Vous êtes sur la page 1sur 10

OS DESAFIOS DOS PROFESSORES NO USO DAS TECNOLOGIAS:

SUCESSOS E INSUCESSOS COM O DIÁRIO DIGITAL

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA APLICADAS EM INSTITUIÇÕES EDUCACIONAIS


RESUMO

O presente projeto objetiva um estudo acerca da dificuldade dos profissionais da educação em


lhe dar com instrumentos tecnológicos, apresentando um enfoque especial a adaptação destes
profissionais com o Diário Digital. O Diário Digital foi desenvolvido pela Prodemge na
perspectiva de ampliar a interação entre profissionais, pais e alunos. Além disso, contribuir para
agilizar os processos internos de coleta de informações como notas, recuperações e frequência
dos alunos. No entanto, apesar das inúmeras expectativas em torno dos benefícios que a
plataforma pode proporcionar, os problemas oriundos das dificuldades em lhe dar com essas
tecnologias por parte dos professores e as recorrentes falhas no sistema geram uma série de
conflitos que refletem os sucessos e insucessos nessa tentativa de fazer uso da tecnologia como
elemento facilitador no ambiente educacional. Diante disto, o presente projeto visa utilizar da
coleta de dados através de pesquisa realizada junto as escolas estaduais da Superintendência
Regional de Educação de Diamantina, para entender as dificuldades e as expectativas quanto
ao uso do Diário Digital. Para tanto, far-se-á uso do método de pesquisa de campo, através de
entrevistas com os profissionais para o desenvolvimento do trabalho.

Palavras-chaves: tecnologia – desafios – educação


OS DESAFIOS DOS PROFESSORES NO USO DAS TECNOLOGIAS:
SUCESSOS E INSUCESSOS COM O DIÁRIO DIGITAL
INTRODUÇÃO

O uso da tecnologia na esfera educacional é assunto que constantemente gera


debates constantes, considerando que, o público a ser atendido, na maioria dos casos, possui
maior domínio sobre a ferramenta do que o público que atende. Em uma era de crianças nativas
digitais, o ensino de novas tecnologias parece obsoleto e vazio de sentido, visto que, elas detêm
o domínio do novo, pois são inerentes a ele. Por outro lado, a tecnologia se torna um desafio
para aqueles que optaram por tanto tempo a viverem o tradicionalismo, dentro do âmbito
escolar, essa escolha tem se tornado um fardo cada dia mais difícil, visto que, não tem como
negar o progresso e as facilidades que ele traz.

Nas discussões que elencam a importância das TICs na educação, a educação


a distância se mostrou como um importante destaque na apropriação deste meio como prática
educativa. Embora não haja no Brasil um estudo específico que perpetue a eficácia ou ineficácia
desta prática nas escolas públicas, algumas experiências realizadas de forma isolada se
mostraram bastantes produtivas neste campo. Em outras instâncias, o uso de computadores
conectados à rede de internet possibilita a equipe administrativa escolar e pedagógica
desenvolver atividades complexas em um tempo hábil. Além disso, a facilidade em relacionar-
se de forma mais direta com as SREs, estreitando relacionamentos e agilizando processos que
demandariam tempo.

Com relação aos professores, aos que se arriscam ao menos, o uso das novas
tecnologias trouxe novas possibilidades; uma abertura a novas práticas metodológicas. A
praticidade de compartilhar experiências, de adquirir novos materiais para desenvolver seu
trabalho, apropriação de editores de textos para produção de avaliações, planejamentos,
material para o trabalho diário, entre outros, são alguns dos fatores que contribuem diariamente
para o trabalho do professor.

No entanto, a disponibilidade do produto não condiciona o seu uso. Embora


as escolas públicas disponibilizem de material tecnológico para que estas propostas sejam
efetivadas, a apropriação destas pelo corpo docente, tanto para a prática com os alunos, tanto
para o uso pessoal na dinamização de seus trabalhos é algo incomum em muitas escolas. A falta
de conhecimento e falta de prática são elementos que ilustram esse cenário. Uns números
significativos de profissionais não possuem conhecimentos suficientes para demandar uma
atividade direcionada em um laboratório de informática. Outros, nem se quer utilizam essas
ferramentas, mantendo as suas atividades manuais, recusando a adoção da prática.
O interesse pelo tema partiu pelas percepções dentro do ambiente escolar. A
relutância dos profissionais adeptos a métodos educacionais tradicionalistas em utilizar
ferramentas tecnológicas como meios alternativos para realizar as suas atividades, a proibição
do uso de celulares, o abandono dos laboratórios de informática, são alguns dos casos que
fortalecem a ideia de que a tecnologia não é bem-vinda em alguns pontos de vista dentro do
ambiente escolar.

