Vous êtes sur la page 1sur 40

UNIVERSIDADE PAULISTA

PRISCILA RAQUEL GONÇALVES DOS SANTOS

Avaliação psicológica da atenção de condutores:

Uma revisão de literatura

SÃO PAULO

2018
PRISCILA RAQUEL GONÇALVES DOS SANTOS

Avaliação psicológica da atenção de condutores:

Uma revisão de literatura

Trabalho de conclusão de curso para


obtenção do título de especialista em
Psicologia do Trânsito apresentado à
Universidade Paulista - UNIP.
Orientadores:
Profa. Ana Carolina S. de Oliveira
Prof. Hewdy L. Ribeiro

SÃO PAULO

2018
PRISCILA RAQUEL GONÇALVES DOS SANTOS

Avaliação psicológica da atenção de condutores:

Uma revisão de literatura

Trabalho de conclusão de curso para


obtenção do título de especialista em
Psicologia do Trânsito apresentado à
Universidade Paulista - UNIP.
Orientadores:
Profa. Ana Carolina S. de Oliveira
Prof. Hewdy L. Ribeiro

Aprovado em:

BANCA EXAMINADORA

_______________________/__/___

Prof. Hewdy Lobo Ribeiro

Universidade Paulista – UNIP

_______________________/__/___

Profa. Ana Carolina S. Oliveira

Universidade Paulista – UNIP


DEDICATÓRIA

À Deus, por minha existência e por me permitir a realização desta conquista.

Aos meus Pais, Joélio Gonçalves dos Santos e Lucimara da Costa Santos, meus maiores
exemplos, pelo amor incondicional, por estarem sempre ao meu lado e muitas vezes me
colocarem à frente de si próprios para a realização de meus sonhos.

Ao meu amigo, ex-professor e atual mentor, Marcos Antônio Batista, pelo apoio e pela
oportunidade de realizar esse curso.

Às minhas amigas de sala de aula, Amanda, Karina, Michelle e Edileusa pelos tantos
momentos alegres e tristes com que vivemos, por todo o apoio que me deram durante
esse ano. Obrigada por cada divertimento e por cada mão estendida, com toda certeza
foram momentos inesquecíveis.
AGRADECIMENTOS

Agradeço a contribuição dos professores do curso de Pós-Graduação de Psicologia do

Trânsito, pelas contribuições durante o curso, em especial à Professora Ruth Lasas pelo

exemplo de profissionalismo que levarei por toda a vida e pela influência em minha

vida profissional.

Agradeço à todos que me ajudaram e contribuíram com referências para a conclusão

desse trabalho, foram fundamentais para a execução dessa pesquisa.

.
“Preste atenção ao que faz; jamais considere nada indigno de
sua atenção.”

(Confúcio - Kung- Fu- Tse)


RESUMO

Esta pesquisa visou identificar através de revisão bibliográfica a importância de avaliar


a atenção na avaliação psicológica realizada para motoristas, mudanças de categoria da
carteira nacional de habilitação e primeira habilitação no Brasil. Buscou identificar as
principais características da atenção e dos diversos tipos de atenção, bem como alguns
dos instrumentos utilizados para a avaliação psicológica. Os resultados auferidos
apontam que a atenção é de fundamental importância para o motorista no ato de dirigir,
pois é uma das principais funções mentais envolvidas em acidentes no trânsito. A
dificuldade que o profissional de psicologia do trânsito encontra na avaliação é a
conscientização e aceitação do condutor entender a importância da avaliação e de
manter-se atento no ato de dirigir, sendo que alguns dos motoristas que se consideram
com habilidades técnicas e experientes dão menos importância ao valor da atenção e
possuem mais facilidade de desviar o foco enquanto estão conduzindo um automóvel.

Palavras- chave: Psicologia, Trânsito, Atenção, Avaliação Psicológica.


ABSTRACT

This study aims to identify the importance of verifying the attention in the
psychological evaluation performed in drivers, changes of the category of the national
driver's license and first qualification in Brazil, seeking to identify the main
characteristics of the attention and the different types of attention, as well as some
instruments used for psychological evaluation. The results show that the attention is the
major importance for the driver in the act of driving, because it is one of the most
important mental functions to avoid traffic accidents. The difficulty that the traffic
psychology professional encounters in the evaluation is the drivers’ awareness and
acceptance to understand the importance of the evaluation and to be attentive in the act
of driving, although some experienced drivers believe that the practice of driving is
enough to drive a car.

Key-words: Psychology, traffic, attention, psychological evaluation

,
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO.................................................................................................. 09
2. OBJETIVO......................................................................................................... 12
3. METODOLOGIA............................................................................................... 12
4. ATENÇÃO......................................................................................................... 13
4.1. Atenção Concentrada................................................................................ 15
4.2. Atenção Difusa ou Alternada.................................................................... 17
4.3. Atenção Sustentada................................................................................... 18
4.4. Atenção Seletiva....................................................................................... 18
5. RISCOS DO PREJUÍZO DA ATENÇÃO PARA O CONTEXTO DO
TRÂNSITO....................................................................................................... 20
6. AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA DA ATENÇÃO EM CONTEXTO DO
TRÂNSITO....................................................................................................... 24
6.1 Avaliação Psicológica............................................................................... 24
6.2. Avaliação Psicológica no Trânsito......................... ................................ 26
6.3. Instrumentos Psicológicos utilizados para avaliar atenção no contexto
no trânsito......................................................................................................... 30
7. CONCLUSÃO.................................................................................................... 33
8. REFERÊNCIAS.................................................................................................. 35
9

1 INTRODUÇÃO

Trânsito é um conjunto de deslocamento que envolve vias, que se refere às


ruas, avenidas, tipo de pavimento, sinalizações, pedágios e cruzamentos; veículo, refere-
se nas mais variadas formas como caminhão, carros, bicicleta e motos; e o homem que é
a parte mais complexa do trânsito, com emoções e diversos tipos de comportamentos e
engloba a parte da segurança do trânsito como os policiais, auxiliares e engenheiros.
Trânsito é considerado quando as pessoas se movem de um lugar para outro pelas vias
de circulação e tráfego é considerado o mesmo que trânsito, porém com a utilização de
algum tipo de transporte (ROZESTRATEN, 2009).
A atenção é uma atitude psicológica onde há a concentração da atividade
psíquica em um estímulo, sensação ou percepção, auxiliando a elaborar os conceitos e
raciocínio, é a capacidade do indivíduo focar os processos mentais em algum lugar,
inibindo respostas aos outros estímulos. A percepção está ligada há atenção e por vezes
podem ser confundidas. A percepção é o processo de interpretação e organização das
informações adquiridas de forma sensoriais, dando sentido aos conhecimentos passados
e objetos apreendidos pela atenção do indivíduo. Quando o cérebro fica diante de
situações que julga importante e recente ele ativa a atenção e a consciência, assim o
cérebro classifica as percepções de acordo com a importância de cada fato, sendo mais
ou menos conhecidas ou importantes, como ativar situações ligadas ao passado
(BALBINOT, et. al., 2011).
A atenção concentrada é quando a atenção é direcionada para um objeto ou
para uma situação, como ao frear para evitar um acidente; atenção difusa é quando o
indivíduo busca algo que considera importante em meio a outros estímulos, como a
busca de indícios perigosos no trânsito; atenção distribuída é a atenção concentrada mas
com o foco em vários objetos, como dirigir conversando com alguém ou ouvindo
músicas (ROZESTRATEN, 2009).
Segundo Balbinot et. al. (2011), atenção é um termo da psicologia que é
extremamente utilizada no ambiente do trânsito por condutores e pedestres, no ato de
dirigir o indivíduo encontra muitos estímulos que podem interferir no seu nível de
atenção, como sinalizações e sons diversos, esses estímulos podem se tornar indícios de
perigo ao dirigir alterando a atenção durante a condução de um veículo, como efeitos de
fadiga devido dirigir por muito tempo o que leva a perder a atenção.
10

