Vous êtes sur la page 1sur 83

01 - (ITA SP/2002)

Um corpo de massa M, mostrado na figura, é preso a um fio leve, inextensível, que


passa através de um orifício central de uma mesa lisa. Considere que inicialmente o
corpo se move ao longo de uma circunferência, sem atrito. O fio é, então, puxado
para baixo, aplicando-se uma força F , constante, a sua extremidade livre. Podemos
afirmar que:
a) o corpo permanecerá ao longo da mesma circunferência.
b) a força F não realiza trabalho, pois é perpendicular à trajetória.
c) a potência instantânea de F é nula.
d) o trabalho de F é igual à variação da energia cinética do corpo.
e) o corpo descreverá uma trajetória elíptica sobre a mesa.

02 - (UFMG/2007)
Antônio precisa elevar um bloco até uma altura h. Para isso, ele dispõe de uma
roldana e de uma corda e imagina duas maneiras para realizar a tarefa, como
mostrado nestas figuras:

Despreze a massa da corda e a da roldana e considere que o bloco se move com


velocidade constante.
Sejam FI o módulo da força necessária para elevar o bloco e T I o trabalho realizado
por essa força na situação mostrada na Figura I. Na situação mostrada na Figura II,
essas grandezas são, respectivamente, FII e TII.
Com base nessas informações, é CORRETO afirmar que
a) 2FI = FII e TI = TII.
b) FI = 2FII e TI = TII.
c) 2FI = FII e 2TI = TII.
d) FI = 2FII e TI = 2TII.

03 - (UEL PR/2001)
Um objeto de 2,0 kg cai da janela de um apartamento até uma laje que está 4,0m
abaixo do ponto de início da queda. Se a aceleração da gravidade for 9,8 m/s 2, o
trabalho realizado pela força gravitacional será:
a) –4,9J
b) 19,6J
c) –39,2J
d) 78,4J
e) 156,8J
04 - (UEL PR/2001)
Um motociclista resolve ir para a praia e pretende levar a sua motocicleta em uma
caminhonete. Para colocar a motociclista na caminhonete ele pode ergue-la
verticalmente ou empurra-la por uma rampa. Considerando desprezíveis as perdas
por atrito, assinale a alternativa correta:
a) O trabalho realizado para elevar a motocicleta verticalmente é maior.
b) O trabalho realizado pelo motociclista, em ambas as situações, é o mesmo.
c) A potência aplicada pelo motociclista, em ambas as situações, é a mesma.
d) O trabalho realizado para elevar a motocicleta ao longo da rampa é menor.
e) A força aplicada para elevar a motocicleta ao longo da rampa é maior.

05 - (UFV MG/2001)
Um corpo de massa m se move com velocidade constante v sobre uma superfície
plana horizontal e sem atrito. Após um certo instante de tempo, uma força constante
de módulo F, com sentido contrário ao movimento, age sobre o corpo durante um
intervalo de tempo t, fazendo-o parar.
Das opções abaixo, aquela que corresponde ao valor do trabalho realizado pela força
F, durante o intervalo de tempo t, é:
a) vt
b) Fv
1
c)  mv 2
2
d) Ft
Fv
e)
t

06 - (UNIFOR CE/2000)
Um menino de massa 20kg desce por um escorregador de 3,0m de altura em relação
à areia de um tanque, na base do escorregador. Adotando g = 10m/s 2, o trabalho
realizado pela força peso do menino vale, em joules,
a) 600
b) 400
c) 300
d) 200
e) 60

07 - (UNIFOR CE/2001)
Uma placa retangular, de comprimento AB = 40 cm e largura AC = 20 cm, sofre a
ação das forças F1 , de intensidade 20 N, e F2 , de intensidade 30 N.

O momento ou torque resultante, em relação a um eixo perpendicular à placa,


passando pelo ponto C vale, em N.m,
a) 8,0
b) 10
c) 12
d) 14
e) 16

08 - (UNIFOR CE/2001)
Uma caixa, inicialmente parada sobre uma superfície horizontal, é arrastada na
direção de uma força F , cujo módulo varia com a posição x da caixa, de acordo com
o gráfico.

O trabalho realizado pela força F , no deslocamento de 20 m, vale, em joules,


a) 100
b) 80
c) 60
d) 40
e) 20

09 - (UFSCar SP/2001)
O bloco da figura desce espontaneamente o plano inclinado com velocidade
constante, em trajetória retilínea.

Desprezando-se qualquer ação do ar, durante esse movimento, atuam sobre o bloco
a) duas forças, e ambas realizam trabalho.
b) duas forças, mas só uma realiza trabalho.
c) três forças, e todas realizam trabalho.
d) três forças, mas só duas realizam trabalho.
e) três forças, mas só uma realiza trabalho.

10 - (UFF RJ/1998)
Uma força constante F puxa um bloco de peso P e atua segundo uma direção que
forma com a horizontal um ângulo . Este bloco se desloca ao longo de uma
superfície horizon-tal, percorrendo uma distância x, conforme indicado na figura.

A força normal exercida pela superfície sobre o bloco e o trabalho realizado por esta
força ao longo da distância x valem, respectivamente:
a) P ; P x
b) P ; zero
c) P - Fsen ; zero
d) P + Fsen; (P + Fsen) x
e) P - Fsen; (P - Fsen) x

11 - (UFF RJ/1996)
O gráfico mostra como varia com a distância percorrida d. a intensidade da força F
aplica a um corpo de massa 6,0 kg, inicialmente em repouso, e que se move em uma
superfície horizontal, sem atrito.

F (N )
6

1 10 11 12
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 d (m )

-6

Após o corpo ter percorrido uma distância de 12 m, sua velocidade será:


a) 2,3 m/s
b) 3,0 m/s
c) 2,5 m/s
d) 2,8 m/s
e) 2,0 m/s

12 - (UFF RJ/1996)
Um homem de massa 70 kg sobe uma escada, do ponto A ao ponto B, e depois
desce, do ponto B ao ponto C, conforme indica a figura.
Dado: g = 10 m/s2.

30cm B
50cm
A
C

O trabalho realizado pelo peso do homem desde o ponto A até no ponto C foi de:
a) 5,6 x 102 J
b) 1,4 x 103 J
c) 3,5 x 103 J
d) 1,4 x 102 J
e) zero

13 - (FGV/2006)
Mantendo uma inclinação de 60º com o plano da lixa, uma pessoa arrasta sobre esta
a cabeça de um palito de fósforos, deslocando-o com velocidade constante por uma
distância de 5 cm, e ao final desse deslocamento, a pólvora se põe em chamas.
Se a intensidade da força, constante, aplicada sobre o palito é 2 N, a energia
empregada no acendimento deste, desconsiderando-se eventuais perdas, é:
3 1
Dados: sen 60º  ; cos 60º 
2 2
a) 5 3 x 10 -2 J
b) 5 x 102 J
c) 2 3 x 10-2 J
d) 2 x 102 J
e) 3 x 10 -2 J

14 - (UFF RJ/1995)
Um barco de pesca, com massa igual a 5,0 toneladas, aproxima-se de um cais à
velocidade de 2,0 m / s. Para que o barco pare no cais, as foças de atrito e a força
devida à reversão do motor deverão, em conjunto, dissipar uma energia da ordem
de:
a) 1 Joule
b) 10 Joules
c) 10² Joules
d) 10³ Joules
e) 104 Joules

15 - (UNIFESP SP/2002)
O pequeno bloco representado na figura desce o plano inclinado com velocidade
constante.

Isso nos permite concluir que:


a) não há atrito entre o bloco e o plano e que o trabalho do peso do bloco é nulo.
b) há atrito entre o bloco e o plano, mas nem o peso do bloco nem a força de atrito
realizam trabalho sobre o bloco.
c) há atrito entre o bloco e o plano, mas a soma do trabalho da força de atrito com o
trabalho do peso do bloco é nula.
d) há atrito entre o bloco e o plano, mas o trabalho da força de atrito é maior que o
trabalho do peso do bloco.
e) não há atrito entre o bloco e o plano; o peso do bloco realiza trabalho, mas não
interfere na velocidade do bloco.
16 - (UFJF MG/1999)
Considere as seguintes afirmações:
1. O trabalho realizado por uma força não conservativa representa uma
transferência irreversível de energia.
2. A soma das energias cinética e potencial num sistema físico pode ser chamada
de energia mecânica apenas quando não há forças dissipativas atuando sobre o
sistema.

Quanto a essas sentenças, pode-se afirmar que:


a) as duas estão corretas;
b) a primeira está incorreta e a segunda está correta;
c) a primeira está correta e a segunda está incorreta;
d) ambas estão incorretas.

17 - (UEM PR/1998)
Para levantar um corpo de 4 kg, inicialmente em repouso, a uma altura de 4 m, uma
máquina aplicou uma força constante, que realizou um trabalho de 224 joules. A
partir daí, considerando g = 10 m/s2 e desprezando a resistência do ar, assinale o que
for correto.
01. Na posição inicial e na final, a energia cinética do corpo é máxima.
02. Na posição inicial, na intermediária e na final, a energia potencial será
mínima e igual à energia cinética.
04. A energia do sistema será conservada, se, e somente se, considerarmos a
existência do atrito entre o corpo em repouso e o seu movimento retilíneo e
uniforme.
08. Ao atingir a altura de 4 m, a quantidade de movimento do corpo será de
16 2 kg m/s.
16. A equação dimensional da energia cinética do corpo é dada por [L] 2 [M]
[T]-2 .
32. A intensidade da força aplicada pela máquina ao corpo será de 56 N.

18 - (UFSC/1998)
Uma caixa de massa 200kg, presa ao cabo de um helicóptero, estacionário em
relação à Terra, foi içada, deslocando-se verticalmente 10m, com velocidade
constante. Considerando-se que o trabalho realizado pelo ar sobre a caixa foi de –
1400J, calcule o trabalho, em quilojoules, realizado pelo cabo sobre a caixa.

19 - (FEI SP/2000)
Qual das alternativas abaixo representa as unidades de Força, Trabalho, Energia
cinética e Potência no Sistema Internacional (S.I.)?
m2
a) N, J, kg, , cv
s2
kg.m m2
b) 2 , J, Kg ,hp
s s2
kg.m kg.m 2 kg.m 2 kg.m 2
c) , , ,
s2 s2 s2 s3
kg.m 2 kg.m kg.m3
d) N, , ,
s2 s s2
kg.m kg.m 2
e) J, N, ,
s s2

20 - (UNIRIO RJ/1995)
Três corpos idênticos de massa M deslocam-se entre dois níveis como mostra a
figura: A - caindo livremente; B - deslizando a longo de um tobogã e C - descendo
uma rampa, sendo, em todos os movimentos, desprezíveis as forças dissipativas.
Com relação ao trabalho (w) realizado pela força-peso dos corpos, pode-se afirmar
que:
C A B

a) WC > WB > WA
b) WC > WB = WA
c) WC = WB > WA
d) WC = WB = WA
e) WC < WB > WA

21 - (UEM PR/1999)
Os diagramas abaixo mostram pequenas bolas que se movem sobre duas superfícies
circulares.

No diagrama 1, na posição A, a bola tem energia cinética suficiente para atingir a


posição C, sem perder o contato com a superfície. No diagrama 2, a bola é solta da
posição A. Despreze a força de atrito e assinale o que for correto.
01. Na posição B, no diagrama 1, a força normal à bola é menor, em módulo, que
seu próprio peso.
02. Na posição B, no diagrama 2, a força normal à bola é maior, em módulo, que seu
próprio peso.
04. O trabalho total realizado sobre a bola, para ir de A até C, no diagrama 1, é
maior que o trabalho total, para ir de A até C, no diagrama 2.
08. No diagrama 1, a bola se move com movimento circular uniforme.
16. No diagrama 2, a bola se move com movimento harmônico simples.

22 - (UEM PR/1999)
Uma esfera é solta da posição A, a partir do repouso, sobre uma superfície circular
correspondente a 1/3 de uma circunferência, conforme ilustra a figura. Despreze
todas as forças dissipativas.

Durante o período em que a esfera permanece em contato com a superfície, é correto


afirmar que:
01. a única força que realiza trabalho sobre a esfera é o seu próprio peso.
02. o trabalho total realizado sobre a esfera, para atingir o ponto C, é maior que o
trabalho total realizado para atingir o ponto B.
04. a variação da energia cinética da esfera é sempre igual à variação de sua energia
potencial.
08. a força normal à esfera aumenta à medida que sua velocidade aumenta.
16. a força peso da esfera aumenta à medida que sua velocidade aumenta.

23 - (UEM PR/2001)
Três carregadores A, B e C precisam colocar caixas idênticas de massa M em uma
plataforma de altura H. O carregador A utiliza uma roldana e uma corda levantando
a caixa verticalmente; o carregador B utiliza uma rampa com inclinação B e o
carregador C utiliza uma rampa com inclinação C < B, como ilustram as figuras a
seguir.

Sendo FA, FB e FC a intensidade das forças aplicadas pelos carregadores A, B e C,


respectivamente, considerando que os três processos são realizados a velocidade
constante, e que as forças de atrito entre a caixa e a superfície da rampa, bem como
o atrito na polia são nulos, assinale o que for correto.
01. FB = FC.
02. FA = Mg, na qual g é a aceleração da gravidade no local.
04. FA > FC.
08. FA > FB.
16. Se DEP é a variação da energia potencial gravitacional no processo, então EP
(A) > EP (B) > EP (C).
32. O trabalho realizado pelos três carregadores é o mesmo.

24 - (PUC RS/1999)
Um corpo de 2,00kg de massa efetua movimento retilíneo com 5,00 m/s de
velocidade, quando sobre ele passa a atuar uma força de 6,00 N, na mesma
orientação da velocidade, durante 5,00 s. O valor do trabalho realizado pela força
nessas condições vale:
a) 200 J
b) 225 J
c) 375 J
d) 400 J
e) 425 J

25 - (FURG RS/2003)
Um bloco de 5 kg move-se em linha reta sobre uma superfície horizontal, sem atrito,
sob a influência de uma força que varia conforme a posição, como mostrado na
figura. Se a velocidade da partícula, ao passar pela origem, era 4,0 m/s, com que
velocidade ela passará pelo ponto x = 8,0 m?

a) 28 m / s
b) 27 m / s
c) 26 m / s
d) 25 m / s
e) 24 m / s

26 - (UNIFOR CE/1998)
O gráfico abaixo representa a intensidade da força resultante, de direção constante,
que atua em um corpo de massa 5,0kg, inicialmente em repouso, em função de
tempo.
O trabalho realizado por essa força resultante no intervalo de 0 a 5,0s, em joules,
foi
a) 5,0  103
b) 2,5  103
c) 5,0  102
d) 2,5  102
e) 1,0  102

27 - (UFBA/1999)
A figura ao lado representa a experiência de Joule na qual uma massa m cai de uma
altura h, fazendo girar as pás, que, por sua vez, aquecem uma massa M de água.
Admite-se que toda a energia gerada pela queda de m produz aquecimento de M e
que a resistência do ar é desprezível. O módulo da aceleração da gravidade local é
g, e o calor específico da água é c.

Nessas condições, é correto afirmar:


01. A massa m atinge metade da altura com velocidade igual a 2g h .

02. Durante a queda da massa m, a energia total do sistema é igual a mgh .


04. A energia mecânica do sistema não se conserva, dissipando-se sob a forma de
calor.
08. A massa M de água sofre um aumento de temperatura, determinado por
mgh
  .
Mc
16. Nessa experiência, a água absorve energia na forma de calor sensível.

28 - (UERJ/1997)
Um pequeno vagão, deslocando-se sobre trilhos, realiza o percurso entre os pontos A
e C, segundo a forma representada na figura abaixo, onde h 1 e h2 são os desníveis do
trajeto.
Os trabalhos realizados entre os pontos A e C, pelo peso () do carrinho e pela reação
normal () exercida pelos trilhos sobre o vagão, correspondem, respectivamente, a:
a) | p | (h1 + h2) e | n | (h1 + h2)
b) | p | (h1 + h2) e 0
c) | p | h2 e | n | h2
d) | p | h2 e 0

29 - (UFAL/1998)
A velocidade escalar de um corpo de massa 5,0 kg, que percorre uma trajetória
retilínea, varia com o tempo de acordo com o gráfico abaixo.
V (m /s )
20

10

0 5 ,0 10 t(s )

O trabalho realizado pela força resultante que atua no corpo, durante o movimento
representado no gráfico, em joules, vale
a) – 500
b) – 250
c) – 125
d) 100
e) 500

30 - (UFBA/1999)
Um pequeno bloco de massa m, inicial-mente em repouso, num local onde a
intensidade do campo gravitacional é g , desce, de uma altura h, um plano
inclinado perfeitamente liso. Ao abandonar a rampa, o bloco continua se deslocando
sobre uma superfície horizontal rugosa, sofrendo, então, uma desaceleração a, até parar
no ponto C.

