Vous êtes sur la page 1sur 1

4 GOIÂNIA, SEGUNDA-FEIRA, 1º DE OUTUBRO DE 2018 WWW.DM.COM.BR WWW.DM.COM.

BR GOIÂNIA, SEGUNDA-FEIRA, 1º DE OUTUBRO DE 2018 5

“Os bobos ilustres empavonam-se “Os governantes se deliciam ante ao


e começam a arrastar as asas para alcovitismo molequeiro da política,
bandos de abutres em sua volta, comovem-se aos cafunés das prendas
muito longe de sua origem nos rendosas e endeusam-se aos incensos
quintais da irrelevância política” dos turíbulos”
(Batista Custódio) (Batista Custódio)

Retrato de Goiás
didas, sequencialmente, uma após a ou-
tra, como se a posteridade levasse aquele
Batista para trazer esse. A supressão deles por
Custódio eles não existe. Nenhum deles derruba o
do governo. Todos caem cronometrados
Editor-geral do
pelo fim de seu mandato marcado para
exercer o poder, como se viessem, em to-
dos, os genes criadores do seu sucessor.
Antônio Ramos Caiado, o Totó, foi elei-

T
ODO chefe de governo é cir- to deputado federal em 1897, e mais tar-
culado de corruptos. Eles vão de, em 1904, e depois, junho de 1908, fora
se aproximando na doçura dos nomeado secretário do Interior, Justiça e