No entanto, a chegada do Diário Digital tornou-se um grande desafio, dada a


imposição em que foi colocada para estes profissionais, obrigando-os a buscarem medidas para
atenderem as demandas das secretarias e cumprirem com as novas tarefas que lhes foram
solicitadas. Diante disto, a temática surtiu como um objeto de pesquisa pautado na relação
profissional e tecnologia, contemplando os aspectos positivos e negativos desta relação.

OBJETIVOS

Objetivo Geral

Analisar as dificuldades encontradas pelos professores em lhe dar com a


tecnologia do Diário Digital, as expectativas e frustrações com a implementação do sistema.

Objetivos específicos

Compreender as dificuldades dos professores em lhe dar com as novas


tecnologias;

Analisar aceitação do Diário Digital e as dificuldades encontradas;

Relacionar as expectativas e as frustrações dos profissionais envolvidos


quanto a essa nova tecnologia.

CARACTERIZAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA

A implementação de novas tecnologias no ambiente escolar surge como uma


nova perspectiva em otimizar trabalhos e propiciar aos estudantes o contato com este universo.
A implementação do Diário Digital nas escolas públicas do estado de Minas Gerais surgiu como
uma perspectiva de agilizar o trabalho do professor e facilitar o acesso dos pais a vida escolar
de seus filhos. No entanto, as dificuldades que emergiram com a implementação do programa
geraram uma série de conflitos e discussões que fomentaram contradições acerca da eficácia do
sistema.

Embora trata-se de um sistema novo e alheio ao conhecimento dos


professores a secretaria de educação não disponibilizou curso específico para o uso da
ferramenta e considerando ainda a fase de teste, esclareceu a necessidade de que o diário digita
fosse preenchido em concomitância com o diário físico, duplicando o trabalho dos professores.
Tal situação gerou enormes discussões, causando indignação por muitos e até mesmo um certo
descaso com a tecnologia implementada, mesmo sendo esta de uso obrigatório.

Considerando que, muitos professores não possuem agilidade com o uso de


computadores e ainda assim, mesmo sem instruções de um profissional designado pela
secretaria, precisa alimentar seu diário eletrônico, o presente projeto busca investigar as
dificuldades encontradas pelos professores, os caminhos utilizados para solucionar os
problemas encontrados, assim como as expectativas quanto a esta novidade e as frustrações.
Possibilitando assim, descrever um enredo da receptividade das novas tecnologias em âmbito
escolar pelos profissionais da educação, bem como os desafios encontrados por eles durante o
percurso, anseios, expectativas e frustrações.

JUSTIFICATIVA

A implementação do Diário Digital cogitou uma nova possibilidade de


agilizar o trabalho dos professores e assim tornar hábil os processos no lançamento de notas e
frequência dos alunos ao liberar no ano de 2017 o uso da plataforma. O diário possui uma
interação com o SIMAVE, onde as informações são compartilhadas no momento em que são
lançadas, facilitando assim os trabalhos desenvolvidos pelos profissionais administrativos das
escolas.

Desenvolvido pela Prodemge, a plataforma visa ainda uma interação entre


professores, pais e alunos, possibilitando-os a acompanhar o processo e evolução dos estudantes
através deste ambiente. Desta forma, discutir as expectativas dos profissionais envolvidos é de
extrema importância para entender de que forma essas novas tendências tecnológicas são
recebidas pelos profissionais da educação e como eles se envolvem nestes processos. Além
disso, o diário digital, embora já seja utilizado em outros estados, só passou a ser utilizado no
estado de Minas Gerais recentemente, passando por testes frequentes, cabendo aqui discutir
seus sucessos e insucessos diante daquilo que se objetiva com o programa.

A presente pesquisa postula-se como elemento crucial para compreender o


uso das tecnologias educacionais em âmbito educacional, bem como as suas contribuições e
seus impasses nas realizações do trabalho docente e administrativo. Ainda assim, apresenta um
breve aspecto desta implementação, possíveis falhas e medidas que poderiam minimizar
conflitos internos e adequação dos trabalhos na era digital na propiciação de uma educação
qualitativa.
DESENVOLVIMENTO TEÓRICO

As novas tecnologias se dispõe como elemento inovador que vem agregando


novas possibilidades na forma de atuar dentro do ambiente escolar. Embora algumas discussões
sejam contrárias a implementação destas práticas por estimular o uso contínuo entre os jovens,
por outro lado, a educação tecnológica surge como um importante objeto nas práticas
metodológicas possibilitando um trabalho mais enfático e satisfatório.

