Vous êtes sur la page 1sur 15

DESENVOLVIMENTO MOTOR INFANTIL POR MEIO DE

ATIVIDADES LÚDICAS EM UM COLÉGIO PARTICULAR DO


MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR

Pedro Fagundes de Lima Junior1 - FAG

Eixo – Educação da Infância


Agência Financiadora: não contou com financiamento

Resumo

A presente pesquisa teve como temática o desenvolvimento motor infantil por meio de
atividades lúdicas em um colégio particular do município de Guarapuava-PR. As problemáticas
suscitadas foram as possibilidades de se trabalhar o desenvolvimento motor na educação
infantil por meio de uma metodologia lúdica. Os objetivos elencados foram: verificar a
possibilidade de se trabalhar o desenvolvimento motor através de metodologias lúdicas na
educação infantil; compreender a potencialidade do lúdico com fins de se obter uma melhora
no desenvolvimento motor em crianças da educação infantil; compreender a importância de se
trabalhar o desenvolvimento motor na educação infantil e suas contribuições para o
desenvolvimento dos alunos; analisar como o professor de Educação Física planeja as aulas
para a educação infantil. Os sujeitos da pesquisa foram 18 alunos da educação infantil, com a
faixa etária entre 4 e 5 anos de idade e o professor de educação física dos mesmos. Como
metodologia utilizamos de uma abordagem qualitativa. Como delineamento optamos por estudo
de caso, que se trata do estudo e análise de uma situação específica isolada e bem delimitada,
de forma a levar em consideração a contextualização e realidade dos sujeitos. Os dados foram
analisados por meio de um método qualitativo e utilizando a técnica da categorização, para que
os dados fossem melhor agrupados e possibilitasse a análise crítica dos dados obtidos.
Concluímos que para trabalhar o desenvolvimento motor na educação infantil a metodologia
lúdica mostrou-se como um ótimo meio de contribuição para o profissional de Educação Física,
uma vez que pode trazer diversos benefícios para a criança, de forma prazerosa e divertida, sem
alterar sua realidade e assim os preparando para a vida adulta.

Palavras-chave: Educação Física. Educação Infantil. Lúdico. Desenvolvimento motor.

1
Graduado em: Educação Física Licenciatura pela Faculdade Guairacá - FAG. Graduando de Educação Física
Bacharelado pela Faculdade Guairacá - FAG. Pesquisador integrante do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação
Física Escolar e Formação de Professores (GEPEFE) – UEPG. E-mail: pedrofagundesjunior@hotmail.com.

ISSN 2176-1396
16530

Introdução

Esta pesquisa tem sua relevância pelo fato de se tratar da relação da Educação Física
com a Educação Infantil e suas possíveis contribuições, de modo que o foco passa pelo
desenvolvimento motor das crianças, mas que buscando entender se é possível através do lúdico
que tal contribuição motora possa acontecer e sem interferir na realidade da criança, sem limitar
e reprimir e assim auxiliar no seu desenvolvimento.
Neste sentido, Alves (2008, p. 44 - 45) falando a respeito de certas características e
necessidades das crianças nos diz que “[...] A criança, espontânea, curiosa, autêntica, porém
‘imatura’ física, motora, afetiva e emocional, social e cognitivamente, pode-se dizer, é um ser
em formação que exige atenção [...]”.
Desta forma, podemos compreender a importância que deve ser dada a esta fase de
desenvolvimento, também a complexidade de se trabalhar com um grupo que tem grande
potencial de aprendizado e que possui diversas particularidades, portanto trabalhar com a
criança não é uma tarefa fácil, sendo assim, de extrema importância que seja feito da forma
correta e de que seja bem planejado.
A respeito da criança, não é segredo que o brincar sempre esteve presente no seu
cotidiano, portanto se apropriar deste fato pode ser muito válido, uma vez que não irá “mexer”
com a realidade da criança, ela terá liberdade para usar da sua criatividade, para socializar e
assim o processo de desenvolvimento pode ser melhorado e isto de forma alegre e prazerosa.
Ainda neste contexto, o brincar da criança pode estar comprometido, uma vez que
existem diversas questões que podem dificulta-lo, como o ambiente onde a criança está inserida,
a questão monetária, o desenvolvimento e crescimento das cidades, a falta de segurança e
principalmente a falta de políticas públicas destinadas a esta população. Muitas crianças não
têm acesso a um local para que possam brincar e interagir com as demais, deste modo a escola
pode vir a contribuir para oportunizar o brincar.
A respeito disso, Barros (2009, p. 108) falando sobre a escola nos diz que a mesma “é
um dos espaços onde as relações das crianças se intensificam, o que a legitima como
desencadeadora de novas experiências, sentimentos e conflitos”. Já a respeito do brincar, a
mesma autora nos diz que “é uma das atividades potencializadoras do desenvolvimento
infantil”. Portanto, o lúdico na escola pode ser de grande importância, uma vez que pode ser
conciliado com os conteúdos e objetivos das aulas planejadas, auxiliando assim o processo de
ensino e aprendizagem.
16531

