Vous êtes sur la page 1sur 22

A POESIA NO SÉCULO XIX

Denise Reis Priori


Romantismo
• Características:
• a exaltação dos sentimentos pessoais, muitas vezes até autopiedade
• exaltação de seu “eu” - subjetivismo
• a expressão dos estados da alma, das paixões e emoções, da fé, dos ideais
religiosos
• apóiam-se em valores nacionais e populares
• desejo de liberdade, de igualdade e de reformas sociais; e a valorização da
Natureza, que é vista como exemplo de manifestação do poder de Deus e
como refúgio acolhedor para o homem que foge dos vícios e corrupções da
vida em sociedade
• em alguns casos, fuga da realidade através da arte (direção histórica e
nacionalista ou direção idílica e saudosista)
• A linguagem sofreu transformações: em lugar da bem cuidada sintaxe
clássica e das composições de metro fixo, os românticos preferiram uma
linguagem mais coloquial, comunicativa e simples, criando ritmos novos e
variando as formas métricas. Essa liberdade de expressão é uma das
características típicas do Romantismo e constitui um aspecto importante
para a evolução da literatura ocidental. O espírito de renovação lingüística é
uma contribuição importante do Romantismo e foi retomado, no século XX,
pelos modernistas.
"Mas essa dor da vida que devora Minha terra tem palmeiras,
A ânsia de glória, o dolorido afã... Onde canta o Sabiá;
A dor no peito emudecera ao menos As aves que aqui gorjeiam,
Se eu morresse amanhã!" Não gorjeiam como lá.
" Quando falo contigo, no meu peito
esquece-me esta dor que me consome: Nosso céu tem mais estrelas,
Talvez corre o prazer nas fibras d'alma: Nossas várzeas têm mais flores
E eu ouso ainda murmurar teu nome!" Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Álvares de Azevedo
Lira dos Vinte Anos Gonçalves Dias - Canção do Exílio

"Eras na vida a pomba predileta


"Oh! Que saudades que tenho Que sobre um mar de angústia conduzia
Da aurora da minha vida, O ramo da esperança. - Eras a estrela
da minha infância querida Que entre as névoas do inverno cintilava
Que os anos não trazem mais!“ Apontando o caminho ao pegureiro.“

Casimiro de Abreu Fagundes Varela


Cântico do Calvário
Meus oito anos
PARNASIANISMO
• Características:

• postura anti-romântica
• objetividade temática
• arte pela arte ( arte sem compromisso social ou sentimental )
• culto da forma - representada pelos sonetos, versos alexandrinos (12 sílabas
poéticas, rima rica, rara e perfeita)
• tentativa de atingir a impassibilidade ( distanciamento, a contenção emocional ) e a
impessoalidade
• universalismo
• destaque ao erotismo e à sensualidade feminina
• descrições objetivas da natureza e de objetos
• retomada da Antiguidade Clássica com seu racionalismo e formas perfeitas
• surge a poesia de meditação, filosófica - mas artificial
• A preocupação exagerada com o poema, tratando-o como produto concreto, final,
acabado em que se deposita toda a importância; o afã na construção do objeto,
deixando de lado o conteúdo, o sentimento poético. Parece um reflexo do processo
de produção mecânica acelerada em que a época vivia, transformando até o próprio
homem em mais um objeto de consumo.
• O poeta é um ourives, um escultor, um carpinteiro, e a sua obra, o seu poema é
também um produto material, como qualquer outro. O que importa não é o
sentimento, mas sim a técnica, a capacidade artesanal do criador devidamente
associada a seu esforço.
ORIGEM E PARNASIANISMO NO BRASIL

• Originariamente da França, é a poesia que segue os princípios da


estética realista. Apesar disso, ideologicamente os romancistas
realistas e naturalistas não tinham exatamente os mesmos propósitos
da manifestação poética desta época.

• O movimento recebe esse nome por causa de uma antologia, Parnasse


Contemporain, publicada a partir de 1866, na França. Esses poemas
revelavam gosto da descrição nítida, metrificação tradicional,
preocupação formal e um ideal de impessoalidade.