É investigado pela psicologia o que leva um sujeito a se manter atento e os


aspectos da atenção. Um motorista deve se manter atento e necessita de habilidade para
atenção concentrada, quando foca a atenção em um estímulo independente dos outros;
atenção alternada, quando possui a capacidade de alternar o foco maior da sua atenção;
atenção sustentada, quando foca a atenção em um estímulo ou mais e mantém a atenção
por um longo tempo e a atenção seletiva, o condutor possui a capacidade de selecionar,
de escolher de forma consciente aonde irá focar a sua atenção (BALBINOT, et. al.,
2011).
Diante das diversas funções psicológicas que estão envolvidas na ação de
dirigir, os aspectos da atenção são considerados um dos mais importantes, sendo
considerado 23% dos acidentes de trânsito referente a falta de atenção do condutor
sendo comparado com rapidez, falha na observação, inexperiência, falta de observação,
distração, entre outros (BALBINOT, et. al., 2011).
A função do psicólogo no trânsito é estudar e colaborar para o bom
comportamento do trânsito, em meios de observação, pesquisas, estudos de fatores
humanos e diferenciação e causas psicológicas em acidentes, pesquisar e validar testes
psicológicos, orientar motoristas e futuros condutores, entre outras formas
(ROZESTRATEN, 2009).
O objetivo fundamental da avaliação psicológica é de investigar e analisar as
condições psicológicas no sujeito, como a capacidade atencional, inteligência, memória,
personalidade, tomada de decisão, verificando se o condutor possui capacidade de
conduzir um veículo sem colocar em risco a vida dele e a dos demais (CRUZ, et. al.,
2017).
Avaliação Psicológica é uma prática exclusiva do profissional de psicologia,
essa prática é muito utilizada na área do trânsito para avaliar condutores que exercem
atividade remunerada, sujeitos que pretendem mudar a categoria e para sujeitos que
desejam tirar a carteira nacional de habilitação. O profissional utiliza de entrevista,
devolutiva e aplicação de testes psicológicos. Atualmente no Brasil os profissionais
utilizam de muitos instrumentos para avaliar a atenção dos condutores, nesse trabalho
serão citados alguns materiais. O profissional de psicologia necessita já estar inscrito no
conselho de psicologia por 2 anos e ter concluído o curso de especialista do trânsito e
assim se tornar Psicólogo do Trânsito, que atualmente é o profissional qualificado e
11

habilitado para compreender os aspectos emocionais no ato de dirigir (HOFFMANN,


2003).
Devido a importância da atenção ao sujeito principalmente no trânsito, justifica-se a
realização dessa pesquisa. A falta de atenção é considerada um dos principais fatores
psicológicos relacionados a acidentes de trânsito e é fundamental que seja avaliada nos
sujeitos no momento que desejam obter a licença de dirigir.
12

2 OBJETIVO

O objetivo desse presente estudo foi verificar a importância de avaliar o nível de


atenção em condutores e futuros condutores, para que a psicologia possa intervir de
maneira a ajudar a melhorar os índices de acidentes devido a falha na atenção.

3 METODOLOGIA

O presente estudo foi realizado por uma revisão bibliográfica na base Scielo,
Pepsic, código de trânsito brasileiro, livros de psicologia e no Google Acadêmico.
Foram selecionados textos completos, em português, buscando em principal dos
últimos cinco anos. Os descritores utilizados foram: “psicologia do trânsito” e
“atenção”. Os filtros utilizados foram: atenção no trânsito, e psicologia. Os critérios
utilizados para exclusão de artigos foram: estudos que não enfatizassem a atenção.
A ordem para selecionar os artigos utilizados foram a leitura do título, o ano que foi
realizado e o resumo para assim finalizar a leitura do artigo completo.
13

4 ATENÇÃO

Em estudo referente a atenção, o autor informa que nos últimos 300 anos da
história ocidental, a atenção assumiu funções e diversas formas nos derradeiros três
séculos, sendo modelada e transformada com tamanha tecnologia e as demandas de
cada época da história. A atenção sempre foi um tema de destaque, na segunda metade
no século XIX que a atenção entrou em destaque, tornando-se importante para a vida
atual e para a ciência. No final do século XVIII, foram utilizadas de técnicas de auto
experimentação e auto-observação aonde se fazia necessário a habilidade de controle da
atenção para o autoconhecimento e processo de racionalização e no final do século
iniciou-se o processo de constituição dos valores da atenção. Atualmente, a atenção é
uma das coisas mais valiosas, o autor informa que a capacidade da atenção esta
altamente vinculada ao sucesso profissional no âmbito das profissões, aonde nos dias
atuais o Transtorno do Déficit de Atenção tem se tornado um campo principal nos
serviços de saúde do país. Na metade do século XVIII que a psicologia se envolve com
a atenção, reconhecendo a importância para a vida psíquica do ser humano e sendo
introduzido esse tema nos estudos psicológicos (CALIMAN, 2008).
A avaliação da atenção tem como objetivo verificar a capacidade do indivíduo
em manter a atenção e concentração adequada na execução de alguma tarefa simples ou
complexa, sem recorrer as funções intelectuais, avaliando de acordo com a rapidez e
exatidão do avaliado (CRUZ, et. al., 2017).
A atenção é uma atitude psicológica onde há a concentração da atividade
psíquica em um estimulo, sensação ou percepção, auxiliando a elaborar os conceitos e
raciocínio, é a capacidade do indivíduo focar os processos mentais em algum lugar,
inibindo respostas aos outros estímulos. A percepção está ligada há atenção e por vezes
podem ser confundidas. A percepção é o processo de interpretação e organização das
informações adquiridas de forma sensoriais, dando sentido aos conhecimentos passados
e objetos apreendidos pela atenção do indivíduo. Quando o cérebro fica diante de
situações que julga importante e recente ele ativa a atenção e a consciência, assim o
cérebro classifica as percepções de acordo com a importância de cada fato, sendo mais
ou menos conhecidas ou importantes, como ativar situações ligadas ao passado
(BALBINOT, et. al., 2011).
14

A atenção é entendida como uma função cerebral mais importante, pois ela age
de forma integrada na mente, sendo a condição mais relevante para a manifestação do
intelecto e da capacidade do indivíduo de refletir. De acordo com a neurologia e
cognição, muitos sistemas funcionam de forma integrada e isso é essencial para o
processo de aprendizagem, como a memória, linguagem, psicomotricidade,
organização, raciocínio e atenção que necessitam estar em constante harmonia para o
bom funcionamento, A atenção se inter-relaciona com a percepção, memória,
consciência, entre outros. É considerada uma função cerebral essencial ao ser humano,
sendo uma das mais relevantes para manifestação do intelecto, relacionada a qualidade
que o sujeito exerce suas tarefas dia a dia (BENCKIK, et.al., 2016).
A atenção é um processo ativo no qual o ser humano limita as informações
mediante outros estímulos de acordo com as informações armazenas na memória.
Segundo Rueda e Sisto (2009, p.26) “A atenção refere-se à capacidade e esforço
exercido para focalizar e selecionar um estímulo para ser processado, levando o
indivíduo a responder a determinados aspectos do ambiente, em lugar de fazê-lo em
relação a outros, permitindo ao ser humano utilizar seus recursos cognitivos para emitir
respostas rápidas e adequadas mediante estímulos que julgue importantes”.
Balbinot et. al. (2011), revela que os sistemas da consciência e a atenção são
ligados quando o cérebro depara-se com algo novo, um acontecimento inesperado, ou
ao solucionar algum problema, sendo assim compreende-se que isso possibilita o ser
humano criar novos recursos e processos que podem ser ativados quando o individuo se
deparar com algo novo. Levando em conta o âmbito do transito, pode demandar mais do
condutor o fato de criar novos recursos assim como, tomada de decisão e escolhas que
serão realizadas frente a episódios de trânsito.
Atenção se refere a maneira como o sujeito processa as informações presente em
nosso ambiente. Ela é fundamental para os processos de aprendizagem e atualmente é
uma função estudada pelo campo da neuropiscologia cognitiva, pois é uma área cerebral
de fundamental importância para o indivíduo, a atenção é utilizada em todas as áreas
seja profissional e pessoal do sujeito (FERREIRA; BADARO, 2018).
A atenção pode ser considerada voluntária ou involuntária, que significa o que
faz a atenção focar e qual o motivo. A atenção voluntária está ligada ao interesse e o que
motiva o indivíduo enquanto a atenção involuntária é ligada na característica dos
15

estímulos, sem esforço voluntário para prestar a atenção, ocorrendo em situações


inesperadas e sem controle consciente do indivíduo (BALBINOT et. al, 2011).
A psicopatologia define atenção como um processo psíquico que age na
consciência, focando a atividade mental do sujeito, assim como a percepção e a
memória. A atenção age como material da consciência, onde é feita a exclusão e seleção
de estímulos que a consciência considera importante. A atenção define-se como um
processo básico na investigação psicológica para o bom convívio do sujeito (SISTO,
et.al., 2007).
A atenção possui diversas formas de focar, sendo através dos estímulos
sensoriais e processos mentais como pensamentos e memórias, se o foco da atenção for
externo dá-se o nome de percepção seletiva e se for interna dá-se o nome da cognição
seletiva. O indivíduo ao aprender a conduzir um veículo requer que a atenção esteja
ativa e mantenha a concentração que inicialmente são fatores conscientes e controlados
que após a prática se tornam automáticos, sem necessidade do controle consciente
(BALBINOT et. al, 2011).
O que condiciona a vida do sujeito e sua capacidade de adaptação é uma função
neurológica, chamada atenção que acompanha o desenvolvimento do indivíduo por toda
a vida. Existe diferentes tipo de atenção, podem ser classificada como atenção difusa ou
alternada, atenção concentrada, atenção sustentada e atenção seletiva (SOUSA, 2017).

