Vous êtes sur la page 1sur 9

Título: História do Brasil II

Disciplina: obrigatória
Prof.: Tâmis Parron

EMENTA
O curso apresenta uma abordagem de história global do Império do Brasil no
longo século 19. Dividido em três seções – Enquadramento analítico para uma história
global do Império do Brasil; O Império do Brasil no primeiro século 19; e O império
do Brasil no segundo século 19 –, o curso possui 13 módulos temáticos que revisitam a
história e a historiografia dos aspectos centrais do Império do Brasil, a fim de preparar
os estudantes para a atuação profissional nos campos de ensino e pesquisa acadêmica.
Os módulos temáticos do curso são: “O longo século 19, 1765-1918”; “O Big
Bang do longo século 19”; “Reformismo ilustrado português”; “Guerras
Revolucionárias Atlânticas: a Corte no Brasil e a nova geografia do poder no império
português”; “A montagem da cafeicultura escravista no médio Vale do Paraíba, 1790-
1822”; “Constitucionalismo no Império do Brasil: escravidão e soberania nacional no I
Reinado”; “A montagem da dinâmica política nacional brasileira, 1835-1853”; “Tráfico
negreiro transatlântico ilegal, 1831-1850”; “O Império do Brasil e geopolítica imperial:
Amazonas e Prata”; “O segundo século 19 e a reforma da escravidão”; “Reforma do
sistema político imperial: voto e soberania nacional”; “A abolição da escravidão negra
no Império do Brasil”; “Utopias e distopias no fim do Império”.
Por meio de seus módulos, o curso deverá oferecer um enquadramento analítico
teórica e metodologicamente fundamentado para abordar as conexões recíprocas e
multidimensionais entre os reordenamentos do sistema mundial oitocentista, a
institucionalização do regime representativo brasileiro e as tensões socioeconômicas no
país que condicionaram o movimento de ascensão e queda do Império do Brasil.

OBJETIVOS PEDAGÓGICOS
Espero que, ao fim do curso História do Brasil II, os estudantes tenham
desenvolvido competências para:
A. sintetizar criticamente os temas fundamentais da história do Império do Brasil e suas
respectivas abordagens historiográficas;
B. visualizar metodologicamente maneiras de interpretar a história do Império do Brasil
em suas dimensões locais, regionais e globais;
C. escrever resenhas historiográficas sobre o Império do Brasil conforme critérios
editoriais das revistas acadêmicas nacionais e internacionais com sistema de avaliação
de pares.

INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO
As avaliações de História do Brasil II devem aferir a capacidade dos estudantes
de fazer leituras historiográficas e documentais, bem como comunicá-las por escrito. As
avaliações consistirão em:
A) leituras historiográficas semanais obrigatórias. Os alunos devem ler o texto
historiográfico da semana (artigo ou capítulo de livro) antes da aula correspondente e
sintetizar por escrito, em classe, os elementos organizadores do texto: ideia central,
procedimento metodológico, implicação historiográfica, premissa teórica e desafios para
novas pesquisas.
B) composição de uma resenha de livro ao fim do curso. As leituras historiográficas
semanais obrigatórias devem habilitar os estudantes a escrever resenhas de livros – a
serem definidos após consulta com o professor – segundo critérios editorias de revistas
acadêmicas nacionais e internacionais com sistema de avaliação de pares.
C) prova por escrito com duração de duas horas. O estudante fará a prova com direito a
consulta de apontamentos pessoais, bibliografia e fontes.
Cada avaliação terá um peso distinto na composição da nota final do estudante: a
avaliação (A) contará 20% da nota final; a avaliação (B), 40%; e a avaliação (C), 40%.

PRESENÇA
Segundo o Regulamento dos Cursos de Graduação da UFF, colocado em
vigência pela Resolução n. 001/2015, a “aprovação direta do discente ocorrerá quando o
mesmo [sic] obtiver média parcial igual ou maior que 6,0 (seis) e sua frequência igual
ou maior a 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária da disciplina.” (art. 96).
Para sua presença ser documentada em sala de aula, o estudante deverá
responder à chamada oral de presença no início da aula e participar das atividades de
leituras semanais obrigatórias no fim da aula.

