Vous êtes sur la page 1sur 26
EPIDEMIOLOGIA Conceitos e Usos 2016.1
EPIDEMIOLOGIA Conceitos e Usos 2016.1
EPIDEMIOLOGIA Conceitos e Usos 2016.1

EPIDEMIOLOGIA

Conceitos e Usos

2016.1

Bases Conceituais da Epidemiologia Desenvolvimento Histórico da Epidemiologia Estudo da ocorrência de doenças em

Bases Conceituais da Epidemiologia

Bases Conceituais da Epidemiologia Desenvolvimento Histórico da Epidemiologia Estudo da ocorrência de doenças em

Desenvolvimento Histórico da Epidemiologia

Estudo da ocorrência de doenças em populações humanas

Epi=sobre Demos=povo Logos= estudo
Epi=sobre
Demos=povo
Logos= estudo
Epidemiologia Estudo da ocorrência de doenças em populações humanas Epi=sobre Demos=povo Logos= estudo epidemiologia

epidemiologia

Primeiro registro do emprego desta expressão data de 1802 (Espanha)

Desenvolvimento Histórico da Epidemiologia

Com o estabelecimento definitivo da teoria dos

germes, entre 1872 e 1880, a epidemiologia, como

toda ciência da saúde, adotou um modelo de

causalidade que reproduzia o da física.

Consolida-se a teoria da unicausalidade -para cada doença um agente específico -Paradigma do Contagionismo

Pouca atenção as doenças não infecciosas

Estratégias de prevenção: quarentena, controle dos animais e

extermínio de ratos.

Desenvolvimento Histórico da Epidemiologia

Século XX

Transição, da epidemiologia de doenças infecciosas para

epidemiologia das doenças crônicas, ocupacionais, avaliação de

serviços de saúde

Novos problemas de Saúde Pública nos Países Desenvolvidos após

a II Guerra Mundial: Úlcera péptica, Doenças Cardiovasculares, e

Câncer de Pulmão

Desenvolvimento de Metodologias para Estudos Epidemiológicos

Observacionais, Prospectivos e Caso-controle (Caso-comparação) e

Análises Multivariadas.

Desenvolvimento Histórico da Epidemiologia

FASE CONTEMPORÂNEA

ATRAVÉS DA EPIDEMIOLOGIA DESCOBRIU-SE A ASSOCIAÇÃO

ENTRE:

MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS X RUBÉOLA NA MÃE

(GRAVIDEZ)

LEUCEMIA NA INFÂNCIA X EXPOSIÇÃO À RX NA GESTAÇÃO

HÁBITO DE FUMAR X CÂNCER DE PULMÃO

MORTALIDADE INFANTIL X CLASSE SOCIAL

CEGUEIRA EM CRIANÇAS DESNUTRIDAS X AVITAMINOSE A

A EPIDEMIOLOGIA É O EIXO DA SAÚDE PÚBLICA

EPIDEMIOLOGIA – CONTEXTO ATUAL • Mudanças no perfil de morbimortalidade • Desenvolvimento tecnológico

EPIDEMIOLOGIA CONTEXTO ATUAL

EPIDEMIOLOGIA – CONTEXTO ATUAL • Mudanças no perfil de morbimortalidade • Desenvolvimento tecnológico

Mudanças no perfil de morbimortalidade

Desenvolvimento tecnológico

Redução das Doenças Infecciosas + Mudança do

perfil etário Aumento do papel das DANT’s

Incorporação dos conceitos de associação de múltiplos

fatores determinantes à ocorrência de doenças complexas redes de multicausalidade)

CONSOLIDAÇÃO DA EPIDEMIOLOGIA

CONSOLIDAÇÃO DA EPIDEMIOLOGIA

Epidemiologia – Conceito “Ciência que estuda o processo saúde-doença em coletividades humanas, analisando a

Epidemiologia Conceito

Epidemiologia – Conceito “Ciência que estuda o processo saúde-doença em coletividades humanas, analisando a

“Ciência que estuda o processo saúde-doença em

coletividades humanas, analisando a distribuição e

os fatores determinantes das enfermidades, danos,

à saúde e eventos associados à Saúde Coletiva,

propondo medidas específicas de prevenção,

controle, ou erradicação de doenças, e fornecendo

Indicadores que sirvam de suporte ao

planejamento, administração e avaliação das ações

de saúde”.