Pensando nisto, a pesquisa foi idealizada tendo quais as possibilidades de se trabalhar o


desenvolvimento motor na educação infantil por meio de uma metodologia lúdica como
problemática central, uma vez que o abordar o desenvolvimento motor nas aulas de Educação
Física para o público infantil pode ter grandes benefícios e auxiliar na formação dos indivíduos
e como já citado acreditamos que o lúdico poderia ser uma ótima forma de realizar esse trabalho
mas sem tornar a aula desinteressante aos olhos da criança e sim fazer com que a mesma aprenda
se divertindo.
A pesquisa teve como objetivo geral o de verificar a possibilidade de se trabalhar o
desenvolvimento motor por meio de metodologias lúdicas na educação infantil, a partir deste
objetivo foram idealizados mais três específicos, que são compreender a potencialidade do
lúdico com fins de se obter melhora no desenvolvimento motor em crianças, compreender a
importância de se trabalhar o desenvolvimento motor nesta faixa etária e suas contribuições
para o desenvolvimento integral dos alunos e por último, analisar como o professor de Educação
Física planeja as atividades para estes alunos.
Em suma, a pesquisa tem seu foco no desenvolvimento da criança e busca entender
como o lúdico pode auxiliar o professor de Educação Física, tanto para o desenvolvimento das
habilidades motoras que vão contribuir para as próximas etapas de desenvolvimento da criança
como também para tornar as aulas mais atrativas para elas, para isto foi necessário a realização
de uma revisão de literatura a respeito das tem éticas abordadas para contribuir na firmação de
conceitos a serem estudados e ampliar a gama de conhecimentos de o profissional deveria
dominar para promover um ensino e aprendizagem de qualidade aos seus alunos e assim
contribuir para o desenvolvimento dos mesmos.

Desenvolvimento

O referencial teórico da pesquisa buscou atender aos conteúdos que abrangessem o


problema, para isso foram elencadas quatro principais temáticas, sendo a respeito da educação
física na educação infantil, sobre o lúdico, a respeito da relação do movimento e sua importância
para o desenvolvimento humano e por fim o desenvolvimento motor. A seguir seguem os
principais conceitos e discussões a respeito de cada temática.
16532