Desprezando-se a resistência do ar e sabendo-se que


1 3
sen 30 o  e cos 30 o  , é correto afirmar:
2 2
01. A intensidade da reação normal da superfície inclinada, sobre o bloco, é igual a
mg.
mg
02. A intensidade da força que faz o bloco descer o plano é igual a .
2
04. A energia mecânica do bloco no ponto A é a mesma que no ponto C.
08. O trabalho realizado pela força peso para deslocar o bloco de A até B é igual a
mgh .
ah
16. Para ir de B até C , o bloco percorre uma distância igual a .
g
h
32. No trecho BC, o coeficiente de atrito cinético é igual a .
d

31 - (UFMG/1999)
As figuras mostram uma pessoa erguendo um bloco até uma altura h em três
situações distintas.

Na situação I , o bloco é erguido verticalmente; na II , é arrastado sobre um plano


inclinado; e, na III , é elevado utilizando-se uma roldana fixa.
Considere que o bloco se move com velocidade constante e que são desprezíveis a
massa da corda e qualquer tipo de atrito.
Comparando-se as três situações descritas, é correto afirmar que o trabalho realizado
pela pessoa é
a) maior em II .
b) o mesmo em I , II e III .
c) maior em I .
d) menor em II .

32 - (CEFET GO/2001)
Sobre energia mecânica, trabalho de uma força e suas aplicações, analise as
proposições a seguir, colocando V para as verdadeiras e F para as falsas.
a) O trabalho de uma força é uma grandeza vetorial.
b) O trabalho realizado por uma força centrípeta será sempre nulo.
c) O Teorema da Energia Cinética afirma que o incremento de energia cinética
corresponde ao trabalho total realizado sobre uma partícula.
d) Durante a queda de um corpo no vácuo a energia mecânica do corpo permanece
constante.

33 - (FUNREI MG/1998)
As forças que agem sobre a massa suspensa de um pendulo em oscilação são: a
força da gravidade, a tensão na corda e a resistência do ar. Com base nessa
informação, é incorreto afirmar que
a) a tensão na corda nunca realiza trabalho sobre o pêndulo.
b) o trabalho total sobre o pêndulo e positivo.
c) o trabalho realizado pela resistência do ar é negativo durante todo o movimento.
d) a força d gravidade realiza alternadamente trabalho positivo e trabalho negativo
durante o movimento.

34 - (FUVEST SP/1997)
Um atleta está dentro de um elevador que se move para cima com velocidade
constante V. Ele começa a levantar uma massa de 100kg, inicialmente apoiada no
peso do elevador, quando este passa pela altura z = 0,0m, e termina quando o peso
do elevador passa por z = 27,0m. A massa é levantada pelo atleta até uma altura de
2,0m acima do piso do elevador. O trabalho realizado pelo atleta sobre a ,assa é W. A
variação da energia potencial da massa durante o levantamento, em relação ao
referencial da Terra, é U. Podemos afirmar, usando g = 10m/s2, que

2m
2 7 ,0 m

V
g

0 ,0

a) W = 2.000J e U = 2.000J
b) W= 2.000J e U = 29.000J
c) W = 27.000J e U = 27.000J
d) W = 2.000J e U = 27.000J
e) W = 29.000J e U = 29.000J

35 - (FUVEST SP/2000)
Uma pessoa puxa um caixote, com uma força F, ao longo de uma rampa inclinada
de 30° com a horizontal, conforme a figura, sendo desprezível o atrito entre o
caixote e a rampa. O caixote, de massa m, desloca-se com velocidade v constante,
durante um certo intervalo de tempo t. Considere as seguintes afirmações.
I. O trabalho realizado pela força F é igual a F.v.t
m . g . v . t
II. O trabalho realizado pela força F é igual a
2
m . g . v . t
III. A energia potencial gravitacional varia de
2

V F
g
30°

Está correto apenas o que se afirma em


a) III
b) I e II
c) I e III
d) II e III
e) I, II e III

36 - (UFRJ/1996)
Uma esfera de aço de massa m = 20 kg, suspensa por um fio a um suporte, é
afastada de sua posição de equilíbrio e abandonada a uma altura H0 = 0,48 m, como
mostra a figura 1. Ao completar a primeira oscilação, verifica-se que ele consegue
atingir apenas uma altura H1 = 0,45 m, como mostra a figura 2.
f ig . 1 f ig . 2

H 0 = 0 ,4 8 m H 0 = 0 ,4 5 m

Sendo g = 10 m/s² a aceleração da gravidade, calcule:


a) o trabalho realizado pelos diversos atritos que se opõem ao movimento da esfera
durante essa primeira oscilação.
b) o trabalho realizado pela tensão no fio durante essa primeira oscilação.

37 - (UFG GO/1996)
AVIÃO EM PIQUÊ
Um avião de massa 5,00 toneladas voa horizontalmente com velocidade 300m/s. A
partir deste instante ele começa a descer, como ilustra a figura. Após 10s, ele atinge
a velocidade de 400m/s, estando a 1000m abaixo da trajetória inicial.
3 0 0 m /s

1000m

60º
4 0 0 m /s

a) Sabendo que a velocidade do som no ar é aproximadamente 1224 km/h, o avião


“rompe a barreira do som” na descida? Justifique.
b) Sabendo que os motores desenvolvem uma potência útil média de 2.10 7 W, qual
o trabalho do motor na descida? Qual o trabalho da força gravitacional? (Adote
g = 10m/s2)
c) Aplicando o teorema Trabalho-Energia Cinética, determine o trabalho da força
de resistência do ar.

38 - (UFG GO/1998)
Um carro percorre uma curva plana, horizontal e circular, de raio igual a 1.0 km,
com energia cinética constante igual a 2.105 J.
a) Calcule a força resultante atuando sobre o carro.
b) Qual o trabalho realizado pela força resultante, sobre o carro, ao percorrer 1/4 de
circunferência?

39 - (PUC RJ/1997)
Um corpo de massa m = 25g se desloca com aceleração de 36km/min 2 ao longo de
uma reta de 8m. O trabalho realizado sobre o corpo ao fim do percurso é, em joules.
a) 2
b) 7,2
c) 200
d) 900
e) 7200

40 - (PUC RJ/2001)
Durante a Olimpíada 2000, em Sidney, um atleta de salto em altura, de 60 kg,
atingiu a altura máxima de 2,10 m, aterrizando a 3 m do seu ponto inicial. Qual o
trabalho realizado pelo peso durante a sua descida? (g = 10 m/s²)
a) 1800 J
b) 1260 J
c) 300 J
d) 180 J
e) 21 J

41 - (PUC MG/2005)
Um corpo apoiado sobre uma superfície com atrito é submetido à ação de uma força
externa FE, deslocando-se para a direita conforme ilustração abaixo.

P = peso
N = reação normal da superfície
FA = força de atrito cinético.

Enquanto o corpo se desloca, é CORRETO afirmar:


a) O trabalho realizado pela força P é igual ao trabalho realizado por N, e eles se anulam porque as forças têm
sentidos opostos.
b) O trabalho realizado pela força de atrito (F A) diminui a energia cinética do
corpo.
c) Se a força de atrito for maior que a força externa (FE), o corpo irá parar e passará
a se deslocar para a esquerda fazendo com que sua energia cinética volte a
aumentar.
d) A energia cinética do corpo vai se manter constante, porque o somatório de todas
as forças que agem sobre o corpo é igual a zero.

42 - (PUC PR/2001)
Uma motocicleta de massa 100kg se desloca a uma velocidade constante de 10m/s.
A energia cinética desse veículo é equivalente ao trabalho realizado pela força-peso
de um corpo de massa 50kg que cai de uma altura aproximada de uma queda do:
Obs: cada andar do edifício tem aproximadamente 2,5m.
a) 4o andar de um edifício.
b) 1o andar de um edifício.
c) 20o andar de um edifício.
d) 50o andar de um edifício.
e) alto de um poste de 6m.

43 - (PUC PR/2002)
O corpo representado está sendo deslocado por uma força de direção e sentido
constante e módulo variável, conforme o diagrama abaixo. O trabalho realizado por
essa força ao deslocar o corpo da posição 5 m à posição 20 m é.
a) 350 J
b) 600 J
c) 300 J
d) 100 J
e) 450 J

44 - (PUC MG/2005)
O GRÁFICO ABAIXO REPRESENTA A VARIAÇÃO DA FORÇA HORIZONTAL
(f) APLICADA SOBRE UM CORPO DE MASSA 2,0 Kg QUE SE DESLOCA A
PARTIR DO REPOUSO SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL PLANA
COM ATRITO. A FORÇA DE ATRITO CINÉTICO É CONSTANTE E VALE 2 N.

O trabalho realizado pela força de atrito, após o objeto percorrer 4,0 m, vale:
a) 8,0 J
b) 16,0 J
c) 24,0 J
d) 32,0 J

45 - (PUC MG/2005)
O GRÁFICO ABAIXO REPRESENTA A VARIAÇÃO DA FORÇA HORIZONTAL
(f) APLICADA SOBRE UM CORPO DE MASSA 2,0 Kg QUE SE DESLOCA A
PARTIR DO REPOUSO SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL PLANA
COM ATRITO. A FORÇA DE ATRITO CINÉTICO É CONSTANTE E VALE 2 N.

A velocidade do objeto, após ter-se deslocado 4,0 m, vale:


a) 2,0 m/s
b) 16,0 m/s
c) 4,0 m/s
d) 0

46 - (PUC PR/1998)
Um projétil de chumbo, de massa 10 gramas, é disparado de uma arma cujo cano
mede 50 cm de comprimento. Sabendo que, na boca do cano, a velocidade do
projétil é de 500 m/s, o trabalho realizado, em joules, pela força expansiva dos gases
resultantes da combustão da pólvora para expelir este projétil é:
a) 1250000
b) 125000
c) 12500
d) 1250
e) 125

47 - (UNIUBE MG/1998)
Uma partícula de massa 4kg, inicialmente em repouso, é submetida a uma força
resultante de direção e sentido invariáveis, e cuja intensidade varia de acordo com o
gráfico abaixo. O trabalho realizado sobre a partícula é, em J, igual a
F (N )

0 5 t( s )

a) 50
b) 30
c) 20
d) 10
e) zero

48 - (UFMS/2007)
Para melhorar a sustentação de um edifício pelo solo, os engenheiros utilizam uma
máquina chamada bate-estacas, que crava, verticalmente no solo, compridas estacas
de cimento para construir o edifício sobre elas. A sustentação é melhorada devido as
forças de resistências que o solo exerce sobre toda a superfície da estaca. Para cravar
as estacas, motores levantam, através de cabos, um grande bloco resistente, sob a
ação do campo gravitacional, até uma certa altura acima da extremidade superior da
estaca, e soltam-no em queda livre. O bloco colide com a extremidade superior da
estaca, fincando-a uma certa profundidade no solo. Esse movimento é repetido
várias vezes, até conseguir a penetração desejada da estaca no solo. Considerando
apenas a força que o solo aplica na estaca como dissipativa, é correto afirmar:
01. Enquanto o bloco está subindo, apenas o cabo realiza trabalho sobre o bloco.
02. Após o bloco ser solto, sua velocidade aumenta porque a energia potencial
gravitacional é convertida em energia de movimento.
04. Enquanto a estaca está sendo cravada, a força que o solo aplica na estaca é a
reação da força peso da estaca.
08. Enquanto a estaca está sendo cravada, a força que a estaca faz no solo é maior
que a força que o solo faz na estaca.
16. Enquanto a estaca está sendo cravada, a força peso da estaca não realiza
trabalho.
32. A força que a estaca faz no bloco é a reação da força que o bloco faz na estaca.
49 - (UFJF MG/1997)
Um carro massa 900 kg travou completamente suas rodas para evitar uma colisão
com um caminhão. A distância que o carro percorreu até alcançar o repouso foi 22
m. Sabendo que sua velocidade incial imediatmaente antes de freiar era 72 km/h,
calcule o trabalho realizado sobre o carro pelas forças dissipativas.
a) 125000 J
b) 200000 J
c) 180000 J
d) 50000 J
e) 75000 J

50 - (UFOP MG/1994)
Assinale a alternativa incorreta:
a) O trabalho realizado pelas forces conservativas sobre um dado corpo é igual à
energia potencial do corpo na posição inicial menos a energia potencial do corpo
na posição final.
b) O trabalho realizado pelas forces dissipativas sobre um dado corpo pode
aparecer sobre forma de calor e de energia de deformação.
c) A massa é a medida quantitativa da inércia de um corpo.
d) Ao transportar um corpo da Terra para a Lua seu peso permanece o mesmo, ao
passo que sua massa diminui.
e) Um corpo próximo à superfície da Terra pesará menos quando ele estiver no
Equador e mais quando ele estiver nos pólos.

51 - (UFOP MG/1994)
Um caminhão carregado e um pequeno automóvel movem-se ambos com a mesma
energia cinética. Assinale a alternativa correta.
a) A velocidade do automóvel é menor que a velocidade do caminhão.
b) O trabalho que deve ser realizado para parar o automóvel é menor do que o
trabalho que deve ser realizado para parar o caminhão.
c) Se ambos são freados até parar por meio de forças de mesmo valor, as distâncias
percorrida pelo automóvel será maior do que a percorrida pelo caminhão.
d) Se ambos colidirem contra um muro e pararem, o trabalho realizado pelo
automóvel será menor do que o trabalho realizado pelo caminhão.
e) Se ambos colidirem contra um muro e pararem, o trabalho realizado pelo
automóvel será igual ao trabalho realizado pelo caminhão.

52 - (UFOP MG/1998)
Uma força resultante (F) atua sobre uma partícula em movimento retilíneo, na
direção e no sentido de sua velocidade. O módulo da força (F) varia com a posição
(x) da partícula de acordo com o gráfico abaixo.
25
20
15

F o rça (N )
10
5
0
0 1 2 3 4
P o siç ã o (m )

A variação da energia cinética da partícula, desde x = 0,0 m até x = 4,0 m é:


a) K = - 5,0 J
b) K = 15,0 J
c) K = 25,0 J
d) K = 35,0 J
e) K = 45,0 J

53 - (FMTM MG/2003)
O folheto promocional de um fabricante de combustíveis apresenta em forma
gráfica como seriam os comportamentos de dois automóveis idênticos no momento
em que iniciam uma ultrapassagem sob as mesmas condições de uso. Um dos
automóveis utiliza gasolina comum (curva C) e outro utiliza a nova fórmula de
gasolina aditivada (curva A) que tem a propriedade de diminuir o atrito entre as
peças do motor.

Considerando insignificante a variação da massa de combustível utilizado durante


uma ultrapassagem, analise as afirmativas com base nas informações das curvas A e
C.
I. Em A, a aceleração proporcionada é constante enquanto que em C, ela é
variável.
II. Em C, o trabalho total realizado é menor que em A, num mesmo intervalo de
tempo.
III. Em A, a força comunicada pelo motor às rodas é constante enquanto que
em C, ela é variável.
IV. Em C, a quantidade de movimento é menor que em A, para qualquer instante do
intervalo de tempo apresentado.

Está correto o contido apenas em:


a) I e II.
b) I e III.
c) II e III.
d) II e IV.
e) III e IV.

54 - (UFOP MG/1995)
Uma partícula que se desloca em movimento retilíneo uniforme, com velocidade v 0
= 3m/s no sentido positivo do eixo x, sofre a ação da força F(x), que atua na direção
x e que varia como no gráfico abaixo.
F (x )
(N )
4

x
0 1 2 3 4 (m )

Se a massa da partícula é 0,5kg, pede-se:


a) calcule o trabalho realizado por esta força sobre a partícula;
b) calcule a velocidade da partícula no ponto x1 = 4m.

55 - (FMTM MG/2003)
Ao passear com seu bebê em um terreno horizontal, um pai aplica sobre o carrinho
uma força de intensidade constante e módulo 8 N na direção e sentido mostrados no
esquema. Se durante um trecho retilíneo de 100 m o carrinho mantém velocidade
constante, o valor absoluto do trabalho realizado pelas forças dissipativas que agem
sobre o carrinho, expresso em joules, é:
Dados: sen = 0,64
cos = 0,77

a) 400.
b) 512.
c) 616.
d) 770.
e) 800.