4.1 Atenção Concentrada

Nesse contexto é necessário separar o conceito de atenção e o de concentração,


atenção é considerada o foco do indivíduo em determinado estímulo e o tempo dessa
focalização, enquanto concentração é aquilo que é centralizado, está em um centro.
Pode-se definir atenção concentrada como uma função mental onde o interesse de
algum estímulo é focado e levado a um centro onde existe um estímulo de interesse do
sujeito mediante outros estímulos que se caracterizem em comum. Esse tipo de atenção
o sujeito consegue manter-se atento por mais tempo e assim consegue administrar seu
tempo e o foco da sua atenção (TONGLET, 2007).
16

Atenção concentrada é quando o sujeito foca a atenção em determinada situação


ou estímulo e mantém o foco por um longo período de tempo, selecionar um estímulo
dentre outros em um período determinado de tempo (FERNANDES; RUEDA, 2007).
Entende-se por atenção concentrada a capacidade do indivíduo de manter a
atenção concentrada em uma tarefa por um determinado tempo, geralmente por longo
tempo, independente de outros estímulos ou não com a função de distrair o sujeito,
estímulos com características em comum (NAKANO; SAMPAIO, 2016). .
É a capacidade do indivíduo de selecionar um estímulo mediante outros
estímulos e focar a sua atenção sem que nada o distraia por um determinado intervalo de
tempo. O indivíduo consegue manter-se atento focado em um estímulo sem que seja
distraído com outros estímulos (RUEDA; SISTO, 2009).
A atenção concentrada nos apresenta em duas formas, atenção concentrada
auditiva e atenção concentrada visual, no âmbito de dirigir a atenção visual é mais
utilizada. A atenção concentrada visual possui três habilidades envolvidas:
desengajamento do foco da atenção, mudança do foco da atenção e engajamento da
atenção, sendo que a atenção visual pode ser involuntária ou voluntária. Esse tipo de
atenção tende a disfarçar a consciência dos estímulos não relacionados ao foco da
atenção, independente de quão evidente seja o estímulo (CRUZ, et. al., 2017).
Atenção visual é quando o foco da atenção está nos olhares rápidos, a
capacitação do estimulo é visual, como discar no celular ou sintonizar a rádio enquanto
dirige. Atenção auditiva, quando o motorista precisa responder verbalmente enquanto
dirige, o foco da atenção do motorista é naquilo que ele ouve como conversar com
alguém ou o som de uma buzina (RUEDA; SISTO, 2009).
A atenção concentrada é avaliada a partir da habilidade do ser humano em focar
e manter a atenção no foco, dentre outros estímulos próximos, ou seja, independente de
outros estímulos que busquem distraí-lo. É necessário avaliar, pois a atenção é
reconhecida como pré-requisito mais proeminente para manifestação da inteligência,
por isso é uma função do cérebro importante (BENCZIK, 2016).
Refere que a atenção concentrada apresenta a capacidade de um indivíduo optar
por um estímulo diante de situações adversas que buscam ofuscar a atenção dada a tal
estímulo. Sendo notada a importância do que será selecionado pelo indivíduo e o tempo
17

para reconhecer e processar a informação, ou seja, onde estará o foco do sujeito e


quanto tempo ele consegue manter-se atento (RUEDA; SISTO, 2009).
No trânsito, um motorista utiliza da atenção concentrada no momento em que
precisa pisar no freio e atentar-se para o carro da frente, ou pedestre (estímulo) e ao
atentar-se nas placas de sinalização quando a informação é recebida e ele precisa
concentrar a atenção sem que ocorram prejuízos nos outros tipos de atenção e obstruir o
trânsito (TONGLET, 2007).
A atenção concentrada é um dos principais aspectos psicológicos que se deve
avaliar de um sujeito que está ou irá se inserir no trânsito, é quando o condutor decide
focar em um estímulo e esquecendo-se dos demais. De acordo com a pesquisa realizada
em uma cidade do interior de Minas Gerais, os homens de 18 até 25 anos sobressaem no
quesito atenção concentrada quanto às mulheres, considerando nível superior no inicio e
diminuindo para nível médio com o passar dos anos, chegando por volta dos 36 anos de
idade, já as mulheres começam com a atenção no nível médio e com o passar dos anos
(na faixa de 36 anos) chega a nível superior (BARBOSA et. al., 2015).

4.2. Atenção difusa ou alternada

É considerada flexível mentalmente, pois permite que o indivíduo alterne o foco


da sua atenção, ora em um estímulo e ora em outro, a execução de uma atividade e ora
de outra atividade, muda-se o estímulo atencional (CASTRO, et.al., 2010).
Atenção difusa é a capacidade do sujeito de focar ao mesmo tempo em
diferentes estímulos que estão dispersos em um determinado espaço, captando
rapidamente as informações e levando um conhecimento para o indivíduo. No contexto
do trânsito essa atenção utilizada em todos os envolvidos, seja motorista ou pedestre,
essa atenção é utilizada, por exemplo, em placas de quilometragem que apresenta uma
informação que é capacitada através da atenção difusa e rapidamente desaparece devido
a velocidade do veículo e outros meios como painel do carro, atentando-se ao relógio de
quilometragem e relógio de combustível (TONJET, 2007).
Na atenção alternada é avaliada a capacidade do sujeito de alternar a sua
atenção, entre um estímulo e outro enquanto realiza a tarefa, a capacidade do sujeito de
18

mudar o foco de sua atenção, como quando está dirigindo e recebe uma mensagem no
celular (GOMES, 2010).

4.3 Atenção sustentada

Atenção sustentada refere-se a capacidade do indivíduo de manter-se atento e


focado em mais de um estímulo, é uma atenção considerada vigilante, pois o sujeito
utiliza essa atenção focando em vários estímulos por um determinado tempo e essa
atenção vai diminuindo ao longo do tempo (BAPTISTA, et. al., 2006).
Essa atenção acontece quando o condutor concentra-se em dois estímulos ou
mais, simultaneamente, a atenção é sustentada em um determinado tempo, o sujeito fica
em estado de alerta selecionando aqui que considera importante focar a atenção e os
outros estímulos são inibidos e irrelevantes ao sujeito (ALVES; CARVALHO, 2010).
É a capacidade de manter-se focado durante uma atividade continua e repetitiva,
quando o indivíduo foca a sua atenção em uma mesma tarefa, sem distrações. A função
mental é de discriminar, separar os estímulos considerados importantes e emitir uma
resposta, ignorando os outros estímulos. No ato de dirigir, o motorista utiliza essa
atenção quando o condutor dirige e conversa com alguém dentro do mesmo veículo,
dirige e ouve música, ao dirigir o motorista necessita separar as placas e vias que
considera importante (TONGLET, 2007).

