Vous êtes sur la page 1sur 46
Rede de Computadores Mod 0 - Fund de Transmissão Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com
Rede de Computadores
Mod 0 - Fund de Transmissão
Prof. Walter Cunha
falecomigo@waltercunha.com
http://www.waltercunha.com
Prof. Walter Cunha
http://www.waltercunha.com

Bibliografia*

Redes de Computadores - Andrew S. Tanenbaum Editora: Campus. Ano: 2003 Edição:

http://www.submarino.com.br/produto/1/56122?franq=271796

Redes de Computadores e a Internet - James F. Kurose Editora: Addison-Wesley. Ano: 2006. Edição:

http://www.submarino.com.br/produto/1/1061711?franq=271796

Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com

Referências*

Teleco

http://www.teleco.com.br/

GTA.UFRJ

http://www.gta.ufrj.br/

Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com

Sistema Básico de Comunicação

Sistema Básico de Comunicação 4 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

4

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Sinal

Em geral, entende-se que um sinal é uma seqüência de estados em um sistema de comunicação que codifica uma mensagem.

5

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Sinal Analógico

Sinal Analógico é um tipo de sinal contínuo que varia em função do tempo.

Um velocímetro analógico de ponteiros, um termômetro analógico de mercúrio, uma balança analógica de molas, são exemplos de sinais lidos de forma direta sem passar por qualquer decodificação complexa, pois as variáveis são observadas diretamente.

6

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

7

Sinal Digital

Sinal Digital é um sinal com valores discretos (descontínuos) no tempo e em amplitude. Isso significa que um sinal digital só é definido para determinados instantes de tempo, e que o conjunto de valores que pode assumir é finito.

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Onda

Em física, uma onda é uma perturbação oscilante de alguma grandeza física no espaço e periódica no tempo.

 

A oscilação espacial é caracterizada pelo

comprimento de onda e a periodicidade no tempo é medida pela frequência da onda, que é o inverso do seu período.

Estas duas grandezas estão relacionadas pela velocidade de propagação da onda.

8

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Onda

Onda 9 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

9

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Tipos de Onda

Tipos de Onda 10 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

10

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Domínio da Frequência

Domínio da Frequência 11 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

11

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Senóide

Senóide 12 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

12

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Harmônicas

Harmônicas 13 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

13

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Teorema de Fourrier

14

Um sinal periódico qualquer é composto de (ou pode ser decomposto em) uma serie de ondas senoidais com freqüência múltiplas inteiras da freqüência fundamental f, cada uma com uma determinada amplitude e uma determinada fase, mais uma componente continua (de freqüência zero). As ondas senoidais múltiplas inteiras n da fundamental são chamadas harmônicos de ordem n.

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Teorema de Fourrier

Teorema de Fourrier 15 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

15

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Teorema de Fourrier

Teorema de Fourrier 16 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

16

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

17

Largura de Banda

Faixa contínua de freqüência delimitada no espectro magnético, utilizada para transmissão de dados em telecomunicaçõ es.

no espectro magnético, utilizada para transmissão de dados em telecomunicaçõ es. Walter Cunha - Redes 18/09/2010

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Filtros

passa-tudo passa-baixa passa-alta passa-banda rejeita-banda

18

Filtros passa-tudo passa-baixa passa-alta passa-banda rejeita-banda 18 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Meio Físico

Cabo Coaxial Par Trançado Fibra Óptica Ar

Todo meio Físico tem sua Largura de Banda específica, ou seja, todo meio físico é um filtro de frequência.

19

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Janelas de Transmissão

Janelas de Transmissão 20 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

20

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Digitalização

Transformação de um sinal analógico em um sinal digital, consiste em três fases:

21

Amostragem, que consiste em retirar amostras do sinal original conforme uma frequência pré- determinada; Quantização, "arredondamento" dos diversos valores amostrados sobre níveis de valores estabelecidos; Codificação, que transforma o sinal quantizado em um sinal binário.

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Digitalização

Digitalização 22 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

22

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Teorema de Nyquist

O teorema de Nyquist ou da amostragem, provê uma regra que determina o intervalo de freqüência ideal para que um sinal seja amostrado e recuperado sem perda de informação. Seu enunciado é o seguinte:

“A freqüência de amostragem deve ser no mínimo o dobro da maior freqüência contida no sinal”

23

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Teorema de Nyquist: PCM

Para aplicações em telefonia, a frequência de amostragem adotada internacionalmente é de 8.000 amostras por segundo, definido pelo Teorema de Nyquist. Neste caso, cada nível de valor corresponde a um código de 8 bits, o que permite serem quantizados níveis distintos. Fazendo-se uma conta simples, teríamos então, 8.000 amostras/segundo x 8 bits/amostra, onde obteríamos uma taxa de 64.000 bits/segundo (64 kbit/s). Este procedimento é chamado PCM (Pulse Code Modulation), a Figura 08 representa a taxa de amostras PCM.

24

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Codificação

No contexto de sistemas de telecomunicações codificação é o processo em que amostras quantizadas de um sinal são convertidas em

25

palavras apropriadas de código.