EPIDEMIOLOGIA

DISTRIBUIÇÃO

EPIDEMIOLOGIA DISTRIBUIÇÃO DETERMINANTES FREQUÊNCIA
EPIDEMIOLOGIA DISTRIBUIÇÃO DETERMINANTES FREQUÊNCIA

DETERMINANTES

FREQUÊNCIA

EPIDEMIOLOGIA DISTRIBUIÇÃO DETERMINANTES FREQUÊNCIA
Epidemiologia – Conceito “Disciplina que estuda os determinantes e as condições de ocorrência das doenças

Epidemiologia Conceito

Epidemiologia – Conceito “Disciplina que estuda os determinantes e as condições de ocorrência das doenças em

“Disciplina que estuda os determinantes e as condições de

ocorrência das doenças em populações humanas.”

Discurso epidemiológico X Discurso Clinico

humanas.”  Discurso epidemiológico X Discurso Clinico Doença como integrante de uma dada estrutura social

Doença como

integrante de uma dada estrutura

social

X Discurso Clinico Doença como integrante de uma dada estrutura social Especificidade do caso individual

Especificidade do caso

individual

EPIDEMIOLOGIA APLICAÇÃO

EPIDEMIOLOGIA – APLICAÇÃO Doenças Infecciosas: Sarampo, Rubéola, Aids, Ebola, etc . Não Infecciosas: acidentes,
EPIDEMIOLOGIA – APLICAÇÃO Doenças Infecciosas: Sarampo, Rubéola, Aids, Ebola, etc . Não Infecciosas: acidentes,

Doenças Infecciosas: Sarampo,

Rubéola, Aids, Ebola, etc.

Não Infecciosas: acidentes,

violências, diabetes, etc.

Sarampo, Rubéola, Aids, Ebola, etc . Não Infecciosas: acidentes, violências, diabetes, etc. Processo Saúde Doença

Processo Saúde Doença

Epidemiologia Melhor explicando o Conceito Dois epidemiologistas se encontram e um pergunta para o outro:

Epidemiologia

Melhor explicando o Conceito

Dois epidemiologistas se encontram e um

pergunta para o outro: Como está sua mulher?

O outro responde:

- Comparado com quem?

O objeto modelo da epidemiologia : Doentes em populações e não doença no homem(Almeida Filho)

OBJETIVOS DA EPIDEMIOLOGIA Segundo a IAE, são três os principais objetivos I. Descrever a distribuição

OBJETIVOS DA EPIDEMIOLOGIA

Segundo a IAE, são três os principais objetivos

I. Descrever a distribuição e a magnitude dos

problemas de saúde das populações humanas.

II. Proporcionar dados essenciais para o planejamento, execução e avaliação das ações de prevenção, controle e tratamento das doenças, bem como para estabelecer prioridades.

Filho)

III. Identificar fatores etiológicos na gênese das

enfermidades

OBJETOS DA EPIDEMIOLOGIA

Doenças infecciosas

Doenças não-infecciosas

Genéticas

Cárdio-vasculares e neurológicas

Violência

Outras: ocupacionais, da poluição, psico-sociais

etc.

Condições fisiológicas e hábitos/comportamentos.

 Outras: ocupacionais, da poluição, psico-sociais etc.  Condições fisiológicas e hábitos/comportamentos.
    Na análise da situação de saúde: ciência descritiva e analítica Na Vigilância em
    Na análise da situação de saúde: ciência descritiva e analítica Na Vigilância em
   

Na análise da situação de saúde: ciência descritiva e

analítica

Na Vigilância em Saúde

 

Nos estudos etiológicos: ciência construtiva

Na avaliação de serviços, programas e tecnologias em Saúde : instrumento de predição

Na Avaliação das tendências futuras epidemiologia

prospectiva. (Prof. Cruiskshank, 1990)

 