4.4 Atenção seletiva

É definida como a capacidade do sujeito de atender a uma situação em


detrimento de outras situações, como em situações que o indivíduo deve ouvir uma
informação perante outros sons, ele se mantém atento na informação que escolheu. Um
exemplo é quando esta em sala de aula e o sujeito escolhe prestar atenção no professor,
mesmo que os colegas de sala de aula estejam conversando, ou carros com som ligado
passem na rua. A atenção seletiva é importante, pois o indivíduo escolhe
conscientemente focar a sua atenção em uma tarefa e mesmo que tenha ruídos ou
situações que possam distrair, ele se mantém atento, essa atenção é controlada pelo
indivíduo (GARCIA, et. al., 2007).
19

Essa função da atenção atende estímulos relevantes para o indivíduo, onde o


sujeito escolhe o que vai prestar atenção, o indivíduo define por ignorar os outros
estímulos, focando a sua atenção apenas em uma tarefa. O sujeito define os estímulos
em detrimentos de outros estímulos (LIMA, 2005).
A característica da atenção seletiva é como um filtro que o cérebro usa para
concentrar no que o indivíduo considera de fundamental importância, o condutor possui
o domínio sobre a sua atenção, ele seleciona apenas uma informação no ambiente ou
parte dela e ignora as informações irrelevantes contidas no ambiente. Essas informações
escolhidas se tornam mais nítidas e claras com o interesse do condutor. Os estímulos
podem ser visuais, olfativos, sonoros, gustativos ou táteis (SISTO, et. al.,2010).
20

5 RISCOS DO PREJUÍZO DA ATENÇÃO PARA O CONTEXTO DO


TRÂNSITO

Os acidentes ajudam a psicologia do trânsito a se restabelecer e criar mais


pesquisas sobre o tema para aprofundar os estudos, 80% dos acidentes ocorre devido a
falha humana, a questões psicológicas no sujeito, e normalmente ocorrem devido a
causas inesperadas e em segundos. O acidente é causa de algum fator psicológico que
por algum motivo não funcionou bem, é sendo consequência de um mau
comportamento é o que se torna interessante ao psicólogo, desvendar e estudar o que
aconteceram segundos antes do acidente (ROZESTRATEN, 2009).
De modo geral, Hoffman (2003), relata que o maior problema no trânsito é de
origem comportamental, aonde o trânsito é tentado ser controlado através de normas e
regras. O comportamento pode ser adquirido de diversas formas, ao aprender a dirigir o
condutor é condicionado a um comportamento no ato de dirigir, mas as tomadas de
decisão são adquiridas através da imitação e algumas vezes por comportamentos
realizados sem punição. Com isso, a psicologia pode auxiliar na mudança de
comportamento referente ao trânsito.
Normalmente as pessoas se lembram dos acidentes mais graves, esquecendo dos
momentos de distrações que invadiram contramão ou entraram no acostamento e em
frações de segundos retornaram, mas isso também são considerados interrupções no
trânsito. Pode-se definir acidente como um evento inesperado aonde houve uma
interrupção, um descontrole não planejado, qualquer acontecimento inesperado que
interrompe atividades normais, envolvendo um ou mais indivíduo (ROZESTRATEN,
2009).
A falta de atenção, por mais simples que seja significa a perca de momentos
decisivos, pois fazem a diferença. A tabela abaixo mostra os desvios de atenção
relacionados ao tempo. Pouca atenção ou a ausência dela no ato de dirigir muda-se o
tempo de reação que significa a ação do condutor ao momento em que ele enxerga
algum obstáculo, até quando ele toma providência para evita-lo. Essa alteração da
reação pode estar ligada a estímulos como o uso de álcool ou drogas, uso de algum
medicamento que interfira na cognição, discussões que gerem alto nível de estresse,
21

ficar sem dormir e o consumo de alimentos que deem sonolência (BALBINOT, et.al.,
2011).
Alguns fatores humanos que levam as principais possibilidades de acidentes
segundo Rozestraten (2009), é quando um indivíduo se envolve em uma briga, sai tarde
do trabalho, dirige de forma agressiva, dirige em velocidade alta ou o motorista não
compreendeu um veículo mais lento à frente. O autor cita uma pesquisa sobre fatores de
acidentes realizada em 1970 e 1974 na Inglaterra, pelo grupo de Investigações de
Acidentes do Transport Road Research Laboratory do Departmente of the
Environment, em Londres, aonde foram avaliadas erros dos condutores, erros dos
pedestres e as condições dos condutores, os fatores avaliados contribuíram em 1.066
acidentes, no caso do erro do condutor foi necessário colocar vários fatores para
informar os diversos tipos de comportamento do indivíduo, sendo 2.068 fatores em 948
acidentes, a falha de atenção ficou em primeiro lugar como fator mais causador dos
acidentes, sendo 23%; erros do pedestre a falha da atenção também ficou em primeiro
lugar sendo 150 fatores em 71 acidentes, com 66%.
Existem muitos fatores que reduzem a capacidade de concentração do motorista
ao dirigir, como o uso do celular, que limita os movimentos e é necessário tirar uma
mão do volante, assistir televisão, escutar música alta, impedindo de ouvir sons externos
e internos que possam ocorrer durante o trânsito (BALBINOT, et.al., 2011).
Todo deslocamento é realizado através de um comportamento ou de vários tipos
de comportamentos, com isso os psicólogos verificaram a necessidade de estudarem
sobre os comportamentos no trânsito. Foi verificado que há dois tipos de
comportamentos, o direto e o indireto, o comportamento direto é quando o condutor usa
seu corpo, responde de maneira corporal, motorista usando o carro ou ciclista usando
sua bicicleta, e o comportamento indireto é o comportamento em meio ao trânsito,
comportamento do veículo e o que depende do comportamento e comando de um
homem. Com isso, a psicologia do trânsito é a área que estuda os diferentes tipos de
comportamentos do homem no trânsito e os fatores e processos que interferem
diretamente e indiretamente no trânsito (ROZESTRATEN, 2009).
O ser humano vive em constante mudança assim como o trânsito, que não é
igual devido ao comportamento humano e as relações humanas que em todo tempo
acontece, e a ação de um condutor interfere nação do outro condutor no contexto do
22

trânsito. O comportamento do condutor que se deriva de sua personalidade e emoção


trás aspectos conscientes e inconscientes. O autor relata que um condutor com
problemas psicológicos possui seis vezes mais chances de cometer um acidente de
trânsito (BARBOSA, 2017).
Os riscos referentes ao trânsito estão ligados no comportamento humano e o
ambiente do trânsito, o nível de atenção, memória e raciocínio estão presentes em
estudos feitos referentes a acidentes de trânsito, esse comportamento vai depender do
fenômeno e do que influência conforme as variáveis individuais, sociocognitivos,
ambientais e sociais, o corpo responde as exposições e exigências do ambiente. O autor
declara que os comportamentos de risco mais evidentes são o uso de substâncias
tóxicas antes de dirigir, excesso de velocidade, usar o telefone e passar pela sinalização
sem observar, tais comportamentos estão ligados a ausência ou baixa atenção ao dirigir
(CRUZ, et.,al., 2017).
Angústia, ansiedade, agressividade, raiva, estresse são fatores que interferem no
emocional do ser humano e poderá comprometer a habilidade na direção, essas
alterações emocionais levam a uma falha no momento de manter a atenção. Para um
bom condutor no trânsito não basta apenas o domínio técnico no volante se não houver
um bom equilíbrio emocional. O emocional alterado do condutor leva a uma falha na
atenção, pois ele tende a adaptar suas emoções ao trânsito, o organismo em situação de
risco cria uma espécie de alerta para o condutor que funciona como fuga, como uma
proteção a si e buscando adaptação no ambiente que está inserido, o condutor pode
depositar seus instintos no veículo e perder o controle emocional, ocasionando assim,
um acidente (BARBOSA, 2017).
No ato de dirigir todos os processos e fatores psicológicos entram em
funcionamento, como um dos principais fatores o sujeito deve ter uma boa capacidade
de percepção e atenção e esses fatores podem influenciar direta ou indiretamente as
habilidades do sujeito ao conduzir um veículo, levando-o a uma manobra de risco ou
acidente. Causas diretas estão relacionadas a erro humano, seja pelo motorista ou pelas
vias, como falha na pista ou sinalizações erradas, causas indiretas estão relacionadas ao
estado e condições do condutor, onde ele devido a alguma situação não consegue
processar as informações e realizar a tomada de decisão, como problemas atencionais
que dificultam a percepção do risco (HOFFMAN, 2003).
23

O problemas atencionais são os problemas que estão em evidência, as atenções e


distrações que podem ser origem interna, como o estado do sujeito decorrente pela
depressão, fadiga, cansaço, sono e ansiedade, quando o condutor foca em seus
problemas, não se preocupando com os fatores externos e sim os internos, acarretará na
diminuição da atenção; alguns aspectos da personalidade como extrovertidos; utilizar o
celular; fumar; dirigir com fome; sob influência de álcool ou drogas e idade avançada,
são critérios que fazem com que o motorista tenha uma decadência do nível de atenção.
Os fatores externos são encontrados devido a sinalização incorreta; determinados
anúncios nas vias e paisagens; dirigir à noite; quando o condutor já conhece o caminho,
são fatores que influenciam no nível de atenção (HOFFMAN, 2003).
24

