Vous êtes sur la page 1sur 9

FACULDADE PITÁGORAS – UNIDADE DIVINÓPOLIS

ANA CÉLIA SILVA RIBEIRO ANDRADE


BRUNA KAROLINE GUIMARÃES
GLAUBER JÚLIO DE SOUZA DIAS
GREICE KELLY DE SOUZA DIAS
ILMA CRISTINA XAVIER LOPES
KAROLINE ALVES
LETÍCIA RODRIGUES NOGUEIRA
THAIS NOEMI DE ASSIS

TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA (TAG)

DIVINÓPOLIS
2018
FACULDADE PITÁGORAS – UNIDADE DIVINÓPOLIS

ANA CÉLIA SILVA RIBEIRO ANDRADE


BRUNA KAROLINE GUIMARÃES
GLAUBER JÚLIO DE SOUZA DIAS
GREICE KELLY DE SOUZA DIAS
ILMA CRISTINA XAVIER LOPES
KAROLINE ALVES
LETÍCIA RODRIGUES NOGUEIRA
THAIS NOEMI DE ASSIS

TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA (TAG)

Trabalho apresentado ao Curso de Psicologia da


Faculdade Pitágoras Divinópolis, para a disciplina
Matrizes do Pensamento em Psicologia - Cognitiva
Comportamental.

Professora: Rhaisa Gontijo Soares

DIVINÓPOLIS
2018
TRANSTORNO DE ANSIEDADE GENERALIZADA (TAG)

1. Introdução

O transtorno de ansiedade generalizada é muito frequente, caracterizado pelo paciente


possuir ansiedade e preocupações excessivas, sendo incapacitantes. O transtorno de ansiedade
generalizada (TAG) é entendido como um transtorno multidimensional, com três sistemas de
ansiedade.
O indivíduo com TAG tem uma percepção de elevado perigo ou ameaça: a
superestimação da ocorrência do perigo esta associada a uma percepção de baixa capacidade
de lidar com essa ameaça. Destaca-se a preocupação, a apreensão constante em relação ao
futuro.
No decorrer do trabalho iremos explicar um pouco mais sobre o transtorno de
ansiedade generalizada.

2. Definição de Transtorno de Ansiedade Generalizada

O transtorno de ansiedade generalizada (TAG), conhecido também como perturbação


de ansiedade generalizada ou desordem de ansiedade generalizada caracteriza-se por um
estado de ansiedade excessiva persistente que não depende do contexto e é desproporcional
aos fatos. É um transtorno multidimensional, definido por três sistemas de ansiedade: o
fisiológico, o cognitivo, e o comportamental. Esse transtorno consiste em ansiedade e
preocupação excessiva com diversos eventos ou atividades, ocorrendo todos os dias por seis
meses, sendo que o indivíduo não consegue controlar a preocupação. Esses sentimentos vêm
acompanhados de sintomas como inquietação, tensão muscular, entre outros. Essa
preocupação excessiva interfere na vida de quem sofre da doença em diversas atividades,
(como profissional, social e acadêmica), antecipam desastres e estão superpreocupadas com
questões da vida, como saúde, dinheiro, morte, problemas de família, problemas sociais, etc.
Este transtorno pode trazer muitas dificuldades para o dia-a-dia, uma vez que o
estresse constante pelo qual o paciente passa acaba drenando suas energias. O indivíduo pode
ter problemas para se concentrar, sentir irritabilidade e até mesmo ser abatido por uma fadiga
extrema e debilitante.
Contudo, diferente do que acontece com a maioria das pessoas, esses indivíduos
simplesmente não conseguem se desligar dessas preocupações, e as sentem mesmo quando
não há qualquer sinal de perigo iminente.
Os indivíduos que tem TAG sentem o tempo inteiro, que irá acontecer uma coisa ruim
a qualquer momento e ele terá dificuldades em dar a volta por cima.
A ansiedade é uma reação normal diante de situações que podem provocar medo,
dúvida ou expectativa. É considerada normal a ansiedade que se manifesta nas horas que
antecedem uma entrevista de emprego, a publicação dos aprovados num concurso, o
nascimento de um filho, uma viagem a um país exótico, uma cirurgia delicada, ou um revés
econômico. Nesses casos, a ansiedade funciona como um sinal que prepara a pessoa para
enfrentar o desafio e, mesmo que ele não seja superado, favorece sua adaptação às novas
condições de vida.
O transtorno da ansiedade generalizada pode afetar pessoas de todas as idades, desde o
nascimento até a velhice. Em geral, as mulheres são um pouco mais vulneráveis do que os
homens.
O diagnóstico do TAG leva em conta a história de vida do paciente, a avaliação clínica
criteriosa e, quando necessário, a realização de alguns exames complementares.

