Vous êtes sur la page 1sur 150
eikhenbaum cchkloyskt jakobson tomachevski jirmunski tynianov vinogradov ape AN DA AULA formalistas russos EDITORA GLoBo neath bb Copyright © 1970 by Editora Globo S.A. 18 edigdo — maio de 1971 24 edigio —junho de 1973 32 edigéo —margo de 1976 Capa de JOAO AZEVEDO BRAGA Direitos exclusivos desta traducio, em lingua portuguesa, da Editora Globo S.A. Porto Alegre —- Rio Grande do Sul — Brasil SUMARIO Prefdcio — Boris Schnaiderman ........ 000 cece ee eee IX A Teotia Literéria dos formalistas russos no Brasil —- Dionjfsio de Oliveira Toledo 2.1.0... eee ee eee tee ee XXII PRIMEIRA PARTE A PROBLEMATICA DO FORMALISMO J A Teoria do “Método Formal” — B. Eikhenbaum .......... 3 A Arte como Procedimento — V. Chklovski .............- 39 Sobre a questo do “Método Formal” — V. Jirmunski ...... 37 A Escola poética formalista e o marxismo — L. Trotsky ..... 71 II As Tarefas da Estilistica — V. V. Vinogradov ...........-4: + 89 Os Problemas dos Estudos Literdrios e Lingiifsticos —~ J. Tynia- nov e R. Jakobson ........... beeen nen ee nen sees 95 A Noc&o de Construgao —- J. Tynianov ......--..--.- 20s: 99 Da Evolucio Literdtia — J. Tynianov ......-. ee ee eee eee 105 Do Realismo Artistico — R. Jakobson ......--00- +e eee eee 119 Vil SUMARIO SEGUNDA PARTE O POEMA Ritmo e Sintaxe — O. Brik 2.00.0. eee 131 Sobre o Verso —- B. Tomachevski .......0.0 000. c eee ce eens 141 TERCEIRA PARTE A NARRACAO Sobre a Teoria da Prosa — B. Eikhenbaum ......... veeehes 157° Tematica — B. Tomachevski 2.02.00 0 2000 eee eee eee eee 169 A Construgao da Novela e do Romance — V. Chklovski .... 205 Como é feito O Capote de Gogol — B. Eikhenbaum ........ 227 As Transformagées dos contos fantdsticos — V. Propp ...... 245 APENDICE Idéias para uma Teoria Literdria — Dionisio de Oliveira Toledo 271 ne ee PREFACIO (4804 & 4%}0) Kstranho destino, o do assim chamado formalismo russo! No inverno de 1914-1915, alguns estudantes da Universidade de Moscou fundaram, sob os auspicids da Academia de Ciéncias, 0. Cireulo Lingiiistico de Moseou, que tinha por objetivo promover estudos de poética e de lingiiistica, conforme programa submetido pelos organizadores ao secretério da Academia, o famoso lingiiista A. A. Chakhmatov. Eram muito joveus os membros do grupo, mas, desde o inicio, ja se patenteia a seguranga com que abordam determinados proble- mas da arte e da literatura. O fato de colocarem a poética ao lado da lingitistica indica uma faixa de preocupagdés que seria domi- nante no movimento entdo apenas esbogado, particularmente © es- tudo da.fungdo poética(a expressao seria usada mais tarde) como fato importante “da linguagem, até entdo geralmente descurado pela lingiifstica tradicional. Depois de uma primeira publicagio do grupo, a brochura A ressurreic¢éo da palavra, de Vitor Chklovski (1914), deveu-se a Ossip Brik a iniciativa da ecoletanea Poética (Petrogrado, 1916). Seguin-se a.fundagdo, em 1917, da OPOIAZ (Obchehestvo por izut- chéniu poetiicheskovo tazikdé — Associagio para o Estudo da Lin- guagem Poética), que haveria de cooperar intimamente com o Cir- ‘eulo Lingiiistico de Moseou. “Desde o inicio a nova corrente se caracteriza por uma recusa | eategorica as interpretagies extraliterdrias do texto. A filosofia, a sociologia, a psicologia, etc., nado poderiam servir de. ponto “de par- tida” ‘para a abordagem da obra literéria. Hla poderia conter esta ou aquela filosofia, refletir esta ou aquela opiniao politica, mas, do ponto de vista ‘do estudo literdrio, o que importava era o priom, ou. processo, isto é, o _Principio_ ote organizagao da obra como pro- ) quase um manifesto do movimento: : “SA poesia 6 linguagem em sua funeao estéticn. “‘Deste modo, 0 objeto do estudo liter4rio nie 6 a literatura, ' tas a literariedade, isto é, aquilo que torna determinada obra uma ©