Vous êtes sur la page 1sur 17

CEFET

CEFET--SP
UNED
UNED--CUBATÃO
2008
Conhecimentos básicos de
Automação Industrial

J. Caruso - 2008

Definições
 Automação é um sistema de
equipamentos eletrônicos e/ou
mecânicos que controlam seu
próprio funcionamento, quase sem a
intervenção do homem.
 A automação possibilita fazer um
trabalho por meio de máquinas
controladas automaticamente,
capazes de se regularem sozinhas.

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 1
Justificativas
 Aumentar a produção e a produtividade
 Aumentar o rendimento
 Diminuir o consumo de energia
 Diminuir a emissão de poluentes
 Reduzir os produtos fora de especificação
 Melhorar a segurança
 Aumentar vida dos equipamentos
 Melhorar a operabilidade

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Classificação
 Conforme o tipo de aplicação
– Bancária
– Comercial
– Industrial
• Planejamento
• Projeto
• Produção
– Agrícola
– Comunicações
– Transporte

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 2
Classificação
 Automação industrial de produção
CATEGORIA DESCRIÇÃO
Processo de fluxo Sistema de produção contínua de grandes
quantidades de produto, normalmente pó ou
contínuo líquido. Exemplo: refinarias e indústrias
químicas.

Produção em massa Sistema de produção de um produto com


pouca variação. Exemplo: automóveis
(seriada) eletrodomésticos.

Produção em lotes Sistema de produção de uma quantidade


média de um produto que pode ser repetido
periodicamente. Exemplo: livros e roupas.

Produção individualizada Sistema de produção freqüente de cada tipo


de produto, em pouca quantidade. Exemplo:
(ferramentaria) protótipos, ferramentas e dispositivos.

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Aplicação
 Controle de fluxo de pessoas em academia de
ginástica; o sistema tem um leitor óptico e um
computador digital.
– Um associado deseja utilizar a academia
– Passa um cartão pessoal, com um código de barras, pelo leitor
óptico (elemento sensor).
– O dado de entrada é convertido em sinais elétricos e enviado
ao computador.
– O cliente é identificado (programa).
– Caso sua situação esteja em ordem (pagamento de
mensalidades, exame médico etc.), o computador envia um
sinal para liberação da catraca (elemento de acionamento) e
– Registra a ocorrência num banco de dados, para consultas
posteriores.

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 3
Automação – Histórico I
 Devido à necessidade de aumentar a
produção e a produtividade, surgiu
uma série de inovações tecnológicas
– máquinas modernas, capazes de produzir
com maior precisão e rapidez em relação ao
trabalho feito à mão;
– utilização de fontes alternativas de energia,
como o vapor, inicialmente aplicado a
máquinas em substituição às energias
hidráulica e muscular.

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Automação – Histórico II
 Por volta de 1788,
James Watt
desenvolveu um
mecanismo de
regulagem do fluxo
de vapor em
máquinas.
 Este pode ser
considerado um dos
primeiros sistemas
de controle com
realimentação
AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 4
Automação – Histórico III
 Por essa época, as
tabelas de
logaritmos, além das
de funções
trigonométricas
eram utilizadas para
cálculos precisos em
diversos campos da
ciência

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Automação – Histórico IV
 As tabelas apresentavam erros, que se
propagavam grandemente
 Charles Babbage nasceu na Inglaterra em
1791. Tendo atuado em muitas áreas
diferentes ao longo de sua vida
(matemática, economia, política); sua
principal contribuição foi com o projeto
de duas classes de máquinas que não
chegaram a ser concluídas: a máquina
diferencial e a máquina analítica

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 5
Máquina Analítica - Babbage
 Uma das máquinas
que compunham o
projeto da
máquina analítica.

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Automação – Histórico V
 A partir de 1870, também a energia
elétrica passou a ser utilizada e a
estimular indústrias como a do aço,
a química e a de máquinas-
ferramenta.
 O setor de transportes progrediu
muito graças à expansão das
estradas de ferro e da indústria
naval.

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 6
Automação – Histórico VI
 No século XX, a tecnologia da
automação passou a contar com
computadores, servomecanismos e
controladores programáveis.
– Os computadores são o alicerce de toda a
tecnologia da automação contemporânea.
• Por exemplo, ao entrarmos num banco para
retirar um simples extrato somos obrigados a
interagir com um computador.
• Passamos o cartão magnético, informamos nossa
senha e em poucos segundos obtemos a
movimentação bancária impressa.

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leitora de Cartões (Holerite)


 1880
– Nasce a International
Business Machines…
(IBM)

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 7
Automação – Histórico VII
 1948
– John T. Parsons desenvolve método de emprego de
cartões perfurados para o acionamento de fresadora
– Demonstrado o invento, a Força Aérea patrocinou
pesquisa, coordenados pelo laboratório de
servomecanismos do Instituto Tecnológico de
Massachusetts (MIT). O MIT desenvolveu um
protótipo de uma fresadora com três eixos dotados
de servomecanismos de posição
– Início do desenvolvimento de máquinas
automáticas que deram origem ao “Comando
Numérico”

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Automação – Histórico VIII


 MIT desenvolveu uma linguagem de
programação que auxilia a entrada
de comandos de trajetórias de
ferramentas na máquina
– Linguagem APT (do inglês, Automatically
Programmed Tools, ou “Ferramentas
Programadas Automaticamente”).