Segundo Kenski,

Em relação à Educação, as redes de comunicações trazem novas e diferenciadas


possibilidades para que as pessoas possam se relacionar com os conhecimentos e
aprender. Já não se trata apenas de um novo recurso a ser incorporado à sala de aula,
mas de uma verdadeira transformação, que transcende até mesmo os espaços físicos
em que ocorre a educação. A dinâmica e a infinita capacidade de estruturação das
redes colocam todos os participantes de um momento educacional em conexão,
aprendendo juntos, discutindo em igualdade de condições, e isso é revolucionário.
(KENSKI, 2007. p. 47)

Nessa perspectiva de transformação, a tecnologia se apresenta como elemento


crucial na transformação do trabalho do professor, possibilitando-o uma infinidade de meios de
ministrar seus conteúdos, ao mesmo que agiliza as atividades rotineiras quando este detém
domínio das ferramentas operacionais. A apropriação da tecnologia pelas instituições
educacionais flexibiliza o trabalho dos profissionais possibilitando assim um melhor
aproveitamento do tempo para desempenhar outras funções que demandarem.

No entanto, os usos destas tecnologias em sala de aula norteiam discussões


importantes, como a formação de professores para utilização dessas tecnologias, tanto para
aplicação em sala de aula quanto para realização de tarefas rotineiras. Nesta perspectiva, a
formação tecnológica caracteriza-se por continuada, devido as mudanças recorrentes deste
setor. Mercado afirma que,

Na formação de professores, é exigido dos professores que saibam incorporar e


utilizar as novas tecnologias no processo de aprendizagem, exigindo-se uma nova
configuração do processo didático e metodológico tradicionalmente usado em nossas
escolas nas quais a função do aluno é a de mero receptor de informações e uma
inserção crítica dos envolvidos, formação adequada e propostas de projetos
inovadores.

Nesta perspectiva, a formação continuada configura-se com uma nova ideia


de o termo “ensinar”, onde é necessário rever as práticas adotadas em função do objetivo que
se pretende alcançar, fazendo uso de uma metodologia que condiga com a tecnologia aplicada.
Em conformidade, Kenski diz que “A evolução tecnológica não se restringe apenas aos novos
usos de determinados equipamentos e produtos. Ela altera comportamentos”. Essa
transformação excede o individual e atinge grupos sociais por meio de descobertas, novas
produções que interferem direta ou indiretamente na sua forma de agir e pensar.

Repensar no uso da tecnologia como uma forma de agilizar os processos e


transformar pessoas, grupos sociais é essencial e urgente para o profissional da educação. A
busca pelo aprendizado e desenvolvimento dessas competências deve confluir para o alcance
de seus objetivos. Para Kenski, “...é você que dá os saltos entre os muitos tipos de informação
disponíveis e define o caminho que mais interessa para aprender”. Desta forma, a inclusão
digital deve começar pelo próprio profissional, ao aceitar as suas dificuldades e demandar ações
que viabilizem o seu acesso as novas tecnologias.

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

A metodologia utilizada será pesquisa de campo, onde será acompanhado por


um período determinado o trabalho dos professores das escolas públicas estaduais da secretaria
de educação com o Diário Eletrônico e concomitante o diário físico, colhendo informações
necessários para alimentar o trabalho de pesquisa.

Para o desenvolvimento da pesquisa será utilizado a coleta de dados através


de um questionário previamente elaborado e aplicado aos professores de algumas escolas
públicas da rede estadual da Secretaria Regional de Educação de Diamantina com o objetivo de
colher informações acerca das dificuldades, expectativas e frustrações quanto ao Diário Digital.

Além disso, será realizada o estudo de livros, artigos, periódicos, dentre


outros, que contemplem o tema abordado no trabalho de pesquisa.

POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES

O presente trabalho tende a contribuir de forma significativa para pesquisas


posteriores e trabalhos relacionados na perspectiva de fornecer dados relevantes que favoreçam
uma mudança de postura nos profissionais envolvidos.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

KENSKI, Vani Moreira. Novas tecnologias: o redimensionamento do espaço


e do tempo e os impactos no trabalho docente. Revista Brasileira de Educação. n.08, p. 58 -71
mai/ago. 1998.

MERCADO, Luiz Paulo Leopoldo. Formação continuada de professores e


novas tecnologias. Maceió: EDUFAL, 1999.