AULAS

Parte I. Enquadramento analítico para uma história


global do Império do Brasil
MÓDULO 01. O longo século 19, 1765-1918
Aula 1. O espaço do longo século 19: fontes de riqueza e fontes de poder no
capitalismo oitocentista
Aula 2. O tempo do longo século 19: regime de historicidade da temporalização
moderna

MÓDULO 02. O Big Bang do longo século 19


Aula 1. Motor do mundo: império, geopolítica e Revolução Industrial
Aula 2. Quem só anda fica para trás: império britânico vs. reformismo ilustrado
continental europeu

Parte II. O Império do Brasil no primeiro século 19


MÓDULO 03. Reformismo ilustrado português
Aula 1 (historiografia). Crise do Antigo Sistema Colonial
Aula 2 (história). Reformas ilustradas imperiais portuguesas

MÓDULO 04. Guerras Revolucionárias Atlânticas: a Corte no Brasil e a nova


geografia do poder no império português
Aula 1 (historiografia). Nacionalismo metodológico: herança colonial e outras
malditas
Aula 2 (história). Tratados anglo-portugueses e reformas joaninas nos quadros da
economia mundial

MÓDULO 05. A montagem da cafeicultura escravista no médio Vale do Paraíba,


1790-1822
Aula 1 (historiografia). Arcaísmo vs. modernidade
Aula 2 (história). Trabalho e capital no Vale do Paraíba cafeeiro escravista
MÓDULO 06. Constitucionalismo no Império do Brasil: escravidão e soberania
nacional no I Reinado
Aula 1 (historiografia). Liberalismo e escravidão: as ideias fora do lugar no Império
do Brasil
Aula 2 (história). Constituição imperial de 1824 e instabilidade política do I Reinado

MÓDULO 07. A montagem da dinâmica política nacional brasileira, 1835-1853


Aula 1 (historiografia). Estado imperial brasileiro à luz do institucionalismo, do
marxismo e do empiricismo
Aula 2 (história). Contrabando negreiro, Judiciário e Constituição: as reformas da
Regência e a dinâmica política nacional no Império do Brasil

MÓDULO 08. Tráfico negreiro transatlântico ilegal, 1831-1850


Aula 1 (historiografia). “Escola inglesa”, “escola subalterna” e individualismo
metodológico
Aula 2 (história). Economia mundial, contrabando negreiro transatlântico e política
de terras no Império do Brasil

MÓDULO 09. O Império do Brasil e geopolítica imperial: Amazonas e Prata


Aula 1 (historiografia). Nacionalismo, marxismo e individualismo metodológico nas
análises sobre os conflitos na Bacia do Rio da Prata
Aula 2 (história). Imperialismo brasileiro e imperialismo anglo-americano: Prata,
Amazonas e a terceira margem do Rio
Aula 3 (história). Ao vencedor, as batatas: Guerra do Paraguai e a crise doméstica no
Império do Brasil.

Parte III. O Império do Brasil no segundo século 19


MÓDULO 10. O segundo século 19 e a reforma da escravidão
Aula 1 (historiografia). Nem raio de um céu sem nuvens nem arrancada pelos cabelos:
a gênese da Lei do Ventre Livre no Império do Brasil
Aula 2 (história). A cisão entre o Estado imperial e o Vale do Paraíba escravista:
argumentos contra e a favor da escravidão negra no Brasil

MÓDULO 11. Reforma do sistema político imperial: voto e soberania nacional


Aula 1 (historiografia). Regime representativo brasileiro oitocentista:
parlamentarismo às avessas?
Aula 2 (história). A reforma política de 1881: trabalho e cidadania no Império do
Brasil

MÓDULO 12. A abolição da escravidão negra no Império do Brasil


Aula 1 (historiografia). Economia, política, subalternos: o que vem depois do dilúvio?
Aula 2 (história). Abolicionistas e condições sistêmicas globais do abolicionismo

MÓDULO 13. Utopias e distopias no fim do Império (entrega das resenhas)


