Vous êtes sur la page 1sur 19

DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS (ARTS 5º A 17)

DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS (ART.5º)

DIREITOS SOCIAIS (ARTS.6º A 11)

DA NACIONALIDADE (ARTS. 12 e 13)

DOS DIREITOS POLÍTICOS (ARTS. 14 a 16)

DOS PARTIDOS POLÍTICOS (ART. 17)

DIREITOS DE NACIONALIDADE

NACIONALIDADE: é o vínculo jurídico e político de uma pessoa com um Estado.

Existem pessoa sem nacionalidade? Sim, são os apátridas (heimatlos).

Exemplo: Um brasileiro de 19 anos vai para os Estados Unidos. Começa a trabalhar de garçom e
se naturaliza americano. Com isso, ele perde a nacionalidade brasileira.

Passados alguns anos, ele perde a naturalidade americana. Ele deixa de ser americano.

Já não á mais brasileiro, nem americano. Tornou-se um apátrida.

Essa questão do apátrida é cada vez mais rara porque a nacionalidade é um direito fundamental.

A nacionalidade é um direito fundamental.

Está no art.12 da CF/88.

Está prevista em Tratados internacionais como o “Pacto de San Jose da Costa Rica “- art.20:

Toda pessoa tem direito a uma nacionalidade.

Toda pessoa tem direito à nacionalidade do Estado em


cujo território houver nascido, se não tiver direito a
outra.

A ninguém se deve privar arbitrariamente de sua


nacionalidade, nem do direito de muda-la.

Qual a diferença entre povo, população, nação?

Povo: conjunto de nacionais- “povo brasileiro” - conjunto de brasileiros onde quer que estejam.

População: conjunto de pessoas dentro de uma determinada localidade. Ex: população do


Estado de São Paulo: brasileiros, estrangeiros, apátridas.

Nação: é um conjunto de pessoas ligadas por lações históricos, culturais etc.


Cidadão: para o direito constitucional, não é sinônimo de pessoa. Cidadão é a pessoa no gozo
de seus direitos políticos: que pode votar e ser votada.

Nacionalidade é a vinculação jurídica e política da pessoa com o Estado.

Existem quantos tipos de nacionalidade?

Dois:

1. Nacionalidade originária (primária): adquirida pelo nascimento (só pode estar prevista
na CF, não pode estar prevista na lei infraconstitucional). O sujeito já nasce brasileiro.

2. Nacionalidade secundária (adquirida): adquirida por um ato posterior de vontade.

Que ato é este? Imagine que um americano vem ao Brasil e se encanta com o
Brasil e quer ser brasileiro. Como ele faz? Qual é o procedimento?

É a naturalização. (Essas hipóteses de naturalização podem estar na CF e na lei


infraconstitucional) – Estatuto do Estrangeiro – Lei 6.815/80

É possível medida provisória versar sobre direito de nacionalidade?

Não. MP não pode versar sobre direito de nacionalidade porque o art.62 §1º da CF/88 veda.

Qual lei pode versar sobre direito de nacionalidade?

Tem que ser lei federal. Lei elaborada pela União (art.22, XIII).

É uma das hipóteses de competência privativa da União legislar sobre nacionalidade.

Quais são os critérios para aquisição da nacionalidade originária?

a) “Jus solis” -Territorial – o que importa é o lugar onde a pessoa nasceu.


b) “Jus sanguinis” - o que importa é a sua ascendência – quem é pai, avô etc.

Via de regra, os países do continente americano adotam o critério do “Jus solis”, porque é um
continente de imigração.

O Brasil, em princípio, via de regra, adota o critério territorial “jus solis”.

Via de regra, o continente europeu adotou o critério do “jus sanguinis”, porque a Europa é um
continente de emigração.

Quais são as hipóteses de nacionalidade originária no Brasil? (Adquirida pelo nascimento)

Quem é brasileiro nato?

4 hipóteses de nacionalidade originária previstas no art. 12, I da CF:

1. Nascido em território brasileiro, salvo se de pais estrangeiros, a serviço de seu país.


(critério “jus solis”- territorial).

O que é território brasileiro? Existem dois tipos:

 Material: solo e subsolo, aguas internas, espaço aéreo


correspondente, mar territorial (12 milhas marítimas)
 Por extensão: navios e aeronaves públicos, onde quer que
estejam; navios e aeronaves privados se estiverem dentro do
Brasil ou em alto mar.

OBS: A embaixada não é extensão do território do país. Ex: embaixada


do Brasil em Honduras é território brasileiro? Não, a embaixada do
Brasil em Honduras é território de Honduras. A embaixada não é
extensão do território do país. A polícia não invade porque a
embaixada goza de inviolabilidade por questões de soberania.

(TRD/3R/Juiz/2008) São brasileiros natos, conforme a Constituição,


os nascidos em território brasileiro. O que é exatamente o território
brasileiro para fins de determinação da nacionalidade “jure soli”?

