Vous êtes sur la page 1sur 4

17/09/2018 Eliminação de inimigos políticos é constante no país desde Independência - 16/09/2018 - Angela Alonso - Folha

Angela Alonso (/colunas/angela-alonso/)

Eliminação de inimigos políticos é constante no


país desde Independência
Não foi a polarização recente que gerou desejo de matar o adversário: a prática é
longeva

16.set.2018 às 2h00

EDIÇÃO IMPRESSA (https://www1.folha.uol.com.br/fsp/fac-simile/2018/09/16/)

"Sem que ninguém pressentisse, puxou a faca [...], aproximou-se


rapidamente e cravou a arma." Segundo testemunha, o ferido gritou:
"'apunhalaram-me', ao que eu repliquei: 'mas não vejo sangue'".

Preso em flagrante, o agressor declarou agir de moto próprio. Veio a


imprensa. Aturdidos, presidente da República e líderes partidários
condenaram o ato. Houve quem dissesse que o cidadão exaltado, antes preso
por idear ataque político, colhia o que plantara. Já aliados do agredido
juraram vingança, um deles de revólver em punho. Tudo isso está no Jornal
do Brasil, de 9 de setembro... de 1915.

Outra semelhança: o nome sugestivo do esfaqueador, que não era Bispo, mas
(Francisco) Manço. Ambas as vítimas careciam de papas na língua, de pejo
para honrar seus interesses com as armas e ambicionavam a Presidência.

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/angela-alonso/2018/09/eliminacao-de-inimigos-politicos-e-constante-no-pais-desde-independencia.shtml?… 1/4
17/09/2018 Eliminação de inimigos políticos é constante no país desde Independência - 16/09/2018 - Angela Alonso - Folha

O ferido do século passado era também militar, embora honorário. Escalara


até general de brigada, lutando por suas crenças à baioneta, na guerra civil
sob o governo de Floriano Peixoto. Não era deputado, mas senador.

Tratava-se de José Gomes Pinheiro Machado, que, quando da agressão, tinha


um ano a mais que Jair (https://www1.folha.uol.com.br/colunas/angela-alonso/2018/08/e-erro-assumir-que-
so-loucos-votam-em-ultraconservadores.shtml)Bolsonaro (https://www1.folha.uol.com.br/colunas/angela-

alonso/2018/08/e-erro-assumir-que-so-loucos-votam-em-ultraconservadores.shtml) e menos sorte: morreu


antes da chegada do socorro.

A similitude ultrapassa a coincidência, aponta um padrão. Neste país, a


violência tem sido meio recorrente (https://www1.folha.uol.com.br/colunas/angela-
alonso/2018/04/nao-e-de-hoje-que-a-violencia-e-marca-da-politica-brasileira.shtml) de resolução de

conflitos políticos.

A eliminação física de desafetos nas disputas por poder é constante desde a


instauração da nação independente. Em 1830, Líbero Badaró
(https://acervofolha.blogfolha.uol.com.br/?p=10331) pereceu por disparo de pistola.

Tiros, facadas e linchamentos, como o de abolicionistas, pontuam o


falsamente pacato reinado de Pedro 2º. O próprio imperador escapou de bala
republicana, em 15 de junho de 1889. Cinco meses depois, veio o golpe civil-
militar, sem massacre, mas com chumbo no ministro da Marinha.

Milhares sucumbiram nas revoltas convergentes, uma republicana, outra


monarquista, no segundo governo da República. Na última, o líder
restauracionista Saldanha da Gama foi degolado e desmembrado. Pinheiro
Machado seria preso em 1897, por ter sido cérebro do atentado ao presidente
Prudente de Moraes, no qual se imolou o ministro da Guerra.

Em 1905, foi a vez do governador da Bahia levar dois projéteis de um


desafeto político. Nos anos 1920, sequência de revoltas militares causou
numerosas baixas. Em 1930, outro governador, o da Paraíba, foi assassinado.