Educação Física na Educação Infantil

A relação entre Educação Física e educação infantil muitas vezes não recebe tanto
destaque como deveria, uma vez que a criança ainda está em sua fase inicial de
desenvolvimento, necessitando de estímulos diferenciados que possam proporcionar sua
evolução e aprendizado, a criança aprende constantemente e de forma natural, com todos seus
sentidos e tem liberdade para usar sua criatividade. Desta forma, as aulas de Educação Física
seriam os momentos onde ela poderia ser ela mesma, brincar, criar, se expressar e interagir com
os colegas e mesmo assim estar aprendendo e se desenvolvendo.
A respeito da Educação Física e seu importante papel no processo de aprendizagem,
esta não deve ser vista somente como algo complementar, mas sim como uma disciplina que
pode trazer reais contribuições para o processo de crescimento e desenvolvimento dos
indivíduos. Neste sentido, deve ser valorizada e existe assim a importância de um profissional
habilitado e de um trabalho correto com as crianças, uma vez que a LDB de 1996 assegura a
criança o ensino da Educação Física. Uma vez que no art.26, 3° parágrafo diz “A educação
física, integrada à proposta pedagógica da escola, é componente curricular obrigatório da
Educação Básica. ”
Portanto, a Educação Física deve estar presente no cotidiano da educação infantil, pois
é através dela que a criança conhece seu próprio corpo e suas limitações, onde interagem umas
com as outras, dá asas ao imaginário e a criatividade e principalmente tem diversas experiências
motoras, contribuindo para aumentar seu repertório motor e a melhor preparando para as
diversas situações que pode ser submetida no decorrer da sua vida.
Contribuindo a isso, Cavallari (2013, p.200) nos diz “[...] a Educação Física, além de
oferecer aos seus alunos diferentes atividades da cultura corporal [...] acarretará um aumento
do número de opções de atividades a serem apropriadas no tempo disponível do aluno[...]
formando um aluno crítico e criativo [...]”. Desta forma, o lúdico pode vir a ampliar o leque de
atividades que o professor de Educação Física irá utilizar, diversificando assim as aulas e com
isso o aluno só tem a ganhar.
De um modo geral, a Educação Física na educação infantil pode trazer grandes
benefícios para as crianças, pois irá trabalhar tanto física como intelectualmente e o lúdico pode
ser de grande valia, uma vez que sempre esteve presente na vida da criança, desta forma será
através dele que ela irá se desenvolver.
16533

O lúdico

A criança de certo modo nasce sabendo brincar e é através dele que se desenvolve,
brinca com seus pais e demais familiares, brinca consigo mesma, sendo este um processo
natural e que não precisa ser ensinado, a criança traz consigo sua própria maneira de brincar e
é através dele que consegue se expressar.
É através do lúdico, ou seja, do jogo e da brincadeira que a criança pode vivenciar
situações que normalmente não seriam possíveis, como quando brinca de ser mãe ou pai,
aprendendo desde muito cedo sobre responsabilidades, tudo isso de seu próprio jeito. Nos
tempos atuais, o jogo e a brincadeira não estão presentes no dia-a-dia das crianças como a
décadas atrás, poucos lugares “deixam” a criança aproveitar do lúdico, uma vez que este perdeu
espaço para jogos eletrônicos, computadores e televisões.
No contexto de hoje, é muito importante que ocorra o “resgate” dos jogos e brincadeiras,
estes que sempre estiveram presentes com a criança e as desenvolvendo, trazendo um pouco da
cultura de diversos povos. O lúdico promove a diversão, a interação entre as crianças, uma vez
que dentro do lúdico não tem espaço para distinções.
Kishimoto (2002) nos diz que o lúdico é fruto da interação social, que o indivíduo
aprende com as situações que vivencia e por este motivo é muito importante variar essas
situações, destacando que o brincar é a principal fase da infância, pois a criança se torna mais
ativa e motivada.
Diversos apontamentos nos fazem pensar em trazer o lúdico cada vez mais para a escola,
pois é fato que a criança aprende através dele, que se desenvolve tanto cognitiva como
fisicamente, portanto o lúdico pode ser uma ótima proposta para ser trabalhada nas aulas e
necessita também de mais estudos, apontando como deve ser realizado este trabalho e seus
benefícios a longo prazo.

O movimento e sua importância no desenvolvimento humano

O movimento humano pode ser entendido de diversas formas, como um meio de se


locomover, para apanhar algum objeto, mas de forma geral o movimento está relacionado a
qualidade de vida, quanto menores forem suas limitações melhor será. Desta forma, o
movimento é presente em quase todas as atividades humanas, seja em atividades domésticas,
no trabalho, no treinamento ou no lazer.
16534

