Vous êtes sur la page 1sur 32

RESUMO DAS PRINCIPAIS FUNÇÕES DAS CAMADAS DO MODELO OSI

CAMADA FUNÇÃO
Transmissão de bits; estabelecimento conexões físicas; comunicação entre
Física
modem’s; comutação; multiplexação física; modulação analógica e digital.
Delineamento de quadros; detecção e correção de erros em nível de rede local;
Enlace de Dados
controle de acesso ao meio.
Rede Roteamento; controle de congestionamento.
Transporte Detecção e correção de erros fim a fim; controle de fluxo; multiplexação.
Sessão Gerência de diálogo; sincronização; gerência de atividade.
Conversão de formatos; uso de sintaxe padrão durante a transmissão;
Apresentação
criptografia; compressão de dados.
Correio eletrônico; terminal virtual; transferência e gerência de sistemas de
Aplicação
arquivos remotos; servidores diversos.

O Modelo OSI e suas 7 camadas

1 - Camada Física
A camada física diz respeito aos meios de conexão através dos quais irão trafegar os dados,
tais como interfaces seriais, LPTs, hubs ou cabos coaxiais.

2 - Camada de Enlace ou Ligação de Dados


A camada de ligação de dados também é conhecida como camada de enlace ou link de dados.
Esta camada detecta e, opcionalmente, corrige erros que possam acontecer no nível físico. É
responsável pela transmissão e recepção (delimitação) de quadros e pelo controle de fluxo. Ela
também estabelece um protocolo de comunicação entre sistemas diretamente conectados.

O controle de fluxo é realizado por meio da medição do buffer do receptor no momento da


transmissão. Isso impede que uma quantidade excessiva de dados trave um receptor mais
lento.
Exemplo de protocolos nesta camada: PPP, LAPB (do X.25),NetBios.

Na Rede Ethernet cada placa de rede possui um endereço físico, que deve ser único na rede.

3 - Camada de Rede
A camada de Rede é responsável pelo endereçamento dos pacotes de rede, também
conhecidos por datagrama, associando endereços lógicos (IP) em endereços físicos (MAC), de
forma que os pacotes de rede consigam chegar corretamente ao destino. Essa camada
também determina a rota que os pacotes irão seguir para atingir o destino, baseada em
fatores como condições de tráfego da rede e prioridades. As rotas podem ser determinadas
por tabelas estáticas, no inicio de cada conversação ou altamente dinâmicas.

Essa camada é usada quando a rede possui mais de um segmento e, com isso, há mais de um
caminho para um pacote de dados percorrer da origem ao destino.

Funções da Camada:

 Movimenta pacotes a partir de sua fonte original até seu destino através de um ou mais enlaces.

 Define como dispositivos de rede descobrem uns aos outros e como os pacotes são roteados até
seu destino final.

4 - Camada de Transporte
A camada de transporte é responsável por receber os dados enviados pela camada de Sessão e
segmentá-los para que sejam enviados a camada de Rede, que por sua vez, transforma esses
segmentos em pacotes. No receptor, a camada de Transporte realiza o processo inverso, ou
seja, recebe os pacotes da camada de Rede e junta os segmentos para enviar à camada de
Sessão.

Isso inclui controle de fluxo, ordenação dos pacotes e a correção de erros, tipicamente
enviando para o transmissor uma informação de recebimento, informando que o pacote foi
recebido com sucesso.

A camada de Transporte separa as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) das camadas


de nível físico (camadas de 1 a 3). A camada 4, Transporte, faz a ligação entre esses dois grupos
e determina a classe de serviço necessária como orientada a conexão e com controle de erro e
serviço de confirmação ou, sem conexões e nem confiabilidade.

O objetivo final da camada de transporte é proporcionar serviço eficiente, confiável e de baixo


custo. O hardware e/ou software dentro da camada de transporte e que faz o serviço é
denominado entidade de transporte.

A entidade de transporte comunica-se com seus usuários através de primitivas de serviço


trocadas em um ou mais TSAP(Transport Service Access Point), que são definidas de acordo
com o tipo de serviço prestado: orientado ou não à conexão. Estas primitivas são
transportadas pelas TPDU (Transport Protocol Data Unit).

Na realidade, uma entidade de transporte poderia estar simultaneamente associada a vários


TSA e NSAP(Network Service Access Point). No caso de multiplexação, associada a vários TSAP
e a um NSAP e no caso de splitting, associada a um TSAP e a vários NSAP.

A ISO define o protocolo de transporte para operar em dois modos:


 Orientado a conexão.

 Não-Orientado a conexão.

Como exemplo de protocolo orientado à conexão, temos o TCP, e de protocolo não orientado
à conexão, temos o UDP. É obvio que o protocolo de transporte não orientado à conexão é
menos confiável. Ele não garante - entre outras coisas mais -, a entrega das TPDU, nem tão
pouco a ordenação das mesmas. Entretanto, onde o serviço da camada de rede e das outras
camadas inferiores é bastante confiável - como em redes locais -, o protocolo de transporte
não orientado à conexão pode ser utilizado, sem o overhead inerente a uma operação
orientada à conexão.

O serviço de transporte baseado em conexões é semelhante ao serviço de rede baseado em


conexões. O endereçamento e controle de fluxo também são semelhantes em ambas as
camadas. Para completar, o serviço de transporte sem conexões também é muito semelhante
ao serviço de rede sem conexões. Constatado os fatos acima, surge a seguinte questão: "Por
que termos duas camadas e não uma apenas?". A resposta é sutil, mas procede: A camada de
rede é parte da sub-rede de comunicações e é executada pela concessionária que fornece o
serviço (pelo menos para as WAN). Quando a camada de rede não fornece um serviço
confiável, a camada de transporte assume as responsabilidades, melhorando a qualidade do
serviço.

5 - Camada de Sessão
A camada de Sessão permite que duas aplicações em computadores diferentes estabeleçam
uma sessão de comunicação. Nesta sessão, essas aplicações definem como será feita a
transmissão de dados e coloca marcações nos dados que estão a ser transmitidos. Se
porventura a rede falhar, os computadores reiniciam a transmissão dos dados a partir da
última marcação recebida pelo computador receptor.

