Vous êtes sur la page 1sur 139

◄ Efésios 1 ►

Homilias de Crisóstomo
Efésios 1: 1
Paulo, apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus, aos santos que estão em Éfeso e aos fiéis em Cristo Jesus:
"Paulo, apóstolo de Cristo Jesus por vontade de Deus, aos santos que estão em Éfeso, [170] e aos fiéis em Cristo Jesus.
Graça a vós e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. "
Observe, ele aplica a palavra "através de" ao Pai. Mas o que então? Vamos dizer que Ele é inferior? Certamente não.

"Aos santos", diz ele, "que estão em Éfeso e os fiéis em Cristo Jesus".

Observe que ele chama santos, homens com esposas e filhos e domésticos. Pois estes são aqueles que ele chama por
este nome é claro desde o final da epístola, como, quando ele diz: "Esposas, estejam em sujeição a seus próprios
maridos". ( Efésios 5:22 ) E novamente: "Filhos, obedeçam a seus pais" ( Efésios 6: 1 ) e, "Servos, sejam obedientes a
seus senhores". ( Efésios 6: 5.) Pense quão grande é a indolência que nos possui agora, quão rara é qualquer coisa
como virtude agora e quão grande a abundância de homens virtuosos deve ter sido então, quando até homens
seculares poderiam ser chamados de "santos e fiéis". "Graça a ti e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus
Cristo." "Grace" é a palavra dele; e ele chama Deus, "Pai", uma vez que esse nome é um sinal seguro desse dom da
graça. E como assim? Ouça o que ele diz em outro lugar; "Porque sois filhos, Deus enviou o Espírito de Seu Filho em
nossos corações, clamando, Abba, Pai". ( Gálatas 4: 6 )

"E do Senhor Jesus Cristo".

Porque para nós homens, Cristo nasceu e apareceu na carne.

Efésios 1: 2
Graça seja para vós, e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.
Efésios 1: 3
Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares
celestiais em Cristo.
Ver. 3. "Bendito [171] seja o Deus", diz ele, "e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo".
Observar; O Deus daquele que era encarnado [172]. E embora tu não, o pai de Deus a palavra.

Ver. 3. "Quem nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo".

Ele está aqui aludindo às bênçãos dos judeus [173]; pois isso também era uma bênção, mas não era uma bênção
espiritual. Para como isso funcionou? "O Senhor te abençoe, ele abençoará o fruto do teu corpo"; ( Deuteronômio
7:13 ) e "Ele abençoará a tua saída e a tua entrada". ( Deuteronômio 28: 4 ) Mas aqui não é assim, mas como? "Com
todas as bênçãos espirituais." E o que mais te falta ainda? Tu és feito imortal, tu és feito livre, tu és feito um filho, tu
és feito justo, tu és feito um irmão, tu és feito um companheiro-herdeiro, tu reinas com Cristo, tu és glorificado com
Cristo; todas as coisas te são dadas gratuitamente. "Como", diz ele, "não nos dará também com Ele livremente todas
as coisas?" ( Romanos 8:32.) Primeiras frutas são adoradas pelos anjos, pelos querubins, pelos serafins! O que ainda
te falta? "Com todas as bênçãos espirituais." Não há nada carnal aqui. Consequentemente, Ele excluiu todas as
bênçãos anteriores, quando disse: "No mundo, vós tendes tribulação" ( João 16:33 ) para nos conduzir a estes. Pois
assim como aqueles que possuíam coisas carnais eram incapazes de ouvir sobre as coisas espirituais, assim, aqueles
que visam as coisas espirituais não podem alcançá-los a menos que se distanciem das coisas carnais.

O que mais uma vez é "bênção espiritual nos lugares celestiais?" Não está na terra, ele quer dizer, como foi o caso
com os judeus. "Comereis o bem da terra." ( Isaías 1:19 ) "Para uma terra que mana leite e mel". ( Êxodo 3: 8 ) "O
Senhor abençoará a tua terra." ( Deuteronômio 7:13 ) Aqui não temos nada desse tipo, mas o que temos nós? "Se
alguém me ama, conservará a minha palavra; e eu e meu Pai nos aproximaremos dele e faremos nossa morada com
ele." ( João 14:23 ) "Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem
prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; e vieram as enchentes, e os ventos sopraram e açoitaram" aquela
casa, e não caiu,Mateus 7:24 , 25.) E o que é essa rocha senão aquelas coisas celestiais que estão acima do alcance de
toda mudança? "Portanto, todo aquele que", diz Cristo, "me confessar diante dos homens, também eu o confessarei
diante de meu Pai que está nos céus; mas a qualquer que me negar a esse, também o negarei." ( Mateus 10:32 , 33.)
Novamente, "Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus". ( Mateus 5: 8 ) E novamente: "Bem-
aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus." ( Mateus 5: 3 ) E novamente: "Bem-aventurados
sois perseguidos por causa da justiça, porque grande é a tua recompensa no céu." ( Mateus 5:11, 12.) Observe, como
cada lugar onde Ele fala do céu, não onde da terra, ou das coisas na terra. [174] E novamente: "Nossa cidadania está
no céu, de onde também esperamos por um Salvador o Senhor Jesus Cristo". (Filipe. Iii. 20.) E novamente: "Não fixando
sua mente nas coisas que estão na terra, mas nas coisas que estão acima." ( Colossenses 3: 3 )

"Em Cristo."

Ou seja, esta bênção não foi pela mão de Moisés, mas por Cristo Jesus: de modo que nós os superamos não apenas
na qualidade das bênçãos, mas também no Mediador. Além disso, ele diz na Epístola aos Hebreus; "E Moisés de fato
foi fiel em toda a sua casa como servo, para servir de testemunho das coisas que depois seriam ditas; mas de Cristo
como um filho sobre a sua casa, cuja casa somos nós." ( Hebreus 3: 5-6 )

Ver. 4. "Assim como", prossegue ele, "Ele nos escolheu nEle antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos
e sem defeito diante dEle em amor".

Seu significado é um pouco desse tipo. Através de quem Ele nos abençoou, através Dele Ele também nos escolheu. E
Ele, então, é o que nos concederá todas as recompensas daqui em diante. Ele é o próprio Juiz que dirá: "Vós,
abençoados de meu Pai, herdes o reino preparado para vós desde a fundação do mundo". ( Mateus 25:34 ) E
novamente: "Eu quero que onde eu estiver eles também estarão comigo." ( João 17:24 .) E este é um ponto que ele
está ansioso por provar em quase todas as suas Epístolas, que o nosso sistema não é novo, mas que assim foi
imaginado desde o início, que não é o resultado de qualquer mudança de propósito, mas tinha sido de fato uma
dispensação divina e pré-ordenada. E isso é uma marca de grande solicitude por nós.

O que significa: "Ele nos escolheu Nele?" Por meio da fé que está Nele, Cristo, ele quer dizer, ordenou alegremente
isso para nós antes de nascermos; mais ainda, antes da fundação do mundo. E bonita é a palavra "alicerce", como se
ele estivesse apontando para o mundo como sendo derrubado de alguma altura imensa. Sim, o vasto mesmo e inefável
é a altura de Deus, tão distante não no lugar, mas na incomunicabilidade da natureza; tão larga a distância entre a
criação e o Criador! Uma palavra que os hereges podem ter vergonha de ouvir. [175]

Mas por que nos escolheu? "Que devemos ser santos e sem defeito diante dEle." Que você não pode, então, quando
você ouve que "Ele nos escolheu", imagine que somente a fé é suficiente, ele passa a adicionar vida e conduta. Para
este fim, diz ele, ele nos escolheu, e sob esta condição, "que devemos ser santos e sem defeito". E assim antigamente
ele escolheu os judeus. Em que termos? "Esta nação, diz ele, escolheu do restante das nações." ( Deuteronômio 14:
2Agora, se os homens em suas escolhas escolherem o que é melhor, muito mais fará Deus. E, de fato, o fato de serem
escolhidos é, ao mesmo tempo, um sinal da bondade amorosa de Deus e de sua bondade moral. [176] Pois por todos
os meios ele teria escolhido aqueles que foram aprovados. Ele mesmo nos tornou santos, mas então devemos
continuar santos. Um homem santo é aquele que participa da fé; um homem inocente é aquele que leva uma vida
irrepreensível. Não é, contudo, simplesmente a santidade e irrepreensibilidade que Ele exige, mas que devemos
aparecer como "diante dEle". Pois há caracteres sagrados e irrepreensíveis, que ainda são estimados como tais apenas
pelos homens, aqueles que são como sepulcros caiados e como aqueles que usam roupas de ovelha. Não é assim, no
entanto, Ele exige, mas como o Profeta fala; "E de acordo com a limpeza de minhas mãos." (Salmo 18:24 .) Que
limpeza? Aquilo que é tão "à vista dele". Ele requer a santidade em que os olhos de Deus podem olhar.

Tendo assim falado das boas obras destes, ele novamente recorre à Sua graça. "No amor", diz ele, "tendo nos
predestinado". Porque isto não vem de nenhuma dor, nem de nenhuma boa obra nossa, mas de amor; e ainda não
somente de amor, mas de nossa virtude também. Pois, se de fato somente de amor, segue-se que todos devem ser
salvos; enquanto que, novamente, foi o resultado de nossa virtude somente, então Sua vinda era desnecessária e toda
a dispensação. Mas não é o resultado nem de Seu amor, nem de nossa virtude, mas de ambos. "Ele nos escolheu", diz
o apóstolo; e aquele que escolhe sabe o que é que escolhe. "No amor", acrescenta ele, "tendo nos preordenado"; pois
a virtude nunca teria salvado ninguém, se não houvesse amor. Para me dizer, o que Paulo teria lucrado, como ele teria
exibido o que exibiu, se Deus não os tivesse chamado desde o princípio e, na medida em que o amava, atraído para
si? Mas além disso, o fato de Ele nos conceder privilégios tão grandes, foi o efeito do Seu amor, não da nossa virtude.
Por sermos tornados virtuosos, e crentes, e chegamos perto Dele, isso também foi a obra daquele que nos chamou a
Si mesmo, e, no entanto, apesar disso, também é nosso. Mas que, quando nos aproximamos dEle, Ele deve conceder-
nos privilégios tão elevados, a ponto de nos trazer imediatamente de um estado de inimizade, para a adoção de filhos,
esta é realmente a obra de um amor realmente transcendente. Por sermos tornados virtuosos, e crentes, e chegamos
perto Dele, isso também foi a obra daquele que nos chamou a Si mesmo, e, no entanto, apesar disso, também é nosso.
Mas que, quando nos aproximamos dEle, Ele deve conceder-nos privilégios tão elevados, a ponto de nos trazer
imediatamente de um estado de inimizade, para a adoção de filhos, esta é realmente a obra de um amor realmente
transcendente. Por sermos tornados virtuosos, e crentes, e chegamos perto Dele, isso também foi a obra daquele que
nos chamou a Si mesmo, e, no entanto, apesar disso, também é nosso. Mas que, quando nos aproximamos dEle, Ele
deve conceder-nos privilégios tão elevados, a ponto de nos trazer imediatamente de um estado de inimizade, para a
adoção de filhos, esta é realmente a obra de um amor realmente transcendente.

Efésios 1: 4
Conforme ele nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em
amor.
Ver. 4, 5. "No amor", [177] diz ele, "tendo nos predestinado para adoção como filhos por meio de Jesus Cristo para si
mesmo."
Você observa como nada é feito sem Cristo? Nada sem o pai? O um tem predestinado, o outro nos aproxima. E essas
palavras ele acrescenta para realçar as coisas que foram feitas, da mesma forma como ele diz também em outro lugar:
"E não somente isso, mas também nos regozijamos em Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo". ( Romanos 5:11 ) Para
grandes, de fato, são as bênçãos concedidas, mas são muito maiores em serem concedidas por meio de Cristo; porque
Ele não enviou nenhum servo, embora fosse para os servos que Ele enviou, mas o Filho unigênito Ele mesmo.

Ver. 5. "De acordo com o bom prazer", continua ele, "da Sua vontade".

Isto é, porque Ele sinceramente quis. Isto é, como se poderia dizer, o Seu sincero desejo. [178] Pois a palavra "bom
prazer" em todo lugar significa o precedente, pois há também outra vontade. Como por exemplo, a primeira vontade
é que os pecadores não pereçam; a segunda vontade é que, se os homens se tornarem perversos, eles perecerão. Pois
certamente não é por necessidade que Ele os castiga, mas porque Ele quer. Você pode ver algo do tipo, mesmo nas
palavras de Paulo, onde ele diz: "Eu gostaria que todos os homens fossem como eu mesmo". ( 1 Coríntios 7: 7 ) E
novamente: "Desejo que as viúvas mais novas se casem, tenham filhos". ( 1 Timóteo 5:14Por "boa vontade", ele quer
dizer a primeira vontade, a vontade sincera, a vontade acompanhada de desejo sincero, como no caso de nós, pois
não me negarei a empregar sequer uma expressão um tanto familiar, para falar com clareza para o tipo mais simples;
pois assim nós mesmos, para expressar a intenção da vontade, falamos de agir de acordo com a nossa determinação.
O que ele quer dizer então é isto, Deus deseja sinceramente, sinceramente desejos, nossa salvação. Por que, pois, é
que Ele nos ama, de quem tem tanta afeição? É da Sua bondade só. Pois a graça em si é o fruto da bondade. E por esta
causa, diz ele, nos predestinou para a adoção de filhos; sendo esta a Sua vontade e o objeto do Seu sincero desejo,
que a glória da Sua graça possa ser exibida. "De acordo com o bom prazer da Sua vontade"

Ver. 6. "Para o louvor da glória da Sua graça, [179] que Ele livremente nos concedeu no Amado".

Que a glória de Sua graça possa ser exibida, diz ele, que Ele livremente nos concedeu no Amado. Agora, pois, se por
isso Ele nos mostrou a graça, para o louvor da glória da sua graça, e para mostrar a sua graça, permaneçamos nela.
"Para o louvor da sua glória." O que é isso? quem deve louvá-lo? quem deve glorificá-lo? que nós, que anjos, que
arcanjos, sim, ou toda a criação? E o que foi aquilo? Nada. A natureza divina não conhece necessidade. E por que então
Ele nos faria louvá-lo e glorificá-lo? É que nosso amor por Ele pode ser mais fervoroso dentro de nós. Ele não deseja
nada que possamos render; não o nosso serviço, nem o nosso louvor, nem qualquer outra coisa, senão a nossa
salvação; esse é o Seu objetivo em tudo que Ele faz.

"Que Ele livremente nos concedeu", diz ele. Ele não diz: "O qual Ele graciosamente nos deu" (echarisato), mas "em
que Ele nos mostrou a graça". (echaritosen) Isso quer dizer que Ele não apenas nos libertou de nossos pecados, mas
também nos fez encontrar objetos [180] de Seu amor. É como se alguém fosse levar um leproso, desperdiçado por
cinomose e doença, por idade, pobreza e fome, e deveria transformá-lo de uma vez em uma juventude graciosa,
superando toda a humanidade em beleza, derramando um brilhante brilho de suas bochechas e eclipsando os raios
do sol com os olhares de seus olhos; e depois colocá-lo na própria flor de sua idade, e depois disso colocá-lo em
púrpura e um diadema e todos os trajes da realeza. É assim que Deus preparou e adornou esta nossa alma e a vestiu
com beleza. e tornou-o um objeto de seu deleite e amor. Tal alma anjos desejam ver, sim, Arcanjos e todos os santos.
Tal graça Ele derramou sobre nós, tão querido Ele nos rendeu a Si mesmo. "O rei", diz o salmista, "desejará
grandemente a tua beleza". (Salmo 45:11.) Pense nas palavras ofensivas que proferimos até agora e veja que palavras
graciosas proferimos agora. A riqueza não tem mais encantos para nós, nem as coisas que estão aqui embaixo, mas
apenas coisas celestiais, as coisas que estão nos céus. Quando uma criança tem beleza exterior, e tem além de uma
graça permeável em todas as suas palavras, não a chamamos de criança linda? Tais como este são os fiéis. Olha, que
palavras os iniciados proferem! O que pode ser mais belo do que a boca que respira essas palavras maravilhosas, e
com um coração puro e lábios puros, e radiante de confiança alegre, participa de uma mesa tão mística? O que é mais
belo do que as palavras, com as quais renunciamos ao serviço do Diabo e nos alistamos no serviço de Cristo? do que
tanto essa confissão que é antes da pia batismal, [181] e aquilo que é depois disso? Vamos refletir tantos de nós que
contaminaram nosso Batismo, e choramos para que possamos novamente consertá-lo.

Efésios 1: 5
Tendo nos predestinado para a adoção de crianças por Jesus Cristo para si mesmo, de acordo com a boa vontade de
sua vontade,
Efésios 1: 6
Para o louvor da glória da graça dele, onde ele nos fez aceitos no amado.
Ver. 6. "No Amado", ele diz, "em quem temos a nossa redenção através do Seu Sangue". [184]
E como isso é? Não somente há esta maravilha, que Ele deu Seu Filho, mas ainda mais que Ele O deu de tal maneira,
que o próprio Amado deve ser morto!

Sim, e ainda mais transcendente! Ele deu o Amado para aqueles que foram odiados. Veja, quão alto preço ele coloca
em nós. Se, quando o odiamos e somos inimigos, Ele deu ao Amado, o que ele não fará agora, quando nos
reconciliarmos com Ele através da graça?

Ver. 7. "O perdão", diz ele, "das nossas ofensas".

Mais uma vez ele desce de alto a baixo: primeiro falando de adoção, e santificação, e irrepreensibilidade, e depois da
Paixão, e nisto não abaixando seu discurso e trazendo isto de coisas maiores para inferiores, não melhor, ele estava
aumentando isto, e elevá-lo do menor para o maior. Pois nada é tão grande quanto o sangue deste Filho que deve ser
derramado por nós. Maior que tanto a adoção como todos os outros dons da graça, que Ele não poupou nem mesmo
o Filho. Pois grande é o perdão dos pecados, mas isso é muito mais importante, que deve ser feito pelo sangue do
Senhor. Por que isso é muito maior do que tudo, olha como aqui novamente ele exclama,

Ver. 7, 8. "De acordo com as riquezas da Sua graça, que Ele fez abundar em nós".

Os dons acima mencionados são riquezas, mas isso é muito mais. "Que", diz ele, "Ele fez abundar em nós." Ambos são
"riquezas" e "abundaram", isto é, foram despejados em medida inefável. Não é possível representar em palavras que
bênçãos de fato experimentamos. Porque de fato são riquezas, e abundam riquezas, e ele deu em abundância riquezas
não do homem, mas de Deus, de modo que, seja como for, é impossível que se expressem. E para nos mostrar como
Ele deu a tal abundância, ele acrescenta:

Ver. 8, 9. "Em toda a sabedoria e prudência, [185] nos revelou o mistério da sua vontade."

Isto é, nos tornar sábios e prudentes, naquilo que é a verdadeira sabedoria e aquilo que é a verdadeira prudência.
Estranho! que amizade! Pois Ele nos fala Seus segredos; os mistérios, diz ele, da Sua vontade, como se alguém dissesse:
Ele nos fez saber as coisas que estão em seu coração. Pois aqui está realmente o mistério que está cheio de toda
sabedoria e prudência. Pois o que você mencionará igual a essa sabedoria! Aqueles que não valiam nada, descobriram
uma maneira de elevá-los à riqueza e à abundância. O que pode igualar esse artifício sábio? Aquele que era um inimigo,
aquele que foi odiado, ele está em um momento elevado no alto. E não apenas isto - mas, ainda mais, que isso deveria
ser feito neste momento em particular, isto novamente foi obra da sabedoria; e isso deve ser feito por meio da cruz.
Foi questão de longo discurso aqui para apontar, como tudo isso foi obra da sabedoria e como Ele nos tornou sábios.
E, portanto, ele repete novamente as palavras,

"De acordo com o seu bom prazer [186], que Ele propôs nele." [187]

Isto é, isto Ele desejou, pelo qual Ele penou, como se poderia dizer, para que Ele possa revelar-nos o mistério. Que
mistério? Que Ele teria o homem sentado no alto. E isso acontecerá.

Ver. 10. "A uma dispensação da plenitude dos tempos para resumir todas as coisas em Cristo, as coisas nos céus e as
coisas na terra, mesmo nEle."
As coisas celestiais, ele quis dizer, foram cortadas da terra. Eles não tinham mais uma cabeça. Até agora, na medida
em que o sistema da criação existia, havia acima de tudo um só Deus, mas na medida em que a gestão de uma casa
foi, isto, em meio à ampla disseminação do erro dos gentios, não foi o caso, mas eles foram separados de Sua
obediência.

"A uma dispensação", diz ele, "da plenitude dos tempos".

A plenitude dos tempos, ele chama. Observe com que gentileza ele fala. E enquanto ele aponta a origem, o propósito,
a vontade, a primeira intenção, como procedente do Pai, e o cumprimento e execução como efetuados pela ação do
Filho, ainda não onde ele aplica a ele o termo ministro. [188]

"Ele nos escolheu", diz ele, "Nele, tendo nos predestinado para adoção como filhos por meio de Jesus Cristo para si";
e "para o louvor da glória da sua graça, em quem temos a redenção pelo seu sangue, que nele propôs, para a
dispensação da plenitude dos tempos, para resumir todas as coisas em Cristo"; e não onde ele o chamou ministro. Se,
entretanto, a palavra "em" e a palavra "por" implicarem um mero ministro, veja a que matéria se trata. Apenas no
início da epístola, ele usou a expressão "pela vontade do Pai". O Pai, ele quer dizer, quis, o Filho operou. Mas também
não segue que, porque o Pai quis, o Filho é excluído do querer; nem porque o Filho operou, que o Pai é privado do
trabalho. Mas para o Pai e o Filho, todas as coisas são comuns. "Pois todos os meus são teus", diz Ele, "e os teus são
meus". (João 17:10 .)

A plenitude dos tempos, [189], no entanto, foi Sua vinda. Depois, então, Ele tinha feito tudo, pelo ministério tanto dos
Anjos como dos Profetas, e da Lei, e nada resultou disso, e estava bem próximo disso, que o homem havia sido feito
em vão, levado a o mundo em vão, antes, para a ruína dele; quando todos estavam absolutamente perecendo, com
mais medo do que no dilúvio, Ele planejou essa dispensação, que é pela graça; que pode não ser em vão, pode não
ser sem propósito que o homem foi criado. Isso ele chama de "a plenitude dos tempos" e "sabedoria". E por que isso?
Porque naquela época em que estavam prestes a perecer, então eles foram resgatados.

Que "Ele pode resumir" ele diz.

Qual é o significado dessa palavra "resumir?" É "tricotar juntos". Vamos, no entanto, nos esforçar para chegar perto
da importação exata. Com nós mesmos, então, na conversa comum, a palavra significa a soma em uma breve bússola
das coisas faladas em detalhes, a descrição concisa dos assuntos descritos em detalhes. E isso tem esse significado.
Porque Cristo recolheu em si as dispensações realizadas por um longo período, isto é, cortou-as. Pois "completando
Sua palavra e abreviando em justiça" ( Romanos 9:28 ). Ele compreendeu as dispensações anteriores e acrescentou
outras ao lado. Este é o significado de "resumir".

Tem também outro significado; e de que natureza é isso? Ele pôs sobre todos uma e a mesma Cabeça, ie, Cristo de
acordo com a carne, tanto sobre Anjos como sobre homens. Isto é, Ele deu aos anjos e aos homens um e o mesmo
governo; ao um o Encarnado, ao outro Deus a Palavra. [190] Assim como se pode dizer de uma casa que tem uma
parte decaída e a outra que soa, Ele reconstruiu a casa, isto é, Ele a fortaleceu e estabeleceu um fundamento mais
firme. Assim também aqui Ele trouxe todos sob a mesma cabeça. [191] Pois assim será efetuada uma união, assim
será efetuado um vínculo próximo, se um e todos puderem ser colocados sob um mesmo e o mesmo Chefe, e assim
ter algum laço constrangedor de união de cima. Honrados então como estamos com tão grande bênção, tão alto
privilégio, tão grande benevolência, não nos envergonhe nosso Benfeitor, não façamos em vão tão grande graça.
Vamos exemplificar a vida dos anjos, a virtude dos anjos, a conversa dos anjos, sim, eu suplicar e conjurá-lo, que todas
essas coisas não se voltam para o nosso julgamento, nem para a nossa condenação, mas para o nosso desfrute dessas
coisas boas, que Deus permita que todos possamos alcançar, em Cristo Jesus, nosso Senhor, com quem ao Pai,
juntamente com o Espírito Santo, seja a glória, a força, etc. & c. junto com o Espírito Santo, seja glória, força, etc. & c.
junto com o Espírito Santo, seja glória, força, etc. & c.

Notas de rodapé:

[170] [Em Éfeso, o texto de Crisóstomo tem estas palavras (en 'Epheso) e ele não revela nenhum conhecimento de
quaisquer cópias que as omitiram. Mas eles são omitidos por Aleph * B. por alguns mss, consultados por Basil, e
aparentemente pelo texto de Orígenes, pois ele interpreta tois ousin (aqueles que são) absolutamente, como ele não
teria feito se tivesse lido Epheso. Os Revisores inserem as palavras, mas com uma nota marginal. Westcott e Hort se
juntam a eles. Veja a discussão do ponto no Apêndice (vol. II. Do texto grego), p. 123. Para uma discussão completa,
ver Introdução a Efésios, Sec. De Meyer. 1, onde ele defende sinceramente "o direito dessas palavras a um lugar no
texto" - GA

[171] [Compare Romanos 9: 5 ; 2 Coríntios 1: 3 ; Lucas 1:68 ; 1 Pedro 1: 3 - GA]

[172] [Meyer sustenta que o genitivo tou kuriou, etc. não limita Theos, mas apenas pater: "Bendito seja Deus que, ao
mesmo tempo, é Pai de nosso Senhor Jesus Cristo". Então também Ellicott.

[173] ["Um contraste com os benefícios terrenos prometidos aos judeus no Antigo Testamento é estranho ao
contexto." - Meyer - GA]

[174] ["Tal especificação da esfera" e daí o caráter espiritual "da ação pareceria supérflua após as palavras definidas
precedentes. Em quatro outras passagens desta epístola a expressão, nos lugares celestiais," parece local "( 20, ii, 6,
iii, 10, vi, 12.) Assim, a expressão aqui deve ser referida como uma predicação local para eulogi 'pneumaeke definindo
a região' de onde vêm as bênçãos do Espírito. Cf. Hebreus 6: 4. "- Ellicott. - GA]

[175] [E um argumento que dificilmente pode ser considerado válido, baseado, como é, no significado literal e
etimológico de uma palavra em uma passagem onde é claramente usada metaforicamente e não literalmente. A
palavra é katabole.- -GA]

[176] [Tekmerion kai tes auton aretes, uma proposição que atingirá um leitor protestante de qualquer denominação
com surpresa, para dizer o mínimo. Schaff diz: "Crisóstomo colocou grande ênfase no livre-arbítrio e na cooperação
da vontade humana com a graça divina na obra de conversão. Cassiano, o fundador do Semi-Pelagianismo, foi seu
discípulo e apelou à sua autoridade. Podemos dizer que, em tendência e espírito, ele era um semi-pelagiano ou
sinergista católico antes que o semi-pelagianismo fosse introduzido em um sistema ". Prolegomena p. 20. A exposição
de Crisóstomo desta passagem é imprecisa, inconsistente, ilógica e insustentável. Se Ele nos escolheu para sermos
santos, como pode a santidade, ou "bondade moral", como diz Crisóstomo, ser uma condição antecedente de nos
escolher? Veja nota no cap. ii. 10 .-- GA]

[177] [Essas palavras, en agape, estão na Versão Revisada e no texto de Westcott e Hort se juntaram ao que precede,
hagious kai amomous. Então também Alford. Meyer e Ellicott, no entanto, estão de acordo com Crisóstomo e,
provavelmente, direito em juntar-se en agape com proorisas, seguindo.

[178] [O bom prazer da Sua vontade significa, "a livre autodeterminação de Deus, independente de todo o deserto
humano, como reguladora da proorize." - Meyer - GA]

[179] ["Como o amor foi o motivo para a predestinação divina, assim é a glorificação do amor divino, aqui designada
graça, 'seu objetivo último divinamente concebido." - Meyer - GA]

[180] ["A palavra não significa aqui tornar o amor digno", como Chrys., Referindo-se à justiça inerente, mas conceder
graça ", assim como o versículo 7 apresenta simplesmente a obra da graça perdoadora". Meyer .-- GA]

[181] Diferentes usos foram observados em relação à confissão batismal. Em todos os casos houve um antes do
Batismo. Em alguns lugares foi feito três vezes; e em alguns foi escrito depois de ter sido falado. vid. Bingham Antique,
xi. 7. & c.

[182] ["A designação de Cristo por hoegapemenos nos faz sentir a grandeza da graça divina" - Meyer - GA]

[183] ["Elucidação mais precisa do que foi dito, com base na experiência (echomen). Meyer. - GA]

[184] ["Through His Blood" é uma definição mais precisa do en ha anterior em quem. "" - Meyer. "Nós não temos
redenção em Sua obra sem a Sua Pessoa, mas em Sua Pessoa que, com Sua obra, é uma unidade viva." - Olshausen in
Lange.

[185] ["Em toda a sabedoria e prudência" não deve ser unida, como Crisóstomo, com ter dado a conhecer "(gnorisas),
porque assim denota o atributo de Deus operativo no gnorizein, que por causa do pase "não é admissível. Paulo, ao
dar a conhecer o mistério, teve que apresentar não a demonstração da graça em si mesma, mas como revelada". Por
isso, alguma definição da cláusula, que ele fez para abundar em nossa direção, "é necessária e esta é a sabedoria e
prudência em tudo" "- Meyer. - GA]

[186] ["De acordo com o seu bom prazer" pertence ao gnorisas, afirmando que Deus realizou o fazer conhecido em
decorrência da sua livre autodeterminação, cf. verso 5 ". - Meyer - GA]

[187] ["Que Ele propôs nele," em si redundante, serve para a fixação daquilo que se segue. "- Meyer. GA]

[188] EG dos Anjos, em contraste: "Eles não são todos espíritos ministradores, enviados para ministrar", é diakoniano.
Hebr. Eu. 14. No entanto S. Iren? Nos diz: "Ministral ei ad omnia sua progenies et figuratio sua, id est Filius et Spiritus
Sanctus". Hr. iv. 17. E São Mártir Justino aplica ao nosso Senhor a palavra huperetein. Tryph 61, como escritura faz a
palavra Anjo ou Mensageiro. A distinção é óbvia; Nosso Senhor pode ser chamado de Ministro ou Instrumento do Pai,
no sentido em que nossa razão pode ser chamada de instrumento de nossa mente, como sendo uma com ela e nela.
Nesse sentido, St. Hilary chama o Filho obedientem dictis Dei Deum. de Trin. v. vid. Petav. De Trin. ii. 7.? 7

[189] [Que ele propôs nele "(ou seja, Cristo", segundo Rev. Ver. E W. e H .; mas Deus ", segundo Meyer e Ellicott, que
hauto)" com um design para a dispensação da plenitude dos tempos, isto é, a dispensação a ser estabelecida no
estabelecimento da plenitude dos tempos, Gálatas 4: 4 ; Marcos 1:15 . "- Meyer. - GA]

[190] ["Uma distinção em desacordo com as Escrituras." - Meyer - GA]

[191] ["Esta ilustração foi novamente empregada por Harless, cujo ponto de vista desta passagem é que o apóstolo
fala assim: O Senhor e Criador de todo o corpo do qual o céu e a terra são membros, na restauração de um membro
restaurou o todo o corpo, e nisso consiste o maior significado da reconciliação que não é meramente uma restauração
da vida da Terra, mas um retorno da harmonia do universo. Isso confere à ta epi tois ouranois apenas uma participação
indireta no mundo. anakephalaiosis e a operação de facto da oikonomia messiânica sobre o mundo celestial é posto
de lado, - o que parece menos admissível na medida em que o ta epi toisois orranois tem a precedência (em posição).
"- Meyer. "O céu e a terra se tornaram lugares de pecado (vi. 12;1 Timóteo 3: 6 ; 1 João 3: 8 ; Tiago 2:19 ; 2 Pedro 2: 4
;) daí veio à terra ( 2 Coríntios 11: 3 ; 1 Coríntios 10:20 , 21.) Assim cessou o estado originalmente designado por Deus
e o desenvolvimento que Ele desejava ser sem perturbação ( Romanos 8: 18-24 ), de modo que uma renovação dos
céus e da terra foi tomada em vista ( 2 Pedro 3:13 .) O centro desta renovação é Cristo e Sua obra redentora. Aqui
podemos certamente aplicar o que Bengel tão apropriadamente comenta em Romanos 8:19.. que pro suo quodque
genus captu, todo tipo de acordo com sua capacidade, 'participa deste Anacephalaiosis, o mal (anjos) como oponentes
conquistados e rejeitados, os anjos bons como amigos participantes, os redimidos como filhos aceitos, o resto da
criação como subordinado Similarmente Eadie: "Não apenas a harmonia foi restaurada ao universo e a ruptura
ocasionada pelo pecado foi reparada, mas os seres ainda em rebelião são colocados sob o controle de Cristo, bem
como os elementos e esferas inconscientes do pecado." natureza. Este resumo é visto na forma de governo: Jesus é
regente universal. "- GA]

Efésios 1: 7
Em quem temos a redenção pelo seu sangue, o perdão dos pecados, segundo as riquezas da sua graça;
Efésios 1: 8
Em que ele abundou em toda a sabedoria e prudência;
Efésios 1: 9
Tendo-nos conhecido o mistério da sua vontade, de acordo com o seu prazer que ele propôs em si mesmo:
Efésios 1:10
Para que, na dispensação da plenitude dos tempos, ele possa reunir em uma todas as coisas em Cristo, tanto as que
estão no céu como as que estão na terra; mesmo nele:
Efésios 1:11
Em quem também obtivemos uma herança, sendo predestinados de acordo com o propósito daquele que faz todas
as coisas segundo o conselho da sua vontade:
"Em quem também fomos feitos uma herança, tendo sido preordenados de acordo com o propósito daquele que faz
todas as coisas segundo o conselho da sua vontade."
Paulo diligentemente se empenha em todas as ocasiões para mostrar a indescritível bondade de Deus para conosco,
ao máximo de seu poder. Para isso é impossível fazê-lo adequadamente, ouvir suas próprias palavras. "Ó! A
profundidade das riquezas tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus; quão insondáveis são os seus juízos,
e os seus caminhos passados traçando." ( Romanos 11:33Ainda assim, na medida do possível, ele o exibe. O que então
é isso que ele está dizendo; "Em quem também nos tornamos uma herança, sendo predestinados?" Acima ele usou a
palavra "Ele nos escolheu"; aqui ele diz: "nós fomos feitos uma herança". Mas na medida em que muito é uma questão
de acaso, não de escolha deliberada, nem de virtude, (pois está intimamente ligado à ignorância e ao acidente, e
muitas vezes passando pelo virtuoso, traz o inútil à atenção), observe como ele corrige neste mesmo ponto: "tendo
sido preordenado", diz ele, "de acordo com o propósito daquele que opera todas as coisas". Ou seja, não apenas nos
tornamos uma herança, já que, novamente, não fomos apenas escolhidos (pois é Deus quem escolhe), e assim também
não fomos meramente distribuídos. (pois é Deus quem distribui), [192] mas é "de acordo com um propósito". Isto é o
que ele diz também na Epístola aos Romanos, (Romanos 8: 28-30. "Para aqueles que são chamados de acordo com o
Seu propósito" e a quem ele chamou, a estes também justificou e a quem justificou glorificou-os também. Tendo
usado pela primeira vez a expressão "para aqueles que são chamados de acordo com um propósito", e ao mesmo
tempo desejando declarar seu privilégio comparado com o resto da humanidade, ele também fala de herança por
sorte, mas para não despojá-los de livre arbítrio. Aquele ponto, então, que mais propriamente pertence à sorte feliz,
é exatamente o ponto em que ele insiste. Pois essa herança por lote não depende da virtude, mas, como se poderia
dizer, em circunstâncias fortuitas. É como se ele tivesse dito: muitos foram lançados e Ele nos escolheu; [193], mas o
todo é de escolha deliberada. Homens predestinados, isto é, tendo-os escolhido para Ele, Ele se separou. Ele nos viu,
por assim dizer, escolhido por sorte antes de nascermos. Para maravilhoso é a presciência de Deus, e familiarizado
com todas as coisas antes do seu começo.

Mas marque agora como em todas as ocasiões ele se esforça em apontar, que não é o resultado de qualquer mudança
de propósito, mas que esses assuntos foram assim modelados desde o início, de modo que não somos de modo algum
inferiores aos judeus. a este respeito; e como, em conseqüência, ele faz tudo com essa visão. Como então é que o
próprio Cristo diz: "Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel?" ( Mateus 15:24 ) E disse novamente
aos seus discípulos: "Não entreis por nenhum caminho dos gentios, e não entrem em nenhuma cidade dos
samaritanos." ( Mateus 10: 5 ) E Paulo novamente diz: "Era necessário que a palavra de Deus primeiro fosse falada a
você. Vendo que você a rejeita e julga-se indigno da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios." "Estas
expressões, eu digo, são usadas com esse design, para que ninguém suponha que esse trabalho tenha ocorrido apenas
por acaso. "De acordo com o propósito", diz ele, "daquele que faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade".
Isto é, Ele não teve depois do funcionamento; tendo modelado todas as coisas desde o princípio, assim ele leva adiante
todas as coisas "de acordo com o conselho de Sua vontade". De modo que não foi meramente porque os judeus não
ouviram que Ele chamou os gentios, nem foi de mera necessidade, nem foi em qualquer indução decorrente deles.

Efésios 1:12
Que devemos ser para o louvor da sua glória, que primeiro confiou em Cristo.
Ver. 12, 13. "Para o fim de que devamos ser para o louvor da Sua glória, nós que antes havíamos esperado [194] em
Cristo. Em quem também ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação."
Isto é, através de quem. Observe como ele em todas as ocasiões fala de Cristo, como o Autor de todas as coisas, e em
nenhum caso lhe dá o título de um agente subordinado, ou um ministro. E assim, novamente, em outra parte, em sua
Epístola aos Hebreus, ele diz: "que Deus, tendo falado antigamente aos Pais nos profetas, no final destes dias falou a
nós em Seu Filho" ( Hebreus 1). : 1 ) que é "através de" Seu Filho.

"A palavra da verdade", diz ele, não mais do tipo, nem da imagem.

"O Evangelho da sua salvação." E bem ele o chama de Evangelho da salvação, insinuando na única palavra um contraste
com a lei, na outra, um contraste com a punição por vir. Pois qual é a mensagem, mas o Evangelho da salvação, que
impede destruir aqueles que são dignos de destruição.

Efésios 1:13
No qual também vós confiado , depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele
também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa,
Efésios 1:14
Qual é o penhor da nossa herança até a redenção da possessão adquirida, para o louvor da sua glória.
Ver. 14. "Em quem tendo crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa, o qual é penhor de nossa herança."
Aqui, novamente, a palavra "selado" é uma indicação de previsão especial. Ele não fala de sermos apenas
predestinados, nem de sermos alocados, mas além disso, de sermos selados. Pois como se alguém fosse fazer com
que aqueles que deveriam se manifestar, também Deus os separou por crer e os selou para a distribuição das coisas
por vir.
Você vê como, no decorrer do tempo, Ele os torna objetos de admiração. Enquanto eles estavam em Sua presciência,
eles não foram manifestados a ninguém, mas quando foram selados, eles se manifestaram, embora não da mesma
maneira que nós somos; pois eles serão manifestos, exceto alguns. Os israelitas também estavam selados, mas isso
era pela circuncisão, como os brutos e as criaturas sem razão. Nós também estamos selados, mas é como filhos "com
o Espírito".

Mas o que se entende por "com o Espírito da promessa"? Sem dúvida significa que recebemos esse Espírito de acordo
com a promessa. Pois há duas promessas, uma pelos profetas, a outra pelo Filho.

Pelos Profetas Ouvi as palavras de Joel; "Eu derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas
filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões" ( Joel 2:28 ). E ouvir novamente as palavras
de Cristo ; "Mas recebereis poder, quando o Espírito Santo vier sobre vós e sereis minhas testemunhas tanto em
Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra." ( Atos 1: 8 ) E, na verdade, o apóstolo significa:
Ele deve, como Deus, ter sido acreditado; no entanto, ele não baseia sua afirmação nisso, mas a examina como um
caso em que o homem está preocupado, falando muito como ele faz na Epístola aos Hebreus; ( Hebreus 6:18.) onde
ele diz: "Que por duas coisas imutáveis em que era impossível a Deus mentir, podemos ter um forte encorajamento."
Assim, aqui também ele faz as coisas já conferidas como um sinal seguro da promessa daqueles que ainda estão por
vir. Por essa razão, ele também chama isso de "sincero" (cf. também 2 Coríntios 1:22.) para um sério é uma parte do
todo. Ele comprou o que mais nos interessa, nossa salvação; e nos deu uma séria nesse meio tempo. Por que então
Ele não deu o todo de uma só vez? Porque nem nós, da nossa parte, fizemos todo o nosso trabalho. Nós acreditamos.
Isso é um começo; e também ele da sua parte tem sido sincero. Quando mostramos nossa fé por nossas obras, então
Ele adicionará o resto. Mais ainda, Ele deu outra promessa, Seu próprio sangue, e prometeu a outro ainda. Da mesma
forma como no caso de guerra entre nação e nação dão reféns: apenas assim Deus também deu Seu Filho como penhor
de paz e tratados solenes, e, ainda, o Espírito Santo também que é Dele. Pois eles, que são de fato participantes do
Espírito, sabem que Ele é o penhor de nossa herança. Tal era Paulo, quem já teve aqui um antegozo das bênçãos ali. E
é por isso que ele estava tão ansioso e ansioso para ser liberado das coisas abaixo, e gemeu dentro de si mesmo. Ele
transferiu toda a sua mente para lá e viu tudo com olhos diferentes. Você não faz parte da realidade e, portanto, falha
em entender a descrição. Se todos nós participássemos do Espírito, como deveríamos ser participantes, então
deveríamos contemplar o Céu e a ordem das coisas que estão lá.

É sério, no entanto, de que? do

Ver. 14. "A redenção da possessão de Deus".

Pois a nossa redenção absoluta ocorre então. [195] Por enquanto temos a nossa vida no mundo, estamos sujeitos a
muitos acidentes humanos, e estamos vivendo entre os homens ímpios. Mas a nossa redenção absoluta será então,
quando não haverá pecados, nem sofrimentos humanos, quando não estivermos indiscriminadamente misturados
com todos os tipos de pessoas.

No momento, porém, há apenas um sério, porque no presente estamos muito distantes dessas bênçãos. Ainda é nossa
cidadania não na terra; mesmo agora estamos fora das coisas que estão aqui embaixo. Sim, somos peregrinos mesmo
agora.

Ver. 14. "Para o louvor da sua glória."

Isso ele acrescenta em conexão imediata. E porque? Porque serviria para dar aos que a ouviram plena garantia. Se
fosse apenas por nossa causa, ele quis dizer que Deus fez isso, pode haver algum espaço para o receio. Mas, se for
para seu próprio bem e para mostrar Sua bondade, ele atribui, como uma espécie de testemunho, uma razão pela
qual essas coisas nunca poderiam ser de outra forma. Encontramos a mesma linguagem em todos os lugares aplicada
ao caso dos israelitas. "Fazes isto por nós por amor do teu nome;" ( Salmo 109: 21 ) e novamente, o próprio Deus
disse: "Eu faço isso por mim mesmo;" ( Isaías 48:11.) e assim Moisés: "Faze isto, se por nada mais, ainda para a glória
do Teu Nome." Isso dá àqueles que a ouvem plena certeza; Alivia-os para que lhes seja dito que, seja o que for que
prometer, por amor de sua própria bondade, Ele certamente realizará.

Moral. Não deixe a audiência, entretanto, nos deixar muito à vontade; porque embora Ele faça isso por amor a si
mesmo, ainda que Ele exija um dever de nossa parte. Se Ele disser: "Os que Me honram honrarei, e os que Me
desprezam serão desprezados" ( 1 Samuel 2:30 ), reflitamos que há aquilo que Ele requer de nós também. É verdade
que é o louvor da Sua glória salvar aqueles que são inimigos, mas aqueles que, depois de feitos amigos, continuam
seus amigos. De modo que, se voltassem ao seu antigo estado de inimizade, tudo seria em vão e sem propósito. Não
há outro batismo, nem há uma segunda reconciliação de novo, mas "uma certa expectativa temerosa de julgamento
que devorará os adversários". ( Hebreus 10:27Se, ao mesmo tempo, pretendermos estar sempre em inimizade com
Ele e, ainda assim, reivindicar perdão à Sua mão, nunca deixaremos de ser inimigos e sermos desencorajados a crescer
em depravação e sermos cegos para com o pecado. Sol da Justiça que ressuscitou. Tu não vês o raio que abrirá teus
olhos? torne-os então bons, sólidos e perspicazes. Ele te mostrou a verdadeira luz; se tu o esquivares e correres de
novo para a escuridão, qual será a tua desculpa? Que tipo de subsídio lhe será feito? Nenhum daquele momento. Pois
esta é uma marca de inimizade indescritível. Quando, de fato, tu não conhecias Deus, então, se ficaste em inimizade
com Ele, tu o ficaste, como seria, alguma desculpa. Mas, quando tiveres provado a bondade e o mel, se novamente os
abandonares e voltardes para o teu próprio vómito, o que mais você está fazendo, mas trazendo evidências de
excessivo ódio e desprezo? Não, você dirá, mas eu sou obrigado a isso por natureza. Eu amo a Cristo de fato, mas sou
limitado por natureza. Se estiveres sob o poder e a força da restrição, terás permissão; mas se você se render da
indolência, não por um momento.

Agora, então, vamos examinar essa mesma questão, se os pecados são o efeito da força e da restrição, ou da indolência
e do grande descuido. A lei diz: "Não matarás". Que tipo de força, que tipo de violência existe aqui? Violência, de fato,
deve-se usar para forçar a si mesmo a matar, pois quem dentre nós escolheria mergulhar sua espada na garganta de
seu vizinho e manchar sua mão com sangue? Nenhum. Tu vês então que, pelo contrário, o pecado é mais propriamente
matéria de violência e constrangimento. Pois Deus implantou em nossa natureza um encanto que nos liga a amar uns
aos outros. "Todo animal (diz) ama seu semelhante, e todo homem ama seu próximo." (Ecclus. Xiii. 15.) Vês tu que
temos da nossa natureza sementes que tendem a virtude; enquanto que os do vício são contrários à natureza? e se
estes últimos predominam, isso é apenas uma evidência de nossa excessiva indolência.

Mais uma vez, o que é adultério? Que tipo de necessidade existe para nos levar a isso? Sem dúvida, dir-se-á a tirania
da luxúria. Mas por que, me diga, isso deveria ser? O que, não é no poder de todo mundo ter sua própria esposa e,
assim, acabar com essa tirania? É verdade, ele dirá, mas uma espécie de paixão pela esposa do vizinho toma conta de
mim. Aqui a questão não é mais de necessidade. A paixão é, por necessidade, ninguém ama necessariamente, mas de
escolha deliberada e livre arbítrio. A indulgência da natureza, na verdade, talvez seja uma questão de necessidade,
mas amar uma mulher em vez de outra não é uma questão de necessidade. Nem é o ponto com você desejo natural,
mas vaidade e devassidão e licenciosidade ilimitada. Pois é por isso que um homem deve ter uma esposa casada e ela
a mãe de seus filhos. ou um não reconhecido? Não sabeis que é a intimidade que gera apego. Isso, portanto, não é
culpa da natureza. Culpa não desejo natural. O desejo natural foi concedido com vistas ao casamento; foi dado com
vistas à procriação de crianças, não com vistas ao adultério e à corrupção. As leis também sabem como levar em conta
os pecados que são necessariamente necessários - ou melhor, nada é pecado quando surge da necessidade, mas todo
pecado se ergue do desprezo. Deus não tem a natureza do homem assim moldada, pois ele deveria ter qualquer
necessidade de pecar, pois se fosse este o caso, não haveria algo como punição. Nós mesmos não explicamos as coisas
feitas por necessidade e por constrangimento, muito menos Deus, tão cheio de misericórdia e benevolência. não é
culpa da natureza. Culpa não desejo natural. O desejo natural foi concedido com vistas ao casamento; foi dado com
vistas à procriação de crianças, não com vistas ao adultério e à corrupção. As leis também sabem como levar em conta
os pecados que são necessariamente necessários - ou melhor, nada é pecado quando surge da necessidade, mas todo
pecado se ergue do desprezo. Deus não tem a natureza do homem assim moldada, pois ele deveria ter qualquer
necessidade de pecar, pois se fosse este o caso, não haveria algo como punição. Nós mesmos não explicamos as coisas
feitas por necessidade e por constrangimento, muito menos Deus, tão cheio de misericórdia e benevolência. não é
culpa da natureza. Culpa não desejo natural. O desejo natural foi concedido com vistas ao casamento; foi dado com
vistas à procriação de crianças, não com vistas ao adultério e à corrupção. As leis também sabem como levar em conta
os pecados que são necessariamente necessários - ou melhor, nada é pecado quando surge da necessidade, mas todo
pecado se ergue do desprezo. Deus não tem a natureza do homem assim moldada, pois ele deveria ter qualquer
necessidade de pecar, pois se fosse este o caso, não haveria algo como punição. Nós mesmos não explicamos as coisas
feitas por necessidade e por constrangimento, muito menos Deus, tão cheio de misericórdia e benevolência. não com
vistas ao adultério e à corrupção. As leis também sabem como levar em conta os pecados que são necessariamente
necessários - ou melhor, nada é pecado quando surge da necessidade, mas todo pecado se ergue do desprezo. Deus
não tem a natureza do homem assim moldada, pois ele deveria ter qualquer necessidade de pecar, pois se fosse este
o caso, não haveria algo como punição. Nós mesmos não explicamos as coisas feitas por necessidade e por
constrangimento, muito menos Deus, tão cheio de misericórdia e benevolência. não com vistas ao adultério e à
corrupção. As leis também sabem como levar em conta os pecados que são necessariamente necessários - ou melhor,
nada é pecado quando surge da necessidade, mas todo pecado se ergue do desprezo. Deus não tem a natureza do
homem assim moldada, pois ele deveria ter qualquer necessidade de pecar, pois se fosse este o caso, não haveria algo
como punição. Nós mesmos não explicamos as coisas feitas por necessidade e por constrangimento, muito menos
Deus, tão cheio de misericórdia e benevolência.

Mais uma vez, o que está roubando? é questão de necessidade? Sim, um homem dirá, porque a pobreza causa isso. A
pobreza, no entanto, nos impele a trabalhar, não a roubar. A pobreza, portanto, tem de fato o efeito contrário. O
roubo é o efeito da ociosidade; Considerando que a pobreza produz geralmente não ociosidade, mas um amor pelo
trabalho. De modo que este pecado é o efeito da indolência, como você pode aprender daqui para frente. O que, eu
pergunto, é o mais difícil, o mais desagradável, vagar à noite sem dormir, abrir casas e andar no escuro, ter a vida na
mão e estar sempre preparado para o assassinato. e estar tremendo e morto de medo; ou estar participando da sua
tarefa diária, em pleno gozo de segurança? Esta última é a tarefa mais fácil; e é porque isso é mais fácil que a maioria
pratica e não o outro. Tu vês então que é a virtude que está de acordo com a natureza, e o vício que é contra a
natureza, da mesma forma que a doença e a saúde são.

O que, novamente, são falsidade e perjúrio? Que necessidade eles podem implicar? Nenhum, nem qualquer
compulsão; é uma questão para a qual prosseguimos voluntariamente. Nós estamos desconfiados, isso será dito.
Verdade, desconfiamos que somos, porque escolhemos. Pois podemos, se quisermos, ser mais confiados em nosso
caráter do que em nosso juramento. Por que, diga-me, é que não confiamos em alguns, não, não em seu juramento,
enquanto consideramos os outros confiáveis mesmo independentemente de juramentos. [196] Vê que não há
necessidade de juramentos em nenhum caso? Quando alguém assim fala, 'nós dizemos, eu acredito nele, mesmo sem
juramento, mas você não, não com os teus juramentos'. Assim, então um juramento é desnecessário; e é, de fato,
uma evidência mais de desconfiança do que de confiança. Pois onde um homem está pronto para prestar seu
juramento, ele não nos deixa para ter uma grande idéia de sua escrúpulos. De modo que o homem que é mais
constante em seu uso de juramentos, não tem, em nenhuma ocasião, qualquer necessidade de usar um, e aquele que
nunca usa um em qualquer ocasião, tem em si mesmo todo o benefício de seu uso. Alguém diz que há necessidade de
um juramento, para produzir confiança; mas vemos que eles são os mais facilmente confiáveis que se abstêm de fazer
juramentos.

Mas, novamente, se alguém é um homem de violência, isso é uma questão de necessidade? Sim, ele dirá, porque sua
paixão leva-o embora e arde dentro dele, e não deixa a alma descansar. Homem, agir com violência não é o efeito da
raiva, mas da pequenez da mente. Se fosse o efeito da raiva, todos os homens, sempre que estivessem com raiva,
nunca cessariam de cometer atos de violência. Temos raiva que nos foi dada, não para que possamos cometer atos de
violência contra nossos vizinhos, mas para que possamos corrigir aqueles que estão em pecado, para que possamos
nos dominar, para não sermos lentos. A raiva é implantada em nós como uma espécie de picada, para nos fazer ranger
com os dentes contra o diabo, para nos fazer veemente contra ele, não para nos colocar em ordem uns contra os
outros. Nós temos armas, não para nos fazer em guerra entre nós, mas para que possamos empregar toda a nossa
armadura contra o inimigo. És tu propenso a ira? Seja contra os teus próprios pecados: castiga a tua alma, flagela a
tua consciência, sê severo juiz e impiedoso na tua sentença contra os teus próprios pecados. Este é o caminho para
transformar a raiva em conta. Foi por isso que Deus implantou dentro de nós.

Mas, novamente, é uma questão de necessidade? Não, de maneira nenhuma. Diga-me, que tipo de necessidade há
para se agarrar: que tipo de compulsão? Pobreza, um homem dirá, causa isso, e o medo de ficar sem necessidades
comuns. Agora esta é a razão pela qual você não deveria estar se apegando. A riqueza obtida não tem segurança. Você
está fazendo exatamente a mesma coisa que um homem faria, que, se lhe perguntarem por que ele colocou a
fundação de sua casa na areia, deveria dizer, ele o fez por causa da geada e da chuva. Considerando que esta seria a
razão pela qual ele não deveria colocá-lo na areia. Eles são os próprios alicerces que a chuva, e as rajadas e o vento,
mais rapidamente derrubam. De modo que se você for rico, nunca seja voraz; se tu transmitires riqueza aos teus filhos,
pelo menos receba riqueza justa, se é que existe alguma. Porque isso permanece e permanece firme, enquanto que
aquilo que não é assim, rapidamente perde e perece. Diga-me, tem a mente de ser rico e aceita os bens dos outros?
Certamente isto não é riqueza: a riqueza consiste em possuir o que é teu. Aquele que está na posse dos bens dos
outros, nunca pode ser um homem rico; já que, a essa taxa, até mesmo seus vendedores de seda, que recebem seus
bens como uma remessa de outros, seriam os mais ricos e os mais ricos dos homens. Embora na verdade, na verdade,
seja deles, ainda não os chamamos de ricos. E por que tão? Porque eles estão na posse do que pertence aos outros.
Pois embora a peça em si seja a deles, ainda assim o dinheiro que vale não é deles. Não, e mesmo que o dinheiro
esteja em suas mãos, ainda assim não é riqueza. Agora, se as remessas assim dadas não tornarem os homens mais
ricos, porque tão cedo os demitimos, como podem aqueles que se originam da rapina torná-los ricos? No entanto, se
de alguma forma desejas ser rico, (pois não é de necessidade), que bem maior é que desejas desfrutar? É uma vida
mais longa? No entanto, certamente homens desse personagem rapidamente se tornam de vida curta. Muitas vezes
eles pagam como a pena de pilhagem e rapacidade, uma morte prematura; e não apenas sofrer como penalidade a
perda do gozo de seus ganhos, mas sair da vida tendo ganhado pouco, e o inferno para arrancar. Muitas vezes também
morrem de doenças, que são os frutos da auto-indulgência, da fadiga e da ansiedade. Será que eu entendo porque é
que a riqueza é tão ansiosamente perseguida pela humanidade. Por que certamente por essa razão Deus estabeleceu
um limite e um limite para nossa natureza, para que não tenhamos necessidade de continuar buscando riquezas além
dela. Por exemplo, nos ordenou que vestisse o corpo em um, ou talvez em duas vestes; e não há mais necessidade de
nos cobrir. Onde estão as dez mil mudanças de vestuário e os que são comidos pelas traças? O estômago tem seu
limite designado, e qualquer coisa dada além disso, necessariamente destruirá o homem inteiro. Onde está então o
uso de seus rebanhos e rebanhos e cortes de carne? Nós exigimos apenas um teto para nos proteger. Onde, então, o
uso de seus vastos terrenos e edifícios caros? Você tira os pobres, que abutres e gralhas podem ter onde morar? E que
diabos essas coisas não merecem? Muitos estão freqüentemente levantando edifícios que brilham com pilares e
mármores caros, em lugares que eles nunca viram. Que esquema existe realmente que eles não adotaram? No
entanto, nem eles se beneficiam nem mais ninguém. A desolação não lhes permite fugir para lá; e mesmo assim não
desistem. Você vê que estas coisas não são feitas por causa do lucro, mas em todos esses casos a loucura, o absurdo
e a vaidade são o motivo. E isto, eu suplico-lhe que evite, para que possamos ser habilitados a evitar também todos
os outros males, e obtenha as boas coisas que são prometidas aos que O amam, em nosso Senhor Jesus Cristo, com
quem ao Pai, junto com o Espírito Santo, seja glória, força e honra para sempre. Um homem. A desolação não lhes
permite fugir para lá; e mesmo assim não desistem. Você vê que estas coisas não são feitas por causa do lucro, mas
em todos esses casos a loucura, o absurdo e a vaidade são o motivo. E isto, eu suplico-lhe que evite, para que possamos
ser habilitados a evitar também todos os outros males, e obtenha as boas coisas que são prometidas aos que O amam,
em nosso Senhor Jesus Cristo, com quem ao Pai, junto com o Espírito Santo, seja glória, força e honra para sempre.
Um homem. A desolação não lhes permite fugir para lá; e mesmo assim não desistem. Você vê que estas coisas não
são feitas por causa do lucro, mas em todos esses casos a loucura, o absurdo e a vaidade são o motivo. E isso, peço-
vos para evitar, que pode ser ativado para evitar também todos os outros males, e pode obter essas boas coisas que
estão prometidas para os que O amam, em nosso Senhor Jesus Cristo, com quem ao Pai, juntamente com o Espírito
Santo, seja glória, força e honra para sempre. Um homem. e pode obter as boas coisas que são prometidas aos que O
amam, em nosso Senhor Jesus Cristo, com quem ao Pai, juntamente com o Espírito Santo, seja glória, força e honra
para sempre. Um homem. e pode obter as boas coisas que são prometidas aos que O amam, em nosso Senhor Jesus
Cristo, com quem ao Pai, juntamente com o Espírito Santo, seja glória, força e honra para sempre. Um homem.

Notas de rodapé:

[192] [Meyer contra a versão Rev. e muitos estudiosos faz o significado aqui para ser: "Em quem foram alocados a
herança." Ele mostra que, como o pisteuein pode tomar como assunto, quando em voz passiva o dativo da construção
ativa, também pode kleroun que leva no ativo ativo .-- Veja também o verso 14, kleronomia .-- GA]

[193] "Por que ele chama a graça de Deus pelo nome de lote? Porque em muito não há escolha, mas a vontade de
Deus; para quando é dito, um homem faz, ele não, 'méritos são considerados e então há uma escolha, não muito. Mas
quando Deus não encontrou méritos nossos, Ele nos salvou pelo lote de Sua vontade, porque Ele quis, não porque nós
éramos dignos. Isto é muito, "& c. Agosto. no Salmo 30 . iii. 13

[194] [A referência de Meyer de hemas *** tous proelpikotas a cristãos judeus parece precária. Parece melhor fazer
com que os hemas se refiram aos cristãos em geral, os pro in proelpikotas referem-se ao tempo anterior ao segundo
advento e ao kai humeis aos leitores. Então De Wette e Theophylact. - GA]

[195] ["A consumação final da redenção efetuada pelo lutron de Cristo (v. 7.) na Parousia ( Lucas 21:28 ), quando o
sofrimento, o pecado e a morte são totalmente eliminados e na glorificação do corpo ali se estabelece a doxa dos
filhos de Deus. "- Meyer .-- GA]

[196] Vid. também Hom. pop do anúncio. Antioquia vii. barbatana. No entanto, em Act Apost. Hom. x. barbatana. ele
considera juramentos admissíveis para convencer os fracos. Santo Agostinho diz o mesmo, de Serm. Dom. Eu. 51.
respondendo assim pelas expressões de São Paulo, Romanos 1: 9 ; 1 Coríntios 15:31 ; 2 Coríntios 2:31 ; Gálatas 1:20 .

Efésios 1:15
Por isso também, depois de ter ouvido falar da vossa fé no Senhor Jesus e de amar a todos os santos,
"Por este motivo também eu, ouvindo a fé no Senhor Jesus Cristo, que está no meio de vós, e que mostrardes a todos
os santos, não deixes de dar graças por ti, fazendo menção de ti nas minhas orações; para que o Deus de nosso Senhor
Jesus Cristo, o Pai da glória, pode dar-te um espírito de sabedoria e revelação no conhecimento Dele: tendo os olhos
do teu coração iluminados, para que saibais qual é a esperança da sua vocação, quais as riquezas da glória de sua
herança nos santos, e que a grandeza de seu poder para com os que cremos, segundo a operação da força da sua
força, que ele operou em Cristo, quando o ressuscitou dentre os mortos. "
Nunca foi nada igual aos anseios do Apóstolo, nunca algo como a simpatia e a afeição do bendito Paulo, que fez todas
as suas orações em favor de cidades e povos inteiros, e escreve o mesmo para todos, [197] "Eu agradeço meu Deus
para você, fazendo menção de você em minhas orações ". Pense em quantos ele tinha em mente, de quem era um
trabalho a ponto de lembrar; quantas ele fez menção em suas orações, dando graças a Deus por todos eles como se
ele mesmo tivesse recebido a maior bênção.

"Portanto", ele diz, isto é, por causa do que está por vir, [198] por causa das coisas boas que estão guardadas para
aqueles que corretamente acreditam e vivem. E então é justo dar graças a Deus por todas as coisas que a humanidade
recebeu em Suas mãos, tanto antes como depois dela; e encontrar-se para dar-lhe graças também pela fé dos que
crêem.

"Tendo ouvido", diz ele, "da fé no Senhor Jesus, que está no meio de vós, e que mostrais [199] para com todos os
santos".

Ele em todas as ocasiões se une e combina fé e amor, um par glorioso; nem menciona apenas os santos daquele país,
mas todos.

"Eu paro de não agradecer por você, fazendo menção a você em minhas orações."

Qual é a tua oração e qual é o teu pedido? Isto é

"Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da Glória, possa dar-te um espírito de sabedoria e revelação."
[200] Duas coisas ele exige que eles entendam, como é seu dever compreendê-los; a que bênçãos eles são chamados
e como foram libertados de seu estado anterior. Ele diz, no entanto, ele mesmo, que esses pontos são três. Como
então eles são três? Para que possamos entender tocar as coisas por vir; pois das boas coisas que nos foram confiadas,
conheceremos Suas inefáveis e superadoras riquezas, e de entender quem éramos e como cremos, conheceremos Seu
poder e soberania, voltando a ser Ele mesmo aqueles que tinham sido tão longos tempo separado Dele, "Pois a
fraqueza de Deus é mais forte que os homens". ( 1 Coríntios 1:25.) Na medida em que é pelo mesmo poder pelo qual
Ele ressuscitou Cristo dos mortos, Ele também nos atraiu para Si mesmo. Tampouco esse poder é limitado à
ressurreição, mas excede em muito esse valor.

Efésios 1:16
Deixa de não agradecer por você, fazendo menção de você em minhas orações;
Efésios 1:17
Que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da Glória, possa dar-te o espírito de sabedoria e revelação no
conhecimento dele:
Efésios 1:18
Os olhos de sua compreensão sendo iluminados; para que saibais qual é a esperança da sua vocação e quais são as
riquezas da glória da sua herança nos santos.
Efésios 1:19
E qual é a suprema grandeza de seu poder para nós, que cremos, de acordo com a operação de seu grande poder,
Efésios 1:20
Que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dos mortos e defina -o em sua própria mão direita nos céus lugares ,
Efésios 1:21
Muito acima de todo principado, e poder, e poder, e domínio, e todo nome que é nomeado, não só neste mundo, mas
também naquilo que está por vir:
Ver. 21, 22. "E fê-lo sentar-se à sua direita, nos lugares celestiais, muito acima de todo domínio e autoridade, e poder
e domínio, e todo nome que é chamado: e sujeitou todas as coisas debaixo de seus pés, e deu a Ele para ser Cabeça
sobre todas as coisas para a Igreja, que é o Seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos ”.
Vastos são os mistérios e segredos dos quais Ele nos fez participantes. E não é possível para nós entendermos senão
sendo participantes do Espírito Santo e recebendo abundante graça. E é por essa razão que Paulo ora. "O Pai da Glória",
isto é, Aquele que nos deu vastas bênçãos, porque ele constantemente se dirige a Ele de acordo com o assunto que
ele está sobre, como, por exemplo, quando ele diz: "O Pai das misericórdias e Deus de todo conforto " ( 2 Coríntios 1:
3 ) E, novamente, o Profeta diz: "O Senhor é a minha força e o meu poder". ( Salmo 18: 1 )

"O pai da glória."

Ele não tem nome pelo qual possa representar essas coisas, e em todas as ocasiões as chama de "glória", que é, de
fato, conosco, o nome e apelação de todo tipo de magnificência. Marcos, ele diz, o Pai da glória; (cf. Atos 7: 2 ), mas
de Cristo, o Deus. [201] O que então? O filho é inferior à glória? Não, não há ninguém, nem mesmo um maníaco, diria
isso.

"Pode dar a você"

Isto é, pode elevar e ampliar seu entendimento, pois de outra forma não é possível entender essas coisas. "Porque o
homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque são loucura para ele". ( 1 Coríntios 2:14Então, há
necessidade de "sabedoria espiritual", para que possamos perceber as coisas espirituais, para que possamos ver as
coisas escondidas. Esse Espírito "revela" todas as coisas. Ele vai expor os mistérios de Deus. Agora o conhecimento dos
mistérios de Deus, somente o Espírito compreende, que também busca as coisas profundas dEle. Não se diz "esse
Anjo, ou Arcanjo, ou qualquer outro poder criado, pode dar", isto é, conferir-lhe um dom espiritual. E se isso for de
revelação, então é a descoberta de argumentos consequentemente vãos. Porque aquele que aprendeu a Deus e
conhece a Deus não mais terá que discutir a respeito de qualquer coisa. Ele não dirá: Isso é impossível, e isso é possível,
e como a outra coisa aconteceu? Se aprendermos a Deus, como devemos conhecê-lo; se aprendermos com Deus de
quem devemos aprendê-lo, isso é do próprio Espírito; então não devemos mais discutir sobre qualquer coisa. E é por
isso que ele diz:

"Tendo os olhos do seu coração iluminados no conhecimento Dele." [202]

Aquele que aprendeu o que Deus é, não terá nenhum receio acerca de Suas promessas, e descrença sobre o que já foi
realizado. Ele ora, então, para que lhes seja dado "um espírito de sabedoria e revelação". Ainda assim, ele também o
estabelece, tanto quanto ele próprio, por argumentos e por fatos "já" existentes. Pois, enquanto ele estava prestes a
mencionar algumas coisas que já haviam ocorrido e outras que ainda não haviam acontecido; ele faz aqueles que
foram levados a passar, um penhor daqueles que não têm: de alguma maneira, quero dizer, como isto,

"Para que saibais", diz ele, "qual é a esperança da sua vocação".

Ainda está, ele quer dizer, escondido, mas não para os fiéis.

"E", novamente, "quais são as riquezas da glória de Sua herança nos santos". [203]

Isso também é ainda escondido.

Mas o que é claro? que pelo seu poder nós cremos que Ele ressuscitou a Cristo. Pois persuadir as almas é algo muito
mais milagroso do que levantar um corpo morto. Esforçar-me-ei por esclarecer isso. Ouça então. Cristo disse aos
mortos: "Lázaro, sai para fora" ( João 11:43 ) e imediatamente ele obedeceu. Pedro disse: "Tabita, levante-se" ( Atos
9:40 ) e ela não recusou. Ele mesmo falará a palavra no último dia, e todos se levantarão, e tão rapidamente, que "os
que estiverem vivos não deverão, de modo algum, preceder os que dormem" (1 Tess. Iv. 15). e tudo acontecerá, todos
correm juntos "num momento, num abrir e fechar de olhos". ( 1 Coríntios 15:52.) Mas em matéria de acreditar, não é
assim, mas como é? Então, ouça novamente a Ele como Ele disse: "Quantas vezes eu teria reunido seus filhos e vocês
não." ( Mateus 23:37 ) Você percebe que este último é o mais difícil. Assim, é nisso que ele constrói todo o argumento;
porque, pelos cálculos humanos, é muito mais difícil influenciar a escolha do que trabalhar sobre a natureza. E a razão
é esta, é porque Ele nos faria assim tornar-nos bons de nossa própria vontade. Assim, com uma boa razão, ele diz,
[204]

"A grandeza excedente de Seu poder para nós, que cremos".


Sim, quando os Profetas não fizeram uso de nada, nem Anjos, nem Arcanjos, quando toda a criação, visível e invisível,
fracassou (o visível diante de nós e sem qualquer poder para nos guiar, e muito também que é invisível) então Ele
ordenou Sua própria vinda, para nos mostrar que era uma questão que requeria poder Divino.

"As riquezas da glória"

Ou seja, a glória inexprimível; qual linguagem deve ser adequada para expressar a glória da qual os santos serão então
participantes? Nenhum. Mas, na verdade, há necessidade de graça para que o entendimento possa percebê-lo e
admitir até mesmo ao menos um pequeno raio. Algumas coisas de fato sabiam mesmo antes; agora ele estava
desejoso de que eles deveriam aprender mais e saber mais claramente. Viu quantas coisas grandiosas ele fez? Ele
ressuscitou a Cristo. Isso é uma coisa pequena? Mas olhe de novo. Ele o pôs à sua direita. E qualquer idioma então
poderá representar isso? Aquele que é da terra, mais mudo do que os peixes, e fez o esporte dos demônios, em um
momento levantou-se no alto. Verdadeiramente esta é de fato a "grandeza excedente do Seu poder". E eis que ele o
criou.

"Nos lugares celestiais";

Ele O fez muito acima de toda a natureza criada, muito acima de todas as regras e autoridade.

"Muito acima de todas as regras", diz ele.

Precisa, então, de fato, existe o Espírito, um entendimento sábio no conhecimento Dele. Precisa, então, há realmente
de revelação. Reflita quão vasta é a distância entre a natureza do homem e de Deus. Contudo, desta propriedade vil,
Ele O exaltou àquela alta dignidade. Nem Ele monta por graus, primeiro um passo, depois outro, depois um terceiro.
Surpreendente! Ele não diz simplesmente "acima", mas "muito acima"; porque Deus está acima daqueles poderes que
estão acima. E lá, então, Ele O ressuscitou, Aquele que é um de nós, O trouxe do ponto mais baixo para a suprema
soberania, para aquele além do qual não há outra honra. Acima de "todo" principado, ele diz, não, ou seja, mais de
um e não de outro, mas acima de tudo,

"Regra e autoridade e poder, e domínio, e todo nome que é nomeado."

O que quer que haja no céu, Ele se tornou acima de tudo. E isto é dito dAquele que ressuscitou dos mortos que é digno
de nossa admiração; pois de Deus a Palavra, não pode ser possível, porque que insetos são em comparação com o
homem, esta toda a criação é em comparação com Deus. Se toda a humanidade for contada como saliva e contada
como a volta de um equilíbrio, considere os poderes invisíveis como insetos. Mas daquele que foi um de nós, isso é
grande e surpreendente de fato. Pois Ele o levantou das partes mais baixas da terra. Se todas as nações são como uma
gota, como uma porção pequena daquela gota é um homem solteiro! Todavia, Ele fez acima de todas as coisas "não
somente neste mundo, mas também naquilo que há de vir". Portanto, existem poderes cujos nomes nos são
ininteligíveis e desconhecidos.

"E pôs todas as coisas em sujeição debaixo dos pés dele."

Não simplesmente colocá-lo acima deles para ser honrado acima deles, nem em comparação com eles, mas para que
Ele se sentasse sobre eles como Seus escravos. Surpreendente! De fato são terríveis essas coisas; todo poder criado
tem sido feito escravo do homem por causa de Deus, a Palavra habitando Nele. [205] Pois é possível para um homem
estar acima dos outros, sem ter outros em sujeição, mas apenas como preferido antes deles. Mas aqui não é assim.
Não, "Ele sujeitou todas as coisas debaixo de seus pés". E não simplesmente colocá-los em sujeição, mas na sujeição
mais desprezível, aquela abaixo da qual não pode haver nenhuma. Portanto, ele acrescenta: "sob seus pés".

"E deu a ele para ser cabeça sobre todas as coisas para a Igreja."

Incrível novamente, para onde ele levantou a Igreja? como se ele estivesse levantando-o por um motor, ele o elevou
a uma grande altura e colocou-o no trono; porque onde está a cabeça, também há o corpo. Não há intervalo para
separar a Cabeça e o corpo; porque havia separação, então não era mais um corpo, então não era mais uma cabeça.
"Acima de tudo", diz ele. O que significa "sobre todas as coisas"? Ele não sofreu nem o Anjo, nem o Arcanjo, nem
qualquer outro ser para estar acima dele. Mas não somente assim Ele nos honrou, exaltando o que é de nós mesmos,
mas também em que Ele preparou toda a raça em comum para segui-Lo, para se apegar a Ele, para acompanhar a Sua
jornada.

"Qual é o corpo dele."

A fim de que, quando você ouvir falar da Cabeça, você não possa conceber a noção de supremacia apenas, mas
também de consolidação, e que você possa vê-Lo não apenas como Regente Supremo, mas como Cabeça de um corpo.

"A plenitude daquele que cumpre tudo em todos", diz ele.

Como se isso não fosse suficiente para mostrar a estreita conexão e relacionamento, o que ele adiciona? "A plenitude
de Cristo é a Igreja". E com razão, o complemento da cabeça é o corpo e o complemento do corpo é a cabeça. Marque
que grande arranjo Paul observa, como ele não poupa uma única palavra, para que ele possa representar a glória de
Deus. "O complemento", diz ele, isto é, a cabeça é, por assim dizer, preenchida pelo corpo, porque o corpo é composto
e composto de todas as suas várias partes, e ele o apresenta como tendo necessidade de cada um deles. e não apenas
de todos em comum e juntos; porque, a menos que sejamos muitos, e um seja a mão, e outro o pé, e outro outro
membro, todo o corpo não está cheio. É por todos então que Seu corpo está cheio. Então é a cabeça preenchida, então
o corpo é perfeito, quando estamos todos juntos e unidos. Percebeste então as "riquezas da glória da sua herança? A
suprema grandeza do seu poder para com os que crêem? A esperança do seu chamado?"

Moral. Vamos reverenciar nossa cabeça, vamos refletir sobre o que uma cabeça nós somos o corpo, uma cabeça, a
quem todas as coisas são postas em sujeição. De acordo com esta representação, devemos ser melhores, sim, do que
os próprios anjos, e maiores do que os Arcanjos, na medida em que fomos honrados acima de todos eles. Deus "não
se apegou a anjos", como ele diz por escrito aos hebreus, "mas tomou a semente de Abraão". ( Hebreus 2:16.) Ele não
tomou nem principado nem poder, nem domínio, nem qualquer outra autoridade, mas Ele assumiu a nossa natureza
e fez isto para se sentar à Sua direita. E por que eu digo, ele fez sentar? Ele fez a sua veste, [206] e não só isso, mas
colocou todas as coisas em sujeição sob seus pés. Quantos tipos de morte você supor? Quantas almas? dez mil? sim,
e dez mil vezes contadas, mas nada igual a isso você mencionará. Duas coisas Ele fez, as maiores coisas. Ele próprio
desceu ao mais baixo nível de humilhação e elevou o homem ao auge da exaltação. Ele salvou-o pelo seu sangue. Ele
falou do primeiro primeiro, como Ele se humilhou a si mesmo. Ele fala agora do que é mais forte que isso - uma grande
coisa, a coroa de todos. Certamente, mesmo se tivéssemos sido considerados dignos de nada, bastava. Ou, se
tivéssemos sido considerados dignos mesmo desta honra, bastaria, sem o assassinato do Filho. Mas onde há os dois,
que poder da linguagem não deve transcender e superar? A própria ressurreição não é grande, quando reflito sobre
essas coisas. É Dele que ele diz: "O Deus de nosso Senhor Jesus Cristo", não de Deus, a Palavra.

Vamos nos sentir maravilhados com a proximidade de nossa relação, tenhamos medo de que alguém seja separado
deste corpo, para que ninguém caia dele, para que ninguém pareça indigno dele. Se alguém colocasse um diadema
sobre a nossa cabeça, uma coroa de ouro, não deveríamos fazer tudo o que parecesse digno das jóias sem vida? Mas
agora não é um diadema que é sobre a nossa cabeça, mas, o que é muito maior, Cristo é feito nosso próprio Cabeça,
e ainda assim não prestamos atenção a ele. No entanto, os Anjos reverenciam aquela Cabeça, e Arcanjos, e todos
aqueles poderes acima. E será que nós, que somos Seu corpo, não seremos admirados nem por uma conta nem por
outra? E qual então será nossa esperança de salvação? Conceba para si mesmo o trono real, conceba o excesso da
honra. Isso, pelo menos se escolhêssemos, poderia mais nos surpreender, até mesmo do que o próprio inferno. Para,
mesmo que o inferno não fosse, que nós fomos honrados com tal honra, deveria ser achado básico e indigno disto,
que castigo, que vingança não deve levar isto com isto? Pense perto de quem a tua Cabeça está sentada, (esta única
consideração é amplamente suficiente para qualquer propósito, qualquer), em cuja mão direita Ele está colocado,
muito acima de todo principado, e poder e poder. No entanto, o corpo desta Cabeça é pisoteado pelos próprios
demônios. Não, Deus não permita que seja assim; pois assim fosse, tal corpo poderia ser o Seu corpo não mais. Tua
própria cabeça, o mais respeitável dos teus servos reverência, e tu submetes teu corpo para ser o esporte daqueles
que o insultam? Quão dolorosa punição então tu não mereces? Se um homem deve amarrar os pés do imperador com
amarras e grilhões, não será ele responsável pela extremidade da punição? Você expõe todo o corpo a monstros
ferozes e não estremece?

No entanto, visto que nosso discurso é concernente ao corpo do Senhor, venha, e deixe-nos voltar nossos
pensamentos para ele, mesmo aquele que foi crucificado, que foi pregado, o qual é sacrificado. [207] Se tu és o corpo
de Cristo, carrega a Cruz, pois Ele a carrega: cuspa, bofetadas, unhas de urso. Tal era esse Corpo; esse Corpo "não
pecou, nem se achou engano em Sua boca". (1 Ped. Ii. 22.) Suas mãos faziam tudo para o benefício de todos que
necessitavam, Sua boca proferiu não uma palavra daquelas coisas que não são convenientes. Ele os ouviu dizer: "Tens
demônio", e ele não respondeu nada.

Além disso, nosso discurso é concernente a este Corpo, e como muitos de nós participamos daquele Corpo e sabor
daquele Sangue, estamos participando daquilo que não é de maneira alguma diferente daquele Corpo, nem separado.
Considere que nós provamos daquele Corpo que está acima, que é adorado pelos Anjos, que está ao lado do Poder
que é incorruptível. Ai! quantas maneiras de salvação estão abertas para nós! Ele nos fez o seu próprio corpo, nos
transmitiu o seu próprio corpo, e contudo nenhuma dessas coisas nos afasta do que é mau. Oh a escuridão, a
profundidade do abismo, a apatia! "Defina sua mente", diz ele, "nas coisas que estão acima, onde Cristo está sentado
à direita de Deus". ( Colossenses 3: 1 ) E, depois de tudo isso, alguns atribuem suas afeições ao dinheiro, ou
licenciosidade, outros são levados cativos por suas paixões!

Não vedes que, mesmo em nosso próprio corpo, quando qualquer parte é supérflua e inútil, é cortada, é cortada? Não
adianta pertencer ao corpo, quando é mutilado, quando está mortificado, quando está decaído, quando é prejudicial
ao resto. Não nos deixe então muito confiantes, porque nós já fomos feitos membros deste corpo. Se este nosso corpo,
embora seja um corpo natural, sofre uma amputação, que mal terrível não sofrerá se o princípio moral falhar? Quando
o corpo não faz parte deste alimento natural, quando os poros são entupidos, ele se mortifica; quando os dutos estão
fechados, é paralisado. Assim é também conosco, quando paramos nossos ouvidos, nossa alma fica paralisada; quando
não participamos do alimento espiritual, quando, em vez de humores corpóreos corruptos, as disposições más nos
prejudicam, Todas essas coisas geram doenças, doenças perigosas, doenças que se desgastam. E então haverá
necessidade desse fogo, haverá necessidade de que o corte em pedaços. Porque Cristo não pode suportar que
devemos entrar na câmara da noiva com um corpo como este. Se ele levar embora, e expulsar o homem que estava
vestido de vestes imundas, o que não fará ao homem que amarra a imundícia ao corpo; como não se livrará dele?

Eu observo muitas participações do Corpo de Cristo de maneira leve e justa, e sim do costume e da forma, do que
consideração e compreensão. Quando, diz um homem, a época santa da quaresma se instala, seja o que for que um
homem seja, ele participa dos mistérios, ou, quando chega o dia da Epifania do Senhor [208]. E, no entanto, não é a
Epifania, nem é a Quaresma, que faz um tempo adequado para se aproximar, mas é sinceridade e pureza de alma.
Com isso, a abordagem em todos os momentos; sem isso, nunca. "Como sempre" ( 1 Coríntios 11:26.) diz ele, "como
fazeis isto, ye proclama a morte do Deus", ie, "ye faz uma lembrança da salvação que foi forjado para você, e dos
benefícios que eu dei." Considere aqueles que participaram dos sacrifícios sob o antigo Pacto, quão grande abstinência
eles praticavam? Como eles não se comportaram? O que eles não realizaram? Eles estavam sempre se purificando. E
tu, quando te aproximas de um sacrifício, no qual os próprios anjos tremem, medes o assunto pelas revoluções das
estações? e como te apresentas diante do tribunal de Cristo, tu que presumivelmente sobre o Seu corpo com mãos e
lábios poluídos? Não ousarás beijar um rei com uma boca suja, e o rei do céu te beijará com uma alma imunda? É um
ultraje. Conte-me, Você escolheria vir ao Sacrifício com mãos não lavadas? Não, suponho que não. Mas preferiria não
vir de todo, do que com mãos sujas. E então, assim escrupuloso como tu és nesta pequena questão, tu vens com alma
suja, e assim ousa tocá-la? E ainda assim as mãos seguram-na, mas por um tempo, enquanto na alma ela é dissolvida
inteiramente. Que não vedes os vasos sagrados tão completamente limpos, tão resplandecentes? Nossas almas devem
ser mais puras do que elas, mais santas, mais brilhantes. E por que isso? Porque esses navios são feitos assim por nossa
causa. Não participam daquele que neles está, não o percebem. Mas nós fazemos, sim, em verdade. Agora, então,
você não escolheria fazer uso de um vaso sujo, e você se aproximaria de uma alma suja? Observe a grande
inconsistência da coisa. Nos outros tempos, vós não chegareis, não, ainda que muitas vezes fiques limpo; mas, na
Páscoa, por mais flagrante que tenha cometido, você vem. Oh! a força do costume e do preconceito! Em vão é o
sacrifício diário, [209] em vão nos colocamos diante do altar; não há ninguém para participar. Estas coisas eu estou
dizendo, não para induzi-lo a participar de qualquer forma, mas que vocês devem se tornar dignos de participar. Não
és digno do sacrifício nem da participação? Se sim, então nem tu és da oração. Tu ouves o arauto, [210] em pé e
dizendo: "Todos quantos estão em penitência, todos oram". [211] Como muitos que não participam, estão em
penitência. Se és daqueles que estão em penitência, não deves participar; porque quem não participa é um dos que
estão em penitência. Por que então ele diz: "Parta,

Olhe, eu: suplico: uma mesa real está colocada diante de você, os anjos ministram naquela mesa, o próprio rei está
ali, e você fica de boca aberta? [212] As tuas vestes estão contaminadas e, no entanto, não fazes conta dela? Ou estão
limpas? Então caia e participe. Todos os dias Ele vem para ver os convidados e conversa com todos eles. Sim, neste
momento ele está falando à sua consciência; "Amigos, como vocês estão aqui, não tendo em uma roupa de
casamento?" Ele não disse: Por que você se sentou? não, antes que ele se sentasse, Ele declarou que ele era indigno,
tanto quanto entrar. Ele não disse: "Por que você se sentou para comer", mas "Por que você entrou?" E estas são as
palavras que Ele está neste exato momento endereçando a um e todos nós que estamos aqui com tal afronta
descarada. Para cada um, que não participa dos mistérios, está de pé aqui em descarada descarada. É por essa razão
que os que estão em pecado são, antes de tudo, apresentados; pois assim como quando um mestre está presente à
sua mesa, não é certo que aqueles servos que o ofenderam estejam presentes, mas eles são enviados para fora do
caminho: assim também aqui quando o sacrifício é trazido, e Cristo, as ovelhas do Senhor são sacrificadas; quando
ouves as palavras: "oremos juntos", quando tu vê as cortinas arrumadas, então imagina que os Céus são descidos de
cima, e que os anjos estão descendo! mas eles são enviados para fora do caminho: assim também aqui quando o
sacrifício é gerado, e Cristo, o rebanho do Senhor, é sacrificado; quando ouves as palavras: "oremos juntos", quando
tu vê as cortinas arrumadas, então imagina que os Céus são descidos de cima, e que os anjos estão descendo! mas
eles são enviados para fora do caminho: assim também aqui quando o sacrifício é gerado, e Cristo, o rebanho do
Senhor, é sacrificado; quando ouves as palavras: "oremos juntos", quando tu vê as cortinas arrumadas, então imagina
que os Céus são descidos de cima, e que os anjos estão descendo!

Como, então, não é certo que qualquer um dos não-iniciados esteja presente, tampouco um deles é iniciado e, ao
mesmo tempo, corrompido. Diga-me, suponha que alguém fosse convidado para um banquete e lavasse as mãos,
sentasse e estivesse pronto para a mesa e, afinal, recusasse-se a participar; ele não está insultando o homem que o
convidou? Não seria melhor que um tal nunca tivesse vindo? Agora é exatamente da mesma maneira que você veio
aqui. Cantou o hino com o resto: declaraste-te como um dos que são dignos, não deixando com eles os indignos. Por
que ficar e ainda não participar da mesa? Eu sou indigno, você dirá. Então tu também és indigno daquela comunhão
que tu tens em orações. Pois não é somente por meio das ofertas, mas também por meio desses cantos que o Espírito
desce ao redor. Não vemos nossos próprios criados, primeiro vasculhando a mesa com uma esponja e limpando a
casa, e então estabelecendo o entretenimento? Isto é o que é feito pelas orações, pelo grito do arauto. Nós
vasculhamos a Igreja, por assim dizer, com uma esponja, para que todas as coisas possam ser colocadas em uma igreja
pura, para que não haja "nem mancha nem ruga". (Efésios 5:27 .) Indignos, de fato, nossos olhos destas visões e
indignos são nossos ouvidos! "E se até mesmo uma besta", é dito: "tocar a montanha, será apedrejado". ( Êxodo
19:13.) Assim, eles não eram tão dignos de pôr os pés nele, e ainda depois ambos se aproximaram e viram onde Deus
estava. E depois podes aproximar-te e ver: quando, porém, estiver presente, parta. Tu não é mais permitido estar aqui
do que o Catechumen é. Pois não é a mesma coisa nunca ter alcançado os mistérios, e quando tu os alcançaste,
tropeçar neles e desprezá-los, e te fazer indigno disto. Pode-se entrar em mais pontos e os mais terríveis ainda; no
entanto, não sobrecarregar o seu entendimento, isso será suficiente. Aqueles que não são trazidos a seus sentidos
certos com estes, certamente não estarão com mais.

Para que eu não seja o meio de aumentar sua condenação, suplico a vocês que não deixem de vir, mas que se tornem
dignos de estar presentes e de se aproximarem. Diga-me, qualquer rei que desse ordem e dissesse: "Se alguém fizer
isso, coma da minha mesa"; digamos, você não faria tudo o que podia para ser admitido? Ele nos convidou para o céu,
para a mesa do grande e maravilhoso Rei, e nós nos encolhemos e hesitamos, em vez de nos apressarmos e corrermos
para ela? E então, qual é a nossa esperança de salvação? Não podemos colocar a culpa em nossa fraqueza; nós não
podemos em nossa natureza. É a indolência e nada mais que nos torne indignos.

Até agora eu falei de mim mesmo. Mas o que fere o coração, Aquele que der o Espírito de remissão, furará os vossos
corações e semeará as sementes no fundo deles, para que, pelo seu temor, concebais e produzis o espírito de salvação,
e chegue perto com ousadia. Pois, "teus filhos", é dito, "são como olivais ao redor de tua mesa". ( Salmo 128: 3.) Então,
não haja nada velho, nada selvagem, nada áspero. Pois desse tipo são as plantas jovens que são adequadas para a
fruta, para a fruta bonita, fruta que eu quero dizer da oliveira. E prósperos são, de modo que todos estejam ao redor
da mesa e se reúnem aqui, não em vão ou por acaso, mas com medo e reverência. Pois assim ouviseis com ousadia o
próprio Cristo no céu e sereis considerados dignos daquele reino celestial, que Deus conceda a todos nós alcançarmos,
em Jesus Cristo, nosso Senhor com quem ao Pai, juntamente com o Espírito Santo, seja glória, poder, honra, agora e
sempre, e por eras de séculos. Um homem.

Notas de rodapé:

[197] [ Romanos 1: 9 ; 1 Coríntios 1: 4 ; Philip. Eu. 3, 4; Colossenses 1: 3 ; 1 Tessalonicenses 1: 2 .-- GA]

[198] ["Pelo contrário, este, portanto, 'dia touto, refere-se ao que precede a ver. 13, 14, porque este é o caso que vós
também estão em Cristo e foram selados com o Espírito." Então Theophylact. "- Meyer .-- GA]
[199] [A palavra amor, 'agapen, que entra no Auth. Ver. de algum mss inferior, é omitido por Aleph. ABW e H. Rev.
Vers. cf. Colossenses 1: 4 - GA]

[200] [O tratamento precipitado e superficial de Crisóstomo desta grande passagem parece justificar a linguagem do
Dr. Newman em seu prefácio à tradução de Oxford dessas homilias sobre Efésios. Há "imperfeições em sua composição
que, na opinião de alguns críticos, argumentavam a ausência desse lazer comparativo que ele desfrutava em
Antioquia". Schaff também diz: "Sua vida em Constantinopla foi perturbada demais para deixá-lo tranquilo para se
preparar." Isto, no entanto, em se referir às suas Homilias sobre Atos. Prolegomena p. 19 .-- GA

[201] [Compare Mateus 27:46 ; João 20:17 ; Apocalipse 3:12 .