Aula 1 (historiografia). Por que o Império colapsou: federalismo e abolição
Aula 2 (história). O Vale e o Império: divórcio in extremis
Bibliografia
ALENCASTRO, Luiz Felipe. História da Vida Privada. Vol. Império. São Paulo: Cia
das Letras, 1998.
ALEXANDRE, Valentim. Os sentidos do império: questão nacional e questão colonial
na Crise do Antigo Regime Português. Porto: Afrontamento, 1993.
ALMEIDA, Paulo Roberto de. Formação da diplomacia econômica do Brasil. As
relações econômicas internacionais no Império. São Paulo: Editora Senac;
Brasília: FUNAG, 2001.
ALONSO, Angela. Flores, votos e balas: o movimento abolicionista brasileiro (1868-
1888). São Paulo: Cia. das Letras, 2015.
AMOROSO, Marta. Terra de índio: imagens em aldeamentos do Império. São Paulo:
Terceiro Nome, 2014.
ANDRADE, Marcos Ferreira de, “A pena de morte e a revolta dos escravos de
Carrancas: a origem da ‘lei nefanda’ (10 de junho de 1835)”. Tempo, v. 23, n. 2
(maio-ago), 2017: 265-289.
ARAUJO, Valdei Lopes de. A experiência do tempo: conceitos e narrativas na
formação nacional brasileira (1813-1845). São Paulo: Hucited, 2008.
ARRUDA, Jobson. Uma colônia entre dois impérios: a abertura dos portos brasileiros,
1800-1808. Bauru, SP: Edusc, 2008.
AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda Negra, Medo Branco. O Negro no
Imaginário das Elites, século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
AZEVEDO, Elciene. O direito dos escravos: lutas jurídicas e abolicionismo na
província de São Paulo. São Paulo: Unicamp, 2010.
BARICKMAN, Bert. Um contraponto baiano: açúcar, fumo, mandioca e escravidão no
Recôncavo, 1780-1860. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
BARMAN, Roderick. Imperador cidadão. São Paulo: Editora Unesp, 2012.
BERGAD, Laird. Escravidão e história econômica: demografia de Minas Gerais, 1720-
1888. Bauru, SP: Edusc, 2004.
BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos no Brasil: A Grã-Bretanha, o
Brasil e a questão do tráfico de escravos, 1807-1869 (1ª ed. em inglês, 1970).
Trad. de Vera Neves Pedroso. Rio de Janeiro: Editora Expressão e
Cultura/Editora da Universidade de São Paulo, 1976.
BERBEL, Márcia. A nação como artefato: deputados do Brasil nas Cortes portuguesas,
1821-1822. São Paulo: Hucitec, 1998.
CANABRAVA, Alice Piffer. O algodão em São Paulo, 1861-1875 (1951). São Paulo:
Queiroz, 1974.
CARVALHO, José Murilo de e NEVES, Lucia Maria Bastos Pereira das (org.).
Repensando o Brasil do Oitocentos. Cidadania, política e liberdade. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.
CARVALHO, José Murilo de. “Escravidão e razão nacional”. Dados: Revista de
Ciências Sociais, vol. 31, núm. 3 (1988): 287-308.
CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem. Teatro de sombras (1ª ed.,
respectivamente, 1980 e 1988). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 4ª ed. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
CASTRO, Antônio Barros de. 7 ensaios sobre a economia brasileira. Rio de Janeiro:
Forense Universitária, 1980.
CERVO, Amado Luiz. O parlamento brasileiro e as relações exteriores (1826-1830).
Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1981.
CERVO, Amado Luiz e Clodoaldo Bueno. História da política exterior do Brasil.
Brasília, UNB, 2010.
CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil
oitocentista. São Paulo: Cia. das Letras, 2012.
CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da
escravidão na Corte. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.
CONRAD, Robert. Os Últimos Anos da Escravatura no Brasil, 1850-1888. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
COSTA, Emília Viotti da. Da monarquia à república, momentos decisivos. São Paulo,
Brasiliense, 1987.