 Disponibiliza serviços como pontos de controles periódicos a partir dos quais a comunicação
pode ser restabelecida em caso de pane na rede.

 Abre portas para que várias aplicações possam escalonar o uso da rede e aproveitar melhor o
tempo de uso. Por exemplo, um browser quando for fazer o download de várias imagens pode
requisitá-las juntas para que a conexão não fique desocupada.

6 - Camada de Apresentação
A camada de Apresentação, também chamada camada de Tradução, converte o formato do
dado recebido pela camada de Aplicação em um formato comum a ser usado na transmissão
desse dado, ou seja, um formato entendido pelo protocolo usado. Um exemplo comum é a
conversão do padrão de caracteres (código de página) quando o dispositivo transmissor usa
um padrão diferente do ASCII. Pode ter outros usos, como compressão de dados e criptografia.

Os dados recebidos da camada sete estão descomprimidos, e a camada 6 do dispositivo


receptor fica responsável por comprimir esses dados. A transmissão dos dados torna-se mais
rápida, já que haverá menos dados a serem transmitidos: os dados recebidos da camada 7
foram "encolhidos" e enviados à camada 5.

Para aumentar a segurança, pode-se usar algum esquema de criptografia neste nível, sendo
que os dados só serão decodificados na camada 6 do dispositivo receptor.
Ela trabalha transformando os dados em um formato no qual a camada de aplicação possa
aceitar, minimizando todo tipo de interferência.

Faz a tradução dos dados recebidos da camada de aplicação em um formato a ser utilizado
pelo protocolo.

7 - Camada de Aplicação
A camada de aplicação corresponde às aplicações (programas) no topo da camada OSI que
serão utilizados para promover uma interação entre a máquina destinatária e o usuário da
aplicação. Esta camada também disponibiliza os recursos (protocolo) para que tal comunicação
aconteça. Por exemplo, ao solicitar a recepção de e-mail através do aplicativo de e-mail, este
entrará em contato com a camada de Aplicação do protocolo de rede efetuando tal solicitação
(POP3, IMAP). Tudo nesta camada é relacionado ao software. Alguns protocolos utilizados
nesta camada são: HTTP, SMTP, FTP, SSH, RTP, Telnet, SIP, RDP, IRC, SNMP, NNTP, POP3,
IMAP, BitTorrent, DNS, Ping, etc.

Entendendo o Modelo OSI


O Modelo OSI é uma referência de como os dados são transportados de um computador
a outro, vindos desde sua camada física até as aplicações (softwares). Ao longo do
percurso, os bits vão se transformando em pacotes de dados e vice-versa, sendo
transportados de um ponto a outro, realizando assim a comunicação entre as máquinas.

O nome OSI significa Open System Interconection.

As 7 camadas
Veja a figura abaixo e vamos entender como é a organização das camadas e o que
acontece em cada uma delas para que haja a comunicação.

Modelo OSI

Camada 7 – Aplicação

É nesta camada que nós trabalhamos, utilizando os software através de interações,


enviando e recebendo dados. Entenda que as aplicações aqui são algo como navegador
de internet, mensageiros instantâneos, e qualquer outro aplicativo que utilize a rede para
se comunicar.

Entenda que ao enviar uma requisição para a rede, esta camada é a responsável por
iniciar o processo de comunicação, onde passará até a camada mais baixa, que é a 1 –
Física, e ela finaliza quando recebe a sua resposta novamente aqui na camada 7.
Esta camada não se preocupa como os dados serão transportados até o destino, mas quer
que seja entregue e que ele receba também o que for para ele.

Protocolos: HTTP, SMTP, FTP, SSH, RTP, Telnet, SIP, RDP, IRC, SNMP, NNTP, PO
P3, IMAP, BitTorrent, DNS, Ping, etc.

O PDU aqui é chamado de mensagem.

Camada 6 – Apresentação

Esta camada atua como se fosse um intérprete entre redes diferentes, por exemplo, uma
rede TCP/IP e outra IPX/SPX, traduzindo e formatando os dados de comunicação,
exercendo também esta função entre a camada de Aplicação (7) e a camada de Sessão
(5). Ela nem sempre é utilizada.

A camada 6 adicionará suas próprias informações de controle ao pacote recebido da


camada superior e envia o novo pacote para a camada 5, agora contendo o dado
original, informações de controle adicionadas pela camada 7 mais informações de
controle adicionadas pela camada 6 e assim por diante. Na recepção dos dados o
processo inverso é feito: cada camada removerá as informações de controle de sua
responsabilidade.

A camada de apresentação também é responsável por outros aspectos da representação


dos dados, como criptografia e compressão de dados. Alguns exemplos de protocolos
que utilizam esta camada são os túneis encriptados do SSH. Eles fazem com que os
dados sejam transmitidos de forma encriptada pela rede, aumentando a segurança de
forma transparente tanto para o aplicativo quanto para o sistema operacional.

Alguns dispositivos atuantes na camada de Apresentação são o Gateway, ou os


Traceivers, sendo que o Gateway no caso faria a ponte entre as redes traduzindo
diferentes protocolos, e o Tranceiver traduz sinais por exemplo de cabo UTP em sinais
que um cabo Coaxial entenda.

Protocolos: SSL; TLS, XDR.

Camada 5 – Sessão

Ao receber as solicitações da camada superior, o sistema operacional abre uma sessão,


sendo esta responsável por iniciar, gerenciar e finalizar as conexões entre os hosts, e por
se preocupar com a sincronização entre eles, para que a sessão aberta entre eles
mantenha-se funcionando. Seu funcionamento se baseia em que ao enviar uma
solicitação, abre-se uma sessão e ela só será fechada quando ele receber a resposta dessa
solicitação.

Ele fornece dois tipos principais de diálogos: o half-duplex e o full-duplex.

Uma sessão permite transporte de dados de uma maneira mais refinada que o nível de
transporte em determinadas aplicações. Uma sessão pode ser aberta entre duas estações
a fim de permitir a um usuário se logar em um sistema remoto ou transferir um arquivo
entre essas estações. Os protocolos desse nível tratam de sincronizações (checkpoints)
na transferência de arquivos.

Neste nível ocorre a quebra de um pacote com o posicionamento de uma marca lógica
ao longo do diálogo. Esta marca tem como finalidade identificar os blocos recebidos
para que não ocorra uma recarga, quando ocorrer erros na transmissão.