[202] ["As palavras, no conhecimento Dele," enepi gnhosei autou, não devem ser unidas com as palavras tendo seu
coração iluminado, "como Crisóstomo aqui, que destrói inteiramente o paralelismo e a simetria da sentença, mas com
as palavras, podem dar-lhe um espírito de sabedoria, etc., (no conhecimento Dele). "- Meyer e Ellicott - GA]

[203] ["Para que saibais que grande e gloriosa esperança é dada ao homem a quem Deus chamou para o Reino do
Messias; e para que saibais qual é o objeto dessa esperança, a saber, as riquezas do glória da herança que Ele dá, e
que sabereis aquilo pelo qual esta esperança deve ser realizada, ou seja, o infinito poder de Deus, como mostrado na
ressurreição e exaltação de Jesus Cristo. "- Meyer - GA]

[204] 'Echontas.

[205] Dia ton enoikounta Theon Logon. A habitação da palavra em nossa carne era uma forma favorita de falar com
os nestorianos, que assim insinuaram que a Palavra habitava em um homem, ou negava a unidade de pessoa de Cristo.
No entanto, a frase é estritamente ortodoxa, como sendo derivada de João 1:14 , e é especialmente mantida por Cirilo,
o antagonista de Nestório, a fim de denotar que Deus estava na natureza humana, 'vid. Cyril em Schol. 25. Theodor.
Eran. ii. Ephr? M. Antioquia apud Phot. 229

[206] Imation. Assim, Cyril Alex. fala de Cristo como vestido "com a nossa natureza. Em sucesso. 2 p. Vid. também
epífita. Ancor. ? 95. Agostinho no Salmo 130 .. 10. Este, assim como outros termos teológicos, foi abusado por disputas
heréticas; como se implicasse que a masculinidade de Cristo poderia ser adiada de Sua natureza divina, ou que era um
mero meio acidental e insubstancial de manifestá-la.

[207] Thuomenou.

[208] Este foi o grande festival da Igreja Grega, sendo em memória do Batismo do nosso Senhor, e, como parece, de
seu nascimento, inclusive. O festival de Natal, que estava em uso no Ocidente desde uma data anterior, foi introduzido
em Antioquia em 376 dC, com muita oposição. Crisóstomo, 387 dC, conclama sua devida celebração em seu Hom. de
Beato Philogon e Serm. em Diem Natal. JC

[209] [Sobre a visão de Crisóstomo do sacrifício eucarístico, ver Prolegomena, p. 21, nota .-- GA]

[210] ou seja, o diácono, Athanasios prostaxas diakono keruxai euchen ktl Socr. Hist. ii. 11. id qu. anaginoskein, Athan.
de fug 24.

[211] Vid. Bingh. Antiqu. xiii. 2. e xiv. 5. [O texto aqui parece estar corrompido, o texto de Field é: "tantos quantos
estão em penitência, todos rezam", (deethete pantes), que é evidentemente inconsistente com o contexto. O texto
provavelmente deveria ser: "Todos os que estão em penitência partem; quantos não estiverem em penitência, orem
a todos". Assim Field sugere em uma nota dizendo: Locus corruptus videtur, sic fortasse redintegrandus: hosoi en
metanoi & 139; apelthete, hosoime em metanoia deethete pantes .-- GA]

[212] Vid. Bingh. Antiqu. xv. 2

[213] anfithura, cortinas diante do coro ou altar, vid. Chrysost. em Matt. Hom. 84. fin. onde, no entanto, não tem o
sentido eclesiástico, Epiphan. Epist. 51. 9. apud Hieron, ed. Vallars. onde a cortina tinha uma figura de Cristo ou algum
Santo (ao qual Epifânio se opõe) vid. também Evagr. Hist. vi. 21
[214] O Hino Angélico, Santo, Santo, Santo, vid. Chrysost. em 2 Cor. om. 18. Cirilo Hieros Myst. v. 6.
◄ Efésios 2 ►
Homilias de Crisóstomo
Efésios 2: 1
E tu vivificou ele , que estava morto em delitos e pecados;
"E você fez Ele vivificar, quando você estava morto através de suas transgressões e pecados, em que andou
anteriormente, de acordo com o curso deste mundo, de acordo com o príncipe do poder do ar, do espírito que agora
opera nos filhos de desobediência, entre os quais também todos nós vivemos uma vez, nas concupiscências da nossa
carne, fazendo os desejos da carne e da mente, e eram por natureza filhos da ira, como os demais.
Existe, sabemos, um corporal, e há também um espiritual que está morrendo. [215] Dos primeiros não é crime
participar, nem há qualquer perigo nisso, na medida em que não há culpa ligada a ele, pois é uma questão de natureza,
não de escolha deliberada. Ela teve sua origem na transgressão do primeiro homem criado e, daí em diante, em sua
edição, passou para uma natureza e, em todos os casos, será rapidamente levada a um término; enquanto que este
morrer espiritual, sendo uma questão de escolha deliberada, tem criminalidade e não tem fim. Observe então como
Paulo, tendo já mostrado quão extraordinariamente grande é, de tal maneira que curar uma alma amortecida é uma
coisa muito maior do que ressuscitar os mortos, de modo que agora, mais uma vez, estabelece isso em toda a sua
grandeza real.

"E tu", diz ele "quando estavas morto através das vossas transgressões e pecados, em que andastes antigamente
segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe do poder do ar, do espírito que agora opera nos filhos de
desobediência ". Você observa a gentileza de Paulo, e como em todas as ocasiões ele encoraja o ouvinte, não
suportando muito a ele. Pois enquanto ele dissera: Chegastes ao último grau de iniqüidade (pois tal é o significado de
tornar-se morto) para que ele não os angustije excessivamente, [216] (porque os homens são envergonhados quando
suas más ações anteriores são trazidos para a frente, embora sejam cancelados e não são mais vistos com perigo; ele
lhes dá, por assim dizer, um cúmplice, que não se pode supor que o trabalho é todo deles, e que esse cúmplice é
poderoso. E quem é então isso? O diabo. Ele faz o mesmo também na Epístola aos Coríntios, onde, depois de dizer:
"Não se engane, nem fornicadores, nem idólatras" (1 Coríntios 6: 9. ) E depois de enumerar todos os outros vícios, e
acrescentando em conclusão, "herdará o reino de Deus"; ele então acrescenta: "e tais foram alguns de vocês"; ele não
diz absolutamente "você era", mas "alguns de vocês eram", isto é, assim, de alguma forma, você era. Aqui os hereges
nos atacam. Eles nos dizem que essas expressões ("príncipe de todo o poder do ar", etc.) são usadas com referência a
Deus, e soltando sua língua desenfreada, elas se encaixam nessas coisas para Deus, que pertencem apenas ao Diabo.
Como então devemos colocá-los em silêncio? Pelas próprias palavras que eles mesmos usam; porque, se é justo, como
eles mesmos permitem, e ainda assim fizeram estas coisas, este já não é o ato de um ser justo, mas sim de um ser
mais injusto e corrompido;

Além disso, por que ele chama o diabo de "o príncipe" do mundo? Porque quase toda a raça humana se rendeu a ele
e todos estão de boa vontade e deliberadamente escolhendo seus escravos. E a Cristo, apesar de prometer bênçãos
incontáveis, nem ninguém dá ouvidos; enquanto para o diabo, embora prometendo nada do tipo, mas enviá-los para
o inferno, todos se renderem. Seu reino então está neste mundo, e ele tem, com poucas exceções, mais súditos e
assuntos mais obedientes que Deus, em conseqüência de nossa indolência.

"De acordo com o poder", diz ele, "do ar, do espírito". [217]

Aqui, novamente, ele quer dizer que Satanás ocupa o espaço sob o Céu e que os poderes incorpóreos são espíritos do
ar, sob sua operação. Para que seu reino seja desta época, ou seja, cessará com a era atual, ouça o que ele diz no final
da epístola; "Nosso wrestling não é contra carne e sangue, mas contra os principados, contra poderes, contra os
governantes mundiais desta escuridão;" ( Efésios 6:12 ) onde, para que, quando se ouvir falar de governantes do
mundo, você deva dizer que o Diabo não foi criado, ele em outro lugar ( Gálatas 1: 4 ) chama um tempo perverso, "um
mundo mau". criaturas. Pois ele me parece, tendo domínio sob o céu, não ter caído de seu domínio, mesmo após sua
transgressão.

"Isso agora funciona", diz ele, "nos filhos da desobediência".

Você observa que não é pela força, nem pela compulsão, mas pela persuasão, ele nos conquista; "desobediência" ou
"falta de atratividade" é a palavra dele, como se alguém dissesse, por engano e persuasão, ele atrai todos os seus
devotos para si mesmo. E ele não apenas dá uma palavra de encorajamento dizendo que eles têm um associado, mas
também se classificando com eles, pois ele diz:
"Entre os quais também todos nós vivemos."

"Tudo", porque ele não pode dizer que qualquer um é exceção.

"Nos desejos da nossa carne, fazendo os desejos da carne e da mente, e eram por natureza filhos da ira, como os
demais."

Isto é, não tendo afetos espirituais. No entanto, para que ele não calunie a carne, ou para que não se suponha que a
transgressão não foi grande, observe como ele guarda o assunto,

"Fazendo", diz ele, "os desejos da carne e da mente".

Ou seja, as paixões prazerosas. Nós provocamos a ira de Deus, diz ele, nós o provocamos à ira, éramos a ira e nada
mais. Porque, assim como quem é filho do homem é por natureza homem, assim também nós, filhos da ira, somos
como filhos; ou seja, ninguém estava livre, mas todos nós fizemos coisas dignas de ira.

Ver. 4. "Mas Deus, sendo rico em misericórdia."

Não apenas misericordioso, mas rico em misericórdia; como se diz também em outro lugar; "Na multidão das tuas
misericórdias." ( Salmo 69:17 ) E novamente: "Tem misericórdia de mim, segundo a multidão das tuas misericórdias."
( Salmo 51: 1 )

Ver. 4. "Por seu grande amor, [219] com o qual ele nos amou."

Por que ele nos ama? Porque estas coisas não são merecedoras de amor, mas da mais severa ira e castigo. E assim foi
de grande misericórdia.

Ver. 5. "Mesmo quando estávamos mortos em nossos delitos, Ele nos vivificou junto com Cristo".

Mais uma vez é Cristo introduzido, e é uma questão bem digna de nossa crença, porque se as primícias viverem, nós
também. Ele despertou a Ele e a nós. Vês que tudo isto é dito de Cristo encarnado? Contempla a "grandeza suprema
de seu poder para com aqueles que crêem?" ( Efésios 1:19 ) Os que estavam mortos, aqueles que eram filhos da ira,
apressaram-se. Contempla a esperança de seu chamado?

Ver. 6. "Ele nos ressuscitou com Ele e nos fez sentar com Ele".

Observa a glória da sua herança? Que "Ele nos criou juntos" é claro. Mas que Ele "nos fez sentar-se com Ele nos lugares
celestiais em Cristo Jesus", como isso é válido? É tão verdadeiro quanto Ele nos criou juntos. Porque ainda ninguém é
levantado, [220] com a exceção de que, assim como o Cabeça ressuscitou, nós também somos ressuscitados, assim
como na história, quando Jacó fez reverência, sua esposa também fez reverência a José. ( Gênesis 37: 9, 10.) E assim,
da mesma forma "também nos fez sentar com ele." Pois desde que o Cabeça está sentado, o corpo também se assenta
e, portanto, acrescenta "em Cristo Jesus". Ou então, se isso significa, não isso, significa que pela pia do Batismo Ele
nos "ressuscitou com Ele". Como então, nesse caso, Ele nos "fez sentar com Ele?" Porque, diz ele, "se sofrermos,
também reinaremos com ele" ( 2 Timóteo 2:12 ). Se morrermos com Ele, também viveremos com Ele.
Verdadeiramente há necessidade do Espírito e da revelação, a fim de compreender a profundidade desses mistérios.
E então, para que você não tenha desconfiança sobre o assunto, observe o que ele acrescenta mais adiante.

Ver. 7. "Para que, nos séculos vindouros, Ele possa mostrar as riquezas excedentes da Sua graça, com bondade para
conosco, em Cristo Jesus".

Considerando que ele tinha estado falando das coisas que concerniam a Cristo, e estas poderiam ser nada para nós,
(para o que, pode ser dito, é para nós, que Ele ressuscitou), portanto ele mostra que elas se estendem além de nós,
na medida em que como ele é feito um conosco. Só que a nossa preocupação no assunto ele afirma separadamente.
"Nós", diz ele, "que estavam mortos através das nossas ofensas Ele levantou com Ele, e nos fez sentar com Ele".
Portanto, como eu estava dizendo, não seja incrédulo, aceite a demonstração que ele faz tanto de coisas antigas como
de sua liderança, e também de seu desejo de mostrar sua bondade. Pois como Ele mostrará isto, a menos que isto
venha a acontecer? E Ele mostrará isto nas eras vindouras. O que? que as bênçãos são grandes e mais certas que
qualquer outra. Por ora, as coisas que são ditas podem parecer insensatas aos incrédulos; mas então todos os
conhecerão. Você também entenderia como Ele nos fez sentar junto com Ele? Ouça o que o próprio Cristo diz aos
discípulos: "Vocês também se sentarão em doze tronos, julgando as doze tribos de Israel". (Mateus 19:28 .) E também:
"Mas sentar-se à minha direita e à minha esquerda não está a minha para dar, mas é para aqueles para quem foi
preparado o Pai". ( Mateus 20:23 ) De modo que foi preparado. E bem diz ele, "com bondade para conosco em Cristo
Jesus", pois sentar-se à Sua mão direita é a honra acima de toda honra, é aquilo além do qual não há outro. Isto então
ele diz, que mesmo nós nos sentaremos lá. Verdadeiramente esta é a superação de riquezas, superando
verdadeiramente a grandeza do Seu poder, para nos fazer sentar com Cristo, Sim, teve dez mil almas, não as perderias
por amor a ele? Sim, querias entrar nas chamas, não deves suportá-lo prontamente? E Ele mesmo também disse
novamente: "Onde eu estou, também meu servo estará". ( João 12:.) Por que seguramente fostes cortados em
pedaços todos os dias, não devereis, por causa dessas promessas, abraçá-lo alegremente? Pense, onde ele está
sentado? acima de tudo principado e poder. E com quem estás sentado? Com ele. E quem tu és? Um morto, por
natureza, filho da ira. E que bem fizeste? Nenhum. Realmente agora é hora de exclamar: "Ó profundidade da riqueza,
tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus!" ( Romanos 11:33 )

Efésios 2: 2
Em que tempos passados caminhaste de acordo com o curso deste mundo, segundo o príncipe do poder do ar, o
espírito que agora opera nos filhos da desobediência:
Efésios 2: 3
Entre os quais também todos nós tivemos nossa conversa em tempos passados nos desejos de nossa carne, cumprindo
os desejos da carne e da mente; e eram por natureza filhos da ira, como os outros.
Efésios 2: 4
Mas Deus, que é rico em misericórdia, por seu grande amor com o qual ele nos amou,
Efésios 2: 5
Mesmo quando estávamos mortos em pecados, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos;)
Efésios 2: 6
E nos fez levantar, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus.
Efésios 2: 7
Para que, nos séculos vindouros, mostrasse as grandíssimas riquezas da sua graça, pela sua bondade para conosco por
meio de Jesus Cristo.
Efésios 2: 8
Porque pela graça sois salvos pela fé; e isto não vem de vós , é dom de Deus:
Ver. 8. "Por graça", diz ele "vocês foram salvos". [221]
A fim de que a grandeza dos benefícios concedidos não a levante muito, observe como ele a derruba: "pela graça sois
salvos", diz ele,

"Pela fé"

Então, que, por outro lado, nosso livre-arbítrio não seja prejudicado, ele acrescenta também a nossa parte no trabalho,
e mais uma vez cancela, e acrescenta:

"E isso não de nós mesmos."

Nem é fé, [222] ele significa "de nós mesmos". Porque se Ele não tivesse vindo, não nos tivesse chamado, como
pudemos acreditar? porque "como", diz ele, "acreditarão, a menos que ouçam?" ( Romanos 10:14 ) Para que a obra
da fé não seja a nossa.

"É o presente", disse ele, "de Deus", "não é das obras".

A fé então, você dirá, é suficiente para nos salvar? Não; mas Deus, diz ele, exigiu isso, para que não nos salvasse, estéril
e sem trabalho algum. Sua expressão é que a fé salva, mas é porque Deus assim deseja, que a fé salva. Como, como
me diz, a fé salva, sem obras? Isso em si é o dom de Deus.

Ver. 9. "Que ninguém deve se gloriar."


Que ele possa excitar em nós o sentimento apropriado de tocar este dom da graça. "O que então?" diz um homem:
"Ele mesmo impediu que fôssemos justificados pelas obras?" De jeito nenhum. Mas ninguém, diz ele, é justificado
pelas obras, a fim de que a graça e a benevolência de Deus sejam mostradas. Ele não nos rejeitou como tendo obras,
mas como abandonou as obras, nos salvou pela graça; para que de agora em diante nenhum homem tenha de que se
gloriar. E então, para que, quando ouves que toda a obra é realizada não de obras, mas de fé, deves tornar-te ocioso,
[223] observar como ele continua,

Ver. 10. "Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus preparou para que
andássemos nelas."

Observe as palavras que ele usa. Ele aqui alude à regeneração, que é na realidade uma segunda criação. Nós fomos
trazidos da não-existência para o ser. Quanto ao que éramos antes, isto é, o velho homem, estamos mortos. O que
nos tornamos agora, antes, não éramos. Verdadeiramente, então esta obra é uma criação, sim, e mais nobre que a
primeira; pois daquele, nós temos nosso ser; mas a partir deste último, temos, além de nosso bem estar.

"Pois boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas". [224]

Não apenas que devamos começar, mas que devemos andar neles, pois precisamos de uma virtude que durará por
toda parte, e seremos estendidos ao dia da nossa morte. Se tivéssemos que percorrer uma estrada que leva a uma
cidade real, e depois, quando passamos a maior parte dela, sinalizamos e nos sentamos perto do final, não nos servia
nada. Essa é a esperança de nosso chamado; por "por boas obras" ele diz. Caso contrário, não nos traria nada.

Moral. Assim, aqui ele se alegra, não que devemos trabalhar um só trabalho, mas todos; pois, como temos cinco
sentidos, e devemos fazer uso de tudo em seu devido tempo, devemos também as várias virtudes. Ora, se fosse um
homem temperado e impiedoso, ou se fosse misericordioso e ao mesmo tempo persuasivo, ou se se abstivesse de
fato dos bens de outras pessoas e, ainda assim, não concedesse os seus próprios, tudo seria em vão. Pois uma única
virtude, por si só, não é suficiente para nos apresentar com ousadia diante do tribunal de Cristo; não, exigimos que
seja grande e variado, universal e inteiro. Ouça o que Cristo disse aos discípulos: "Ide e fazei discípulos de todas as
nações, ensinando-os a guardar todas as coisas que eu lhes ordenasse". ( Mateus 28:19.) E novamente: "Todo aquele
que quebrar algum destes mandamentos, pelo menos, será chamado o menor no reino dos céus" ( Mateus 5:19 ), isto
é, na ressurreição; não, ele não entrará no reino; pois Ele costuma chamar o tempo também da ressurreição, o reino.
"Se ele quebrar um", diz Ele, "ele será chamado menos", para que tenhamos necessidade de todos. E observe como
não é possível entrar sem obras de misericórdia; mas mesmo que isso seja necessário, partimos para o fogo. Pois, diz
Ele: "Saiu, malditos, para o fogo eterno, que está preparado para o diabo e seus anjos". Por que e por quê? "Porque
eu estava com fome, e não me deste carne; estava com sede, e não me deste bebida." ( Mateus 25:42.) Observa, como
sem qualquer outra acusação colocada contra eles, para este só eles pereceram. E só por essa razão as virgens também
foram excluídas da câmara da noiva, embora a sobriedade certamente possuísse. Como o apóstolo diz "e a
santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor". ( Hebreus 12:14.) Considere então que, sem sobriedade, é impossível
ver o Senhor; no entanto, não segue necessariamente que, com a sobriedade, é possível vê-lo, porque muitas vezes
algo está no caminho. Mais uma vez, se fizermos tudo com justiça, e ao mesmo tempo não servirmos ao próximo,
tampouco, nesse caso, entraremos no reino. De onde isso é evidente? Da parábola dos servos encarregados dos
talentos. Pois, nesse caso, a virtude do homem estava em todos os aspectos inalterada, e não havia nada faltando,
mas por ser preguiçoso em seus negócios, ele foi corretamente expulso. Não, é possível, mesmo apenas por trilhos,
cair no Inferno. "Para quem quer que" diz Cristo ", dirá a seu irmão:" Tolo, estará em perigo do inferno de fogo ". (
Mateus 5:22.) E se um homem estiver sempre certo em todas as coisas, e ainda assim for injurioso, ele não entrará.

E que ninguém atribua crueldade a Deus, na medida em que exclui aqueles que falham nesta questão do reino dos
céus. Pois mesmo com os homens, se alguém fizer alguma coisa contrária à lei, será banido da presença do rei. E se
ele transgride tanto como uma das leis estabelecidas, se ele apresentar uma falsa acusação contra o outro, ele perde
seu ofício. E se cometer adultério e for detectado, ele é desonrado e, embora tenha feito dez mil atos certos, está
desfeito; e se ele cometer assassinato e for condenado, isso novamente é suficiente para destruí-lo. Agora, se as leis
dos homens são tão cuidadosamente guardadas, quanto mais deveriam ser as de Deus. "Mas Ele é bom", diz um
homem. Quanto tempo devemos estar falando essa conversa tola? Tolo, eu digo, não porque Ele não é bom, mas nisso
continuamos achando que Sua bondade estará disponível para nós para esses propósitos, embora eu tenha usado
repetidamente dez mil argumentos sobre esse assunto. Ouça a Escritura, que diz: "Não diga: Sua misericórdia é grande,
Ele será pacificado pela multidão de meus pecados". (Ecclus. V. 6.) Ele não nos proíbe de dizer: "Sua misericórdia é
grande". Isto não é o que Ele ordena; antes, ele nos diria constantemente e, com esse objeto, Paulo levanta toda sorte
de argumentos, mas seu objetivo é o seguinte. Não, ele quer dizer, admirar a benevolência de Deus com este ponto
de vista, com o objetivo de pecar e dizer: "Sua misericórdia será pacificada pela multidão de meus pecados". Pois é
com esse objeto que eu também discuto tanto a respeito de Sua bondade, não que possamos presumir isso, e fazer
qualquer coisa que escolhermos, porque dessa maneira essa bondade será para o preconceito de nossa salvação; mas
para que não nos desesperemos em nossos pecados, mas nos arrependamos. Pois "a bondade de Deus te leva ao
arrependimento" (Romanos 2: 4.) não para maior maldade. E se tu se tornar depravado, por causa de Sua bondade,
tu és mais que desonesto diante dos homens. Eu vejo muitas pessoas impugnando assim a longanimidade de Deus;
de modo que, se tu não a usares corretamente, pagarás a penalidade. Deus é um Deus de bondade amorosa? Sim,
mas ele também é um juiz justo. Aquele que faz a permissão para os pecados? É verdade, porém, presta a cada um
segundo as suas obras. Porventura ele passou por iniquidade e apagou as transgressões? É verdade, todavia, faz
também a Inquisição. Como então é que essas coisas não são contradições? Contradições não são, se os distinguimos
pelos seus tempos. Ele pratica a iniqüidade aqui, tanto pela pia do batismo como pela penitência. Lá Ele faz a inquisição
do que fizemos por fogo e tormento. "Se então," algum homem pode dizer: "Eu sou expulso, todos igualmente estão
aquém do reino, mas no Inferno nem todos sofreremos a mesma punição, mas um severer, outro mais suave. Por
agora, se tu e outro "desprezaram a bondade de Deus" ( todos igualmente estão aquém do reino, mas no Inferno nem
todos sofreremos a mesma punição, mas um severer, outro mais suave. Por agora, se tu e outro "desprezaram a
bondade de Deus" (Romanos 2: 4. ) O em muitos casos, e o outro em poucos, vós também perdereis o reino. Se,
porém, não o menosprezardes, mas aquele em maior, o outro em menor grau, no inferno sentireis a diferença.

Agora, então, porque, pode-se dizer, ele ameaça aqueles que não fizeram obras de misericórdia, que partirão para o
fogo, e não simplesmente para o fogo, mas para aquilo que está "preparado para o diabo e seus anjos". " ( Mateus
25:41.) Por que e por que isso acontece? Porque nada tão provoca a ira de Deus. Ele coloca isso antes de todas as
coisas terríveis; pois, se é nosso dever amar nossos inimigos, de que castigo não será ele digno, quem se afasta mesmo
daqueles que o amam e, a este respeito, é pior do que os pagãos? De modo que, neste caso, a grandeza do pecado
fará com que tal pessoa vá embora com o diabo. Ai dele, é dito, que não faz esmola; e se este foi o caso sob a Antiga
Aliança, muito mais sob o Novo. Se, onde a obtenção de riqueza era permitida, e o gozo dela, e o cuidado dela, havia
tal provisão feita para socorrer os pobres, quanto mais naquela Dispensação, onde somos ordenados a entregar tudo
o que temos? Pois o que eles não faziam antigamente? Eles deram dízimos e dízimos novamente sobre dízimos para
órfãos, viúvas e estrangeiros; enquanto alguém me dizia, espantado, para outro: "Ora, esse dá o dízimo". Que carga
de desgraça esta expressão implica, uma vez que o que não era uma questão de admiração com os judeus veio a ser
assim no caso dos cristãos? Se houvesse perigo, então, ao omitir os dízimos, pense em quão grande deve ser agora.

Mais uma vez, a embriaguez não herdará o reino. No entanto, qual é a linguagem da maioria das pessoas? "Bem, se
eu e ele estamos no mesmo caso, isso não é pouco conforto." O que então? Primeiro de tudo, que tu e ele não colhem
o mesmo castigo; mas de outro modo, não é nenhum conforto. A comunhão nos sofrimentos tem conforto, quando
as misérias têm alguma proporção nelas; mas quando excedem todas as proporções, e nos levam além de nós mesmos,
não permitem mais que recebamos qualquer consolo. Para dizer ao homem que está sendo torturado e entrou nas
chamas, que tal pessoa está sofrendo o mesmo, ainda assim ele não sentirá o conforto. Todos os israelitas não
pereceram juntos? Que tipo de conforto isso lhes proporcionou? Em vez disso, não foi isso mesmo que os afligiu? E
foi por isso que eles continuaram dizendo: Estamos perdidos, nós estamos perecidos, somos desperdiçados. Que tipo
de conforto então existe aqui? Em vão nos confortamos com tais esperanças como estas. Há apenas um único
conforto, para evitar cair no fogo inextinguível; mas não é possível para aquele que nele caiu achar conforto, onde há
o ranger de dentes, onde há o choro, onde está o verme que não morre e o fogo que não se apaga. Pois tu conceberás
algum consolo, diz-me, quando estiveres em tão grande tribulação e angústia? Então, tu serás mais tu mesmo? Não
vamos, eu oro e suplico, não nos enganemos em vão e nos consolemos com argumentos como esses; não, pratiquemos
essas virtudes, que nos servirão para nos salvar. O objeto diante de nós é sentar-se junto com Cristo, e você é
insignificante sobre questões como essas? Por quê, se não houvesse nenhum outro pecado, quão grande castigo não
deveríamos sofrer por esses próprios discursos, porque somos tão insensatos, tão infelizes e tão indolentes como,
mesmo com tão grande privilégio diante de nós, falar assim? Oh! quanto terás de lamentar, quando considerares os
que fizeram o bem! Quando verás escravos e nascidos de base que trabalharam apenas um pouco aqui, fizeram
participantes do trono real, essas coisas não serão piores para ti do que o tormento? Pois se mesmo agora, quando
você vê alguém de grande reputação, embora não esteja sofrendo nenhum mal, você considera isso pior do que
qualquer punição, e só por isso a arte é consumida, lamentando-se, chorando e julgando ser tão ruim como dez mil
mortes; o que sofrerás então? Por que, mesmo que não houvesse inferno, o próprio pensamento do reino, não foi o
suficiente para destruir e consumir você? E que tal será o caso, temos o suficiente em nossa própria experiência de
coisas para nos ensinar. Não vamos, então, em vão lisonjear nossas próprias almas com discursos como esses; não,
tomemos cuidado, tenhamos consideração pela nossa própria salvação, façamos a virtude nosso cuidado, vamos
despertar para a prática das boas obras, para que sejamos considerados dignos de alcançar essa glória suprema, em
Jesus Cristo, nosso Senhor, com quem ao Pai, juntamente com o Espírito Santo, seja glória, poder honrar, agora e
sempre, e por séculos de eras. Um homem. tenhamos uma consideração para nossa própria salvação, façamos nossa
virtude nosso cuidado, nos estimulemos à prática de boas obras, para que sejamos considerados dignos de alcançar
esta imensa glória, em Jesus Cristo nosso Senhor com quem Pai, junto com o Espírito Santo, seja glória, poder, honra,
agora e sempre, e por séculos de eras. Um homem. tenhamos uma consideração para nossa própria salvação, façamos
nossa virtude nosso cuidado, nos estimulemos à prática de boas obras, para que sejamos considerados dignos de
alcançar esta imensa glória, em Jesus Cristo nosso Senhor com quem Pai, junto com o Espírito Santo, seja glória, poder,
honra, agora e sempre, e por séculos de eras. Um homem.

Notas de rodapé:

[215] [Os Comentadores, exceto Meyer, referem-se ao necrosco à morte espiritual, como Crisóstomo faz. Meyer
refere-se a "morte eterna, a condenação eterna", e diz que o nekrous é proléptico. Ele distintamente diz que não se
refere à morte física, embora Ellicott o represente dizendo que sim.

[216] [O motivo de Paulo nesta passagem provavelmente não é o que Crisóstomo diz, mas, ao contrário, mostrar quão
desesperadamente ruim era seu estado.

[217] ["A palavra aer que é comumente confinada à região do ar, pode ser estendida a toda aquela região supra-
terrestre mas sub-celestial que parece ser, se não a morada, pelo menos a assombração de espíritos maus , cf. Jó 1: 7.
"- Ellicott. - GA]

[218] Crisóstomo compreende as palavras de acordo com a ordem em que se encontram no texto original, emen tekna
phusei orges, "nós éramos naturais" ou "genuínos filhos da ira", referindo-se "por natureza" não a "nós éramos" mas
para crianças." Dizer que nós éramos pela "natureza" sob ira, poderia ter parecido a todos dizendo que Deus criou
Adão sob ira. Quando então falamos, devemos tomar a palavra "natureza" no sentido de Santo Agostinho, não para
significar nossa natureza literal, mas "como se referindo ao nosso nascimento". "In quod dixi, natur? Esse mal? Anim?
Nullo modo queunt," si qu? Ritur quomodo accipiamus quod ait Apostolus, Fuimus et nos natur? Filiiiroi, & c. ""
Respondeus, naturam em seu verbis meis inteligi voluisse illam, qu? proprie natura dicitur, em qu? sine vitiis creati
sumus. Nam isa propter originem natura appellatur, qu? origo utique habet vitium, quod est contra naturam. Agosto.
Recolha. Eu. 15.? 6. vid, também de Lib. Arb. iii. 54.] "Que o homem é um sujeito nascido da ira desde o nascimento,
um objeto da condenação divina, não é de todo uma doutrina do Apóstolo, segundo a qual o homem pelo seu pecado
real cai sob a ira de Deus, na medida em que ele torna-se sujeito e segue o princípio inato do pecado em oposição à
sua vontade moral que ele também por natureza tem em si mesmo Certamente o homem nasce com essa qualidade
pecaminosa natural, isto é, com o princípio do pecado, pelo despertar e desenvolvimento dos quais a vontade moral
é vencida ( Eu. 15.? 6. vid, também de Lib. Arb. iii. 54.] "Que o homem é um sujeito nascido da ira desde o nascimento,
um objeto da condenação divina, não é de todo uma doutrina do Apóstolo, segundo a qual o homem pelo seu pecado
real cai sob a ira de Deus, na medida em que ele torna-se sujeito e segue o princípio inato do pecado em oposição à
sua vontade moral que ele também por natureza tem em si mesmo Certamente o homem nasce com essa qualidade
pecaminosa natural, isto é, com o princípio do pecado, pelo despertar e desenvolvimento dos quais a vontade moral
é vencida ( Eu. 15.? 6. vid, também de Lib. Arb. iii. 54.] "Que o homem é um sujeito nascido da ira desde o nascimento,
um objeto da condenação divina, não é de todo uma doutrina do Apóstolo, segundo a qual o homem pelo seu pecado
real cai sob a ira de Deus, na medida em que ele torna-se sujeito e segue o princípio inato do pecado em oposição à
sua vontade moral que ele também por natureza tem em si mesmo Certamente o homem nasce com essa qualidade
pecaminosa natural, isto é, com o princípio do pecado, pelo despertar e desenvolvimento dos quais a vontade moral
é vencida ( na medida em que ele se torna sujeito e segue o princípio inato do pecado em oposição à sua vontade
moral que ele também por natureza tem em si mesmo. Certamente o homem nasce com essa qualidade pecaminosa
natural, isto é, com o princípio do pecado, pelo despertar e pelo desenvolvimento do qual a vontade moral é vencida
( na medida em que ele se torna sujeito e segue o princípio inato do pecado em oposição à sua vontade moral que ele
também por natureza tem em si mesmo. Certamente o homem nasce com essa qualidade pecaminosa natural, isto é,
com o princípio do pecado, pelo despertar e pelo desenvolvimento do qual a vontade moral é vencida (Romanos 7 cf.
João 3: 6 ). Não é, no entanto, o mero fato desta presença inata ter sua base em sua carne que em si mesma faz dele
um filho da ira, mas ele somente se torna quando essa constituição de sua natureza moral, que a mistura dos dois
princípios opostos em sua disposição natural trouxe a vitória do princípio do pecado, que, no entanto, é o caso de
todos. "- Meyer. - GA]
[219] [Dia dez pólen agapen autou: "ou seja, a fim de satisfazê-lo." - Meyer - GA]

[220] [Esta é a opinião de Meyer. Ele diz: "Em virtude da conexão dinâmica de Cristo com os crentes como a cabeça
com seu corpo, sua revivificação é objetivamente compreendida em Sua". Ellicott diz; "Embora o simples significado
de sunegeiren e sunekathisen pareça limitar sua referência ao que é futuro e objetivo, ainda que sunezoopoiesen,
embora principalmente espiritual e presente, possa ter uma referência física e futura, então aqui uma ressurreição e
entronização espiritual pode ser aludida. "--GA]

[221] ["Explicação confirmatória da verdade e justiça da expressão, as riquezas excedentes da Sua graça" por uma
recorrência à declaração feita entre parênteses no verso 5 ". - Ellicott - GA]

[222] [Meyer se opõe a esta interpretação dizendo: "Quão violenta é esta levando a pedaços do texto, já que ouk ex
humon e ouk exgongon se apresentam de uma maneira igualmente natural e pesada como elementos pertencentes a
um fluxo do discurso! O touto refere-se à salvação apenas designada quanto ao seu modo específico ". Então,
substancialmente Ellicott.

[223] [Este não é o objeto de Paulo na declaração do v. 10, mas como diz Meyer: "Ver. 10 é a razão atribuída para o
ouk imediatamente anterior ex humon ... kauchesetai. Para se somos obra de Deus nosso a salvação não pode ser de
nossa própria aquisição, e se somos criados em Cristo para boas obras, como poderia o mérito de nossas obras ser a
causa de nossa salvação ou o assunto de nossa ostentação? "- GA]

[224] [Deus, antes de sermos criados em Cristo, preparados para nós, preparamos uma esfera de ação moral ou (para
usar o símile de Crisóstomo) um caminho, com a intenção de que andássemos nele. Esta esfera, esta estrada foi bons
trabalhos, erga agatha. "- Ellicott .-- GA]

Efésios 2: 9
Não de obras, para que ninguém se glorie.
Efésios 2:10
Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos
nelas.
Efésios 2:11
Portanto, lembrai-vos que estar no tempo passado gentios na carne, que são chamados incircuncisão pelos que se
chamam circuncisão na carne feito pelas mãos;
"Portanto, lembrai-vos de que outrora és os gentios na carne, que são chamados incircuncisão pelo que é chamado
circuncisão na carne feita por mãos; que estavas naquele tempo separado de Cristo, alienado da comunidade de Israel,
e estrangeiros de os convênios da promessa, não tendo esperança e sem Deus no mundo. "
Há muitas coisas para mostrar a bondade de Deus. Primeiro, o fato de que, por Si mesmo, Ele nos salvou e por Si
mesmo através de um método como este. Em segundo lugar, que Ele nos salvou, como sendo o que éramos. Em
terceiro lugar, que Ele nos exaltou ao lugar onde estamos. Pois todas estas coisas contêm em si mesmas a maior
demonstração de Sua benevolência, e são os mesmos assuntos que Paulo está agora agitando em sua epístola. Ele
estava dizendo que, quando estávamos mortos em nossos delitos e filhos da ira, Ele nos salvou; Ele agora está nos
dizendo mais adiante, a quem Ele nos tornou iguais. "Portanto", diz ele, "lembra-te;" porque é comum conosco, todos
e cada um, quando somos elevados de um estado de grande maldade à dignidade correspondente, ou talvez maior,
nem sequer para reter qualquer lembrança de nossa condição anterior, alimentando-nos nesta nossa nova glória.
Nesta conta é que ele diz: "Wherefore remember." - "Wherefore". Por que "por quê?" [225] Porque fomos criados
para boas obras, e isso foi suficiente para nos induzir a cultivar a virtude; "lembre-se" - pois essa lembrança é suficiente
para nos tornar gratos ao nosso Benfeitor, "que vocês foram antigamente gentios". Observe como ele diminui as
vantagens superiores dos judeus e admira as desvantagens dos gentios; desvantagem, na verdade, não foi, mas ele
está discutindo com cada um, respectivamente, de seu caráter e modo de vida. "portanto?" [225] Porque fomos
criados para boas obras, e isso foi suficiente para nos induzir a cultivar a virtude; "lembre-se" - pois essa lembrança é
suficiente para nos tornar gratos ao nosso Benfeitor, "que vocês foram antigamente gentios". Observe como ele
diminui as vantagens superiores dos judeus e admira as desvantagens dos gentios; desvantagem, na verdade, não foi,
mas ele está discutindo com cada um, respectivamente, de seu caráter e modo de vida. "portanto?" [225] Porque
fomos criados para boas obras, e isso foi suficiente para nos induzir a cultivar a virtude; "lembre-se" - pois essa
lembrança é suficiente para nos tornar gratos ao nosso Benfeitor, "que vocês foram antigamente gentios". Observe
como ele diminui as vantagens superiores dos judeus e admira as desvantagens dos gentios; desvantagem, na verdade,
não foi, mas ele está discutindo com cada um, respectivamente, de seu caráter e modo de vida. Observe como ele
diminui as vantagens superiores dos judeus e admira as desvantagens dos gentios; desvantagem, na verdade, não foi,
mas ele está discutindo com cada um, respectivamente, de seu caráter e modo de vida. Observe como ele diminui as
vantagens superiores dos judeus e admira as desvantagens dos gentios; desvantagem, na verdade, não foi, mas ele
está discutindo com cada um, respectivamente, de seu caráter e modo de vida.

"Quem são chamados de incircuncisão." [226]

A honra então dos judeus está em nomes, o seu perogativo está na carne. Pois a incircuncisão não é nada e a
circuncisão não é nada.

"Por aquilo que é chamado", diz ele, "Circuncisão na carne feita por mãos, que naquele tempo você estava separado
de Cristo, alienado da comunidade de Israel, e estranho dos convênios da promessa, não tendo esperança, e sem Deus
no mundo. [227]

Vós, diz ele, que assim foram chamados pelos judeus. Mas por que quando ele está prestes a mostrar que o benefício
concedido a eles consistia nisso, em ter comunhão com Israel, ele menospreza a prerrogativa israelense? Ele não
menospreza isso. Em pontos essenciais ele aumenta, mas apenas nestes pontos, nos quais eles não tinham comunhão,
ele a deprecia. Mais adiante, ele diz: "Vocês são concidadãos dos santos e da casa de Deus". Mark, até onde ele está
depreciado. Esses pontos, diz ele, são indiferentes. Nunca pense, diz ele, que porque você não é circuncidado e está
agora em incircuncisão, há alguma diferença nisso. Não, o verdadeiro problema era este, o ser "sem Cristo", o ser
"estrangeiros da comunidade de Israel". Considerando que esta circuncisão não é " ele fala também daqueles que
estão na terra; desde que os judeus tiveram uma grande opinião destes. Assim também Cristo consolando Seus
discípulos, depois de dizer: "Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus",
acrescenta o menor ponto de consolação ", pois assim", diz Ele, "perseguido eles os profetas que foram antes de você
". ( ele fala também daqueles que estão na terra; desde que os judeus tiveram uma grande opinião destes. Assim
também Cristo consolando Seus discípulos, depois de dizer: "Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça,
porque deles é o reino dos céus", acrescenta o menor ponto de consolação ", pois assim", diz Ele, "perseguido eles os
profetas que foram antes de você ". (Mateus 5: 10-12 .) Por isso, comparado com a grandeza do outro, é muito menor,
no entanto, em relação ao estar próximo e crente, é grande e suficiente, e tem muita força. Este então era o
compartilhamento na comunidade. Sua palavra não é "separada", mas "alienada da comunidade". Sua palavra não é:
"não se interessou por você", mas "você não teve nem parte, nem eram estranhos". As expressões são mais enfáticas
e indicam que a separação é muito ampla. Porque os próprios israelitas estavam sem essa comunidade, não como
estrangeiros, mas como indiferentes a ela, e eles caíram dos convênios, não como estranhos, mas como indignos.

Mas quais eram "os convênios da promessa"? "A ti e à tua semente", diz Ele, "eu darei esta terra" ( Gênesis 17: 8 ) e
tudo o que ele prometeu.

"Não tendo esperança", acrescenta ele, "e sem Deus". Embora deuses realmente adorassem, mas não eram deuses:
"pois um ídolo não é coisa alguma". ( 1 Coríntios 10:19 )

Efésios 2:12
Que naquele tempo estais sem Cristo, sendo estrangeiros da comunidade de Israel e estrangeiros das alianças da
promessa, sem esperança e sem Deus no mundo:
Efésios 2:13
Mas agora em Cristo Jesus, vós, que às vezes estavas distantes, aproxima-te do sangue de Cristo.
Ver. 13-15. "Mas agora, em Cristo Jesus, vós que estavas distantes uma vez, são feitos no sangue de Cristo. Porque Ele
é a nossa paz, que fez um, e quebrou a parede do meio da separação, tendo abolido em Sua carne a inimizade ".
Será então este o grande privilégio, podemos dizer, que somos admitidos na comunidade dos judeus? O que você está
dizendo? "Ele resumiu todas as coisas que estão no céu e que estão na terra", e agora nos fala sobre os israelitas? Sim,
ele diria. Aqueles privilégios mais elevados nós devemos apreender pela fé; estes, pelas próprias coisas. "Mas agora",
diz ele, "em Cristo Jesus, vós que outrora estavas distantes, estái perto", em referência à comunidade. Pois o "distante"
e o "próximo" são questões de vontade e de escolha apenas.

"Pois Ele [229] é a nossa paz, Quem fez os dois."

O que é isso ", ambos um?" Ele não quer dizer isso, que Ele nos elevou para aquela alta descendência deles, mas que
Ele elevou a nós e a eles a um ainda mais elevado. Só que a bênção para nós é maior, porque a eles foi prometida, e
eles estavam mais próximos do que nós; para nós, não havia sido prometido e estávamos mais distantes do que eles.
Por isso é que ele diz: "E para que os gentios glorifiquem a Deus pela sua misericórdia". ( Romanos 15: 9.) A promessa,
na verdade, Ele deu aos israelitas, mas eles eram indignos; para nós Ele não deu nenhuma promessa, ou melhor,
éramos mesmo estranhos, não tínhamos nada em comum com eles; todavia nos fez um só, não nos unindo a eles, mas
unindo a eles e a nós juntos em um só. Eu vou te dar uma ilustração. Vamos supor que haja duas estátuas, uma de
prata e outra de chumbo, e então ambas serão derretidas, e as duas sairão de ouro. Eis que assim fez os dois. Ou
coloque o caso novamente de outra maneira. Que os dois sejam um, um escravo, o outro um filho adotivo: e ofenda-
o, um como criança deserdada, o outro como fugitivo e um que nunca conheceu um pai. Então, ambos sejam feitos
herdeiros, ambos filhos verdadeiros. Eis que eles são exaltados a uma e a mesma dignidade, os dois se tornam um,

"E freie", prossegue ele, "a parede do meio da divisória".

O que é a parede intermediária da divisória, ele interpreta dizendo: "A inimizade abuliu em Sua carne, mesmo a lei
dos mandamentos contidos nas ordenanças". Alguns, de fato, afirmam que ele quer dizer a muralha dos judeus contra
os gregos, porque não permitiu que os judeus mantivessem relações com os gregos. Para mim, porém, isso não parece
ser o significado, mas sim que ele chama de "a inimizade na carne", uma parede do meio, na medida em que é uma
barreira comum, nos separando de Deus. [230] Como o Profeta diz: "Suas iniqüidades separam entre você e eu"; (
Isaías 59: 2 ), porque a inimizade que Ele tinha contra judeus e gentios era, por assim dizer, um muro do meio. E isso,
enquanto a lei existia, não só não foi abolida, mas foi fortalecida; "pela lei" diz o apóstolo: "opera a ira". (Romanos
4:15 .) Exatamente da mesma maneira como quando ele diz naquela passagem, "a lei opera a ira", ele não atribui todo
esse efeito à lei em si, mas é para ser entendido que ela é porque nós transgredimos isto; também nesse lugar ele o
chama de muralha intermediária, porque, por ser desobedecido, causou inimizade. A lei era um hedge, mas isso foi
feito por uma questão de segurança e, por essa razão, foi chamado de "hedge", com a intenção de que pudesse formar
uma cobertura. Para ouvir novamente o Profeta, onde ele diz: "Eu fiz uma trincheira sobre isso". ( Isaías 5: 2 ) E
novamente: "Derrubaram as suas cercas, para que todos os que passam pelo caminho a arranquem". ( Salmo 80:12.)
Aqui, portanto, significa segurança e assim novamente: "Eu tirarei a sua cobertura, e ela será pisada". ( Isaías 5: 5 ) E
novamente: "Ele deu-lhes a lei para uma defesa". ( Isaías 8:20 ) E novamente: "O Senhor executa os atos de justiça e
dá a conhecer os seus caminhos para Israel". ( Salmo 103: 6 , 7.) Tornou-se, no entanto, uma parede do meio, não
mais estabelecendo-os em segurança, mas cortando-os de Deus. Tal é então a parede intermediária da partição
formada a partir da sebe. E para explicar o que é isso, ele acrescenta: "a inimizade em Sua carne aboliu, a lei dos
mandamentos".

Como assim? Em que Ele foi morto e dissolveu a inimizade nele. E não só assim, mas também mantendo-o. Mas e
então, se somos libertados da antiga transgressão e, no entanto, somos novamente obrigados a mantê-lo? Então o
caso foi o mesmo de novo, enquanto Ele destruiu a própria lei. Pois ele diz: "Tendo abolido a lei dos mandamentos
contidos nas ordenanças". Oh! incrível bondade amorosa! Ele nos deu uma lei que deveríamos mantê-la, e quando
não a mantivemos, e deveria ter sido punida, Ele até revogou a própria lei. Como se um homem que, tendo cometido
um filho para um professor, se ele fosse desobediente, o libertasse do professor e o levasse embora. Quão grande
bondade era essa! O que quer dizer,

"Tendo abolido por ordenanças?" [231]

Pois ele faz uma ampla distinção entre "mandamentos" e "ordenanças". Ele então quer dizer "fé", chamando isso de
"ordenança" (pois somente pela fé Ele nos salvou) ou significa "preceito", como Cristo deu, quando Ele disse: "Mas eu
digo a vocês que não devem ficar com raiva. " ( Mateus 5:22 ) Isso quer dizer: "Se creres que Deus o ressuscitou dentre
os mortos, serás salvo". ( Romanos 10: 6-9.) E novamente: "A palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração.
Não digas, quem subirá ao céu ou quem descerá ao abismo?" ou quem o "trouxe de novo dentre os mortos?" Em vez
de uma certa maneira de vida, Ele trouxe fé. Para que Ele não pudesse nos salvar sem nenhum propósito, Ele mesmo
sofreu a penalidade, e também exigiu dos homens a fé que é pelas doutrinas.

"Para que ele possa criar em Si mesmo os dois, um novo homem".

Observe, que não é que o gentio se tornou um judeu, mas que tanto um como o outro estão entrando em outra
condição. Não foi com uma visão de apenas fazer este último outro que ele era, mas sim, a fim de criar os dois de
novo. E bem ele em todas as ocasiões emprega a palavra "criar", e não diz "mudança", a fim de apontar o poder do
que foi feito, e que mesmo que a criação seja invisível, ainda assim não é menos uma criação. do que isso é, e que não
devemos, daqui em diante, partir disso, como das coisas naturais.
"Que Ele possa em Si mesmo dos dois."

Isto é, por si mesmo. [232] Ele não deu este encargo a outro, mas Ele mesmo, por Si mesmo, derreteu ambos um e
outro, e produziu um glorioso, e um maior que a primeira criação; e aquele, primeiro, foi ele mesmo. Pois este é o
significado de "em si mesmo". Ele mesmo primeiro deu o tipo e o exemplo. Apegando-se, por um lado, ao judeu, e por
outro ao gentio, e estando Ele no meio, Ele os uniu, fez desaparecer todo o desentendimento que existia entre eles, e
formou-os de novo pelo fogo e Por água; não mais com água e terra, mas com água e fogo. Ele se tornou um judeu
pela circuncisão, Ele tornou-se maldito, Ele se tornou um gentio sem a lei, e estava sobre os gentios e judeus.

"Um novo homem", diz ele, "então fazendo a paz".

Paz para ambos, para com Deus e para com os outros. Enquanto continuassem ainda judeus e gentios, não poderiam
ter sido reconciliados. E se não tivessem sido libertos de sua própria condição peculiar, não teriam chegado a outro e
a um superior. Pois o judeu é então unido aos gentios quando se torna crente. É como se as pessoas estivessem em
uma casa, com duas câmaras abaixo, e uma grande e grande acima: elas não seriam capazes de ver uma a outra, até
que se levantassem.

"Fazendo a paz", mais especialmente para Deus; por isso o contexto mostra, para que diz ele?

Ver. 16. "E pode reconciliar os dois em um só corpo para Deus através da cruz."

Ele diz, não apenas "poder reconciliar" (katallaxe), mas "reconciliar-se completamente" (apokatallaxe [233]), indicando
que até então a natureza humana havia sido facilmente reconciliada, como, por exemplo, no caso dos santos e antes
do tempo de a lei.

"Em um só corpo", diz ele, e os seus "para Deus". Como isso é afetado? Por si mesmo, ele quer dizer, sofrendo a
penalidade devida.

"Através da cruz, tendo matado a inimizade desse modo." [234]

Nada pode ser mais decisivo, nada mais expressivo que essas palavras. Sua morte, diz o Apóstolo, "matou" a inimizade.
Ele o "feriu" e "matou", não dando conta de outrem, nem pelo que Ele somente operou, mas também pelo que Ele
sofreu. Ele não diz "tendo se dissolvido", ele diz "tendo cancelado", mas o que é mais forte que todos, "tendo matado",
para que nunca mais se levante. Então, como é que ele se ergue novamente? De nossa excessiva depravação.
Enquanto permanecermos no corpo de Cristo, enquanto estivermos unidos, não se erguerá novamente, mas estará
morto; ou melhor, que a antiga inimizade nunca mais se ergue de novo. Mas se criamos outro, não é mais por causa
Dele, que destruiu e matou o primeiro. Tu és, em verdade que trabalhe com um novo. "Para a mente da carne", diz
ele, "é inimizade contra Deus"; (Romanos 8: 6. ) Se não tivermos nada de carnalidade, não será produzida nenhuma
inimizade, mas essa "paz" permanecerá.

Moral. Pense, então, quão grande é o mal, quando Deus empregou tantos métodos para nos reconciliar e efetuar isso,
que deveríamos novamente cair em inimizade! Esta inimizade não há batismo novo, mas o próprio inferno aguarda;
sem remissão fresca, mas procurando julgamento. A mente da carne é luxo e indolência, a "mente da carne" é a cobiça
e todos os tipos de pecado. Por que é dito a mente da carne? Enquanto ainda a carne não podia fazer nada sem a
alma. Ele não diz isso ao menosprezo da carne, mais do que quando ele diz o "homem natural" ( 1 Coríntios 2:14)..)
ele usa essa expressão para o menosprezo da alma, pois nem o corpo nem a alma em si, se não receber o impulso que
está muito acima, é capaz de alcançar qualquer coisa grande ou nobre. Daí ele chama aqueles atos que a alma realiza
de si mesma, "natural; psuchika" e aqueles que o corpo realiza de si mesmo "carnal". Não porque sejam naturais, mas
porque, na medida em que não recebem essa direção do céu, perecem. Então os olhos são bons, mas sem luz,
cometerão inumeráveis erros; isso, no entanto, é culpa de sua fraqueza, não da natureza. Se os erros fossem naturais,
então nunca poderíamos usá-los corretamente. Pois nada que é natural é mal. Por que então ele chama pecados de
afeição carnal? Porque sempre que a carne se exalta e obtém o domínio sobre o cocheiro, ela produz dez mil
travessuras. A virtude da carne é sua sujeição à alma. É seu vício governar a alma. Como o cavalo então pode ser bom
e ágil, e ainda assim isto não é mostrado sem um cavaleiro; assim também a carne mostrará sua bondade, quando
cortamos seus prancings. Mas também não é o piloto mostrado, se ele não tiver habilidade. Não, ele próprio fará o
mal ainda mais temeroso do que aquele antes mencionado. De modo que em todas as mãos devemos ter o Espírito
em mãos. Isto estando à mão dará nova força ao cavaleiro; isso dará beleza ao corpo e à alma. Pois assim como a alma,
enquanto habita no corpo, a torna bela, mas quando ela a deixa desprovida de sua própria energia nativa e parte,
como um pintor confundindo suas cores, a maior insolência acontece, cada uma das várias partes apressando-se à
corrupção e à dissolução: assim também é quando o Espírito abandona o corpo e a alma, a repugnância que se segue
é cada vez maior. Então, não, porque o corpo é inferior à alma, insulte-o, pois não suporto insultar a alma porque ela
não tem força sem o Espírito. Se alguém precisar dizer alguma coisa, a alma é merecedora da maior censura que o
corpo; pois o corpo de fato não pode causar dano grave sem a alma, enquanto a alma pode fazer muito sem o corpo.
Porque, sabemos, quando a pessoa está mesmo perdendo, e não tem perduleza, a alma está ocupada empregada. Até
mesmo como aqueles feiticeiros, mágicos, pessoas invejosas, encantadores, especialmente fazem o corpo
desperdiçar. Mas além disso, nem mesmo o luxo é o efeito da necessidade do corpo, mas sim da desatenção da alma;
porque a comida, e não o banquete, é o objeto da necessidade do corpo. Pois, se tenho vontade de colocar um meio-
fio forte, paro o cavalo; mas o corpo é incapaz de controlar a alma em seus maus caminhos. Por que então ele a chama
de mente carnal? Porque se trata de ser inteiramente da carne, pois quando ela tem o domínio, então ela erra, assim
que se privou da razão e da supremacia da alma. A virtude, portanto, do corpo consiste nisto, em sua submissão à
alma, já que em si mesma a carne não é boa nem má. Pois o que o corpo poderia fazer de si mesmo? É então por sua
conexão que o corpo é bom, bom por causa de sua sujeição, mas em si mesmo nem bom nem mau, com capacidade,
no entanto, tanto para um como para o outro, e ter uma tendência igual de qualquer maneira. O corpo tem um desejo
natural, não de fornicação, nem de adultério, mas de prazer; o corpo não tem desejo de festejar, mas de comida; não
de embriaguez, mas de bebida. Pois na prova de que não é a embriaguez que é o desejo natural do corpo, marque
como, sempre que você excede a medida, quando você ultrapassa as linhas limítrofes, ela não pode aguentar mais um
momento. Até este ponto é do corpo, mas todo o resto dos excessos, como por exemplo, quando ela se apressa em
sensualidades, quando ela fica estupefata, estas são da alma. Pois embora o corpo seja bom, ainda é muito inferior à
alma, já que o chumbo tem menos valor do que o ouro, e ainda assim as necessidades de ouro levam a soldá-lo, e
assim também a alma precisa também do corpo. Ou da mesma forma que uma criança nobre requer um condutor,
Então, novamente, a alma necessita do corpo. Pois, como falamos de coisas infantis, não ao menosprezo da infância,
mas apenas daqueles atos que são feitos durante a infância; também estamos falando agora do corpo.

No entanto, está em nosso poder, se quisermos, não mais estar na carne, não, nem na terra, mas no céu e no Espírito.
Para o nosso estar aqui ou ali, não é determinado tanto pela nossa posição, como pela nossa disposição. De muitas
pessoas, pelo menos, que estão em algum lugar, dizemos que elas não estão lá, quando dizemos: "Tu não estavas
aqui. E novamente não estás aqui". E por que eu digo isso? Muitas vezes dizemos: "Tu não estás em (en) ti mesmo, eu
não estou em (en) eu mesmo", e ainda assim o que pode ser mais material (um exemplo mais forte da localidade
corpórea) do que isso, que um homem está perto de si mesmo? E, no entanto, apesar disso, dizemos que ele não está
em si mesmo. Vamos então estar em nós mesmos, no céu, no Espírito. Permaneçamos na paz e na graça de Deus, para
que sejamos livres de todas as coisas da carne, e pode ser capaz de alcançar as coisas boas que são prometidas em
Jesus Cristo, nosso Senhor, com quem ao Pai, juntamente com o Espírito Santo, seja glória e força e honra, agora e daí
em diante e para todo o sempre. Um homem.

Notas de rodapé:

[225] ["Portanto, porque tais benefícios exaltados e imerecidos nos foram transmitidos (vv. 4-10)" (Ellicott vv. 1-7).
"Esses benefícios devem levar o leitor a lembrar seu antigo estado pagão miserável, a fim de avaliar, em contraste, o
valor de seu estado atual". Meyer .-- GA]

[226] ["Eles eram aqueles designados prepúcio" pelas pessoas que levam o nome da operação cirúrgica realizada em
sua carne. "- Meyer - GA]

[227] ["Eles estavam sem igreja, sem promessa, sem esperança, sem Deus, e isto no profano mundo ímpio (eno kosmo
estando em contraste com as politeias tou Israel e como ele, ético em referência.) Atheoi pode significar ignorante de
Deus ou abandonado por Deus, provavelmente o último. "- Ellicott .-- GA]

[228] ["Isto também é o que eles devem lembrar, mas o apóstolo continua o contraste em uma sentença
independente." - Enigma, em Comentário Popular. - GA]

[229] ["O pronome enfático é usado, autos. Mas Ele não é colocado em oposição a nós mesmos" tendo feito a paz,
mas como Bengel diz, não meramente é pacificador, pois ao custo de si mesmo "Ele obteve a paz. '"- Meyer .-- GA]
[230] ["O único modo de tomar o echran em harmonia com o contexto não é como Crisóstomo", mas a inimizade que
existia entre judeus e gentios. "- Meyer." En te sarki, em carne e osso, "não pertence a dez echran, como Chrysostom
interpreta mas a katargesas, tendo abolido. '"Então Meyer e Rev. Ver - GA

[231] [A ordem do grego é a seguinte: ton nomon ton entolon en dogmasin katargesas. Crisóstomo tem por causa da
ordem juntada em dogmasin com katargesas, como sua definição modal. Mas o dogmasin pertence ao entolon que
significa a lei dos mandamentos que consiste em ordenanças, "entolon denotando o conteúdo" da lei e en dogmas na
forma "na qual eles foram dados"; então Meyer. - GA]

[232] [en auto: "Isto não equivale a di heautou, como Crisóstomo, mas afirma que a unidade a ser produzida deveria
ser fundada em Cristo mesmo, era ter a base de sua existência e continuidade nEle e não em quaisquer outros
princípios unificadores. "- Meyer .-- GA]

[233] [Meyer diz que a apo reforça a noção de reconciliação, Ellicott que ela não apenas fortalece, mas sugere uma
restauração da unidade primal, o significado da apo novamente. - GA]

[234] ["Depois que ele tiver matado a inimizade & c .;" pois está inserido na segunda metade da afirmação do design
'e é correlativo ao poion eirenen. "- Meyer .-- GA]

Efésios 2:14
Porque ele é a nossa paz, que fez um e derrubou o muro do meio da separação entre nós ;
Efésios 2:15
Tendo abolido em sua carne a inimizade, mesmo a lei dos mandamentos contida nas ordenanças; para fazer em si
mesmo de dois um homem novo, assim fazendo paz;
Efésios 2:16
E para que ele pudesse reconciliar a Deus em um só corpo pela cruz, matando assim a inimizade:
Efésios 2:17
E veio e pregou paz aos que estavam longe e aos que estavam perto.
"E Ele veio e pregou a paz para os que estavam distantes, e paz para os que estavam perto, pois através Dele, ambos
temos acesso em um só Espírito ao Pai. Então vós não sois mais estrangeiros e estrangeiros, mas sois concidadãos com
os santos e da família de Deus, sendo edificados sobre a fundação dos apóstolos e profetas, sendo o próprio Cristo
Jesus a principal pedra de esquina, na qual cada edifício emoldurado cresce em um templo sagrado. no qual também
vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito.
Ele não enviou, diz o Apóstolo, pela mão de outro, nem Anunciou estas notícias para nós por meio de qualquer outro,
mas Ele mesmo fez isso em Sua própria pessoa. Ele não enviou Anjo nem Arcanjo na missão, porque reparar tantos e
vastos danos e declarar o que havia sido feito estava no poder de nenhum outro, mas exigia Sua própria vinda. [235]
O Senhor então assumiu o posto de servo, ou melhor, quase de ministro, "e veio e pregou paz a vós", diz ele, "que
estavam distantes e aos que estavam próximos". Para os judeus, ele quer dizer, que, comparados a nós mesmos,
estavam próximos. "Por meio dele, ambos temos acesso ao mesmo Pai em um só Espírito".

"Paz", diz ele, aquela "paz" que é para com Deus. Ele nos reconciliou. Pois o próprio Senhor também diz: "Deixo a paz
convosco; a minha paz te dou". ( João 14:27 ) E novamente: "Tende bom ânimo, eu venci o mundo". ( João 16:33 ) E
novamente: "Tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei". ( João 14:14 ) E novamente: "Porque o Pai te ama." (
João 16:27.) Essas são tantas evidências de paz. Mas como para os gentios? "Porque, por meio dEle, ambos temos
acesso a um só Espírito ao Pai", não a vós, e a mais, mas a todos pela mesma e única graça. A ira que Ele aplacou por
Sua morte e nos fez encontrar pelo amor do Pai através do Espírito. Mark novamente, o "in" significa "por" ou "por
meio de". Por Ele mesmo e pelo Espírito, Ele nos trouxe ao Pai. "Então não sois mais estrangeiros e peregrinos, mas
concidadãos com os santos."

Percebe-vos que não é com os judeus simplesmente, não, mas com aqueles santos e grandes homens, como Abraão,
Moisés e Elias? É para a mesma cidade com estes estamos matriculados, para que nos declaremos. "Para aqueles que
dizem tais coisas", diz ele, "manifestam que estão buscando um país próprio". ( Hebreus 11:14 ). Não somos mais
estrangeiros dos santos, nem estrangeiros. Pois os que não alcançam as bênçãos celestes são estrangeiros. "Pois o
Filho", diz Cristo, "permanece para sempre". ( João 8:35 )

"E da casa", continua ele, "de Deus".


A mesma coisa que eles tinham no princípio, por meio de tantos labutas e problemas, foi para você realizada pela
graça de Deus. Eis a esperança do teu chamado.

"Sendo construído sobre a fundação dos apóstolos e profetas."

Observe como ele mescla todos juntos, os gentios, os judeus, os apóstolos, os profetas e Cristo, e ilustra a união às
vezes do corpo, e às vezes do edifício: "construído", diz ele, "sobre o fundação dos Apóstolos e Profetas; " isto é, os
Apóstolos e os Profetas são um alicerce, [237] e ele coloca os Apóstolos em primeiro lugar, embora eles estejam em
ordem de tempo por último, sem dúvida para representar e expressar isto, tanto um como o outro são um alicerce, e
que o todo é um edifício e que há uma raiz. Considere que os gentios têm os patriarcas como base. Ele aqui fala mais
fortemente desse ponto do que quando fala de um "enxerto". Lá ele prefere ligá-los. Então ele acrescenta que aquele
que une o todo em Cristo.

"Em quem cada edifício vários."

Marcos, como ele une tudo e representa-O de uma só vez, mantendo todo o corpo de cima, e soldando-o; em outro
momento, apoiando o edifício de baixo e sendo, por assim dizer, uma raiz ou base. E considerando que ele usou a
expressão "Ele criou em Si mesmo dos dois um novo homem"; ( Efésios 2:15 ) Por isso ele nos mostra claramente que,
por si mesmo, Cristo une as duas paredes; e, novamente, que n'Ele foi criado. E "Ele é o primogênito", diz ele, "de toda
a criação", isto é, Ele mesmo apóia todas as coisas.

"Em quem cada edifício vários, devidamente enquadrado."

Se você fala do telhado, ou das paredes, ou de qualquer outra parte, [239] Ele apóia o todo. Assim, ele em outro lugar
o chama de fundamento. "Para outras fundações", diz ele, "ninguém pode pôr do que o que está posto, que é Jesus
Cristo". ( 1 Coríntios 3:11.) "Em quem cada edifício vários", diz ele, "fitly enquadrado em conjunto." Aqui ele mostra a
perfeição disso, e indica que não se pode ter outro lugar nele, a não ser vivendo com grande exatidão. "Cresce em um
templo santo no Senhor, em quem também vós", acrescenta ele, "são edificados juntos". Ele está falando
continuamente: "Para um templo sagrado, para uma habitação de Deus no Espírito". Qual é então o objeto deste
edifício? É que Deus pode habitar neste templo. Para cada um de vocês é um templo, e todos vocês juntos são um
templo. E ele habita em você como no corpo de Cristo e como em um templo espiritual. Ele não usa a palavra que
significa a nossa vinda a Deus (prosodos), mas que implica que Deus nos traz a si mesmo (prosagoge), pois não saímos
de nós mesmos, mas fomos trazidos por ele. "Ninguém", diz Cristo, "vem ao Pai senão por mim". E novamente: "Eu
sou o caminho, a verdade e a vida". (João 14: 6 )

Ele se junta a eles com os santos e, mais uma vez, retorna à sua antiga imagem, em lugar algum, sofrendo com a
desunião de Cristo. Sem dúvida, então, este é um edifício que deve continuar até a Sua vinda. Sem dúvida, foi por essa
razão que Paulo disse: "Como sábio mestre construtor, lancei uma fundação". ( 1 Coríntios 3:10 , 11.) E também que
Cristo é o fundamento. O que então significa tudo isso? Você observa que todas as comparações se referem aos
assuntos, e que não devemos expô-las exatamente à letra. O Apóstolo fala da analogia como Cristo faz, onde Ele chama
o Pai de lavrador ( João 15: 1 ) e Ele mesmo uma raiz. ( Apocalipse 22:16 )

Rachar. iii. ver. 1. "Por isso eu, Paulo, o prisioneiro de Jesus Cristo em favor de vós gentios."

Ele mencionou o grande e afetuoso cuidado de Cristo; ele agora passa para o seu próprio, insignificante de fato como
é, e muito pouco em comparação com isso, e ainda assim é o suficiente para envolvê-los em si mesmo. Por esta causa,
diz ele, eu também estou ligado. [240] Pois se meu Senhor foi crucificado por vossa causa, muito mais estou ligado.
Ele não só estava preso a si mesmo, mas permite que Seus servos também sejam ligados - "para vós gentios". Está
cheio de ênfase; Não só não vos odeio mais, mas estamos atados, diz ele, por amor de vós e desta graça suprema sou
participante.

Ver. 2. "Se é assim que ouvistes da dispensação daquela graça de Deus, que me foi dada a vós".

Ele faz alusão à previsão dirigida a Ananias a respeito dele em Damasco, quando o Senhor disse: "Vai, pois ele é um
vaso escolhido para mim, para levar meu nome diante dos gentios e dos reis". ( Atos 9:15 )
Por "dispensação da graça", ele quer dizer a revelação feita a ele. Tanto quanto dizer: "Eu não aprendi do homem. (
Gálatas 1:12 ). Ele concedeu-se a revelá-lo até mesmo a mim, embora, mas por um indivíduo por sua causa. Para Si
mesmo disse a mim, diz ele," Parta, porque assim te enviarei para longe, aos gentios. ”( Atos 22:21 .)“ Se assim vossos
ouviram ”para uma dispensação, um poderoso: chamar um, sem ser influenciado de qualquer outro quadrante,
imediatamente de cima, e dizer: "Saulo, Saulo, por que Me persegues?", e cegá-lo cego com essa luz inefável! "se é
assim que ouvistes", [241] diz ele, "da dispensação daquele graça de Deus que me foi dada a vós ".

Ver. 3. "Como por revelação me foi revelado o mistério, como escrevi antes em poucas palavras."

Talvez ele as tivesse informado disso por algumas pessoas, ou não havia muito tempo escrito para elas. [242] Aqui ele
está apontando que o todo é de Deus, que nada contribuímos. Para quê? Eu pergunto, não foi o próprio Paulo, o
maravilhoso, aquele que era tão versado na lei, aquele que foi criado aos pés de Gamaliel de acordo com a maneira
mais perfeita, ele não foi salvo pela graça? Com uma boa razão, também ele chama isso de mistério, pois é um mistério
elevar os gentios em um momento a um posto mais elevado do que os judeus. "Como eu escrevi antes", diz ele, "em
poucas palavras", isto é, brevemente,

Ver. 4. "Pelo que, quando lidas, podeis perceber."

Surpreendente! Então ele escreveu não o todo, nem tanto quanto deveria ter escrito. Mas aqui a natureza do assunto
impediu isso. Em outros lugares, como no caso dos hebreus ( Hebreus 5:11 ) e dos coríntios ( 1 Coríntios 3: 2 ), a
incapacidade dos ouvintes. "Por onde, quando ledes, podeis perceber", diz ele, "meu entendimento no mistério de
Cristo", isto é, como eu sabia, como entendia tanto coisas como Deus tem falado, ou então, que Cristo se assenta no
destra de Deus; e então também a dignidade, em que Deus "não tratou assim com nenhuma nação". ( Salmo 147: 20
) E então, para explicar que nação é essa com quem Deus assim tratou, ele acrescenta:

Ver. 5. "O qual em outras gerações não foi dado a conhecer aos filhos dos homens, como agora foi revelado aos Seus
santos Apóstolos e Profetas no Espírito."

O que então, me diga, os Profetas não sabiam disso? Como então Cristo diz que Moisés e os Profetas escreveram
"estas coisas concernentes a Mim?" E novamente: "Se você cresse em Moisés, você acreditaria em mim". ( João 5:46
) E novamente: "Examinais as Escrituras, porque pensais que nelas tendes vida eterna, e são elas que dão testemunho
de mim." ( João 5:39.) Seu significado é este: ou que não foi revelado a todos os homens, pois acrescenta: "o qual em
outras gerações não foi dado a conhecer aos filhos dos homens, como agora foi revelado"; ou então, que não foi assim
dado a conhecer pelos próprios factos e realidades, "como agora foi revelado aos Seus Santos Apóstolos e Profetas no
Espírito". Para refletir. Pedro, se ele não tivesse sido instruído pelo Espírito, nunca teria ido aos gentios. Para ouvir o
que ele diz: "Então Deus lhes deu o Espírito Santo, assim como a nós". ( Atos 10:47.) Foi pelo Espírito que Deus escolheu
que eles recebessem a graça. Os Profetas então falaram, mas eles não o sabiam perfeitamente; tão longe disso, que
nem mesmo os apóstolos, depois de terem ouvido. Até agora superou todo cálculo humano e a expectativa comum.

Ver. 6. "Que os gentios são co-herdeiros e companheiros do corpo e companheiros participantes." [244]

O que é isso; "herdeiros e colegas participantes da promessa e companheiros do corpo?" Esta última é a grande coisa,
que eles deveriam ser um só corpo; esta excessiva proximidade de relação com Ele. Para isso, eles deveriam ser
chamados de fato, que eles sabiam, mas que era tão grande que eles ainda não sabiam. Por isso ele chama o mistério.
"Da promessa." Os israelitas eram participantes e os gentios também eram companheiros da promessa de Deus.

"Em Cristo Jesus através do Evangelho".

Isto é, por Ele ser enviado a eles também e por crer; pois não se diz que eles são co-herdeiros simplesmente, mas
"através do Evangelho". Porém, isto de fato não é nada tão grande, é de fato uma coisa pequena, e nos revela outra
e maior coisa, que não somente os homens não sabiam disso, mas que nem Anjos nem Arcanjos, nem qualquer outro
poder criado, isto. Pois era um mistério e não foi revelado. "Que você pode perceber", diz ele, "meu entendimento".
Isto alude, talvez, ao que ele disse a eles em Atos, que ele tinha algum conhecimento que os gentios também eram
chamados. Isto, diz ele, é o seu próprio conhecimento, "o conhecimento do mistério", que ele mencionou, "que Cristo
em si mesmo fará dos dois um novo homem". Por revelação ele foi instruído, tanto ele como Pedro, para que não
rejeitem os gentios; e isso ele afirma em sua defesa.
Ver. 7. "Da qual fui feito ministro, segundo o dom da graça de Deus que me foi dada segundo a eficácia do seu poder."

Ele havia dito: "Eu sou um prisioneiro"; mas agora, novamente, ele diz que tudo é de Deus, como ele diz, "de acordo
com o dom da Sua graça"; pois de acordo com o poder do dom é a dignidade desse privilégio. Mas o presente não
teria sido suficiente, se não tivesse também implantado nele poder.

Moral. Para uma obra, na verdade, era de poder, de grande poder, e tal como nenhuma diligência humana era igual
a. Para ele trouxe três qualificações para a pregação da palavra, um zelo fervoroso e aventureiro, uma alma pronta
para sofrer qualquer dificuldade possível, e conhecimento e sabedoria combinados. Por seu amor ao
empreendimento, sua inocência da vida, não havia aproveitado nada, se ele também não tivesse recebido o poder do
Espírito. E olhe para isso como visto primeiro em si mesmo, ou melhor, ouça suas próprias palavras. "Que nosso
ministério não seja culpado." ( 2 Coríntios 6: 3 ) E novamente: "Para nossa exortação, não é de erro, nem de impureza,
nem de astúcia, nem de clamar da cobiça." ( 1 Tessalonicenses 2: 35) Assim viste a sua inocência. E novamente:
"Porque pensamos em coisas honradas, não apenas à vista do Senhor, mas também à vista dos homens". ( 2 Coríntios
8:21 ) Então, novamente, além destes; "Eu protesto pela glória em você que eu tenho em Cristo Jesus nosso Senhor,
eu morro diariamente." ( 1 Coríntios 15:31 ) E novamente; "Quem nos separará do amor de Cristo? Tribulação, angústia
ou perseguição?" ( Romanos 8:35 ) E novamente; "Com muita paciência, nas aflições, nas necessidades, nas aflições,
nas rédeas, nas prisões, nas vigílias". ( 2 Coríntios 6: 4, 5.) Então, novamente, sua prudência e gestão; "Para os judeus
me tornei como judeu, para os que estão sem lei como sem lei, para os que estão debaixo da lei, como debaixo da
lei." ( 1 Coríntios 9:20 ) Ele também raspa a cabeça ( Atos 21: 24-26 ) e faz inúmeras coisas desse tipo. Mas a coroa de
tudo está no poder do Espírito Santo. "Porque não me atrevo a falar", diz ele, "de qualquer coisa além daquelas que
Cristo fez por mim." ( Romanos 15:18 ) E novamente: "Por que você foi feito inferior ao resto das Igrejas?" ( 2 Coríntios
12:13 ) E novamente: "Pois em nada estive atrás dos principais Apóstolos, embora não seja nada". ( 2 Coríntios 12:11.)
Sem estas coisas, o trabalho foi impossível.

Não foi então por seus milagres que os homens foram feitos crentes; Não, não foram os milagres que fizeram isso,
nem foi no terreno destes que ele reivindicou sua alta pretensão, mas sobre aqueles outros fundamentos. Pois um
homem deve ser igualmente irrepreensível na conduta, prudente e discreto em suas relações com os outros,
independentemente do perigo, e apto a ensinar. Foi por essas qualificações que a maior parte de seu sucesso foi
alcançada. Onde havia estes, não havia necessidade de milagres. Pelo menos vemos que ele foi bem sucedido em
inúmeros casos, muito antes do uso de milagres. Mas, hoje em dia, nós, sem qualquer um desses, desejaríamos
comandar todas as coisas. No entanto, se um deles for separado do outro, doravante se tornará inútil. Qual é a
vantagem de um homem ser tão independente do perigo, se sua vida estiver aberta à censura? "Mateus 6:23 .) Mais
uma vez, qual é a vantagem de um homem ser de uma vida irrepreensível, se ele é lento e indolente? "Pois aquele
que não tomar a sua cruz e seguir a mim", diz Ele, "não é digno de mim"; ( Mateus 10:38 ) e assim, "O bom pastor dá
a vida pelas ovelhas". ( João 10:11 ) Novamente, qual é a vantagem de ser ambos, a menos que um homem seja ao
mesmo tempo prudente e discreto em "saber como deve responder a cada um?" ( Colossenses 4: 6Mesmo que os
milagres não estejam em nosso poder, ambas as qualidades estão em nosso poder. Ainda assim, no entanto, apesar
de Paulo ter contribuído muito com ele mesmo, ele atribuiu tudo à graça. Este é o ato de um servo agradecido. E nós
nunca deveríamos ter ouvido falar de suas boas ações, se ele não tivesse sido levado a uma necessidade de declará-
las.

E nós somos dignos então até para mencionar o nome de Paulo? Ele, que além disso tinha graça para ajudá-lo, ainda
não estava satisfeito, mas contribuiu para o trabalho de dez mil perigos; enquanto nós, que somos destituídos daquela
fonte de confiança, donde, diga-me, esperamos preservar aqueles que estão comprometidos com a nossa
responsabilidade, ou ganhar aqueles que não estão no rebanho - homens, como nós somos? , que têm feito um estudo
da condescendência própria, que estão procurando em todo o mundo por facilidade, e que são incapazes, ou melhor,
que não estão dispostos a suportar a própria sombra do perigo, e estão tão distantes de sua sabedoria quanto o céu
é da terra? Por isso é também que os que estão debaixo de nós estão tão distantes dos homens daqueles dias; porque
os discípulos daqueles dias eram melhores do que os professores destes, Isolados como se estivessem no meio da
população e dos tiranos, e tendo todos os homens de todos os lados como inimigos, e ainda assim não no menor grau
arrastados para baixo ou cedendo. Ouça pelo menos o que ele diz aos filipenses, (Filipe, 29). "Porque a vós foi
concedido em favor de Cristo, não apenas para crer nele, mas também para sofrer em seu favor." E novamente para
os tessalonicenses,1 Tessalonicenses 2:14 .) "Pois vós, irmãos, tornastes imitadores das igrejas de Deus que estão no
juízo?" E novamente, por escrito, aos hebreus ( Hebreus 10:34 ), ele disse: "E aproveitastes alegremente a destruição
de vossas posses". E para os Colossenses ( Colossenses 3: 3 ), ele testifica, dizendo: "Pois morrestes e a vossa vida está
escondida com Cristo em Deus". E, de fato, para esses mesmos efésios ele testemunha muitos perigos e perigos. E
novamente escrevendo aos Gálatas, ( Gálatas 3: 4.) ele diz: "Deixastes tantas coisas em vão? Se for em vão". E você
também os vê, todos empregados em fazer o bem. Por isso foi que tanto a graça operou efetivamente naqueles dias,
daí também que eles viveram em boas obras. Ouça, além disso, o que ele escreve aos Coríntios, contra quem ele traz
acusações fora do número; contudo, ele não lhes dá testemunho, onde diz: "Que zelo lhe causou, sim, que saudade!"
( 1 Coríntios 7:11 ) E, novamente, em quantos pontos ele os sustenta sobre esse assunto? Essas coisas não se verão
nos dias de hoje, nem mesmo nos professores. Todos eles se foram e pereceram. E a causa é que o amor se esfria, que
os pecadores ficam impunes; (pois ouça o que ele diz escrevendo a Timóteo, 1 Timóteo 5:20).. "Aqueles que pecam,
reprovam à vista de todos;") é que os governantes estão em um estado doentio; porque, se a cabeça não for sadia,
como pode o resto do corpo manter seu vigor? Mas marque quão grande é o distúrbio atual. Eles, que viviam
virtuosamente, e que sob qualquer circunstância podiam ter confiança, tomaram posse dos topos das montanhas,
[245] e escaparam para fora do mundo, separando-se de um inimigo e de um estrangeiro e não de um corpo a que
pertenciam.

Pragas também, repletas de incontáveis travessuras, iluminaram as Igrejas. Os escritórios principais tornaram-se
vendáveis. [246] Assim, inúmeros males estão surgindo, e não há ninguém para reparar, ninguém para reprová-los.
Não, o transtorno assumiu uma espécie de método e consistência. Um homem errou e foi acusado por isso? Seu
esforço não é provar a si mesmo sem culpa, mas descobrir se possíveis cúmplices de seus crimes. O que é ser de nós?
desde que o inferno é a nossa parte ameaçada. Acredite em mim, se Deus não guardasse o castigo para nós lá, você
veria tragédias diárias mais profundas do que os desastres dos judeus. O que então? todavia, ninguém se ofenda,
porque não menciono nomes; suponha que alguém viesse a esta igreja para apresentar a vocês que estão aqui neste
momento, aqueles que estão agora comigo, e fazer inquisição deles; ou melhor, não agora mas suponha que, no dia
da Páscoa, qualquer um dotado de tal espírito, que tenha um conhecimento profundo das coisas que estivera fazendo,
devesse examinar por perto todos os que vinham à Comunhão e estavam sendo lavados [no batismo] depois de terem
freqüentado a igreja. mistérios; muitas coisas seriam descobertas mais chocantes que os horrores judaicos. Ele
encontraria pessoas que praticam o augúrio, que fazem uso de encantos, presságios e encantamentos, e que
cometeram fornicação, adúlteros, bêbados e vilões - cobiçosos, não estou disposto a acrescentar, para não ferir os
sentimentos de qualquer um. daqueles que estão de pé aqui. O que mais? Suponha que qualquer um deva investigar
todos os comunicantes do mundo, que tipo de transgressão existe que ele não detectaria? e se ele os examinasse com
autoridade? Não os acharia ansiosos por ganhar? fazendo o tráfego de lugares altos? invejoso, maligno, vaidoso,
guloso e escravo do dinheiro?

Onde, então, existe tanta impiedade quanto esta, que terrível calamidade não devemos esperar? E para ter certeza
de quão dolorosas são as vinganças que são culpadas de tais pecados, considerem os exemplos de antigamente. Um
único homem, um soldado comum, roubou a propriedade sagrada e todos foram feridos. Você sabe, sem dúvida, a
história que eu quero dizer? Estou falando de Acham, o filho de Carmi, o homem que roubou o espólio consagrado. (
Josué 7: 1-26 ). O tempo também quando o Profeta falou, foi uma época em que seu país estava cheio de
adivinhadores, como o dos filisteus. ( Isaías 2: 6.) Considerando que agora há males fora do número no total, e não
um teme. Oh, daqui em diante, vamos dar o alarme. Deus está acostumado a punir os justos também com os ímpios;
tal foi o caso de Daniel e dos três filhos sagrados, como foi o caso de dez mil outros, como é o caso nas guerras que
estão ocorrendo até hoje. Pois, na verdade, qualquer que seja o fardo dos pecados que tenham sobre eles, por esse
meio, deixem de lado isso; mas não o outro.

Por causa de todas essas coisas, vamos prestar atenção a nós mesmos. Não vedes estas guerras? Não ouves destes
desastres? Não aprendes lição destas coisas? Nações e cidades inteiras são engolidas e destruídas, e milhares de
pessoas novamente são escravizadas pelos bárbaros.

Se o inferno não nos levar a nossos sentidos, ainda assim, deixe estas coisas. Quais são essas meras ameaças, não são
fatos que já ocorreram? Grande é o castigo que sofreram, mas ainda assim sofreremos mais, que não são trazidos a
nosso juízo nem por seu destino. Esse discurso está vestindo? [247] Estou ciente de que sou eu mesmo, mas se atendê-
lo, isso tem sua vantagem; porque isto não tem, a qualidade de um endereço para agradar - não mais, nem nunca
terá, mas sempre aqueles tópicos que podem servir para humilhar e castigar a alma. Pois estes serão para nós o
trabalho de campo das bênçãos que virão no futuro, às quais Deus concede que todos possamos alcançar, em Jesus
Cristo, nosso Senhor, com quem ao Pai, junto com o Espírito Santo, seja glória e poder e honra. agora e daqui por
diante e para todo o sempre. Um homem.

Notas de rodapé:
[235] [Esta passagem não se refere ao Seu advento corporal sobre a terra, como Crisóstomo interpreta, mas seguindo
o relato de sua crucificação mais naturalmente se refere a um advento espiritual, a saber, no Espírito Santo (na medida
em que é o espírito de Cristo) ) O próprio Cristo veio. Ele é a nossa paz; sim, e Ele veio e pelo Seu espírito e a boca dos
apóstolos Ele pregou isto. - Meyer e Ellicott.

[236] [O texto de Field não tem as palavras "os judeus"; mas como há excelente autoridade para eles e eles se adequam
melhor ao contexto, nós os deixamos, com o tradutor de Oxford, em nosso texto.

[237] ["É errado considerar esse genitivo como o genitivo da aposição, como Crisóstomo, pois os apóstolos e profetas
não são o fundamento, mas o estabeleceram. ( 1 Coríntios 3:10 ). Nem os profetas aqui mencionados mencionam OT.
profetas, mas os profetas do NT (cf. iii. 5; iv. 11). - Meyer. "- GA]

[238] Colossenses 1:15 . ie "Gerado antes de toda criatura"; "gerado de seu pai antes de todos os mundos." Explica-se
da natureza divina do nosso Senhor por Orígenes, Periarch. Eu. 2. Tertuliano em Prax. 7. em Marcion, v. 19. S. Hilar.
de Trin. viii. 50. S. Ambros. de Fid. Eu. 14. S. Basil em Eunom. iv. em Colossenses 1:15 . Outros entendem a expressão
para denotar o Unigênito considerado como se tornando a origem da nova criação, - como começando em Sua carne,
como sendo o Unigênito, o mundo regenerado. Assim S. Athanasius Orat. iii. 62, 63. S. Greg. Nyss de perfeito. p. 722.
contra. Eunom ip 24. iii. págs. 113, 114. S. Cirilo. de Trin. iv. p. 518. S. agosto. em Rom. 56. A doutrina interpreta a
palavra nos dois sentidos, in loco. e no salmo 8828. S. Crisóstomo também, Hom. Filho. Colossenses 1:15 . pode ser
entendido de acordo com qualquer interpretação. De fato, eles são bastante consistentes um com o outro.

[239] ["Crisóstomo está errado em sustentar que por pasa oikodome é significada toda parte" do edifício (parede,
telhado, etc.), já que o oikodome denota o agregado "das partes únicas do edifício. Pasa oikodome significa todo
edifício "e está aqui para ser interpretado, toda comunidade cristã, cada congregação." - Meyer - GA

[240] [A Versão Siríaca seguida de comentaristas de Crisóstomo a Meyer faz o hodemios predicar, fornecendo "am".
"Eu, Paulo, sou o prisioneiro de Cristo Jesus para vocês, gentios." Isso está aberto a objeções graves. O desmos está
em aposição e a construção quebrada é retomada na ver. 14 .-- Riddle, Ellicott, Alford, Braune. RV Comp. 4: 1 .-- GA]

[241] ["Apelo gentil, expresso em uma forma hipotética e transmitindo a esperança de que suas palavras não tenham
sido esquecidas." - Ellicott - GA]

[242] ["Esta observação entre parênteses do Apóstolo não se refere a uma carta perdida, mas à última seção tratada
sobre os gentios que alcançaram a salvação." - Meyer - GA]

[243] [Os profetas aqui se referem, como antes, aos profetas do Novo Testamento, e não, como Crisóstomo entende,
aos profetas do AT.

[244] ["herdeiros-companheiros (sunkleronoma) denota a posse conjunta com os judeus crentes da eterna felicidade
messiânica." - Meyer. "As seguintes palavras (sussoma kai summetocha), que parecem ter sido cunhadas pelo
apóstolo, são bem reproduzidas por RV, companheiros do corpo e companheiros participantes", e revelam mais
plenamente a relação dos companheiros. herdeiros um do outro. "- Riddle. - GA]

[245] Isto alude aos monges que viviam nas montanhas sobre Antioquia, onde estas Homilias parecem ter sido escritas.
Comparar Homilia xiii. p. 2. vid. Adv. Assaltar. Eu. 7, 8. Em outra parte ele culpa pessoas que se aposentaram, como
escondendo seus talentos, vid. I Cor. om. vi. 8

[246] O mesmo pecado é notado entre outros lugares por S. Basil Ep. 53 .. S. Ambrose em Luc. lib. ix. 17-19. S. Jerome
em Mateus 21:12 , 13.