56 - (UFRRJ/1999)
Uma pessoa caminha sobre um plano horizontal. O trabalho realizado pelo peso
desta pessoa é:
a) sempre positivo.
b) sempre negativo.
c) sempre igual a zero.
d) positivo, se o sentido do deslocamento for da esquerda para a direita.
e) negativo, se o sentido do deslocamento for da direita para a esquerda.
57 - (UFU MG/1994)
Deseja-se elevar uma massa m desde o solo até uma altura h, com velocidade
constante, através de um trilho em forma de hélice (forma de uma mola) de raio R,
onde não há atrito. (vide figura)

Além de outras grandezas, o trabalho que deverá ser realizado para isso depende:
a) do raio R das espiras;
b) da altura h;
c) do raio R e do número de espiras;
d) do número de espiras;
e) da altura h e do raio R das espiras.

58 - (UNICAMP SP/1994)
Sob a ação de uma força constante, um corpo de massa m = 4,0kg adquire, a partir
do repouso, a velocidade de 10m/s.
a) Qual é o trabalho realizado por esta força?
b) Se o corpo se deslocou 25m, qual o valor da força aplicada?

59 - (UNIFENAS MG/2000)
Uma pessoa de massa 80kg está parada sobre uma plataforma que se encontra a 10m
do chão. Os valores do trabalho realizado por essa pessoa e da sua energia potencial
em relação ao chão – em Joules - são, respectivamente,
a) 8000 e 8000.
b) 800 e 8000.
c) 0 e 8000.
d) 8000 e 0.
e) 8000 e 800.

60 - (UNESP/1995)
Um bloco de madeira, de massa 0,40kg, mantido em repouso sobre uma superfície
plana, horizontal e perfeitamente lisa, está comprimindo uma mola contra uma
parede rígida, como mostra a figura.

Quando o sistema é liberado, a mola se distende, impulsiona o bloco e este adquire,


ao abandoná-la, uma velocidade final de 2,0m/s. Determine o trabalho da força
exercida pela mola, ao se distender completamente:
a) sobre o bloco e
b) sobre a parede

61 - (UFU MG/1995)
Considere a aceleração gravitacional igual a g e o gráfico da figura representando a
altura (em relação ao solo) de um corpo de massa m em função do tempo.
O trabalho realizado pela força peso para deslocar esse corpo do ponto A ao ponto B
é:
a ltu ra ( m )

hB

hA

tA tB te m p o (s )

a) mg(hB – hA);
b) –mg(hB – hA);
c) zero;
d) –mg(hA + hB);
e) –mg(hB – hA)/(tB – tA).

62 - (UFG GO/1993)
Uma garota de massa 50 kg está patinando sobre o gelo numa pista de patinação.
Após receber os devidos impulsos, ela atinge uma velocidade de 5m/s e, a partir
deste instante, deixa que a força de atrito, naturalmente , a faça parar. Considerando
a força de atrito como a única força dissipativa atuante sobre a garota, pergunta-se:
a) Qual o trabalho realizado sobre a garota para fazê-la parar?
b) Se todo o trabalho realizado pelo atrito fosse convertido em calor e fornecido a
uma certa massa de gelo a –4o C (4 graus abaixo de zero), qual deveria ser esta
massa para que ela apenas derretesse?

Dados: calor específico da água........................4,2 J/goC .


calor específico do gelo.........................2,1 J/goC.
calor latente de fusão do gelo................
63 - (UFMS/2006)
Sobre o trabalho de uma força de módulo constante atuante sobre uma partícula.
Assinale a(s) alternativa(s) correta(s).
01. Será nulo se não houver deslocamento da partícula.
02. Será nulo se a força for perpendicular ao deslocamento da partícula.
04. Será o mesmo qualquer que seja a trajetória seguida entre dois pontos pela
partícula se a força for conservativa.
08. Se a força atuante sobre a partícula for única, seu trabalho será maior do que a
variação da energia cinética da partícula.
16. Se a força atuante sobre a partícula for centrípeta, seu trabalho será negativo.

64 - (UEPB/2003)
Numa prova de natação, seis nadadores estão utilizando uma piscina com 25m de
comprimento, 12m de largura e 2,5m de profundidade. Suponha que, nesta piscina,
não há perda de calor da água para o ambiente, o calor específico da água vale 4,2 x
103 J/kg.ºC e a densidade de 103kg/m3. Considerando que ao final da prova, a
variação da temperatura da piscina, devido ao trabalho realizado pelos nadadores
sobre a água, é T = 4 x 10–4 ºC e, sendo a potência individual média de cada
nadador igual a 0,5 kW, o tempo médio de realização da prova, em minutos, é de:
a) 9
b) 8
c) 7
d) 10
e) 6

65 - (UEPB/2003)
Durante um dos jogos eliminatórios para a copa do mundo de 2002,. o jogador
Roberto Carlos, da seleção brasileira, “cobrou” uma falta de forma tal que a bola,
com massa de 500g, saindo do repouso, atingiu a velocidade final de 108 km/h.
Desprezado-se todas as perdas, o módulo do trabalho, em Joules, realizado sobre a
bola pelo jogador, na execução deste chute foi:

a) 13,5
b) 2916
c) 22500
d) 225
e) 450

66 - (UFAM/2007)
Um corpo de com massa 2,0 kg, lançado sobre uma superfície plana com velocidade inicial de 6,0 m/s, se move
em linha reta, até parar. O trabalho total realizado pela força de atrito sobre o objeto é, em Joules:
a) + 64
b) – 12
c) + 16
d) – 32
e) – 36

67 - (UFPR/2003)
Um corpo de massa m = 1,0 kg desliza por uma pista, saindo do ponto A com

velocidade 0 de módulo igual a 3,0 m/s, passando pelo ponto B com a mesma
v

velocidade v 0 e parando no ponto C (figura ao lado). A resistência do ar ao movi-
mento do corpo é desprezível, mas pode haver atrito entre o corpo e a pista. O trecho
da pista que contém B é parte de uma circunferência de raio R = 0,30 m. As alturas
de A, B e C em relação a um nível de referência são hA, hB e hC, respectivamente.
Com base nesses dados, é correto afirmar:
v O

C
h A
R
hC

B h B

01. Existe uma força de atrito entre a pista e o corpo entre os pontos A e B,
que realiza trabalho igual a –mg(hA-hB).
02. Nenhuma força realiza trabalho sobre o corpo entre A e B, pois não
houve variação da energia cinética.
04. O trabalho total realizado sobre o corpo entre os pontos B e C é 9,0 J.
08. Se não houvesse atrito entre a pista e o corpo, este teria no ponto C uma
velocidade com módulo maior que v0.
16. A aceleração centrípeta do corpo no ponto B é 30 m/s2.

68 - (UNICAMP SP/2003)
Utilize g = 10 m/s2 sempre que necessário na resolução dos problemas.
Uma usina que utiliza a energia das ondas do mar para gerar eletricidade opera
experimentalmente na Ilha dos Picos, nos Açores. Ela tem capacidade para suprir o
consumo de até 1000 pessoas e o projeto vem sendo acompanhado por cientistas
brasileiros. A usina é formada por uma caixa fechada na parte superior e
parcialmente preenchida com a água do mar, que entra e sai por uma passagem (vide
figura), mantendo aprisionada uma certa quantidade de ar. Quando o nível da água
sobe dentro da caixa devido às ondas, o ar é comprimido, acionando uma turbina
geradora de eletricidade. A área da superfície horizontal da caixa é igual a 50 m2.
n ív e l d o m a r s a íd a d e a r
p a r a a tu r b in a
ar

n ív e l d a
á g u a n a c a ix a

passag em

a) Inicialmente, o nível da água está a 10 m do teto e a pressão do ar na caixa é


igual à pressão atmosférica (105 Pa). Com a saída para a turbina fechada, qual
será a pressão final do ar se o nível da água subir 2,0 m? Considere que no
processo a temperatura do ar permanece constante.
b) Esboce a curva que representa o processo do item a em um diagrama de pressão
em função do volume do ar.
c) Estime o trabalho (em Joules) realizado pelas ondas sobre o ar da caixa.

69 - (UFAM/2007)
A figura representa a intensidade da força aplicada a um bloco, em função do seu deslocamento x. Sabe-se que a
força atua sempre na mesma direção e sentido do deslocamento
O trabalho realizado em Joules pela força média no deslocamento de 0 a 6 m é:
a) 100
b) 520
c) 200
d) 420
e) 300

70 - (UFAM/2004)
Um bloco está inicialmente em repouso no ponto A de uma superfície horizontal.
Sobre este bloco aplica-se uma força constante F, cujas componentes valem
Fx  15 N e Fy  10 N , como mostra a figura. Qual o trabalho realizado por esta
força, quando o bloco se deslocar horizontalmente do ponto A para o ponto B, cuja
distância entre eles vale d  2 m ?

a) 30 J
b) 50 J
c) 20 J
d) 10 J
e) 15 J

71 - (UFC CE/2004)
Um carro acelera, a partir do repouso, até uma velocidade de 30 km/h, gastando,
para isso, uma energia E1. A seguir, acelera de 30 km/h até alcançar 60 km/h,
gastando, para tal, uma energia E2. Considerando que todas as condições externas
(atrito, resistência do ar etc.) são idênticas nos dois trechos do percurso, compare as
energias gastas nos dois trechos e indique a alternativa correta.
a) E2 = E1/2
b) E2 = E1
c) E2 = 2 E1
d) E2 = 3 E1
e) E2 = 4 E1

72 - (UNIFOR CE/2003)
Considere as informações que seguem.
Um corpo de massa 4,0 kg é abandonado do repouso no ponto A de uma pista,
situada num plano vertical, cujo atrito com o corpo pode ser desprezado. O corpo
escorrega e, na parte horizontal inferior, ele comprime uma mola de constante
elástica 400 N/m.
No deslocamento do corpo, desde o ponto A até o ponto B, o trabalho realizado pelo
peso do corpo é, em joules,
a) 18
b) 36
c) 72
d) 80
e) 96

73 - (FMTM MG/2004)
Agulhas para máquinas de costura devem possuir elevada resistência contra esforços
laterais que podem surgir na costura de tecidos como o jeans. Um fabricante de
agulhas descreve em seu manual técnico que uma de suas agulhas especiais, ao ter a
ponta submetida a uma força lateral de até 1,0 N, sofre um deslocamento de até 2,0
mm, sem perder suas propriedades originais.
Nessa situação, a energia armazenada pela agulha, em J, é

a) 4,0  10–3.
b) 1,0  10–3.
c) 0,75  10–3.
d) 0,50  10–3.
e) 0,25  10–3.

74 - (UFPA/2007)
Uma caixa de pregos de 1,0 kg é lançada sobre uma superfície plana horizontal com uma velocidade inicial de
12 m/s, movendo-se em linha reta até parar. O trabalho total realizado pela força de atrito sobre a caixa é de
a) + 6 J
b) – 10 J
c) + 12 J
d) – 72 J
e) + 144 J

75 - (UEM PR/2005)
Um corpo de massa igual a 7 Kg, inicialmente em repouso sobre uma superfície
horizontal sem atrito, sofre a ação de uma força F1 durante 10s, após os quais ela é

retirada. Decorridos mais 10s, aplica-se uma força constante F2 , porém em sentido

oposto ao de F1 , até anular a velocidade do corpo. A figura abaixo mostra o gráfico
horário das velocidades dos movimentos executados pelo corpo. Assinale o que for
correto.

01. O móvel muda de sentido no instante t  20s .


02. A força F1 tem módulo igual a 140N.
04. No intervalo

de 10s a 20s, somente a força peso realiza trabalho.
08. A força 2 tem módulo igual a 49 N.
F

16. O trabalho realizado pela força F2 , entre os instantes 20s e 40s, é 686 J.
32. Nos 10 primeiros segundos, o corpo sofre um deslocamento de 700 m.

64. O trabalho realizado por uma força F é igual ao trabalho realizado por sua
componente na direção perpendicular ao movimento.

76 - (UESPI/2004)
Uma força constante, de valor F = 10 N, age sobre um corpo de massa m = 2 kg, o
qual se encontra em repouso no instante t 
= 0 s, sobre uma superfície horizontal sem
atrito (veja figura). Sabe-se que a força F é paralela à superfície horizontal.Com
relação a tal situação, qual é o valor do trabalho executado pela força F no
primeiro segundo de movimento?

a) 5J
b) 10 J
c) 15 J
d) 20 J
e) 25 J

77 - (UFV MG/2007)
Um bloco de massa M é abandonado a partir do repouso de uma altura H e desliza
em uma rampa, conforme mostrado na figura abaixo. Ao final da rampa, quando tem
uma velocidade de módulo v, o bloco colide com uma mola de massa desprezível
presa a uma parede.

Desprezando-se todos os atritos e sendo g o módulo da aceleração gravitacional, o


trabalho realizado pela mola sobre o bloco desde o instante em que este começa a
comprimi-la até sua compressão máxima é:
a) + MgH
b) – MgH
c) + Mv2/2
d) + MgH – Mv2/2
e) – MgH + Mv2/2

78 - (UNICAP PE/2004)
00. Ao mergulhar, uma pessoa pode sentir dor no ouvido, devido ao fato de a
pressão aumentar com a profundidade.
01. Com uma prensa hidráulica, é possível, com uma pequena força, levantar
um grande peso.
02. Um homem arrasta com uma corda um caixote sobre uma superfície
horizontal. A força de tração na corda tem intensidade de 20N e forma um
ângulo de 60º com a superfície. Sabendo que o caixote se movimenta com
velocidade constante, o trabalho realizado pelo atrito, no deslocamento de 2m, é
de –20J.
03. Um carrinho que se movimenta em uma montanha russa possui, no ponto
mais alto, a maior energia potencial e a menor energia cinética.
04. Uma máquina consome a potência de 2KW e o rendimento da máquina é
de 70%. O trabalho que ela realiza, em 20s, é de 4 x 103 J.

79 - (UNICAP PE/2004)
Um bloco A de 10Kg, provido de uma polia, escorrega sobre uma mesa sem atrito.
Esse bloco está ligado, por um fio, a um outro bloco B, de 5Kg, conforme a figura
05. O fio e as polias são ideais.
(Recorra a essa informação para resolver as proposições 00. e 01.)

00. A aceleração do bloco A é igual à aceleração do bloco B.


01. A força resultante no bloco A é igual a 2T, onde T é a tração no fio.
02. O peso aparente de um corpo é sempre menor que o próprio peso do
corpo.
03. Quanto maior é o trabalho realizado pela força resultante que atua em um
corpo, maior é a variação da energia cinética do corpo.
04. O trabalho de uma força é uma grandeza escalar, logo independe da
direção da força aplicada no corpo.

80 - (FMTM MG/2005)
Um projétil é lançado obliquamente para cima. Considere que o projétil retorna ao
nível de onde foi lançado. Desprezando a resistência do ar, pode-se afirmar que:
a) o sistema projétil + Terra não é conservativo.
b) a variação da energia cinética do projétil é positiva.
c) a energia cinética do projétil é nula no ponto mais alto da trajetória.
d) a energia mecânica do sistema projétil + Terra varia durante o movimento.
e) o trabalho realizado pela força gravitacional no deslocamento total do projétil é
nulo.
81 - (FMTM MG/2005)
Brincando na areia da construção, uma criança pega um vasinho plástico para
plantas, que estava vazio, e o enche com areia. Em seguida, ergue o vasinho até uma
altura de 0,8 m e, mantendo a altura constante, observa o escoamento total da areia
pelos furos do vasinho, que obedece, aproximadamente, ao indicado no gráfico.

Se a aceleração da gravidade tem valor 10 m/s 2, o trabalho do peso da areia no


decorrer dos 20 s, em J, é:
a) 8.
b) 10.
c) 14.
d) 16.
e) 20.

82 - (UNIMONTES MG/2007)
Um bloco está inicialmente em repouso sobre uma superfície horizontal. A partir de
certo instante, passa a atuar sobre ele uma força F de direção constante (horizontal),
cuja intensidade, em função da posição s, é dada na figura. Calcule o trabalho de F
de s = 0 a s = 8.

