Vous êtes sur la page 1sur 32

Universidade Federal

Universidade Federal de
deUberlândia
Uberlândia
Faculdade de
Faculdade de Engenharia
EngenhariaQuímica
Química
Cursode
Curso deGraduação
Graduação em
em Engenharia
EngenhariaQuímica
Química

Plástico
Plástico Verde
Verde
Aluna: Noelle Palloma Batista dos Santos

Orientador
Aluna: Noelle Palloma Batista dos: Adilson
Santos José de Assis

Orientador: Prof. Dr. Adilson José de Assis

Uberlândia – MG –– Brasil
Uberlândia Brasil
2010
2010
Sumário

 Introdução
 O que é o plástico verde
 Justificativa

 Revisão Bibliográfica
 Plásticos
 Produção de plástico por via petroquímica
 Petroquímicos do eteno
 História do plástico
 Química Verde

 Conclusão

 Bibliografia
Introdução

Plástico Verde

Definição:

 O plástico verde recebe essa denominação por ser produzido a partir de cana-de-
açúcar, que é uma matéria prima renovável.

 O processo de obtenção de eteno a partir de etanol proveniente de fonte renovável


ocorre através da desidratação do álcool na presença de catalisadores.

 O biopolietileno possui características equivalentes às do polietileno convencional,


podendo ser empregado em diversas aplicações.
Justificativa

 Apesar do processo convencional (o que utiliza petróleo como matéria prima


principal) ainda ser dominante na produção dos plásticos, faz-se cada vez mais
necessária a substituição de fontes não renováveis, como o petróleo, por fontes
alternativas, que utilizam fontes renováveis.

 Essa necessidade ocorre, principalmente, devido ao agravamento dos problemas


ambientais, sobretudo, no que diz respeito ao problema da emissão de gases de
efeito estufa (GEE).

 A cadeia na qual o polietileno verde é produzido permite uma maior redução dos
níveis de dióxido de carbono na atmosfera em comparação a outros polímeros,
 A reação do plástico verde, é um exemplo de reação em que o equilíbrio e a
taxa influenciam na economia do processo, através das variações nas
condições experimentais como temperatura, pressão e catalisador, o que
pode favorecer a produção de diversos produtos e/ou subprodutos, sendo,
portanto necessária uma análise de viabilidade termodinâmica e cinética das
reações envolvidas.

 A termodinâmica indica as condições mais favoráveis para que determinada


reação ocorra e qual será a composição do sistema no estado de equilíbrio, já
a cinética química trata das mudanças químicas associadas com o tempo.

 As condições operacionais de um processo podem ser influenciadas pelas


considerações sobre o equilíbrio, sendo de primordial importância a
determinação dos efeitos destas condições na conversão da reação.
 A conversão no equilíbrio pode
servir como referência para
melhoramentos em um processo,
determinando se uma investigação
experimental pode ser viável ou
não.

 Esta figura nos mostra a


conversão de equilíbrio do etileno
em álcool na fase vapor em
função da temperatura, pressão e
da razão vapor d’água/ etileno na
alimentação.

 Percebemos que o aumento da


temperatura diminui a conversão
e que o aumento da pressão
aumenta a conversão.
Revisão Bibliográfica
Plásticos
Plásticos
 Definição:
Definição:

“ Material que contém como ingrediente essencial uma substância orgânica


Material que
polimerizada de contém comomolecular,
grande massa ingrediente
queessencial uma
é sólida no seusubstância orgânica
estágio terminal e,
polimerizada
numa certa etapa de grande
da sua massa
fabricação ou molecular, que é sólida
de seu processamento, pode no seu estágio
ser moldada ou
conformada
terminal e,nonuma
artigo acabado mediante
certa etapa um fabricação
da sua processo de ou
fluxo.” (Shreve,
de seu 1984).
processamento,
pode ser moldada ou conformada no artigo acabado mediante um processo
 Classificação dos plásticos:
de fluxo (Shreve, 1984).
Os plásticos pertencem a uma classe de materiais de engenharia denominada
polímeros. Os polímeros são macromoléculas com massas moleculares da ordem de
 A3 rota6convencional na preparação do plástico utiliza matérias primas
10 a 10 , cujas estruturas são formadas por muitas unidades simples e repetitivas,
obtidas do monômeros.
denominadas petróleo e são chamadas monômeros.
 Os plásticos podem ser classificados em termoplásticos e
termofixos.
Termoplásticos:

 Apresentam estrutura linear;


Amolecem com aquecimento, permitindo a moldagem;
São formados por polimerização por adição.
Exemplos: polietileno, polipropileno, PVC, PVA.