• Embora acompanhe cronologicamente a prosa realista, a poesia


parnasiana apresenta dificuldades na definição de seu marco inicial. Há
quem sugira a data de 1880, quando da publicação de Sonetos e
Rimas de Luís Guimarães Júnior (1845/1898). Outros, no entanto,
preferem assinalar a de 1882, quando Teófilo Dias publicou Fanfarras.
Mas o movimento só se definiu realmente a partir de Sinfonias (1883)
de Raimundo Correia, seguida de Meridionais (1884), de Alberto de
Oliveira e de Poesias (1888) de Olavo Bilac.
• REPRESENTANTES :

• OLAVO BILAC (1865/1918):Obras: Poesias (1888); Crônicas e novelas (1894); Crítica


e fantasia (1904); Conferências literárias (1906); Dicionário de rimas (1913); Tratado de
versificação (1910); Ironia e piedade, crônicas (1916); Tarde (1919); Poesia, org. de
Alceu Amoroso Lima (1957).

• RAIMUNDO CORREIA (1860/1911): Primeiros Sonhos (1879), Sinfonias(1883), Versos e


Versões (1887), Aleluias (1891), Poesias (1898)

• ALBERTO DE OLIVEIRA (1857/1937): Canções Românticas ( 1878), Meridionais ( 1884),


Sonetos e Poemas (1885), Versos e Rimas (1895), Poesias Completas (1900), Poesias (quatro séries
até 1927), Poesias Escolhidas (1913).

• VICENTE DE CARVALHO (1860/1911):Rosa, Rosa de Amor (1902), Poemas e Canções


(1908), em prosa, escreveu ainda Páginas Soltas (1911) e Luizinha, comédia (seguida de contos),
1924.

• FRANCISCA JÚLIA (1871-1920): Mármores(1895), Livro da Infância(1899) Esfinges


(1903), Alma Infantil (1912), Esfinges (1920)
Torce, aprimora, alteia, lima
Mais que esse vulto extraordinário, A frase; e, enfim,
Que assombra a vista, No verso de ouro engasta a rima,
Seduz-me um leve relicário Como um rubim.
De fino artista.
Quero que a estrofe cristalina,
Invejo o ourives quando escrevo: Dobrada ao jeito
Imito o amor Do ourives, saia da oficina
Com que ele, em ouro, o alto relevo Sem um defeito:
Faz de uma flor.
E que o lavor do verso, acaso,
Imito-o. E, pois, nem de Carrara Por tão subtil,
A pedra firo: Possa o lavor lembrar de um vaso
O alvo cristal, a pedra rara, De Becerril.
O ônix prefiro.
E horas sem conto passo, mudo,
Por isso, corre, por servir-me, O olhar atento,
Sobre o papel A trabalhar, longe de tudo
A pena, como em prata firme O pensamento.
Corre o cinzel.
Porque o escrever - tanta perícia,
Tanta requer,
Corre; desenha, enfeita a imagem, Que oficio tal... nem há notícia
A idéia veste: De outro qualquer.
Cinge-lhe ao corpo ampla roupagem
Azul-celeste.
Profissão de fé - Olavo Bilac
(fragmento)
Musa Impassível II

” Musa, cujo olhar de pedra, que não chora,


Gela o sorriso ao lábio e as lágrimas estanca!
Dá-me que eu vá contigo, em liberdade franca,
Por esse grande espaço onde o impassível mora.

Leva-me longe, ó Musa impassível e branca!


Longe, acima do mundo, imensidade em fora,
Onde, chamas lançando ao cortejo da aurora,
O áureo plaustro do sol nas nuvens solavanca.

Transporta-me de vez, numa ascensão ardente,


À deliciosa paz dos Olímpicos-Lares
Onde os deuses pagãos vivem eternamente,

E onde, num longo olhar, eu possa ver contigo


Passarem, através das brumas seculares,
Os Poetas e os Heróis do grande mundo antigo.

Francisca Júlia Deusa Vênus


A Casa da Rua Abílio

A casa que foi minha, hoje é casa de Deus.


Traz no topo uma cruz. Ali vivi com os meus,
Ali nasceu meu filho; ali, só, na orfandade
Fiquei de um grande amor. Às vezes a cidade

Deixo e vou vê-la em meio aos altos muros seus.


Sai de lá uma prece, elevando-se aos céus;
São as freiras rezando. Entre os ferros da grade,
Espreitando o interior, olha a minha saudade.

Um sussurro também, como esse, em sons dispersos,


Ouvia não há muito a casa. Eram meus versos.
De alguns talvez ainda os ecos falaram,

E em seu surto, a buscar o eternamente belo,


Misturados à voz das monjas do Carmelo,
Subirão até Deus nas asas da oração.