Camada 4 – Transporte

Sua preocupação nesta camada é com a qualidade da transmissão dos dados, tanto no
envio como no recebimento. Depois que os pacotes vem da camada 3, é a hora de
transportá-los de forma confiável, assegurando o sucesso deste transporte. Um serviço
bastante utilizado aqui é o QoS (Quality of Service).

É nesta camada que os dados são realmente transportados de um host ao outro, agindo
como se fosse um “carteiro”, transportando (Camada de Transporte – 4) a carta dos
Correios (Camada de Rede – 3) para o seu destino final.

Protocolos: TCP, UDP, RTP, SCTP, SPX.

Dispositivos: Roteadores.

O PDU aqui é chamado de segmento.

Camada 3 – Rede

Esta camada é responsável pelo endereçamento dos pacotes de rede, também


conhecidos por “datagramas”, associando endereços lógicos (IP) em endereços físicos
(MAC), de forma que os pacotes de rede consigam chegar corretamente ao
destino. Também é decidido o melhor caminho para os dados, assim como o
estabelecimento das rotas, baseada em fatores como condições de tráfego da rede e
prioridades.

Essa camada é usada quando a rede possui mais de um segmento e, com isso, há mais
de um caminho para um pacote de dados percorrer da origem ao destino.

Ela entende o endereço físico (MAC) da camada de Enlace (2) e converte para endereço
lógico (IP). Quando a camada de Rede (3) recebe a unidade de dados da camada de
Enlace (2), chamado de “quadro”, transforma em sua própria PDU com esse endereço
lógico, que será utilizado pelos roteadores para encontrar os melhores caminhos de
dados.

Esta unidade de dados é chamada de “Pacote”.

Dispositivos: Roteadores.

Protocolos: ICMP, IP, IPX, ARP, IPSEC, RIP, OSPF, BGP.

PDU: Pacote.
Camada 2 – Enlace

Esta camada recebe os dados formatados da camada Física (1), os bits, e trata os
mesmos, convertendo em sua unidade de dados (pacotes) para ser encaminhado para a
próxima camada, a de Rede (3).

Esta camada detecta e, opcionalmente, corrige erros que possam acontecer no nível
físico. É responsável pela transmissão e recepção (delimitação) de quadros e pelo
controle de fluxo.

Aqui encontramos o endereço físico, o MAC (Media Access Control ou Controle de


Acesso a Mídia).

Em resumo, a função desta camada é ligar os dados de um host a outro, fazendo isso
através de protocolos definidos para cada meio específico por onde os dados são
enviados.

Protocolos: PPP, Ethernet, FDDI, ATM, Token Ring, LAPB, NetBios.

Dispositivos: Switches, Placa de Rede, Interfaces.

PDU: Quadro.

Camada 1 – Física

Esta camada só entende sinais de bits, chegando até ela como pulsos elétricos que são 0
(tensão negativa) ou 1 (tensão positiva).

É aqui que são definidas as utilizações dos cabos e conectores, bem como o tipo de sinal
(pulsos elétricos – coaxial; pulsos de luz – ótico).

Basicamente a sua função é receber os dados e iniciar o processo (ou o inverso, inserir
os dados e finalizar o processo).

Dispositivos: Cabos, Conectores, Hubs.

PDU: bits.

Resumo
CAMADA FUNÇÃO
Funções especializadas (transferência de arquivos, terminal virtual, e-
APLICAÇÃO
mail)
APRESENTAÇÃO Formatação de dados e conversão de caracteres e códigos
SESSÃO Negociação e estabelecimento de conexão com outro nó
TRANSPORTE Meios e métodos para a entrega de dados ponta-a-ponta
REDE Roteamento de pacotes através de uma ou várias redes
ENLACE Detecção e correção de erros introduzidos pelo meio de transmissão
FÍSICA Transmissão dos bits através do meio de transmissão

Questões de Concursos
(Prova: CESPE – 2011 – BRB – Analista de Tecnologia da Informação) No modelo
OSI, a camada de enlace tem por finalidade entregar à camada de transporte um
canal livre de erros.

( ) Certo ( ) Errado

(Prova: FCC – 2011 – TRT – 19ª Região (AL) – Técnico Judiciário – Tecnologia da
Informação) A camada de rede do modelo OSI é responsável pelo controle,
distribuição e colocação das informações na rede. Nela está presente o protocolo
a) TCP.
b) IP.
c) HTTP.
d) SMTP.
e) UDP.

(Prova: FCC – 2011 – TRT – 19ª Região (AL) – Técnico Judiciário – Tecnologia da
Informação) Considere os itens a seguir:
I. O modelo OSI define um modelo de rede de cinco camadas.
II. Uma LAN normalmente cobre uma área superior a três quilômetros.
III. Uma WAN possibilita a transmissão de dados, imagens, áudio e vídeo por
longas distâncias.
IV. Quando uma ou mais redes das categorias LAN, WAN ou WAN estiverem
conectadas entre si, elas se tornam uma internetwork ou internet.

Está correto o que consta em:


a) I, II, III e IV.
b) III e IV, apenas.
c) I, apenas.
d) II, III e IV, apenas.
e) II e III, apenas

(Prova: FCC – 2011 – TRT – 19ª Região (AL) – Analista Judiciário – Tecnologia
da Informação) No modelo OSI, é também chamada de camada de Tradução e tem
por objetivo converter o formato do dado recebido pela camada imediatamente
acima, em um formato comum a ser utilizado na transmissão desse dado (ex.
conversão do padrão de caracteres quando o dispositivo transmissor usa um
padrão diferente do ASCII). Trata-se da camada de
a) Transporte.
b) Enlace.
c) Sessão.
d) Aplicação.
e) Apresentação.

(Prova: FGV – 2008 – Senado Federal – Analista de Suporte de Sistemas) Para o


funcionamento da Internet, as diversas aplicações que operam por meio de
protocolos na camada de aplicação do modelo OSI utilizam portas conhecidas na
comunicação com o protocolo TCP da camada de transporte. Nesse contexto,
aplicações DNS, FTP e TELNET, na interação com o TCP e SNMP com UDP,
utilizam portas padronizadas e identificadas, respectivamente, pelos números:
a) 53, 20, 25 e 110.
b) 53, 20, 23 e 160.
c) 53, 21, 23 e 160.
d) 67, 21, 25 e 160.
e) 67, 20, 23 e 110.

