Vous êtes sur la page 1sur 3

ACORRENTADOS CÍRCULO CROMÁTICO: INSTRUMENTO INDISPENSÁVEL AO

ARTISTA
Quem coleciona selos para o filho do amigo; quem acorda de
madrugada e estremece no desgosto de si mesmo ao lem-brar que há Itten considera a elaboração do círculo cromático um ponto de partida
muitos anos feriu a quem amava; quem chora no cinema ao ver o para todo trabalho com a cor, pois é por sua cons-trução, misturando
reencontro de pai e filho; quem segura sem temor uma lagartixa e lhe os pigmentos das cores primárias (amarelo, magenta e azul), que
faz com os dedos uma carícia; quem se detém no caminho para ver entendemos e classificamos as cores. A disposição das cores no
melhor a flor silvestre; quem se ri das próprias rugas; quem decide perímetro do círculo deve obede-cer ao princípio de
aplicar-se ao estudo de uma língua morta depois de um fracasso complementaridade, ou seja, as cores dia-metralmente opostas devem
sentimental; quem procura na cidade os traços da cidade que passou; ser complementares – o que se verifica pelo resultado da sua mistura:
quem se deixa tocar pelo símbolo da porta fechada; quem costura o cinza, ou pela prática da pós-imagem.
roupa para os lázaros; quem envia bonecas às filhas dos lázaros; Lilian Ried Miller Barros. A cor no processo criativo. São Paulo: Senac, 2006.
quem diz a uma visita pouco familiar: Meu pai só gostava desta
cadeira; quem manda livros aos presidiários; quem se comove ao ver Johannes Itten, artista plástico e professor suíço associado à Escola
passar de cabeça branca aquele ou aquela, mestre ou mestra, que foi Bauhaus, desenvolveu o disco de cores que ainda hoje é utilizado para
a fera do colégio; quem escolhe na venda verdura fresca para o traçar combinações de cores. Sobre o círculo e a classificação das
canário; […] todos eles são presidiários da ternura e andarão por toda cores, é estabelecido que
a parte acorrentados, atados aos pequenos amores da armadilha
terrestre. A. as cores primárias são amarelo, azul e vermelho. O magenta é
CAMPOS, Paulo Mendes. Acorrentados. In: O anjo bêbado. Rio de Janeiro: uma substituição contemporânea pela difi culdade de obtenção do
Sabiá, 1969. pigmento vermelho puro.
B. a pós-imagem é um termo advindo do processo de revelação
O texto faz parte de uma crônica do escritor brasileiro Paulo Mendes fotográfi ca, com a observação do positivo de uma imagem
Campos. Nela, observamos uma estrutura que pode ser considerada impressa em papel.
inusitada, em virtude C. no círculo cromático, há uma coincidência de oposição entre as
cores primárias, o que permite inferir que elas são também
A. de uma repetição que confere certo tom poético ao texto, complementares.
completando seu sentido na última frase, que é diferente das D. no círculo, uma determinada cor tem sua complementar em
demais. posição oposta àquela que ocupa, sendo ladeada por cores
B. da repetição de perguntas sobre quem realiza cada ação, vizinhas chamadas de análogas.
promovendo a prisão da ternura e dos amores. E. a mistura das cores complementares gera as cores terciárias, que
C. de não fazer referência em nenhum momento ao título, propondo são variações das cores primárias somadas a uma gra-dação de
um estilo não usual de crônica. cinza.
D. da grande quantidade de personagens envolvidos nas cenas,
característica própria do gênero conto.
E. do tom poético empregado em casa frase, que destoa dos “Todo mundo pode ser o irmão do Jorel: aquela criança comum que
problemas sociais geralmente abordados em crônicas. sempre fica atrás dos próprios irmãos. É por isso que o irmão do Jorel
não tem nome: somos todos ele”. É assim que o diretor de animação
Na África, cada ancião que morre é uma biblioteca que se queima. A Juliano Enrico define o protagonista da sua série, Irmão do Jorel – o
frase, do malinês Amadou Hampâté Bâ, expressa a importância da primeiro desenho brasileiro de sucesso do Cartoon Network. Faz
transmissão oral no continente e a sensação de ouvir um sábio sentido: no cartum, um molequinho de 9 anos (cujo nome real é um
africano relatar suas experiências: é como se vários livros se abrissem, mistério) precisa enfrentar o fato de ser apenas o irmão do Jorel, um
com uma profusão de detalhes, para dar voz às histórias e às tradições cara maravilhoso com um cabelo impecável que é bom em TUDO o
locais. “Desde a infância, éramos treinados a observar, olhar e escutar que faz. As aventuras, que sempre rolam em um cenário tipicamente
com tanta atenção que todo acontecimento se inscrevia em nossa brasileiro, contam com uma vovó que adora alimentar os netos, um pai
memória como cera virgem”, diz o etnólogo, filósofo e historiador em que era parte da resistência contra uma ditadura de policiais
“Amkoullel, o Menino Fula”. Um dos maiores pensadores da África no (desenhados como palhaços), uma mãe fisiculturista cha-mada
século 20, Ham-pâté Bâ integra a primeira geração do Mali com Danuza e uma paixão platônica do irmão do Jorel que tem uma pinta
educação ocidental.[…] na coxa igualzinha à da apresentadora Angélica.