Observação: O sinal negativo atribuído à intensidade indica que a força tem sentido
contrário ao sentido positivo especificado para a direção constante considerada.
a) 10 J
b) 30 J
c) 40 J
d) 20 J

83 - (UNIOESTE PR/2007)
Em uma obra, um tijolo de massa igual a 500 g sofre a ação de uma força resultante
horizontal de 3 N durante um intervalo de tempo de 2 s. Considere que, no intervalo
de tempo dado, o tijolo se movimenta apenas horizontalmente. Desconsidere
qualquer forma de atrito. Para este intervalo de tempo, assinale a alternativa correta.
a) O tijolo se movimenta com velocidade constante.
b) A quantidade de movimento do tijolo se conserva.
c) O deslocamento mínimo possível do tijolo é de 12 m.
d) O trabalho que a força resultante de 3 N realiza sobre o tijolo é igual à variação
de energia cinética do tijolo.
e) Conforme a Terceira Lei de Newton, o par ação e reação de forças que atua
sobre o tijolo apresenta diferença de 3 N entre seus módulos.

84 - (UNIPAR PR/2007)
Um corpo de massa 10,0 kg, inicialmente em repouso, é submetido à ação de uma força constante e paralela ao
deslocamento. Sabendo que ao final de 5,0 s a sua velocidade é de 15,0 m/s, o valor da força, em N, aplicada
sobre o corpo foi de:
a) 40
b) 30
c) 25
d) 20
e) 15

85 - (FATEC SP/2005)

86 - (FEI SP/2004)
A força aplicada por um trator para empurrar um monte de terra varia com a
distância de acordo com o gráfico abaixo. Qual o trabalho realizado pelo trator no
deslocamento de 0 até 10m?

Adotar g=10m/s2
a) 3,6105 J
b) 4,0105 J
c) 4,4105 J
d) 8,6105 J
e) 7,2155 J

87 - (UEG GO/2005)
Um cofre de massa 200kg, inicialmente em repouso, é sujeito a duas forças
constantes F1 e F2 que formam um ângulo de 90º, como mostra a figura. Sendo a
força resultante FR  100 N , a força F1 o dobro da força F2 e desprezando a força de
atrito, é INCORRETO afirmar que nos primeiros 5s:

a) F1  40 5 N e F2  20 5 N
 5
b) A aceleração na direção de F1 é m / s2 .
5
c) A velocidade no fim dos 5s é 5 m / s .
d) O trabalho realizado pela força F1 é τ  500J .
e) O cofre continuará em repouso.

88 - (UEM PR/2005)
Um elevador com uma massa m = 500 kg está descendo com uma velocidade de 4,0
m/s, suspenso por um cabo, quando o sistema de guincho que o sustenta começa a
patinar, permitindo que caia por uma distância de 12 m, com aceleração constante a
= g/5, em que g = 10 m/s 2 é a aceleração da gravidade local. Assinale o que for
correto.
01. Durante a queda, o trabalho realizado sobre o elevador pelo seu peso mg vale
5104 J.
02. Durante a queda, a tração T exercida pelo cabo vale 3103 N.
04. Durante a queda, o trabalho realizado sobre o elevador pela tração T exercida
pelo cabo vale – 4,8104 J.
08. Durante a queda, o trabalho total realizado sobre o elevador vale 1,2104 J.
16. No final da queda, a energia cinética do elevador vale 1,6104 J.
32. No final da queda, a velocidade do elevador vale 8 m/s.

89 - (UFAM/2005)
Um ciclista, pedalando sua bicicleta, realiza um trabalho mecânico W1 para acelerá-
la de 0 a 2m/s e W2 para aumentar a velocidade de 2m/s para 4m/s. Considerando
que todo o trabalho mecânico realizado pelo ciclista seja convertido em energia
cinética da bicicleta, podemos afirmar que:
a) W2 = 4W1
b) W2 = 2W1
c) W2 = W1
d) W2 = 3W1
e) W2 = 6W1

90 - (UFPE/2005)
Um objeto com massa 1,0 kg, lançado sobre uma superfície plana com velocidade
inicial de 8,0 m/s, se move em linha reta, até parar. O trabalho total realizado pela
força de atrito sobre o objeto é, em J:
a) + 4,0
b) – 8,0
c) + 16
d) – 32
e) + 64

91 - (UFPB/2005)
Um bloco de 1 kg colide com uma mola de constante elástica 2 N/m, como mostra a
figura.
O coeficiente de atrito dinâmico entre o bloco e o solo é 0,1. Observando-se que a
compressão máxima da mola foi 1 m, então conclui-se que a velocidade do bloco no
instante da colisão era:
a) 0,5 m/s
b) 1,0 m/s
c) 1,5 m/s
d) 2,0 m/s
e) 2,5 m/s

92 - (UNIFAP AP/2005)
Um carro de compras de um supermercado, de massa igual a 8 kg, foi deixado, com
certa quantidade de mercadoria, no corredor de trânsito dos compradores. Um
funcionário do supermercado tira-o do repouso (x = 0, no gráfico). A resultante das
forças atuando sobre o carro é paralela ao piso do corredor e a variação de sua
intensidade está ilustrada no gráfico abaixo.

Sabendo que a velocidade do carro, na posição 6 m, é 1 m/s, calcule o peso, em


newtons, da mercadoria deixada dentro do carro, pelo consumidor.

93 - (UNIFOR CE/2005)
Numa pista vertical em forma de arco de circunferência, de raio R = 1,0 m, um
corpo de massa 2,0 kg é abandonado, a partir do repouso, no ponto A e chega ao
ponto B com velocidade de 4,0 m/s.

Adote g = 10 m/s2. O trabalho das forças dissipativas atuantes no corpo no trecho


AB tem módulo, em joules:
a) 20
b) 16
c) 8,0
d) 4,0
e) 2,0

94 - (UNIMONTES MG/2005)
Um pequeno carrinho movimenta-se, sem atrito, numa montanha russa (veja a
figura). Sua energia potencial, que é máxima no ponto A, é medida a partir do nível
do solo. O trecho CD é retilíneo.
Considere as seguintes afirmativas a respeito da situação descrita:

I. O trabalho realizado pela força gravitacional sobre o carrinho é positivo no


trajeto de A para B.
II. O trabalho realizado pela força gravitacional sobre o carrinho é positivo no
trajeto de B para C.
III. O trabalho realizado pela força gravitacional sobre o carrinho é nulo no trajeto
de C para D.

Estão CORRETAS as afirmativas:


a) I, II e III.
b) I e II, apenas.
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.

95 - (UNIOESTE PR/2005)
Um objeto de massa X quilogramas sofre a ação de uma força resultante igual a 2X
newtons, durante um intervalo de tempo de 1 segundo. Considere que a força
resultante realiza um trabalho maior que zero e que o objeto não sofre movimento de
rotação. Durante este intervalo de tempo, é correto afirmar
01. que o objeto pode apresentar uma elevação na energia potencial gravitacional.
02. que o momento linear do objeto pode permanecer constante.
04. que a energia cinética final do objeto será necessariamente superior à energia
cinética inicial.
08. que o módulo da aceleração do objeto é de 2 m/s2.
16. que não ocorre a conservação da quantidade de movimento do objeto.
32. que, para um movimento horizontal, a energia total do objeto se conserva.
64. que um gráfico cartesiano da velocidade no eixo y e tempo no eixo x apresentará
uma reta paralela ao eixo x.

96 - (UFG GO/2006)
Faz-se um objeto de massa M elevar-se de uma mesma altura H utilizando um dos
três mecanismos mostrados na figura. As forças são ajustadas para vencer a
gravidade sem transferir energia cinética ao corpo. O atrito e a inércia das polias são
desprezíveis.
Em relação a essa situação, é correto afirmar: 
a) O mecanismo I é mais vantajoso porque F1 e o trabalho que ela realiza são os
menores. 
b) O mecanismo II é mais vantajoso porque F2 realiza o menor trabalho.

c) O mecanismo III é mais vantajoso porque F3 é a menor força.
 
d) O trabalho de F3 é menor do que o trabalho de F2 .
 
e) O trabalho de F1 é igual ao trabalho de F3 .

97 - (UFLA MG/2006)
Forças que variam em função da distância são comuns em Física, como, por
exemplo, em molas, quando um corpo preso a ela oscila em torno de uma posição de
equilíbrio. O diagrama abaixo mostra uma força elástica que atua sobre um corpo de
massa 0,3 kg oscilando entre os pontos x = –0,2 m e x = 0,2 m. Supondo a total
ausência de atrito no sistema e considerando que na posição x = – 0,2 m a
velocidade do corpo é nula e, na posição x = –0,1 m, a velocidade é de 10 m/s,
calcule os itens a seguir.

a) Valor da constante elástica k da mola.


b) Trabalho realizado pela mola entre os pontos x = – 0,1 m e x = 0.
c) Trabalho total realizado pela mola entre os pontos x = – 0,2 m e x = + 0,2 m.

98 - (UFPB/2006)
Um avião decola e segue, inicialmente, uma trajetória de ascensão retilínea por 3km,
formando um ângulo de 30º com a horizontal. Se a força gravitacional realizou um
trabalho de 1,5108J, a massa do avião, em toneladas, vale:
a) 10
b) 5
c) 4,5
d) 1,5
e) 1,0

99 - (UFPE/2006)
Um rapaz puxa, por 3,0 m, um caixote, aplicando uma força, F = 50 N, com direção
oblíqua em relação à horizontal (ver figura). O caixote se desloca com velocidade
constante e em linha reta. Calcule o trabalho realizado pela força de atrito sobre o
caixote, ao longo do deslocamento, em joules.
a) - 25
b) - 30
c) - 50
d) - 75
e) - 90

100 - (UERJ/2005)
Uma caixa está sendo puxada por um trabalhador, conforme mostra a figura abaixo.

Para diminuir a força de atrito entre a caixa e o chão, aplica-se, no ponto X, uma força f.
O segmento orientado que pode representar esta força está indicado na seguinte alternativa:
a)

b)

c)

d)

101 - (UERJ/2006)
Observe as situações abaixo, nas quais um homem desloca uma caixa ao longo de um trajeto AB de 2,5 m.

As forças F1 e F2, exercidas pelo homem nas duas situações, têm o mesmo módulo igual a 0,4 N e os ângulos
entre suas direções e os respectivos deslocamentos medem  e 2 .
Se k é o trabalho realizado, em joules, por F1, o trabalho realizado por F2 corresponde a:
a) 2k
k
b)
2
k2 1
c)
2
d) 2k2  1

102 - (UFRJ/2006)
Um plano está inclinado, em relação à horizontal, de um ângulo θ cujo seno é igual
a 0,6 (o ângulo é menor do que 45o).
Um bloco  de massa m sobe nesse plano inclinado sob a ação de uma força
horizontal F , de módulo exatamente igual ao módulo de seu peso, como indica a
figura a seguir.

a) Supondo que não haja atrito entre o bloco e o plano inclinado, calcule o módulo
da aceleração do bloco. 
b) Calcule a razão entre o trabalho WF da força F e o trabalho WP do peso do
bloco, ambos em um deslocamento no qual o bloco percorre uma distância d ao
longo da rampa.

103 - (UFRN/2006)
Leopoldo foi ao supermercado comprar adoçante dietético. Ficou perplexo ao
verificar que as informações energéticas escritas nos rótulos de dois desses produtos
eram bastante contraditórias. A tabela a seguir resume essas informações
energéticas.

* Valor Diário de Referência (VDR): é o valor que representa a quantidade de


calorias que deve ser ingerida por uma pessoa, de modo a suprir apropriadamente,
sem excesso nem deficiência, suas necessidades energéticas durante 24 horas.

O consumo diário habitual de qualquer um dos dois produtos, por um usuário destes,
é de vários envelopes, ou gotas, por dia.
As contradições que ele observou, portanto, foram:

1. o valor calórico citado para um envelope, no rótulo do produto 1, é maior que o


VDR;
2. o VDR, no rótulo do produto 1, é muito menor que o VDR que consta no rótulo
do produto 2.

Com o objetivo de esclarecer essas contradições, responda aos subitens abaixo.


a) Considerando que Leopoldo, em um dia de trabalho, eleva de 2 metros de altura
1.000 sacos de cereais, e que a massa de cada saco é 60 kg, calcule o trabalho
realizado por ele nesse dia para cumprir essa tarefa. (Use
g  10 m/s 2 e 1 J  0,24 cal. )
b) Usando como referência o resultado obtido no subitem anterior, especifique qual
dos produtos contém o valor correto do VDR em seu rótulo. Justifique sua
resposta.
104 - (UFSC/2006)
Em relação ao conceito de trabalho, é CORRETO afirmar que:
01. quando atuam somente forças conservativas em um corpo, a energia cinética
deste não se altera.
02. em relação à posição de equilíbrio de uma mola, o trabalho realizado para
comprimi-la por uma distância x é igual ao trabalho para distendê-la por x.
04. a força centrípeta realiza um trabalho positivo em um corpo em movimento
circular uniforme, pois a direção e o sentido da velocidade variam
continuamente nesta trajetória.
08. se um operário arrasta um caixote em um plano horizontal entre dois pontos A e
B, o trabalho efetuado pela força de atrito que atua no caixote será o mesmo,
quer o caixote seja arrastado em uma trajetória em ziguezague ou ao longo da
trajetória mais curta entre A e B.
16. quando uma pessoa sobe uma montanha, o trabalho efetuado sobre ela pela força
gravitacional, entre a base e o topo, é o mesmo, quer o caminho seguido seja
íngreme e curto, quer seja menos íngreme e mais longo.
32. o trabalho realizado sobre um corpo por uma força conservativa é nulo quando a
trajetória descrita pelo corpo é um percurso fechado.

105 - (UNICAP PE/2006)


00. O gráfico da figura 03 representa a variação da componente horizontal da
velocidade de uma bola que foi lançada obliquamente, formando um ângulo de
60o com a horizontal.

Desprezando a resistência do ar, a velocidade da bola, ao atingir a altura


máxima, e o tempo de subida são, respectivamente, 54 km/h e 1,5s.
01. Sabendo que o coeficiente de atrito cinético entre o bloco e a superfície da figura
04 é 0,2, a aceleração que o bloco adquire é de 3m/s2. figura 04

02. No plano liso inclinado da figura 05, a tração no fio e a força normal são,
respectivamente, 10N e 20N.

03. Um bloco de 100g gira em um plano horizontal, em torno de um ponto fixo,


preso à extremidade de um fio de 2,0m de comprimento, cuja tração máxima que
suporta é de 20N. A velocidade máxima que o bloco pode atingir, sem partir o
fio, é 72 Km/h.
04. O trabalho realizado para subir uma escada correndo é maior do que o trabalho
realizado para subir a escada andando.

106 - (UNIFOR CE/2006)


Uma bala de massa 50 gramas incide com velocidade de 400 m/s numa prancha de
madeira, atravessa-a e sai com velocidade de 200 m/s, na mesma direção. O trabalho
da força resistente da madeira sobre a bala tem módulo, em joules,
a) 4,0 . 103
b) 3,0 . 103
c) 2,0 . 103
d) 1,0 . 103
e) 8,0 . 102

107 - (UNIMONTES MG/2006)


Na figura, temos representando o módulo F de uma força que atua numa partícula,
em função do deslocamento X dessa partícula. A área sob o gráfico F x X indica:

a) a energia cinética da partícula


b) a força resultante sobre a partícula
c) a energia dissipada pelo atrito
d) o trabalho realizado sobre a partícula

108 - (EFOA MG/2006)


Um motor com potência nominal de 5,0 x 10 3 W, utilizado em um guindaste, eleva
um bloco de peso igual a 2,0 x 104 N em 30 s. Considerando que há uma dissipação
de 1,0 x 103 J por segundo devido aos atritos, a elevação máxima do bloco é:
a) 8,0 m
b) 9,0 m
c) 12 m
d) 6,0 m
e) 7,5 m

109 - (EFOA MG/2006)


Um elevador sobe com velocidade constante levando uma pessoa em seu interior.
Quanto ao trabalho realizado pelas forças resultante e normal que atuam na pessoa, é
CORRETO afirmar que o trabalho da força resultante e o da força normal são,
respectivamente:
a) negativo e positivo.
b) positivo e positivo.
c) nulo e negativo.
d) nulo e positivo.
e) positivo e negativo.
110 - (UCS RS/2006)
Ao escrever, pressiona-se a ponta de um lápis sobre o papel.
Para traçar um segmento de reta de 9 cm de comprimento, precisa-se aplicar uma
força de 0,5 N que atue no sentido do movimento. O trabalho realizado pela força
para traçar o segmento de reta é igual a
a) 0,950 Joules.
b) 0,055 Joules.
c) 0,180 Joules.
d) 0,014 Joules.
e) 0,045 Joules.