(FGV – 2009 – MEC – Administrador de Redes) Tendo como foco o modelo de


referência OSI/ISSO, o Point-to-Point Protocol (PPP) é um protocolo de linha
discada que opera nas seguintes camadas:
a) física e rede.
b) enlace e rede.
c) física e enlace.
d) física e transporte.
e) enlace e transporte.

(FGV – 2009 – MEC – Administrador de Redes) A arquitetura Open Systems


Interconnection – OSI da ISO constitui uma referência para o funcionamento das
redes de computadores. No contexto desse modelo, a camada que se refere às
especificações de hardware é denominada:
a) rede.
b) física.
c) enlace.
d) aplicação.
e) transporte.

Comentários e Gabarito
(Prova: CESPE – 2011 – BRB – Analista de Tecnologia da Informação) No modelo
OSI, a camada de enlace tem por finalidade entregar à camada de transporte um
canal livre de erros.
ERRADO. Pois no processo de transmissão não pode haver “pulos” de camadas.
Sendo assim, a camada de Enlace (2) não pode entregar nada diretamente à camada de
Transporte (4). Os dados tem que passar antes pela camada de Rede (3).

(Prova: FCC – 2011 – TRT – 19ª Região (AL) – Técnico Judiciário – Tecnologia da
Informação) A camada de rede do modelo OSI é responsável pelo controle,
distribuição e colocação das informações na rede. Nela está presente o protocolo
Letra “B”. É o IP que é encontrado na camada de Rede (3). Já o TCP e UDP são
encontrados na camada de Transporte (4) e o HTTP e SMTP são da camada de
Aplicação (6).

(Prova: FCC – 2011 – TRT – 19ª Região (AL) – Técnico Judiciário – Tecnologia da
Informação) Considere os itens a seguir:
I – ERRADO. Como vimos, o modelo OSI tem 7 camadas.
II – ERRADO. O erro aqui está mais para o entendimento do que o conceito em si.
Quando ele fala “normalmente” tem mais de 3 km, ele está errando, pois normalmente
não passa disso. Uma rede LAN pode sim ter até 10 km, segundo alguns autores, e a
partir disto vira uma WAN.
III – VERDADEIRO.
IV – VERDADEIRO.
Portanto é a letra “B”.

(Prova: FCC – 2011 – TRT – 19ª Região (AL) – Analista Judiciário – Tecnologia
da Informação) No modelo OSI, é também chamada de camada de Tradução e tem
por objetivo converter o formato do dado recebido pela camada imediatamente
acima, em um formato comum a ser utilizado na transmissão desse dado (ex.
conversão do padrão de caracteres quando o dispositivo transmissor usa um
padrão diferente do ASCII). Trata-se da camada de
Letra “E”.

(Prova: FGV – 2008 – Senado Federal – Analista de Suporte de Sistemas) Para o


funcionamento da Internet, as diversas aplicações que operam por meio de
protocolos na camada de aplicação do modelo OSI utilizam portas conhecidas na
comunicação com o protocolo TCP da camada de transporte. Nesse contexto,
aplicações DNS, FTP e TELNET, na interação com o TCP e SNMP com UDP,
utilizam portas padronizadas e identificadas, respectivamente, pelos números:
Letra “C”.

(FGV – 2009 – MEC – Administrador de Redes) Tendo como foco o modelo de


referência OSI/ISSO, o Point-to-Point Protocol (PPP) é um protocolo de linha
discada que opera nas seguintes camadas:
Letra “C”.

(FGV – 2009 – MEC – Administrador de Redes) A arquitetura Open Systems


Interconnection – OSI da ISO constitui uma referência para o funcionamento das
redes de computadores. No contexto desse modelo, a camada que se refere às
especificações de hardware é denominada:
Letra “B”.

Protocolos nas Camadas do Modelo OSI


Camada de aplicação
NNTP –>Network News Transfer Protocol é um protocolo da internet para grupos de
discussão da chamada usenet.
NETCONF–> Network configuration é um protocolo para configuração de elementos
de redes. Embora seja um protocolo completo de gerência de rede, ele se destaca na
configuração dos equipamentos de rede.

O protocolo NETCONF pode ser conceptualmente dividido em quatro camadas:

1. A camada de conteúdo consiste de dados de configuração e dados de


notificação.
2. A camada de Operações define um conjunto de operações de protocolo de base
para recuperar e editar os dados de configuração.
3. A camada de mensagens fornece um mecanismo para a codificação de chamadas
de procedimento remoto (RPCs) e notificações.
4. A camada de transporte seguro oferece um transporte seguro e confiável de
mensagens entre um cliente e um servidor.

TELNET –> O protocolo Telnet é um protocolo standard de Internet que permite o


interface de terminais e de aplicações através da Internet. Este protocolo fornece as
regras básicas para permitir ligar um cliente (sistema composto de uma afixação e um
teclado) a um intérprete de comando (do lado do servidor).

SNMP–> Simple Network Management Protocol é um protocolo da camada de


aplicação criado para transportar informações de gerência de rede entre os dispositivos
gerenciados e os sistemas de gestão de redes, ele possibilita que administradores de rede
gerenciem o desempenho da uma rede monitorando interfaces, processadores, memórias
de equipamentos como roteadores, switches, dispositivos wireless e servidores.

SMPP –> Short Message Peer-to-peer Protocol é um protocolo padrão de


telecominações destinados à troca de mensagens SMS entre as equipes que gerenciam
mensagens como o SMSC (centro de serviço de mensagens curtas) ou
GSM USSD (servidor de dados não estruturados Suplementar Serviços) e de um
sistema de aplicação de SMS como um servidor pode ser um WAP ou porta de
entrada de mensagens.É normalmente usado para permitir que terceiros para enviar
mensagens (como podem ser os provedores de conteúdo ).

NTP –> Network Time Protocol ou Protocolo de Tempo para Redes. É o protocolo que
permite a sincronização dos relógios dos dispositivos de uma rede como servidores,
estações de trabalho, roteadores e outros equipamentos à partir de referências de tempo
confiáveis.

