Vous êtes sur la page 1sur 56

DEP.

DAVID ANTÔNIO ABISAI PEREIRA DE ALMEIDA


Governador do Estado do Amazonas

ARONE DO NASCIMENTO BENTES


Secretário de Estado de Educação e Qualidade do Ensino

DARCÍLIA DIAS PENHA


Secretária Executiva de Estado de Educação

RAIMUNDO LUIZ VIDAL ALELUIA


Secretário Executivo Adjunto de Gestão

CARLOS ANTÔNIO MAGALHÃES GUEDELHA


Secretário Executivo Adjunto da Capital

ANA MARIA ARAÚJO DE FREITAS


Secretária Executiva Adjunta do Interior

MARCUS TÚLIO TOMÉ CATUNDA


Secretário Executivo Adjunto Pedagógico

AURILEX SILVA MOREIRA


Diretor do Departamento de Políticas e Programas Educacionais

ERIBERTO BARROSO FAÇANHA FILHO


Gerente de Ensino Fundamental II – Anos Finais
Equipe Técnica da Gerência de Ensino Fundamental II – Anos Finais

Alfredo Tadeu de Oliveira Coimbra


Élmar Leão Bezerra
Francisca Hermógenes Pinheiro da França
Francisco Sales Bastos Palheta
José de Alcântara Filho
Mailson Rafael dos Santos Ferreira
Nilo da Silva Sena Filho
Ozeli Martins Sarmento
Priscyllane da Silva Macedo
Raimunda Nonata Freitas de Souza
Simara Brasil Couto de Abrantes
Simone de Souza Lima

Assessor Técnico

Kleitson José Lima Tenório


APRESENTAÇÃO

Estimado (a) Professor (a)

A coletânea de conteúdos e atividades foi cuidadosamente estruturada


como forma de auxiliar na aprendizagem dos alunos, somados ao trabalho da
escola e dos professores. Foram selecionados alguns conteúdos curriculares
evidenciados nas avaliações externas e considerados relevantes para que seus
alunos conquistem mais oportunidades de aprendizagem.

Ressaltamos que o objetivo principal desta coletânea, é de subsidiar o


trabalho do professor em sala de aula e de potencializar o ensino nas escolas
da rede estadual.

Assim, esta coletânea, trata-se de um caderno de apoio que busca


ofertar um conjunto de atividades que poderão ser trabalhados no decorrer do
ano letivo de 2017, contemplando os Componentes Curriculares de Língua
Portuguesa, Matemática, Ciências, História, Geografia, Ensino Religioso e Arte.

Aproveitamos o ensejo, desejamos a você um excelente ano letivo de


2017 com muitas vitórias.

Departamento de Políticas e Programas Educacionais – DEPPE.


Gerência do Ensino Fundamental II – Anos Finais.
SUMÁRIO

6º ANO
1ª atividade a Tradição Oral – I......................................................................... 04
2ª atividade a Tradição Oral – II.........................................................................05
3ª atividade: Os textos sagrados primeira parte................................................07
3ª atividade: Os textos sagrados segunda parte................................................09

7º ANO
1ª atividade: Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável Ele espera que
sejas....................................................................................................................11
2ª atividade: O líder Religioso............................................................................12
3ª atividade: Proteção e preservação da vida....................................................15

8º ANO
1ª atividade: O jovem e a religiosidade..............................................................18
2ª atividade: Diversidade religiosa respeito ou tolerância.................................20
3ª atividade: Religião e religiosidade.................................................................23
4ª atividade: Cultura e religiosidade..................................................................28

9º ANO
1ªatividade: Religião e projeto de vida..............................................................30
2ª atividade: Liberdade religiosa X Violência religiosa.......................................33
3ª atividade: Religião; como surgiu? Oque é? E para quê?................................35
4ª atividade: a criação do mundo interpretação de texto.................................37
INTRODUÇÃO DA ÁREA DO CONHECIMENTO DO
ENSINO RELIGIOSO

O Ensino Religioso assumiu diferentes perspectivas teórico-práticas ao

longo da história da educação brasileira. Tanto nos debates em âmbito


institucional, na busca de sua legitimidade, quanto nas propostas de sua
implementação, o Ensino Religioso tornou-se um elemento de disputa entre
Estado e Instituições Religiosas, assim como entre movimentos sociais e
educacionais que lutavam a favor ou contra a sua permanência na escola
pública. Entre alianças e disputas, ao longo de aproximadamente quatro
séculos, o “ensino da religião” na escola esteve a serviço dos sistemas políticos
e religiosos socialmente hegemônicos, assumindo perspectivas confessionais
e/ou interconfessionais, geralmente de viés proselitista.
O proselitismo religioso se caracteriza pela difusão de um conjunto de
ideias, práticas e doutrinas que se autorreferenciam como verdade única e
exclusiva. Durante todo o período Colonial e Imperial, a estreita relação entre
Estado e Igreja legitimou o proselitismo na instrução pública, assim como
discursos e práticas de negação da diversidade religiosa e de subalternização
das crenças, saberes, identidades e culturas que se distinguiam do padrão
sociocultural estabelecido. Mesmo com a Proclamação da República, e a
consequente separação constitucional dos poderes políticos e religiosos, o
proselitismo ainda se configura no contexto e cotidiano escolar.
As transformações socioculturais ocorridas a partir da década de 1980
motivaram mudanças paradigmáticas e normativas no campo educacional.
Neste contexto, tanto a Constituição Federal de 1988, quanto a Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) nº 9.394/1996, redefiniram os
fundamentos epistemológicos e pedagógicos do Ensino Religioso, atendendo as
reivindicações da sociedade civil, de sistemas de ensino e de instituições de
educação superior que almejavam o reconhecimento de culturas, tradições e
grupos religiosos e não religiosos que integram a complexa e diversa sociedade
brasileira. Legalmente estabelecido como componente curricular de oferta
obrigatória, e de matrícula facultativa, pouco a pouco, em diferentes regiões do
país, foram sendo elaborados currículos, projetos de formação inicial e
continuada para professores, bem como subsídios didático-pedagógicos que
fomentam a operacionalização do Ensino Religioso como área do
Conhecimento responsável para assegurar o reconhecimento e conhecimento
da diversidade religiosa, garantindo que ela seja respeitada, vedadas quaisquer
formas de proselitismos.
Nesta perspectiva, a Resolução CEB/CNE nº 2/1998, incluiu o Ensino
Religioso como uma das áreas de conhecimento da Base Nacional Comum
Curricular, na forma de Educação Religiosa. Esta determinação foi ratificada
pelas Resoluções CNE/CEB n° 4/2010 e nº 7/2010, que mantiveram o Ensino
Religioso como uma das áreas de conhecimento do Ensino Fundamental de 09
(nove) anos.
INTRODUÇÃO DO COMPONENTE CURRICULAR
ENSINO RELIGIOSO

No presente documento, o Ensino Religioso, de caráter notadamente


não confessional, é apresentado junto à área das Ciências Humanas, visto que,
de maneira alguma compromete sua identidade pedagógica enquanto área de
conhecimento da Educação Básica e componente curricular. Esta integração se
deve à proximidade e às conexões existentes com as especificidades da
História, Geografia, Sociologia e Filosofia, de modo a estabelecer e ampliar
diálogos e abordagens teórico-metodológicas que transcendam as fronteiras
disciplinares e epistemológicas.
Na Educação Básica, o Ensino Religioso não confessional assume a
responsabilidade de oportunizar o acesso aos saberes e conhecimentos
produzidos pelas diferentes culturas, cosmovisões e tradições religiosas, sem
proselitismo. O estudo dos conhecimentos religiosos na educação laica, a partir
de pressupostos científicos, estéticos, éticos, culturais, filosóficos e linguísticos,
visa a formação de cidadãos e cidadãs capazes de compreender as diferentes
vivências, percepções e elaborações relacionadas ao religioso e ao não
religioso, que integram e estabelecem interfaces com o substrato cultural da
humanidade.
Os conhecimentos religiosos fundamentam, articulam e expressam
maneiras próprias de como cada pessoa ou grupo capta, interpreta, aprende e
elucida os acontecimentos e experiências da vida. Enquanto saberes
produzidos nas culturas e tradições religiosas, embasam crenças,
comportamentos, atitudes, valores, símbolos, significados e referenciais
utilizados para realizar escolhas e dar sentido à vida.
O Ensino Religioso, cujo objeto de estudo é o conhecimento religioso,
assume a pergunta, a pesquisa e o diálogo como princípios metodológicos
orientadores dos processos de observação, identificação, análise, apropriação e
ressignificação dos saberes, organizando-se na Educação Básica a partir das
seguintes perspectivas: identidades e diferenças, considerando o caráter
subjetivo do humano, reconhecendo as singularidades de cada estudante
(DCNEF, Resolução nº 07/2010); conhecimentos religiosos e não religiosos,
aspectos objetivos que fundamentam as diferentes religiões e filosofias de vida
e; ideias e práticas religiosas e não religiosas, que configuram o conjunto de
manifestações sócio religiosas, as quais apresentam implicações na convivência
entre as diversidades e nas relações interculturais. Perspectivas estas,
compreendidas no conjunto de conhecimentos que possuem inter-relações e
interdependência, a saber:
 Identidades e Diferenças: corporeidades, alteridades, dignidade,
imanência-transcendência, religiosidades, subjetividade, objetividade,
intersubjetividade e relações interculturais;
 Conhecimentos Religiosos e não religiosos: mitos, ritos, símbolos, ideias
de divindades, crenças, textos sagrados orais e escritos, filosofias de
vida, histórias, contextos, doutrinas, artes, literaturas e ideologias
religiosas e não-religiosas;
 Ideias e Práticas religiosas e não religiosas: princípios éticos de
alteridade, estéticos, formativos, filosóficos, ecológicos, econômicos,
políticos, culturais, questões ambientais, de gênero, de sexualidades e do
bem-viver, considerando a diversidade cultural religiosa em seus
diferentes espaços, territórios sagrados e territorialidades,
espiritualidades e experiências religiosas e não religiosas.
Na perspectiva da diversidade cultural religiosa e dos direitos humanos,
o Ensino Religioso não pode ser concebido como ensino de uma religião ou das
religiões na escola. Busca-se desconstruir significados e experiências
colonialistas, reconstruindo atitudes de valoração e respeito às diversidades, ao
mesmo tempo em que instiga a problematização das relações de saberes e
poderes de caráter religioso, presentes na sociedade e respectivamente no
cotidiano escolar.
O estudo dos conhecimentos religiosos constitui um dos elementos da
formação integral e objetivo de aprendizagem dos estudantes, tendo em vista
uma melhor compreensão da sociedade e do mundo, no sentido de
salvaguardar a liberdade de expressão religiosa e não religiosa – tais como o
materialismo, o ateísmo, o ceticismo e o agnosticismo, entre outras - e de
assegurar a promoção e defesa da dignidade humana.
A ética da alteridade é um dos fundamentos epistemológicos e
pedagógicos para o diálogo inter-religioso e intercultural, princípio basilar para
o reconhecimento da diversidade cultural na perspectiva da totalidade da vida.
Neste sentido, discriminações e preconceitos entre grupos humanos têm a
oportunidade de serem desnaturalizados e, na medida em que são abordados
como elementos de aprendizagem, contribuem para a superação de violências
de cunho religioso, para o reconhecimento de identidades culturais religiosas e
não religiosas na construção e compreensão de entendimentos acerca do
encontro e da convivência respeitosa com o outro na coletividade, implicando
em corresponsabilidades para o bem-viver.
Portanto, a diversidade cultural religiosa presente em nosso Estado, nos
espaços escolares e seu entorno exige atenção e esforços conjuntos no sentido
de erradicar práticas e relações de poder que buscam homogeneizar os
diferentes anulando suas diferenças. Tais processos, muitas vezes, ocorrem no
próprio contexto escolar, por meio de invisibilizações, exclusões,
silenciamentos e discriminações, relacionados às diferentes identidades e
valores de caráter religioso e não religioso. O Ensino Religioso, articulado às
demais áreas e componentes curriculares do Ensino Fundamental, requer que
os direitos de aprendizagem sejam desenvolvidos em processos que
contemplem e reconheçam a diversidade cultural religiosa, considerando os
tempos, espaços, concepções, práticas e dinâmicas sociais e sócio religiosas.
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 6º ANO

