Vous êtes sur la page 1sur 11

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica


Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Diretoria de Pesquisa e Inovação

Projeto de Pesquisa

Nº de Estudantes: 3

1. Instruções
a. O projeto de pesquisa para ser desenvolvimento pelo estudante deverá ser planejado para um período de
vigência de 12 meses.
b. Na DISCRIMINAÇÃO ORÇAMENTÁRIA deverá constar uma relação completa das despesas de custeio (consumo
e investimento), deixando EXPLÍCITA a fonte do recurso, sob pena de DESCLASSIFICAÇÃO do projeto.
c. Os dados devem ser preenchidos utilizando fonte arial, tamanho 10.
d. Em NENHUMA parte do projeto deverá constar o nome da equipe, núcleo de pesquisa, etc, ou quaisquer item
que possa identificar os autores.
e. Numero máximo de paginas – 14.
f. O arquivo deve ser salvo em formato pdf

Indicação do perfil de cada estudante


Curso Período que está Cursando

Curso Técnico integrado em Mecânica 2º Ano

Titulo
(Não deverá aparecer os nomes dos proponentes e membros do projeto)

PROJETO, CONSTRUÇÃO E ANÁLISE DE DESEMPENHO DE COLETORES USANDO GARRAFAS


PETS

Palavras-chave (mínimo 3 e máximo 6 palavras – separadas por vírgula)


coletor solar , aquecedor, Energia solar, Fontes Renováveis de Energia, Sustentabilidade, Baixo Custo.

Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás


Av. Assis Chateaubriand, nº 1.658, Setor Oeste. CEP: 74.130-012. Goiânia-GO 1
Fone: (62) 3612-2200
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Diretoria de Pesquisa e Inovação

Resumo (máximo 300 palavras – em um único parágrafo)


Apresenta-se um sistema de aquecimento de água através do uso da energia solar, trabalhando em
regime de termossifão, constituído por um coletor alternativo e um reservatório armazenador de água
também alternativo, cuja principal finalidade é socializar o uso da energia principalmente para ser utilizada
por populações de baixa renda. Os coletores serão construídos a partir da utilização de garrafas PET,
latas de refrigerantes e tubos de PVC, e os reservatórios térmicos a partir de um tambor de polietileno
utilizado para armazenamento de água. Tais coletores são formados por apenas três elementos: garrafa
PET, latas e tubos absorvedores. As unidades de aquecimento que formam o coletor contém em seu
interior as latas que podem estar fechadas, vazadas ou em forma de aletas. Serão apresentados dados
de rendimento e perda térmicos que demonstram a eficiência do sistema de aquecimento proposto
mostrando que tal sistema de aquecimento alternativo, que tem como principal característica seu baixo
custo, apresenta viabilidades térmica, econômica e de materiais.

Apresentação/Justificativa (máximo 3 páginas)


(Descrição objetiva, com o apoio de literatura citada no texto, do problema focalizado, importância e relevância no contexto
da área inserida e justificativa do projeto)
O Sol é responsável pela origem de praticamente todas as outras fontes de energia, em outras
palavras, as fontes de energia são, em última instância, derivadas da energia do Sol. O Sol fornece
anualmente 1,5 x 1018 kWh de energia para a atmosfera terrestre, correspondendo a 10000 vezes o
consumo mundial de energia no mesmo período de tempo. (QUEIROZ, 2005).
Segundo o Balanço Energético Nacional (BEN) de 2003, 42 % do consumo de energia elétrica no
Brasil é direcionado para o setor de edificações (Varella, 2004). O setor residencial responde por 23 % do
consumo nacional de energia e o consumo do chuveiro elétrico é o segundo maior em uma residência.
Sua utilização atinge o horário de pico das 18:00 às 19:00 horas, correspondendo a 8,5 % da demanda
nacional de energia neste horário (Varella, 2004). Estes dados apontam a importância da substituição da
fonte térmica elétrica pela fonte solar para a obtenção de água quente principalmente em tempo de
utilização prioritária racional de energia.
A substituição da energia elétrica pela energia solar para a geração de água quente será um dos
pontos importantes do projeto, pois um dos vilões de maior gasto de energia em residências é o chuveiro
elétrico. Sendo um projeto acessível, seria interessante a fabricação em uma grande escala, beneficiando
as pessoas de baixa renda e conscientizando que a energia solar (energia natural) pode nos beneficiar
muito, e que podemos aos poucos ir descartando meios de energia poluente para a natureza.
Os dispositivos solares utilizados para a produção de água quente são os coletores que podem ser
divididos em dois grupos os convencionais e os alternativos, sendo os planos mais utilizados. Tais
coletores geralmente são constituídos por tubos absorvedores de cobre, chapa absorvedora de cobre ou
alumínio, cobertura de vidro e isolamento térmico de lã de vidro e a grade absorvedora confeccionada na
configuração em paralelo. Os sistemas de aquecimento convencionais são de preço ainda relativamente

Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás


Av. Assis Chateaubriand, nº 1.658, Setor Oeste. CEP: 74.130-012. Goiânia-GO 2
Fone: (62) 3612-2200
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Diretoria de Pesquisa e Inovação

caro, não estando acessível à maioria da população.


