;
14. Apoiar os participantes estrangeiros em programas de cooperação internacional, visando a
regularização de sua situação no Brasil, no que se refere à viagem, acomodação, alimentação,
documentação, matrícula e adaptação ao IF;
15. Assessorar os participantes brasileiros em programas de cooperação no exterior, quanto à
obtenção da documentação necessária, ao desenvolvimento de suas atividades acadêmicas e à
adaptação ao país anfitrião;
16. Divulgar as ações do IF, em outros países, no interesse do ensino, da pesquisa e da
extensão;
17. Manter e ampliar a política de intercâmbio interinstitucional internacional, proporcionando
o conhecimento das diversas possibilidades de estudo, estágios, cursos, pesquisas, extensão e
trabalho nas várias áreas do conhecimento;

CONSTITUIÇÃO, ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO

A Assessoria de Relações Internacionais , a qual está diretamente vinculada à Reitoria, tem


como um de seus principais objetivos, articular contatos, estabelecer acordos de cooperação e
convênios com instituições internacionais, incentivando a sua comunidade interna a mobilizar-
se, por meio de intercâmbios com entidades conveniadas, proporcionando, desta forma, a
formação acadêmica, a oportunidade de qualificação do seu conhecimento cognitivo e de
expansão da sua conscientização cultural. Além disso, tem como objetivo a gestão das
atividades de cooperação internacional, sempre incentivando o ensino, a pesquisa, a extensão e a
internacionalização.

A estrutura organizacional proposta para a Assessoria de Relações Internacionais é:


• Assessor de Relações Internacionais (Nomeado por Portaria da Reitoria)
• Assistente do Assessor de Relações Internacionais
• Estagiários de Nível Superior: Relações Internacionais; Secretariado Executivo Bilíngüe;
Tradutor/Intérprete;
• Bolsistas de Nível Técnico.

Dentro do processo de ampliação dos IFs, sugere-se que sejam implementados:


• Representantes da Assessoria de Relações Internacionais nos Campi.
• Comitê de Relações Internacionais, composto por um representante de cada campus;
• Comitê de Idiomas, composto por membros com proficiência em idiomas diversos;

Ao Assessor de Relações Internacionais compete:


1. Coordenar os trabalhos da Assessoria de Relações Internacionais;
2. Acompanhar o desempenho e o desenvolvimento das ações de internacionalização do IF;
3. Analisar e elaborar relatórios relativos às suas atividades.
4. Assessorar a Reitoria nas questões inerentes à fixação de políticas e diretrizes, nos
assuntos de competência da Assessoria;
5. Submeter ao Reitor os planos, programas e relatórios da Assessoria;
6. Adotar medidas para a supervisão e a avaliação de desempenho dos setores vinculados
que exerçam atividades na área de atuação da Assessoria;
7. Promover a integração operacional entre outros órgãos vinculados à Reitoria;
8. Representar a Assessoria nos assuntos relativos à sua área de competência;
9. Supervisionar a elaboração de parecer técnico sobre a celebração de convênios, ajustes,
contratos e acordos que envolvam assuntos da Assessoria;
10. Participar e supervisionar a coordenação da organização de atividades voltadas ao
desenvolvimento de programas e ações integradas de cooperação técnico-científica-cultural
com organismos internacionais, na área de competência da Assessoria;
11. Supervisionar a preparação de propostas de acordos internacionais, bem como a
elaboração dos respectivos ajustes administrativos, protocolos adicionais e demais
documentos complementares;
12. Apoiar o IF em negociações internacionais, além de participar da negociação e
acompanhar a execução de instrumentos de cooperação internacional de interesse para o IF;
13. Estudar, propor e articular mecanismos de negociação dos acordos ou atividades de
cooperação internacional de interesse para o IF;
14. Elaborar estudos com vistas à identificação das oportunidades de cooperação
internacional em órgãos e instituições estrangeiras;
15. Acompanhar e analisar o cenário internacional de ciência e tecnologia, particularmente
nas áreas prioritárias de atuação do IF;
16. Planejar, coordenar a organização e dar apoio às missões do Reitor e do IF ao exterior;
17. Supervisionar a coordenação, o apoio e a orientação da realização de seminários e
conferências internacionais sobre temas científicos e tecnológicos e culturais;
18. Supervisionar o gerenciamento dos recursos financeiros destinados à Assessoria.