1ª Atividade: A TRADIÇÃO ORAL - 6º ANO

O ser humano nasce e cresce inserido em um


determinado contexto cultural, do qual assume
valores, comportamentos, conhecimentos, hábitos,
crenças e costumes que farão parte de sua vida.
Esse conjunto de elementos herdados e assumidos
pelo ser humano denomina-se tradição, cuja forma
mais antiga de transmissão é por meio da oralidade.

MAS O QUE VEM A SER MESMO A TRADIÇÃO ORAL?

O termo "oral" refere-se à fala emitida por meio de


linguagens constituídas de significados nas diferentes culturas.
Portanto, a tradição oral é uma espécie de cultivo da memória
dos princípios, valores, ensinamentos e crenças que sempre
serviram de referência ao convívio das pessoas pertencentes a
uma cultura ou povo. Esses conhecimentos foram
transmitidos oralmente de geração em geração em forma de
relatos, cantos, danças, rituais, poesias e histórias. A
transmissão oral tem como objetivo manter vivos os ensinamentos dos antepassados.
Por meio da comunicação oral, na cultura africana, por exemplo, são transmitidos
ainda hoje alguns conhecimentos relacionados à medicina, à presença de ancestrais e às
fases da vida (nascimento, juventude, vida adulta, morte e pós-morte) para orientar a
comunidade sobre o que é melhor para todos.
Os elementos importantes no cultivo oral são o tempo, a memória, a comunidade e a
convivência por meio do diálogo, que ocorre no constante exercício ouvir-falar e falar-ouvir.
Esse aspecto contribui significativamente para uma educação fundamentada no respeito
expresso no olhar e no cuidado com o Outro que se revela no diálogo e nas expressões
corporais.
A tradição oral tem papel fundamental na História, pois por meio dela garante-se a
manutenção da memória cultural e religiosa dos povos.

Texto de Apoio: Contador de histórias

Relata-se que um contador de histórias africano


não se limita apenas a narrá-las, mas procurar ensinar
por meio delas conhecimentos das diferentes áreas da
vida e da organização de seu grupo. Um mesmo
contador, geralmente idoso, poderá dominar
conhecimentos profundos com relação aos fatos do
grupo, do Universo, do ser humano, da subsistência e da
religiosidade, bem como das diversas ciências, e
transmiti-los usando histórias. Ele contribui
significativamente na manutenção da harmonia e do equilíbrio da vida por meio de seus relatos.

4
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 6º ANO
1ª ATIVIDADE AVALIATIVA (em grupos escreva as resposta numa folha de seu caderno e
entregue-as ao professor)
1. Oque o ser humano assume em seu contexto cultural?

2. Segundo o texto o que é “TRADIÇÃO”?


3. Agora você já pode me explicar o que é “TRADIÇÃO ORAL”?
4. Cite os elementos mais importantes da Tradição Oral?
5. Segundo o texto, porque a tradição oral é tão importante?
6. Segundo o texto de apoio, explique porque o CONTADOR DE HISTÓRIAS é tão importante
para a Tradição Oral?

2ª ATIVIDADE CONTINUAÇÃO: A TRADIÇÃO ORAL

Quem inventou? Quem desenvolveu? Quem cultivou?


Quem primeiro sentiu a necessidade dela? Sei lá!
Mas uma coisa é certa: em todo mundo, o ser humano se comunica.
Ah! E se não fosse ela, como seria nosso viver? Estranho.
Distante. Frio. Sem sentido. Um caos.
No princípio, sons produzidos se confundiam com o cantar dos pássaros, com os sons das
cachoeiras e com o soprar dos ventos e outros mais. Aos poucos, os sons ganham sentido e
as palavras ganham poder. Poder de ensinar e aprender, interagir, rir e chorar. Poder para
acolher, criar e recriar outras linguagens e fim de ampliar as possibilidades de comunicar de
geração em geração a história da vida em cada lugar, cultura e tradição.

5
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 6º ANO
A transmissão oral tinha como objetivo manter vivo os ensinamentos dos
antepassados para explicar a origem do universo, dos seres humanos, da terra, das águas,
das aves, dos animais e demais seres, presentes no mundo. Os elementos importantes no
cultivo da tradição oral são o tempo, a memória, a comunidade e a convivência por meio do
diálogo, que ocorre no constante exercício ouvir-falar e falar- - ouvir. Esse aspecto contribui
significativamente para uma educação fundamentada no respeito que se expressa no olhar e
no cuidado com o outro que se revela no diálogo e nas expressões corporais.

Segunda Atividade Avaliativa


OBS: (pode ser feita em grupos de três pessoas anote as respostas numa folha de seu
caderno e entregue ao professor (a) no final desta aula. Anote o nome dos três colegas que
participaram da atividade com você na mesma folha).

1. Para você (s) Por que o ser humano criou a capacidade de falar?
2. Qual o objetivo da transmissão oral?
3. Quais os elementos principais da Tradição Oral?
4. Dê quatro exemplos de como a Tradição oral acontece em sua família e escola?

6
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 6º ANO
5. Qual o principal sentido do texto escrito por Pedro Bial?
6. Descreva que o tipo de tradição oral ocorre na fotografia ao lado do poema de Pedro Bial?

3ª ATIVIDADE: OS TEXTOS SAGRADOS NAS TRADIÇÕES RELIGIOSAS

Quem criou o mundo?


Quem sou eu?
Qual é o sentido da vida?
Por que existe sofrimento?
Por que devo ser bom?
Quando morrer, é o fim de tudo ou começo de algo diferente?

Estas são algumas perguntas que o ser humano faz há milhares de anos.
Com o passar do tempo, as Tradições Religiosas organizaram seus Textos Sagrados para
fundamentar e apresentar de modo significativo um conjunto de possíveis respostas
referentes às questões existenciais. Tais textos são considerados sagrados em cada Tradição
Religiosa ao evocarem o Transcendente, a essência da vida e a vivência de virtudes como o
respeito à dignidade do outro, o amor, a solidariedade e a responsabilidade social.

A Tradição Escrita

Os primeiros registros pré-históricos da comunicação do ser humano foram


encontrados em cavernas em forma de desenhos. São representações rupestres de animais,
caçadores, plantas, rituais e outros aspectos do cotidiano, dentre eles, a possibilidade de
expressão de suas crenças. Esses registros possibilitam compreender os costumes dos povos
ao representarem a sua relação com a natureza e as das pessoas entre si. Trata-se, portanto,
de uma expressão de comunicação do passado para o presente. Rupestre – primeiras
expressões artísticas em pedras encontradas nas cavernas, feitas com extrato retirado de
plantas, frutos, sangue de animais, carvão e outros elementos da natureza.
As culturas encontraram formas de PARTILHAR seus CONHECIMENTOS e
entendimentos sobre as experiências religiosas que o povo fez ou que seus LÍDERES
religiosos fizeram. As experiências religiosas se caracterizam por ser o ENCONTRO do ser
humano com o TRANSCENDENTE. Esses encontros geram TRANSFORMAÇÕES significativas,
no resgate da DIGNIDADE humana, na defesa da VIDA e na libertação de sofrimentos.
É desafiador compreender como esse processo se deu, pois hoje nos comunicamos
com meios muito mais acessíveis e rápidos, proporcionados pelas descobertas históricas,
culturais, científicas e tecnológicas. Lembremo-nos que tudo passou e passa por muitas
mãos e de geração em geração. É grandioso da nossa parte utilizar os instrumentos a que
temos acesso para transmitir informações corretas, para dizer quem somos, o que pensamos
e o que pretendemos fazer para preservar a riqueza cultural e religiosa que a humanidade já
produziu e está produzindo.

Atividade avaliativa nº 02 Em Grupos de seis estudantes.

1. Vocês sabem o que as culturas encontraram com o desenvolvimento da escrita? Para


saber, Preste bem atenção no parágrafo quatro do texto, complete a frase utilizando as
palavras a seguir: dignidade, partilhar, encontro, vida, escrita, conhecimento, transcendente,
transformações e líderes

7
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 6º ANO
2. Qual a finalidade dos textos sagrados?
3. Por que estes são considerados sagrados?
4. Para que as culturas utilizam a tradição escrita?
5. Enumere cinco exemplos de tradição escritas utilizadas em sua escola?

8
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 6º ANO

3ª Atividade TEMA: TEXTOS SAGRADOS PRIMEIRA PARTE

9
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 6º ANO

10
4
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 7º ANO

1ª ATIVIDADE "QUANTO MAIS DEUS LHE DÁ, MAIS RESPONSÁVEL ELE ESPERA QUE SEJA."
(RICK WARREN)

1ª ATIVIDADE: O LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

Os líderes, independentemente de suas funções, precisam assumir o compromisso de


comunicar e fazer o bem. Assim estarão cumprindo seu dever social e serão referências do e
para o bem. Esse compromisso precisa ser assumido como uma atitude constante, um
projeto de vida, pois, você há de concordar que não há maior frustração do que saber que
um líder admirado não é aquilo que aparentava ser, não é verdade?