111 - (UEPG PR/2006)


Considere um cubo de 200 mm de aresta e de densidade 11,4 x 10 3 kg/m3, que é
colocado no interior de um líquido de densidade 1.5 x 10 3 kg/m3. Sabendo-se que g
= 10 m/s2, assinale o que for correto.
01. A força de empuxo é uma força orientada de baixo para cima e é igual ao peso
do cubo.
02. O peso aparente do cubo depende da densidade do líquido em que está
submerso.
04. O empuxo que o cubo sofre é de 120 N.
08. No interior do líquido, o cubo tem sua massa alterada.
16. A massa do cubo é 91,2 kg.

112 - (UFAL/2004)
Um corpo de massa 2,0 kg é arrastado por 2,0 m sobre uma superfície horizontal,
submetido à ação de uma força F de intensidade 10 N e que forma 30º com a
horizontal,

O coeficiente de atrito entre o corpo e a superfície é 0,20.


Adote g 10 m/s2, sen 30º 0,50 e cos 30º 0,87.
Analise as afirmações.
00. A intensidade da força de compressão normal é 20 N.
01. O trabalho do peso nesse deslocamento é nulo.
02. O trabalho da força F nesse deslocamento vale aproximadamente 17 J.
03. O trabalho da força de atrito nesse deslocamento vale -6,0 J.
04. A variação da energia cinética do corpo é de 17 J.

113 - (UNIFEI MG/2007)


Um bloco desliza sem atrito e desce sobre um plano inclinado com velocidade constante. Pode-se afirmar que:
a) trabalho da componente da força peso na direção do movimento não é nulo, mas o trabalho da força
resultante sobre o bloco é nulo;
b) o há forças atuando no bloco;
c) energia cinética do bloco ao atingir o nível mais baixo do plano inclinado será igual ao módulo da variação
da energia potencial percebida pelo bloco devido à descida;
d) esse bloco não pode descer com velocidade constante pois não há atrito entre o bloco e o plano inclinado.
114 - (PUC MG/2007)
Considere um corpo sendo arrastado, com velocidade constante, sobre uma
superfície horizontal onde o atrito não é desprezível. Considere as afirmações I, II e
III a respeito da situação descrita.

I. O trabalho da força de atrito é nulo.


II. O trabalho da força peso é nulo.
III. A força que arrasta o corpo é nula.

A afirmação está INCORRETA em:


a) I apenas.
b) I e III, apenas.
c) II apenas.
d) I, II e III.

115 - (UFMS/2007)
A velocidade das gotas de água de chuva é constante, quando essas gotas caem
verticalmente, próximo da superfície da Terra. Esse fato é devido à interação do ar
com as gotas, o que ocasiona uma força chamada força de arrasto, que é
proporcional à velocidade das gotas e possui sentido oposto ao da velocidade.
Considerando que as gotas estavam em repouso antes da queda, e que, durante a
queda, sofrem interação apenas com o ar e o campo gravitacional uniforme da terra,
assinale a alternativa correta.
a) Desde o início da queda da gota até imediatamente antes de ela chegar ao solo, a
força de arrasto, aplicada pelo ar na gota, é sempre menor que o peso da gota.
b) Desde o início da queda da gota e até imediatamente antes de ela atingir o solo,
o trabalho total, realizado pela força peso somado com o da força de arrasto
aplicada na gota, é positivo.
c) Desde o início do movimento, a gota possui aceleração constante e diferente de
zero, mas, depois que atinge a velocidade constante, a aceleração é nula.
d) O trabalho realizado pelo campo gravitacional depende da velocidade da gota.
e) A energia mecânica (total) da gota é sempre constante em todo o movimento da
gota.

116 - (UNESP/2007)
O monumento de Stonehenge, na Inglaterra, é uma construção que impressiona pela
sua grandiosidade, sobretudo por ter sido construído por volta de 2800 a. C. A maior
pedra em Stonehenge mede cerca de 10m e tem massa de 50 000 kg, tendo sido
retirada de uma pedreira a 30 km de distância do local. Uma das hipóteses a respeito
de como um povo tão primitivo teria sido capaz de realizar tamanha façanha supõe
que a pedra teria sido arrastada em algum tipo de trenó primitivo por sobre a neve.
Considerando um coeficiente de atrito cinético de 0,2 e que 500 pessoas teriam
participado do arraste da enorme pedra de 50 000 kg, realizado na horizontal e a
velocidade constante, ao longo dos 30 km, e adotando g  10 m/s2 , pode-se afirmar
que o valor médio para o trabalho realizado por cada indivíduo seria de
a) 2 000 kJ.
b) 5 000 kJ.
c) 5 500 kJ.
d) 6 000 kJ.
e) 6 500 kJ.

117 - (FEPECS DF/2008)


Uma pessoa deseja saber quantas calorias perde cada vez que usa a bicicleta na academia. Suponha que, ao
pedalar, cada um de seus pés, apropriadamente preso a um dos dois pedais da bicicleta, exerça sobre o pedal uma
força sempre tangencial à trajetória circular de seus pés e de módulo constante igual a 20N. Além disso, a força
exercida por um pé tem sempre sentido oposto à exercida pelo outro, como indica a figura. O comprimento de
cada pedal é 0,25m e a pessoa mantém os pedais com uma velocidade angular constante de módulo igual a
4,2rad/s.

Considere, nesta questão, que W/Q=20%, onde W é o trabalho realizado pelos pés da pessoa e Q é a quantidade
de energia gasta por ela para realizar o exercício. Suponha que 1cal = 4,2J e lembre que 1,0 kcal = 1,0×103 cal.
Se a pessoa pedala por uma hora, nessas condições, o valor de Q é igual a:
a) 360 kcal;
b) 180 kcal;
c) 90 kcal;
d) 36 kcal;
e) 18 kcal.

118 - (FEPECS DF/2008)


Uma pequena esfera de massa m está presa ao extremo inferior de uma mola ideal cujo extremo superior está
fixo ao teto. Seja k a constante elástica da mola. Inicialmente, a esfera é mantida em repouso com a mola
orientada verticalmente e com seu comprimento natural, isto é, nem distendida, nem comprimida. Abandona-se a
esfera de modo que ela passe a oscilar verticalmente sob a ação de seu peso, da força elástica da mola e da força
de resistência do ar. Depois de muitas oscilações, a esfera entra novamente em repouso. O trabalho total
realizado pela resistência do ar sobre a esfera desde o instante em que foi abandonada até o instante em que
entrou novamente em repouso foi:
a) (1/2)m2g2 / k;
b) -(1/2)m2g2 / k;
c) m2g2 / k;
d) -m2g2 / k;
e) -(3/2)m2g2 / k.

119 - (PUC RJ/2008)


Durante a aula de educação física, ao realizar um exercício, um aluno levanta
verticalmente um peso com sua mão, mantendo, durante o movimento, a velocidade
constante.
Pode-se afirmar que o trabalho realizado pelo aluno é:
a) positivo, pois a força exercida pelo aluno atua na mesma direção e sentido
oposto ao do movimento do peso.
b) positivo, pois a força exercida pelo aluno atua na mesma direção e sentido do
movimento do peso.
c) zero, uma vez que o movimento tem velocidade constante.
d) negativo, pois a força exercida pelo aluno atua na mesma direção e sentido
oposto ao do movimento do peso.
e) negativo, pois a força exercida pelo aluno atua na mesma direção e sentido do
movimento do peso.

120 - (UFF RJ/2008)


Dois carrinhos podem deslizar sem atrito sobre um trilho de ar horizontal. A colisão
entre eles foi registrada, utilizando sensores de movimento, e as respectivas
velocidades, durante o processo, estão ilustradas no gráfico. O carrinho de massa m 2
estava inicialmente em repouso.

Assinale a opção que identifica corretamente as relações entre as massas m 1 e m2


dos dois carrinhos e entre as energias cinéticas totais do sistema antes E c a e  
 
depois E c d da colisão.
a) m 2  2m1 / 3; E c d  E c a / 2
b) m 2  m1 / 2; E c d  2E c a / 3
c) m 2  m1 ; Ecd  Eca
d) m 2  m1 / 3; Ecd  Eca / 3
e) m 2  2m1 ; Ecd  Eca / 3

121 - (UFSCar SP/2008)


O trabalho realizado por uma força conservativa independe da trajetória, o que não acontece com as forças
dissipativas, cujo trabalho realizado depende da trajetória. São bons exemplos de forças conservativas e
dissipativas, respectivamente,
a) peso e massa.
b) peso e resistência do ar.
c) força de contato e força normal.
d) força elástica e força centrípeta.
e) força centrípeta e força centrífuga.

122 - (UFTM/2008)
O ponteiro dos minutos de um relógio de parede tem comprimento 12 cm e consiste em uma haste de secção
retangular, feita homogeneamente em latão.
No intervalo compreendido entre 9h00 às 9h30min, o trabalho realizado pelo peso do ponteiro, tomado em seu
centro de massa, será, em J,
Dados:
• massa do ponteiro dos minutos = 25 g
• aceleração da gravidade local = 10 m/s2
a) 1×10–2.
b) 2×10–2.
c) 3×10–2.
d) 5×10–2.
e) 9×10–2.

123 - (UNIFESP SP/2008)


Na figura estão representadas duas situações físicas cujo objetivo é ilustrar o conceito de trabalho de forças
conservativas e dissipativas.


Em I, o bloco é arrastado pela força sobre o plano horizontal; por causa do atrito, quando a força F cessa o
bloco pára. Em II, o bloco, preso à mola e em repouso no ponto O, é puxado pela força sobre o plano horizontal,
sem que sobre ele atue nenhuma força de resistência; depois de um pequeno deslocamento, a força cessa e o
bloco volta, puxado pela mola, e passa a oscilar em torno do ponto O. Essas figuras ilustram:
a) I: exemplo de trabalho de força dissipativa (força de atrito), para o qual a energia mecânica não se conserva;
II: exemplo de trabalho de força conservativa (força elástica), para o qual a energia mecânica se conserva.
b) I: exemplo de trabalho de força dissipativa (força de atrito), para o qual a energia mecânica se conserva;
II: exemplo de trabalho de força conservativa (força elástica), para o qual a energia mecânica não se
conserva.
c) I: exemplo de trabalho de força conservativa (força de atrito), para o qual a energia mecânica não se
conserva;
II: exemplo de trabalho de força dissipativa (força elástica), para o qual a energia mecânica se conserva.
d) I: exemplo de trabalho de força conservativa (força de atrito), para o qual a energia mecânica se conserva;
II: exemplo de trabalho de força dissipativa (força elástica), para o qual a energia mecânica não se conserva.
e) I: exemplo de trabalho de força dissipativa (força de atrito);
II: exemplo de trabalho de força conservativa (força elástica), mas em ambos a energia mecânica se
conserva.

124 - (UEMS/2008)
Um carro parte do repouso em uma trajetória retilínea sofrendo ação de uma força
que, em função do deslocamento, tem o seguinte comportamento:

Com base nesses dados, pode–se dizer que o trabalho realizado pela força F no
deslocamento de 0 a 300m é de:
a) 5,0x104 J
b) 4,0x104 J
c) 3,5x104 J
d) 3,0x104 J
e) 2,5x104 J

125 - (UFAM/2008)
Um corpo de 8 kg é arrastado sobre uma superfície horizontal por uma força F cuja intensidade varia com a
posição, conforme o gráfico. O coeficiente de atrito cinético entre o corpo e a superfície é 0,25.
(Adote g  10 m / s 2 ).

Supondo a força na mesma direção do deslocamento, podemos afirmar que o trabalho realizado pela força
resultante sobre o corpo, ao ser deslocado de 0 a 60 m vale, em joules:
a) 2400
b) 3600
c) – 1200
d) 1800
e) 1600

126 - (UFRRJ/2008)
Um funcionário de uma transportadora, desejando colocar várias caixas na
carroceria de um caminhão, desenvolve um dispositivo que consiste numa rampa de
madeira apoiada na extremidade do veículo, conforme ilustra a figura.

A altura da carroceria em relação ao solo é igual a 1,0m, e o funcionário aplica a


cada caixa uma força constante de 60 N, paralela à rampa. Se considerarmos que
cada caixa tem massa igual a 30kg, que o coeficiente de atrito mc da caixa com a
rampa vale 0,20, e que a extensão da rampa é de 2,0m, pergunta-se: (Use
g  10 m/s 2 )
a) Quanto vale o trabalho realizado pela força aplicada à caixa?
b) Quanto vale o trabalho realizado pela força de atrito?

127 - (UNIMONTES MG/2008)


Uma força é chamada de conservativa quando
a) o trabalho por ela realizado não depende da trajetória de seu ponto de aplicação.
b) não realiza trabalho.
c) realiza apenas trabalho positivo.
d) o trabalho por ela realizado não depende da massa do corpo em que está
aplicada.

128 - (UFG GO/1999)


Considere a situação representada nas figuras a seguir:
(a ) (b )


l l

N S

Na figura (a), tem-se uma esfera metálica, de massa m, suspensa por um fio
inextensível de comprimento l. Ao aproximar-se lentamente um ímã da esfera
metálica, atua sobre esta uma força magnética horizontal, de tal forma a elevar a
esfera, vagarosamente, até a posição indicada na figura (b). Nessa posição, a esfera
metálica permanece em equilíbrio.
a) Esboce o diagrama, indicando as forças que atuam sobre a esfera na figura (b).
b) Utilizando o Teorema de Energia Cinética, calcule o trabalho realizado pela
força magnética para levar a esfera da posição mostrada na figura (a), para a
posição mostrada na figura (b).

129 - (UFG GO/1999)


Sobre um objeto de massa m igual a 1,0kg, inicialmente em repouso, atua uma força
resultante F, conforme o gráfico abaixo.

F (N )

0 4 S (m )

a) Determine, utilizando o Teorema da Energia Cinética, o módulo da velocidade


adquirida pelo objeto, quando a força deixar de atuar.
b) Esboce o gráfico da velocidade em função do tempo, desde t = 0 até t = 4 s.
c) Esboce o gráfico da posição em função do tempo, desde t = 0 até t = 4 s.

130 - (UFLA MG/2008)


O termo trabalho tem, popularmente, uma aplicação muito ampla como realização
de serviço. Na Física, o conceito de trabalho é preciso. Analise as quatro afirmativas
abaixo e, a seguir, marque a alternativa CORRETA.
I. O trabalho é numericamente igual à área sob uma curva num diagrama força
versus tempo.
II. Apenas a força resultante atuante sobre um corpo pode realizar trabalho.
III. Se apenas as forças conservativas atuarem sobre uma partícula, sua energia
cinética não é alterada.
IV. O trabalho realizado por uma força conservativa é igual à diminuição na energia
potencial associada àquela força.

a) Apenas a afirmativa IV está correta.


b) Apenas as afirmativas I e III estão corretas.
c) Apenas as afirmativas III e IV estão corretas.
d) Apenas as afirmativas I e II estão corretas.

131 - (UFU MG/2007)


Um avião de massa 4000 kg está com uma velocidade horizontal constante de 50
m/s e a uma altura inicial de 20m (situação A da figura abaixo). A partir dessa
posição, o avião desce com uma velocidade vertical constante, mantendo a
velocidade horizontal inalterada e toca a pista, após percorrer uma distância
horizontal de 200 metros (situação B do desenho abaixo).

Logo após tocar o solo, é aplicada uma aceleração constante ao avião para freá-lo. O
avião dispõe de 1 km de pista para parar completamente.
Com base nessas informações, marque a alternativa correta.
a) Para que o avião pare em segurança, sua aceleração mínima no solo deverá ser
de 1,25 m/s 2 .
b) A velocidade vertical do avião durante a descida deve ser de 10 m/s.
c) Durante a descida, a energia potencial gravitacional do avião será convertida em
energia cinética.
d) O trabalho realizado para frear completamente o avião dependerá de onde ele irá
parar.

132 - (UFTM/2008)
Em uma quermesse, um homem atira rolhas de cortiça com uma espingarda de ar
comprimido, em pequenas caixas numeradas.
O objetivo é derrubar as caixas. Contudo, ao acertar determinada caixa, a rolha de
massa 5 g, transferindo toda sua energia, consegue apenas empurrar a caixa sem a
derrubar. Se a rolha atinge seu alvo com velocidade de 28 m/s, o módulo do trabalho
da força de atrito, em J, é, aproximadamente,
a) 1.
b) 2.
c) 3.
d) 4.
e) 5.

133 - (UNESP/2008)
Um carrinho move-se para a esquerda com velocidade v 0, quando passa a ser
empurrado para a direita por um jato d’água que produz uma força proporcional ao
módulo de sua velocidade, Fv  C  v .
Tomando C  200 N  s / m e v 0  20 m/s , calcule o trabalho da força F necessária
a ser produzida pelo motor do carrinho, a fim de manter sua velocidade constante
durante 10 s.