Ao Assistente do Assessor de Relações Internacionais compete:


1. acompanhar, coordenar, integrar e supervisionar as ações comuns da Assessoria nos
Campi do IF;
2. promover a articulação entre os Campi dos IF nos assuntos que se referem às Relações
Internacionais;
3. acompanhar as ações dos acordos de cooperação, convênios e programas Internacionais
entre o IF e as Instituições estrangeiras parceiras;
4. assistir o Assessor de Relações Internacionais nas questões que envolvam tomadas de
decisões sobre assuntos pertinentes à área de atuação do IF;
5. acompanhar e avaliar a execução dos planos, programas e projetos internacionais do IF,
em articulação com as Pró-Reitorias e as Diretorias Gerais dos Campi do IF, propondo, com
base na avaliação de resultados, a adoção de providências relativas à reformulação dos
mesmos;
6. substituir o Assessor de Relações Internacionais em seus impedimentos legais ou
temporários;
7. desenvolver outras atividades que lhe forem atribuídas pelo Assessor de Relações
Internacionais.
8. prestar assistência à Assessoria na coordenação das ações e atividades relacionadas às
Relações Internacionais;
9. propor estudos, avaliação e adequação dos acordos de cooperação, convênios e programas
Internacionais;
10. supervisionar a aplicação da legislação e normas internacionais na Instituição, o
planejamento e o acompanhamento dos acordos de cooperação, convênios e programas
Internacionais, propondo ajustes quando necessário;
11. propor, acompanhar e avaliar a execução dos acordos de cooperação, convênios e
programas Internacionais, em consonância com as diretrizes estabelecidas pela Assessoria,
sugerindo, se for o caso, com base na avaliação de resultados, a adoção de providências
relativas à reformulação dos mesmos;
12. desenvolver outras atividades que lhe forem atribuídas pela Assessoria de Relações
Internacionais.

Aos Estagiários de Nível Superior compete:


1. Observar e acompanhar a execução das diversas atividades da Assessoria de Relações
Internacionais em cada setor, conforme Termo de Compromisso;
2. Executar, sob a supervisão dos responsáveis por cada setor, as atividades que lhes forem
atribuídas, conforme Termo de Compromisso.

Aos Bolsistas de Nível Técnico compete:


1. Observar e acompanhar a execução das diversas atividades da Assessoria de Relações
Internacionais em cada setor, conforme o Programa de Assistência ao Educando e o Projeto
de Incentivo à Aprendizagem – PINA – e o Termo de Compromisso;
2. Executar, sob a supervisão dos responsáveis por cada setor, as atividades que lhes forem
atribuídas, conforme os objetivos do Projeto de Incentivo à Aprendizagem – PINA – da
Assessoria de Relações Internacionais e o Termo de Compromisso.

Aos Representantes da Assessoria de Relações Internacionais nos Campi compete:


1. estimular o desenvolvimento de ações de relações internacionais estendendo seus
benefícios à comunidade;
2. informar a comunidade interna quanto às oportunidades de oportunidades de ações de
relações internacionais;
3. encaminhar para a Assessoria de Relações Internacionais as solicitações e documentações
relativas a convênios e acordos;
4. estar em permanente interlocução com a Assessoria de Relações Internacionais;
5. elaborar e executar o plano de metas de relações internacionais do Campus;
6. elaborar plano de atividades que contemple todas as competências da função;
7. elaborar relatórios semestrais de suas atividades e submeter à apreciação do Assessor;
8. executar outras funções que, por sua natureza, lhe estejam afetas ou lhe tenham sido
atribuídas.