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Tipos de Codificação

Tipos de Codificação 26 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

26

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Baud

Baud deriva do sobrenome de J.M.E. Baudot, francês inventor do código telegráfico Baudot. Um Baud é uma medida de velocidade de sinalização e representa o número de mudanças na linha de transmissão (seja em

frequência, amplitude, fase etc

)

ou eventos

por segundo. Para se determinar a taxa de transmissão de um canal em bits por segundo - bps, deve

ser levado em consideração o tipo de

 
 
 

codificação utilizada, além da velocidade de sinalização do canal de comunicação.

27

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Banda Base

 

Área de frequência original de um sinal, antes de sua conversão em outra banda mais alta e eficiente.

Técnica de processamento de sinal, na qual o sinal é transmitido

 
 

em seu formato original e não muda pela modulação.

 

28

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

29

Banda Larga

Sinal que sofreu modulação.

29 Banda Larga Sinal que sofreu modulação. Walter Cunha - Redes 18/09/2010

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

30

Modulação

Modulação é o processo de variação de uma das características do sinal, ou seja, variação de altura (amplitude), de intensidade, frequência, do comprimento e/ou da fase de onda numa onda de transporte, que deforma uma das características de um sinal portador (amplitude, fase ou frequência) que varia proporcionalmente ao sinal modulador.

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

MODEM

.
.

31

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Modulação Analógica

Modulação Analógica 32 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

32

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Modulação Digital

Modulação Digital 33 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

33

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

QAM: Fase e em Amplitude

QAM: Fase e em Amplitude 34 Walter Cunha - Redes 18/09/2010

34

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Canal

Em comunicação, canal (por vezes designado por canal de comunicação) designa o meio, ou normalmente uma subdivisão dele, usado para transportar uma mensagem do emissor ao receptor.

35

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Deficiências do Canal:

36

Atenuação

Diminuição gradativa do fluxo radiante que se propaga num meio, decorrente da ação dos processos de espalhamento e de absorção de radiação.

meio, decorrente da ação dos processos de espalhamento e de absorção de radiação. Walter Cunha -

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Deficiências do Canal:

Dispersão

37

Dispersão em Física consiste no fenômeno onde a velocidade de fase de uma perturbação periódica no meio dependa da frequência da mesma

velocidade de fase de uma perturbação periódica no meio dependa da frequência da mesma Walter Cunha

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Deficiências do Canal:

Ruído

O Ruído é algo que interfere no processo de interpretação de alguma coisa. E, na maioria das vezes, podemos dizer que o ruído é um sinal indesejável. Ele está presente tanto na gravação, como na reprodução, na transmissão ou na recepção.

Ruído Térmico Ruído de Intermodulação Ruído de Cross-Talk Ruído de Impulso

38

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Shannon

O teorema de Shannon nos diz que a máxima velocidade de transmissão de dados digitais entre dois circuitos eletrônicos é proporcional à largura de banda dos circuitos de comunicação, incluindo aí a influência do meio de transmissão, e ao logaritmo da relação sinal-ruído que será processada pelo circuito receptor.

39

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Shannon

C = B log 2 (1 + S/N)

onde C é a capacidade efetiva do canal em bits por segundos B é a largura de banda do hardware S é a potência média do sinal N é a potência média do ruído

S/N é a relação sinal-ruído

40

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Multiplexação

Transmissão de vários sinais, usando uma única linha de comunicação ou canal.

Transmissão de vários sinais, usando uma única linha de comunicação ou canal. 41 Walter Cunha -

41

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Multiplexação : FDM

42

FDM (Frequency Division Multiplexing) - o espectro de frequências disponível é dividido em faixas que são os canais. Cada um destes canais pode ser alocado a um propósito de transmissão.

são os canais. Cada um destes canais pode ser alocado a um propósito de transmissão. Walter

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

43

Multiplexação : TDM

TDM (Time Division Multiplexing) - cada canal ocupa um intervalo de tempo distinto na mesma frequência, enquanto durar a comunicação designada para aquele canal.

distinto na mesma frequência, enquanto durar a comunicação designada para aquele canal. Walter Cunha - Redes

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Multiplexação : CDM

44

CDM (Code Division Multiplexing)- usa sequências de códigos como canais de tráfico a partir de canais de rádio comuns. As sequências de códigos têm raízes na utilização militar há mais de 30 anos.

As sequências de códigos têm raízes na utilização militar há mais de 30 anos. Walter Cunha

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Multiplexação: WDM

WDM (Wavelength Division Multiplexing) - divide os canais com base no comprimento de onda (um tipo de FDMA para comunicações Ópticas).

canais com base no comprimento de onda (um tipo de FDMA para comunicações Ópticas). 45 Walter

45

Walter Cunha - Redes

18/09/2010

Dúvidas? falecomigo@waltercunha.com Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com
Dúvidas?
falecomigo@waltercunha.com
Prof. Walter Cunha
http://www.waltercunha.com