Para refletir sobre a importância de o líder comunicar, anunciar e fazer o

11
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 7º ANO
bem, leia atentamente o texto.
O líder, em todas as culturas, precisa estar atento ao cuidado com o meio ambiente:
terra, água, ar ... e também às necessidades do povo, preservando e cuidando da vida
manifestada de diferentes formas. Especialmente nas Tradições religiosas, essas são atitudes
necessárias à forma de ser e agir dos líderes, pois o seu papel é de grande importância não
somente para sua comunidade, mas também à sociedade.
O líder religioso é a voz da sua comunidade, é quem anuncia o desejo e necessidades
de sua Tradição em favor de um mundo mais humanizado. Na atualidade, os líderes e
religiosos têm muitas funções importantes, entre elas, auxiliar no (re) descobrimento da
sacralidade da terra, de tudo o que está nela e dela provém. Esse cuidado é uma questão de
sobrevivência, pois preservar a terra é uma obrigação que vai além das fronteiras de nossa
casa e do nosso tempo, envolvendo o direito de viver num meio ambiente limpo para que as
atuais e as futuras gerações tenham a possibilidade de uma vida digna. Por isso, a conduta
ética dos líderes e a predisposição para fazer e promover o bem é de fundamental
importância, pois devem ensinar que se faz necessário eliminar as ações predatórias contra
o meio ambiente e todos precisam aprender a cuidar da natureza, dos outros e de nós
mesmos.
É por meio do líder que os ensinamentos e valores da Tradição Religiosa se tornam
conhecidos, como também ele é capaz de inspirar as pessoas a descobrir novos caminhos
para praticar o bem, o respeito, a defesa da vida, primando pela felicidade, direitos e
deveres de todos. O líder precisa comprometer-se em comunicar os valores e as formas de
primar pelo bem comum aos membros de sua Tradição Religiosa e à comunidade, pois é
uma figura pública.

1ª ATIVIDADE AVALIATIVA (escreva as resposta em uma página de seu caderno ao terminar


entregue ao professor)

1. Segundo os textos; para irradiar a vida e incentivar todos na busca de sentido para viver as
três principais qualidades de um líder são?
2. Na leitura do texto para estar sempre aberto aos outros em suas necessidades o líder
precisa ser?
3. Para dar valor a vida de cada um o líder precisa ter três qualidades, segundo o texto quais
são estas?
4. Lendo o segundo texto; o líder para melhorar a qualidade de vida das pessoas precisa
estar sempre atento a que situações?
Da leitura do Texto 1 podemos afirma, que o líder para desenvolver sua liderança com amor
precisa de:

2ª ATIVIDADE TEMA: LÍDER RELIGIOSO

Nas últimas décadas, intensificaram-se os esforços e as


ações que procuram garantir os direitos humanos fundamentais a
todos os cidadãos. A garantia do respeito à diversidade presente
no Brasil avança na medida em que os direitos humanos são
(re)conhecidos e respeitados. Dentre as ações que estão a serviço
do ser humano despontam, também, nesse processo, a atuação
dos líderes religiosos na busca de soluções dos problemas sociais
da atualidade.

12
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 7º ANO
01. Dentre eles, pode-se citar o Frei e escritor Betto. Das muitas atividades que
desenvolve, tem chamado a atenção pelos inúmeros livros e artigos publicados em revistas e
jornais em âmbito nacional e internacional. Com a ajuda da sua professora, pesquise quem é
Frei Betto e o que faz para demonstrar seu comprometimento com o bem.

Converse com sua professora e colegas a respeito do significado dessa afirmação e sua
influência sobre o comportamento das pessoas.

"A fé em Deus nos faz crer no incrível, ver o invisível e realizar o impossível."
A partir do que estudamos e conversamos de que o líder religioso precisa estar
comprometido em comunicar e fazer o bem, complete o boneco. Depois, complemente
com elementos que caracterizam um líder religioso autêntico, indicando em cada um dos
espaços aspectos que você considera importantes.

Os líderes nas tradições religiosas

Toda organização existente na sociedade geralmente é


construída, orientada e mantida por meio de ações de líderes que
representam as instituições e/ ou a população. Nas Tradições
Religiosas, não é diferente. São os líderes religiosos que organizam o
povo na construção e manutenção de ações que visam ao bem
comum. Muitos deles se tornam exemplos de vida e esse exemplo
perpassa às gerações seguintes, por se dedicarem à defesa e
promoção da vida e por manterem uma profunda relação com a
ideia de Transcendente construída em cada Tradição religiosa.

Líder religioso: um exemplo e uma lição de vida

Historicamente, nas culturas e Tradições Religiosas foram


surgindo ou foram sendo escolhidas pessoas que se
tornaram referência, por comunicarem exemplarmente a
vivência de valores, princípios éticos, conhecimentos e
comportamentos fundamentais para o desenvolvimento
dos seres humanos. Com o tempo, essas pessoas
passaram a ser reconhecidas como líderes religiosos pelo
povo e/ ou pelas instituições.

De um modo geral, os líderes


religiosos apresentam capacidade de
comunicação, disciplina, disponibilidade,
sensibilidade, generosidade, gosto pelos
estudos, dentre outras características
semelhantes de outros líderes. No entanto, como diferenciais, o líder religioso apresenta

13
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 7º ANO
uma profunda espiritualidade, desapego dos bens materiais, intensa humanidade e,
especialmente, sua forma de cuidar do ser humano.
Nesse contexto, podemos compreender que muitos líderes religiosos são
considerados exemplos, porque desenvolveram ou desenvolvem a capacidade de olhar para
a realidade da sua cultura e da sua Tradição religiosa e buscam apontar alternativas mais
condizentes com a verdade e os ensinamentos das Tradições Religiosas, visando à libertação
de sofrimentos e à transformação social. É a partir da relação com o ser humano, em
especial com os mais necessitados, que os líderes religiosos se tornam exemplos a serem
seguidos e revelam a profundidade da relação com a transcendência.
Os líderes presentes no conjunto de imagens são alguns entre tantos outros que
permanecem ocultos ou não são (re)conhecidos. Todos os seres humanos buscam
referenciais para suas vidas. Os líderes apresentam referenciais e preceitos das Tradições
religiosas, indicando algumas lições de vida que servem como incentivo e motivação no
processo de conscientização e vivência da justiça e do respeito às diferenças, construindo
assim, novas formas de ver e se relacionar consigo mesmo, com o outro, com o
Transcendente e com o planeta.
Os líderes religiosos não têm
preocupação restrita apenas à sua
Tradição Religiosa, mas, com base na sua
experiência religiosa, olham o contexto e
as necessidades específicas do povo em
geral. Pesquise sobre um líder religioso,
destacando uma breve biografia e as
ações que demonstram seu
comprometimento em favor da justiça,
do respeito e da dignidade do ser
humano. Diante de conflitos que
ocorrem no dia a dia nas relações entre
as pessoas, aponte um benefício que o diálogo aberto e sincero traz, e uma consequência
caso ele não ocorra.

ATIVIDADE AVALIATIVA Nº 2

OBS: (pode ser feita em grupos de três pessoas anote as respostas numa folha de seu
caderno e entregue ao professor (a) no final desta aula. Anote o nome dos três colegas que
participaram da atividade com você na mesma folha).

01. A partir dos textos acima indique, por que os líderes religiosos são considerados
exemplos a serem seguidos?
02. Um dos elementos fundamentais na vida dos líderes religiosos é a espiritualidade.
Ela é a base que sustenta as escolhas e as ações. Para conceituá-la, ordene
corretamente as palavras do quadro.

14
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 7º ANO

a plenitude modo dimensão característico traduz transcendente. o

busca humano viver relação atingir o É de uma

que ser quem do sua da com de

03. Escolha uma atitude essencial de um líder religioso, a qual você considera fundamental,
nos dias atuais, para ser assumida, conscientemente, pela sociedade no dia a dia. Depois,
crie uma frase anunciando como viver tal atitude.

04. Para fazer o bem o pensamento do líder religioso precisa estar sempre voltado para:

05. Você saberia identificar quais são as principais características que diferenciam um líder
religioso dos demais líderes?

06. O líder religioso para comunicar o bem, precisa desenvolver os sentimentos de:

3ª ATIVIDADE TEMA: ÉTICA: PROTEÇÃO E PRESERVAÇÃO DA VIDA

“O Amor é o mais generoso dos sentimentos.


É o único que inclui em seus sonhos a felicidade de outra pessoa”.

O ser humano, ao longo da história das diferentes culturas, sentiu a necessidade de proteger
e preservar a vida e, ao mesmo tempo, garantir uma convivência harmoniosa. Por esse
motivo, as diferentes culturas desenvolveram e desenvolvem sistemas de regras, códigos,
leis, princípios e valores que, com o passar do tempo, tornaram-se padrões de
comportamentos que serviram e servem de parâmetros para discernir o que é correto ou
não em cada organização social. As Tradições Religiosas podem contribuir para que os
princípios éticos ofereçam aos indivíduos e à sociedade a oportunidade de refletir e gerar
transformações.

A ÉTICA NAS TRADIÇÕES RELIGIOSAS TRIBAIS E OCIDENTAIS

A ética surge a partir da necessidade constante de avaliar o que está estabelecido como
moralmente correto. Implica fazer escolhas, portanto ela deve provocar uma constante
reflexão sobre o que se deve fazer frente ao que está estabelecido como “correto”, “bom”,
“justo” ou não. A ética, neste sentido, não é estática, mas dinâmica, e possibilita ao ser
humano contribuir com a humanidade no tempo e no contexto sócio-histórico-cultural em
que está inserido. Ela é o “espírito” que está por trás das leis, normas, valores e princípios.

15
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 7º ANO

16
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 7º ANO

ATIVIDADE AVALIATIVA Nº 3 (Formar grupos de seis estudantes)

1. O que as culturas desenvolveram para defender a vida?


2. No que as tradições religiosas podem contribuir?
3. Qual a importância da ética para a nossa vida?
4. O que cada pessoa precisa fazer para viver de maneira ética?
5. O que é a ética da Alteridade?

17
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO

1ª ATIVIDADE: O JOVEM E A RELIGIOSIDADE

Dispor do necessário discernimento é um


dos grandes detalhes do jovem, já
presente em sua vida desde a etapa da
adolescência.
Ao se deparar diante das questões
existenciais, o jovem, enquanto
protagonista de sua própria história e
agente de transformação da sociedade,
começa a perceber-se na realidade em
que vive, buscando sentido naquilo que
está fora e além dele. A busca pelas
respostas a estas questões existenciais
tem-se ampliado significativamente,
tornando-se possível observar com maior frequência a realização de experiências
religiosas individuais que expressam a procura de descobrir quais os sentidos da
nossa vida?

18
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO
O JOVEM E AS EXPRESSÕES RELIGIOSAS

19
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO
ATIVIDADE AVALIATIVA Nº01 (escreva a resposta para estas perguntas numa folha de
caderno e entregue ao professor até o final desta aula)

1. Após a leitura dos textos. No que a experiência religiosa pode ajudar na


descoberta do sentido e significado de nossas vidas?
2. Que orientações o grupo daria para os colegas que estavam provocando e
desrespeitando o colega por causa de sua religião diferente?
3. Somos diferentes? Nos vestimos diferentes? Comemos diferes alimentos? Já
pensou se todos fossemos iguais? Vestindo as mesmas roupas? Gostando dos
mesmos alimentos? Se ser diferente é tão bonito e prazeroso? Por que teríamos
que pertencer à mês religiões?
4. Faça um relato de violência religiosa que alguém do grupo conhece. Qual a
opinião de cada um sobre este fato?
5. A maioria das religiões prega o amor e a paz entre as pessoas. Qual a opinião do
grupo para atitudes de preconceito e discriminação religiosa?