2. Nascido no estrangeiro de pai brasileiro ou mãe brasileira, se estiver a serviço do Brasil.

(critério “jus sanguinis” + critério funcional: o pai ou a mãe tem que estar a serviço do
Brasil-serviço público: diplomático, administração direta ou indireta).

3. Nascido no estrangeiro de pai brasileiro ou mãe brasileira, que não esteja a serviço do
Brasil, e que seja registrado em repartição brasileira competente

(critério “jus sanguinis” + o registro – embaixada ou consulado). Aplica-se a Lei de


Registros Públicos (6015/73). Prazo 15 dias/30 dias para lugares distantes.

OBS: A EC.54/2007 retroage para as pessoas que nasceram entre 1994 e 2007.

4. Nascido no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasileira e que venha a residir no Brasil
e opte pela nacionalidade brasileira.

(critério “jus sanguinis” + fixar residência no Brasil (não tem prazo) + opção pela
nacionalidade brasileira)
Onde? Na Justiça Federal -art.109, X, CF;
É um ato personalíssimo, não pode fazer por procuração;
Só pode ser feita depois de atingida a maioridade.

Quem é brasileiro naturalizado?

Quais os tipos de naturalização?

a) Tácita ou grande naturalização (CF de 1891, art.69 §4º). “Todo mundo que está no Brasil,
é brasileiro”, salvo se se manifestar em sentido contrário.
b) Expressa – CF e Lei infraconstitucional (Estatuto do estrangeiro – Lei 6.815/80).

A naturalização é um processo administrativo ou um processo judicial? É uma mistura dos dois.


Tem uma fase administrativa e uma fase judicial.

Fase administrativa: haverá a participação do Ministro da Justiça;

Fase judicial: haverá a participação do juiz federal nos termos do art. 109, inciso X da CF/88.

Qual é o momento exato em que se consuma a naturalização?


O momento exato da naturalização é a entrega do certificado pelo juiz federal. Antes disso, a
pessoa é estrangeira, para todos os fins.

Quais são as espécies de naturalização expressa na CF/88?

Naturalização ordinária

Art.12, inciso II, alínea “a” da CF/88:

a) Estrangeiros oriundos de países de língua portuguesa (Portugal, Angola, Timor Leste,


Cabo Verde, São Tome e Príncipe etc.).
Requisitos: residência por um ano + idoneidade moral.

b) Estrangeiros de outra nacionalidade?


Requisitos: estão na Lei 6.815/1980 – Estatuto do Estrangeiro – art.112

Naturalização extraordinária (quinzenária)

Art.12, inciso II, alínea “b” da CF/88:

 Estrangeiros de qualquer nacionalidade;


 Desde que residentes no Brasil há mais de 15 anos;
 Sem condenação penal;
 “desde que requeiram”
Preenchidos esses requisitos, a pessoa terá direito subjetivo à naturalização.

Esse rol é taxativo?

Não. Há outros dois casos de naturalização previstos no estatuto do estrangeiro (Lei 6.815/80).

a) Radicação precoce (estrangeiro que veio para o Brasil antes de atingida a maioridade);
b) Conclusão de curso superior se requerida a naturalização até um ano após a formatura.
Art.115, §2º do Estatuto do estrangeiro.

O que é “quase nacionalidade” ou “equiparação”?

É uma situação que aplica aos portugueses residentes no Brasil.

O português residente no Brasil tem duas opções:

a) Pode se naturalizar brasileiro, bastando a residência por um ano + idoneidade moral.


Deixa de ser português – é a regra.

b) Pode pedir a “equiparação” ou a “quase nacionalidade”. Ele terá todos os direitos de


um brasileiro naturalizado com a vantagem de continuar sendo português.

OBS: Para que isso ocorra, Portugal deve dar o mesmo tratamento aos brasileiros (art.
12 §1º da CF/88).

OBS: “Português equiparado” – é a expressão utilizada para designar a situação de um


português que pediu a “equiparação” ou a “quase nacionalidade”.
Existe um tratado de amizade entre Brasil e Portugal – decreto 3297 de 2001- que trata sobre a
“equiparação”.

Qual a diferença entre o brasileiro nato e o brasileiro naturalizado? O que o brasileiro nato
pode fazer que o brasileiro naturalizado não pode?

As diferenças entre brasileiro nato e naturalizado devem estar na Constituição Federal. Somente
a CF pode estabelecer diferenças entre brasileiro nato e naturalizado (art.12 §2º).

A lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros natos e naturalizados, salvo nos casos
previstos nesta Constituição.

A Prova Extra Fundiu a Cabeça (Propriedade, extradição, funções e cargos).

Quais são os cargos privativos de brasileiro nato? (art.12 §3º)

1. Presidente da República;
2. Vice-Presidente da República;
3. Presidente da Câmara dos Deputados;
4. Presidente do Senado Federal;
5. Ministro do STF;
6. Oficial das Forças armadas;
7. Ministro de Estado da Defesa;
8. Diplomata.

Quais são as funções privativas de brasileiro nato?

