Vous êtes sur la page 1sur 4

Quando se fala em violecia na sociedade conteporannea pensasse logo

na criminalidade , porem, a sociedade insiste em ver apenas o lado negativo,


desconderando o passado de determinadas pessoas. o sociólogo francês Émile
Durkhei, considerava o crime um fenomeno social normal, pois toda sociedade
um certo numero de crimes é cometido por consequência, se nos referrir-mos ao
que se passa regularmente, então o crime não é mais um fenomeno patologico,
mas sim um reflexo da sociedade.

Em uma sociedade capitalista notasse o rompimento da conciencia


coletiva da população com o outro ou seja um declinio de valores dos mesmos.
deixando a sociedade extremamente indivialista. com o internacionalismo, os
problemas sociais globais cresceram tais como violencia, a exclusão,
descriminação, racismo, pobreza entre outros problemas que tangem a atual
sociedade mundial. o mundo do trabalho não ficou para tras, com o avanço da
tecnologia, nota-se uma precariedadev no trabalho, onde a mesma gera
d3semprego, uma exclussão social.

Hodiernamente, tem-se milhares de formas de desigualdade tanto no


ambito do trabalho quanto no social, dando origem ao então chamado de "
novos pobres ", as instituiçoes socializadoras como, por exemplo, a familia,
escola, o processo de socialização, religioes entre outros, vivem um processo de
crise nos seus ambitos.

Com o avanço da tecnologia e o sistema capitalista que visa sempre uma


produção, notou-se um acentuado declinio no seio familiar ou seja uma
trasformação por motivos como, por exemplo, a fertilidade mulheres cada vez
mais indepedentes, baixa na natalidade, na modernidade esse " padrão de
familia" foi deixado para tras, uma vez que com o passar dos anos foisse
quebrando paradigmas doque é a tal familia padrão. onde atualmente a familia
deixou de ser o pai a mae e os seus repectivos filhos.

A VIOLÊNCIA DIFUSA NA "MODERNIDADE TARDIA"

Fatores como violencia ecológica, exclusao social, racismo entre outros,


configuram-se como um procwesso de dilacerramento da soiciedade ou como
uma " micro fisica da violencia"; efetivase diferentes tipo de normas sociais
levando-nos a ver simuntaneidade de padoes de orientaçoes da conduta muitas
vezes divergentes e inconpreeciveis como a violencia configurando-se como
linguagem e norma social para algumas categorias sociais.

Hodiernamente nota-se um aumento bastante significativo noque diz


respeito a fazer justiça com as própias maos. a busca da pureza pos moderna
expressa-se diariamente com açoes punitivas contra moradores de rua, cujo
são denominados vagabundos por muitas pessoas. tem-se muitos grupos
sociais eletivos, ou seja o periodo atual pode ser denominado como um
processo de modernizão marcado pela pos modernidade e pela expanssaão do
capitalismo pelo mundo todo.

O estado de bem-star social, deixou uma erança muito significativano


qual as suas instituiçoes tinham um funcionamento regular nos paises
desemvolvidos. o cointrole social informal,era orientado para a reabilitação dos
Delinquente com a intenção resocializadora, porem paralelamente, as intituiçoes
de controle social funcionavam regularmente.

A familia a escola e as associaçoes de movimentos sociais definiriam


normas de condutas e reproduziriam valores e diseminavam orientaçoes para a
ação social. uma das novas questoes sociais que tem se espalhado a nivel
mundial é a violencia no espaço no ambito escolar, marcada pela violencia
simbolica verbal e não verbal. portanto o crime está corelacionado com o
capitalismo, uma vez que o mesmo visa o lucro onde muitas vezes deixa um
numero muito elevado da população em estado de miséria, onde muitos tem o
mundo da criminalidade como seu unico refugio.

O controle social formal (as polícias, o judiciário, o sistema da justiça


criminal, as prisões) era orientado para a reabilitação dos delinqüentes, com
uma intenção "correcional" e ressocializadora. Porém, as instituições de controle
social informal funcionavam regularmente: a família, a escola, os grupos sociais,
as associações, os movimentos sociais definiam normas de conduta,
reproduziam valores e disseminavam orientações para a ação social. Estávamos
vivendo o modelo de controle social.

Os projetos de renovação urbana dos anos de 1960 continuaram o


processo demolindo muitas vizinhanças das áreas urbanas centrais, o que
resultou em novos sistemas de tráfico e auto-estradas, com a realocação dos
moradores em projetos habitacionais concentrados.

O efeito freqüentemente foi concentrar as famílias pobres e de minorias


em áreas muito afastadas da cidade nas quais faltavam os serviços básicos tais
como lojas, empregos e bom transporte público, onde criava uma barreira de
preconceitos, levando a população as margens da periferia. cabe resaltar
também, os centros deteriorados e bairros periféricos carentes, habitados por
populações vulneráveis; bairros de populações de altas rendas, com forte
presença de segurança privada assim como a implementação de condomínios
fechados separando os ricos dos pobres.
AS CONFLITUALIDADES SOCIAIS NO PROCESSO DE MUNDIALIZAÇÃO

No início do século XXI, a questão das conflitualidades — das formas de


violência, das metamorfoses do crime, da crise das instituições de controle
social e dos conflitos sociais — configura-se pela emergência de novas
modalidades de ação coletiva, com lutas sociais protagonizadas por outros
agentes sociais e diferentes pautas de reivindicações.A observação de um fato
social — as violências disseminadas pelo espaço social , possibilita a
construção de um objeto sociológico, mediante a ótica espaço-temporal da
conflitualidade apartir das experiencias.

Na sociedade brasileira, a Constituição de 1988, denominada de


Constituição Cidadã, representou a instauração do Estado Democrático de
Direito, com inúmeras possibilidades de aumento no acesso à Justiça, abrindo
um processo de informalização da Justiça e garantindo a pratica da mesma para
com os cidadoes. somente nos anos 90, a violência veio a tornar-se um
problema social e uma questão sociológica. Os estudos sobre o crime já
estavam presentes na historiografia brasileira

POSSIBILIDADES DE UM CONTROLE SOCIAL DEMOCRÁTICO

Neste nascente no século XXI, multiplicam-se os projetos para prevenir


as violências e reduzir a criminalidade violenta, na visão de novas alternativas
de políticas públicas de segurança que que visam garantir o direito de segurança
dos cidadãos e cidadãs nas sociedades do século XXI.

Além de ser um constrangimento físico ou moral, a violência é um ato


vergonhoso que acontece diariamente, em todos os lugares do Brasil e no
mundo. Ninguém sai mais à rua seguro de que vai voltar ao seu lar por causa de
um assalto, uma bala perdida ou outras causas de violência. quando se fala da
mesma nota-se muitos fatores como, por exemplo, o racismo, oconflito de
religiões, diferentes culturas entre outros fatores. Vivemos numa sociedade
consumista, onde o virtú, como dizia Maquiavel sobre os valores, tem perdido na
escala de prioridades para a fortuna (bens materiais).

Já Engels argumenta que a degradação dos trabalhadores ingleses,


acarretada pela expansão da produção fabril, despojava-os de vontade própria,
conduzindo-os inevitavelmente para o crime. já para Marx em O Capital, “A
violência é a parteira de toda a sociedade velha que está prenhe de uma
sociedade nova, ou seja a mesma não é um problema atual, cujo o capitalismo
tem um papel fundamental quando se trata de violencia, sendo um dos
geradores uma vez que proporciona a sdesigualdade social.