COSTA, Emília Viotti da. Da senzala à colônia (1966). São Paulo: Unesp, 1998.
COSTA, Wilma Peres. A espada de Dâmocles: O exército, a Guerra do Paraguai e a
crise do Império. São Paulo, Hucitec: Campinas, Editora da UNICAMP, 1995.
CUNHA, Manuela Carneiro da. Negros, estrangeiros: os escravos libertos e sua volta à
África. Ed. revista e ampliada. São Paulo: Cia. das Letras, 2012.
DANTAS, Monica Duarte (org.). Revoltas, motins, revoluções: homens livres pobres e
libertos no Brasil do século XIX. São Paulo: Alameda Editorial, 2011.
DEAN, Warren. Rio Claro. Um Sistema Brasileiro de Grande Lavoura, 1820-1920. São
Paulo: Paz e Terra, 1977.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva, “Sociabilidades sem história: votantes pobres no
Império, 1824-1881”, in Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo:
Editora Contexto / Bragança, Universidade São Francisco, 1998.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. A interiorização da metrópole e outros ensaios. São
Paulo: Alameda, 2005.
DOLHNIKOFF, Miriam et alli. “Representação política no Império. Crítica à ideia do
falseamento institucional”, in LAVALLE, Adrian Gurza (org.). El horizonte de
la política: Brasil y la agenda contemporânea de investigación en el debate
internacional. México, CIESAS, 2011, pp. 125-166.
DOLHNIKOFF, Miriam. “Governo representativo e legislação eleitoral no Brasil do
século XIX”. Journal of Iberian and Latin American Research, v. 20, 2014, pp.
66-82.
DOLHNIKOFF, Miriam. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil do século
XIX. São Paulo: Globo, 2005.
DORATIOTO, Francisco. Maldita Guerra: nova história da Guerra do Paraguai. São
Paulo: Cia. das Letras, 2005.
FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação
sociológica. São Paulo: Globo, 2005.
FERNANDES, Florestan. Circuito fechado: quatro ensaios sobre o poder institucional.
São Paulo: Hucited, 1976.
FLORENTINO, Manolo e José Roberto Góes. A paz das senzalas: famílias escravas e
tráfico atlântico, c. 1790-1830. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.
FLORENTINO, Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico de escravos entre a
África e o Rio de Janeiro (1997). São Paulo: Cia. das Letras, 2002.
FLORY, Thomas. El juez de paz y el jurado en el Brasil imperial, 1808-1871. México:
Fondo de Cultura Econômica, 1986.
FRAGA FILHO, Walter. Encruzilhadas da liberdade: histórias de escravos e libertos
na Bahia (1870-1910). Campinas: Ed. Unicamp, 2006.
FRAGOSO, João e Manolo Florentino. O arcaísmo como projeto: mercado atlântico,
sociedade agrária e elite mercantil em uma economia colonial tardia. Rio de
Janeiro, c. 1790-1830. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
FRAGOSO, João. Barões do café e o sistema agrário escravista: Paraíba do Sul, Rio
de Janeiro (1830-1888). Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.
FRANCO, Maria Silva de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo:
Káiros, 1983.
FREIRE, Jonis. Escravidão e família escrava na Zona da Mata Mineira oitocentista.
São Paulo: Alameda, 2014.
FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil (1958). São Paulo: Cia. Nacional,
2003.
GOMES, F. S. e REIS, J. J., (orgs.). Liberdade por um Fio. História dos Quilombos no
Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996.
GOMES, Flávio dos Santos. A Hidra e os Pântanos. São Paulo: UNESP, 2005.
GOMES, Flávio dos Santos. Histórias de quilombolas: mocambos e comunidades de
senzalas no Rio de Janeiro, século XIX. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.
GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. O império das províncias: Rio de Janeiro, 1822-
1889. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