O Brasileiro nato possui 6 assentos reservados no Conselho da República (art.89, VII,CF).

2 órgãos consultivos: ex: antes de decretar intervenção federal, estado de sítio, estado de
defesa.

 Conselho da República;
 Conselho de Defesa Nacional.

O que é extradição?

É a remessa de uma pessoa para outro país para que lá seja processada ou cumpra pena.

Brasileiro nato pode ser extraditado?

Não. Brasileiro nato nunca poderá ser extraditado.

Brasileiro naturalizado pode ser extraditado? (art.5º, LI)

Sim. Em dois casos:

a) Se praticou crime anterior à naturalização;


b) Tráfico de drogas (seja antes ou após à naturalização)

(TJ/SP/Juiz/1999/172º Concurso) Nacionalidade brasileira. Direitos de brasileiros


naturalizados. Garantias asseguradas aos estrangeiros. Efeitos da aquisição, por brasileiros
natos ou naturalizados, de nacionalidade estrangeira.
No tocante a propriedade, qual a diferença entre brasileiro nato e naturalizado?

Nos termos do art.222 da CF/88, apenas os brasileiros natos podem ter a propriedade de
empresas jornalísticas (rádio, emissora de televisão, jornal).

O naturalizado, só depois de 10 anos da naturalização.

PERDA DA NACIONALIDADE

Quando se dá a perda da nacionalidade (art.12 §4º)?

1ª hipótese (art.12 §4º, I): Ação para cancelamento da naturalização. Só recai sobre brasileiros
naturalizados.

Competência? Justiça Federal.


Legitimidade? Ministério Público Federal
Quando? Quando houver a prática de uma atividade nociva ao interesse nacional
(crimes).
Qual o momento da perda? No momento da sentença transitada em julgado.
Pode readquirir a nacionalidade? Somente por meio de ação rescisória.

2ª hipótese (art.12 §4º, II): Aquisição voluntária de outra nacionalidade. Recai sobre brasileiros
natos e naturalizados.

Qual é o momento da perda da nacionalidade? É um decreto do Presidente brasileiro.


Não é o momento da naturalização.

Pode readquirir a nacionalidade brasileira? Sim. Pode readquirir a nacionalidade


brasileira, por meio de decreto presidencial, desde que residente no Brasil (Lei 818/49).

A CF prevê casos de dupla nacionalidade?

Sim. A CF prevê dois casos de dupla nacionalidade:

a) Aquisição de outra nacionalidade originária (adquirida pelo nascimento).

Ex: Filhos de italianos nascidos no Brasil. Ele é brasileiro pelo critério


“jus solis” e é italiano porque a Itália adota o critério “jus sanguinis”.

b) Quando o país estrangeiro exige a naturalização do brasileiro como condição de


permanência no país ou para exercer algum direito.

Ex: Ronaldo, jogador de bola, quando jogava pelo Real Madri, o time
exigiu que ele se naturalizasse espanhol para continuar jogando na
Espanha. Então ele se naturalizou na Espanha, mas não perdeu a
naturalidade brasileira.
O Estatuto do Estrangeiro prevê três institutos: deportação, expulsão e extradição

O que é deportação? É a retirada do estrangeiro se aqui entrou ou permaneceu irregularmente.


(recai só sobre o estrangeiro).

O que é expulsão? É a retirada do estrangeiro se aqui praticou ato atentatório ao interesse


nacional. (recai só sobre o estrangeiro).

O que é extradição? É a remessa de uma pessoa para outro país, para que ali seja processada
ou cumpra pena. (recai sobre o estrangeiro e sobre o brasileiro naturalizado).

Deportação Estrangeiro Ato unilateral – o Brasil deporta


se quiser.
Expulsão Estrangeiro Ato unilateral – o brasil expulsa se
quiser.
Extradição Estrangeiro e brasileiro naturalizado Ato bilateral – Sempre um país
pede e o outro país concede.

Existem quantos tipos de extradição?

Existem dois tipos de extradição:

Ativa: o Brasil pede para outro país (Não há regras da Lei).

Passiva: Quando algum país pede para o Brasil (Há regras na Lei do Estatuto do
estrangeiro 6.815/80).
DIREITOS POLÍTICOS

São os direitos destinados a concretizar a soberania popular.

O que é soberania popular? Está prevista no art.1º, parágrafo único da CF/88: Todo poder
emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos (democracia indireta ou
representativa) ou diretamente (democracia direta), nos termos desta Constituição.

O Brasil é uma democracia – cracia (poder) demo (povo).

A democracia brasileira é uma democracia semidireta: via de regra, é uma democracia indireta
ou representativa. O povo toma as decisões por meio de seus representantes eleitos.

Exceção: há alguns casos no Brasil de democracia direta: o povo toma suas decisões
diretamente. Exemplo: plebiscito.

Quais são os direitos políticos? (Art.14, CF)

a) Plebiscito;
b) Referendo;
c) Iniciativa popular;
d) Ação popular;
e) Direito de sufrágio (direito de votar e ser votado)

O que é plebiscito e referendo?

