Vous êtes sur la page 1sur 4

01/09/2018 Musicologia comparativa.

Uma tradução do vergleichende Musikwissenschaft alemão, este 'tem como tarefa comparar o

Página 1

Comparativo
musicologia .

Uma tradução do alemão vergleichende Musikwissenschaft , isto 'leva como seu


tarefa de comparar os produtos tonais, em particular os folksongs de vários
povos, países e territórios, com um objetivo etnográfico em mente,
agrupando e ordenando estes de acordo com a variedade de [diferenças] em suas
características ”(Adler, 1885; trad. 1981, p. 13). Uma de quatro subdivisões de
musicologia sistemática na definição de 1885 formativa de Guido Adler de 'o escopo,
método, e objetivo da musicologia ', musicologia comparativa foi renomeado
etnomusicologia na década de 1950 nos Estados Unidos.
Adler e seus seguidores aplicaram os então recentes avanços nas ciências de
geologia e biologia à nova Musikwissenschaft ("ciência da música"). Dentro
geologia, isso envolveu a capacidade de inferir seqüência cronológica de
camadas estratigráficas de fósseis em leitos rochosos; em biologia, a classificação de
plantas e animais; enquanto métodos comparativos de estudos anatômicos e
Teorias evolutivas de Darwin (e suas aplicações à história e etnologia)
forneceu a estrutura intelectual dentro da qual musicólogos comparativos
trabalhou por mais de 50 anos (Mugglestone, 1981). A invenção de
gravação fonográfica (tanto pelo americano Thomas A. Edison quanto pelo
Francês Charles Cros, trabalhando independentemente) em 1877 deu
musicólogos a ferramenta que eles precisavam para coletar performances de não escritas, oralmente
música transmitida de forma fixa para análise científica, comparação e
classificação em um laboratório.
Dois dos primeiros trabalhos desta disciplina, publicados na Inglaterra, lançam dúvidas sobre
as suposições "científicas" prevalecentes da época. Em 1885 Alexander J. Ellis
inventou uma escala linear, o chamado sistema de centavos, que facilitou a
medição e comparação de tamanhos de intervalo. Dividindo a oitava em 1200
unidades iguais, ele mediu "as escalas musicais de várias nações" e
descobriram que não eram governados por "leis naturais" que provavam a
superioridade das práticas harmônicas ocidentais. Em vez disso, eles foram extremamente
diversificada, mesmo "caprichosa", e aparentemente não regulamentada por leis matemáticas.
O estudo de Richard Wallaschek de 1893 sobre a "música primitiva" estava mergulhado no
prevalecendo suposições finais do século 19 sobre o progresso do homem de
selvagem e simples para civilizado e complexo. No entanto, o seu às vezes favorável
impressões da musicalidade que deve ter sido necessária para tocar certas
tipos de música 'primitiva' poderiam ser vistos para indicar o início de uma
suspeita (nunca totalmente articulada) de que uma musicologia comparativa
desafiar ao invés de ratificar o quadro evolutivo comumente aceito de
A Hora.
01/09/2018 Musicologia comparativa. Uma tradução do vergleichende Musikwissenschaft alemão, este 'tem como tarefa comparar o

A musicologia comparativa floresceu nas mãos do psicólogo Carl Stumpf


(1848-1936) e seu aluno Erich Moritz von Hornbostel (1877-1935), que
fundou o Berlin Phonogramm-archiv na Universidade de Berlim. Usando
cilindros gravados por antropólogos no campo, eles e seus associados
(alguns treinados em outras ciências, como a fisiologia) focados principalmente no campo,
intervalos e sistemas de tom, e usou suas descobertas para estudar psicoacústica
comparativamente (Hornbostel, 1910); especular sobre as origens da música (Stumpf,
1911); inventar métodos para analisar escala e melodia (Hornbostel, 1913);
criar um sistema de classificação para instrumentos musicais (Hornbostel e Sachs
(1914); e transcrever e analisar as estruturas musicais de muitos indivíduos

Página 2

estilos musicais (por exemplo, Hornbostel, 1923). Hornbostel produziu apenas dois doutorados
estudantes em musicologia comparativa, Mieczyslaw Kolinski e Fritz Bose, mas
outros estudiosos influentes que trabalharam com eles incluíram Otto Abraham, Robert
Lachmann, Marius Schneider, Curt Sachs e George Herzog, alguns dos quais
trouxe suas idéias para a América do Norte nas décadas de 1930 e 40.
Além dos sistemas de classificação para material tonal e instrumentos musicais,
alguma pesquisa alemã em musicologia comparativa foi influenciada pela
teorias evolucionistas dos antropólogos alemães. De acordo com sua cultura
doutrina circular "( Kulturkreislehre ), traços culturais poderiam ser agrupados em
círculos geográficos de distribuição. Os círculos poderiam ser colocados em
ordem cronológica, representando os estágios evolutivos de desenvolvimento
esses traços: presumia-se que os círculos mais largos contivessem os traços mais antigos e
o menor, o mais novo. Marius Schneider (1934-5) aplicou essa doutrina para
o estudo da polifonia e descobriu que a monofonia (ou às vezes a heterofonia)
apareceu mais amplamente distribuído e, portanto, o tipo mais antigo, com
várias formas de polifonia evoluindo (em estágios) para fora da monofonia. Curt Sachs
(1940) aplicou a doutrina a instrumentos musicais, descobrindo que os chocalhos têm a
distribuição mais ampla e são, portanto, os instrumentos mais antigos; que o musical
arco e xilofone evoluem em um estágio posterior; e que o sanza africano
(lamellophone), com sua distribuição um tanto restrita, é ainda mais nova. Apesar
os fundamentos evolutivos dessa doutrina e, portanto, as conclusões
com base nisso, foram rejeitados por pesquisadores americanos do período e, posteriormente,
a capacidade destes estudiosos para controlar enormes quantidades de dados foi, no entanto,
impressionante. O sistema de centavos e o sistema de instrumentos Hornbostel-Sachs
A classificação continua a ser o principal legado da musicologia comparativa.
Se a musicologia comparativa é tomada como um termo genérico para toda a pesquisa sobre
música "folclórica", "primitiva" e "asiática" do final do século XIX até a década de 1950,
então nem todos os pesquisadores do período trabalharam na tradição alemã. Outro
fluxo importante incluiu colecionadores americanos de música ameríndia, como
JW Fewkes, Francis Densmore e Helen Roberts. Ainda um terceiro fluxo
consistia em muitos colecionadores europeus de canções folclóricas nacionais. Alguns trabalharam
estritamente dentro das fronteiras nacionais, mas alguns, como Béla Bartók na Hungria,
Oskar Kolberg na Polônia e Constantin Br? Iloiu na Romênia, tiveram mais ou
2/4
01/09/2018 Musicologia comparativa. Uma tradução do vergleichende Musikwissenschaft alemão, este 'tem como tarefa comparar o