GRAHAM, Richard. Clientelismo e política no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro,
Editora da UFRJ, 1997.
GRAHAM, Richard. Alimentar a cidade: das vendedoras de rua à reforma liberal
(Salvador, 1780-1860). São Paulo: Cia. das Letras, 2013.
GRINBERG, Keila e Ricardo Salles. O Brasil Imperial. Rio de Janeiro, Civilização
Brasileira, 2009, 3 vols.
GUIMARÃES, Elione Silva e Márcia Motta (orgs.). Campos em disputa: história
agrária e companhia. São Paulo: Annablume, 2007.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. História Geral da Civilização Brasileira, tomo II,
vols.1 a 5. São Paulo: Difel, 1960-1972.
HORNER, Eric. Até os limites da política: a “Revolução Liberal” de 1842 em São
Paulo e Minas Gerais. São Paulo: Alameda, 2014.
JANCSÓ, István (org.). Independência: História e Historiografia. São Paulo: Hucitec-
Fapesp, 2005.
KARASH, Mary. A vida dos escravos no Rio de Janeiro, 1808-1850. São Paulo: Cia.
das Letras, 2000.
LAMOUNIER, Maria Lúcia. Da escravidão ao trabalho livre. A lei de locação de
serviços de 1879. Campinas (SP), Papirus, 1988.
LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime
representativo no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2012.
LENHARO, Alcir. As Tropas da Moderação. São Paulo: Símbolo, 1979.
LESSER, Jeffrey. A invenção da brasilidade: identidade nacional, etnicidade e
políticas de imigração. São Paulo: Editora Unesp, 2015. 291p.
LIMA, Ruy Cirne. Pequena história territorial do Brasil: sesmarias e terras devolutas
(1954). São Paulo: Secretaria do Estado da Cultura, 1990.
LOURENÇO, Thiago. A indiscrição como ofício: o complexo cafeeiro revisitado (Rio
de Janeiro, c. 1830-1888). Tese. Niterói: UFF, 2015.
LUNA, Francisco Vidal e KLEIN, Herbert S. Escravismo no Brasil. São Paulo:
Edusp/Imprensa Oficial, 2010.
LUNA, Francisco Vidal e KLEIN, Herbert S. Evolução da Sociedade e Economia
Escravista de São Paulo, de 1750 a 1850. São Paulo: Edusp, 2006.
LYNCH, Christian. Da monarquia à oligarquia: história institucional e pensamento
político brasileiro (1822-1930). São Paulo: Alameda, 2014.
MACHADO, Maria Helena P. T. Crime e escravidão: trabalho, luta e resistência nas
lavouras paulistas, 1830-1888. São Paulo: Brasiliense, 1987.
MACHADO, Maria Helena P. T. e Celso T. Castilho (orgs). Tornando-se livre: agentes
históricos e lutas sociais no processo de abolição. São Paulo: Edusp, 2015.
MACHADO, Maria Helena. O plano e o pânico: os movimentos sociais na década da
abolição. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, São Paulo: Edusp, 1994.
MALERBA, Jurandir. A independência brasileira: novas dimensões. Rio de Janeiro:
FGV, 2006.
MALERBA, Jurandir. Os brancos da lei: liberalismo, escravidão e mentalidade
patriarcal no Império do Brasil. Maringá, PR: Eduem, 1994.
MAMIGONIAN, Beatriz. Africanos livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil.
São Paulo: Cia. das Letras, 2017.
MARCILIO, Maria Luiza. Crescimento demográfico e evolução agrária paulista
(1700-1836). São Paulo: Hucitec, 2000.
MARQUESE, Rafael; Tâmis Parron e Márcia Berbel. Slavery and Politics: Brazil and
Cuba, 1790-1850. Albuquerque: University of New Mexico Press, 2016.
MARTINS, José de Souza. O cativeiro da terra (1986). São Paulo: Hucited, 1990.
MATTOS, Hebe e Ana Lugão Rios. Memórias do cativeiro: família, trabalho e
cidadania no pós-abolição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.
MATTOS, Hebe Maria. Escravidão e cidadania no Brasil monárquico. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar, 2000.
MATTOS, Hebe. Ao sul da história: lavradores pobres na crise do trabalho escravo.
Rio de Janeiro: FGV, 2009.
MATTOS, Hebe. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no sudeste