Plebiscito e referendo consistem em consulta popular sobre determinado assunto.

Quem convoca o plebiscito e o referendo?

São convocados pelo Congresso Nacional (Art.49, XV, CF).

O Presidente da República ou o povo pode convocar plebiscito ou referendo?

Não. Não há previsão legal para convocação pelo Presidente da República ou pelo povo.

Essa convocação pelo Congresso ocorre por meio de que ato?

Por meio de decreto legislativo. Deve ser de iniciativa de 1/3 de uma das casas.

Qual a diferença entre plebiscito e referendo?

Plebiscito Referendo
Antes pergunta para o povo Antes faz a lei ou o ato administrativo
+ +
Depois faz a Lei ou o ato administrativo Depois pergunta para o povo
(A consulta é anterior) (A consulta é posterior)

Ex: Década de 90 perguntaram para o povo Ex: Venda de arma de fogo.


brasileiro se ele queria República ou
Monarquia, Presidencialismo ou
Parlamentarismo

O que é a iniciativa popular?

É a possibilidade que o povo tem de elaborar projetos de Lei (federal, estadual ou municipal).
Quais são os requisitos para o povo elaborar projetos de lei?

Lei Federal (art.61 §2º, CF):


 1% do eleitorado nacional;
 Pelo menos 5 Estados;
 Pelo menos 0,3% dos eleitores desses Estados.

Lei Estadual A CF não diz. É a Constituição de cada Estado que vai dizer.

Lei Municipal (art.29, CF):

 5% do eleitorado do Município;

A Casa Parlamentar é obrigada a aprovar o projeto de lei de iniciativa popular?

Não. A Casa Parlamentar não é obrigada a aprovar o projeto de lei de iniciativa popular.

O Legislativo não pode reprovar o projeto por vício de forma porque o povo não tem
conhecimento da técnica legislativa.

O Legislativo tem prazo para aprovar o projeto de lei de iniciativa popular?

Não. O Legislativo não tem prazo para deliberação de projeto de iniciativa popular.

O que a ação popular? (Art.5º, inciso LXXIII)

É uma ação que pode ser ajuizada por qualquer cidadão (pessoa no gozo de seus direitos
políticos).

Tem o objetivo de evitar ou reparar lesão a:

a) patrimônio público,
b) meio ambiente,
c) moralidade administrativa;
d) patrimônio histórico e cultural;

Não tem custas, nem ônus de sucumbência.

Quais são os requisitos para ter o direito de sufrágio (direito de votar e ser votado)?

 Ser brasileiro ou português equiparado, desde que opte pelos direitos políticos
brasileiros.
 Alistamento eleitoral para ter título eleitoral;
 Não pode ser conscrito; (Militar conscrito está proibido de votar)

O voto no Brasil é obrigatório , facultativo ou proibido? (art.14, CF).


a) Obrigatório: > de 18 e < de 70 anos.
b) Facultativo:
 > de 16 e < de 18 anos
 > de 70 anos;
 analfabetos
c) Proibido:
 Estrangeiros;
 Militar conscrito;
 < de 16 anos.
ALISTABILIDADE

O que é alistabilidade?

É a capacidade de votar.

Quais são as características do voto no Brasil? (alistabilidade= capacidade de votar)

(Art. 60 §4, II)

a) Voto direto (cláusula pétrea): é o feito sem intermediários, o eleitor escolhe


diretamente o seu representante.

OBS: Existe na CF/88 uma hipótese de voto indireto (art. 81, §1º CF) Se
o Presidente e o Vice-Presidente deixam o cargo nos últimos dois anos
do mandato, ocorrerão eleições indiretas no Congresso Nacional, no
prazo de 30 dias.
Essa regra se aplica proporcionalmente aos Estados, DF e Municípios.

b) Voto secreto (cláusula pétrea): é oposto de voto aberto (sigiloso).


c) Voto universal (cláusula pétrea): todos tem o direito de votar (homens, mulheres (1932),
ricos, pobres, analfabetos). Na Constituição de 1824 só podia votar quem tinha dinheiro,
o voto era censitário.
d) Voto periódico (cláusula pétrea): de tempos em tempos, o eleitor tem o direito de votar.
Será que é possível mudar
e) Voto personalíssimo: não se admite o voto por procuração.
f) Voto igualitário: todos os votos têm o mesmo peso.
g) Liberdade: só é obrigatório o comparecimento (voto branco, voto nulo, voto em
qualquer candidato)

ELEGIBILIDADE

O que é elegibilidade?

É a capacidade de ser votado.