Termofixos

 Têm estrutura tridimensional;


 Não amolecem com o aquecimento;
 Se decompõem caso o aquecimento seja contínuo;
 Devem ser moldados a forma desejada no momento da síntese, pois depois
dela a moldagem torna-se impossível;
 São produzidos através de reações de polimerização por condensação ;
Exemplos: borracha dura, baquelita
Produção do plástico

 A rota convencional na preparação do plástico utiliza matérias primas


obtidas do petróleo e são chamadas monômeros.

 Os constituintes do petróleo cru podem ser separados através do processo de


destilação. Neste processo, as frações do petróleo serão separadas em função da
diferença das diversas faixas dos pontos de ebulição.

 Alguns desses produtos são gasolina, GLP, querosene, óleo diesel, NAFTA,
etc.
Figura 1: Frações da Destilação do Petróleo
 Através do nafta, obtém-se os monômeros, que posteriormente, são
submetidos a um craqueamento térmico dando origem a diversas substâncias
como etileno, propileno, butadieno, buteno, isobutileno, denominados
petroquímicos básicos.

Craqueamento - é um processo em que uma reação química “quebra”


moléculas muito grandes em moléculas menores, na presença de
catalisadores.

 Estes, por sua vez, são transformados nos chamados petroquímicos finos,
tais como polietileno, polipropileno, policloreto de vinila etc. Na etapa
subseqüente, os petroquímicos finos são modificados quimicamente ou
transformados em produtos de consumo.
 ESQUEMA DA PRODUÇÃO DE PLÁTICOS POR VIA PETROQUÍMICA

Gás combustível
GLP
Petróleo cru Coluna de NAFTAS
destilação Gasolina
Querosenes
ETC

NAFTA
CRAQUEAMENTO
TÉRMICO

Produtos de Petroquímicos
finos: Petroquímicos
consumo: sacolas,
POLIETILENO, básicos: ETENO,
garrafas PET,
polipropileno buteno, butadieno
brinquedos, etc.
Reações de polimerização Características Exemplos
- Excepcional resistência a - Recipientes, indústria de
rupturas autopeças
- Boa resistência a impactos
- Boa resistência química
- Boas propriedades elétricas,
sendo muito utilizado na
fabricação de recipientes
- Canetas, brinquedos,
notebooks, etc

- Pode-se formar o chamado


PEAD, o polietileno de alta
densidade

- Pode-se formar o PEBD, - Sacolas, etc


polietileno de baixa
densidade, formado por
macromoléculas menores
produzindo um material mais
flexível.
Aditivos
 Para adquirir características peculiares para o mercado, o plástico é
tratado com alguns aditivos:
Principais aditivos usados na fabricação de plásticos e sua função.
Aditivo Função
Plastificante Aumentar a flexibilidade
Estabilizante térmico Evitar a decomposição por aquecimento
Estabilizante UV Evitar a decomposição causada por raios UV solares

Retardador de Reduzir a inflamabilidade


chamas
Lubrificante Reduzir a viscosidade
Carga Aumentar a resistência ao desgaste por abrasão e reduzir o custo do
material
Antioxidante Minimizar a oxidação provocada por oxigênio e ozônio atmosféricos

Pigmentos Conferir a cor desejada


Antiestático Evitar eletrização por atrito
Aromatizante Conferir odores desejados. Mascarar odores indesejados

Biocida Inibir a degradação por microorganismos


Processos de fabricação de resinas

 Antes de chegar no consumidor final, o material plástico deve passar por


diversas etapas de produção. Uma destas etapas é a moldagem, onde a resina
polimérica, juntamente com os aditivos devem ser moldados no objeto
desejado.