2ª ATIVIDADE TEMA: DIVERSIDADE RELIGIOSA RESPEITO OU TOLERÂNCIA

RESPEITO OU TOLERÂNCIA: QUAL É A SUA POSIÇÃO? Emerli Schlögl Autores


diversos questionam se devemos tolerar ou respeitar as pessoas em suas diferentes
crenças religiosas. Estas duas palavras apresentam sentidos diferentes. Nussbaum
(2008) fala sobre o respeito pela consciência, o que significa que os seres humanos
precisam ser respeitados pela sua liberdade de fazer escolhas religiosas.

Os que defendem a tolerância acreditam que devemos aceitar e certas vezes


suportar as escolhas dos outros. Leiter (2009) afirma que a tolerância se expressa
quando pessoas com poder de prejudicar ou aniquilar as práticas religiosas de outras
pessoas não fazem isto por razões morais ou epistemológicas.

Será que realmente é necessário ultrapassarmos os limites impostos pela


tolerância para vivermos cordialmente em meio à diversidade de crenças? O que
significa o desenvolvimento do respeito pela consciência para os estudantes?
Defendendo o princípio do respeito pela consciência podemos afirmar que isto se traduz
no Ensino Religioso Escolar em práticas que pressupõem ultrapassar a condição de uma
simples aceitação ou mesmo o sentimento da suportabilidade da diferença religiosa
atingindo a condição necessária para se estudar a diversidade cultural religiosa com
sincero interesse pelo modo como mulheres, homens e crianças vivem a religião em
toda sua gama de distinções.

20
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO
Cultivar a postura de respeito pela consciência resulta em estudo guiado pela
curiosidade intelectual unido ao comportamento de defesa pelo direito que o outro
possui de viver livremente suas crenças religiosas. Enquanto a tolerância se expressa por
comportamentos de não prejuízo à liberdade de fé do outro, o respeito pela consciência
se expressa também pela atitude de defender o direito da existência de práticas
religiosas diversas e o direito de escolha de cada pessoa, o que inclui possuir crenças
religiosas ou não.

É claro que existem corrupções


religiosas, ou seja, a prática manipulativa por
meio de diversos métodos persuasivos para
obtenção de benefícios próprios. Como é o
caso daquele líder religioso que sobe o morro
de sua cidadezinha brasileira, escolhe um bom
ângulo e realiza uma filmagem dizendo que
está no Monte Sinai recolhendo bênçãos para
seus fiéis. Depois as pessoas são ludibriadas
assistindo à filmagem e acreditando em uma
realidade que não passa de um artifício para
enganá-las. Casos como estes permeiam a história das religiões e por ferir os direitos
humanos utilizando métodos ilícitos para obtenção de ganhos pessoais, não se ajustam
aos princípios de tolerância ou de respeito pela consciência.

Nestes casos, a crítica e a denúncia são atitudes que salvaguardam a possibilidade da


existência da prática da tolerância e do respeito para com as pessoas em suas diferentes
convicções religiosas. Pois como tão bem alertou Montaigne “Nunca houve no mundo
duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a
diversidade...”.

2ª ATIVIDADE AVALIATIVA

OBS: (pode ser feita em grupos de três pessoas anote as respostas numa folha de seu
caderno e entregue ao professor (a) no final desta aula. Anote o nome dos três colegas
que participaram da atividade com você na mesma folha).
1. Qual o significado a palavra “respeito” no texto acima?
2. Qual o significado a palavra “tolerância” no texto acima?
3. Você (s) é concorda que devemos ter respeito ou tolerância? Explique sua resposta.
4. “Cultivar a postura de respeito pela consciência resulta em estudo guiado pela
curiosidade intelectual unido ao comportamento de defesa pelo direito que o outro
possui de viver livremente suas crenças religiosas”. Explique o que você (s) entendeu
sobre esta frase tirado d texto?
5. Escola uma das imagens abaixo e explique por que você concorda com ela.
6. Por que a intolerância religiosa é crime?

21
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO

22
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO

3ª ATIVIDADE: RELIGIÃO E RELIGIOSIDADE

A RELIGIÃO, A RELIGIOSIDADE E OS SISTEMAS RELIGIOSOS

A humanidade sofre com o desconhecimento das causas dos seus problemas.


Este sofrer lhe remete a uma busca desesperada por soluções, por mitos e ou santos
que lhe propiciem curas milagrosas, bem como soluções inesperadas para problemas
previsíveis. Surge neste momento a Religião.

O que é Religião e o que chamamos de religiosidade?

A Religião é um processo relacional desenvolvido entre o Homem e os poderes


por ele considerados sobre humanos, no qual se estabelece uma dependência ou uma
relação de dependência. Essa relação se expressa através de emoções como confiança e
medo, através de conceitos como moral e ética, e finalmente através de ações (cultos
ou atividades pré estabelecidas, ritos ou reuniões solenes e festividades). A Religião é a
expressão de que a consciência humana registra a sua relação com o inefável,
demonstrando a sua convicção nos poderes que lhes são transcendentes. Esta
transcendência é tão forte, que povoa a cultura humana.

Alguns teólogos defendem a idéia de que: “A Existência de Deus é uma


necessidade”, no entanto queremos enfatiza-la como “A Necessidade”, porque
nenhuma outra por mais sublime que a seja, equiparasse com a existência da “Vida de
todas as vidas”. Podemos compreender que através da aceitação de Deus ou de um ser
sobre humano, o ser humano consegue atribuir sentido metafísico às coisas. Sentido
este que exorta a extrapolação do sensorial. Fora disto, tudo é vazio e não há
compreensão que abarque a “inexistência como existente” e o acaso como responsável
por todas as coisas.

Haveremos, porém, de considerar que as coisas metafísicas no sentido adotado


exigem uma percepção metafísica. Exigem por si só, funções mentais não cognitivas que
possibilitem ao Homem abstrair do mundo como ele está. Muitas vezes a percepção
advinda destas faculdades, levam a percepções que fogem ao senso comum ou a
percepção das massas. Diante deste paradoxo, o Homem que vivencia o Processo
Religare (a dinâmica de desenvolvimento da consciência superlativa, em direção ao
criador) é comumente chamado de louco, como se os outros que não enxergam o que
ele vê não o fossem, em verdade.

Alguns Homens se consideram capazes de estabelecer uma espécie de


intermédio nesta dinâmica, no entanto, estes Homens desconhecem que todo criador
deixa grafada em sua obra, uma assinatura que o diferencia dos outros. Queremos dizer
com isto, que a relação do criador cósmico com a criatura, deixa uma relação implícita
ao ser humano. E é esta relação, que é verdadeiramente, a Religião.
Então o que se vê institucionalizado em: Templos, Congregações, Núcleos, Igrejas e
Centros não são a Religião porque esta é um processo pessoal, mas um Sistema
Religioso. Toda referência à palavra Religião feita neste texto, será uma referência à
expressão: Processo Religare, que enfatizamos ser a dinâmica de ampliação dos níveis
de consciência para percepção da divindade.

23
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO
Um sistema religioso é caracterizado por elementos que expressem Religião,
mesmo que este não seja o seu objetivo. Todo e qualquer sistema filosófico e científico
que contenha elementos de Religião, é um sistema religioso. Observamos diante disto
que muitas coisas podem ser elementos de Religião. Os livros sagrados, os marcos
históricos, os personagens históricos, alguns objetos (santo Graal, lança sagrada,
cruzes,...), são todos eles fonte de Religião, mas podem gerar ou não religiosidade.
A religiosidade é uma qualidade do indivíduo que é caracterizada pela disposição ou
tendência do mesmo, para perseguir a sua própria Religião ou a integrar-se às coisas
sagradas. Precisamos diferir o ser possuidor de religiosidade, do religioso, que é fruto do
sistema religioso.

O religioso é um fanático, que não compreende e não respeita o Processo


Religare do próximo. Ele se torna intolerante e não aceita as práticas religiosas de
outros indivíduos, considerando o seu caminho único e inquestionável. Acontece, com
isto, que alguns sistemas religiosos podem gerar indivíduos de religiosidade, mas como
os religiosos se apegam ao poder e as fórmulas, tendem a manipular as mentes
atormentadas e sofredoras, obrigando a todo aquele que não esteja em sintonia com
seus ideais a se tornarem submissos. Daí as crises e a intolerância religiosa. Os religiosos
são de fato os grandes causadores de problema, aliados aos seus sistemas religiosos.

Não raro observamos este ou aquele sistema religioso apregoar ser o caminho
de transformação da humanidade. Em verdade ele poderá ser "Um caminho" e não "O
caminho" por que um sistema expressa as necessidades dos elementos constituintes do
seu conjunto. Em decorrência disto não existe o melhor sistema religioso, mas o que
mais se adeque ao entendimento e ao despertamento de consciência do indivíduo que o
procura.
Existem nos sistemas religiosos, alguns elementos de Religião que podem ser
autênticos. Estes elementos podem despertar a Religião, mas que com o tempo podem
degenerar, porque para compreender o Processo Religare, é necessário transportar a
consciência para um patamar mais desenvolvido.

Os estudiosos separam a prática religiosa do sistema religioso. Esta primeira


pode inclusive conter dissonâncias críticas da segunda, destoando em ideias e em
implementações da proposta dos seus criadores. Por isto, defendemos a posição de que
o cristianismo primitivo foi perdido, por que ele foi adulterado pelos Homens, que dão
sua própria interpretação daquilo que não compreendem. Mas, enquanto as palavras e
as ideias não são respeitadas e enquanto o ser humano se apega a práticas exteriores e
não vivência elas no seu interior, ele será sempre um ser a parte da criação e Deus será
o déspota cruel, que manipula o Homem ao seu bel prazer.

Dissemos que a Religião (do grego religare) é o processo de interligação do ser


humano com o criador. Mas afinal de contas, será que o Homem está separado de
Deus? Então qual o real significado do Processo Religare ou Religião?

Desde o término do século XIX, muitos estudos científicos ficaram voltados ao


entendimento da chamada consciência. É bem verdade que a grande maioria deles,
complicou muito mais o entendimento do que outra coisa. Quando exortamos a
expressão consciência, queremos nos referir a capacidade do ser humano relacionar-se
com o mundo exterior, de forma: equilibrada, harmônica e plena. Então, toda relação
consciente propicia ao indivíduo:

24
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO
- O desapego de si mesmo e do outro,
- A compreensão do contexto o qual experimenta,
- A acessibilidade dos registros mentais, concernente à diversidade de experimentações
nos planos do existir do Homem (Espírito, Alma e Corpo Físico);
- A integração e o desenvolvimento com as faculdades do ser.