Sobre o movimento Go Tani et al (2014) nos diz que os movimentos executados em


qualquer atividade no dia-a-dia serão os mesmos executados em uma modalidade esportiva no
futuro, ou seja, o movimento não irá mudar, mas sim as necessidades e estímulos. Com isso,
evidencia-se a importância de se experimentar os mais variados movimentos, pois facilitará a
execução de movimentos mais complexos no futuro.
Ainda para o autor acima citado, os movimentos têm importância biológica, psicológica,
social, cultural e evolutiva, é através da relação com o meio ambiente e das necessidades que
nosso corpo se adapta, de uma forma mais simples, através do movimento nosso corpo aprende
e cria certos padrões de movimento, que vão vir a facilitar na execução de movimentos
parecidos com o aprendido ou que exijam do nosso corpo a mesma adaptação.
A respeito do movimento Santos (2000) diz que “está em ligação direta com a criança,
pois é parte dela que se comunica com o mundo, e também é a partir dele que ela irá organizar-
se enquanto sujeito pensante e atuante para dar conta da sua participação na sociedade. ”
Portanto, através do nosso corpo podemos nos expressar e interagir com os outros, além
de aprender e assim se desenvolver com as mais diversas situações em que somos submetidos,
mais uma vez destacando a importância de estímulos diversificados para o desenvolvimento
dos indivíduos. Neste sentido, podemos dizer que através do nosso corpo e do movimento nos
desenvolvemos e nos preparamos para a vida adulta.

Desenvolvimento motor

O desenvolvimento motor de um modo geral pode ser entendido como a capacidade do


indivíduo usar o corpo para se movimentar no mundo, uma vez que envolve diversas
habilidades aprendidas no decorrer da vida, indo desde as habilidades mais grosseiras até as
mais finas.
Para Gallahue e Ozmun (2005) o desenvolvimento motor é um processo contínuo, que
tem início logo após o nascimento e continua até o final da vida, onde este desenvolvimento
pode ser definido como alterações nos níveis funcionais dos indivíduos, ou seja, tem relação
com as exigências das tarefas e capacidades dos indivíduos.
Desta forma, o desenvolvimento motor é o estudo de um processo contínuo de
alterações funcionais nos indivíduos e para que ocorram estas alterações são necessários
estímulos diversos, sendo assim considerados como exigências. A criança, portanto, possui
grande capacidade de aprendizagem e desenvolvimento motor, uma vez que está no início do
processo de desenvolvimento.
16535

Neste sentido, Go Tani et al (2014) contribui dizendo que os primeiros anos de vida são
cruciais para o desenvolvimento da criança, onde as situações que vivenciarão serão fatores
determinantes para o adulto que se tornarão. Expressando assim, a importância de um trabalho
com estímulos e vivencias variadas no ambiente escolar, evidenciando a importância da
Educação Física e sua intervenção.
Isto posto, vale destacar que cada criança irá aprender e se desenvolver da sua maneira
e velocidade, estando ligado ao fator de individualidade biológica, pois cada um apresenta uma
série de características particulares e faz parte do trabalho se atentar a essas peculiaridades.
Portanto, é necessário respeitar o ritmo de cada criança e procurar variar as metodologias
utilizadas, neste sentido o lúdico pode se encaixar nas aulas de Educação Física, pois se tratará
de uma mesma brincadeira ou jogo, mas todos irão se desenvolver, cada um no seu próprio
ritmo.
Concluindo, o professor de Educação Física pode trabalhar com as crianças da educação
infantil atividades voltadas ao desenvolvimento motor, sendo que estas são muito importantes
para o desenvolvimento de habilidades motoras, proporcionando desafios e estímulos
diferenciados e assim contribuindo para aumentar a “bagagem” motora da criança.

Metodologia

Optamos por uma abordagem qualitativa que para Fachin (2006) é um método
sistemático que tem como objetivo a resolução de um problema, caracterizado pela
interpretação e análise de dados de forma crítica e detalhada.
Sobre o delineamento da pesquisa, optamos por estudo de caso que para Lüdke e Andre
se trata de um estudo de um caso isolado e delimitado, mas sem deixar de levar em consideração
a realidade do pesquisado. Já para Gil (2002) tem como objetivo explorar situações da vida real,
descrevendo o contexto, criando hipóteses e assim se caracterizando um estudo profundo de
uma realidade específica.
Participaram da pesquisa como sujeitos 18 alunos de uma turma da educação infantil de
uma turma do Jardim II, na faixa etária de 4 a 5 anos de idade, de uma escola da rede particular
de ensino do Município de Guarapuava e o professor de Educação Física responsável pela
turma. A escolha da escola foi realizada pela experiência obtida no estágio obrigatório da
faculdade e já sobre a escolha da faixa etária se deu por ser uma idade que se encaixa nas
características do estudo.
16536

