Vous êtes sur la page 1sur 1

FACULDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

EIXO TEMÁTICO: CURRÍCULO


CURRÍCULO NO ENSINO SUPERIOR E SEUS PRINCÍPIOS
FUNDAMENTAIS
Izabella Maciel Machado, Jean de Faria Souza, Jordana Cândida de Souza, KarolineTorres
Quintanilha, Lino Almeida da Silva, Jardel Segundo Cunha

INTRODUÇÃO O mesmo se fundamenta a pesquisa com base em conheci-


mento acadêmico garantindo assim a compreensão e um pa-
Embora muito se tenha discutido nos últimos anos sobre o drão de qualidade no ensino.
currículo, é fato que a confusão na escolha de um currículo Desta forma, pode se abordar a formação humana e profissio-
adequado continua dentro do contexto educacional. nal para o Ensino Superior que atenda a igualdade de condi-
Consideramos determinante na organização do currículo para ções para o acesso e permanência no ensino, que se vincula en-
o Ensino Superior definir princípios para assim fundamenta- tre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais.
lo. Estes princípios geram o ponto inicial para a elaboração Destaca Goodson (2008) que o currículo, nas diferentes áreas
de um currículo reformado que visa a formação superior de do ensino superior, poderia configurar a pesquisa como princí-
alunos de forma mais pedagógica. “O Currículo é entendido pio formador e componente essencial da formação e de sua or-
ganização. Assim, independentemente de seu modelo de orga-
como o conjunto de todas as experiências de conhecimento
nização, possibilitaria, na formação do novo profissional, a vi-
proporcionadas aos/às estudantes” (SILVA, 1995: 184–85).
vência com a pesquisa, criando diferentes situações nas quais
Além de conceituar currículo no ensino superior e seus princí- ela se fizesse presente.
pios apresentamos a importância do conhecimento dos pro- Segundo Dias Sobrinho, (2002) as expectativas de que o princí-
fessores sobre o mesmo, como educadores podem beneficiar pio da docência como base da formação de todo educador é
o planejamento curricular a partir de uma formação pedagógi- um dos grandes desafios para as IES –Instituições de Ensino
ca direcionada a esses profissionais. Superior, ao propor uma sólida formação teórica e interdiscipli-
nar no sentido de que essa formação associa-se a existência de
OBJETIVOS um constante exercício critico por parte dos futuros professores.
1. Compreender aspectos e princípios na organização de um Assim fica explícita a necessidade do componente pedagógico
currículo de Ensino Superior; na formação dos professores universitários, não só seu domínio
2. Abordar um currículo adequado na formação humana e técnico das disciplinas a serem ensinadas. O que se vê comu-
profissional para o Ensino Superior; mente são profissionais com conhecimentos práticos na docên-
cia que são adquiridos individualmente na experiência do dia-a-
3. Conceituar o principio da formação de professores sobre dia da sala de aula, deixando a desejar habilidades necessárias
currículo: Prioridade dos cursos de Ensino Superior. de um profissional da educação.
São entendidos como educadores – pesquisadores, capazes de
DISCUSSÃO intervir em espaços escolares e extra escolares. Conceituar a
formação de professores sobre currículo deveria ser prioridade
No Brasil, ao longo dos tempos, o modelo de currículo institucio-
dos cursos de Ensino Superior, dentre os quais, tal movimento
nal marcadamente assume a proposta de um currículo enges-
atinge profundamente os currículos e resulta na padronização
sando para muitas Instituições de Ensino Superior, onde muitos
de dado perfil profissional como produto dessa formação.
professores não tem conhecimento adequado de um currículo,
Uma vez que o profissional da educação tem o entendimento
deixando este a desejar.
necessário de currículo ele pode trabalhar princípios curricula-
Currículo é comumente entendido como “um conjunto de conhe-
res de forma a melhorar a pratica docente, fazer do currículo um
cimentos ou matérias a serem superadas pelo aluno dentro de
instrumento de melhorias do ensino e reformular sua atuação
um ciclo-nível educativo” mas seu contexto atual, principalmente
de acordo com seus conhecimentos pedagógicos e vivência.
no ensino superior, engloba um aprendizado mais complexo por
Portanto o currículo se torna “um espaço de buscar e experi-
meio de experiências que vão além da sala de aula, um proces-
mentar soluções” constantemente na prática educativa, expres-
so de encontro cultural e saberes interagindo na relação profes-
sa Varela (2013).
sor-aluno como afirma Sabaini (2007).
Na docência universitária o currículo é um instrumento ainda ma-
is complexo por envolver interesse econômico em sua formula-
CONSIDERAÇÕES FINAIS
ção, o qual guia a escolha de um determinado grupo de saberes O presente trabalho relata os princípios parciais de investigação
(disciplinas / matérias) em detrimento de uma possível demanda sobre a influência dos princípios curriculares que atendam às
do mercado de trabalho. necessidades atuais de profissionais da educação no ensino su-
Admite-se que o currículo no ensino superior deve promover perior. A conceituação de currículo no ensino superior trouxe o
uma formação profissional e ao mesmo tempo humana, condu- entendimento da necessidade de formação diferenciada para
zindo a um ensino centrado na aprendizagem e desenvolvimen- docentes, mais humana e profissional. Portanto este trabalho
to da autonomia dos estudantes. A maneira como o currículo é vem contribuir no pensamento de compreender os aspectos e
organizado guia os professores na formação de conhecimento princípios na organização de um currículo de ensino superior,
em conjunto com os alunos, e dá suporte para que os mesmos dando suporte para o componente pedagógico dos profissionais
se tornem ativos na construção dos saberes adquiridos. que se tornam docentes.
Sendo assim, faz-se necessário compreender os aspectos im- Assim pudemos concluir que o conhecimento de currículo por
portantes dos princípios na organização de um currículo de parte dos educadores se mostra não apenas fundamental para
Ensino Superior e suas finalidades, como liberdade de apren- a melhoria das práticas educativas, como também parte essen-
der, ensinar e liberdade da pesquisa. cial do processo de formação de melhores alunos.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
DIAS SOBRINHO, José. Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995- 2009): do provão ao Sinais. Revista Avaliação
(Campinas, vol. 15, n. 1, Sorocaba, 2010.
GOODSON, I. F. As políticas de currículo e de escolarização: abordagens históricas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.
SILVA, T. T. da. Os novos mapas culturais e o lugar do currículo numa paisagem pós moderna. In: SILVA, T. T. da, MOREIRA, A . F. (org.
).
Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 184 202.
VARELA, Bartolomeu Lopes. A Universidade, o Currículo e o Conhecimento: das origens aos tempos atuais. Praia, Cabo Verde: Edições
Unicv,
2013.
SABAINI, Selma M. Garcia. Porque Estudar Currículo e Teorias de Currículo-prosposta de estudo para reunião pedagógica. Paraná, 2007
.e