Alberto de Oliveira
SIMBOLISMO
• No final do século XIX, a literatura que representou essa nova forma de ver o mundo
foi o Simbolismo. Os Simbolistas, insatisfeitos com a onda de cientificismo e
materialismo a que esteve submetida a sociedade industrial européia na segunda
metade do século passado, representam a reação da intuição contra a lógica, do
subjetivismo contra a objetividade científica, do misticismo contra o materialismo, da
sugestão sensorial contra a explicação racional. O Simbolismo começa por ser,
portanto, uma negação do materialismo, do positivismo, do determinismo e outras
atitudes científico-filosóficas que embasaram a estética
Realista/Naturalista/Parnasiana. É, por outro lado, um retorno ao subjetivismo
romântico, ao predomínio do "eu", da imaginação e da emoção, ainda de modo mais
profundo e radical. É também uma volta à atitude conflitual tensa do Barroco e ao
espiritualismo e religiosidade da era medieval.
• Contrariamente aos românticos, os simbolistas propuseram que "a poesia não é
somente emoção, amor, mas a tomada de consciência desta emoção; que a
atitude poética não é unicamente afetiva, mas ao mesmo tempo afetiva e
cognitiva". Por outras palavras, a poesia carrega em si uma certa maneira de
conhecer.
Na busca do "eu profundo", os Simbolistas iniciam uma viagem interior de
imprevisíveis resultados, ultrapassando os níveis de razoabilidade em que, afinal de
contas, se colocavam os românticos, mesmo os mais descabelados e furiosos.
Imergindo nas esferas inconscientes, acbaram por atingir os estratos mentais
anteriores à fala e à lógica, tocando o universo íntimo de cada um, onde reina o caos
e a anarquia, em decorrência de ali vegetare as vivências vagas e fluídas, pré-
lógicas e inefáveis, e que não se revelam ao homem comum senão por recursos
indiretos como o sonho, a alucinação ou a psicanálise
Características da linguagem simbolista

1. Musicalidade: música, a mais importante de todas as artes. “A música


antes de tudo.” Aliterações, assonâncias, onomatopéias, sinestesias.

2. Linguagem vaga, fluida, que prefere sugerir a nomear.

3. Utilização de substantivos abstratos, efêmeros, vagos e imprecisos;

4. Presença abundante de metáforas, comparações, aliterações,


assonâncias, paronomásias, sinestesias;

5. Subjetivismo e teorias que voltam-se ao mundo interior;

6. Antimaterialismo, anti-racionalismo em oposição ao positivismo;

7. Misticismo, religiosidade, valorização do espiritual para se chegar à paz


interior;

8. Pessimismo, dor de existir;


10. Interesse pelo noturno, pelo mistério e pela morte, assim como
momentos de transição como o amanhecer e o crepúsculo; Interesse pela
exploração das zonas desconhecidas da mente humana (o inconsciente e o
subconsciente) e pela loucura.

11. Maiúsculas alegorizantes: personificação.

12. Mergulho no eu profundo: nefelibatas – habitantes das nuvens.

13. Os textos comumente retratam seres efêmeros (fumaça, gases, neve...).


Imagens grandiosas (oceanos, cosmos...) para expressar a idéia de liberdade.

14. Pessimismo e dor de existir.

15. Conteúdo relacionado com o espiritual, o místico e o subconsciente:


idéia metafísica, crença em forças superiores e desconhecidas, predestinação,
sorte, introspecção.

Observação: Na concepção simbolista o louco era um ser completamente


livre por não obedecer às regras. Teoricamente o poeta simbolista é o ser feliz
Simbolismo português
(1890-1915 )

O Simbolismo é originário da França e se iniciou com a publicação de As


Flores do Mal, de Baudelaire, em 1857. Nome inicial: Decadentismo.

Bases Filosóficas

Kiekegaard – o homem passa por três estágios em sua existência –


estético (presença do novo), ético (gravidade e responsabilidade da vida) e
religioso (relação com Deus).

Bergson – não é a inteligência que chega a compreender a vida. É a


intuição.

Em Portugal, o Simbolismo tem início em 1890, com o livro de poemas de


Eugênio de Castro, Oaristos, e com revistas acadêmicas, Os Insubmissos e
Boêmia Nova, cujos colaboradores eram Eugênio de Castro e Antônio Nobre.
Autores e obras

Eugênio de Castro e Almeida (1869-1944): a sua obra pode ser dividida em duas
fases: simbolista e neoclássica. A simboliza corresponde aos poemas escritos já no
século XX.
Novas rimas, novas métricas, aliterações, versos alexandrinos, vocabulário mais
rico, ele expõe no prefácio – manifesto de Oaristos. Na fase neoclássica apresenta
temas voltados à antigüidade clássica e ao passado português (profundamente
saudosista).