Adiante, em 1954, o célebre atentado ao opositor Carlos Lacerda


desencadeou a crise culminada no suicídio de Vargas. Outro antivarguista, o

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/angela-alonso/2018/09/eliminacao-de-inimigos-politicos-e-constante-no-pais-desde-independencia.shtml?… 2/4
17/09/2018 Eliminação de inimigos políticos é constante no país desde Independência - 16/09/2018 - Angela Alonso - Folha

deputado Tenório Cavalcanti, gabava-se das 40 cicatrizes de golpes


adversários, vingados com sua memorável espingarda, a "Lurdinha".

A violência política não amainou com o tempo. Meses antes do golpe de


1964, Arnon de Mello (pai do presidente impichado Collor) matou um
senador como ele, no plenário.

Já no regime militar, violento por definição


(https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2018/08/como-carta-de-helio-bicudo-sobre-esquadrao-da-morte-ficou-lacrada-

por-40-anos.shtml), o presidente Artur da Costa e Silva escapou de bomba no Recife,


que vitimou duas pessoas. Isso foi em 1966.

Daí até a abertura em 1985, a sequência de desaparecimentos, prisões,


torturas e execuções políticas exponenciou, como mostra o relatório da
Comissão da Verdade.

Nos estertores da ditadura (https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2018/08/eua-sabiam-ja-nos-anos-


1960-de-tortura-no-regime-militar-mostram-documentos.shtml),
aconteceu o atentado do Riocentro,
violência política das piores, porque planejada para jogar a culpa no inimigo.

Os esperançosos quiçá imaginassem que a redemocratização dissiparia o


sangue, mas ele seguiu escorrendo.

A Amazônia sediou muitos assassinatos políticos, dos que calaram o


sindicalista Chico Mendes, em 1988, e 19 membros do MST em Eldorado dos
Carajás, em 1996, à morte da líder do Movimento dos Atingidos por
Barragens, em 2016, lançada, com pés e mãos amarrados a pedras, na
hidrelétrica de Jirau.

Essa lista é longe de exaustiva e ultrapassa os rincões. As execuções de Celso


Daniel e Marielle Franco (https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2018/03/noticias-falsas-sobre-marielle-
mostram-como-o-estado-lida-com-a-favela.shtml)aconteceram em metrópoles. De 2008 a 2018,

foram 569 crimes políticos (segundo o Estadão de 18/3), excluídos os não


letais, como os disparos na caravana de Lula. A facada em Bolsonaro não é
exceção.

O Brasil é violento, por mais que se goste de dizer o contrário. Não foi a
polarização recente que gerou o desejo de eliminar o adversário. A prática é

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/angela-alonso/2018/09/eliminacao-de-inimigos-politicos-e-constante-no-pais-desde-independencia.shtml?… 3/4
17/09/2018 Eliminação de inimigos políticos é constante no país desde Independência - 16/09/2018 - Angela Alonso - Folha

longeva (https://www1.folha.uol.com.br/colunas/angela-alonso/2018/07/os-campos-da-politica-e-do-judiciario-sao-de-
macho-desde-sempre.shtml), fincada no nosso funcionamento político.

Assim, é preciso mais que apelos à paz, como os de candidatos nos últimos
dias, para interromper nossa linhagem de crimes políticos. Identificar
perpetradores é um começo. Os esfaqueadores de Pinheiro Machado e
Bolsonaro foram imediatamente presos. Já quem atirou em Marielle todavia
não se sabe.

Angela Alonso
Professora de sociologia da USP, preside o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. É
autora de “Flores, Votos e Balas”.

ENDEREÇO DA PÁGINA

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/angela-alonso/2018/09/eliminacao-
de-inimigos-politicos-e-constante-no-pais-desde-independencia.shtml

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/angela-alonso/2018/09/eliminacao-de-inimigos-politicos-e-constante-no-pais-desde-independencia.shtml?… 4/4