Esta consciência é então, fruto da relação do ser consigo mesmo, com o seu
próximo e com o criador. É bem verdade que o influxo cósmico do criador, exerce uma
dinâmica “inconsciente”, isto é, a relação de Deus com o Homem, é imanente a
natureza humana, enquanto as relações: consigo mesmo e com o próximo, são
aprimoradas no próprio viver. Podemos concluir que é mais natural relacionarmo-nos
com Deus, do que conosco ou com o próximo, por que somos naturalmente divinos e
não naturalmente humanos. A questão é: até identificarmos isto, nos portamos mais
como animais do que seres humanos ou deuses.
O estado de humanidade é uma qualidade adquirida pela alma, pelo somatório das suas
faculdades físicas, psíquicas, morais e espirituais. Podemos dizer, que a grande maioria
dos indivíduos são potencialmente humanos, porque estão munidos das qualidades
necessárias para tal, mas não a usam.

O Processo Religare nada mais é do que o desenvolvimento das faculdades


psíquicas da alma, que o tornem sensível à percepção da sua relação com Deus. Logo,
entendemos diante disto, que não nos afastamos de Deus, mas nos relacionamos com
ele inconscientemente, sendo que o nosso verdadeiro trabalho é conscientizarmo-nos
desta relação, para tornarmo-nos merecedores de suas benesses.

Deste entendimento, podemos inferir que há um desenvolvimento da


humanidade do Ser, que lhe remete a um estado “além-do-homem”, parodiando o
filósofo alemão. O Processo Religare nos remeteria diretamente a uma transição do Ser,
ao vir a Ser, que levaria o ser a uma divinização, ou melhor, a um estado de
imutabilização ou iluminação. Entendamos, que imutabilizar-se não significa ser
imutável, que é um atributo divino, mas harmonizam-se com a vibração cósmica Dele.

Diante disto, poderemos concluir que este relacionamento não é passivo, mas
ativo, acarretando por isto em algumas sequelas. Estas sequelas são apercebidas a nível
subconsciente e “vazam” para a chamada consciência objetiva. A consciência objetiva é
o estado de percepção mental o qual captamos impressões sensoriais e traduzimos em
informação (ou experiência). As sequelas que vazam do subconsciente para a
consciência objetiva, são em verdade “somatizadas” (transferidas do estado psíquico
para o físico).
Desta relação entre a consciência cósmica e a consciência objetiva, surgem os sonhos e
as alucinações, que acarretam em alterações na consciência humana. É bem verdade
que existem outros fatores de alteração dos padrões de consciência, mas podemos
afirmar que o estado evolutivo da alma é mensurado pela qualidade de seu sono e pela
sua capacidade de aperceber-se da realidade.

Enquanto estamos dormindo, a alma se encontra liberta das estruturas físicas


que a aprisionam, deixando aflorar o padrão simbólico “subconsciente” ao qual o ser
humano está afim. Esotericamente, dizemos que a consciência cósmica (ou inconsciente
coletivo) emana um padrão vibratório superior, mas o Ser Humano apenas captará a
freqüência vibratória correlata ao seu grau de consciência. Daí, quando a alma está

25
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO
liberta ou estamos adormecidos materialmente, captamos a imagem que realmente nos
atormenta ou nos liberta. Concluímos com isto, que os pesadelos ou os belos sonhos
são expressões do subconsciente, daquilo que realmente desejamos. A partir do
reconhecimento destes desejos do subconsciente, direcionamos o padrão
comportamental de nossa existência.

Em contrapartida, quando estamos acordados, as faculdades sensoriais ou


objetivas, se tornam o nosso alicerce a percepção das coisas como elas estão.
Entendamos que tudo no universo possui movimento, movimento este que expressa o
grau evolutivo das coisas como elas estão. Se, estivermos em harmonia, concentrados
no objeto que desejamos nos apercebermos, os nossos sentidos o captarão de maneira
totalitária. Caso contrário, os nossos sentidos tenderão a fragmentar a informação, que
será composta pelo cérebro humano. Estas informações fragmentárias revelam
parcialmente a natureza do objeto como ele é e das coisas como elas são, fazendo o
indivíduo ter uma percepção relativa do mundo que o cerca. Queremos dizer com isto
que: para se ter um olfato pleno, não basta apenas captar o cheiro exalado por um
objeto, mas concentrar-se com todos os sentidos no que ele é. Desta forma, a natureza
das coisas se descortinará o Ser Humano, aflorando então a consciência cósmica.

Desta dinâmica entre a consciência cósmica e a consciência objetiva, podemos


compreender que acarretam alterações comportamentais. Estas alterações
comportamentais desencadeiam as famosas nóias, ou estados comportamentais (a
ortonóia - estagnação mental, a paranóia - perturbação mental, a metanóia -
iluminação).

Toda existência do Ser Humano é pautada nesta dinâmica, mas podemos nos
aperceber com mais intensidade no simbolismo arcaico das religiões.O simbolismo
arcaico das religiões é o arcabouço dos símbolos de Religião, adotados pela humanidade
como fontes de religiosidade.

Ao estudarmos a gênese descrita nos livros sagrados dos sistemas religiosos,


observamos alguns elementos similares, frutos de uma fonte comum. Estes símbolos se
tornaram sagrados para a humanidade (ou parte dela). Uma coisa interessante é
quando o símbolo deixa de ser estático ou inativo e passa a ser um elemento ativo do
sistema religioso, através das ritualísticas e práticas religiosas.

As ritualísticas e as práticas religiosas se tornam referências sociais e marcos que


podem atrasar ou impulsionar um grupo social, a grandes mudanças comportamentais.
É importante ressaltar, que muitas vezes a apreensão e o entendimento dos princípios
envoltos na ritualística e nas práticas religiosas nos são desconhecidos por muitos,
tornando a sua prática mecânica e dissociada do seu principal objetivo que é o de
despertar uma compreensão superlativa a cerca da vida e da existência do indivíduo.
Daí a surgir o fanatismo religioso e no outro extremo o ateísmo e a heresia, que no
fundo são a mesma coisa: indivíduos que não compreendem a prática de um ou vários
sistemas religiosos.

Pelos motivos acima citados, o sagrado torna-se vultuoso. O sagrado é tudo


aquilo que é consagrado à divindade, que possua uma referência ou simbolismo
venerável. Um objeto, um rito, uma pessoa, que sejam considerados sagrados e se

26
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO
tornam referência, fruto de admiração e de cobiça, seja no plano do ter, seja no plano
do estar ou ainda do equivaler-se.

Autores:
Cláudio Manoel Nascimento Gonçalo da Silva
Davi Silva Almeida

ATIVIDADE AVALIATIVA Nº01 (escreva a resposta para estas perguntas numa folha
de caderno e entregue ao professor até o final desta aula)

1. Após a leitura dos textos. O que é religião?


2. Quais ao três modos como a ser humano se relaciona do as divindades?
3. Somos diferentes? Nos vestimos diferentes? Comemos diferes alimentos? Já
pensou se todos fossemos iguais? Vestindo as mesmas roupas? Gostando dos
mesmos alimentos? Se ser diferente é tão bonito e prazeroso? Por que teríamos que
pertencer à mês religiões?
4. Faça um relato de violência religiosa que alguém do grupo conhece. Qual a opinião
de cada um sobre este fato?
5. A maioria das religiões prega o amor e a paz entre as pessoas. Qual a opinião do
grupo para atitudes de preconceito e discriminação religiosa?

27
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO

4ª ATIVIDADE TEMA: CULTURA E RELIGIOSIDADE

Diariamente, nos deparamos tanto com diferentes comportamentos, reações,


gostos, valores, bem como com diferentes formas de expressar pensamentos, ideias e
crenças. Essas diferenças são questões culturais.
No senso comum, há pessoas que se utilizam das expressões “ter cultura” e “não
ter cultura” como sinônimos de culto e não culto, gerando inúmeros preconceitos e
descriminações, porque desconhecem que a compreensão do que é cultura pode estar
muito além do que imaginamos.
É preciso considerar as diferentes compreensões relacionadas à cultura. Há
estudos que indicam que seu surgimento está vinculado ao desenvolvimento do cérebro
humano, consequência da vida arborícola dos antepassados, que auxiliou no
desenvolvimento da capacidade de utilizar as mãos para manipular objetos e o
bipedismo.
Definições sobre cultura:
Sistema cultural e se caracteriza como um processo permanente em
construção, desconstrução e reconstrução. (Cuche – 2002);
Conjunto das representações que os indivíduos têm do mundo e de si
mesmos, dos valores a partir dos quais são apreciadas, das mediações técnicas e sociais.
( Ladrière – 1978);
Se define como uma trama de sentidos e significados transmitidos por
símbolos, mitos, acontecimentos, relatos, práticas e reconstruções que expressam uma
compreensão e reconstrução do sentido da totalidade da existência e dos sujeitos entre
si. ( Salas Astrain – 2010)
Neste contexto, podemos observar que a compreensão e explicação da cultura
dependem de cada indivíduo ou grupo, pois existem diferentes maneiras de
compreendê-la e expressá-la.
Conhecendo algumas das hipóteses quanto ao desenvolvimento da cultura e o
que ela é, pesquise e responda:

O QUE É CULTURA?
A partir do momento que o ser humano nasce, ele começa a ter contato com
uma ou mais culturas e, cedo ou tarde, passa a ser considerado portador de culturas e
não de uma única e determinada cultura. Ainda, no desenvolvimento do ser humano e
na forma de ele se relacionar com o mundo e seus semelhantes, identifica-se a
dimensão da religiosidade, que integra a vida das pessoas independente da cultura. Por
isso, exerce grande influência na forma de ser, pensar e coexistir do ser humano.
A religiosidade é uma dimensão inerente ao ser humano que contribui para a
busca de respostas às grandes interrogações da existência. É o desejo daquilo que
transcende o mundo visível, daquilo que é considerado sagrado, espiritual, mas que
incide significativamente no cotidiano das pessoas, pois se trata de uma experiências
com o Transcendente, que pode ser realizada por meio de atitudes, orações,
comportamentos. A religiosidade ainda engloba um conjunto de sentimentos que se
manifestam por meio de rituais, cultos, festas, nomes de pessoas, nomes de escolas e
cidades, entre outras expressões que revelam a presença do Sagrado como elemento da
cultura.

