Vous êtes sur la page 1sur 4

Tetragrama Sagrado: O Código de DEUS.

Sem compreendermos quem somos e de onde viemos, podemos evoluir?


Para dar significado a onde estamos hoje, temos que olhar para o ponto de
onde viemos. A chave do futuro está no passado. “Sepher Yetzirah” Livro da
Formação.
Alguns registros mais completos e mais detalhados de nossas origens estão
preservados na língua e nas tradições dos antigos Hebreus, com história de
mais de 5000 anos.
Em Hebraico, tradição chama-se “Kabbalah”, e é transmitida iniciáticamente de
geração em geração e trazem uma visão da criação do Universo, da Terra e da
origem do nosso corpo, em uma coleção de textos/livros conhecidos como
“Cabala”.
A Cabala dos antigos Estudiosos Hebreus nos informa que os que vieram
antes de nós viam uma relação com Deus, com o Cosmos e com os outros sob
uma luz muito diferente da visão de hoje.
Os historiadores consideram o “Sepher Yetzirah” a parte mais antiga e misteriosa
dessa obra; “Kabbalah”.
Seus escritos não deixam dúvidas quanto à magnitude do papel que Deus
desempenha no mundo e em nossa vida. Embora não defina quem ou o que é
DEUS.  (L.E. 01).

Na tradição Judaico-Cristã, cientistas e estudiosos interpretam essas


referencias a Deus como uma tentativa de nominar o “inominável”, já que ele
existe em todos os lugares, em todas as coisas e, por sua própria natureza não
pode ser definido, mas esses escritos expõe evidencias de uma inteligência
infinita, com base em nossa existência.  (LE – 10)
No “Sepher Yetzirah” a tradição antiga conta que recebemos a identidade e
conhecimento de nosso criador, para unir os mundos espiritual e material e
poder de curar o corpo e trazer paz à vida.
Nas tradições Hebraicas(A Torá – O Livro) e Cristã, a história de Adão oferece a
mais básica descrição das origens humanas. Enganosamente simples, o Genesis
2:7, relata o milagre da criação humana desta forma: ”E formou o Senhor Deus o
homem do pó da terra”. LE - 50

Karen Armostrong, estudiosa das religiões do mundo, em “A History of God”,


um livro altamente aclamado diz que o “Sepher Yetzirah” é um relato simbólico e
mostra Deus criando o mundo por meio da linguagem, como se estivesse
escrevendo um livro.  LE - 38

O Alfabeto Hebraico básico tem 22 letras, sendo 3 básicas, 7 duplas e 12


elementares, e a cada uma delas é atribuído um som e um numero.
O “Sepher Yetzirah” afirma que depois da formação das 22 letras da criação, três
foram escolhidas para ser o material de que o mundo é feito e se tornariam o
fundamento do Nome de DEUS: “Ele escolheu três letras entre as elementares.
E ELE as dispôs no seu grande nome”.
A chave está nas três letras básicas ou Mãe das letras do alfabeto hebraico, que
Deus usou para criar o universo; Alef(A-1), Mem(M-13), Shin(Sh-21).
O texto “Sepher Yetzirah” afirma que é por meio dessas letras que o mistério da
criação pode ser rastreado até suas origens. As Três letras Mães são associadas
aos elementos alquímicos da Criação: Fogo, Ar, e Água;
1
Cloves Dias Ramos M.’.M.’.
Ele fez a letra Alef reinar sobre o sopro.
Ele fez Men reinar sobre a água. - Ele fez Shin reinar sobre o fogo.  LE – 62

Uma correlação entre a antiga alquimia e a química moderna, nos leva a crer que
o Ar alquímico equivale ao nitrogênio/oxigênio.
Embora o Oxigênio seja o elemento mais necessário à vida, o estudo da
atmosfera por ocasião do IGY(Ano Intern. de Geofisica - 07/1957 a 12/1958 - 67 nações,
participam de projeto conjunto para documentar a composição e processos naturais da Terra)
revelou que há uma quantia pequena de oxigênio no ar que respiramos, a maior
parte é composta de nitrogênio.
Estudos da NASA indicam que o elemento Oxigênio predomina na água, cuja
fórmula indica que há 2 átomos de Hidrogênio para cada átomo de Oxigênio. Os
átomos de oxigênio são maiores, porcentagem mais alta na composição.
Então consideramos antigas referencias à água, um código para o elemento
oxigênio.
O que predomina na fonte de todo fogo é o Hidrogênio.
Elementos básicos da Alquimia Antiga na Química Moderna;
Ar = Nitrogênio
Água = Oxigênio
Fogo = Hidrogênio

