Vous êtes sur la page 1sur 3

“Se pensassem nisso seriamente, veriamos que isso é tão mal apanhado, tão contrário ao

bom senso, tão oposto à honestidade e tão afastado em tudo dessa boa aparência que
mostram, que seriam antes capazes de regenerar do que de corromper os que
tivessem alguma inclinação para segui-los. E, com efeito, fazei-os prestar contas dos seus
sentimentos e das razões que possuem para duvidar da religião: dirão coisas tão frívolas e
tão baixas que vos persuadirão do contrário.
Foi o que muito a propósito lhes disse um dia alguém: "Se continuardes a discorrer dessa
maneira, na verdade me convertereis". E tinha razão: de fato, quem não teria horror de se
ver com sentimentos em que se têm como companheiros pessoas tão desprezíveis?”

Blaise Pascal 
A q​ uestão de Pascal é que no desejo de negar a Deus, como verdade alguns
homens tomam dos sentimentos mais contraditórios, se armam com posições das
mais vis, em oposição de princípios básicos um deles a verdade. E nesse processo
nada sobrevive intacto, nem mesmo a ética, porque o homem a partir do próprio
homem carrega consigo os limites do homem e sua condição de queda. Desta
forma forma ele o homem vive e elabora como simples homem sem freios para sua
insanidade e sem parâmetros morais e éticos.
Busquei a citação de Pascal porque esse homem de quem ele fala subsisti até os
dias de hoje e o processo no momento se revela em várias questões, fomentando o
mesmo desprezo pela verdade e pela razão.
Senhores o fato é o seguinte:
Defensores de Lula não julgam os casos a luz da razão, mas a luz da crença
simples crença, de verdade no sentido de “​Pistis​”na meta necessária
de alcançar algo.​ Tomando como esquema aquilo que Pascal percebia, eles criticavam lá
fora abrindo mão da razão em relação ao seu próprio estado, ao falar de um candidato de
oposição de todas as formas que fizeram, sempre omitiram que seu candidato é um
fantoche de condenado, que seu partido está envolvido na coordenação do maior escândalo
de corrupção na história deste país,na drenagem dos cofres públicos, que elevou o roubo a
uma filosofia político-partidária, como benesse do processo de mudanças segundo a
ideologia deles. Estamos falando de um partido que se coligou com projetos externos de
controlar o Brasil por meio de uma associação de movimentos e legendas nada idôneas,
ditaduras nas quais eles financiaram inclusive anistiando dívidas arcadas lá fora com o suor
brasileiro de cada trabalhador.
Estamos falando de um partido líder e controlador do sistema de corrupção nas últimas
décadas; estamos falando de um partido gestado por um preso.
Que no seu histórico usou do mesmo esquema de acusação a qualquer um que fizesse
oposição ao seu esquema e suas políticas criminosas; para cada elemento que tocou no
partido críticas das mais nonsenses surgiram; discursos como perigo de guerra civil, sangue
nas ruas, revolução, invasão e quebradeira até apelo à comunidade do oriente pela rede al
jazeera realizaram. Estamos falando do partido do Mensalão, José Dirceu, petrolão, dólar
na cueca, escândalos e mais escândalos que sempre procuraram mudar o cenário
atacando juízes e procuradores e qualquer um que se levanta-se contra seus crimes.
Um partido que apoiou e coligou-se com Renan Calheiros, que tem nas suas
representações alianças que faliram estados como Rio de Janeiro com Sérgio Cabral e
Eduardo Paes, que mergulharam o Estado do Rio de Janeiro no caos. Figurões como
Picciani e família que defenderam e apoiaram o PT, e de uma presidente em atividade
tentou blindar um acusado ex presidente com mandato de posse para ministro enviando
documento a sua residência “ onde ele assinaria em caso de denúncia e pedido de prisão”, (
esse detalhe explora uma condição, um mandato a disposição em caso de prisão) para ter
foro privilegiado, que só não ocorreu porque foi exposto e a opinião pública condenou.
Nesta linha de personalidades e políticos que fazem parte da triste história do Brasil temos
cúmplices de apoio e práticas de corrupção, e que recentemente um candidato de oposição
foi esfaqueado por um militante que também gritava Lula Livre e se alimentou dos discursos
de uma partido aliado. E o que a militância fez? Colocou em dúvida a veracidade do caso e
a condição da vítima porque essa militância processa a realidade na mesma condição que o
partido, em se tratando de Lula e toda história negra que ele trouxe sobre este Brasil temos
entre seus defensores criaturas ditas da intelectualidade que de defendem o bandido pela
visão que seu delito é justiça de distribuição, simplesmente porque o elemento da prática
não teria acesso a determinados bens( dito por Marcia tiburi). Meus Deus a que ponto
chegamos!
Bem essa é a questão, de ponto eles partem? Qual a real noção de justiça, de ética e moral
destes? É baseado na consciência disto que estabelecemos nossas escolhas em relação
ao Brasil? Ou simplesmente fechamos os olhos, tapamos os ouvidos para uma realidade
evidente e, movidos por sentimentos inoculados no popular entregamos o nosso voto? Pelo
que sei o brasileiro não tem simpatia ao crime, mas se seguir este caminho será uma
estrada sem volta...instituíremos o crime e a omissão como forma de pleitear
transformações na sociedade, já não estaria bastando o que podemos ver em relação as
escolas e a condição da educação..da segurança e da saúde.
O QUE FICA EXPOSTO É O PROCESSO DE INVERSÃO DAS SITUAÇÕES, DE UMA
ALUCINAÇÃO COLETIVA, MILITADA PROPOSITALMENTE PARA MOVER
SENTIMENTOS NO ELEITORADO.

Voltando a Pascal ele também diz “Eis porque os que não fazem senão fingir
esses sentimentos seriam bem desgraçados em contrariar seu natural para tornar-se os
mais impertinentes dos homens. Se se desgostam, no fundo do coração, por não
terem mais luz, não o dissimulem, pois tal declaração não será vergonhosa. Só há
vergonha em não possuí-la. Nada acusa tanto uma extrema fraqueza de espírito como não
conhecer qual é a desgraça de um homem sem Deus; nada marca tanto uma disposição
má de sentimentos como não desejar a verdade das promessas eternas; nada é mais
covarde do que mostrar valentia contra Deus.
Deixem, pois, essas impiedades para os que são de índole bastante má para serem
verdadeiramente capazes disso; sejam ao menos homens de bem, se não puderem ser
cristãos; e reconheçam, finalmente, que só há duas espécies de pessoas que podem ser
chamadas de razoáveis: ou os que servem Deus de todo o coração porque o conhecem,
ou os que o procuram de todo o coração porque não o conhecem.”
Blaise Pascal 

Eu continuo afirmando que no caso de Pascal hoje


poderíamos usar da mesma mensagem em relação a
verdade que explicita nossa realidade….existem
pessoas que trilham caminhos contra a verdade que
acabam promovendo em nós uma conversão, em outros
uma regeneração assim que entendemos onde elas
desejam chegar temos certeza que este não se trata de
nosso caminho.