USOS DA EPIDEMIOLOGIA

EPIDEMIOLOGIA e PREVENÇÃO EPIDEMIOLOGIA e CLINICA

EPIDEMIOLOGIA e PREVENÇÃO GRUPOS DE ALTO RISCO  PROGRAMAS PREVENTIVOS FATORES ESPECÍFICOS CARACTERÍSTICAS NÃO
EPIDEMIOLOGIA e PREVENÇÃO GRUPOS DE ALTO RISCO  PROGRAMAS PREVENTIVOS FATORES ESPECÍFICOS CARACTERÍSTICAS NÃO

EPIDEMIOLOGIA e PREVENÇÃO

GRUPOS DE ALTO RISCO PROGRAMAS PREVENTIVOS

PREVENÇÃO GRUPOS DE ALTO RISCO  PROGRAMAS PREVENTIVOS FATORES ESPECÍFICOS CARACTERÍSTICAS NÃO MODIFICÁVEIS :

FATORES ESPECÍFICOS

ALTO RISCO  PROGRAMAS PREVENTIVOS FATORES ESPECÍFICOS CARACTERÍSTICAS NÃO MODIFICÁVEIS : Sexo, Idade, Raça

CARACTERÍSTICAS

PROGRAMAS PREVENTIVOS FATORES ESPECÍFICOS CARACTERÍSTICAS NÃO MODIFICÁVEIS : Sexo, Idade, Raça MODIFICÁVEIS :

NÃO MODIFICÁVEIS:

Sexo, Idade, Raça

MODIFICÁVEIS:

Obesidade, Dieta, Estilo de Vida

EPIDEMIOLOGIA e PREVENÇÃO PREVENÇÃO ABORDAGEM POPULACIONAL => Medidas de Saúde Pública ABORDAGEM À GRUPOS DE
EPIDEMIOLOGIA e PREVENÇÃO PREVENÇÃO ABORDAGEM POPULACIONAL => Medidas de Saúde Pública ABORDAGEM À GRUPOS DE

EPIDEMIOLOGIA e PREVENÇÃO

EPIDEMIOLOGIA e PREVENÇÃO PREVENÇÃO ABORDAGEM POPULACIONAL => Medidas de Saúde Pública ABORDAGEM À GRUPOS DE

PREVENÇÃO

ABORDAGEM POPULACIONAL => Medidas de Saúde

Pública

ABORDAGEM À GRUPOS DE ALTO RISCO ==>

Requer Ação Clinica para identificar Grupo de Alto

Risco

EPIDEMIOLOGIA e CLÍNICA A Prática Clinica depende de Dados Populacionais:  Diagnóstico  Prognóstico 
EPIDEMIOLOGIA e CLÍNICA A Prática Clinica depende de Dados Populacionais:  Diagnóstico  Prognóstico 

EPIDEMIOLOGIA e CLÍNICA

EPIDEMIOLOGIA e CLÍNICA A Prática Clinica depende de Dados Populacionais:  Diagnóstico  Prognóstico 

A Prática Clinica depende de Dados Populacionais:

Diagnóstico

Prognóstico

Seleção da Terapia apropriada

ABORDAGEM EPIDEMIOLÓGICA o raciocínio epidemiológico

Inicia-se com dados descritivos (dados confiáveis)

Inicia-se com dados descritivos (dados confiáveis) Os dados são comparáveis qualitativamente? Por que elas

Os dados são comparáveis qualitativamente?

confiáveis) Os dados são comparáveis qualitativamente? Por que elas ocorrem? A Epidemiologia inicia sua

Por que elas ocorrem?

A Epidemiologia inicia sua investigação

Os dados são comparáveis qualitativamente? Por que elas ocorrem? A Epidemiologia inicia sua investigação
Os dados são comparáveis qualitativamente? Por que elas ocorrem? A Epidemiologia inicia sua investigação

GRANDE CAMPOS DE POSSIBILIDADE DE UTILIZAÇÃO DA

EPIDEMIOLOGIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

1) Na busca de explicações (causas ou fatores de risco) para a ocorrência de

doenças, com utilização predominante dos métodos da epidemiologia analítica;

2) Nos estudos da situação de saúde (que doenças ocorrem mais na comunidade? Há

grupos mais suscetíveis? Há relação com o nível social dessas pessoas? A doença ou agravo

ocorre mais em determinado período do dia, ano?)