6 AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA DA ATENÇÃO EM CONTEXTO DO


TRÂNSITO

Para que uma pessoa seja considerada capaz de dirigir um veículo ela precisa se
submeter há algumas avaliações, dentre elas, está à avaliação psicológica. No ato de
dirigir é fundamental que o profissional avalie algumas habilidades para que o sujeito seja
considerado apto para dirigir, habilidades tais como inteligência, atenção, memória e
personalidade. A avaliação psicológica utiliza de instrumentos fidedignos, de alta
precisão e validade o que levam a um resultado mais preciso. Essa avaliação só pode ser
realizada por profissional com formação em Psicologia, este profissional necessita ter
vasto conhecimento na área de testes psicológicos, visando à importância de promover
melhoria na conscientização do sujeito que se encontra no trânsito (SILVA, et. al., 2018).
O processo de avaliação psicológica é imprescindível para quem deseja conduzir
um veiculo, é um processo complementar, obrigatório e de caráter eliminatório. O papel
do psicólogo nesse caminho é de avaliar as condições psicológicas mínimas dos
candidatos. A avaliação psicológica é um meio para evitar ou reduzir acidentes de
trânsito e a efetivação dessa avaliação se dá há quase 70 anos (CRUZ, et. al., 2017).

6.1 Avaliação Psicológica

De acordo com Mendes et. al. (2013), a avaliação psicológica é conhecida como
um conjunto de procedimentos, que visa a busca de informações para testar hipóteses
clínicas, diagnósticos determinados e orienta sobre comportamentos e funcionamento de
indivíduos em relação com si próprio e com a sociedade. É um processo técnico-
cientifico que visa a coleta de dados realizado de forma individual ou em grupos e que
tem como objetivo o estudo e interpretações de fenômenos psicológicos, a efetividade da
avaliação vai depender da competência técnica do profissional que atua diretamente na
área e dos instrumentos e procedimentos utilizados.
Avaliação psicológica é o conjunto de variáveis que são estudadas e investigadas
baseadas em um comportamento humano, pesquisa cientifica, análise de situações ou
evidências. Esse método possui três características importantes como o que pretende
avaliar os instrumentos necessários e o procedimento para analisar os resultados. Avaliar
utilizando essas características irá variar conforme as observações e métodos do
25

avaliador, permitindo que sejam compreendidos os fenômenos estudados em meio de


intensidade ou prevalência. Esse método para ser fidedigno é utilizado constructos, o
produto da informação obtida pelo processo da investigação, que pode ser
comportamento, memória, atenção, personalidade, cognição, entre outros (CRUZ, et. al.,
2017).
É importante ressaltar que avaliação psicológica se difere de testagem
psicológica, a avaliação psicológica ainda é vista por alguns profissionais e estudantes
como um sinônimo de testes psicológicos. Os testes são ferramentas de grande
importância e são muito usados, mas não são as únicas ferramentas nesse processo,
também são utilizados a escuta, observação, entrevista psicológica, questionários e
dinâmicas de grupo. O autor ressalta também que todo resultado da avaliação
psicológica interfere diretamente na decisão do profissional referente ao indivíduo, o
que faz com que haja diversas possibilidades, limitações e impedimentos para o
avaliado, mas o objetivo da avaliação psicológica é facilitar, auxiliar e contribuir para
o bem estar do ser humano ou grupos, sendo assim, uma avaliação psicológica
realizada com qualidade é considerada uma colaboração ao profissional a fim de
identificar diagnóstico, prognóstico e futura intervenção (CAIXETA; SILVA, 2014).
O interesse dos testes psicológicos teve inicio na década de 90 e busca até hoje
analisar os traços de personalidade e habilidade psicológicas do indivíduo, com isso a
testagem psicológica se faz necessária, pois a avaliação psicológica antes de conduzir
um veículo servirá como uma ferramenta prévia que servirá para fornecer parâmetros
para um prognóstico do comportamento do condutor ou possível condutor, conforme o
manejo do veículo no trânsito (SILVA, et. al., 2018).
De acordo com Bezerra et. al. (2017), esse processo é um espaço que o
profissional elabora as ferramentas da psicologia e é responsável pela operacionalização
das teorias dentro da psicologia em relação a aspectos observáveis, possibilitando a
união da teoria com a prática da profissão. Esse processo não se baseia apenas em
aplicação dos testes, mas abrange em entrevistas e observações do profissional de
psicologia. A prática da entrevista psicológica possibilita em uma conversa, um
relacionamento que se leva em conta aspectos observáveis, permitindo o profissional
averiguar características do sujeito, contribuindo para compreensão do outro e do meio
em que se insere, na maneira de se relacionar com os outros. Para uma boa entrevista o
profissional precisa estar despreocupado e concentrado, com a atenção focada na
26

entrevista, disposto a ser um bom ouvinte, nesse caso a entrevista é considerada o ato de
contato social entre duas pessoas ou mais, com essa prática o entrevistado pode mostrar
seus pensamentos e sentimentos através dos relatos e o entrevistador pode buscar
explicações e exemplos para as respostas do sujeito.

6.2 Avaliação Psicológica no trânsito

A avaliação psicológica é considerada um alvo de apreciações por estar


restringida aos testes de psicotécnico e por ser uma das etapas para a aquisição da
CNH (Carteira Nacional de Habilitação), que por meio de práticas cientificas o
psicólogo perito do trânsito realiza a avaliação dos fatores externos e internos do
indivíduo, conscientes e inconscientes, referente a conduta do sujeito ao ato de dirigir e
seu comportamento no trânsito (BEZERRA et al., 2017).
A psicologia do trânsito surgiu devido a muitas pesquisas na área, começou
com o objetivo de estudar o comportamento dos condutores, pedestres, enfim,
abrangendo para tudo e todos que se referem ao trânsito seja aéreo, ferroviário ou
marítimo, atualmente além desses estudos a psicologia busca colaborar nos estudos
para prevenir acidentes, aperfeiçoando as condições de segurança. A avaliação
psicológica se aplica a testes para avaliar a tomada de decisão, emotividade,
impulsividade, ansiedade e agressividade, ou seja, a finalidade da avaliação está em
avaliar a inteligência geral, capacidade psicomotoras, equilíbrio emocional social,
prever e decidir frente ás situações referentes ao trânsito. Os testes para a avaliação
devem ser considerados com validade e perfeição de acordo com o CFP (Conselho
Federal de Psicologia), que irão permitir a coleta de informações referente a psique do
sujeito e características comportamentais (BEZERRA et al., 2017).
A atuação do psicólogo no trânsito contribui não somente para prevenção de
acidentes de trânsito, mas como pericias em exames com motoristas que buscam uma
readaptação ou realização do profissional, tratamento de doenças psicológicas e fobias.
A atuação desse profissional no trânsito é de fundamental importância, pois pode
oferecer ao indivíduo melhores condições e segurança, promovendo ainda trabalhos
para despertar a consciência do motorista a fim de diminuir os acidentes e poupar a
vida, melhorando a mobilidade (ASSIS; DUARTE, 2016).
27

A avaliação psicológica no trânsito vida investigar as variáveis que podem


interferir no comportamento do condutor que direta ou indiretamente indiquem risco para
a sociedade. A psicologia atua para estudar comportamentos individuais e sociais,
contribuindo no conhecimento do comportamento do individuo e ações referentes ao
tráfego. Essa área da psicologia conta com conhecimentos científicos da engenharia do
trânsito, medicina e sociologia (ASSIS; DUARTE, 2016).
A Psicologia do trânsito iniciou-se no meio do século XX e no inicio dos anos 60
começou a se desenvolver em pesquisas, porém em países subdesenvolvidos como
Inglaterra, França e Estados Unidos iniciaram-se os processos para pesquisas de estudo
referentes ao comportamento humano no contexto do trânsito. No Brasil foi à década de
1950 que iniciou a contratação de psicólogos pelo Detran-RJ com a finalidade de
estudarem e pesquisarem sobre o comportamento dos motoristas, na época o interesse
iniciou-se devido a acidentes de trânsito, com isso foi sancionada a Lei 9545 de 5 de
agosto de 1946 que instituía o Exame Psicotécnico para obter a CNH - Carteira Nacional
de Habilitação (LAMOUNIER; RUEDA, 2005).
Art. 2º. Caberá ao Departamento Nacional de Trânsito - DENATRAN, criar e
disciplinar o uso do formulário Registro Nacional de Condutores Habilitados -
RENACH, destinado à coleta de dados dos candidatos à obtenção da
Autorização para Conduzir Ciclomotor - ACC, da Carteira Nacional de
Habilitação - CNH, renovação, adição e mudança de categoria, bem como
determinar aos órgãos ou entidades executivos de trânsito dos Estados e do
Distrito Federal, no âmbito de suas circunscrições, a sua utiliza (Resolução
CONTRAN Nº 425 DE 27/11/2012).