[247] S. Crisóstomo reclama que seus ricos ouvintes, quando a escolha estava entre teatro ou raça e Igreja, preferiam
a primeira; alegando o calor e a multidão do último, vid. t. 3. Hom. iii. xii. e xv. (Ed. Ben.) I Cor. om. v. fin. Nós vemos
seu cuidado em consultar os gostos e capacidades de seus ouvintes em sua pregação, em Ps. 41 .. init. e T. 3. Hom. vii.
n. 3 ((Ed. Ben.)
◄ Efésios 3 ►
Homilias de Crisóstomo
Efésios 3: 1
Por isso, eu, Paulo, o prisioneiro de Jesus Cristo para vós, gentios,
Efésios 3: 2
Se ouvistes da dispensação da graça de Deus que me é dada a vós:
Efésios 3: 3
Como por revelação ele me fez conhecer o mistério; (como escrevi antes em poucas palavras,
Efésios 3: 4
Por onde, quando lemos, podeis entender meu conhecimento no mistério de Cristo)
Efésios 3: 5
O qual em outras épocas não foi dado a conhecer aos filhos dos homens, como agora é revelado aos seus santos
apóstolos e profetas pelo Espírito;
Efésios 3: 6
Para que os gentios sejam companheiros de unidade e do mesmo corpo e participantes de sua promessa em Cristo
pelo evangelho:
Efésios 3: 7
Do qual fui feito ministro, de acordo com o dom da graça de Deus que me foi dada pela operação eficaz de seu poder.
Efésios 3: 8
Para mim, que sou menos que o menor de todos os santos, é esta graça dada, que eu deveria pregar entre os gentios
as insondáveis riquezas de Cristo;
"Para mim, que sou menos que o menor de todos os santos, foi esta graça dada, para pregar aos gentios as riquezas
insondáveis de Cristo; e para fazer todos os homens verem qual é a dispensação do mistério, que de todas as épocas
tem sido Escondido em Deus, que criou todas as coisas: [248] para a intenção de que agora para os principados e
potestades nos lugares celestiais se tornasse conhecida através da Igreja a multiforme sabedoria de Deus, de acordo
com o propósito eterno, que Ele propôs em Cristo Jesus nosso Senhor ".
Aqueles que vão ao médico não têm apenas que ir lá e nada mais; eles têm que aprender como se tratar e aplicar
remédios. E assim, conosco, que vêm aqui, não devemos fazer isso e nada mais, precisamos aprender nossa lição, a
humildade de Paulo. O que? quando ele estava prestes a falar da vastidão da graça de Deus, ouça o que ele diz: "A
mim, que sou menos que o menor de todos os santos, foi dada esta graça". De fato, era mesmo lamentar seus pecados
anteriores, embora apagados, e fazer menção deles, e manter-se dentro de sua verdadeira medida, como se ele se
chamasse "um blasfemo, um perseguidor e injurioso"; ( 1 Timóteo 1:13 ), mas nada era igual a isto: por "antigamente",
diz ele, eu era assim; e mais uma vez ele se chama "1 Coríntios 15: 8. ) Mas que depois de tantos grandes e boas obras
e naquele tempo ele deveria se humilhar, e se chamar "menos do que o menor de todos", isso é de fato grande e
extraordinária moderação. "Para quem é menos que o menor de todos os santos"; ele não diz "que os apóstolos". De
modo que essa expressão é menos forte do que esta antes de nós. Lá suas palavras são: "Eu não sou encontrado para
ser chamado apóstolo". ( 1 Coríntios 15: 9.) Aqui ele diz que ele é "menos do que o menor de todos os santos"; "para
mim", diz ele, "quem é menos que o menor de todos os santos foi esta graça dada". Que graça? Pregar aos gentios as
riquezas inescrutáveis de Cristo, e fazer com que todos vejam qual é a dispensação do mistério que, de todas as épocas,
esteve oculto em Deus, que criou todas as coisas, para a intenção que agora é para os principados e os poderes nos
lugares celestiais, podem ser conhecidos através da Igreja a multiforme sabedoria de Deus ". É verdade que para o
homem isso não foi revelado; e tu estás iluminando Anjos e Arcanjos e Principados e Poderes? Eu sou, diz ele. Pois
estava "escondido em Deus", até "em Deus que criou todas as coisas". E você se atreve a dizer isso? Eu faço, diz ele.
Mas de onde isso foi manifestado aos Anjos? Pela igreja. Mais uma vez ele diz, não apenas os múltiplos (poikilos), mas
a muito múltipla (polupoikilos) sabedoria, isto é, "o multiplicado e variado". O que então é isso? Os anjos não sabiam
disso? Não, nada disso; porque, se os principados não o conhecessem, muito menos os anjos poderiam tê-lo
conhecido. O que então? Nem os Arcanjos sabiam disso? Não, nem eles. Mas de onde eles iriam saber? Quem deveria
revelar isso? Quando fomos ensinados, então eles também eram por nós. [249] Para ouvir o que o anjo disse a José;
"Chamarás o seu nome Jesus, porque é ele quem salvará o seu povo dos seus pecados." ( O que então é isso? Os anjos
não sabiam disso? Não, nada disso; porque, se os principados não o conhecessem, muito menos os anjos poderiam
tê-lo conhecido. O que então? Nem os Arcanjos sabiam disso? Não, nem eles. Mas de onde eles iriam saber? Quem
deveria revelar isso? Quando fomos ensinados, então eles também eram por nós. [249] Para ouvir o que o anjo disse
a José; "Chamarás o seu nome Jesus, porque é ele quem salvará o seu povo dos seus pecados." ( O que então é isso?
Os anjos não sabiam disso? Não, nada disso; porque, se os principados não o conhecessem, muito menos os anjos
poderiam tê-lo conhecido. O que então? Nem os Arcanjos sabiam disso? Não, nem eles. Mas de onde eles iriam saber?
Quem deveria revelar isso? Quando fomos ensinados, então eles também eram por nós. [249] Para ouvir o que o anjo
disse a José; "Chamarás o seu nome Jesus, porque é ele quem salvará o seu povo dos seus pecados." (Mateus 1:21 .)

O próprio Paulo foi enviado aos gentios, os outros apóstolos da circuncisão. De modo que a comissão mais maravilhosa
e surpreendente foi dada, diz ele, "para mim, quem é menos que o menor". E isto também era de graça, que aquele
que era o menor deveria ter as maiores coisas confiadas a ele; que ele deveria ser o arauto dessas notícias. Pois aquele
que é feito arauto das boas novas é assim grande.

"Pregar aos gentios as riquezas insondáveis [250] de Cristo".

Se suas "riquezas são insondáveis", e que também depois de sua aparição, muito mais é sua essência. Se ainda é um
mistério, muito mais foi antes de ser divulgado; por um mistério ele o chama por causa disso, porque nem os Anjos
sabiam disso, nem se manifestavam a mais ninguém.

"E para fazer todos os homens verem", diz ele, "qual é a dispensação do mistério que de todas as épocas se escondeu
em Deus, que criou todas as coisas."

Os anjos só sabiam disso, que "a porção do Senhor era o seu povo". ( Deuteronômio 32: 8 , 9.) E novamente é dito: "O
Príncipe da Pérsia me resistiu". ( Daniel 10:13 ) De modo que não é de admirar que eles ignorassem isso; porque, se
ignorassem as circunstâncias do retorno do cativeiro, muito mais seriam dessas coisas. Pois este é o evangelho. "É Ele
quem salvará", diz, "Seu povo". ( Mateus 1:21 ) Nem uma palavra sobre os gentios. Mas o que diz respeito aos gentios
o Espírito revela. Que eles foram chamados de fato, os anjos sabiam, mas que era para os mesmos privilégios que
Israel, sim, mesmo para se sentar no trono de Deus, isso, quem teria esperado? quem teria acreditado?

"O que foi escondido", diz ele, "em Deus".

Esta "dispensação", no entanto, ele mais claramente se desdobra na Epístola aos Romanos. "Em Deus", continua ele,
"que criou todas as coisas por Jesus Cristo". [251] E ele faz bem em dizer "por Jesus Cristo"; visto que, aquele que criou
todas as coisas por ele, também revela isso por ele; porque ele não fez nada sem ele; porque "sem Ele", diz-se, "nada
foi feito". ( João 1:30 )

Ao falar de "principados" e "poderes", ele fala tanto daqueles acima como daqueles abaixo.

"De acordo com o propósito eterno." Tem sido agora, ele quer dizer, levado a passar, mas agora não decretado, foi
planejado antecipadamente desde o início. "De acordo com o propósito eterno que Ele propôs [252] em Cristo Jesus,
nosso Senhor." Isto é, de acordo com a eterna presciência; antecipando as coisas que estão por vir, isto é, ele quer
dizer as idades por vir; pois Ele sabia o que deveria ser, e assim decretou isto. De acordo com o propósito das eras,
daqueles, talvez, que Ele fez por Cristo Jesus, porque foi por Cristo que tudo foi feito.

Ver. 12. "Em quem temos", diz ele, "ousadia e acesso em confiança pela nossa fé nele."

"Tenha acesso", não como prisioneiros, diz ele, nem ainda, como candidatos a perdão, nem como pecadores; pois, diz
ele, temos mesmo "ousadia com confiança", isto é, acompanhada de alegre confiança; surgindo de qual fonte?
"através da nossa fé Nele."

Ver. 13. "Pedi, pois, que não desfalecais nas minhas tribulações por vós, que são a vossa glória."

Como é "para eles?" Como é "a glória deles?" É porque Deus os amou tanto, como para dar o próprio Filho por eles e
afligir Seus servos por eles: pois era para que eles pudessem obter tantas bênçãos, que Paulo estivesse na prisão.
Certamente isso foi do amor excessivo de Deus para com eles: é o que Deus também diz sobre os profetas: "Eu os
matei pelas palavras da minha boca". ( Oséias 6: 5 ) Mas como foi que eles desmaiaram quando outro foi afligido? Ele
quer dizer que eles estavam preocupados, estavam angustiados. Isto também ele diz ao escrever aos tessalonicenses:
"que nenhum homem seja tocado por estas aflições". ( 1 Tessalonicenses 3: 3.) Não só devemos não nos entristecer,
mas devemos até nos alegrar. Se achares consolação no aviso prévio, dizemos de antemão que aqui temos tribulação.
E por que rezar? Porque assim o Senhor ordenou.

Ver. 14, 15. "Por isso [254] inclino os joelhos ao Pai de quem é chamada toda a família do céu e da terra."

Ele aqui mostra o espírito de sua oração por eles. Ele não diz simplesmente "eu rezo", mas manifesta a súplica para
ser sincera, pela "reverência dos joelhos".

"De quem toda família."


Isto é, não mais, ele significa, calculado, de acordo com o número de anjos, mas segundo Aquele que criou as tribos
tanto no céu acima como na terra embaixo, não como os judeus.

Ver. 16, 17. "Que Ele vos concederia de acordo com as riquezas da Sua glória, para que sejamos fortalecidos com poder
pelo Seu Espírito no homem interior, para que Cristo habite em vossos corações pela fé."

Marque com que sinceridade insaciável ele invoca essas bênçãos sobre eles, para que eles não sejam lançados. Mas
como isso será efetuado? Pelo "Espírito Santo em seu homem interior, para que Cristo habite em seus corações pela
fé". Como isso será novamente?

Ver. 18, 19. "Para o fim que você está arraigado e fundamentado no amor, pode ser forte para apreender com todos
os santos, o que é a largura, e comprimento, altura e profundidade, [255] e conhecer o amor de Cristo que excede o
conhecimento ".

Assim é a sua oração agora de novo, exatamente como quando ele começou. Pois quais foram as palavras dele no
começo? "Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória vos conceda um Espírito de sabedoria e
revelação no conhecimento Dele, com os olhos do teu coração iluminados, para que saibais qual é a esperança da sua
vocação, quais são as riquezas da glória de Sua herança nos santos, e qual é a grandíssima grandeza de Seu poder para
com os que cremos ". E agora, novamente, ele diz o mesmo. "Para que sejais fortes em compreender com todos os
santos qual é a largura, o comprimento, a altura e a profundidade"; isto é, conhecer perfeitamente o mistério que foi
providencialmente ordenado em nosso favor: [256] "e a largura, e comprimento, e altura, e profundidade;" isto é,
também, a imensidão do amor de Deus, e como se estende em todo lugar. E ele descreve isso pelas dimensões visíveis
dos corpos sólidos, apontando como se fosse para um homem. Ele compreende o superior e o inferior e os lados.
Assim falei de fato, diria ele, todavia não é para minhas palavras ensinar-lhes estas coisas; essa deve ser a obra do
Espírito Santo. "Por Sua força", diz ele, é que você deve ser "fortalecido" contra as provações que o esperam e para
permanecer inabalável; de modo que não há outro caminho a ser fortalecido senão pelo Espírito Santo, tanto por
causa de provações como por raciocínios carnais. essa deve ser a obra do Espírito Santo. "Por Sua força", diz ele, é que
você deve ser "fortalecido" contra as provações que o esperam e para permanecer inabalável; de modo que não há
outro caminho a ser fortalecido senão pelo Espírito Santo, tanto por causa de provações como por raciocínios carnais.
essa deve ser a obra do Espírito Santo. "Por Sua força", diz ele, é que você deve ser "fortalecido" contra as provações
que o esperam e para permanecer inabalável; de modo que não há outro caminho a ser fortalecido senão pelo Espírito
Santo, tanto por causa de provações como por raciocínios carnais.

Mas como Cristo habita nos corações? Ouça o que o próprio Cristo diz: "Eu e meu Pai nos aproximaremos dele e
faremos nossa morada com ele". ( João 14:23 ) Ele habita naqueles corações que são fiéis, naqueles que estão
"enraizados" em Seu amor, aqueles que permanecem firmes e inabaláveis.

"Para que sejais" completamente "fortes", diz ele; de modo que há grande força necessária.

[257] "Para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus".

O que ele quer dizer é isso. Embora o amor de Cristo esteja acima do alcance de todo o conhecimento humano, ainda
assim o sabereis, se tiverdes em Cristo habitar em vós, sim, não somente conhecereis dEle isso, mas "sereis cheios até
toda a plenitude de Cristo". Deus;" significando pela "plenitude de Deus", seja o conhecimento de como Deus é
adorado no Pai, o Filho e o Espírito Santo, ou então exortando-os assim a usar todo esforço, a fim de serem
preenchidos com toda a virtude, da qual Deus está cheio.

Efésios 3: 9
E para fazer todos os homens ver o que é a comunhão do mistério, que desde o princípio do mundo tem estado
escondido em Deus, que criou todas as coisas por Jesus Cristo:
Efésios 3:10
Com a intenção de que agora para os principados e potestades em lugares celestiais possa ser conhecido pela igreja a
multiforme sabedoria de Deus,
Efésios 3:11
De acordo com o propósito eterno que ele propôs em Cristo Jesus nosso Senhor:
Efésios 3:12
Em quem temos ousadia e acesso com confiança pela fé dele.
Efésios 3:13
Portanto, desejo que não desmaie em minhas tribulações por você, que é a sua glória.
Efésios 3:14
Por isso inclino os joelhos ao Pai de nosso Senhor Jesus Cristo
Efésios 3:15
De quem toda a família no céu e na terra é nomeada,
Efésios 3:16
Que ele lhe concederia, de acordo com as riquezas da sua glória, ser fortalecido com poder pelo seu Espírito no homem
interior;
Efésios 3:17
Que Cristo pode habitar em seus corações pela fé; que vós, arraigados e fundados no amor,
Efésios 3:18
Pode ser capaz de compreender com todos os santos qual é a largura, comprimento, profundidade e altura;
Efésios 3:19
E conhecer o amor de Cristo, que excede todo o conhecimento, para que sejais preenchidos com toda a plenitude de
Deus.
Efésios 3:20
Agora, àquele que é capaz de fazer muito mais abundantemente do que tudo o que pedimos ou pensamos, segundo
o poder que opera em nós,
Ver. 20. "Ora, àquele que é poderoso para fazer abundantemente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos,
segundo o poder que opera em nós".
Que Deus fez "abundantemente acima de tudo o que pedimos ou pensamos" é evidente pelo que o próprio Apóstolo
escreveu. Pois eu de fato, diz ele, oro, mas Ele mesmo, mesmo sem qualquer oração minha, fará obras maiores do que
tudo que pedimos, não simplesmente "maior", nem "abundantemente maior", mas "muito abundante". E isso é
evidente a partir do "poder que opera em nós", pois nem nunca pedimos essas coisas, nem as esperamos.

Ver. 21. "Para Ele seja a glória", conclui ele, "na Igreja e em Cristo Jesus, a todas as gerações para todo o sempre.
Amém."

Bem, ele fecha o discurso com oração e doxologia; porque é certo que Ele, que nos concedeu dons tão vastos, deveria
ser glorificado e abençoado, de modo que isto é mesmo uma parte apropriada de nosso assombro em Suas
misericórdias, para dar glória para as coisas que avançaram para nós nas mãos de Deus através de Jesus Cristo.

"A glória na igreja." Bem poderia dizer isso, porque a Igreja sozinha pode durar para a eternidade.

Parece necessário afirmar o que se entende por "famílias". (patriai) Aqui na terra, de fato existem "famílias" que são
raças que brotam de uma só progenitura; mas no céu como pode ser isto, onde ninguém nasce de outro? Certamente
então, por "famílias", ele quer dizer as assembleias e ordens de seres celestiais; como também nós achamos escrito
nas Escrituras, "a família de Amattari:" ( 1 Samuel 10:21 . Veja Septuaginta.) ou então que é Dele de quem os pais
terrenos têm o nome de pai.

Contudo, ele não pede a totalidade de Deus, mas exige deles também fé e amor, e não simplesmente amor, mas amor
"enraizado e fundamentado", de modo que nem qualquer explosão pode abalar, nem qualquer outra coisa derrubá-
lo. Ele havia dito que "tribulações" são "glória", e se as minhas são assim para você, ele diria, muito mais você será: de
modo que ser afligido não é sinal de que os homens sejam abandonados, pois Aquele que tem feito tão grandes coisas
para nós, nunca faria isso.

Novamente, se para entender o amor de Deus, era necessário que Paulo orasse, e havia necessidade da habitação do
Espírito Santo, que seguindo simples raciocínios entendia a natureza de Cristo? E por que é difícil aprender que Deus
nos ama? Amado, isso é extremamente difícil. Para alguns não sabem nem isso; Por isso, eles dizem mesmo,
inumeráveis males vêm a ser no mundo; e outros não conhecem a extensão desse amor. Nem, de fato, Paulo está
procurando conhecer sua extensão, nem com qualquer ponto de vista para medi-lo; como ele poderia? mas apenas
para entender isso, é transcendente e ótimo. E isso mesmo, ele diz, ele é capaz de mostrar, mesmo do conhecimento
que nos foi concedido.
No entanto, o que é mais alto do que o ser "fortalecido com poder", a fim de ter Cristo dentro de si? Vastas são as
coisas que pedimos, diz ele, mas ele é capaz de fazer até mesmo acima delas, de modo que não somente Ele nos ame,
mas tão intensamente. Por isso, é nosso cuidado, amado, entender o amor de Deus. Uma grande coisa é de fato isso;
nada é tão benéfico para nós, nada nos toca tão profundamente: é mais proveitoso convencer nossas almas do que o
próprio medo do inferno. De onde então devemos entendê-lo? Tanto das fontes agora mencionadas, quanto das coisas
que acontecem todos os dias. Pois de que motivo essas coisas foram feitas por nós? de que necessidade de sua parte?
Nenhum que seja. Repetidamente, ele estabelece o amor como a causa. Mas o maior grau de amor é aquele em que
os homens recebem um benefício,

Moral. E sejamos então seguidores dele; façamos bem aos nossos inimigos, àqueles que nos odeiam, aproximemo-
nos daqueles que nos voltam as costas. Isso nos torna semelhantes a Deus. "Porque, se amais os que te amam", diz
Cristo, "que recompensa tens?" "Nem mesmo os gentios são iguais." ( Mateus 5:46.) Mas o que é uma prova certa de
amor? Amar aquele que te odeia. Desejo dar-lhe algum exemplo (perdoe-me) e, como não acho que entre os que são
espirituais, cito um exemplo daqueles que estão fora. Não vedes aqueles amantes? Quantos insultos lhes são
provocados por suas amantes, quantos artifícios praticados, quantas punições infligiram: todavia, eles estão
acorrentados a eles, queimam por eles e os amam melhor do que suas próprias almas, passando noites inteiras antes
de seus limiares. Deles, tomemos o nosso exemplo, não de fato amar como aqueles - mulheres, quero dizer, que são
prostitutas; não, mas, assim, amar nossos inimigos. Pois, diga-me, as prostitutas não tratam seus amantes com maior
insolência do que todos os inimigos do mundo, esbanjam sua substância e lançam insultos em sua face. e impor-lhes
tarefas mais servis do que a seus próprios servos? E ainda assim eles não desistem, embora ninguém tenha um inimigo
tão grande em qualquer um, como o amante em sua amante. Sim, este amado desdenha, injuria e muitas vezes o
maltrata, e quanto mais ela é amada, mais o despreza. E o que pode ser mais brutal do que um espírito assim? Ainda
assim, ele ainda a ama.

Mas, possivelmente, encontraremos o amor assim também em caracteres espirituais, não naqueles de nossos dias
(pois "esfriaram") ( Mateus 24:12 ), mas naqueles grandes e gloriosos homens da antiguidade. Moisés, o bendito
Moisés, superou até os que amam com paixão humana. Como e de que maneira? Primeiro, ele desistiu da corte e do
luxo, do séquito e da glória, e preferiu estar com os israelitas. No entanto, isso não é apenas o que mais ninguém
jamais teria feito, mas teria até mesmo se envergonhado, outro descobridor, de ser parente de homens escravos e
não apenas escravos, mas vistos como escravos? como até mesmo execrável. No entanto, ele não apenas não se
envergonhava de sua parentela, mas com todo o seu espírito os defendia e se lançava em perigos por causa deles.
(Atos 7:24 .) Como? Vendo, diz-se, um ferido em um deles, ele o defendeu que sofreu o ferimento e o matou que o
infligiu. Mas isso ainda não é para o bem dos inimigos. Grande, de fato, é esse ato em si, mas não tão grande quanto
o que vem depois. No dia seguinte, então, ele viu a mesma coisa acontecer, e quando ele viu quem ele tinha defendido
[259] fazendo o seu vizinho errado, ele admoestou-o a desistir de seu mal-fazer. Mas ele disse, com grande ingratidão:
"Quem te fez um governante e um juiz sobre nós?" ( Atos 7:27.) Quem não teria pegado fogo com essas palavras?
Teria então o primeiro ato sido de paixão e frenesi, então ele teria ferido e matado este homem também; pois
certamente ele em cujo nome foi feito, nunca teria informado contra ele. Mas porque eram irmãos, dizem, ele falou
assim. Quando ele [o hebreu] estava sendo injustiçado, ele não proferiu tal palavra "Quem te constituiu um
governante e um juiz sobre nós?" "Por que você não disse isso ontem?" Moisés diria: "A tua injustiça e a tua crueldade
fazem-me governante e juiz".

Mas agora, assinale, como alguns, de fato, dizem até mesmo para o próprio Deus. Sempre que eles são injustiçados,
eles O teriam um Deus de vingança, e reclamariam de Seu longo sofrimento; mas quando fazem errado, não por um
momento.

No entanto, o que poderia ser mais amargo do que palavras como essas? E, no entanto, não obstante, depois disso,
quando foi enviado àquele ingrato, para aquela corrida ingrata, ele foi e encolheu de volta. Sim, e depois daqueles
milagres, e depois das maravilhas feitas por sua mão, muitas vezes eles procuraram apedrejá-lo até a morte e ele
escapou de suas mãos. Eles continuaram murmurando incessantemente, e ainda assim, apesar de tudo, tão
apaixonadamente ele os amava, como para dizer a Deus, quando eles cometeram aquele pecado hediondo: "E agora,
se perdoardes, perdoes o pecado deles; eu também fora do livro que tu escreveste. " ( Êxodo 32:32.) Eu pereceria, diz
ele, com eles, em vez de sem eles serem salvos. Aqui, verdadeiramente, é amor até a loucura, verdadeiramente amor
ilimitado. O que você diz, Moisés? Tu és independente do céu? Eu sou, diz ele, porque amo aqueles que me
enganaram. Reze para ser apagado? Sim, diz ele, o que posso fazer, porque é amor? E o que de novo depois dessas
coisas? Ouça o que a Escritura diz em outro lugar; "E ficou doente com Moisés por causa deles." ( Salmo 106: 32 ) Com
que frequência eles se tornaram devassos? Quantas vezes eles rejeitaram ele e seu irmão? Quantas vezes eles
procuraram voltar para o Egito? e ainda assim, depois de todas essas coisas ele queimou, ficou fora de si com amor
por elas e estava pronto para sofrer por eles.

Assim deve um homem amar seus inimigos; por lamentação, por resistência inabalável, fazendo tudo, mostrando todo
favor, visando a sua salvação.

E o que mais uma vez, me diga, fez Paulo? ele não pediu para ser amaldiçoado em seu lugar? ( Romanos 9: 3 ) Mas o
grande padrão que precisamos necessariamente deriva do Senhor, pois assim também Ele mesmo, onde diz: "Porque
faz com que o seu sol se levante sobre os maus e os bons" ( Mateus 5). : 45. ) Aduzir o exemplo de seu pai; mas nós
do próprio Cristo. Ele veio até eles, em Sua Encarnação, quero dizer, Ele se tornou um servo por causa deles, "Ele Se
humilhou, esvaziou-se, tomou a forma de um servo". (Filipe 2: 8) E quando Ele chegou a eles, Ele não se apartou "para
qualquer dos gentios" ( Mateus 10: 5)..) e deu a mesma carga aos seus discípulos, e não apenas isso, mas "Ele passou
por curar todo tipo de doença, e todo tipo de doença". ( Mateus 4:23 ) E o que então? Todos os demais ficaram atônitos
e maravilhados, dizendo: "De onde vem este homem todas estas coisas?" ( Mateus 13:56 ) Mas estes, os objetos de
Sua beneficência, estes diziam: “Ele tem demônio” ( João 10:20 ) e “blasfêmia” ( João 10:36 ) e “é louco, "e é um"
enganador "( João 7:12 e Mateus 27:63.) Por isso, ele os expulsou? Não, de modo algum, mas quando Ele ouviu estas
palavras, Ele ainda mais sinalizou Seus benefícios sobre eles, e foi imediatamente para os que estavam para crucificá-
Lo, com o intento de que Ele pudesse salvá-los. E depois que Ele foi crucificado, quais foram Suas palavras? "Pai,
perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem." ( Lucas 23:34 ) Ambos foram tratados com crueldade antes disso e
trataram com crueldade depois disso, até o último suspiro, para eles Ele fez todas as coisas, em seu nome Ele orou.
Sim, e depois da própria cruz, o que ele não fez por eles? Ele não enviou apóstolos? Ele não operou milagres? Ele não
abalou o mundo inteiro?

Assim é que devemos amar nossos inimigos, assim imitar a Cristo. Assim fez Paulo. Apedrejado, sofrendo crueldades
sem número, ainda assim ele fez todas as coisas para o bem deles. Ouça suas próprias palavras. "O desejo do meu
coração e minha súplica a Deus é para que eles sejam salvos". ( Romanos 10: 1 , 2.) E novamente; "Porque os suporto
testemunho de que eles têm zelo por Deus." E de novo; "Se tu, sendo uma oliveira brava enxertada, quanto mais estes
serão enxertados na sua própria oliveira?" ( Romanos 11:24 ) Quão doce, penso você, deve ser o afeto com que essas
expressões procedem, quão vasta é a benevolência? é impossível expressá-lo, impossível.

Assim é que devemos amar nossos inimigos. Isto é amar a Deus, que o ordenou, que o deu como Sua lei. Para imitá-lo
é amar o nosso inimigo. Considere que não é o teu inimigo que estás a beneficiar, mas tu mesmo; tu não o estás a
amar, mas a arte obedece a Deus. Sabendo, portanto, estas coisas, vamos confirmar nosso amor uns aos outros, para
que possamos cumprir este dever perfeitamente, e alcançar as coisas boas que são prometidas em Cristo Jesus, nosso
Senhor, com Quem ao Pai, junto com o Espírito Santo, seja a glória. Possa e honre agora e para todo o sempre. Um
homem.

Notas de rodapé:

[248] [As palavras através de Jesus Cristo '(dia' Iesou Christou) que são encontradas aqui no texto de Crisóstomo
entraram no textus receptus dos poucos e mais cursivos mss. que apresentam o texto bizantino ou
constantinopolitano e do qual o textus receptus foi feito. Crisóstomo é a principal testemunha deste texto bizantino.
Schaff, companheiro ao grego testamento, pp. 205-6. As palavras são omitidas por Aleph ABCD, a maioria das versões
e editores.

[249] S. Crisóstomo diz o mesmo, Orat. iv. em Anom. 2. e Hom. Eu. em Joan. 2. ((ed. Ben.) Vid. Também Theodoret in
Ps. 23 .. 7, 8. S. Greg Nyss. Hom. 8 em Cant. P. 596. S. Jerome in loc. [Comp. 1 Pet I, 12, coisas que os anjos desejam
examinar.

[250] ["Toda a plenitude divina da salvação, da qual Cristo é o possuidor e doador, e que é de tal natureza que o
intelecto humano não pode explorá-lo, de modo a formar uma concepção adequada do mesmo. Isso não impede
proclamação que, ao contrário, é tornada possível pela revelação. "- Meyer .-- GA]

[251] [Veja nota sobre estas palavras acima .-- GA]


[252] [Este verbo, epoiesen, tem sido aplicado por muitos à formação 'do propósito. (Então Rev. Ver.) Mas parece
melhor referir-se à execução 'dele, considerado como um fato consumado. Enigma no Comentário Popular e em
Lange. Braune em Lange. Meyer, Ellicott - GA]

[253] [Portanto, "em vista da minha posição como ministro de tal evangelho". - Riddle. - GA]

[254] [Este tratado é uma retomada do primeiro verso do capítulo que ficou inacabado em razão da digressão sobre
seu ofício como apóstolo dos gentios, que forma uma seção por si só. (ver. 2-13.) - GA]

[255] ["Uma ilustração sensual da ideia; quão grande em todas as relações." - Meyer. GA]

[256] ["Do que são estas dimensões predicadas? Não do trabalho de redenção como Crisóstomo (ao musterion a huper
humon oikonomethen) porque depois que uma nova porção do discurso é iniciada na versão 14, o musterion não é
novamente mencionado; nem do amor de Deus a nós, como Crisóstomo de novo, porque a galinha anterior não se
refere ao amor de Deus, mas do amor de Cristo aos homens, como mostrado no versículo 19. "- Meyer. Então Ellicott,
Braune, Riddle - GA]

[257] [Este parágrafo inteiro é omitido do texto do campo. Mas, como é apoiado por várias autoridades excelentes,
como está no estilo de Crisóstomo e por conter um pensamento muito nobre, nós nos aventuramos a retê-lo. "Field
parece confiar na probabilidade de que o texto mais curto seja o original. Uma de suas principais autoridades parece
ser uma Catena que naturalmente encurtará as porções extraídas especialmente em um escritor tão dado a
amplificações como Crisóstomo." No texto principal, seguimos o texto de Field apesar dessa probabilidade, mas em
casos excepcionais, como o presente, nos aventuramos a contestar.

[258] Este texto tem várias interpretações. S. Atanásio usa isto para implicar que Deus, como Pai do Filho, é o único
Pai verdadeiro, e que toda a paternidade criada é uma sombra da verdade. Orat. em ariano. Eu. 23. S. Jerome diz:
"Como aquele que é o único bom, ( Lucas 18:19 ) torna os homens bons, e quem é o único imortal, ( 1 Timóteo 6:16 .)
Outorga a imortalidade, e quem sozinho é verdadeiro ( Romanos 3: 4.) transmite o nome da verdade; assim também
o único Pai, em que Ele é o Criador de tudo, e a causa da substância para todos, dá ao resto para ser chamado Pai. "in
loco. Ele considera que os Anjos são ditos no texto para compartilhar Sua paternidade, em um sentido espiritual, como
Cristo diz ao homem doente, "Filho", e aos seus discípulos, "Filhos pequenos". Teodoreto parece dizer o mesmo,
também no livro V Hooker, EPV liv. 2. ["The a referência deve ser àquelas classes e comunidades maiores nas quais,
como também podemos inferir de outras passagens (i. 21; Colossenses 1:16)..) os hospedeiros celestes parecem
divididos; e às raças e tribos de homens, cada uma das quais deve o próprio título de pátria, pelo qual é definido como
o grande pater de todos os patriais de anjos e homens. "- Ellicott." O apóstolo parece a respeito de Deus como o Pai
de nós Seus filhos adotivos em Cristo, para ir adiante no fato de que Ele, nesta relação conosco, é o grande original e
protótipo da relação paterna, onde quer que seja encontrado. "Alford in Riddle em Pop. Com. - GA]

[259] [Não aparece no relato em Êxodo 2:11 e seguintes. ou a partir disso, em Atos 7:24 e segs. que o hebreu que
errou com seu irmão foi o mesmo que Moisés havia defendido no dia anterior, como Crisóstomo aqui toma como
garantido.
◄ Efésios 4 ►
Homilias de Crisóstomo
Efésios 4: 1
Eu, portanto, o prisioneiro do Senhor, suplico-te que andeis digno da vocação com a qual sois chamados.
"Eu, portanto, o prisioneiro no Senhor, rogo-lhe que ande dignamente do chamado com o qual fostes chamados, com
toda baixeza e mansidão, com longanimidade, tolerando-se uns aos outros em amor; diligenciando para manter a
unidade do Espírito. no vínculo da paz ".
Grande tem sido demonstrado que o poder da cadeia de Paulo é, e mais glorioso que milagres. Não é em vão, então,
como deve parecer, nem sem um objeto, que ele apresente aqui adiante, mas como o meio de todos os outros que
provavelmente tocarão neles. E o que diz ele? "Eu, portanto, o prisioneiro no Senhor, rogo-lhe que ande dignamente
do chamado com o qual fostes chamados." E como é isso? "com toda humildade e mansidão, com longanimidade,
tolerando uns aos outros em amor."

Não é o ser meramente um prisioneiro que é honrado, mas o ser assim por causa de Cristo. Por isso ele diz: "no
Senhor", isto é, o prisioneiro por amor de Cristo. Nada é igual a isso. Mas agora a cadeia está me arrastando ainda
mais do meu assunto, e me puxando de volta, e não posso suportar resistir, mas sou atraído de bom grado, sim, sim,
com todo meu coração; e seria sempre a minha sorte estar descendo na cadeia de Paul.

Mas agora não fique sonolento, pois ainda estou desejoso de resolver essa outra questão, que muitos levantam,
quando dizem: "Ora, se a tribulação é uma glória, como foi o próprio Paulo a dizer em sua defesa a Agripa"? Eu faria a
Deus que, seja com pouco ou muito não somente tu, mas também com todos que me ouvem neste dia, poderia tornar-
se tal como eu, senão estes laços? " ( Atos 26:29 ) Ele não disse isto, Deus me livre! como considerar a coisa uma
questão a ser preterida; não; porque se fosse assim, ele não teria se glorificado em laços, em aprisionamentos,
naquelas outras tribulações; e quando escrevia em outro lugar, diz: "De bom grado, eu prefiro me gloriar em minhas
fraquezas". ( 2 Coríntios 12: 9.) Mas qual é o caso? Isto era em si uma prova de quão grande coisa ele considerava
esses laços; pois como ao escrever aos coríntios ele disse: "Eu te alimentei com leite, não com carne, pois você ainda
não era capaz de suportá-lo"; ( 1 Coríntios 3: 2 ) também aqui. Eles diante de quem ele falou não foram capazes de
ouvir sobre a beleza, nem a beleza, nem a bênção desses laços. Daí [271] foi ele acrescentou: "exceto esses laços".
Para os hebreus, porém, ele não falou assim, mas exortou-os a "ficarem ligados" ( Hebreus 13: 3.) os que estavam em
títulos. E assim também ele se regozijou em suas amarras, e foi amarrado e levado com os prisioneiros para a prisão
interna. Poderoso é o poder da corrente de Paulo! Um espetáculo isto, que pode ser suficiente para todos os outros,
para ver Paul atado e levado adiante de sua prisão; para vê-lo amarrado e sentado dentro dele, que prazer pode chegar
a isso? O que eu não daria por tal visão? Vedes os imperadores, os cônsules, carregados em suas carruagens e vestidos
de ouro, e sua guarda corporal com tudo sobre eles de ouro? Suas alabardas de ouro, seus escudos de ouro, suas
vestes de ouro, seus cavalos com ornamentos de ouro? Quão mais delicioso que tal espetáculo é dele! Eu preferiria
ver Paulo uma vez, saindo com os prisioneiros de sua prisão, a contemplar estes dez mil vezes, desfilando junto com
todo aquele séquito. Quando ele foi assim conduzido adiante, quantos Anjos, suponham que você liderou o caminho
antes dele? E para mostrar que não falo ficção, farei com que o fato se manifeste a partir de uma certa narrativa antiga.

Eliseu, o profeta (talvez você conheça o homem) na época ( 2 Reis 6: 8-12.) quando o rei da Síria estava em guerra com
o rei de Israel, sentado em sua própria casa, trouxe à luz todos os conselhos que o rei da Síria estava tomando em seu
quarto com aqueles que estavam a par de seus projetos, e prestou os conselhos do rei de nenhum efeito, dizendo de
antemão seus segredos, e não sofrendo o rei de Israel para cair nas armadilhas que ele estava colocando. Isso
incomodava muito o rei; ele estava desanimado, e foi reduzido a uma maior perplexidade, sem saber como descobrir
quem estava revelando tudo o que passava, e planejando contra ele, e desapontando seus planos. Enquanto ele estava
nessa perplexidade, e investigando a causa, um de seus portadores da armadura lhe disse que havia um certo profeta,
um Eliseu, que morava em Samaria, que não sofreu os desígnios do rei, mas divulgou tudo aquilo. passado. O rei
imaginou que ele havia descoberto todo o assunto. Claro, nunca houve ninguém mais miseravelmente enganado do
que ele. Quando ele deveria ter honrado o homem, tê-lo reverenciado, ter ficado admirado de que ele realmente
possuísse tão grande poder, como aquele, sentado, como ele estava, tantos furlongs fora, ele deveria saber tudo o
que passava na câmara do rei. , sem qualquer um para dizer a ele; isso, na verdade, ele não fez, mas sendo exasperado
e totalmente levado por sua paixão, ele equipa cavaleiros e soldados e os despacha para trazer o profeta antes dele.
ele deveria saber tudo o que passasse na câmara do rei, sem que ninguém lhe dissesse nada; isso, na verdade, ele não
fez, mas sendo exasperado e totalmente levado por sua paixão, ele equipa cavaleiros e soldados e os despacha para
trazer o profeta antes dele. ele deveria saber tudo o que passasse na câmara do rei, sem que ninguém lhe dissesse
nada; isso, na verdade, ele não fez, mas sendo exasperado e totalmente levado por sua paixão, ele equipa cavaleiros
e soldados e os despacha para trazer o profeta antes dele.

Agora, Eliseu tinha um discípulo ainda no limiar da profecia ( 2 Reis 6:13).ff.) ainda longe de ser julgado digno de
revelações deste tipo. Os soldados do rei chegaram ao local, com a intenção de amarrar o homem, ou melhor, o
profeta. Novamente estou caindo sobre as amarras, assim é inteiramente este discurso entrelaçado com eles. E
quando o discípulo viu a hoste de soldados, Ele ficou atemorizado e correu cheio de tremores para seu mestre, e
contou-lhe a calamidade, como ele pensava, e informou-o do inevitável perigo. O profeta sorriu para ele por temer
coisas que não mereciam ser temidas, e pediu que ele tivesse bom ânimo. O discípulo, no entanto, ainda imperfeito,
não o escutou, mas, ainda impressionado com a visão, permaneceu com medo. Sobre isso, o que o profeta fez?
"Senhor", disse ele, "abre os olhos deste jovem, e deixa que ele veja que os que estão conosco são mais do que os que
estão com eles;2 Reis 6:16 , 17.) e imediatamente ele viu toda a montanha, onde o profeta morava, cheio de tão
grande multidão de cavalos e carros de fogo. Agora estes eram nada mais do que fileiras de anjos. Mas se apenas por
uma ocasião como esta tão grande banda de Anjos atendeu Eliseu o que Paulo deve ter tido? É isso que o profeta Davi
nos diz. "O Anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que O temem." ( Salmo 34: 7 ) E novamente; "Eles te sustentarão
nas suas mãos, para que não tropeces o teu pé contra a pedra." ( Salmo 91: 2.) E por que eu falo de anjos? O próprio
Senhor estava com ele então quando ele saiu; pois certamente não pode ser que Ele tenha sido visto por Abraão, e
ainda assim não estivesse com Paulo. Não, foi a sua própria promessa: "Eu estou convosco todos os dias, até ao fim
do mundo". ( Mateus 28:20 ) E novamente, quando Ele apareceu a ele, Ele disse: "Não tenha medo, mas fale, pois eu
sou contigo, e ninguém te acometerá para te fazer mal." ( Atos 18: 9 , 10.) De novo, Ele permaneceu ao lado dele em
um sonho e disse: "Tende bom ânimo, pois como testificaste de mim em Jerusalém, assim também dês testemunho
em Roma." ( Atos 23:11 )

Os santos, embora sejam em todos os momentos uma visão gloriosa, e são cheios de graça abundante, ainda assim
são, acima de tudo, quando estão em perigo por amor de Cristo, quando são prisioneiros; pois, como valente soldado,
é em todos os momentos e de si mesmo um espetáculo agradável para os que o contemplam, mas, acima de tudo,
quando está de pé e está ao lado do rei; Assim também imaginem para si mesmos Paulo, quão grande coisa era vê-lo
ensinando em seus laços.

Devo mencionar, de passagem, um pensamento, que neste exato momento me ocorre? O bendito mártir Babylas
[272] estava preso, e ele também pela mesma causa que João também foi, porque ele repreendeu um rei em sua
transgressão. Este homem, quando estava morrendo, ordenou que suas ataduras fossem depositadas em seu corpo e
que o corpo fosse enterrado; e até hoje os grilhões se misturam com suas cinzas, tão devotada era sua afeição pelos
laços que ele tinha usado por amor a Cristo. "Ele foi colocado em correntes de ferro" como o Profeta diz a Joseph. (
Salmo 105: 18 ). E até mesmo as mulheres antes tinham experimentado esses laços.

No entanto, não estamos em obrigações, nem estou recomendando isso, já que agora não é hora deles. Tu, porém,
não atenha as tuas mãos, mas atenha teu coração e mente. Há ainda outros laços, e os que não usam, terão que usar
o outro. Ouça o que Cristo diz: "Amarre-lhe as mãos e os pés". ( Mateus 22:13 ) Mas Deus não permita que tenhamos
julgamento desses laços! mas destes Ele pode nos conceder até mesmo para nos satisfazermos!

Nesses relatos, ele diz: "Eu, o prisioneiro no Senhor, suplico-lhe que ande dignamente do chamado com o qual fostes
chamados". Mas o que é esse chamado? Fostes chamados como o seu corpo, é dito. Você tem Cristo como sua cabeça;
e embora você fosse "inimigo", e tivesse cometido delitos equivocados, ainda assim "Ele os criou com Ele e os fez
sentar-se com Ele". ( Efésios 2: 6 ). Um alto chamando isto, e para altos privilégios, não somente naquilo que fomos
chamados daquele estado anterior, mas nisso somos chamados tanto a tais privilégios, como por tal método.

Mas como é possível "andar dignamente" disso? "Com toda a baixeza." Essa pessoa caminha dignamente. Essa é a
base de toda virtude. Se tu és humilde, e te julges como és e como foste salvo, tu considerarás esta lembrança como
um motivo para toda a virtude. Tu não serás exaltado com laços, nem com aqueles privilégios que eu mencionei, mas
como sabendo que tudo é da graça, tu te humilharás. O homem humilde é capaz de ser ao mesmo tempo um servo
generoso e grato. "Por que tens", diz ele, "que não recebeste?" ( 1 Coríntios 4: 7 ) E também ouve as suas palavras:
"Trabalhei mais abundantemente do que todos eles; todavia não eu, mas a graça de Deus que estava comigo." ( 1
Coríntios 15:10 )

"Com toda humildade", diz ele; não o que está em palavras, nem o que está apenas em ações, mas mesmo em sua
própria atitude e tom de voz: não humildemente em direção a um, e rude em direção a outro; seja humilde para com
todos os homens, seja ele amigo ou inimigo, seja ele grande ou pequeno. Isso é humildade. Mesmo em teus bons
feitos, seja humilde; para ouvir o que Cristo diz: "Bem-aventurados os pobres em espírito"; ( Mateus 5: 3 ) e Ele coloca
isto primeiro em ordem. Por isso também o próprio Apóstolo diz: "Com toda a baixeza, mansidão e longanimidade".
Pois é possível que um homem seja humilde e, ainda assim, rápido e irritado, e assim tudo não tem propósito; porque
muitas vezes ele será possuído por sua ira e arruinará tudo.

"Suportante", prossegue ele, "um ao outro apaixonado". [273]

Como é possível tolerar se um homem é apaixonado ou censurado? Ele nos disse, portanto, a maneira: "no amor", diz
ele. Se tu disseres que a arte não é tolerante ao teu próximo, como é que Deus será tolerante para ti? Se não toleras
o teu próximo, como o Mestre tolerará contigo? Onde quer que haja amor, todas as coisas devem ser suportadas.

"Dando diligência [274]", diz ele, "manter a unidade do Espírito no vínculo da paz". Portanto, atenha as tuas mãos com
moderação. Mais uma vez esse bom nome de "vínculo". Nós a dispensamos e ela mesma voltou a nos atacar. Um bom
vínculo era esse, e esse também é bom, e esse outro é o fruto disso. Amarra-te ao teu irmão. Eles carregam todas as
coisas levemente que estão unidos em amor. Ata-te a ele e a ele; tu és o senhor de ambos, para quem quer que eu
esteja desejoso de fazer meu amigo, eu posso por meio de gentileza realizá-lo.
"Dar diligência", diz ele; uma coisa a não ser feita facilmente, e não no poder de todo mundo.

"Dando diligência", prossegue ele, "manter a unidade do Espírito". O que é essa "unidade do Espírito"? No corpo
humano existe um espírito que mantém todos juntos, embora em diferentes membros. Então é isso também aqui;
pois para este fim foi dado o Espírito, para que Ele pudesse unir aqueles que são separados por raça e por diferentes
maneiras; para velhos e jovens, ricos e pobres, criança e juventude, mulher e homem, e cada alma se torna de uma
maneira, e mais inteiramente do que se houvesse um só corpo. Pois essa relação espiritual é muito maior que a outra
natural, e a perfeição da união é mais completa; porque a conjunção da alma é mais perfeita, na medida em que é
simples e uniforme. E como então esta unidade é preservada? "No vínculo da paz [275]." Não é possível que isso exista
em inimizade e discórdia. "Porque, ao passo que há", diz ele, "entre vós inveja e contenda, não são carnais, e andam
à maneira dos homens?" (1 Coríntios 3: 3.) Pois como o fogo, quando encontra pedaços secos de madeira, todos se
juntam em uma pilha ardente, mas quando molhados, não os atuam nem os unem; também está aqui. Nada que seja
de natureza fria pode trazer essa união, ao passo que qualquer calorosa pode, em sua maior parte. Por isso, pelo
menos, é que o brilho da caridade é produzido; pelo "vínculo da paz", ele está desejoso de nos unir a todos. Pois
exatamente da mesma maneira, ele diria, como se você quisesse se apegar a outro, você não pode fazê-lo de outra
forma, exceto ligando-o a si mesmo; e se desejas fazer o laço dobrar, ele deve, por sua vez, se apegar a ti; então
também aqui ele nos teria amarrado um ao outro; não simplesmente que estamos em paz, não simplesmente que nos
amamos uns aos outros, mas que todos devem ser apenas uma só alma. Um vínculo glorioso é este; com esse vínculo,
vamos nos unir uns aos outros e a Deus. Este é um vínculo que não machuca, nem cólica nas mãos que liga, mas os
deixa livres, e dá-lhes um jogo amplo, e uma coragem maior do que aqueles que estão em liberdade. O forte, se for
ligado ao fraco, o apoiará, e não lhe permitirá perecer: e se novamente ele for amarrado ao indolente, ele, ele irá, em
vez disso, despertar e animar. "Irmão ajudado pelo irmão", é dito, "é como uma cidade forte [276]". Essa corrente,
sem distância de lugar, pode interromper, nem o céu, nem a terra, nem a morte, nem qualquer outra coisa, mas é
mais poderosa e forte que todas as coisas. Isso, embora seja apenas uma alma, é capaz de abraçar os números de uma
só vez; porque ouves o que Paulo diz: "Não tendes dificuldade em nós, mas estais restringidos em vossos próprios
afetos;2 Coríntios 6:12 .)

Agora, o que prejudica esse vínculo? Amor ao dinheiro, paixão pelo poder, pela glória e coisas do tipo, os solta e os
separa. Como então podemos ver que eles não sejam cortados? Se esses ânimos se livrarem, e nenhuma dessas coisas
que destroem a caridade entrarão pelo caminho para nos perturbar. Para ouvir o que Cristo diz, ( Mateus 24:12.
"Porque a iniqüidade será multiplicada, o amor de muitos esfriará." Nada é tão oposto ao amor como o pecado, e eu
não quero dizer amor para com Deus, mas também para com o próximo. Mas como então, pode-se dizer, até os
ladrões estão em paz? Quando eles me dizem? Não quando estão agindo num espírito que é o dos ladrões; porque,
se falharem em observar as regras de justiça entre aqueles com quem dividem o despojo, e para dar a cada um a sua
direito, você os encontrará também em guerras e assaduras. De modo que nem entre os ímpios é possível encontrar
a paz: mas onde os homens estão vivendo em retidão e virtude, você pode encontrá-lo em todo lugar. Mas,
novamente, os rivais estão sempre em paz? Nunca. E a quem você gostaria de mencionar? O homem cobiçoso nunca
pode estar em paz com os cobiçosos. Assim, que não houvesse pessoas justas e boas, mesmo que injustiçadas por
elas, ficarem entre elas, toda a raça delas seria despedaçada. Quando dois animais selvagens estão famintos, se não
houver algo entre eles para consumir, eles irão devorar um ao outro. O mesmo aconteceria com os cobiçosos e os
viciosos. De modo que não é possível que haja paz onde a virtude já não é colocada em prática de antemão. Deixe-nos
formar, se você quiser, uma cidade inteiramente de homens cobiçosos, dê-lhes privilégios iguais, e não deixe ninguém
suportar ser injustiçado, mas deixe todos os errados um ao outro. Essa cidade pode se unir? É impossível. Mais uma
vez, há paz entre os adúlteros? Não, vocês dois não terão a mesma opinião. Quando dois animais selvagens estão
famintos, se não houver algo entre eles para consumir, eles irão devorar um ao outro. O mesmo aconteceria com os
cobiçosos e os viciosos. De modo que não é possível que haja paz onde a virtude já não é colocada em prática de
antemão. Deixe-nos formar, se você quiser, uma cidade inteiramente de homens cobiçosos, dê-lhes privilégios iguais,
e não deixe ninguém suportar ser injustiçado, mas deixe todos os errados um ao outro. Essa cidade pode se unir? É
impossível. Mais uma vez, há paz entre os adúlteros? Não, vocês dois não terão a mesma opinião. Quando dois animais
selvagens estão famintos, se não houver algo entre eles para consumir, eles irão devorar um ao outro. O mesmo
aconteceria com os cobiçosos e os viciosos. De modo que não é possível que haja paz onde a virtude já não é colocada
em prática de antemão. Deixe-nos formar, se você quiser, uma cidade inteiramente de homens cobiçosos, dê-lhes
privilégios iguais, e não deixe ninguém suportar ser injustiçado, mas deixe todos os errados um ao outro. Essa cidade
pode se unir? É impossível. Mais uma vez, há paz entre os adúlteros? Não, vocês dois não terão a mesma opinião.
Deixe-nos formar, se você quiser, uma cidade inteiramente de homens cobiçosos, dê-lhes privilégios iguais, e não
deixe ninguém suportar ser injustiçado, mas deixe todos os errados um ao outro. Essa cidade pode se unir? É
impossível. Mais uma vez, há paz entre os adúlteros? Não, vocês dois não terão a mesma opinião. Deixe-nos formar,
se você quiser, uma cidade inteiramente de homens cobiçosos, dê-lhes privilégios iguais, e não deixe ninguém suportar
ser injustiçado, mas deixe todos os errados um ao outro. Essa cidade pode se unir? É impossível. Mais uma vez, há paz
entre os adúlteros? Não, vocês dois não terão a mesma opinião.

Então, para retornar, não há outra razão para isso, do que "o amor se esfria"; e a causa novamente por que o amor se
esfria, é que "a iniqüidade é abundante". Pois isso leva ao egoísmo, e divide e separa o corpo, e o relaxa e o corta em
pedaços. Mas onde a virtude é, faz o inverso. Porque o homem que é virtuoso também está acima do dinheiro; de
modo que lá estavam dez mil na pobreza, ainda seriam pacíficos; enquanto os cobiçosos, onde existem apenas dois,
nunca podem estar em paz. Assim, se formos virtuosos, o amor não perecerá, pois a virtude brota do amor e o amor
da virtude. E como isso é, eu vou te dizer. O homem virtuoso não valoriza o dinheiro acima da amizade, nem se lembra
de ferimentos, nem faz mal ao próximo; ele não é insolente, ele suporta todas as coisas nobremente. Dessas coisas
consiste o amor. Novamente, aquele que ama se submete a todas essas coisas e, assim, elas se reproduzem
reciprocamente. E, de fato, esse amor brota da virtude, e daí vem, porque nosso Senhor, quando diz: "porque a
iniquidade será multiplicada, o amor de muitos esfriará", claramente nos diz isso. E essa virtude nasce do amor, Paulo
nos diz, dizendo: "Aquele que ama o seu próximo cumpriu a lei". (Romanos 13:10 .) Então, um homem deve ser um
dos dois, ou muito carinhoso e muito querido, ou então muito virtuoso; porque quem tem o que é necessariamente
possui o outro; e, ao contrário, quem não sabe amar, cometerá muitas ações más; e aquele que comete más ações,
não sabe o que é amar.

Moral. Let us therefore follow after charity; it is a safeguard which will not allow us to suffer any evil. Let us bind
ourselves together. Let there be no deceit amongst us, no hollowness. For where friendship is, there nothing of the
sort is found. This too another certain wise man tells us. "Though thou drewest a sword at thy friend, yet despair not:
for there may be a returning again to favor. If thou hast opened thy mouth against thy friend, fear not; for there may
be a reconciliation: except for upbraiding, or disclosing of secrets, or a treacherous wound: for for these things a friend
will depart." (Ecclus. xxii. 21, 22.) For "disclosing," saith he, "of secrets." Now if we be all friends, there is no need of
secrets; for as no man has any secret with himself and cannot conceal anything from himself, so neither will he from
his friends. Where then no secrets exist, separation arising from this is impossible. For no other reason have we secrets,
than because we have not confidence in all men. So then it is the waxing cold of love, which has produced secrets. For
what secret hast thou? Dost thou desire to wrong thy neighbor? Or, art thou hindering him from sharing some benefit,
and on this account concealest it? But, no, perhaps it is none of these things. What then, is it that thou art ashamed?
If so, then this is a token of want of confidence. Now then if there be love, there will be no "revealing of secrets,"
neither any "upbraiding." For who, tell me, would ever upbraid his own soul? And suppose even such a thing were
done, it would be for some good; for we upbraid children, we know, when we desire to make them feel. And so Christ
too on that occasion began to upbraid the cities, saying, "Woe unto thee, Chorazin! woe unto thee, Bethsaida!" (Luke
10:13.) in order that He might deliver them from upbraidings. For nothing has such power to lay hold of the mind, or
can more strongly arouse it, or brace it up when relaxed. Let us then never use upbraiding to one another merely for
the sake of upbraiding. For what? Wilt thou upbraid thy friend on the score of money? Surely not, if at least thou
possessest what thou hast in common. Wilt thou then for his faults? No nor this, but thou wilt rather in that case
correct him. Or, as it goes on, "for a treacherous wound;" who in the world will kill himself, or who wound himself?
No one.

Let us then "follow after love;" he saith not simply let us love; but let us "follow after love." (1 Corinthians 14:1.) There
is need of much eagerness: she is soon out of sight, she is most rapid in her flight; so many things are there in life
which injure her. If we follow her, she will not outstrip us and get away, but we shall speedily recover her. The love of
God is that which united earth to Heaven. It was the love of God that seated man upon the kingly throne. It was the
love of God that manifested God upon earth. It was the love of God that made the Lord a servant. It was the love of
God that caused the Beloved to be delivered up for His enemies, the Son for them that hated Him, the Lord for His
servants, God for men, the free for slaves. Nor did it stop here, but called us to yet greater things. Yes, not only did it
release us from our former evils, but promised, moreover, to bestow upon us other much greater blessings. For these
things then let us give thanks to God, and follow after every virtue; and before all things, let us with all strictness
practice love, that we may be counted worthy to attain the promised blessings; through the grace and loving-kindness
of our Lord Jesus Christ, with whom, to the Father together with the Holy Ghost, be glory, might, and honor, now and
for ever and ever. Amen.

Footnotes:
[270] [Field's text has here a much shorter reading as follows: For a question now suggests itself to me; for since Paul
in his defence, etc. This reading leaves the sense incomplete. The reading of the Oxford translator, as given above, is
internally more satisfactory and is attested by several excellent authorities.--G.A.]

[271] [It is very doubtful that this was Paul's design in saying "except these bonds." It is more probable he wished that
others might enjoy the blessings of Christianity without sharing in those sufferings which he himself was glad to
endure.--G.A.]

[272] S. Babylas, quem Crisóstomo comemorou em uma homilia em seu dia de festa e em outros lugares, (Hom. De
Bab. T. 2. p. 531. Ed. Ben. Hom. Em julho e Gent. T. 2 p. 536.) foi bispo de Antioquia de 237-250, quando foi martirizado
na perseguição aos decianos, sendo colocado na prisão e morrendo ali. A circunstância mencionada no texto também
se encontra em Gent. p. 554. [Veja Homilia em Babylas, vol. ix. p. 141, desta série. - GA]

[273] ["A tolerância recíproca no amor (hábito ético) ( Romanos 15: 1 ; Gálatas 6: 2. ) É a expressão prática da
longanimidade. '" - Meyer. - GA]

[274] ["Dando diligência", cláusula participial paralela a "tolerante uns aos outros", que é caracterizada pelo esforço
pelo qual deve ser mantida. "- Meyer. - GA]

[275] ["Enquanto a paz um para o outro deve ser o vínculo que deve envolvê-los." - Meyer - GA]

[276] [Esta é a tradução da Septuaginta em Provérbios 18:19 , que Crisóstomo segue exatamente: adelphos hupo
adelphou boethoumenos hos polis ochura. O Rev. Ver. seguindo o hebraico, tem "Um irmão ofendido é mais difícil de
ser ganho do que uma cidade forte" - GA

Efésios 4: 2
Com toda humildade e mansidão, com longanimidade, tolerando-se mutuamente no amor;
Efésios 4: 3
Esforçando-se para manter a unidade do Espírito no vínculo da paz.
Efésios 4: 4
Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação;
"Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação: um só
Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre tudo e por todos. Mas a cada um de nós
foi a graça dada de acordo com a medida do dom de Cristo ”.
O amor que Paulo exige de nós não é amor comum, mas aquilo que nos cimenta e nos faz apegar-se inseparavelmente
uns aos outros, e produz uma união tão grande e perfeita como se fosse entre um membro e outro. Pois esse é o amor
que produz frutos grandiosos e gloriosos. Por isso, diz ele, há "um só corpo"; um, tanto por simpatia, e por não se opor
ao bem dos outros, e por compartilhar sua alegria, tendo expressado tudo de uma vez por esta figura. Ele então
acrescenta lindamente, "e um Espírito", mostrando [283] que a partir do um corpo haverá um Espírito: ou, que é
possível que possa haver de fato um corpo, e ainda não um Espírito; como, por exemplo, se algum membro dele deve
ser amigo de hereges: ou então, por essa expressão, ele os envergonha, dizendo, por assim dizer: "Vocês que
receberam um Espírito, A todos ele deu a imortalidade, a toda a vida eterna, a toda glória imortal, a toda fraternidade,
a toda herança. Ele é o chefe comum de todos; "Ele levantou tudo" e fez com que se sentassem com ele. ( A todos ele
deu a imortalidade, a toda a vida eterna, a toda glória imortal, a toda fraternidade, a toda herança. Ele é o chefe
comum de todos; "Ele levantou tudo" e fez com que se sentassem com ele. (Efésios 2: 6. Vocês, então, que no mundo
espiritual têm tão grande igualdade de privilégios, de onde é que tendes a mente elevada? É que um é rico e outro
forte? Quão ridículo deve ser isso? Pois, diga-me, se o imperador algum dia tomasse dez pessoas, e pusesse todas em
púrpura, e sentasse no trono real, e outorgasse a mesma honra, qualquer um destes, pensaria, se arriscaria? reprovar
outro, por ser mais rico ou mais ilustre que ele? Certamente nunca. E eu ainda não disse tudo; pois a diferença não é
tão grande no céu como aqui abaixo nós diferimos. Existe "um só Senhor, uma só fé, um só batismo". [284]
Contemplem "a esperança da vossa vocação. Um só Deus e Pai de todos, que é sobre todos, e por todos e em todos."
Pois pode ser que tu és chamado pelo nome de um Deus maior, outro, de um deus menor? Que és salvo pela fé e
outro pelas obras? Que tu recebeste remissão no batismo, enquanto outro não? "Há um Deus e Pai de todos, que é
sobre todos, e através de todos e em todos." "Quem é sobre tudo", isto é, o Senhor e acima de tudo; e "através de
tudo", isto é, provendo, ordenando tudo; e "em todos vocês", isto é, quem habita em todos vocês. Agora isto eles
possuem para ser um atributo do Filho; então, se fosse um argumento de inferioridade, nunca teria sido dito do Pai.
"Mas [285] para cada um de nós foi a graça dada."

O que então? ele diz, de onde são esses diversos dons espirituais? Para este assunto foi continuamente levando
embora os próprios Efésios, e os Coríntios, e muitos outros, alguns em vaidosa arrogância, e outros em desânimo ou
inveja. Daí ele em toda parte leva junto com ele esta ilustração do corpo. Por isso é que agora também o propôs, visto
que ele estava prestes a mencionar diversos dons. Ele entra de fato no assunto mais plenamente na Epístola aos
Coríntios, porque foi entre eles que essa doença reinou mais especialmente: aqui, no entanto, ele apenas aludiu a ela.
E marque o que ele diz: ele não diz, "de acordo com a fé de cada um", para que ele não lance aqueles que não têm
grandes realizações em desânimo. Mas o que diz ele? "De acordo com a medida do dom de Cristo". Os principais e
principais pontos de todos, ele diz, - Batismo, ser salvo pela fé, ter Deus por nosso Pai, todos nós participando do
mesmo Espírito, - estes são comuns a todos. Se então este ou aquele homem possui alguma superioridade em
qualquer dom espiritual, não sofra com isso; desde que seu trabalho também é maior. Aquele que recebera os cinco
talentos, cinco requereram dele; enquanto aquele que recebeu os dois, trouxe apenas dois, e ainda assim recebeu
uma recompensa menor que a outra. E, portanto, o apóstolo aqui também encoraja o ouvinte na mesma base,
mostrando que os dons são concedidos não pela honra de um acima do outro, mas pelo trabalho da igreja, como ele
diz mais adiante: Se então este ou aquele homem possui alguma superioridade em qualquer dom espiritual, não sofra
com isso; desde que seu trabalho também é maior. Aquele que recebera os cinco talentos, cinco requereram dele;
enquanto aquele que recebeu os dois, trouxe apenas dois, e ainda assim recebeu uma recompensa menor que a outra.
E, portanto, o apóstolo aqui também encoraja o ouvinte na mesma base, mostrando que os dons são concedidos não
pela honra de um acima do outro, mas pelo trabalho da igreja, como ele diz mais adiante: Se então este ou aquele
homem possui alguma superioridade em qualquer dom espiritual, não sofra com isso; desde que seu trabalho também
é maior. Aquele que recebera os cinco talentos, cinco requereram dele; enquanto aquele que recebeu os dois, trouxe
apenas dois, e ainda assim recebeu uma recompensa menor que a outra. E, portanto, o apóstolo aqui também
encoraja o ouvinte na mesma base, mostrando que os dons são concedidos não pela honra de um acima do outro,
mas pelo trabalho da igreja, como ele diz mais adiante:

"Para o aperfeiçoamento dos santos para a obra de ministrar à edificação do corpo de Cristo."

Por isso é que ele mesmo diz: "Ai de mim, se não pregar o Evangelho". ( 1 Coríntios 9:16 ) Por exemplo: ele recebeu a
graça do apostolado, mas por isso mesmo, "ai" dele, porque ele a recebeu: enquanto tu estás livre do perigo.

"De acordo com a medida."

O que se entende por "de acordo com a medida"? Significa "não de acordo com nosso mérito", pois ninguém receberia
o que recebeu, mas o dom gratuito que recebemos. E por que então mais um e outro menos? Não há nada para causar
isso, ele diria, mas o assunto em si é indiferente; para cada um contribui para "o edifício". E por isso também ele
mostra que não é de seu próprio mérito intrínseco que se tenha recebido mais e menos outro, mas que seja para o
benefício dos outros, como o próprio Deus o mediu; já que ele diz também em outro lugar: "Mas agora Deus colocou
os membros cada um deles no corpo, assim como lhe agradava." ( 1 Coríntios 12:18 .) E ele não menciona a razão, a
fim de não desanimar ou desanimar os ouvintes.

Efésios 4: 4 "Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação."

Quando o beato Paulo nos exorta a algo de especial importância, tão verdadeiramente sábio e espiritual como ele é,
ele baseia sua exortação nas coisas celestiais: essa é uma lição que ele aprendeu com o Senhor. Assim, ele também
diz em outro lugar: "Anda em amor, como também Cristo nos amou". (ch. v. 2.) E novamente, "Tenha essa mente em
você, que também estava em Cristo Jesus, que, sendo na forma de Deus, não considerava um prêmio estar em
igualdade com Deus". (Filipe. Ii. 5, 6.) Isto é o que ele está fazendo aqui também, pois sempre que os exemplos que
ele está apresentando diante de nós são grandes, ele é intenso em seu zelo e sentimento. O que então ele diz, agora
ele está nos incitando a unidade? "Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só
esperança da vossa vocação:"

Efésios 4: 5
Um só Senhor, uma só fé, um só batismo
Ver. 5. "Um só Senhor, uma só fé, um só batismo"
Agora, o que é esse corpo? Os fiéis em todo o mundo, ambos que são e quais foram e quais serão. E novamente,
aqueles que antes da vinda de Cristo agradaram a Deus, são "um só corpo". Como assim? Porque eles também
conheciam a Cristo. De onde isso aparece? "Seu pai Abraão", diz Ele, "regozijou-se ao ver o meu dia, e ele viu, e ficou
feliz". ( João 8:56 ) E também: "Se tivesses acreditado em Moisés", diz Ele, "você teria acreditado em Mim, pois ele
escreveu sobre mim". ( João 5:46 ) E os profetas também não teriam escrito de um, de quem eles não sabiam o que
disseram; enquanto ambos o conheciam e adoravam. Assim, eles também eram "um só corpo".

O corpo não é separado do espírito, pois então não seria um corpo. Assim também é habitual conosco, tocando coisas
que são unidas, e que têm alguma grande consistência ou coerência, para dizer que elas são um só corpo. E assim,
mais uma vez, tocando a união, consideramos isso como um corpo que está sob uma só cabeça. Se houver uma cabeça,
então existe um corpo. O corpo é composto de membros honrosos e desonrosos. Só o maior não é levantar-se nem
contra o pior, nem este último para invejar o outro. Na verdade, nem todos contribuem com a mesma parcela, mas
separadamente, de acordo com a proporção de necessidade. E visto que todos são formados para o necessário e para
diferentes propósitos, todos são de igual honra. Alguns de fato existem, que são mais especialmente membros
principais, outros menos: por exemplo, a cabeça é mais um membro principal do que todo o resto do corpo, contendo
em si todos os sentidos e o princípio governante da alma. E viver sem a cabeça é impossível; enquanto muitas pessoas
viveram por um longo tempo com os pés decepados. De modo que é melhor do que eles, não apenas pela sua posição,
mas também pela sua energia vital e sua função.

Agora, por que estou dizendo isso? Existem grandes números na Igreja; há aqueles que, como a cabeça, são elevados
a uma altura; que, como os olhos que estão na cabeça, examinam as coisas celestiais, que estão longe da terra e não
têm nada em comum com ela, enquanto outras ocupam o posto de pés e pisa sobre a terra; De pés saudáveis, de fato,
para pisar sobre a terra não é crime em pés, mas correr para o mal. "Seus pés", diz o Profeta, "correm para o mal". (
Isaías 59: 7.) Nem tampouco estes, a cabeça, diz ele, sejam altivos contra os pés, nem os pés olhem com mau-olhado
para eles. Pois assim a beleza peculiar de cada um é destruída, e a perfeição de sua função impedida. E naturalmente
o suficiente; na medida em que aquele que coloca armadilhas para o seu próximo, estará colocando as armadilhas em
primeiro lugar para si. E se os pés, portanto, não escolherem levar a cabeça para qualquer lugar em sua jornada
necessária, ao mesmo tempo se ferirão por sua inatividade e preguiça. Ou, novamente, se a cabeça não escolher cuidar
dos pés, ela será a primeira a sustentar o dano. No entanto, esses membros não se levantam um contra o outro; não
é provável, pois foi ordenado por natureza que eles não deveriam. Mas com o homem, como é possível que ele não
se levante contra o homem? Ninguém, nós sabemos sempre se levanta contra os anjos; já que nem se levantam contra
os Arcanjos. Nem, por outro lado, as criaturas irracionais podem orgulhosamente se exaltar sobre nós; mas onde a
natureza é igual em dignidade e a do dom, e onde a pessoa não tem mais do que outra, como isso deve ser evitado?

E, no entanto, certamente estas são as razões pelas quais você não deve se levantar contra o seu próximo. Pois se
todas as coisas são comuns, e uma não tem nada mais do que outra, de onde esta louca loucura? Nós participamos da
mesma natureza, participamos tanto da alma como do corpo, respiramos o mesmo ar, usamos a mesma comida. De
onde esta revolta se levanta de um contra o outro? E, no entanto, o poder da virtude de superar os poderes
incorpóreos, o suficiente para levar à arrogância; ou melhor, a arrogância, não seria, pois por boas razões eu sou de
mente elevada e excessivamente decidida contra o espírito maligno. E eis até Paulo, quão altivo ele era contra esse
espírito maligno. Pois quando o espírito maligno falava grandes e maravilhosas coisas a respeito dele, ele o fez calar-
se e não o suportou nem em suas lisonjas. Para quando aquela donzela "Atos 16:16 , 17.), ele repreendeu-o
severamente e silenciou sua língua para frente. E novamente ele escreve em outro lugar, e diz: "Deus ferirá a Satanás
debaixo de seus pés em breve". ( Romanos 16:20.) A diferença da natureza terá algum efeito? Não percebes que a
diferença entre as naturezas não tem efeito algum, mas apenas a diferença de propósito? Por causa de seu princípio,
portanto, são muito piores que todos. Bem, um homem pode dizer, mas eu não estou me levantando contra um Anjo,
porque há uma distância tão grande entre a minha natureza e a dele. E, no entanto, certamente não deves mais
levantar-te contra um homem do que contra um Anjo, pois o Anjo de fato difere de ti em natureza, uma questão que
não pode ser uma honra para ele nem uma desgraça para ti: enquanto o homem difere do homem não de todo na
natureza, mas em princípio; e há uma coisa como um anjo também entre homens. De modo que, se tu não levantares
contra os anjos, muito mais não deves contra os homens, contra os que se tornaram anjos nesta nossa natureza;
porque qualquer homem entre os homens se tornará tão virtuoso quanto um anjo, que o homem está em um grau
muito superior a ti, do que um anjo é. E por que isso? Porque o que aquele possui por natureza, o outro alcançou de
seu próprio propósito. E novamente, porque o Anjo tem seu lar longe de ti também na distância e habita no Céu;
enquanto esse homem está vivendo com você e dando um impulso à sua emulação. E de fato ele vive mais longe de
ti do que o Anjo. Pois "nossa cidadania", diz o apóstolo, "está no céu". (Filipe, iii, 20). E para te mostrar que este homem
tem seu lar ainda mais distante, ouça onde sua Cabeça está sentada; sobre o trono, diz ele, o trono real! E quanto mais
distante o trono é de nós, mais ele também está. esse homem está em um grau muito superior a ti, do que um anjo é.
E por que isso? Porque o que aquele possui por natureza, o outro alcançou de seu próprio propósito. E novamente,
porque o Anjo tem seu lar longe de ti também na distância e habita no Céu; enquanto esse homem está vivendo com
você e dando um impulso à sua emulação. E de fato ele vive mais longe de ti do que o Anjo. Pois "nossa cidadania",
diz o apóstolo, "está no céu". (Filipe, iii, 20). E para te mostrar que este homem tem seu lar ainda mais distante, ouça
onde sua Cabeça está sentada; sobre o trono, diz ele, o trono real! E quanto mais distante o trono é de nós, mais ele
também está. esse homem está em um grau muito superior a ti, do que um anjo é. E por que isso? Porque o que
aquele possui por natureza, o outro alcançou de seu próprio propósito. E novamente, porque o Anjo tem seu lar longe
de ti também na distância e habita no Céu; enquanto esse homem está vivendo com você e dando um impulso à sua
emulação. E de fato ele vive mais longe de ti do que o Anjo. Pois "nossa cidadania", diz o apóstolo, "está no céu".
(Filipe, iii, 20). E para te mostrar que este homem tem seu lar ainda mais distante, ouça onde sua Cabeça está sentada;
sobre o trono, diz ele, o trono real! E quanto mais distante o trono é de nós, mais ele também está. porque o Anjo tem
a sua morada longe de ti também, e habita no céu; enquanto esse homem está vivendo com você e dando um impulso
à sua emulação. E de fato ele vive mais longe de ti do que o Anjo. Pois "nossa cidadania", diz o apóstolo, "está no céu".
(Filipe, iii, 20). E para te mostrar que este homem tem seu lar ainda mais distante, ouça onde sua Cabeça está sentada;
sobre o trono, diz ele, o trono real! E quanto mais distante o trono é de nós, mais ele também está. porque o Anjo tem
a sua morada longe de ti também, e habita no céu; enquanto esse homem está vivendo com você e dando um impulso
à sua emulação. E de fato ele vive mais longe de ti do que o Anjo. Pois "nossa cidadania", diz o apóstolo, "está no céu".
(Filipe, iii, 20). E para te mostrar que este homem tem seu lar ainda mais distante, ouça onde sua Cabeça está sentada;
sobre o trono, diz ele, o trono real! E quanto mais distante o trono é de nós, mais ele também está. ) E para te mostrar
que este homem tem seu lar ainda mais distante, ouça onde sua Cabeça está sentada; sobre o trono, diz ele, o trono
real! E quanto mais distante o trono é de nós, mais ele também está. ) E para te mostrar que este homem tem seu lar
ainda mais distante, ouça onde sua Cabeça está sentada; sobre o trono, diz ele, o trono real! E quanto mais distante o
trono é de nós, mais ele também está.

Bem, mas eu o vejo, dirás, no gozo da honra, e sou levado ao ciúme. Ora, esta é a mesma coisa que virou tudo de
cabeça para baixo, que encheu não apenas o mundo, mas também a Igreja, com incontáveis problemas. E da mesma
forma que explosões violentas se instalam em um porto calmo, tornam-no mais perigoso do que qualquer rocha, ou
qualquer outro estreito que seja; então a luxúria da glória entrando, derruba e confunde tudo.

Muitas vezes você esteve presente na queima de casas grandes. Vós tendes como a fumaça continua subindo para o
céu; e se ninguém se aproxima para pôr fim à travessura, mas cada um continua olhando para si mesmo, a chama se
espalha livremente e devora tudo. E muitas vezes toda a cidade estará ao redor; eles permanecerão de fato como
espectadores do mal, não para ajudar ou auxiliar. E lá você pode vê-los todos em pé, e não fazendo nada além de cada
indivíduo estendendo a mão, e apontando para alguém que pode estar apenas chegando ao lugar, ou uma marca
flamejante naquele momento voando através de uma janela, ou feixes lançados para baixo, ou todo o circuito das
paredes forçadas para fora, e caindo violentamente no chão. Muitos também existem dos mais ousados e
aventureiros, quem terá a dureza de aproximar-se dos próprios edifícios enquanto eles estiverem queimando, não
para estender a mão para eles, e para acabar com o mal, mas para que eles possam desfrutar mais plenamente da
vista, ser capaz de, do lugar mais próximo, observar atentamente tudo aquilo que freqüentemente escapa daqueles à
distância. Então, se a casa for grande e magnífica, parecer-lhes-á um espetáculo lamentável e merecedor de muitas
lágrimas. E verdadeiramente há um espetáculo lastimável para contemplarmos; as colunas de colunas desmoronaram
em pó, e muitas colunas se despedaçaram, algumas foram consumidas pelo fogo, outras foram derrubadas com
frequência pelas próprias mãos que as erguiam, para que não acrescentassem combustível à chama. Estátuas
novamente, que estavam com tanta graça, com o teto repousando sobre elas, você pode ver tudo isso exposto, com
o teto arrancado, e eles próprios, horrivelmente desfigurados ao ar livre. E por que alguém deveria descrever a riqueza
armazenada? os tecidos de ouro e os vasos de prata? E onde o senhor da casa e sua consorte mal entraram, onde
estava o tesouro de lenços e perfumes, e os caixões das jóias caras, tudo se tornou um fogo ardente, e agora são
homens de banho e prostitutas. limpadores e escravos fugidos, e todo mundo; e tudo dentro é uma massa de fogo e
água, de lama e poeira, e vigas meio queimadas! e os vasos de prata? E onde o senhor da casa e sua consorte mal
entraram, onde estava o tesouro de lenços e perfumes, e os caixões das jóias caras, tudo se tornou um fogo ardente,
e agora são homens de banho e prostitutas. limpadores e escravos fugidos, e todo mundo; e tudo dentro é uma massa
de fogo e água, de lama e poeira, e vigas meio queimadas! e os vasos de prata? E onde o senhor da casa e sua consorte
mal entraram, onde estava o tesouro de lenços e perfumes, e os caixões das jóias caras, tudo se tornou um fogo
ardente, e agora são homens de banho e prostitutas. limpadores e escravos fugidos, e todo mundo; e tudo dentro é
uma massa de fogo e água, de lama e poeira, e vigas meio queimadas!

Agora, por que eu tirei uma foto tão completa como esta? Não simplesmente porque desejo representar para você a
conflagração de uma casa (por que preocupação é minha), mas porque desejo colocar diante de seus olhos, da maneira
mais vívida possível, as calamidades da Igreja. Pois, como uma conflagração de fato, ou como um raio lançado do alto,
eles se acenderam no teto da Igreja, e ainda assim não despertam ninguém; mas enquanto a casa de nosso Pai está
queimando, estamos dormindo, por assim dizer, um sono profundo e estúpido. E ainda quem está a quem este fogo
não toca? Qual das estátuas que estão na Igreja? pois a Igreja nada mais é do que uma casa construída das almas de
nós homens. Agora esta casa não é de igual honra em toda parte, mas das pedras que contribuem para ela, algumas
são brilhantes e brilhantes, enquanto outras são menores e mais maçantes do que elas, e ainda superior novamente
aos outros. [277] Ali também podemos ver muitos que estão no lugar do ouro, o ouro que adorna o teto. Outros,
novamente, podemos ver, que dão a beleza e a graça produzidas pelas estátuas. Muitos [278] podemos ver,
permanecendo como pilares. Pois ele está acostumado a chamar os homens também de "pilares" (Gálatas 2: 9.), não
só por causa de sua força, mas também por causa de sua beleza, acrescentando como fazem, muita graça, e tendo
suas cabeças cobertas de ouro. Podemos ver uma multidão, formando geralmente o amplo espaço intermediário e
toda a extensão da circunferência; pois o corpo em geral ocupa o lugar das pedras das quais as paredes exteriores são
construídas. Ou melhor, devemos continuar com uma imagem ainda mais esplêndida. Esta Igreja, da qual eu falo, não
é construída destas pedras, como nós vemos ao nosso redor, mas de ouro e prata, e de pedras preciosas, e há
abundância de ouro disperso por toda parte. Mas, oh as lágrimas amargas isso chama! Pois todas estas coisas tem o
governo da vaidade sem lei consumido; aquela chama devoradora, que ninguém ainda tem. E ficamos olhando
espantados as chamas, mas não é mais capaz de extinguir o mal: ou se o extinguirmos por um curto período de tempo,
ainda assim, depois de dois ou três dias, como uma centelha de um monte de cinzas derruba tudo, e não consome
menos do que antes, por isso está aqui também: pois isso é exatamente o que costuma acontecer em tal conflagração.
E quanto à causa, devorou os suportes dos próprios pilares da Igreja; aqueles de nós que apoiaram o telhado, e que
antigamente mantinham o prédio inteiro juntos, envolviam a chama. Por isso também foi uma comunicação pronta
para o resto das paredes exteriores: pois assim também no caso dos edifícios, quando o fogo se apóia nas madeiras, é
melhor armado para o seu ataque às pedras; mas quando derrubou os pilares e nivelou-os com o chão, nada mais é
desejado para consumir todo o resto nas chamas. Pois quando os adereços e suportes das partes superiores caírem,
essas partes também irão rapidamente segui-las. Assim é também neste momento com a Igreja: o fogo se apoderou
de todas as partes. Buscamos as honras que vêm do homem, queimamos para a glória e não ouvimos Jó quando ele
diz:

"Se como Adão (ou à maneira dos homens) eu cobri minhas transgressões

Escondendo minha iniquidade no meu peito

Porque temi a grande multidão. "[279]

Contemplai um espírito virtuoso? Eu não estava envergonhado, diz ele, de possuir diante de toda a multidão os meus
pecados involuntários: E se ele não se envergonhasse de confessar, muito mais seria nosso dever fazê-lo. Pois diz o
profeta: "Prepara a tua causa, para que sejas justificado." ( Isaías 43:26 .) Grande é a violência deste mal, tudo é
derrubado por ele e aniquilado. Nós abandonamos o Senhor e somos escravos de honra. Não somos mais capazes de
repreender aqueles que estão sob o nosso governo, porque nós próprios também estamos com a mesma febre que
eles. Nós, que somos designados por Deus para curar os outros, precisamos do médico nós mesmos. Que outra
esperança de recuperação resta, quando até mesmo os próprios médicos precisam da mão curadora de outros?

Eu não disse estas coisas sem um objetivo, nem estou fazendo lamentações sem propósito, mas com a visão de que
todos e cada um, com nossas mulheres e crianças, tendo se borrifado com cinzas, e nos cingido de saco, podem manter
um por muito tempo, pode pedir ao próprio Deus que estenda a mão para nós e mantenha o perigo. Pois existe
necessidade de Sua mão, aquela poderosa, aquela mão maravilhosa. Coisas maiores são exigidas de nós do que dos
ninivitas. "No entanto, três dias", disse o profeta, "e Nínive será derrubada". [280] ( Jonas 3: 4.) Uma mensagem de
medo e sobrecarregada com tremenda ameaça. E como deveria ser de outra forma? esperar que dentro de três dias,
a cidade se torne seu túmulo, e que todos perecem em um julgamento comum. Pois se, quando acontece que duas
crianças morrem ao mesmo tempo em uma casa, a dificuldade se torna intolerável, e se Jó isto de todas as coisas
parecia o mais intolerável, que o teto caiu sobre todos os seus filhos, e eles foram assim morto; o que deve ser para
não contemplar uma casa, nem dois filhos, mas uma nação de cento e vinte mil enterrados sob as ruínas!

Você sabe o quão terrível é um desastre, pois ultimamente esse aviso nos aconteceu, não que qualquer profeta tenha
proferido uma voz, pois não somos dignos de ouvir tal voz, mas a advertência é clamando em alta voz mais
distintamente do que qualquer outra. trombeta. [281] No entanto, como eu estava dizendo: "No entanto, três dias",
disse o profeta, "e Nínive será derrotado". Um terrível aviso, mas agora não temos nada igual a isso; não, não há mais
"três dias", [282] nem há uma Nínive a ser derrubada, mas muitos dias já se passaram desde que a Igreja em todo o
mundo foi derrubada e nivelada com o solo, e todos são iguais. oprimido no mal; mais ainda, daqueles que estão em
lugares altos, o estresse é tanto maior. Não admira, portanto, se eu deveria exortá-lo a fazer coisas maiores do que os
ninivitas; e porque? mais ainda, não proclamo agora apenas um jejum, mas sugiro-lhe o remédio que levantou essa
cidade também ao cair. E o que foi aquilo? "Deus viu as suas obras", diz o profeta, "que eles se desviaram do seu mau
caminho, e Deus se arrependeu do mal que Ele disse que faria a eles". (Jonas 3:10Isso nos permite, nós e você. Vamos
renunciar à paixão pelas riquezas, à luxúria pela glória, implorando a Deus para estender a mão e levantar nossos
membros caídos. E bem podemos, pois nosso medo não é pelos mesmos objetos que os deles; pois então, de fato,
eram apenas pedras e madeiras que deveriam cair, e corpos que deveriam perecer; mas agora não é nada disso; não,
mas as almas estão prestes a ser entregues ao fogo do inferno. Vamos implorar, vamos confessar a Ele, vamos dar
graças a Ele pelo que é passado, vamos suplicá-lo pelo que está por vir, para que possamos ser considerados dignos
de sermos libertados deste monstro feroz e terrível, e para elevai as nossas ações de graças ao Deus e Pai amoroso
com quem, para o Filho, juntamente com o Espírito Santo, seja glória, poder e honra, agora e assim por diante, para
todo o sempre. Um homem.

Notas de rodapé:

[277] [O texto de Field tem aqui pollo de ekeinon beltious em vez de pollo de allon beltious, que é claramente melhor
que o de Field, porque dá um sentido melhor e é bem atestado. De fato, Field, enquanto dá ekeinon em seu texto, diz
que é usado "durius pro heteron", e menciona o uso negligente de pronomes de Crisóstomo.

[278] [No texto de Field a palavra "muitos", pollous, é colocada na sentença anterior; mas é melhor onde está aqui,
completar a sentença e fazer com que corresponda às duas sentenças anteriores.

[279] Jó 31:33 , 34. Os versos no set de setembro, assim: Ei de kai hamarton akousios ekrupsa dez hamartian mou. Ou
gar dietrapen poluochlian plethous, me exagoreusai enopion auton [mas Crisóstomo cita apenas estas palavras: ei kai
hamarton akousios dietrapen poluochlian. O hebraico é bem diferente, como mostrado na tradução do Rev. Ver.
(acima) .-- GA]

[280] [A Septuaginta ainda tem três dias, & c., Eti treis hemerai ktl. Assim, Crisóstomo cita-a. O texto hebraico e o Rev.
Ver., Seguindo-o, têm quarenta dias.

[281] Antioquia foi exposta a terremotos. Um aconteceu 395 dC, que pode ser sobre a data dessas Homilias. Em 458
dC, quase foi derrubado por essa causa.

[282] [Ver nota na página anterior .-- GA]

Efésios 4: 6
Um Deus e Pai de todos, que está acima de tudo, e através de todos e em todos vocês.
Efésios 4: 7
Mas a cada um de nós é dada graça de acordo com a medida do dom de Cristo.
Efésios 4: 8
Por isso ele diz: Quando subiu ao alto, levou cativo o cativeiro e deu dons aos homens.
Ver. 8. "Por isso, diz ele: Quando subiu às alturas, levou cativo o cativeiro e deu dons aos homens."
Como se ele tivesse dito: Por que és teimoso? O todo é de Deus. O Profeta diz no salmo: "Recebeste presentes entre
os homens" ( Salmo 68:18 ), enquanto o apóstolo diz: "Ele deu dons aos homens". Um é o mesmo que o outro. [286]

Efésios 4: 9
(Agora que ele subiu, o que é que ele também desceu primeiro para as partes inferiores da terra?
Ver. 9, 10. "Agora isto, Ele subiu, o que é isto, mas que Ele também desceu nas partes mais baixas da terra? Aquele
que desceu, é o mesmo também que ascendeu muito acima de todos os Céus, para que Ele pudesse encher todas as
coisas "
Quando você ouve estas palavras, não pense em uma mera remoção de um lugar para outro; pelo que Paulo
estabelece na Epístola aos Filipenses (Filipe II, 5-8), esse mesmo argumento [287] ele também está insistindo aqui. Do
mesmo modo que, ao exortá-los a respeito da humildade, ele apresenta Cristo como exemplo, assim o faz também
aqui, dizendo: "Ele desceu às partes mais baixas da terra". Pois não era assim, esta expressão que ele usa: "Ele se
tornou obediente até a morte" (Filipe, ii. 8, 9), era supérfluo; Considerando que a partir de Sua ascensão, ele implica
a sua descida, e por "as partes mais baixas da terra", ele significa "morte", de acordo com as noções de homens; como
Jacó também disse: "Então, trareis meus cabelos grisalhos de tristeza para o túmulo." ( Gênesis 32:48.) E novamente
como está no Salmo: "Para que eu não me torne como aqueles que descem à cova" ( Salmos 143: 7 ), isto é como os
mortos. Por que ele descobre esta região aqui? E de que cativeiro ele fala? Daquele do diabo; pois Ele levou o tirano
cativo, o diabo, quero dizer, e a morte e a maldição e o pecado. Contemple seus despojos e seus troféus.

"Agora isto, Ele subiu, o que é isto senão que Ele também desceu?"

Isso ataca Paulo de Samosata e sua escola. [288]

"Aquele que desceu é o mesmo que subiu acima de todos os céus para poder encher todas as coisas."

Ele desceu, diz ele, para as partes mais baixas da terra, além das quais não há outro: e subiu muito acima de todas as
coisas, para aquele lugar, além do qual não há outro. Isso é para mostrar Sua energia divina e domínio supremo. Pois
de fato, mesmo antigamente, todas as coisas haviam sido preenchidas.

Ver. 11, 12. "E ele deu alguns para serem apóstolos; e alguns, profetas, e alguns, evangelistas; e alguns, pastores e
mestres para o aperfeiçoamento dos santos, para a obra de ministrar, para a edificação do corpo de Cristo ".

O que ele disse em outro lugar: "Por isso também Deus o exaltou muitíssimo" (Filipe 9: 9), que diz também que ele
está aqui. "Aquele que desceu é o mesmo que subiu." Não lhe causou nenhum dano que Ele desceu às partes mais
baixas da terra, nem foi qualquer impedimento para que Ele se tornasse muito mais alto que os Céus. De modo que
quanto mais um homem é humilhado, tanto mais ele é exaltado. Pois, como no caso da água, quanto mais o homem
a pressiona para baixo, mais ela a força; e quanto mais um homem se aposenta para arremessar uma lança, mais
seguro é seu objetivo; assim é também com humildade. No entanto, quando falamos de ascensões com referência a
Deus, devemos primeiro conceber uma descendência; mas quando se refere ao homem, de modo algum. Então ele
prossegue mostrando ainda mais Seu cuidado providencial e Sua sabedoria, pois Aquele que fez coisas como estas,
Quem tinha tal poder, e que se recusou a não descer até mesmo àquelas partes inferiores por amor a Deus, nunca
teria feito essas distribuições de dons espirituais sem um propósito. Agora em outro lugar ele nos diz que esta foi a
obra do Espírito, nas palavras: "Na qual o Espírito Santo vos fez bispos para alimentar a Igreja de Deus". [289] E aqui
ele diz que é o Filho; e em outros lugares que é Deus. "E deu à igreja alguns apóstolos e alguns profetas". Mas na
epístola aos Coríntios, ele diz: "Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento". E novamente: "Agora o que
planta e o que rega são um; mas cada um receberá sua própria recompensa de acordo com seu próprio trabalho". (
Ele nunca teria feito essas distribuições de dons espirituais sem um propósito. Agora em outro lugar ele nos diz que
esta foi a obra do Espírito, nas palavras: "Na qual o Espírito Santo vos fez bispos para alimentar a Igreja de Deus". [289]
E aqui ele diz que é o Filho; e em outros lugares que é Deus. "E deu à igreja alguns apóstolos e alguns profetas". Mas
na epístola aos Coríntios, ele diz: "Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento". E novamente: "Agora o que
planta e o que rega são um; mas cada um receberá sua própria recompensa de acordo com seu próprio trabalho". (
Ele nunca teria feito essas distribuições de dons espirituais sem um propósito. Agora em outro lugar ele nos diz que
esta foi a obra do Espírito, nas palavras: "Na qual o Espírito Santo vos fez bispos para alimentar a Igreja de Deus". [289]
E aqui ele diz que é o Filho; e em outros lugares que é Deus. "E deu à igreja alguns apóstolos e alguns profetas". Mas
na epístola aos Coríntios, ele diz: "Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento". E novamente: "Agora o que
planta e o que rega são um; mas cada um receberá sua própria recompensa de acordo com seu próprio trabalho". (
Em que o Espírito Santo fez você bispos para alimentar a Igreja de Deus. "[289] E aqui ele diz que é o Filho, e em outros
lugares que é Deus." E ele deu à Igreja alguns apóstolos, e alguns profetas. "Mas na Epístola aos Coríntios, ele diz:" Eu
plantei, Apolo regou; mas Deus deu o aumento. "E novamente:" Agora o que planta e o que rega são um; mas cada
um receberá sua própria recompensa de acordo com seu próprio trabalho "( Em que o Espírito Santo fez você bispos
para alimentar a Igreja de Deus. "[289] E aqui ele diz que é o Filho, e em outros lugares que é Deus." E ele deu à Igreja
alguns apóstolos, e alguns profetas. "Mas na Epístola aos Coríntios, ele diz:" Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o
aumento. "E novamente:" Agora o que planta e o que rega são um; mas cada um receberá sua própria recompensa de
acordo com seu próprio trabalho "(1 Coríntios 3: 6-8Também é aqui; e se você trouxer apenas pouco? Tu recebeste
muito. Primeiro, ele diz "apóstolos"; [290] para estes tiveram todos os presentes; secundariamente, "profetas", pois
havia alguns que não eram de fato apóstolos, mas profetas, como Ágabo; em terceiro lugar, "evangelistas", que não
percorriam todos os lugares, mas pregavam apenas o Evangelho, como Priscila e Áquila; "pastores e professores",
aqueles que foram encarregados de uma nação inteira. O que então? são os pastores e os professores inferiores? Sim
certamente; aqueles que foram estabelecidos e empregados em um lugar, como Timóteo e Tito, eram inferiores
àqueles que peregrinavam pelo mundo e pregavam o Evangelho. No entanto, não é possível, a partir dessa passagem,
enquadrar a subordinação e a precedência, mas de outra epístola. "Ele deu", diz ele; tu não deves dizer uma palavra
para contradizê-lo. Ou talvez por "evangelistas" ele quer dizer aqueles que escreveram o Evangelho.