sem retoques políticos


elogios e irão distanciando Suas Segurança Pública de Goiás e configu-
Excelências dos amigos sinceros na opi- rou-se a principal figura política e centro
nião. Fazem-se serviçais aos governadores de decisões no Estado, vergado à duras
e servem-se da servidão do governo a eles. lutas no ciclo das balas, o dinheiro con-
Tornam-se eminências pardas dos basti- tado nos recursos, as dificuldades per-
dores íntimos dos governadores e viram manentes e favorecidas no descampado
homem-forte do governo. Aparentemen- das distâncias. Eleito senador, em 1921,
te amáveis, são mais perigosos que um es- foi deposto pela revolução de 1930, leva-
corpião furtivo na discrição da cama. Até do preso para o Rio de Janeiro, escreveu
as primeiras-damas se valem da sua apro- poemas da prisão para a esposa e cartas
vação prévia nos pedidos ao marido. para os caiadista e, dentre eles, tinham
Levam vantagem até nos prejuízos, ora a esperança de um ser o seu sucessor.
com uma ternura de santo, ora com a fi- Pedro Ludovico chegou preso, foi liber-
nura de um espinho, roubam no gover- DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO WILDES BARBOSA; tado e assumiu o Palácio Conde dos Ar-
no e furtam do governador. Trancam se- cos, em 23 de novembro de 1930. O Caia-
gredos e guardam com eles as chaves que dismo contestou e a sua reação criou o
fazem do governador seu prisioneiro inli- ludoviquismo. Pedro anunciou a cons-
bertável no inconfessável. trução de Goiânia para mudar a capital
O bajulador é um mestre que disfar- da cidade de Goiás, e o caiadismo e o lu-
ça as aparências. Maquia-se ao gosto dos doviquismo mantiveram-se inflamados
engodos. O vulgo vê-os como puxa-sacos. até a deposição do filho de Pedro, Mauro
Isso é o apelido. O nome no passaporte na Borges Teixeira, pela ditadura militar, em
alfândega das altezas é puxa-vaidades. O 26 de novembro de 1964.
único jeito de flagrar sua identidade é vas- O moço Iris Rezende Machado des-
culhá-los no semblante. São os homens pontou-se como um fenômeno político
com cara de mulher puta, ou de moça de exaltado nacionalmente em sua fulgurân-
convento, ou de garbo imperial. cia carismática. Era o candidato natural e
Governador não se dá bem com inte- imbatível no voto popular na eleição para
lectual pensador e de caráter inquestio- governador de Goiás. Impediram-no, cas-
nável no verdadeiro. Pessoas assim são sando-o como prefeito de Goiânia e a sus-
éticas, não servem para as fofocas brin- pensão de seus direitos políticos, por 10
dadas nas adegas inebriantes de poder anos. Iris foi eleito esmagadoramente e foi
nos celestes do envaidecimento vulgar. empossado, em 15 de março de 1983, no
Ali é o seleto dos rabichos à levianda- Palácio das Esmeraldas, vestiu Goiânia de
Hugo Chávez, ex-presidente da Venezuela Nicolas Maduro, sucessor de Chávez Marconi Perillo, ex-governador de Goiás José Eliton, sucessor de Perillo
de. Os governantes se deliciam ante ao mudanças revolucionárias na construção
alcovitismo molequeiro da política, co- DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO / FOTO OFICIAL de obras encantadoras, chamou o povo
movem-se aos cafunés das prendas ren- para construir suas casas nos mutirões
dosas e endeusam-se aos incensos dos das vilas, cobriu o interior goiano de rea-
turíbulos nos cultos às celebridades dos lizações, o Brasil o tomou para realizar três
altares no poder terreno. supersafras no Ministério da Agricultu-
Os bobos ilustres empavonam-se e ra e cresceu até o irismo que criou o mar-
começam a arrastar as asas para ban- conismo na eleição do moço da camisa
dos de abutres em sua volta, muito lon- azul, e Marconi Perillo Júnior tomou pos-
ge de sua origem nos quintais da irre- se em 1º de janeiro de 1999, fez obras físi-
levância política. Degustam caviar nas cas na extensão das terras e obras sociais
ceias das aristocracias e engasgam-se nas dimensões do coração no povo. Fo-
nos pratos-feitos do populismo. Ficam mentou a construção do Centro Cultural
irreconhecíveis do que é no que está Oscar Niemeyer. Ampliou a Saúde na ins-
do que foi no que era. Comportam-se talação do Crer e na modernização e cria-
mais inadequados que um açougueiro ção do Hugo. Possibilitou condição de es-
ao retalhar, com bisturi, carne de vaca tudar para milhares de jovens nas bolsas
ou um médico fazer, com um facão, ci- populares. Enriqueceu a economia com a
rurgia plástica numa madame. implantação de pólos industriais. E, atual-
A maestria política de alojar no Palácio mente, o marconismo criou nos eleitores
das Esmeraldas o perdedor das eleições, a onda do caiadismo na candidatura do
Zéliton como governador, a comparação Ronaldo Caiado, com data marcada para
Totó Caiado Pedro Ludovico Iris Rezende Marconi Perillo
mais apropriada evoca a astúcia despóti- nascer no dia 7 de outubro de 2018.
ca do ditador Hugo Chávez de colocar o Antônio Ramos Caiado entregou
motorista particular, que dirigia seu car- Goiás mais evoluído do que recebeu o
ro, Nicolas Maduro, no Palácio de Mira- sultados iguais aos das bulas que enume- Em Goiás, a rotatividade dos apogeus de cara feia, umas cuspiam nas calçadas, A história de Goiás é um legado que estado. Pedro Ludovico transmitiu Goiás
flores, ao povo da Venezuela. Deu-se lá ram o disparate de efeitos colaterais do para os perigeus pontuou quatro perío- enfezadas. Os maridos proibiam-nas de merece o respeito do contemporâneo ao mais modernizado do que entrou o Es-
o que se dá aqui. Depois de 14 anos sem remédio com indicação específica para dos que sinalizam a emancipação civi- cortas o cabelo, usar perfume, escovar os que está na posteridade. Até aos poemas tado. Iris Rezende engrandeceu Goiás
Chávez, os chavistas estão fugindo para os os doentes com uma patologia incurável. lizatória do desenvolvimento emergido dentes e de aprender ler. não feitos do ronco das máquinas ao som mais do que o estado que lhe fora pas-
países vizinhos. Depois de quatro manda- A enfermidade eleitoral do governador dos agrestes do atraso para as aberturas A quadra dos aviões teco-teco po- do canto das seriemas, das alparcatas de sado. Marconi Perillo trouxe Goiás para
tos do Marconi, os marconistas do gover- Zéliton é crônica e entrou na fase termi- do crescimento na modernidade nos úl- sando nos malhadores de gado e nos couro cru calejando as caminhadas nos o futuro mais universalizado do que bus-
no do Zé fogem para os partidos vizinhos nal da derrota, contagiou o Coninho e fi- timos 126 anos dessas terras belas e ricas campos de futebol. As linhas do Correio rastros dos pioneiros que puseram os pés cou o estado ali no presente.
da candidatura do Ronaldo Caiado. cou transmissível em Posse. Todo eleitor nos sertões bravios. São quatro marcos transmitindo notícias nos telegramas. A do menino na chegada do velho aos con- Ronaldo Caiado é ele e não é mais ne-
No evento da transitoriedade transi- já se vacinou de Ronaldo Caiado. Zéliton divisórios das quadras expansionistas. energia elétrica com a luz fraquinha nas fins. Romperam as muralhas do desco- nhum outro dentro da sua cabeça. É in-
tante do Zéliton, na Casa Verde, o gover- não pega em mais ninguém. Não ganha A fase das tropas e boiadas fazendo ru- lâmpadas. Os aviões Douglas DC-3 cru- nhecido no perigo das matas e, queiram contestável a história de sua indepen-
nador faz treinos no seu mandato para nem que a terra ronque. Pode ir se desin- mos nos trilheiros. Os carros de boi levan- zando altos os céus de um sertão para não queiram, os citadinos que boquejam dência de opinião nas ideias políticas.
perder nas próximas eleições na perfor- fetando do envaidecimento que o conta- tando chãos nas poeiras e atolando nas outro entre as cidades que tinham aero- julgamentos, é o saldo de quatro estadis- Ronaldo sabe que começou seu desígnio
mance simbiótica no dantesco e no qui- minou no Palácio das Esmeraldas. E o vi- estradas vagarosas. As candeias alumian- portos. Começaram a levar música nos tas que o futuro fez o encontro do passado épico para libertar Goiás das oligarquias
xotesco, mais fantástico que fazer terra ciou em derrotas. Desça das passarelas do as casas e se apagando ao sopro dos lugares das vitrolas. Pinga era o uísque, com o presente nos tempos deles. Os que da corrupção, da comercialização política
roncar. As pedaladas que os jornalistas- do Marconi Perillo e volte para o desfile ventos nos ranchos. As moças olhando os o vinho e o champanhe das festas. Tinha veem os erros neles, mostrem, junto, uma entre os parentes, e da politização de em-
-marqueteiros palacianos treinam-no no anonimato eleitoral, em Posse. Antes rapazes pelas frestas das janelas e os ho- fartura de jagunços nas fazendas. pessoa que não houve erros nela. presários na comercialização da política.
para dar, nas ideias do receituário da que a despedida seja a vitória do traído mens dançando nos bailes com revolver O ciclo que veio até o presente de hoje. Só não faz erros, quem não faz nada. O Ronaldo Caiado é o líder incondicional
ciência política, causam nos eleitores re- na derrota do traidor. nas cinturas. O tempo anda devagar. Os Asfalto forrando as estradas nos vaivéns que é o maior dos erros nessa vida. na firmeza do verdadeiro no caráter. Não
cavaleiros falavam sozinhos nas viagens do progresso. A luz elétrica nas lâmpadas As pessoas predestinadas nascem sozi- se molda às tentações do escuso. Nem