28
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 8º ANO
A presença da religiosidade é constatada desde o início dos tempos, por meio de
achados arqueológicos de povos antepassados, entre os quais foram identificados
símbolos, objetos e representações religiosas.
No Brasil, a diversidade de religiosidade ampliou-se com a chegada dos
colonizadores e seu relacionamento com os povos indígenas, com a chegada dos navios
negreiros trazendo escravos do continente africano, com a imigração e a globalização,
que proporcionaram o desenvolvimento de outras crenças e manifestações religiosas. É
o caso do Espiritismo, das religiões Afro-brasileiras, protestantes, pentecostais,
neopentecostais, orientais, esotéricos e muitas outras.
De acordo com Siqueira (2011), surgem, no Brasil, atualmente muitos grupos de
cunho religioso, os quais denomina de novas religiosidades, práticas alternativas e/ou
grupos místicos esotéricos, que apresentam valores, significados e visões de mundo
relacionados a aspectos de religiões indianas, egípcias, japonesas, tibetanas,
amazônicas. Uma das características presentes nestas novas religiosidades, segundo a
mesma autora, é que não possuem doutrinas, clero e hierarquia.
A religiosidade torna-se mais evidente à medida que o ser humano, de acordo
com a sua confessionalidade, dispõe-se a participar seja de momentos de oração,
peregrinações, procissões, estudos do Texto Sagrado, novenas, jogo de búzios, tarô ou
outras práticas. No processo de vivência da religiosidade pode haver a procura por
orientação e meditação de pessoas acessíveis e sensíveis para se relacionar com o
Sagrado, ou recorrer ao uso de imagens, colares, fitas, bentinhos, rosários, medalhas e à
prática de benzeções.

MAS, QUAL A RELAÇÃO ENTRE RELIGIOSIDADE E CULTURA?


Primeiramente, é preciso lembrar que todo ser humano nasce em uma cultura,
em que ele, geralmente vai, aprendendo sobre o que é favorável ou não á vida, inclusive
em relação ao que convém em termos de religiosidade, construindo assim a sua
identidade. Passa desde então a cultivar a sua religiosidade conforme os costumes, os
preceitos e crenças do grupo familiar, das pessoas de convívio. Portanto, aquele desejo
inerente ao ser humano assume as características culturais de como acreditar, em que
acreditar e por que acreditar, bem como as formas de expressar e cultivar crenças por
meio dos ritos, símbolos, objetos, gestos e outros.
A religiosidade serve de base para os grupos humanos estruturarem e/ou
institucionalizarem o que conhecemos por Tradição Religiosa, religião ou outras
denominações. Neste sentido, a religiosidade está presente em todas as culturas, pois
nelas encontram-se crenças e diferentes maneiras de expressá-las. Nega-las, é negar e
violar o direito à dignidade e à liberdade de crença ao outro.

ATIVIDADE AVALIATIVA Nº 3 (EM GRUPOS DE SEIS ESTUDANTES0)

1. A partir do texto, defina o que é religiosidade?


2. Qual o conceito de cultura apresentado no texto?
3. Como cultura e religiosidade se relacionam?
4. Escolha uma das três definições de cultura no início do texto e escreva o que o
grupo entendeu?
5. Escreva cinco coisas que fazem parte da cultura do povo amazonense? Explique
porque o amazonense gosta destes elementos de sua cultura.

29
18
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO

1ª ATIVIDADE TEMA: RELIGIÃO: RELIGIÃO E PROJETO DE VIDA

O projeto de vida contribui para que o ser humano organize-se, estabelecendo


metas para concretizar sonhos pessoais. As Tradições Religiosas apresentam às pessoas
orientações e recomendações que permitem refletir o papel e importância social de
cada uma, concedendo ao projeto de vida uma perspectiva coletiva e legitimamente
preocupada com o próximo.
Conhecer as orientações que as diferentes Tradições Religiosas oferecem aos
seus seguidores para a elaboração e prática dos seus projetos de vida, e refletir sobre
elas, possibilita reconhecer-se como agente sociotransformador e assumir metas em
prol do bem-viver pessoal e da sociedade, enriquecendo o projeto pessoal de vida.

A TRADIÇÃO RELIGIOSA NO PROJETO DE VIDA


Se as religiões estão para humanizar e sensibilizar as pessoas frente aos
problemas sociais presentes na humanidade, até de despertarem o ser humano para
uma atitude de respeito e reverência frente a Outrem, podem contribuir com o
desenvolvimento dos projetos de vida. Outrem – Refere-se ao Outro, enquanto único e
inacessível, divindade(s), ser humano, cosmo.
Além de agregar ideais e ações de determinada Tradição Religiosa, os jovens e
demais pessoas encontram-se nas Tradições Religiosas critérios, valores e ensinamentos
que dão sustentação aos projetos de vida, concedendo espaço para desenvolvê-los e
tornarem seus sonhos realidade.
Para tanto, as Tradições Religiosas, ao realizarem experiências comunitárias com
atividades destinadas às diferentes fases da vida e que envolvem o bem coletivo,
contribuem para que as pessoas aprendam a refletir a sua participação no
desenvolvimento humano e social, como também a se organizar em busca do bem-
viver. Desta forma, são subsidiadas por estas experiências para elaborarem os seus
projetos de vida. Vamos descobrir como as Tradições Religiosas fazem isso?
No Cristianismo, diferentes denominações religiosas acreditam que Deus tem um
plano para cada um e realizam atividades com crianças, jovens, casais e idosos, a fim de
que em cada fase da vida, possam comunitariamente vivenciar a mensagem cristã,
priorizando a fé, a esperança e o amor ao próximo. Os jovens recebem orientações de
acordo com os ensinamentos cristãos e realizam experiências de oração e de
solidariedade com pessoas e comunidades carentes. Essas atividades, entre outras,
contribuem para que as incluam em seu projeto de vida primando por um novo futuro
fundamentado no amor e na justiça.
Os cristãos católicos têm no ritual do crisma a crença de que o jovem passa a
assumir sua vida espiritual, desenvolvendo seu projeto de vida em consonância com os
princípios e valores católicos, atuando nos grupos de jovens, nas liturgias, nos grupos de
cantos, em pastorais e/ou catequese. Nas comunidades cristãs evangélicas, algumas
igrejas possuem uma estrutura em nível local e nacional onde os jovens se organizam e
desenvolvem seus dons em prol da comunidade, exercendo o seu protagonismo na
medida em que desenvolvem uma consciência crítica frente às problemáticas sociais.
Além do mais, atuam na música, nos grupos de jovens, acampamentos, retiros e outras
atividades de evangelização que contribuem em seu projeto de vida.
Nas comunidades cristãs evangélicas, algumas igrejas possuem uma estrutura
em nível local e nacional onde os jovens se organizam e desenvolvem seus dons em prol

30
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO
da comunidade, exercendo o seu protagonismo na medida em que desenvolvem uma
consciência crítica frente às problemáticas sociais. Além do mais, atuam na música, nos
grupos de jovens, acampamentos, retiros e outras atividades de evangelização que
contribuem em seu projeto de vida.
Na cosmovisão africana cada pessoa é um ser com que vive com. A comunidade
é o espaço em que todos mantêm a ligação, os laços com a família e com o grupo social.
Os vivos e seus ancestrais convivem numa relação de complementaridade. Todo
africano e afro-brasileiro é orientado desde criança a encontrar sua força vital, seu
sentido enquanto ser na união com Outros, visíveis e invisíveis, isto é, com os vivos e
seus antepassados.
Este processo perpassa nos rituais, os quais fortalecem e legitimam a experiência
religiosa na comunidade. No senso de pertencimento à comunidade encontram-se os
valores e princípios éticos que orientam a vida dos integrantes das religiões africanas e
afro-brasileiras. O mérito e a responsabilidade vai além do sujeito, pois adentra ao
mundo dos humanos, dos ancestrais e da natureza. Os mitos, cantos, celebrações e
rituais ligam estes mundos entre si, e o jovem participa normalmente em todos os
momentos da vida comunitária e religiosa. Desta forma, o modo de viver nesta cultura
contribui para que a dimensão comunitária se faça presente no projeto de vida das
pessoas.

Atividade avaliativa nº 01 (fazer em grupos de seis pessoas)


1. O que o texto em seu início nos relato sobre projeto de vida?

2. No que as tradições religiosas podem nos ajudar em nosso projeto de vida


3. Para este texto qual a principal função dos grupos religiosos?
4. Como os jovens são atendidos no catolicismo?
5. Como as Igrejas evangélicas atendem a juventude?

31
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO

32
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO

2ª ATIVIDADE TEMA: LIBERDADE RELIGIOSA X VIOLÊNCIA RELIGIOSA


No Brasil, todos têm garantido pela Constituição Federal (1988) a liberdade de
consciência, crença e pensamento, que inclui escolher determinada Religião ou inclusive
não ter nenhuma. Será que esse direito é respeitado por todos? Vamos pesquisar um
pouco!

Hoje em dia sempre encontramos nas reportagens, revistas jornais e nas redes
sociais pessoas que foram discriminadas ou tiveram seus direitos violados por pertencer
à determinada Religião, ou por não ter Religião. Cole a reportagem ou transcreva suas
informações.
Intolerância religiosa é um termo que descreve a atitude mental caracterizada pela falta
de habilidade ou vontade em reconhecer e respeitar as diferenças ou crenças religiosas
de terceiros. Poderá ter origem nas próprias crenças religiosas de alguém ou ser
motivada pela intolerância contra as crenças e práticas religiosas de outrem. A
intolerância religiosa pode resultar em perseguição religiosa e ambas têm sido comuns
através da história. A maioria dos grupos religiosos já passou por tal situação numa
época ou noutra.

Num tempo em que parcela da humanidade desfruta de tantas tecnologias,


descobertas, comodidades, há espaço para a Religião? Será que o “grito” por dignidade
de outra grande parcela da humanidade nada significa ao que as religiões podem e
devem proporcionar? Será que todas as discussões e movimentos mundiais que
discutem sustentabilidade, problemas e soluções ambientais, direitos e deveres
humanos, diversidade e outros, não envolvem a Religião? Para que serve, de fato, a
Religião? O que você pensa sobre isso?

Ao responder a essas indagações, é possível notar que a Religião não pode ser
tratada como a salvadora da humanidade, mas pode contribuir com os pensamentos
construídos ao longo da história nas diferentes culturas, oferecendo às pessoas sentido
a vida pessoal e comunitária em todos os contextos. Faz-se necessário, portanto,
resgatar os valores e princípios que orientam cada cultura e Tradição Religiosa, no
intuito de conhecê-los para respeitar.
Um dos meios utilizados por estudiosos para explicar a importância da Religião é
resgatando os mitos sagrados. Eles podem indicar a função da Religião, por preservarem
elementos importantes em relação à vida e à convivência do ser humano com tudo o
que está ao seu redor.
São histórias sobre a sabedoria de vida que nas religiões são utilizados para explicar
diversas situações do cotidiano.