"Para o aperfeiçoamento dos santos para a obra de ministrar, para a edificação do corpo de Cristo." [291]

Percebe a dignidade do ofício? Cada um edifica, cada um aperfeiçoa, cada um ministra.

Ver. 13. "Até que todos nós alcancemos", prossegue ele, "até a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus,
até um homem maduro, à medida da estatura da plenitude de Cristo".

Por "estatura" aqui ele significa perfeito "conhecimento"; pois, como um homem permanecerá firme, enquanto as
crianças são levadas e vacilam em mente, assim é também com os crentes.

"À unidade", diz ele, "da fé".

Isto é, até que se mostre que temos toda a fé: pois esta é a unidade da fé, quando todos somos um, quando todos
reconheceremos o mesmo elo comum. Até então tu deves trabalhar para este fim. Se, para isso, recebeste um
presente, para que podias edificar a outros, parece bom que não te vetas, invejando a outro. Deus te honrou e te
ordenou, para que edificasses a outro. Sim, por isso, o apóstolo também estava comprometido; e por isso o profeta
estava profetizando e persuadindo, e o evangelista pregando o evangelho, e por isso era o pastor e o mestre; todos
haviam empreendido um trabalho comum. Pois não me fale da diferença dos dons espirituais; mas tudo isso teve um
trabalho. Agora, quando todos crermos, então haverá unidade; pois isso é o que ele chama de "homem perfeito".1
Coríntios 13:11 ), mesmo quando estamos em idade madura; mas ele está lá olhando para outra comparação, pois é
em comparação com nosso conhecimento futuro que ele nos chama de bebês. Por ter dito: "Nós sabemos em parte"
( 1 Coríntios 13: 9 , 12), ele acrescenta também a palavra "obscuramente", e coisas do tipo: enquanto aqui ele fala
com referência a outra coisa, com referência à mutabilidade, como Ele também diz em outro lugar: "Mas a comida
sólida é para homens adultos". ( Hebreus 5:14Você vê então também em que sentido ele os chama de adulto? Observe
também em que sentido ele chama os homens de "perfeitos" aqui, pelas palavras acrescentadas a seguir, onde ele
diz: "para que não sejamos mais crianças". Que mantemos, ele quer dizer, aquela pequena medida, que podemos ter
recebido, com toda a diligência, com firmeza e firmeza.

Ver. 14. "Que já não podemos ser." - A palavra "não mais" mostra que eles tinham sido, de antigamente, neste caso,
e ele se considera além disso como um sujeito para correção, e se corrige. Por esta causa, ele diria, há tantos
trabalhadores, que o edifício não pode ser abalado, não pode ser "carregado", que as pedras podem ser firmemente
fixadas. [292] Pois este é o caráter das crianças, para serem lançadas de um lado para o outro, para serem levadas e
abaladas. "Para que não sejamos mais", diz ele, "crianças, levadas de um lado para o outro, e levadas por todo o vento
de doutrina, pelo engano dos homens, com astúcia, por causa das artimanhas do erro". "E transportado", diz ele, "com
todo vento". Ele chega a essa figura de linguagem, para mostrar como as almas que duvidam do perigo são. "Com todo
vento,

Ver. 15, 16. "Mas, falando verdade", [294] diz ele, "em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, de
quem," (isto é, de Cristo,) " todo o corpo adequadamente moldado e unido, através daquilo que toda articulação
oferece, de acordo com o trabalho na devida medida de cada parte, faz com que o aumento do corpo se edifique no
amor ".

Ele se expressa com grande obscuridade, de seu desejo de dizer tudo de uma vez. O que ele quer dizer, no entanto, é
isso. Da mesma forma que o espírito, ou princípio vital, que desce do cérebro, comunica a faculdade sensível que é
transmitida através dos nervos, não simplesmente a todos os membros, mas de acordo com a proporção de cada
membro, àquilo que é capaz de receber mais, mais, àquilo que é capaz de menos, menos (porque o espírito é a raiz ou
a fonte); assim também é Cristo. Pois as almas dos homens sendo dependentes Dele como membros, Seu cuidado
providencial e provisão dos dons espirituais de acordo com uma proporção devida na medida de cada membro, afeta
seu aumento. Mas qual é o significado disso, "pelo toque do suprimento"? [295] isto é, pela faculdade sensível. [296]
Para esse espírito que é fornecido aos membros da cabeça, "toca", [297] cada membro único, e assim atua. Como se
alguém dissesse, "o corpo recebendo o suprimento de acordo com a proporção de seus vários membros, assim faz o
aumento"; ou, em outras palavras, "os membros que recebem o suprimento de acordo com a proporção de sua
medida apropriada, assim aumentam"; ou de outro modo, "o espírito fluindo abundantemente de cima e tocando
todos os membros, e suprindo-os como cada um é capaz de recebê-lo, assim aumenta". Porque de nenhuma outra
forma é possível que o Espírito desça, pois, como no caso de uma mão ser arrancada do corpo, o espírito que procede
do cérebro busca o membro, e se não o encontrar, não saltará do corpo e voará para a mão, mas se não o encontrar
em seu lugar, não o tocará; assim também estará aqui, se não nos unirmos em amor. Todas essas expressões ele usa
como tendendo à humildade. Por que, ele parece dizer, se este ou aquele homem recebe mais do que outro? Ele
recebeu o mesmo Espírito, enviado da mesma Cabeça, trabalhando efetivamente em todos os outros, comunicando-
se a todos igualmente.

"Bem enquadrados e unidos."

Isto é, tendo muito cuidado com isso; pois o corpo não deve ser montado de qualquer maneira, mas com excessiva
arte e delicadeza, já que, se sair do lugar, não será mais. De modo que cada um não só deve estar unido ao corpo, mas
também ocupar o seu devido lugar, pois se você for além, você não está unido a ele, nem recebe o Espírito. Não vês
que naqueles deslocamentos dos ossos que ocorrem em qualquer acidente, quando um osso sai de seu devido lugar
e ocupa o de outro, como ele fere todo o corpo e, muitas vezes, produzirá a morte? Então, às vezes, será considerado
que não vale mais a pena preservar. Para muitos, em muitos casos, corta-se e deixa um vazio em seu lugar; porque
em toda parte o que está em excesso é um mal. E assim novamente com os elementos, se perderem a proporção
adequada e ficarem em excesso, prejudicam todo o sistema. Este é o significado do ser "enquadrado e unido
adequadamente". Considere, então, quão vasta é a importância de que cada um permaneça em seu próprio lugar e
não se intrometa em outro que, de repente, lhe pertence. Tu pões os membros juntos, Ele os suplementa de cima.
Pois como existem no corpo tais órgãos receptores, como vimos, assim é também com o Espírito, toda a raiz ou fonte
sendo de cima. Por exemplo, o coração é o receptor da respiração, o fígado do sangue, o baço da bílis e os outros
órgãos, alguns de uma coisa, outros de outra, mas todos eles têm sua origem no cérebro. Assim também Deus fez,
altamente honrando o homem, e não estando disposto a estar longe dele, Ele se fez, de fato, a fonte de sua
dependência, e os constituiu cooperadores de si mesmo; e alguns Ele designou para um ofício e outros para outro. Por
exemplo, o apóstolo é o vaso mais vital de todo o corpo, recebendo tudo dele; de modo que Ele faz a vida eterna para
percorrê-los para todos, como através de veias e artérias, quero dizer através do seu discurso. O Profeta anuncia as
coisas que estão por vir, enquanto Ele somente ordena o mesmo; Tu pões os membros juntos, [299] mas Ele lhes dá
vida, "Para o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério". O amor se acumula e faz com que os homens
se apeguem uns aos outros e sejam amarrados e ajustados. Por exemplo, o apóstolo é o vaso mais vital de todo o
corpo, recebendo tudo dele; de modo que Ele faz a vida eterna para percorrê-los para todos, como através de veias e
artérias, quero dizer através do seu discurso. O Profeta anuncia as coisas que estão por vir, enquanto Ele somente
ordena o mesmo; Tu pões os membros juntos, [299] mas Ele lhes dá vida, "Para o aperfeiçoamento dos santos, para a
obra do ministério". O amor se acumula e faz com que os homens se apeguem uns aos outros e sejam amarrados e
ajustados. Por exemplo, o apóstolo é o vaso mais vital de todo o corpo, recebendo tudo dele; de modo que Ele faz a
vida eterna para percorrê-los para todos, como através de veias e artérias, quero dizer através do seu discurso. O
Profeta anuncia as coisas que estão por vir, enquanto Ele somente ordena o mesmo; Tu pões os membros juntos,
[299] mas Ele lhes dá vida, "Para o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério". O amor se acumula e faz
com que os homens se apeguem uns aos outros e sejam amarrados e ajustados. [299] mas Ele lhes dá vida, "Para o
aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério". O amor se acumula e faz com que os homens se apeguem
uns aos outros e sejam amarrados e ajustados. [299] mas Ele lhes dá vida, "Para o aperfeiçoamento dos santos, para
a obra do ministério". O amor se acumula e faz com que os homens se apeguem uns aos outros e sejam amarrados e
ajustados.

Moral. Se, portanto, desejamos ter o benefício desse Espírito que é da Cabeça, vamos nos apegar um ao outro. Pois
existem dois tipos de separação do corpo da Igreja; o outro, quando nos esfriamos de amor, o outro, quando ousamos
cometer coisas indignas de pertencer a esse corpo; pois de qualquer forma nos separamos da "plenitude de Cristo".
Mas se formos designados para edificar os outros também, o que não será feito àqueles que são os primeiros a fazer
divisão? Nada servirá para dividir a Igreja como amor ao poder. Nada provoca a ira de Deus como a divisão da Igreja.
Sim, embora tenhamos conseguido dez mil atos gloriosos, todavia, se cortarmos em pedaços a plenitude da Igreja,
sofreremos punição não menos dolorosa do que aqueles que mutilaram Seu corpo. Pois aquilo de fato foi realizado
em benefício do mundo, embora tenha sido feito sem tal intenção; enquanto isso não produz vantagem em nenhum
caso, mas a lesão é excessiva. Estas observações eu estou abordando não apenas aos governadores, mas também aos
governados. Agora, um certo homem santo disse o que parece ser uma coisa ousada; contudo, no entanto, ele falou
isso. O que então é isso? Ele disse que nem mesmo o sangue do martírio pode eliminar esse pecado. [300] Por me
dizer o que tu sofres como um mártir? Não é para a glória de Cristo? Tu, pois, que rende a tua vida por amor de Cristo,
como despojais a Igreja, por cuja causa Cristo entregou a sua vida? Ouça o que Paulo diz: "Eu não sou encontrado para
ser chamado Apóstolo ( enquanto isso não produz vantagem em nenhum caso, mas a lesão é excessiva. Estas
observações eu estou abordando não apenas aos governadores, mas também aos governados. Agora, um certo
homem santo disse o que parece ser uma coisa ousada; contudo, no entanto, ele falou isso. O que então é isso? Ele
disse que nem mesmo o sangue do martírio pode eliminar esse pecado. [300] Por me dizer o que tu sofres como um
mártir? Não é para a glória de Cristo? Tu, pois, que rende a tua vida por amor de Cristo, como despojais a Igreja, por
cuja causa Cristo entregou a sua vida? Ouça o que Paulo diz: "Eu não sou encontrado para ser chamado Apóstolo (
enquanto isso não produz vantagem em nenhum caso, mas a lesão é excessiva. Estas observações eu estou abordando
não apenas aos governadores, mas também aos governados. Agora, um certo homem santo disse o que parece ser
uma coisa ousada; contudo, no entanto, ele falou isso. O que então é isso? Ele disse que nem mesmo o sangue do
martírio pode eliminar esse pecado. [300] Por me dizer o que tu sofres como um mártir? Não é para a glória de Cristo?
Tu, pois, que rende a tua vida por amor de Cristo, como despojais a Igreja, por cuja causa Cristo entregou a sua vida?
Ouça o que Paulo diz: "Eu não sou encontrado para ser chamado Apóstolo ( O que então é isso? Ele disse que nem
mesmo o sangue do martírio pode eliminar esse pecado. [300] Por me dizer o que tu sofres como um mártir? Não é
para a glória de Cristo? Tu, pois, que rende a tua vida por amor de Cristo, como despojais a Igreja, por cuja causa Cristo
entregou a sua vida? Ouça o que Paulo diz: "Eu não sou encontrado para ser chamado Apóstolo ( O que então é isso?
Ele disse que nem mesmo o sangue do martírio pode eliminar esse pecado. [300] Por me dizer o que tu sofres como
um mártir? Não é para a glória de Cristo? Tu, pois, que rende a tua vida por amor de Cristo, como despojais a Igreja,
por cuja causa Cristo entregou a sua vida? Ouça o que Paulo diz: "Eu não sou encontrado para ser chamado Apóstolo
(1 Coríntios 15: 9. ), Porque eu persegui a Igreja de Deus e destruí-a. "( Gálatas 1:13 ). Essa lesão não é menor do que
a recebida pelas mãos de inimigos, ou melhor, é muito maior. Pois isso torna-a ainda mais gloriosa, ao passo que esta,
quando ela é castigada por seus próprios filhos, a desonra mesmo diante de seus inimigos, porque lhes parece uma
grande marca de hipocrisia, que aqueles que nasceram nela, e nutrida em seu seio, e aprendeu perfeitamente seus
segredos, que estes deveriam de uma súbita mudança, e fazer o trabalho de seus inimigos.

Quero dizer essas observações para aqueles que se entregam indiscriminadamente aos homens que estão dividindo a
Igreja. Pois, se por um lado esses homens têm doutrinas também contrárias às nossas, então, por essa razão, não é
certo misturar-se com eles: se, por outro lado, eles têm as mesmas opiniões, a razão para não se misturar com eles é
ainda maior. E por que isso? Porque então a doença é da luxúria da autoridade. Não sabeis qual foi o destino de Coré,
Datã e Abirão? ( Números 16: 1-35.) Só deles eu disse? Não foi também dos que estavam com eles? O que você dirá?
Deveria ser dito: "A fé deles é a mesma, eles são ortodoxos assim como nós"? Se sim, por que então eles não estão
conosco? Existe "um só Senhor, uma só fé, um só batismo". Se a causa deles é certa, então é errado nosso; se o nosso
está certo, então está errado. "Filhos", diz ele, "jogados de um lado para o outro e carregados a cada vento". Diga-me,
acha que isso é suficiente, para dizer que eles são ortodoxos? A ordenação [301] do clero [302] é passada e eliminada?
E qual é a vantagem de outras coisas, [303] se isto não for estritamente observado? Pois, como precisamos, precisamos
lutar pela fé; então devemos também por isso. Pois se é lícito para qualquer um, de acordo com a frase dos antigos
"encher-lhe as mãos" [304] e para se tornar um sacerdote, que todos se aproximem para ministrar. Em vão este altar
foi levantado, em vão a plenitude da Igreja, em vão o número dos sacerdotes. Deixe-nos levá-los embora e destruí-
los. "Deus me livre!" você dirá. Você está fazendo estas coisas, e você diz: "Deus me livre"? Como dizeis: "Deus me
livre" quando as coisas estão acontecendo? Eu falo e testifico, não olhando para o meu próprio interesse, mas para a
sua salvação. Mas, se alguém for indiferente, ele deve cuidar de si mesmo: se essas coisas não interessam a mais
ninguém, ainda assim são um cuidado para mim. "Eu plantei", diz ele, "Apolo regou, mas Deus deu o aumento". (
Deixe-nos levá-los embora e destruí-los. "Deus me livre!" você dirá. Você está fazendo estas coisas, e você diz: "Deus
me livre"? Como dizeis: "Deus me livre" quando as coisas estão acontecendo? Eu falo e testifico, não olhando para o
meu próprio interesse, mas para a sua salvação. Mas, se alguém for indiferente, ele deve cuidar de si mesmo: se essas
coisas não interessam a mais ninguém, ainda assim são um cuidado para mim. "Eu plantei", diz ele, "Apolo regou, mas
Deus deu o aumento". ( Deixe-nos levá-los embora e destruí-los. "Deus me livre!" você dirá. Você está fazendo estas
coisas, e você diz: "Deus me livre"? Como dizeis: "Deus me livre" quando as coisas estão acontecendo? Eu falo e
testifico, não olhando para o meu próprio interesse, mas para a sua salvação. Mas, se alguém for indiferente, ele deve
cuidar de si mesmo: se essas coisas não interessam a mais ninguém, ainda assim são um cuidado para mim. "Eu
plantei", diz ele, "Apolo regou, mas Deus deu o aumento". ( se estas coisas são um cuidado para ninguém mais, ainda
são um cuidado para mim. "Eu plantei", diz ele, "Apolo regou, mas Deus deu o aumento". ( se estas coisas são um
cuidado para ninguém mais, ainda são um cuidado para mim. "Eu plantei", diz ele, "Apolo regou, mas Deus deu o
aumento". (1 Coríntios 3: 6.) Como devemos suportar o ridículo dos gregos? Pois se nos censurarem por causa de
nossas heresias, o que eles não dirão destas coisas? "Se eles têm as mesmas doutrinas, se os mesmos mistérios, por
que um governante em uma Igreja invade outra? Veja," dizem eles, "como todas as coisas entre os cristãos estão
cheias de vaidade? E há uma ambição entre eles, e hipocrisia. Despoja-os, "dizem eles", de seus números, e eles não
são nada. Cortem a doença, a multidão corrupta. " Você me diria o que dizem da nossa cidade, como eles nos acusam
do resultado de nossas complacências fáceis? Qualquer um, digamos, que escolhe, pode encontrar seguidores e nunca
ficaria perdido para eles. Oh, que escárnio é isso, que vergonha são essas coisas! E, no entanto, o escárnio é uma coisa,
a desgraça é outra. Se algum dentre nós for condenado por atos mais vergonhosos, e estiver prestes a encontrar
alguma penalidade, grande é o alarme, grande é o medo de todos os lados, para que ele não comece longe, dizem as
pessoas, e junte-se ao outro lado. Sim, deixe que um deles se afaste dez mil vezes e deixe-o juntar-se a eles. E eu falo
não somente daqueles que pecaram, mas se há alguém livre da ofensa, e ele tem a intenção de partir, deixe-o partir.
De fato estou triste, lamento e lamento, e sou cortado no coração, como se estivesse sendo privado de um dos meus
próprios membros; e, no entanto, não estou tão triste a ponto de ser obrigado a fazer algo errado com tanto medo
quanto isso. Nós não "dominamos a vossa fé" ( para que ele não comece, dizem as pessoas, e junte-se ao outro lado.
Sim, deixe que um deles se afaste dez mil vezes e deixe-o juntar-se a eles. E eu falo não somente daqueles que
pecaram, mas se há alguém livre da ofensa, e ele tem a intenção de partir, deixe-o partir. De fato estou triste, lamento
e lamento, e sou cortado no coração, como se estivesse sendo privado de um dos meus próprios membros; e, no
entanto, não estou tão triste a ponto de ser obrigado a fazer algo errado com tanto medo quanto isso. Nós não
"dominamos a vossa fé" ( para que ele não comece, dizem as pessoas, e junte-se ao outro lado. Sim, deixe que um
deles se afaste dez mil vezes e deixe-o juntar-se a eles. E eu falo não somente daqueles que pecaram, mas se há alguém
livre da ofensa, e ele tem a intenção de partir, deixe-o partir. De fato estou triste, lamento e lamento, e sou cortado
no coração, como se estivesse sendo privado de um dos meus próprios membros; e, no entanto, não estou tão triste
a ponto de ser obrigado a fazer algo errado com tanto medo quanto isso. Nós não "dominamos a vossa fé" ( e lamentar
e lamentar, e estou cortado ao coração, como se estivesse sendo privado de um dos meus próprios membros; e, no
entanto, não estou tão triste a ponto de ser obrigado a fazer algo errado com tanto medo quanto isso. Nós não
"dominamos a vossa fé" ( e lamentar e lamentar, e estou cortado ao coração, como se estivesse sendo privado de um
dos meus próprios membros; e, no entanto, não estou tão triste a ponto de ser obrigado a fazer algo errado com tanto
medo quanto isso. Nós não "dominamos a vossa fé" (2 Coríntios 1:24.), amado, nem ordene que essas coisas sejam
seus senhores e mestres. Somos nomeados para o ensino da palavra, não para poder, nem para autoridade absoluta.
Nós mantemos o lugar dos conselheiros para aconselhá-lo. O conselheiro fala seus próprios sentimentos, não forçando
o ouvinte, mas deixando-o pleno mestre de sua escolha sobre o que é dito; neste caso, só ele é culpado, se ele deixar
de expressar as coisas que se apresentam. Por esta causa nós também dizemos estas coisas, estas coisas afirmamos,
que pode não estar em seu poder naquele dia dizer: "Ninguém nos disse, ninguém nos deu mandamento, nós éramos
ignorantes, achávamos que era nenhum pecado em tudo ". Portanto afirmo e protesto que fazer um cisma na Igreja
não é menos um mal do que cair em heresia. Diga-me, suponha um assunto de algum rei, embora ele não tenha se
unido a outro rei, nem se entregue a qualquer outro, ainda assim, tome e segure a púrpura real de seu rei, e deve
arrancá-lo de seu aperto e rasgá-lo em vários pedaços; ele sofreria menos punição do que aqueles que se juntam ao
serviço de outro? E o que, se ele fosse agarrar o próprio rei pela garganta e matá-lo, e rasgar seu corpo de membro,
que punição ele poderia sofrer, que deveria ser igual aos seus desertos? Agora, se ao fazer isso em direção a um rei,
seu companheiro de trabalho, ele estaria cometendo um ato muito grande para qualquer punição alcançar; de que
inferno não será ele quem merece a morte de Cristo, e arranca-lhe membro de membro? daquele que está ameaçado?
Não, acho que não, mas de outro muito mais terrível. e deve arrancar tudo do seu fecho e rasgá-lo em vários pedaços;
ele sofreria menos punição do que aqueles que se juntam ao serviço de outro? E o que, se ele fosse agarrar o próprio
rei pela garganta e matá-lo, e rasgar seu corpo de membro, que punição ele poderia sofrer, que deveria ser igual aos
seus desertos? Agora, se ao fazer isso em direção a um rei, seu companheiro de trabalho, ele estaria cometendo um
ato muito grande para qualquer punição alcançar; de que inferno não será ele quem merece a morte de Cristo, e
arranca-lhe membro de membro? daquele que está ameaçado? Não, acho que não, mas de outro muito mais terrível.
e deve arrancar tudo do seu fecho e rasgá-lo em vários pedaços; ele sofreria menos punição do que aqueles que se
juntam ao serviço de outro? E o que, se ele fosse agarrar o próprio rei pela garganta e matá-lo, e rasgar seu corpo de
membro, que punição ele poderia sofrer, que deveria ser igual aos seus desertos? Agora, se ao fazer isso em direção
a um rei, seu companheiro de trabalho, ele estaria cometendo um ato muito grande para qualquer punição alcançar;
de que inferno não será ele quem merece a morte de Cristo, e arranca-lhe membro de membro? daquele que está
ameaçado? Não, acho que não, mas de outro muito mais terrível. e rasgar seu corpo de membro, que punição ele
poderia sofrer, que deveria ser igual aos seus desertos? Agora, se ao fazer isso em direção a um rei, seu companheiro
de trabalho, ele estaria cometendo um ato muito grande para qualquer punição alcançar; de que inferno não será ele
quem merece a morte de Cristo, e arranca-lhe membro de membro? daquele que está ameaçado? Não, acho que não,
mas de outro muito mais terrível. e rasgar seu corpo de membro, que punição ele poderia sofrer, que deveria ser igual
aos seus desertos? Agora, se ao fazer isso em direção a um rei, seu companheiro de trabalho, ele estaria cometendo
um ato muito grande para qualquer punição alcançar; de que inferno não será ele quem merece a morte de Cristo, e
arranca-lhe membro de membro? daquele que está ameaçado? Não, acho que não, mas de outro muito mais terrível.

Fala, ó mulheres, que estão presentes, - pois isto geralmente é uma falha das mulheres, [305] - relaciona-se com elas
que estão ausentes desta similitude que eu fiz; assusta-os. Se alguém pensa em me entristecer e, assim, ter sua
vingança, saiba que eles fazem essas coisas em vão. Pois se tu desejas se vingar de mim, eu te darei um método pelo
qual tu poderás vingar-te sem prejuízo para ti mesmo; ou melhor, sem ferimentos, não é possível se vingar, mas em
todo caso, com menos ferimentos. Bufete-me, mulher, cuspa em cima de mim, quando tu me encontrar no caminho
público, e aponte golpes em mim. Você estremece ao ouvir isso? Quando te peço que te bata, tremes, e tu rasga teu
Senhor e Mestre e não estremece? Separas os membros do teu Senhor e Mestre e não tremes? A igreja é a casa do
nosso pai. "Há um só corpo e um só Espírito." Mas tu queres vingar-te de mim? Ainda pare em mim. Por que você se
vinga de Cristo em meu lugar? melhor, por que chutar as unhas? Em nenhum caso, de fato, a vingança é boa e correta,
mas atacar um quando o outro fez o errado é muito pior. É eu que te ofendi? Por que então infligir dor àquele que
não te ofendeu? Este é o extremo da loucura. Não falo com ironia sobre o que estou prestes a dizer, nem sem
propósito, mas como realmente penso e como sinto. Gostaria que cada um daqueles que com você está exasperado
contra mim, e que por essa exasperação estão ferindo-se, e partem em outros lugares, iria dirigir seus golpes para
mim no meu próprio rosto, me despir e flagelar-me, ser sua acusação contra me justo ou injusto, e soltar sua ira sobre
mim, em vez de se atreverem a cometer o que agora se atrevem. Se isso fosse feito, não era nada; nada, que um
homem que é um mero nada e de nenhuma importância, deve ser tratado assim. E além disso, eu, a pessoa injustiçada
e ferida, posso invocar a Deus e Ele pode perdoar seus pecados. Não porque tenho tanta confiança; mas porque
quando aquele que foi injustiçado, suplica por aquele que fez o mal, ele ganha grande confiança. "Se um homem pecar
contra outro", diz-se, "então eles orarão por ele" [306] ( Não porque tenho tanta confiança; mas porque quando
aquele que foi injustiçado, suplica por aquele que fez o mal, ele ganha grande confiança. "Se um homem pecar contra
outro", diz-se, "então eles orarão por ele" [306] ( Não porque tenho tanta confiança; mas porque quando aquele que
foi injustiçado, suplica por aquele que fez o mal, ele ganha grande confiança. "Se um homem pecar contra outro", diz-
se, "então eles orarão por ele" [306] (1 Samuel 2:25 .); e se eu fosse incapaz, poderia procurar outros homens santos
e suplicar-lhes, e eles poderiam fazê-lo. Mas agora a quem devemos suplicar, quando Deus é ultrajado por nós?

Marque a consistência; para aqueles que pertencem a esta Igreja, alguns nunca se aproximam para se comunicar, ou
apenas uma vez no ano, e depois sem propósito, e assim como pode acontecer; outros com mais regularidade de fato,
ainda que descuidados demais e sem propósito, e enquanto conversam, e são insignificantes em relação a nada:
enquanto aqueles que, de verdade, parecem ser sinceros, essas são as mesmas pessoas que trabalham com esse mal.
Contudo, certamente, se é por estas coisas que são a sério, melhor é que também estivéssemos nas fileiras do
indiferente; ou melhor ainda, que nem eles deveriam ser indiferentes, nem você como você é. Não falo de vocês que
estão presentes, mas daqueles que estão desertando de nós. O ato é adultério. E se não tiverdes de ouvir estas coisas
deles, nem fareis de nós. Deve haver violação da lei, seja de um lado ou de outro. Se, então, você tiver essas suspeitas
a meu respeito, estou pronto para me retirar de meu ofício e resigná-lo a quem quiserdes. Somente deixe a Igreja ser
um. Mas, se eu fui legitimamente constituído e consagrado, suponha que aqueles que têm contrária à lei montaram
o trono episcopal para resigná-lo.

Estas coisas eu disse, não como ditando para você, mas apenas para proteger e proteger você. Visto que cada um de
vós está envelhecido e terá de prestar contas das coisas que Ele fez, rogo-lhes que não nos deitem todo o assunto, e
considerem-se irresponsáveis, para que não continuem inutilmente. enganando-se e, finalmente, lamentar isso. Uma
conta, na verdade, devemos dar de suas almas; mas será quando tivermos desejado de nossa parte, quando falharmos
em exortar, quando falharmos em admoestar, quando deixarmos de protestar. Mas depois destas palavras, permita-
me dizer que "eu sou puro do sangue de todos os homens" ( Atos 20:26 ); e que "Deus libertará a minha alma". (
Ezequiel 3:19, 21.) Diga o que quiser, dê uma justa causa por que você partir, e eu responderei. Mas não, você não vai
dizer isso. Portanto, rogo-lhe que, daqui em diante, resista nobremente e traga de volta os que se separaram, para
que, de comum acordo, elevemos a ação de graças a Deus; porque a Ele pertence a glória para todo o sempre. Um
homem.

Notas de rodapé:

[283] ["A galinha soma significa a totalidade dos cristãos como o corpo (Christi) mysticum; comp. Efésios 2:16 ;
Romanos 12: 5 ; 1 Coríntios 10:17 . A galinha pneuma é o Espírito Santo, o espírito de o corpo mysticum; compare
Efésios 2:18 , 1 Coríntios 12:13 A explicação, um corpo e uma alma, 'é excluída, em desacordo com o contexto pelo
caráter especificamente cristão dos outros elementos, e tornada impossível por o fornecimento correto de esti (e você
não deveria ser '). "- Meyer .-- GA]

[284] [Observe a tríade de trindades: - - um corpo. 1. A Igreja: - um espírito. - uma esperança. - um senhor. 2.Cristo: -
uma fé. - um batismo. - No geral. 3. Deus: - através de todos. - Em tudo. - Meyer, substancialmente .-- GA]
[285] ["Mas (de) forma a transição do resumo todos, 'todos', todos 'para cada indivíduo" entre os cristãos. "- Meyer. -
GA]

[286] ["Ele cita o Salmo 68:18 , com a liberdade de uma interpretação messiânica das palavras, e sua exposição das
palavras hebraicas produziu essencialmente o sentido expresso por ele. Então ele tomou tchql no sentido: Tu tirou
presentes para distribuí-los entre os homens ", e depois traduziu isso de uma forma explicativa, edoke, & c." - Meyer
- GA

[287] [Esta visão de Crisóstomo está bastante em desacordo com o contexto. Ellicott diz: Para evidenciar ainda mais
claramente a correção da aplicação messiânica das palavras que acabamos de citar, São Paulo exorta a antítese
implícita por anebe, ou seja, katebe, uma predicação aplicável somente a Cristo, sendo a suposição tácita que Aquele
que é o O assunto da citação é aquele cujo assento era o céu. Compare com João 3:13 .

[288] Paulo foi bispo de Antioquia AD 260-269, quando foi deposto por heresia. Relatos muito diferentes são dados
de suas doutrinas particulares: Santo Atanásio pode ser seguido com segurança, no entanto, que diz que ele negou a
doutrina da presistência de nosso Senhor, afirmou que Ele era um mero homem, e que a Palavra de Deus estava em
Ele. vid. Orat. Eu. 25, 38; ii. 13; iii. 51. De decretar. 24, & c., & C. [Veja Schaff's History of Christian Ch., Vol. II. , pp 575,
576. - GA]

[289] [Tanto aqui como em Hom. xliv. em Atos (xx. 28) Crisóstomo lê kuriou em vez de você. Esta última é, no entanto,
a leitura de 'B. e é adotada por W. & H. e pelo Rev. Ver. (assim como o textus receptus) .-- GA]

[290] ["Os Apóstolos tiveram um chamado imediato de Cristo, um destino para todas as terras e um poder especial de
milagres. Profetas: não apenas no sentido especial, mas também aqueles que falaram sob o impulso imediato do
Espírito Santo; Evangelistas eram subordinados dos Apóstolos que viajavam, Pastores e mestres, constituindo uma e
a mesma classe, eram estacionários e provavelmente incluíam presbíteros. - Ellicott.

[291] [A relação adequada destas frases preposicionais é trazida à tona na tradução de Meyer: Ele tem, com vistas ao
pleno provimento dos santos, aqueles professores para o trabalho de ministrar, para a edificação do corpo de Cristo.
Então Ellicott - GA]

[292] ["Não é a figura de um edifício que Paulo emprega aqui, mas de um navio abandonado para os disjuntores, em
que expressão figurativa de sujeição passiva inquieta a influências, compare Tiago 1: 6. " - Meyer.- -GA]

[293] kubeia kubeutai.

[292] ["aletheuontes: O significado comum, Falar a verdade", é claramente insatisfatório aqui. Significa manter a
verdade. "- Ellicott. "Professando a verdade", Thayer, Lexicon. Rev. Ver. tem na margem "lidar verdadeiramente".
Meyer diz que significa aqui, como sempre, "falando a verdade" e corretamente.

[295] haphes, "joint", Eng. Tr. Teodorece também no local. interpreta o toque e considera que ele representa todos
os sentidos. S. Austin traduz tato no Salmo 10: 7 , de Civ. D. xxii. 18, mas no significado recebido. [Veja Meyer .-- GA]

[296] ["Meyer ainda mantém a interpretação de Crisóstomo e Teodoreto de que haphe = aesthesis," feeling ","
percepção ", e conecta a cláusula com auxesin poieitai: mas a passagem paralela, Colossians 2:19 , deixa pouco
duvidoso que o significado geralmente atribuído está correto, e que a cláusula deve ser conectada com os particípios.
"- Ellicott. Então Thayer, Lex. , Rev. Ver .-- GA]

[297] haptomenon.

[298] haptomenon.

[299] [O texto flutua aqui. Nós demos o campo, embora nem ele nem qualquer outra leitura produza um sentido
satisfatório. O texto de Field é, suntitheis ta mele, auto autois zoen choregei. Outro texto, atestado por três mss, tem
suntitheis ta mesa, autos autois zoen choregei. O texto de Savile, apoiado por três mss, tem kai ekeinos men suntithei
ta osta, autos de zoen choregei. Será notado que esta mesma expressão ocorre um pouco acima, seguida por uma
cláusula como a que segue aqui.
[300] "Que sacrifício eles acreditam que celebram quem são rivais dos sacerdotes?" "Se tais homens foram mortos até
por confissão do nome cristão, nem mesmo pelo sangue deles é essa mancha lavada ... Ele não pode ser um Mártir,
que não está na Igreja." Cipriano, Treat. v. 12, p. 141

[301] [Veja Bingham, Ant. Bk iv. CH. vi. seg. 11 .-- GA]

[302] cheirotonias. Nesta época, havia duas sucessões ortodoxas em Antioquia, a de Paulino e Evágrio, que foram
sucessivamente representantes da antiga linhagem que os arianos haviam despojado e que a cristandade ocidental
apoiava; e aquela de Melécio e Flaviano, à qual São Crisóstomo aderiu, e a Igreja Oriental em geral, sendo a sucessão
ariana conformada à ortodoxia. O cisma foi encerrado em 392 dC, com a morte de Evagrio, embora seu partido tenha
continuado por mais vinte anos.

[303] [ton allon, querendo no texto de Field, é atestado por quatro boas autoridades, e produz o único sentido que se
adequa ao contexto.

[304] Êxodo 29: 9 . Nossa tradução diz: "Tu deves consagrar Arão e seus filhos"; a margem dá a tradução literal: "Tu
encherás as mãos de Arão".

[305] São Crisóstomo acabou por ser banido e levado ao seu termo pela Imperatriz Eudoxia. As mulheres tiveram um
papel importante com os arianos desde o início, ao qual talvez ele alude. Quando Arius começou sua heresia, ele se
juntou a setecentas mulheres solteiras. Epifania Hr. 69, 3; vid. também socr. ii. 2, do Tribunal, Greg. Naz. Ou. 48, de
Constantinopla, etc., etc.

[306] [Esta é a leitura da Septuaginta, como segue: an eis anthropon tis hamarte, proseuxontai peri autou. O hebraico,
no entanto, é diferente e diz: "Se um homem pecar contra outro, Deus o julgará; mas se pecar contra o Senhor, quem
ordenará por ele?" Então o Rev. Ver .-- GA]

Efésios 4:10
Aquele que desceu é o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.
Efésios 4:11
E ele deu alguns apóstolos; e alguns profetas; e alguns, evangelistas; e alguns pastores e professores;
Efésios 4:12
Para o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo:
Efésios 4:13
Até que todos chegamos na unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até um homem perfeito, à medida da
estatura da plenitude de Cristo:
Efésios 4:14
Que a partir de agora haver mais crianças, atiradas para lá e para cá, e levados ao redor por todo vento de doutrina,
pela artimanha dos homens, e astúcia, que ficam à espreita para enganar;
Efésios 4:15
Mas falando a verdade em amor, pode crescer em ele em todas as coisas, que é a cabeça, até mesmo Cristo:
Efésios 4:16
De quem todo o corpo apropriadamente se uniu e compactou pelo que toda articulação supre, de acordo com o
trabalho eficaz na medida de cada parte, faz aumentar o corpo para edificar a si mesmo em amor.
Efésios 4:17
Digo isto, pois, e testifico no Senhor, para que daqui em diante não andeis como os gentios, na vaidade da sua mente;
"Isto eu digo, portanto, e testifico no Senhor, que não andes mais como os gentios também andam, na vaidade de sua
mente, sendo escurecidos em seu entendimento, alienados da vida de Deus, por causa da ignorância que há em eles,
por causa do endurecimento de seu coração: que sendo passado sentindo, entregou-se à lascívia, para trabalhar toda
a impureza com ganância ".
Essas palavras não são endereçadas apenas aos efésios, mas agora são endereçadas também a você; e isso, não de
mim, mas de Paulo; ou melhor, nem de mim nem de Paulo, mas da graça do Espírito. E então devemos sentir assim,
como se a graça em si estivesse proferindo-os. E agora ouça o que diz. "Portanto, digo isto, e testifico no Senhor, que
não andeis mais como os gentios também andam, na vaidade de sua mente, estando obscurecidos em seu
entendimento, alienados da vida de Deus por causa da ignorância que há neles por causa do endurecimento do
coração deles ". Se então é ignorância, se está endurecendo, por que culpar? [317] se um homem é ignorante, era
justo, não que ele devesse ser maltratado por isso, nem culpado, mas que ele deveria ser informado daquelas coisas
de que é ignorante. Mas marque como imediatamente ele os exclui de toda desculpa. "Quem está sentindo passado",
diz ele, "entregou-se à lascívia, para trabalhar toda a impureza com ganância; mas vós não aprendeu assim a Cristo."
Aqui ele nos mostra que a causa de seu endurecimento era seu modo de vida, e que sua vida era consequência de sua
própria indolência e falta de sentimento.

"Quem está sentindo passado", [318] diz ele, "se entregou".

Sempre que ouvirdes que "Deus os entregou a uma mentalidade depravada" ( Romanos 1:28 ), lembrem-se desta
expressão: "eles se entregaram". Se então eles se entregassem, como Deus os entregaria? e se novamente Deus os
entregasse, como eles se entregaram? Tu vês a aparente contradição. A palavra "os entregou" significa então que Ele
permitiu que eles fossem entregues. Vês tu que a vida impura é também a base de doutrinas semelhantes? "Cada
um", diz o Senhor, "faz mal à luz e não vem à luz". ( João 3:20Pois como poderia um homem perdulário, um mais
imerso na prática da lascívia indiscriminada do que os porcos que se afogam na lama, e que é um amante do dinheiro,
e não tem nenhum desejo de temperança, entre? em uma vida como essa? Eles fizeram a coisa, diz ele, seu "trabalho".
[321] Daí o seu "endurecimento" (ver. 19), daí a "escuridão do seu entendimento". Existe algo como estar no escuro,
mesmo quando a luz está brilhando, quando os olhos estão fracos; e fraco eles se tornam, ou pelo influxo de humores
ruins, ou pela superabundância de reum. E com certeza também está aqui; quando a corrente forte dos assuntos desta
vida sobrecarrega o poder perceptivo do entendimento, ela é lançada em um estado de escuridão. E da mesma forma
como se fôssemos colocados nas profundezas debaixo d'água, deveríamos ser incapazes de ver o sol através da
quantidade de água deitada, como uma espécie de barreira, acima de nós, tão certamente, aos olhos do
entendimento, também ocorre uma cegueira do coração, isto é, uma insensibilidade, sempre que houver Não há medo
de agitar a alma. "Não há temor de Deus", diz, "diante de seus olhos" (Salmo 36: 1. ); e novamente: "O tolo disse em
seu coração: Não há Deus". ( Salmo 14: 1 ). Agora, a cegueira não surge de nenhuma outra causa além da falta de
sentimento; isso obstrui o canal; pois sempre que os fluidos são coagulados e reunidos em um só lugar, o membro se
torna morto e sem sentimento; e embora tu queimá-lo, cortá-lo ou fazer o que queres com ele, ainda assim não
parece. Assim é também com aquelas pessoas, quando elas já se entregaram à lascívia: embora você aplique a palavra
a elas como fogo, ou aço, mas nada toca, nada as alcança; seu membro está totalmente morto. E a menos que você
possa remover a insensibilidade, de modo a tocar os membros saudáveis, tudo o que você faz é em vão.

"Com ganância", diz ele.

Aqui ele mais completamente tirou sua desculpa; pois estava em seu poder, se pelo menos o escolhessem, não ser
"ganancioso", [322] nem ser "lascivo", nem guloso, e ainda assim desfrutar de seus desejos. Estava em seu poder
participar com moderação das riquezas e até mesmo do prazer e do luxo; mas quando eles entregaram a coisa
imoderadamente, [324] eles destruíram tudo.

"Trabalhar toda a impureza", diz ele.

Vejam como ele os despoja de toda desculpa, falando de "trabalhar impureza". Eles não pecaram, ele quer dizer,
dando um passo em falso, mas eles elaboraram essas ações horríveis e fizeram da coisa uma questão de estudo. "Toda
impureza"; A impureza é tudo adultério, fornicação, luxúria anormal, inveja, todo tipo de devassidão e lascívia.

Efésios 4:17 "Portanto, digo isto, e testifico no Senhor, que não andeis mais, como também os gentios, andando na
obscuridade da sua mente, escurecendo-se no seu entendimento."

É dever do professor construir e restaurar as almas dos seus discípulos, não apenas aconselhando-os e instruindo-os,
mas também alarmando-os e entregando-os a Deus. Pois quando as palavras faladas pelos homens como vindas de
outros servos não são suficientes para acender a alma, torna-se então necessário fazer caso a Deus. Isto,
consequentemente, Paulo também faz; por ter discorrido sobre a humildade, e sobre a unidade, e sobre o nosso dever
de não levantar um contra o outro, ouça o que ele diz. "Portanto, digo isto e testifico no Senhor que não andais mais
como os gentios também andam." Ele não diz: "Que daqui em diante não andeis, como caminhais agora", pois essa
expressão seria muito difícil. Mas ele indica claramente a mesma coisa, só ele traz seu exemplo dos outros. E assim,
ao escrever aos tessalonicenses, ele faz exatamente isso, onde diz: "Não na paixão da luxúria, como os gentios que
não conhecem a Deus". (1 Tessalonicenses 5: 5) Vocês diferem deles, ele quer dizer em doutrina, mas isso é totalmente
a obra de Deus: o que eu preciso em seu caminho é a vida e o curso de comportamento que está atrás de Deus. Isto é
seu. E eu chamo o Senhor para testemunhar o que eu disse, que não encolhi, mas tenho dito a você como deve andar.
"Na vaidade", diz ele, "da mente deles".

O que é vaidade de espírito? É o ser ocupado com coisas vãs. E o que são essas coisas vãs, mas todas as coisas na vida
presente? Do qual o Pregador diz: "Vaidade das vaidades, tudo é vaidade". ( Eclesiastes 1: 2 ) Mas dirá o homem: Se
forem vaidosos e vaidosos, por que foram feitos? Se são obras de Deus, como são vãs? E grande é a disputa sobre
essas coisas. Mas escute, amado: não são as obras de Deus que ele chama vãs; Deus me livre! O Céu não é vão, a terra
não é vã - Deus não permita! - nem o sol, nem a lua e as estrelas, nem o nosso próprio corpo. Não, tudo isso é "muito
bom". ( Gênesis 1:31.) Mas o que é vã? Vamos ouvir o Pregador, o que ele diz; "Eu plantei vinhedos para mim, eu me
agradeço cantores homens e mulheres cantores, eu fiz de mim piscinas de água, eu tive grande posse de rebanhos e
rebanhos, eu também me reuni prata e ouro, e eu vi que estes são vaidade." ( Eclesiastes 2: 4-8 ) E novamente: "A
vaidade das vaidades, todas as coisas são vaidade". ( Eclesiastes 12: 8 ) Ouça também o que o Profeta diz: "Ele amontoa
riquezas e não conhece quem as ajuntará". ( Salmo 39: 6Tal é a "vaidade das vaidades", os seus edifícios esplêndidos,
as suas vastas e transbordantes riquezas, os rebanhos de escravos que se agitam ao longo da praça pública, a sua
pompa e vanglória, os vossos elevados pensamentos e a vossa ostentação. [308] Pois todos estes são vãos; eles não
vieram da mão de Deus, mas são de nossa própria criação. Mas por que então eles são vaidosos? Porque eles não têm
um final útil. As riquezas são vãs quando gastas em luxo; mas eles deixam de ser vaidosos quando são "dispersos e
dados aos necessitados". ( Salmo 112: 9Mas, quando os tiverdes de luxo, olhemos para o fim deles: o que é: grosseria
do corpo, flatulência, ofegantes, plenitude do ventre, peso da cabeça, brandura de carne, febril, inervação; pois, como
um homem que recorre a um vaso com vazamento, trabalha em vão, o mesmo acontece com aquele que vive com
luxúria e auto-indulgência, atraindo uma vasilha com vazamento. Mas, novamente, isso é chamado de "vaidoso", que
é esperado conter algo, mas não contém - aquilo que os homens chamam de vazio, como quando falam de "esperanças
vazias". E geralmente isso é chamado de "vã", que é nua e sem propósito, o que é inútil. Vamos ver então se todas as
coisas humanas não são desse tipo. "Comemos e bebamos, porque amanhã morreremos." ( 1 Coríntios 15:32O que
então, me diga, é o fim? Corrupção. Vamos vestir roupas e roupas. E qual é o resultado? Nada. Tais são as vidas dos
gregos. Eles filosofaram, mas em vão. Eles fizeram uma demonstração de uma vida de dificuldades, mas de mera
dificuldade, não olhando para qualquer fim benéfico, mas para vanglória e para honrar a muitos. Mas qual é a honra
de muitos? Não é nada, pois se eles mesmos que fazem a honra perecer, muito mais honra. Aquele que presta honra
a outro deve primeiro entregá-lo a si mesmo; porque, se ele não merece honra para si mesmo, como ele pode entregá-
lo a outro? Ao passo que agora buscamos até honras de personagens vis e desprezíveis, eles mesmos desonrosos e
objetos de reprovação. Que tipo de honra é essa? Percebem como todas as coisas são "vaidade de vaidades"?
Portanto, diz ele "

Mas além disso, não é sua religião desse tipo, madeira e pedra? Ele fez o sol brilhar por uma lâmpada para nos iluminar.
Quem vai adorar sua própria lâmpada? O sol nos fornece luz, mas onde ele não pode, uma lâmpada pode fazer isso.
Então por que não adorar a tua lâmpada? "Não", alguém dirá: "Eu adoro o fogo". Oh, que ridículo! Tão grande é o
absurdo e, no entanto, olhamos novamente para outro absurdo. Por que extinguir o objeto da tua adoração? Por que
destruir, por que aniquilar teu deus? Por que não permites que a tua casa seja preenchida por ele? Porque, se o fogo
é deus, que ele se alimente do teu corpo. Não coloque o teu deus sob o fundo da tua chaleira ou do teu caldeirão.
[309] Traga-o para as suas câmaras interiores, traga-o para dentro das tuas cortinas de seda. Considerando que não
só tu não o trazes, mas se por qualquer acidente ele encontrou entrada, tu o expulsas de todo lugar, tu chamas a todos
juntos, e, como se algum animal selvagem tivesse entrado, tu choraste e choraste, e consideras a presença do teu
deus uma esmagadora calamidade. Eu tenho um Deus, e faço tudo o que posso para consagrá-lo em meu peito, e
considero minha verdadeira felicidade, não quando Ele visita minha morada, mas quando posso atraí-lo até meu
coração. Faze também o fogo para o teu coração. Isso é loucura e vaidade. O fogo é bom para uso, não para adoração;
bom para ministração e para serviço, para ser meu escravo, não para ser meu mestre. Foi feito para mim, não para
eu. Se tu és um adorador do fogo, por que reclina sobre o teu leito e ordena que o teu cozinheiro se coloque diante
do teu deus? Aceite a arte da culinária, torne-se um padeiro, se quiser, ou um latoeiro, pois nada pode ser mais
honroso do que essas artes, desde que estes são os que o teu deus visita. Por que julgar que é uma desgraça, onde
teu deus é tudo em todos? Por que entregá-lo aos teus escravos e não ser ambicioso de ti mesmo? O fogo é bom, visto
que é obra de um bom Criador, mas não é Deus. É a obra de Deus, não foi chamada Deus. Não vês como ingovernável
é a sua natureza - como quando se apodera de um edifício não pára? Mas, se se apoderar de algo contínuo, destrói
tudo; e, exceto que as mãos de operários ou outros matam sua fúria, não conhece amigos nem inimigos, mas lida com
todos iguais. É este então o teu deus e não estais envergonhado? Bem, de fato, ele diz: "na vaidade de sua mente". na
medida em que é o trabalho de um bom Criador, mas não é Deus. É a obra de Deus, não foi chamada Deus. Não vês
como ingovernável é a sua natureza - como quando se apodera de um edifício não pára? Mas, se se apoderar de algo
contínuo, destrói tudo; e, exceto que as mãos de operários ou outros matam sua fúria, não conhece amigos nem
inimigos, mas lida com todos iguais. É este então o teu deus e não estais envergonhado? Bem, de fato, ele diz: "na
vaidade de sua mente". na medida em que é o trabalho de um bom Criador, mas não é Deus. É a obra de Deus, não
foi chamada Deus. Não vês como ingovernável é a sua natureza - como quando se apodera de um edifício não pára?
Mas, se se apoderar de algo contínuo, destrói tudo; e, exceto que as mãos de operários ou outros matam sua fúria,
não conhece amigos nem inimigos, mas lida com todos iguais. É este então o teu deus e não estais envergonhado?
Bem, de fato, ele diz: "na vaidade de sua mente". É este então o teu deus e não estais envergonhado? Bem, de fato,
ele diz: "na vaidade de sua mente". É este então o teu deus e não estais envergonhado? Bem, de fato, ele diz: "na
vaidade de sua mente".

Mas o sol, dizem eles, é Deus. Diga-me, como e por quê. É isso que ele derrama abundância de luz? Não o vês, porém,
dominado pelas nuvens e ligado à necessidade da natureza, eclipsado e oculto pela lua? E ainda a nuvem é mais fraca
que o sol; mas ainda assim muitas vezes ganha o domínio dele. E isso, de fato, é obra da sabedoria de Deus. Deus
precisa ser todo suficiente: mas o sol precisa de muitas coisas; e isso não é como um deus. Pois ele exige que o ar
brilhe e também o ar rarefeito; já que o ar, quando está muito condensado, não sofre com os raios que passam por
ele. Ele requer também água e outro poder de restrição para impedi-lo de consumir. Pois não foram as fontes, lagos,
rios e mares que formaram alguma umidade pela emissão de seus vapores. Não haveria nada para impedir uma
conflagração universal. Você vê então, digamos, que ele é um deus? Que loucura, que loucura! Um deus, digamos,
porque ele tem poder para causar dano. Não, pelo contrário, por isso mesmo, ele não é deus, porque onde ele faz mal
ele não precisa de nada; enquanto, onde ele faz o bem, ele requer muitas coisas além disso. Agora, fazer mal é
estranho à natureza de Deus; fazer o bem é a sua propriedade. Onde então o reverso é o caso, como ele pode ser
Deus? Não viste que drogas venenosas prejudicam e não precisam de nada; mas quando eles fazem o bem, precisam
de muitas coisas? Por tua causa, então, ele é tal como ele é, bom e impotente; bom, para que você reconheça seu
Senhor; e impotente, para que não digas que ele é senhor. "Mas", dizem eles, "ele nutre as plantas e as sementes". O
que então, a essa taxa não é o próprio esterco um deus? pois até isso também nutre. E por que não nesse ritmo
também a foice e as mãos do lavrador? Prove para mim que o sol sozinho faz o trabalho de nutrir sem precisar da
ajuda da terra, da água ou da lavoura; mas deixe as sementes serem semeadas, e deixe-o lançar seus raios, e produza
as espigas de milho. Mas agora, se este trabalho não for só dele, mas também das chuvas, por que também não é a
água um deus? Mas disso eu ainda não falo. Por que a terra também não é um deus e por que não o esterco e a
enxada? Devemos então, diga-me, adorar a todos? Infelizmente, que insignificante! E, de fato, a espiga de milho
poderia ser produzida sem sol, do que sem terra e água; e assim com plantas e todas as outras coisas. Se não houvesse
terra, nenhuma dessas coisas poderia aparecer. E se qualquer um, como as crianças e as mulheres, colocavam um
pouco de terra em uma panela, e para encher a panela com uma quantidade de esterco, e colocá-la sob o teto, as
plantas, embora possam ser fracas, seriam produzidas a partir dela. De modo que a contribuição da terra e do esterco
é maior, e estes, portanto, devemos adorar e não o sol. Ele requer o céu, ele requer o ar, ele requer essas águas, para
evitar que ele cause dano, seja como freios para conter a ferocidade de seu poder, e para impedi-lo de soltar seus
raios sobre o mundo, como um cavalo furioso . E agora me diga, onde ele está à noite? Para onde seu deus partiu?
Pois isto não é como um deus, para ser circunscrito e limitado. Esta é de fato a propriedade dos corpos apenas. Mas,
dizem eles, há algum tipo de poder residindo nele, e ele tem movimento. Isso é poder então, Eu te rezo, ele mesmo
Deus? Por que então é insuficiente em si mesmo e por que não reprime o fogo? Para mais uma vez, chego ao mesmo
argumento. Mas o que é esse poder? É produtivo de luz, ou pelo sol dá luz, apesar de não possuir nenhuma dessas
qualidades? Se sim, então o sol é superior a ele. Até onde vamos desanuviar este labirinto?

Mais uma vez, o que é água? não é isso também, dizem eles, um deus? Isso novamente é uma questão de disputa
verdadeiramente absurda. Não é um deus, dizem eles, que usamos para tantos propósitos? E assim novamente, da
mesma maneira, da terra. Verdadeiramente "caminham na vaidade de sua mente, ficando obscurecidos em seu
entendimento".

Mas estas palavras ele está usando agora sobre vida e conduta. Os gregos são fornicadores e adúlteros. Claro. Aqueles
que pintam para si mesmos tais deuses como estes, [310] naturalmente farão todas estas coisas; e se eles podem
apenas escapar dos olhos dos homens, não há ninguém para contê-los. Pois o que valerá do argumento de uma
ressurreição, se lhes parecer uma mera fábula? Sim, e qual dos tormentos do inferno? Eles também são apenas uma
fábula. E marque a noção satânica. Quando são informados de deuses que são fornicadores, eles negam que estas são
fábulas, mas acreditam nelas. No entanto, sempre que alguém discursar para eles de punição, "estes", dizem eles,
"são poetas, homens que transformam tudo em fábula, que a condição feliz do homem pode ser de todos os lados
revertida".
Mas os filósofos, dizem, descobriram algo verdadeiramente grandioso e muito melhor do que estes. Como? Aqueles
que introduziram o destino, e que nos dizem que nada é providencial, e que não há ninguém para cuidar de nada, mas
que todas as coisas consistem em átomos? [311] Ou, mais uma vez, quem diz que Deus é um corpo? Ou quem, diga-
me, são eles? Eles são aqueles que transformariam as almas dos homens nas almas dos cães e iriam permear a
humanidade de que uma vez foi um cachorro, um leão e um peixe? Quanto tempo vais continuar e nunca cessar de
ser insignificante, "escurecendo-se no entendimento"? porque dizem e fazem todas as coisas como se estivessem de
fato no escuro, tanto naquilo que diz respeito à doutrina, quanto naquelas que dizem respeito à vida e à conduta;
porque o homem que está nas trevas não vê nada do que se passa diante dele, mas, muitas vezes, quando vê uma
corda, ele a tomará por uma serpente viva; [312] ou novamente, se ele for pego por uma sebe, ele pensará que um
homem ou um espírito maligno o possui, e grande é o alarme, e grande a perturbação. Tais como estas são as coisas
que eles temem. "Havia eles em grande medo", diz, "onde não havia medo" (Salmo 53: 5.); mas as coisas que devem
temer, estas não temem. Mas assim como as crianças nos braços de suas enfermeiras metem suas mãos incautamente
no fogo, e corajosamente na vela também, e ainda assim estão assustadas com um homem vestido de pano de saco;
só assim esses gregos, como se fossem sempre filhos, (como alguns também disseram entre si, os gregos são sempre
crianças) temem aquelas coisas que não são pecados, como a impureza do corpo, a poluição. de um funeral, uma
cama, ou a manutenção de dias, e coisas do tipo: enquanto aqueles que são realmente pecados, luxúria não natural,
adultério, fornicação, destes, eles não fazem nenhuma conta. Não, você pode ver um homem se lavando da poluição
de um corpo morto, mas de obras mortas, nunca; e, novamente, gastando muito zelo na busca de riquezas, e, ainda
assim, supondo que o todo seja desfeito pelo canto de um único galo. "Tão escuros são eles em seu entendimento."
Sua alma está cheia de todos os tipos de terrores. Por exemplo: "Tal pessoa", dir-se-á, "foi o primeiro que me
encontrou quando saía de casa"; é claro que dez mil males certamente devem acontecer. Em outro momento, "o
desgraçado de um servo ao me dar meus sapatos, [315] estendeu primeiro o sapato esquerdo", - terríveis infortúnios
e travessuras! "Eu mesmo saindo saindo com o pé esquerdo acima"; e isso também é um sinal de infelicidade. E estes
são os males que ocorrem na casa. Então, quando saio, meu olho direito sobe de baixo. Este é um sinal claro de
lágrimas. Novamente as mulheres, quando os juncos atacam os padrões, e tocam, ou quando eles mesmos são
arranhados pelo ônibus espacial, transforme isso também em um sinal. E novamente, quando eles atacam a teia com
o ônibus espacial, e fazem isso com alguma veemência, e então os juncos no topo da intensidade do golpe contra os
padrões e o anel, isso novamente eles fazem um sinal, e dez mil coisas além disso, merecedor de ridículo. E assim, se
um asno deve zurrar, ou um galo deve cantar, ou um homem deve espirrar, ou qualquer outra coisa que possa
acontecer, como homens atados com dez mil cadeias, ou, como eu estava dizendo, como homens confinados no
escuro, eles suspeitam. tudo, e são mais escravos que todos os escravos do mundo. [316] e então os juncos no topo
da intensidade do golpe batem contra os padrões e o anel, isso novamente eles fazem um sinal, e dez mil coisas além,
merecedoras de ridículo. E assim, se um asno deve zurrar, ou um galo deve cantar, ou um homem deve espirrar, ou
qualquer outra coisa que possa acontecer, como homens atados com dez mil cadeias, ou, como eu estava dizendo,
como homens confinados no escuro, eles suspeitam. tudo, e são mais escravos que todos os escravos do mundo. [316]
e então os juncos no topo da intensidade do golpe batem contra os padrões e o anel, isso novamente eles fazem um
sinal, e dez mil coisas além, merecedoras de ridículo. E assim, se um asno deve zurrar, ou um galo deve cantar, ou um
homem deve espirrar, ou qualquer outra coisa que possa acontecer, como homens atados com dez mil cadeias, ou,
como eu estava dizendo, como homens confinados no escuro, eles suspeitam. tudo, e são mais escravos que todos os
escravos do mundo. [316]

Mas não seja assim com a gente. Mas desprezando todas estas coisas, como homens que vivem na luz e tendo a nossa
cidadania no Céu, e nada tendo em comum com a terra, consideremos apenas uma coisa terrível, isto é, pecado e
ofender a Deus. E se não houver isto, desprezemos todo o resto e o que os introduziu, o diabo. Por estas coisas vamos
dar graças a Deus. Sejamos diligentes, não apenas que nunca seremos pegos por essa escravidão, mas se algum dos
que nos são queridos formos apanhados, vamos romper suas amarras, libertá-lo deste cativeiro amargo e desprezível,
deixemo-lo livre e desimpedido para o seu caminho rumo ao Céu, levantemos as asas e ensine-o a ser sábio pela vida
e pela doutrina. Vamos dar graças a Deus por todas as coisas. Vamos suplicar a Ele que Ele não nos declare indignos
dos dons oferecidos a nós, e permita que nós mesmos nos esforcemos para contribuir com nossa própria parte, a fim
de que possamos ensinar não apenas falando, mas agindo também. Porque assim poderemos obter as bênçãos que
não são numerosas, das quais Deus permite que sejamos todos considerados dignos, em Cristo Jesus, nosso Senhor,
com quem, juntos ao Pai e ao Espírito Santo, seja glória, força e honra. daqui em diante e para todo o sempre. Um
homem. e honra agora, daqui para a frente e para todo o sempre. Um homem. e honra agora, daqui para a frente e
para todo o sempre. Um homem.

Notas de rodapé:
[307] [A exegese moderna fez mais análises lógicas e indicou mais cuidadosamente e corretamente as transições de
um pensamento ou ramo do sujeito para outro, do que o antigo. Comp. Meyer, Lightfoot, Schaff e especialmente o
parágrafo do Rev. Ver. Nesta passagem Meyer diz: A exortação começou em vv. 1-3, e interrompido pela digressão vv.
4-16, é aqui retomada pela onça, e a "caminhada digna" do v. 1 é agora seguida na forma, "que vós já não andais como
os gentios também andam", & c.

[308] ["Vaidade" aqui é antes a esfera subjetiva na qual a caminhada dos outros gentios ocorre, isto é, no nada de seu
pensamento e disposição (nous), e deve ser entendida de todo o caráter intelectual e moral de paganismo. "- Meyer
.-- GA]

[309] [Comparar 1 Reis 18:27 , o locus classicus onde Elias usa sua irônica contundente contra os sacerdotes de Baal.

[310] [Veja a História da Igreja Cristã de Schaff, vol. I., pp. 72-74, com a literatura lá notada.

[311] [Sobre Demócrito e Leucipo, fundadores da filosofia atomista, veja Hist. De Ueberweg. of Philosophy (Amer. ed.),
vol. I., pp. 67-71; em Epicuro, vol. I., pp. 205-207 .-- GA]

[312] Esta foi a instância nas Escolas. Vid. Sextus Empiricus, Pyrrh. Hipoteca I. 33.

[313] O sacerdote egípcio a Sólon. Plat. Tim. p. 22, B.

[314] Vid. Teofr. Caract. xvi. peri deisidaimonias; Guther de Jure Manium em Gr? V. Thes 12, 1175; Hes Opp. e D. 765,
sqq.

[315] Vid. Plin. NH 2, 7; Juv. Sentou. 6, 579. Essas e outras superstições são condenadas também por Clem. Alex. Strom.
vii. 4, págs. 842-844; São Cirilo de Jerus. iv. 37 e St. Aust. de Doctr. Cristo. ii. 20, 21. Esta série, vol. II. p. 545. Veja
também St. Chrys. ad Illum Catech. ii. 5. Esta série, vol. IX. p. 170.-- GA

[316] [Compare o comentário de Crisóstomo em Gálatas 1: 7 - GA]

Efésios 4:18
Tendo o entendimento obscurecido, sendo alienado da vida de Deus através da ignorância que há neles, por causa da
cegueira de seu coração:
Efésios 4:19
Quem está sentindo passado se entregou à lascívia, para trabalhar toda a impureza com ganância.
Efésios 4:20
Mas vós não aprendestes assim a Cristo;
Ver. 20, 21. "Mas vós não aprendestes assim a Cristo", continua ele, "se é assim que o ouvistes, e nele fostes ensinados,
assim como a verdade está em Jesus".
A expressão: "Se é assim que o ouvistes", não é a de um que duvida, mas de um que afirma com firmeza: como ele
também fala em outro lugar: "Se é que é uma coisa justa com Deus recompensar a aflição a eles que te afligem. " ( 2
Tessalonicenses 1: 6 ) Isso quer dizer que não foi para esses propósitos que "aprendestes a Cristo".

Efésios 4:21
Se é assim que o ouvistes e tens sido ensinado por ele, como a verdade está em Jesus:
Efésios 4:22
Que despojastes a antiga conversa do velho homem, que é corrupto segundo as concupiscentes concupiscências;
Ver. 22. "Que você repudiou quanto ao seu antigo modo de vida, o velho homem."
Isto então certamente é aprender a Cristo, viver corretamente; porque aquele que vive impiamente não conhece a
Deus, nem se sabe dele; porque ouve o que ele diz em outro lugar: "Eles professam que conhecem a Deus, mas por
suas obras negam a Deus." ( Tito 1:16 )

"Como a verdade está em Jesus; que vos rejeitais quanto ao seu antigo modo de vida, o velho homem".

Isto é, não foi nestes termos que entraste em aliança. O que se encontra entre nós não é vaidade, mas verdade. Como
as doutrinas são verdadeiras, assim é a vida também. O pecado é vaidade e falsidade; mas uma vida certa é a verdade.
Pois a temperança é de fato a verdade, pois tem um grande fim; Considerando que a extravagância termina em nada.
"Que se corrompe", diz ele, "depois das concupiscências do engano". Como suas luxúrias se tornaram corruptas, assim
também ele. Como então suas luxúrias se tornam corruptas? Pela morte todas as coisas são dissolvidas; para ouvir o
Profeta, como ele diz: "Naquele mesmo dia os seus pensamentos perecem". ( Salmo 146: 4... E não somente pela
morte, mas por muitas outras coisas; por exemplo, a beleza, com o avanço de qualquer doença ou velhice, se retrai e
morre, e sofre corrupção. O vigor corporal novamente é destruído pelos mesmos meios; nem o próprio luxo
proporciona o mesmo prazer na velhice, como fica evidente no caso de Barzillai: [325] a história, sem dúvida, sabeis.
Ou ainda, em outro sentido, a luxúria corrompe e destrói o velho; porque, assim como a lã é destruída pelos mesmos
meios pelos quais é produzida, o mesmo acontece com o velho homem. Porque o amor da glória o destrói e os prazeres
muitas vezes o destroem, e a "luxúria" o "enganará". Pois isso não é realmente prazer, mas amargura e engano, todo
fingimento e demonstração exterior. A superfície, de fato, das coisas é brilhante, mas as coisas em si são apenas cheias
de miséria e miséria extrema, e repugnância e absoluta pobreza. Tire a máscara e desnudar a verdadeira face, e você
verá a fraude, por fraude, quando aquilo que é, não aparece, e aquilo que não é, é exibido. E é assim que as imposições
são efetuadas.

O Apóstolo delineia para nós quatro homens. [326] Destes, vou dar uma explicação. Neste lugar ele menciona dois,
falando assim: "Colocando fora o homem velho, seja você renovou no espírito de sua mente, e vestiu o homem novo."
E na Epístola aos Romanos, mais dois, como onde ele diz: "Mas vejo nos meus membros uma lei diferente, guerreando
contra a lei do meu entendimento, e me levando cativo pela lei do pecado, que está em meus membros. " ( Romanos
7:23 ) E estes últimos têm afinidade com aqueles dois primeiros, o "novo homem" para o "homem interior" e o "velho
homem" para o "homem exterior". No entanto, três desses quatro foram sujeitos a corrupção. Ou melhor, há três, o
novo homem, o velho e este, o homem em sua substância e natureza. [327]

Ver. 23. "E que vocês sejam renovados", diz ele, "no espírito da sua mente".

Para que ninguém suponha que, enquanto ele fala do velho e do novo, está introduzindo uma pessoa diferente,
observe sua expressão: "Que vocês sejam renovados". Ser renovado é quando a mesma coisa que envelheceu é
renovada, mudada de uma coisa para outra. De modo que o assunto realmente é o mesmo, mas a mudança está
naquilo que é acidental. Assim como o corpo de fato é o mesmo, e a mudança naquilo que é acidental, assim é aqui.
Como então a renovação ocorrerá? "No espírito da sua mente", diz ele. Qualquer que, pois, tiver o Espírito, não
executará nenhum feito antigo, pois o Espírito não suportará os feitos antigos. "No espírito", diz ele, "da sua mente",
isto é, no espírito que está em sua mente. [328]

Ver. 24. "E coloque o novo homem."

Vês tu que o assunto é um só, mas a roupa é dupla, a que é adiada e a que é vestida? "O novo homem", continua ele,
"que depois de Deus foi criado em retidão e santidade de verdade". Agora, por que ele chama a virtude de homem?
E, portanto, vício, homem? Porque um homem não pode ser mostrado sem agir; de modo que estas coisas, não menos
que a natureza, mostrem um homem, seja ele bom ou mau. Agora, como se despir de si mesmo e vestir-se a si mesmo
é fácil, assim podemos ver que é com virtude e vício. O jovem é forte; portanto, também nos tornemos fortes para a
realização de boas ações. O jovem não tem ruga, portanto, não devemos ter. O jovem não vacila, nem é facilmente
levado com doenças, portanto, não deveríamos ser.

Observe aqui como ele chama isso de realização da virtude, trazendo-a do nada, uma "criação". Mas o que? não era
aquela outra antiga criação depois de Deus? Não, de maneira alguma, mas depois do diabo. Ele é o único criador do
pecado.

Como é isso? Pois o homem é criado daqui em diante, não de água, nem de terra, mas "em justiça e santidade de
verdade". O que é isso? Ele o criou diretamente, ele quer dizer, para ser um filho: isto ocorre do batismo. Isto é qual
é a realidade, "em justiça e santidade da verdade". Havia uma antiga justiça, havia também uma santidade com os
judeus. Ainda assim, essa justiça não estava na verdade, mas na figura. Porque ser limpo no corpo era um tipo de
pureza, não a verdade da pureza; era um tipo de justiça, não a verdade da justiça. "Em justiça", diz ele, "e santidade",
que são "da verdade".

E esta expressão é usada com referência à falsidade; porque há muitos que, para os que estão de fora, parecem justos,
mas são falsos. Agora, por justiça, entende-se virtude universal. Para ouvir a Cristo, como Ele diz: "A não ser que vossa
justiça ultrapasse a justiça dos escribas e fariseus, de modo algum entrareis no reino dos céus." ( Mateus 5:20.) E
também ele é chamado justo, que não tem acusação contra ele; porque assim, mesmo nos tribunais de justiça,
dizemos que aquele homem é justo, que foi injustamente tratado e que não fez injustamente em troca. Se, portanto,
nós também diante do terrível Tribunal pudermos parecer justos uns para com os outros, poderemos encontrar
alguma benignidade. Em relação a Deus, é impossível que pareçamos assim, seja o que for que tenhamos para mostrar.
Pois em todos os lugares Ele vence no que é justo, como o Profeta [329] também diz: "Tu poderás prevalecer quando
fores julgado". Mas se não violarmos o que é justo um para o outro, então seremos justos. Se pudermos mostrar que
fomos tratados injustamente, seremos justos.

Como ele diz para eles que já estão vestidos, "vestem"? Ele está falando agora daquela roupa que é da vida e boas
obras. Antes, a roupa era do Batismo, enquanto agora é da vida cotidiana e das obras; não mais "após as
concupiscências do engano", mas "depois de Deus". Mas o que significa a palavra "santo"? É aquilo que é puro, aquilo
que é devido; por isso também usamos a palavra do último dever no caso dos que partiram, tanto quanto dizer: "Eu
não lhes devo mais nada, não tenho mais nada a quem responder." Assim, é comum dizermos: "Eu me livrei de todas
as obrigações" [330] e coisas do gênero, significando: "Eu não devo mais nada".

Moral. Nossa parte então é nunca deixar de lado a vestimenta da justiça, que também o Profeta chama de "a
vestimenta da salvação" ( Isaías 61:10 ), para que sejamos feitos semelhantes a Deus. Pois ele, de fato, revestiu-se de
justiça. Esta peça nos deixa vestir. Agora, a palavra "colocar", simplesmente não declara mais nada, do que nunca
devemos deixar de lado. Pois ouça o Profeta, onde ele diz: "Ele também se vestiu de maldição como a sua roupa, e ela
entrou em suas partes interiores". ( Salmo 109: 18 ) E novamente: "Quem te cobrir de luz como uma roupa". ( Salmos
104: 2.) E, novamente, é comum falarmos sobre os homens, tal como aquele que "vestiu" um desses. Então, não é por
um dia, nem por dois, nem por três, mas ele quer que nos coloquemos sempre em virtude e nunca nos despirmos
dessa vestimenta. Para um homem não é tão desfigurado quando ele é despojado de sua roupa, como quando ele é
despojado de sua virtude. No primeiro caso, seus companheiros de servo observam sua nudez, no último seu Senhor
e os Anjos. Se alguma vez viste alguém sair nu pela praça pública, diz-me, não estás angustiado? Quando tu fores
despojado desta roupa, o que diremos? Não vês aqueles mendigos que costumamos chamar de carroceiros, [331]
como andam por aí, como temos pena deles? E, no entanto, eles são sem desculpa. Nós não os desculpamos quando
eles perderam suas roupas jogando; e como, então, se perdermos esta vestimenta, Deus nos perdoará? Pois sempre
que o diabo vê um homem despojado de sua virtude, ele imediatamente disfarça e desfigura seu rosto, e o fere e o
leva a grandes dificuldades.

Vamos nos despir das nossas riquezas, para que não nos despojemos da justiça. A vestimenta da riqueza estraga essa
vestimenta. É uma túnica de espinhos. Os espinhos são dessa natureza; e quanto mais próximos eles estão envolvidos
em torno de nós, mais nus somos feitos. A lascívia nos tira desta roupa; porque é fogo, e o fogo consumirá esta
vestimenta. A riqueza é uma traça; e como a traça come em tudo e não mede nem mesmo roupas de seda, assim
também o faz. Todos estes, portanto, nos deixe adiar, para que possamos nos tornar justos, para que possamos
"revestir o novo homem". Não vamos deixar nada de velho, nada de exterior, nada que seja "corrupto". A virtude não
é penosa, ela não é difícil de alcançar. Tu não os vês que estão nas montanhas? Eles abandonam as duas casas, e
esposas e filhos, e todos preestimem, e afastaram-se do mundo e vestiram-se de saco, e espalharam cinzas abaixo
deles; eles usam coleiras penduradas no pescoço e se prenderam em uma cela estreita. [332] Nem param aqui, mas
se torturam com jejuns e fome contínua. Eu agora ordenei que você fizesse o mesmo, todos vocês não partiriam? Você
não diria, é intolerável? Mas não, eu não digo que precisamos fazer algo assim: - Eu gostaria realmente que fosse
assim, ainda assim eu não estabeleço nenhuma lei. O que então? Desfrute de teus banhos, cuide de teu corpo, e lance-
se livremente no mundo, e mantenha uma casa, tenha teus servos para te servir, e faça livre uso de teus alimentos e
bebidas! Mas em toda parte expulsa o excesso, pois é isso que causa o pecado, e a mesma coisa, seja ela qual for, se
torna excessiva, torna-se um pecado; de modo que o excesso não seja nada além do pecado. Para observar, quando
a raiva é excitada acima do que é encontrado, então ela se precipita em insulto, então ela comete todo tipo de dano;
assim desordena a paixão pela beleza, pelas riquezas, pela glória ou por qualquer outra coisa. E não me digas que, de
fato, aqueles de quem eu falei eram fortes; para muitos, muito mais fracos e mais ricos, e mais luxuosos do que tu,
assumiram aquela vida austera e acidentada. E por que eu falo dos homens? Donzelas que ainda não têm vinte anos
de idade, passaram o tempo todo em câmaras internas e em um modo de vida delicado e afeminado, em câmaras
internas cheias de pomadas e perfumes doces, reclinadas em sofás macios, suaves em sua natureza e tornadas ainda
mais macia por sua indulgência, que durante todo o dia não tiveram outra coisa senão adornar-se, usar jóias, e para
desfrutar de todo luxo, que nunca esperaram por si mesmos, mas tinham numerosas servas ao lado deles, que usavam
roupas suaves mais suaves do que a pele, linho fino e delicado, que se deleitavam continuamente em rosas e tais
odores doces - sim, estes muitos, em um momento, apanhados com a chama de Cristo, deixaram de lado toda a
indolência e até mesmo sua própria natureza, esqueceram sua delicadeza e juventude, e como tantos nobres
lutadores, despiram-se dessa roupa macia, e correram para o meio do concurso. E talvez eu deva parecer estar dizendo
coisas incríveis, mas mesmo assim são verdadeiras. Estas, então, estas donzelas muito tenras, como eu mesmo ouvi,
trouxeram-se a tal grau de treinamento severo, que elas envolverão a crina mais grosseira sobre seus próprios corpos
nus, e vá com aquelas solas tenras sem remendos, e deitar-se-á sobre um leito de folhas: mais ainda, que elas
observem a maior parte da noite, e que não prestem atenção a perfumes nem a qualquer outra de suas antigas
delícias, mas que mesmo deixe a cabeça deles, uma vez tão cuidadosamente vestida, vá sem cuidados especiais, com
o cabelo simples e simplesmente amarrado, de modo a não cair na falta de graça. E a única refeição deles é à noite,
uma refeição nem de ervas nem de pão, mas de farinha e feijão, e de azeitonas e figos. Eles giram sem intervalo e
trabalham muito mais do que suas criadas em casa. O que mais? eles farão com que eles esperem mulheres doentes,
carregando suas camas e lavando seus pés. Não, muitos deles até cozinham. Tão grande é o poder da chama de Cristo;
até agora seu zelo supera sua própria natureza. e deitar-se-ão sobre um leito de folhas: mais ainda, que vigiem a maior
parte da noite, e que não prestem atenção a perfumes nem a qualquer outra de suas antigas delícias, mas até deixarão
a cabeça, uma vez tão cuidadosamente vestida , vá sem cuidados especiais, com o cabelo simples e simplesmente
ligado, para não cair na falta de graça. E a única refeição deles é à noite, uma refeição nem de ervas nem de pão, mas
de farinha e feijão, e de azeitonas e figos. Eles giram sem intervalo e trabalham muito mais do que suas criadas em
casa. O que mais? eles farão com que eles esperem mulheres doentes, carregando suas camas e lavando seus pés.
Não, muitos deles até cozinham. Tão grande é o poder da chama de Cristo; até agora seu zelo supera sua própria
natureza. e deitar-se-ão sobre um leito de folhas: mais ainda, que vigiem a maior parte da noite, e que não prestem
atenção a perfumes nem a qualquer outra de suas antigas delícias, mas até deixarão a cabeça, uma vez tão
cuidadosamente vestida , vá sem cuidados especiais, com o cabelo simples e simplesmente ligado, para não cair na
falta de graça. E a única refeição deles é à noite, uma refeição nem de ervas nem de pão, mas de farinha e feijão, e de
azeitonas e figos. Eles giram sem intervalo e trabalham muito mais do que suas criadas em casa. O que mais? eles
farão com que eles esperem mulheres doentes, carregando suas camas e lavando seus pés. Não, muitos deles até
cozinham. Tão grande é o poder da chama de Cristo; até agora seu zelo supera sua própria natureza. que eles assistem
a maior parte da noite, e que eles não se importam com perfumes nem com qualquer outra de suas antigas delícias,
mas até mesmo deixarão sua cabeça, uma vez tão cuidadosamente vestida, ir sem cuidados especiais, com o cabelo
claramente e simplesmente ligado, de modo a não cair na falta de graça. E a única refeição deles é à noite, uma refeição
nem de ervas nem de pão, mas de farinha e feijão, e de azeitonas e figos. Eles giram sem intervalo e trabalham muito
mais do que suas criadas em casa. O que mais? eles farão com que eles esperem mulheres doentes, carregando suas
camas e lavando seus pés. Não, muitos deles até cozinham. Tão grande é o poder da chama de Cristo; até agora seu
zelo supera sua própria natureza. que eles assistem a maior parte da noite, e que eles não se importam com perfumes
nem com qualquer outra de suas antigas delícias, mas até mesmo deixarão sua cabeça, uma vez tão cuidadosamente
vestida, ir sem cuidados especiais, com o cabelo claramente e simplesmente ligado, de modo a não cair na falta de
graça. E a única refeição deles é à noite, uma refeição nem de ervas nem de pão, mas de farinha e feijão, e de azeitonas
e figos. Eles giram sem intervalo e trabalham muito mais do que suas criadas em casa. O que mais? eles farão com que
eles esperem mulheres doentes, carregando suas camas e lavando seus pés. Não, muitos deles até cozinham. Tão
grande é o poder da chama de Cristo; até agora seu zelo supera sua própria natureza. mas até deixarão sua cabeça,
uma vez tão cuidadosamente vestida, ir sem cuidados especiais, com o cabelo simplesmente aberto e simplesmente
amarrado, para não cair na falta de graça. E a única refeição deles é à noite, uma refeição nem de ervas nem de pão,
mas de farinha e feijão, e de azeitonas e figos. Eles giram sem intervalo e trabalham muito mais do que suas criadas
em casa. O que mais? eles farão com que eles esperem mulheres doentes, carregando suas camas e lavando seus pés.
Não, muitos deles até cozinham. Tão grande é o poder da chama de Cristo; até agora seu zelo supera sua própria
natureza. mas até deixarão sua cabeça, uma vez tão cuidadosamente vestida, ir sem cuidados especiais, com o cabelo
simplesmente aberto e simplesmente amarrado, para não cair na falta de graça. E a única refeição deles é à noite,
uma refeição nem de ervas nem de pão, mas de farinha e feijão, e de azeitonas e figos. Eles giram sem intervalo e
trabalham muito mais do que suas criadas em casa. O que mais? eles farão com que eles esperem mulheres doentes,
carregando suas camas e lavando seus pés. Não, muitos deles até cozinham. Tão grande é o poder da chama de Cristo;
até agora seu zelo supera sua própria natureza. mas de farinha e feijão e pulso e azeitonas e figos. Eles giram sem
intervalo e trabalham muito mais do que suas criadas em casa. O que mais? eles farão com que eles esperem mulheres
doentes, carregando suas camas e lavando seus pés. Não, muitos deles até cozinham. Tão grande é o poder da chama
de Cristo; até agora seu zelo supera sua própria natureza. mas de farinha e feijão e pulso e azeitonas e figos. Eles giram
sem intervalo e trabalham muito mais do que suas criadas em casa. O que mais? eles farão com que eles esperem
mulheres doentes, carregando suas camas e lavando seus pés. Não, muitos deles até cozinham. Tão grande é o poder
da chama de Cristo; até agora seu zelo supera sua própria natureza.

No entanto, eu não exijo nada como isso de você, vendo que você tem uma mente a ser superada por mulheres. No
entanto, pelo menos, se houver tarefas não muito trabalhosas, pelo menos, execute estas tarefas: reprimir a mão rude
e o olho incontinente. O que está lá, me diga, tão difícil, o que é tão difícil? Faça o que é justo e certo, errado, homem
algum, seja pobre ou rico, lojistas ou empregados contratados; porque a injustiça pode se estender até aos pobres.
Ou não vedes quantos espinhos estes se engajam e vira tudo de cabeça para baixo? Casar-se livremente e ter filhos.
Paulo também se encarregou de tais coisas, de tais coisas que ele escreveu. É essa luta da qual eu falo tão grande, e a
rocha é muito elevada, e seu cume está muito próximo do Céu, e você é incapaz de alcançar tal altura? Pelo menos,
segure as coisas menores e aponte-as para as que são mais baixas. Não tens coragem de livrar-te de tuas próprias
riquezas? Pelo menos, abstenha-se de aproveitar as coisas dos outros e errar. És tu incapaz de jejuar? Pelo menos,
não se entregue à auto-indulgência. És incapaz de mentir sobre um leito de folhas? Ainda assim, não preparem para
si mesmos sofás incrustados de prata; mas use um sofá e coberturas formadas não para exibição, mas para refrescar;
não sofás de marfim. Faça-se pequeno. Por que encher sua embarcação com cargas avassaladoras? Se tu estiveres
pouco equipado, não terás nada a temer, nem inveja, nem ladrões, nem ladrões em espera. Pois de fato não és tão
rico em dinheiro como tu és em cuidados. Tu não abundas tanto em posses, como em ansiedades e perigos, "que
trazem muitas tentações e luxúrias." ( És tu incapaz de jejuar? Pelo menos, não se entregue à auto-indulgência. És
incapaz de mentir sobre um leito de folhas? Ainda assim, não preparem para si mesmos sofás incrustados de prata;
mas use um sofá e coberturas formadas não para exibição, mas para refrescar; não sofás de marfim. Faça-se pequeno.
Por que encher sua embarcação com cargas avassaladoras? Se tu estiveres pouco equipado, não terás nada a temer,
nem inveja, nem ladrões, nem ladrões em espera. Pois de fato não és tão rico em dinheiro como tu és em cuidados.
Tu não abundas tanto em posses, como em ansiedades e perigos, "que trazem muitas tentações e luxúrias." ( És tu
incapaz de jejuar? Pelo menos, não se entregue à auto-indulgência. És incapaz de mentir sobre um leito de folhas?
Ainda assim, não preparem para si mesmos sofás incrustados de prata; mas use um sofá e coberturas formadas não
para exibição, mas para refrescar; não sofás de marfim. Faça-se pequeno. Por que encher sua embarcação com cargas
avassaladoras? Se tu estiveres pouco equipado, não terás nada a temer, nem inveja, nem ladrões, nem ladrões em
espera. Pois de fato não és tão rico em dinheiro como tu és em cuidados. Tu não abundas tanto em posses, como em
ansiedades e perigos, "que trazem muitas tentações e luxúrias." ( mas use um sofá e coberturas formadas não para
exibição, mas para refrescar; não sofás de marfim. Faça-se pequeno. Por que encher sua embarcação com cargas
avassaladoras? Se tu estiveres pouco equipado, não terás nada a temer, nem inveja, nem ladrões, nem ladrões em
espera. Pois de fato não és tão rico em dinheiro como tu és em cuidados. Tu não abundas tanto em posses, como em
ansiedades e perigos, "que trazem muitas tentações e luxúrias." ( mas use um sofá e coberturas formadas não para
exibição, mas para refrescar; não sofás de marfim. Faça-se pequeno. Por que encher sua embarcação com cargas
avassaladoras? Se tu estiveres pouco equipado, não terás nada a temer, nem inveja, nem ladrões, nem ladrões em
espera. Pois de fato não és tão rico em dinheiro como tu és em cuidados. Tu não abundas tanto em posses, como em
ansiedades e perigos, "que trazem muitas tentações e luxúrias." (1 Timóteo 6: 9.) Essas coisas eles suportam, que
desejam ganhar grandes posses. Eu não digo, ministre aos enfermos; todavia, pelo menos, faça o teu servo fazê-lo.
Você viu então como isso não é tarefa árdua? Não, como pode ser, quando donzelas carinhosas nos ultrapassam a
uma distância tão grande? Sejamos envergonhados de nós mesmos, eu te imploro; pois, em assuntos mundanos, com
certeza, não nos renderemos a eles, nem em guerras, nem em jogos; mas na competição espiritual eles têm a
vantagem de nós, e são os primeiros a ganhar o prêmio, e voam mais alto, como muitas águias: [333] enquanto nós,
como gralhas, estamos vivendo no vapor e na fumaça; porque, na verdade, é o negócio das gralhas e dos cães
gananciosos definir os pensamentos sobre os fornecedores e os cozinheiros. Ouça sobre as mulheres de antigamente;
eles eram grandes personagens, grandes mulheres e admiráveis; tais eram Sara, Rebeca, Raquel, Débora e Ana; e
houve também nos dias de Cristo. No entanto, eles nunca ultrapassaram os homens, mas ocuparam o segundo posto.
Mas agora é o contrário; as mulheres ultrapassam e nos eclipsam. Quão desprezível! Que vergonha é isso! Nós
mantemos o lugar da cabeça e somos superados pelo corpo. Somos ordenados a governar sobre eles; não meramente
para que possamos governar, mas para que também possamos governar em bondade; porque aquele que governa,
deve especialmente governar a este respeito, superando em virtude; enquanto que, se ele é superado, ele não é mais
governante. [334] Perceber quão grande é o poder da vinda de Cristo? como Ele dissolveu a maldição? Com efeito, há
mais virgens do que antes entre as mulheres, há mais modéstia nessas virgens e há mais viúvas. Nenhuma mulher
expressaria levemente tanto quanto uma palavra imprópria. Então, então, me diga usas fala suja? Pois não me digam
que eram virgens de desânimo ou desespero.