Quais são as condições de elegibilidade? (Art.14 §3º)

1. Nacionalidade brasileira (ou em alguns casos, o português equiparado);


OBS: Existem alguns cargos eletivos que são privativos de brasileiros natos (Presidente
da República, Vice-Presidente da República, Presidente da Câmara e o Presidente do
Senado).
2. Pleno gozo dos direitos políticos: não estar com os direitos políticos suspensos ou não
os perdeu.
3. Alistamento eleitoral: é uma condição tanto para votar quanto para ser votado;
4. Domicílio eleitoral na circunscrição: para ser eleito prefeito de Santo André, preciso ter
meu domicílio eleitoral em Santo André. Não se confunde com o domicílio residencial.
Exemplo: Presidente José Sarney sempre viveu no Maranhão, mas foi eleito senador
pelo Amapá porque tem o seu domicílio eleitoral no Amapá.
5. Filiação partidária: tem que ser filiado a um partido político. Não é possível a
candidatura avulsa, sem partido político.
6. Idade mínima:
 35 anos: Presidente, Vice-Presidente, Senador;
 30 anos: Governador, Vice-Governador;
 21 anos: Prefeito, Vice-Prefeito, Deputados, Juiz de paz.
 18 anos: Vereador.

Qual é o momento da aferição dessas condições de elegibilidade?

a) Regra: é o momento do registro da candidatura.


b) Exceção: para aferir a idade mínima, leva-se em conta a data da posse.

Quais são os tipos de inelegibilidade? (incapacidade de ser votado)

Absoluta: vale para todos os cargos (somente a CF pode prever esses casos).

Relativa: vale para alguns cargos (está prevista na CF ou na Lei complementar).

Quais são as hipóteses de inelegibilidade absoluta? (Art.14 §4º)

1. Estrangeiros; (inalistáveis)
2. Militar conscrito; (inavistável)
3. Analfabeto; (pode votar, mas não pode ser votado)

Quais são as hipóteses de inelegibilidade relativa?

1. Inelegibilidade pela reeleição (art.14 §5º):


 Poder Legislativo: é possível reeleição indeterminadas vezes. Ex: Senador
Eduardo Suplicy, 3 vezes seguidas (24 anos).
 Poder Executivo: só é possível uma reeleição consecutiva. No Brasil, é
possível uma segunda reeleição não consecutiva. Nos EUA não pode. Um
presidente que foi eleito duas vezes, ele não poderá mais ser presidente.

2. Inelegibilidade para outros cargos (art.14 §6º):


 Pode Legislativo: pode ser candidatar a outro cargo eletivo? Precisa
renunciar? Sim, pode se candidatar a outro cargo e não precisa renunciar.
Ex: Michel Temer candidato a Vice-Presidente, não precisa renunciar ao
cargo de Deputado; Ciro-Gomes é Deputado Federal é candidato à
Presidente da República e não precisa renunciar.
 Poder Executivo: Governador de Minas que quer se candidatar ao Senado,
pode? Sim, mas deve renunciar ao mandato pelo menos 6 meses antes da
eleição. Ex: José Serra que renunciou ao governo de São Paulo para se
candidatar à Presidência.

3. Inelegibilidade pelo parentesco (Art.14 §7º)


 Poder legislativo: os parentes dos membros do Legislativo podem se
candidatar a quaisquer cargos.
 Poder Executivo: os parentes dos chefes do Executivo não podem se
candidatar a cargos dentro da circunscrição de seu parente.

Que parentes?
 Cônjuge (companheiro e companheira – união estável, união
homoafetiva);
 E se o cônjuge se separar durante o mandato? A separação judicial
durante o mandato não afasta a condição de inelegibilidade (Súmula
Vinculante 18 do STF).
 Parentes consanguíneos ou afins, até segundo grau ou por adoção:
pai, mãe, filho, irmão, avô, neto (consanguíneos) sogra, sogro,
cunhados (afins). (não podem se eleger a prefeito, nem a vereador
dentro da circunscrição do titular).

 EXCEÇÃO: Se a pessoa já era titular de mandato eletivo, poderá se


candidatar a reeleição. Ex: João é vereador e sua esposa é eleita
prefeita. Nesse caso, João pode se candidatar à reeleição porque já era
vereador antes de sua esposa ser eleita prefeita.

4. Inelegibilidade do militar (art.14 §8º)

O militar conscrito é inelegível!!! E o que não é conscrito?

Vai depender do tempo de serviço:

a) Com menos de 10 anos de serviço: vai ter que se afastar da


atividade;
b) Com mais de 10 anos de serviço: vai ser afastado
temporariamente e se eleito passa para a inatividade.

PERDA E SUSPENSÃO DOS DIREITOS POLÍTICOS (ART. 15)

É permitida a cassação de direitos políticos no Brasil?

Não. Hoje não existe cassação de direitos políticos no Brasil como houve na época da ditatura.

É permitida a perda ou a suspensão dos direitos políticos?

Sim.

Qual a diferença entre perda e suspensão?

A perda tem um prazo indeterminado e a suspensão tem um prazo determinado.

