Vous êtes sur la page 1sur 6

Os principais sintomas do transtorno de ansiedade social são:

● medo de ser avaliados por outras pessoas em situações sociais;


● medo de que a ansiedade seja evidente para os outros e que alguém seja
ridicularizado;
● tendência para evitar essas situações ou tolerá-las com extremo desconforto.
No decorrer de um ano, cerca de 7% dos adultos irão sofrer de ansiedade social, e para
muitos, estes problemas persistem durante anos, muitas vezes acompanhados de depressão e
de abuso de álcool. As pessoas com ansiedade social muitas vezes não conseguem o que se
poderia esperar delas, por causa de sua dificuldade de enfrentar as pessoas e lidar com o
desconforto de situações sociais. Curiosamente, embora as mulheres sejam mais propensas
que os homens a sofrer de ansiedade social (proporção de 1,5: 1), os homens são mais
propensos do que as mulheres a procurar tratamento, possivelmente porque os homens em
nossa cultura devem ser mais assertivos e confiantes socialmente.

Aqui está como muitas pessoas que são ansiosas socialmente pensam:

● Se eu estiver ansioso, então as pessoas irão perceber a minha ansiedade.


● Se as pessoas veem que você está ansioso, então eles vão pensar que você é um
perdedor.
● Eu deveria sempre parecer confiante e seguro.
● Eu tenho que obter a aprovação de todos.
● É péssimo não ter a aprovação das pessoas.
● Existe uma maneira certa- uma maneira perfeita - de fazer as coisas socialmente.
● Eu deveria sempre agir de maneira perfeita quando estou diante de outras pessoas

E as pessoas que estão ansiosas socialmente muitas vezes se envolvem em "comportamentos


de segurança" - que são essencialmente, comportamentos supersticiosos que as pessoas
pensam que podem torná-las mais seguras e menos propensas a se expor em público. As
crenças mais comuns em relação aos comportamentos de segurança incluem:

● Se eu segurar um copo bem firme, então minha mão não vai tremer
● Se eu falar muito rápido, as pessoas não vão pensar que eu sou um perdedor e não
tenho nada a dizer.
● Se eu beber um pouco, eu posso me sair melhor.
● Se eu preparar e ler a minha fala, então eu não vou me perder
● Se eu usar uma jaqueta, eles não vão ver que eu estou suando.
Quando pessoas socialmente ansiosas entram em uma situação, elas antecipam como elas irão
agir e se preocupam sobre como irão parecer burras diante dos outros. Ao interagir com as
pessoas, as pessoas ansiosas pensam que os outros estão percebendo cada sinal de sua
ansiedade e julgando-as, e quando elas terminam, elas se envolvem em uma revivência da
situação, onde passam a rever seu desempenho a partir da perspectiva crítica a seu próprio
respeito. Se você tem ansiedade social, provavelmente você pode se ver nos seguintes
exemplos de preocupações típicas de ansiedade social quando você está em um encontro ou
quando conversa com as pessoas:

● ANTES DE UMA INTERAÇÃO: As pessoas vão perceber que eu estou ansioso.


Minha mente vai ficar em branco. Minha mão vai tremer. Mesmo que algumas
pessoas gostem de mim, sempre vão exister pessoas que não vão gostar. Se eu parecer
ansioso, vai ser horrível. Aposto que ninguém mais tem esses medos de falar diante
dos outros.

● DURANTE A INTERAÇÃO: Ela pode ver que eu estou ansioso. Ela está vendo
minhas mãos tremendo. Eu nunca vou conseguir conduzir uma conversa. Eu perdi a
minha linha de pensamento. Mesmo que eu esteja indo bem agora, eu ainda posso
estragar tudo. Se eu continuar ficando mais ansioso aqui, eu vou ficar totalmente
incapaz de falar. Posso ver que todo mundo está se concentrando em mim e
percebendo que eu estou nervoso.

● REVIVER A SITUAÇÃO: Todo mundo percebeu que eu estava nervoso e que eu


estava perdendo o meu raciocínio. Vou continuar a estragar tudo toda vez que eu
encontrar pessoas desconhecidas. Eu não contei a história da maneira certa. Mesmo
que as pessoas parecessem interessadas em minha conversa, ninguém me convidou
para sair. Eu não suporto o fato de que ela não parecia interessada em mim. Eu era
provavelmente a única pessoa na festa que era tão desinteressante.

Você consegue se ver em algum desses exemplos? Você se preocupa em ter que interagir
com outras pessoas? Você tem medo de ser avaliado? Você evita situações que podem
envolver a interação com pessoas, especialmente pessoas desconhecidas? Você fica ansioso
para falar na frente das pessoas? Você tem medo de assumir um papel de liderança porque
você vai precisar falar mais? Você bebe mais antes de se socializar? E você rumina e critica-
se depois que você interagiu com as outras pessoas?

