Vous êtes sur la page 1sur 6

A pior pobreza é a da alma

Em "A Vida na Sarjeta", seu primeiro livro editado no Brasil, Theodore


Dalrymple traça um retrato desencantado das camadas mais baixas da
Inglaterra. Ao site de VEJA, o psiquiatra inglês, expoente da melhor
tradição do conservadorismo anglo-saxão, explica por que a "miséria
moral" que identifica entre britânicos deve servir de advertência para o
Brasil do Bolsa-Família

Com um pouco de sorte, ironiza o psiquiatra, 'A Vida na Sarjeta' terá relevância para os
brasileiros em alguns poucos anos(PovertyCure/Reprodução)
De manhã, no hospital de um bairro pobre de Birmingham, ele atendia às vítimas. À
tarde, no prédio vizinho, um grande presídio da segunda cidade mais populosa da
Inglaterra, ouvia os algozes. Foi dessa perspectiva singular que Theodore Dalrymple,
pseudônimo do psiquiatra inglês Anthony Daniels, investigou por 14 anos a miséria das
camadas mais baixas da Grã-Bretanha. São os milhares de histórias de vida de
pacientes e detentos que embasam o duro e desencantado retrato da Vida na Sarjeta (É
Realizações, 280 pg, R$ 39,90), título do livro que chega ao Brasil na semana que vem.
Na obra, o psiquiatra sustenta que, se a miséria material foi praticamente varrida do
mundo desenvolvido, a "pobreza da alma" se aprofunda e galga velozmente a escala
social, patrocinada pelo assistencialismo irrefletido e guiada por conceitos
irresponsavelmente ventilados por intelectuais de esquerda. Tendo conhecido a miséria
dos países africanos, onde trabalhou quando jovem, ele é taxativo: "Nada do que vi -
nem a pobreza ou a opressão ostensiva - jamais teve o mesmo efeito devastador na
personalidade humana que o indiscriminado Estado de Bem-Estar Social", escreve.
"Nunca vi a perda de dignidade, o egocentrismo, o vazio espiritual e emocional ou a
absoluta ignorância de como viver que vejo diariamente na Inglaterra."
Dalrymple nunca havia sido editado no Brasil, embora seja um dos expoentes da
melhor tradição do conservadorismo britânico - ou exatamente por causa disso... De
qualquer forma, A Vida na Sarjeta é uma boa introdução à sua vasta bibliografia (mais
de 20 títulos) e passeia por alguns dos temas que lhe são mais caros, e que critica
impiedosamente, como o relativismo moral, a falência da educação, o esgarçamento dos
laços familiares, o egotismo dos acadêmicos, o coitadismo, o politicamente correto,
entre outros assuntos.
O livro chega com atraso de nada menos que 13 anos, mas isso, paradoxalmente, pode
torná-lo mais oportuno. O Brasil do Bolsa-Família e das cotas; da "nova classe C" e do
Minha Casa, Minha Vida; que viu a desnutrição recuar e a obesidade ganhar contornos
epidêmicos; em que quase todas as crianças vão à escola, mas a maioria chega ao fim do
ensino fundamental sem competências básicas de escrita e matemática - esse país tem
muito a aprender com a miséria moral da "abundância" britânica.
O médico admite que nos países que ainda convivem com pobreza material, como o
Brasil, seus argumentos podem parecer frívolos. Não são. "Com um pouco de sorte, A
Vida na Sarjeta terá relevância para os brasileiros em alguns poucos anos", ironiza, em
entrevista ao site de VEJA. Dalrymple aproveita para explicar a escolha do pseudônimo,
com que protegeu sua identidade quando começou a assinar artigos mordazes e
inconformados na imprensa britânica sobre as condições do hospital e da prisão em que
trabalhava. "Theodore Dalrymple soa antigo, algo vitoriano, aristocrático, escocês.
Pense em alguém muito mal-humorado, observando o mundo de seu clube em Londres,
tomando uma taça de vinho do Porto, e dizendo que está tudo perdido (risos)."