NFS –> Network File System – o protocolo NFS fornece um acesso remoto
transparente para sistemas de arquivos compartilhados por meio de redes , formando
assim um diretório virtual.

FTP –> File transfer Protocol é como o seu nome o indica, um protocolo de
transferência de ficheiro.

SMTP –> Simple Mail Transfer Protocol é o protocolo padrão para envio de e-
mails através da internet. É um protocolo relativamente simples, baseado em texto
simples, onde um ou vários destinatários de uma mensagem são especificados (e, na
maioria dos casos, validados) sendo, depois, a mensagem transferida.
DHCP –> Dynamic Host Configuration Protocol ou Protocolo de configuração
dinâmica de host. É o protocolo de rede usado em Internet Protocol (IP) para distribuir
dinamicamente os parâmetros de configuração de rede, tais como endereços IP para as
interfaces e serviços. Com o DHCP, os computadores solicitar endereços IP e
parâmetros de rede automaticamente a partir de um servidor DHCP , reduzindo a
necessidade de um administrador de rede ou um usuário para definir essas
configurações manualmente.

SIP –> Session Initiation Protocol– Protocolo de sinal para estabelecer chamadas e
conferências através de redes via IP.

SSI –> Server Side Includes – Interpretador de script simples do lado do servidor.

Camada de apresentação
MIME –> Multipurpose Internet Mail Extensions – Padrão usado para o formato das
mensagens de e-mail.

XDR –> eXternal Data Representation– Padrão de transferência de dados onde os


dados são empacotados em uma arquitetura independente.

SSL –> Secure Sockets Layer – Protocolo que garante a confidencialidade e a


integridade de dados entre duas aplicações que comuniquem pela Internet.

Camada de sessão
SAP –> Service Access Point – Identifica o endereço do ponto de acesso do serviço
LLC.

PPTP –> Point-to-Point Tunneling Protocol – Protocolo de transferência de dados


para redes privadas virtuais (VPN)

RTP –> Real-time Transport Protocol – Protocolo usado em aplicações de tempo real
como Voz sobre IP.

NETBIOS –> Network Basic Input/Output System – Protocolo legado e um sistema


de nomeação permitindo que os aplicativos em computadores separados se comuniquem
em uma rede local.

Named PIPE –> Protocolo de rede da suíte SMB (Server Message Block) podendo
passar o contexto de autenticação do usuário de maneira transparente.

Socks –> (Sockets ou soquete de rede) – Protocolo que permite aplicações cliente-
servidor use o serviço de uma rede ao firewall.
SPDY – Protocolo desenvolvido pela Google com o objetivo de melhorar a navegação e
segurança na Internet.

TLS/SSL – Protocolo de segurança onde toda a transmissão dos dados é criptografada


numa navegação na Internet.

Camada de transporte
TCP –> Transmission Control Protocol – Protocolo de controle de transmissão mais
utilizado na Internet e que garante que os dados são transmitidos de formas correta e
sem erros pela rede.

UDP –> User Datagram Protocol – Protocolo de envio simples de dados que não
garante a resposta da entrega dos destinatários.

SCTP –> Stream Control Transmission Protocol – Protocolo de transporte que traz
várias características para a transferência confiável dos dados.

DCCP –> Datagram Congestion Control Protocol – Protocolo de transporte que


implementa controle de congestionamento não confiável de datagramas.

SPX –> Sequenced Packet Exchange – Protocolo desenvolvido pela Novell que
incrementa o protocolo IPX e verifica o envio de dados através da rede.

Camada de rede
IP (IPv4 e IPv6) –> Protocolo de comunicação usado entre duas ou mais máquinas em
rede para troca de dados. A versão mais utilizada era o IPv4, onde os cabeçalhos
possuem 32 bits. Atualmente está sendo implementado a versão IPv6 que possui um
endereçamento de 128 bits.

ARP –>Address Resolution Protocol – Protocolo usado para encontrar um endereço


da camada de enlace a partir do endereço da camada de rede.

ICMP–> Internet Control Message Protocol – Protocolo utilizado para fornecer


relatórios de erros.

IPsec –>IP Security Protocol – Protocolos que garantem mais segurança na troca de
informação através de redes IP, garantido a privacidade do usuário, integridade dos
dados e autenticidade das informações.

IGMP–> Internet Group Management Protocol – Protocolo de controle de membros


de um grupo de multicast IP.

IPX –>Internetwork Packet Exchange – Protocolo desenvolvido pela Novell que


fornece aos clientes vários serviços de compartilhamento entre dispositivos.
AppleTalk –> Conjunto de protocolos de rede desenvolvido pela Apple. É um sistema
de rede que está disponível em todos computadores Macintosh e outros periféricos,
particularmente impressoras LaserWriter operando a 230 Kbps, além de muitos sistemas
UNIX

Camada de Enlance
ATM –> Asynchronous Transfer Mode – Protocolo de alta velocidade que não
depende de nenhuma topologia de rede.

SDLC –> Synchronous Data Link Control – Protocolo desenvolvido pela IBM onde
uma estação primária controla as comunicações de estações secundárias.

HDLC –> High-level Data Link Control – Protocolo desenvolvido pela ISO baseado
no SDLC.

SLIP –> Serial Line Interface Protocol – Protocolo de Internet que trabalha sobre as
portas seriais e modem conexões.

CSLIP –> Compressed SLIP – É a versão do SLIP com o algoritmo de compreensão


no cabeçalho.

GFP –>Generic Framing Procedure – Tecnologia onde os dados foram projetados


para suportar múltiplos protocolos.

PLIP –>Parallel Line Internet Protocol – Comunicação entre dispositivos que


utilizam portas paralelas com uma rede.

IEEE 802.2 – Descreve as funções da camada de controle lógica de enlace.

LLC (Logic Link Control) – Especifica os mecanismos de endereçamento que


controla a troca de dados, tornando possível que vários protocolos conviverem dentro de
uma rede.

L2TP –> Layer 2 Tunneling Protocol – Protocolo de encapsulamento usados em redes


privadas virtuais.

Frame relay –> Tecnologia de transmissão de dados onde as informações são divididas
em quadros (frames) tornando mais rápida a sua transmissão.