3. A terapia cognitivo comportamental e TAG

Segundo Range, a psicoterapia cognitivo comportamental pode ser definida como uma
ajuda psicológica baseada em uma ciência e uma filosofia do comportamento que se
caracteriza por uma concepção naturalista e determinista do comportamento humano, pela
adesão a um empirismo, a uma metodologia experimental como suporte e uma atitude
pragmática, referente aos modelos psicológicos.

Antes de engajar o cliente em determinada técnica da terapia cognitiva, é importante


auxiliá-lo a identificar a relação entre os pensamentos e a ansiedade. Inicialmente é
necessário, junto com o cliente, identificar se os indícios podem ser internos ou externos. Os
indícios internos são emoções, imagens, pensamentos, sensações corporais, comportamento.
Os indícios externos estão relacionados a eventos do meio em que o individuo vive, como as
demandas no serviço, comentários feitos por outras pessoas, etc. Então em um primeiro
momento, a terapia visa a detecção dos indicativos iniciais de ansiedade, pois estes com
freqüência levam a formação de um ciclo relacionado a ansiedade.
O transtorno de ansiedade generalizada possui três sistemas de ansiedade: fisiológico,
cognitivo e comportamental. De acordo com as características de transtorno (ansiedade
intensa e preocupação incontrolável), dois aspectos importantes a considerar na intervenção
terapêutica do TAG são a preocupação excessiva e incontrolável e a hiperexcitabilidade
persistente, que consiste em manifestações físicas incontroláveis relacionadas a tensão.

A psicoterapia visa propiciar aos pacientes o desenvolvimento de estratégias efetivas


para lidarem com os sintomas da ansiedade.

O terapeuta pode auxiliar o cliente a identificar os indicativos precoces de ansiedade


solicitando que ele descreva detalhadamente alguma situação que tenha gerado preocupações
e, a partir disso, os pensamentos, as imagens, as emoções e as sensações corporais percebidas.

É proposto um protocolo de tratamento com duração de 12 a 15 sessões individuas,


com uma hora de duração, com freqüência semanal (exceto as duas ultimas sessões, que
ocorrem com freqüência quinzenal.) com esse protocolo, são oferecidos diferentes
componentes de tratamento que se dirigem a cada um dos três sistemas de ansiedade:

• Cognitivo: reestruturação cognitiva.

• Comportamental: prevenção do comportamento de preocupação, solução de


problemas e manejo de tempo.

• Fisiológicos: treinamento em relaxamento muscular progressivo.

Ressalta-se que a preocupação constante dos indivíduos com TAG caracteriza se por
uma tendência a interpretar as situações ambíguas como ameaçadoras, a estimar de forma
elevada o risco e a considerar as situações ambíguas negativas.

O processo terapêutico da TCC é trabalhado por fases: estruturação da terapia,


diagnostico funcional, planejamento terapêutico, implementação do plano terapêutico e
avaliação continua dos resultados. Para a realização do planejamento e a aplicação de
estratégias especificas, é necessário realizar avaliação funcional do problema do cliente,
considerando as particularidades de cada paciente.

A terapia busca corrigir tais distorções cognitivas, mas para isso é necessário treinar a
identificação dos pensamentos automáticos ou imagens, testar a validade dos pressupostos no
passado, e presente, identificarem os erros cognitivos e as imagens provocadas de ansiedade e
desenvolver formas para a resolução de problemas.
A ansiedade e preocupação estão associadas a três ou mais dos seguintes sintomas:
inquietação, fatigabilidade, dificuldade de concentração, irritabilidade, tensão muscular,
perturbação do sono. Ressalta se que pelo menos um desses sintomas esteve presente na
maioria dos dias nos seis meses anteriores, sendo que eles não podem ser devidos ao efeito de
uma substancia, a uma condição clinica ou a outro transtorno psiquiátrico.
A ansiedade domina o pensamento da pessoa, interferindo no funcionamento diário,
incluindo o trabalho, a escola, as atividades sociais e os relacionamentos.