Os instrumentos de pesquisa escolhidos foram a observação de um conjunto de 12 aulas,


diário de campo e entrevista com o professor responsável pela turma. A observação para Lüdke
e André (1986) deve ser planejada antecipadamente, com evidencia no “o quê” e “o como”.
Com a observação das aulas foi necessária a realização de um diário de campo que para
Triviños (1987) é um processo de coleta de dados e de informações, de forma descritiva e
organizada, sendo baseada em ações, comportamentos e tudo que possa interferir na realidade
estudada.
A entrevista para Lüdke e André (1986) é um importante meio de obtenção de dados,
onde durante a entrevista a relação entre pesquisador e pesquisado é de interação, possibilitando
a troca de experiências. A entrevista foi semiestruturada para que pudessem ser retirados mais
dados e de forma a dar mais liberdade as respostas do entrevistado, sendo a entrevista orientada
pelas questões e temas previamente estabelecidos.
A pesquisa contou com todos procedimentos éticos necessários, onde em um primeiro
momento foi entregue a carta de apresentação a escola onde o estudo seria realizado, contendo
informações sobre a pesquisa, como suas propostas e objetivos. Com o aceito do responsável,
foi entregue o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido aos sujeitos, onde informava e
esclarecia aos mesmos sobre a pesquisa, deixando claro que os nomes e qualquer informação
que pudesse os identificar não seriam utilizados, sendo assim uma garantia tanto para o
pesquisado como para o pesquisador, se tratando então de um termo legal que comprova que
ambos estão assumindo suas responsabilidades.
Após os procedimentos legais, teve início a coleta de dados, em um primeiro momento
foram realizadas as observações de aulas e os dados obtidos foram registrados no diário de
campo. Optamos por realizar a entrevista com o professor depois de todas as observações de
aulas, para que não tivesse influencia na metodologia utilizada pelo professor.
Desta forma, com os dados já coletados iniciamos a análise dos dados de forma
qualitativa, para que pudéssemos tratar os dados de forma crítica e detalhada, onde optamos por
realizar uma análise de conteúdo que para Chizzotti (2006) tem como objetivo a análise e
compreensão dos dados de forma crítica, partindo de dados registrados na forma de textos e se
encaixando na pesquisa, uma vez que os dados foram recolhidos através do diário de campo e
da transcrição da entrevista com o professor.
Para melhor organização e análise dos dados, optamos pela utilização da técnica de
categorização que para Lüdke e André (1986) visa tratar os dados obtidos de forma específica
16537

e detalhada, onde o pesquisador junto aos dados deverá acrescentar algo à pesquisa, seu próprio
entendimento e ponto de vista a respeito da importância da pesquisa.

Discussão de resultados

Os dados foram coletados através da observação de um conjunto de 12 aulas de uma


turma da educação infantil e este número foi escolhido para não interferir por muito tempo na
realidade estudada, pois acreditamos que talvez um número maior de observações pudesse
resultar em mudanças no comportamento dos alunos e assim se caracterizando como dados
“falsos” resultantes da influência do pesquisador no meio onde está inserido.
Com os dados coletados e agrupados, foram elaboradas três categorias para a discussão,
partindo da análise dos dados e assim levando em consideração dados que se repetiam ou se
afastavam e de acordo com os objetivos da pesquisa, desta forma as categorias idealizadas
foram as seguintes: Categoria 1: Reação dos alunos frente as atividades propostas; Categoria 2:
O lúdico como estratégia metodológica para motivar os alunos; Categoria 3: Sobre a
importância das aulas.