134 - (UNIFOR CE/2008)


Um corpo de massa 100 g desliza pela pista em forma de semicircunferência, de raio 1,6 m, a partir do repouso
no ponto A.

Ao passar pelo ponto inferior B, sua velocidade é de 3,0 m/s. O trabalho da força de atrito no deslocamento do
corpo de A até B tem módulo, em joules,
a) 0,35
b) 0,80
c) 1,2
d) 1,6
e) 2,8

135 - (UPE/2008)
Na figura abaixo, um carro de montanha-russa de massa m  500 kg atinge o topo
da primeira elevação no ponto A com uma velocidade v A  20 m/s , a uma altura
h  35 m . O atrito e as forças resistivas são desprezíveis.

Nessa situação, é CORRETO afirmar que


a) o trabalho realizado pela força gravitacional sobre o carro, quando ele se desloca
do ponto A até o ponto B, é 15.000 J.
b) o trabalho realizado pela força gravitacional sobre o carro, quando ele se desloca
do ponto B até o ponto C, é 87.500 J.
c) o trabalho realizado pela força gravitacional sobre o carro, quando ele se desloca
do ponto A até o ponto D, é nulo.
d) no ponto D, a energia cinética do carrinho é nula.
e) no ponto D, a energia potencial do carrinho é máxima.

136 - (FEI SP/2008)


Um balde de massa 3kg contém 10 litros de água e é erguido com velocidade
constante, por uma força vertical F do fundo de um poço de 20 m de profundidade
até a borda do poço. Qual é o trabalho realizado pela força vertical? Despreze a
massa da corda.
Adote g = 10 m/s2
a) 260 J
b) 2 600 J
c) 1 300 J
d) 130 J
e) 2 000 J

137 - (FFFCMPA RS/2008)


Se a velocidade de um corpo de 2 kg varia de 36 km/h para 72 km/h, o trabalho total
realizado sobre o corpo é de
a) 20 J.
b) 40 J.
c) 100 J.
d) 200 J.
e) 300 J.

138 - (FEI SP/2008)


No exercício anterior, o bloco foi arrastado por 20 m e o cabo foi mantido com a
máxima tração suportada. Qual foi o trabalho realizado pelo trator?
Adote g = 10 m/s2
a) 1,0 kJ
b) 10 kJ
c) 100 kJ
d) 7,0 MJ
e) 7,0 GJ

139 - (FEI SP/2008)


Um corpo de massa m é arrastado para cima em uma rampa que faz um ângulo a
com a horizontal, por uma força F paralela à rampa.
Se o corpo é deslocado de uma distância d, e g é a aceleração da gravidade, qual é o
trabalho realizado pela força normal?
Adote g = 10 m/s2
a) WN  mgd
b) WN  0
c) WN  mgdsen 
d) WN  mgdtg 
e) WN  mgd cos 

140 - (UEM PR/2009)


Um bloco de 20,0 Kg, colocado sobre uma superfície plana e rugosa, é puxado na
direção do eixo x com velocidade constante de 1,0 m/s, por uma força F  100,0 N
, que faz um ângulo de 30º com a horizontal. O coeficiente de atrito cinético entre o
bloco e a superfície é 0,593.
Considere g = 9,8 m/s2 e assinale a(s) alternativa(s) correta(s).

01. O peso do bloco é 196 N.


02. A força de atrito cinético entre o bloco e a superfície é 196 N.
04. O trabalho realizado pela componente da força F na direção x, quando o bloco
é puxado 5,0 m, é 500 J.
08. A energia cinética do bloco é 10 J.
16. O trabalho realizado pela força de atrito quando o bloco é puxado 5,0m é,
aproximadamente, -433 J.

141 - (UFPE/2009)
Um pequeno bloco de massa m é largado, a partir do repouso, do ponto A, como
mostrado na figura. O bloco desliza, com atrito, dentro de uma semicalota esférica
de raio R até o ponto B, onde atinge o repouso. Considerando g, a aceleração da
gravidade, calcule o trabalho realizado pela força peso do bloco, ao longo do
percurso AB.

a) − mgR/3
b) 0
c) mgR/3
d) 2mgR/3
e) mgR

142 - (UNICAMP SP/2009)


A tração animal pode ter sido a primeira fonte externa de energia usada pelo homem
e representa um aspecto marcante da sua relação com os animais.
a) O gráfico abaixo mostra a força de tração exercida por um cavalo como função
do deslocamento de uma carroça. O trabalho realizado pela força é dado pela
área sob a curva F × d. Calcule o trabalho realizado pela força de tração do
cavalo na região em que ela é constante.

b) No sistema internacional, a unidade de potência é o watt (W) = 1 J/s. O uso de


tração animal era tão difundido no passado que James Watt, aprimorador da
máquina a vapor, definiu uma unidade de potência tomando os cavalos como
referência. O cavalo-vapor (CV), definido a partir da idéia de Watt, vale
aproximadamente 740 W. Suponha que um cavalo, transportando uma pessoa ao
longo do dia, realize um trabalho total de 444000 J. Sabendo que o motor de
uma moto, operando na potência máxima, executa esse mesmo trabalho em 40 s,
calcule a potência máxima do motor da moto em CV.

143 - (UNINOVE SP/2009)


Um operário ergue uma carga de 50 kg de massa trazendo-a do chão até uma altura
de 6,0m, onde ele se encontra. Para essa tarefa, o operário utiliza um moitão simples
de uma roldana fixa e outra móvel, como ilustra a figura.
Desprezando a inércia das roldanas e do cabo e considerando a aceleração da
gravidade com o valor 10m/s2, pode-se afirmar que o trabalho realizado

a) pelo peso da carga é de 3 000 J.


b) pelo peso da carga é de –3 000 J.
c) pela força exercida pelo operário é de 1 500 J.
d) pela força exercida pelo operário é de –1 500 J.
e) pela força exercida pelo operário depende da velocidade constante com que a
carga é erguida.

144 - (UNISA SP/2009)


Um pequeno corpo, de dimensões desprezíveis e massa m, passa pelo ponto A com
velocidade 20 m/s e sobe a rampa, chegando ao ponto B, distante 25m de A, com
velocidade nula. Considerando a aceleração da gravidade g  10 m/s 2 , o coeficiente
de atrito entre o corpo e o plano é igual a
Dados: sen  0,6 e cos   0,8

a) 0.
b) 0,15.
c) 0,20.
d) 0,25.
e) 0,30.

145 - (UFRN/2009)
O conceito de energia é considerado fundamental para a ciência. No entanto, as
variações de energia só são percebidas nos processos de transformação desta,
durante a realização de um trabalho e/ou a transferência de calor.
Para ilustrar a afirmação acima, considere que um caixote está sendo empurrado, ao
longo de uma distância de 9,0m, sobre o piso horizontal de um armazém, por um
operário que realiza uma força horizontal constante de 100,0 N. Considere, ainda,
que existe uma força de atrito de 90,0 N, produzida pelo contato entre o piso e o
caixote.
Dados:
 Trabalho realizado sobre um corpo por uma força constante: W  Fd cos  ,
onde F é o módulo da força que atua sobre o corpo, d é o módulo do vetor
deslocamento do corpo e  o ângulo entre a força e o vetor deslocamento.
 Teorema do trabalho-energia: WFr  E c , onde Fr é o módulo da força
resultante.

A partir dessas informações, calcule

a) o trabalho realizado pelo operário sobre o caixote;


b) o trabalho que é convertido em energia térmica;
c) a variação da energia cinética do caixote no processo.

146 - (FGV/2009)
Devido a forças dissipativas, parte da energia mecânica de um sistema foi
convertida em calor, circunstância caracterizada pelo gráfico apresentado.

Sabendo-se que a variação da energia potencial desse sistema foi nula, o trabalho
realizado sobre o sistema nos primeiros 4 segundos, em J, foi, em módulo,

a) 3 600.
b) 1 200.
c) 900.
d) 800.
e) 600.

147 - (UNESP/2009)
Suponha que os tratores 1 e 2 da figura arrastem toras de mesma massa pelas rampas
correspondentes, elevando-as à mesma altura h. Sabe-se que ambos se movimentam
com velocidades constantes e que o comprimento da rampa 2 é o dobro do
comprimento da rampa 1.

Chamando de 1 e  2 os trabalhos realizados pela força gravitacional sobre essas


toras, pode-se afirmar que:
a) 1  2 2 ; 1  0 e  2  0 .
b) 1  2 2 ; 1  0 e  2  0 .
c) 1   2 ; 1  0 e  2  0 .
d) 21   2 ; 1  0 e  2  0 .
e) 21   2 ; 1  0 e  2  0 .

148 - (UNICAMP SP/2009)


A produção de fogo tem sido uma necessidade humana há milhares de anos. O
homem primitivo provavelmente obtinha fogo através da produção de calor por
atrito. Mais recentemente, faíscas elétricas geradoras de combustão são produzidas
através do chamado efeito piezelétrico.

a) A obtenção de fogo por atrito depende do calor liberado pela ação da força de
atrito entre duas superfícies, calor que aumenta a temperatura de um material até
o ponto em que ocorre a combustão. Considere que uma superfície se desloca
2,0cm em relação à outra, exercendo uma força normal de 3,0N. Se o coeficiente
de atrito cinético entre as superfícies vale  c  0, 60 , qual é o trabalho da força
de atrito?
b) Num acendedor moderno, um cristal de quartzo é pressionado por uma ponta
acionada por molas. Entre as duas faces do cristal surge então uma tensão
elétrica, cuja dependência em função da pressão é dada pelo gráfico abaixo. Se a
tensão necessária para a ignição é de 20 kV e a ponta atua numa a área de 0,25
mm2, qual a força exercida pela ponta sobre o cristal?

149 - (UEPG PR/2009)


Em uma competição de regularidade, um ciclista desce uma ladeira, com forte vento
contrário a seu movimento. Para manter sua velocidade constante, o ciclista pedala
com vigor. Considerando M a massa do ciclista mais a massa da bicicleta, v sua
velocidade e  o ângulo formado pela ladeira com a horizontal, assinale o que for
correto sobre esse movimento de descida da ladeira pelo ciclista.

01. O trabalho realizado pelo vento é um trabalho dissipativo.


02. A potência desenvolvida pelo ciclista é igual a M .g .sen.v .
04. A energia potencial diminui, ao passo que a energia cinética permanece
constante.
08. O trabalho realizado pelo ciclista é, em módulo, igual ao trabalho realizado pelo
vento.
16. O componente da força do vento que realiza trabalho é, em módulo, igual a
Mgsen .

150 - (UFAC/2009)
Um carro se desloca com velocidade de 72 km/h na Avenida Ceará. O motorista
observa a presença de um radar a 300 m e aciona imediatamente os freios. Ele passa
pelo radar com velocidade de 36 km/h. Considere a massa do carro igual a 1.000 kg.
O módulo da intensidade do trabalho realizado durante a frenagem, em kJ, vale:

a) 50
b) 100
c) 150
d) 200
e) 250

151 - (UFMT/2008)
Nos Jogos Pan-Americanos Rio 2007, na modalidade salto em altura, a brasileira
Eliana Silva ficou em quinto lugar, saltando 1,84 m. A medalha de ouro foi obtida
pela mexicana Maria Romary Rifka que saltou 1,95 m. Admitindo que o peso da
atleta brasileira fosse 60 kgf, qual o trabalho adicional que ela teria que realizar para
igualar a marca da mexicana?
Considere: g  10 m/s 2

a) −66 J
b) 111 J
c) 66 J
d) −117 J
e) 660 J

152 - (UFT TO/2009)


O trabalho realizado por uma força ao esticar uma determinada mola, sem alterar
sua constante elástica, de seu tamanho original “x cm” até “(x+2) cm” é de 10
joules.
Qual o trabalho realizado por uma força para esticar a mesma mola de “(x+2) cm”
até “(x+4) cm”?

a) 20 joules
b) 30 joules
c) 40 joules
d) 25 joules

153 - (UNCISAL/2008)
Trabalho é uma grandeza escalar que pode ser expressa no Sistema Internacional por
joule, que é resultado da relação entre as unidades

a) kg.m2.s–2.
b) kg.m2.s–1.
c) kg.m–2.s–2.
d) kg.m–2.s–1.
e) kg.m–1.s–1.
154 - (UNCISAL/2009)
Um paralelepípedo sólido, de peso P , é pressionado contra uma parede vertical por
uma pessoa, que lhe aplica uma força horizontal F , como mostra a figura. Apesar
disso, o bloco escorrega pela parede do ponto A ao ponto B, distantes h um do outro.
O trabalho realizado, nesse deslocamento, pela força

a) F é dado por F.h.


b) peso do paralelepípedo é nulo.
c) peso do paralelepípedo é negativo.
d) normal da parede sobre o paralelepípedo é dado por F.h.
e) normal da parede sobre o paralelepípedo é nulo.

155 - (CEFET PR/2009)


Um bloco de massa 1 kg é lançado com velocidade v 0 = 2,0 m/s para cima ao longo
de um extenso plano inclinado a 45º. O bloco permanece em contato com o plano,
de modo que o coeficiente de atrito entre ambos vale 0,6. Nestas condições, o bloco
sobe até uma posição limite e desce, retornando à posição de lançamento com
velocidade vF = 1,0 m/s. O trabalho realizado pela força de atrito durante o
movimento considerado é, em joules, igual a:

a) –1,0.
b) –0,5.
c) –2,0.
d) –1,5.
e) –2,5.

156 - (UFG GO/2009)


Deseja-se transportar um corpo de massa m até uma plataforma situada a uma altura
h do solo. Dois caminhos são possíveis, uma rampa R e uma escada E, conforme
esboçado na figura.
Considere que se aplica uma força constante para levar o corpo de massa m até o
topo, sendo FE e FR respectivamente as componentes da força paralela ao
deslocamento do bloco da base da escada ao topo e da base da rampa ao topo. Sendo
WE e WR os trabalhos realizados ao longo da escada e da rampa respectivamente,
pode-se concluir que

a) FE > FR e WE = WR
b) FE < FR e WE > WR
c) FE = FE e WE < WR
d) FE < FR e WE = WR
e) FE = FR e WE = WR

157 - (UFLA MG/2009)


Um corpo de massa 10 kg é lançado verticalmente com v0 de 10 m/s, voltando ao
ponto de lançamento com velocidade de 9 m/s. Sabendo‐se que sobre esse corpo
atuam as forças peso e de resistência do ar, o trabalho realizado pela força de
resistência do ar é:

a) 0J
b) 9,8 J
c) 81 J
d) 95 J

158 - (UFMS/2009)
Um atleta, ao terminar o pré-aquecimento em uma academia, sobre uma esteira
horizontal, analisa as informações indicadas no painel eletrônico da esteira que
indica o seguinte:
Distância percorrida = 5,0 km; velocidade média = 20,0 km/h; calorias gastas pelo
atleta = 200 kcal.
Considere 1cal = 4,18 J, e que toda a energia, gasta pelo atleta, foi para realizar
trabalho sobre a esteira a uma potência constante. Assinale a alternativa correta.

a) A força média, na direção horizontal, aplicada na esteira pelo atleta, foi maior
que 160 N.
b) A potência média realizada pelo atleta sobre a esteira, nesse aquecimento, foi
maior que 1,0Kw.
c) A força média, na direção horizontal, aplicada na esteira pelo atleta, foi menor
que 160N.
d) A potência média realizada pelo atleta sobre a esteira, nesse aquecimento, foi
menor que 500W.
e) O tempo que o atleta permaneceu sobre a esteira, em pré-aquecimento, foi de 30
minutos.

159 - (UNESP/2009)
Os médicos costumam orientar que alguns hábitos podem ser alterados no dia-a-dia,
visando contribuir com a queima de mais calorias, por exemplo, subir escadas em
vez de usar o elevador. Suponha que uma barra de 100 gramas de chocolate forneça
uma energia igual a 450 kcal e que toda a energia fornecida pelo chocolate possa ser
convertida em trabalho.
Qual o menor número de degraus de uma escada que uma pessoa, de massa 90 kg,
deverá subir para gastar a energia fornecida por 200 gramas de chocolate?
Considere: a aceleração da gravidade igual a 10 m/s 2; a altura de um degrau igual a
20 cm e que 1 caloria é equivalente a 4 joules.

160 - (UNESP/2009)
A tabela relaciona as massas que foram dependuradas na extremidade de uma mola
e os diferentes comprimentos que ela passou a ter, devido à deformação que sofreu.

