Vous êtes sur la page 1sur 3

FACULDADES EST

Bacharelado em Teologia – Programa de Integralização

Aluno: Lucas Soares dos Santos.

Disciplina:Pedagogia e Correntes Pedagógicas .

Professor: Profª Drª Laude Brandenburg.

Síntese: KLEIN, Remí -A PERGUNTA SOB UM OLHAR NO PROCESSO EDUCATIVO-


RELIGIOSO.
O homem como ser inacabado é impulsionado pela curiosidade do que lhe falta para ser
completo, e isso faz com que ele pergunte. Ele questiona a si próprio e o mundo ao seu
redor em busca de respostas para ser completo, mas descobre que a medida que pergunta e
obtém respostas mais perguntas surgem para serem feitas. A curiosidade esta na vida de
todo homem e a pergunta é instrumento da curiosidade para se “alimentar” do
conhecimento adquirido.
O autor expõe aos seus leitores a pergunta como instrumento pedagógico, a pergunta toma
lugar de suma importância para o aprendizado visto que a pergunta esta na vida humana
desde do momento que surge a curiosidade na criança.

Em Sócrates já é possível visualizar o usos de uma pedagogia da pergunta. O importante


filosofo não respondia de maneira afirmativa, mas respondia com outra pergunta. Ele
acreditava que através de perguntas o diálogo seria mais reflexível, podendo chegar até a
verdade.

O questionamento não poderia estar ausente da religião, com Lutero é introduzida a


pedagogia da pergunta através de um Catecismo religioso. Seu método era baseado na
resposta dos pais aos questionamentos dos filhos. A partir da curiosidade da criança o Pai
inicia o processo do ensino religioso do seu filho respondendo perguntas a partir da
curiosidade que aparece no filho, o desejo de ser mais.

A Pergunta surge a partir do desejo de saber mais sobre alguma coisa que já se conhece ou
alguma que deseja conhecer, o questionamento abre a mente para novos questionamentos, a
cada nova pergunta surge uma outra para a parte da curiosidade que não foi totalmente
saciada. Os professor portanto, a partir da exposição do autor, deve estimular em seus
alunos e em si mesmo o desejo de perguntar. Questionar faz com que o homem permaneça
em um processo de aprendizado, sempre esta consciente da sua realidade incompleta e, ter
essa realidade à mente, faz com ele pegunte. É possível visualizar em Freire, como
demonstra o autor do texto, essa pedagogia da pergunta no seguinte texto:

“ Como professor devo saber que sem a curiosidade que me move, que me
inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino. Exercer a minha
curiosidade de forma correta é um direito que tenho como agente e a que
corresponde o dever de lutar por ele, o direito à curiosidade. […]”
( FREITE, 1996,P.95-96)

Toda resposta fecha o caminho do saber, quando a resposta é a base da educação tende-se a
ter uma educação reduzida a ter uma resposta se contentar com o que se escuta . É por esse
motivo que a pedagogia para o ensino religioso pode alcançar melhor exito quando a
pergunta é introduzida como base para essa pedagogia. faz-se necessário a seguinte citação
que o autor também utiliza:
“ O Ensino Religioso tem ( ou pode ter) um conteúdo instigante. A
metodologia usada pode acentuar ou abafar essa característica . Acontece
que nossas crianças e nossos jovens estão de horizonte encurtados e então a
curiosidade encolhe junto. Nossa primeira tarefa, portanto, seria despertar o
“perguntador” que todo ser humano já foi” (MOTTA, Therezinha,
2003,p.1)

As respostas obtidas com as perguntas feitas em uma aula de Ensino Religioso não são
importantes, o resultado da pergunta não é o mais importante, mas como o autor
demonstra, o desejo de perguntar sempre é a peça principal no processo de ensino. Não
se deve estimular o aluno a receber repostas que lhe agradam, mas a perguntas que o
deixam inquieto, desejoso por mais perguntas e mais repostas.

Jesus é um bom exemplo do uso da pedagogia da pergunta. Por várias vezes ele
respondia aos seus ouvintes ou questionadores com outra pergunta. O Mestre não dava
meras respostas, mas levava o ouvinte a perguntar mais a partir de perguntas feitas a ele
mesmo e assim tirar suas conclusões.

A partir dessas exposições autor começar a identificar de maneira prática o lugar da


pergunta na pedagogia do Ensino Religioso. A proposta é que o conteúdo seja trabalho
a partir dos questionamentos dos educandos. As respostas do professor são, nesse
exemplo, instrumentos para gerar mais curiosidade e consequentemente mais
perguntas. O desafio portanto é que o educador saiba discernir que haverá o momento
de ensinar os seus alunos que nem sempre eles obterão respostas iguais a que
esperavam, o professor portanto deve ensinar aos seus alunos que as diferentes
respostas mostram a diversidade de crenças diferentes sobre um mesmo tema.

Após levar os seus leitores a uma reflexão sobre a pedagogia da pergunta a partir de
Lutero, Jesus e outros autores o autor do texto termina sua exposição nos desafiando ao
Ensino Religioso que enfatiza a busca pelo transcendente e em responder todas as
perguntas dos seus alunos.