Como é a 'vida na sarjeta'? Na Europa e nos Estados Unidos, a pobreza é hoje
definida em termos relativos. Em termos absolutos, os pobres já desfrutam de
comodidades que teriam deslumbrado Luís XIV. Eles são pobres apenas em
comparação com a média da população. Seu problema é outro: eles não sabem como
viver. Não têm nenhum propósito mais elevado na vida. Não são religiosos, não têm
crença política, não têm cultura própria. E não precisam lutar pela vida. Não passam
fome e dá para ir levando a vida, sem grande esforço. Não falta assistência médica nem
escola para os filhos. Não faz muita diferença se eles têm um emprego ou não. Eles não
têm esperança de progredir economicamente, nem medo de quebrar. Vivem numa
espécie de limbo, e seu mau comportamento é a única coisa que pode tornar a vida
interessante.
Este fenômeno é restrito à "subclasse" (underclass, no original)? Na
verdade, não gosto muito do termo 'subclasse', porque implica afirmar que há uma
grande diferença entre essa parcela da população e o resto, o que não é verdade. Há
uma continuidade, e eu argumento no livro que certas atitudes disfuncionais estão se
disseminando pela escala social, para além do que Marx poderia chamar de
'lumpemproletariado'. Não estamos falando de cerca de 5% da população. Se fosse
assim, seria muito triste para esses 5%, mas não seria tão sério para a sociedade como
um todo. O que ocorre é que certos fenômenos disfuncionais se disseminaram das
classes mais baixas para as mais altas, com um decréscimo do nível geral de cultura.
Por que o senhor põe a culpa nos intelectuais? Porque eles criaram essa noção,
ao longo de mais de cem anos de propaganda, de que se as pessoas tivessem um lugar
para morar, aquecimento adequado, comida suficiente etc., todos os problemas
estariam resolvidos. Bom, eu acho ótimo que o padrão de vida das pessoas melhore, e
que as pessoas tenham um lugar para morar, com aquecimento adequado etc. Mas o
que acontece é que os problemas mudam de natureza. As políticas aplicadas sob
influência de intelectuais liberais destruíram a família na Grã-Bretanha. Onde eu
trabalhava, por exemplo, simplesmente não havia uma família em que o pai cuidasse
dos filhos. Essa mudança aconteceu em pouquíssimo tempo, como efeito de políticas
sociais e econômicas desastradas. Eu diria que o Estado de bem estar social foi uma
condição necessária para a desagregação social a que assistimos na Inglaterra, mas não
a única. Não observamos a mesma situação nos países da Escandinávia, por exemplo, e
acho que há duas razões para esta diferença. Uma é escala. Você tem de lembrar que
Londres é quase duas vezes a Dinamarca inteira, em termos de população. A outra
razão é o nível de educação, que na Dinamarca é muito mais alto. Os dinamarqueses
provavelmente escrevem melhor em inglês do que a maior parte dos ingleses. Assim,
uma população com baixo nível educacional pendurada no assistencialismo, essa é a
receita do desastre.
O que há de errado com as escolas britânicas? Temos muitas escolas, mas o
ensino é muito ruim em várias delas, principalmente nas áreas em que a escolaridade é
mais necessária, ou seja, onde não há o apoio das famílias. Cerca de 20% das crianças
inglesas deixam a escola sem saber ler direito. Isso não tem nada a ver com o dinheiro
que se gasta com elas. Na verdade, dá para ensinar a ler gastando muito pouco e bem
depressa. E, no entanto, isso não está sendo feito. E quem mais sofre são as crianças
mais vulneráveis, que vêm de famílias que não dão muita atenção à educação.
