Vous êtes sur la page 1sur 3

Material Teórico - Números Inteiros e Números Racionais

Exercı́cios sobre Operações com Números Inteiros

Sétimo Ano

EP
Autor: Prof. Angelo Papa Neto
Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto

BM
l O
rta
Po
Nesta aula vamos apresentar alguns exercı́cios sobre Começando com 3, temos:
operações com inteiros.
÷3 +5 ×(−4)
3 −→ 1 −→ 6 −→ −24
Exemplo 1 (Banco de questões OBMEP - 2010). Complete ↓÷6
os quadradinhos com os números 1, 2, 3, 5 e 6. ÷8 −18 +8
?? ←− −14 ←− 4 ←− −4
( +  − ) ×  ÷  = 4. o que não funciona, porque não podemos dividir −14 por
8 no conjunto dos inteiros.
Solução. A configuração ( +  − )×÷ = 4 é equi- Começando com 6, temos
valente a ( +  − ) ×  = 4 × . Como os números que
podem ser colocados nos quadradinhos são todos inteiros, ÷3 +5
6 −→ 2 −→ 7 −→ −28,
×(−4)

EP
concluı́mos que o lado esquerdo da última igualdade tem
que ser múltiplo de 4. mas −28 não é múltiplo de 6.
Com os números disponı́veis, as únicas possibilidades são Começando com 9, temos
( +  − )× 2 = 4 × 1 ou ( +  − )× 1 = 4 × 2 .
÷3 +5 ×(−4)
Assim, as únicas configurações possı́veis são 9 −→ 3 −→ 8 −→ −32

e −32 não é múltiplo de 6.


 
3 + 5 − 6 × 2 =4× 1
Considerando o próximo múltiplo de 3, que é 12, obte-

BM
ou mos
 
5 + 6 − 3 × 1 =4× 2 . ÷3 +5 ×(−4)
12 −→ 4 −→ 9 −→ −36
↑×6 ↓÷6
÷8 −18 +8
−2 ←− −16 ←− 2 ←− −6
Exemplo 2. Considere a seguinte cadeia, onde em cada
quadrado deve ser colocado um número inteiro. e, nesse caso, o ciclo se fecha e todos os números que apa-
recem são inteiros. É possı́vel mostrar que essa é a única
solução para o problema.
O
÷3 +5 ×(−4)

Exemplo 3 (Banco de questões OBMEP - 2010). Cada um


dos sinais , ⊞, ⊠, ⊟ e ⊡ representa um número de um
×(−6) ÷6 algarismo. Descubra quais são esses números e complete
o número que falta no cı́rculo em branco.
l

÷8 −18 +8
rta

× × ⊞ ÷⊡ ×⊟ +⊡⊠
47 423 282 1448

Figura 1: Uma cadeia de operações.


Figura 2: Sequência de operações.

As setas na figura 1 indicam a operação que deve ser feita


com o número situado no quadrado de onde parte a seta
Po

para que se obtenha o número situado no quadrado onde Solução: Para descobrir , note que 47 ×  = 423 e
chega a seta. Determine os números que devem ser colo- isso implica que  = 423 ÷ 47 = 9. Para descobrir ⊞ e
cados nos quadrados. ⊡, veja que (423 × ⊞) ÷ ⊡ = 282, o que é equivalente a
423 × ⊞ = 282 × ⊡. Simplificando, obtemos
Solucão. Comecemos observando que o número a ser co-
locado no quadrado situado no extremo superior esquerdo 3 × ⊞ = 2 × ⊡. (1)
da figura é, necessariamente, um múltiplo de 3, pois a seta Observando os três últimos cı́rculos, vemos que o número
que parte desse quadrado representa uma divisão por 3 a ser colocado no cı́rculo vazio deverá ser um múltiplo de
cujo resultado é um número inteiro. Pela mesma razão, 282 suficientemente próximo de 1448, mas menor do que
o número inteiro a ser colocado no quadrado situado no esse número, de modo que a diferença entre os dois seja um
extremo superior direito da figura deve ser um múltiplo de número de dois algarismos. Em particular, essa diferença
6. Podemos fazer algumas tentativas, colocando múltiplos é menor do que o número de três algarismos 282. Assim,
de 3 no quadrado situado no extremo superior esquerdo da
figura. 282 × ⊟ + ⊡⊠ = 1448