A avaliação psicológica e a psicologia de trânsito são intercaladas em suas


funções. A área que averigua os comportamentos no trânsito, inconscientes ou
conscientes, externos e internos do ser humano é conhecida como psicologia do trânsito,
já a avaliação psicológica é um processo cientifico e técnico para coleta de dados, estudos
e interpretação das informações sobre os fenômenos psicológicos, usa-se métodos e
instrumentos para conhecer aspectos cognitivos, sensório-motor, emocionais, afetivos,
sociais e indicadores psicopatológicos do indivíduo. A avaliação psicológica possibilita a
psicologia do trânsito a obter um processo com maiores informações fundamentado na
ciência e por meios de pesquisa que visa orientar, sugerir e sustentar o processo de
tomada de decisão do profissional, desse modo é necessário que o profissional do trânsito
28

use a avaliação psicológica para investigar os aspectos psicológicos para obtenção da


CNH ou reavaliação em caso de motoristas profissionais (LAMOUNIER; RUEDA,
2005).
De acordo com a resolução nº 80 do CONTRAN no ano de 1998, na avaliação
psicológica deve ser utilizada na área cognitiva, prática e do equilíbrio psíquico. O
CONTRAN determina nessa resolução o curso de perito no trânsito, sendo exigida,
experiência na área de avaliação psicológica para ser perito no trânsito nas clínicas
credenciadas pelo DETRAN. O curso contribuiu para formação e para reciclagem de
profissionais que necessitavam se atualizar (SILVA, 2012).
Desde o inicio o nome dado a essa avaliação foi Exame Psicotécnico, e essa
nomenclatura foi mudada em 1998, quando o Novo Código de Trânsito Brasileiro foi
publicado e deu-se o nome de Avaliação Psicológica Pericial. Essa mudança ocorreu
devido as novas exigências do Contran (Conselho Nacional de Trânsito) aonde se estipula
que profissionais que realizem a avaliação psicológica devem ser considerados Peritos no
Trânsito, aonde deveriam ter o respectivo curso e a avaliação passou a ser a necessidade
de garantir a segurança nas vias dos condutores e demais envolvidos no trânsito
(LAMOUNIER; RUEDA, 2005).
Pericia psicológica significa habilidade e capacidade para agir com um
determinado conhecimento especifico, é uma atividade realizada por profissional
adequado e preparado que está destinado a passar informações para autoridades
administrativas, possuem domínio e conhecimento amplo sobre determinado assunto,
adquirido por meios de pesquisas, estudos e experiências. Pericia psicológica é
considerada avaliação psicológica, é uma avaliação para fins específicos, com objetivo e
demanda, auxilia no processo de investigação e conclusão sobre determinado assunto,
sendo assim pericia psicológica é uma avaliação especializada dos aspectos psicológicos
de indivíduos que executam determinada atividade ou que esteja relacionado a ela, mas
não pode ser considerada causa necessária e suficiente para avaliar, devido a isso, a
necessidade de ser um profissional qualificado (CRUZ, et. al., 2017).
Em 2009 o CONTRAN estabeleceu os processos psíquicos a serem avaliados
pelos profissionais de psicologia, sendo eles: tomada de informação, processamento de
informação, tomada de decisão, comportamento, auto avaliação do comportamento e
traços de personalidade. De acordo com a avaliação, o candidato poderá ser considerado
como apto, apto temporário, inapto ou inapto temporário. O profissional de psicologia
29

necessita de ter no mínimo dois anos de formação e ser perito portador do titulo de
Especialista em Psicologia do Trânsito reconhecido pelo CFP (SILVA, 2012).
Cruz et. al. (2017), define como domínio da psicologia do trânsito a analise de
fatos e procedimentos psicológicos no ato de conduzir um veículo, destacando a
percepção e o processamento de informações, como tomada de decisão, reação a situação,
personalidade, emoção, motivação, atitudes, memória e aprendizagem.
Bittencourt et. al. (2015), declara que a tomada de informação; que é a capacidade
do condutor de ter atenção em diversas situações; Processamento de informação e tomada
de decisão, avalia se o condutor tem aptidão intelectual para solucionar problemas e
resolver imprevistos e habilidades de acordo com a cultura, também como memória e de
recuperar informações de longo período armazenadas em seu cérebro; Comportamentos
aonde estudam se o candidato possui comportamento adequado e esperado para o
convívio no trânsito; Traços de personalidade, que o profissional avalia se o candidato
apresenta controle das emoções, ansiedade, agressividade, impulsividade e patologias,
são habilidades mínimas e extremamente necessárias para obtenção e renovação da CNH.
O CONTRAN determinou que na avaliação psicológica devem conter
determinadas técnicas e instrumentos, como entrevistas diretas e individuais; aplicação de
testes psicológicos, dinâmicas de grupo, escuta e intervenções verbais. Sendo assim, o
psicólogo perito no trânsito não poderá se basear somente nos testes psicológicos, na
avaliação se faz necessário a observação, intervenção e escuta do profissional
(CONTRAN, 2012).
Os testes psicológicos devem partir do pressuposto de uma ferramenta eficaz
quando selecionada e aplicada de forma correta e coerente mediante as normas e padrões
estabelecidos em sua normatização conforme o Conselho Federal de Psicologia (CFP)
determina, garantindo a qualidade de validade e fidedignidade. Os testes são instrumentos
que avaliam ou mensuram características psicológicas notadas mediante o
comportamento do sujeito, isso significa, que mensura como o sujeito responde a
determinada tarefa solicitada ou situação que lhe é exposto, permitindo que a analise seja
feita decorrente dos dados obtidos através do teste (BITTENCOURT, et. al., 2015).
Caixeta e Silva (2014), determinam que conforme resolução 02/2003 do Conselho
Federal de Psicologia aonde há discernimentos para considerar a prática de um teste
psicológico apto ou inapto. Há critérios referente a fundamentação teórica, validade e
30

precisão de cada teste, a maneira como corrige e como o profissional deve analisar os
resultados, bem como um Manual com instruções para o psicólogo se basear.
Na avaliação psicológica referente ao trânsito umas das funções avaliadas é a
atenção, que é um constructo aonde envolve funções cognitivas incluindo concentração e
memória. A atenção pode ser considerada um conjunto de processos cognitivos, de
acordo com a abordagem cognitivo-comportamental e para o behaviorismo é o ato de
“prestar atenção”, aonde o ambiente faz determinar alguns estímulos. Condutores que
sofrem de déficit de atenção indica grande prejuízo como atividades do cotidiano, que
compromete no ato de dirigir, não conseguindo concluir de maneira satisfatória, além de
que, podem apresentar quadros de esquecimento, dificuldade de manter atenção e
mudança de comportamento (CECATO et al., 2011).

6.3 Instrumentos Psicológicos utilizados para avaliar atenção no contexto do


trânsito

TEADI – Teste de Atenção Dividida

O teste TEADI, é um teste que mede o nível de atenção dividida do individuo, ou


seja, a capacidade do sujeito de dividir a atenção. Esse teste avalia mediante o calculo
com base nos estímulos que o indivíduo deveria marcar e marcou, subtrai os erros e
omissões. Deve ser assinalado três estímulos que estão localizados aleatoriamente ao
longo das linhas da folha de resposta, o individuo deve realizar o teste em 5 minutos. É
um estudo psicométrico, é determinado com precisão e objetividade os resultados dos
sujeitos (RUEDA, 2016).
Esse teste permite uma medida que é caracterizada através da procura de dois ou
mais estímulos ao mesmo tempo em um tempo determinado, enquanto a presença de
outros estímulos ao redor das figuras, o tempo determinado para execução desse teste é
de cinco minutos, busca avaliar a capacidade do sujeito de se manter atento sem
interromper sua atenção mediante outros estímulos (RUEDA, 2017).