Hampâté Bâ (1900-91) participou da elaboração dos primei-ros
estudos que usam as fontes orais de maneira sistemática, como em D’ANGELO, Helô. Batemos um papo com Juliano Enrico, criador do ‘Irmão do Jorel’.
“História Geral da África”, publicada pela Unesco em 1980. Se escritos Superinteressante. 29 set. 2016.
como esse e outros de caráter sociológico e filosófico são mais
conhecidos, o relato autobiográfico tem o mérito de revelar a trajetória O trecho lido traz uma breve apresentação da animação Irmão do
desse mestre da transmissão oral e comprovar a força da “oralidade Jorel, recente lançamento do canal Cartoon Network. Para tratar dos
deitada no papel” (nas palavras do autor). personagens, o texto utiliza
FARAH, Paulo Daniel. Hampâté Bâ leva oralidade africana ao papel. Folha Online.
A. palavras no diminutivo, como “molequinho” e “igualzinha”, que
O texto traz algumas informações acerca de Hampâté Bâ, impor-tante infantilizam inadequadamente a linguagem.
nome nos estudos de oralidade na África. Podemos captar a B. palavras no diminutivo, que denotam desprezo ou chacota, como
reprodução de alguns dos conceitos e ideias desse autor em “molequinho” e “igualzinha”.
C. uma estrutura e termos específi cos para o público infantil, alvo
A. em sua fala: “é como se vários livros se abrissem, com uma claro da reportagem.
profusão de detalhes, para dar voz às histórias e às tradições D. uma linguagem descontraída, que procura despertar o interesse
locais”. descrevendo características de cada um deles.
B. em pelo menos três momentos do texto, de diferentes formas – E. uma técnica que consiste em ocultar o nome do protagonista, a fi
como referência direta e também indireta, dita pelo autor da m de despertar o interesse do público para a animação.
reportagem.
C. somente no último período do texto, quando há uma citação dele
em referência à tradição oral transformada em escrita.
D. em todo o trecho, retirado do livro Amkoullel, o Menino Fula, com
divagações acerca da sabedoria de certos anciões africanos.
E. em todo o trecho, que é um resumo do livro Amkoullel, o Menino
Fula, feito pelo autor da reportagem.
DESCUBRA COMO É A VIDA DAS MULHERES NAS existente neste portal pretende apoiar e não substituir a consulta
PENITENCIÁRIAS BRASILEIRAS médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da
sua confiança.
Maria Aparecida lembrava uma avó. Uma dessas avós ima-ginárias INSTITUTO Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva.
que cresceram com histórias de Dona Benta. Cabelos grisalhos,
ombros curvados, pele caída de um jeito simpático ao redor dos olhos, Textos podem ser fontes de informação e cultura, de entrete-nimento
expressão bondosa. Ela estava sentada, quieta e isolada, no fundo de etc., cada qual com um objetivo predeterminado. O texto, retirado do
um auditório improvisado na Penitenciária Feminina de Santana, em site do Inca (Instituto Nacional de Câncer), traz informações sobre o
São Paulo, quando desatou a contar histórias da vida. Revelou que foi câncer do pulmão, objetivando
presa ao ajudar o genro a se livrar de um corpo. A certa altura contou
que tinha apenas 57 anos. A cadeia havia surrado sua aparência, ela A. conquistar a confi ança dos leitores para que se mobilizem em
envelhecera demais. Tinha criado 20 filhos, mas há quase três anos busca de novos recursos para auxiliar na cura.
não recebia nenhuma visita ou ajuda, um Sedex sequer, e tinha que B. incitar o leitor a adotar práticas e hábitos saudáveis, especial-
se virar com a bondade do Estado. E a bondade do Estado com as mente quanto ao consumo do tabaco na vida adulta.
presas sempre esteve em extinção no Brasil. […] C. conscientizar a população quanto ao elevado e preocupante
QUEIROZ, Nana. Descubra como é a vida das mulheres nas penitenciárias brasileiras. índice de pessoas com câncer de pulmão, já que muitas vezes
pode ser evitado.
O trecho apresentado é o parágrafo inicial de uma reportagem D. levar os consumidores de tabaco a adotar hábitos mais seguros
publicada na Revista Galileu em 2015, que trata de um livro da para a saúde, inclusive marcar consultas médicas com mais
jornalista Nana Queiroz sobre a situação dos presídios femini-nos. frequência.
Apesar disso, por sua estrutura e linguagem, e ignorando seu título, E. mostrar à sociedade a infl uência que as fábricas de tabaco têm
em países mais desenvolvidos, cuja sobrevida média está acima
A. o texto aparenta uma crônica ou conto, por certo tom literário e dos 13%.
narração que envolve uma personagem e fatos sobre sua vida.
B. o texto acaba por tratar com excessiva seriedade um assunto
corriqueiro, que poderia ser uma notícia de jornal.
C. notamos uma romantização da criminalidade e inadequado tom
literário sobre um assunto sério.
D. o texto aparenta uma crônica ou conto, por narrar a situação a
partir de um ponto de vista de terceiros.
E. podemos deduzir que a intenção inicial era reproduzir um con-to,
com base na referência da personagem Dona Benta.