E isso também é culpa dos intelectuais? A culpa é dos educadores que impuseram
às escolas métodos que não funcionam e que não mudam há 30 ou 40 anos. Nós
sabemos por experiência que mesmo as crianças que vêm dos piores lares podem
aprender a ler e escrever corretamente. As experiências mostram isso. E tudo que é
necessário são métodos educacionais eficientes - como os que eram usados 50 anos
atrás. Só que há uma teimosa recusa em reconhecer isso. No antigo sistema, crianças
inteligentes e habilidosas eram selecionadas para seguir cursos acadêmicos puramente
na base da competência e do mérito. Mesmo em áreas bem pobres, havia escolas muito
boas, com um padrão bem alto. Foi assim durante muitos anos. Meu pai frequentou
uma dessas escolas em Londres e se lembra de alunos que iam às aulas sem sapatos.
Esse modelo garantia um certo grau de mobilidade social. É claro que só uma minoria
de crianças era beneficiada, mas pelo menos era um sistema de genuína meritocracia.
Por que essas ideias não têm o mesmo efeito perverso sobre a classe
média? Há duas razões. A primeira é que a classe média se preocupa muito mais com a
educação. Se as crianças não vão bem na escola, os pais tomam alguma providência
para melhorar a situação. E a segunda é que, na verdade, esses métodos não são
impostos com a mesma firmeza sobre a classe média, porque ela reagiria a isso. Assim,
a experiência é feita com os mais vulneráveis, que não sabem protestar, nem reclamar -
a não ser através da violência física. Se fôssemos ceder à teoria conspiratória marxista,
poderíamos dizer que o sistema educacional inglês é o meio pelo qual a classe média se
assegura de manter fora de competição a metade mais pobre da população.
O senhor escreve que a "pobreza da alma" é muito pior que a pobreza
material. Que lições países que ainda lidam com a miséria material, como o
Brasil, devem tirar da "subclasse" dos países mais desenvolvidos? Mesmo
em países miseráveis da África, onde trabalhei, nunca vi tamanha pobreza espiritual ou
psicológica como a que observei na Inglaterra. E isso, eu acho, só pode ser explicado
pela privação do sentido da vida. São pessoas capturadas por esse ciclo de dependência,
em que nada parece tornar a vida melhor ou pior. Não há esperança, nem medo. Isso é
algo que os brasileiros devem saber e evitar. Deixe-me dar um exemplo. Na Inglaterra,
em 2006, antes da crise econômica, nós tínhamos 2,9 milhões de pessoas vivendo
graças ao auxílio-doença. Elas não eram considerados desempregadas, mas doentes.
Acontece que a grande maioria não tinha enfermidade nenhuma - ou teríamos mais
doentes do que na 1ª Guerra Mundial. Essa corrupção moral tem um efeito profundo
sobre a sociedade, tanto sobre as pessoas que pedem o benefício, como os médicos que
dão os atestados e até sobre o governo, que pôde melhorar seu indicador de
desemprego.
O assistencialismo tem um peso grande na vida dos brasileiros. Um em
cada quatro pessoas é beneficiado por programas de transferência de
renda, que praticamente todos os políticos apoiam. É possível erguer uma
rede de proteção social que atenda à população necessidade sem incentivar
os vícios que o senhor identifica? Eu não conheço muito bem o Brasil. Mas é
certamente perigoso permitir que transferências regulares se tornem mais importantes
que a renda das pessoas, porque haverá uma pressão para aumentá-las cada vez mais,
em detrimento não só de toda a economia, mas também do caráter dos beneficiados. E
é claro também que esses benefícios, quando elevados, acabam se tornando um direito
divorciado de qualquer forma de merecimento. Se você tem direito a uma casa, renda,
educação, assistência médica e tudo o mais, qual o sentido do esforço? Acho que, se
bem controlada, não há razão para não ter uma rede de proteção social. O problema é
que na Europa, particularmente na Grã-Bretanha, o sistema saiu de controle.