Comprimento
Massas (g)
da mola (cm)
0 12
100 17
200 22
300 27

Determine o trabalho, em joules, realizado pela força elástica da mola quando


deformada de 20 cm. Considere a mola ideal e admita a aceleração da gravidade
igual a 10 m/s2.

161 - (UNIFOR CE/2009)


Um bloco de massa 2,0 kg é lançado, de baixo para cima, ao longo de um plano
inclinado de 30º com a horizontal, com velocidade inicial de 10 m/s. Após percorrer
5,0 m o bloco para. O trabalho realizado pela força de atrito que atua no bloco nesse
deslocamento, em joules, foi de

Dados:
g = 10 m/s2
sen30º = 0,50

a) −100
b) −75
c) −50
d) −25
e) −5,0

162 - (UEM PR/2009)


Duas massas m1 e m2 estão inicialmente em repouso, sobre uma superfície
horizontal sem atrito, como ilustra a figura abaixo. São aplicadas em cada uma delas
uma força constante F , até atingirem o final do plano horizontal, na posição B da
figura. Nessa posição, as forças são removidas e, decorrido um tempo t de queda, as
massas atingem o solo. Considere que m2 = 2m1, despreze a resistência do ar e
assinale o que for correto.
01. Ao atingirem a posição B, as velocidades das massas são iguais.
02. Ao atingirem a posição B, as acelerações das massas são iguais.
04. Até atingirem a posição B, as massas receberam o mesmo impulso.
08. Até atingirem a posição B, o trabalho realizado pela força F é o mesmo para as
massas.
16. As massas atingem o solo ao mesmo tempo.

163 - (PUC RJ/2010)


O Cristo Redentor, localizado no Corcovado, encontra-se a 710 m do nível no mar e
pesa 1.140 ton. Considerando-se g = 10 m/s 2 é correto afirmar que o trabalho total
realizado para levar todo o material que compõe a estátua até o topo do Corcovado
foi de, no mínimo:

a) 114.000 kJ
b) 505.875 kJ
c) 1.010.750 kJ
d) 2.023.500 kJ
e) 8.094.000 kJ

164 - (UERJ/2010)
Um objeto é deslocado em um plano sob a ação de uma força de intensidade igual a
5 N, percorrendo em linha reta uma distância igual a 2 m.
Considere a medida do ângulo entre a força e o deslocamento do objeto igual a 15º,
e T o trabalho realizado por essa força. Uma expressão que pode ser utilizada para o
cálculo desse trabalho, em joules, é T = 52sen.
Nessa expressão,  equivale, em graus, a:

a) 15
b) 30
c) 45
d) 75

165 - (UFAC/2010)
João e André empurram caixas idênticas e de mesma massa, com velocidade
constante, do chão até a carroceria de um caminhão. As forças aplicadas pelos dois
são paralelas às rampas. Desconsidere possíveis atritos, analise as afirmações abaixo
e assinale a opção correta:

MÁXIMO, A., ALVARENGA, B. Física. São Paulo:


Scipione, 1999, p. 225. (com adaptações).

a) O trabalho realizado por João é maior que o trabalho realizado por André.
b) O trabalho realizado por João é menor que o trabalho realizado por André.
c) O trabalho realizado por João é igual ao trabalho realizado por André.
d) João faz uma força de maior intensidade que a de André, para empurrar a caixa
até o caminhão.
e) João faz a mesma força que André, para empurrar a caixa até o caminhão.

166 - (UFMS/2010)
O condutor de um veículo, em um pista plana e retilínea, aguarda em repouso o sinal
abrir em um semáforo A. No mesmo instante em que o sinal abre, ele coloca o
veículo em movimento até outro semáforo B, que está na esquina seguinte. Como o
semáforo B está fechado, então o condutor diminui a velocidade do veículo até
atingir o repouso ao chegar no semáforo B, e assim permanece por mais um tempo
aguardando o sinal verde para continuar seu trajeto. A linha contínua, da figura
abaixo, representa o gráfico da velocidade do veículo em função do tempo, desde o
instante em que o semáforo A abriu até o instante em que o semáforo B também
abriu, o que totaliza um intervalo de 30 segundos. Analise o percurso no intervalo de
tempo de 0 a 30s e, com fundamentos na mecânica, assinale a(s) proposição(ões)
correta(s).

01. O módulo da força resultante que acelerou o veículo, entre 0 e 4s, é igual à
metade do módulo da força resultante que freou o veículo, entre 7s e 9s.
02. O veículo percorreu uma distância igual a 75m, entre 0 e 30s.
04. O trabalho total realizado sobre o veículo no percurso não é nulo.
08. A distância percorrida pelo veículo, entre 0 e 4s, é igual à distância percorrida
pelo veículo entre 7s e 9s.
16. Se os semáforos estivessem calibrados para uma “onda verde”, o veículo
percorreria o percurso com velocidade constante e igual a 45 km/h em 6s.

167 - (FGV/2010)
Contando que ao término da prova os vestibulandos da GV estivessem loucos por
um docinho, o vendedor de churros levou seu carrinho até o local de saída dos
candidatos. Para chegar lá, percorreu 800 m, metade sobre solo horizontal e a outra
metade em uma ladeira de inclinação constante, sempre aplicando sobre o carrinho
uma força de intensidade 30 N, paralela ao plano da superfície sobre a qual se
deslocava e na direção do movimento. Levando em conta o esforço aplicado pelo
vendedor sobre o carrinho, considerando todo o traslado, pode-se dizer que,

a) na primeira metade do trajeto, o trabalho exercido foi de 12 kJ, enquanto que, na


segunda metade, o trabalho foi maior.
b) na primeira metade do trajeto, o trabalho exercido foi de 52 kJ, enquanto que, na
segunda metade, o trabalho foi menor.
c) na primeira metade do trajeto, o trabalho exercido foi nulo, assumindo, na
segunda metade, o valor de 12 kJ.
d) tanto na primeira metade do trajeto como na segunda metade, o trabalho foi de
mesma intensidade, totalizando 24 kJ.
e) o trabalho total foi nulo, porque o carrinho parte de um estado de repouso e
termina o movimento na mesma condição.

168 - (FGV/2010)
Um brinquedo muito simples de construir, e que vai ao encontro dos ideais de
redução, reutilização e reciclagem de lixo, é retratado na figura.

A brincadeira, em dupla, consiste em mandar o bólido de 100 g, feito de garrafas


plásticas, um para o outro. Quem recebe o bólido, mantém suas mãos juntas,
tornando os fios paralelos, enquanto que, aquele que o manda, abre com vigor os
braços, imprimindo uma força variável, conforme o gráfico.

Considere que:

 a resistência ao movimento causada pelo ar e o atrito entre as garrafas com os


fios sejam desprezíveis;
 o tempo que o bólido necessita para deslocar-se de um extremo ao outro do
brinquedo seja igual ou superior a 0,60 s.

Dessa forma, iniciando a brincadeira com o bólido em um dos extremos do


brinquedo, com velocidade nula, a velocidade de chegada do bólido ao outro
extremo, em m/s, é de
a) 16.
b) 20.
c) 24.
d) 28.
e) 32.

169 - (UFV MG/2010)


Analise as afirmativas abaixo:

I. O trabalho total realizado sobre um bloco em um deslocamento não nulo,


quando atua sobre ele uma força resultante não nula, não pode ser igual a zero.
II. Um bloco, ao ser puxado por uma corda, exercerá uma força contrária na corda,
de acordo com a 3ª lei de Newton. Então, o trabalho realizado pela força que a
corda faz no corpo é necessariamente igual a zero.
III. Sempre que o trabalho realizado pela força resultante em um bloco é nulo, sua
energia cinética se mantém constante.

Está CORRETO o que se afirma em:

a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) III, apenas.
d) I, II e III.

170 - (UNIMONTES MG/2010)


Uma caixa cujo peso é 2000 N é arrastada sobre um piso por uma força F de
intensidade 1000 N, que faz um ângulo de 45º com a horizontal (veja a figura). O
coeficiente de atrito cinético entre as superfícies da caixa e do piso é c = 0,2,
originando uma força de atrito f a . O trabalho realizado pela força resultante R ,
em Joules, para deslocar a caixa por 10 m, é igual a, aproximadamente,

Dados:
Cos45º = sen45º  0,707

a) 4484.
b) 6070.
c) 5570.
d) 4980.

171 - (UNIOESTE PR/2010)


Usa-se uma corda para baixar verticalmente, de uma altura de 3,0 m, um bloco de
massa 10 kg com uma aceleração constante de 3,0 m/s2. Considerando a aceleração
da gravidade igual a 10 m/s2, o trabalho realizado pela corda sobre o bloco é

a) – 90 J.
b) – 180 J.
c) – 210 J.
d) – 270 J.
e) – 300 J.

172 - (UEPB/2010)
Em física, o conceito de trabalho é diferente daquele que temos no dia-a-dia. Nesse
caso, trabalho está associado ao desempenho de algum serviço ou tarefa, que pode
ou não exigir força ou deslocamento. (...)
(Gaspar, Alberto. Física. 1ª ed.,vol. único. São Paulo: Ática, 2004, p. 140)

Observe, nas situações abaixo descritas, a adequação ou não do conceito físico de


trabalho.

Situação I: Quando um alpinista sobe uma montanha, o trabalho efetuado sobre ela
pela força gravitacional, entre a base e o topo, é o mesmo, quer o caminho seguido
seja íngreme e curto, quer seja menos íngreme e mais longo.
Situação II: Se um criança arrasta um caixote em um plano horizontal entre dois
pontos A e B, o trabalho efetuado pela força de atrito que atua no caixote será o
mesmo, quer o caixote seja arrastado em uma trajetória curvilínea ou ao longo da
trajetória mais curta entre A e B.
Situação III: O trabalho realizado sobre um corpo por uma força conservativa é
nulo quando a trajetória descrita pelo corpo é um percurso fechado.

Para as situações supracitadas, em relação ao conceito físico de trabalho, é(são)


correta(s) apenas a(as) proposição(ões)

a) II.
b) I.
c) I e III.
d) III.
e) I e II.

173 - (UCS RS/2010)


Numa partida relâmpago de xadrez, que terminou com vitória das peças pretas,
tendo o rei branco ficado deitado em repouso sobre o tabuleiro, cada jogador gastou
para executar todos os movimentos 0,1 J de energia. O jogador com as peças
brancas mostrou-se um mau perdedor. Num surto de raiva, mandou seu rei para
longe com um tapa no sentido horizontal. Supondo que o tapa executou sobre a
peça, de massa 25 g, um trabalho com o valor igual à metade da energia gasta pelo
jogador na partida, e que o atrito com o tabuleiro foi desprezível, qual a velocidade
do rei ao sair do tabuleiro?

a) 2,0 m/s
b) 1,0 m/s
c) 3,0 m/s
d) 1,5 m/s
e) 2,5 m/s

174 - (UDESC/2010)
Um menino de massa 60,0 kg desliza ao longo de um escorregador, partindo do repouso no ponto A, a uma
altura de 4,0 m do ponto B, o mais baixo do escorregador. A velocidade com que o menino chega ao ponto B é
de 5,0 m/s. A quantidade de calor gerada pelo atrito entre a superfície do escorregador e o menino, devido ao
seu deslocamento, é:

a) 3,15  103 J
b) 2,40  103 J
c) 7,50  102 J
d) 1,65  103 J
e) 2,00  103 J

175 - (UERJ/2011)
Um homem arrasta uma cadeira sobre um piso plano, percorrendo em linha reta
uma distância de 1 m.
Durante todo o percurso, a força que ele exerce sobre a cadeira possui intensidade
igual a 4 N e direção de 60º em relação ao piso.
O gráfico que melhor representa o trabalho T, realizado por essa força ao longo de
todo o deslocamento d, está indicado em:

a)

b)

c)

d)

176 - (UFG GO/2010)


Um trabalhador da construção civil usa uma polia e uma corda para transporta
telhas até a cobertura de uma residência, a 3m de altura. Se o trabalhador transporta
20 telhas por vez durante duas horas, á velocidade média de 0,1 m/s, calcule:

a) a quantidade de calorias a mais que deve ser ingerida pelo trabalhador,


sabendo-se que apenas 15% dessa energia será transformada em energia
mecânica pelo corpo humano;
b) o número total de telhas transportadas nesse intervalo de duas horas.

Dados: 1 cal  4 J, 1 Telha = 1,5kg, g = 10 m/s2

177 - (UNCISAL/2010)
O selim de uma bicicleta tem uma mola helicoidal para oferecer maior conforto ao
ciclista que a utiliza. Quando um ciclista de 80 kg de massa senta sobre o selim,
provoca uma contração de 1,6 cm na mola. A aceleração da gravidade local é de 10
m/s2; assim, o valor absoluto do trabalho realizado pela força elástica da mola nessa
deformação vale, em J,

a) 12,8.
b) 6,4.
c) 6,410–2.
d) 3,2.
e) 3,210–2.
178 - (FUVEST SP/2011)
Usando um sistema formado por uma corda e uma roldana, um homem levanta uma
caixa de massa m, aplicando na corda uma força F que forma um ângulo  com a
direção vertical, como mostra a figura. O trabalho realizado pela resultante das
forças que atuam na caixa  peso e força da corda , quando o centro de massa da
caixa é elevado, com velocidade constante v, desde a altura ya até a altura yb, é:

a) nulo.
b) F (yb – ya).
c) mg (yb – ya).
d) F cos (  ) (yb – ya).
e) mg (yb – ya) + mv2/2.

179 - (UFAC/2011)
Considere as figuras (a), (b) e (c) e analise as afirmações seguintes:
CARRON, W. e GUIMARÃES, O. As faces da Física.
São Paulo: Moderna, 2006, p. 158-159.

(I) Na figura (a), quanto mais tempo o atleta demorar a levantar a barra de pesos,
maior será o trabalho realizado pelas forças aplicadas a esse objeto.
(II) Na figura(c), quanto mais a pessoa andar, mais ela se cansará. Portanto, a força
vertical F , que ela aplica sobre a mala para carregá-la, realizará mais trabalho.
(III)Na figura (b), se a barra foi levantada pelo esportista com velocidade constante,
o trabalho realizado pelas forças aplicadas à barra será igual a mgh, onde m é a
massa da barra, g a aceleração da gravidade e h a altura levantada.
(IV)Considerando a posição do atleta mostrada na figura (b), e que a partir daí ele
comece a se deslocar para frente e para atrás, tentando sustentar a barra de
pesos por alguns segundos, sempre na mesma altura mostrada, pode-se afirmar
que, durante essa movimentação, as forças com as quais ele sustenta a barra de
pesos não realizarão trabalho, independente do cansaço do atleta.

Sendo assim, pode-se afirmar que:

a) (III) e (IV) estão corretas.


b) (I) e (IV) estão incorretas.
c) (II) está correta e (IV) está incorreta.
d) (II), (III) e (IV) estão corretas.
e) (I) (II) e (III) estão corretas.

180 - (MACK SP/2011)


Um estudante de Física observa que, sob a ação de uma força vertical de
intensidade constante, um corpo de 2,0 kg sobe 1,5 m, a partir do repouso. O
trabalho realizado por essa força, nesse deslocamento, é de 36 J. Considerando a
aceleração da gravidade no local igual a 10 m/s2, a aceleração, adquirida pelo corpo,
tem módulo

a) 1 m/s2
b) 2 m/s2
c) 3 m/s2
d) 4 m/s2
e) 5 m/s2
181 - (FMABC/2011)
Observe as figuras. Elas representam uma pessoa elevando de 30cm uma carga de
1000N. Quanto ao trabalho () realizado pela força gravitacional sobre a carga, nas
três situações, podemos afirmar que:

a) 1 > 3 > 2
b) 3 > 2 > 1
c) 3 > 1 > 2
d) 1 > 3 > 2
e) 1 = 2 = 3

182 - (PUC RJ/2011)

Dois blocos de um mesmo material são colocados sobre uma base imóvel como
mostra a figura. O bloco A, de massa M A = 10,0 kg, está preso à base por uma cola,
enquanto o bloco B, de massa MB = 5,0 kg, está livre sobre o bloco A.
Sabendo que o coeficiente de atrito cinético entre os blocos é C = 0,1 e
considerando g = 10,0 m/s2, o valor do trabalho (em Joules) realizado pela força de
atrito quando o bloco B se move sobre o bloco A por uma distância de 1m é:

a) – 0,5.
b) – 1,0.
c) – 5,0.
d) – 10,0.
e) – 50,0.