Epidemiologia Descritiva)

3) Na avaliação de tecnologias, programas ou serviços (houve redução dos casos de doença ou agravo após introdução de um programa? A estratégia de determinado serviço é mais eficaz do que a de outro? A tecnologia “A” fornece mais benefícios do que a tecnologia “B”?);

4) Na vigilância epidemiológica (que informação devemos coletar, observar? Que atitudes tomar para prevenir, eliminar, controlar ou erradicar a doença?).

USOS DA EPIDEMIOLOGA ciência descritiva e analítica reúne, classifica e sistematiza os conhecimentos existentes A-
USOS DA EPIDEMIOLOGA
ciência descritiva e analítica reúne, classifica e
sistematiza os conhecimentos existentes
A- diagnosticar a presença e determinar a magnitude,
natureza e importância relativa dos agravos que podem
atingir uma população.
B– estimar os riscos e oportunidades que as pessoas
têm, sob certas condições, de adoecer, assim como
estimar as probabilidades de morte e a esperança de
vida.
USOS DA EPIDEMIOLOGA ciência construtiva serve como um método de adquirir novos conhecimentos A –
USOS DA EPIDEMIOLOGA ciência construtiva serve como um método de adquirir novos conhecimentos A –

USOS DA EPIDEMIOLOGA

USOS DA EPIDEMIOLOGA ciência construtiva serve como um método de adquirir novos conhecimentos A – identificar

ciência construtiva serve como um método de adquirir novos conhecimentos

A identificar os componentes dos mecanismos causais

da doença e investigar as associações existentes com as

condições do ambiente em que vivem as pessoas

visando a determinar a história natural da doença para

fins de prevenção;

B- ajudar a completar o quadro clínico de uma doença ou esclarecer síndromes clínicas de diferentes etiologias;

 
 
USOS DA EPIDEMIOLOGIA

USOS DA EPIDEMIOLOGIA

   
 

C

- diagnosticar as fases pré-clínicas e incipiente das

 

doenças através de exames em massa de grande

parcela da população

D estudar outros processos de biologia humana que

não redundam em doença como por exemplo: o

crescimento pré e pós-natal, a determinação do sexo, a

gravidez múltipla etc.;

E

auxiliar no esclarecimento de síndromes clínicas

novas.

 
USOS DA EPIDEMIOLOGA instrumento de predição B
USOS DA EPIDEMIOLOGA instrumento de predição B

USOS DA EPIDEMIOLOGA

USOS DA EPIDEMIOLOGA instrumento de predição B

instrumento de predição

B

A

-realizar estudos históricos da saúde de uma comunidade,

relacionando as tendências anteriores com as atuais

flutuações no tempo (tendência secular, variações clínicas,

variações sazonais);

resolver problemas administrativos, relacionados com a

efetividade dos programas de prevenção ou controle, e o rendimento dos serviços de saúde em geral; C orientar os administradores na instalação de recursos destinados à prevenção da ocorrência ou da evolução da mesma.

O que a Epidemiologia pode ainda evidenciar:
O que a Epidemiologia pode ainda evidenciar:
O que a Epidemiologia pode ainda evidenciar:

O que a Epidemiologia pode ainda evidenciar:

USOS DA EPIDEMIOLOGIA

O Caráter nocivo do tabaco na determinação de doenças;

Fatores de risco para as doenças cardiovasculares e cânceres; Estilos de vida fatores associados a maior ou menor presença de doenças; Efeitos protetores: Fluor, Vacinas, atividade física, dieta com qualidade , etc.

- Lei Orgânica de Saúde – Lei 8080 / Set. 1970
- Lei Orgânica de Saúde – Lei 8080 / Set. 1970
- Lei Orgânica de Saúde – Lei 8080 / Set. 1970

- Lei Orgânica de Saúde Lei 8080 / Set. 1970

USOS DA EPIDEMIOLOGIA

Aplicação nos serviços de saúde

“Utilização da Epidemiologia para o estabelecimento de prioridades, alocação de recursos e a orientação

programática.

OBRIGADA!

cleane.zezerra@unipe.br