Vous êtes sur la page 1sur 6

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

ENGENHARIA DE ALIMENTOS
MATÉRIAS PRIMAS E AGOPECUÁRIAS
PROFESSOR GUILHERME BENKO DE SIQUEIRA

SISTEMA DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA: AGRICULTURA TRADICIONAL E


AGROECOLOGIA

Dhayna Oliveira Sobral

PALMAS - TO
2017
De acordo com a Embrapa, o sistema de produção agrícola é composto pelo
conjunto de sistemas de cultivo e/ou de criação no âmbito de uma propriedade
rural, definidos a partir dos fatores de produção (terra, capital e mão-de-obra) e
interligados por um processo de gestão sendo classificados pela complexidade
e pelo grau de interação entre os sistemas de cultivo e/ou de criação, que
formam tais sistemas de produção. Além disso, caracterizam-se por formar um
fenômeno ou entidade em constante busca do equilíbrio (BENKO, 2006).
Dentre eles é possível destacar a agricultura tradicional e a agroecologia.

A agricultura passou por várias revoluções agrícolas, que visavam diminuir as


restrições do meio ambiente e necessidade de trabalho (ASSIS & ROMEIRO,
2002). A agricultura moderna, a partir dos anos 50, priorizou um modelo
tecnológico com base no uso intensivo da mecanização, adubos minerais de
alta solubilidade e agrotóxicos, denominado de revolução verde (KAMIYAMA et
al., 2011), período no qual, a agricultura se desenvolveu expressivamente
causando, via de regra, impactos ao meio ambiente (BARBOZA et al., 2012).

Dessa forma é possível definir a agricultura tradicional, ou convencional, como


um modelo extensivo bastante influenciado pelos limites do clima e do solo,
com baixa produtividade sendo considerado altamente dependente de insumos
externos, como fertilizantes químicos e agrotóxicos (ADL et al., 2011), que
podem, quando utilizados de forma inadequada, provocar contaminação de
solos, água e ar, além de causar resistência de pragas e aumento das
emissões de gases de efeito estufa (TSCHARNTKE et al., 2012) para aumentar
sua produção, precisa incorporar novas áreas, já que possui baixa quantidade
de técnica e capital.

Visando minimizar os impactos sociais, econômicos e, principalmente, os


ambientais ocasionados pela revolução verde, surge a agroecologia, se
contrapondo ao sistema convencional e enfocando a agricultura sob uma
perspectiva ecológica (LIMA & CARMO, 2006). A partir deste ponto, a pesquisa
em agroecologia passou a diagnosticar e propor alternativas de manejo
buscando a redução no uso de insumos químicos e práticas agrícolas
intensivas nos agroecossistemas produtivos.
A agroecologia usa a teoria ecológica para avaliar e gerir os sistemas agrícolas
para que eles sejam produtivos, sustentáveis e que otimizem o uso dos
recursos locais, cultivando a fertilidade do solo de maneira biológica e a
regulação natural de pragas, através da promoção da biodiversidade, enquanto
minimizam os impactos ambientais e socioeconômicos negativos das
tecnologias modernas.

O sistema de produção agroecológica é um importante instrumento na


implementação de estratégias para o cultivo de diversas culturas consorciadas,
com baixa dependência de insumos externos, ou seja, a agroecologia atua de
forma sustentável. Assim, são, portanto, conservadores dos recursos naturais
renováveis e econômico no uso de recursos naturais não renováveis como o
petróleo, potássio, fósforo, e outros elementos. Esses fatores contribuem para
que o balanço energético seja positivo, ao contrário do que ocorre na
agricultura convencional.
Fluxograma das etapas da agricultura convencional

Planejamento:
- Capital
- Uso de máquinas
- Insumos externos (maior
utilização)
- Seleção da área

Colheita :
Manejo da área :
- Mecanizada
- Desmatamento e
Pós colheita : queimadas = perda de
- Classificação , embalagem nutrientes do solo
e distribuição

Caso haja problemas: Semeadura e adubação:


- Controle fitossanitário - Semeio por meio de máquinas
(uso de herbicidas e - Monocultura (alta
aditivos químicos) produtividade)
- Solução em produtos de - Adubação química
origem química (fertilizantes e agrotóxicos)
Fluxograma das etapas da agroecologia

Planejamento:
- Capital
- Mão de obra
- Insumos (uso reduzido)
- Seleção da área

Colheita :
- Manual ou semi-mecanizada Manejo da área :
Pós colheita : - Preparo do solo
- Classificação , embalagem e - Calagem
distribuição

Caso haja problemas: Semeadura e adubação:


- Não há uso de herbicidas -Semeio direto ou transplantio de
mudas;
- Solução em processo
- Produção diversificada
- Controle fitossanitário
- Adubação de base e cobertura
- Rotação de cultura
(sem uso de adubação química)
-Adubação verde
-Prudução de húmos = fertilidade
- Compostagem natural da área
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ROSSET, J.s. et al. Agricultura Convencional versus Sistemas Agroecológicos:


Modelos, Impactos, Avaliação da Qualidade e Perspectivas. Scientia Agraria
Paranaensis, [s.l.], v. 13, n. 2, p.80-94, 30 jun. 2014. Revista Scientia Agraria
Paranaensis. http://dx.doi.org/10.18188/1983-1471/sap.v13n2p80-94.

HIRAKURI, Marcelo Hiroshi et al. Sistemas de Produção: conceitos e


definições no contexto agrícola. Londrina - Pr: Embrapa Soja, 2012.

NOGUEIRA, Eduardo. A agricultura e seus modelos produtivos. 2016.


Disponível em: <https://descomplica.com.br/blog/geografia/a-agricultura-e-
seus-modelos-produtivos/>. Acesso em: 06 set. 2017.

BENKO, Guilherme. MATÉRIAS PRIMAS AGROPECUÁRIAS: Conceitos


Básicos. UFT Palmas - TO, 2013.

ASSIS, Orlando; LIZARELLI, Paulo Henrique; KRIECK, Renato da Silveira. CURSO


DE AGROECOLOGIA. 2013. Disponível em:
<http://www.cpra.pr.gov.br/arquivos/File/Capacitacao_Agroecologia/2oModARCAFAR
ApostilaCompletaRevisao1.pdf>. Acesso em: 07 set. 2017.