Categoria 1: Reações dos alunos frente as atividades propostas

Nesta categoria organizamos dados a respeito do comportamento dos alunos e das suas
necessidades durante as aulas. Um dos pontos apontados foi que as atividades idealizadas para
as crianças devem chamar sua atenção, para que as aulas tenham uma qualidade maior e assim
sendo mais interessantes aos olhos infantis.
Neste ponto é interessante destacar a fala do Professor durante a entrevista onde diz:

“Devemos trazer sempre atividades que chamem a atenção das crianças [...] nem sempre
serão bem aceitas por elas e às vezes o primeiro contato com a atividade é o mais importante
[...] por isso tento utilizar materiais coloridos para chamar atenção e fazer com que queiram
participar, bambolês coloridos, bolas de diversos tamanhos e tudo que possa ajudar. ”

Neste ponto devemos nos atentar a certos sinais que a criança possa nos dar sobre seu
contentamento ou descontentamento, que podem interferir diretamente durante as aulas e isso
se reflete na sua participação nas atividades planejadas. Sendo muito importante manter os
alunos executando as atividades, mas dando liberdade e autonomia a eles, sempre levando em
consideração que a criança é muito criativa e disposta.
16538

“As crianças participam bem, as vezes não participam de uma atividade, mas participam
de outra [...] elas fazem as atividades que as interessam e em alguns momentos elas vão se
distrair com algo e começar a brincar entre elas (Professor). ”

As atividades com corridas, saltos, rolamentos e que utilizavam algum material como
bolas ou arcos eram as que contavam com a maior participação das crianças, sendo estas as
atividades em que os próprios alunos pediam para realizar novamente. Neste sentido, em
algumas aulas o professor incluiu circuitos motores, mas unindo a execução prática o mesmo
contava uma história aos alunos, para que estes pudessem usar sua própria imaginação enquanto
realizavam as atividades.
Portanto, podemos destacar a importância de trabalhar com o imaginário da criança e os
benefícios que isto pode ter na participação e concentração deles nas atividades, também a
liberdade que eles precisam para poder desenvolver algumas atividades.

“[...]se chamar a atenção deles toda vez que estão brincando com um colega, eles ficam
irritados e pouco participam das aulas, por isso em alguns momentos é bom que deixe se
soltarem um pouco [...] sempre surgem brincadeiras, começam um pega-pega e se espalha pela
turma, mas isso é importante (Professor). ”

Com isso, devemos analisar a importância do brincar para a criança, tornando o


ambiente da aula mais descontraído e atrativo, podendo ser um pouco flexível com as
atividades, realizando modificações ou até mesmo pedir a ajuda dos alunos para isso. Desta
forma, podemos notar a importância de um trabalho diversificado para que os alunos sempre
queiram participar da aula, neste ponto notamos que o lúdico na educação infantil em conjunto
com o desenvolvimento motor foi muito bem aceito, os alunos gostavam e se divertiam durante
as atividades, tanto que partia muitas vezes deles a vontade de realizar novamente algumas
atividades.

Categoria 2: O lúdico como estratégia metodológica para motivar os alunos

A criança tem sua própria maneira de enxergar o mundo a sua volta, se baseando em
seus interesses e gostos, portanto é muito importante que as atividades sejam atrativas e as
mantenham motivadas no decorrer das mesmas. Observamos que neste sentido o lúdico é uma
16539

excelente alternativa, pois trata-se de um ato natural da criança, o ato do brincar sempre esteve
presente, através dele que a mesma passa seu tempo livre e este surge de forma espontânea.
Além de ser um fator para motivar seus alunos, o lúdico segundo o Professor:

“[...] pode ensinar sobre o vencer e perder, por isso faz parte do plano de curso, é
importante trabalhar isso com eles”

Assim o lúdico, pode desenvolver a capacidade de distinguir como é perder e vencer,


contribuindo muito para a formação da criança, uma vez que, saber vencer e perder é essencial
em quase todos os âmbitos, seja nas práticas esportivas como na vivência em sociedade. Neste
sentido, é importante incluir as atividades em grupo, o que o lúdico pode muito bem
proporcionar, ensinando mesmo que de forma indireta que o vencer pode ser coletivo, onde
nenhum perde e todos devem cooperar para alcançar o resultado final.
Corroborando a isso, é importante destacar a fala do Professor durante a entrevista, onde
diz que:

“Criar esse lado coletivo é um dos objetivos da disciplina, trabalhar em equipe e dividir
responsabilidades [...] eles podem não entender muito bem agora, mas fará diferença no futuro.”