Antônio Nobre (1867-1900):


Ingressou na carreira diplomática, morrendo de tuberculose aos 33 anos. Estudou em
Paris.
Obras: Só (Paris, 1892), Despedidas (1902), Primeiros versos (1921), Correspondência.
É simbolista, mas não tem seus cacoetes. Considerado como nacionalista e romântico
retardatário.
Antônio Pereira Nobre exaltou a vida provinciana do norte de Portugal, por influência de
Garrett e de Júlio Dinis.
A sua poesia manifesta rica musicalidade rítmica e linguagem com um falar cotidiano e
coloquial, além do pessimismo.

Raul Brandão (1867-1930): literatura forte e dramática. A sua melhor


produção está na prosa de ficção: A Morte do Palhaço e o Mistério da Árvore, A
Farsa, Os Pobres, Húmus, O Pobre de Pedir
Camilo Pessanha (1867-1926): é considerado o mais simbolista dos poetas
da época.
Autor de apenas um livro: Clepsidra, influenciou a geração de Orpheu,
que iniciou o Modernismo em Portugal.. Passou grande parte da vida em
Macau (China), tornando-se tradutor da poesia chinesa para o português.
Autor considerado de difícil leitura, pois trabalha bem a linguagem. No
seu livro predomina o estranhamento entre o eu e o corpo; o eu e a
existência e o mundo.
Em sua obra, Clepsidra, Camilo Pessanha distancia-se de uma situação
concreta e pessoal, e sua poesia é pura abstração.

Teixeira de Pascoaes (1877-1952): é o pseudônimo de Joaquim Pereira


Teixeira de Vasconcelos. Deixou obras de cunho filosófico e biografias. De
seus livros de poesias citam-se Maranos, Regresso ao Paraíso, Sempre,
Terra Proibida, Elegias.

Florbela Espanca (1894-1930): embora não pertença propriamente ao


período áureo do Simbolismo, possui idéias simbolistas. É considerada uma
das mais perfeitas sonetistas da língua portuguesa. Suas obras: Juvenília,
Livro de Mágoas, Livro de Sóror Saudade, Relíquias e Chameca em Flor.
SIMBOLISMO NO BRASIL

Ínicio:1893- Publicação das obras MISSAL E BROQUÉIS, de Cruz e Sousa

Cruz e Souza – ( 1861 – 1898 )

A poesia de Cruz e Sousa mantém a estrutura formal típica do Parnasianismo (uso de


sonetos, rimas ricas, etc.), mas em um tom mais musical, rítmico, com uma variedade
de efeitos sonoros, uma riqueza de vocabulários, e um precioso jogo de
correspondências (sinestesias) e contrastes (antíteses). Transparece a preocupação
social, onde a dor do homem negro (fruto de suas próprias experiências de preconceito)
funde-se à dor universal humana, conferindo à sua obra um tom filosófico que reflete a
angústia, o pessimismo e o tédio. A solução é sempre a fuga, a preferência pelo
místico, a busca pelo mundo espiritual que o consola. É o eterno conflito entre o real e o
irreal dentro do universo humano, os mistérios de Deus e do homem, da vida e da morte
que convivem com o amor, o misticismo, e os desejos. O resultado é sempre o
sofrimento do ser, muitas vezes personificado pela dor do preconceito (o que leva aos
ideais abolicionistas dentro de sua obra). Em contraste com a cor negra, está o uso de
um vasto vocabulário relacionado à cor branca: neve, espuma, pérola, nuvem, brilhante,
etc. Isso reflete sua obsessão, tipicamente simbolista, pela imprecisão, pelo vago, a
pureza e o mistério. Sua obra ainda é vastamente tomada pela sensualidade, pela
busca da auto-afirmação e pela subjetividade (indicada no uso constante da primeira
pessoa), pelo culto à noite, pela busca do símbolo e do mistério da existência, através
de uma imagem obscura, sugerida e distorcida.
ALPHONSUS DE GUIMARAENS - ( 1870 – 1921 )

A obra de Alphonsus de Guimaraens é toda marcada por uma profunda suavidade e


lirismo, com uma linguagem simples e um ritmo bem musical, cheio de aliterações e
sinestesias. Por ter uma formação mais clássica e uma influência de cunho medieval,
há o emprego constante das redondilhas, além dos versos alexandrinos e decassílabos,
com ênfase no soneto, forma pela qual o poeta domina com grande êxito.