ITU-T G.hn DLL –> O G.hn são as recomendações desenvolvidas pela ITU para
trabalhar com redes de alta velocidade doméstica. O DLL corresponde aos padrões de
protocolos lógicos.

PPP –> Point-to-Point Protocol – Protocolo que foi desenvolvido para transportar o
tráfego entre dois dispositivos de rede através de uma única conexão física.
X.25 –> Protocolos usados em sistemas telefônicos ou ISDN como meio de transmissão
para redes de longa distância.

Ethernet –> Tecnologia de redes mais popular do mundo, onde os dispositivos estão
interligados através de um único cabo e podem se comunicar entre si.

Camada física

EIA/TIA-232 –> Padrão para troca serial de dados binária usada nas portas seriais dos
computadores.

EIA/TIA-449 –> Padrão de troca serial de dados binária mais rápida que o EIA/TIA-
232.

ITU-T U-Series –> A Série U é a interface elétrica, desenvolvido pela ITU


(Telecommunication Standardization Sector), onde um cabo trançado estabelece a
conexão entre a prestadora de serviço e o usuário.

I.430/I.431 –> Padrão de interface recomendada pela ITU usadas geralmente em redes
de ISDN (linhas dedicadas).

PDH –> Plesiochronous Digital Hierarchy– Tecnologia usada pelas redes de


telecomunicações para transmitir grandes quantidades de dados através de
equipamentos como fibra óticas e sistema de rádio.

IEEE 802.3 –> Padronização da Ethernet e toda a sua tecnologia de interconexão para
redes locais baseados no envio de pacotes.

IEEE 802.11 –> Padronização em conectividade sem fio para redes locais.

IEEE 802.15 –> Padrões desenvolvidos pela IEEE para especificar redes locais sem fio
de curto alcance.

IEEE 802.16 –> Padrão que estabelece uma interface sem fio para redes metropolitanas
(WMAN).

IEEE 1394 –> Interface de comunicação de alta velocidade desenvolvida pela Apple.

USB –> Universal Serial Bus – Padrão desenvolvido por diversas empresas com o
objetivo de ligar vários periféricos no mesmo canal.

Bluetooth –> Padrão de comunicação para áreas de rede pessoal sem fio.
ITU-T G.hn PHY –> O G.hn são as recomendações desenvolvidas pela ITU para
trabalhar com redes de alta velocidade doméstica. O PHY corresponde aos padrões
físicos.

á uns bons anos atrás, cada fabricante tinha as suas tecnologias, topologias, protocolos e
então havia problemas na interoperabilidade entre equipamentos. Com o evoluir da
tecnologia, os fabricantes de equipamentos chegaram a conclusão que o caminho a
seguir se deveria basear em normas (standards).

Das muitas organizações ligadas a normalização destacam-se o IEEE (Institution of


Electrical and Electronics Engineers) , ISO (International Organization for
Standardization) e ITU (International Telecommunication Union).

O Modelo OSI (criado em 1970 e formalizado em 1983) é um modelo de referência da


ISO que tinha com principal objectivo ser um modelo standard, para protocolos de
comunicação entre os mais diversos sistemas, e assim garantir a comunicação end-to-
end.

O modelo é composto por 7 camadas, em que cada camada realizada funções


específicas.

Camadas do modelo OSI

 Aplicação (Application)
 Apresentação (Presentation)
 Sessão (Session)
 Transporte (Transport)
 Rede (Network)
 Dados (Data Link)
 Física (Physical)
Principais funções de cada camada

 Aplicação (Application)
o Fornece serviços às aplicações do utilizador.
 Apresentação (Presentation)
o Encriptação e compressão de dados.
o Assegura a compatibilidade entre camadas de aplicação de sistemas diferentes
 Sessão (Session)
o Controla (estabelece, faz a gestão e termina), as sessões entre aplicações.
 Transporte (Transport)
o Controle de fluxo de informação, segmentação e controle de erros
 Rede (Network)
o Encaminhamento (routing) de pacotes e fragmentação
o Esquema de endereçamento lógico
 Dados (Data Link)
o Controla o acesso ao meio físico de transmissão.
o Controlo de erros da camada física
 Física (Physical)
o Define as características do meio físico de transmissão da rede, conectores,
interfaces, codificação ou modulação de sinais.

Modelo OSI – Protocolos

A seguinte figura, ilustra em que camada funciona um determinado protocolo. Por


exemplo, quando falamos a nível de TCP/UDP estamos mais especificamente a falar da
camada de transporte.
Analogia do modelo OSI com a comunicação via carta

Vamos então a um exemplo, para ilustrar como tudo isto funciona. Para isso vamos
exemplificar como funciona o acesso a uma página Web, através de um browser, e
como tudo encaixa no modelo OSI. Vamos começar de cima para baixo (camada de
aplicação para camada física)

 Na camada de aplicação, o browser (aplicação) serve de interface para apresentação


da informação ao utilizador. Para este pedido (cliente-> servidor), foi usado o
protocolo HTTP
 O formato dos dados é tratado na camada de apresentação. Os formatos tradicionais
da Web incluem HTML, XML, PHP, GIF, JPG, etc. Adicionalmente são usados
mecanismos de encriptação e compressão para a apresentação da informação.
 Na camada de sessão é estabelecida a sessão entre o computador cliente (onde
estamos a fazer pedido via browser) e o servidor web (que aloja a página requisitada).
 O protocolo TCP fornece garantia na entrega de todos os pacotes entre um PC emissor
e um PC receptor (neste caso, a entrega de toda a informação da página web do
servidor para o cliente). Isso é uma funcionalidade da camada de transporte.
 Tanto o PC cliente como servidor possuem um endereço lógico (endereço IP neste
caso). Isso é uma funcionalidade da camada de rede. Adicionalmente os routers
determinam qual o melhor caminho para que os pacotes possam fluir
(encaminhamento) entre cliente e servidor web.
 O endereço IP (endereço lógico) é então “traduzido” para o endereço físico (endereço
MAC da placa de rede. Isto é funcionalidade da camada da dados
 Cabos de cobre, fibra óptica, placas de rede, hubs e outros dispositivos, ajudam na
ligação física entre o cliente e o servidor que acontece na camada física.