“ T
ransparece que os chefes de no isolado dos ermos. Onças comiam me- estrelando as noites. As universidades er- nhas em seu destino no berço da família e se agacha ao peso das provações massa-
Estado supõem que o tempo ninos panhando frutas nos cerrados. radicando o analfabetismo. As chaminés costuma vir de cem em cem anos. Cum- crantes. Não trai. Não mente. Não rouba.
para em sua época no gover- A etapa das ximbicas Ford, sem capo- das indústrias enchendo o ar de fumaças prem a sua missão na Terra e são suce- Não tem medo de morrer na luta da hon-


O bajulador é um no. A realidade fria é que eles ta, conduzindo passeios das cidades para e as fábricas de empregos. A novidade de ra e não tem coragem de viver na desonra.
mestre que disfarça ficam fora de época em seu tempo no os povoados e dos calhambeques Ford, Goiânia inspirou a modernidade de Bra- Tem vocação mudancista e aptidão desen-
poder. As quedas de governo são cria- transportando mercadorias das cidades sília. Goiás ficou perto do mundo. volvimentista. E é uma criança no coração,
as aparências. O bajulador é um um moço na cabeça, um velho honesto na
das pelos governantes na saga épica dos para as fazendas e, trazendo as colheitas Foram quase 13 décadas de suor, lá-
Maquia-se ao povos. Acontecem nos ciclos naturais dos fazendeiros para os comerciantes grima e sangue escorridos nas chagas mestre que disfarça as história de vida do homem que irá gover-
gosto dos engodos. das mudanças na evolução das civili- das comunidades nas vilas. Toda cidade dos sacrifícios das gentes pioneiras e de aparências. Maquia-se nar Goiás como um parente do povo.
O vulgo vê-os como zações. Nenhum líder escapa da pon- tinha a chamada Rua de Baixo. As putas bravos líderes que semearam nas pugnas
puxa-sacos. Isso tualidade inexpugnável desse saudável
determinismo histórico, das ladeias nas
saíam bem vestidas, perfumadas, sorrin-
do, com os braços dados, passeando nas
dos sofrimentos sertanejos a frutificação
das metrópoles aquém e além das fron-
ao gosto dos engodos.
É mais que puxa-saco.
BATISTA
é o apelido...” tribos aos impérios nas nações. ruas. As mulheres casadas ficam à janela teiras dos horizontes goianos. É puxa-vaidades” Ronaldo Caiado
CUSTÓDIO

Centres d'intérêt liés