Com os princípios da Gematria, que nos permitem reduzir os números a um


dígito, temos; Hidrogênio : Massa : 1,00=1, Nitrogênio: 14,00=5, Oxigênio:
15,99=6. Então temos; H=1, N=5, O=6.
No alfabeto Hebraico há exatamente, tres letras cujos valores numéricos
equivalem a massa simples dos antigos elementos da criação. Os valores das
letras hebraicas Yod, Hé, Vau, representam os números; 1, 5 e 6,
respectivamente.
Ao longo da história da alquimia além do fogo, ar e água, há alusões ao quarto
elemento, a conhecida substancia “Terra”
“Sepher Yetzirah” - “Com esses três: Sopro, fogo e água, ele construiu sua morada”.
O Texto nos diz que a casa do Criador foi feita com essas três substancias, Ar,
Água e Fogo, ou: Nitrogênio, Oxigênio e Hidrogênio, que combinadas ou não são
responsáveis pela criação da morada do criador; O Mundo e o nosso corpo.
Para resolver o mistério do quarto elemento, podemos recorrer a “Navalha de
Ockham”, onde; num mundo ideal, a solução mais simples tende a ser a melhor.
A partir das três letras que Deus usou para criar o Universo, Yod, Hé e Vau =
1+5+6= 12, chegamos a um novo numero com propriedades diferentes dos três
números originais.
Agora 12 representa o valor do quarto elemento, “Terra”, que segundo o processo
de redução a um só digito – Gematria - temos um novo valor: “3”.
Dos 118 elementos da Tabela Periódica, a massa do carbono(12,01) é a única
que se iguala perfeitamente ao número (12=3) produzido pelas letras do nome de
Deus Y, H e V(1,5,6), e também o carbono é o único elemento que nos torna
sólidos.
Mas chegamos a um resultado inesperado, só uma das letras do alfabeto
hebraico tem o valor numérico da massa do carbono, a quarta letra “G-Gimel”, e o
sagrado e impronunciável nome de Deus, preservado exatamente como a mão do
escriba traçou há milênios, nos fragmentos minúsculos dos pergaminhos do Mar
Morto, o nome pessoal que Deus usou ao se identificar para Moises é : YHVH –
YaHWeH.
2
Cloves Dias Ramos M.’.M.’.
De maneira clara, o êxodo nos diz que o nome YHVH foi revelado como o nome
pessoal de Deus. E que a humanidade foi feita à imagem de Deus. O enunciado
a respeito da nossa origem diz que somos feitos apenas à imagem de Deus, e
não iguais a Deus.
Ao substituir as antigas letras hebraicas pelos elementos atuais, fica claro que
compartilhamos das três primeiras letras, que representam 75% do nome do
Criador.
Nome de Deus em forma de elementos; Nome da humanidade em forma de elementos
Yod = Hidrogênio Y = Hidrogênio
Hé = Nitrogênio H = Nitrogênio
Vau = Oxigênio V = Oxigênio
Hé = Nitrogênio G = Carbono
YHVH = O Nome de Deus YHVG = O nome do Homem.
O Carbono é o que nos diferencia de Deus, é também o elemento que nos dá cor,
gosto, sons e textura e nos torna matéria tangível em nosso mundo. LE– 27, 29.

O mistério que envolve o nome de Deus resistiu. Esse nome é o tetragrama


YHVH, o nome eterno de Deus, preservado por seitas e sociedades secretas do
passado, e continuam até hoje as evidencias do poder desse nome YHVH, como
nas lendas e nos ritos da tradição dos maçons;
Embora nas versões originais dos textos bíblicos o nome de Deus seja YHVH, há
uma abreviação YH, aceita pelos estudiosos indiferenciadamente, que traduzido
significa “O Eterno”.