Para finalizar, e respondendo a questão fundamental que me levou a escrever a este


artigo, apenas referenciar as camadas onde operar os 3 equipamentos
activos tradicionais de uma rede:

 HUB funciona a nível da camada 1 (camada física),


 Switch na camada 2 (camada de dados). Há switchs capazes de funcionar também na
camada 3.
 Router na camada 3 (camada de rede)

Estejam atentos, pois brevemente teremos outros conteúdos da área das redes.
PRINCIPAIS COMANDOS DO SISTEMA OPERACIONAL DOS

 INTRODUÇÃO

O DOS, que usamos em nossos microcomputadores, é apenas um exemplo de uma


classe de programas de computador que são conhecidos como sistemas
operacionais. A tarefa deste sistema operacional é basicamente supervisionar e
direcionar o trabalho, a operação do computador.

O DOS gerencia dispositivos, controla programas e processa comandos.

Gerenciando dispositivos (impressoras, discos, telas, teclados e outros)-


envolve tudo que é necessário para manter as partes do computador
funcionando corretamente. O DOS emite comandos aos dispositivos e
acompanha os erros que eles informam.
Controlando programas- envolve a carga dos programas do disco,
preparação da estrutura para a execução dos programas e também o
fornecimento de serviços para os programas.

Processando comandos- no caso do DOS, todos os comandos são


essencialmente pedidos para executar um programa.

De todas as coisas que o DOS faz na supervisão dos nossos computadores,


aquela que vemos acontecer é o que chamamos processamento de
comandos. Essa tarefa de processamento de comando cai sobre uma tabela
de comandos chamada de COMMAND.COM.

Um comando nada mais é que um programa que estamos pedindo para o


DOS rodar. Ao executar esse comando o DOS verifica em sua tabela
interna, a COMMAND.COM, caso encontre, o comando será executado
imediatamente, caso não encontre, ele procurará em nossos discos o
comando externo (programas com extensão .exe, .com e .bat).

 COMANDOS

ASSIGN

ASSIGN direciona todos os pedidos de um acionador para outro. Tendo um


disco fixo, pode-se ter softwares que tentem ler os arquivos de programas
ou de dados ou no acionador A ou no B, mesmo que ele esteja instalado no
acionador C. O que o ASSIGN faz é dirigir para o acionador rígido todos os
pedidos feitos aos acionadores de disco flexível.

A forma do ASSIGN é:

ASSIGN x=y

Onde x é o acionador que o aplicativo quer usar e y é o acionador que você


quer que use.

Para voltar as atribuições dos acionadores ao ajuste normal, basta digitar


ASSIGN.

ATTRIB

Este comando permite ajustar o atributo de leitura de um arquivo para um


status read-only, isso impedirá que o arquivo seja eliminado ou alterado
por um usuário.

O formato do comando é:

[d][caminho]ATTRIB[+/-R][d:][caminho]nome do arquivo[.ext]

onde +R ajusta o atributo para read-only e -R reajusta para read/write.

BACKUP

Gera uma cópia de segurança de um ou mais arquivos de um disco para


outro.

BREAK

Estabelece a verificação de control+C.

CHCP

Exibe ou troca a atual página de código para o processador de comandos


command.com.

CHDIR (CD)

Este comando é usado para mudar de diretório. Se você digitar CD\, muda para o
diretório Raiz e CD.., muda para o diretório anterior.

CHKDSK

CHKDSK exibe um relatório de status de um disco especificado e também


verifica os diretórios do disquete procurando por defeitos. Este comando
corrigirá automaticamente os erros encontrados na tabela do diretório, se
você especificar o parâmetro /F, e mostrará uma série de mensagens
indicando seu progresso, se você especificar o parâmetro /V

Sua forma é:

CHKDSK[d:][nome do arquivo][/F][/V]

Onde qualquer acionador pode ser especificado.

CLS

Este comando lhe permite limpar a tela e mover o cursor para o canto
superior esquerdo.

COPY

Este comando é usado para executar as seguintes tarefas:

o copiar arquivos de um disco para outro


o copiar arquivos para o mesmo disco, mas com nomes diferentes
o copiar entrada do teclado para um arquivo
o copiar arquivos para um dispositivo externo, por exemplo a impressora.

Através desse comando você ainda pode alterar a data. Sempre que se cria um
arquivo, uma data é anexada a ele; para mudar a data podemos simular a criação de
um arquivo e fazer o DOS modificar a data do arquivo digitando o comando abaixo:

A>COPY[nome do arquivo].txt+,,

Pode-se ainda verificar se a cópia de um arquivo está exatamente como a


fonte acrescentando a chave /V ao final do comando COPY.

CTTY

CTTY permite que você role o seu computador no DOS a partir de um outro
computador em uma localização remota.

DATE e TIME

Estes dois comandos são usados para inserir ou alterar a data e a hora do relógio
interno do sistema. Colocando ambos os comandos no arquivo em lote
AUTOEXE.BAT, o DOS não lhe pedirá a data e a hora toda vez que for ligado. Se você
tiver incorporado uma placa de relógio/calendário ao seu sistema, o DOS lerá a data
e a hora desta placa sempre que você inicializar o sistema, assim você não precisa
digitá-los.

DIR

O DIR mostra os arquivos em disco, fornecendo informações sobre tamanhos, data


da criação e da última atualização. Os subdiretórios são identificados com (DIR) na
coluna tamanho do arquivo.

Você pode utilizar as seguintes chaves:

o /W lista o diretório colunado


o /p lista diretório paginado
o /o lista diretório ordenado
o /a lista diretório com arquivos ocultos
o /s lista todos os arquivos do disco
o /s<arquivo> localiza o arquivo no disco

DISKCOPY
O DISKCOPY tem algumas desvantagens, como por exemplo criar uma duplicata
exata de um disquete de face simples, perdendo a metade do espaço em disco.
Por outro lado, quando usado de maneira adequada, ele é prático e eficiente. Pode
ser usado para efetuar cópias de segurança de disquetes. Este comando copia todo o
disco de uma só vez, aumentando consideravelmente a velocidade.

Sua forma é: DISKCOPY A:B

DEL

Este comando lhe permite eliminar um arquivo especificado.