O sexo gosta de ornamentos e tem essa falha. No entanto, mesmo nisso, vocês maridos os superam, que se orgulham
até mesmo deles, como seu próprio ornamento; pois não creio que a esposa seja tão ostensiva de suas próprias jóias,
como o marido é de sua esposa. Ele não é tão orgulhoso de seu próprio cinto de ouro, como ele é de sua esposa
usando jóias de ouro. Assim, até mesmo disto, vocês são as causas, que acendem a faísca e acendem a chama. Mas o
que é mais, não é um pecado tão grande em uma mulher quanto em um homem. Tu és ordenado para regulá-la; em
todos os sentidos tu afirma ter a pre minência. Mostre-lhe então, também, que não se interessa por esse custo, pelo
teu próprio traje. É mais adequado que uma mulher se adorne do que a um homem. Se então você não escapar da
tentação, como ela deve escapar? Eles também têm sua parcela de valor, mas isso é comum a eles com os homens.
Eles estão em uma medida apaixonada, e isso de novo é comum a eles com os homens. Mas, quanto àquilo em que
se destacam, não são mais comuns para eles com os homens; sua santidade, quero dizer, seu fervor, sua devoção, seu
amor para com Cristo. Por que, então, alguém pode dizer que Paulo os excluiu do cargo de professor? E aqui
novamente está uma prova de quão longe eles estavam dos homens, e que as mulheres daqueles dias eram grandes.
Pois, diga-me, enquanto Paulo estava ensinando, ou Pedro, ou aqueles santos de antigamente, estava certo que uma
mulher deveria se intrometer no ofício? Considerando que temos continuado até que tenhamos chegado tão
degradado, que é digno de questionamento, por que as mulheres não são mestres. Então, verdadeiramente chegamos
à mesma fraqueza que eles. Estas coisas eu não disse de nenhum desejo de exaltá-las, mas de envergonhar-nos,
castigar e admoestar-nos, para que possamos retomar a autoridade que nos pertence, não na medida em que somos
maiores em tamanho, mas por causa de nossa visão, nossa proteção deles e nossa virtude. Pois assim também o corpo
estará na ordem que lhe for conveniente, quando tiver a melhor cabeça para governar. E que Deus conceda que todos,
tanto esposas quanto maridos, possam viver de acordo com Sua boa vontade, para que todos nós, naquele dia terrível,
sejamos dignos de desfrutar da benignidade de nosso Mestre e de alcançar as boas coisas que são prometidas em
Jesus Cristo. nosso Senhor, com quem ao Pai, juntamente com o Espírito Santo, seja a glória, o poder ea honra, agora
e para todo o sempre. Um homem. e para nos admoestar, para que possamos retomar a autoridade que nos pertence,
não na medida em que somos maiores em tamanho, mas por causa de nossa visão, nossa proteção deles e nossa
virtude. Pois assim também o corpo estará na ordem que lhe for conveniente, quando tiver a melhor cabeça para
governar. E que Deus conceda que todos, tanto esposas quanto maridos, possam viver de acordo com Sua boa
vontade, para que todos nós, naquele dia terrível, sejamos dignos de desfrutar da benignidade de nosso Mestre e de
alcançar as boas coisas que são prometidas em Jesus Cristo. nosso Senhor, com quem ao Pai, juntamente com o
Espírito Santo, seja a glória, o poder ea honra, agora e para todo o sempre. Um homem. e para nos admoestar, para
que possamos retomar a autoridade que nos pertence, não na medida em que somos maiores em tamanho, mas por
causa de nossa visão, nossa proteção deles e nossa virtude. Pois assim também o corpo estará na ordem que lhe for
conveniente, quando tiver a melhor cabeça para governar. E que Deus conceda que todos, tanto esposas quanto
maridos, possam viver de acordo com Sua boa vontade, para que todos nós, naquele dia terrível, sejamos dignos de
desfrutar da benignidade de nosso Mestre e de alcançar as boas coisas que são prometidas em Jesus Cristo. nosso
Senhor, com quem ao Pai, juntamente com o Espírito Santo, seja a glória, o poder ea honra, agora e para todo o
sempre. Um homem. Pois assim também o corpo estará na ordem que lhe for conveniente, quando tiver a melhor
cabeça para governar. E que Deus conceda que todos, tanto esposas quanto maridos, possam viver de acordo com
Sua boa vontade, para que todos nós, naquele dia terrível, sejamos dignos de desfrutar da benignidade de nosso
Mestre e de alcançar as boas coisas que são prometidas em Jesus Cristo. nosso Senhor, com quem ao Pai, juntamente
com o Espírito Santo, seja a glória, o poder ea honra, agora e para todo o sempre. Um homem. Pois assim também o
corpo estará na ordem que lhe for conveniente, quando tiver a melhor cabeça para governar. E que Deus conceda que
todos, tanto esposas quanto maridos, possam viver de acordo com Sua boa vontade, para que todos nós, naquele dia
terrível, sejamos dignos de desfrutar da benignidade de nosso Mestre e de alcançar as boas coisas que são prometidas
em Jesus Cristo. nosso Senhor, com quem ao Pai, juntamente com o Espírito Santo, seja a glória, o poder ea honra,
agora e para todo o sempre. Um homem. junto com o Espírito Santo, seja glória, poder e honra, agora e para todo o
sempre. Um homem. junto com o Espírito Santo, seja glória, poder e honra, agora e para todo o sempre. Um homem.

Notas de rodapé:

[317] ["A causa desta alienação dos gentios da vida de Deus é a ignorância que há neles através do endurecimento do
coração, conseqüentemente devido à sua própria culpa." - Meyer - GA]

[318] ["O afastamento dos gentios da vida divina, indicado no versículo anterior, é aqui provado em conformidade
com a experiência." - Meyer - GA]

[319] ["A palavra implica uma renúncia ativa, não uma mera permissão." - Meyer, Ellicott, Thayer - GA]

[320] [A palavra "porco" (choiron), embora omitida do texto de Field, é claramente atestada, e não pode ser omitida
sem deixar o sentido difícil e obscuro.

[321] [Ou seja, "trabalhar toda a impureza", & c .-- GA]

[322] [Da palavra usada por Crisóstomo como a antítese da pleonektein, a saber, meta sumrias (e comparar ametros
abaixo) é evidente que ele entendeu a frase en pleonexi & 139 ;, como os Revisores do Eng. Ver. faça "com avidez".
Mas Meyer nega que a palavra pleonexia signifique alguma coisa além de "cobiça" no Novo Teste. Então também
Ellicott.

[323] [Da palavra usada por Crisóstomo como a antítese da pleonektein, a saber, meta sumrias (e comparar ametros
abaixo) é evidente que ele entendeu a frase en pleonexi & 139 ;, como os Revisores do Eng. Ver. faça "com avidez".
Mas Meyer nega que a palavra pleonexia signifique alguma coisa além de "cobiça" no Novo Teste. Então também
Ellicott.

[324] [A partir da palavra usada por Crisóstomo como a antítese da pleonektein, ou seja, meta sumrias (e comparar
ametros abaixo) é evidente que ele entendeu a frase en pleonexi & 139 ;, como os Revisores do Eng. Ver. faça "com
avidez". Mas Meyer nega que a palavra pleonexia signifique alguma coisa além de "cobiça" no Novo Teste. Então
também Ellicott.

325 E disse Davi a Barzilai: Vem e sustentar-te-ei em Jerusalém. E disse Barzilai ao rei: “Tenho oito anos de idade: pode
o teu servo saborear o que eu como ou o que bebo? Posso ouvir mais a voz de homens cantadores e cantores? Por
que, pois, o teu servo será ainda ónus ao rei meu senhor? "- 2 Sam. xix. 31-35 .-- GA]

[326] tessaras anthropous hupographei.

[327] mallon de treis eisi, kainos kai palaios, kai houtos ho ousiodes kai phusikos.

[328] [Meyer tem uma visão diferente, e diz: O Espírito Santo nunca é, no Novo Testamento, designado de tal maneira
que o homem apareça como o sujeito do Espírito (assim nunca: pneuma humon, e assim por diante) ou como aqui:
pneuma tou noos humon). Em segundo lugar, o apóstolo está aqui apresentando a auto-atividade moral da vida cristã
e, portanto, não teve ocasião de apresentar o ponto: "Através do Espírito Santo". Daí pneuma aqui é o espírito
"humano", o espírito pelo qual o seu nous é governado. Caso contrário, Ellicott: espírito divino unido ao humano; e
assim ele entende Meyer, mas incorretamente. Veja Ellicott e Meyer no local .-- GA]

[329] [Esta passagem em hebraico ( Salmos 51: 4 ) diz: "E (para que o seja) fique claro quando julgares." No Sept. é:
kai nikeses en para krinesthai se, que é seguido por Paul em Romanos 3: 4 (exceto nikeseis, fut. Ind., Em vez de aor.
Subj.). Nós temos dado aqui a tradução do Rev. Ver. de Romanos 3: 4 - GA]

[330] aphosiosamen.

[331] lotagas. A palavra ocorre também no Constit. Uma postagem. viii. 32 [junto com palavras como blax, "dolt";
magos, "feiticeiro"; mantis, "adivinho"; therepodos, "beast-charmer"; ochlagogos, "líder da máfia"; periammata
poion, "fabricante de amuleto" - GA]. Sua derivação é um tanto incerta. [Zonaras (Constantinopla, 12 cêntimos), em
seu Lexicon, dá entre outras definições, auletes, "flautista"; assim também Eustáquio (Constantinopla, 1198), em seu
famoso comentário sobre Homero, Il. 2, 776, define, do fato de que lotos às vezes significa uma "flauta". Mas essa
derivação é questionada. As pessoas denotadas por ele eram músicos ou bufões errantes.

[332] [Esta referência aos Monks nas montanhas (na vizinhança de Antioquia) é uma das indicações de que estas
Homilies sobre Ef foram entregues enquanto Crisóstomo ainda estava em Antioquia, e antes da sua elevação ao
arzobispado de Constantinopla. Compare também Hom. vi. em Efésios. - GA]

[333] [Esta passagem é tão parecida com uma passagem em um dos ódios de Nemean de Píndaro que alguns pensaram
que Crisóstomo deve ter tido isso em mente. Pind. Nem 3.138: esti d 'aietos okus en petanois, hos elaben aipsa, telothe
metamaiomenos, daphoinon agran posin; kragetai de koloioi tapeina nemontai. --GA]

[334] [Compare a palestra de Carlyle sobre Cromwell e Napoleão em heróis e adoração de heróis. - GA]

Efésios 4:23
E seja renovado no espírito da sua mente;
Efésios 4:24
E que você coloca no novo homem, que depois de Deus é criado em justiça e verdadeira santidade.
Efésios 4:25
Por isso, deixando de lado a mentira, fale a todo homem a verdade com o próximo: pois somos membros uns dos
outros.
"Portanto, afastando a falsidade, fala a verdade cada um com o seu próximo; porque somos membros uns dos outros.
Sede furiosos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira; nem dê lugar ao diabo."
Tendo falado do "velho homem" em geral, ele o atrai em detalhes; [335] para este tipo de ensino é mais facilmente
aprendido quando aprendemos por particulares. E o que diz ele? "Portanto, afastando a falsidade". Que tipo de
falsidade? Ídolos ele quer dizer? Certamente não; não de fato, mas que eles são falsidade também. No entanto, ele
não está falando agora deles, porque essas pessoas não tinham nada a ver com eles; mas ele está falando daquilo que
passa entre um homem e outro, o que é enganoso e falso. "Falai a verdade, cada um", diz ele, "com o seu próximo";
então o que é mais tocante para a consciência ainda, "porque somos membros um do outro". Que ninguém engane
seu vizinho. Como o salmista diz aqui e ali; ".) Não há nada, não, nada tão produtivo de inimizade como engano e
fraude.

Observe como em todos os lugares ele os envergonha por essa similitude do corpo. Não deixe o olho, diz ele, deitar
ao pé, nem o pé até o olho. Por exemplo, se houver um poço profundo, e depois de ter as canas espalhadas sobre a
boca dele sobre a terra, e ainda ocultas sob a terra, ela deve, pelo seu aparecimento, fornecer aos olhos uma
expectativa de terra firme, não o olho usa o pé e descobre se ele cede [337] e é oco por baixo, ou se é firme e resiste?
[338] O pé contará uma mentira, e não relatará a verdade como é? E o que de novo? Se o olho espiar uma serpente
ou uma fera, ela estará no pé? Não o informará imediatamente e o pé assim informado por ele se conterá? E o que
mais uma vez, quando nem o pé nem o olho saberem distinguir, mas todos dependerão do olfato, como, por exemplo,
se um medicamento é mortal ou não; o cheiro vai mentir para a boca? E porque não? Porque também estará se
destruindo. Mas diz a verdade como parece a si mesma. E o que de novo? A língua vai mentir para o estômago?
Quando uma coisa é amarga, não a rejeita e, se é doce, passa adiante? Observe ministração e intercâmbio de serviço;
observe um cuidado previdente que surge da verdade e, como se poderia dizer, espontaneamente do coração. Então
certamente deveria estar conosco também; não vamos mentir, já que somos "membros um do outro". Este é um sinal
seguro de amizade; enquanto o contrário é de inimizade. Então, o que você perguntará se um homem usar traição
contra ti? Ouça a verdade. Se ele usar traição, ele não é um membro; enquanto ele diz: "não mentes para os membros".
se uma droga é mortal ou não; o cheiro vai mentir para a boca? E porque não? Porque também estará se destruindo.
Mas diz a verdade como parece a si mesma. E o que de novo? A língua vai mentir para o estômago? Quando uma coisa
é amarga, não a rejeita e, se é doce, passa adiante? Observe ministração e intercâmbio de serviço; observe um cuidado
previdente que surge da verdade e, como se poderia dizer, espontaneamente do coração. Então certamente deveria
estar conosco também; não vamos mentir, já que somos "membros um do outro". Este é um sinal seguro de amizade;
enquanto o contrário é de inimizade. Então, o que você perguntará se um homem usar traição contra ti? Ouça a
verdade. Se ele usar traição, ele não é um membro; enquanto ele diz: "não mentes para os membros". se uma droga
é mortal ou não; o cheiro vai mentir para a boca? E porque não? Porque também estará se destruindo. Mas diz a
verdade como parece a si mesma. E o que de novo? A língua vai mentir para o estômago? Quando uma coisa é amarga,
não a rejeita e, se é doce, passa adiante? Observe ministração e intercâmbio de serviço; observe um cuidado
previdente que surge da verdade e, como se poderia dizer, espontaneamente do coração. Então certamente deveria
estar conosco também; não vamos mentir, já que somos "membros um do outro". Este é um sinal seguro de amizade;
enquanto o contrário é de inimizade. Então, o que você perguntará se um homem usar traição contra ti? Ouça a
verdade. Se ele usar traição, ele não é um membro; enquanto ele diz: "não mentes para os membros". o cheiro vai
mentir para a boca? E porque não? Porque também estará se destruindo. Mas diz a verdade como parece a si mesma.
E o que de novo? A língua vai mentir para o estômago? Quando uma coisa é amarga, não a rejeita e, se é doce, passa
adiante? Observe ministração e intercâmbio de serviço; observe um cuidado previdente que surge da verdade e, como
se poderia dizer, espontaneamente do coração. Então certamente deveria estar conosco também; não vamos mentir,
já que somos "membros um do outro". Este é um sinal seguro de amizade; enquanto o contrário é de inimizade. Então,
o que você perguntará se um homem usar traição contra ti? Ouça a verdade. Se ele usar traição, ele não é um membro;
enquanto ele diz: "não mentes para os membros". o cheiro vai mentir para a boca? E porque não? Porque também
estará se destruindo. Mas diz a verdade como parece a si mesma. E o que de novo? A língua vai mentir para o
estômago? Quando uma coisa é amarga, não a rejeita e, se é doce, passa adiante? Observe ministração e intercâmbio
de serviço; observe um cuidado previdente que surge da verdade e, como se poderia dizer, espontaneamente do
coração. Então certamente deveria estar conosco também; não vamos mentir, já que somos "membros um do outro".
Este é um sinal seguro de amizade; enquanto o contrário é de inimizade. Então, o que você perguntará se um homem
usar traição contra ti? Ouça a verdade. Se ele usar traição, ele não é um membro; enquanto ele diz: "não mentes para
os membros". Mas diz a verdade como parece a si mesma. E o que de novo? A língua vai mentir para o estômago?
Quando uma coisa é amarga, não a rejeita e, se é doce, passa adiante? Observe ministração e intercâmbio de serviço;
observe um cuidado previdente que surge da verdade e, como se poderia dizer, espontaneamente do coração. Então
certamente deveria estar conosco também; não vamos mentir, já que somos "membros um do outro". Este é um sinal
seguro de amizade; enquanto o contrário é de inimizade. Então, o que você perguntará se um homem usar traição
contra ti? Ouça a verdade. Se ele usar traição, ele não é um membro; enquanto ele diz: "não mentes para os membros".
Mas diz a verdade como parece a si mesma. E o que de novo? A língua vai mentir para o estômago? Quando uma coisa
é amarga, não a rejeita e, se é doce, passa adiante? Observe ministração e intercâmbio de serviço; observe um cuidado
previdente que surge da verdade e, como se poderia dizer, espontaneamente do coração. Então certamente deveria
estar conosco também; não vamos mentir, já que somos "membros um do outro". Este é um sinal seguro de amizade;
enquanto o contrário é de inimizade. Então, o que você perguntará se um homem usar traição contra ti? Ouça a
verdade. Se ele usar traição, ele não é um membro; enquanto ele diz: "não mentes para os membros". se for doce,
passe adiante? Observe ministração e intercâmbio de serviço; observe um cuidado previdente que surge da verdade
e, como se poderia dizer, espontaneamente do coração. Então certamente deveria estar conosco também; não vamos
mentir, já que somos "membros um do outro". Este é um sinal seguro de amizade; enquanto o contrário é de
inimizade. Então, o que você perguntará se um homem usar traição contra ti? Ouça a verdade. Se ele usar traição, ele
não é um membro; enquanto ele diz: "não mentes para os membros". se for doce, passe adiante? Observe ministração
e intercâmbio de serviço; observe um cuidado previdente que surge da verdade e, como se poderia dizer,
espontaneamente do coração. Então certamente deveria estar conosco também; não vamos mentir, já que somos
"membros um do outro". Este é um sinal seguro de amizade; enquanto o contrário é de inimizade. Então, o que você
perguntará se um homem usar traição contra ti? Ouça a verdade. Se ele usar traição, ele não é um membro; enquanto
ele diz: "não mentes para os membros". enquanto o contrário é de inimizade. Então, o que você perguntará se um
homem usar traição contra ti? Ouça a verdade. Se ele usar traição, ele não é um membro; enquanto ele diz: "não
mentes para os membros". enquanto o contrário é de inimizade. Então, o que você perguntará se um homem usar
traição contra ti? Ouça a verdade. Se ele usar traição, ele não é um membro; enquanto ele diz: "não mentes para os
membros".

"Esteja zangado e não peque."

Observe sua sabedoria. Ele fala para impedir nosso pecado e, se não escutarmos, ainda não nos abandonará; porque
sua compaixão paternal não o abandona. Pois assim como o médico prescreve aos doentes o que ele deve fazer, e se
ele não se submete a isso, ainda não o trata com desprezo, mas procedendo a acrescentar que conselho pode
persuadir, prossegue novamente com a cura; assim também faz Paulo. Pois quem, de fato, faz o contrário, visa apenas
a reputação e fica aborrecido por ser desconsiderado; enquanto aquele que em todas as ocasiões objetiva a
recuperação do paciente, tem este único objetivo em vista, como ele pode restaurar o paciente e ressuscitá-lo. Isso é
o que Paulo está fazendo. Ele disse: "Não mentir". No entanto, se alguma vez mentir deve produzir raiva, ele prossegue
novamente para curar isso também. Para o que diz ele? "Esteja zangado e não peque. Enquanto houver muitas coisas
durante o dia para bani-lo, você é livre para satisfazê-lo; mas assim que a noite se aproxima, reconcilia-te, extingue o
mal enquanto ainda está fresco; pois, se a noite a ultrapassar, o dia de amanhã não servirá para extinguir o mal
adicional que terá sido coletado à noite. Mais ainda, embora devesses cortar a porção maior, e ainda assim não
conseguirmos cortar o todo, ela suprirá novamente o que resta para a noite seguinte, para tornar o incêndio mais
violento. E, assim como, no caso do sol ser incapaz pelo calor do dia para amaciar e dispersar a parte do ar que tem
sido durante a noite condensado em nuvem, que proporciona o material para uma tempestade, noite ultrapassando
o restante, e alimentá-lo novamente com vapores frescos: assim também é no caso da raiva. tu és livre para satisfazê-
lo; mas assim que a noite se aproxima, reconcilia-te, extingue o mal enquanto ainda está fresco; pois, se a noite a
ultrapassar, o dia de amanhã não servirá para extinguir o mal adicional que terá sido coletado à noite. Mais ainda,
embora devesses cortar a porção maior, e ainda assim não conseguirmos cortar o todo, ela suprirá novamente o que
resta para a noite seguinte, para tornar o incêndio mais violento. E assim como, caso o sol não consiga, com o calor
do dia, suavizar e dispersar a parte do ar que esteve durante a noite condensada em nuvem, ela fornece material para
uma tempestade, a noite alcançando o restante e alimentando-a novamente. com vapores frescos: assim também é
no caso da raiva. tu és livre para satisfazê-lo; mas assim que a noite se aproxima, reconcilia-te, extingue o mal enquanto
ainda está fresco; pois, se a noite a ultrapassar, o dia de amanhã não servirá para extinguir o mal adicional que terá
sido coletado à noite. Mais ainda, embora devesses cortar a porção maior, e ainda assim não conseguirmos cortar o
todo, ela suprirá novamente o que resta para a noite seguinte, para tornar o incêndio mais violento. E assim como,
caso o sol não consiga, com o calor do dia, suavizar e dispersar a parte do ar que esteve durante a noite condensada
em nuvem, ela fornece material para uma tempestade, a noite alcançando o restante e alimentando-a novamente.
com vapores frescos: assim também é no caso da raiva. extinga o mal enquanto ainda está fresco; pois, se a noite a
ultrapassar, o dia de amanhã não servirá para extinguir o mal adicional que terá sido coletado à noite. Mais ainda,
embora devesses cortar a porção maior, e ainda assim não conseguirmos cortar o todo, ela suprirá novamente o que
resta para a noite seguinte, para tornar o incêndio mais violento. E assim como, caso o sol não consiga, com o calor
do dia, suavizar e dispersar a parte do ar que esteve durante a noite condensada em nuvem, ela fornece material para
uma tempestade, a noite alcançando o restante e alimentando-a novamente. com vapores frescos: assim também é
no caso da raiva. extinga o mal enquanto ainda está fresco; pois, se a noite a ultrapassar, o dia de amanhã não servirá
para extinguir o mal adicional que terá sido coletado à noite. Mais ainda, embora devesses cortar a porção maior, e
ainda assim não conseguirmos cortar o todo, ela suprirá novamente o que resta para a noite seguinte, para tornar o
incêndio mais violento. E assim como, caso o sol não consiga, com o calor do dia, suavizar e dispersar a parte do ar
que esteve durante a noite condensada em nuvem, ela fornece material para uma tempestade, a noite alcançando o
restante e alimentando-a novamente. com vapores frescos: assim também é no caso da raiva. mesmo que você corte
a porção maior, e ainda assim não seja capaz de cortar o todo, ela suprirá novamente o que resta para a noite seguinte,
para tornar a chama mais violenta. E assim como, caso o sol não consiga, com o calor do dia, suavizar e dispersar a
parte do ar que esteve durante a noite condensada em nuvem, ela fornece material para uma tempestade, a noite
alcançando o restante e alimentando-a novamente. com vapores frescos: assim também é no caso da raiva. mesmo
que você corte a porção maior, e ainda assim não seja capaz de cortar o todo, ela suprirá novamente o que resta para
a noite seguinte, para tornar a chama mais violenta. E assim como, caso o sol não consiga, com o calor do dia, suavizar
e dispersar a parte do ar que esteve durante a noite condensada em nuvem, ela fornece material para uma
tempestade, a noite alcançando o restante e alimentando-a novamente. com vapores frescos: assim também é no
caso da raiva.

"Nem dê lugar ao diabo."

Então, estar em guerra um com o outro é "dar lugar ao diabo"; pois, embora tivéssemos de estar todos de perto, e
para nos opormos a ele, relaxamos nossa inimizade contra ele e estamos dando o sinal para nos voltarmos uns contra
os outros; pois nunca tem o diabo tal lugar como em nossas inimizades. [341] Inúmeros são os males daí produzidos.
E como as pedras de um edifício, desde que estejam bem encaixadas e não deixem interstício, ficarão firmes, enquanto
se houver apenas uma única passagem de agulha, ou uma fenda não mais larga que um cabelo, isso destrói tudo;
assim é com o diabo. Por muito tempo, na medida em que estamos próximos e compactados juntos, ele não pode
apresentar um de seus ardis; mas quando ele nos faz relaxar um pouco, ele corre como uma torrente. Em todos os
casos, ele precisa apenas de um começo, e isso é o que é difícil de realizar; mas isso feito, ele abre espaço para todos
os lados por si mesmo. Pois daí em diante ele abre o ouvido para as calúnias, e aqueles que falam mentiras são os mais
confiáveis: eles têm inimizade que representa o defensor, não a verdade que julga justamente. E como, onde a
amizade [342] é, mesmo aqueles males que são verdadeiros parecem falsos, então onde há inimizade, até mesmo os
falsos parecem verdadeiros. Há uma mente diferente, um tribunal diferente, que não ouve com justiça, mas com
grande preconceito e parcialidade. Como, em um equilíbrio, se o chumbo for lançado na escala, ele irá arrastar o todo;
assim é também aqui, apenas que o peso da inimizade é muito mais pesado do que qualquer vantagem. Portanto,
peço-lhe que faça tudo o que pudermos para extinguir as nossas inimizades antes do pôr-do-sol. Pois se você não
conseguir dominá-lo no primeiro dia, nos dois a seguir, e muitas vezes até mesmo por um ano, você estará
prolongando-a, e a inimizade, a partir de então, aumentará e não precisará de nada para ajudá-la. Pois, ao nos fazer
suspeitar que palavras faladas em um sentido foram significadas em outro, e gestos também, e tudo, nos enfurece e
exaspera, e nos torna mais destemperados do que loucos, não suportando nem pronunciar um nome, nem ouvi-lo. ,
mas dizendo tudo em invectivas e abuso. Como então podemos acalmar essa paixão? Como vamos extinguir a chama?
Refletindo sobre nossos próprios pecados e quanto precisamos responder a Deus; Refletindo que estamos causando
vingança, não em um inimigo, mas em nós mesmos; refletindo que estamos encantando o diabo, que estamos
fortalecendo nosso inimigo, nosso verdadeiro inimigo, e que, para ele, estamos fazendo de errado com nossos próprios
membros. Você seria vingativo e estaria em inimizade? Seja inimizade, mas seja assim com o diabo, e não com um
membro seu. Para este propósito é que Deus nos armou com raiva, não que nós empurremos a espada contra nossos
próprios corpos, mas que devemos batizar [343] toda a lâmina no peito do diabo. Ali enterram a espada até o punho;
sim, se quiseres, empunhar e tudo, e nunca mais retirá-lo, mas acrescentar ainda outro e outro. E isso realmente
acontece quando somos misericordiosos com aqueles de nossa própria família espiritual e pacificamente dispostos
uns para os outros. Perecer dinheiro, perecer glória e reputação; meu próprio membro é mais querido para mim do
que todos. Assim, digamos a nós mesmos; não façamos violência à nossa própria natureza para obter riqueza, para
obter glória. e não com um membro do teu próprio. Para este propósito é que Deus nos armou com raiva, não que
nós empurremos a espada contra nossos próprios corpos, mas que devemos batizar [343] toda a lâmina no peito do
diabo. Ali enterram a espada até o punho; sim, se quiseres, empunhar e tudo, e nunca mais retirá-lo, mas acrescentar
ainda outro e outro. E isso realmente acontece quando somos misericordiosos com aqueles de nossa própria família
espiritual e pacificamente dispostos uns para os outros. Perecer dinheiro, perecer glória e reputação; meu próprio
membro é mais querido para mim do que todos. Assim, digamos a nós mesmos; não façamos violência à nossa própria
natureza para obter riqueza, para obter glória. e não com um membro do teu próprio. Para este propósito é que Deus
nos armou com raiva, não que nós empurremos a espada contra nossos próprios corpos, mas que devemos batizar
[343] toda a lâmina no peito do diabo. Ali enterram a espada até o punho; sim, se quiseres, empunhar e tudo, e nunca
mais retirá-lo, mas acrescentar ainda outro e outro. E isso realmente acontece quando somos misericordiosos com
aqueles de nossa própria família espiritual e pacificamente dispostos uns para os outros. Perecer dinheiro, perecer
glória e reputação; meu próprio membro é mais querido para mim do que todos. Assim, digamos a nós mesmos; não
façamos violência à nossa própria natureza para obter riqueza, para obter glória. mas que devemos batizar a lâmina
inteira no peito do diabo. Ali enterram a espada até o punho; sim, se quiseres, empunhar e tudo, e nunca mais retirá-
lo, mas acrescentar ainda outro e outro. E isso realmente acontece quando somos misericordiosos com aqueles de
nossa própria família espiritual e pacificamente dispostos uns para os outros. Perecer dinheiro, perecer glória e
reputação; meu próprio membro é mais querido para mim do que todos. Assim, digamos a nós mesmos; não façamos
violência à nossa própria natureza para obter riqueza, para obter glória. mas que devemos batizar a lâmina inteira no
peito do diabo. Ali enterram a espada até o punho; sim, se quiseres, empunhar e tudo, e nunca mais retirá-lo, mas
acrescentar ainda outro e outro. E isso realmente acontece quando somos misericordiosos com aqueles de nossa
própria família espiritual e pacificamente dispostos uns para os outros. Perecer dinheiro, perecer glória e reputação;
meu próprio membro é mais querido para mim do que todos. Assim, digamos a nós mesmos; não façamos violência à
nossa própria natureza para obter riqueza, para obter glória. Perecer dinheiro, perecer glória e reputação; meu próprio
membro é mais querido para mim do que todos. Assim, digamos a nós mesmos; não façamos violência à nossa própria
natureza para obter riqueza, para obter glória. Perecer dinheiro, perecer glória e reputação; meu próprio membro é
mais querido para mim do que todos. Assim, digamos a nós mesmos; não façamos violência à nossa própria natureza
para obter riqueza, para obter glória.

Efésios 4:26
Sê furioso, e não pequeis; não se ponha o sol sobre o teu furor;
Efésios 4:27
Nem dê lugar ao diabo.
Efésios 4:28
Aquele que roubou, não roube mais; antes trabalhe, trabalhando com as mãos, o que é bom, a fim de que possa dar
ao que precisa.
Ver. 28. "Aquele que roubou", diz ele, "não roube mais".
Viste tu quais são os membros do velho? Falsidade, vingança, roubo. Por que ele não disse: "Que aquele que roubou"
seja punido, torturado, seja atormentado; mas "não roube mais"? "Antes, trabalhe ele, trabalhando com as mãos, o
que é bom, a fim de poder dar ao que tem necessidade."

Onde estão os que são chamados puros? [345] eles que estão cheios de toda contaminação, e ainda se atrevem a dar-
se um nome como este? Pois é possível, muito possível, adiar a reprovação, não somente cessando do pecado, mas
também trabalhando alguma coisa boa. Perceba como devemos sair do pecado? "Eles roubaram." Este é o pecado.
"Eles não roubam mais." Isto não é para acabar com o pecado. Mas como eles devem? Se eles trabalham e comunicam
com caridade aos outros, assim eles vão acabar com o pecado. Ele não deseja simplesmente que trabalhemos, mas
"trabalhe" para "trabalhar", para que possamos "nos comunicar" com os outros. Pois o ladrão de fato funciona, mas
é o que é mal.

Efésios 4:29
Que nenhuma comunicação corrupta saia de sua boca, senão aquilo que é bom para o uso da edificação, para ministrar
graça aos ouvintes.
Ver. 29. "Não deixe nenhum discurso corrupto sair da sua boca."
O que é "discurso corrupto"? O que é dito em outro lugar também é "conversa fiada, maliciosa, falsa, tagarelice,
conversas tolas". Vede como ele está cortando as raízes da ira? Mentir, roubo, conversa fora de época. As palavras,
no entanto, "Deixe que ele não roube mais", ele não diz tanto desculpando-as, a ponto de acalmar os feridos e
recomendá-los a ficar contentes, se nunca mais sofrerem o mesmo. E também ele dá conselhos sobre conversas; [346]
na medida em que devemos pagar a pena, não apenas por nossos atos, mas também por nossas palavras.

"Mas, como é bom", prossegue ele, "para edificar, conforme a necessidade, que possa dar graça àqueles que a
ouvem".

Isto é, o que edifica o próximo, que apenas fala, não mais uma palavra. Pois para este fim Deus deu-te uma boca e
uma língua, para que deste graças a Ele, a fim de edificar o teu próximo. Assim, se tu destruíses aquele edifício, melhor
seria ficar em silêncio e nunca falar nada. Pois, de fato, as mãos dos trabalhadores, se em vez de erguerem as paredes,
deveriam aprender a puxá-las para baixo, merecidamente mereceriam ser cortadas. Pois assim também diz o salmista;
"O Senhor cortará todos os lábios lisonjeiros." ( Salmo 12: 3.) A boca, esta é a causa de todo o mal; ou melhor, não a
boca, mas eles que fazem um mau uso dela. De lá procedem insultos, insultos, blasfêmias, incentivos a luxúrias,
assassinatos, adultérios, roubos, tudo tem sua origem nisso. E como, você dirá, fazer assassinatos? Porque, do insulto,
você continuará a raiva, da raiva aos golpes, dos golpes ao assassinato. E como, mais uma vez, adultério? "Tal mulher",
alguém dirá, "te ama, ela disse algo agradável sobre ti". Isto imediatamente desencadeia a tua firmeza, e assim são as
tuas paixões acesas dentro de ti.

Por isso, Paulo disse: "tal como é bom". Desde então, há um fluxo de palavras tão vasto que ele, com boas razões, fala
indefinidamente, acusando-nos de usar expressões desse tipo e dando-nos um padrão de comunicação. O que então
é isso? Ao dizer: "para edificar", ou ele quer dizer isso, que aquele que te ouve pode ser grato a ti: como, por exemplo,
um irmão forneceu fornicação; não faça uma exibição da ofensa, nem deleite-se nela; não farás bem ao que te ouve;
ao contrário, é provável que você o machuque, dando-lhe um estímulo. Considerando que, aconselhe-o o que fazer,
e você está conferindo-lhe uma grande obrigação. Discipline-o como manter o silêncio, ensine-o a não insultar
ninguém, e você lhe ensinou sua melhor lição, você terá conferido a ele a mais alta obrigação. Discurso com ele em
contrição, na piedade, na esmola; todas estas coisas amolecerão sua alma, pois todas estas coisas ele possuirá sua
obrigação. Considerando que, excitando o riso dele, ou por comunicação imunda, você prefere estar inflamando ele.
Aplaude a iniqüidade e tu a derrubarás e arruinará.

Ou então ele quer dizer [347] assim, "que isto pode torná-los, os ouvintes, cheios de graça". Porque, assim como a
pomada dá graça aos que dela participam, também fala bem. Por isso, foi além disso que alguém disse: "O teu nome
é como o ungüento derramado". (Cant. I. 3.) Isso os fez exalar aquele doce perfume. Vês que o que ele continuamente
recomenda, ele está dizendo agora também, cobrando cada um de acordo com suas várias habilidades de edificar seus
vizinhos. Tu, então, que dás tal conselho aos outros, quanto mais a ti mesmo!

Ver. 30. "E não sofra", acrescenta ele, "o Espírito Santo de Deus".

Uma questão mais terrível e surpreendente, como ele também diz na Epístola aos Tessalonicenses; pois lá também
ele usa uma expressão desse tipo. "Aquele que rejeita não rejeita o homem, mas sim a Deus". (1 Thess. Iv. 8.) Então,
também aqui. Se pronunciares uma palavra de reprovação, se golpeares teu irmão, não o golpearás, "afligindo o
Espírito Santo". E depois é adicionado ainda o benefício concedido, a fim de aumentar a repreensão.

"E não aflija o Espírito Santo", diz Ele, "em quem fostes selados até o dia da redenção".

Ele é quem nos marca como um rebanho real; Ele, que nos separa de todas as coisas anteriores; Aquele que nos sofre
para não nos deitar entre os que são expostos à ira de Deus - e tu o entristeces? Veja quão surpreendentes são as
palavras dele ali; "Pois aquele que rejeita", diz ele, "não rejeita o homem, mas a Deus:" e quão cortante eles estão
aqui, "Não aflija o Espírito Santo", diz ele, "em quem fostes selados".

Moral. Deixe este selo então permanecer em sua boca, e nunca destrua a impressão. Uma boca espiritual nunca
pronuncia uma coisa do tipo. Não diga: "Não é nada, se eu proferir uma palavra imprópria, se eu insultar tal um". Por
isso mesmo, é um grande mal, porque parece ser nada. Pois coisas que parecem nada são, portanto, fáceis de serem
pensadas; e aqueles que são pensados levemente aumentam; e aqueles que crescem tornam-se incuráveis.

Tu tens uma boca espiritual. Pense nas palavras que pronunciou imediatamente ao nascer, [349] - que palavras são
dignas da tua boca. Tu chamas Deus de "Pai", e mates logo a teu irmão? Pense, de onde você chama Deus, "Pai"? É da
natureza? Não, você nunca poderia dizer isso. É da tua bondade? Não, nem é assim. Mas de onde é então? É da pura
benignidade, da ternura, da Sua grande misericórdia. Sempre que tu chamas a Deus, "Pai", considere não apenas isto,
que, ao injuriá-lo, cometer coisas indignas disso, teu alto nascimento, mas também que é de benignidade que possas
aquele alto nascimento. Não desonra então, depois de recebê-la da pura benignidade, mostrando crueldade para com
teus irmãos. Você chama Deus de "Pai" e ainda assim injuria? Não, estas não são as obras do Filho de Deus. Estes estão
muito longe dEle. A obra do Filho de Deus era perdoar Seus inimigos, orar por aqueles que O crucificaram, derramar
Seu sangue por aqueles que O odiavam. Estas são obras dignas do Filho de Deus, para fazer Seus inimigos - os ingratos,
os desonestos, os imprudentes, os traiçoeiros - fazerem com que estes irmãos e herdeiros não tratem os que se tornam
irmãos com a ignomínia como escravos. .
[350] Pense nas palavras que a tua boca pronunciou - de que mesa estas palavras são dignas. Pense no que a sua boca
toca, no que ela sabe, em que tipo de comida ela participa! Tu julgas que não estás a fazer nada de grave no teu irmão?
Como então você o chama de irmão? E, no entanto, se ele não é irmão, como dizes: "Pai nosso"? Pois a palavra "nosso"
é indicativa de muitas pessoas. Pense com quem tu estás no tempo dos mistérios! Com os querubins, com os serafins!
Os Serafins não insultam: não, sua boca cumpre este único dever, cantar o hino de louvor, glorificar [351] Deus. E
como então poderás dizer com eles: "Santo, Santo, Santo", [352] se tu usas a tua boca para injuriar? Diga-me, eu rezo.
Suponha que houvesse um navio real, e que sempre cheio de iguarias reais, e separados para esse propósito, e então
que qualquer um dos servos deveria pegá-lo e usá-lo para segurar esterco. Será que ele se aventuraria novamente,
depois de ter sido preenchido com esterco, para guardá-lo com aqueles outros recipientes, separados para esses
outros usos? Certamente não. Agora corrimão é assim, injuriar é assim. "Nosso pai!" Mas o que? Isso é tudo? Ouça
também as palavras que se seguem "que arte no céu". No momento em que dizes: "Pai nosso que estais no céu", a
palavra te eleva, dá asas à tua mente, indica-te que tens um Pai no céu. Não faça nada, não fale nada sobre a terra.
Ele te colocou no meio daquela hoste de cima, Ele te contou com aquele coro celestial. Por que você se arrasta? Tu
estás de pé ao lado do trono real, e tu vilíssimo? Não tens medo que o rei considere isso ultrajante? Ora, se um servo,
mesmo conosco, espancar seu companheiro ou agredi-lo, mesmo que ele o faça com justiça, ainda assim,
imediatamente o repreendemos e consideramos o ato um ultraje; todavia tu, que estás com os querubins ao lado do
trono do rei, insulta teu irmão? Vês tu não estes vasos sagrados? Eles não são usados continuamente para um único
propósito? Alguém se arrisca a usá-los para qualquer outro? No entanto, és tu mais santo que esses vasos, sim, muito
mais sagrado. Por que então contaminar, por que se contaminar? Tu estás no céu e injurias? Tens a tua cidadania com
os Anjos e insulta? Tu és digno do beijo do Senhor e tu difamas? Deus tem agraciado tua boca com tantas e grandes
coisas, com hinos angélicos, com comida, não angélicos, não, mas mais que angelical, com o próprio beijo dele, com o
próprio abraço dele, e você insulta? Oh, não, eu te imploro. Vastos são os males de que esta é a fonte; longe de ser de
uma alma cristã. Não te convenço como estou falando, não te envergonho? Então, agora se torna meu dever alarmá-
lo. Para ouvir o que Cristo diz: "Todo aquele que disser a seu irmão, ó tolo, estará em perigo do inferno de fogo".
(Mateus 5:22.) Agora, se aquilo que é mais leve de todos leva ao inferno, do que ele não será digno, quem profere
palavras presunçosas? Vamos disciplinar nossa boca para o silêncio. Grande é a vantagem disso, ótimo o mal da
linguagem maléfica. Não devemos gastar nossas riquezas aqui. Vamos colocar a porta e trancá-los. Vamos nos devorar
vivos se alguma vez uma palavra vexatória sair de nossa boca. Vamos suplicar a Deus, deixe-nos suplicar a quem temos
injuriado. Não pensemos que está abaixo de nós. Nós mesmos nos ferimos, não ele. Apliquemos o remédio, a oração
e a reconciliação com ele, a quem temos injuriado. Se em nossas palavras devemos tomar tal previsão, muito mais
vamos impor leis sobre nós mesmos em nossos atos. Sim, e se tivermos amigos, quem quer que eles sejam, e eles
devem falar mal a qualquer homem ou insultá-lo, exija deles e satisfação exata. Vamos, por todos os meios, aprender
que tal conduta é mesmo pecado; pois se aprendermos isso, logo nos afastaremos disso.

Agora, o Deus da paz mantém tanto a tua mente como a tua língua, e cercas-te com uma vedação segura, até o Seu
temor, por Jesus Cristo, nosso Senhor, com quem ao Pai, juntamente com o Espírito Santo, seja para sempre a glória.
Um homem.

Notas de rodapé:

[335] ["E a primeira exortação aqui foi sugerida pela aletheia imediatamente anterior. A forma figurativa do preceito
também (apothemenoi, adiando ') é um eco do que precede." - Meyer. - GA]

[336] ["Membros um do outro, e mentir" um ao outro, - como contraditório! "- Meyer. - GA]

[337] [eikei, a emenda de Field para a leitura do mss. Ele cita a frase para eikon kai me antitupoun de Platão, Cratylus,
420 D - GA]

[338] antitupei.

[339] [Este parece ser um relato correto da nova conexão, mas a força exata do primeiro imperativo não é fácil de
determinar. Winer (Gramática do NT, tradução de Thayer, págs. 311, 312) a considera permissivamente: fique com
raiva (eu te dou licença), mas não peca. Ele cita em prova Jeremias 10:24 , que, no entanto, pode ser explicado de
outra forma, ou seja, como o imperativo do pedido, usado em oração. Compare a oração do Senhor. Meyer diz que
não parece lógico conectar dois imperativos por kai, a menos que sejam tomados no mesmo sentido. Se o primeiro
imperativo fosse permissivo, a combinação seria exceptiva e alla monon ou plen ( Jeremias 10:24)..) seria necessário.
Ambos os imperativos são, então, jusivos, e há uma raiva que um homem não apenas pode, mas deve sentir. Então,
Ellicott e Riddle.

[340] ["Não parece haver qualquer alusão ao possível efeito da noite sobre a raiva, como Crisóstomo aqui, e Teofilatos
também." - Ellicott. O costume pitagórico paralelo é citado por Ellicott (Hammond e Wetstein): "Se eles fossem levados
pela ira para o corrimão, antes do pôr do sol eles davam a mão um para o outro, abraçavam-se e eram reconciliados".
--GA]

[341] [Esta referência à vida da igreja não está implícita no contexto. Ele segue o que ele disse antes, dizendo: "Não
dê ao diabo a oportunidade de ser ativo por um estado mental irado.

[342] [Compare Goethe: Die Freundschaft ist gerecht. Sie kann allein, Den ganen Umfang seine Werths erkennen. -
GA]

[343] baptizomen ten machairan eis to tou diabolou stethos.

[344] ["O ladrão (roubo) não rouba mais." O particípio presente não representa o passado, mas é usado
substantivamente (como hospeiron, Mateus 13: 3. ) Como havia nos fornicadores da igreja apostólica '( 1 Coríntios 5:
1 ), assim também havia ladrões' e as tentativas de moderar a palavra são arbitrárias e supérfluas. "- Meyer. - GA]

[345] katharoi. O Cathari, ou puro, era o título que os novatianos indiretamente assumiram, ao afirmar que nenhum
deles era a favor de Deus, mas aqueles que não pecaram após o batismo, ou que eram puros como o batismo os
fizeram, e separando-se da Igreja para conceder absolvição. aos penitentes. O cisma teve origem em Roma em meados
do terceiro século. Por conseguinte, no texto, São Crisóstomo diz que, enquanto todos os homens precisam
continuamente de perdão, aqueles que se mostraram limpos ou puros sem assegurá-lo foram, como sem ele, todos
os homens impuros. [E ele afirma fortemente, como contra os novacenses, que é possível afastar a culpa dos pecados
cometidos após o batismo, deixando de praticá-los e trabalhando o que é bom. Essa visão, no entanto, difere da visão
protestante, que o afastamento da culpa do pecado é, a princípio, e sempre através da misericórdia e graça de Deus
em Jesus Cristo - GA] No sexto dos onze novos Homilias editados pelos beneditinos, t. xii. p. 355, ele diz que podemos
também falar do mar estar livre de ondas como qualquer alma pura dos pecados diários, embora não transgredindo
o mandamento expresso, mas de vaidade, obstinação, pensamentos impuros, cobiça, mentira, ressentimento, inveja,
etc. e menciona como meio de lavar os pecados, ir à Igreja, lamentar-se por eles, confessá-los, fazer esmolas, orar,
ajudar os feridos e perdoar os ferimentos. "Vamos nos dar a eles", prossegue ele, "todo dia, lavando-se, limpando-nos
e confessando-nos não-lucrativos", ao contrário do fariseu. "Assim nos ordenando,

[346] [A cláusula, "E bem ele dá instruções concernentes às nossas palavras também" (kalos de kai peri logon didaskei),
é omitida no texto de Field, mas está bem atestada (três mss., Sav. Text), e quase indispensável ao sentido da
passagem. Compare nota, p. 82, no texto de Field em geral.

[347] ["Significa que pode conceder uma bênção, conceder um benefício aos ouvintes." - Meyer e Ellicott - GA]

[348] [Esta é provavelmente uma má aplicação das palavras de Paulo aqui. O selamento aqui mencionado é o mesmo
que no cap. Eu. 13 .-- GA]

[349] [ennoeson tina eutheos ephthenxo rh & 208; mata techtheis, ktl Isto, evidentemente, refere-se ao batismo e aos
serviços e palavras usados em relação a isso. Bingham diz: "Os catecúmenos não aprenderam o credo e a oração do
Senhor até imediatamente antes do batismo". E Crisóstomo diz: "Uma pessoa não batizada ainda não pode chamar
Deus de seu Pai". Santo Agostinho também diz em uma de suas homilias: "Agora aprenda a oração do Senhor, que
deveis repetir daqui a oito dias, quando devereis ser batizados". Então, eles o receberam (isto é, a oração do Senhor)
somente no sábado antes do Domingo de Ramos, para repeti-lo no sábado antes da Páscoa, que era o dia do batismo
deles. Antiguidades, Bk. x. CH. v. seg. 9 .-- GA]

[350] [Este parágrafo faz referência à celebração da Eucaristia, sobre a qual, veja Hom. Crisóstomo. xviii. em 2 Cor. viii.
24) .-- GA]

[351] hagiazein.
[352] hagios, hagios, hagios.

Efésios 4:30
E não aflija o Espírito Santo de Deus, pelo qual estais selados até o dia da redenção.
Efésios 4:31
Que toda a amargura, ira, ira e clamor e má fala sejam afastados de você, com toda a malícia.
"Que toda amargura, ira, e ira, e clamor, e trilhos sejam afastados de você, com toda a malícia. E sejam gentis uns com
os outros, ternos de coração, perdoando uns aos outros, assim como Deus também em Cristo te perdoou "
Se quisermos alcançar o reino dos Céus, não é suficiente abandonar a maldade, mas deve haver prática abundante
daquilo que é bom também. Para sermos libertados do inferno, devemos nos abster da maldade; mas para alcançar o
reino devemos nos apegar rapidamente à virtude. [362] Não sabeis que mesmo nos tribunais dos pagãos, quando se
faz o exame dos feitos dos homens, e toda a cidade está reunida, esse é o caso? Não, havia um costume antigo entre
os pagãos, de coroar com uma coroa de ouro, [363] - não o homem que não fizera mal a seu país, pois isso em si não
era mais que suficiente para salvá-lo da punição; - mas aquele que exibiu grandes serviços públicos. Era assim que um
homem deveria ser promovido a essa distinção. Mas o que eu tinha de especial a dizer tinha, não sei bem como, quase
me escapou.

Pois, como eu estava dizendo que a partida do mal é suficiente para evitar que caíssemos no inferno, enquanto eu
falava, roubou-me uma certa sentença horrível, que não apenas vinga os que se atrevem a cometer o mal, mas que
também pune aqueles que omitem qualquer oportunidade de fazer o bem. Que frase então é isso? Quando chegou o
dia, o dia terrível, Ele disse, chegou a hora marcada, o Juiz, sentado no tribunal, pôs as ovelhas à direita e as cabras à
esquerda; e para as ovelhas Ele disse: "Vinde abençoado de meu Pai, herde o reino preparado para você desde a
fundação do mundo: pois eu estava com fome e me dava carne". ( Mateus 25:34.) Até agora, bem. Porque era certo
que para tal compaixão eles deviam receber essa recompensa. Que aqueles, no entanto, que não comunicaram de
suas próprias posses para eles que estavam em necessidade, que eles deveriam ser punidos, não meramente pela
perda de bênçãos, mas sendo também enviados para o fogo do inferno, o que justa razão, eu digo , pode haver nisso?
Certamente isto também terá uma justa demonstração de razão, não menos do que o outro caso: pois somos
instruídos de que aqueles que fizeram o bem gozarão daquelas coisas boas que estão no céu, mas que, embora não
tenham com efeito, o mal a ser acusado, mas omitido fazer o bem, será apressado com os que fizeram o mal para o
fogo do inferno. A menos que alguém possa realmente dizer isto, que o próprio não fazer o bem é uma parte da
maldade, visto que vem da indolência, e a indolência é uma parte do vício, ou melhor, não uma parte, mas uma fonte
e uma raiz maldosa. Pois a ociosidade é o professor de todo vício. Não vamos, então, indagadamente, fazer perguntas
como estas: que lugar ele ocupará, que não fez mal nem bem algum? Pois o próprio não fazer o bem, está em si mesmo
fazendo o mal. Diga-me, se tu tens um servo, que não deve roubar, nem insultar, nem contradizê-lo, que além disso
deve evitar embriaguez e qualquer outro tipo de vício, e ainda deve sentar-se perpetuamente em ociosidade, e não
fazendo um desses deveres um servo deve ao seu senhor, você não o castigaria, você não o colocaria na prateleira?
Conte-me. E ainda assim, ele não fez o mal. Não, mas isso é em si mesmo fazendo mal. Mas vamos, por favor, aplicar
isso a outros casos na vida. Suponha então que de um lavrador. Ele não causa danos à nossa propriedade ele não
coloca tramas contra nós, e ele não é um ladrão, ele apenas amarra as mãos atrás dele, e fica em casa, sem plantar,
nem cortando um único sulco, nem atrelando bois ao jugo, nem cuidando de uma videira, nem de fato, descarregando
qualquer um desses outros trabalhos requeridos na criação. Agora, eu digo, não deveríamos punir tal homem? E, no
entanto, ele não fez mal a ninguém; nós não temos nenhum custo para fazer contra ele. Não, mas por essa mesma
coisa ele errou. Ele faz de errado porque não contribui com sua parte para o bem comum do bem. E o que mais uma
vez, diga-me, se todos os artesãos ou mecânicos só não fizessem mal, digamos, a um de um ofício diferente - não, não
causaria nenhum dano, mesmo a um de seus próprios, mas apenas seriam ocioso Toda a nossa vida, nesse ritmo, não
estaria totalmente acabada e pereceria? Você deseja que eu estenda ainda mais o discurso com referência ao corpo
também? Que a mão, então, não bata na cabeça, nem quebre a língua, nem arranque os olhos, nem faça nenhum mal
desse tipo, mas apenas permaneça ocioso e não dê o devido serviço ao corpo em geral; não seria mais adequado que
fosse cortado do que aquele que deveria ser levado à ociosidade e um prejuízo para todo o corpo? E também, se a
boca, sem devorar a mão ou morder o peito, deve falhar em todos os seus deveres; Não seria muito melhor que isso
fosse interrompido? Se, portanto, tanto no caso dos servos, como da mecânica, e de todo o corpo, não apenas a
comissão do mal, mas também a omissão do que é bom,

Moral. E, portanto, o abençoado Paulo, ao nos afastar do pecado, nos conduz à virtude. Pois onde, diga-me, é a
vantagem de todos os espinhos serem cortados, se as boas sementes não forem semeadas? Pois nosso trabalho,
permanecendo inacabado, virá e terminará na mesma travessura. E, portanto, Paulo também, em sua profunda e
afetuosa ansiedade por nós, não deixa suas admoestações para erradicar e destruir os maus temperamentos, mas nos
incita imediatamente a evidenciar a implantação dos bons. Por ter dito: "Toda a amargura, e ira, e clamor, e trilhos
sejam afastados de você, com toda a malícia", ele acrescenta, "E seja gentil uns com os outros, terna, perdoando um
ao outro " Pois todos esses são hábitos e disposições. E o nosso abandono de uma coisa não é suficiente para nos
acomodar na prática habitual do outro, mas há necessidade novamente de algum novo impulso, e de um esforço não
menor do que aquele feito em nossa evitação de disposições más, a fim de adquirirmos os bons. Pois assim, no caso
do corpo, o homem negro, se ele se livrar dessa compleição, não se torna imediatamente branco. Ou melhor, não
conduzamos nosso discurso com um argumento de sujeitos físicos, mas extraímos nosso exemplo daqueles que dizem
respeito à escolha moral. Aquele que não é nosso inimigo não é necessariamente nosso amigo; mas há um estado
intermediário, nem de inimizade, nem de amizade, que é talvez aquele em que a maior parte da humanidade está em
nossa direção. Aquele que não está chorando não está necessariamente rindo, mas há um estado entre os dois. E
assim, eu digo, é o caso aqui. Aquele que não é "amargo" não é necessariamente "gentil" nem é ele que não é "irado"
necessariamente "de coração terno"; mas há necessidade de um esforço distinto para adquirir essa excelência. E agora
veja como o abençoado Paulo, de acordo com as regras da melhor criação, limpa e trabalha completamente a terra
que lhe foi confiada pelo lavrador. Ele tirou as sementes ruins; ele agora nos exorta a reter as boas plantas. "Seja
gentil", diz ele, pois se, quando os espinhos forem arrancados, o campo permanecer ocioso, ele voltará a suportar
ervas daninhas não lucrativas. E, portanto, é necessário preocupar-se com seu estado desocupado e ocioso pelo
estabelecimento de boas sementes e plantas. Ele tira a "raiva", ele coloca em "bondade"; ele tira "amargura", ele
coloca em "ternura de coração"; ele extirpa "malícia" e "corrimão" ele planta "perdão" em seu lugar. Pois a expressão
"perdoar um ao outro" é isto; estar disposto, ele quer dizer, perdoar um ao outro. E esse perdão é maior do que aquilo
que é mostrado em assuntos financeiros. Pois ele, na verdade, que perdoa uma dívida de dinheiro para ele que tomou
emprestado dele, é, é verdade, um ato nobre e admirável, mas então a bondade é confinada ao corpo, embora para
ele mesmo realmente pague uma recompensa completa por aquilo. benefício que é espiritual e diz respeito à alma;
enquanto aquele que perdoa as transgressões beneficiará igualmente a sua própria alma e a alma daquele que recebe
o perdão. Pois por este modo de agir, ele não só se torna, mas o outro também, mais caridoso. Porque não tocamos
tão profundamente as almas daqueles que nos ofenderam, vingando-nos, perdoando-os, e, assim, envergonhando-os
e exalando-os. Pois pelo outro curso não faremos bem, seja para nós mesmos ou para eles, mas estaremos fazendo
mal a ambos buscando a retaliação, como os governantes dos judeus, e acendendo a ira que neles há; mas, se
retribuirmos a injustiça com delicadeza, desarmaremos toda a sua ira e armaremos no peito um tribunal que dará um
veredicto a nosso favor e o condenará mais severamente do que nós mesmos. Pois ele convencerá e sentenciará a si
mesmo, e buscará todo pretexto para retribuir a parte da longanimidade que lhe foi concedida com medida mais
completa, sabendo que, se ele a retribuir em igual medida, ficará assim em desvantagem, não tendo ele mesmo feito
o começo, mas recebeu o exemplo de nós. Ele se esforçará para exceder em medida, a fim de eclipsar, pelo excesso
de sua recompensa, a desvantagem que ele mesmo sustenta por ter sido o segundo em avançar em direção ao
retribuição; e a desvantagem novamente que se acumula ao outro do tempo, se ele fosse o primeiro sofredor, isto
comporá pelo excesso de bondade. Para os homens, se tiverem a mente certa, não são tão afetados pelo mal quanto
pelo bom tratamento que podem receber nas mãos daqueles a quem feriram. Pois é um pecado básico, e é motivo de
censura e desprezo para um homem que é bem tratado não devolvê-lo; enquanto que, para um homem maltratado,
não se ofender, isso tem o louvor e o aplauso, e a boa palavra de todos. E, portanto, são mais profundamente tocados
por essa conduta do que qualquer outra. pelo excesso de sua recompensa, a desvantagem que ele mesmo sustenta
por ter sido o segundo em avançar em direção ao retribuição; e a desvantagem novamente que se acumula ao outro
do tempo, se ele fosse o primeiro sofredor, isto comporá pelo excesso de bondade. Para os homens, se tiverem a
mente certa, não são tão afetados pelo mal quanto pelo bom tratamento que podem receber nas mãos daqueles a
quem feriram. Pois é um pecado básico, e é motivo de censura e desprezo para um homem que é bem tratado não
devolvê-lo; enquanto que, para um homem maltratado, não se ofender, isso tem o louvor e o aplauso, e a boa palavra
de todos. E, portanto, são mais profundamente tocados por essa conduta do que qualquer outra. pelo excesso de sua
recompensa, a desvantagem que ele mesmo sustenta por ter sido o segundo em avançar em direção ao retribuição;
e a desvantagem novamente que se acumula ao outro do tempo, se ele fosse o primeiro sofredor, isto comporá pelo
excesso de bondade. Para os homens, se tiverem a mente certa, não são tão afetados pelo mal quanto pelo bom
tratamento que podem receber nas mãos daqueles a quem feriram. Pois é um pecado básico, e é motivo de censura
e desprezo para um homem que é bem tratado não devolvê-lo; enquanto que, para um homem maltratado, não se
ofender, isso tem o louvor e o aplauso, e a boa palavra de todos. E, portanto, são mais profundamente tocados por
essa conduta do que qualquer outra. e a desvantagem novamente que se acumula ao outro do tempo, se ele fosse o
primeiro sofredor, isto comporá pelo excesso de bondade. Para os homens, se tiverem a mente certa, não são tão
afetados pelo mal quanto pelo bom tratamento que podem receber nas mãos daqueles a quem feriram. Pois é um
pecado básico, e é motivo de censura e desprezo para um homem que é bem tratado não devolvê-lo; enquanto que,
para um homem maltratado, não se ofender, isso tem o louvor e o aplauso, e a boa palavra de todos. E, portanto, são
mais profundamente tocados por essa conduta do que qualquer outra. e a desvantagem novamente que se acumula
ao outro do tempo, se ele fosse o primeiro sofredor, isto comporá pelo excesso de bondade. Para os homens, se
tiverem a mente certa, não são tão afetados pelo mal quanto pelo bom tratamento que podem receber nas mãos
daqueles a quem feriram. Pois é um pecado básico, e é motivo de censura e desprezo para um homem que é bem
tratado não devolvê-lo; enquanto que, para um homem maltratado, não se ofender, isso tem o louvor e o aplauso, e
a boa palavra de todos. E, portanto, são mais profundamente tocados por essa conduta do que qualquer outra. não
são tão afetados pelo mal como pelo bom tratamento que podem receber nas mãos daqueles a quem feriram. Pois é
um pecado básico, e é motivo de censura e desprezo para um homem que é bem tratado não devolvê-lo; enquanto
que, para um homem maltratado, não se ofender, isso tem o louvor e o aplauso, e a boa palavra de todos. E, portanto,
são mais profundamente tocados por essa conduta do que qualquer outra. não são tão afetados pelo mal como pelo
bom tratamento que podem receber nas mãos daqueles a quem feriram. Pois é um pecado básico, e é motivo de
censura e desprezo para um homem que é bem tratado não devolvê-lo; enquanto que, para um homem maltratado,
não se ofender, isso tem o louvor e o aplauso, e a boa palavra de todos. E, portanto, são mais profundamente tocados
por essa conduta do que qualquer outra.

Assim, se você tem o desejo de se vingar, vingue-se dessa maneira. Retribui o bem para o mal, para que o entregasses
ao teu devedor e alcançasse uma vitória gloriosa. Você sofreu o mal? Faça o bem; assim te vingue do teu inimigo. Pois
se você vai se ressentir, todos culparão tanto você quanto ele. Considerando que, se tu suportares, será de outro
modo. Eles vão aplaudir e admirar; mas ele eles reprovarão. E que maior castigo pode haver para um inimigo do que
contemplar seu inimigo admirado e aplaudido por todos os homens? O que é mais amargo para um inimigo do que se
ver reprovado por todos diante do rosto de seu inimigo? Se te vingares contra ele, serás condenado a ti mesmo e serás
o único vingador; enquanto, se tu perdoares a ele, todos serão vingadores em teu lugar. E isso será muito mais severo
do que qualquer mal que ele possa sofrer, que seu inimigo tenha tantos para vingá-lo. Se tu abrires a tua boca, eles
ficarão em silêncio; mas, se estiveres em silêncio, não com uma só língua, mas com dez mil línguas de outros, tu o
feres e vês a mais vingativa. E, na verdade, se o repreender, muitos deles lançarão imputações (pois dirão que as tuas
palavras são de paixão); mas quando outros que não sofreram nenhum mal dele o sobrecarregam com censuras, então
é a vingança especialmente clara de toda suspeita. Pois quando aqueles que não sofreram dano, em conseqüência de
sua tolerância excessiva, sentem e simpatizam com você, como se tivessem sido injustiçados, esta é uma vingança
clara de qualquer suspeita. "Mas então," você dirá " quando eles estiverem no clima, eles farão isso, e continuarão a
zombar dele e abusar dele. E se ninguém mais te admira, o próprio homem com certeza irá admirá-lo, embora ele não
possa possuí-lo. Pois nosso julgamento do que é certo, embora cheguemos ao mais profundo da maldade, permanece
imparcial e imparcial. Por que, suponha que você, nosso Senhor Cristo disse: "Quem te ferir na face direita, voltar-se
para ele, o outro também"? ( quando eles estiverem no clima, eles farão isso, e continuarão a zombar dele e abusar
dele. E se ninguém mais te admira, o próprio homem com certeza irá admirá-lo, embora ele não possa possuí-lo. Pois
nosso julgamento do que é certo, embora cheguemos ao mais profundo da maldade, permanece imparcial e imparcial.
Por que, suponha que você, nosso Senhor Cristo disse: "Quem te ferir na face direita, voltar-se para ele, o outro
também"? (Mateus 5:39 . Não é porque quanto mais longânime é o homem, mais sinaliza o benefício que ele confere
tanto a si mesmo quanto ao outro? Por essa razão, Ele nos encarrega de "virar o outro também", para satisfazer o
desejo dos enfurecidos. Pois quem é um monstro que não seja ao mesmo tempo envergonhado? Dizem que os
próprios cachorros sentem isso; porque se eles latirem e atacarem um homem, e ele se jogar de costas e não fizer
nada, ele põe um fim a toda a sua ira. [365] Se eles reverenciam o homem que está pronto para sofrer o mal deles,
muito mais a raça do homem o fará, na medida em que eles sejam mais racionais.

No entanto, é correto não ignorar o que um pouco antes me veio à lembrança e fui apresentado para um testemunho.
E o que então foi isso? Nós estávamos falando dos judeus, e dos principais governantes entre eles, como eles eram
culpados, como se estivessem buscando retaliação. E, no entanto, isso a lei lhes permitia; "olho por olho e dente por
dente." ( Levítico 24:20 ) É verdade, mas não para a intenção de que os homens arranquem os olhos um do outro, mas
que eles verifiquem ousadia na agressão, por medo de sofrer em troca, e portanto não devem fazer mal algum aos
outros, nem sofrer qualquer mal dos outros. Por isso foi dito, "olho por olho", para atar as mãos do agressor, não para
soltar o seu contra ele; não para afastar a mágoa de seus olhos apenas,

Mas, quanto ao que eu estava perguntando, - por que, se a retaliação fosse permitida, eles eram acusados de praticá-
la? O que quer que isso signifique? Ele aqui fala de vingança; pois, no impulso do momento, ele permite que o sofredor
aja, como eu dizia, para verificar o agressor; mas para guardar rancor, ele não permite mais; porque o ato então não
é mais de paixão, nem de fúria fervente, mas de malícia premeditada. Agora Deus perdoa aqueles que podem ser
levados, talvez por um sentimento de indignação, e correm para se ressentir. Por isso Ele diz "olho por olho"; e mais
uma vez, "os caminhos dos vingativos levam à morte". [366] Agora, se, onde foi permitido colocar olho no olho, tão
grande punição é reservada para o vingativo, quanto mais para aqueles que são convidados a expor-se a maus-
tratos.Mateus 7: 2 ), e para que ambos possamos escapar das ciladas desta vida presente, e no dia que está próximo,
possamos obter o perdão em Suas mãos, através da graça e benevolência de nosso Senhor Jesus Cristo, com a quem,
junto ao Pai, junto com o Espírito Santo, seja glória, poder e honra, tanto agora como para todo o sempre. Um homem.

Notas de rodapé:

[362] [Esse modo de dizer isso implicaria que há um lugar intermediário, nem inferno nem céu, que Crisóstomo sentiu;
e assim ele se corrige um pouco abaixo. Isso não parece ser um truque do orador.

[363] [Os atenienses, por exemplo, concederam uma coroa de ouro a Demóstenes, e sua célebre oração "Sobre a
Coroa" foi ocasionada por esse costume ao qual se refere Crisóstomo.]

[364] ["Não seja" (este), mas torne-se "(ginesthe), de acordo com o arthō aph 'humon, deixe-o ser afastado" de você.
"- Meyer. - GA]

[365] [Compare Odyssey, Bk. xiv. 33-36, onde Ulisses assim silencia os cães de Eumus: - "Assim como Ulysses perto do
recinto desenhou, Com bocas abertas os furiosos mastins voaram; Down sentou-se o sábio, e, cauteloso para resistir,
Deixou cair o cassetete ofensivo da sua mão ". Tradução do Papa - GA]

[366] [ Provérbios 12:28 , de acordo com a Septuaginta, que tem hodoi de mnesikakon eis thanaton. O Rev. Ver.,
Seguindo o hebraico, tem: "E no seu caminho (justiça) não há morte." - GA]

Efésios 4:31 "Que toda a amargura, ira, e ira, e clamor e corrimão sejam afastados de você, com toda a malícia."

Como as abelhas nunca se estabelecerão em um recipiente impuro, e esta é a razão pela qual aqueles que são peritos
nesses assuntos borrifam o lugar com perfumes, e pomadas perfumadas e odores doces; e os cestos de vime também,
nos quais eles terão de se instalar assim que saírem das colmeias e borrifarem com vinhos perfumados, e todos os
outros doces, para que não haja cheiro desagradável para aborrecê-los e afastá-los novamente, - Então, na verdade,
é também com o Espírito Santo. Nossa alma é uma espécie de vaso ou cesto, capaz de receber os enxames de dons
espirituais; mas se houver nele fel, e "amargura e ira", os enxames voarão para longe. Por isso, este abençoado e sábio
lavrador limpa bem e bem os nossos vasos, não retendo nem faca nem qualquer outro instrumento de ferro, e convida-
nos a este enxame espiritual; e, ao reuni-lo, ele nos purifica com orações e trabalhos, e todo o resto. Mark então como
ele limpa nosso coração. Ele baniu a mentira, baniu a raiva. Agora, novamente, ele está apontando como esse mal
pode ser ainda mais erradicado; se não formos, diz ele, "amargo" em espírito. Pois é como é costume acontecer com
a nossa bílis, se houver pouco, haverá pouco distúrbio se o receptáculo explodir: mas se alguma vez a força e asperezas
dessa qualidade se tornarem excessivas, o recipiente que antes de segurá-lo, não mais contendo, é como se tivesse
sido consumido por um fogo escaldante, e não é mais capaz de segurá-lo e contê-lo dentro de seus limites, mas,
separado por sua nitidez intensa, ele permite escapar e ferir todo o corpo. E é como uma fera feroz e feroz, que foi
trazida para uma cidade; contanto que esteja confinado nas gaiolas feitas para ele, porém ele pode se enfurecer, mas
pode rugir, não será capaz de causar dano a ninguém; mas se for vencido pela raiva, romper as barras intervenientes
e for capaz de saltar, enche a cidade de todo tipo de confusão e perturbação, e coloca todos em fuga. Tal é de fato a
natureza também da bile. Enquanto for mantido dentro de seus limites adequados, não nos causará grandes danos;
mas assim que a membrana que a envolve irrompe, e não há nada que impeça seu ser ao mesmo tempo disperso por
todo o sistema, então digo, naquele momento, embora seja tão insignificante em quantidade, Contudo, devido à força
desordenada de sua qualidade, contamina todos os outros elementos de nossa natureza com sua própria virulência
peculiar. Por encontrar o sangue, por exemplo, próximo a ele, tanto no lugar como na qualidade, e tornando o calor
que está naquele sangue mais acre, e tudo o mais de fato próximo; Passando de sua justa temperatura, transborda
seus limites, transforma-se em bílis e, com isso, ataca igualmente as outras partes do corpo; e assim infundindo em
toda a sua própria qualidade venenosa, torna o homem sem palavras, e faz com que ele expire, expulsando a vida.
Agora, por que afirmei todas essas coisas com tamanha minúcia? É para entender, a partir desta amargura que é do
corpo, o mal intolerável daquela amargura que é da alma, e quão completamente destrói em primeiro lugar a própria
alma que a engendra, tornando tudo amargo, podemos escapar à experiência dela. Pois, como o indivíduo inflama
toda a constituição, o outro também os pensamentos, e leva o cativo para o abismo do inferno. A fim de que,
examinando cuidadosamente essas questões, possamos escapar desse mal e refrear o monstro, ou melhor, erradicá-
lo, vamos ouvir o que Paulo diz: "Que toda a amargura seja" (não destruída, mas) " de você. Pois que necessidade
tenho de perturbá-lo, que necessidade há de vigiar um monstro, quando está em meu poder expulsá-lo de minha
alma, removê-lo e expulsá-lo, por assim dizer, para o banimento? Vamos ouvir então a Paulo quando ele disser: "Que
toda a amargura seja afastada de você". Mas ah, a perversidade que nos possui! Embora devamos fazer tudo para
efetuar isso, ainda há alguns tão verdadeiramente sem sentido a ponto de parabenizarem-se por esse mal, e se
orgulharem dele, se gloriarem nele e serem invejados pelos outros. "Tal pessoa", dizem eles, "é um homem amargo,
ele é um escorpião, uma serpente, uma víbora". Eles olham para ele como alguém a ser temido. Mas, portanto, bom
homem, temes a pessoa amarga? "Temo", você diz, "para que ele não me machuque, para que não me destrua; não
sou a prova de sua malícia, receio que ele me leve a ser um homem simples e incapaz de prever qualquer de seus
planos, e lance-me em suas armadilhas e nos envolva nas labutas que ele nos propôs enganar. Agora não posso deixar
de sorrir. E por que tão? Porque estes são os argumentos dos filhos, que temem coisas que não devem ser temidas.
Certamente não há nada que devamos desprezar, nada devemos rir assim, como um homem amargo e malicioso. Pois
não há nada tão impotente [355] quanto a amargura. Isso faz homens tolos e sem sentido.

Não vedes que a malícia é cega? Nunca ouvistes que aquele que abre uma cova para os seus vizinhos, digita-a para si?
Como, pode-se dizer, não devemos temer uma alma cheia de tumulto? Se, de fato, devemos temer o amargo da
mesma forma que tememos os maus espíritos, os tolos e os loucos (pois, de fato, fazem tudo ao acaso), eu mesmo o
concedo; mas se devemos temê-los como homens habilidosos na condução dos negócios, isso nunca. Pois nada é tão
necessário para a boa conduta dos negócios como prudência; e não há maior impedimento para a prudência do que
a maldade, a malícia e o vazio. Olhe para as pessoas biliosas, quão feias elas são, com toda a sua flor murchada. Quão
fracos eles são, insignificantes e impróprios para qualquer coisa. Assim também são almas desta natureza. O que mais
é maldade, mas uma icterícia da alma? A maldade então não tem força, de fato não tem. Você tem uma mente que
eu faço novamente o que estou dizendo claro para você por um exemplo, colocando diante de você os retratos de um
homem traiçoeiro e sincero? Absalão era um homem traiçoeiro e "roubou todos os corações dos homens". (2 Samuel
15: 6. ) E observe quão grande foi a sua traição. "Ele andou", diz, "e disse: Não tens juízo?" [356] desejando conciliar
cada um a si mesmo. Mas David foi sincero. O que então? Olhe para o final de ambos, olha, quão cheia de loucura
absoluta foi a primeira! Pois na medida em que ele olhava apenas para a dor de seu pai, em todas as outras coisas ele
estava cego. Mas não é assim David. Pois "aquele que anda na retidão, certamente anda" ( Provérbios 10: 9.); e
razoavelmente; ele é aquele que não administra nada sub-subtilmente, o homem que não cria nenhum mal.
Escutemos então o bem-aventurado Paulo, e tenhamos piedade, sim, choremos pelos aborrecidos e pratiquemos
todos os métodos, façamos tudo para extirpar este vício de suas almas. Pois como não é absurdo que, quando há bile
dentro de nós (embora isso realmente seja um elemento útil, pois sem bile um homem não pode existir, essa bile,
quero dizer, que é um elemento de sua natureza), como então, Eu digo, não é absurdo que façamos tudo o que
pudermos para nos livrar disso, embora estejamos tão altamente beneficiados por isso; e ainda que não devamos
fazer nada, nem nos esforçar, para nos livrar daquilo que está na alma, embora não seja em nenhum caso benéfico,
mas mesmo no mais alto grau injurioso. Aquele que pensa que é "sábio entre vós", diz ele, "que ele se torne um tolo,
para que ele possa se tornar sábio". (1 Coríntios 3:18 .) Também ouça novamente o que Lucas diz: "Eles tomaram a
sua comida com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e tendo graças a todo o povo". ( Atos 2:46, 47. Por
que, não vemos agora mesmo que os simples e sinceros desfrutam da estima comum de todos? Ninguém inveja tal
pessoa quando está em prosperidade, ninguém o atropela quando está em adversidade, mas todos se alegram com
ele quando está bem, e entristecem-se com ele no infortúnio. Considerando que sempre que um homem amargo se
sai bem, todo e qualquer lamento, como se alguma coisa má acontecesse; mas se ele é infeliz, todos se alegram. Vamos
ter pena deles, pois eles têm inimigos comuns em todo o mundo. Jacó era um homem sem culpa, mas ele venceu o
traiçoeiro Esaú. "Pois em uma alma maliciosa a sabedoria não entrará." (Wisd. I. 4.) "Deixe toda a amargura ser
afastada de você." Que nem mesmo um remanescente permaneça, pois, com certeza, se for mexido, como se fosse
de uma marca fumegante, para transformar tudo dentro de uma chama inteira. Vamos então entender claramente o
que é essa amargura. Tomemos, por exemplo, o homem de coração oco, o astuto, o homem que está vigilante para
fazer o mal, o homem da suspeita do mal. Dele, em seguida, "ira" e "raiva" são produzidos; pois não é possível que
uma alma assim esteja em paz, mas a raiz da "ira" e "ira" é "amargura". O homem desse personagem é taciturno e
nunca desiste de sua alma; ele é sempre mal humorado, sempre sombrio. Pois como eu estava dizendo, eles mesmos
são os primeiros a colher o fruto de seus próprios maus caminhos. pois não é possível que uma alma assim esteja em
paz, mas a raiz da "ira" e "ira" é "amargura". O homem desse personagem é taciturno e nunca desiste de sua alma; ele
é sempre mal humorado, sempre sombrio. Pois como eu estava dizendo, eles mesmos são os primeiros a colher o
fruto de seus próprios maus caminhos. pois não é possível que uma alma assim esteja em paz, mas a raiz da "ira" e
"ira" é "amargura". O homem desse personagem é taciturno e nunca desiste de sua alma; ele é sempre mal humorado,
sempre sombrio. Pois como eu estava dizendo, eles mesmos são os primeiros a colher o fruto de seus próprios maus
caminhos.

"E clamor", acrescenta ele.


O que agora, e você tira clamor também? Sim, pois o homem manso deve ser de tal caráter, porque o clamor carrega
a ira, como um cavalo seu cavaleiro; tropeçar no cavalo e você jogará o cavaleiro.

Moral. Isso faz com que as mulheres, acima de tudo, cuidem delas, que em todas as ocasiões choram em voz alta e
gritam. Há apenas uma coisa em que é útil chorar em voz alta, pregando e ensinando. Mas em nenhum outro caso,
não, nem mesmo em oração. E se você quiser aprender uma lição prática, nunca chore alto, e então você nunca ficará
zangado. Veja um jeito de manter seu temperamento; pois, como não é possível que o homem que não grita fique
enfurecido, não é assim que o homem que grita deve ser indiferente. Pois não me fale de um homem ser implacável
e vingativo, e de amargura natural pura, e de um calafrio natural. Estamos falando agora do súbito paroxismo dessa
paixão.

Contribui então não pouco para este fim, para disciplinar a alma para nunca levantar a voz e chorar em voz alta. Corte
o clamor, e você cortará as asas da raiva, reprimirá a primeira subida do coração. Pois, como é impossível a um homem
lutar sem levantar as mãos, não é possível que ele se envolva em uma briga sem levantar a voz. Amarre as mãos do
boxeador e depois lance-o para atacar. Ele não será capaz de fazer isso. Assim também a ira será desarmada. Mas o
clamor aumenta, mesmo quando não existe. E, portanto, é especialmente que o sexo feminino é tão facilmente
ultrapassado por ele. As mulheres, quando estão zangadas com as criadas, enchem toda a casa com o seu próprio
clamor. E muitas vezes também, se a casa é construída ao longo de uma rua estreita, então todos os transeuntes
ouvem a patroa repreendendo e a empregada chorando e lamentando. O que pode ser mais vergonhoso do que o
som desses gemidos? [357] O que no mundo aconteceu lá? Todas as mulheres se aproximam imediatamente e uma
delas diz: "Essa pessoa está batendo em sua própria empregada". O que pode ser mais desavergonhado que isso? "O
que então, alguém não deveria atacar?" Não, eu não digo (porque é preciso que seja feito), mas então não deve ser
nem freqüente nem excessivamente, nem por suas próprias falhas, como estou constantemente dizendo, nem por
qualquer pequeno fracasso em seu serviço, mas somente se ela estiver fazendo mal a sua própria alma. Se tu a
castigares por uma falta deste tipo, todos irão aplaudir, e não haverá ninguém para te repreender; mas se tu fizeres
por quaisquer razões, tudo vai condenar a tua crueldade e dureza. E o que é mais básico do que tudo, há alguns tão
ferozes e tão selvagens a ponto de atacá-los a tal ponto que as contusões não desaparecerão com o dia. Pois eles
despirão as donzelas e chamarão seus maridos com esse propósito, e muitas vezes os amarrarão aos paletes. Ai!
Naquele momento, diga-me, a lembrança do inferno não vem sobre você? O que? tira a tua serva e a expõe ao teu
marido? E não estás envergonhado, para que ele não te condene por isso? E então exasperá-lo ainda mais, e ameaçá-
la em cadeias, tendo primeiro insultado a criatura desprezível e digna de pena com dez mil nomes reprovadores, e a
chamamos de "bruxa tessália, fugitiva e prostituta"? que as contusões não vão desaparecer com o dia. Pois eles
despirão as donzelas e chamarão seus maridos com esse propósito, e muitas vezes os amarrarão aos paletes. Ai!
Naquele momento, diga-me, a lembrança do inferno não vem sobre você? O que? tira a tua serva e a expõe ao teu
marido? E não estás envergonhado, para que ele não te condene por isso? E então exasperá-lo ainda mais, e ameaçá-
la em cadeias, tendo primeiro insultado a criatura desprezível e digna de pena com dez mil nomes reprovadores, e a
chamamos de "bruxa tessália, fugitiva e prostituta"? que as contusões não vão desaparecer com o dia. Pois eles
despirão as donzelas e chamarão seus maridos com esse propósito, e muitas vezes os amarrarão aos paletes. Ai!
Naquele momento, diga-me, a lembrança do inferno não vem sobre você? O que? tira a tua serva e a expõe ao teu
marido? E não estás envergonhado, para que ele não te condene por isso? E então exasperá-lo ainda mais, e ameaçá-
la em cadeias, tendo primeiro insultado a criatura desprezível e digna de pena com dez mil nomes reprovadores, e a
chamamos de "bruxa tessália, fugitiva e prostituta"? e expô-la ao teu marido? E não estás envergonhado, para que ele
não te condene por isso? E então exasperá-lo ainda mais, e ameaçá-la em cadeias, tendo primeiro insultado a criatura
desprezível e digna de pena com dez mil nomes reprovadores, e a chamamos de "bruxa tessália, fugitiva e prostituta"?
e expô-la ao teu marido? E não estás envergonhado, para que ele não te condene por isso? E então exasperá-lo ainda
mais, e ameaçá-la em cadeias, tendo primeiro insultado a criatura desprezível e digna de pena com dez mil nomes
reprovadores, e a chamamos de "bruxa tessália, fugitiva e prostituta"?

Pois sua paixão permite que ela não poupe nem sua própria boca, mas ela olha para um único objeto, como ela pode
causar sua vingança do outro, mesmo que ela se desgraça. E depois de todas essas coisas, ela se sentará como qualquer
tirano, chamará seus filhos, convocará seu tolo marido e o tratará como um carrasco. Essas coisas devem acontecer
nas casas dos cristãos? "Sim", diz você ", mas os escravos são uma raça problemática, ousada, insolente e incorrigível".
É verdade, eu mesmo sei, mas há outras maneiras de mantê-las em ordem; por terrores, por ameaças, por palavras;
o que pode tanto tocá-la mais poderosamente, e salvar você da desgraça. Tu, que és mulher livre, proferiste palavras
obscenas e não te desonres mais do que ela? Então, se ela tiver a oportunidade de sair para o banho, há hematomas
nas costas quando ela está nua e carrega consigo as marcas da tua crueldade. "Mas", diz você, "toda a tribo de escravos
é intolerável se encontrar indulgência". É verdade que eu mesmo sei. Mas então, como eu estava dizendo, corrigi-los
de alguma outra forma, não apenas pelo flagelo, e pelo terror, mas até mesmo por bajulá-los, e por atos de bondade.
Se ela é crente, ela é sua irmã. Considera que tu és a senhora dela e que ela ministra a ti. Se ela for intemperante,
corte as ocasiões de embriaguez; liga para teu marido e admoesta-a. Ou não sentes como a coisa é vergonhosa para
uma mulher ser espancada? Pelo menos os que promulgaram dez mil punições para os homens - a estaca e a estante
- dificilmente pendurarão uma mulher, mas limitarão a ira dos homens a ferir-la no rosto; e tão grande respeito eles
observaram em relação ao sexo, que nem mesmo quando há absoluta necessidade, eles frequentemente enforcaram
uma mulher, se ela estiver grávida. Pois é uma desgraça para um homem ferir uma mulher; e se por um homem, muito
mais por alguém do seu próprio sexo. Além disso, é por essas coisas que as mulheres se tornam odiosas para seus
maridos. "O que então", podeis dizer, "se ela agir como prostituta?" Casar com ela para um marido; corta as ocasiões
da fornicação, não a deixe alimentar muito alto. "Então, se ela roubar?" Cuide dela e observe-a. "Extravagante!" tu
dirás; "O que, eu vou ser seu guardião? Que absurdo!" E por que, eu rezo não és tu para ser a guardiã dela? Ela não
tem o mesmo tipo de alma que tu? Ela não foi concedida os mesmos privilégios por Deus? Ela não participa da mesma
mesa? Ela não compartilha contigo o mesmo nascimento elevado? "Mas o que então," você dirá, "se ela deve ser um
mentiroso, ou uma fofoqueira, ou um bêbado?" No entanto, quantas mulheres livres são assim? Agora, com todas as
falhas das mulheres, Deus tem cobrado os homens a suportar: apenas, diz ele, não seja mulher prostituta, mas todas
as outras falhas, além de suportar. Sim, ela é bêbada, ou farsa, ou fofoqueira, ou de olhos malignos, ou extravagante,
e um desperdício de tuas substâncias, tu tens ela para o parceiro da tua vida. Treine e contenha-a. A necessidade está
em cima de ti. É por isso que és a cabeça. Regule-a, portanto, faça a sua parte. Sim, e se ela permanecer incorrigível,
sim, embora ela roube, Cuida dos teus bens e não a castigas tanto. Se ela for uma fofoqueira, silencie-a. Esta é a mais
alta filosofia.

Agora, porém, alguns chegam a tal altura de indecência a ponto de descobrir a cabeça e arrastar suas servas pelos
cabelos. Por que todos vocês coram? [359] Não estou me dirigindo a todos, mas àqueles que são levados a uma
conduta tão brutal. Paulo disse: "Não deixe uma mulher ser descoberta". ( 1 Coríntios 11: 5-15.) E você então tira
inteiramente o seu cocar? Vês como estás a fazer ultraje a ti mesmo? Se de fato ela aparece para você com a cabeça
nua, você chama isso de um insulto. E tu dizes que não há nada de chocante quando tu a retinas? Então direis: "E se
ela não for corrigida?" Acaricie-a então com a vara e com listras. E, contudo, quantas falhas tens tu também, e ainda
assim não és corrigido! Estas coisas eu não estou dizendo por causa deles, mas por amor de vocês mulheres livres,
para que nada façam tão indigno, nada para desgraçar vocês, para que não façam nada errado. [360] Se queres
aprender esta lição na tua casa ao lidar com a tua serva, e não ser dura mas gentil e tolerante, muito mais serás assim
no teu comportamento para com o teu marido. Para ela quem, embora tendo autoridade, não faz nada do tipo, fará
muito menos onde houver um cheque. De modo que a disciplina empregada sobre suas servas, será do maior serviço
para você em ganhar a boa vontade de seus maridos. "Pois com que medida medis", diz Ele, "será medido a vós."
(Mateus 7: 2. ) Coloque um freio na sua boca. Se tu és disciplinado para suportar bravamente com um servo quando
ela responder de volta, tu não serás aborrecido com a insolência de um igual, e estando acima do aborrecimento, terás
atingido a mais alta filosofia. Mas há alguns que acrescentam até juramentos, mas não há nada mais chocante do que
uma mulher tão enfurecida. Mas o que mais uma vez, você dirá, se ela se vestir alegremente? Por que, então, proíbe
isso; tu tens o meu consentimento; mas verifique primeiro começando por ti mesmo, não tanto pelo medo como pelo
exemplo. Seja em tudo o que é um padrão perfeito.

"E deixe que o corrimão", diz ele, "seja posto longe de você". Observe o progresso do mal. Amargura produz ira, raiva,
raiva, clamor, clamor, isto é, insultos; em seguida, do mal-falando, passa a golpes, de golpes a feridas, de feridas a
morte. Paulo, no entanto, não queria mencionar nada disso, mas apenas isto, "deixe isto", diz ele, "ser afastado de
você, com toda a malícia". [361] O que é "com toda malícia"? Termina com isso. Pois há alguns, como aqueles cães
que mordem secretamente, que não latem de modo algum àqueles que se aproximam deles, nem estão zangados,
mas que bajulam e exibem um aspecto gentil; mas quando eles nos pegarem de surpresa, vão consertar seus dentes
em nós. Estes são mais perigosos do que aqueles que assumem inimizade aberta. Agora já que há homens também
que são cachorros, que nem clamam, nem voam com paixão, nem nos ameaçam quando se ofendem, mas em segredo
estão tecendo tramas e planejando dez mil perversidades, e se vingando não em palavras, mas em ações; ele sugere
isso. Deixe essas coisas serem afastadas de você, diz ele, "com toda a malícia". Não poupe as tuas palavras e depois
vinga-te em atos. Meu propósito ao castigar minha língua e reduzir seu clamor é evitar que ela acenda uma chama
mais violenta. Mas se tu, sem qualquer arte clamorosa, fazendo a mesma coisa e acalentando o fogo e as brasas vivas,
onde está o bem do teu silêncio? Tu não sabes que essas conflagrações são as mais destrutivas de todas as que são
alimentadas por dentro, e não aparecem para aqueles que estão fora? E essas feridas são as mais mortíferas que nunca
chegam à superfície; e aquelas febres as piores que queimam os sinais vitais? Assim também é essa raiva a mais
perigosa que ataca a alma. Mas deixe que isso também seja colocado longe de você, diz ele, "com toda a malícia", de
todo tipo e grau, grande e pequeno. Vamos então ouvi-lo, vamos expulsar toda a "amargura e toda a malícia", para
que "não afliçamos o Espírito Santo". Vamos destruir toda amargura; vamos cortá-lo pelas próprias raízes. Nada bom,
nada saudável, pode vir de uma alma amarga; nada além de infortúnios, nada além de lágrimas, nada além de chorar
e gemer. Não vedes aqueles animais que rugem ou clamam, como nos desviamos deles? o leão, por exemplo, e o
urso? Mas não é assim das ovelhas; pois não há rugido, mas uma voz suave e gentil. E assim novamente com
instrumentos musicais, os que são ruidosos e severos são os mais desagradáveis ao ouvido, como o tambor e a
trombeta; enquanto aqueles que não são assim, mas são calmantes, estes são agradáveis, como a flauta e a lira e o
cachimbo. Vamos então preparar nossa alma para nunca chorar em voz alta, e assim seremos também habilitados a
ganhar o domínio sobre nossa raiva. E quando tivermos cortado isso, nós seremos os primeiros a desfrutar da calma,
e navegaremos para aquele refúgio pacífico, que Deus permita que todos possamos alcançar, em Jesus Cristo nosso
Senhor, com quem, junto com o Espírito Santo seja para o Pai glória, poder e honra, agora e sempre e por todas as
eras. Um homem. e assim seremos também habilitados a ganhar o domínio sobre nossa ira. E quando tivermos cortado
isso, nós seremos os primeiros a desfrutar da calma, e navegaremos para aquele refúgio pacífico, que Deus permita
que todos possamos alcançar, em Jesus Cristo nosso Senhor, com quem, junto com o Espírito Santo seja para o Pai
glória, poder e honra, agora e sempre e por todas as eras. Um homem. e assim seremos também habilitados a ganhar
o domínio sobre nossa ira. E quando tivermos cortado isso, nós seremos os primeiros a desfrutar da calma, e
navegaremos para aquele refúgio pacífico, que Deus permita que todos possamos alcançar, em Jesus Cristo nosso
Senhor, com quem, junto com o Espírito Santo seja para o Pai glória, poder e honra, agora e sempre e por todas as
eras. Um homem.

Notas de rodapé:

[353] [Crisóstomo parece ter observado tudo, e ele tinha o "hábito homilético", como o Dr. Shedd o chama (Hom. P.
108), na coleta de material para ilustração. O que foi dito de um grande pregador moderno, pode ser dito de
Crisóstomo: "Ele observava navios e marinheiros; ele se familiarizou com os costumes, bons e ruins, da vida comercial;
ele curiosamente inspecionou uma grande variedade de processos mecânicos; ele estreitamente observou as
operações agrícolas e as várias fases da vida rural, ele constantemente viu e ouviu o que ocorreu em sua própria casa
e outras casas, e sempre e em toda parte ele perguntou a si mesmo, como é isso? Dr. Broadus, em preparação e
entrega de sermões.

[354] [Isto parece estar em contradição direta com o que é dito algumas linhas acima, a saber, "Se houver poucas
chances de haver, haverá pouco distúrbio se o receptáculo explodir". O texto da primeira passagem está em grande
incerteza e confusão. Field chama isso de locus conclamatus. Talvez, se o texto verdadeiro dessa passagem pudesse
ser recuperado, não estaria em conflito com a passagem aqui.

[355] [Comparar Provérbios 25:28 - GA]

[356] [me esti soi krisis; mas o mês de setembro ( 2 Samuel 15: 3 ) tem hoakouon ouk esti soi para tou basileos, que é
bem traduzido pelo Rev. Ver. "Mas não há homem algum do rei para ouvir-te."

