Vous êtes sur la page 1sur 77

ARTE GREGA

O IMPÉRIO DO BELO
ARTE
A palavra arte vem do latim ars e corresponde
ao termo grego techne, técnica, significando: o que
é ordenado ou toda espécie de atividade humana
submetida a regras. Em sentido lato, significa
habilidade, destreza, agilidade. Em sentido estrito,
instrumento, ofício, ciência. Seu campo semântico
se define por oposição ao acaso, ao espontâneo e
ao natural. Por isso, em seu sentido mais geral, arte
é um conjunto de regras para dirigir uma atividade
humana qualquer.
Marilena Chauí – Convite à Filosofia
Istambul

TURQUIA

GRÉCIA

Atenas
MICENAS
Esparta

CRETA
ARTE NA CIVILIZAÇÃO EGEIA OU
MINÓICA – apogeu 1700 a.C. a 1400 a.C..
ARTE COM TRAÇOS MENOS RÍGIDOS QUE OS DA
CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA
Palácio do rei Mimos - CNOSSO - Ilha de Creta
RECONSTITUIÇÃO
Ruínas do Palácio de Cnossos
1700 a 1500 a.C
Deusa-serpente
minoica

(c. 1500 a.C.)


Palácio de
Cnossos
ARTE NA CIVILIZAÇÃO MICÊNICA
1600 a.C. a 1100 a.C. – aprox.

TUMBA DOS ÁTRIDAS

PORTA DOS LEÕES


(SÉC. XIV a.C.)
MÁSCARA MORTUÁRIA
moldada em relevo em
uma única folha de ouro.
Data: -1550 / -1500
Atenas, National Archaeological Museum
Afrescos e cerâmica
Cultura micênica
A pintura em cerâmica grega pode ser caracterizada
em duas fases: a primeira, em que as figuras são
representadas em negro; e a segunda, em que as
figuras têm a coloração natural do barro, geralmente
chamada de fase vermelha.
PERÍODO ARCAICO
da formação das cidades-Estados (séc. VII a.C) até as
Guerras Greco-Pérsicas (V a.C.)

KOUROS
E KORÉ
Séc. VII
a.C.
Da esquerda para a direita apresentamos o método grego de lavrar a
pedra no período arcaico e clássico. As duas últimas imagens são
respectivamente: a estátua Koûros (altura 184 cm, do século VII a. C.)
e a estátua Koûros de Anavisso (altura 194 cm, do século VI a. C.).
Os escultores gregos do período arcaico
tinham uma predileção por representar
o corpo humano em posições
simetricamente equilibradas.
A KORÉ DE
PEPLOS
Estátua de
mármore
pintado
Data: -530
PERÍODO CLÁSSICO
das Guerras Greco-Pérsicas (séc. V a.C.)
até o fim da Guerra do Peloponeso (séc. IV a.C.)

ATHENA
DISCOBOLO PARTHENON
c. 450 a.C. 447-432 a.C
Cópia FÍDIAS
romana de Cópia
romana em
original pedra de
grego em original em
bronze. madeira,
marfim e
ouro.
O "deus do cabo
Artemísio", original
grego em bronze do
período clássico.
C. 460 a.C.
Museu Nacional -
Atenas
Doríforo (portador de
lança)
de Policleto
Cópia romana do original
grego de cerca de 450-
440 a.C.
Museu arqueológico de
Nápoles

PERÍODO CLÁSSICO
Detalhes do conjunto
escultório de mármore
do Templo Partenon,
conhecido por
mármores de Elgin, c.
440 a.C.
Museu Britânico -
Londres
PERÍODO HELENÍSTICO
do séc. IV a.C. até o séc. II a.C.
Em 146 a.C. a Grécia viria a ser dominada por Roma

Hagesandro,
Atenodoro e
Polidoro de
Rodes
LAOCOONTE E
Vitória da SEUS FILHOS
Samotrácia c. 175 – 50 a.C.

c. 190 a.C.
QUAIS SÃO AS ORDENS DA
ARQUITETURA GREGA?
DÓRICA

JÔNICA

CORÍNTIA
p. 84
Na arquitetura grega do
século V a. C., eram
empregadas duas ordens: a
dórica e a jônica.