TEALT – Teste de Atenção Alternada

O teste apresenta uma medida referente a capacidade do sujeito de alternar a


atenção. A interpretação é mediante os estímulos que o sujeito deveria marcar e marcou,
31

tirando os erros e as omissões obtidas no teste. O sujeito deve assinalar um símbolo em


cada linha, cada linha é um símbolo diferente. O instrumento possui 352 estímulos, 16
linhas e 22 estímulos. O tempo para execução do teste é de 2 minutos e 30 segundos. O
teste pode ser aplicado em ambos os sexos, idade de 18 até 72 anos e deve ser observada
as Tabelas Normativas para interpretação e análise dos resultados (RUEDA, 2016).
A atenção alternada é a capacidade do indivíduo de focar a atenção ora em um
estímulo e ora em outro estímulo, com vários outros estímulos com a função de distração,
esse é o objetivo desse teste. É um teste que pode ser aplicado coletivamente ou
individual (RUEDA, 2017).

TEACO – Teste de Atenção Concentrada

TEACO é um teste que analise a capacidade do sujeito de manter a atenção em


apenas um estímulo, selecionando uma fonte de informação mediante vários outros
estímulos em um tempo determinado. É aplicado de maneira coletiva ou individual,
indivíduos de ambos os sexos e idades entre 18 e 61 anos. O tempo de aplicação desse
teste é de 4 minutos (RUEDA, 2016).
É um teste que o resultado final é obtido considerando as figuras que foram
marcadas e deveriam ser marcadas, subtraídas pelo número de erros e omissões
cometidas pelo sujeito. Esse teste tem como objetivo avaliar o nível da atenção
concentrada do sujeito, a capacidade se focar a atenção mesmo com outros estímulos com
a função de distração (RUEDA, 2017).

BFM - Bateria de Funções Mentais

O BFM diferente dos outros testes proporciona ao indivíduo a oportunidade de


uma avaliação referente ao trânsito, pelo os testes serem compostos por placas, faz com
que o sujeito observe quando será necessário utilizar a atenção para conduzir um veículo,
além da atenção a memória e raciocínio lógico são utilizados durante a execução dos
testes, porém são utilizados como complementar para esses subsistemas, pois o foco
desse instrumento é avaliar a atenção. É um teste composto com diversos instrumentos
que avaliam a atenção do sujeito. De todos os instrumentos a aplicação pode ser feita de
forma individual ou coletiva, de ambos os sexos (TONGLET, 2007).
32

A atenção difusa pode ser avaliada através dos instrumentos: TADIM 1 e TADIM
2, são figuras de quilometragem, no TADIM 1 placas da Rodovia Presidente Dutra, e
TADIM 2 placas da Rodovia Ayrton Senna, as placas são enumeradas de 01 até 50, o
sujeito devera aplicar a placa de nº01 e assim sucessivamente respeitando a sequência
numérica até o nº50. O tempo de aplicação varia de 1 a 4 minutos. Nesses testes avaliam
a capacidade do indivíduo de focar uma só vez diversos estímulos que estão dispersos
(TONGLET, 2007).
Esse teste observa e analisa a agilidade ou falta dela que o condutor utiliza da sua
atenção difusa no convívio com o trânsito e é classificada de forma padronizada mediante
manual e tabelas, a correção é feita através de um crivo que permite verificar erros e
omissões durante a execução, as tabelas podem ser escolhidas segundo a idade do
condutor, escolaridade e região (SPRENGER et al., 2015).
A atenção concentrada pode ser avaliada através dos instrumentos: TACOM A e
TACOM B, aonde no TACOM A são usadas placas de regulamentação e no TACOM B
as placas de advertência, o sujeito deve procurar e assinalar 4 modelos de placas em meio
a outras placas semelhantes. Avalia a capacidade do indivíduo de focalizar o estímulo ou
grupo de estímulo onde estão reunidos vários estímulos. A aplicação pode ser feita
individual ou coletiva dentro de um tempo de 1’ e 30” (TONGLET, 2007).
A atenção discriminativa pode ser avaliada através dos instrumentos TADIS 1 e
TADIS 2, empregam tanto placas de advertência quanto de regulamentação. O TADIS
avalia a capacidade do avaliado de focar dois ou mais estímulos diferentes, aonde deverá
discriminar as figuras para selecionar as figuras necessárias. A aplicação é feita de forma
coletiva ou individual, no tempo de 3 minutos (TONGLET, 2007).
33

7 CONCLUSÃO

Levando-se em conta as referências bibliográficas pesquisadas, observa-se que a


atenção é considerada um dos principais fatores decorrentes de acidentes de trânsito no
país. Ao dirigir o indivíduo utiliza funções psicológicas ao mesmo tempo, uma falha
nessas funções impacta diretamente no bom funcionamento do trânsito, pois todos os
fatores envolvem no ato de dirigir influenciando no comportamento dos envolvidos no
trânsito.
A atenção é a capacidade do condutor de selecionar um ou mais estímulos, fazendo
com que o sujeito responda às exigências do ambiente. O condutor foca e seleciona a
atenção em um aspecto interno ou externo.
Notou-se que motoristas que se consideram com habilidade técnica e experiente dão
menos importância e possuem mais facilidade de desviar o foco da atenção enquanto
estão conduzindo um veículo e recém condutores prestam mais atenção e são mais
cautelosos, com isso, sugere-se que a avaliação seja feita para todos os motoristas em
cada renovação e não apenas limitado em primeiras habilitações e motoristas que
exercem atividade remunerada.
É fundamental que o condutor conheça as leis de trânsito, legislação de trânsito e
tenha habilidade técnica para dirigir um veículo, porém conhecer as especificações da sua
conduta e as funções psicológicas no ato de dirigir se faz cada vez mais indispensável,
pois possibilita ao indivíduo conhecer suas limitações, melhorar e modificar
comportamentos, obtendo autocontrole sobre si e assim, evitando os acidentes de trânsito,
A avaliação psicológica se faz necessária para avaliar a capacidade do indivíduo de
prestar atenção e manter essa atenção no ato de dirigir. Através da avaliação psicológica
pode-se identificar déficits de atenção, transtornos mentais.
Compete ao psicólogo tentar adequar o perfil dos motoristas, no momento de realizar
a avaliação psicológica, contudo sua atividade é restrita ao avaliar os indivíduos, sendo
que o contato do motorista com o psicólogo se faz a cada cinco anos e em alguns casos
esse contato só é realizado no início. Não há a contribuição para a promoção e
desenvolvimento de um trânsito mais seguro, pois seu trabalho é limitado à avaliação, o
que dificulta a intervenção do profissional de psicologia.
34

Notou-se dificuldades em encontrar pesquisas realizadas recentemente, dentro de


cinco anos sobre a avaliação da atenção no contexto do trânsito, verificou-se que há
poucos estudos abordando esse tema no país, com isso, faz-se necessários novas
pesquisas e atualidades referente a avaliação psicológica no trânsito em busca da
atualização do profissional de psicologia e a busca de novas intervenções que possam
ajudar a evitar acidentes de trânsito. Atualmente é necessário pesquisas e investimentos
no estudo da importância da atenção de um motorista, devido ao grande número de
acidente de trânsito e os motoristas estarem constantemente em fatores de risco.
35

8 REFERÊNCIAS

ALVES, Luciana; CARVALHO, Allyson Massote. Videogame e sua influência em


teste de atenção. Revista Psicologia em estudo. Belo Horizonte - MG. Vol. 15.
Nº03. 2010.

ASSIS, Aurea Cibele Duque Jonhson; DUARTE, Msc Frank. Avaliação


psicológica: a atuação do psicólogo especialista do trânsito no processo
avaliativo. Revista Cientifica da Fametro - v. 4, n. 1. Nanbiquara, 2016. Disponível
em: < http:// periódicos.fametro.com.br/nanbiquara >>. Acesso em 10/05/2018.

BALBINOT, Amanda; ZARO, Milton; TIMM, Maria. Funções psicológicas e


cognitivas presentes no ato de dirigir e sua importância para os motoristas no
trânsito. Revista Ciência & Cognição. Rio de Janeiro, Vol.16(2): 013-029. Agosto
de 2011. Disponível em: < http://www.cienciasecognicao.org >.Acesso em
10/02/2018.

BAPTISTA, Miakilim Nunes; LIMA, Ricardo Franco; CAPORIELA, Alessandra


Gotuzo Seabra; MELO, Liana Lins. Sintomatologia Depressiva, Atenção
Sustentada e Desempenho Escolar em Estudantes do Ensino Médio: Depressão,
atenção e desempenho. Revista Psicologia Escolar e Educacional. São Francisco.
Vol. 10. Nº01. 2006.