É interessante e importante estimular a imaginação e criatividade nos alunos, este ponto


sendo muito observado durante as aulas, uma grande troca de atividades, para que os alunos se
mantenham motivados e de modo a proporcionar variadas experiências aos alunos. Neste
sentido, é valioso utilizar atividades que não tenham uma execução correta e sim variadas
possibilidades de execução, para que o aluno sinta que está no controle da atividade, o que nesta
faixa etária é muito importante e influencia muito na motivação do aluno.
Gallahue e Ozmun (2005) dizem que as experiências motoras devem enfocar a
exploração motora, contendo atividades que proporcionem a resolução de problemas,
maximizando o uso da criatividade e do imaginário da criança.
Neste sentido, são importantes atividades com corridas, saltos, rolamentos, de
manipulação, com bolas, cordas e tantas outras possibilidades, onde tem por objetivo
proporcionar situações variadas aos alunos, trazendo grande importância motora, de modo a
destacar a importância destas atividades no desenvolvimento da criança e na sua preparação
para as demais fases da sua vida.
16540

Categoria 3: Sobre a importância das aulas

Trabalhar o desenvolvimento motor na educação infantil pode contribuir muito para o


desenvolvimento integral da criança. Quanto a metodologia, muitos autores citam que o lúdico
pode vir a contribuir muito para o desenvolvimento dos alunos, sendo uma alternativa muito
utilizada para trabalhar nos mais variados campos.

“Trabalhar o desenvolvimento motor, a qualidade de vida e incentivar os alunos a serem


mais ativos fazem parte do plano de curso adotado pelo colégio (Professor). ”

Corroborando a isso, Santos (2000) falando sobre a Educação Física diz que esta
“objetiva trabalhar a ação motora, o movimento, a habilidade e a experiência motora, sendo
estes conceitos fundamentais para o currículo da EF infantil. ”
Deste modo, a Educação Física tem papel muito importante na educação infantil, uma
vez que trabalha o corpo e suas noções, proporcionando a criança o conhecimento a respeito do
seu próprio corpo, suas limitações e potenciais. Devendo trabalhar atividades que envolvam
noções corporais, espaciais e temporais.
Santos (2000) dizendo sobre o profissional de Educação Física cita que é importante
que este “possibilite à criança diversas situações para que se alcance um grau de conhecimento
das suas habilidades motoras e, consequentemente, inúmeras experiências sobre seu corpo. ”
Isto posto, podemos notar que o papel da Educação Física é amplo e deve proporcionar
essencialmente experiências aos alunos, levando em consideração as particularidades dos
alunos. Para que as atividades mantenham os alunos motivados, o lúdico pode ser uma ótima
alternativa.
Mais uma vez, é válida a contribuição de Santos (2000) onde falando sobre a Educação
Física na educação infantil diz “[...] neste período é ludicidade, é brincadeira, é prazer, é
aprender com o outro, é conhecer-se, é respeitar-se.”
Portanto, podemos entender que na educação física infantil é muito importante o
trabalho com o desenvolvimento motor e que o lúdico é uma ótima contribuição para que as
aulas sejam de qualidade, proporcionando o desenvolvimento da criança e a preparando para a
fase adulta.
Em suma, destaca-se que a Educação Física no seu trabalho com a educação infantil,
deve tomar certos cuidados e possibilitar o máximo de experiências motoras possíveis, além de
16541

se apropriar das experiências que os alunos já possuem, de modo que o lúdico deve ser presente
nas aulas e assim podendo contribuir para o desenvolvimento das atividades.