A ordem denominada
jônica era mais
ornamentada que a
ordem dórica.
A ordem DÓRICA é
a mais antiga e a
mais simples: a
colunas não tem
base, tem corpo
canelado e um
capitel simples.
Templo de Hefesto - Templo grego dórico 449 a.C.
A ordem era baseada no diâmetro de uma
coluna, sendo as mesmas de 4 a 6 vezes mais
altas do que o diâmetro do fuste.
A ordem JÔNICA é
delgada e mais
decorada: o capitel é
ornado com volutas; as
colunas tem a base
em pedestal e
caneluras mais
profundas.
Templo a Atena Nike, Atenas, de Calicrates 448-421 a.C.
Sua marca é a voluta em um capitel jônico, que lembra
as pontas enroladas de um pergaminho. O fuste de cada
coluna é 8 a 9 vezes maior que seu diâmetro, com 24
estrias.
Na ordem CORÍNTIA, a mais
recente, que é ainda mais
delgada, o capitel é inspirado
em folhas de acanto. Os
gregos adaptaram-no quase
que exclusivamente para os
interiores, e os romanos
utilizaram-no posteriormente
com mais freqüência.
Templo de Zeus em Olímpia 460 a.C.
Na Grécia clássica, onde o credo era “nada em excesso”, as
colunas coríntias eram raras e usadas exclusivamente para
interiores.
CONVIVENDO COM A ARQUITETURA GREGA:
EXTRAIA CARACTERÍSTICAS DOS
TEMPLOS QUE SEGUEM...
ATHENAS PARTHENOM, c. 447-432 a.C
“Templo grego do antigo estilo, o qual recebeu a designação
de dórico em atenção à tribo do mesmo nome. Era essa a
tribo a que pertenciam os espartanos, célebres por sua
austeridade” (GOMBRICH, 1999)
Templo de Atena Pronaia em
Delfos
Colunas de estilo dórico,
mármore, formato circular
("tholos")
Data: c. -380
Erécteion – Acrópole de Atenas –
421-405 a.C.
Ruínas de Pérgamo
Cerca de II a.C. na cidade
grega de Pérgamo.
Ruínas de Éfeso – séc. II a. C.
Teatro Grego

O teatro, na Grécia antiga, nasce em função


das manifestações em homenagem ao deus
do vinho, Dioniso ou Baco (em Roma). A cada
nova safra de uva, era realizada uma festa em
agradecimento ao deus, através de
procissões.
Simulação do teatro de Epidauro, 350-330 aC.
Capacidade para 13 mil pessoas em 55 fileiras de
arquibancadas.
Teatro de Dionísio Eleutério, em Atenas.
Planta do teatro de Dionísio
Eleutério, em Atenas.
Em Éfeso, a via chamada de Arcadiana vai desde o porto até o
teatro. A via é ladeada por colunas coríntias, 200 aC.
Teatro de Éfeso
Helenístico – séc. II a. C
Teatro de Pérgamo, O teatro de Pérgamo era o mais íngreme
teatro da antiguidade, construído sobre a encosta do morro.
Consistia de 87 linhas divididas em três secções por duas
camadas e podia receber até 10.000 pessoas.
Teatro de Heródes Ático construído em Atenas durante
o Império Romano.
• Os atores representavam usando
máscaras e túnicas de acordo com o
personagem
PRINCIPAIS INSTRUMENTOS
Lira, a Cítara e o Aulos
ARTE ROMANA
Arte de conquistadores
“A mais notável realização dos
romanos ocorreu, provavelmente, na
área da engenharia civil” (GOMBRICH,1999).
BANHOS
PÚBLICOS

AQUEDUTOS
ESTRADAS
O mais famoso dos edifícios é, talvez, a
gigantesca arena conhecida como Coliseu
O Coliseu (Anfiteatro Flávio)
Roma, 80 d.C.
Construir um arco com pedras separadas em forma de
cunha é uma dificílima façanha da engenharia.
Ao dominarem essa técnica, construíram: pontes,
aquedutos e tetos em abóbadas.
DOMUS
ROMANA

1. fauces (entrada)
2. tabernae (lojas, oficinas)
3. atrium (átrio)
4. impluvium (cisterna)
5. tablinum (escritório)
6. hortus (orto)
7. triclinium (sala de jantar)
8. alae (divisões laterais)
9. cubiculum (quarto)
INSULA
ROMANA
Arcos triunfais – Itália, França, África
do Norte e Ásia.

Arco triunfal de Tibério Orange, sul da França, c. 14-37 d.C.


Arco triunfal de Tito
81 d.C.
Coluna de Trajano,
Roma, c. 114 d.C.
PANTEÃO – gigantesca rotunda com teto em
abóbada e uma abertura circular no topo.
Panteão romano – 27 a. C original
"Construído por Marco Agripa, filho de Lúcio, pela terceira vez cônsul".
Busto de Lucius Verus
161 a.C.
Estátua do Imperador
Otávio Augusto
(63 a.C – 14 d.C)
Imperador
Vespasiano,
c. 70 d.C.
Afresco romano
c. 60 a.C.
Afresco romano - Afresco da Villa dos
Mistérios
Pompéia – c. 50 a.C.
NATUREZA - MORTA
RETRATOS ROMANOS
Casa do poeta trágico - Pompeia