Vous êtes sur la page 1sur 37
Pinsut,<.B, iestirin do Coad. ACIDADANIA PARA TODOS Paul Singer as se divi capitalis condigio muitas portanto, para DIREITOS SOCIAIS dirigentes profissionais de jes cmpre: viver sem trabalhat, da renda das fortunas que amealharam ou herdar; A classe trabalhadora compae-se de duas grandes fragSes: assalariados auténomos. Os primeiros vendem sua capacidade de produgao a emprepa- dores e esta condigio Ihes confere direitos que a legislagao do trabalho espe- cifiea. Os outros produzem com seus préprios meios de produgio, de forma individual ou associnda, como trabalhadores por conta peépria, microprodurores ou s6cios de empresas que nfo tém assalariados (pois se tivessem seriam empregadores, ¢, portanto, capitalistas). Estas iltimas podem ser empresas mercinis de virios tipos ou cooperativas. do trabalho se aplica diretamente 20s assala- sialon gue nox plies copialitas escnvelvidos constalam ai recente -nte a grande maioria dos trabalhadores. Os trabalhadores por conta Fah eo : ios, mas sua propriedade nio é sufiei familiares, sociedades Grande parte dos direit pein eto por deFlaedo pro ate pars que powam satisfazer auns acccssiades sem trabalhae, Sous fave pars que poss : ; : asealariados, pois compariliam com os primiros 2 condigao de empreen- of dimes a condigis de'viverem de prépsitctbalho athadores que tém emprego ov negScio rein porque aio dedores ¢ co: HG que distinguir entre 08 u proprio © os que no exercem atividade remunerad: encontram quem queita empregs-los ov comprar os servigos ou bens que produzem, seja porque estio ineapacitados para o trabalho por motivo de idade, enfermidade, acidente de trabalho ete. Na sociedade eapitalista, 0 normal é que a cada momento uma paccela dos trabalhadores careca de recursos para a sobrevivéncia por falta de trabalho. A situagio de pleno emprego, em que todos os que precisam de trabalho remunerado 0 obtém € todos que trabalham por conta propria enconteam compradores para sua produgio, deve ser considerada excepcional. . Evidentemente, a falta de trabalho cria situagdes de caréncia para suas i ie suas familias. Para evitar vitimas, que ficam impossibilitadas de sustentar 3 situagdes como esta, foram instimuidos direitos para os cidadiés sem trabalho, ‘que de outro modo estariam condenados 4 indigéncia ou 8 ilegalidade. Por- tanto, os digeitos sociais tém como sujeitos os trabalhadores; uma parte dos direitos tém como sujeitos os trabalhadores que « G@ssalariado ou auténomo) € otra parte os rrahallhadotes que dele earceem, OS DIREITOS SOCIAIS NOS PRIMORDIOS DO CAPITALISMO, Nos trés séculos que ancecederam a primeira Revolueio Industrial hou: ve, na Europa ocidental, um grande desenvolvimento do comércio interna: so n trabalho remunerado Ncipanaesh pata O00 ional, da economia de mercado e, dentro desta, do capitalismo manufaturciro. Este processo teve inicio na Itilia © nos Paises Baixos e depois se alastrou a ‘outros paises europens, Caracterizou-se pelo contraste entre o crescimento da riqueza de certos paises ¢ cidades e, dentro dos seus limites, de certos éstratos socials ~ mereadores, atmadores, banquciros, fabrieantes de navios, armas, muniges etc, ~e 0 empobrecimento de outros esteatos, A desgeaga € que as grandes for de assisténcia a0 pobre neces jociais € econdmicas que tornaram o sistema ‘io deixaram de funciona, na realidade clas sumentaram sem cessar em poder € complexidade, Guerras, detivando de con. Blitos religiosos assim como politicos e econdmicos e travadas por exércitos cada vez maiores, acorciam quase incessantcmente, devastando amplas repides « desttuindo as atividades de eamponeses e citadinos. A tendéncia ao conteole capiealista ds mi wufatura também continuou com seus efeitos desesteururadores sobre a Forgas de trabatho: salésios baixos, falta de oportunidades de ascen ripidas oscilagdes no aivel de produgio, levando ao desemprego,t A falta de trabalho se generaliza na Buropa ocidental a partir do século XVI, em parte por causa da instabilidade'nos novos mercados que a coloni- zap das Américas, Africa e porgdes erescentes da Asia e da Oceania expan dia, Os resultados cambiantes das numerosas guerras religiosas e dinastieas alteravam com freqiiéncia a configuragio dos monopélios coloniais, 0 aces. s0 a certos mercados, 0 abasrecimento de mio-de-obra e de metal precioso demetrépoles.e colénias, As massas deslocadas de suas ocupagdes tumavam is cidades. “... corsos para Matselha por exemplo, mouros expulsos de Gra- ada para Valladolid, moradores do campo dos Midlands e dos condados do suleste para Londres, aldeaes vizinhos para Veneza,"” E claro que essa invasio de indigentes atemorizava os moradores das Sidades. Os reis comegaram a baixar leis proibindo a mendicincia ¢ a cha. mada “vagabundagem”, ou seja, a presenga de pessoas sem trabalho. As medidas oscilavam entre a repressio ¢ a ajuda pecuniéria. Mendligos cram ‘mareados com ferro em brasa. Em 1601, sob Elizabeth [ha Inglatecra, forani adotadas as famosas Leis dos Pobres, que cornavam as pardquias responsa ‘sis pelo sustento de “seus” pobres, ou Seja, clos residentes que perdiam seus meios de vida, A mesma lei também procurava dar trabalho aos destituldos, fornecendo-thes um estoque de matétias-primas, como IZ, que poderiam tia ¢ tecer ¢ colocar & venda. Mas outa lei inglesa de 1603 reprimin a vagabun