183 - (UPE/2011)
Um corpo de massa m desliza sobre o plano horizontal, sem atrito ao longo do eixo
AB, sob a ação de duas forças F1 e F2, de acordo com a figura a seguir. A força F1 é
constante, tem módulo igual a 10 N e forma com a vertical um ângulo  = 30°.
A força F2 varia de acordo com o gráfico a seguir:

Dados: sen 30° = cos 60° = 1/2

O trabalho realizado pelas forças F1 e F2, para que o corpo sofra um deslocamento
de 0 a 4m, em joules, vale

a) 20
b) 47
c) 27
d) 50
e) 40

184 - (UPE/2011)
Considere um bloco de massa m ligado a uma mola de constante elástica k = 20
N/m, como mostrado na figura a seguir. O bloco encontra-se parado na posição x =
4,0 m. A posição de equilíbrio da mola é x = 0.

O gráfico a seguir indica como o módulo da força elástica da mola varia com a
posição x do bloco.

O trabalho realizado pela força elástica para levar o bloco da posição x = 4,0 m até
a posição x = 2,0 m, em joules, vale
a) 120
b) 80
c) 40
d) 160
e) –80

185 - (FUVEST SP/2011)


Um menino puxa, com uma corda, na direção horizontal, um cachorro de brinquedo
formado por duas partes, A e B, ligadas entre si por uma mola, como ilustra a figura
abaixo. As partes A e B têm, respectivamente, massas mA = 0,5 kg e mB = 1 kg,
sendo  = 0,3 o coeficiente de atrito cinético entre cada parte e o piso. A constante
elástica da mola é k = 10 N/m e, na posição relaxada, seu comprimento é x0 = 10
cm. O conjunto se move com velocidade constante v = 0,1 m/s. Nessas condições,
determine:

a) O módulo T da força exercida pelo menino sobre a parte B.


b) O trabalho W realizado pela força que o menino faz para puxar o brinquedo por
2 minutos.
c) O módulo F da força exercida pela mola sobre a parte A.
d) O comprimento x da mola, com o brinquedo em movimento.

NOTE E ADOTE
Aceleração da gravidade no local: g = 10 m/s2
Despreze a massa da mola.

186 - (UEFS BA/2010)


Considere-se uma partícula de massa m que se move sob a ação de uma força F, que
é constante em módulo, direção e sentido.

Quando a partícula se desloca de uma posição x 1 para uma posição x2, ao longo de
uma trajetória retilínea, é correto afirmar:

a) O trabalho realizado pela força F sobre a partícula é numericamente igual ao


produto do módulo da força pela distância d = x2 – x1.
b) A partícula é acelerada com uma força que varia uniformemente no tempo.
c) O trabalho realizado pela força F é o mesmo para qualquer caminho seguido
pela partícula.
d) A partícula, após deslocar-se d = x2 – x1, sofre uma variação na sua energia
potencial igual ao produto do módulo da força F e o tempo gasto nesse
deslocamento.
e) A partícula, durante esse processo, não sofre variação na sua energia cinética.

187 - (MACK SP/2012)


Certo corpo de massa 10,0 kg está suspenso por uma pequena argola, que pode
deslizar, sem atrito, por um fio, supostamente ideal. Em uma primeira situação, o
corpo encontra-se na posição ilustrada na figura 1 e, depois de certo tempo,
encontra-se na posição ilustrada na figura 2. O trabalho realizado pela força peso,
entre a posição 1 e a posição 2, foi

Considere:

| g | 10m / s 2
6  2,45

a) 2,4010–1 J
b) 2,4510–1 J
c) 5,0010–1 J
d) 2,40 J
e) 2,45 J

188 - (UERJ/2012)
Uma pessoa empurrou um carro por uma distância de 26 m, aplicando uma força F
de mesma direção e sentido do deslocamento desse carro. O gráfico abaixo
representa a variação da intensidade de F, em newtons, em função do deslocamento
d, em metros.

Desprezando o atrito, o trabalho total, em joules, realizado por F, equivale a:

a) 117
b) 130
c) 143
d) 156

189 - (UNESP/2012)
Uma pessoa, com 80 kg de massa, gasta para realizar determinada atividade física a
mesma quantidade de energia que gastaria se subisse diversos degraus de uma
escada, equivalente a uma distância de 450 m na vertical, com velocidade
constante, num local onde g = 10 m/s2.

A tabela a seguir mostra a quantidade de energia, em joules, contida em porções de


massas iguais de alguns alimentos.

Energia por porção


Alimento
(kJ)
espaguete 360
pizza de mussarela 960
chocolate 2 160
batata frita 1 000
castanha de caju 2 400

Considerando que o rendimento mecânico do corpo humano seja da ordem de 25%,


ou seja, que um quarto da energia química ingerida na forma de alimentos seja
utilizada para realizar um trabalho mecânico externo por meio da contração e
expansão de músculos, para repor exatamente a quantidade de energia gasta por
essa pessoa em sua atividade física, ela deverá ingerir 4 porções de

a) castanha de caju.
b) batata frita.
c) chocolate.
d) pizza de mussarela.
e) espaguete.

TEXTO: 1 - Comum à questão: 190

Para seus cálculos, sempre que necessário, utilize os seguintes dados:

190 - (UERJ/2005)
Um produto vendido no supermercado é recebido em caixas de papelão contendo 16
embalagens de volume igual a 1.312,5 cm3 cada.
As massas de cada embalagem, do seu conteúdo e da caixa de papelão são,
respectivamente, 10 g, 1.000 g e 100 g.
O produto é entregue por um caminhão, cuja carroceria está a 1,5 m de altura em
relação ao chão, e descarregado com o auxílio de uma empilhadeira.

a) Calcule a densidade do produto, sabendo que, em cada embalagem, 62,5 cm 3


estão vazios.
b) Considere o descarregamento de uma única caixa que se encontra sobre o piso
da carroceria.
Determine o módulo do trabalho realizado pela força que a base da empilhadeira
faz sobre essa caixa.

TEXTO: 2 - Comum à questão: 191

Dados:
Aceleração da gravidade: 10 m/s2
Velocidade da luz no vácuo: 3 x 108 m/s.
Constante de Planck: 6,63 x 10-34 J.s
1 Vm
k  9 x 10 9
4 0 C

191 - (UFPE/2009)
Um bloco de massa m = 4,0 kg é empurrado, através da aplicação de uma força F
constante ao longo de um plano inclinado, como mostra a figura. O bloco parte do
repouso no ponto 1 e chega ao ponto 2 com velocidade v=2,0 m/s. Calcule o
trabalho realizado pela força F , ao longo do trajeto de 1 a 2, em joules. Despreze o
atrito com o plano e a resistência do ar.

TEXTO: 3 - Comum à questão: 192


192 - (UFCG PB/2009)
A idéia sempre difundida de que a conversão de energia mecânica em energia
elétrica é “limpa” tem sido amplamente contestada por estudos de impactos
ambientais em diversos casos. Para se avaliar a situação, veja o exemplo da
hidrelétrica de Tucuruí, no Rio Tocantins, com queda vertical de água de 60m.
Construída na década de 1980, apresenta em seu lago uma produção de metano
(CH4), a 30m de profundidade, de 6  10 -3 kg/m 3 , causada pelos restos vegetais
submersos que não foram adequadamente tratados quando de sua construção. Em
1991, para gerar 18 TWh (6,5  1016 joules) de energia elétrica, pode-se afirmar
que a quantidade, em toneladas, de CH 4 exportada do reservatório pelas turbinas,
vale

a) 6,5  1016.
b) 1,1  1014.
c) 1,8  1013.
d) 6,6  105.
e) 1,8  103.

TEXTO: 4 - Comum à questão: 193

Peritos utilizam técnica arqueológica para descobrir conexões clandestinas de


água em postos de gasolina

Usado para descoberta de nichos arqueológicos, o geo-radar prova que é uma


excelente tecnologia para detectar conexões clandestinas de água em postos de
gasolina.

193 - (UFABC/2009)
O aparelho, montado sobre um pequeno carrinho de quatro rodas, deve ser
conduzido sobre toda a extensão do piso do posto de gasolina. Para tanto, o
operador empurra o aparelho com o auxílio de uma haste inclinada a 54º com a
horizontal, tal qual um carrinho de bebê.

Suponha que um geo-radar, com massa 20 kg, deva realizar a varredura de um pátio
de área 100 m2. Sabendo que o aparelho cobre uma faixa de 0,5 m de largura e que o
operador empurra o aparelho com força constante de 80 N, na direção da haste,
suficiente para manter um movimento uniforme, o menor trabalho que o operador
poderá realizar ao empurrar o aparelho, desconsiderando as manobras de 180º que
devem ser feitas para cobrir completamente a área prevista, é, em joules,
Dados: sen 54º = 0,8
cos 54º = 0,6
tg 54º = 1,4

a) 4 000.
b) 4 800.
c) 8 000.
d) 9 600.
e) 22 400.

TEXTO: 5 - Comum à questão: 194

Nesta prova, quando necessário, considere:


• a aceleração da gravidade é 10 m/s2.
• a resistência do ar pode ser desprezada.

194 - (UFPB/2010)
Uma bola de 1 kg de massa, a qual está inicialmente no chão, é arremessada com
velocidade v = 5 i + 2 j, em m/s, conforme ilustrado na figura.

Nessas condições, os trabalhos, em Joules, realizados pela força da gravidade, do


lançamento até a bola atingir a altura máxima e do lançamento até sua queda no
chão, são respectivamente:

a) 2e0
b) -2 e 2
c) 2e4
d) 2 e -2
e) -2 e 0

TEXTO: 6 - Comum à questão: 195

Dados:

Velocidade da luz no vácuo: 3,0 × 108 m/s


Aceleração da gravidade: 10 m/s2
1
 9 , 0  10 9 Nm 2 /C 2
4  0
Calor específico da água: 1,0 cal/gºC
Calor latente de evaporação da água: 540 cal/g

195 - (UFPE/2010)
Um operário está fazendo manutenção em uma plataforma marítima de petróleo na
profundidade de 50 m, quando uma pequena bolha de ar, de volume Vi, é liberada e
sobe até a superfície. O aumento da pressão em função da profundidade está
representado no gráfico abaixo. Considerando o gás da bolha como ideal e que a
temperatura da água não varia entre a superfície e a profundidade de 50 m, calcule a
razão Vf/Vi entre o volume final Vf da bolha e o volume inicial Vi.

GABARITO:

1) Gab: D

2) Gab: B

3) Gab: D

4) Gab: B

5) Gab: C

6) Gab: A

7) Gab: A

8) Gab: A

9) Gab: D

10) Gab: C

11) Gab: E
12) Gab: D

13) Gab: B

14) Gab: E

15) Gab: C

16) Gab: C

17) Gab: 08-16-32

18) Gab: 21

19) Gab: C

20) Gab: D

21) Gab: 01-02-16

22) Gab: 01-08

23) Gab: 02-04-08-32

24) Gab: C

25) Gab: A

26) Gab: D

27) Gab: 30

28) Gab: D

29) Gab: B

30) Gab: 42

31) Gab: B

32) Gab: FVVV

33) Gab: B

34) Gab: B

35) Gab: E

36) Gab.:
a) W = - 0,060 J
b) o trabalho realizado pela tensão é nulo porque a tensão é sempre normal à
trajetória

37) Gab:
a) Sim pois esse valor é superior a 1.224km/h que é a velocidade do som.
b) 50MJ
c) –75MJ

38) Gab:
a) Fresultante = 400N;
b) O trabalho realizado por uma resultante centrípeta é nulo.

39) Gab: A

40) Gab: B

41) Gab: B

42) Gab: A

43) Gab: A

44) Gab: A

45) Gab: C

46) Gab: D

47) Gab: A

48) Gab: 34

49) Gab: C

50) Gab: D

51) Gab: E

52) Gab: E

53) Gab: D

54) Gab:
a) 4J;
b) v = 5m/s

55) Gab: B

56) Gab: C
57) Gab: B

58) Gab:
a) 200J;
b) 8N

59) Gab: C

60) Gab:
a)  = 0,80J;
b) A parede não se desloca, logo o trabalho sobre ela é nulo.

61) Gab: B

62) Gab:
a) 625
b) 1,81g

63) Gab: 07

64) Gab: C

65) Gab: D

66) Gab: E

67) Gab: VFFVV

68) Gab:
a) p = 1,25 x 105 Pa

b)

c)  = 1,1 x 107 J

69) Gab: E

70) Gab: A

71) Gab: D

72) Gab: C

73) Gab: B

74) Gab: D
75) Gab: 40

76) Gab: E

77) Gab: B

78) Gab: VVVVF

79) Gab: FVFVF

80) Gab: E

81) Gab: D

82) Gab: C

83) Gab: D

84) Gab: B

85)
Um automóvel, de massa 1,0103 kg, que se move com velocidade de 72 km/h é
freado e desenvolve, então, um movimento uniformemente retardado, parando após
percorrer 50 m.
O módulo do trabalho realizado pela força de atrito entre os pneus e a pista durante
o retardamento, em joules, foi de
a) 5,0  104
b) 2,0  104
c) 5,0  105
d) 2,0  105
e) 5,0  106

86) Gab: A

87) Gab: E

88) Gab: 60

89) Gab: D

90) Gab: D

91) Gab: D

92) Gab: 220N

93) Gab: D

94) Gab: C
95) Gab: 01+04+08+16

96) Gab: E

97) Gab:

98) Gab: A

99) Gab: D

100) Gab: C

101) Gab: D

102) Gab:
a) Projetando a equação de movimento na direção do plano inclinado, vem
mg cos   mgsen  ma . Substituindo os dados do problema, obtemos a
aceleração do bloco. a  g (cos   sen)  10(0,8  0,6)  2,0m / s 2 .
b) O trabalho realizado pelo peso no deslocamento para cima é Wp  mgd sen
e o trabalho realizado pela força F é Wf  mgd cos . A razão entre os dois
W f mgd cos 0,8 4
trabalhos é, portanto, W   mgd sen  0,6   3 .
p

103) Gab:

104) Gab: 50

105) Gab: FVFVF

106) Gab: B

107) Gab: D

108) Gab: D

109) Gab: D

110) Gab: E

111) Gab: 22

112) Gab: FVVVF

113) Gab: A

114) Gab: B

115) Gab: B

116) Gab: D

117) Gab: B
118) Gab: B

119) Gab: B

120) Gab: E

121) Gab: B

122) Gab: C

123) Gab: A

124) Gab: E

125) Gab: D

126) Gab:
a)  F  120 J
b)  fat  60 3J

127) Gab: A

128) Gab:
T

F m

a.

b) WFm = mg l (1 – cos)

129) Gab:
a) vf = 4 m/s;
v (m /s )
4

3
b.
2

1 2 3 4 t(s )
130) Gab: A

131) Gab: D

132) Gab: B

133) Gab:

F  8,0 10 5 J

134) Gab: A

135) Gab: B

136) Gab: B

137) Gab: E

138) Gab: D

139) Gab: B

140) Gab: 25

141) Gab: D

142) Gab:
a) O trabalho é numericamente igual à área em destaque no gráfico.

  800.40  3,2 x 10 4 J
 444000
b)     11100 W
t 40
11100
logo    15 CV
740

143) Gab: B
144) Gab: D

145) Gab:
a) 900J
b) –810J
c) E c  90J

146) Gab: B

147) Gab: C

148) Gab:
a) –3,6 x 10–2 J
b) 50N

149) Gab: 31

150) Gab: C

151) Gab: C

152) Gab: B

153) Gab: A

154) Gab: E

155) Gab: D

156) Gab: A

157) Gab: D

158) Gab: A

159) Gab:
2  104 degraus

160) Gab:
 mola  0, 40 J

161) Gab: C

162) Gab: 08

163) Gab: E

164) Gab: D
165) Gab: C

166) Gab: 19

167) Gab: D

168) Gab: C

169) Gab: C

170) Gab: A

171) Gab: C

172) Gab: C

173) Gab: A

174) Gab: D

175) Gab: D

176) Gab:
a) 360 kcal
b) 4800 telhas.

177) Gab: B

178) Gab: A

179) Gab: A

180) Gab: B

181) Gab: E

182) Gab: C

183) Gab: B

184) Gab: A

185) Gab:
a)  T = 4,5 N
b) W = 54 J
c) F = 1,5 N
d) x = 0,25 m ou x = 25 cm

186) Gab: A
187) Gab: C

188) Gab: D

189) Gab: E

190) Gab:
a) 0,8 g/cm3
b) 243,9 J

191) Gab: 88 J

192) Gab: D

193) Gab: D

194) Gab: E

195) Gab: 6,0