O Comitê de Relações Internacionais será composto por um representante de cada campus,


sendo o Assessor de Relações Internacionais o coordenador do mesmo.
São atribuições do coordenador do Comitê de Relações Internacionais:
1. Coordenar as atividades do Comitê de Relações Internacionais.
2. Definir as atribuições de cada membro do Comitê de Relações Internacionais;
3. Divulgar junto à comunidade acadêmica do IF e às instituições estrangeiras sobre as
atividades de Relações Internacionais e Mobilidade/Intercâmbio;

São atribuições dos membros do Comitê de Relações Internacionais:


Prestar orientação a docentes, discentes e corpo técnico administrativo do IF e de
instituições estrangeiras quanto a:
- Normas e regulamentos definidos para cada acordo, programa ou projeto de cooperação
internacional;
- Diferenças culturais e procedimentos legais para entrada, manutenção e saída em outros
países;
- Normas do IF e procedimentos legais para entrada, manutenção e saída do Brasil.
- Existência de programas de fomento para mobilidade/intercâmbio, com as respectivas
exigências.

O Comitê de Idiomas será composto por, no mínimo, três membros e no máximo cinco,
sendo um deles com proficiência em língua inglesa, outro com proficiência em língua
espanhola e outro com proficiência em outra língua estrangeira. Os integrantes do Comitê de
Idiomas serão eleitos por seus pares e nomeados pelo Assessor de Relações Internacionais, e
terão mandato de 2 anos, com direito a recondução.
São atribuições dos integrantes do Comitê de Idiomas:
1. Colaborar na recepção de visitantes e delegações estrangeiros;
2. Revisar documentos/textos em língua estrangeira, de interesse da Assessoria;
3. Auxiliar na redação de textos em outros idiomas, dentro do âmbito da Assessoria;
4. Promover atividades de ensino de idiomas estrangeiros, bem como da língua portuguesa
para estrangeiros, colaborando com o Centro de Idiomas do IF.

INFRAESTRUTURA

A infra-estrutura mínima necessária para o funcionamento da AI consiste em sala equipada com


03 mesas, 06 cadeiras, 03 computadores, 01 netbook, impressora, fax, internet e telefone.

O Assessor e o Assistente de Relações Internacionais deverão ser nomeados por Portaria da


Reitoria.

PRINCÍPIOS, IMPORTÂNCIA E ENQUADRAMENTO LEGAL

O papel dos Institutos Federais e a importância das Assessorias de Relações Internacionais:


 Vinculo do local com o global;
 Adaptação às demandas econômicas, sociais e culturais;
 Atuação em rede;
 Autonomia das instituições;
 Formação cidadã;
 Transversalidade;
 Instituições de excelência.

A internacionalização na Educação Profissional e Tecnológica será considerada pelas


Assessorias de Relações Internacionais como:
 intercâmbio de conhecimentos e aprimoramento de estudantes, professores e técnicos
administrativos;
 estratégia de desenvolvimento;
 promoção da solidariedade entre os países;
 mecanismo para difusão e visibilidade das atividades dos Institutos Federais.

Os princípios norteadores da internacionalização dos Institutos Federais são:


1. Preocupação com o indivíduo: formação cidadã, ética e solidária;
2. Equidade nas ações internacionais, institucional e individualmente;
3. Valorização de particularidades regionais para definição de ações;
4. Cooperação horizontal;
5. Alcance global na cooperação internacional;
6. Incentivar a atuação em rede dos IFs, com coordenação e cooperação;
7. Levar em conta aspectos sociais, econômicos, culturais e ambientais;
8. Tratar nos projetos de cooperação internacional ações afirmativas e inclusivas, tais como: a
igualdade racial, a questão de gênero, a preservação ambiental, a questão indígena e os direitos
dos portadores de necessidades especiais.

DISPOSIÇÕES GERAIS

- Os órgãos responsáveis pela elaboração e atualização dos documentos regulatórios da são a


Reitoria e a Assessoria de Relações Internacionais, ouvindo o FORINTER e com a aprovação
do CONSUP – Conselho Superior.
- Os casos omissos serão resolvidos pela Assessoria de Relações Internacionais, ouvindo a
Reitoria.