[357] [Temos aqui seguido o texto de três códices contra as emendas de Field, Savile e o ed. Beneditino. - GA]

[358] Vid. Aristoph. Nub. 749, gunaika pharmakid 'ei priamenos Thettalen. Schol., Mechri kai nun pharmakides hai
Thettalai kalountai. [Que quadro terrível das crueldades das amantes do dia de Crisóstomo! - GA]

[359] [Isto é pregação direta. Alguns chamariam de pessoal. Mas como disse Daniel Webster sobre a pregação,
devemos "tornar uma questão pessoal, pessoal, pessoal". - GA]

[360] [E que giro gracioso e conciliatório ele dá seu discurso aqui! - GA]

[361] [kakia: "Malícia", o gênero ao qual todos os vícios acima mencionados pertencem, ou melhor, o princípio ativo
ao qual todos eles são devidos, - animi pravitas, humanitati et e equitati opposita (Calvin). "- Ellicott - GA]
◄ Efésios 5 ►
Homilias de Crisóstomo
Efésios 5: 1
Sede, portanto, seguidores de Deus, como queridos filhos;
"E sejam bondosos um ao outro, ternos coração, perdoando uns aos outros, assim como Deus também em Cristo vos
perdoou. Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados, e andai em amor, como também Cristo amou a ti, e deu
Ele mesmo para nós, uma oferta e um sacrifício a Deus por um odor doce. "
Os eventos que são passados têm uma força maior do que aqueles que ainda estão por vir, e parecem ser mais
maravilhosos e mais convincentes. E assim, consequentemente, Paulo baseia sua exortação nas coisas que já foram
feitas para nós, na medida em que, por conta de Cristo, têm uma força maior. Pois para dizer: "Perdoa-vos e sereis
perdoados" ( Mateus 6:14 ), e "se não perdoardes, de pronto sereis perdoados" ( Mateus 6:15)..), isto dirigido aos
homens de entendimento, e os homens que crêem nas coisas por vir, são de grande peso; mas Paulo apela à
consciência não apenas por esses argumentos, mas também pelas coisas já feitas por nós. Do mesmo modo, podemos
escapar da punição, enquanto, neste último, podemos ter nossa parte de algum bem positivo. Tu imitaste a Cristo. Só
isso é suficiente para recomendar a virtude, que é "imitar a Deus". Este é um princípio mais elevado que o outro,
"porque faz com que o seu sol se levante sobre os maus e os bons, e faz chover sobre os justos e os injustos". ( Mateus
5:45.) Porque ele não diz apenas que estamos "imitando a Deus", mas que o fazemos naquelas coisas em que
recebemos tais benefícios. Ele nos faria amar o terno coração dos pais um para o outro. Pois de coração, aqui, se quer
dizer bondade e compaixão. Pois na medida em que não pode ser que, sendo homens, nós evitemos dar dor ou sofrer
isto, ele faz a próxima coisa, ele inventa um remédio, - que devemos perdoar um ao outro. E ainda não há comparação.
Pois se tu deveres neste momento perdoar a qualquer um, ele te perdoará novamente em troca; enquanto a Deus tu
não deu nem perdoou nada. E tu, de fato, perdoar um companheiro de servo; enquanto Deus perdoa um servo e um
inimigo, e um que O odeia.

"Assim como Deus", diz ele, "também em Cristo, você perdoou".

E isso, além disso, contém uma alta alusão. Não simplesmente, diria ele, nos perdoou, e não corre risco nem custo,
mas pelo sacrifício de Seu Filho; para que Ele pudesse perdoar-te, Ele sacrificou o Filho; enquanto tu, muitas vezes,
mesmo quando tu vês o perdão para ser ambos sem risco e sem custo, ainda não concedê-lo.

"Sede, pois, imitadores de Deus como filhos amados, e andai em amor, assim como também Cristo amou a ti, e se
entregou por nós como oferta e sacrifício a Deus, como cheiro de cheiro suave."

Para que você não pense, então, como um ato de necessidade, ouça como Ele diz que "Ele se entregou". Como teu
mestre te amou, ama teu amigo. Não, mas também não poderás amar; mas ainda assim, tanto quanto tu és capaz.
Oh, o que pode ser mais abençoado do que um som como esse! Diga-me da realeza ou qualquer outra coisa que você
queira, não há comparação. Perdoa a outro, e tu estás "imitando a Deus", tu és feito semelhante a Deus. É mais nosso
dever perdoar ofensas do que dívidas de dinheiro; porque, se perdoardes dívidas, não "imitaste a Deus"; enquanto
que se tu perdoes transgressões, tu estás "imitando a Deus". E, no entanto, como tu serás capaz de dizer: "Eu sou
pobre, e não sou capaz de perdoá-lo", isto é, uma dívida, quando tu não perdoas aquilo que tu és capaz de perdoar,
isto é, uma transgressão? E certamente não consideras que neste caso haja qualquer perda. Sim, não é um tanto
riqueza, não é abundância, não é uma loja abundante?

E eis ainda outro incitamento mais nobre: [367] - "como filhos amados", diz ele. Vós tendes outra razão convincente
para imitá-lo, não somente porque recebestes tal bem em Suas mãos, mas também em que sois chamados Seus filhos.
E já que nem todas as crianças imitam seus pais, mas aqueles que são amados, portanto, ele diz: "como filhos amados".

Efésios 5: 2
E andai em amor, como também Cristo nos amou, e se entregou por nós como oferta e sacrifício a Deus, como sabor
de bala.
Ver. 2. "Ande em amor". [368]
Eis aqui as bases de tudo! Então, onde isto é, não há "ira, sem raiva, sem clamor, sem trilhos", mas todos são
eliminados. Assim, ele coloca o ponto principal por último. De onde você nasceu? Porque foste perdoado. No mesmo
terreno em que tu tens tão vasto privilégio garantiu-te, naquela mesma terra perdoa ao teu próximo. Diz-me, digo eu,
se estivesses na prisão, e fizeste dez mil crimes para responder, e alguém te levaria para o palácio; ou melhor, para
passar adiante esse argumento, suponha que você estivesse com febre e nas agonias da morte, e alguém o
beneficiasse com algum remédio, você não o valorizaria mais do que todos, sim e o próprio nome do remédio? Pois
se assim considerarmos ocasiões e lugares pelos quais somos beneficiados, mesmo como nossas próprias almas, muito
mais devemos nós as coisas em si. Seja um amante então do amor; porque por esta arte tu és salvo, por isso fizeste
um filho. E se tu o tiveres em teu poder para salvar outro, tu não usarás o mesmo remédio, e darás o conselho a todos,
"Perdoa, para que sejais perdoados"? Assim, para incitar um ao outro, eram parte de espíritos agradecidos, generosos
e nobres.

"Assim como Cristo também", acrescenta ele, "amava você".

Tu és apenas poupando amigos, Ele inimigos. Então, muito maior é esse benefício que vem do nosso Mestre. Pois
como no nosso caso é o "mesmo como" preservado. Certamente é claro que será, por fazermos bem aos nossos
inimigos.

"E se entregou por nós como oferta e sacrifício a Deus por um odor suave".

Vês que sofrer pelos inimigos é "um cheiro adocicado" e um "sacrifício aceitável"? E se tu morreres, então serás mesmo
um sacrifício. Isso é "imitar a Deus".

Ver. 3. "Mas fornicação, e toda impureza ou cobiça, que nem mesmo seja mencionado entre vós, como se torna
santos."

Ele falou da amarga paixão da ira; ele agora vem para o mal menor: pois essa luxúria é o mal menor, ouça como Moisés
também na lei diz, primeiro: "Não matarás" ( Êxodo 20:13 ), que é a obra da ira, e então, "Não cometerás adultério" (
Êxodo 20:14 ), que é de luxúria. Pois, como "amargura" e "clamor", e "toda malícia", e "injúria" e coisas semelhantes,
são as obras do homem passional, da mesma forma são "fornicação, impureza, cobiça", as do luxurioso; já que a
avareza e a sensualidade nascem da mesma paixão. [369] Mas, assim como no primeiro caso, ele tirou "clamor" como
sendo o veículo da "raiva", então agora ele "fala sujo" e "

Ver. 4. "Nem a imundície, nem as conversas tolas, ou os gracejos, que não são condizentes, mas sim a doação de
graças."

Não tenha nenhum palavreado, nem obscenidades, nem em palavras nem em ações, e extinguirás a chama - "não
sejam sequer nomeados", diz ele, "entre vós", isto é, não façam com que, em nenhum lugar, façam sua aparição. . Isso
ele diz também por escrito aos coríntios. "Na verdade, é relatado que há fornicação entre vós" ( 1 Coríntios 5: 1.);
Tanto quanto dizer: Sede todos puros. Pois as palavras são o caminho para os atos. Então, para que ele não pareça um
tipo de pessoa proibidora e austero, e um destruidor da brincadeira, ele acrescenta a razão, dizendo "o que não é
apropriado", que nada tem a ver conosco - "mas em vez de dar graças ". O que há de bom em proferir um gracejo? tu
apenas levanta uma risada. Diga-me, será que o sapateiro alguma vez se ocupará de qualquer coisa que não pertença
ao seu ofício? ou ele vai comprar alguma ferramenta desse tipo? Não nunca. Porque as coisas de que não precisamos
não são nada para nós.

Moral. Que não haja uma palavra ociosa; pois de palavras ociosas nós caímos em palavrões. O presente não é um
período de alegria solta, mas de luto, de tribulação e de lamentação: e tu jogas o bobo da corte? Que lutador ao entrar
no ringue negligencia a luta com seu adversário e profere espirituosos? O diabo está à mão, "ele está rugindo" (1 Pedro
v. 8) para te pegar, ele está movendo tudo, e transformando tudo contra a tua vida, e está planejando te forçar do teu
retiro, ele está rangendo os dentes e gritando, ele está respirando fogo contra a tua salvação; e tu sentas, proferindo
espirituosas, e "falando loucura", e proferindo coisas "que não são apropriadas". Completamente nobremente então
tu poderás superá-lo! Estamos no esporte, amado. Você conheceria a vida dos santos? Ouça o que Paulo diz. "No
espaço de três anos, deixei de advertir todas as noites e dias com lágrimas." (Atos 20:31 .) E, se tão grande era o zelo
que ele exercia em favor deles de Mileto e Éfeso, não fazendo discursos agradáveis, mas apresentando sua
admoestação com lágrimas, o que se poderia dizer do resto? Mas ouça novamente o que ele diz aos coríntios. "De
muita aflição e angústia de coração, escrevi para você com muitas lágrimas." ( 2 Coríntios 2: 4 ) E novamente: "Quem
é fraco e eu não sou fraco?" "Quem é feito para tropeçar e eu não queimo?" ( 2 Coríntios 11:29 ) E ouça novamente o
que ele diz em outro lugar, desejando todos os dias, como se poderia dizer, sair do mundo. "Pois, na verdade, nós que
estamos neste tabernáculo, gememos" ( 2 Coríntios 5: 4.); e você rir e brincar? É tempo de guerra, e você está lidando
com os instrumentos dos dançarinos? Veja o semblante de homens em batalha, seu rosto escuro e contraído, a testa
terrível e cheia de admiração. Marque o olho severo, o coração ansioso, batendo e latejando, seu espírito recolhido,
e tremendo e intensamente ansioso. Tudo é boa ordem, tudo é boa disciplina, tudo é silêncio nos campos daqueles
que estão dispostos uns contra os outros. Eles não falam, eu não digo, uma palavra impertinente, mas eles não emitem
um único som. Ora, se os que têm inimigos visíveis e que, de maneira alguma, se ferem com palavras, observam tão
grande silêncio, tu tens os teus combates, e o chefe da tua guerra em palavras, deixas esta parte nua e exposta? Ou
és tu ignorante que é aqui que estamos mais envolvidos com armadilhas? Você está se divertindo e se divertindo, e
expressando gracejos e levantando uma risada, e considerando o assunto como um mero nada? Quantas perjúrias,
quantos feridos, quantos discursos imundos surgiram dos gracejos! "Mas não", você dirá, "amabilidades não são
assim". Ainda ouvir como ele exclui todos os tipos de brincadeiras. Agora é uma época de guerra e luta, de vigilância
e guarda, de armar e armar a nós mesmos. O tempo do riso não pode ter lugar aqui; porque isso é do mundo. Ouça o
que Cristo diz: "O mundo se regozijará, mas você ficará triste". ( quantos discursos imundos surgiram de espirituosos!
"Mas não", você dirá, "amabilidades não são assim". Ainda ouvir como ele exclui todos os tipos de brincadeiras. Agora
é uma época de guerra e luta, de vigilância e guarda, de armar e armar a nós mesmos. O tempo do riso não pode ter
lugar aqui; porque isso é do mundo. Ouça o que Cristo diz: "O mundo se regozijará, mas você ficará triste". ( quantos
discursos imundos surgiram de espirituosos! "Mas não", você dirá, "amabilidades não são assim". Ainda ouvir como
ele exclui todos os tipos de brincadeiras. Agora é uma época de guerra e luta, de vigilância e guarda, de armar e armar
a nós mesmos. O tempo do riso não pode ter lugar aqui; porque isso é do mundo. Ouça o que Cristo diz: "O mundo se
regozijará, mas você ficará triste". (João 16:20 .) Cristo foi crucificado por seus males e você riu? Ele foi fustigado e
suportou tão grandes sofrimentos por causa da tua calamidade e da tempestade que te tomou; e tu jogas o folião? E
como tu não deverás, então, provocá-lo?

Mas uma vez que o assunto parece para alguns ser de indiferença, que além disso é difícil de ser protegido, vamos
discutir um pouco este ponto, para mostrar-lhe quão grande é o mal. Pois de fato esta é uma obra do diabo, para nos
fazer desconsiderar as coisas indiferentes. Antes de mais nada, mesmo que fosse indiferente, nem mesmo nesse caso
seria correto desconsiderá-lo, quando se sabe que os maiores males são produzidos e aumentados por ele, e que
muitas vezes termina em fornicação. No entanto, isso não é mesmo indiferente é evidente a partir daí. Vamos ver
então de onde é produzido. Ou melhor, vamos ver que tipo de pessoa um santo deveria ser: gentil, manso, triste,
triste, contrito. O homem que lida com brincadeiras não é santo. Não, ele era mesmo um grego, um tal seria
desprezado. Estas são coisas permitidas somente àqueles que estão no palco. Onde a imundície é, também há
brincadeira; onde o riso fora de época é, também há gracejos. Ouça o que o Profeta diz: "Sirva o Senhor com medo e
regozije-se com o tremor". (Salmo 2:11 .) Jesting torna a alma suave e indolente. Ele excita a alma indevidamente e,
muitas vezes, está repleto de atos de violência e cria guerras. Mas o que mais? Pois bem, não vens estar entre os
homens? depois "afaste as coisas infantis". ( 1 Coríntios 13:11 ) Por que não permitirás que teu próprio servo no
mercado fale uma palavra impertinente: e tu então, que dizes ser servo de Deus, ir expressando teus gracejos em
praça pública? É bom que a alma "sóbria" não seja roubada; mas um que é relaxado e dissoluto, quem não pode levar?
Será o seu próprio assassino e não terá necessidade dos ofícios ou assaltos do diabo.

Mas, além disso, para entender isso, olhe também para o próprio nome. [370] Significa o homem versátil, o homem
de todas as compleições, o instável, o flexível, o homem que pode ser qualquer coisa e tudo. Mas longe isso é daqueles
que são servos da Rocha. Tal personagem rapidamente se transforma e muda; pois ele precisa imitar tanto o gesto
quanto a fala, e rir e andar, e tudo, sim, e tal pessoa é obrigado a inventar piadas: pois ele também precisa disso. Mas
longe seja isso de um cristão, para jogar o palhaço. Mais adiante, o homem que interpreta o bobo da corte deve,
necessariamente, incorrer no sinal de ódio dos objetos de sua ridicularização aleatória, estejam eles presentes, ou
estando ausentes, ouça-os.

Se a coisa é meritória, por que é deixado para os charlatães? O que, você se faz um charlatão, e ainda assim não se
envergonha? Por que você não permite que suas gentis façam isso? Não é isso que você estabelece como uma marca
de um imodesto, e não de um caráter discreto? Grandes são os males que habitam em uma alma dada aos gracejos;
grande é a ruína e a desolação. Sua consistência é quebrada, o prédio está deteriorado, o medo é banido, a reverência
desaparece. Você tem uma língua, não que você possa ridicularizar outro homem, mas que você pode dar graças a
Deus. Olhe para os seus criadores de festas [371], como são chamados, aqueles bufões. Estes são seus bobos. Banir
de suas almas, eu imploro a você, esta realização sem graça. É o negócio de parasitas, de charlatães, de dançarinos,
de prostitutas; Longe esteja de um generoso, longe de ser uma alma de alto nascimento, sim, até mesmo de escravos.
Se houver alguém que tenha perdido o respeito, se houver alguma pessoa desprezível, esse homem também é um
bobo da corte. Para muitos, a coisa parece ser mesmo uma virtude, e isso realmente exige nossa tristeza. Assim como
a luxúria de pequenos e pequenos impulsos se precipita para a fornicação, o mesmo acontece com os gracejos. Parece
ter uma graça sobre isso, mas não há nada mais gracioso do que isso. Porque ouve a Escritura que diz: "Antes que o
trovão seja relâmpago, e diante de um envergonhado vá em favor." [372] Agora não há nada mais sem vergonha do
que o bobo da corte; de modo que sua boca não é cheia de graça, mas de dor. Vamos banir esse costume das nossas
mesas. No entanto, há alguns que ensinam isso até aos pobres! O monstruoso! eles fazem homens em aflição
interpretar o bobo da corte. Por quê, onde esta praga não será encontrada em seguida? Já foi trazido para a própria
Igreja. Já se apoderou das próprias Escrituras. Preciso dizer alguma coisa para provar a enormidade do mal? Estou
envergonhado de fato, mas ainda assim falarei; pois estou desejoso de mostrar a que extensão o dano avançou, para
que eu não pareça ser insignificante ou discursar para você sobre algum assunto insignificante; que, mesmo assim,
posso ser capaz de retirá-lo dessa ilusão. E ninguém pense que estou fabricando, mas vou lhe contar o que realmente
ouvi. Uma certa pessoa passou a estar em companhia de um daqueles que se orgulham muito de seu conhecimento
(agora sei que vou excitar um sorriso, mas ainda assim vou dizer isso); e quando o prato foi colocado diante dele, ele
disse: "Tome e coma, crianças, E essas coisas não são suficientes para invocar os raios? E pode-se encontrar muitas
outras coisas que foram ditas por esses homens. E essas coisas não são suficientes para invocar os raios? E pode-se
encontrar muitas outras coisas que foram ditas por esses homens.

Portanto, rogo-lhes que deixemos banir o costume universalmente e falemos as coisas que nos tornam. Não bocas
santos proferem as palavras de homens desonrosos e de base. "Pois que comunhão tem justiça e iniquidade, ou que
comunhão tem luz nas trevas?" ( 2 Coríntios 6:14.) Feliz será para nós, se, tendo nos mantido afastados de todas essas
coisas sujas, sermos assim capazes de alcançar as bênçãos prometidas; muito longe de arrastar tal trem atrás de nós,
e sujar a pureza de nossas mentes por muitos. Pois o homem que interpretará o bobo da corte será em breve um
ferrador, e o guardião da ferraria continuará acumulando dez mil outros danos em si mesmo. Quando, então,
disciplinarmos estas duas faculdades da alma, raiva e desejo (vid. Plató. Cc. 25, 34), e os colocarmos como cavalos bem
quebrados sob o jugo da razão, então vamos colocou sobre eles a mente como o cocheiro, para que possamos "obter
o prêmio de nossa alta vocação" (Filipe 3:14); que Deus concede que todos possamos alcançar, por meio de Jesus
Cristo, nosso Senhor, com quem, junto com o Espírito Santo, seja para o Pai, glória, poder e honra, agora, e sempre e
por todas as idades. Um homem.

Notas de rodapé:

[367] ["Agora, para ser o filho amado de Deus, e não para se tornar como o Pai amoroso, quão contraditório era este!"
- Meyer - GA]

[368] ["And and and in love": "O kai anexa aquilo em que essa imitação de Deus deve consistir, a saber, aquele amor"
é o elemento no qual sua obra vital aconteceria, amor como Cristo também tem mostrado para nós. "- Meyer .-- GA]

[369] ["Sensualidade" e "cobiça" são os dois vícios cardinais dos pagãos que devem ser evitados pelos cristãos. "-
Meyer em iv. 19 - GA]

[370] ["eutrapelia, de eutrapelos, que é derivada de eu e trepesthai, que facilmente se transforma", e assim se adapta
aos humores e condições daqueles com quem no momento pode tratar. "- Trincheira , Sinônimos da série NT 1, p.
167.-- GA]

[371] [gelotopoious, literalmente, "risquistas". - GA]

[372] [pró-brontes kataspeudei astrape, kai pro aischunterou próeleusetai charis. - Ecclus. xxxii. 10 .-- GA]

[373] Draxasthe, paidia, me pote orgisthe koilia.

[374] ouai soi, mamona, kai para mim echonti se.

[375] Arti ouk esti gênesis. vid. Suicer, dicionário de sinônimos, voc. gênese, n. 3

Efésios 5: 3
Mas fornicação, e toda impureza, ou cobiça, não seja uma vez nomeada entre vós, como se torna santos;
Efésios 5: 4
Nem imundície, nem conversa estúpida, nem gracejos, que não são convenientes, mas sim agradecimentos.
Efésios 5: 5
Por isso sabeis que nenhum devedor, nem impuro, nem avarento, o qual é idólatra, tem herança no reino de Cristo e
de Deus.
Porque com certeza sabeis que nenhum fornicário, nem impuro, nem avarento, o qual é idólatra, tem herança no
reino de Cristo e de Deus. Ninguém te engane com palavras vãs; as coisas vêm sobre a ira de Deus sobre os filhos da
desobediência.
Provavelmente também houve, na época de nossos antepassados, alguns que "enfraqueceram as mãos do povo" (
Jeremias 38: 4 ) e puseram em prática aquilo que é mencionado por Ezequiel - ou melhor, as obras dos falsos profetas,
que "profanam a Deus entre o seu povo por punhados de cevada" ( Ezequiel 13:19)..); uma coisa, a propósito, feita
por alguns methinks até hoje. Quando, por exemplo, dizemos que aquele que chama seu irmão de tolo partirá para o
fogo do inferno, outros dirão: "O que? Aquele que chama seu irmão de tolo a partir para o fogo do inferno?
Impossível", dizem eles. E mais uma vez, quando dizemos que "o homem cobiçoso é um idólatra", nisso também eles
fazem abatimentos, e dizem que a expressão é hiperbólica. E desta maneira eles subestimam e explicam todos os
mandamentos. Foi em alusão, então, a estes que o abençoado Paulo, neste momento quando ele escreveu aos Efésios,
falou assim, "Por isto sabeis, [376] que não fornicador, nem impuro, nem avarento, que é um idólatra tem herança no
reino de Cristo e de Deus "; adicionando, "não deixe nenhum homem [377] enganá-lo com palavras vazias." Agora "

"Por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência."

Por causa da "fornicação", ele quer dizer, por causa da "cobiça", por causa da "impureza", ou ambos por causa dessas
coisas, e por causa do "engano", [378] na medida em que há enganadores. "Filhos da desobediência"; assim ele chama
aqueles que são totalmente desobedientes, aqueles que O desobedecem.

Efésios 5: 6
Que ninguém te engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.
Efésios 5: 7
Não sejais, pois, participantes com eles.
Ver. 7, 8. "Não sejais, pois, participantes com eles. Pois outrora éreis trevas, mas agora são luz no Senhor."
Observe quão sabiamente ele os persegue; primeiro, do pensamento de Cristo, que vocês se amam e não ferem a
ninguém; depois, por outro lado, do pensamento de punição e fogo do inferno. "Pois outrora foi escuridão", diz ele,
"mas agora são luz no Senhor". Que é o que ele diz também na Epístola aos Romanos; "Que fruto então você tinha
naquela época nas coisas de que agora você está envergonhado?" ( Romanos 6:21 ), e lembra-lhes da sua antiga
iniqüidade. Quer dizer, pensando o que você foi uma vez, e o que você é agora, não volte para sua antiga maldade,
nem “apesar da graça” ( Hebreus 10:29 ) de Deus.

"Vocês já foram escuridão, mas agora são luz no Senhor!"

Não, ele diz, por sua própria virtude, mas através da graça de Deus isso lhe foi concedido. Isso quer dizer que vocês
também foram dignos das mesmas punições, mas agora não existem mais. "Ande", portanto, "como filhos da luz". O
que se entende, no entanto, por "filhos da luz", acrescenta depois.

Efésios 5: 8
Porque, às vezes, éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor: andai como filhos da luz.
Efésios 5: 9
(Porque o fruto do Espírito está em toda a bondade e retidão e verdade;)
Ver. 9, 10. "Pois o fruto [380] da luz está em toda a bondade, retidão e verdade, provando o que é agradável ao
Senhor."
"Com toda a bondade", ele diz: isso se opõe ao irado e ao amargo: "e justiça"; isto para o avarento: "e verdade"; isso
para o falso prazer: não aquelas coisas anteriores, ele diz, que eu estava mencionando, mas seus opostos. "Em tudo";
isto é, o fruto do Espírito deve ser evidenciado em tudo. "Provando o que é agradável ao Senhor"; de modo que essas
coisas são símbolos de uma mente infantil e imperfeita.

Efésios 5:10
Provando o que é aceitável ao Senhor.
Efésios 5:11
E não tenha companheirismo com as obras infrutíferas das trevas, mas sim reprove -as .
Ver. 11, 12, 13. "E não têm companheirismo com as obras infrutíferas das trevas, mas antes repreendem-nas. Pois as
coisas que por eles são feitas em segredo é uma vergonha até para falar. Mas todas as coisas quando são reprovadas
são manifestos pela luz ".
Ele dissera: "sois luz". Agora a luz reprova expondo as coisas que acontecem na escuridão. De modo que se você, diz
ele, é virtuoso e conspícuo, os ímpios serão incapazes de se esconder. Pois assim como quando uma vela é acesa,
todos são trazidos à luz, e o ladrão não pode entrar; então, se a sua luz brilhar, os ímpios que forem descobertos serão
apanhados. Então, é nosso dever expô-los. Como então nosso Senhor diz: "Não julgueis para não ser julgados"? (
Mateus 7: 1, 3.) Paulo não disse "juiz", ele disse "reprovar", isto é, correto. E as palavras: "Não julgueis, para que não
sejais julgados", ele falou com referência a erros muito pequenos. De fato, Ele acrescentou: "Por que vês o argueiro
que está no olho de teu irmão, mas não consideras o raio que está em teu próprio olho?" Mas o que Paulo está dizendo
é desse tipo. Como uma ferida, desde que ela esteja embutida e oculta exteriormente, e corra sob a superfície, não
recebe atenção, assim também o pecado, enquanto estiver oculto, estando como estava na escuridão, é ousadamente
cometido em completa segurança; mas assim que "se manifesta", torna-se "luz"; de fato, o pecado em si (como
poderia ser isso?), mas o pecador. Pois quando ele foi trazido à luz, quando ele foi admoestado, quando se arrependeu,
quando ele obteve o perdão, tu não limpaste todas as suas trevas? Não tens então curado sua ferida? Não ordenaste
a sua infrutividade em frutos? Ou este é o seu significado, [382] ou então o que eu disse acima, que a sua vida "sendo
manifesta, é luz". Pois ninguém esconde uma vida irrepreensível; enquanto as coisas que estão escondidas, estão
ocultas pela escuridão que as cobre.

Ver. 14. "Por isso ele diz: Desperta tu aquele que dorme e levanta-te dentre os mortos, e Cristo brilhará sobre ti."

Pelo "adormecido" e "morto", ele quer dizer o homem que está em pecado; pois ele exala odores ruidosos como os
mortos, e é inativo como um que está dormindo, e como ele não vê nada, mas está sonhando e formando fantasias e
ilusões. Alguns de fato leram, [383] "E tocarás em Cristo"; mas outros: "E Cristo brilhará sobre ti"; e é bastante este
último. Afasta-te do pecado e poderás contemplar a Cristo. "Porque todo aquele que adoece, aborrece a luz e não
vem para a luz." ( João 3:20 ) Ele, pois, que não o faz, vem para a luz.

Agora ele não está dizendo isto somente com referência aos incrédulos, pois muitos dos fiéis, não menos que os
incrédulos, se apegam à iniqüidade; mais, muito mais. Portanto, para estes também é necessário exclamar: "Desperta,
tu que dormes e ressuscitas dos mortos, e Cristo brilhará sobre ti". Para estes é apropriado dizer isto também: "Deus
não é o Deus dos mortos, mas dos vivos". ( Mateus 22:32 ) Se, então, ele não é o Deus dos mortos, vamos viver.

Agora há alguns que dizem que as palavras "o cobiçoso é um idólatra" são hiperbólicas. No entanto, a afirmação não
é hiperbólica, é verdade. Como e de que maneira? Porque o homem avarento apostatou de Deus, assim como o
idólatra faz. E para que você não imagine que isso seja uma afirmação nua, há uma declaração de Cristo que diz: "Você
não pode servir a Deus e a Mamon". ( Mateus 6:24.) Se, então, não for possível servir a Deus e a Mamon, aqueles que
servem a Mamon se retiraram do serviço de Deus; e aqueles que negaram Sua soberania e servem ouro sem vida, é
claro o bastante que são idólatras. "Mas eu nunca fiz um ídolo", dirá um homem, "nem levante um altar, nem sacrifique
ovelhas, nem derramei libações de vinho; não, eu entrei na igreja e levantei minhas mãos para o Filho unigênito de
Deus, eu participo dos mistérios, eu comunico em oração, e em tudo o mais que é dever de um cristão.Como então,
"ele dirá," eu sou um adorador de ídolos? " Sim, e isto é exatamente o que é o mais espantoso de todos, que quando
você teve experiência, e "provou" a benignidade de Deus, e "viu que o Senhor é misericordioso"Você deve abandonar
Aquele que é gracioso, e tomar para si um tirano cruel, e deve fingir estar servindo a Ele, enquanto na realidade você
se submeteu ao árduo e galopante jugo da cobiça. Tu ainda não me falaste do teu próprio dever cumprido, mas
somente dos dons do teu Mestre. Pois me diga, eu te suplico, de onde julgamos um soldado? É quando ele está em
serviço guardando o rei, e é alimentado por ele, e chamou o próprio rei, ou é quando ele está cuidando de seus
próprios assuntos e interesses? Para fingir estar com ele, e estar atento aos seus interesses, enquanto ele está
avançando a causa do inimigo, nós declaramos ser pior do que se ele se separar do serviço do rei e se unir ao inimigo.
Agora, então, estás fazendo a despeito de Deus, assim como faz um idólatra, não com a tua própria boca, mas com os
dez milhares daqueles a quem você enganou. No entanto, você dirá: "um idólatra ele não é". Mas certamente, sempre
que eles dizem "Oh! Aquele cristão, aquele cobiçoso companheiro", então ele não apenas está cometendo ultraje por
seu próprio ato, mas freqüentemente força aqueles também a quem ele errou ao usar estas palavras; e se eles não os
usarem, isso deve ser definido para a conta de sua reverência.

Não vemos que tal é o fato? O que mais é um idólatra? Ou ele também não cultua paixões, muitas vezes não
dominando suas paixões? Quero dizer, por exemplo, quando dizemos que o idólatra pagão adora ídolos, ele dirá: "Não,
mas é Vênus, ou é Marte". E se dissermos: quem é este Vênus? o mais modesto entre eles dirá: é prazer. Ou o que é
esse Marte? É ira. E da mesma forma você adora Mammon. Se dissermos: quem é este Mammon? É cobiça, e isso
você está adorando. "Eu não adoro isso", você dirá. Por que não? Porque não te currais? Não, mas como é, você é
muito mais um adorador em seus atos e práticas; porque este é o tipo mais elevado de adoração. E para que você
possa entender isso, veja o caso de Deus; quem mais verdadeiramente o adora, aqueles que meramente se levantam
nas orações ou aqueles que fazem a Sua vontade? Claramente, estes últimos. O mesmo acontece com os adoradores
de Mamon; aqueles que fazem sua vontade, eles verdadeiramente são seus adoradores. No entanto, aqueles que
adoram as paixões são muitas vezes livres das paixões. Pode-se ver um adorador de Marte muitas vezes governando
sua ira. Mas isso não é verdade de ti; tu te fazes escravo da tua paixão.

Sim, mas tu não maças nenhuma ovelha? Não, tu matas homens, almas razoáveis, alguns pela fome, outros por
blasfêmias. Nada pode ser mais frenético do que um sacrifício como esse. Quem já viu almas sacrificadas? Quão
amaldiçoado é o altar da cobiça! Quando tu passares pelo altar deste ídolo aqui, tu verás isto cheirando com o sangue
de novilhos e bodes; mas quando passares pelo altar da cobiça, verás a respiração do odor chocante do sangue
humano. Fica aqui diante dela neste mundo, e tu verás, não as asas dos pássaros queimando, nem vapor, nem fumaça
exalada, mas os corpos dos homens perecendo. Para alguns se jogam entre precipícios, outros amarram o cabresto,
outros enfiam a adaga na garganta. Viste os sacrifícios cruéis e desumanos? Você veria ainda mais chocantes do que
estes? Então, eu não te mostrarei mais os corpos dos homens, mas as almas dos homens massacradas no outro mundo.
Sim, pois é possível que uma alma seja morta com o massacre peculiar à alma; porque, assim como há morte do corpo,
[385] também existe a alma. "A alma que pecar", diz o Profeta, "morrerá". (Ezequiel 18: 4.) A morte da alma, no
entanto, não é como a morte do corpo; é muito mais chocante. Pois a morte do corpo, separando a alma e o corpo
um do outro, liberta-o de muitas ansiedades e labutas, e transmite o outro a uma morada manifesta: depois, quando
o corpo se dissolve e se desintegra no tempo, é novamente reunidos em incorrupção, e recebe de volta a sua própria
alma. Tal que vemos é esta morte corporal. Mas o da alma é terrível e maravilhoso. Para esta morte, quando a
dissolução acontece, não deixa passar, como o corpo faz, mas a liga novamente a um corpo imperecível, e a consigna
ao fogo inextinguível. Esta então é a morte da alma. E como, portanto, há uma morte da alma, assim também há um
massacre da alma. Qual é o abate do corpo? É o ser transformado em cadáver, sendo o ser despido da energia derivada
da alma. Qual é o massacre da alma? É ser feito também um cadáver. E como é que a alma fez um cadáver? Porque
como o corpo se torna um cadáver quando a alma o deixa destituído de sua própria energia vital, a alma também se
torna um cadáver, quando o Espírito Santo o deixa destituído de sua energia espiritual.

Tais, na maior parte, são as matanças feitas no altar da cobiça. Eles não estão satisfeitos, eles não param no sangue
dos homens; não, o altar da cobiça não é saturado, a menos que sacrifique a própria alma também, a menos que
receba as almas de ambos, o sacrificador e o sacrificado. Pois quem sacrifica deve primeiro ser sacrificado e depois
sacrificar-se; e os mortos sacrificam aquele que ainda vive. Pois quando ele profere blasfêmias, quando ele critica,
quando está irritado, não são essas tantas feridas incuráveis da alma?

Viste que a expressão não é uma hipérbole. Você ouviria de novo outro argumento, para ensinar-lhe como a cobiça é
idolatria e mais chocante que a idolatria? Os idólatras adoram as criaturas de Deus ("pois eles adoraram", dizem, "e
serviram a criatura em vez do Criador") ( Romanos 1:25.); mas tu estás adorando uma criatura tua. Porque Deus não
fez cobiça, mas o seu próprio apetite insaciável inventou-o. [386] E olhe para a loucura e a loucura. Os que adoram
ídolos honram também os ídolos que adoram; e se alguém fala deles com desrespeito ou ridicularização, eles se
levantam em sua defesa; enquanto tu, como numa espécie de embriaguez, adora um objeto, que está tão longe de
estar livre de acusações, que está cheio de impiedade. Assim, tu, ainda mais do que eles, és excelente em iniqüidade.
Tu nunca poderás dizer isso como uma desculpa, que não é mal. Se até mesmo eles estão no mais alto grau sem
desculpa, ainda assim és muito superior, que estás sempre censurando a cobiça, e insultando aqueles que se dedicam
a ela, e que ainda a servem e obedecem.

Examinaremos, por favor, de onde surgiu a idolatria. Um certo homem sábio (Wisd. Xiv 16.) nos diz que um certo
homem rico afligido pelo luto inoportuna por seu filho, e não tendo nenhum consolo por sua tristeza, consolou sua
paixão desta maneira: tendo feito uma imagem sem vida da morto, e constantemente olhando para ele, ele parecia
através da imagem ter a sua morta ainda; enquanto alguns aduladores, "cujo Deus era o seu ventre" (Filipe 3:19),
tratando a imagem com reverência a fim de honrá-lo, levaram o costume à idolatria. [387] Assim, então, elevou-se da
fraqueza da alma, do costume sem sentido, da extravagância. Mas não tão cobiça: da fraqueza da alma, de fato é, só
que é de uma fraqueza pior. Não é que alguém tenha perdido um filho, nem que ele esteja buscando consolo na
tristeza, nem que ele seja atraído por aduladores. Mas como é isso? Eu vou te dizer. Caim na cobiça exagerou [388]
Deus; o que deveria ter sido dado a Ele, ele guardou para si mesmo; o que ele deveria ter mantido, isto ele ofereceu a
Ele; e assim o mal começou até mesmo de Deus. Pois se somos de Deus, muito mais são os primeiros frutos de nossas
posses. Mais uma vez, a paixão violenta dos homens pelas mulheres surgiu da cobiça. [389] "Eles viram as filhas dos
homens" ( A paixão violenta pelas mulheres surgiu da cobiça. [389] "Eles viram as filhas dos homens" ( A paixão
violenta pelas mulheres surgiu da cobiça. [389] "Eles viram as filhas dos homens" (Gênesis 6: 2.), e eles correram de
cabeça na luxúria. E a partir daí, novamente, passou para o dinheiro; pois o desejo de ter mais do que o próximo dos
bens deste mundo, surge de nenhuma outra fonte, do que do "amor que esfria". O desejo de ter mais do que a própria
pessoa surge de nenhuma outra fonte além da imprudência, misantropia e arrogância em relação aos outros. Olhe
para a terra, quão larga é a sua extensão? Até que ponto podemos usar a expansão do céu e do céu? É para que Ele
ponha um fim à sua cobiça, que Deus assim tenha estendido amplamente os limites da criação. E tu ainda estás
agarrando e mesmo assim? E você ouve que a cobiça é idolatria, e não estremece mesmo com isso? Você deseja herdar
a terra? Então não tens herança no céu. Está ansioso para deixar uma herança para os outros, que tu poderás roubar
a ti mesmo? Diga-me, se alguém te oferecesse poder para possuir todas as coisas, você não estaria disposto? Está em
teu poder agora, se quiseres. Alguns, no entanto, dizem que ficam tristes quando transmitem a herança a outros, e
gostariam de tê-la consumido, em vez de ver os outros se tornarem seus mestres. Nem te absolvo desta fraqueza; pois
isso também é característico de uma alma fraca. No entanto, pelo menos deixe que isso seja feito. Em tua vontade
deixará a Cristo teu herdeiro. Era seu dever realmente fazê-lo em sua vida, pois isso mostraria uma disposição correta.
Ainda assim, em todo caso, seja um pouco generoso, embora seja apenas por necessidade. Porque, de fato, Cristo nos
encarregou de dar aos pobres este objetivo, para nos tornar sábios em nossa vida, para nos induzir a desprezar o
dinheiro, para nos ensinar a olhar para as coisas terrenas. Não é desprezo do dinheiro, como você pensa, concedê-lo
a esse homem e a esse homem quando morre, e não é mais mestre dele. Tu já não dás mais teu, mas de absoluta
necessidade: graças à morte, não a ti. Isso não é um ato de afeto, é a sua perda. Contudo, que seja feito assim mesmo;
pelo menos, desista da sua paixão.

Moral. Considere quantos atos de pilhagem, quantos atos de cobiça você cometeu. Restaure todos os quatro. Assim,
defenda sua causa para Deus. Alguns, entretanto, chegam a tal ponto de loucura e cegueira, que nem mesmo então
compreendem seu dever; mas que continuam agindo em todos os casos, como se estivessem se esforçando para
tornar o julgamento de Deus ainda mais pesado para si mesmos. Esta é a razão pela qual nosso bendito Apóstolo
escreve e diz: "Anda como filhos da luz". Agora o cobiçoso homem de todos os outros vive nas trevas e espalha grande
escuridão sobre todas as coisas ao redor.

"E não tenha companheirismo", acrescenta ele, "com as obras infrutíferas das trevas, mas sim reprová-las; porque as
coisas que são feitas por elas em segredo, é até uma vergonha, mas todas as coisas quando são reprovados são
manifestos pela luz ". Ouvi, suplico a todos vocês, como muitos, que não gostem de serem odiados por nada, mas de
serem amados. "Que necessidade há para ser odiado?" Ninguém diz Um homem comete um roubo e não o repreende,
mas tem medo do seu ódio? embora isso, no entanto, não esteja sendo odiado por nada. Mas tu justamente o
condenas e, ainda assim, temes o ódio? Condenar teu irmão, incorrer em inimizade por causa do amor que tu deves
a Cristo, por causa do amor que deves ao teu irmão. Prendê-lo como ele está em seu caminho para o poço da
destruição. Para admiti-lo à nossa mesa, para tratá-lo com discursos civis, com saudações e entretenimentos, não são
provas de amizade. Não, aqueles que eu mencionei são os benefícios que devemos dar aos nossos amigos, para que
possamos resgatar suas almas da ira de Deus. Quando os vemos deitados prostrados na fornalha da maldade, vamos
levantá-los. "Mas", eles dizem, "é inútil, ele é incorrigível". Contudo, cumpra o seu dever, e então você se desculpou
com Deus. Não esconda teu talento. É por isso que tu falas, pois é para isso que tens boca e língua para corrigir o teu
próximo. [390] São apenas criaturas estúpidas e sem razão que não se importam com o próximo, e não levam em
conta os outros. Mas tu, ao chamar Deus, "Pai", e teu vizinho, "irmão", quando o vês cometer iniquidades inumeráveis,
preferes a sua boa vontade ao bem-estar dele? Não, não é assim, eu te imploro. Não há evidência de amizade tão
verdadeira como nunca ignorar os pecados de nossos irmãos. Você os viu em inimizade? Reconcilie-os. Você os viu
culpados de cobiça? Verifique-os. Você os viu injustiçados? Levante-se em sua defesa. Não é sobre eles, é sobre você
que está conferindo o principal benefício. É por isso que somos amigos, que podemos ser úteis uns para os outros. Um
homem vai ouvir em um espírito diferente para um amigo e para qualquer outra pessoa. Uma pessoa casual que ele
possa considerar talvez com suspeita, e assim, da mesma maneira, ele será um professor, mas não um amigo. Não há
evidência de amizade tão verdadeira como nunca ignorar os pecados de nossos irmãos. Você os viu em inimizade?
Reconcilie-os. Você os viu culpados de cobiça? Verifique-os. Você os viu injustiçados? Levante-se em sua defesa. Não
é sobre eles, é sobre você que está conferindo o principal benefício. É por isso que somos amigos, que podemos ser
úteis uns para os outros. Um homem vai ouvir em um espírito diferente para um amigo e para qualquer outra pessoa.
Uma pessoa casual que ele possa considerar talvez com suspeita, e assim, da mesma maneira, ele será um professor,
mas não um amigo. Não há evidência de amizade tão verdadeira como nunca ignorar os pecados de nossos irmãos.
Você os viu em inimizade? Reconcilie-os. Você os viu culpados de cobiça? Verifique-os. Você os viu injustiçados?
Levante-se em sua defesa. Não é sobre eles, é sobre você que está conferindo o principal benefício. É por isso que
somos amigos, que podemos ser úteis uns para os outros. Um homem vai ouvir em um espírito diferente para um
amigo e para qualquer outra pessoa. Uma pessoa casual que ele possa considerar talvez com suspeita, e assim, da
mesma maneira, ele será um professor, mas não um amigo. é sobre ti que estás conferindo o principal benefício. É por
isso que somos amigos, que podemos ser úteis uns para os outros. Um homem vai ouvir em um espírito diferente para
um amigo e para qualquer outra pessoa. Uma pessoa casual que ele possa considerar talvez com suspeita, e assim, da
mesma maneira, ele será um professor, mas não um amigo. é sobre ti que estás conferindo o principal benefício. É por
isso que somos amigos, que podemos ser úteis uns para os outros. Um homem vai ouvir em um espírito diferente para
um amigo e para qualquer outra pessoa. Uma pessoa casual que ele possa considerar talvez com suspeita, e assim, da
mesma maneira, ele será um professor, mas não um amigo.

"Pois", diz ele, "as coisas que são feitas por eles em segredo, é até uma vergonha falar de, mas todas as coisas quando
são reprovadas se manifestam pela luz." O que é que ele quer dizer aqui? Ele quer dizer isso. Que alguns pecados neste
mundo são feitos em segredo, e alguns também abertamente; mas no outro não será assim. Agora não há ninguém
que não seja consciente de si mesmo de algum pecado. É por isso que ele diz: "Mas todas as coisas, quando são
reprovadas, são manifestadas pela luz." O que então? Será que isso de novo, dir-se-ia, significava idolatria? Não é; o
argumento é sobre nossa vida e nossos pecados. "Pois tudo o que é manifestado", diz ele, "é leve".

Portanto, rogo-lhe que não volte atrás para reprovar nem desagrade em ser reprovado. [391] Durante o tempo em
que tudo é realizado no escuro, é realizado com maior segurança; mas quando há muitos para testemunhar o que é
feito, é trazido à luz. Por todos os meios, façamos tudo o que pudermos para afugentar a morte que está em nossos
irmãos, para dispersar as trevas e atrair para nós o "Sol da justiça". Pois, se houver muitas luzes brilhantes, o caminho
da virtude será fácil para elas mesmas, e as que estiverem nas trevas serão mais facilmente detectadas, enquanto a
luz é erguida e coloca a escuridão em fuga. Considerando que, se é o contrário, há medo de que a espessa neblina das
trevas e do pecado domine a luz, e expanda sua transparência, as próprias luzes brilhantes deveriam ser extintas.
Sejamos então dispostos a beneficiar uns aos outros, a todos e a um e a todos, podemos oferecer louvor e glória ao
Deus da misericórdia, pela graça e benignidade do Filho unigênito com quem ao Pai, junto com o Espírito Santo, seja
glória, força, honra agora e para sempre e para sempre. Um homem.

Notas de rodapé:

[376] ["Iste ginoskontes: Isto você está ciente de seu próprio conhecimento", de modo que eu não preciso primeiro te
instruir em relação a isto, aquilo, etc. Isto não é Hebraísmo, visto que o ginoskontes é um verbo diferente de iste, mas
é como horon kai akouon oida, Xen. Cyr. iv. 1, 14. "- Meyer .-- GA]

[377] ["De acordo com o contexto, isto se refere aos gentios incrédulos que procuraram aliviar os vícios dos gentios,
para torná-los como indiferença, e assim atrair os cristãos de volta à vida dos gentios." - Meyer.- -GA]

[378] [dia tauta não se refere a "enganar com palavras vazias", mas aos "vícios" que acabamos de mencionar. Comp.
passagem paralela, Colossenses 3: 6 - GA]

[379] [ete gar, & c. ete prefixado com ênfase significativa, tem a força de uma "base": para o seu antigo estado de
escuridão (com o qual esses vícios estavam em consonância) é "passado". Comp. Romanos 6:17 - Meyer e Ellicott -
GA]

[380] ["Fruto da luz" (não do espírito, como o texto de Crisóstomo tem) denota figurativamente o conjunto de efeitos
morais que a iluminação cristã produz ". - Meyer - GA]

[381] ["A interpretação de Crisóstomo é muito específica. As palavras significam bom, certo, verdadeiro" e abrangem
toda a moralidade cristã. "- Meyer - GA]

[382] [Esta passagem difícil é assim traduzida por Ellicott: É verdade que estas coisas são feitas em segredo, mas todas
elas, quando reprovadas, são manifestadas pela luz (assim derramada sobre elas); pois tudo o que se manifesta é luz
(torna-se luz do dia, é da natureza da luz).

[383] [epipsauseis (em vez de epiphausei) é a leitura de D * e E, e as versões em latim desses mss. (Contém Christum),
mas nunca obteve muita aceitação, e dificilmente aparece nos códices existentes. Veja o Introd. Do Scrivener. 632 e
Westcott e Hort, apêndice, p. 125.-- GA]

[384] ["As palavras aqui citadas não são encontradas exatamente desta forma no AT, mas certamente ocorrem em
substância em Isaías 60: 1. Em vez de recorrer à explicação de Meyer ou De Wette (que são um pouco racionalistas),
É melhor dizer que Paulo, sob a inspiração do Espírito Santo, está expressando de forma condensada o significado
espiritual da passagem. "- Ellicott. Riddle diz: "É Isaías 60: 1 , parcialmente parafraseado e parcialmente condensado,
e interpretado à luz de seu cumprimento". "Este chamado de Deus aos filhos da desobediência ao despertar, confirma
a necessidade da elenchein, e a promessa, Cristo brilhará sobre ti", confirma a salutar influência da luz. "- Meyer. - GA]

[385] [Como em outros lugares, o texto do Field está aqui incompleto. (hosper gar esti psuches thanatos, "psuche gar
ele hamartanousa", etc.) Ele omite a cláusula, hosper gar esti somatos thanatos, que é tão necessária ao sentido e que
é atestada por excelente autoridade manuscrita, e adotada por Savile.- -GA]

[386] [Isso parece tenso; pois não é verdade que eles adoravam a cobiça, uma criatura própria, como Crisóstomo a
chama, mas adoravam o ouro e a prata, que são criaturas de Deus.

[387] [Esta é uma descrição bastante duvidosa e inadequada do início da idolatria.

[388] HoKa & 187; nton theon epleonektesen (Comp. Pleonexia).

[389] [Isto é o que o texto parece significar (palin eis gunaikas apo pleonexias he horme gegonen), e ele propõe explicar
a origem da cobiça (que, a propósito, a maioria dos homens não precisa ir além do seu próprio coração). para
encontrar), e não de luxúria. Além disso, o contexto a seguir faz da luxúria uma fonte de cobiça, que é verdadeira, e
não de cobiça, a fonte da luxúria, o que não é verdade.

[390] [Compare o sermão de John Wesley sobre o "Dever de Reprovar o nosso Próximo", Works, vol. II. p. 88 (New
York ed.), Para uma discussão completa e sem medo deste dever difícil.

[391] [Melhor é abrir a repreensão Do que o amor que está escondido. Fiel são as feridas de um amigo, Mas os beijos
de um inimigo são profusos. "- Prov. xxvii. 5, 6. "Aquele que repreende a um homem achará depois mais favor do que
aquele que lisonjeia com a língua." - Prov. xxviii. 23. Compare com Crisóstomo I. Homily on Eutropius, vol. IX. p. 249,
esta série - GA]

Efésios 5:12
Pois é uma vergonha até falar daquelas coisas que são feitas em segredo.
Efésios 5:13
Mas todas as coisas que são reprovadas se manifestam pela luz; pois tudo que se manifesta é luz.
Efésios 5:14
Portanto ele diz: Desperta tu aquele que dorme e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te iluminará.
Efésios 5:15
Veja, então, que caminhas circunspectamente, não como tolos, mas como sábios,
"Olha, pois, com cuidado, como andais, não como insensatos, mas como sábios; remindo o tempo, porque os dias são
maus. Portanto não sois insensatos, mas entendais qual é a vontade do Senhor."
Ele ainda está limpando a raiz da amargura, ainda cortando a própria base da raiva. [392] Pois o que ele está dizendo?
"Olhe com cuidado como anda." "Eles são ovelhas no meio de lobos", e ele os encarrega de serem também "como
pombas". Pois "sereis inofensivos", diz ele, "como pombas". ( Mateus 10:16.) Visto que ambos estavam entre os lobos,
e além disso foram ordenados a não se defenderem, mas a sofrer o mal, eles precisavam desta admoestação. [393]
Não é verdade, mas que o primeiro foi suficiente para torná-los mais fortes; [394] mas agora que há além da adição
dos dois, reflita como é extremamente elevado. Observe então aqui também, com que cuidado ele os protege,
dizendo: "Veja como anda". Cidades inteiras estavam em guerra com eles; sim, esta guerra também chegou às casas.
Eles estavam divididos, pai contra filho, e filho contra pai, mãe contra filha e filha contra mãe. O que então? De onde
estas divisões? Eles ouviram Cristo dizer: "Aquele que ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim". (
Mateus 10:37. Portanto, a fim de que não pensem que ele estava sem razão introduzindo guerras e lutas, (já que era
provável que houvesse muita raiva produzida, se de sua parte retaliassem), para evitar isso, ele diz: "Veja
cuidadosamente como andar." Isto é, "Exceto a mensagem do Evangelho, [395] não dê nenhum outro controle sobre
qualquer pontuação, seja qual for o ódio que você incorrerá." Que este seja o único fundamento do ódio. Que ninguém
tenha outra acusação a fazer contra você; mas mostre toda deferência e obediência, sempre que isso não prejudique
a mensagem, sempre que isso não atrapalhe a santidade. Pois é dito: "Procede com todas as suas dívidas, tributo a
quem tributo, costume a quem costume." ( Romanos 13: 7 ) Pois quando entre o resto do mundo eles nos virem
tolerando, serão envergonhados.

"Não tão imprudente, mas tão sábio, [396] redimindo o tempo."


Não é de qualquer desejo que você seja ardiloso e versátil, que ele dê este conselho. Mas o que ele quer dizer é isso.
O tempo não é seu. No presente, sois estrangeiros e estrangeiros, e estrangeiros e estrangeiros; não busque honras,
não busque a glória, não procure autoridade nem vingança; suportar todas as coisas e, desta maneira, "redimir o
tempo"; [397] desista de muitas coisas, qualquer coisa que elas possam requerer. Imagine agora, eu digo, um homem
tinha uma casa magnífica, e as pessoas deviam entrar, de propósito para matá-lo, e ele dava uma grande quantia e,
portanto, para se salvar. Então devemos dizer que ele se redimiu. Assim também tens uma casa grande e uma fé
verdadeira na tua conservação. Eles virão para levar tudo embora. Dê o que eles possam exigir, apenas preserve a
coisa principal, quero dizer a fé.

"Porque os dias", diz ele, "são maus".

Qual é o mal do dia? O mal do dia deve pertencer ao dia. Qual é o mal de um corpo? Doença. E o que mais uma vez o
mal da alma? Maldade. Qual é o mal da água? Amargura. E o mal de cada coisa em particular, é com referência a essa
natureza que é afetada pelo mal. Se então há um mal no dia, deve pertencer ao dia, às horas, à luz do dia. Assim
também Cristo diz: "Suficiente para o dia é o seu mal." ( Mateus 6:34.) E desta expressão nós entenderemos o outro.
Em que sentido ele chama de "os dias maus"? Em que sentido o "tempo" mal? Não é a essência da coisa, não as coisas
assim criadas, mas são as coisas transacionadas nelas. Da mesma forma que temos o hábito de dizer: "Eu passei um
dia desagradável e miserável". [398] E, no entanto, como poderia ser desagradável, exceto pelas circunstâncias que
ocorreram nela? Agora os eventos que acontecem são coisas boas de Deus, mas coisas más de homens maus. Então,
dos males que acontecem nos tempos, os homens são os criadores e, portanto, é dito que os tempos são maus. E
assim também chamamos os tempos de mal.

Efésios 5:16
Resgatando o tempo, porque os dias são maus.
Efésios 5:17
Pelo que não sejais insensatos, mas procurai compreender qual a vontade do Senhor é .
Ver. 17, 18. "Portanto," [399] ele acrescenta: "não sejas tolo, mas entende o que é a vontade do Senhor, e não seja
bebido com vinho, onde há tumulto."
Pois, na verdade, a intemperança torna os homens apaixonados e violentos, irritadiços e irritáveis e selvagens. O vinho
nos foi dado pela alegria, não pela embriaguez. Considerando que agora parece ser uma coisa desprezível e desprezível
para um homem não ficar bêbado. E que tipo de esperança existe a salvação? O que? Desprezível, diga-me, para não
ficar bêbado, onde ficar bêbado deveria ser o mais desprezível de todas as coisas no mundo? Pois é correto, até mesmo
para uma pessoa particular, manter-se longe da embriaguez; mas quanto mais para um soldado, um homem que vive
entre espadas, derramamento de sangue e matança: muito mais, eu digo, para o soldado, quando seu temperamento
é aguçado por outras causas também, pelo poder, pela autoridade, por ser constantemente no meio de estratagemas
e batalhas. Você saberia onde o vinho é bom? Ouça o que a Escritura diz: "Dê bebida forte àquele que está pronto
para perecer e vinho ao amargo de alma". (Provérbios 31: 6. ) E justamente, porque pode atenuar aspereza e tristeza,
e afastar as nuvens da testa. "O vinho alegra o coração do homem" ( Salmos 104: 15 ), diz o salmista. Como então o
vinho produz embriaguez? Pois não pode ser que uma e a mesma coisa funcionem efeitos opostos. A embriaguez
certamente não surge do vinho, mas da intemperança. O vinho é concedido a nós para nenhum outro propósito além
da saúde corporal; mas este propósito também é frustrado pelo uso imoderado. Mas ouça além disso o que nosso
bendito apóstolo escreve e diz a Timóteo: "Use um pouco de vinho, por causa do seu estômago, e de suas freqüentes
enfermidades." [400]

Essa é a razão pela qual Deus formou nossos corpos em proporções moderadas e, assim, ficou satisfeito com um
pouco, e desde então nos instruiu que Ele nos fez adaptados a outra vida. E aquela vida que Ele desejaria nos deu
desde o começo; mas desde que nos tornamos indignos disso, Ele adiou isto; e no tempo durante o qual Ele adiou isto,
nem mesmo naquilo que Ele nos permite indulgência imoderada; para uma pequena taça de vinho e um único pão é
suficiente para satisfazer a fome de um homem. E o homem, o senhor de toda a criação bruta, Ele formou para exigir
menos comida em proporção do que eles, e seu corpo pequeno; declarando-nos nada mais do que isso, que estamos
nos apressando para outra vida. "Não fique bêbado", diz ele, "com vinho, onde há tumulto"; pois não salva [401] mas
destrói; e isso, não apenas o corpo, mas também a alma.

Efésios 5:18
E não seja bebido com vinho, em que é excesso; mas seja cheio do Espírito;
Ver. 18, 19, 20, 21. "Mas enche-se [402] do Espírito, falando uns aos outros em salmos, hinos e cânticos espirituais,
cantando e fazendo melodia com o coração ao Senhor, dando sempre graças por todas as coisas do mundo. nome de
nosso Senhor Jesus Cristo a Deus mesmo o Pai, sujeitando-se uns aos outros no temor de Cristo ".
Queres, diz ele, ser alegre, queres empregar o dia? Eu te dou bebida espiritual; para embriaguez até corta o som
articulado de nossa língua; nos faz balbuciar e gaguejar e distorce os olhos, e todo o quadro juntos. Aprenda a cantar
salmos e verá o prazer do emprego. Pois os que cantam salmos são cheios do Espírito Santo, como os que cantam
canções satânicas estão cheios de espírito impuro.

O que significa "com os vossos corações ao Senhor"? Isso significa, com muita atenção e compreensão. Para aqueles
que não atendem de perto, apenas cantam, proferindo as palavras, enquanto seu coração está vagando em outro
lugar.

"Sempre", diz ele, "dando graças por todas as coisas em nome de nosso Senhor Jesus Cristo a Deus mesmo o Pai,
sujeitando-se uns aos outros no temor de Cristo."

Isto é, "sejam seus pedidos tornados conhecidos para Deus, com ações de graças" (Filipe iv. 6.); pois não há nada tão
agradável a Deus, como para um homem ser grato. Mas seremos mais capazes de dar graças a Deus, retirando nossas
almas das coisas antes mencionadas, e limpando-as completamente pelos meios que ele nos disse.

"Mas esteja cheio", diz ele, "com o Espírito".

E então este Espírito está dentro de nós? Sim, de fato, dentro de nós. Pois quando expulsamos a mentira, a amargura,
a fornicação, a impureza e a cobiça das nossas almas, quando nos tornamos bondosos, ternos de coração, perdoando
uns aos outros, quando não há gracejos, quando nos tornamos dignos disso, o que há para impedir que o Espírito
Santo venha e ilumine sobre nós? E não somente Ele virá a nós, mas encherá nossos corações; e quando tivermos uma
luz tão grande acesa dentro de nós, então o caminho da virtude não será mais difícil de alcançar, mas será fácil e
simples.

"Dando graças sempre", [403] ele diz, "para todas as coisas".

O que então? Devemos dar graças por tudo que nos acontece? Sim; seja mesmo doença, seja até penúria. Pois se um
certo homem sábio deu este conselho no Antigo Testamento, e disse: "Tudo o que for trazido sobre ti, tome
alegremente, e tenha paciência quando fores mudado para um estado baixo" (Ecclus. II. 4); muito mais deveria ser
esse o caso no Novo. Sim, mesmo que você não saiba a palavra, agradeça. Pois isso é ação de graças. Mas se você der
graças quando estiver no conforto e na riqueza, no sucesso e na prosperidade, não há nada de grandioso, nada de
maravilhoso nisso. O que é necessário é que um homem dê graças quando está aflito, angustiado, desanimado. Não
pronuncie nenhuma palavra em preferência a isto: "Senhor, eu te agradeço." E por que eu falo das aflições deste
mundo? É nosso dever dar graças a Deus, até mesmo para o inferno [404], para os tormentos e castigos do próximo
mundo. Pois certamente é uma coisa benéfica para aqueles que a assistem, quando o medo do inferno é colocado
como um freio em nossos corações. Vamos, portanto, dar graças não apenas pelas bênçãos que vemos, mas também
pelas que não vemos e pelas que recebemos contra a nossa vontade. Para muitos são as bênçãos que Ele nos concede,
sem o nosso desejo, sem o nosso conhecimento. E se você não acredita em mim, eu vou imediatamente deixar o caso
claro para você. Por favor, considerem, os gentios ímpios e incrédulos não atribuem tudo ao sol e aos seus ídolos?
Mas o que então? Ele não concede bênçãos nem mesmo sobre eles? Não é obra da Sua providência que ambos tenham
vida e saúde e filhos e coisas semelhantes? E novamente aqueles que são chamados Marcionitas, [405] e os
maniqueus, eles nem sequer blasfemam dele? Mas o que então? Ele não concede bênçãos sobre eles todos os dias?
Agora, se Ele concede bênçãos sobre os que não os conhecem, muito mais os concede a nós. Pois o que mais é a obra
peculiar de Deus, se não é isso, fazer o bem a toda a humanidade, tanto pelos castigos como pelos prazeres? Não
vamos, então, dar graças somente quando estamos em prosperidade, pois não há nada de bom nisso. E isto também
o diabo sabe bem, e por isso ele disse: "Jó teme a Deus por nada? Não foste cercadadiço sobre ele e sobre tudo o que
ele tem de todos os lados? Toca tudo o que ele tem; sem dúvida, ele renuncia a Ti ao Teu rosto! " ( muito mais ele nos
concede. Pois o que mais é a obra peculiar de Deus, se não é isso, fazer o bem a toda a humanidade, tanto pelos
castigos como pelos prazeres? Não vamos, então, dar graças somente quando estamos em prosperidade, pois não há
nada de bom nisso. E isto também o diabo sabe bem, e por isso ele disse: "Jó teme a Deus por nada? Não foste
cercadadiço sobre ele e sobre tudo o que ele tem de todos os lados? Toca tudo o que ele tem; sem dúvida, ele renuncia
a Ti ao Teu rosto! " ( muito mais ele nos concede. Pois o que mais é a obra peculiar de Deus, se não é isso, fazer o bem
a toda a humanidade, tanto pelos castigos como pelos prazeres? Não vamos, então, dar graças somente quando
estamos em prosperidade, pois não há nada de bom nisso. E isto também o diabo sabe bem, e por isso ele disse: "Jó
teme a Deus por nada? Não foste cercadadiço sobre ele e sobre tudo o que ele tem de todos os lados? Toca tudo o
que ele tem; sem dúvida, ele renuncia a Ti ao Teu rosto! " ( Dom Job teme a Deus por nada? Não fizeste uma cobertura
sobre ele e sobre tudo o que ele tem de todos os lados? Toca tudo o que ele tem; sem dúvida, ele te renunciará a Tua
face! "( Dom Job teme a Deus por nada? Não fizeste uma cobertura sobre ele e sobre tudo o que ele tem de todos os
lados? Toca tudo o que ele tem; sem dúvida, ele te renunciará a Tua face! "(Jó 1:10, 11.) No entanto, aquele
amaldiçoado não ganhou vantagem; e que Deus não permita que ele obtenha qualquer vantagem sobre nós; mas
sempre que estivermos em penúria, em doenças ou em desastres, vamos aumentar nossa gratidão; ação de graças,
quero dizer, não em palavras, nem em língua, mas em ações e obras, em mente e no coração. Vamos dar graças a Ele
com todas as nossas almas. Porque Ele nos ama mais do que nossos pais; e grande como é a diferença entre mal e
bondade, tão grande é a diferença entre o amor de Deus e o de nossos pais. E estas não são minhas palavras, mas
aquelas do próprio Cristo que nos ama. E ouça o que Ele mesmo diz: "Que homem há de você, que, se seu filho lhe
pedir um pão, lhe dará uma pedra? Se, pois, sendo mau, souber dar boas dádivas a seus filhos,Mateus 7: 9 , 11.) E
novamente, carregue o que Ele diz também em outro lugar: "Pode uma mulher esquecer sua criança que está sugando
que ela não deveria ter compaixão do filho de seu ventre? Sim, eles podem esquecer, mas não me esquecerei tu diz o
Senhor " ( Isaías 49:15 ) Porque, se ele não nos ama, por que nos criou? Ele tinha alguma necessidade? Fornecemos a
Ele qualquer ministério e serviço? Precisa de algo que possamos render? Ouça o que o Profeta diz; "Eu disse ao Senhor:
Tu és meu Senhor, eu não tenho bem além de ti." ( Salmo 16: 2 )

Os ingratos, porém, e insensíveis, dizem que isso era digno da bondade de Deus, que deveria haver igualdade entre
todos. Diga-me, ingrato mortal, que tipo de coisas são as que você nega ser da bondade de Deus, e que igualdade
significa? "Essa pessoa", você dirá, "tem sido um aleijado de sua infância; outra é louca e está possuída; outra chegou
à extrema velhice e passou toda a sua vida na pobreza; outra nas mais dolorosas doenças Estas são as obras da
Providência: um homem é surdo, outro é mudo, outro é pobre, enquanto outro, ímpio, totalmente ímpio e cheio de
dez mil vícios, goza de riquezas e guarda concubinas, parasitas e dono de uma mansão esplêndida, e vive uma vida
ociosa ". [406] E muitos exemplos do tipo que eles agrupam,

O que então devemos dizer a eles? Agora, se eles eram gregos, e deviam nos dizer que o universo é governado por um
ou outro, deveríamos, por sua vez, dirigir-lhes as mesmas palavras: "O que, então, são coisas sem providência? Como
então é que Vós deuses de reverência e adorais gênios e heróis? Pois, se existe uma providência, um ou outro
superintende o todo. Mas se algum, seja cristão ou pagão, deve ser impaciente com isso, e estar vacilando, o que
diremos a eles? "Por que, tantas coisas boas, me dizem, surgem de si mesmas? A luz diária? A bela ordem e a
premeditação que existem em todas as coisas? As danças das estrelas? O curso das noites e dos dias? A gradação
regular da natureza em vegetais, animais e homens? Quem, diga-me, é isso que ordena estes? Se não houvesse um
Ser superintendente, mas todas as coisas se unissem, quem então foi que fez esta abóbada girar, tão bela, tão vasta,
quero dizer o céu, e a colocou sobre a terra, mais ainda, sobre as águas? Quem é que dá as estações frutíferas? Quem
implantou tão grande poder em sementes e vegetais? Pois aquilo que é acidental é necessariamente desordenado;
enquanto que o que é ordenado implica design. Para que, diga-me, das coisas ao nosso redor que são acidentais, não
é cheio de grande desordem e de grande tumulto e confusão? Nem falo apenas de coisas acidentais, mas também
daquelas que implicam algum agente, mas um agente inábil. Por exemplo, haja madeira e pedra, e haja cal; e deixe
um homem não qualificado em construção levá-los, e começar a construir e colocar duro para trabalhar; ele não
estragará e destruirá tudo? Novamente, pegue uma embarcação sem piloto, contendo tudo o que uma embarcação
deveria conter, sem um armador; Não digo que esteja desequipado e inacabado, mas embora bem equipado, não
poderá navegar. E poderia a vasta extensão da terra em pé sobre as águas, diga-me, estar sempre tão firme, e por
tanto tempo, sem algum poder para mantê-la unida? [407] E essas visões podem ter algum motivo? Não é o extremo
do absurdo conceber tal noção? E se a terra suporta o céu, eis outro fardo ainda; mas se o céu também nascer sobre
as águas, surge outra questão. Ou melhor, não outra questão, pois é o trabalho da providência. Pois as coisas que são
carregadas sobre a água não devem ser feitas convexas, mas côncavas. Por quê? Porque todo o corpo de tudo que é
côncavo está imerso nas águas, como é o caso de um navio; enquanto que do convexo, o corpo está totalmente acima,
e apenas o aro repousa sobre a superfície; de modo que requer um corpo resistente, duro e capaz de sustentá-lo, a
fim de suportar o fardo imposto. Mas a atmosfera então apóia o céu? Ora, isso é muito mais suave e mais produtivo
até do que a água, e não pode sustentar nada, não, nem as coisas mais leves, muito menos vastas. Em suma, se
optássemos por seguir o argumento da providência, tanto em geral quanto em detalhes, o próprio tempo falharia.
Pois agora vou perguntar a ele quem começaria as questões acima mencionadas. Essas coisas são o resultado da
providência ou da falta de providência? E se ele disser que eles não são da providência, então novamente eu
perguntarei, como então eles surgiram? Mas não, ele nunca poderá dar conta alguma. E tu não sabes disso?
Muito mais, então, é seu dever não questionar, não ficar curioso, naquelas coisas que dizem respeito ao homem. E
porque não? Porque o homem é mais nobre do que todos estes, e estes foram feitos por ele, não por causa deles. Se,
então, tu não conheces tanto a habilidade e artifício que são visíveis em Sua providência, como poderás saber as
razões, onde ele mesmo é o sujeito? Diga-me, eu oro, por que Deus o formou tão pequeno, tão abaixo da altura do
céu, que ele deveria duvidar das coisas que aparecem acima dele? Por que os climas do norte e do sul são inabitáveis?
Diga-me, eu digo, por que a noite é mais longa no inverno e mais curta no verão? Por que os graus de frio e calor são
como são? Por que o corpo é mortal? E dez mil perguntas além disso eu te perguntarei, e se tu queres, nunca cessará
de perguntar. E em um e tudo você certamente ficará perdido para responder. E assim é isto de todas as coisas mais
providenciais, que as razões das coisas são mantidas em segredo de nós. Pois certamente alguém teria imaginado o
homem como a causa de todas as coisas, se não houvesse isso para humilhar nossa compreensão.

"Mas tal", você dirá, "é pobre, e a pobreza é um mal. E o que é estar doente e o que é ser aleijado?" Oh, cara, eles não
são nada. [408] Uma só coisa é mal, isto é pecar; essa é a única coisa que devemos procurar no fundo. E, no entanto,
omitimos investigar as causas do que são realmente males e nos ocupamos com outras coisas. Por que é que nenhum
de nós nunca examina por que ele pecou? Pecar, - está então em meu poder, ou não está em meu poder? E por que
eu preciso de mim por várias razões? Eu procurarei o assunto dentro de mim mesmo. Então eu já dominei minha ira?
Eu já dominei minha raiva, seja por vergonha ou por medo do homem? Então, sempre que eu descobrir isso, eu
descobrirei que o pecado está em meu próprio poder. Ninguém examina essas questões, ninguém se ocupa deles.
Mas apenas de acordo com Jó, "o homem de uma maneira completamente diferente nada sobre as palavras". [409]
Por que te preocupa, se tal pessoa é cega, ou se é tão pobre? Deus não te mandou olhar para isto, mas para o que tu
estás fazendo. Pois se por um lado duvidas que existe algum poder que superintende o mundo, tu és de todos os
homens o mais insensato; mas se você é persuadido disso, por que duvidar que é nosso dever agradar a Deus? tu és
de todos os homens o mais sem sentido; mas se você é persuadido disso, por que duvidar que é nosso dever agradar
a Deus? tu és de todos os homens o mais sem sentido; mas se você é persuadido disso, por que duvidar que é nosso
dever agradar a Deus?

"Dando graças sempre", diz ele, "por todas as coisas a Deus".

Vá ao médico, e você o verá, sempre que se descobrir que um homem tem uma ferida, usando a faca e o cautério.
Mas não, no teu caso, não digo tanto assim; mas vá ao carpinteiro. E ainda assim não examinas as suas razões, embora
não compreendes nenhuma das coisas que são feitas ali, e muitas coisas te parecerão dificuldades; como, por exemplo,
quando ele cava a madeira, quando ele altera sua forma externa. Não, eu te traria a uma nave mais inteligível ainda,
por exemplo, a do pintor, e aí sua cabeça vai nadar. Para me dizer, ele não parece estar fazendo o que faz,
aleatoriamente? Pois o que significam suas linhas e as curvas e curvas das linhas? Mas quando ele coloca as cores, a
beleza da arte se tornará visível. Ainda assim, nem mesmo então serás capaz de alcançar qualquer entendimento exato
dele. Mas por que falo de carpinteiros e pintores, nossos companheiros de serviço? Diga-me, como a abelha emoldura
seu pente, e então você também fala sobre Deus. Domine o trabalho manual da formiga, da aranha e da andorinha, e
então você também falará sobre Deus. Me conte essas coisas. Mas não, tu nunca podes. Porventura não cessarás
então, ó homem, as tuas vãs indagações? Para vão, na verdade eles são. Não cessarás de te ocupar em vão de muitas
coisas? Nada tão sábio quanto essa ignorância, onde aqueles que professam não conhecerem nada são os mais sábios
de todos e os que gastam muito trabalho nestas questões, os mais tolos de todos. De modo que professar
conhecimento não é, em toda parte, um sinal de sabedoria, mas, às vezes, também de loucura. Para me dizer, suponha
que houvesse dois homens, e um deles deve professar esticar suas linhas, e medir a extensão que intervém entre a
terra e o céu, e os outros devem rir dele, e declarar que ele não entendeu isto, diga-me, eu rezo, que devemos rir,
aquele que disse que sabia ou aquele que não sabia? Evidentemente, o homem que disse que ele sabia. Aquele que é
ignorante, portanto, é mais sábio do que aquele que professa conhecer. [410] E o que mais? Se alguém disser quantas
taças de água o mar contém, e outra professar sua ignorância, a ignorância aqui não é mais sábia que o conhecimento?
[411] Certamente, muitíssimo. E por que isso? Porque esse conhecimento em si é apenas uma ignorância intensa. Para
ele, na verdade, quem diz que ele é ignorante, sabe alguma coisa. E o que é isso? Isso é incompreensível para o homem.
[412] Sim e esta não é uma pequena porção de conhecimento. Considerando que aquele que diz que sabe, ele de
todos os outros não sabe o que ele diz que sabe, e é por isso mesmo totalmente ridículo.

Moral. Ai! quantas coisas existem para nos ensinar a refrear essa impertinência inoportuna e curiosidade ociosa; e
ainda nos abstenhamos, mas estamos curiosos sobre a vida dos outros; como, porque um é aleijado, e porque outro
é pobre. E assim, por esse raciocínio, cairemos em outro tipo de insignificância que é interminável, como, por que tal
pessoa é uma mulher? e por que todos não são homens? Por que existe tal coisa como uma bunda? porque um boi
porque um cachorro? porque um lobo porque uma pedra? porque madeira? e assim o argumento se esgotará em um
comprimento interminável. Na verdade, essa é a razão pela qual Deus delimitou nossos limites e os colocou
profundamente na natureza. E marque agora o excesso dessa curiosidade movimentada. Pois, embora olhemos para
uma altura tão grande como da terra ao céu, e não somos de todo afetados por ela; No entanto, assim que chegamos
ao topo de uma torre elevada, e tenha a intenção de se inclinar um pouco e olhar para baixo, uma espécie de tontura
e vertigem imediatamente nos tomam. Agora, me diga a razão disso. Não, você nunca poderia descobrir uma razão
para isso. Por que é que o olho possui maior poder que outros sentidos e é capturado por objetos mais distantes? E
pode-se ver isso em comparação com o caso da audição. Pois ninguém jamais será capaz de gritar tão alto, a ponto de
encher o ar até onde os olhos possam alcançar, nem ouvir a uma distância tão grande. Por que nem todos os membros
são de igual honra? Por que nem todos receberam uma função e um lugar? Paulo também pesquisou essas questões;
ou melhor, ele não procurou neles, pois era sábio; mas onde ele vem por acaso sobre este tópico, ele diz: "Cada um
deles Deus estabeleceu, assim como lhe aprouve". ( e olhe para baixo, uma espécie de tontura e vertigem
imediatamente nos tomam. Agora, me diga a razão disso. Não, você nunca poderia descobrir uma razão para isso. Por
que é que o olho possui maior poder que outros sentidos e é capturado por objetos mais distantes? E pode-se ver isso
em comparação com o caso da audição. Pois ninguém jamais será capaz de gritar tão alto, a ponto de encher o ar até
onde os olhos possam alcançar, nem ouvir a uma distância tão grande. Por que nem todos os membros são de igual
honra? Por que nem todos receberam uma função e um lugar? Paulo também pesquisou essas questões; ou melhor,
ele não procurou neles, pois era sábio; mas onde ele vem por acaso sobre este tópico, ele diz: "Cada um deles Deus
estabeleceu, assim como lhe aprouve". ( e olhe para baixo, uma espécie de tontura e vertigem imediatamente nos
tomam. Agora, me diga a razão disso. Não, você nunca poderia descobrir uma razão para isso. Por que é que o olho
possui maior poder que outros sentidos e é capturado por objetos mais distantes? E pode-se ver isso em comparação
com o caso da audição. Pois ninguém jamais será capaz de gritar tão alto, a ponto de encher o ar até onde os olhos
possam alcançar, nem ouvir a uma distância tão grande. Por que nem todos os membros são de igual honra? Por que
nem todos receberam uma função e um lugar? Paulo também pesquisou essas questões; ou melhor, ele não procurou
neles, pois era sábio; mas onde ele vem por acaso sobre este tópico, ele diz: "Cada um deles Deus estabeleceu, assim
como lhe aprouve". ( me diga a razão disso. Não, você nunca poderia descobrir uma razão para isso. Por que é que o
olho possui maior poder que outros sentidos e é capturado por objetos mais distantes? E pode-se ver isso em
comparação com o caso da audição. Pois ninguém jamais será capaz de gritar tão alto, a ponto de encher o ar até onde
os olhos possam alcançar, nem ouvir a uma distância tão grande. Por que nem todos os membros são de igual honra?
Por que nem todos receberam uma função e um lugar? Paulo também pesquisou essas questões; ou melhor, ele não
procurou neles, pois era sábio; mas onde ele vem por acaso sobre este tópico, ele diz: "Cada um deles Deus
estabeleceu, assim como lhe aprouve". ( me diga a razão disso. Não, você nunca poderia descobrir uma razão para
isso. Por que é que o olho possui maior poder que outros sentidos e é capturado por objetos mais distantes? E pode-
se ver isso em comparação com o caso da audição. Pois ninguém jamais será capaz de gritar tão alto, a ponto de encher
o ar até onde os olhos possam alcançar, nem ouvir a uma distância tão grande. Por que nem todos os membros são
de igual honra? Por que nem todos receberam uma função e um lugar? Paulo também pesquisou essas questões; ou
melhor, ele não procurou neles, pois era sábio; mas onde ele vem por acaso sobre este tópico, ele diz: "Cada um deles
Deus estabeleceu, assim como lhe aprouve". ( e é pego por objetos mais distantes? E pode-se ver isso em comparação
com o caso da audição. Pois ninguém jamais será capaz de gritar tão alto, a ponto de encher o ar até onde os olhos
possam alcançar, nem ouvir a uma distância tão grande. Por que nem todos os membros são de igual honra? Por que
nem todos receberam uma função e um lugar? Paulo também pesquisou essas questões; ou melhor, ele não procurou
neles, pois era sábio; mas onde ele vem por acaso sobre este tópico, ele diz: "Cada um deles Deus estabeleceu, assim
como lhe aprouve". ( e é pego por objetos mais distantes? E pode-se ver isso em comparação com o caso da audição.
Pois ninguém jamais será capaz de gritar tão alto, a ponto de encher o ar até onde os olhos possam alcançar, nem
ouvir a uma distância tão grande. Por que nem todos os membros são de igual honra? Por que nem todos receberam
uma função e um lugar? Paulo também pesquisou essas questões; ou melhor, ele não procurou neles, pois era sábio;
mas onde ele vem por acaso sobre este tópico, ele diz: "Cada um deles Deus estabeleceu, assim como lhe aprouve". (
Por que nem todos os membros são de igual honra? Por que nem todos receberam uma função e um lugar? Paulo
também pesquisou essas questões; ou melhor, ele não procurou neles, pois era sábio; mas onde ele vem por acaso
sobre este tópico, ele diz: "Cada um deles Deus estabeleceu, assim como lhe aprouve". ( Por que nem todos os
membros são de igual honra? Por que nem todos receberam uma função e um lugar? Paulo também pesquisou essas
questões; ou melhor, ele não procurou neles, pois era sábio; mas onde ele vem por acaso sobre este tópico, ele diz:
"Cada um deles Deus estabeleceu, assim como lhe aprouve". (1 Coríntios 12:18 .) Ele atribui o todo à Sua vontade. E
então, vamos apenas "dar graças por todas as coisas". "Portanto", diz ele, "agradeça por todas as coisas". Esta é a
parte de um bom disposição, de um sábio, de um servo inteligente; o oposto é o de um tattler e um preguiçoso e um
corpo ocupado. Não vemos entre os servos, que aqueles entre eles que são inúteis e inúteis para nada, são tanto
mentirosos quanto insignificantes e que se intrometem nas preocupações de seus senhores, que eles desejam
esconder: enquanto os inteligentes e bem dispostos olhe para uma coisa só, como eles podem cumprir seu serviço.
Aquele que diz muito, não faz nada: como aquele que faz muito, nunca diz uma palavra fora de época. Por isso Paulo
disse, onde escreveu sobre as viúvas: "E eles aprendem não apenas a ficar ociosos,1 Timóteo 5:13.) Diga-me, agora,
qual é a diferença mais ampla, entre a nossa idade e a dos filhos, ou entre Deus e os homens? entre nós mesmos em
comparação com mosquitos, ou Deus comparado com a gente? Claramente entre Deus e nós. Por que então você se
ocupa de tal maneira em todas essas questões? "Dê graças por todas as coisas." "Mas o que", diz você, "se um pagão
deveria fazer a pergunta? Como posso responder a ele? Ele deseja aprender de mim se existe uma Providência, pois
ele mesmo nega que haja qualquer ser exercendo assim a previsão." Volte então e faça a mesma pergunta a ele
mesmo. Ele negará, portanto, que existe uma Providência. No entanto, que há uma Providência, é claro do que tu
disseste; mas isso é incompreensível, é claro daquelas coisas das quais não podemos descobrir a razão. Pois se nas
coisas em que os homens são os trituradores, nós muitas vezes não entendemos o método da disposição, e na verdade
muitos deles nos parecem inconsistentes, e ao mesmo tempo nós concordamos, quanto mais isto será assim no caso
de Deus? No entanto, com Deus, nada é inconsistente ou aparece para os fiéis. Portanto, vamos "dar graças por todas
as coisas", vamos dar-lhe glória para todas as coisas.

"Sujeitando-se uns aos outros", diz ele, "no temor de Cristo". Pois se você se submete por causa de um governante,
ou por causa do dinheiro, ou por respeito, muito mais pelo temor de Cristo. Que haja um intercâmbio de serviço e
submissão. Pois então não haverá tal coisa como serviço escravo. Que ninguém se sente no posto de homem livre e o
outro no posto de escravo; antes, era melhor que senhores e escravos fossem servos uns dos outros - muito melhor
ser escravo desse modo do que livre em qualquer outro; como será evidente a partir daí. Suponha o caso de um
homem que deveria ter cem escravos, e ele não deveria de modo algum servi-los; e suponha novamente um caso
diferente, de uma centena de amigos, todos esperando um pelo outro. Qual vai levar a vida mais feliz? Que com o
maior prazer, com mais prazer? No primeiro caso, não há raiva, nem provocação, nem ira, nem qualquer outra coisa
do tipo; no outro, tudo é medo e apreensão. Em um caso também o todo é forçado, no outro é de livre escolha. Em
um caso, eles servem um ao outro porque são forçados a fazê-lo, no outro com gratificação mútua. Assim Deus quer
que seja; por isso Ele lavou os pés de seus discípulos. Mais ainda, se você tiver a intenção de examinar bem o assunto,
há de fato por parte dos mestres um retorno de serviço. Pois, e se o orgulho não sofrer esse retorno do serviço?
Contudo, se o escravo, por um lado, presta seu serviço corporal, e tu manténs esse corpo, e provê-lo com comida,
roupa e sapatos, esta é uma troca de serviço: porque a menos que prestes o teu serviço também, ele não prestará ,
mas será livre, e nenhuma lei o obrigará a fazê-lo se ele não for apoiado. Se este é o caso dos servos, onde está o
absurdo, se também deve ser o caso com os homens livres. "Sujeitando-se no medo", diz ele, "de Cristo". [414] Quão
grande é então a obrigação, quando também teremos uma recompensa. Mas ele não escolhe se submeter a ti?
Contudo, submeta-se a si mesmo; não simplesmente ceda, mas submeta-se a si mesmo. Entregue esse sentimento
para todos, como se todos fossem seus mestres. Pois assim terás logo todos como teus escravos, escravizados a ti com
a mais escusa escravidão. Porque tu, então, certamente os tornarás teus, quando, sem receber nada deles, tu de ti
mesmo os tornas teus. Isso é "sujeitar-se uns aos outros no temor de Cristo" a fim de que possamos subjugar todas as
paixões, ser servos de Deus e preservar o amor que devemos uns aos outros. E então poderemos também ser
considerados dignos da benignidade que vem de Deus, pela graça e misericórdia de Seu Filho unigênito, com quem ao
Pai, juntamente com o Espírito Santo, seja a glória, poder, honra, agora e para sempre e sempre. Um homem.

Notas de rodapé:

[392] [A onga retoma as orientações gerais de como elas devem andar (comp. V. 9.) após a digressão em ver. 11-14 .-
- GA]

[393] [O texto de Field omite a cláusula ", eles terminaram esta admoestação", deixando o sentido obscuro e difícil.
Esta cláusula é atestada por cinco códices, e nós a inserimos com Savile.

[394] [E, com quatro desses códices, preferimos a leitura eustenésica, "mais forte", à leitura de Astenesterous de Field
(que é "mais fraca").

[395] kerugma.

[396] ["Isto é epexegético das palavras precedentes, visto negativamente e positivamente: apresentando-se em sua
caminhada, não tão insensato, mas tão sábio" "- Meyer. - GA]
[397] Ou melhor, "comprando para si mesmos a oportunidade": uma cláusula participial, que dá uma definição modal
ao hossophoi precedente, "tão sábio". "Nessa concepção figurativa, o fazer daquilo para o qual o ponto do tempo é
ajustado é pensado como o preço de compra pelo qual o kairos se torna nosso." - Meyer.

[398] [Comparar com Gálatas 1: 4 . "Esta cláusula, porque os dias são maus", fornece um motivo para comprar a
oportunidade, ou seja, porque a corrupção moral está agora em voga. "- Meyer. - GA]

[399] ["Isto, portanto," refere-se aos versos 15, 16. Por esta causa, isto é, porque deves andar com tanta exatidão, não
se tornem tais que não usem a mente corretamente. "- Ellicott. - GA]

[400] 1 Timóteo 5:23 . Cf. Vol. IX. 335.

[401] [sozei: sugerido pela palavra asotia ("motim") que imediatamente precede e que é derivado de sozo. Compare
as astia no NT Lexicon de Thayer.

[402] ["O imperativo passivo encontra sua explicação na possibilidade de resistência ao Espírito Santo. O contraste
não está no oinos (vinho) e pneuma (espírito), senão essas palavras teriam ficado no começo de suas cláusulas, mas
nos dois estados - o da intoxicação e o da inspiração. "- Meyer. - GA]

[403] ["Isto dando graças sempre," etc., é uma terceira definição modal do Ser cheio do espírito, "também se conjuga
com os dois precedentes, trazendo proeminência, - depois do canto geral de louvor. "do versículo 19, que deve ocorrer
de maneira audível, bem como no coração - mais e em particular, a ação de graças" que os leitores sempre fizeram
por todas as coisas a Deus. "- Meyer. GA]

[404] [Meyer diz que o contexto limita a panton a "bênçãos". - GA]

[405] [Sobre esses hereges e suas doutrinas, ver vol. IX. (esta série) p. 65 (notas 3 e 5) e p. 205, segunda coluna .-- GA]

[406] [Essa dificuldade é tão antiga quanto a de Davi. Crisóstomo não sugere aqui a solução de Davi para o problema
- as compensações espirituais aqui e no futuro. E Paulo poderia dizer até mesmo a um escravo em seu dia: "Você foi
chamado de escravo? Não se preocupe com isso. Não, se você é até capaz de ser livre, faça uso de ter sido chamado
como um escravo, ao invés de aceitar tua liberdade ". ( 1 Coríntios 7:21 ) E até mesmo Epicteto disse algo semelhante.
Um pouco abaixo, Crisóstomo toca essa Teodicéia superior: "Uma só coisa é mal, isto é, pecar" - GA

[407] [Sobre a geografia e astronomia de Crisóstomo, veja a Homilia IX. , Sobre as estátuas, vol. IX. desta série, pp.
403, 404, com notas pelo Rev. WRW Stevens, MA Compare Salmos 24: 2 - GA]

[408] [Compare o que é dito por Epicteto sobre sua própria claudicação: "Devo então, por causa de uma perninha
miserável, encontrar defeitos no universo? Devo não admitir esse acidente à existência de leis gerais e concordar
alegremente com isso? por causa daquele que deu isto? " E novamente, sobre sua escravidão: "Ele é um escravo cujo
corpo é livre, mas cuja alma está presa; e ao contrário, ele é livre, cujo corpo está preso, mas cuja alma é livre" - GA

[409] [ Jó 11:12 , o Sept .: anthropos de allos nechetai logois; mas o Rev. Ver., depois do hebraico, tem: "O homem
vaidoso é desprovido de entendimento" - GA

[410] [Um oxímoro impressionante. Compare o grego, hoagnoon tou huposchomenou eidenai sophoteros .-- GA]

[411] [Compare o grego novamente: ou palin ele agnoia tes eideseos esti sophotera; - GA]

[412] [Comparar, Unum scio, quod nihil scio - GA]

[413] ["As palavras sujeitando-se uns aos outros" ainda pertencem ao verso 20 como uma quarta definição modal de
Ser cheio do Espírito ", e são paralelas a dar graças por todas as coisas a Deus", acrescentando assim a esta relação em
direção a Deus, a relação mútua entre si. "- Meyer. - GA]

[414] [Não o temor de "Deus", como Crisóstomo, o textus receptus e o Eng. Autorizado. A versão tem, mas o medo de
"Cristo" (como Rev. Ver., Westcott e Hort, e todas as autoridades confiáveis). Isto é, Cristo deve ser "temido" como o
"Juiz" (Meyer). Cornelius a Lapide (em Ellicott) diz: "Porque reverenciamos a Cristo e tememos 'ofendê-lo": quia scilicet
Christum reveremur eumque timemus offendere.