Para recuperar arquivos apagados por este comando, basta usar o comando
UNDELET

DISKCOMP e COMP

O DISKCOMP é usado principalmente para verificar se um disco criado


com o comando DISKCOPY foi copiado corretamente. Para comparar os
disquetes no acionador A e no acionador B, digita-se: DISKCOMP A:B
O COMP compara dois arquivos.
COMP[nome do arquivo1].TXT [nome do arquivo2].TXT

EDIT

Este comando é um editor de linha dentro do DOS

FDISK

Configura discos rígidos para ms-dos

FIND

FIND é um filtro que pega dados ou arquivos de uma entrada comum,


processa-os e depois emite-os na forma alterada.
O comando tem a forma de: FIND "seqüência" nome arquivos...

Você pode usar três chaves com este comando, devendo ser colocadas antes
da seqüência

o /V faz todas as linhas que não contenham a seqüência serem exibidas


o /c faz FIND mostrar o número de linhas que têm seqüências coincidentes no
arquivo especificado.
o /N faz o número da linha que contém a seqüência coincidente ser exibido

FORMAT
É usado para analisar um disco procurando por trilhas defeituosas e prepara o disco para
aceitar os arquivos do DOS, estabelecendo um diretório.

Você pode usar as seguintes chaves:

 /S copia os arquivos do sistema operacional para o novo disco, tornando-o inicialisável

 /B formata o novo disco em face simples

 /8 formata um disco no formato de oito setores por trilha, que pode ser lido pelo DOS-1.1

 /V coloca rótulo de volume no disco, que ajuda a organizar os disquetes por nome

 /4 formata um disquete de face dupla em um acionador de alta capacidade

GRAFTABL
Este comando carrega uma tabela de caracteres gráficos adicionais, para que você possa
mostrar o conjunto estendido de caracteres no vídeo com adaptador de cor/gráficos; basta
digitar GRAFTABL na linha de comando.

GRAPHICS

Este comando é útil apenas se você tiver a impressora gráfica da IBM e se


estiver usando um adaptador de vídeo de cor/gráficos. Com ele você pode
imprimir o conteúdo de uma tela gráfica na impressora.
Para usá-lo, digite o comando na linha de comando do DOS.

KEYBxx (somente DOS-3)

KEYBxx carrega um teclado diferente do americano, substituindo o


programa de teclado-padrão que reside em ROM BIOS.
O parâmetro xx pode ser: UK, GR, FR, IT, SP.
Para carregar digite KEYBxx.

LABEL (somente DOS-3)

Este comando permite que você incorpore um rótulo a um disco que não contenha
um rótulo de volume ou que você elimine um rótulo.
Digitando LABEL[nome do volume] você coloca um rótulo de volume em um disco.
Para mudar, digite LABEL[novo rótulo] e pressione RETURN. E para apagar, basta
digitar LABEL e pressionar RETURN.

MKDIR(MD)

O MD lhe permite criar um novo diretório.

MODE

MODE ajusta os modos de operação do seu computador, acionando


diretamente o hardware do seu sistema.
Suas quatro características principais são:

o alterar a configuração de sua impressora


o trocar telas ou modos de exibição na tela
o configurar a porta de comunicações
o redirecionar a saída da impressora paralela para uma impressora serial
conectada a uma porta de comunicações

PRINT
Este comando imprimirá um grupo de arquivos na impressora enquanto você estiver
efetuando outras tarefas em seu computador.

PROMPT

O comando PROMPT é usado para mudar o prompt do DOS


Sua forma é:
PROMPT seqüência

RMDIR(RD)

Através deste comando você deleta um diretório (que deverá estar vazio). O
diretório raiz e o diretório corrente não podem ser eliminados.

RECOVER

RECOVER recupera arquivos em um disco que tenha setores ruins. Este


comando grava o máximo possível do arquivo e sinaliza os setores ruins no
disco, para que eles não sejam usados novamente. Este comando também
pode ser usado para recuperar arquivos de um disco que tenha um
diretório ruim.
Você usa este comando digitando: RECOVER[d:][caminho]nome do
arquivo[.ext]

REN

O REN renomeia um determinado arquivo.

RESTORE

Restaura arquivos gerados pelo backup.


SELECT

Ele lhe permite especificar o código do país e do teclado que você pretende
usar. O código do país diz ao DOS o formato da data e da hora, o símbolo
da moeda corrente e o separador decimal que é usado. O código do teclado
diz qual o formato de teclado você quer usar.

O comando tem a forma de: [d:][caminho]SELECTxxx yy


onde xxx é o código do país e yy, o código do teclado.

SET

SET é usado para ajustar parâmetros que vão atuar como variáveis em
programas ou arquivo em lote. Ele permite que você use o mesmo
parâmetro substituível em vários arquivos sem Ter de especificá-lo toda vez
que usar o arquivo em lote.

SHELL

Este comando chama um processador de comando secundário em lugar


daquele normalmente usado pelo DOS; ele também chama os comandos do
DOS a partir de um programa em BASIC (ou outra linguagem). Colocando
SHELL e um comando do DOS como uma sentença no seu programa, você
chamará uma saída temporária ao DOS.

SORT

SORT classifica qualquer arquivo ASCII em ordem alfabética ou em ordem


alfabética inversa. A saída classificada será exibida na tela (o dispositivo de
saída padrão) ou poderá ser dirigida para um outro arquivo.

O seu formato é: SORT[/R][/+n]

Especificando /R, o arquivo será classificado em ordem alfabética inversa e


o parâmetro /+n lhe permite especificar uma outra coluna de classificação.
TREE

O comando TREE mostra a estrutura do diretório.

TYPE

Exibe o conteúdo de um arquivo.

VER

Este comando lhe permite saber o número da versão corrente do MS-DOS.

VERIFY

O comando VERIFY verifica se os dados gravados em um disco foram


escritos corretamente.
A forma do comando VERIFY é: VERIFY[on/off]

Para verificar o status atual de VERIFY basta digitar o comando sem


parâmetros.

VOL

Exibe o nome de volume.

 CONCLUSÃO

Como foi visto o sistema operacional DOS executa vários comandos para que
possamos operar nossos computadores, porém, a interface windows, por ter muitos
recursos gráficos, facilita a execução destes comandos, fazendo com que o DOS seja
menos utilizado.

 BIBLIOGRAFIA:

Manual de Referência DOS.