4. Principais sintomas da Ansiedade Generalizada

O Transtorno de Ansiedade Generalizada afeta a forma como uma pessoa pensa, mas a
ansiedade também pode levar a sintomas físicos. A ansiedade generalizada ocorre quando
uma pessoa encontra dificuldade para controlar o medo, durante vários dias, por um período
superior a seis meses. Além disso, é preciso apresentar três ou mais sintomas de da lista
abaixo:

• Preocupações e medos excessivos

• Visão irreal de problemas

• Inquietação ou sensação de estar sempre “nervoso”

• Irritabilidade

• Tensão muscular

• Dores de cabeça

• Sudorese

• Dificuldade em manter a concentração

• Náuseas ou queimação no estômago

• Necessidade de ir ao banheiro com freqüência

• Fadiga e sensação de cansaço constante

• Dificuldade para dormir ou manter-se acordado

• Surgimento de tremores e espasmos


Frequentemente os indivíduos apresentam histórico de ansiedade ao longo da vida;
uma grande porcentagem de indivíduos com TAG não sabe informar a idade de inicio dos
sintomas, ou coloca como um remoto inicio na infância.
Na população idosa, são descritas características relacionadas ao transtorno de
ansiedade generalizada com maior ênfase nos sintomas somáticos da ansiedade que nos
elementos cognitivos. Além disso, o conteúdo das preocupações parece variar entre idosos e
os indivíduos mais jovens.

Sintomas Fisiológicos:
• Náuseas, Diarréia e Dores no Estômago
• Tensão Muscular, Dores no Corpo
• Problemas para dormir
• Inquietação

Sintomas Cognitivos:
• Magnificação de Riscos
• Minimização de recursos
• Pensamento Dicotômico (Tipo Tudo ou Nada)
• Personalização
• Atenção Seletiva
• Supergeneralização

Sintomas Comportamentais
• Incapacidade de relaxar
• Dificuldade em expressar-se
• Dificuldade em se concentrar, não consegue ter foco

5. Fatores Desencadeantes

O principal fator desencadeante no transtorno de ansiedade generalizada é a


preocupação excessiva, alimentar as preocupações e pensamentos negativos é prejudicial para
o indivíduo.
A preocupação é auto gerada, e muitas vezes o próprio diálogo interno negativo é o
que torna os níveis de ansiedade da pessoa intolerável.
Acredita-se que o transtorno de ansiedade generalizada esteja diretamente relacionada
a alguns neurotrnasmissores que ocorrem naturalmente em nosso cérebro, por exemplo, a
serotonina, dopamina, e norepinefrina. Outros fatores que podem vim a desencadear a doença
é a genética e fatores externos, como o estresse do cotidiano, e a qualidade de vida.

6. Conclusão

O transtorno de ansiedade generalizada é um transtorno sobre ansiedade e


preocupações em excesso, e merece atenção do terapeuta e do indivíduo para tentarem juntos
encontrar uma solução para o problema.

No transtorno de ansiedade generalizada, segundo Borkovec e Hu, a preocupação pode


funcionar como um reforçador negativo, diminuindo a reatividade fisiológica ao
processamento emocional. Pessoas com TAG apresentam uma tendência a avaliar
negativamente informações neutras ou ambíguas.

É muito importante o indivíduo ao começar sentir-se muito negativo e alguns dos


sintomas citados acima procurar o terapeuta, e procurar encontrar a relação entre os
pensamentos e a ansiedade.

Portanto, é preciso que no dia-a-dia as pessoas procurem obter boa qualidade de vida,
evitando os desprazeres e o estresses da vida.
REFERÊNCIAS

BROWN, T.A,; O’LEARY, T.A.; BARLOW, D. Transtorno da ansiedade generalizada.


In: BARLOW, D. Manual clinico dos transtornos psicológicos. 2d. Porto Alegre: Artmed,
1999.

KNAAP, P. Terapia cognitivo-comportamental na prática psiquiátrica. Princípios


fundamentais da terapia cognitiva. Porto Alegre, Artmed, 2004. Cap. 01, p.23.

RANGÉ, B. Psicoterapia comportamental cognitiva: transtornos psiquiátricos.


Campinas: Psy II, 1995.