Consideração finais

Concluímos que é muito importante a presença de um profissional de Educação Física


na educação infantil, para orientar e executar um trabalho de qualidade com as crianças,
contribuindo para o seu desenvolvimento e incentivando a prática de atividades físicas e desta
forma contribuindo para que as crianças tenham uma vida mais saudável e ativa.
O trabalho da Educação Física deve ser diversificado e de acordo com a idade e
particularidades dos alunos, buscando desenvolver atividades variadas, com o intuito de
proporcionar experiências aos alunos e possíveis contribuições no desenvolvimento das
crianças.
Levando em conta a metodologia utilizada, destaca-se a lúdica, que além de sempre ter
feito parte da vida da criança é a que menos irá “agredir” sua realidade e possui grande
importância na motivação dos alunos. A criança de 4 a 5 anos de idade está em um processo de
grande aprendizado, está desenvolvendo suas valências no caráter motor, aprendendo através
de suas experiências vivenciadas.
As atividades devem chamar atenção das crianças e fazer com que as crianças sintam
prazer e alegria em realiza-las, pelo fato do público ser muito jovem, as atividades muitas vezes
se tornam maçantes e um fator desanimador para o aluno. Para prender a atenção dos alunos na
atividade devem ser utilizados materiais variados, coloridos e de tamanhos variados.
Porém, a utilização de diversos materiais pode ser adaptada, uma vez que a pesquisa
ocorreu em uma escola particular, os materiais são vastos e diversos, portanto não sendo
problemas para o professor. Vale destacar, que o lúdico em parte de suas atividades não
necessita de materiais, o que pode ser um fator muito importante para sua aplicação na educação
infantil.
Desta forma, a questão dos materiais pode ser contornada pelo professor responsável,
de forma a não comprometer a proposta da utilização do desenvolvimento motor na educação
infantil, necessitando somente de planejamento e de adaptações, mas podendo ser igualmente
eficazes.
Assim, evidenciamos a importância da pesquisa, no que procura evidenciar a
importância da Educação Física Infantil, além de se trabalhar o desenvolvimento motor para
que a criança se desenvolva e esteja melhor preparada para a fase adulta. Além de demonstrar
16542

que o lúdico pode ser uma ótima alternativa para ser utilizado nas aulas de Educação Física,
pois se trata de um trabalho diversificado e que faz parte da realidade da criança.
Em sumo, buscamos evidenciar a importância da relação Educação Física e educação
infantil, além da utilização do lúdico em conjunto com o desenvolvimento motor, pois podem
ser fatores determinantes para o desenvolvimento da criança. Também acreditamos que existe
a necessidade de maiores investigações e pesquisas com esta temática, por ser de grande
relevância tanto para a Educação Física como para a educação infantil.

REFERÊNCIAS

ALVES, Fernando Donizete. O lúdico e a educação escolarizada da criança: uma história


de (des) encontros. 2008. 214 f. Tese (doutorado) – Universidade Estadual Paulista,
Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2008. Disponível em:
<https://repositorio.unesp.br/handle/11449/101596>. Acesso em: 27 Mai. 2017.

BARROS, Flávia Cristina Oliveira Murbach. Cadê o brincar? Da educação infantil para o
ensino fundamental. 2009. 215 f. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. Disponível em:
http://static.scielo.org/scielobooks/bdcnk/pdf/barros-9788579830235.pdf. Acesso em: 28 Mai.
2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 2005. Disponível em:
<https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf>. Acesso em: 28 Mai.
2017.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 2006.

FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. São Paulo: Saraiva, 2006.

FERREIRA, Carlos Alberto Mattos. Psicomotricidade: da educação infantil à gerontologia -


teoria e prática. In: SANTOS, Simone Moraes. Educação: Física ou Psicomotora – Uma
escolha para o ensino infantil. São Paulo: Editora Lovise, 2000.

GALLAHUE, David L.; OZMUN, John C. Compreendendo o desenvolvimento motor:


bebês, crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Phorte, 2005.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira Thomson
Learning, 2002.

LÜDKE, Menga. ANDRÉ, Marli Eliza D. A. Pesquisa em educação: abordagens


qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.
16543

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lúdico, educação e Educação Física. In: CAVALLARI,


Thaís Adriana. Lazer e Educação Física nas Propostas Curriculares de Ensino
Fundamental e Médio do estado de São Paulo. Ijuí: Ed. Unjuí, 2013.

TANI, Go [et al]. Educação Física Escolar: fundamentos de uma abordagem


desenvolvimentista. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa


qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.