Se você fica envergonhado e ansioso em uma variedade de situações sociais, como por
exemplo, falar diante de um grupo, conhecer novas pessoas, usar banheiros públicos ou
comer em público, e você tem medo que as pessoas possam perceber a sua ansiedade e que
você vai se sentir humilhado, então você pode estar sofrendo com o transtorno de ansiedade
social. Muitas pessoas com este problema vão escolher evitar situações onde elas antecipam
poder ficar ansiosas ou podem usar álcool ou drogas para auto-medicar antes de entrar nessas
situações. A ansiedade social está associada ao aumento do risco de abuso de álcool,
depressão, solidão, diminuição do progresso no trabalho e maior probabilidade de
permanecer solteiro.

A boa notícia é que você pode fazer algo sobre isso.

Os terapeutas cognitivos-comportamentais têm feito grandes avanços para desenvolver uma


abordagem para lidar com esses problemas. Existe agora uma considerável evidência de que a
terapia cognitivo comportamental é um tratamento eficaz para a ansiedade social. A terapia
enfoca seu comportamento e no que você está pensando. Então vamos dar uma olhada em
como essa abordagem pode ajudá-lo a superar sua ansiedade social.

O QUE VOCÊ ESTÁ EVITANDO?

O problema comportamental das pessoas com ansiedade social é a tendência a evitar


situações de ansiedade. Quando a pessoa socialmente ansiosa prevê ir a uma festa, ela fica
bastante ansiosa - mas, então, decide não ir e a ansiedade diminui imediatamente. Esta
redução da ansiedade com a decisão de evitar a festa (ou sair da festa) reforça a fuga. Esta
simples "recompensa por evitar" mantém o medo da avaliação social negativa mesmo quando
a pessoa não experimenta humilhação. Por exemplo, se eu me sinto ansioso pensando em me
aproximar de alguém e, em seguida, eu decido evitar falar com outra pessoa, a minha
ansiedade cai imediatamente. Esta diminuição imediata da ansiedade me ensina: "Para se
sentir menos ansioso, basta evitar interagir com estranhos".

Um elemento-chave da Terapia Cognitivo Comportamental é ajudar a prática individual de


enfrentar situações sociais e permanecer nelas, a fim de aprender que nada de realmente ruim
vai acontecer e que a sua ansiedade vai diminuir. Você também aprende que você pode lidar
com a situação e a disposição de simplesmente enfrentar seus medos é fortalecedora. Você
começa a perceber "Eu sou o tipo de pessoa que realmente pode fazer esse tipo de coisa". O
primeiro passo para ajudar as pessoas com ansiedade social é identificar as situações que
você está evitando. Você pode fazer uma lista dos tipos de situações em que você sente
ansioso ou evita. Por exemplo, algumas pessoas identificam situações como conhecer pessoas
em uma festa, falar em uma reunião ou conversar com uma mulher pela primeira vez. Quais
são as situações que provocam a sua ansiedade? O que você tem evitado? Faça uma lista.

FAÇA UMA HIERARQUIA DO MEDO

Você pode avaliar o quanto de ansiedade poderia sentir em cada situação. Você pode avaliar
cada comportamento de 0 a 10 em termos do nível de ansiedade que você poderia sentir. 0
corresponderia a nenhuma ansiedade e 10 seria um ataque de pânico. Por exemplo, um jovem
com o medo de encontrar pessoas em uma festa tinha a seguinte hierarquia de medo, do
mínimo ao mais alto: Pensar em ir à festa (3), ir à festa (5), entrar na sala ( 6), ver as pessoas
na sala (6), decidir iniciar uma conversa (8), falar com uma mulher atraente (9). É importante
anotar suas previsões para que você possa analisar o quão ansioso você realmente ficou
quando você ir na situação. Às vezes as pessoas acham que elas não estão tão ansiosos como
eles previram que se sentiriam.

TESTE SUAS PREVISÕES

Muitas vezes nós esquecemos o fato de que lidamos melhor com as situações do que
imaginamos. Esta é uma ótima oportunidade para testar suas previsões. Como eu mencionei
anteriormente, você pode anotar o quão ansioso você acha que vai ficar em cada coisa que
você faz. Qual é o nível de ansiedade que você prevê? Quanto tempo você vai permanecer tão
ansioso? Especificamente, o que você prevê que vai acontecer? É assim que você pode testar
sua previsão desastrosa. Por exemplo, um jovem que estava socialmente ansioso previu que
ele teria um nível 9 de ansiedade durante toda uma conversa com uma mulher em uma festa.
Ele previu que teria um branco em sua mente e que ele estaria tão ansioso que ele teria que
sair da festa. Como foi possível comprovar, ele estava muito ansioso quando ele iniciou uma
conversa, mas uma vez que ele estava conversando sua ansiedade diminuiu para 3. Ele não
precisou sair e, de fato, ele tinha a impressão de que a mulher que ele estava conversando
realmente estava gostando dele. Portanto, seja claro sobre o que você está prevendo para que
você possa descobrir se você está prevendo mais do que realmente acontece. Mantenha um
registro contínuo de suas previsões.