Qual o peso da revolução sexual na equação da "miséria da alma"? Não
quero soar como um puritano, porque não sou, mas o verdadeiro problema é que o
conceito de paternidade mudou. Na região em que eu trabalhava, nenhuma mãe levava
em consideração se o pai do seu filho era adequado ou não. E isso me parece
catastrófico. Quando eu perguntava para uma criança quem era o seu pai, ela às vezes
dizia algo como "você quer dizer o meu pai no momento?". Nenhum pai assumia a
responsabilidade por seu filho. Muitas crianças não tinham ideia do que era uma
família. Para elas, o pai era um padrasto serial, que vinha e passava um tempo com elas
e depois ia embora. Logo haveria um outro. Isso é terrível para as crianças. Uma
geração de intelectuais vendeu a ideia de que conforto material e relacionamentos sem
qualquer tipo de amarra tornariam a humanidade livre. Mas sem relações estruturadas,
não pode haver confiança entre um homem e uma mulher. Isso leva ao ciúme e à
violência. O custo das relações estruturadas por obrigações sociais, claro, é um certo
grau de hipocrisia, porque, bem, o ser humano é o que ele é: não obedece às regras, mas
finge que obedece. De qualquer forma, isso é melhor do que relações sem nenhuma
amarra. Uma das razões de os homens serem tão ciumentos é que sabem o quanto eles
próprios são predatórios. O tipo de promiscuidade que eu vi não seria relevante se esses
homens aceitassem que a mulher também fosse promíscua, mas não é isso que
acontece. Os homens querem a posse exclusiva da mulher, ao mesmo tempo que dão
em cima da mulher de qualquer um, e é fácil ver que isso gera violência, tanto entre
homens e mulheres como entre rivais que disputam uma mesma mulher.
Como nasceu seu interesse pela 'subclasse'? Eu trabalhava numa região
complicada, como psiquiatra em um hospital. Vi algo como dez a quinze mil casos de
tentativas de suicídio. E cada pessoa me falava sobre a sua vida e a vida de pessoas
próximas. Isso significava ouvir a história da vida de 60, 70, 80 mil pessoas. Minha
amostra é seletiva, claro, mas não é pequena. E também trabalhei numa prisão, com
mais ou menos 1.400 detentos, que ficava ao lado do tal hospital. Eram prédios
vizinhos. A principal diferença entre eles era que havia muito menos violência... na
prisão. De manhã eu ouvia histórias de vítimas de crimes, e à tarde eu ouvia seus
algozes. Foi assim que eu desenvolvi um interesse por tais assuntos.
Sente falta desse trabalho? Sim, mas resolvi me aposentar enquanto eu ainda
sentia prazer em trabalhar. Isso pode parecer absurdo, mas queria parar com um certo
número de boas recordações. O que eu presenciei não era lá muito agradável, mas era
extremamente interessante.
Alguns textos deste livro foram publicados nos anos 1990. A sorte da
subclasse melhorou desde então? Acho que continua a mesma coisa. E eu também
não mudei de opinião. Aliás, para ser honesto, acho que já disse tudo que tinha a dizer
sobre esse assunto. Atualmente faço crítica de arte e de literatura. E estou escrevendo
minhas memórias da prisão. É que passei mais tempo na prisão do que a maioria dos
presos...
'A Vida na Sarjeta' é seu primeiro livro publicado no Brasil, o que parece
refletir certa hostilidade do mercado editorial contra autores
conservadores. Esse viés também existe na Inglaterra. Durante muitos anos não
houve uma edição inglesa de A Vida na Sarjeta. Embora trate do que vi na Grã-
Bretanha, foi primeiro publicado nos Estados Unidos, assim como outro livro meu em
que argumento que o vício em heroína não deve ser tratado como uma doença. Nos dias
da Amazon, contudo, isso já não importa mais. De qualquer forma, espero que meu
livro tenha alguma relevância para os brasileiros. Vejo que pode ser difícil para os
brasileiros aceitar o tipo de coisas que afirmo, por ainda conhecerem a pobreza
material. Com um pouco de sorte, porém, A Vida na Sarjeta terá relevância para os
brasileiros em alguns poucos anos.