Mesmo havendo pessoas que não compreendem sua importância, a Religião é


um fato social e é parte da cultura. Por meio das experiências religiosas individuais e
coletivas, compreendidas como fenômeno religioso, ela atinge o coração humano e
requer da pessoa fé, confiança e compromisso manifestado por meio do respeito às
divindades e aos antepassados.
Neste sentido, a Religião pode servir para humanizar e sensibilizar as pessoas frente
aos problemas que associam a humanidade, tanto em dimensões locais, quanto
universais. Pode servir também para ajudar o ser humano a compreender melhor o
mundo, os outros e a si próprio. Pode despertar para a consciência ética, criando

33
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO
espaços de convivência para o cultivo de valores, princípios morais, atitudes humanas
de liberdade, sustentadas pela experiência da transcendência em cada Tradição
Religiosa. Pode também auxiliar o ser humano a manter uma atitude de profundo
respeito e reverência frente ao Mistério que, ao mesmo tempo despertar temor e
fascínio.

INTERAGINDO

01. RELIGIÃO - do verbo latino religare - que significa "re-ligação" com o divino
ou aproximação de pessoas em crenças comuns. Essa definição engloba
necessariamente qualquer forma de aspecto místico e religioso, abrangendo todas as
confissões religiosas, mitologias e quaisquer outras doutrinas, filosofias de vida ou
formas de pensamento que tenham como característica fundamental um conteúdo
Metafísico, ou seja, além do mundo físico.

SEGUNDA ATIVIDADE AVALIATIVA

OBS: (pode ser feita em grupos de três pessoas anote as respostas numa folha de seu
caderno e entregue ao professor (a) no final desta aula. Anote o nome dos três colegas
que participaram da atividade com você na mesma folha).

1. Escreva a qual o entendimento conseguido sobre o termo “religare”


2. Para este texto, por que a religião é considerando um fato social?
3. Transcreva o parágrafo do texto que mostra o sentido humanizador de todas as
religiões:
4. Para este texto o que é intolerância religiosa?
5. Escolha uma das imagens abaixo e faça um comentário sobre a importância da
mensagem contida na mesma:

34
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO

3ª ATIVIDADE: RELIGIÃO: COMO SURGIU, O QUE É E PARA QUÊ?


Texto nº 01. A procura do ser humano pela felicidade converge com a
necessidade de encontrar respostas para seus questionamentos pessoais e existências.
Neste processo, a Religião passa a ser diferencialmente destacada, de modo que as
pessoas a procuram constantemente para conquistar a possibilidade de uma vida plena.

No entanto, de onde a Religião surgiu?


Muitas são as perguntas relacionadas ao seu surgimento, o que é e qual a sua
finalidade. Em busca de respostas em diferentes períodos da história, estudiosos,
cientistas, religiosos e outros, se debruçaram para tentar compreender. Será que um
dia o ser humano descobrirá a origem da Religião?

Pesquisadores do século XIX utilizaram-se de um método chamado etnológico,


para tentar desvendar a origem da Religião. Consiste em observar as religiões mais
antigas, pois acreditavam que elas estavam mais próximas da origem por serem
“menos evoluídas”, simples e rudimentares de uma simples ilusão do ser humano.

A partir desses estudos, surgiram algumas teorias sobre a origem da Religião. O


evolucionista James George Frazer (1854-1941), disse que a origem da Religião se situa
na magia, um fenômeno complexo, um poder misterioso de que o ser humano se
apropria para seu próprio benefício ou contra outros. Para o sociólogo Émile Durkheim
(1858-1917) a origem da Religião está no totemismo.

ATIVIDADE: Pesquise uma imagem de um totem. Cole-a e depois registre qual é a


relação com a origem da Religião.

De acordo com o antropólogo Edward Burnett Taylor (1832-1917), a origem da


Religião pode estar na relação das crenças religiosas de alguns povos com o sonho e a
morte, pois, ao realizar o estudo dos mitos, percebeu que alguns temas e ritos eram
semelhantes e podiam ser encontrados em diferentes continentes num mesmo período
histórico. O filósofo Herbert Spencer (1820-1903) ampliou esta possibilidade sugerindo
que no culto aos mortos está a sua origem, pois, para ele, as divindades seriam
representações dos antepassados.

Para o teólogo Rudolf Otto (2007), o ser humano se depara constantemente


diante de fortes sentimentos provocados por aquilo que ele denomina de “mistério
tremendo e fascinante”.

Tais sentimentos devem despertar atitudes de respeito e reconhecimento


deste mistério. Este, por sua vez, deve ser o centro da vida. Aquele que assim o
fizer, é considerado religioso.

35
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO

O religioso não se refere à aceitação de certas verdades, ou a realização de práticas


religiosas de determinadas Tradições Religiosas. Refere-se, primeiramente, a atitude
interior de estar constantemente voltado na direção do mistério, daquilo que transcende o
humano. Tanto a história quanto outras ciências, são unânimes em afirmar que todos os
povos possuem religiosidade, inclusive os primeiros, pois deixaram indícios de cultos e
práticas religiosas.

Para além dos conceitos construídos por


grandes intelectuais, existe a experiência
pessoal que cada pessoa faz na relação
com a transcendência e que para muitos,
delimita a própria compreensão do que é
Religião. Para melhor entender, leia o
diálogo entre o aprendiz e seu mestre.

Texto nº 03

36
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO
ATIVIDADE AVALIATIVA Nº 03

(escreva as respostas para estas questões em uma folha de seu caderno e entregue ao
professor)
1. O mestre transmite no texto, em azul acima, uma compreensão de Religião. Qual é?
2. Baseado nas conclusões dos pesquisadores apresentadas no primeiro texto, para o grupo
qual a origem mais provável da Religião?
3. Discuta com seus colegas. Escreva qual o conceito de religião para seu grupo?
4. Discuta com seu grupo a resposta que o teólogo Rudolf Otto (2007) apresentou para
explicar a origem da religião?
5. Qual a origem da religião apresentada no diálogo entre o mestre e o aprendiz?

Após apresentarmos em forma de atividades didáticas diversos temas que podem ser
aproveitados ao longo dos quatro anos do Ensino Fundamental anos finais do modo como o
educador planejar. Salientamos que o modo como os temas foram desenvolvidos é apenas
uma sugestão ficando a critério de cada educador a decisão se fará da mesma forma ou
utilizará outras maneiras de realizar as atividades.

Na sequência apresentamos o tema da criação do mundo nos diversos modos como


o mesmo é apresentado por diferentes tradições religiosas acreditando de desta forma
estaremos colaborando para que a construção de conhecimentos por parte dos educandos
quanto ao tema em questão seja rico e proveitoso.

A CRIAÇÃO DO MUNDO
Existem concepções da origem do mundo diferenciadas entre as tradições religiosas e
místico-filosóficas. Na sequência, apresentamos a concepção de algumas destas tradições
religiosa e concepções filosóficas.

AMORC ANTIGA MÍSTICA ORDEM ROSACRUZ: “Criação”, tal como a concebem os


Rosacruzes, não corresponde a um início propriamente, significando com isso um “nada”
anterior. Se há Criação, é preciso concordar que antes dela nada havia, pois “criar” é formar
algo que antes não existia. Mas “o Nada não pode dar origem a alguma coisa”. Para a Ordem
Rosacruz, há períodos de expansão e de retração da essência do Ser Absoluto, chamado
“Deus” por muitas culturas, não limitado por tempo ou espaço, forma ou medida. Esta
Inteligência Universal pode contemplar-Se a Si mesma, e nessa fase não há expansão ou
“Criação”. Quando, contudo, o Ser se expande, dentro de Si mesmo, ou seja, quando Deus

37
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO
movimenta sua própria energia no sentido de “condensar” realidades aparentemente
distintas de Si, existe o que chamamos de “Criação”. Assim é que na Bíblia, por exemplo, os
“seis dias” são uma forma simbólica de se referir aos seis movimentos espirituais realizados
pela Divindade, no sentido de corporificar múltiplas realidades por todo o Universo, não só
na Terra. Esses movimentos espirituais chamados alegoricamente de “dias” na Bíblia,
referem-se ao místico número sete, presente em toda as tradições. A partir dessa nova fase
do Ser, a da expansão, há uma evolução gradativa das formas manifestadas, que se
complexificam, materialmente falando, enquanto as consciências (em todos os reinos) se
corporificam nessas estruturas materiais, evoluindo pela sua união com ela. Assim, para a
Ordem Rosacruz, houve um “movimento” espiritual da Divindade Única no sentido de
externar-se em múltiplas estruturas e criaturas, por todo o Universo. Portanto, os rosacruzes
são tanto criacionistas, no sentido de que entendem que há uma Inteligência Absoluta
determinante dos mundos e dos seres; como evolucionistas, pois concordam que material e
biologicamente falando, essas estruturas (de rochas a corpos físicos das plantas, animais e
humanos, na verdade de todos os seres do universo) precisaram de milhões de anos para
evoluir e atingir os modelos que conhecemos hoje. A alma viaja pela matéria, evoluindo com
ela, até o dia em que matéria e espírito se tornem, novamente, um só. Contudo, os seres
criados não serão dissolvidos novamente na Divindade, mas permanecerão em harmonia
com Ela, para novas Criações, em uma fase superior que hoje não podemos conceber. Para a
Amorc, finalmente, primeiro veio a Luz; com ela surgiu a Vida; e pela união de ambas foi
possível o Amor. (Jamil Salloum Jr., Ordem Rosacruz, Amorc, e-mail: rosacruz@amorc.org. br
. ste: www.amorc.org.br )

FÉ BAHÁ’Í: A Fé Bahá´í surge em meados do século XIX, suas Escrituras Sagradas


fornecem um novo sentido à ideia da origem da natureza e do homem, com um equilíbrio
entre ciência e religião. Segundo ‘Abdu’l-Bahá, filho de Bahá´u’lláh e o seu único interprete
autorizado: Natureza é a condição, a realidade, que consiste aparentemente em vida e
morte ou, em outras palavras, na composição e decomposição de todas as coisas. Essa
Natureza está sujeita a uma organização absoluta, a leis determinadas, a uma ordem
completa, a um plano consumado, dos quais jamais se afastará (...) Ora, vendo essa tão
perfeita organização, essa ordem e lei, pode-se dizer que tudo isso seja efeito da Natureza,
embora ela não possua nem inteligência nem percepção? Se não é assim, essa Natureza, que
carece de percepção e inteligência, está, evidentemente, nas mãos de Deus, o Todo-
poderoso, Regente do mundo da Natureza. Tudo que é de Seu desejo, Ele faz a Natureza

38
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO
manifestar. Uma das coisas que apareceram no mundo da existência e um dos requisitos da
Natureza é a vida humana. Considerado sob esse aspecto, o homem é o ramo, e a Natureza
a raiz. Será, então, possível que a vontade, a inteligência e as perfeições que existem no
ramo não existam na raiz? Está claro, pois, que a Natureza em sua própria essência está nas
mãos de Deus, o Eterno, o Onipotente. Ele faz a Natureza conformar-se a leis acuradas: Ele a
rege. (‘Abdu’l-Bahá, Respostas a Algumas Perguntas, p. 23-26. Organizado por Sylvio Fausto
Gil Filho, Comunidade Bahá’í de Curitiba)

IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL: A Igreja Presbiteriana do Brasil ensina para as


crianças que o mundo foi um ato de criação de Deus conforme a narrativa que encontramos
no livro de Gênesis na Bíblia. Deus no princípio criou os céus e a terra, e em uma sequência
de atos criativos, Deus separou a luz das trevas, separou a água da terra, formou os peixes,
os animais terrestres, as plantas e no final o homem. Para o seu ato criativo, Deus utilizou
apenas a sua palavra. Essa narrativa simples da criação do mundo não é escrita de modo a
querer explicar a criação do mundo, mas apenas anunciar que Deus é criador. A narrativa é
escrita em forma de poesia e para cada ato de criação é seguido de uma exclamação em que
se declara que a criação é bela. Juntamente com a narrativa da origem do mundo,
ensinamos a importância de se cuidar da criação divina, pois também na narrativa das
origens encontramos o da criação do primeiro casal humano: Adão e Eva, que são
designados para cuidar do belo jardim criado por Deus. Assim, os presbiterianos são
ensinados a admirar o mundo como símbolo da presença criadora de Deus e ensinam a ter
responsabilidade com a natureza e também com todo ser vivente. (Agemir de Carvalho Dias,
Igreja Presbiteriana; site: www.ipctba.org.br)

IGREJA ORTODOXA UCRANIANA: Deus criou o mundo e tudo o que nele há pelo
poder de sua Palavra, conforme a narrativa da Bíblia Sagrada, no livro de Gênesis. O principal
objetivo de toda a Criação é para que seja manifesta a glória, o louvor e o amor do Criador.
Após Deus haver criado todas as coisas em plena harmonia, Ele criou o ser humano à sua
imagem e semelhança e o incumbiu de cuidar e preservar a Terra como um lugar onde a vida
pudesse florescer e se expandir. Mas o ser humano, dotado de livre arbítrio, escolheu
desobedecer a lei divina, e o resultado dessa desobediência trouxe a desarmonia,
interferindo de forma negativa na obra da criação. Todavia, apesar desse afastamento do ser
humano de Deus, Ele nunca o abandonou, movido por amor Deus enviou ao mundo seu
Filho Unigênito, Jesus Cristo, para que o ser humano tivesse a possibilidade de restaurar seu

39
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO
estado original e a harmonia voltasse a reinar em nosso mundo. (Jeremias Ferens, Igreja
Ortodoxa Ucraniana na América do Sul; site: www.eclesia.com.br)

ISLAMISMO: Tawhid é a crença de que o Universo e toda a existência possuem uma


divindade que os criou, que trouxe todas as coisas à existência do nada e de que Ele sustenta
e mantém tudo que existe. Com efeito, criação, sustento, bênçãos, negação, morte, vida,
doença, saúde etc., estão tudo sob o Seu controle e desejo. “Seu comando é de tal maneira
que quando Ele deseja algo, Ele diz:’Seja’, e é” (Alcorão Sagrado, Ya Sin (36): 82). A evidência
para existência de Deus reside em tudo aquilo que nós vemos ao nosso redor. O céu e tudo
que nele há - o sol, a lua e todas as outras estrelas e galáxias; as nuvens, os ventos, a chuva a
terra e tudo aquilo que ela contém, como rios e oceanos, as árvores e as frutas; os vários
tipos de minas preciosas, como o ouro, a prata e as esmeraldas, bem como as várias
espécies de animais - aqueles que voam e os outros que vivem na terra e no mar, tendo uma
variedade de sons, formas e tamanhos. E, além disso, ainda existe o ser humano, que possui
diversos sentimentos, habilidades e poderes sensoriais. Tudo isso são evidências de um Ser
Onisciente e Sapientíssimo. Criador no qual acreditamos e a Quem adoramos, a Quem nós
pedimos ajuda e em Quem confiamos. Allah, o Altíssimo, possui vários atributos: Ele é
Onisciente. Ele conhece todas as coisas, pequena ou grande, bem como aquilo que existe no
interior do coração das pessoas. Ele é Poderoso e todas as coisas estão sob o Seu controle.
Ele tem o poder de criar coisas, de dar sustento a elas e deixar-lhes morrer ou conceder-lhes
vida. Ele é Eterno e nunca morrerá. Ele deseja coisas úteis e nunca desejará coisas inúteis.
Ele é Onividente, Ele ouve as vozes de todos os seres, ainda que seja somente um sussurro.
Sua existência é da eternidade para a eternidade. Ele criou as coisas quando nada existia. Ele
continuará vivendo quando tudo deixar de existir. Ele fala a qualquer um dos Seus sinceros
servos que desejar, como Seus mensageiros e os anjos. Ele é Veraz e nunca quebra a Sua
promessa. Ele é o Criador, o Provedor, Aquele que concede a vida, a fonte de toda benção,
detendo o poder de interrompê-las também. Ele é Misericordioso, Indulgente, Majestoso,
Honorável e Generoso. Allah, o Altíssimo, é isento de defeitos. Ele não possui um corpo
como o nosso. Ele não é composto de partes e jamais poderá ser visto, nem neste mundo
nem no outro. Ele não é sujeito a efeitos, mudanças ou desenvolvimento. Ele não sente
fome ou envelhece. Ele não tem nenhum parceiro ou companheiro e é o único Ser Supremo.
Seus atributos não diferem de Sua essência.

40
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO
Com efeito, Ele é e sempre será Poderoso e Onisciente, não como nós que somos ignorantes
num dado momento e então adquirimos conhecimento ou somos fracos num outro, e então
nos fortalecemos. Ele é Autossuficiente. Ele não necessita de nenhuma consulta, ajudantes
ou secretários e tampouco de exército para a Sua proteção etc. (Gamal Fouad El Oumairi,
Sociedade Beneficente Muçulmana do Paraná, IBEIPR)

ISKCON – HARE KRISHNA: A causa de esta existência material se deve ao desejo das
entidades vivas, por querer ser Deus, e assim do Brahman que é o absoluto espiritual, em
forma impessoal (do qual o todo emana e ao qual o todo retorna) se criam infinitos
universos. Antes da criação do universo só existia o Brahman na forma não manifesta e mais
nada, nem espaço e tempo, nem sóis e planetas. Para satisfazer a vontade das entidades
vivas (de todos nós), a existência material se manifestou e sua energia operativa entrou em
ação começando o ciclo da expansão. Conforme os textos hindus, não existe um conceito de
começo ou de fim do universo. Se assim fosse, teria uma data marcada para o começo e
outra para o fim do universo. Os textos dizem que o universo segue um processo contínuo
de expansão e retração. Assim, quando o ciclo começa, o universo começa existir, expande.
No fim da expansão começa retrair e se dissolve para começar tudo de novo (Ricardo
Alfredo Cabrera – Ranchor, ISKCON. e-mail: ranchordecuritiba@gmail.com)

TRADIÇÕES RELIGIOSAS AFRO-BRASILEIRAS: No contexto das tradições religiosas de


matriz africana, o mito é revivido e atualizado mediante o rito. Existem diferentes narrativas
míticas para explicar a origem do mundo e da vida. Entre essas narrativas citamos a
seguinte: “Olorum era uma massa infinita de ar. Um dia, como por encanto, lentamente,
começou a respirar, e uma parte desta massa de ar transformou-se em ar, dando origem a
Orixalá. O ar e a água continuavam a se mover, como uma dança; e eles mesmos foram se
misturando, se misturando e uma parte deles, juntos e misturados, deu origem à lama.
Dessa lama surgiu uma bolha avermelhada. Olorum maravilhou-se com essa bolha e soprou
sobre ela o seu hálito Emi e deu-lhe vida. Essa forma, em permanente expansão e
movimento, foi a primeira dotada de existência individual. Era um rochedo avermelhado de
laterita: EXU. Nossa existência é inaugurada pelo sopro do hálito Emi ou do ar divino
Ofurufu, produzindo a vida de tudo o que existe neste mundo visível Àiyé e neste espaço
único, massa infinita, sem local determinado, sem começo nem fim, mundo invisível, real e
vivo Òrun”. (Texto de Dorival Braz Simões - Cebras, extraído do Caderno n. 7, do Curso de
capacitação para um novo milênio – FONAPER. site: www.cebras.org.br)

41
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO
CONCLUSÃO: Nesta coletânea, dedicada ao Componente Curricular do Ensino
Religioso, procura-se um processo de ensino e de aprendizagem que estimule a construção
do conhecimento pelo debate, pela apresentação da hipótese divergente, da dúvida real e
metódica , do confronto de ideias, de informações discordantes e, ainda, da exposição
competente de conteúdos formalizados. Opõe-se, portanto, a um modelo educacional que
centra o ensino pautado tão somente na transmissão dos conteúdos pelo professor, o que
reduz as possibilidades de participação dos educandos e não atende a diversidade cultural e
religiosa.

Neste sentido, o material Ensino Religioso traz atividades avaliativas que procuram
aprofundar os conteúdos estudados levando os estudantes a pesquisarem e produzirem
textos em que os critérios de avaliação necessariamente levam os educandos a refletirem
sobre o respeito à diversidade, bem como ao entendimento que efetivar o exercício da
cidadania é conviver com as diferenças e aceitar o outro em suas complexidades, gostos
pensamentos e crenças.

42
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DE ENSINO RELIGIOSO PARA O 9º ANO
REFERÊNCIAS

SEDUC, (2006). Secretaria de Estado de Educação. Proposta Curricular Ensino Fundamental


Rede Pública Estadual de 1º a 9º ano: SEDUC/AM, 2006.

__________, (2006). Secretaria de Estado de Educação. Proposta Curricular Ensino


Fundamental Programa de Correção do Fluxo Escolar nos Anos Iniciais do Ensino
Fundamental: Projeto Avançar Fase 3 (6º ano): SEDUC, 2006.

SEED/PR. Ensino Religioso: Diversidade Cultural e Religiosa / Paraná. Secretaria de Estado da


Educação. Superintendência de Educação. - Curitiba : SEED/PR., 2013. – 309 p. ; ilus.

POZZER, Adecir. Redescobrindo o Universo Religioso: ensino fundamental; livro do professor,


volume 6/ 3. Ed. Atual. Petropolis, RJ: Vozes, 2011.

POZZER, Adecir. Redescobrindo o Universo Religioso: ensino fundamental; livro do professor,


volume 7/ 3. Ed. Atual. Petropolis, RJ: Vozes, 2011.

POZZER, Adecir. Redescobrindo o Universo Religioso: ensino fundamental; livro do professor,


volume 8/ 3. Ed. Atual. Petropolis, RJ: Vozes, 2011.

POZZER, Adecir. Redescobrindo o Universo Religioso: ensino fundamental; livro do professor,


volume 9/ 3. Ed. Atual. Petropolis, RJ: Vozes, 2011.

Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Segunda versão. Brasília: MEC,
2016.

43