IDENTIFIQUE SEUS COMPORTAMENTOS DE SEGURANÇA E ELIMINE-OS

Muitas pessoas que estão ansiosas se envolvem em comportamentos supersticiosos que elas
pensam torná-las mais seguras ou menos propensas a passar vergonha. Estes comportamentos
de segurança incluem a ingestão de bebidas alcoólicas, manter uma postura corporal rígida,
evitar olhar nos olhos, segurar um copo firmemente para que as pessoas não percebam suas
mãos tremendo, enxugar ou segurar as mãos para que as pessoas não notem que você está
suando, ensaiar exatamente o que você vai dizer, e falar muito rápido. O problema com os
comportamentos de segurança é que eles são como as rodinhas em uma bicicleta - elas fazem
você pensar que a única maneira que você pode enfrentar essas situações é usando as
rodinhas. Quanto mais você conseguir desistir desses comportamentos, mais poderosas serão
as suas experiências - "Eu fiz isso sem beber" ou "Fiz isso sem ter que ensaiar tudo".

DESAFIE OS SEUS PENSAMENTOS ANSIOSOS

Você fica freqüentemente pensando em como as coisas vão dar errado. Por exemplo, você
prevê que você vai estragar tudo e passar vergonha. Você prevê que todo mundo vai notar
que você está suando - e que todos vão falar sobre isso. Você acha que que foi péssimo e que
sua vai dar um branco em sua mente. Você pode desafiar esses pensamentos perguntando o
seguinte: "Você realmente passou vergonha ou você está apenas prevendo sempre a mesma
coisa?" É possível que as pessoas não percebem sua transpiração, porque eles estão pensando
no que elas vão dizer? " "Qual é a evidência de que as pessoas falam sobre a sua ansiedade?
Como você sabe disso? " "Por que alguém realmente se importaria se você está se sentindo
ansioso? Como é relevante para eles? "" Você já notou quando alguém disse, ' Eu esqueci o
que eu ia dizer'? Alguma coisa terrível aconteceu? "Argumente contra esses pensamentos
negativos.

PRATIQUE O QUE FAZ VOCÊ FICAR ANSIOSO

Uma vez que você identificou as situações que o fazem ansioso e você classificou a
hierarquia da menor para a maior ansiedade, então você está pronto para confrontar seus
medos. Achamos útil começar "imaginando" cada situação na hierarquia. Então, imagine que
você está pensando em ir à uma festa e fique com essa imagem até que sua ansiedade
diminua. Em seguida, passe a imaginar a próximo situação na hierarquia. Você também pode
lembrar-se de suas respostas racionais aos seus pensamentos negativos. Por exemplo, quando
você se imagina indo para a festa e o pensamento aparece: "Todos podem ver que estou
ansioso", você pode lembrar que as pessoas têm dificuldade em perceber seus sentimentos
internos e que estão se concentrando em suas próprias preocupações (talvez sua própria
ansiedade). Continue imaginando e deixe a ansiedade fluir e desaparecer.

Então, você pode começar com a "exposição" - ou praticar o que você tem medo. Não tome
essa bebida a mais - em vez disso, vá para a festa, entre, note que a sua ansiedade pode estar
lá, reconheça isso e, em seguida, diga: "Eu vou fazer isso mesmo estando ansioso". Não tem
problema ficar ansioso quando você está fazendo esse exercício de exposição - essa é a
finalidade da exposição. Você pode aprender que você pode realmente fazer coisas quando
você está ansioso e não há nenhuma catástrofe.

Eu tenho dito essas coisas para muitas pessoas - mas as pessoas costumam dizer: "Certo, mas
e se eu tiver um branco na minha cabeça?" Então, eu decidi testar dizer durante uma palestra
que me deu um branco no que eu estava falando. Como você pode imaginar, ninguém parecia
se importar. Por que eles deveriam? O que é há de tão ruim para eles se der um branco no que
você estava falando?

Na verdade, pode ser útil até mesmo exagerar seus sintomas ansiosos. Por exemplo, se você
tem medo de que as pessoas percebam que você está suando, então você pode borrifar água
na sua camisa e ir para apresentação dessa forma. Então, as pessoas vão notar que você está
suando. O que há de mal nisso? Aposto que quase todos os dias, quando está quente, notamos
pessoas que estão suando. Por que nós esquecemos? Porque isso é irrelevante.

AO INVÉS DE PRATICAR A “REVIVÊNCIA”, PRATIQUE A AUTO-


RECOMPENSA

Como mencionado anteriormente, as pessoas socialmente ansiosas muitas vezes ficam


relembrando o seu "desempenho" e criticam tudo o que fizeram. Este "revivência" só
aumenta a ansiedade sobre a próxima vez. Você pode substituir este revivência com um
parabéns para recompensar a si mesmo por ter enfrentado os seus medos, fazendo o que é
difícil fazer, e subindo um degrau no alcance dos objetivos em sua vida. Quem merece maior
recompensa do que você por ter se esforçado para enfrentar o que é difícil? Tão somente por
tentar, por ir, por enfrentar e por tolerar o desconforto são razões para se recompensar. Cada
vez que você enfrenta o seu medo você ganha e o seu medo perde.