menos perspectiva comparativa. Fundamental para toda bolsa de estudos neste período,
no entanto, foi a coleta, classificação, comparação e histórico
estratificação de estilos.
Quando a etnomusicologia substituiu a musicologia comparativa como disciplinar
rótulo na década de 1950, a pesquisa voltada principalmente para estudos localizados de música
concebido como parte da cultura. No entanto, o impulso comparativo, despojado
seus alicerces evolutivos, surgiram ocasionalmente, em Miecyslaw
Classificação de movimento melódico de Kolinski (1965), de Alan Lomax
cantometrics (1968), estudo de Anna Czekanowska-Kuklinska (e outros) sobre
características pan-eslavas (1972); A proposta de Steven Feld para um comparativo
sociomusicologia das culturas igualitárias (1984); e as descrições de Bruno Nettl de
estilos musicais e culturas (1989).
BIBLIOGRAFIA
G. Adler
: 'Umfang, Methode e Ziel der Musikwissenschaft', VMw , i (1885), 5—20;
Eng. trans. em YTM , xiii (1981), 1-21
AJ Ellis

Página 3

: 'Nas escalas musicais de várias nações', Journal of the Society of Arts ,


xxxiii (1885), 485—527, 1102—11
R. Wallaschek
: Música primitiva: uma investigação sobre a origem e o desenvolvimento da música, canções,
Instrumentos, danças e pantomimas de raças selvagens (Londres, 1893 / R )
EM von Hornbostel
: «Über vergleichende akustische und musikpsychologische Untersuchungen»,
Zeitschrift für angewandte Psychologie und psychologische Sammelforschung ,
iii (1910), 465-87
C. Stumpf
: Die Anfänge der Musik (Leipzig, 1911)
EM von Hornbostel
: «Melodie und Skala», Jb der Musikbibliothek Peters , xix (1913), 11—23.
EM von Hornbostel e C. Sachs
: 'Systematik der Musikinstrumente: ein Versuch', Zeitshrift para a Etnologia , xlvi
(1914), 553-90; Eng. trans. em GSJ , xiv (1961), 3—29
EM von Hornbostel
: «Musik der Makuschí, Taulipáng und Yekuaná», em T. Koch-Grünberg: Von
Roroima zum Orinoco , iii (Stuttgart, 1923), 397-442; Eng. trans. em Inter-
American Music Bulletin (1969), no.71, pp.1—42
M. Schneider
: Geschichte der Mehrstimmigkeit (Berlim, 1934-5)
C. Sachs
: A história dos instrumentos musicais (Nova York, 1940)
M. Kolinski
: 'A Direção Geral do Movimento Melódico', EthM , ix (1965), 240-64
01/09/2018 Musicologia comparativa. Uma tradução do vergleichende Musikwissenschaft alemão, este 'tem como tarefa comparar o

A. Lomax
: Estilo Folk Song e Cultura (Washington DC, 1968)
A. Czekanowska-Kuklinska
: Ludovie melodie waþskiego zakresu w krajach så owian´skich [melodias populares
de estreita faixa em países eslavos] (Varsóvia, 1972)
A. Schneider
: Musikwissenschaft und Kulturkreislehre: O que é a técnica e a literatura?
Vergleichenden Musikwissenschaft (Bonn, 1976)
E. Mugglestone
: "O escopo, método e objetivo da musicologia" de Guido Adler (1885): um
Tradução inglesa com um comentário analítico-histórico ', YTM , xiii (1981),
1—21
S. Feld
: 'Estrutura sadia como estrutura social', EthM , xxviii (1984), 383—409
B. Nettl
: Blackfoot Musical Thought: Perspectivas Comparativas (Kent, OH, 1989)
D. Christensen
: 'Erich M. von Hornbostel, Carl Stumpf, e Institucionalização de
Musicologia Comparativa ', Musicologia Comparativa e Antropologia da Música ,
ed. B. Nettl e PV Bohlman (Chicago, 1991), 201-9
ARROZ DE TIMOTHY

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 4/4