escravista. Brasil, século 19 (1995). Campinas, SP: Ed. Unicamp, 2013.
MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema: a formação do Estado imperial
(1986). São Paulo: Hucitec, 2004.
MAXWELL, Kenneth. Chocolates, Piratas e Outros Malandros. Ensaios Tropicais.
Paz & Terra, São Paulo, 1999.
MELLO, Evaldo Cabral de. A outra independência. O federalismo pernambucano de
1817 a 1824. São Paulo: Editora 34, 2004.
MELLO, Evaldo Cabral de. O norte agrário e o império. Rio de Janeiro: Topbooks,
1984.
MELLO, João Manuel Cardoso de. O capitalismo tardio. São Paulo: Brasiliense, 1982.
MELLO, Pedro Cardoso de. A economia da escravidão nas fazendas de café, 1850-
1888. Rio de Janeiro, PNPE/IPEA, 1984, 2 vols.
MELLO, Zélia Cardoso de. Metamorfoses da Riqueza. São Paulo, 1845-1895. São
Paulo: Editora Hucitec, 1990.
MELO, José Evando. O açúcar no vale do café: engenho central de Lorena, 1881-1891.
São Paulo: Alameda, 2012.
MENDONÇA, Joseli Maria Nunes. Entre a Mão e os Anéis: A Lei dos Sexagenários e
os Caminhos da Abolição no Brasil. Campinas, SP: Unicamp/Cecult/Fapesp,
1999.
MOTA, Carlos Guilherme. 1822: Dimensões. São Paulo: Perspectiva, 1972.
MOTA, Carlos Guilherme. Brasil em Perspectiva. São Paulo: Difel, 1968.
MOTTA, José Flávio. Corpos escravos, vontades livres. Posse de cativos e família
escrava em Bananal (1801-1829). São Paulo: Annablume, 1999.
MOTTA, Márcia Maria Menendes. Nas fronteiras do poder: conflitos de terra e direito
agrário no Brasil de meados do século XIX. Rio de Janeiro: Vício de
Leitura/Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 1998.
MUAZE, Mariana e Ricardo Salles. O vale do Paraíba e o Império do Brasil nos
quadros da Segunda Escravidão. Rio de Janeiro: 7Letras, 2015.
MUAZE, Mariana. As memórias da viscondessa: família e poder no Brasil Império. Rio
de Janeiro: Zahar, 2008.
MUNIZ, Célia Loureiro. Os donos da terra. Dissertação. Niterói, Departamento de
História, UFF, 1979.
NEEDELL, Jeffrey Needell. “Formação dos partidos políticos no Brasil da Regência à
Conciliação”, Almanack Braziliense, n. 10, nov. de 2009, p. 5-22.
NETTO, Antônio Delfim. O problema do café no Brasil. São Paulo: Unesp/Facamp,
2009.
OLIVEIRA, Luís Valente de e Ricupero, Rubens (org.). A abertura dos portos. São
Paulo: Senac, 2007.
OLIVEIRA, Mônica Ribeiro de. Negócios de famílias: mercado, terra e poder na
formação da cafeicultura mineira, 1780-1870. Bauru, SP: Edusc, 2005.
OSCAR, João. Escravidão e engenhos. Campos, São João da Barra, Macaé, São
Fidélis. Rio de Janeiro: Achiamé, 1985.
PARRON, Tâmis, Alain El Youssef e Bruno Estefanes, “Vale expandido: contrabando
negreiro e a construção de uma dinâmica política nacional no Império do
Brasil.” Almanack, Guarulhos, núm. 7 (1º sem., 2014): 137-159.
PARRON, Tâmis. A política da escravidão no Império do Brasil, 1826-1865. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira: 2011.
PETRONE, Maria Thereza Schorer. A Lavoura Canavieira em São Paulo: Expansão e
Declínio (1765-1851). São Paulo: Difel, 1968.
PIMENTA, João Paulo. A Independência do Brasil e a experiência hispano-americana
(1808-1822). São Paulo: Hucitec, 2015.
PIROLA, Ricard. Escravos e rebeldes nos tribunais do Império: uma história social da
lei de 10 de junho de 1835. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2015.
PRADO JR. Caio. Evolução Política do Brasil e outros estudos. São Paulo: Brasiliense,
1961.
PRADO JR. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1963.
PRADO JR. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1961.
REIS, João José, “A Greve Negra de 1857 na Bahia”, Revista da USP, n. 18, 1993, pp.
6-29 (http://www.usp.br/revistausp/18/01-joaojose.pdf).