Efésios 5:19
Falando a si mesmos em salmos e hinos e canções espirituais, cantando e fazendo melodia em seu coração ao Senhor;
Efésios 5:20
Dando graças sempre por todas as coisas a Deus e ao Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo;
Efésios 5:21
Submetendo-se uns aos outros no temor de Deus.
Efésios 5:22
Esposas, submetam-se a seus próprios maridos, como ao Senhor.
"Esposas, sujeitai-vos aos vossos próprios maridos, como ao Senhor. Pois o marido é a cabeça da mulher, como
também Cristo é a cabeça da Igreja: sendo ele mesmo o Salvador do corpo. Mas como a Igreja está sujeita para Cristo,
assim que as esposas sejam também para seus maridos em tudo.
Um certo homem sábio, estabelecendo várias coisas no nível de bênçãos, estabeleceu isso também como uma bênção:
"Uma esposa concordando com o marido". (Ecclus. Xxv. 1.) E em outros lugares, ele estabelece entre as bênçãos, que
a mulher deve habitar em harmonia com o marido. (Ecclus. Xl. 23.) E, de fato, desde o início, Deus parece ter feito uma
provisão especial para essa união; e discursando dos dois como um, Ele disse assim: "Homem e mulher os criou" (
Gênesis 1:27 ); e novamente: "Não há homem nem mulher". ( Gálatas 3:28.) Porque não existe relação entre homem
e homem tão próxima quanto entre marido e mulher, se eles estiverem juntos como deveriam ser. E, portanto, um
certo homem abençoado também, quando expressava amor superior, e lamentava por alguém que lhe era querido, e
de uma alma com ele, não mencionava pai, nem mãe, nem filho, nem irmão, nem amigo, mas o que? "Teu amor para
mim foi maravilhoso", diz ele, "passando o amor das mulheres". ( 2 Samuel 1:26Na verdade, de fato, esse amor é mais
despótico do que qualquer despotismo: pois os outros, na verdade, podem ser fortes, mas essa paixão não é apenas
forte, mas infalível. Pois há um certo amor profundamente arraigado em nossa natureza, que imperceptivelmente
para nós mesmos une esses corpos nossos. Assim, desde o começo, a mulher surgiu do homem, e depois do homem
e da mulher surgiu o homem e a mulher. [415] Percebeste tu o estreito vínculo e conexão? E como que Deus não
sofreu um tipo diferente de natureza para entrar de fora? E marque quantos arranjos providenciais Ele fez. Ele permitiu
que o homem se casasse com sua própria irmã; ou melhor, não sua irmã, mas sua filha; mais ainda, nem sua filha, mas
algo mais que sua filha, até mesmo sua própria carne. [416] E assim o todo Ele enquadrou desde um começo, reunindo
todos juntos, como pedras em um prédio, em uma. Pois nem de um lado Ele a formara de fora, e isso era que o homem
não poderia sentir em relação a ela como para um estrangeiro; nem novamente Ele limitou o casamento a ela, [417]
para que ela não pudesse, por se contrair, [418] e fazer todo o centro em si mesma, ser cortada dos demais. Assim
como no caso das plantas, elas são de todas as outras, as melhores, que têm apenas um tronco, e se espalham em
vários ramos; (já que todos estavam confinados apenas à raiz, tudo não teria qualquer propósito, enquanto que,
novamente, com um certo número de raízes, a árvore não seria mais merecedora de admiração;) então, digo, é o caso
aqui também. De um deles, a saber, Adão, Ele fez toda a raça brotar, impedindo-os pela mais forte necessidade de se
separar ou separar; e depois, tornando-a mais restrita, Ele não mais permitia que irmãs e filhas fossem esposas, para
que não pudéssemos, por outro lado, contrair nosso amor a um ponto, e assim, de outro modo, sermos separados um
do outro. Por isso, Cristo disse: "Aquele que os fez desde o princípio os fez macho e fêmea". (Mateus 19: 4. )

Pois grandes males são, portanto, produzidos e grandes benefícios, tanto para as famílias quanto para os estados. Pois
não há nada que une nossa vida como o amor do homem e da esposa. Por isso muitos deixarão de lado até mesmo
suas armas, [419] para isso eles desistirão da própria vida. E Paulo nunca teria, sem uma razão e sem um objeto, gasto
tantas dores neste assunto, como quando ele diz aqui: "Esposas, sujeitem-se a seus próprios maridos, como ao
Senhor". E por que isso? Porque quando eles estão em harmonia, as crianças são bem educadas, e os domésticos estão
em boa ordem, e os vizinhos, e amigos, e as relações desfrutam da fragrância. Mas, se assim não for, tudo fica de
cabeça para baixo e é confundido. E assim como quando os generais de um exército estão em paz uns com os outros,
todas as coisas estão na devida subordinação, enquanto, por outro lado, se eles estão em desacordo, tudo fica de
cabeça para baixo; então, eu digo, é também aqui. Portanto, diz ele: "Esposas, sujeitai-vos a vossos próprios maridos,
como ao Senhor".

No entanto, que estranho! pois como é que é dito em outro lugar: "Se alguém não se despedir tanto da esposa como
do marido, ele não pode me seguir"? ( Lucas 14:26.) Pois se é seu dever estar em sujeição "como ao Senhor", como
Ele disse que eles devem afastar-se deles por amor do Senhor? No entanto, seu dever, na verdade, é seu dever
limitado. Mas a palavra "as" não é necessariamente e universalmente expressiva de igualdade exata. Ele quer dizer
isto, "como 'sabendo que sois servos do Senhor"; (que, a propósito, é o que ele diz em outro lugar, que, embora o
façam não pelo bem do marido, devem ser principalmente por causa do Senhor;) ou então ele quer dizer: "quando
obedeceres a teu marido, fá-lo como servir ao Senhor ". [420] Porque, se aquele que resiste a essas autoridades
externas, aquelas de governos, quero dizer, "sustenta a ordenança de Deus" ( Romanos 13: 2 ), muito mais é ela que
não se submete a seu marido.

Tomemos como nossa posição fundamental que o marido ocupe o lugar da "cabeça" e a esposa o lugar do "corpo".

Efésios 5:23
Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, e ele é o salvador do corpo.
Ver. 23, 24. Então, ele prossegue com argumentos e diz que "o marido é a cabeça da esposa, como também Cristo é a
cabeça da Igreja, sendo Ele mesmo o Salvador do corpo. Mas [421] como a Igreja está sujeita para Cristo, assim que as
esposas sejam para seus maridos em tudo ".
Então, depois de dizer: "O marido é a cabeça da esposa, como também Cristo é da Igreja", ele acrescenta, "e Ele é o
Salvador do corpo". Pois de fato a cabeça é a saúde salvadora do corpo. Ele já havia estabelecido de antemão para o
homem e a esposa, o fundamento e a provisão de seu amor, atribuindo a cada um o seu devido lugar, para aquele que
de autoridade e premeditação, para o outro que de submissão. Assim como "a Igreja", isto é, ambos maridos e esposas,
"está sujeito a Cristo, assim também vós vos submetais a vossos maridos, como a Deus".

Efésios 5:24
Assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim deixe as esposas ser a seus maridos em tudo.
Efésios 5:25
Maridos, amem suas esposas, assim como também Cristo amou a igreja e se entregou por ela;
Ver. 25. "Maridos, amai vossas mulheres, assim como também Cristo amou a Igreja."
Ouviste quão grande é a submissão; tu tens exaltado e maravilhado com Paulo, como, como um homem admirável e
espiritual, ele une toda a nossa vida. Tu foste bem. Mas agora ouça o que ele também requer em suas mãos; pois
novamente ele emprega o mesmo exemplo.

"Maridos", diz ele, "ama as vossas mulheres, assim como também Cristo amou a Igreja".

Viste a medida da obediência, ouve também a medida do amor. [422] Terias tu a tua mulher obediente a ti, como a
Igreja é para com Cristo? Tome-se então o mesmo cuidado providente por ela, como Cristo toma para a Igreja. Sim,
ainda que seja necessário que tu dê a tua vida por ela, sim, e seja cortado em pedaços dez mil vezes, sim, e para
suportar e sofrer qualquer sofrimento, não o recuse. Embora tu deves submeter-se a tudo isso, ainda assim não serás,
nem mesmo então, feito algo semelhante a Cristo. Pois tu, de fato, estás fazendo isso para alguém a quem tu já estás
unido; mas Ele, por aquele que deu as costas a Ele e O odiou. Da mesma forma, como Ele colocou a Seus pés a que
deu as costas a Ele, que o odiou, desprezou e desprezou, não por ameaças, nem por violência, nem por terror, nem
por qualquer outra coisa do gênero, mas por seu carinho incansável; assim também te comportas para com a tua
mulher. Sim, embora a vejas olhando para ti e desprezando, e te desprezando, contudo, por tua grande consideração
por ela, pela afeição, pela bondade, poderás deitá-la a teus pés. Pois não há nada mais poderoso a influenciar do que
esses laços, e especialmente para marido e mulher. Um servo, de fato, alguém poderá, talvez, amarrar-se pelo medo;
não, nem mesmo ele, pois ele logo começará a se afastar e partirá. Mas a parceira da vida, a mãe dos filhos, a base da
alegria de cada um, nunca se deve acorrentar pelo medo e ameaças, mas com amor e bom humor. Para que tipo de
união é essa, onde a esposa treme com o marido? E que tipo de prazer o marido desfrutará, se ele mora com a esposa
como um escravo, e não como uma mulher livre? Sim, embora devesses sofrer alguma coisa por causa dela, não a
censureis; porque nem Cristo fez isso.

Ver. 26. "E se entregou", diz ele, "para que pudesse santificá-lo e purificá-lo".

Então ela estava impura! Então ela tinha defeitos, então ela era sem graça, então ela era inútil! Seja qual for o tipo de
esposa que você tomar, você nunca deve tomar uma noiva como a Igreja, quando Cristo a levou, nem tão longe de
você como a Igreja era de Cristo. E, no entanto, apesar de tudo isso, Ele não a abominou, nem a abominou por sua
suprema deformidade. Você ouviria sua deformidade descrita? Ouça o que Paulo diz: "Pois outrora foi escuridão". (
Efésios 5: 8 ). Viste a negritude da sua cor? O que é mais negro que a escuridão? Mas olhe novamente para a ousadia
dela, "vivendo", diz ele, "com malícia e inveja". ( Tito 3: 3.) Veja novamente sua impureza; "desobediente, tolo". Mas
o que estou dizendo? Ela era tola e de uma língua má; e, não obstante, apesar de tantas outras serem suas
imperfeições, ainda assim Ele se entregou por ela em sua deformidade, como por alguém que floresceu na juventude,
como por uma pessoa amavelmente amada, como por alguém de beleza maravilhosa. E foi em admiração disso que
Paulo disse: "Pois dificilmente alguém morrerá ( Rm 5: 7 ), e novamente" em que, enquanto ainda éramos pecadores,
Cristo morreu por nós "( Romanos 5 : 8 ) E embora tal como isto, Ele a tomou, Ele a vestiu em beleza, e a lavou, e
recusou nem mesmo isto, para dar a si mesmo por ela.

Ver. 26, 27. "Para que Ele pudesse santificá-lo tendo-o purificado", prossegue ele, "lavando a água com a palavra; para
que Ele pudesse apresentar a Igreja a si mesmo como uma Igreja gloriosa, sem mancha ou ruga coisa, mas que deve
ser santo e sem defeito ".

"Pela lavagem ou pia" Ele lava sua impureza. "Pela palavra", diz ele. Qual palavra? "Em nome do Pai e do Filho e do
Espírito Santo". [423] ( Mateus 28:19... E não simplesmente Ele a adornou, mas fez dela "gloriosa, não tendo mancha,
ou ruga, ou qualquer coisa semelhante". Vamos, então, buscar também essa beleza e seremos capazes de criá-la. Não
busques a mão de tua mulher, coisas que ela não pode possuir. Vês tu que a Igreja tinha todas as coisas nas mãos do
seu Senhor? Por Ele foi feito glorioso, por Ele foi feito puro, por Ele feito sem defeito? Não vire as costas para a sua
esposa por causa de sua deformidade. Ouça a Escritura que diz: "A abelha é pequena entre as que voam, mas o seu
fruto é o principal dos doces". [424] (Ecclus. Xi. 3.) Ela é da moda de Deus. Tu não a repreendes, mas àquele que a
criou; o que a mulher pode fazer? Louvado seja ela não por sua beleza. O louvor e o ódio e o amor baseados na beleza
pessoal pertencem a almas inculcadas. Busco-te pela beleza da alma. Imite o noivo da igreja. A beleza exterior é cheia
de presunção e grande licença, e lança os homens no ciúme, e a coisa muitas vezes te faz suspeitar de coisas
monstruosas. Mas tem algum prazer? Para o primeiro ou segundo mês, talvez, ou no máximo para o ano: mas não
mais; a admiração pela familiaridade desaparece. Enquanto isso, os males que surgiram da beleza ainda permanecem,
o orgulho, a loucura, o desprezo. Considerando que em quem não é tal, não há nada deste tipo. Mas o amor, tendo
começado justamente, ainda continua ardente, já que seu objeto é a beleza da alma e não do corpo. Que melhor, me
diga, do que o céu? Que melhor que as estrelas? Diga-me de que corpo você quer, mas não há nenhum tão justo. Diga-
me de que olhos você vai, mas não há nenhum tão brilhante. Quando estes foram criados, os próprios anjos olhavam
com admiração, e agora nos olhamos maravilhados; ainda não no mesmo grau que no início. Essa é a familiaridade; as
coisas não nos atingem no mesmo grau. Quanto mais no caso de uma esposa! E se além disso a doença vier também,
tudo é ao mesmo tempo fugido. Procuremos em uma esposa afeição, modéstia mental, gentileza; estas são as
características da beleza. Mas a amabilidade da pessoa não nos permita procurá-la, nem censurá-la sobre esses
pontos, sobre os quais ela não tem poder; antes, não nos censuremos de modo algum (era rudeza), nem sejamos
impacientes nem taciturnos. Não vedes quantos, depois de viverem com belas esposas, encerraram as suas vidas com
tristeza, e quantos, que viveram com pessoas de pouca beleza, correram para a velhice extrema com grande prazer?
Vamos limpar o "ponto" que está dentro, vamos suavizar o " mas por essa verdadeira nobreza que está na alma. Que
ninguém durma para ficar rico com uma esposa; porque tais riquezas são básicas e vergonhosas; não, de modo algum
deixe alguém procurar ficar rico dessa fonte. "Para aqueles que desejam ser ricos, caiam em uma tentação e uma
armadilha, e muitos desejos tolos e prejudiciais, e em destruição e perdição." ( mas por essa verdadeira nobreza que
está na alma. Que ninguém durma para ficar rico com uma esposa; porque tais riquezas são básicas e vergonhosas;
não, de modo algum deixe alguém procurar ficar rico dessa fonte. "Para aqueles que desejam ser ricos, caiam em uma
tentação e uma armadilha, e muitos desejos tolos e prejudiciais, e em destruição e perdição." (1 Timóteo 6: 9. Não
busque, pois, em tua mulher, abundância de riquezas, e encontrarás tudo o mais bem. Quem, diga-me, ignoraria as
coisas mais importantes, para atender àquelas que são menos importantes? E ainda assim, ai! este é, em todos os
casos, nosso sentimento. Sim, se tivermos um filho, nos preocupamos não em como ele pode ser virtuoso, mas em
como podemos obter uma esposa rica para ele; não como ele pode ser bem-educado, mas bem intimidado: [425] se
seguirmos um negócio, nós não perguntamos como pode estar claro o pecado, mas como isso pode nos trazer mais
lucro. E tudo se tornou dinheiro; e assim é tudo corrompido e arruinado, porque essa paixão nos possui.

Efésios 5:26
Para que ele possa santificá-lo e limpá-lo com a lavagem da água pela palavra,
Efésios 5:27
Que ele possa apresentar a si mesmo uma igreja gloriosa, não tendo mancha, nem ruga, ou qualquer coisa semelhante;
mas que deve ser santo e sem defeito.
Efésios 5:28
Então, os homens devem amar suas esposas como seus próprios corpos. Aquele que ama sua esposa ama a si mesmo.
Ver. 28. "Mesmo assim, os maridos devem amar suas próprias esposas", diz ele, "como seus próprios corpos".
O que, mais uma vez, significa isso? Quanto mais semelhante e mais forte exemplo ele veio? e não apenas isso, mas
também para um quanto mais próximo e mais claro, e para uma nova obrigação. Para aquele outro era de nenhuma
força muito constrangedora, porque Ele era Cristo, e era Deus, e deu a Si mesmo. Ele agora administra seu argumento
em um terreno diferente, dizendo: "assim deve os homens"; porque a coisa não é um favor, mas uma dívida. Então,
"como seus próprios corpos". E porque?

Ver. 29. "Porque ninguém jamais odiou a sua própria carne, mas a nutre e cuida".

Ou seja, cuida disso com muito cuidado. E como ela é sua carne? Ouvir; "Isto agora é osso dos meus ossos", diz Adão,
"e carne da minha carne". ( Gênesis 2:23 .) Pois ela é feita de matéria tirada de nós. E não apenas isso, mas também
"eles serão", diz Deus, "uma só carne". ( Gênesis 2:24 )

"Igualmente como Cristo também a Igreja." Aqui ele retorna ao primeiro exemplo.

Ver. 30. "Porque somos membros do seu corpo, da sua carne e dos seus ossos." [426]

Ver. 31. "Por isso deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne." [427]

Eis novamente um terceiro fundamento de obrigação; pois ele mostra que um homem deixando-os que o gerou, e de
quem ele nasceu, é ligado à sua esposa; e que então a carne é, pai e mãe, e a criança, da substância dos dois
misturados. Pois, de fato, pela mistura de suas sementes, a criança é produzida, de modo que os três são uma só carne.
Assim, estamos em relação a Cristo; nos tornamos uma só carne pela participação e muito mais que a criança. E por
que e como? Porque assim tem sido desde o começo.

Não me diga que tais e tais coisas são assim. Não vedes que temos em nossa própria carne muitos defeitos? Pois um
homem, por exemplo, é coxo, outro tem seus pés distorcidos, outro suas mãos murchas, outro algum outro membro
fraco; e, no entanto, ele não se aflige nem corta, mas muitas vezes prefere isso ao outro. Naturalmente o suficiente;
porque é parte de si mesmo. Tão grande amor quanto cada um entretém em direção a si mesmo, tão grande que ele
quer nos entreter para uma esposa. Não porque nós participamos da mesma natureza; não, este fundamento de dever
para com uma esposa é muito maior que isso; é que não há dois corpos, mas um; ele a cabeça, ela o corpo. E como
ele diz em outro lugar "e a Cabeça de Cristo é Deus"? ( 1 Coríntios 11: 3.) Também eu digo que, como somos um só
corpo, também Cristo e o Pai são um. E assim o Pai também descobriu ser nossa Cabeça. Ele estabelece dois exemplos,
o do corpo natural e o do corpo de Cristo. E daí ele acrescenta ainda,

Ver. 32. "Este é um grande mistério: mas eu falo em relação a Cristo e da Igreja." [428]

Por que ele chama isso de um grande mistério? Que era algo grande e maravilhoso, o abençoado Moisés, ou melhor,
Deus, insinuou. Por ora, no entanto, diz ele, falo a respeito de Cristo, que tendo deixado o Pai, Ele desceu e foi à Noiva
e se tornou um só Espírito. "Pois aquele que se une ao Senhor é um só Espírito." ( 1 Coríntios 6:17 ) E bem diz ele: "é
um grande mistério". E então, como se estivesse dizendo: "Mas, mesmo assim, a alegoria não destrói o afeto",
acrescenta ele.

Ver. 33. "No entanto, também amais cada um a sua própria mulher como a si mesmo, e a esposa veja que teme o
marido."

Pois, de fato, de fato, é um mistério, sim, um grande mistério, que um homem deve deixar aquele que o deu, aquele
que o gerou e que o criou, e aquele que com ele padeceu e teve tristeza, aqueles que lhe concederam tantos e grandes
benefícios, aqueles com quem ele esteve em relações familiares, e se uniram a alguém que nunca foi visto por ele e
que não tem nada em comum com ele, e deveria honrá-la antes de todos os outros. . Um mistério é de fato. E, no
entanto, os pais não ficam angustiados quando esses eventos acontecem, mas sim quando eles não acontecem; e
ficam encantados quando sua riqueza é gasta e destinada a ele. - Um grande mistério, de fato! e aquele que contém
alguma sabedoria oculta. Tal Moisés profeticamente mostrou que era desde o princípio; tal agora também Paulo
proclama isto, onde ele diz, "

No entanto, não por amor ao marido, é assim dito, mas também para a esposa, que "ele a acalenta como sua própria
carne, como também Cristo, a Igreja" e "que a esposa teme seu marido". Ele não está mais estabelecendo os deveres
do amor apenas, mas o que? "Que ela teme o marido." A esposa é uma segunda autoridade; não permita que ela
então exija a igualdade, pois ela está debaixo da cabeça; nem deixe que ele a despreze como estando em sujeição,
pois ela é o corpo; e se a cabeça despreza o corpo, ele também perecerá. Mas deixe que ele traga amor de sua parte
como um contrapeso à obediência de sua parte. Por exemplo, deixe as mãos e os pés, e todo o resto dos membros ser
entregue para o serviço à cabeça, mas deixe a cabeça prover o corpo, vendo que contém todo sentido em si mesmo.
Nada pode ser melhor que esta união.

E, no entanto, como pode haver amor, pode-se dizer, onde há medo? Vai existir lá, eu digo, prematuramente. Pois ela
que teme e reverencia, ama também; e aquela que ama, teme e reverencia ele como sendo a cabeça, e o ama como
membro, uma vez que a própria cabeça é um membro do corpo em geral. Por isso, coloca um em sujeição e o outro
em autoridade, para que haja paz; pois onde há autoridade igual nunca pode haver paz; nem onde uma casa é uma
democracia, nem onde todos são governantes; mas o poder dominante deve necessariamente ser um. E isso é
universalmente o caso com assuntos referentes ao corpo, na medida em que quando os homens são espirituais, haverá
paz. Havia "cinco mil almas", e nenhuma delas dizia "que algo das coisas que possuía era seu".), mas eles estavam
sujeitos um ao outro; uma indicação disso da sabedoria e do temor de Deus. O princípio do amor, no entanto, ele
explica; isso de medo ele não faz. E marque como o amor se amplia, declarando os argumentos relativos a Cristo e
àqueles relacionados à própria carne, as palavras: "Por esta causa o homem deixará seu pai e sua mãe". (Ver. 31)
Considerando que, sobre aqueles tirados do medo, ele deixa de aumentar. E por que isso? Porque ele preferiria que
esse princípio prevalecesse, isto é, de amor; pois onde isso existe, tudo o mais segue naturalmente, mas onde o outro
existe, não necessariamente. Para o homem que ama sua esposa, mesmo que ela não seja muito obediente, ainda
suportará tudo. Tão difícil e impraticável é a unanimidade, onde as pessoas não estão unidas pelo amor que é fundado
na autoridade suprema; Em todo caso, o medo não necessariamente afetará isso. Conseqüentemente, ele enfatiza
mais sobre isso, que é o laço forte. E a esposa, embora parecendo ser a perdedora, que foi acusada de temer, é a
ganhadora, porque o principal dever, o amor, é cobrado do marido. "Mas o que", alguém pode dizer, "se uma esposa
não me reverenciar?" Não importa, tu és de amar, cumprir o teu próprio dever. Pois, embora o que é devido pelos
outros possa não seguir, é claro que devemos cumprir nosso dever. Este é um exemplo do que quero dizer. Ele diz:
"submetendo-se uns aos outros no temor de Cristo". E então, se outro não se submeter? Ainda obedece a lei de Deus.
Apenas assim, eu digo, é também aqui. Deixe a esposa pelo menos, embora ela não seja amada, apesar da reverência,
nada pode estar à sua porta; e que o marido, apesar de sua esposa não o reverenciar, ainda assim mostre seu amor,
que ele mesmo não esteja querendo em nenhum ponto. Para cada um recebeu o seu próprio.

Isto então é casamento quando ocorre de acordo com Cristo, matrimônio espiritual e nascimento espiritual, não de
sangue, nem de trabalho, nem da vontade da carne. Tal foi o nascimento de Cristo, não de sangue nem de trabalho.
Tal também foi o de Isaque. Ouça como a Escritura diz: "E deixou de estar com Sara segundo a maneira das mulheres".
( Gênesis 18:11 ) Sim, o casamento não é de paixão, nem de carne, mas totalmente espiritual, unindo a alma a Deus
por uma união inexprimível e que somente Ele conhece. Portanto, ele diz: "Aquele que se une ao Senhor é um espírito".
( 1 Coríntios 6:17.) Marque com que sinceridade ele se esforça para unir tanto a carne com a carne como o espírito
com o espírito. E onde estão os hereges? [430] Nunca, certamente, se o casamento fosse uma coisa a ser condenada,
ele teria chamado Cristo e a Igreja de noiva e noivo; nunca teria apresentado, por meio de exortação, as palavras: "Um
homem deixará seu pai e sua mãe"; e novamente acrescentou que foi "falado a respeito de Cristo e da Igreja". Para
ela é que o salmista também diz: “Escuta, ó filha, e considera, e inclina os teus ouvidos; esquece também o teu povo
ea casa de teu pai. Assim o rei deseja a tua beleza”. ( Salmo 45:10 , 11) Portanto, também Cristo disse: "Eu saí do Pai
e vim". ( João 16:28.) Mas quando digo que Ele deixou o Pai, não imagine que isso aconteça entre os homens, uma
mudança de lugar; pois exatamente da mesma maneira que a palavra "sair" é usada, não porque Ele literalmente saiu,
mas por causa de Sua encarnação, assim também é a expressão "Ele deixou o Pai".

Ora, por que ele não disse também da esposa: Ela se unirá ao marido dela? Por que, eu digo, é isso? Porque ele estava
discursando sobre o amor e estava discursando para o marido. Para ela, na verdade, ele fala sobre reverência e diz: "o
marido é a cabeça da esposa" (verso 23) e, novamente, "Cristo é a Cabeça da Igreja". Ao passo que para ele ele discursa
sobre o amor, e compromete-se com esta província de amor, e declara-lhe o que pertence ao amor, ligando-o e
cimentando-o a ela. Para o homem que deixa seu pai por causa de sua esposa, e novamente, deixa ela mesma esposa
e a abandona, que tolerância ele pode merecer?

Não vês a grandeza da honra que Deus gostaria que ela desfrutasse, em que te afastou de teu pai e te ligou a ela?
Então, o que um homem pode dizer, se nosso dever estiver cumprido e, no entanto, ela não seguir o exemplo?
"Contudo, se os incrédulos partirem, deixe-os partir; o irmão ou a irmã não está sob cativeiro em tais casos". ( 1
Coríntios 7:15 )

No entanto, quando você ouve de "medo", exige que o medo se torne uma mulher livre, não como se você estivesse
exigindo isso de um escravo. Porque ela é o teu próprio corpo; e se tu fizeres isto, tu te repreendas em desonrar teu
próprio corpo. E de que natureza é esse "medo"? É o não contradizer, o não rebelar, o não gostar da presunção. É
suficiente que o medo seja mantido dentro desses limites. Mas se ama, como te ordenaste, ainda maior. Ou melhor,
não será mais por medo de que você esteja fazendo isso, mas o próprio amor terá seu efeito. O sexo é de alguma
forma mais fraco, e precisa de muito apoio, muita condescendência.

Mas o que eles dirão, que estão unidos no segundo casamento? [431] Eu não falo de modo algum em condenação
deles, Deus me livre; pois o próprio apóstolo os permite, embora de fato por condescendência.

Forneça-a com tudo. Faça tudo e enfrente problemas por causa dela. A necessidade é colocada sobre ti.

Aqui ele não acha certo apresentar seu conselho, como ele faz em muitos casos, com exemplos deles que não o são.
Aquela de Cristo, tão grande e forçada, estava sozinha o suficiente; e mais especialmente no que diz respeito ao
argumento da sujeição. "Um homem deve partir", diz ele, "seu pai e mãe". Eis que isto então é de fora. Mas ele não
diz, e "habitará com", mas "apegar-se-á a", mostrando assim a proximidade da união e o amor fervoroso. Não, ele não
está contente com isso, mas além disso pelo que ele acrescenta, ele explica a sujeição de tal maneira que os dois não
parecem mais dois. Ele não diz "um espírito", ele não diz "uma alma" (pois isso é manifesto e é possível para qualquer
um), mas para ser "uma só carne". Ela é uma segunda autoridade possuindo de fato uma autoridade e uma
considerável igualdade de dignidade; mas ao mesmo tempo o marido tem um pouco de superioridade. Neste consiste
principalmente principalmente o bem-estar da casa. Pois ele tomou esse argumento anterior, o exemplo de Cristo,
para mostrar que não devemos apenas amar, mas também governar; "que ela pode ser", diz ele, "santo e sem defeito".
Mas a palavra "carne" refere-se ao amor - e a palavra "clivará" tem, de certa forma, referência ao amor. Pois se a
fizeres "santa e sem defeito", tudo o mais se seguirá. Busque as coisas que são de Deus, e as que são do homem
seguirão prontamente o bastante. Governe tua esposa e assim toda a casa estará em harmonia. Ouça o que Paulo diz.
"E se eles aprendessem alguma coisa,1 Coríntios 14:35 .) Se assim regulamentarmos nossas próprias casas, estaremos
também aptos para a administração da Igreja. Pois de fato uma casa é uma pequena igreja. Assim, é possível para nós,
tornando-nos bons maridos e esposas, superar todos os outros.

Considere Abraão, e Sara, e Isaque, e os trezentos e dezoito nascidos em sua casa. ( Gênesis 14:14 ) Como toda a casa
estava harmoniosamente unida, como o todo estava cheio de piedade e cumpria a injunção Apostólica. Ela também
"reverenciava o marido"; porque ouve as suas próprias palavras: "Ainda não me aconteceu até agora, e o meu senhor
é velho também." ( Gênesis 18:12.) E ele novamente a amou tanto que em todas as coisas ele obedeceu aos seus
mandamentos. E a criancinha era virtuosa e os servos nascidos na casa também eram tão excelentes que não se
recusavam sequer a arriscar a vida com seu amo; eles não demoraram, nem perguntaram o motivo. Mais do que isso,
um deles, o chefe, era tão admirável que lhe foi confiado o casamento do filho unigênito e uma viagem a um país
estrangeiro. ( Gênesis 24: 1-67.) Assim como com um general, quando sua tropa também é bem organizada, o inimigo
não tem um quarto para atacar; então, eu digo, é também aqui: quando marido e mulher e filhos e servos estão todos
interessados nas mesmas coisas, grande é a harmonia da casa. Visto que não é esse o caso, o todo é muitas vezes
derrubado e desfeito por um mau servo; e aquele único, muitas vezes, estraga e destrói totalmente o todo.

Moral. Vamos então ser muito atenciosos tanto para nossas esposas, filhos e servos; sabendo que assim estaremos
estabelecendo para nós mesmos um governo fácil, e teremos nossas contas gentis e brandas com elas, e diremos: "Eis
que eu e os filhos que Deus me deu". ( Isaías 8:18.) Se o marido manda respeito e a cabeça seja honrada, então o resto
do corpo não sofrerá violência. Agora, qual é o comportamento apropriado da esposa e o que o marido afirma com
precisão, acusando-a de reverenciá-lo como a cabeça e de amá-la como esposa; mas como, pode-se dizer, essas coisas
podem ser? Que eles de fato deveriam ser, ele provou. Mas como eles podem ser assim, eu vou te dizer. Eles serão
assim, se desprezarmos o dinheiro, se procurarmos apenas uma coisa, a excelência da alma, se guardarmos o temor
de Deus diante de nossos olhos. Pelo que ele diz em seu discurso aos servos, "tudo o que alguém fizer, seja bom ou
mau, o mesmo receberá do Senhor" ( Efésios 6: 8)..); Este também é o caso aqui. Ame-a, portanto, não tanto por ela
como por amor a Cristo. Isso, pelo menos, tanto quanto ele insinua, dizendo: "como para o Senhor". Então faça tudo,
como em obediência ao Senhor, e fazendo tudo por amor a ele. Isso bastou para nos induzir e nos persuadir, e não
para sofrer que houvesse qualquer provocação e dissensão. Que ninguém seja acreditado quando caluniar o marido à
sua esposa; não, nem permita que o marido acredite em qualquer coisa aleatoriamente contra a esposa, nem deixe a
esposa ser inquisitiva sobre suas saídas e suas idas. Não, nem de qualquer forma deixe o marido se tornar digno de
qualquer suspeita. Pois, o que, diga-me, e se você se dedicar todo o dia a teus amigos, e dar a noite a tua esposa, e
nem mesmo assim poder satisfazê-la, e colocá-la fora do alcance da suspeita? Embora a tua mulher se queixe, mas
não se aborreça - é o seu amor, não a sua loucura - são as queixas do apego fervoroso, da ardente afeição e do medo.
Sim, ela tem medo que ninguém tenha roubado sua cama de casamento, para que ninguém a tenha ferido naquilo
que é o ápice de suas bênçãos, para que ninguém tenha tirado dela quem é sua cabeça, para que ninguém tenha
quebrado sua câmara de casamento.

Há também outro motivo de ciúme mesquinho. Que nenhum dos dois reivindique demasiado serviço dos servos, nem
o marido da empregada, nem a esposa do servente. Pois estas coisas também são suficientes para gerar suspeita. Por
considerar, digo, aquele lar honesto de que falei. A própria Sarah ordenou ao patriarca que tomasse Agar. Ela mesma
dirigiu isso, ninguém a obrigou, nem o marido tentou fazê-lo; não, embora ele tivesse arrastado por tanto tempo um
período sem filhos, ainda assim preferiu nunca se tornar pai, em vez de afligir sua esposa. E mesmo depois de tudo
isso, o que disse Sarah? "O Senhor julgue entre mim e ti." ( Gênesis 16: 5.) Agora, eu digo, se ele tivesse sido alguém
mais, ele não teria sido levado à ira? Não teria ele estendido a mão, dizendo: "O que você quer dizer com isso? Eu não
desejava ter nada a ver com a mulher; era tudo o que você fazia; e voltas e me acusa?" - Mas não, ele não diz nada do
tipo - mas o que? "Eis que a tua criada está na tua mão; faze dela o que é bom aos teus olhos." ( Gênesis 16: 6.) Ele
entregou o parceiro de sua cama, para que ele não entristecesse Sarah. E, no entanto, certamente não há nada maior
do que isso para produzir afeição. Pois se participar da mesma mesa produz unanimidade, mesmo em ladrões, em
direção a seus inimigos, (e o salmista [434] diz: "Quem comeu comida doce na mesma mesa comigo"); muito mais será
o tornar-se uma só carne - para tal é o ser o parceiro da cama - ser eficaz para nos unir. No entanto, nenhuma dessas
coisas serviu para superá-lo; mas ele entregou Hagar à sua esposa, para mostrar que nada havia sido feito por sua
própria culpa. Não, e o que é mais, ele a enviou adiante quando criança. Quem não teria pena de alguém que
concebera um filho sozinho? No entanto, o homem justo ficou indiferente, pois colocou diante de tudo o amor que
devia a sua esposa.

Vamos então imitá-lo nós mesmos. Que ninguém censure seu próximo com sua pobreza; que ninguém seja apaixonado
por dinheiro; e então todas as dificuldades estarão no fim.

Nem deixe que uma esposa diga a seu marido: "Covarde de todo homem que és, cheio de lentidão e entorpecimento,
e que dormiu depressa! Aqui está um homem tão baixo e de baixa paternidade, que corre seus riscos e faz suas viagens.
e fez uma boa fortuna, e sua esposa usa suas jóias e sai com seu par de mulas brancas como leite, [435] ela cavalga
por toda parte, tem tropas de escravos e um enxame de eunucos, mas tu tens encolhida e viva sem nenhum propósito.
" Não deixe que uma esposa diga essas coisas, nem nada parecido com elas. Pois ela é o corpo, não para ditar na
cabeça, mas para se submeter e obedecer. "Mas como", alguém dirá, "ela deve suportar a pobreza? Onde ela deve
procurar consolo?" Deixe-a selecionar e colocar ao seu lado aqueles que ainda são mais pobres. Deixe-a novamente
considerar quantas nobres e nobres donzelas não apenas não receberam nada de seus maridos, mas até mesmo lhes
deram dotes, e gastaram tudo sobre elas. Deixe-a refletir sobre os perigos que surgem de tais riquezas, e ela se apegará
a essa vida tranquila. Em suma, se ela é afetivamente disposta para com o marido, ela não pronuncia nada do tipo.
Não, ela prefere escolher tê-lo perto dela, embora não ganhe nada, do que ganhar dez mil talentos de ouro,
acompanhados daquele cuidado e ansiedade que sempre surgem para as esposas daquelas viagens distantes. se ela é
afetivamente disposta para com o marido, ela não pronuncia nada do tipo. Não, ela prefere escolher tê-lo perto dela,
embora não ganhe nada, do que ganhar dez mil talentos de ouro, acompanhados daquele cuidado e ansiedade que
sempre surgem para as esposas daquelas viagens distantes. se ela é afetivamente disposta para com o marido, ela não
pronuncia nada do tipo. Não, ela prefere escolher tê-lo perto dela, embora não ganhe nada, do que ganhar dez mil
talentos de ouro, acompanhados daquele cuidado e ansiedade que sempre surgem para as esposas daquelas viagens
distantes.

Tampouco, porém, o marido, quando ouve estas coisas, no ponto de ele ter a autoridade suprema, se dirige às
retaliações e aos golpes; mas deixe-o exortar, deixe-o admoestá-la, como sendo menos perfeita, deixe-a persuadi-la
com argumentos. Que ele nunca levante uma vez a mão, longe de ser um espírito nobre, não, nem dê expressão a
insultos, insultos ou insultos; mas deixe-o regular e direcioná-la como sendo carente de sabedoria. No entanto, como
isso deve ser feito? Se ela for instruída nas verdadeiras riquezas, na filosofia celestial, não fará queixas como essas.
Deixe-o ensiná-la então, que a pobreza não é mal. Deixe-o ensiná-la, não pelo que ele diz apenas, mas também pelo
que ele faz. Que ele a ensine a desprezar a glória; e então sua esposa não falará de nada e não desejará nada do tipo.
Deixe-o, como se ele tivesse uma imagem dada em suas mãos para moldar, deixe-o, daquela mesma noite em que ele
a recebe pela primeira vez na câmara nupcial, ensine sua temperança, gentileza e como viver, abatendo o amor ao
dinheiro de uma só vez. desde o início e desde o limiar. Que ele a disciplinasse em sabedoria, e a aconselharia a nunca
ter pedaços de ouro pendurados em suas orelhas, e por suas bochechas, e espalhados em volta do pescoço, nem
guardados sobre a câmara, nem roupas douradas e caras armazenadas. Mas deixe sua câmara ser bonita, ainda não
deixe o que é bonito degenerar em elegância. Não, deixe essas coisas para as pessoas do palco. Adorne-te com toda
a ordem possível, de modo a respirar um ar de sobriedade do que muito perfume. Pois daí surgirão dois ou três bons
resultados. Primeiro, então, a noiva não será entristecida quando os apartamentos são abertos, e os lenços de papel,
os ornamentos dourados e os vasos de prata são enviados de volta para seus vários donos. Em seguida, o noivo não
terá ansiedade sobre a perda, nem para a segurança dos tesouros acumulados. Em terceiro lugar novamente, além
disso, que é a coroa de todos esses benefícios, por esses mesmos pontos ele estará mostrando seu próprio julgamento,
que de fato ele não tem prazer em nenhuma dessas coisas, e que ele porá mais um fim tudo o mais de acordo com
eles, e nunca permitirá a existência de danças ou de canções indecentes. Estou ciente de que devo parecer ridículo
para muitas pessoas ao dar tais advertências. Ainda assim, se me escutarem, à medida que o tempo passa, e o
benefício da prática se acumular para vocês, então compreenderão a vantagem disso. E o riso vai passar, e você vai rir
da maneira atual, e vai ver que a prática atual é realmente a de crianças tolas e de homens bêbados. Considerando
que o que eu recomendo é a parte de sobriedade e sabedoria, e do modo mais sublime de vida. O que eu digo então
é o nosso dever? Tire do casamento todos aqueles vergonhosos, aqueles satânicos, aquelas canções indecentes,
aquelas companhias de jovens perdulários, e isto valerá para castigar o espírito de tua noiva. [436] Pois ela
imediatamente raciocinará consigo mesma; "Maravilhoso! Que filósofo é este homem! Ele considera a vida atual como
nada, ele me trouxe aqui para sua casa, para ser mãe, para criar seus filhos, para administrar seus assuntos
domésticos." "Sim, mas essas coisas são desagradáveis para uma noiva?" Apenas pelo primeiro ou segundo dia - mas
não depois; não, ela até colherá deles o maior deleite e aliviar-se-á de todas as suspeitas. Para um homem que não
pode suportar nem tocadores de flauta, nem dançarinos, nem canções quebradas, [437] e que também no momento
de seu casamento, aquele homem dificilmente suportará nunca fazer ou dizer qualquer coisa vergonhosa. E então,
depois disso, quando você tiver despojado o casamento de todas essas coisas, então pegue-a, e forme-a e molde-a
com cuidado, encorajando sua timidez por um considerável período de tempo, e não destruindo-a repentinamente.
Pois, mesmo que a donzela seja muito ousada, ainda assim, durante algum tempo, ela manterá o silêncio em respeito
ao marido e se sentindo uma novata nas circunstâncias. Tu, então, não abandona esta reserva com muita pressa, como
fazem os maridos desavisados, mas encoraja-a por um longo tempo. Pois isto será uma grande vantagem para ti.
Enquanto isso ela não vai reclamar, ela não encontrará falhas em nenhuma lei que você possa moldar para ela. Durante
esse tempo, portanto, durante o qual a vergonha, como uma espécie de freio colocado sobre a alma, a impede de
fazer qualquer murmúrio, nem de reclamar do que é feito, estabeleça todas as tuas leis. Pois assim que ela adquirir
ousadia, ela irá derrubar e confundir tudo sem qualquer senso de medo. Quando há então outro tempo tão vantajoso
para moldar uma esposa, como aquela em que ela reverencia seu marido, e ainda é tímida e ainda tímida? Então,
estabeleça todas as suas leis para ela e, querendo ou não, ela certamente as obedecerá. Mas como você vai ajudar
estragar sua modéstia? Ao mostrar a ela que você mesmo não é menos modesto do que ela, falando apenas com
poucas palavras, e também com grande gravidade e coletividade. Então confie-lhe os discursos da sabedoria, porque
a alma dela os receberá. E estabelecê-la naquele hábito mais adorável, quero dizer modéstia. Se você quiser, eu
também lhe direi, por meio de espécime, que tipo de linguagem deve ser endereçada a ela. Porque se Paulo não se
abstiver de dizer: "Não vos provoqueis um ao outro" (1 Coríntios 7: 5.), e falava a linguagem de uma dama de honra,
ou melhor, não de uma dama de honra, mas de uma alma espiritual, muito mais não vamos nos afastar de falar. Qual
é então a linguagem que devemos abordar para ela? Com grande delicadeza, então podemos dizer-lhe: "Eu tomei
você, meu filho, para ser parceiro da minha vida, e trouxe você para compartilhar comigo nos laços mais próximos e
mais honrosos, em meus filhos, e a superintendência da minha casa. E que conselho então te recomendarei agora?
Antes, fale primeiro com ela sobre seu amor por ela; pois não há nada que contribua para persuadir um ouvinte a
admitir sinceramente as coisas que são ditas, a fim de assegurar que sejam ditas com afeição sincera. Então, como é
que você mostra esse afeto? Ao dizer: "quando estava em meu poder levar muitos para esposa, ambos com melhor
sorte, E por que isso? Não caprichosamente e sem razão; mas eu fui ensinado bem e verdadeiramente, que dinheiro
não é uma possessão real, mas uma coisa muito desprezível, uma coisa que também pertence também a ladrões,
prostitutas e ladrões de sepulturas. Então eu desisti dessas coisas e continuei até que caí com a excelência de tua
alma, que eu valorizo acima de tudo ouro. Para uma jovem donzela que é discreta e ingênua, e cujo coração se baseia
na piedade, vale o mundo inteiro. Por estas razões, então, eu te cortejei e te amo, e prefiro-te a minha própria alma.
Pois a vida presente não é nada. E eu oro, e imploro, e faço tudo que posso, para que possamos ser considerados
dignos de viver a presente vida, pois também poderemos estar no mundo para nos unirmos uns aos outros em perfeita
segurança. Para o nosso tempo aqui é breve e fugaz. Mas, se formos considerados dignos por termos agradado a Deus
para que possamos trocar essa vida por essa, então seremos sempre ambos com Cristo e uns com os outros, com
prazer mais abundante. Eu valorizo a sua afeição acima de todas as coisas, e nada é tão amargo ou tão doloroso para
mim, como sempre discordar de você. Sim, embora deva ser minha a perder tudo e tornar-me mais pobre do que Irus,
sofrer os mais extremos perigos e sofrer qualquer dor, tudo será tolerável e suportável, contanto que os teus
sentimentos sejam verdadeiros em relação a Irus. mim. E então meus filhos serão mais queridos para mim, enquanto
tu és afetuosamente disposto para comigo. Mas tu também deves fazer estes deveres. "Então, misture também com
o teu discurso as palavras do Apóstolo, que" assim Deus teria as nossas afeições misturadas; para ouvir a Escritura,
que diz: Por essa causa o homem deixará pai e mãe e se unirá a sua mulher. Não tenhamos pretextos para o ciúme de
mente estreita. [439] Perece riquezas e comitiva de escravos, e todas as tuas bombas exteriores. Para mim, isso é mais
valioso do que todos. "Que peso de ouro, que quantidade de tesouros, são tão caros a uma esposa quanto essas
palavras? Nunca tema que, por ser amada, ela jamais se arrependa de você, mas confesse que a ama. Para os
cortesãos, que agora se ligam a um e agora a outro, naturalmente sentiriam desprezo por seus amantes, se ouvisse
expressões como essas, mas uma mulher nascida livre ou uma nobre donzela nunca seriam tão afetadas com tais
palavras, não, ela será muito mais submissa, mostre a ela também que você valoriza muito sua empresa, e que você
está mais desejoso de estar em casa por ela, do que no mercado. E aprecie-a diante de todos os seus amigos, e acima
dos filhos que nascem dela, e que estas mesmas crianças sejam amadas por ti por causa dela. Se ela faz algum bom
ato, elogie e admire; se algum tolo e tal como as garotas puderem fazer, aconselhe-a e lembre-a. Condene para fora
e para fora todas as riquezas e extravagâncias, e aponte gentilmente o ornamento que há na limpeza e na modéstia;
e esteja continuamente ensinando-lhe as coisas que são proveitosas. Condene para fora e para fora todas as riquezas
e extravagâncias, e aponte gentilmente o ornamento que há na limpeza e na modéstia; e esteja continuamente
ensinando-lhe as coisas que são proveitosas. Condene para fora e para fora todas as riquezas e extravagâncias, e
aponte gentilmente o ornamento que há na limpeza e na modéstia; e esteja continuamente ensinando-lhe as coisas
que são proveitosas.

Deixe suas orações serem comuns. [440] Cada um vá para a Igreja; e que o marido peça à esposa em casa, e ela
novamente pergunte ao marido o relato das coisas que foram ditas e lidas ali. Se alguma pobreza o ultrapassar, cite o
caso daqueles homens santos, Paulo e Pedro, que foram mais honrados do que quaisquer reis ou homens ricos; e
ainda como eles passaram suas vidas, com fome e sede. Ensine a ela que não há nada na vida que deva ser temido,
exceto apenas ofender a Deus. Se alguém se casar assim, com esses pontos de vista, ele será apenas um pouco inferior
aos monges; os casados mas pouco abaixo dos solteiros.

Se tens vontade de dar jantares e fazer entretenimentos, não haja nada indecente, nada desordenado. Se você
encontrar um pobre santo capaz de abençoar a sua casa, capaz apenas de pôr o pé nele para trazer toda a bênção de
Deus, convide-o. E eu direi, além disso, outra coisa? Que nenhum de vocês se esforce para se casar com uma mulher
rica, mas muito mais pobre. Quando ela chegar, não trará tão grande fonte de prazer de suas riquezas, pois se
aborrecerá de seus insultos, de exigente mais do que trouxe, de sua insolência, sua extravagância, sua linguagem
vexatória. Pois ela dirá talvez: "Eu ainda não gastei nada disso, ainda estou usando meu próprio traje, comprado com
o que meus pais escolheram para mim". Que dizes tu, ó mulher? Ainda usando o seu próprio! E o que pode ser mais
miserável que esta linguagem? Por que não tens mais um corpo teu e tens o teu próprio dinheiro? Depois do
casamento, não são mais dois, mas são uma só carne e, então, são suas posses, e não uma? Oh! esse amor de dinheiro!
Ambos são um homem, um ser vivo; e tu ainda dizes "meu próprio"? Palavra maldita e abominável que é, foi trazida
pelo diabo. Coisas muito mais próximas e mais queridas para nós do que estas fez Deus comum a todos nós, e estas
não são então comuns? Não podemos dizer "minha própria luz, meu próprio sol, minha própria água": todas as nossas
maiores bênçãos são comuns e as riquezas não são comuns? Pereça as riquezas dez mil vezes! Ou melhor, não as
riquezas, mas aqueles temperamentos da mente que não sabem usar riquezas, mas as estimam acima de todas as
coisas.

Ensine-lhe estas lições também com o resto, mas com muita graça. Pois desde que a recomendação da virtude tem
em si muito do que é severo, e especialmente a uma jovem e tenra donzela, sempre que discursos sobre a verdadeira
sabedoria devem ser feitos, faça com que sua maneira seja cheia de graça e bondade. E acima de tudo banir esta noção
de sua alma, de "meu e teu". Se ela disser a palavra "meu", diga-lhe: "O que você chama de tuas coisas? Pois na
verdade eu não sei; eu, de minha parte, não tenho nada de mim. Como, então, falas de mim", quando todas as coisas
são teus?" Livremente conceda-lhe a palavra. Você não percebe que essa é a nossa prática com crianças? Quando,
enquanto estivermos segurando alguma coisa, uma criança a arrebata, e deseja novamente se apossar de alguma
outra coisa, nós a permitimos e dizemos: "Sim, e isto é teu, e isso é teu. "O mesmo também vamos fazer com uma
esposa, pois seu temperamento é mais ou menos como uma criança, e se ela diz" meu ", diga:" porque, tudo é teu, e
eu sou teu ". Tampouco é expressão de lisonja, mas de grande sabedoria: assim podes ser capaz de diminuir a sua ira
e acabar com o seu desapontamento, pois é lisonjear quando um homem faz um ato indigno com um objeto maligno:
a mais alta filosofia, diga então: "Eu também sou teu, meu filho; este conselho que Paulo me dá onde ele diz: O marido
não tem poder sobre o próprio corpo, mas a esposa. ( mas de excessiva sabedoria. Assim poderás abater a ira dela e
pôr fim ao seu desapontamento. Pois é lisonja quando um homem faz um ato indigno com um objeto maligno:
enquanto esta é a mais alta filosofia. Diga então: "Eu também sou teu, meu filho; esse conselho que Paulo me dá onde
ele diz: O marido não tem poder sobre seu próprio corpo, mas a esposa." ( mas de excessiva sabedoria. Assim poderás
abater a ira dela e pôr fim ao seu desapontamento. Pois é lisonja quando um homem faz um ato indigno com um
objeto maligno: enquanto esta é a mais alta filosofia. Diga então: "Eu também sou teu, meu filho; esse conselho que
Paulo me dá onde ele diz: O marido não tem poder sobre seu próprio corpo, mas a esposa." (1 Coríntios 7: 4mas
desprezar todo o mundo, exceto a ti mesmo. Ensine-lhe o temor de Deus, e todas as coisas boas fluirão disto, como
de uma fonte, e a casa estará cheia de dez mil bênçãos. Se buscarmos as coisas que são incorruptíveis, essas coisas
corruptíveis seguirão. "Pois", diz Ele, "buscar primeiro o Seu reino, e todas estas coisas vos serão acrescentadas".
(Mateus 6:33.) Que tipo de pessoas, você acha, devem ser os filhos de tais pais? Quais os servos de tais mestres? O
que todos os outros que chegam perto deles? Não serão eles também eventualmente carregados com bênçãos fora
do número? Pois geralmente os servos também têm seus personagens formados segundo seus mestres, e são
moldados de acordo com seus humores, amam os mesmos objetos, os quais aprenderam a amar, falam a mesma
língua e se envolvem com eles nas mesmas atividades. Se, assim, nos regularmos e estudarmos atentamente as
Escrituras, na maioria das coisas derivar-lhes-emos instruções. E assim poderá agradar a Deus e passar por toda a vida
presente virtuosamente, e alcançar as bênçãos que são prometidas àqueles que O amam, das quais Deus garante que
todos nós possamos ser considerados dignos, pela graça e benignidade de nosso Senhor Jesus Cristo, com quem, junto
com o Espírito Santo, seja para o Pai glória, poder e honra, agora e sempre por todos os séculos. Um homem.

Notas de rodapé:

[415] [Compare o que Paulo diz em 1 Coríntios 11: 8 e 12 - GA]

[416] [Ele se refere ao casamento de Adão com Eva. - GA]

[417] [Isto é, ele não limitou o casamento à mulher com a mulher.

[418] [Há outra leitura que aplica estas palavras ao homem, como segue: sustellon heauton kai sunagon, "para que
ele não possa, por se contrair e fazer todo o centro em si mesmo, ser separado do resto", em vez de sustellousa, etc
.-- GA]

[419] hopla.

[420] ["hos expressa o modo de visão em que as esposas devem considerar a sua obediência para com os seus maridos,
ou seja, como prestados ao Senhor. '" - Meyer. Em Lucas 14:26, o absoluto é colocado para o parente, como em outros
lugares, e isso explica a dificuldade de nosso autor.

[421] [Este "mas" não é de modo algum fácil de explicação, mas provavelmente deve ser entendido assim: Ele é o
salvador do corpo que o homem certamente não é ", mas, todavia," como a Igreja está sujeita a Cristo Assim, as
esposas devem estar com seus maridos, etc. - Ellicott, Meyer, Bengel, Calvin e Alford.

[422] ["Se você juntar todos os argumentos dos oradores, você não persuadirá o marido e a esposa a um afeto mútuo
como Paulo faz neste lugar." - Bugenhagen, citado por Meyer. - GA]

[423] ["A palavra" (rhema) não significa aqui a fórmula batismal, "como Crisóstomo sustenta, mas o evangelho", e aqui
permanece sem o artigo, porque, denotando a palavra "kat" exochen, poderia ser tratado como um nome próprio,
como nomos, & c. Todas as interpretações especiais, exceto a do evangelho, 'são puramente inventadas. "- Meyer.

[424] [Note que Crisóstomo aqui cita os Apócrifos do Antigo Testamento como Escritura: akoue tes graes legouses. O
Dr. Schaff diz: "Ele aceita o Cânon Sírio do Peshito, que inclui o Antigo Testamento com os Apócrifos", & c.
Prolegomena, p. 19 .-- GA]

[425] ouch hopos eutropos all 'hopos euporos.

[426] [As palavras "da sua carne e dos seus ossos" são omitidas por "* AB, pela versão de Memphitic, por Lach. Tish.
Treg. (texto) W. & H., e pelo Rev. Ver. sem qualquer aviso marginal que seja .-- GA]

[427] [Meyer: "Por esta razão," ou seja, porque somos membros do corpo de Cristo. Paulo então aplica o que é falado
em Gen. da união de marido e mulher, por uma interpretação típica, para a segunda vinda (futuro , kataleipsei) de
Cristo, e sua união com a Igreja, que terá lugar na Parousia ". Ellicott diz que a visão de Crisóstomo é mais provável, a
saber, que se refere à vinda de Cristo na carne. (Veja um pouco abaixo, no verso 32.) - GA]
[428] [Esta parece uma afirmação distinta da parte do Apóstolo, de que as palavras precedentes não se referem ao
casamento efetivo do homem e da mulher, mas à união nupcial de Cristo e da Igreja. Então Meyer. Mas Dr. Riddle, no
Comentário Popular, diz que essa "interpretação mística é insegura".

[429] [No entanto, isto é, não pressionar mais os rolamentos místicos do assunto. - Ellicott. Tão substancialmente
Meyer e Riddle.

[430] Os gnósticos, encratites (Schaff, Igreja Hist. II. P. 495) e outras seitas promovem o casamento; vid. 1 Timóteo 4:
3 . Aqui os Marcionitas parecem ser intencionados, a quem São Crisóstomo freqüentemente menciona; vid. supr. Hom.
xix. [Veja Schaff's Church Hist., Vol. II. p. 457.-- GA]

[431] [Sobre os segundos casamentos na igreja primitiva, veja a História da Igreja Cristã de Schaff, vol. II. p. 366.-- GA]

[432] [Isso, de acordo com a Septuaginta, que tem oupo homens moi gegonen heos tou nun. & 233; de kurios mou
presbuteros. O Rev. Ver., Seguindo o hebraico, tem: "Depois que eu envelhecer, terei prazer, meu senhor sendo velho
também?" - GA]

[433] [A pontuação de Field: oude epelthen; Ho aner, & c., claramente não é tão bom quanto o do tradutor de Oxford:
oude epelthen ho aner, & c.

[434] [A Septuaginta lê, hosepi para auto eglukanas edesmata, e este Crisóstomo, sem saber hebraico, segue. O Rev.
Ver. tem "Nós levamos conselho doce junto." - GA]

[435] Assim Demosthenes diz de Midias, kai eis musteria dez gunaika agei, kan allose poi bouletai, epi tou leukou
zeugous tou ek Sikuonos. Dem. em Mid. p. 565

[436] [em Hom. XII em 1 Coríntios 4:10 , Crisóstomo diz: "Mas quando casamentos são solenizados, dança e címbalos
e flautas e palavras vergonhosas e canções e embriaguez e revelações e grande monte de lixo do Diabo são
introduzidos." E muito mais para o mesmo efeito e em grande detalhe.

[437] asmaton keklasmenon.

[438] [O conhecido mendigo de Ítaca, a casa de Ulisses. Ele era o mensageiro dos pretendentes de Penelope. Veja
Odys. Bk xviii. 1-125. Mais tarde, seu nome foi usado como uma denominação, "um Irus, um mendigo". Liban. Eu. 568
.-- Liddell e Scott. - GA]

[439] mikropsuchia.

[440] [Para uma imagem da vida familiar desenhada por Clemente de Alexandria, e outra desenhada por Tertuliano,
veja Schaff, Church History, vol. II. p. 364.-- GA]
◄ Efésios 6 ►
Homilias de Crisóstomo
Efésios 6: 1
Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor: pois isso é certo.
"Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, porque isto é correto. Honre a teu pai e tua mãe (que é o primeiro
mandamento com promessa), para que te vá bem, e podes viver muito sobre a terra."
Como homem na formação de um corpo, coloca a cabeça em primeiro lugar, depois o pescoço, depois os pés, assim
como o beato Paulo prossegue em seu discurso. Ele falou do marido, ele falou da esposa, que é a segunda em
autoridade, ele agora continua avançando gradativamente para o terceiro grau - que é o das crianças. Pois o marido
tem autoridade sobre a esposa e o marido e a esposa sobre os filhos. Agora, então, marque o que ele está dizendo.

"Filhos, [441] obedeçam a seus pais no Senhor, pois este é o primeiro mandamento com promessa."

Aqui ele não tem uma palavra de discurso a respeito de Cristo, nem uma palavra sobre assuntos elevados, pois ele
ainda está endereçando seu discurso a entendimentos ternos. E é por essa razão, além disso, que ele faz sua exortação
curta, na medida em que as crianças não podem seguir uma longa discussão. Por esta razão, ele também não fala
sobre um reino, (porque não pertence à tenra idade da infância para entender esses assuntos), mas o que a alma de
uma criança mais deseja ouvir, que ele diz, a saber, que "viverá por muito tempo". Pois se alguém perguntar por que
é que ele omitiu falar a respeito de um reino, mas colocou diante deles o mandamento estabelecido na lei, ele faz isso
porque lhes fala como infantil, e porque ele está bem ciente de que, se o marido e a esposa são assim dispostos de
acordo com a lei que ele estabeleceu, haverá poucos problemas em assegurar a submissão dos filhos. Pois sempre que
qualquer assunto tiver um princípio e uma base bons, sólidos e ordenados, tudo continuará, a partir de então, com
método e regularidade, com muita facilidade: o mais difícil é estabelecer a base, estabelecer uma base firme. "Filhos",
diz ele, "obedeça a seus pais no Senhor", isto é, de acordo com o Senhor. Isso, ele quer dizer, é o que Deus lhe ordena.
Mas então, se eles ordenarem coisas tolas? Geralmente um pai, por mais tolo que ele seja, não ordena coisas tolas.
No entanto, mesmo nesse caso, o apóstolo guardou a questão, dizendo: "no Senhor"; isso é, onde quer que você não
esteja ofendendo a Deus. Assim, se o pai for gentio ou herege, não devemos mais obedecer, porque a ordem não é
"no Senhor". Mas como é que ele diz: "Qual é o primeiro mandamento"? Pois o primeiro é: "Não cometerás adultério;
não matarás". Ele não fala disso então como primeiro no ranking, [443] mas em respeito à promessa. Pois sobre os
outros não há recompensa anexada, como sendo representada com referência a coisas más, e afastar-se das coisas
más. Enquanto nesses outros, onde há a prática do bem, há ainda uma promessa estendida. E observe quão admirável
é o fundamento que ele estabeleceu para o caminho da virtude, isto é, honra e reverência para com os pais. Quando
ele nos levaria longe de práticas perversas, e está prestes a entrar nos virtuosos, esta é a primeira coisa que ele ordena,
honra aos pais; na medida em que, antes de todos os outros, são, segundo Deus, os autores de nosso ser, de modo
que é razoável que sejam os primeiros a colher os frutos de nossas ações corretas; e depois todo o resto da
humanidade. Pois, se um homem não tem essa honra pelos pais, nunca será gentil com aqueles que não estão ligados
a ele.

No entanto, tendo dado as injunções necessárias às crianças, ele passa para os pais e diz:

Efésios 6: 2
Honra teu pai e mãe; (que é o primeiro mandamento com promessa;)
Efésios 6: 3
Para que te possa bem, e podes viver muito sobre a terra.
Efésios 6: 4
E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas apresentai-os na doutrina e admoestação do Senhor.
Ver. 4. "E vós pais, não provocais a vossos filhos à ira, mas alimentai-os na correção e admoestação do Senhor."
Ele não diz "ame-os", porque a essa natureza os atrai contra sua própria vontade, e era supérfluo estabelecer uma lei
sobre tais assuntos. Mas o que ele diz? "Não provoque a ira dos seus filhos", como muitos os deserdam, e os
desprezam, e os tratam arrogantemente, não como livres, mas como escravos. É por isso que ele diz: "Não provoquem
seus filhos à ira". Então, o que é o principal de tudo, ele mostra como eles serão levados à obediência, referindo toda
a sua fonte à cabeça e autoridade principal. E da mesma maneira que ele mostrou que o marido é a causa da
obediência da esposa (razão pela qual ele dirige a maior parte de seus argumentos a ele, aconselhando-o a apegá-la a
si mesmo pelo poder do amor. , então, eu digo, aqui também, ele se refere a eficiência para ele, dizendo: "Mas traze-
os na correção e admoestação do Senhor". Tu vês que onde há laços espirituais, os laços naturais se seguirão. Você
deseja que seu filho seja obediente? Desde o princípio "Levai-o no castigo e na admoestação do Senhor". Nunca
considere desnecessário que ele seja um diligente ouvinte das divinas Escrituras. Pois ali a primeira coisa que ele ouve
será: "Honra a teu pai e a tua mãe"; de modo que isso faz por ti. Nunca diga, este é o negócio dos monges. Eu estou
fazendo um monge dele? Não. Não há necessidade de ele se tornar um monge. [444] Por que ter tanto medo de uma
coisa tão repleta de tanta vantagem? Faça dele um cristão. Pois é necessário, de todas as formas, que leigos [445]
conheçam as lições derivadas dessa fonte; mas especialmente para crianças. Pois a deles é uma era cheia de
insensatez; e a esta loucura se sobrepõem os maus exemplos derivados dos contos pagãos, onde são familiarizados
com aqueles heróis tão admirados entre eles, escravos de suas paixões e covardes com respeito à morte; como, por
exemplo, Aquiles, quando ele cede, quando ele morre por sua concubina, quando outro fica bêbado e muitas outras
coisas do tipo. Ele requer, portanto, os remédios contra essas coisas. Como não é absurdo mandar os filhos para as
profissões e para a escola, e fazer tudo o que puderem por esses objetos e, no entanto, não "criá-los na correção e
admoestação do Senhor"? E, por essa razão, somos verdadeiramente os primeiros a colher os frutos, porque
educamos nossos filhos para serem insolentes e desonestos, desobedientes e meros companheiros vulgares. Não
vamos, então, fazer isso; não, escutemos a admoestação deste abençoado Apóstolo. "Vamos criá-los na correção e
admoestação do Senhor." Vamos dar-lhes um padrão. Vamos fazer com que desde a mais tenra idade se apliquem à
leitura das Escrituras. Que tão constantemente como eu repito isso, eu sou visto como insignificante! Ainda assim,
não deixarei de cumprir meu dever. Por que, diz-me, não os imites de antigamente? As mulheres, especialmente,
emulam aquelas mulheres admiráveis. Tem um filho nascido para qualquer um? Imite o exemplo de Hannah ( Eu não
deixarei de cumprir meu dever. Por que, diz-me, não os imites de antigamente? As mulheres, especialmente, emulam
aquelas mulheres admiráveis. Tem um filho nascido para qualquer um? Imite o exemplo de Hannah ( Eu não deixarei
de cumprir meu dever. Por que, diz-me, não os imites de antigamente? As mulheres, especialmente, emulam aquelas
mulheres admiráveis. Tem um filho nascido para qualquer um? Imite o exemplo de Hannah (1 Samuel 1:24.); olha o
que ela fez. Ela o levou imediatamente ao templo. Quem entre vocês não preferiria que seu filho se tornasse um
Samuel do que ele fosse o rei de todo o mundo dez mil vezes? "E como", você dirá, "é possível que ele se torne um
tal?" Por que isso não é possível? É porque você não escolhe você mesmo, nem o compromete ao cuidado daqueles
que são capazes de fazê-lo tal. "E quem", será dito, "é um tal como este?" Deus. Desde que ela o colocou nas mãos de
Deus. Pois nem mesmo o próprio Eli era um daqueles em grande grau qualificados para formar ele; (como poderia ele
ser, aquele que não foi capaz de formar nem mesmo seus próprios filhos?) Não, foi a fé da mãe e seu ardente zelo que
operou o todo. Ele foi seu primeiro filho e seu único filho e ela não sabia se deveria ter outros além disso. No entanto,
ela não disse: "Vou esperar até que a criança esteja adulta, para que ele tenha um gostinho das coisas desta vida,
permitirei que ele tenha um pouco de seu passatempo nelas em seus anos infantis". Não, todos esses pensamentos
que a mulher repudiou, ela estava absorvida em um objeto, desde o início, como ela poderia dedicar a imagem
espiritual [446] a Deus. Bem, nós homens podemos ser corados pela sabedoria desta mulher. Ela ofereceu-o a Deus e
lá ela o deixou. E, portanto, seu estado de casada era mais glorioso, pois ela havia feito dos objetos espirituais seu
primeiro cuidado, na medida em que dedicava os primeiros frutos a Deus. Portanto, seu útero foi frutífero e ela obteve
outras crianças além disso. [447] E, portanto, ela o viu honrado mesmo no mundo. Porque, se os homens, quando são
honrados, prestam honra em troca, não será Deus muito mais, quem faz isso, mesmo sem ser honrado? Quanto tempo
devemos ser meros pedaços de carne? Por quanto tempo estaremos nos inclinando para a terra? Que tudo seja
secundário conosco para o cuidado providencial que devemos tomar de nossos filhos e para os nossos "elevá-los na
correção e admoestação do Senhor". Se desde o início ele é ensinado a ser um amante da verdadeira sabedoria, então
a riqueza maior do que toda a riqueza que ele adquiriu e um nome mais imponente. Você não efetuará nada tão
grande ensinando-lhe uma arte, e dando-lhe aquele aprendizado exterior pelo qual ele obterá riquezas, como se você
lhe ensinasse a arte de desprezar as riquezas. Se você deseja torná-lo rico, faça isso. Porque o rico não é quem deseja
grandes riquezas e está cheio de grandes riquezas; mas o homem que não precisa de nada. [448] Discipline seu filho
nisso, ensine-o isso. Esta é a maior riqueza. Não busque como dar a ele reputação e caráter elevado no aprendizado
exterior, mas considere profundamente como você deve ensiná-lo a desprezar a glória que pertence a esta vida
presente. Por este meio ele se tornaria mais distinto e mais verdadeiramente glorioso. Isso é possível para o pobre
homem e para o rico realizar. Estas são lições que um homem não aprende de um mestre, nem pela arte, mas por
meio dos oráculos divinos. Não busque como ele gozará de uma vida longa aqui, mas como ele desfrutará de uma vida
ilimitada e infinita no futuro. Dê-lhe as grandes coisas, não as pequenas coisas. Ouça o que Paulo diz: "Traga-os na
correção e admoestação do Senhor"; estudar para não torná-lo um orador, mas treine-o para ser um filósofo. Na falta
de um, não haverá dano algum; na ausência do outro, toda a retórica do mundo não será vantajosa. Temperos são
desejados, não falando; caráter, não esperteza; ações, não palavras. Estes ganham um homem o reino. Estes conferem
o que são benefícios de fato. Não apague a sua língua, mas limpe a sua alma. Não digo isso para evitar que você lhe
ensine essas coisas, mas para evitar que você as atenda exclusivamente. Não imagine que o monge sozinho precise
destas lições das Escrituras. De todas as outras, as crianças prestes a entrar no mundo precisam delas especialmente.
Pois exatamente da mesma maneira que o homem que está sempre ancorado no porto, não é o homem que exige
que seu navio seja equipado e que precise de um piloto e uma tripulação, mas aquele que está sempre no mar; assim
é com o homem do mundo e o monge. Um entra como se estivesse em um porto sem ondas e vive uma vida tranqüila,
longe de qualquer tempestade; enquanto o outro está sempre no oceano, e vive no mar no meio do oceano, lutando
com vagas sem número.

E embora ele possa não precisar dele, ainda assim ele deve estar preparado para parar a boca dos outros. [449] Assim,
quanto mais distinto ele é na vida atual, tanto mais ele precisa dessa educação. Se ele passa sua vida nos tribunais, há
muitos ateus e filósofos e pessoas inchados com a glória desta vida. É como um lugar cheio de pessoas dropsical. Tal
em algum tipo é o tribunal. Todos são, por assim dizer, inflados e em estado de inflamação. E aqueles que não são
assim estão estudando para se tornarem assim. Agora, então, reflita quão grande é um benefício, que seu filho ao
entrar lá, entre como um excelente médico, equipado com instrumentos que possam acalmar a inflamação peculiar
de cada um, e suba a todos, e converse com ele, e restaure o corpo doente para a saúde, aplicando os remédios
derivados das Escrituras e lançando discursos da verdadeira filosofia. Para quem é o recluso para conversar? com sua
parede e seu teto? sim, ou novamente com o deserto e a floresta? ou com os pássaros e as árvores? Ele, portanto,
não tem grande necessidade desse tipo de disciplina. Ainda assim, no entanto, ele faz questão de aperfeiçoar esse
trabalho, não tanto com o objetivo de disciplinar os outros quanto a si mesmo. Há então toda necessidade de muita
disciplina desse tipo para aqueles que devem se misturar no mundo atual, porque tal pessoa tem uma tentação mais
forte de pecar do que o outro. E se você tiver a intenção de compreendê-lo, ele será ainda mais uma pessoa útil,
mesmo no próprio mundo. Pois todos terão uma reverência por ele a partir destas palavras, quando o virem no fogo
sem serem queimados, e não desejosos de poder. Mas o poder ele obterá, quando ele menos deseja, e será um objeto
ainda mais elevado de respeito ao rei; porque não é possível que tal personagem seja escondido. Entre um número
de pessoas saudáveis, de fato, um homem saudável não será notado; mas quando há um homem saudável entre vários
doentes, o relatório rapidamente se espalhará e alcançará os ouvidos do rei, e ele o tornará governante de muitas
nações. Sabendo, então, estas coisas, "crie seus filhos na correção e admoestação do Senhor". o relatório rapidamente
se espalhará e alcançará os ouvidos do rei, e ele o tornará governante de muitas nações. Sabendo, então, estas coisas,
"crie seus filhos na correção e admoestação do Senhor". o relatório rapidamente se espalhará e alcançará os ouvidos
do rei, e ele o tornará governante de muitas nações. Sabendo, então, estas coisas, "crie seus filhos na correção e
admoestação do Senhor".

"Mas suponha que um homem seja pobre." Ainda assim, ele não será, de modo algum, mais insignificante do que o
homem que vive nos tribunais dos reis, porque ele não está nos tribunais dos reis; não, ele será admirado e logo
conquistará essa autoridade que é concedida voluntariamente e não por qualquer compulsão. Pois se um conjunto de
gregos, homens sem valor como eles são, e cachorros, [450] assumindo aquela filosofia sem valor deles, (para tal a
filosofia grega é,) ou melhor, não por si mesma, mas apenas seu mero nome, e vestindo o o manto surrado, e deixar
o cabelo crescer, impressiona muitos; quanto mais ele será um verdadeiro filósofo? Se uma aparência falsa, se uma
simples sombra de filosofia à primeira vista nos surpreende, e se devemos amar a filosofia verdadeira e pura? Nem
todos irão cortejá-la, e confiará ambas as casas, esposas e filhos, com plena confiança para esses homens? Mas não
há, não, não existe tal filósofo existindo agora. E, portanto, não é possível encontrar um exemplo do tipo. Entre os
reclusos, de fato, existem tais, mas entre as pessoas no mundo não mais. E que entre os reclusos existem tais, seria
possível adicionar um número de instâncias. No entanto, vou mencionar um entre muitos. Você sabe, sem dúvida, e
já ouviu falar, e alguns, talvez, também viram, o homem que estou prestes a mencionar. Quero dizer, o admirável
Julian. Esse homem era rústico, de vida humilde e de paternidade humilde e totalmente desinformado em todas as
realizações externas, mas cheio de sabedoria sem adornos. [451] Quando ele veio para as cidades, (e isso foi
raramente, nunca), tal concurso nunca aconteceu, não quando oradores, ou sofistas, ou qualquer outra pessoa entrou.
Mas o que estou dizendo? Não é o seu nome mais glorioso do que o de qualquer rei e celebrado até hoje? E se estas
coisas foram neste mundo, no mundo em que o Senhor não nos prometeu nada de bom, em que Ele nos disse que
somos estranhos, vamos considerar quão grandes serão as bênçãos que nos foram concedidas nos céus. Se, onde
foram peregrinos, desfrutaram de tão grande honra, quão grande será a glória de sua própria cidade! Se, onde Ele
prometeu tribulação, eles se encontrarem com tal cuidado atento, então onde Ele promete honras verdadeiras, quão
grande será o seu descanso! vamos considerar quão grandes serão as bênçãos depositadas para nós nos céus. Se,
onde foram peregrinos, desfrutaram de tão grande honra, quão grande será a glória de sua própria cidade! Se, onde
Ele prometeu tribulação, eles se encontrarem com tal cuidado atento, então onde Ele promete honras verdadeiras,
quão grande será o seu descanso! vamos considerar quão grandes serão as bênçãos depositadas para nós nos céus.
Se, onde foram peregrinos, desfrutaram de tão grande honra, quão grande será a glória de sua própria cidade! Se,
onde Ele prometeu tribulação, eles se encontrarem com tal cuidado atento, então onde Ele promete honras
verdadeiras, quão grande será o seu descanso!

E agora você gostaria que eu exibisse exemplos de homens seculares? No presente, de fato, não temos nenhum; ainda
há talvez até homens seculares que são excelentes, embora não tenham chegado à filosofia mais elevada. Vou,
portanto, citá-lo exemplos dos santos dos tempos antigos. Quantos, quem teve esposas para guardar e filhos para
educar, eram inferiores em nenhum aspecto, não, em nenhum respeito àqueles que foram mencionados? Agora,
porém, não é mais assim, "por causa da aflição atual" ( 1 Coríntios 7:26)..), como este abençoado Apóstolo diz. Agora,
a quem você gostaria de mencionar? Noé ou Abraão? O filho de um ou do outro? Ou novamente, Joseph? Ou queres
que eu vá aos Profetas? Moisés quero dizer, ou Isaías? No entanto, se você quiser, deixe-nos levar nosso discurso a
Abraão, a quem todos estão continuamente nos apresentando acima de todos os outros. Ele não era uma esposa? Ele
não tinha filhos? Sim, eu também uso a mesma linguagem para você, como você faz comigo. Ele tinha uma esposa,
mas não era porque ele tinha uma esposa que ele era tão notável. Ele tinha riquezas, mas não era porque tinha
riquezas que agradava a Deus. Ele gerou filhos, mas não foi porque ele gerou filhos que ele foi declarado abençoado.
Ele tinha trezentos e dezoito servos nascidos em sua casa, mas não foi por causa disso que ele foi considerado
maravilhoso. Mas você saberia porque era? Foi por sua hospitalidade, por seu desprezo pelas riquezas, por sua
conduta castigada. Pois o que, diga-me, é o dever de um filósofo? Não é para desprezar tanto riquezas e glória? Não
é estar acima tanto da inveja quanto de todas as outras paixões? Venha agora, vamos trazê-lo para a frente e tira-lo,
e mostrar-lhe o filósofo que ele era. Primeiro de tudo, ele estimava sua pátria como nada. Deus disse: "Saia da tua
terra e da tua parentela" (Gênesis 12: 1 ), e imediatamente ele saiu. Ele não estava ligado à sua casa (ou certamente
nunca teria saído), nem ao seu amor por amigos familiares, nem a qualquer outra coisa. Mas o que? glória e dinheiro
ele desprezava acima de todos os outros. Pois quando ele pôs fim à guerra, fazendo com que o inimigo fugisse, e foi
solicitado que ele levasse o espólio, ele o rejeitou. ( Gênesis 14: 21-23 )

Novamente, o filho deste grande homem foi reverenciado, não por causa de suas riquezas, mas por sua hospitalidade:
não por causa de seus filhos, mas por sua obediência: não por causa de sua esposa, mas pela esterilidade infligida a
sua esposa. ( Gênesis 25:21 )

Eles consideraram a vida atual como nada, não seguiram depois do ganho, desprezaram todas as coisas. Diga-me, que
tipo de plantas são as melhores? Não são aqueles que têm sua força de si mesmos e não são feridos nem por chuvas,
nem por tempestades de granizo, nem por rajadas de vento, nem por qualquer outra vicissitude do gênero, mas ficam
nus em desafio a todos eles, e não precisam de muro nem vedação? para protegê-los? Tal é o verdadeiro filósofo, tal
é a riqueza da qual falamos. Ele não tem nada e tem todas as coisas: ele tem todas as coisas e não tem nada. Pois uma
cerca não está dentro, mas apenas sem; uma parede não é uma coisa da natureza, mas apenas construída de fora. E
de novo, pergunto, que tipo de corpo é forte? Não é o que está em saúde, e que não é superado nem pela fome nem
pela plenitude, nem pelo frio, nem pelo calor; ou é isso que, em vista de todas essas coisas, precisa de fornecedores e
tecelões, e caçadores e médicos, para lhe dar saúde? Ele é o homem rico, o verdadeiro filósofo, que não precisa de
nenhuma dessas coisas. Por esta causa, foi que este bendito Apóstolo disse: "Traga-os na correção e admoestação do
Senhor". Envolva-os não com defesas externas. Pois tal é a riqueza, tal é a glória; pois quando eles caem, e caem, a
planta fica nua e indefesa, não apenas tendo obtido nenhum lucro com eles durante o tempo passado, mas até se
machucando. Pois aqueles mesmos abrigos que impediram que fossem acostumados aos ataques dos ventos, agora o
prepararam para perecer de uma só vez. E, assim, a riqueza é prejudicial, porque nos torna indisciplinados para as
vicissitudes da vida. Vamos, pois, preparar nossos filhos para que sejam tais, para que sejam capazes de suportar todas
as provações, e não se surpreendam com o que possa acontecer a eles; "vamos criá-los na correção e admoestação
do Senhor." E grande será a recompensa que será assim reservada para nós. Pois se os homens que fazem estátuas e
pintam retratos de reis desfrutarem de tão grande honra, não adoraremos a imagem do Rei dos reis, (pois o homem
é a imagem de Deus), recebamos dez mil bênçãos, se produzirmos uma verdadeira semelhança ? Pois a semelhança é
nisto, na virtude da alma, quando treinamos nossos filhos para serem bons, ser mansos, perdoarem (porque todos
estes são atributos de Deus), serem beneficentes, serem humanos; quando os treinamos para considerar o mundo
atual como nada. Deixe que esta seja a nossa tarefa, moldar e dirigir a nós mesmos e a eles de acordo com o que é
certo. Caso contrário, com que tipo de ousadia nos colocaremos diante do tribunal de Cristo? Se um homem que tem
filhos indisciplinados é indigno de ser um bispo (Tito 1: 6.) muito mais ele é indigno do reino dos céus. O que você diz?
Se temos uma esposa indisciplinada, ou filhos indisciplinados, teremos que prestar contas? Sim, nós devemos, se não
fizermos com exatidão, trazer aquilo que é devido de nós mesmos; pois nossa própria virtude individual não é
suficiente para a salvação. Se o homem que deixou de lado o único talento não ganhou nada, mas foi punido mesmo
dessa maneira, é claro que a própria virtude individual não é suficiente para a salvação, mas também há necessidade
de outra. Portanto, tenhamos grande solicitude por nossas esposas e cuidemos muito de nossos filhos, de nossos
servos e de nós mesmos. E em nosso governo, tanto de nós como de nós, suplicemos a Deus que nos ajude no trabalho.
Se Ele nos vir interessado neste trabalho, e solícito a respeito, Ele nos ajudará; mas, se nos vir a não prestar atenção,
não nos dará a mão. Pois Ele não nos dá Sua ajuda quando dormimos, mas quando trabalhamos também a nós
mesmos. Para um ajudante, (como o nome indica), não é um ajudante de alguém que está inativo, mas de alguém que
também trabalha. Mas o bom Deus é capaz de levar a obra à perfeição, para que todos sejamos dignos de alcançar as
bênçãos que nos foram prometidas, pela graça e compaixão de Seu Filho unigênito, com quem, junto com o Espírito
Santo, o Pai, glória, poder e honra, agora e sempre e por todas as eras. Um homem. mas de quem também trabalha.
Mas o bom Deus é capaz de levar a obra à perfeição, para que todos sejamos dignos de alcançar as bênçãos que nos
foram prometidas, pela graça e compaixão de Seu Filho unigênito, com quem, junto com o Espírito Santo, o Pai, glória,
poder e honra, agora e sempre e por todas as eras. Um homem. mas de quem também trabalha. Mas o bom Deus é
capaz de levar a obra à perfeição, para que todos sejamos dignos de alcançar as bênçãos que nos foram prometidas,
pela graça e compaixão de Seu Filho unigênito, com quem, junto com o Espírito Santo, o Pai, glória, poder e honra,
agora e sempre e por todas as eras. Um homem.

Notas de rodapé:

[441] ["O endereço para as crianças numa carta à Igreja pressupõe que o Apóstolo as considere pertencentes à Igreja,
presentes no culto público, compreendendo a palavra lida e aplicável a elas." - Braune in Lange.- -GA]

[442] ["en kuri & 251 ;. Não Deus, como Crisóstomo, e não kata kurion, como Crisóstomo, mas denotando a esfera à
qual a ação deve ser limitada." - Ellicott - GA]
[443] taxei. ["Paulo diz prote, tendo diante de sua mente não apenas o Decálogo, mas também toda a série de
preceitos divinos", que começa com o Decálogo. "- Meyer. - GA]

[444] Os pais eram muito desconfiados nos dias de São Crisóstomo da influência do cristianismo tendendo a tornar
seus filhos monges. Em conseqüência desse preconceito contra a vida monástica, ele escreveu seu Adv. Assaltar. Seg.
Vit.

[445] tois kosmikois.

[446] agalma.

[447] [Sobre a autoridade de três mss., Savile e outros editores concordando, partimos daqui do texto de Field, que
inverte a ordem desta e da sentença seguinte, e deixa o sentido menos claro. v. 1 Sam. ii. 21 .-- GA]

[448] [Isso lembra um dos dizeres de Sócrates: Querer que nada pertence aos deuses, e querer o mínimo possível é
fazer a abordagem mais próxima a eles.

[449] [A parte seguinte do parágrafo explica esta frase .-- GA]

[450] triobolimaioi tines kai kunes.

[451] São Juliano era natural da Cilícia, talvez de Tarso, e foi martirizado em? na perseguição dioclesiana. Uma das
orações de São Crisóstomo está em seu louvor.

Efésios 6: 5
Servos, sejam obedientes àqueles que são seus senhores segundo a carne, com temor e tremor, em singeleza de
vossos corações, assim como em Cristo;
"Servos, sejam obedientes a eles que, de acordo com a carne, são teus senhores, com temor e tremor, em unicidade
de vossos corações, assim como em Cristo; não em servo aos olhos, em preguiçosos; mas em servos. de Cristo, fazendo
a vontade de Deus de coração, com boa vontade, fazendo serviço ao Senhor, e não a homens; sabendo que tudo o
que bem faz a cada um, esse receberá do Senhor, quer seja ser bond ou livre ".
Assim, não é somente marido, nem esposa, nem filhos, mas servos virtuosos que também contribuem para a
organização e proteção de uma casa. Portanto, o bendito Paulo não negligenciou nem mesmo este departamento. Ele
chega a ela, no entanto, em último lugar, porque é a última em dignidade e posição. Ainda assim ele dirige muito
discurso também para eles, não mais no mesmo tom que para as crianças, mas de um modo muito mais avançado,
visto que ele não oferece a estas a promessa neste mundo, mas naquilo que está por vir. "Sabendo", diz ele, "que
qualquer bem ou mal [452] coisa que cada um faça, o mesmo receberá do Senhor", e assim os instrui a amar a
sabedoria. Pois, apesar de serem inferiores aos filhos em dignidade, ainda estão em mente que são superiores a eles.

"Servos", diz ele, "sejam obedientes àqueles que, segundo a carne, são seus senhores".

Assim ao mesmo tempo ele levanta, ao mesmo tempo acalma a alma ferida. Não fique triste, ele parece dizer, que
você é inferior à esposa e aos filhos. Escravidão não é senão um nome. A maestria é "segundo a carne", breve e
temporária; [453] para o que é da carne, é transitório.

"Com medo", acrescenta ele, "e tremendo". [454]

Tu vês que ele não exige o mesmo medo dos escravos das esposas: pois nesse caso ele simplesmente disse: "e que a
esposa veja que teme o marido"; enquanto neste caso ele eleva a expressão "com temor", diz ele, "e tremendo, na
singeleza do seu coração, como para Cristo". Isto é o que ele constantemente diz. O que você quer dizer, abençoado
Paulo? Ele é um irmão, ou melhor, ele se tornou um irmão, ele goza dos mesmos privilégios, ele pertence ao mesmo
corpo. Sim, mais, ele é o irmão, não somente de seu próprio mestre, mas também do Filho de Deus, ele é participante
de todos os mesmos privilégios; todavia dizes: "obedece aos teus senhores segundo a carne, com temor e tremor"?
Sim, por isso mesmo, ele diria, eu digo. Pois se eu cobrar dos homens livres para se submeterem uns aos outros no
temor de Deus, - como ele disse acima, "submetendo-se uns aos outros no temor de Cristo", - se eu cobrar mais a
esposa a temer e reverenciar seu marido, embora ela seja igual a ele; muito mais devo falar assim ao servo. Não é sinal
de nascimento baixo, mas é a nobreza mais verdadeira, entender como nos rebaixar, ser modestos e despretensiosos
e dar passagem ao próximo. E o livre serviu o livre com muito medo e tremor.

"Em singeleza de coração", diz ele.

E está bem dito, já que é possível servir com medo e tremor, e ainda assim não de boa vontade, mas de qualquer
maneira que seja possível. Muitos servos, em muitos casos, secretamente enganam seus mestres. E esta trapaça
conseqüentemente ele faz afastado, dizendo, "em singleness de seu coração como para Cristo, não no modo de eye-
service como homens-pleasers, mas como servos de Cristo, fazendo a vontade de Deus de coração; com boa vontade,
fazendo serviço ao Senhor, e não aos homens. Viste quantas palavras ele requer, para implantar este bom princípio,
"com boa vontade", quero dizer, e "do coração"? Aquele outro serviço, "com medo e tremor", quero dizer, vemos
muitos retratos aos seus mestres, e a ameaça do mestre vai longe para garantir isso. Mas mostre, diz ele, que tu serves
como " não é suposto chegar a esse ato em consequência de qualquer intenção na pessoa atingida, mas apenas de
sua própria malícia individual, o que diz Ele? "Vira para ele o outro também" ( não é suposto chegar a esse ato em
consequência de qualquer intenção na pessoa atingida, mas apenas de sua própria malícia individual, o que diz Ele?
"Vira para ele o outro também" (Mateus 5:39 .); para mostrar a ele que, ao se submeter ao primeiro tu não estava
disposto. Pois aquele que é pródigo em sofrer injustamente, faz com que o seu próprio, que não é o seu próprio ato,
ao sofrer-se também pela outra face, e não apenas por suportar o primeiro golpe. Pois este último talvez tenha a
aparência de covardia; mas o de uma filosofia elevada. Assim, mostrarás que foi por amor à sabedoria que também
deste o primeiro golpe. E assim, no presente caso, mostre aqui também que você também aceita essa escravidão de
bom grado. O que agrada ao homem, então, não é servo de Cristo. O servo de Cristo não é um homem que agrada. (
Gálatas 1:10 ) Para quem é o servo de Deus, tem por objetivo agradar aos homens? E quem agrada aos homens pode
ser um servo de Deus?

"Do coração", [455] diz ele, "com boa vontade fazendo serviço." Pois, uma vez que é possível fazer serviço mesmo
com singeleza de coração e não injustamente, e ainda assim não com todo o seu poder, mas apenas no cumprimento
de seu dever sagrado, portanto ele diz, faça-o com entusiasmo, não por necessidade, por princípio não sob restrição.
Se assim servires, não és escravo; se tu fizeres por princípio, se com boa vontade, se de coração, e se por amor de
Cristo. Pois esta é a servidão que até mesmo Paulo, o homem livre, serve e exclama: "Porque não pregamos a nós
mesmos, mas a Cristo Jesus, como Senhor, e a nós mesmos como vossos servos por amor de Jesus". ( 2 Coríntios 4: 5.)
Veja como ele despoja a tua escravidão da sua maldade. Pois exatamente da mesma maneira que o homem que foi
roubado, se ele dá ainda mais a quem tomou, não está entre os roubados, mas sim entre os doadores liberais; não
entre os que sofrem mal, mas entre os que fazem o bem; e antes veste o outro com vergonha por sua liberalidade, do
que é vestido de desgraça por ser roubado - então, eu digo, neste caso, por sua generosidade ele aparecerá de uma
vez mais altiva, e mostrando que ele faz não sinta o mal, [456] vai envergonhar o outro.

Então, façamos serviço aos nossos mestres por amor de Cristo, "sabendo", continua ele, "que qualquer bem que cada
um faça, ele receberá do Senhor, quer seja escravo ou livre." Porque na medida em que era provável que muitos
mestres, como não crentes, não tivessem senso de vergonha, e não retornassem a seus escravos por sua obediência,
observem como ele lhes deu encorajamento, a fim de que não tenham nenhum receio sobre o assunto. remuneração,
mas pode ter plena confiança em relação à recompensa. Pois assim como aqueles que recebem um benefício, quando
não retornam, fazem de Deus um devedor para seus benfeitores; assim, digo, os mestres também, se, quando bem
tratados por ti, deixam de te recompensar, mais te recompensam, tornando Deus teu devedor.