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 8
Automação – Histórico IX
 Os robôs (do tcheco robota, que
significa “escravo, trabalho
forçado”) substituíram a mão-de-
obra no transporte de materiais e
em atividades perigosas.
– O robô programável foi projetado em 1954
pelo americano George Devol, que mais
tarde fundou a fábrica de robôs Unimation.
Poucos anos depois, a GM instalou robôs em
sua linha de produção para soldagem de
carrocerias.

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Automação – Histórico X
 Nos anos 50, surge a idéia da
computação gráfica interativa
– Forma de entrada de dados por meio de
símbolos gráficos com respostas em tempo
real. O MIT produziu figuras simples por
meio da interface de tubo de raios catódicos
(idêntico ao tubo de imagem de um
televisor) com um computador.
 Em 1959, a GM começou a explorar
a computação gráfica.
AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 9
Automação – Histórico XI
 Anos 60: o termo CAD (do inglês
Computer Aided Design ou “Projeto
Auxiliado por Computador”)
– Indicativo dos sistemas gráficos orientados para
projetos.
 Anos 70: frutos dos anos 60, setores
governamentais e industriais passaram a
reconhecer a importância da computação
gráfica como forma de aumentar a
produtividade

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Automação – Histórico XII


 Década de 1980: pesquisas visaram à
integração e/ou automatização dos
diversos elementos de projeto e
manufatura com o objetivo de criar a
fábrica do futuro
– O foco foi expandir os sistemas CAD/CAM (Projeto
e Manufatura Auxiliados por Computador).
Desenvolveu-se o modelamento geométrico
tridimensional com mais aplicações de engenharia
(CAE – Engenharia Auxiliada por Computador).
– Alguns exemplos dessas aplicações são a análise e
simulação de mecanismos, o projeto e análise de
injeção de moldes e a aplicação do método dos
elementos finitos.

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 10
Automação – Histórico XIII
 Hoje: conceitos de integração total
do ambiente produtivo com o uso
dos sistemas de comunicação de
dados e novas técnicas de
gerenciamento estão se
disseminando rapidamente.
– O CIM (Manufatura Integrada por
Computador) já é realidade há algum
tempo.
– Realidade virtual - ????
AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

 Sugestão
– Pesquisa: “A evolução dos computadores”
• Eniac
• Computadores transistorizados
• Computadores com Circuitos Integrados
• Programação de computadores e linguagens de
programação

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 11
Automação - elementos
 Acionamento: provê o sistema de energia
para atingir determinado objetivo.
– É o caso dos motores elétricos, pistões hidráulicos
etc.;
 Sensoriamento: mede o desempenho do
sistema de automação ou uma
propriedade particular de algum de seus
componentes.
– Exemplos: termopares para medição de temperatura
e encoders para medição de velocidade;

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Automação - elementos
 Controle: utiliza a informação dos sensores para
regular o acionamento.
– Exemplo, para manter o nível de água num reservatório,
usamos um controlador de fluxo que abre ou fecha uma
válvula, de acordo com o consumo. Mesmo um robô requer
um controlador, para acionar o motor elétrico que o
movimenta;
 Comparador ou elemento de decisão o: compara
os valores medidos com valores
preestabelecidos e toma a decisão de quando
atuar no sistema.
– Exemplos, podemos citar os termostatos e os programas de
computadores;
 Programas: contêm informações de processo e
permitem controlar as interações entre os
diversos componentes.

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 12
Automação - elementos
 Acionamento  Comparador
 Sensoriamento  Programa
 Controle

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Automação de processo

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 13
Automação de processo

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Exemplo
 Processo: líquido aquecido por vapor, em
tanque
– Temperatura do líquido: 80 oC

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 14
Exemplo
 Bulbo oco preenchido com gás, ligado a
um medidor de pressão através de capilar

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Exemplo
 Medida da pressão do gás permitirá uma
determinação bastante precisa da
temperatura

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 15
Exemplo
 O instrumento é dotado de um contato
elétrico, que é fechado quando a
temperatura esta abaixo de 80oC e aberto
quando a mesma está acima desse valor

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Exemplo
 O contato elétrico é utilizado para ligar válvula
solenóide que permitirá a passagem de vapor
sempre que a temperatura estiver abaixo de
80oC, fechando-se ao ser ultrapassada essa
temperatura

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 16
Exemplo
 No processo que estamos estudando, a
variável controlada é a temperatura do
fluido, que podemos chamar de meio
controlado.
 O controle é obtido por meio de ação
sobre a vazão de vapor, variável
manipulada, referente ao vapor, agente
de controle.
– A variável controlada é uma grandeza física que
pode ser medida, tal como temperatura, pressão,
nível, vazão, etc. A variável manipulada é, em geral,
a vazão de um fluido.

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Page 17