Vous êtes sur la page 1sur 2

De acordo com a leitura proposta, fica-se evidente que a problemática com a

caracterização do saber social e cientifico da educação física como pratica


acadêmica, vem sendo cada vez mais discutida e estudada. Julga-se que durante
um tempo essa pratica ficou descaracterizada pela falta de equilíbrio em sua área de
atuação.

Esse conteúdo histórico que demonstra as muitas faces da educação física


vem sendo cada vez mais cancerígeno para a pratica e reconhecimento docente,
tendo em base que como se não existe um equilíbrio e vertente singularizada de
pensamento pedagógico, o saber da E.F acaba sendo irreconhecível.

Na busca de se caracterizar essa vertente da formação sócio-cultural do


individuo, gerou então uma inquietação sobre qual a área e as características da E.F
quanto formação de um individuo em sua integridade plena. Muitos autores a tratam
como plena pratica corporal, outros a colocam como conseqüência social de atuação
corporal, contudo não se deve apenas atenuar sua pratica em áreas
desenvolvimento corporal.

A E.F em nossa realidade atua-se como pratica corpóreo-social onde é


possível o trabalho funcional e especifico do corpo, porem sem desatar sua vertente
histórica, social, cultura, política e econômica. Em sua bagagem historia é possível
observar que a educação física sofreu farias transformações por conta da sociedade
em que estava inserida e em como ela é apresentada em sua forma mais especifica.

Se formos dar um passagem pela ação da pratica educativa na Grécia antiga,


teremos vertentes demonstrando o culto ao corpo pronto para a batalha e a
perfeição de um corpo esportivista. Assim como em todas as vertentes educativas a
educação física teve modificações sobre o seu saber pedagógico e sua postural
como pratica de preparação para uma sociedade que atenda as necessidades da
época em quem esteve inserida.

Hoje então deve-se destacar que na escola, busca-se não cultuar o ter um
corpo e sim ser um corpo, porem essa separação não pode ser de tudo
descontextualizada para que não haja também uma exoneração do corpo como
forma de objetivo, assim como não deve haver somente o preparo esportivista e sim
um preparo educativo para a saúde do corpo.
Não podemos ver a educação física como disciplina unicamente cientifica ou
filosófica, pois em sua área está inclusa o cultural e social, deve-se então busca um
equilíbrio entre ter um corpo e ser um corpo, entre o saber fazer e o fazer com
perfeição. A E.F deve então tomar postura de pratica docente de peso igual as
demais disciplinas para que assim seu reconhecimento cientifico ultrapasse as
barreiras da descaracterização da área como instrumento cientifico-social.