Efésios 6: 6
Não com o olhar ofuscante, como homens deploráveis; mas como os servos de Cristo, fazendo a vontade de Deus de
coração;
Efésios 6: 7
Com boa vontade fazendo serviço ao Senhor e não aos homens:
Efésios 6: 8
Sabendo que tudo de bom que alguém fizer, o mesmo receberá do Senhor, quer seja bond ou livre.
Efésios 6: 9
E vós, mestres, fazeis as mesmas coisas para eles, abstendo-se de ameaçar: sabendo que o teu Mestre também está
no céu; nem há respeito de pessoas com ele.
Ver. 9. "E os senhores", continua ele, "fazem as mesmas coisas para eles".
As mesmas coisas. Quem são esses? "Com boa vontade, faça serviço." No entanto, ele não diz, na verdade, "faça
serviço", embora dizendo "as mesmas coisas", ele mostra claramente que esse é o seu significado. Pois o próprio
mestre é um servo. "Não como agradar aos homens", ele quer dizer "e com medo e tremor": isto é, para com Deus,
temendo que um dia ele te acuse por sua negligência em relação a seus escravos.

"E abstenha-se de ameaçar;" não seja irritante, ele quer dizer, nem opressivo.

"Sabendo que tanto o seu Mestre quanto o seu [457] estão no Céu". [458]

Ah! Quão poderoso Mestre ele insinua aqui! Quão surpreendente a sugestão! É isto. "Com que medida te tornaste, te
será medida por ti de novo" ( Mateus 7: 2 ); para que não ouças a sentença: "Servo mau, perdoei-te toda a dívida". (
Mateus 18:32 )

"E não há respeito de pessoas", diz ele, "com Ele".

Não pense, ele diria, que o que é feito em relação a um servo, Ele irá, portanto, perdoar, porque feito a um servo. As
leis pagãs, de fato, como sendo as leis dos homens, reconhecem uma diferença entre esses tipos de ofensas. Mas a lei
do Senhor e Mestre comum de todos, como fazer o bem a todos da mesma forma, e dispensar os mesmos direitos a
todos, não conhece essa diferença.

Mas se alguém perguntar de onde vem a escravidão e por que encontrou entrada na vida humana (e muitos dos que
conheço ficam felizes em fazer essas perguntas e desejosos de ser informados deles), eu lhes direi. A escravidão é
fruto da cobiça, da degradação, da selvageria; já que Noé, nós sabemos, não tinha servo, nem Abel, nem Sete, nem os
que vieram depois deles. A coisa era o fruto do pecado, da rebelião contra os pais. Deixem que as crianças escutem
isso, que, sempre que elas não são boas para seus pais, elas merecem ser servas. Tal criança se despoja de sua nobreza
de nascimento; porque quem se rebela contra o pai já não é filho; e se aquele que se rebela contra o pai não é filho,
como será ele um filho rebelde contra o nosso verdadeiro Pai? Ele se afastou de sua nobreza de nascimento, fez ultraje
à natureza. Então vem também guerras, e batalhas, e tomar seus prisioneiros. [459] Bem, mas Abraão, você dirá, tinha
servos. Sim, mas ele não os usou como servos.

Observe como tudo depende da cabeça; a esposa, dizendo-lhe "amá-la"; os filhos, dizendo-lhe "para criá-los na
correção e admoestação do Senhor"; os servos, pelas palavras, "sabendo que tanto o seu Mestre como o seu estão no
céu". Assim, diz ele, também vós, da mesma maneira, como sendo servos, sereis bondosos e indulgentes. "Finalmente,
seja forte no Senhor e na força do seu poder."

Mas se, antes de considerar isto em seguida, tiverdes em mente dar ouvidos, farei as mesmas observações a respeito
de servos, como também fiz antes a respeito de crianças. Ensine-os a serem religiosos e tudo o mais seguirá
necessariamente. Mas agora, quando alguém vai ao teatro, ou vai ao banho, arrasta todos os seus servos atrás dele;
mas quando ele vai à igreja, não por um momento; nem os compele a assistir e ouvir. Agora, como o teu servo escutará,
quando tu, seu mestre, estiver atento a outras coisas? Compraste, compraste o teu escravo? Antes que todas as coisas
lhe digam o que Deus quer que ele faça, seja gentil com seus companheiros de serviço e dê conta da virtude.

A casa de cada um é uma cidade; e todo homem é um príncipe em sua própria casa. Que a casa dos ricos é deste
caráter, é bastante clara, onde há duas terras, e mordomos e governantes sobre os governantes. Mas eu digo que a
casa dos pobres também é uma cidade. Porque aqui também existem escritórios de autoridade; por exemplo, o marido
tem autoridade sobre a esposa, a esposa sobre os servos, os criados novamente sobre suas próprias esposas;
novamente as esposas e os maridos sobre as crianças. Não lhe parece ser, por assim dizer, uma espécie de rei, tendo
tantas autoridades sob sua própria autoridade? e que era certo que ele deveria ser mais habilidoso tanto no governo
doméstico quanto no geral do que todo o resto? Para quem sabe administrar estes em suas várias relações, saberá
como selecionar os homens mais aptos para os escritórios, sim, e escolherão excelentes. E assim a esposa será um
segundo rei na casa, faltando apenas o diadema; e quem sabe escolher este rei, regulará excelentemente todo o resto.

Ver. 10. "Finalmente", diz ele, "seja forte no Senhor".

Sempre que o discurso está prestes a concluir, ele sempre emprega esse turno. Não disse bem desde o início que a
casa de todo homem é um acampamento em si? Pois, tendo eliminado os vários ofícios, ele prossegue armando-os e
levando-os à guerra. [460] Se ninguém usurpar o escritório do outro, mas cada um permanecer no seu posto, tudo
será bem ordenado.
"Seja forte", diz ele, "no Senhor e na força do seu poder".

Isto é, na esperança que temos nele, por meio de sua ajuda. Pois como ele havia ordenado muitos deveres, que eram
necessários para ser feito, não tenha medo, ele parece dizer, lance sua esperança sobre o Senhor, e Ele tornará tudo
mais fácil.

Efésios 6:10
Finalmente, meus irmãos, sê forte no Senhor e no poder de seu poder.
Efésios 6:11
Põe toda a armadura de Deus, para que possais resistir às ciladas do diabo.
Ver. 11. "Põe toda a armadura de Deus, para que sejais capazes de enfrentar as ciladas do diabo."
Ele não disse, contra as lutas, nem contra as hostilidades, mas contra as "artimanhas". Pois este inimigo está em guerra
conosco, não simplesmente, nem abertamente, mas por "artimanhas". O que se entende por wiles? Usar "artimanhas"
é enganar e tomar por artifícios ou invenções; uma coisa que ocorre tanto no caso das artes, como por palavras, ações
e estratagemas, no caso daqueles que nos seduzem. Eu quero dizer algo assim. O Diabo nunca nos propõe pecados
em suas cores próprias; ele não fala de idolatria, mas o coloca em outro vestido, usando "artimanhas", [461] isto é,
tornando seu discurso plausível, empregando disfarces. Agora, portanto, o apóstolo é por este meio tanto
despertando os soldados, e tornando-os vigilantes, persuadindo e instruindo-os, que o nosso conflito é com alguém
habilidoso nas artes da guerra, e com alguém que não luta simplesmente, nem diretamente, mas com muita astúcia.
E primeiro, então, ele desperta os discípulos da consideração da habilidade do diabo; mas em segundo lugar, por sua
natureza e pelo número de suas forças. Não é de qualquer desejo desmotivar os soldados que estão debaixo dele, mas
despertar e despertá-los, que ele menciona estes estratagemas, e os prepara para ser vigilante; pois se ele tivesse
apenas detalhado seu poder, e ali parasse seu discurso, ele deve tê-los desanimado. Mas agora, enquanto antes e
depois disso, ele mostra que é possível superar tal inimigo, ele aumenta sua coragem; pois quanto mais claramente a
força de nossos adversários é declarada de nossa parte ao nosso próprio povo, tanto mais sincera será para nossos
soldados. e com quem não luta simplesmente, nem diretamente, mas com muita vontade. E primeiro, então, ele
desperta os discípulos da consideração da habilidade do diabo; mas em segundo lugar, por sua natureza e pelo número
de suas forças. Não é de qualquer desejo desmotivar os soldados que estão debaixo dele, mas despertar e despertá-
los, que ele menciona estes estratagemas, e os prepara para ser vigilante; pois se ele tivesse apenas detalhado seu
poder, e ali parasse seu discurso, ele deve tê-los desanimado. Mas agora, enquanto antes e depois disso, ele mostra
que é possível superar tal inimigo, ele aumenta sua coragem; pois quanto mais claramente a força de nossos
adversários é declarada de nossa parte ao nosso próprio povo, tanto mais sincera será para nossos soldados. e com
quem não luta simplesmente, nem diretamente, mas com muita vontade. E primeiro, então, ele desperta os discípulos
da consideração da habilidade do diabo; mas em segundo lugar, por sua natureza e pelo número de suas forças. Não
é de qualquer desejo desmotivar os soldados que estão debaixo dele, mas despertar e despertá-los, que ele menciona
estes estratagemas, e os prepara para ser vigilante; pois se ele tivesse apenas detalhado seu poder, e ali parasse seu
discurso, ele deve tê-los desanimado. Mas agora, enquanto antes e depois disso, ele mostra que é possível superar tal
inimigo, ele aumenta sua coragem; pois quanto mais claramente a força de nossos adversários é declarada de nossa
parte ao nosso próprio povo, tanto mais sincera será para nossos soldados. E primeiro, então, ele desperta os
discípulos da consideração da habilidade do diabo; mas em segundo lugar, por sua natureza e pelo número de suas
forças. Não é de qualquer desejo desmotivar os soldados que estão debaixo dele, mas despertar e despertá-los, que
ele menciona estes estratagemas, e os prepara para ser vigilante; pois se ele tivesse apenas detalhado seu poder, e ali
parasse seu discurso, ele deve tê-los desanimado. Mas agora, enquanto antes e depois disso, ele mostra que é possível
superar tal inimigo, ele aumenta sua coragem; pois quanto mais claramente a força de nossos adversários é declarada
de nossa parte ao nosso próprio povo, tanto mais sincera será para nossos soldados. E primeiro, então, ele desperta
os discípulos da consideração da habilidade do diabo; mas em segundo lugar, por sua natureza e pelo número de suas
forças. Não é de qualquer desejo desmotivar os soldados que estão debaixo dele, mas despertar e despertá-los, que
ele menciona estes estratagemas, e os prepara para ser vigilante; pois se ele tivesse apenas detalhado seu poder, e ali
parasse seu discurso, ele deve tê-los desanimado. Mas agora, enquanto antes e depois disso, ele mostra que é possível
superar tal inimigo, ele aumenta sua coragem; pois quanto mais claramente a força de nossos adversários é declarada
de nossa parte ao nosso próprio povo, tanto mais sincera será para nossos soldados. e o número de suas forças. Não
é de qualquer desejo desmotivar os soldados que estão debaixo dele, mas despertar e despertá-los, que ele menciona
estes estratagemas, e os prepara para ser vigilante; pois se ele tivesse apenas detalhado seu poder, e ali parasse seu
discurso, ele deve tê-los desanimado. Mas agora, enquanto antes e depois disso, ele mostra que é possível superar tal
inimigo, ele aumenta sua coragem; pois quanto mais claramente a força de nossos adversários é declarada de nossa
parte ao nosso próprio povo, tanto mais sincera será para nossos soldados. e o número de suas forças. Não é de
qualquer desejo desmotivar os soldados que estão debaixo dele, mas despertar e despertá-los, que ele menciona estes
estratagemas, e os prepara para ser vigilante; pois se ele tivesse apenas detalhado seu poder, e ali parasse seu
discurso, ele deve tê-los desanimado. Mas agora, enquanto antes e depois disso, ele mostra que é possível superar tal
inimigo, ele aumenta sua coragem; pois quanto mais claramente a força de nossos adversários é declarada de nossa
parte ao nosso próprio povo, tanto mais sincera será para nossos soldados. e parou seu discurso, ele deve tê-los
desanimado. Mas agora, enquanto antes e depois disso, ele mostra que é possível superar tal inimigo, ele aumenta
sua coragem; pois quanto mais claramente a força de nossos adversários é declarada de nossa parte ao nosso próprio
povo, tanto mais sincera será para nossos soldados. e parou seu discurso, ele deve tê-los desanimado. Mas agora,
enquanto antes e depois disso, ele mostra que é possível superar tal inimigo, ele aumenta sua coragem; pois quanto
mais claramente a força de nossos adversários é declarada de nossa parte ao nosso próprio povo, tanto mais sincera
será para nossos soldados.

Ver. 12. "Porque a nossa luta não é", diz ele, "contra carne e sangue, [462] mas contra os principados, contra os
poderes, contra os governantes do mundo destas trevas, contra as hostes espirituais da iniqüidade, no celestial locais."

Tendo estimulado-os pelo caráter do conflito, ele passa a despertá-los também pelos prêmios colocados diante deles.
Pois qual é o seu argumento? Tendo dito que os inimigos são ferozes, ele acrescenta que eles nos roubam grandes
bênçãos. Quem são esses? O conflito está "nos lugares celestiais"; [463] a luta não se trata de riquezas, nem de glória,
mas de sermos escravizados. E assim a inimizade é irreconciliável. A luta e o conflito são mais violentos quando há
interesses vastos em jogo; pois a expressão "nos lugares celestiais" [464] é equivalente a "para as coisas celestes".
Não é que eles possam ganhar nada pela conquista, mas que eles possam nos despojar. Como se alguém dissesse: "Em
que consiste o contrato?" Em ouro. A palavra "in" significa "em nome de"; a palavra "in"

Ele fala de certos "principados e potestades e governantes do mundo dessas trevas". Que escuridão? É a noite? Não,
mas de maldade. "Pois estais", diz ele, "outrora escuridão" ( Efésios 5: 8 ); assim nomeando aquela maldade que está
nesta vida presente; pois além disso, não terá lugar, nem no Céu, nem no mundo vindouro.

"Líderes mundiais" [467] ele os chama, não como tendo o domínio sobre o mundo, mas as Escrituras costumam
chamar práticas más "o mundo", como, por exemplo, onde Cristo diz: "Eles não são desta mundo, assim como eu não
sou do mundo ". ( João 17:16 ) Então, o que eles não eram do mundo? Eles não estavam vestidos de carne? Eles não
eram daqueles que estão no mundo? E de novo; "O mundo me aborrece, mas você não pode odiar." ( João 7: 7.) Onde
mais uma vez Ele chama práticas perversas por este nome. Assim, o apóstolo aqui pelo mundo significa homens
iníquos, e os espíritos malignos têm mais poder especial sobre eles. "Contra as hostes espirituais da maldade", diz ele,
"nos lugares celestiais". "Principados e poderes", ele fala; assim como nos lugares celestiais existem "tronos e
domínios, principados e potestades". ( Colossenses 1:16 )

Ver. 13. "Portanto", diz ele, "pegue toda a armadura de Deus, para que sejais capazes de resistir no dia do mal e, tendo
feito tudo, para ficar de pé."

Por "dia do mal" ele quer dizer a vida presente, [468] e também o chama "este presente mundo mau" ( Gálatas 1: 4)..),
dos males que são feitos nele. É tanto quanto dizer: esteja sempre armado. E novamente, "tendo feito tudo", diz ele;
isto é, ambas as paixões e luxúrias vis e todas as outras coisas que nos perturbam. Ele fala não apenas de fazer a ação,
mas de completá-la, [469] de modo a não apenas matar, mas também permanecer após termos morto. Para muitos
que ganharam essa vitória, caíram novamente. "Tendo feito", diz ele, "todos"; não tendo feito um, mas não o outro.
Pois mesmo após a vitória, devemos nos manter. Um inimigo pode ser atingido, mas as coisas que são atingidas
reavivam-se novamente se não nos levantarmos. Mas se depois de terem caído eles se levantam novamente,
enquanto permanecermos, eles estão caídos. Enquanto não vacilarmos, o adversário não se ergue novamente.

"Vamos colocar toda a armadura de Deus." Você viu como ele bane todo o medo? Pois, se é possível "fazer tudo e
ficar de pé", descrever detalhadamente o poder do inimigo não cria covardia e medo, mas abala a indolência. "Para
que possais", diz ele, "para resistir no dia do mal." E ele ainda lhes dá encorajamento também a partir do momento;
o tempo, ele parece dizer, é curto; [470] de modo que você deve ficar de pé; desmaiar não quando o abate é alcançado.

Moral. Se, então, é uma guerra, se tais forças são ordenadas contra nós, se "os principados" são incorpóreos, se eles
são "governantes do mundo", se eles são "as hostes espirituais da iniqüidade", como, me diga, Você pode viver em
auto-indulgência? Como você pode ser dissoluto? Como se estamos desarmados, seremos capazes de superar? Essas
palavras deixam cada um repetir a si mesmo todos os dias, sempre que ele estiver sob a influência da raiva ou da
luxúria, sempre que ele estiver mirando, e tudo sem lucro, depois dessa vida lânguida. Que ele escute o abençoado
Paulo, dizendo-lhe: "Nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra os principados, contra os poderes". Uma
guerra mais dura do que a que é matéria de sentido, um conflito mais feroz. Pense quanto tempo esse inimigo está
lutando, pois o que é que ele está lutando, e ser mais guardado do que nunca. "Não", um homem dirá, "mas como ele
é o diabo, ele deveria ter sido removido do caminho, e então todos foram salvos". [471] Estes são os pretextos que
alguns de seus indolentes em legítima defesa dão expressão. Quando você deve ser grato, ó homem, que, se você tem
uma mente, você tem a vitória sobre tal inimigo, você está, ao contrário, descontente, e dá expressão às palavras de
algum soldado preguiçoso e sonolento. Tu sabes os pontos de ataque, [472] se tu escolhes. Reconhece por todos os
lados, fortalece a ti mesmo. Não só contra o diabo é o conflito, mas também contra seus poderes. Como então, você
pode dizer, devemos lutar com a escuridão? Ao se tornar leve. Como com as "hostes espirituais da maldade" ? Por se
tornar bom. Porque a maldade é contrária ao bem, e a luz afasta as trevas. Mas se nós mesmos também formos trevas,
inevitavelmente seremos cativos. Como então os venceremos? Se, o que eles são por natureza, que nos tornamos por
escolha, livres de carne e sangue, assim os venceremos. Pela primeira vez era provável que os discípulos tivessem
muitos perseguidores, "imagine não", ele diria, "que são eles que guerreiam com você. Eles que realmente brigam
com você, são os espíritos que trabalham neles. Contra eles está nosso conflito ". Duas coisas ele fornece por estas
considerações; ele os torna mais corajosos e solta sua ira contra aqueles que guerreiam contra eles. E, portanto, é o
nosso conflito contra estes? Já que temos também um aliado invencível, a graça do Espírito. Foi-nos ensinado uma
arte que nos permitirá lutar não contra os homens, mas contra os espíritos. Não, se tivermos uma mente, também
não devemos lutar; porque é assim que escolhemos, que há uma luta, já que tão grande é o poder daquele que habita
em nós, como ele disse: "Eis que lhes dei autoridade para pisar serpentes e escorpiões e, acima de tudo, o poder do
inimigo ". (Lucas 10:19 . Todo o poder que Ele nos deu, tanto de lutar quanto de não lutar. É porque somos preguiçosos,
que temos que lutar com eles; Para que Paulo não lutou, ouvir o que ele diz: "Quem nos separará do amor de Cristo?
Tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada?" ( Romanos 8:35 ) E novamente
ouça suas palavras: "Deus ferirá a Satanás debaixo de seus pés em breve". ( Romanos 16:20 ). Ele o tinha sob sua
submissão; de onde também ele disse: "Eu te ordeno em nome de Jesus Cristo que saia dela". ( Atos 16:18.) E esta não
é a linguagem de um wrestling; porque aquele que luta ainda não venceu, e aquele que conquistou não luta mais; ele
subjugou, tomou seu cativo. E assim Pedro novamente lutou contra o diabo, mas ele fez aquilo que era melhor do que
lutar. No caso dos fiéis, dos obedientes, dos catecúmenos, eles prevaleceram sobre ele em grande vantagem e sobre
seus poderes. Daí também foi que o beato Paulo disse: "Porque não somos ignorantes de seus desígnios" ( 2 Coríntios
2:11 ), que foi o caminho além disso em que ele especialmente o superou; e novamente ouvir suas palavras: "E não é
de admirar - se seus ministros também se formam como ministros da justiça." ( 2 Coríntios 11:14, 15.) Tão bem sabia
que cada parte do conflito, e nada lhe escapou. Novamente, "pelo mistério da iniqüidade", diz ele, "já funciona". ( 2
Tessalonicenses 2: 7 )

Mas contra nós é a luta; por ouvi-lo novamente, dizendo: "Estou convencido de que nem os anjos, nem os principados,
nem as coisas presentes, nem as coisas por vir, nem os poderes, nem qualquer outra criatura, será capaz de nos separar
do amor de Cristo". ( Romanos 8:38.) Ele não diz simplesmente "de Cristo", mas "do amor de Cristo". [473] Para muitos,
há aqueles que são unidos para com Cristo e que ainda não o amam. Não só, diz ele, não me persuadirás a negá-lo,
mas a não menos amá-lo. E se os poderes acima não tivessem força para fazer isso, quem mais deveria movê-lo? Não
é, no entanto, que ele diga isso, como se estivessem realmente tentando, mas na suposição; Por isso também ele
disse: "Estou persuadido". Então, ele não lutou, no entanto, ele teme seus artifícios; porque ouço o que ele diz: "Temo
que, por qualquer meio, como a serpente enganou Eva em sua astúcia, sua mente deve ser corrompida da simplicidade
que é para com Cristo". ( 2 Coríntios 11: 3.) É verdade, você dirá, mas ele usa essa palavra tocando a si mesmo também,
onde diz: "Porque temo que, de qualquer forma, depois de ter pregado a outros, eu mesmo serei rejeitado". Então,
como és tu "persuadido que ninguém te separará"? Percebeste que a expressão é a de humildade e humildade? Pois
ele já morava no céu. E daí também foi que ele disse: "Porque nada sei contra mim" ( 1 Coríntios 4: 4 ); e novamente,
"eu terminei o curso." ( 2 Timóteo 4: 7.) De modo que não foi em relação a estas questões que o diabo colocou
obstáculos em seu caminho, mas com referência aos interesses dos discípulos. E por que tão? Porque nestes pontos
ele não era o único mestre, mas também a sua vontade. Lá o diabo prevaleceu em alguns casos; não, nem havia sobre
ele que ele prevaleceu, mas sobre a indolência de pessoas que não davam atenção. Se de fato, fosse por preguiça ou
qualquer outra coisa do tipo, ele não tivesse cumprido seu próprio dever, então o diabo prevalecera sobre ele; mas se
ele próprio fizesse tudo o que podia, e não obedecessem, não prevalecera sobre ele, mas sobre a desobediência deles;
e a doença prevalecia não sobre o médico, mas sobre o desrespeito do paciente; pois, quando o médico toma todas
as precauções, e o paciente desfaz tudo, o paciente é derrotado, não o médico. Assim, em nenhum momento ele
prevaleceu sobre Paulo. Mas, no nosso caso, é uma questão de contentamento que devemos ser capazes de lutar.
Para os romanos, de fato, isso não é o que ele pede, mas o que? "Ele ferirá a Satanás debaixo de seus pés em breve."
(Romanos 16:20 .) E para estes Efésios, ele invoca: "Aquele que é capaz de fazer muito mais abundantemente do que
pedimos ou pensamos." ( Efésios 3:20.) Aquele que luta ainda é mantido rápido, mas é o suficiente para ele que ele
não tenha caído. Quando partirmos daqui, então, e não até então, a vitória gloriosa será alcançada. Por exemplo, veja
o caso de algum desejo maligno. O extraordinário seria, nem mesmo entretê-lo, mas sufocá-lo. Se, no entanto, isso
não for possível, então talvez tenhamos que lutar com ele e retê-lo até o fim, mas se partirmos ainda lutando, seremos
vencedores. Pois o caso não é o mesmo aqui como é com lutadores; porque, se não deres o teu antagonista, não viste;
mas aqui, se tu não fores lançado, tu conquistaste; se tu não és lançado, tu o jogaste; e com razão, porque ambos
lutam pela vitória, e quando um é lançado, o outro é coroado; aqui, no entanto, não é assim, mas o diabo está lutando
por nossa derrota; quando então eu o despojo daquilo em que ele está curvado, eu sou conquistador. Pois não é para
derrubar-nos, mas para nos fazer compartilhar sua derrota que ele está ansioso. Já então sou conquistador, pois ele
já está arrasado e em estado de ruína; e sua vitória não consiste em ser ele mesmo coroado, mas em efetuar minha
ruína; de modo que, embora eu não o derrube, ainda que não seja derribado, eu venci. Então, o que é uma vitória
gloriosa? É, acima de tudo, atropelá-lo sob os pés, como fez Paulo, ao considerar as coisas deste mundo atual como
nada. Vamos também imitá-lo, e nos esforçamos para nos tornar acima deles, e nenhum lugar para nos dar um poder
sobre nós. Riqueza, posses, vaidosa glória, dê-lhe um poder. E muitas vezes, na verdade, isso o despertou e, muitas
vezes, o exasperou. Mas que necessidade há de lutar? Que necessidade de se envolver com ele? Aquele que está
envolvido no ato de lutar tem a questão na incerteza, se ele não pode ser derrotado e capturado. Enquanto aquele
que o pisoteia, tem a vitória certa.

Oh, então, vamos pisotear o poder do diabo; Vamos pisotear nossos pecados, quero dizer tudo o que pertence a esta
vida: ira, luxúria, glória vã, toda paixão; que quando partimos para esse mundo, podemos não ser convencidos de trair
o poder que Deus nos deu; porque assim alcançaremos também as bênçãos que estão por vir. Mas se nisto somos
infiéis, quem nos confiará aquelas coisas que são maiores? Se não pudéssemos atropelar alguém que havia caído, que
havia sido desonrado, que tinha sido desprezado, que estava deitado sob nossos pés, como o Pai nos daria as
recompensas de um Pai? Se subjugarmos alguém que não esteja sujeito a nós, que confiança teremos para entrar na
casa de nosso Pai? Pois, diz-me, suponha que tu tens um filho e que ele, desconsiderando a parte bem disposta da tua
casa, deve associar-se com aqueles que te angustiaram, com os que foram expulsos da casa de seu pai, com aqueles
que passam seu tempo na mesa de jogo, e que ele deve continuar assim até o último; não será ele deserdado? Está
bem claro que ele irá. E também nós devemos; se, desconsiderando os Anjos que agradaram ao nosso Pai e a quem
Ele colocou sobre nós, temos nossa conversa com o diabo, inevitavelmente seremos deserdados, o que Deus proíbe;
mas vamos nos envolver na guerra que temos que travar com ele. desconsiderando os Anjos que satisfizeram nosso
Pai e a quem Ele colocou sobre nós, temos nossa conversa com o diabo, inevitavelmente seremos deserdados, o que
Deus proíbe; mas vamos nos envolver na guerra que temos que travar com ele. desconsiderando os Anjos que
satisfizeram nosso Pai e a quem Ele colocou sobre nós, temos nossa conversa com o diabo, inevitavelmente seremos
deserdados, o que Deus proíbe; mas vamos nos envolver na guerra que temos que travar com ele.

Se alguém tem um inimigo, se alguém foi injustiçado por ele, se alguém está exasperado, que ele reúna toda aquela
ira, toda a fúria e despeje sobre a cabeça do diabo. Aqui a ira é uma coisa boa, aqui a raiva é proveitosa, aqui a vingança
é louvável, pois assim como entre os pagãos, a vingança é um vício, então verdadeiramente aqui a vingança é uma
virtude. Então, se você tiver alguma falha, se livrar deles aqui. E se não fores capaz de repeli-los, faça isso com os teus
membros também. [475] Alguém te feriu? Suportar a malícia contra o diabo e nunca renunciar ao teu ódio contra ele.
Ou ainda, ninguém te feriu? Ainda lhe dê malícia, porque ele insultou, porque ofendeu teu Senhor e Mestre, porque
ele feriu e guerras contra teus irmãos. Com ele ser sempre inimizade, sempre implacável, sempre implacável. Assim
ele será humilhado, assim desprezível, assim ele será uma presa fácil. Se formos ferozes para com ele, ele nunca será
feroz em relação a nós. Se formos complacentes, ele será feroz; não é com ele como é com nossos irmãos. Ele é o
inimigo e inimigo, tanto da vida quanto da salvação, tanto nosso quanto dele próprio. Se ele não ama a si mesmo,
como poderá ele nos amar? Vamos então nos colocar em ordem e feri-lo, tendo para o nosso poderoso confederado
o Senhor Jesus Cristo, que pode tanto nos tornar inexpugnáveis às suas armadilhas, e dignos das coisas boas por vir;
que Deus concede que todos possamos alcançar, pela graça e benignidade de nosso Senhor Jesus Cristo, com quem,
junto com o Espírito Santo, seja para o Pai, glória, poder e honra, agora e sempre e por todas as eras. Um homem.
assim ele será uma presa fácil. Se formos ferozes para com ele, ele nunca será feroz em relação a nós. Se formos
complacentes, ele será feroz; não é com ele como é com nossos irmãos. Ele é o inimigo e inimigo, tanto da vida quanto
da salvação, tanto nosso quanto dele próprio. Se ele não ama a si mesmo, como poderá ele nos amar? Vamos então
nos colocar em ordem e feri-lo, tendo para o nosso poderoso confederado o Senhor Jesus Cristo, que pode tanto nos
tornar inexpugnáveis às suas armadilhas, e dignos das coisas boas por vir; que Deus concede que todos possamos
alcançar, pela graça e benignidade de nosso Senhor Jesus Cristo, com quem, junto com o Espírito Santo, seja para o
Pai, glória, poder e honra, agora e sempre e por todas as eras. Um homem. assim ele será uma presa fácil. Se formos
ferozes para com ele, ele nunca será feroz em relação a nós. Se formos complacentes, ele será feroz; não é com ele
como é com nossos irmãos. Ele é o inimigo e inimigo, tanto da vida quanto da salvação, tanto nosso quanto dele
próprio. Se ele não ama a si mesmo, como poderá ele nos amar? Vamos então nos colocar em ordem e feri-lo, tendo
para o nosso poderoso confederado o Senhor Jesus Cristo, que pode tanto nos tornar inexpugnáveis às suas
armadilhas, e dignos das coisas boas por vir; que Deus concede que todos possamos alcançar, pela graça e benignidade
de nosso Senhor Jesus Cristo, com quem, junto com o Espírito Santo, seja para o Pai, glória, poder e honra, agora e
sempre e por todas as eras. Um homem. então ele será feroz; não é com ele como é com nossos irmãos. Ele é o inimigo
e inimigo, tanto da vida quanto da salvação, tanto nosso quanto dele próprio. Se ele não ama a si mesmo, como poderá
ele nos amar? Vamos então nos colocar em ordem e feri-lo, tendo para o nosso poderoso confederado o Senhor Jesus
Cristo, que pode tanto nos tornar inexpugnáveis às suas armadilhas, e dignos das coisas boas por vir; que Deus concede
que todos possamos alcançar, pela graça e benignidade de nosso Senhor Jesus Cristo, com quem, junto com o Espírito
Santo, seja para o Pai, glória, poder e honra, agora e sempre e por todas as eras. Um homem. então ele será feroz;
não é com ele como é com nossos irmãos. Ele é o inimigo e inimigo, tanto da vida quanto da salvação, tanto nosso
quanto dele próprio. Se ele não ama a si mesmo, como poderá ele nos amar? Vamos então nos colocar em ordem e
feri-lo, tendo para o nosso poderoso confederado o Senhor Jesus Cristo, que pode tanto nos tornar inexpugnáveis às
suas armadilhas, e dignos das coisas boas por vir; que Deus concede que todos possamos alcançar, pela graça e
benignidade de nosso Senhor Jesus Cristo, com quem, junto com o Espírito Santo, seja para o Pai, glória, poder e honra,
agora e sempre e por todas as eras. Um homem. como ele poderá nos amar? Vamos então nos colocar em ordem e
feri-lo, tendo para o nosso poderoso confederado o Senhor Jesus Cristo, que pode tanto nos tornar inexpugnáveis às
suas armadilhas, e dignos das coisas boas por vir; que Deus concede que todos possamos alcançar, pela graça e
benignidade de nosso Senhor Jesus Cristo, com quem, junto com o Espírito Santo, seja para o Pai, glória, poder e honra,
agora e sempre e por todas as eras. Um homem. como ele poderá nos amar? Vamos então nos colocar em ordem e
feri-lo, tendo para o nosso poderoso confederado o Senhor Jesus Cristo, que pode tanto nos tornar inexpugnáveis às
suas armadilhas, e dignos das coisas boas por vir; que Deus concede que todos possamos alcançar, pela graça e
benignidade de nosso Senhor Jesus Cristo, com quem, junto com o Espírito Santo, seja para o Pai, glória, poder e honra,
agora e sempre e por todas as eras. Um homem.

Notas de rodapé:

[452] [As palavras "ou mal", ekakon, não estão no texto desta passagem, apesar de Crisóstomo tê-las. Crisóstomo e
os escritores patrísticos geralmente citam o Novo Testamento sem exatidão. Eles citam freqüentemente de memória
e raramente são críticos. Cf. Schaff, Companheiro do Testamento Grego, p. 164.-- GA]

[453] ["Errado. Significa aqueles que são seus mestres humanos", em distinção de Cristo, o "mestre" divino. "- Meyer.
- GA]

[454] ["Com medo e tremor, isto é, com aquele zelo que é sempre muito apreensivo de não fazer o suficiente." - Meyer
- GA]

[455] ["Do coração" (ek psuches) é acompanhado por Crisóstomo com o que segue. (Assim Westcott e Hort.) Mas,
como conheceu 'eunoias expressa a disposição bem-intencionada, já inclui o sentido de ek psuches. Então, ek psuches
pertence ao que precede. Então Meyer, Ellicott e Rev. Ver. - GA]

[456] arpages.

[457] [O segundo kai (kai auton kai humon) é omitido no texto de Crisóstomo desta passagem, e no textus receptus,
para que não apareça na versão inglesa autorizada. A versão revisada tem, no entanto, e corretamente assim.

[458] [Meyer cita Seneca, Thyest. 607: - Quicquid a vobis extimescit menor Major hoc vobis dominus minatur. Omne
sub regno graviore regnum est .-- GA]

[459] [Ele parece referir a escravidão a três causas: 1. cobiça; 2. rebelião contra os pais; 3. guerra, onde os prisioneiros
são levados e escravizados.

[460] [Isto é muito bonito, mas dificilmente correta exegese. "A palavra finalmente" introduz uma exortação geral e
final, encerrando toda a porção parenética da epístola (iv. I-vi. 9). "- Meyer. - GA]

[461] methodeuon.
[462] ["Carne e sangue, ou seja, homens frágeis", assim como em Gálatas 1:16 , e Mateus 16:17 . A palavra pálida, que
significa nada mais do que uma luta livre, é especialmente escolhida pelo Apóstolo (que em outro lugar usa agon ou
mache), a fim de trazer mais fortemente em conexão com pros haima kai sarka o contraste entre esta forma de
competição menos perigosa e a que se segue. "- Meyer .-- GA]

[463] en epouraniois tois.

[464] enis epouraniois.

[465] ["A palavra en não significa para 'ou por conta de', e a frase é aqui local (i. 3.)." - Meyer .-- GA]

[466] para en huper esti, kai to en, dia estin.

[467] kosmokratoras.

[468] ["O uso de hemera, ao invés de ai & 242; ni ( Gálatas 1: 4. ) Se opõe à interpretação de Crisóstomo. Ainda mais
insustentável é a visão de Meyer, que Paulo está aqui especificando o dia em que a última um grande surto satânico
aconteceria, e Paulo tem no coração o que ele sabia que era muito mais presente e mais constantemente iminente, a
saber, o dia da tentação violenta. "- Ellicott. - GA]

[469] Não ergasamenoi, mas katergasamenoi.

[470] ou seja, "mas um dia".

[471] [Esta frase inteira e a precedente, embora atestada por três mss. e lido por Savile, estão querendo no texto de
Field, que tem, em seu lugar, "Nun oun elthe, phesin, emoi palaisai," Agora, "diz alguém," ele veio lutar comigo ", o
que parece deixar o sentido incompleto e não se encaixa na seguinte frase. Veja nota na página 82.-- GA]

[472] labas.

[473] [Este texto em Rom. tem, "do amor de Deus que está em Cristo Jesus nosso Senhor" - GA]

[474] [As palavras "temo", phoboumai gar, não estão no texto de 1 Coríntios 9:27 . Veja a nota 1 na página 157.-- GA]

[475] [Temos aqui seguido o texto de Savile (apoiado por três mss.), Como segue: ei de me dunasai autos apothesthai,
kan meta tonelada melon ton filho, de preferência para o texto do campo, que tem ei eu dunasai auta apthoesthai, e
meta tonelada melão ton filho .-- GA]

Efésios 6:12
Pois não lutamos contra carne e sangue, mas contra principados, contra potestades, contra os dominadores das trevas
deste mundo, contra a iniqüidade espiritual nos lugares elevados .
Efésios 6:13
Portanto, tomai-vos toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia do mal, e depois de tudo teres que
resistir.
Efésios 6:14
Portanto, fica de pé, tendo os teus lombos presos com a verdade e tendo sobre a couraça da justiça;
"Portanto, permaneça cingindo seus lombos com a verdade."
Tendo elaborado este exército, e despertado o seu zelo, - para ambas estas coisas eram necessárias, tanto que elas
deveriam ser elaboradas em ordem e sujeitas umas às outras, e que o seu espírito deveria ser despertado, - e tendo-
as inspirado com coragem, para isto era requisito também, ele prossegue também também armá-los. Pois as armas
não tinham sido usadas, se não tivessem sido postadas primeiro em seu próprio lugar e não tivessem despertado o
espírito da alma do soldado; porque primeiro devemos armar-lo por dentro e depois sem.

Agora, se este é o caso dos soldados, muito mais é com os soldados espirituais. Ou melhor, no caso deles, não existe
algo que os arme sem, mas tudo está dentro. Ele despertou seu ardor e incendiou-o; ele acrescentou confiança. Ele os
colocou na devida ordem. Observe como ele também coloca a armadura. "Portanto, fique", [476] diz ele. A primeira
característica da tática é saber como ficar bem e muitas coisas dependerão disso. Daí ele discursa muito a respeito de
se levantar, dizendo também em outro lugar: "Vigiem, permaneçam firmes". ( 1 Coríntios 16:13 ) E novamente:
"Permaneçam firmes no Senhor". (Filipe, iv. 1.) E novamente: "Aquele que pensa estar em pé, olhe para que não caia."
( 1 Coríntios 10:12 ) E novamente: "Para que sejais capazes,Efésios 6:13 .) Sem dúvida, então, ele não significa apenas
um modo de se levantar, mas um modo correto, e tantos quantos já tiveram experiência em guerras sabem quão
importante é saber como permanecer. Pois, se no caso dos pugilistas e lutadores, o treinador recomenda isso antes
de mais nada, a saber, para se manter firme, muito mais será a primeira coisa na guerra e em assuntos militares.

O homem que, no verdadeiro sentido, permanece, é justo; ele não está em uma atitude preguiçosa, não se apoiando
em nada. A retidão exata se descobre pela maneira de se levantar, de modo que aqueles que são perfeitamente
corretos ficam de pé. Mas aqueles que não se levantam não podem ser retos, mas são unstrung e desconexos. O
homem de luxo não fica em pé, mas está curvado; assim é o homem lascivo e o amante do dinheiro. Aquele que sabe
ficar de pé, a partir de sua própria posição, como de uma espécie de fundamento, acha fácil a parte do conflito.

"Portanto, fique em pé", diz ele, "tendo cingido seus lombos com a verdade". [477]

Ele não está falando de um cinto físico literal, pois toda a linguagem nesta passagem ele emprega em um sentido
espiritual. [478] E observe como metodicamente ele prossegue. Primeiro ele prepara seu soldado. [479] Então qual é
o significado disso? O homem que é solto em sua vida, e é dissolvido em suas concupiscências, e que tem seus
pensamentos arrastados no chão, ele se segura por meio deste cinto, não o impedindo de ser impedido pelas vestes
enredadas em suas pernas, mas deixando-o correr com os pés bem em liberdade. "Portanto, permaneçam cingidos
em seus lombos", diz ele. Pelos "lombos" aqui ele quer dizer isso; apenas o que a quilha está nos navios, o mesmo são
os lombos conosco, a base ou o fundamento de todo o corpo: pois eles são, por assim dizer, um fundamento, e sobre
eles, como as escolas dos médicos lhe dizem, todo quadro é construído. Então, em "cingir os lombos", ele compacta o
alicerce de nossa alma; pois ele não está, é claro, falando destes lombos de nosso corpo, mas está discursando
espiritualmente: e como os lombos são o alicerce tanto das partes tanto acima como abaixo, assim é também no caso
desses lombos espirituais. Muitas vezes, sabemos, quando as pessoas estão fatigadas, colocam suas mãos como se
estivessem sobre uma espécie de fundamento, e dessa maneira se sustentam; e por esta razão é que o cinto é usado
na guerra, que pode ligar e manter juntos este fundamento, por assim dizer, em nossa estrutura; por essa razão
também é que, quando corremos, nos cingimos. É isso que guarda nossa força. Deixe isto então, diz ele, seja feito
também com respeito à alma, e então fazendo qualquer coisa que seja nós seremos fortes;

É verdade, você pode dizer, mas esses nossos lombos naturais nos cingem com uma faixa de couro; mas nós, soldados
espirituais, com o que? Eu respondo, com aquilo que é a cabeça e a coroa de todos os nossos pensamentos, quero
dizer, "com a verdade". "Tendo cingido seus lombos", diz ele, "com a verdade". [480] Qual é então o significado de
"com a verdade"? Não amemos nada como a falsidade, todos os nossos deveres nos deixem perseguir "com a
verdade", não vamos mentir uns aos outros. Quer seja uma opinião, procuremos a verdade, quer seja uma linha de
vida, procuremos a verdadeira. Se nos fortalecermos com isso, se "nos cingirmos da verdade", ninguém nos vencerá.
Aquele que busca a doutrina da verdade jamais cairá na terra; porque as coisas que não são verdadeiras são da terra,
é evidente disto, que todos os que estão sem são escravizados pelas paixões, seguindo seus próprios raciocínios; e,
portanto, se estivermos sóbrios, não precisaremos de instrução nos contos dos gregos. Viu como são fracos e frívolos?
incapaz de entreter sobre Deus um pensamento severo ou qualquer coisa acima do raciocínio humano? Por quê?
Porque eles não estão "cingidos da verdade"; porque seus lombos, o receptáculo da semente da vida e a força principal
de seus raciocínios, são inúteis; nada então pode ser mais fraco que estes. E os maniqueus novamente vejam, como
todas as coisas que eles têm a ousadia de dizer, são de seus próprios raciocínios? "Era impossível", dizem eles, "para
Deus criar o mundo sem matéria". De onde isso é tão evidente? Essas coisas dizem, rastejando e da terra, e do que
acontece entre nós mesmos; porque o homem, dizem eles, não pode criar de outra forma. Marcion novamente, olha
o que ele diz. "Deus, se Ele tomou sobre ele carne, não poderia permanecer puro". De onde isso é evidente? "Porque",
diz ele, "nem os homens podem". Mas os homens são capazes de fazer isso. Valentino novamente, com seus
raciocínios todos arrastando pelo chão, fala as coisas da terra; e de igual maneira Paulo de Samosata. E Arius, o que
ele diz? "Era impossível para Deus quando Ele gerou, gerar sem paixão." [482] De onde, Arius, tens a ousadia de alegar
isso; meramente das coisas que acontecem entre nós? Você viu como os raciocínios de todos eles se arrastam no
chão? Todos são, por assim dizer, soltos e não confinados e saboreando a terra? E muito então para doutrinas. No que
diz respeito à vida e à conduta, mais uma vez, devassos, amantes do dinheiro e da glória, e de tudo mais, trilham no
chão. Eles não têm seus lombos firmes, de modo que, quando estão cansados, podem descansar sobre eles; mas
quando eles estão cansados, eles não colocam as mãos sobre eles e ficam de pé, mas a bandeira. Ele, no entanto, que
"está cingido com a verdade", em primeiro lugar, nunca está cansado; e em segundo lugar, se ele deve estar cansado,
ele descansará sobre a própria verdade. O que? Vai pobreza, diga-me, deixe-o cansado? Não, de repente; porque ele
repousará sobre as verdadeiras riquezas, e por esta pobreza entenderá o que é a verdadeira pobreza. Ou, novamente,
a escravidão o deixará cansado? Não, de antemão, porque ele saberá qual é a verdadeira escravidão. Ou será doença?
Não, nem isso. "Deixe seus lombos", diz Cristo, "estar cingido,Lucas 12:35 .), Com aquela luz que nunca se apagará.
Isto é o que os israelitas também, quando estavam partindo do Egito ( Êxodo 12:11), foram cobrados para fazer. Porque
comeram a páscoa com os lombos cingidos? És tu desejoso de ouvir o chão disto? De acordo com o fato histórico, ou
de acordo com seu sentido místico, [483] devo declará-lo? Mas eu lhes indicarei as duas coisas, e mantenham isso em
mente, pois não estou fazendo isso sem um objeto, apenas para lhe dizer a solução, mas também para que minhas
palavras se tornem realidade em você. Tinham, lemos, os lombos cingidos, o cajado nas mãos e os sapatos nos pés, e
assim comeram a Páscoa. Mistérios terríveis e terríveis e de grande profundidade; e se tão terrível no tipo, quanto
mais na realidade? Eles saem do Egito e comem a Páscoa. Comparecer. "Nossa páscoa foi sacrificada, sim, Cristo", diz-
se. Por que eles tinham seus lombos cingidos? Seu disfarce é o dos viajantes; Porquanto, tendo sapatos e varais nas
mãos, e comendo de pé, nada mais declara que isto. Você ouvirá a história primeiro ou o mistério? [484] Melhor a
história primeiro. Qual é então o desenho da história? Os judeus estavam continuamente esquecendo os benefícios
de Deus para eles. Conseqüentemente, Deus atou o sentido desses, Seus benefícios, não apenas para o tempo, mas
também para o próprio hábito daqueles que deveriam comer. Pois é por isso que eles deviam comer cingidos e em
areia, que quando lhes perguntassem o motivo, poderiam dizer: "estávamos prontos para nossa jornada, estávamos
prestes a sair do Egito para a terra da promessa e estávamos pronto para o nosso êxodo ". Este então é o tipo histórico.
Mas a realidade é essa; nós também comemos uma Páscoa, até mesmo Cristo; "pois", diz ele, "nossa páscoa foi
sacrificada, sim, Cristo". (1 Coríntios 5: 7. ) Então o que? Nós também devemos comê-lo, ambos em sela e cingidos. E
porque? Que nós também possamos estar prontos para nosso Êxodo, para nossa partida daqui.

Moral. Que nenhum dos que comem esta Páscoa olhe para o Egito, mas para o céu, para a "Jerusalém que está em
cima". ( Gálatas 4:26 .) Por isso comerás com os teus lombos cingidos, por isso comerás com sapatos nos teus pés,
para que possas saber que, a partir do momento em que começas a comer a Páscoa, deverás partir e estar em tua
jornada. E isso implica duas coisas, tanto que devemos sair do Egito, e que, enquanto permanecermos, devemos ficar
a partir de agora como em um país estranho; "para nossa cidadania", diz ele, "está no céu" (Filipe 3:20); e que durante
toda a nossa vida devemos estar sempre preparados, para que, quando somos chamados, não o abandonemos, mas
digamos: "Meu coração está consertado". ( Salmo 108: 1.) "Sim, mas isto Paulo, de fato, poderia dizer, que nada sabia
contra si mesmo, mas eu, que necessito de muito tempo para o arrependimento, não posso dizê-lo." No entanto, para
ser cingido é a parte de uma alma desperta, ouvir o que Deus diz para aquele homem justo: "Cinge agora os teus
lombos como um homem, pois eu vou exigir de ti e declarar-me." ( Jó 38: 3 ) Isto diz também a todos os profetas, e
isto diz novamente a Moisés, para ser cingido. E Ele também aparece a Ezequiel ( Ezequiel 9:11 , Sept.) cingido. Mais
ainda, e os Anjos, também, aparecem para nós cingidos ( Apocalipse 15: 6 ), como sendo soldados. Do fato de estarmos
cingidos, acontece que também nos posicionamos com bravura, pois a partir de nossa posição estamos nos
preparando.

Pois também vamos partir e muitas são as dificuldades que intervêm. Quando atravessamos essa planície, o demônio
está imediatamente sobre nós, fazendo tudo, inventando todos os artifícios, até o fim que aqueles que foram salvos
do Egito, aqueles que passaram pelo Mar Vermelho, aqueles que foram libertados imediatamente do demônios
malignos, e de pragas não numeradas, podem ser tomadas e destruídas por ele. Mas, se formos vigilantes, também
temos uma coluna de fogo, a graça do Espírito. O mesmo nos ilumina e nos ofusca. Nós temos maná; sim, não maná,
mas muito mais que maná. Bebida espiritual que temos, não água, que brota da Rocha. Então nós também temos
nosso acampamento ( Apocalipse 20: 9.), e nós moramos no deserto agora mesmo; para um deserto sem virtude, a
terra é ainda hoje mais desolada do que o deserto. Por que esse deserto era tão terrível? Não foi porque tinha
escorpiões e aditivos? ( Deuteronômio 8:15 ) "Uma terra", diz-se, "pela qual nenhum passou". ( Jeremias 2: 6 ). No
entanto, não é esse deserto, não, não é tão estéril de frutos, como é esta natureza humana. Neste instante, quantos
escorpiões, quantos astecas estão neste ermo, quantas serpentes, quantos "descendentes de víboras" ( Mateus 3: 7 )
são estes através dos quais passamos neste instante! Contudo, não tenhamos medo; pois o líder deste nosso Êxodo
não é Moisés, mas Jesus.

Como então é que não devemos sofrer as mesmas coisas? Não cometamos os mesmos atos, e então não sofreremos
o mesmo castigo. Eles murmuraram, eram ingratos; não vamos, portanto, acalentar essas paixões. Como foi que eles
caíram todos eles? "Eles desprezaram a terra agradável." ( Salmo 106: 24 ). "Como o desprezaram? Certamente eles
valorizaram muito". Tornando-se indolente e covarde, e não escolhendo se submeter a qualquer trabalho para obtê-
lo. Não nos deixe então "desprezar" o Céu! Isto é o que significa "desprezar". Novamente, entre nós também foram
trazidos frutos, frutos do Céu, não o cacho de uvas carregado sobre o cajado ( Números 13:23 ), mas o "penhor do
Espírito" ( 2 Coríntios 1:22)..) "a cidadania que está no céu" (Filipe 3:20), que Paulo e toda a companhia dos Apóstolos,
aqueles maravilhosos lavradores, nos ensinaram. Não é Calebe, filho de Jefoné, nem Jesus, filho de Nun, quem tenha
trazido estes frutos; mas Jesus, o Filho do "Pai das misericórdias" ( 2 Coríntios 1: 3 ), o Filho do próprio Deus, trouxe
todas as virtudes, trouxe do céu todos os frutos que são de lá, os cânticos do céu tem Ele trouxe. Pelas palavras que
os Querubins acima dizem, eles nos encarregou de dizer também: "Santo, Santo, Santo". [485] Ele nos trouxe a virtude
dos anjos. "Os anjos não se casam, nem são dados em casamento" ( Mateus 22:30.); esta planta justa Ele plantou aqui
também. Eles não amam dinheiro nem nada parecido; e isto também Ele semeou entre nós. Eles nunca morrem; e
isso nos deu também, pois a morte não é mais a morte, mas o sono. Para ouvir o que Ele diz: "Nosso amigo Lázaro
está adormecido". ( João 11:11 )

Vedes tu então os frutos da "Jerusalém que está acima"? ( Gálatas 4:26 ) E o que é realmente mais estupendo do que
tudo é isto, que nossa guerra não está decidida, mas todas estas coisas nos são dadas antes da realização da promessa!
Porque trabalhavam mesmo depois de terem entrado na terra da promessa - ao contrário, eles não trabalhavam, pois
se tivessem escolhido obedecer a Deus, poderiam ter tomado todas as cidades, sem braços ou artilharia. Jericho, nós
sabemos, eles viraram, mais depois da moda dos dançarinos do que dos guerreiros. Nós, porém, não temos guerra
depois que entramos na terra da promessa, isto é, no Céu, mas somente enquanto estivermos no deserto, isto é, na
vida presente. "Pois aquele que entrou em seu descanso, ele próprio, também descansou de suas obras, como Deus
fez com as suas." (Hebreus 4:10 .) "Portanto, não nos cansemos de fazer o bem, porque no devido tempo ceifaremos,
se não desfalecermos." ( Gálatas 6: 9 ). Vês que assim como Ele os guiou, assim também nos guia? No caso deles,
tocando o maná e o deserto, diz-se: "Aquele que muito colheu não tinha mais nada, e aquele que pouco recolhia não
tinha falta". ( Êxodo 16:18 .) E temos essa acusação que nos foi dada: "não acumular tesouros na terra". ( Mateus
6:19Mas se nós acumulamos tesouros, não é mais o verme terrestre que o corrompe, como era o caso do maná, mas
aquilo que permanece eternamente com fogo. [486] Então vamos "subjugar todas as coisas", que não fornecemos
alimentos a esse verme. Para "ele", é dito, "quem se reuniu muito não tinha mais nada". Por isso também acontece
conosco também todos os dias. Todos nós temos a mesma capacidade de fome para satisfazer. E aquilo que é mais
que isso, é apenas uma adição de cuidados. Pois o que Ele pretendia em tempos posteriores para entregar, dizendo:
"Suficiente para o dia é o seu mal" ( Mateus 6:34).), se Ele assim tivesse ensinado desde o princípio, [487] e nem
mesmo assim o receberam. Mas, quanto a nós, não sejamos insaciáveis, não sejamos descontentes, não procuremos
esplêndidas casas; porque estamos em nossa peregrinação, não em casa; de modo que, se houver alguém que saiba
que a vida presente é uma espécie de viagem e expedição, e, como se poderia dizer, é o que eles chamam de um
acampamento entrincheirado, [488] ele não estará procurando por edifícios esplêndidos. Para quem, diga-me, se ele
é tão rico, escolheria construir uma casa esplêndida em um acampamento? Ninguém; ele seria motivo de chacota,
estaria construindo para seus inimigos e os convidaria de maneira mais eficaz; e então, se estivermos em nossos
sentidos, também não devemos. A vida presente nada mais é do que uma marcha e um acampamento.

Portanto peço-lhes que façamos tudo o que pudermos para não acumular tesouros aqui; porque se o ladrão vier,
devemos, em um momento, levantar e partir. "Observe", diz Ele, "pois não sabeis a que hora vem o ladrão" ( Mateus
24:42 , 43), nomeando assim a morte. Antes que ele venha, mandemos tudo para a nossa pátria; mas aqui vamos ser
"bem cingidos", para que possamos ser capacitados a vencer nossos inimigos, a quem Deus concede que possamos
vencer, pela graça e benignidade de nosso Senhor Jesus Cristo, com Quem junto com o Espírito Santo, seja ao Pai
glória, força, honra para todo o sempre. Um homem.

Notas de rodapé:

[476] ["Stand", aqui, não é, como o stenai precedente (no versículo 13), a posição do vencedor, mas a posição diante
do homem pronto para o combate. "- Meyer - GA]

[477] Compare Isaías 11: 5 .

[478] noetos.

[479] ["Quanto ao verdadeiro guerreiro, todo o aptus habitus (estado preparado) para o combate seria necessário na
ausência do cinto; assim também para o guerreiro espiritual, se ele não for provido de verdade." Meyer .-- GA]

[480] ["Está claro que verdade não significa objetivamente o evangelho", pois isso é designado mais adiante, verso 17,
por rhema theou (a palavra de Deus), mas subjetivamente, "verdade como uma propriedade interior, ie a harmonia
do conhecimento com a verdade objetiva dada no evangelho. '"- Meyer. - GA]
[481] Os maniqueus consideravam a matéria incriada; vid. Nota sobre as Confissões de Santo Agostinho, ib Os
Marcionitas consideravam a matéria intrinsecamente má; vid. Theod. H ri 24. Valentino negou que nosso Senhor
tivesse nascido da substância de Maria; vid. São Cirilo, Lect. iv. 9. Paulo de Samosata e Arius ambos negaram a sua
divindade.

[482] apathos.

[483] A palavra anagoge, quando usada na exposição das Escrituras, tem vários sentidos, mas sempre implica uma
interpretação não literal, gramatical ou histórica. Às vezes, significa uma interpretação "moral", isto é, uma que
transmite uma lição moral; por exemplo, Chrys. no Salmo 119(120) init .; Manjericão. em Esai. v. 152. Às vezes, para
uma interpretação com referência simplesmente a pessoas e coisas celestes; vid. Mosheim, de Reb. ante Const. p.
644; Dionys Hierarca C ?il 2. Orígenes enumera três sentidos da Escritura, literal, moral e mística, sendo o último
alegórico ou anagógico; Clemente quatro, literal, moral, mística e profética; mas a divisão mais comum tem sido literal,
tropológica, alegórica e anagógica. [Cassiano, um discípulo de Crisóstomo, define anagoge: Anagoge vero de
espiritalibus mysteriis ad sublimiora quaedam et sacratiora coelorum secreta conscendens, "conduzindo dos mistérios
espirituais para segredos superiores e mais sagrados do céu". Veja também Lex Grego de Sófocles. sub "voce." - GA]

[484] anagogen.

[485] [Para o uso dessas palavras no culto da igreja, veja Bingham, Antiquities, xv. 3, 10 e Hom. III em Efésios. - GA]

[486] [O texto desta passagem é muito corrupto. Três mss. tem ouketi skolex ho aisthetos lumainetai. ..a todos os
dikaiosunes. Mas, como Field diz, hoskolex tes dikaiosunes ("o verme da justiça") parece "absurdissimum". Três outros
mss. dê a leitura que nós adotamos: "Não mais o verme terrestre", & c., "mas aquilo que habita eternamente com o
fogo", tudo isso para puri sundiaionizon hemas lumainetai. Field, em seu texto, segue uma única ms e emende mesmo
isso.

[487] anothen.

[488] phossaton, fossatum.

"Portanto, em pé, cingi os vossos lombos com verdade e, tendo sobre a couraça da justiça, e calçado os pés com a
preparação do evangelho da paz, tomando o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do
maligno, e toma o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.

"Tendo cingido seus lombos", diz ele, "com a verdade". Qual pode ser o significado disso? Afirmei no discurso anterior,
que ele deve ser levemente consertado, a fim de que não haja nenhum impedimento para sua corrida.

"E continuando", continua ele, "a couraça da justiça". Como o peitoral é impenetrável, assim também é a justiça, e por
justiça aqui ele significa uma vida de virtude universal. [489] Uma vida assim nunca poderá ser derrubada; É verdade
que muitos o ferem, mas ninguém o corta, não, nem o próprio diabo. É como se alguém dissesse: "tendo boas ações
fixas no peito"; destes é que Cristo diz: "Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos". (
Mateus 5: 6 ) Assim ele é firme e forte como um peitoral. Tal homem nunca será colocado fora de temperamento.

"E calçando os pés com a preparação do evangelho da paz." É mais incerto em que sentido isso foi dito. Qual é então
o seu significado? Eles são nobres grevos, sem dúvida, com os quais ele nos investe. Ou então ele quer dizer isso, que
devemos estar preparados para o evangelho, e devemos usar nossos pés para isso, e devemos preparar e preparar o
caminho para isso; [490] ou, se não é isso, pelo menos que nós mesmos devemos estar preparados para a nossa
partida. "A preparação", então, "do evangelho da paz", nada mais é do que uma vida mais virtuosa; de acordo com o
que o Profeta diz. "Tu preparas o coração deles, tu farás o teu ouvido ouvir." ( Salmo 10:17"Do evangelho", diz ele,
"da paz" e com razão; porquanto ele mencionou guerra e luta, ele nos mostra que este conflito com os espíritos
malignos que precisamos deve ter: porque o evangelho é "o evangelho da paz"; esta guerra que temos contra eles,
põe fim a outra guerra, isto é, que é entre nós e Deus; Se estamos em guerra com o diabo, estamos em paz com Deus.
Não tenha medo, portanto, amado; é um "evangelho", isto é, uma palavra de boas novas; já é a vitória conquistada.

"Compreendendo o escudo da fé."


Por "fé" neste lugar, ele quer dizer, não conhecimento (para isso ele nunca teria passado por último), mas aquele
presente pelo qual os milagres são feitos. [491] E com razão ele denomina esta "fé" um escudo "; pois, como o escudo
é colocado diante do corpo todo, como se fosse uma espécie de baluarte, assim também é essa fé; porque todas as
coisas se submetem a isso.

"Com o que puderdes", diz ele, "para apagar todos os dardos inflamados do maligno".

Para este escudo nada poderá resistir; porque ouve o que Cristo diz aos seus discípulos: "Se tiverdes fé como um grão
de mostarda, direis a este monte: Levai daqui para o lugar distante e ele removerá". ( Mateus 17:20 ) Mas como
devemos ter essa fé? Quando tivermos realizado corretamente todos esses deveres.

"Pelos dardos do maligno", ele quer dizer, ambas as tentações e vil desejos; e "fogoso", diz ele, pois tal é o caráter
desses desejos. No entanto, se a fé pode comandar os maus espíritos, muito mais pode também as paixões da alma.

"E pegue o capacete", continua ele, "da salvação", isto é, da sua salvação. Pois ele está revestindo-os de armadura.

"E a espada do Espírito, que é a palavra de Deus." Ou ele quer dizer o Espírito, ou então, "a espada espiritual": pois
por isso [492] todas as coisas são cortadas, por isso todas as coisas são cindidas, por isso cortamos até a cabeça da
serpente.

Ver. 18, 19, 20. "Com toda oração e súplica", diz ele, "orando em todas as estações do Espírito, e observando-o com
toda perseverança e súplica por todos os santos; e em meu nome essa expressão pode ser dada a mim. ao abrir a boca
para revelar com ousadia o mistério do evangelho, pelo qual sou um embaixador acorrentado, para nele falar
ousadamente, como devo falar.

Como a palavra de Deus tem poder para fazer todas as coisas, assim também tem aquele que tem o dom espiritual.
"Pois a palavra de Deus", diz ele, "é viva, e ativa e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes." ( Hebreus
4:12 .) Agora marque a sabedoria desse abençoado apóstolo. Ele os armou com toda a segurança. O que então é
necessário depois disso? Para invocar o Rei, para que Ele possa estender a mão. "Com toda a oração e súplica, orando
em todas as estações do Espírito"; porque é possível "rezar" não "no Espírito", quando alguém "usa repetições vãs" (
Mateus 6: 7)..); "e observando isso", ele acrescenta, isto é, mantendo-se sóbrio; pois tal deve ser o guerreiro armado,
aquele que está ao lado do rei; vigília e temperamento: - "com toda a perseverança e súplica por todos os santos; e
em meu nome isso pode ser dado a mim ao abrir minha boca". O que você diz, abençoou Paulo? Tens, então,
necessidade dos teus discípulos? E bem, ele diz "abrindo minha boca". Ele então não estudou o que costumava dizer,
mas de acordo com o que Cristo disse: "Quando eles te entregarem, não fiquem ansiosos como ou o que falareis: pois
nesta hora vos será dado o que faleis" ( Mateus 10:19.) Ele realmente fez tudo pela fé, tudo pela graça. "Com ousadia",
prossegue ele, "tornar conhecido o mistério do Evangelho"; isto é, que eu possa responder por mim mesmo em sua
defesa, como deveria. E tu estás preso em tua corrente, e ainda necessitas da ajuda de outros? Sim, diz ele, pois Pedro
também estava preso em sua corrente, e mesmo assim "foi feita fervorosamente por ele". ( Atos 12: 5 ) "Para o qual
sou um embaixador acorrentado, para que nele eu possa falar ousadamente, como devo falar"; isto é, que eu possa
responder com confiança, com coragem, com grande prudência.

Ver. 21. "Mas para que também vós [493] possa conhecer meus assuntos, como eu faço, Tíquico, o irmão amado e
ministro fiel no Senhor, fará-vos conhecer todas as coisas."

Assim que ele mencionou suas correntes, ele deixa algo para Tychicus também se relacionar com eles por conta
própria. Por quaisquer tópicos que houvesse de doutrina e de exortação, tudo isso ele explicava por sua carta: mas o
que eram assuntos de nu recital, estes ele confiou ao portador da carta. "Para que possais conhecer meus assuntos",
isto é, pode ser informado deles. Isso manifesta tanto o amor que ele nutria por eles como o amor deles por ele.

Ver. 22. "A quem vos enviei", diz ele, "para este mesmo propósito, para que conheças o nosso estado e para que ele
possa consolar os vossos corações".

Esta linguagem ele emprega, não sem um propósito, mas em consequência do que ele estava dizendo anteriormente;
"tendo cingido os vossos lombos, tendo sobre o peitoral," & c., que são um sinal de um avanço constante e incessante;
porque ouve o que o Profeta diz: "Sejamos para ele como o vestido que ele mesmo cobre, e para o cinto com o qual
ele está cingido continuamente" ( Salmos 109: 19 ); e o profeta Isaías novamente diz que Deus “ revestiu a justiça
como um peitoral” ( Isaías 59:17 ); por essas expressões nos instruindo que estas são coisas que devemos ter, não
apenas por um curto período de tempo, mas continuamente, na medida em que há necessidade contínua de guerra.
"Pois é dito que os justos são ousados como um leão". ( Provérbios 28: 1Para aquele que está armado com tal peitoral,
não pode ser que ele deva temer a ordem que está contra ele, mas ele vai pular no meio do inimigo. E novamente
Isaías disse: "Quão belos são os pés daquele que anuncia boas novas". ( Isaías 52: 7 ) Quem não corria, quem não
serviria em tal causa; publicar as boas novas da paz, paz entre Deus e o homem, paz, onde os homens não labutaram,
mas onde Deus operou a todos?

Mas qual é a "preparação do Evangelho"? [494] Ouçamos o que João diz: "Preparai o caminho do Senhor, endireitai
as suas veredas." ( Mateus 3: 3 ) Mas também há necessidade de outra "preparação" depois do batismo, para que
nada façamos indigno de "paz". E então, uma vez que os pés são geralmente um sinal do modo de vida, por isso ele
está constantemente exortando nesta linguagem: "Olhe, portanto, cuidadosamente, como andais". ( Efésios 5:15.) Por
esta razão, ele diria, vamos mostrar uma prática e exemplo digno do Evangelho; isto é, tornar a nossa vida e conduta
pura. As boas novas da paz foram proclamadas a você, dê a estas boas novas um caminho pronto; já que, se de novo
se tornarem inimigos, não haverá mais "preparação da paz". Esteja pronto, não seja atrasado para abraçar esta paz.
Assim como estais prontos e dispostas para a paz e a fé, assim também continue. O escudo é aquele que primeiro
recebe as investidas do adversário e preserva a armadura sem ferimentos. Então, por mais que a fé esteja certa e a
vida esteja certa, a armadura permanece ilesa.

Ele discursa, no entanto, muito a respeito da fé, mas principalmente, por escrito, aos hebreus, como ele também faz
em relação à esperança. Acredite, diz ele, nas coisas boas que estão por vir, e nenhuma dessas armaduras será ferida.
Nos perigos, na fadiga, mantendo a tua esperança e a tua fé para te proteger, tu preservas a tua armadura sem
ferimentos. "Aquele que vem a Deus deve crer que Ele é, e que é galardoador dos que o buscam." ( Hebreus 11: 6 ). A
fé é um escudo; mas onde quer que haja dúvidas, raciocínios e escrutínios, então não é mais um escudo, mas nos
impede. Deixe esta nossa fé ser tal que cubra e cubra todo o quadro. Não seja, então, escasso, de modo a deixar os
pés ou qualquer outra parte exposta, mas deixe o escudo ser compatível com todo o corpo.

"Fiery [495] dardos." Para muitos raciocínios duvidosos existem, que colocam a alma, por assim dizer, no fogo, muitas
dificuldades, muitas perplexidades, mas todas elas a fé estabelece totalmente em repouso; muitas coisas o diabo
entra, para inflamar a nossa alma e nos levar à incerteza; como, por exemplo, quando algumas pessoas dizem: "Existe
então uma ressurreição?" "Existe um julgamento?" "Existe uma retribuição?" "Mas existe fé?" o apóstolo diria: "com
ele apagará os dardos do diabo. Alguma luxúria de base te assaltou? Mantém diante de ti a tua fé nas boas coisas
vindouras, e nem sequer se mostrará, sim, perecerá. " "Todos os dardos"; não alguns apagados e outros não. Ouça o
que Paulo diz "Romanos 8:18 .) Vê quantos dardos os justos apagaram naqueles dias? Não te parece ser "dardos
inflamados", quando o patriarca queimava com fogo interior, enquanto oferecia seu filho? Sim, e outros homens justos
também apagaram "todos os seus dardos". Se então eles são raciocínios que nos assaltam, nos deixe aguentar isto;
ou se eles são desejos básicos, vamos usar isso; ou se mais uma vez trabalhos e aflições, sobre isso, vamos repousar.
De todas as outras armaduras, esta é a salvaguarda; se não tivermos isso, eles serão rapidamente atravessados.
"Withal", diz ele, "pegando o escudo da fé". Qual é o significado de "withal"? Significa "na verdade" e "na justiça" e
"na preparação do evangelho"; isto é,

E, portanto, ele acrescenta mais "e toma o capacete da salvação"; isto é, finalmente, por isto sereis capazes de estar
em segurança. Receber o capacete da salvação é escapar do perigo. Pois como o capacete cobre a cabeça
perfeitamente em todas as partes, e a sofre não para sustentar qualquer dano, mas para preservá-lo, assim também
a fé fornece tanto o lugar de um escudo como um capacete para nos preservar. Pois se saciarmos seus dardos,
rapidamente receberemos também aqueles pensamentos salvadores que não sofrem nosso princípio governante
[497] de sustentar qualquer dano; pois se estes, os pensamentos que são adversos à nossa salvação, forem apagados,
aqueles que não são assim, mas que contribuem para a nossa salvação, e nos inspirarem com boas esperanças, serão
gerados dentro de nós, e repousarão sobre o nosso princípio governante, como um capacete faz na cabeça.

E não apenas isso, mas também tomaremos "a espada do Espírito" e, assim, não apenas afastaremos seus mísseis,
mas também feriremos o próprio demônio. Pois uma alma que não se desespere e seja a prova contra esses dardos
inflamados, suportará toda a intrepidez para enfrentar o inimigo e abrirá seu peitoral com essa mesma espada com a
qual Paulo também a atravessou e "trouxe cativeiro seus dispositivos "( 2 Coríntios 10: 5 ); ele cortará e decapitará a
serpente.

"Qual é a palavra de Deus."


Pela "palavra de Deus" neste lugar, ele significa, por um lado, a ordenança de Deus, ou a palavra de comando; ou, por
outro, que está no Nome de Cristo. Porque, se guardarmos os seus mandamentos, por estes mataremos e mataremos
o próprio dragão, "a serpente torta". ( Isaías 27: 1 ) E como ele disse: "Poderás apagar os dardos inflamados do
maligno"; para que ele não as encha, mostra-lhes que, acima de tudo, necessitam de Deus; pelo que ele diz?

"Com toda oração e súplica", diz ele, estas coisas devem ser feitas, e realizareis todos orando. Mas quando te
aproximares, nunca pedes somente a ti mesmo: assim terás Deus a favor de ti.

"Com toda oração e súplica, orando em todas as estações do Espírito, e observando tudo com perseverança para todos
os santos." Não limite, digo eu, a certas horas do dia, para ouvir o que ele está dizendo; abordagem em todos os
momentos; "ore", diz ele, "sem cessar". (1 Tess. 17) Você nunca ouviu falar dessa viúva, como ela por sua
importunidade prevaleceu? ( Lucas 18: 1-7 ) Você nunca ouviu falar daquele amigo, que à meia-noite envergonhou
seu amigo para ceder por sua perseverança? ( Lucas 11: 5-8 .) Não ouviste falar da mulher siro-fenícia ( Marcos 7: 25-
30 ). Como, pela constância de seu pedido, ela invocou a compaixão do Senhor? Todos eles obtiveram seu objetivo
por sua importunidade.

"Orando em todas as estações", diz ele, "no Espírito".

Quer dizer, procuremos as coisas que são de acordo com Deus, nada deste mundo, nada pertencente a esta vida.

Portanto, é preciso não apenas que "oremos sem cessar", mas também que o façamos "vigiando" e "observando", diz
ele, "para isso". Se ele está aqui falando de vigílias; [498] ou da vigília da alma, admito os dois significados. Viste como
aquela mulher cananita assistiu a oração? e embora o Senhor não lhe desse resposta, ou melhor, até mesmo a sacudiu,
e chamou-a de cão, ela disse: Sim, Senhor, porque até os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos
seus donos ( Mateus 15: 27. ), E desistiu não até que ela obteve seu pedido. Como, também, aquela viúva chorou, e
persistiu por tanto tempo, até que ela foi capaz de envergonhar-se em ceder aquele governante, que nem temia a
Deus, nem considerava o homem ( Lucas 18: 1-7)..) E como, mais uma vez, o amigo persistiu, permanecendo diante
da porta na calada da noite, até que ele envergonhou o outro para ceder pela sua importunidade, e fez com que ele
se levantasse. ( Lucas 11: 5-8 ). Isto é para ser vigilante.

Você entenderia o que é vigilância em oração? Vá a Hannah, ouça suas próprias palavras: "Adonai Eloi Sabaoth". ( 1
Samuel 1:11 ) Não, antes, ouça o que precedeu aquelas palavras; "todos se levantaram", diz a história, "da mesa" ( 1
Samuel 1: 9.), e ela, imediatamente, não se obrigou a dormir nem a repousar. De onde ela aparece para mim, mesmo
quando estava sentada à mesa para comer de leve, e não ter ficado sobrecarregada de comida. Caso contrário, nunca
poderia ter derramado tantas lágrimas; pois se nós, quando estamos jejuando e sem comida, dificilmente oramos
assim, ou melhor, nunca oramos assim, muito mais ela não teria orado assim depois de uma refeição, a menos que
até na refeição ela tivesse sido como aqueles que não comem. Sejamos envergonhados, nós que somos homens, a
exemplo desta mulher; tenhamos vergonha, que estão processando e ofegando por um reino, orando e chorando por
uma criancinha. "E ela se levantou", diz, "diante do Senhor" ( 1 Samuel 1:10.); e quais são as palavras dela? "Adonai,
Senhor, Eloi Sabaoth!" e isto é, sendo interpretado, "Ó Senhor, o Deus dos Exércitos". Suas lágrimas foram antes de
sua língua; por estes, ela esperava prevalecer com Deus para se curvar ao seu pedido. Onde há lágrimas, há sempre
aflição também: onde há aflição, há grande sabedoria e diligência. "Se queres mesmo", continua ela, "olha a aflição
da tua serva, e dai à tua serva um filho varão, depois darei-lhe ao Senhor todos os dias da sua vida." ( 1 Samuel 1:11.)
Ela não disse "por um ano" ou "por dois", como fazemos, nem disse ela: "se me deres um filho, eu te darei dinheiro";
mas, "Eu devolvo a Ti o próprio presente inteiro, meu primogênito, o filho da minha oração". Verdadeiramente aqui
estava uma filha de Abraão. Ele deu quando foi exigido dele. Ela oferece antes mesmo de ser exigido.

Mas observe mesmo depois disso sua profunda reverência. "Apenas seus lábios se moveram, mas sua voz", diz ela,
"não foi ouvida". ( 1 Samuel 1:13.) E assim aquele que obteria seu pedido se aproximaria de Deus; não consultando
sua facilidade, nem escancarado, nem descansando, nem coçando a cabeça, nem com absoluta indiferença. O que,
Deus não foi capaz de conceder, mesmo sem qualquer oração? O que, Ele não conhecia o desejo da mulher mesmo
antes dela perguntar? E ainda assim Ele havia concedido antes que ela perguntasse, então a sinceridade da mulher
não teria sido mostrada, sua virtude não teria sido manifestada, ela não teria ganho uma recompensa tão grande. De
modo que o atraso não é o resultado de inveja ou de feitiçaria, mas de bondade providencial. Quando, pois, ouvistes
a Escritura dizendo que "o Senhor fechara o seu ventre" (v. 5,6), e que "seu rival a provocou dolorosamente"; considere
que é sua intenção provar a seriedade da mulher. [499] Para, marque ela tinha um marido dedicado a ela, pois ele
disse (verso 8): "Não te sou melhor do que dez filhos?" "E seu rival", diz ela, "provocou-a dolorida", isto é, reprovou-
a, insultou-a. E, no entanto, ela nunca revidou, nem proferiu imprecações contra ela, nem disse: "Vingue-me, pois meu
rival me insulta". O outro tinha filhos, mas essa mulher tinha o amor do marido para fazer as pazes. Com isso, pelo
menos, ele mesmo consolou-a, dizendo: "Não sou eu melhor do que dez filhos?" O outro tinha filhos, mas essa mulher
tinha o amor do marido para fazer as pazes. Com isso, pelo menos, ele mesmo consolou-a, dizendo: "Não sou eu
melhor do que dez filhos?" O outro tinha filhos, mas essa mulher tinha o amor do marido para fazer as pazes. Com
isso, pelo menos, ele mesmo consolou-a, dizendo: "Não sou eu melhor do que dez filhos?"

Mas olhemos, novamente, para a profunda sabedoria dessa mulher. "E Eli", diz, "achava que ela estava bêbada". (Ver.
13) No entanto, observe o que ela diz a ele também: "Não, não conte sua serva para uma filha de Belial, pois da
abundância da minha queixa e da minha provocação falei até agora." (Ver. 16.) Aqui está verdadeiramente a prova de
um coração contrito, quando não estamos zangados com aqueles que nos insultam, quando não estamos indignados
contra eles, quando respondemos, mas em autodefesa. Nada torna o coração tão sábio quanto a aflição; nada é tão
doce como "luto divino". ( 2 Coríntios 7:10"Fora da abundância", diz ela, "da minha queixa e da minha provocação
falei até agora." Ela nos deixa imitar, um e todos. Ouvi, vós que estais, escutai, vós que desejais filhos, escutai, ambos
maridos e esposas; sim, também para maridos, muitas vezes usados para contribuir com sua parte; porque ouve o que
diz a Escritura: "E Isaque deu o Senhor a Rebeca, sua mulher, porque era estéril". ( Gênesis 25:21 ) Pois a oração é
capaz de realizar grandes coisas.

"Com toda oração e súplica", diz ele, "por todos os santos e por mim", colocando-se em último lugar. Que fazes, ó
abençoado Paulo, em assim colocar-te por último? Sim, diz ele, "esse enunciado pode ser dado a mim, ao abrir minha
boca, para tornar conhecido, com ousadia, o mistério do evangelho, para o qual eu sou um embaixador acorrentado".
E onde você é um embaixador? "Para a humanidade", diz ele. Oh! maravilhosa benignidade de Deus! Ele enviou do
céu em seu próprio nome embaixadores da paz, e eis que os homens os prenderam e amarraram, e não reverenciaram
tanto a lei das nações, que um embaixador nunca sofreu nenhum dano. "Mas, no entanto, eu sou um embaixador em
laços. A corrente está como um freio sobre mim, restringindo minha ousadia, mas sua oração abrirá minha boca"

"Mas para que também saibais meus assuntos, como eu faço, Tíquico, o amado irmão e fiel ministro do Senhor, vos
fará saber todas as coisas." Se "fiel", ele não dirá falsidade, em tudo ele falará a verdade: "a quem vos enviei para este
mesmo propósito, para que conheças o nosso estado e para que ele consolide os vossos corações". Maravilhosa e
transcendente afeição! "que pode não estar no poder", ele quer dizer, "daqueles que o fariam, para apaziguar você".
Pois é provável que eles estivessem em tribulação; pois a expressão "pode consolar os vossos corações" é muito
íntima; isto é, "não pode sofrer afundar sob ele".

Ver. 23. "Paz seja com os irmãos e amor com fé da parte de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo."

Ele invoca sobre eles "paz e amor com fé". Ele diz bem: pois não quer que eles tenham em conta o amor por si mesmos
e se misturem com os de uma fé diferente. Ou ele quer dizer isto, ou aquilo acima descrito, a saber, que eles deveriam
ter fé também, de modo a ter uma confiança alegre das coisas boas que virão. A "paz" que é para com Deus e o "amor".
E se houver paz, também haverá amor; se amor, haverá paz também. "Com fé", porque sem fé o amor nada vale; ou
melhor, o amor não poderia existir sem ele.

Ver. 24. "A graça seja com todos os que amam a nosso Senhor Jesus Cristo em incorrupção".

Por que ele separa os dois aqui, colocando "paz" por si mesmo e "graça" por si mesmo?

"Na incorruptibilidade", conclui ele.

O que é isso "em incorruptibilidade"? Ou significa "em pureza"; ou então, "por causa daquelas coisas que são
incorruptíveis", como, por exemplo, não em riquezas, nem em glória, mas nos tesouros que são incorruptíveis. O "em"
significa "através de". "Através da incorrupção", isto é, "através da virtude". [500] Porque todo pecado é corrupção. E
da mesma forma que dizemos que uma virgem está corrompida, também falamos da alma. Por isso, Paulo diz: "A
menos que sua mente seja corrompida". ( 2 Coríntios 11: 3.) E novamente em outro lugar, ele diz: "Em doutrina,
mostrando incorrupção". [501] Pois o que, diga-me, é corrupção do corpo? Não é a dissolução de todo o quadro e de
sua união? Isto então é o que acontece também na alma quando o pecado entra. A beleza da alma é temperança e
justiça; a saúde da alma é coragem e prudência; porque o homem de baixo é hediondo aos nossos olhos, assim como
o cobiçoso, assim como o homem que se entrega às más práticas, e assim o covarde e o homem não-homem está
doente, e o homem tolo está sem saúde. Agora que os pecados cometem corrupção, é evidente a partir disso que eles
tornam os homens fracos e os fazem doentes e doentes. Não, e quando dizemos que uma virgem está corrompida,
dizemos que, estritamente falando, também por causa disso, não só porque o corpo está contaminado, mas por causa
da transgressão. Pois o mero ato é natural; e se nisso consistia a "corrupção", então havia corrupção no casamento.
Por isso, não é o ato que é corrupção, mas o pecado, pois desonra e a envergonha. E novamente, o que seria corrupção
no caso de uma casa? Sua dissolução. E assim, universalmente, a corrupção é uma mudança que ocorre para pior, uma
mudança para outro estado, para a completa extinção do primeiro. Para ouvir o que a Escritura diz: "Toda a carne
corrompeu o seu caminho" ( universalmente, a corrupção é uma mudança que ocorre para pior, uma mudança para
outro estado, para a completa extinção do anterior. Para ouvir o que a Escritura diz: "Toda a carne corrompeu o seu
caminho" ( universalmente, a corrupção é uma mudança que ocorre para pior, uma mudança para outro estado, para
a completa extinção do anterior. Para ouvir o que a Escritura diz: "Toda a carne corrompeu o seu caminho" (Gênesis
6:12 ); e novamente, "na corrupção intolerável" [502] ( Êxodo 18:18 ); e novamente, "homens corrompidos em mente".
( 2 Timóteo 3: 8.) Nosso corpo é corruptível, mas nossa alma é incorruptível. Oh, então, não façamos isso corruptível
também. Isto, a corrupção do corpo, foi o trabalho do pecado anterior; [503] mas o pecado que está depois da Laver,
tem o poder também de tornar a alma corruptível, e torná-la uma presa fácil para "o verme que não morre". Pois
nunca aquele verme o tocou, se não tivesse encontrado a alma corruptível. O verme não toca com firmeza, e mesmo
que ele toque, ele não pode fazer mal. Oh, então, não corrompa a alma; porque o que é corrompido é cheio de mau
cheiro; pois ouça ao Profeta que diz: "Minhas feridas feder e são corruptas por causa da minha loucura." ( Salmo 38:
5)

No entanto, "esta corrupção" do corpo "se revestirá de incorrupção" ( 1 Coríntios 15:53.), mas o outro da alma, nunca;
pois onde a incorrupção é, não há corrupção. Assim é a corrupção que é incorruptível, que não tem fim, uma morte
imortal; o que teria sido, se o corpo permanecesse imortal. Agora, se partirmos para o outro mundo sem corrupção,
temos essa corrupção incorruptível e sem fim; porque para sempre estar queimando, e não queimado, jamais
desperdiçado pelo verme, é corrupção incorruptível; como foi o caso do abençoado trabalho. Ele foi corrompido, e
não morreu, e isso por um longo período, e "desperdiçado continuamente, raspando os torrões de poeira de sua
ferida". [505] Algum tormento como este, quando os vermes o cercam e devoram, não por dois anos nem por três,
nem por dez, nem por dez mil, mas por anos sem fim; para "seu verme"

Moral. Vamos dar o alarme então, peço-lhe, deixe-nos temer as palavras, que não nos encontramos com as realidades.
A cobiça é corrupção, corrupção mais perigosa do que qualquer outra e leva à idolatria. Evitemos a corrupção,
escolhamos a incorrupção. Estás com avidez sobrecarregada e defraudou alguém? Os frutos da tua cobiça perecem,
mas a cobiça permanece; uma corrupção que é o fundamento da corrupção incorruptível. O gozo realmente passa,
mas o pecado permanece imperecível. Um mal temeroso é que não nos despojemos de tudo neste mundo atual; uma
grande calamidade de partir para o próximo com muitos pecados sobre nós. "Pois no Sheol", é dito "quem te dará
graças?" ( Salmo 6: 5.) Existe o lugar do julgamento; então não há mais tempo para o arrependimento. Quantas coisas
o homem rico lamentou então? ( Lucas 16:23 ) E, no entanto, não lhe valeu nada. Quantas coisas eles disseram que
haviam negligenciado alimentar a Cristo? ( Mateus 25:41 ) No entanto, foram levados embora para o fogo eterno.
Quantas coisas eles tinham então a dizer: "que tinha cometido iniqüidade"; "Senhor, nós não profetizamos pelo Teu
Nome, e pelo Teu Nome expulsamos demônios?" E, no entanto, não eram propriedade deles. Todas estas coisas,
portanto, acontecerão então; mas será inútil, se não forem feitos agora. Vamos temer então, para que nunca
tenhamos que dizer então: "Senhor, quando te vimos com fome, e não Te alimentamos?" ( Mateus 25:44.) Deixe-nos
alimentá-lo agora, não um dia, nem dois, nem três dias. "Para não deixar misericórdia e verdade", diz o homem sábio,
"te abandonar". ( Provérbios 3: 3 ) Ele diz não "faça uma vez nem duas vezes". As Virgens, sabemos, tinham petróleo,
mas não o suficiente para durar. ( Mateus 25: 3 , 8) E assim precisamos de muito óleo, e assim devemos ser "como
uma oliveira verde na casa de Deus". ( Salmo 52: 8.) Reflitamos, então, quantos fardos de pecados cada um de nós
tem sobre ele, e façamos com que nossos atos de misericórdia os contrariem; antes os excedem, para que não
somente os pecados sejam apagados, mas também os atos de justiça sejam contados para justiça. Pois, se as boas
ações não são tantas em número, a ponto de deixar de lado os crimes contra nós, e do restante ser contado a nós por
justiça, [506] então ninguém nos resgatará daquela punição, da qual Deus conceda que todos nós possamos ser
libertos, pela graça e benignidade de nosso Senhor Jesus Cristo, com quem ao Pai, & c.

Notas de rodapé:

[489] [Justiça "aqui é a retidão moral cristã ( Romanos 6:13 .), Na medida em que, justificado pela fé, estamos mortos
para o pecado e viver em novidade de vida ( Romanos 6: 4 ). Como anteriormente o intelectual 'retidão do cristão foi
denotada por aletheia, então aqui sua moral' retidão por dikaiosune. "- Meyer - GA]
[490] ["Isto significa prontidão," a mente pronta; não, contudo, para a proclamação do evangelho, como Crisóstomo
e outros, - já que de fato Paulo está se dirigindo a companheiros cristãos, e não a colegas professores, mas a prontidão
para o conflito em questão que o evangelho concede, e é o evangelho da paz, porque o evangelho proclama a paz (
Romanos 5: 1 ; Filipe 1:20), e assim produz consagração de prontidão corajosa 'para o evangelho . conflito ( Romanos
8:31 , 38, 39.). "- Meyer .-- GA]

[491] [Esta interpretação não combina com o contexto. "A fé está aqui salvando a fé, trazendo garantia de perdão e
bem-aventurança futura." - Meyer - GA

[492] [Simplesmente significa a espada que "é fornecida pelo Espírito Santo", e esta espada, como o próprio apóstolo
declara, é a palavra de Deus, o evangelho, que o Espírito Santo traz vividamente à consciência do cristão. Meyer e
Ellicott - GA]

[493] "Também vós", bem como os colossenses ( Colossenses 4: 8 e 9). A introdução de Meyer. seg. 2. O kai, supondo
prioridade de Colossenses, admite uma explicação fácil e natural. - Ellicott - GA]

[494] [Depois de ter tratado esta parte do capítulo, nosso autor agora retorna a ela, e complementa o que ele já disse.

[495] ["O objetivo deste predicado é apresentar em cores fortes o caráter hostil e destrutivo dos ataques satânicos;
mas explicações mais especiais de sua importância são inadequadas." - Meyer.

[496] [Fé não é o capacete. A exegese de Crisóstomo das partes da armadura não é clara. Salvação é o capacete; para
tou soteriou é um genitivo de aposição. Receba o capacete, que é a salvação. "Essa salvação", diz Ellicott, "não é uma
posse ideal, como Meyer defende. A salvação em Cristo constitui o sujeito da fé; na fé ela é apreendida e se torna, em
certo sentido, uma possessão atual".

[497] para hegemonikon.

[498] pannuchidas. São Crisóstomo costuma falar de vigílias, que eram os Serviços da Igreja que se estendiam da meia-
noite até a manhã; vid. Hom. em Esai. Eu. 1, iv. 1, etc .; vid. Bingham, Antiqu. xiii. 9? 4

[499] filosófico.

[500] ["aqui expressa a maneira, e a expressão significa aqueles que amam a nosso Senhor em imperecibilidade", ou
seja, para que o amor deles não desapareça. Comp. Tito 3:15 . "- Meyer .-- GA]

[501] [ Tito 2: 7 , onde a aphthoria é usada, o que, de acordo com Meyer, significa incorrupção, enquanto a aftaxia em
nossa passagem significa imperecibilidade.

[502] [phthora kataphtharese anupomoneto para hebraico lbt lvn, Rev. Ver., "Tu certamente desgastar." - GA]

[503] [Comp. Romanos 5:12 : "Como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim
também a morte passou a todos os homens" - GA

[504] [O texto de Field tem entha garphharsia, phthora estin, que parece uma contradição, enquanto o texto de Savile,
com quatro mss., Tem ouk estin .-- GA]

[505] [ Job 7: 5 , setembro: phuretai de mou a soma en sapria skolekon, teko de bolakas ges apo ichoros xuon: "Minha
carne é misturada com a imundice de vermes, e eu pinheiro longe, raspando torrões (ou crostas ) da terra da minha
ferida "(descarga, matéria, pus). O Rev. Ver. tem: "Minha carne está vestida de vermes e torrões de pó". Então, quase
Zeckler em Lange: "Minha carne está coberta de vermes e crostas de terra" - GA

[506] [Tais passagens como esta nos Padres são usadas por Romanistas e Tractários para estabelecer seus pontos de
vista, e não é de admirar que os Tractários fossem zelosos em dar os Pais aos Ingleses em Inglês. Mas, como diz Jacó
(Eccl. Polity of NT, pp. 28 e 29), "Nosso apelo é dos Padres de Nicéia aos Apóstolos de Cristo; da literatura patrística
ao Novo Testamento; pois não é estar perto da verdade que torna os homens bons e sábios, "mas tendo a verdade
em si."