REIS, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e volta popular no Brasil do
século XIX. São Paulo: Cia. das Letras, 1991.
REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil. A história do levante dos Malês em 1835.
Ed. revista e ampliada. São Paulo: Cia. das Letras, 2003.
RIBEIRO, Gladys Sabina (org.). Brasileiros e cidadãos. São Paulo, Alameda, 2008.
RIBEIRO, João Luiz. No meio das galinhas as baratas não têm razão: a lei de 10 de
junho de 1835. Os escravos e a pena de morte no Império do Brasil, 1822-1889.
Rio de Janeiro: Renovar, 2005.
ROCHA, Antonio Penalves. A recolonização do Brasil pelas Cortes. São Paulo: Editora
Unesp, 2009.
RODRIGUES, Jaime. O infame comércio: propostas e experiências no final do tráfico
de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: Ed. da Unicamp, 2000.
SALLES, Ricardo. E o Vale era o escravo: Vassouras, século XIX: senhores e escravos
no coração do Império. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
SANTOS, Marco Aurélio dos. Geografia da escravidão no Vale do Paraíba cafeeiro:
Bananal, 1850-1888. São Paulo: Alameda, 2016.
SCHULTZ, Kirsten. Versalhes tropicais: império, monarquia e a corte real portuguesa
no Rio de Janeiro, 1808-1821. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
SCHULZ, John. A crise financeira da abolição (1996). São Paulo: Edusp, 2013.
SECRETO, María Verónica. (Des)medidos: a revolta dos quebra-quilos (1874-1876).
Rio de Janeiro: Mauad X, 2011.
SILVA, Eduardo. Barões e escravidão: três gerações de fazendeiros e a crise da
estrutura escravista. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.
SILVA, Lígia Osório. Terras devolutas e latifúndio: efeitos da lei de 1850. Campinas:
Ed. Unicamp, 1996.
SILVA, Lúcia Helena Oliveira. Paulistas afrodescendentes no Rio de Janeiro pós-
Abolição (1888-1926). São Paulo: Humanitas, 2016.
SILVA, Wlamir. Liberais e povo: a construção da hegemonia liberal-moderada na
província de Minas Gerais (1830-1834). São Paulo: Hucitec, 2009.
SLENES, Robert W. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da
família escrava. Brasil Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro, Nova Fronteira,
1999.
SLENES, Robert W., “Senhores e Subalternos no Oeste Paulista” in: Luiz Felipe
ALENCASTRO, História da Vida Privada no Brasil. Império: a corte e a
modernidade nacional, vol. 2. São Paulo: Cia das Letras, 1997, pp. 233-290.
SLENES, Robert. “Grandeza ou decadência? O mercado de escravos e a economia
cafeeira da província do Rio de Janeiro, 1850-1888.” Campinas, Unicamp, 1984
(mimeo).
STEIN, Stanley. Vassouras: um município brasileiro do café, 1850-1900. Rio de
Janeiro: Nova Fronteira, 1990.
STOLCKE, Verena e Michael Hall, “A introdução do trabalho livre nas fazendas de
café de São Paulo”. Revista Brasileira de História, n. 6, 1984.
SWEIGART, Joseph. Coffee Factorage and the Emergence of a Brazilian Capital
Market, 1850-1888. Nova York: Garland, 1987.
SZMERECSÁNYI, Tamás e José Roberto do Amaral Lapa. História econômica da
Independência e do Império. São Paulo: Edusp, 2002.
VENANCIO, Giselle; María Verónica Secreto; Gladys Sabina Ribeiro. Cartografias da
cidade (in)visível: setores populares, cultura escrita, educação e leitura no Rio
de Janeiro imperial. Rio de Janeiro: Mauad X, 2017.
VELLASCO, Ivan de Andrade. As seduções da ordem: violência, criminalidade e
administração da justiça. Minas Gerais, século 19. Bauru, SP: Edusc, 2004.
VERGER, Pierre. Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o golfo do Benin e a
Bahia de todos os santos, dos séculos XVII a XIX. São Paulo: Corrupio, 1987.
YOUSSEF, Alain El. Imprensa e escravidão: política e tráfico negreiro no Império do
Brasil (Rio de Janeiro, 1822-1850). São Paulo: Intermeios, 2016.