Quais são as hipóteses de perda de direitos políticos? (art.15, CF) 3 hipóteses

1. Ação para cancelamento da naturalização (art.12, §4º, I CF): é uma ação ajuizada pelo
MP Federal, na Justiça Federal, que irá declarar a perda da nacionalidade brasileira com
a sentença transitado em julgado.
Cabimento: prática de atividade nociva ao interesse nacional. Como não é mais
brasileiro, não tem mais os direitos políticos (Art.14 §2º Não podem alistar-se como
eleitores os estrangeiros.../art.14 §3º são condições de elegibilidade, na forma da lei: I-
a nacionalidade brasileira). Então ele não pode votar, nem ser votado.
2. Aquisição voluntária de outra nacionalidade (não está no art.15 da CF, mas é um caso
de perda de direitos políticos): um brasileiro vai para os EUA e se naturaliza americano.
Assim, ele deixa de ser brasileiro. Quando uma pessoa se naturaliza, via de regra, perde
a nacionalidade originária.
Qual é o momento da perda? No momento da expedição de um decreto presidencial.

3. Escusa de consciência (art.5º, inciso VIII, CF): diante de uma obrigação a todos impostas,
é possível alegar a escusa de consciência.
Ex: Serviço militar é obrigatório para os homens. Mas o sujeito tem convicções que o
impedem de prestar serviço militar, então ele pode alegar motivos religiosos, filosóficos
e políticos para se esquivar dessa obrigação a todos impostas. Neste caso, ele terá que
cumprir uma prestação alternativa fixada em lei.
E se ele não cumprir essa prestação alternativa? A consequência será a perda dos
direitos políticos.
Tem autores que pensam que são perda e outros, suspensão. Mas a maioria acha que é
perda porque não tem prazo determinado. A pessoa sofrerá a perda dos direitos
políticos porque vai durar até o cumprimento da prestação alternativa.

Quais são as hipóteses de suspensão de direitos políticos? (art.15, CF)

1. Incapacidade civil absoluta: alguns acham que é perda porque não tem prazo
determinado, não tem como precisar quanto tempo uma pessoa permanecerá incapaz.
Mas outros acham que é suspensão porque em caso de interdição de um incapaz, os
direitos políticos serão retomados se adquiridos novamente a capacidade.

2. Condenação por improbidade administrativa: o agente vai ser processado onde? Tem
prerrogativa de foro? Foro privilegiado? Ex: Prefeito? É julgada na 1ª instância.

3. Condenação penal transitada em julgado: não pode votar, nem ser votado.
Por quanto tempo? Enquanto durarem os efeitos da condenação (até a extinção da
punibilidade). Não tem nada a ver com a prisão, ele pode estar solto, mas enquanto
durarem os efeitos dessa ação, ele estará com os direitos políticos suspensos.
Ex1: Foi condenado ao regime aberto (dorme na casa do albergado e sai durante o dia
para trabalhar), mesmo assim tem seus direitos políticos suspensos: não pode votar,
nem ser votado.
Ex2: Foi condenado à prestação de serviços à comunidade, também está com os direitos
políticos suspensos, não pode votar, nem ser votado.
Ex3: Sursis (suspensão condicional da pena), também tem os direitos políticos
suspensos, não pode votar, nem ser votado.
Ex3: Obteve livramento condicional, mesmo assim tem os direitos políticos suspensos.

O que fazer para readquirir seus direitos políticos? Tem que entrar com uma ação?

Não. Não é necessária ação de reabilitação para retomar os direitos políticos.

Basta cumprir a pena ou extinguir a punibilidade.

Súmula 9 do TSE: A suspensão de direitos políticos decorrente de condenação criminal transitada em julgado cessa
com o cumprimento ou a extinção da pena, independendo de reabilitação ou de prova de reparação dos danos.
O preso provisório (preso preventivamente) tem direitos políticos (o direito de votar e ser
voltado)?

Sim.

A CF/88 não suspende os direitos políticos dos presos provisórios.

A CF/88 falou que a suspensão dos direitos políticos se dá com a condenação por sentença
transitado em julgado.

O TSE entende que os presos provisórios têm direitos políticos, mas que o exercício dependerá
da estrutura de cada Estado, de acordo com as regras do TRE.

Em se tratando de Deputado ou Senador?

Regra: Condenação penal transitada em julgado implica na suspensão dos direitos políticos.

Exceção: deputados federais e senadores. A suspensão dos direitos políticos não é automática
(art.55, VII).

Em se tratando de Deputado e Senador, a perda dos direitos políticos só ocorrerá com a


autorização da Casa Parlamentar.

Essa regra vale para os deputados estaduais e distritais?

Sim. Essa regra é válida para deputados estaduais e distritais (art.27 §1º)

Essa regra vale para os vereadores?

Não.

Em todas as hipóteses (perda ou suspensão), o agente pode readquirir os direitos políticos.


Como isso ocorre?

Perda/Suspensão Readquirir
Ação para cancelamento da naturalização Ação rescisória + alistamento eleitoral
Aquisição voluntária de outra nacionalidade Decreto presidencial + alistamento eleitoral
Escusa de consciência Cumprir a prestação alternativa
Incapacidade civil absoluta Fim da incapacidade
Improbidade administrativa Ressarcir o dano causado + outros requisitos
legais
Condenação penal transitada em julgado Extinção da punibilidade

O que é o princípio da anualidade ou anterioridade eleitoral? (art.16, CF).