http://matematica.obmep.org.br/ 1 matematica@obmep.org.br
é a prova real da divisão de 1448 por 282, de forma que (c) Suponha que Pedro agora pode começar a brincadeira
⊟ é o quociente e ⊡⊠ é o resto dessa divisão. Fazendo a escrevendo um número negativo. Se ele escrever −5,
divisão, encontramos: ⊟ = 5 e ⊡⊠ = 38. Em particular, algum número positivo será escrito depois? Por quê?
⊡ = 3 e, de acordo com a igualdade (1), chegamos a ⊞ = 2.
Solução. (a) Se o número escrito por Pedro for ı́mpar,
Exemplo 4. O ponto P está sobre a reta orientada e ocupa então o número que Miguel escreverá deverá ser par. De
a posição indicada na figura 3. fato, Miguel deverá escrever o número 3n + 1. Como n
é ı́mpar, 3n também é ı́mpar, pois é o produto de dois
−3 P
ı́mpares. Logo, o número 3n + 1 escrito por Miguel é
12
| | | | | b | | | | | | | | | |
necessariamente par.

EP
Figura 3: Um ponto sobre a reta orientada. (b) Se um dos dois escreve o número 1, então os números
seguintes serão 4, 2, 1, 4, 2, 1, . . ., sendo esse padrão repe-
tido daı́ por diante. Assim, se o número 1 aparecer na
lista, então o número 5 não aparecerá depois dele.
(a) Determine o número inteiro que corresponde a P na
reta orientada. (c) A lista de números que começa com o número −5 é
−5, −14, −7, −20, −10, −5, etc., havendo repetição desses

BM
(b) O ponto A é simétrico de P em relação a −3 e o ponto
números daı́ por diante. Dessa forma, não há como apare-
B é o simétrico de P em relação a 12. Encontre a
cer algum número positivo na sequência.
distância entre A e B.
Observação 6. Se o valor inicial n for inteiro e positivo,
Solução. (a) Observando a figura 3, vemos que o número então, depois de um número finito de passos, a sequência
correspondente à posição do ponto P é cinco unidades obtida no Exemplo 5 sempre atinge o número 1? Essa
maior do que o número −3. Portanto, a posição do ponto pergunta, que teve sua origem em 1934, com o matemático
P corresponde ao número −3 + 5 = 2. alemão Lothar Collatz, ainda não foi respondida. Esse pro-
blema é chamado Problema de Collatz ou Problema 3n+ 1.
(b) Como são A e P são simétricos em relação a −3, a
O
distância entre A e P é o dobro da distância entre −3 e P ,
que é | − 3 − 2| = 5. Logo, a distância entre A e P é igual Dicas para o Professor
a 10. Da mesma forma, a distância entre P e B é o dobro
da distância entre P e 12, isto é, é igual a 2 × |12 − 2| = 20. Os exercı́cios dessa aula podem ser explorados em um
Assim, a distância entre A e B é igual à distância entre encontro de 50 minutos. Se você dispuser de mais tempo,
l
A e P mais a distância entre P e B, ou seja, é igual a pode explorar em um outro encontro de 50 minutos o “pro-
10 + 20 = 30. blema 3n + 1”, citado na 6, que se relaciona com o exem-
rta

plo 5. Mais informações sobre esse problema podem ser


Exemplo 5. Pedro e Miguel estão brincando com números. encontradas na sugestão de leitura complementar número
A brincadeira consiste no seguinte: Pedro escreve um 3. Esse exemplo é interessante porque o aluno pode ter
número natural qualquer n. contato com um problema em aberto cujo enunciado é
(1) Se n for par, Miguel escreve ao lado o número n/2; perfeitamente compreensı́vel. Isso reforça a ideia de que
a Matemática é um campo de estudo vivo, onde há ainda
(2) Se n for ı́mpar, Miguel escreve ao lado o número 3n + muito a descobrir.
Po

1.
Sugestões de Leitura Complementar
Em seguida, Pedro faz o mesmo com o número escrito
por Miguel e o processo se repete, formando uma lista de 1. Elon Lages Lima. Meu Professor de Matemática e ou-
números. Por exemplo, se o primeiro número escrito por tras histórias. Rio de Janeiro, Editora S.B.M., 1991.
Pedro for 10, então os primeiros nove números da lista
serão 10, 5, 16, 8, 4, 2, 1, 4, 2. Pergunta-se: 2. E. de Alencar Filho. Teoria Elementar dos Números.
São Paulo, Nobel, 1989.
(a) Se, em algum momento, o número escrito por Pedro
for ı́mpar, o número que Miguel vai escrever poderá 3. Klee, V. e Wagon, Stan. Old and New Unsolved
ser ı́mpar? Problems in Plane Geometry and Number Theory.
Dolciani Mathematical Expositions, 11, Washington,
(b) Se, em algum momento, Miguel (ou Pedro) escrever o MAA, 1991.
número 1, algum dos dois poderá depois disso escrever
o número 5? Por quê?

http://matematica.obmep.org.br/ 2 matematica@obmep.org.br