Resina - termo atualmente empregado para designar qualquer matéria-prima


polimérica no estado termoplástico, sendo fusível, insolúvel em água, mas
solúvel em outros meios líquidos.

 Alguns destes processos são vazamento, fiação por fusão, compressão,


calandragem, injeção, extrusão, sopro etc. Na grande maioria dos casos, a
mistura passa por um estado fluido, pela ação do calor, com ou sem pressão,
ou pela adição de um veículo líquido.
Descrição dos processos mais comuns

• Processo de vazamento: é um processo simples pelo qual a mistura é vertida ou


vazada em um molde, sob a forma de uma solução viscosa.

• Processo de fiação por fusão: a mistura fundida passa através de orifícios de uma
placa (fieira), formando filamentos viscosos que se solidificam e são enrolados em
bobinas. É indicado para obtenção de fios.

• Processo de compressão: consiste em comprimir a mistura aquecida dentro da


cavidade de um molde. Este processo é muito usado para termorrígidos.

• Processo de calandragem: consiste basicamente na passagem da mistura entre


rolos sucessivos e interligados em rotação. É indicado na produção de lâminas,
folhas e filmes de espessura regular.

• Processo de injeção: a mistura fundida é introduzida no molde por intermédio de


pressão exercida por um êmbolo.
Continuação...

• Processo de extrusão: a mistura polimérica passa através de uma matriz com o


perfil do objeto desejado e é resfriada tornando-se sólida. Processo bastante
comum na fabricação de tubos de poli(cloreto de vinila) e polietileno, tão
utilizados em encanamento de água, esgotos etc.

• Processo de sopro: ideal para obtenção de peças ocas pela insuflação de ar no


interior do molde. É muito usado na fabricação de frascos a partir de resinas
termoplásticas.

(a) extrusora (b) calandra (c) injetora (d) sopradora


Produção de resinas polietilênicas a alta pressão:

 A fabricação do polietileno exige o eteno de alta pureza, e o primeiro passo,


envolve o desmetanizador, onde de 99,8 a 99,9 % do eteno são retirados entre
o volátil, e o resíduo (etano) é reciclado para a fábrica de eteno.

 Adiciona-se ao eteno de alta pureza um catalisador fornecendo radicais livres,


como o oxigênio; a mistura é comprimida a pressão de operação (1500 atm) e
introduzida no reator, que é mantido a 375°F (191°C).

 O efluente do reator passa para um vaso de separação, em que o eteno que não
reagiu é removido e novamente recirculado. O liquido do separador é o
polietileno incolor, que pode ser extrudado, resfriado e solidificado, cortado e
armazenado.
Fluxograma de produção de resinas polietilênicas a alta
pressão

Shreve,1984
Fluxograma 2: Petroquímicos do eteno

Shreve,1984
História do plástico

Origem

 Foram desenvolvidos no inicio do século XX.

 O primeiro plástico de significado industrial foi o nitrato de celulose,


descoberto em 1838.

 Só em 1909, a indústria do plástico se estabeleceu quando Beakeland


desenvolveu o controle científico das resinas fenólicas, fabricando-as
comercialmente.

 Essa resina, chamada de baquelita, feita a partir de uma mistura de fenol e


formaldeído, representa o primeiro polímero realmente sintético.
 A invenção da baquelita desencadeou uma classe completa de plásticos com
propriedades semelhantes, conhecidos como resinas de fenol.

Figura 2: Telefone de baquelite em "100 Anos do


Plástico" no Museu de Ciência de Londres em 2007. A
exposição foi uma comemoração dos plásticos feita
para coincidir com o centésimo aniversário da
invenção da baquelite por Leo Baekeland.