As leis que alteram o processo eleitoral, embora entrem em vigor imediatamente, só poderão
ser aplicadas às eleições que ocorrerem pelo menos 1 ano depois.

O STF entendeu que esse dispositivo (art.16) é cláusula pétrea, porque é um direito individual
do eleitor.

Art.17 = Partidos Políticos

O que é o princípio da liberdade partidária? (art.17, caput)


É livre a criação, a fusão, a incorporação e a extinção de partidos políticos.

Essa liberdade é absoluta? (art.17)

Não, é uma liberdade limitada:

a) Soberania nacional: um partido político não pode pregar a subordinação do Brasil a


outro país;
b) Regime democrático: um partido político não pode pregar a volta da ditadura;
c) Pluripartidarismo: um partido político não pode pregar a existência de um único partido.
d) Direitos da pessoa humana: um partido político não pode pregar a existência de um
partido da raça ariana.
e) Caráter nacional: não existe mais partido de caráter regional;
f) Proibição de recebimento de recursos financeiros de entidade ou governo estrangeiros
ou de subordinação a estes;
g) Prestação de contas à Justiça Eleitora;
h) Funcionamento parlamentar de acordo com a lei.
PROCESSO LEGISLATIVO

É o conjunto ordenado de atos destinados a elaboração de uma lei.


Inconstitucionalidade formal propriamente dita: vício no processo de criação da lei, vício no
processo legislativo.

Quais são os atos normativos (art.59, CF)?


 Emenda Constitucional;
 Lei Complementar;
 Lei Ordinária;
 Lei Delegada;
 Medida Provisória;
 Decreto Legislativo;
 Resolução.

Qual a diferença entre Emenda Constitucional e Revisão Constitucional?

Emenda Constitucional (Art.60, CF/88) Revisão Constitucional (Art.3º, ADCT)


 Pode ser feita várias vezes.  Para a maioria da doutrina só pode ser
feita uma vez, 5 anos após a
promulgação da CF/88 E já foi feita em
1993.
 Sessão bicameral (é votado numa casa e  Sessão unicameral (Câmara e Senado
depois é votado na outra casa). estão juntos e os votos se misturam)
 Quórum de aprovação: maioria  Quórum de aprovação: maioria absoluta
qualificada 3/5
 Tem limites no Poder Constituinte  Tem limites no Poder Constituinte
originário (Ex: cláusula pétreas – Art.60 originário (Ex: cláusula pétreas – Art.60
§4º) §4º)

Quem pode propor projeto de Emenda Constitucional?

 1/3 de Deputados ou Senadores; (1/3 de Deputados:171, 1/3 de Senadores: 27);


 Presidente da República; (Surgiu com a Constituição de 1937)
 Mais da metade das Assembleias Legislativas, cada uma com maioria simples de seus
membros.

Quais são as características da Emenda Constitucional?


TEORIA GERAL DA CONSTITUIÇÃO – Flávio Martins- Saber Direito

Constitucionalismo e neoconstitucionalismo

O que é constitucionalismo?

É um movimento social, político e jurídico cujo objetivo principal é limitar o poder do Estado por
meio de uma Constituição.

Quando começou esse constitucionalismo? Quais são os antecedentes históricos?

Começou no século com o constitucionalismo na antiguidade até o século V.

Povo Hebreu.

Grécia Antiga, nas cidades-estado gregas (Esparta e Atenas).

Séc XIII- Magna Carta de 1215. João sem terra. Nessa carta, o rei reconhece vários direitos ao
povo inglês.

João sem terra era um tirano, um dos reis que mais tributou na história da Inglaterra. Ele foi
obrigado a assinar esse documento e reconhecer esses direitos ao povo inglês.

Tem importância histórica, mas pouca importância prática porque não foi cumprida.

Apenas no século XVII surgiram documentos com importância prática. Direitos outrora previstos
na Magna Carta de 1215 passam agora a serem concretizados por meio de outros documentos.

No século XVIII, dois documentos mudam a história do constitucionalismo: a Constituição norte-


americana de 1787 e a Constituição francesa de 1791.

O constitucionalismo se espalhou para o mundo inteiro. Cada monarquia absolutista e


autoritária foi caindo aos poucos.

No inicio do século XIX o rei de Portugal veio para o Brasil, fugindo de Napoleão. Voltou para
Portugal por causa do constitucionalismo. O povo português redigiu a constituição de Portugal
a revelia de João VI. Ele foi obrigado a retornar para Portugal, sob pena de deixar de ser rei. A
primeira constituição portuguesa de 1822.

A primeira constituição brasileira foi em 1824.

E o constitucionalismo hoje? Qual a situação do constitucionalismo hoje?

Hoje recebe o nome de neoconstitucionalismo. É fruto de uma serie de princípios constitucionais


frutos do século XX.

Quais são as espécies de constitucionalismo?