As charges, assim como muitos anúncios publicitários, fazem uso de


recursos linguísticos que buscam chamar a atenção do leitor, seja para
determinado assunto, produto, serviço etc. Nessa charge, a fala do
enfermeiro

A. carrega uma linguagem em tom conotativo ao expressar a ideia


de lotação.
B. traz uma quebra de expectativa, já que o paciente esperava ouvir
que não poderia estar ali.
O pintor Eliseu Visconti (Itália, 1866-Brasil, 1944), visitou Paris em C. representa uma crítica àqueles que são favorecidos pelo sistema
plena Belle Époque, absorvendo influências dos movimentos particular de saúde.
vanguardistas que depois apareceriam em sua obra. Ao regressar, D. denuncia atos falhos dos médicos quanto ao tratamento de
trouxe para o Brasil o sopro de modernidade que vira, tor-nando-se doentes e enfermos.
nosso mais conhecido representante da pintura impressionista. Uma E. aponta um tom de informalidade não adequado à situação
característica do Impressionismo, que pode ser vista no quadro de representada.
Eliseu, acima, é
O rio que fazia uma volta atrás de nossa casa era a imagem
A. o detalhamento realista das formas. de um vidro mole que fazia uma volta atrás de casa.
B. o uso de contornos acentuados em preto. Passou um homem depois e disse: Essa volta que o rio faz
C. a captura do efeito ótico da luz. por trás de sua casa se chama enseada.
D. o uso acentuado do contraste claro-escuro. Não era mais a imagem de uma cobra de vidro que fazia
E. a opção por temática clássica. uma volta atrás da casa.
Era uma enseada.
PULMÃO Acho que o nome empobreceu a imagem.
BARROS, M. O livro das ignorãças. Rio de Janeiro: Record, 2001.
É o mais comum de todos os tumores malignos, apresen-tando
aumento de 2% por ano na sua incidência mundial. A última estimativa Manoel de Barros desenvolve uma poética singular, marcada por
mundial apontou incidência de 1,82 milhão de casos novos de câncer “narrativas alegóricas”, que transparecem nas imagens construídas ao
de pulmão para o ano de 2012, sendo 1,24 milhão em homens e 583 longo do texto. No poema, essa característica aparece representada
mil em mulheres. Em 90% dos casos diagnosticados, o câncer de pelo uso do recurso de:
pulmão está associado ao consumo de derivados de tabaco. No Brasil,
foi responsável por 22 424 mortes em 2011. Altamente letal, a A. Resgate de uma imagem da infância, com a cobra de vidro.
sobrevida média cumulativa total em cinco anos varia entre 13 e 21% B. Apropriação do universo poético pelo olhar objetivo.
em países desenvolvidos e entre 7 e 10% nos países em C. Transfiguração do rio em um vidro mole e cobra de vidro.
desenvolvimento. No fim do século XX, o câncer de pulmão se tornou D. Rejeição da imagem de vidro e de cobra no imaginário poético.
uma das principais causas de morte evitáveis. Atenção: A informação E. Recorte de elementos como a casa e o rio no subconsciente.
Mesmo tendo a trajetória do movimento interrompida com a
prisão de seus dois líderes, o tropicalismo não deixou de Como os gêneros são históricos e muitas vezes estão ligados
cumprir seu papel de vanguarda na música popular brasileira. às tecnologias, eles permitem que surjam novidades nesse
A partir da década de 70 do século passado, em lugar do campo, mas são novidades com algum gosto do conhecido.
produto musical de exportação de nível internacional prometido Observem-se as respectivas tecnologias e alguns de seus
pelos baianos com a “retomada da linha evolutória”, instituiu-se gêneros: telegrama; telefonema; entrevista televisiva;
nos meios de comunicação e na indústria do lazer uma nova entrevista radiofônica; roteiro cinematográfico e muitos outros
era musical. que foram surgindo com tecnologias específicas. Neste sentido,
TINHORÃO, J.R. Pequena história da música popular: da é claro que a tecnologia da computação, por oferecer uma nova
modinha ao tropicalismo. perspectiva de uso da escrita num meio eletrônico muito
maleável, traz mais possibilidades de inovação.
A nova era musical mencionada no texto evidencia um gênero MARCUSCHI, L. A. Disponível em: www.progesp.ufba.br.
que incorporou a cultura de massa e se adequou à realidade Acesso em: 23 jul. 2012 (fragmento).
brasileira. Esse gênero está representado pela obra cujo trecho
da letra é: O avanço das tecnologias de comunicação e informação fez,
nas últimas décadas, com que surgissem novos gêneros
A. A estrela d’alva / No céu desponta / E a lua anda tonta/ Com textuais. Esses novos gêneros, contudo, não são totalmente
tamanho esplendor. (As pastorinhas, Noel Rosa e João de originais, pois eles inovam em alguns pontos, mas remetem a
Barro) outros gêneros textuais preexistentes, como ocorre no seguinte
B. Hoje / Eu quero a rosa mais linda que houver / Quero a caso:
primeira estrela que vier / Para enfeitar a noite do meu bem.
(A noite do meu bem, Dolores Duran) A. O gênero e-mail mantém características dos gêneros carta
C. No rancho fundo / Bem pra lá do fim do mundo / Onde a dor e bilhete.
e a saudade / Contam coisas da cidade. (No rancho fundo, B. O gênero aula virtual mantém características do gênero
Ary Barroso e Lamartine Babo) reunião de grupo.
D. Baby / Não adianta chamar / Quando alguém está perdido C. O gênero bate-papo virtual mantém características do
/ Procurando se encontrar. (Ovelha negra, Rita Lee) gênero conferência.
E. Pois há menos peixinhos a nadar no mar / Do que os D. O gênero videoconferência mantém características do
beijinhos que eu darei / Na sua boca. (Chega de saudade, gênero aula presencial.
Tom Jobim e Vinicius de Moraes) E. O gênero lista de discussão mantém características do
gênero palestra.