Plexiglas ou polimetacrilato de metila- sintetizado em 1935, este plástico tem


propriedades interessantes: transparência, resistência a choques, estabilidade e pode substituir
o vidro em várias aplicações. Este material especial foi utilizado pelos oftalmologistas para
substituição do cristalino opaco dos olhos por uma lente artificial em pessoas que sofrem
de uma doença chamada de catarata. Foi o primeiro plástico implantado em seres humanos.
Aspectos históricos – Linha do tempo
1835 Regnault apresenta o monômero de cloreto de vinil.

1838 É descoberto o nitrato de celulose.

1839 Charles Goodyear descobre o processo de vulcanização da borracha.


1835 Regnault apresenta o monômero de cloreto de vinil.
1838
É descoberto o nitrato de celulose.
1865 É descoberto
1839
o acetato de celulose.
Charles Goodyear descobre o processo de vulcanização da borracha.
1865 É descoberto o acetato de celulose.
1870 Irmãos1870Hyatt patenteiam
Irmãos Hyatt patenteiamaacelulóide.
celulóide.
1884 Hilaire Chardonnet inventa a primeira fibra sintética, a rayon de viscose.
1905 Brandenburg inventa a celofane.
1884 Hilaire Chardonnet
Leo Baekelandinventa
1909 a primeira fibra sintética, a rayon de viscose.
descobre a baquelita.
1922 Hermann Staudinger sintetiza a borracha.
1905 Brandenburg inventa a celofane.
1928 Ziegler começa a estudar a química orgânica princípio da descoberta do PE e
PP.
1929 A empresa Dunlop cria a primeira borracha de espuma.
1909 Leo Baekeland
1931 descobre a baquelita.
J. A Hansbeke desenvolve o neoprene.
1933 Primeiros produtos injetados com Poliestireno.
1922 Hermann
1938
Staudinger sintetiza a borracha.
Começa produção comercial de Poliestireno
1938 Roy Plunkett descobre o PTFE.
1939 ICI patenteia a cloração do Polietileno.
1928 Ziegler1940começa a estudar a química orgânica princípio da descoberta do PE e
O PMMA começa a ser utilizado na aviação.
1948 George deMestral inventa o Velcro.
PP. 1950 O Poliestireno de alto impacto começa a ser produzido comercialmente.
1952 Começa aparecer os primeiros produzidos fabricados em PVC.
1929 A empresa
1953
Dunlop cria a primeira borracha de espuma.
O Polietileno de alta densidade começa a ser produzido comercialmente.
1954 O Polipropileno começa a ser desenvolvido com o uso de catalisadores de Ziegler-
1931 J. A Hansbeke
1958
Natta.desenvolve o neoprene.
O Policarbonato começa a ser produzido.
1963 Ziegler e Natta ganham o Prêmio Nobel de Química.
 Continuação...
1933 Primeiros produtos injetados com Poliestireno.
1938 Começa produção comercial de Poliestireno
1938 Roy Plunkett descobre o PTFE.
1939 ICI patenteia a cloração do Polietileno.
1940 O PMMA começa a ser utilizado na aviação.
1948 George deMestral inventa o Velcro.
1950 O Poliestireno de alto impacto começa a ser produzido comercialmente.
1952 Começa aparecer os primeiros produzidos fabricados em PVC.
1953 O Polietileno de alta densidade começa a ser produzido comercialmente.
1954 O Polipropileno começa a ser desenvolvido com o uso de catalisadores de
Ziegler-Natta.

1958 O Policarbonato começa a ser produzido.


1963 Ziegler e Natta ganham o Prêmio Nobel de Química.
 1960 em diante - Surgem os plásticos de engenharia, materiais de alto
desempenho com diversas aplicações. Também são desenvolvidos, a partir da
engenharia de macromoléculas, os elastômeros termoplásticos, além de tanques de
combustível e sacos de supermercado feitos em polietileno de alta densidade
(PEAD), lentes de contato flexíveis e garrafas de polietileno tereftalato (PET).

Figura 3: Este quadro publicado pela revista Veja (abril, 2005) mostra alguns produtos tradicionais que
permaneceram os mesmos, apesar do longo tempo que estão no mercado. Podemos observar que as únicas
mudanças ocorridas foram nas embalagens: em todos eles materiais como madeira, metal e vidro foram
substituídos por plástico.
Química Verde

 A questão ambiental nunca teve uma importância tão grande como nos dias de
hoje, devido aos inúmeros desastres que vem ocorrendo, principalmente devido à
formação de resíduos.