Constitucionalismo social: significa a previsão na Constituição dos chamados direitos sociais. Por
exemplo, direito à saúde, à educação etc.

Surgiu na Constituição do México em 1917.

Depois na Constituição Alemã em 1919 (Weimer)

Antes tínhamos o constitucionalismo liberal: é aquele em que a Constituição previa basicamente


os direitos individuais das pessoas, fruto integral do liberalismo.
Com o Estado Social é diferente e a Constituição passa a prever direitos sociais.

No Brasil, a primeira Constituição que previu direitos sociais?

Foi a de 1934. Foi a terceira Constituição brasileira. A de 1824 e a de 1891 eram liberais.

Outro tipo é o transconstitucionalismo. O que é isso?

Marcelo Neves é o criador dessa expressão. É a relação entre o direito interno e o direito
internacional para melhor tutela dos direitos fundamentais.

É a combinação do direito interno (Constituição) com os tratados internacionais sobre direitos


humanos.

Qual a influencia da magna carta de 1215 na CF/88 brasileira?

A Magna Carta de 1215 teve uma importância histórica. O habeas corpus, por exemplo, já era
previsto na magna carta de 1215. O devido processo legal também tem origem remota na magna
carta de 1215.

Outra hipóteses de constitucionalismo: constitucionalismo do futuro ou do povir. O que é isso?

Foi criada por José Roberto Droni. Segundo ele, é uma previsão de como serão as próximas
constituições das novas gerações.

As futuras constituições serão baseadas em alguns valores fundamentais: a solidariedade e a


veracidade.

Solidariedade: colaboração recíproca, apoio mútuo. A CF/88, ainda que de forma incipiente,
adota a solidariedade, art.3º, I: objetivos da República: construir uma sociedade livre, justa e
solidária. Construir uma sociedade solidária é um dos objetivos da República Federativa do
Brasil.

No art.4º da CF/88- princípios que regem o Brasil nas relações internacionais: cooperação entre
os povos para o progresso da humanidade. É a solidariedade no plano internacional. Os povos
se apoiando reciprocamente para o bem comum.

O STF já proferiu decisão baseada no princípio da solidariedade. ADI da Lei de biossegurança.


Relator: Ministro Carlos Aires Brito: é a lei que permite a manipulação genética de embrião
humano. O STF declarou a lei constitucional, sacrificamos uma vida em formação para salvar
inúmeras outras vidas (solidariedade).

Veracidade: significa que as constituições do futuro não podem fazer promessas vazias, devem
ser honestas, sinceras.

O que é constitucionalismo transnacional?

É a possibilidade de se elaborar uma só Constituição para vários países.

Isso quase aconteceu na União Europeia.

Qual a importância dos tratados internacionais sobre direitos humanos para o direito
brasileiro?

A CF nem sempre prevê todas as situações da vida, os tratados complementam as situações que
não foram previstas pela CF.
Os tratados internacionais sobre direitos humanos ingressam no direito brasileiro.

Primeiro eles serão celebrados pelo Presidente;

Depois, precisa ser referendado pelo Congresso Nacional;

Decreto Presidencial, os tratados passam a ingressar no direito brasileiro.

Ingressam com (Art.5º §3º) força de emenda constitucional ou como normas supralegais.

O que é neoconstitucionalismo?

Marco histórico: término da 2ª GM no século XX: regimes autoritários e ditatoriais basearam-se


no positivismo puro. Por exemplo: Na Alemanha nazista havia leis que permitiam esterilização
compulsórias de doentes mentais. A lei foi nesses regimes foi o argumento para cometer as
maiores atrocidades.

Marco filosófico: pós-positivismo: a Constituição é a soma de valores e princípios constitucionais


não escritos.

Marco teórico: força-normativa da Constituição: Konrad Hesse. A Constituição é uma lei que tem
força normativa para mudar a realidade. Não é só a realidade que muda a Constituição

Objetivo: buscar uma maior eficácia da Constituição, principalmente dos direitos fundamentais.
A jurisprudência do STF já decidiu várias vezes que as normas sociais não são só normas
programáticas. O Estado tem que cumprir o mínimo dessas normas.

Consequências: uma maior eficácia dos princípios constitucionais. Ex: STF examinou a união
homoafetiva e não se baseou apenas na lei que diz que a união estável se dá entre homem e
mulher. O STF se baseou no principio constitucional da dignidade da pessoa humana e equiparou
a união homoafetiva à união estável.

Uma outra consequência foi o crescimento das ações constitucionais.

Aula 02: Constituição – Elementos e Conceitos

Quais são os elementos das Constituições?

São 5 elementos:

1. Elementos orgânicos: organizam a estrutura do Estado; Ex: art.2º São Poderes da União,
independentes e harmônicos entre si, o Executivo, o Legislativo e o Judiciário; art.18
organiza a federação; art. 92 organiza o poder judiciário.
2. Elementos limitativos: limitam o poder do Estado, fixando direitos à população. Ex:
art.5º