A presença da amada pedida, Constança, está sempre presente, retratada aos moldes
medievais: uma divindade intocável, perfeita, livre de qualquer toque de erotismo e
somente acessível através da morte. Por várias vezes ela é confundida com a imagem
pura da Virgem Maria, de quem o poeta é profundamente devoto. Sua obra, aliás, é
considerada a mais mística de nossa literatura.

A morte é outro fator importante dentro de sua obra, o que o aproxima muito dos
poetas românticos. Há a aceptividade, a simpatia e o desejo pela morte, já que ela é o
único caminho para se chegar à amada. Ela é o destino último, insuperável, em
contraste com a miséria do mundo real. Cria-se assim um ciclo de misticismo, amor
idealizado e obsessão da morte, onde a melancolia é sempre um fator marcante, aliada
aos sonhos e às amarguras pessoais do poeta, muitas vezes refletidas pelos traumas
do passado.
Mistério

Gosto de ti, ó chuva, nos beirados,


Dizendo coisas que ninguém entende!
Da tua cantilena se desprende
Um sonho de magia e de pecados.

Dos teus pálidos dedos delicados


Uma alada canção palpita e ascende,
Frases que a nossa boca não aprende,
Murmúrios por caminhos desolados.

Pelo meu rosto branco, sempre frio,


Fazes passar o lúgubre arrepio
Das sensações estranhas, dolorosas…

Talvez um dia entenda o teu mistério…


Quando, inerte, na paz do cemitério,
O meu corpo matar a fome às rosas!

Florbela Espanca
Ao Longe os Barcos de Flores

Só, incessante, um som de flauta chora,


Viúva, grácil, na escuridão tranqüila,
- Perdida voz que de entre as mais se exila,
- Festões de som dissimulando a hora

Na orgia, ao longe, que em clarões cintila


E os lábios, branca, do carmim desflora...
Só, incessante, um som de flauta chora,
Viúva, grácil, na escuridão tranqüila.

E a orquestra? E os beijos? Tudo a noite, fora,


Cauta, detém. Só modulada trila
A flauta flébil... Quem há-de remi-la?
Quem sabe a dor que sem razão deplora?

Só, incessante, um som de flauta chora...

Camilo Pessanha
Cruz e Sousa
Velhas Tristezas Música da Morte

Diluências de luz, velhas tristezas A música da Morte, a nebulosa,


das almas que morreram para a luta! estranha, imensa música sombria,
Sois as sombras amadas de belezas passa a tremer pela minh'alma e fria
hoje mais frias do que a pedra bruta. gela, fica a tremer, maravilhosa ...

Murmúrios ncógnitos de gruta Onda nervosa e atroz, onda nervosa,


onde o Mar canta os salmos e as rudezas letes sinistro e torvo da agonia,
de obscuras religiões — voz impoluta recresce a lancinante sinfonia
de todas as titânicas grandezas. sobe, numa volúpia dolorosa ...

Passai, lembrando as sensações antigas, Sobe, recresce, tumultuando e amarga,


paixões que foram já dóceis amigas, tremenda, absurda, imponderada e larga,
na luz de eternos sóis glorificadas. de pavores e trevas alucina ...

Alegrias de há tempos! E hoje e agora, E alucinando e em trevas delirando,


velhas tristezas que se vão embora como um ópio letal, vertiginando,
no poente da Saudade amortalhadas! ... os meus nervos, letárgica, fascina ...
Alphonsus de Guimaraes

Soneto

Encontrei-te. Era o mês... Que importa o mês? Agosto,


Setembro, outubro, maio, abril, janeiro ou março,
Brilhasse o luar que importa? ou fosse o sol já posto,
No teu olhar todo o meu sonho andava esparso.

Que saudades de amor na aurora do teu rosto!


Que horizonte de fé, no olhar tranqüilo e garço!
Nunca mais me lembrei se era no mês de agosto,
Setembro, outubro, abril, maio, janeiro, ou março.

Encontrei-te. Depois... depois tudo se some


Desfaz-se o teu olhar em nuvens de ouro e poeira.
Era o dia... Que importa o dia, um simples nome?

Ou sábado sem luz, domingo sem conforto,


Segunda, terça ou quarta, ou quinta ou sexta-feira,
Brilhasse o sol que importa? ou fosse o luar já morto?