 O tratamento adequado destes resíduos é um processo caro e muitas vezes


desvantajoso no sentido de eficiência, neste sentido, os apelos ambientais
levaram á necessidade de novas alternativas que pudessem evitar ou minimizar a
produção dos mesmos.

Esta corrente de pensamento é conhecida como química verde e pode ser


definida como “o desenho, desenvolvimento e implementação de produtos
químicos e processos para reduzir ou eliminar o uso ou geração de substâncias
nocivas à saúde humana a ao ambiente.” A química verde possui 12 princípios
que são a base para sua implementação.
12 princípios da química verde

“A química verde não é a química do meio ambiente.


E sim a química para o meio ambiente”.

1. Prevenção

2. Economia de átomos

3. Sínteses menos perigosas

4. Produtos químicos menos tóxicos


5. Alternativas aos solventes poluentes
 Continuação...

6. Limitação dos gastos energéticos

7. Utilização de recursos renováveis

8. Redução do número de derivados

9. Utilização de processos catalíticos

10. Degradação final

11. Análise em tempo real para prevenir a poluição

12. Química fundamentalmente mais segura


Exemplos de rotas reacionais alternativas que atendam os princípios da química
verde

 Biodiesel: combustível biodegradável derivado de fontes renováveis (princípio 7),


que pode ser obtido por diferentes processos tais como o craqueamento, a
esterificação ou pela trasesterificação.

 Isocianato de metila: fertilizante com alto poder de destruição e ao mesmo


tempo um gás mortal passa a ter uma alternativa de processo de
deshidrogenação oxidativa catalítica que produz isocianato de metila sem uso de
fosgênio, implementado pela DuPont atendendo assim o principio 12,
desenvolvendo um processo mais seguro, evitando-se assim os acidentes, como o
que aconteceu em Bhopal.
O plástico verde no contexto da química verde

 A partir de fontes renováveis, como a biomassa da cana-de-açúcar, obtém-se o


polietileno, matéria prima indispensável na produção de plásticos, rota que
atende o principio 7, minimizando os impactos ambientais que seriam
ocasionados no processo convencional.

 Como a desidratação do álcool ocorre na presença de catalisadores, e estes tem


forte influencia na conversão, seletividade, temperatura e pressão de operação, a
reação de formação do plástico verde também atende o princípio 9, em que a
escolha do melhor catalisador permite um processo mais eficiente e com menos
toxidez.

Verde: a cor do respeito à natureza


Conclusão

 Devido as suas características tão especiais e a ampla aplicabilidade, o uso de


plásticos tem sido cada vez maior, sendo, portanto, o mais importante dos
materiais de engenharia.

 O processo convencional de produção do polietileno é feito, principalmente por


via petroquímica, um processo caro, desvantajoso do ponto de vista ambiental,
já que gera CO2 no seu processo sem absorvê-lo, além de utilizar uma matéria
prima não renovável, finita e oscilante no mercado.

 Diante deste panorama, surge a alternativa da produção de plástico verde,


utilizando matéria prima renovável, permitindo a redução dos níveis de CO2 na
atmosfera.
Bibliografia
 SMITH,J.M.; VAN NESS,H.C.; ABOTT,M.M. Introdução a
Termodinâmica da Engenharia Química. 5.ed. Rio de Janeiro:LTC,2000.

 SHREVE,R.N. ; BRINK Jr. J.A. Indústria de Processos Químicos, 5.ed. Rio


de Janeiro,1984

 http://ciencia.hsw.uol.com.br/plastico1.htm, Consultado no dia 10/06/2010

 http://www.nossofuturoroubado.com.br/arquivos/julho_09/historia_plastico.html,
Consultado no dia 10/06/2010
 http://www.braskem.com.br/plasticoverde/principal.html,
Consultado no dia 10/06/2010