No final do Sec. XX, já se sabia que tudo que existia no mundo é formado por
cerca de 118 elementos, que são classificados por características próprias,
representados por números e dispostos na Tabela Periódicas dos Elementos.
São essas qualidades numéricas que ligam as letras do alfabeto hebraico aos
elementos do nosso DNA.
As antigas referencias aos elementos alquímicos da Criação – Fogo – Ar - Água
– são na verdade alusões aos atuais possíveis elementos: Hidrogênio –
Nitrogênio - Oxigênio.
Essa chave nos permite ler a antiga mensagem codificada no DNA das nossas
células.

O DNA pode ser visto como linguagem real de um antigo alfabeto traduzível. È
A linguagem que Deus criou a vida, cujos elementos constituintes são
incrivelmente simples, eficientes e agradáveis aos olhos.
A base da essência da construção da vida é formada por combinações de apenas
quatro elementos químicos; adenina, timina, guanina e citosina A, T, G, C,
chamadas de bases do DNA, que carregam todas as informações necessárias,
para produzir cada forma de vida existente.
Dos menores organismos unicelulares aos cerca de 100 trilhões de células que
formam um corpo humano, cada base funciona apenas com um determinado
padrão; A Guanina faz par com a Citosina (G-C), Adenina sempre com a Timina
(A-T).
Cada forma de vida é composta por arranjos diferentes dessas quatro bases,
que são formadas por diferentes quantidades de átomos de: Hidrogênio,
Nitrogênio, Oxigênio e Carbono. (YHVG).

3
Cloves Dias Ramos M.’.M.’.
Os diferentes arranjos, em quantidades diferentes desses átomos , permitem um
numero enorme de variações.
Ao aplicar os valores numéricos do Alfabeto Hebraico aos elementos do nosso
DNA, vemos que a base da Vida vem diretamente do antigo nome de DEUS.
Assim como os Templos são construídos para abrigar dentro deles o espaço
sagrado, segundo os textos hebraicos, gnósticos e cristãos, o nosso corpo é o
“Templo” que abriga a sagrada essência de Deus.
As palavras que estão dentro de cada uma das nossas células nunca foram
sujeitas às edições, cortes e interpretações dos textos convencionais.
A mensagem permanece intacta como era no primeiro dia da nossa existência.

Descobertas recente no campo da física quântica, sugerem que pode haver


relações surpreendentes e inesperadas entre as “leis da ciência “ e o Deus das
tradições espirituais. É o caso do estudo que documenta que átomos podem
coexistir exatamente no mesmo instante e no mesmo lugar sem se chocarem.

Albert Einstein já no final de sua vida, falou de sua crença numa ordem
subjacente à criação e de sua visão da origem dessa ordem: “Vejo um padrão,
mas minha imaginação não consegue conceber o autor desse padrão... todos nós
dançamos conforme uma melodia misteriosa, entoada à distancia por um gaiteiro
invisível”.
O que é essa força invisível que dá o comando para as células crescerem e se
dividirem do modo certo, no momento certo para formar um bebê saudável?
Quem é o “gaiteiro” a que Einstein se referiu como fonte da “melodia” cósmica?

Apesar da “desumanidade” da humanidade, a história e a ciência nos mostram


que embora capazes de atos violentos em circunstâncias extremas, somos uma
espécie afeita à bondade, mas que ainda não aprendemos com a Mãe natureza
que a união e a cooperação, são fatores de sobrevivência mais eficazes que
competição.
Somos muito mais que as religiões, crenças, modos de vida, fronteiras ou
tecnologias que nos separam. Nos momentos em que duvidarmos dessa verdade
imutável, basta nos lembrarmos da mensagem que trazemos dentro das nossas
células; O antigo e “impronunciável” nome de Deus.
Essa “assinatura” com o nome de Deus nas células da nossa espécie, oferece um
denominador comum que nos permite resolver as diferenças e nos dá uma razão
para acreditar que o amor e a paz são viáveis e vantajosos.

Com a revelação dessa informação tão precisa, perguntamos agora: O que mais
foi deixado por aqueles que vieram antes de nós que ainda não descobrimos?

Genesis: 17-1 – “Eu sou El Shaday, anda na minha presença e sê perfeito”. LE 132 - Por uma Lei
admirável de sua Providência, na Natureza, tudo se encadeia, tudo é solidário, tudo evolui.

Fonte de Pesquisas:
O Código de Deus ­  Gregg Braden
O Livro dos Espíritos = Allan Kardec

4
Cloves Dias Ramos M.’.M.’.