TEMPO PERDIDO

Todos os dias quando acordo,


Não tenho mais o tempo que passou
Mas tenho muito tempo:
Temos todo o tempo do mundo.
Todos os dias antes de dormir,
Lembro e esqueço como foi o dia:
(...)
Nosso suor sagrado
É bem mais belo que esse sangue amargo
(...)
Veja o sol dessa manhã tão cinza:
A tempestade que chega é da cor dos teus
Olhos castanhos
Então me abraça forte
A cada verão, o Aedes aegypti, mosquito transmissor da E diz mais uma vez
dengue, traz preocupação para os brasileiros. A charge retrata Que já estamos distantes de tudo:
essa situação a que o país está submetido. Considerando os Temos nosso próprio tempo.
objetivos da charge, sua posição crítica se dá na medida em Não tenho medo do escuro,
Mas deixe as luzes acesas agora,
que
O que foi escondido é o que se escondeu,
E o que foi prometido, ninguém prometeu
A. compara o mosquito a um esportista. Nem foi tempo perdido;
B. enfatiza o poder de resistência do inseto. Somos tão jovens
C. elege o mosquito como o vilão da saúde. tão jovens
D. atribui características humanas ao mosquito. tão jovens
E. ignora a gravidade da questão por meio do humor. Renato Russo

“As obras criadas nada devem à razão, a moral ou a própria


estética. A obra não é resultado de manifestações lógicas e
Entre os trechos a seguir, retirados da letra Tempo Perdido, o que
racionais”. A definição é referente à que estilo pós-moderno:
melhor reflete a função conativa ou apelativa da linguagem é
A. “Nem foi tempo perdido/ Somos tão jovens”.
A. Abstracionismo B. “Todos os dias antes de dormir/ Lembro e esqueço como foi o dia”.
B. Expressionismo C. “Todos os dias quando acordo,/ Não tenho mais o tempo que
C. Futurismo passou”.
D. Surrealismo D. “Então me abraça forte/ E diz mais uma vez/ Que já estamos
E. Romantismo distantes de tudo”.
E. “O que foi escondido é o que se escondeu,/ E o que foi prometido,
ninguém prometeu”.