BARBOSA, Priscilla Lima; PIRES, Sanyo Drumond; SENRA, Luciana Xavier.


Avaliação da atenção e sua aplicabilidade na dinâmica do trânsito. Psicologia,
portal dos psicólogos. Minas Gerais. 2015. Disponível em: <
http://www.psicologia.pt >.Acesso em 10/02/2018.

BARBOSA, Lucicleide Lucia. Trânsito como espaço social: Personalidades e


comportamentos. Psicologia, portal dos psicólogos. Minas Gerais. 2017. Disponível
em: < http://www.psicologia.pt >.Acesso em 20/06/2018

BENCZIK, Edyleine Belline Peroni; LEAL, Graziella Ceregatti; CARDOSO,


Tábata. A utilização do teste de atenção concentrada (AC) para a população
36

infanto-juvenil: uma contribuição para a avaliação neuropsicológica. Revista


Ciência & Cognição. São Paulo. Vol.33. nº100. 2016.

BEZERRA, Amanda Silva; SILVA, Carla Regina Damazio Sales; BRITO,


Dilermando Afonso Souza; SILVA, Higor Ferreira. Avaliação Psicológica no
Trânsito. Revista PsicologiaPt. Olinda. Pernambuco, 2017. Disponivel em: <
http://www.psicologia.pt >.Acesso em 23/05/2018.

BITTENCOURT, Maiala; LOPES Regina Maria Fernandes; ROCHA, BRUNA


FERNANDES. Avaliação psicológica da personalidade no contexto do trânsito: a
importância do uso de instrumentos projetivos. Revista Aletheia. Canoas. no.47-
48 . 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br >.Acesso em 23/04/2018.

CONTRAN, Resolução CONTRAN Nº 425, de 27/11/2012. Código de Trânsito


Brasileiro, Brasília, DF, dez 2012.

CAIXETA, Luís Vicente; SILVA, Ivone Imaculada Conceição. Avaliação


psicológica: possibilidades e desafios atuais. Revista Perquirere. Centro
Universitário de Patos de Minas. Vol.11(2): 218-237. Dezembro de 2014. Disponível
em: < http://perquirere.unipam.edu.br >. Acesso em 15/02/2018.

CALIMAN, Luciana Vieira. Os valores da atenção e a atenção como valor.


Revista Psicol. cienc. prof. Rio de Janeiro. Vol.8. nº3. 2008. Disponível em <
http://www.pepsic.br >. Acesso em 15/04/2018.

CASTRO, Nelimar Ribeiro; RUEDA, Fabian Javier Marin; SISTO, Fermino


Fernandes. Evidências de validade para o teste de Atenção Alternada – TEALT.
Psicologia em Pesquisa. UFJF vol. 04, nº 1. Minas Gerais, 2010. Disponível em <
http://psicologiaempesquisa.ufjf.emnuvens.com.br >. Acesso em 14/06/2018.

CECATO, Juliana F.; FIORESE, Bruna; BARTHOLOMEU, Luana Luz;


MARTINELLI, José Eduardo. Avaliação da atenção em idosos. Revista de
Psicologia. Jundiai-SP. Vol. 14. Nº20. 2011.

CRUZ, Roberto; WIT, Paulus; SOUZA, Caroline. Manual de Psicologia do


Trânsito. 1ª ed. São Paulo: Nila Press, 2017.
37

FERNANDES, Dario Cecilio; RUEDA, Fabián Javier Marin. Evidência de validade


concorrente para o Teste de Atenção Concentrada (TEACO-FF). São Paulo.
Psic. vol. 8 Nº 2. 2007. Disponível em < http://www.pepsic.br >. Acesso em
12/06/2018.

FERREIRA, Romário Machado; BADARO, Auxiliatrice Coneschi. Avaliação dos


níveis de Atenção Concentrada (AC) e a escala atenção seletiva visual (EASV)
em alunos do curso de psicologia na cidade de Ubá/MG. Faculdade Governador
Ozanam Coelho (FAGOC) Revista Saúde e Meio Ambiente – RESMA. Três Lagoas.
Vol.7. Nº 2. 2018.
Disponível em < http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br >. Acesso em
11/06/2018.

GARCIA, Vera Lúcia; PEREIRA, Liliane Desgualdo; FUKUKA, Yotaka. Atenção


seletiva: PSI em criança com distúrbios de aprendizagem. Revista Brasileira de
Otorrinolaringologia. São Paulo. Vol. 73. Nº 3. 2007. Disponível em <
http://www.scielo.br >. Acesso em 20/06/2018

GOMES, Juliana Oliveira. Teste de Altenção Dividida Alternada. Revista Psico-


USF. Vol. 15 nº 3. Itatiba. 2010. Disponível em < http://www.scielo.br >. Acesso em
12/06/2018.

LAMOUNIER, Rossana; RUEDA, Fabián Xavier Marín. Avaliação psicológica no


trânsito: perspectiva dos motoristas. Revista Psicol. cienc. prof. São Paulo. vol.6.
nº1 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br >. Acesso em 23/04/2018.

LIMA, Ricardo Francos. Compreendendo os Mecanismos Atencionais. Revista


Ciência e Cognição. Rio de Janeiro. Vol. 06. Nº1. 2005. Disponível em <
http://www.pepsic.br >. Acesso em 12/06/2018.

MENDES, Lorena Samara; NAKANO, Tatiana de Cássia; SILVA, Izabella Brito;


SAMPAIO, Maria Helena de Lemos. Conceitos de avaliação psicológica:
conhecimento de estudantes e profissionais. Revista Psicol. cienc. prof. Brasilia.
Vol.33 no.2. 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br >.Acesso em 23/02/2018.
38

NAKANO, Tatiana de Cássia; SAMPAIO, Maria Helena de Lemos. Desempenho


em Inteligência, Atenção Concentrada e Personalidade de Diferentes Grupos de
Motoristas. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 21, n. 1. 2016. Disponível em: <
http://www.scielo.br >.Acesso em 12/06/2018.

RUEDA, Fabián; SISTO, Fermino. Teste de Atenção Concentrada. TEACO-FF.


1ª ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009.

RUEDA, Fabián Javier Marín. Teste de atenção Dividida (TEADI) e Teste de


Atenção Alternada (TEALT): livro de instruções. São Paulo. 1.ed. Vetor, 2016.

RUEDA, Fabián Javier Marín. Evidências de validade de critério para testes de


atenção na avaliação psicológica no contexto do trânsito. Revista Aval.
psicol. Itatiba. vol.16 no.2., 2017. Disponível em: < http://www.scielo.br >. Acesso
em 05/06/2018.

ROZESTRATEN, Reinier J. A. Psicologia do Trânsito: Conceitos e processos


básicos. São Paulo. 1reinpressão. Ed. Pedagógica e Universitária Ltda. 2009.

SPENGER, Débora; COSTA, Eliene; BORGES, Andréa; PESSOTO, Fernando;


MONTIEL, José M.; BARTHOLOMEU, Daniel; HEITOR, Daniel; TEALDI, Leslie
Litiano. Avaliação da atenção em uma amostra de Motociclistas. Salud &
Sociedade. Universidade Católica del Norte. Antofogasta, Chile. Vol 6. Nº1. 2015.

SILVA, Fábio Henrique Vieira de Cristo. A Psicologia do trânsito e os 50 anos de


profissão no Brasil. Revista Psicol. cienc. prof. Brasília. vol.32. 2012. Disponível
em: < http://www.scielo.br >.Acesso em 23/04/2018.

SISTO, Fermino Fernandes; RUEDA, Fabián Javier Marin; NORONHA, Ana Paula
Porto; BARTHOLOMEU, Daniel. Atenção Dividida e Inteligência: Evidencias de
Validade. Encontro Revista de Psicologia. São Paulo. Vol. 9. Nº 16. 2007.

SISTO, Fermino Fernandes; CASTRO, Nelimar Ribeiro; FERNANDES, Dario


Cecilio. SILVEIRA, Fernando José. Atenção seletiva visual e o processo de
envelhecimento. Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo. 2010.
39

SOUSA, José Ferreira. Défice de Atenção e Hiperatividade: da definição ao


tratamento. Revista Psicologia. Portal dos Psicólogos. 2017. Disponível em: <
http://www.psicologia.pt >. Acesso em 12/06/2018.