Coletores alternativos são aqueles que diferem em geometria, materiais e elementos constituintes em
relação aos usados na confecção dos coletores convencionais. O principal objetivo do estudo de coletores
alternativos é a redução do custo de fabricação uma vez que o custo dos mesmos representa 50% do
custo total de investimento para a aquisição de um sistema solar para aquecimento de água.
Quando se opta pelo uso do plástico como elemento absorvedor e condutor tem-se que investigar os
efeitos das degradações térmica e por ultravioleta. Souza, 2002, demonstrou que essas degradações
causam danos apenas microestruturais aos tubos, não comprometendo a sua macroestrutura. Essa
constatação não inviabiliza, portanto, o uso de tubos de PVC como elementos absorvedores e condutores
de radiação solar.
Com a ênfase dada à questão ambiental, que atinge caráter de imprescindibilidade quando se busca
meios de amenizar os efeitos do nefasto aquecimento global, o mundo desenvolvido prioriza a utilização
das energias limpas e renováveis.
O aquecimento de água através da utilização de coletores solares tem representado, juntamente com
as células fotovoltáicas, conversoras da energia solar em eletricidade, uma das aplicações mais viáveis de
utilização, tanto residencial quanto industrial .
O Brasil é um país privilegiado em relação ao potencial de energia solar disponível e a região
nordeste apresenta um potencial médio em torno de 600 W/m², chegando a picos em torno de 1000 W/m²
Os valores máximos de irradiação solar, no Atlas Brasileiro de Energia Solar, são observados a oeste
da região Nordestina, incluindo parcialmente o norte de Minas Gerais, nordeste de Goiás e o sul de
Tocantins. A cidade de Valparaiso de Goiás tem todas as condições solarimetricas para o bom
aproveitamento da energia solar, sendo assim um local indicado para testes no protótipo proposto por
esse projeto.
Cristofari et al., propuseram em 2002, estudar um novo material para a caixa do coletor, que se
caracteriza por ter baixa condutividade térmica, ser mais resistente à corrosão, ter baixo peso e menor
custo; por ter uma geometria retangular de passagem de fluxo para aumentar sua rigidez; e por utilizar
uma nova metodologia de cálculo onde a capacidade calorífica de vários componentes é levada em conta,
permitindo uma simulação dinâmica do comportamento do sistema.
Souza (2004) estudou comparativamente dois tipos de coletores, um alternativo e outro plano
convencional, demonstrando a competitividade do alternativo com grade absorvedora constituído por
múltiplos tubos de PVC em relação ao coletor plano convencional com tubos de cobre.
Souza (2006) estudou um sistema de aquecimento alternativo de baixo custo composto por um
coletor solar alternativo e um reservatório térmico alternativo. O coletor tinha grade absorvedora de PVC e
o reservatório foi confeccionado a partir de um tambor de polietileno de 200 litros, revestido por material
compósito a base de gesso, EPS triturado e água. Demonstrou-se as viabilidades térmica, econômica e de
materiais do sistema em estudo.
Souza (2007) estudou um sistema de aquecimento alternativo constituído por um coletor com grade
absorvedora de tubos de PVC ligados em paralelo através de tês de PVC de mesmo diâmetro e um
reservatório térmico alternativo construído a partir de um tambor de polietileno revestido por um cilindro
confeccionado em fibra de vidro. Demonstrou-se as viabilidades térmica, econômica e de materiais do
sistema em estudo.
Um outro sistema de aquecimento alternativo a baixo custo com o objetivo de socializar o
aquecimento solar de água foi construído no Centro Incubador de Empresas Tecnológicas – CIETEC/SP
em 1999, e recebeu o nome de Coletor Solar de Baixo Custo- ASBC. O ASBC tem coletores similares aos
usados em piscinas, não possuindo, portanto, cobertura transparente (Varella, 2004).

Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás


Av. Assis Chateaubriand, nº 1.658, Setor Oeste. CEP: 74.130-012. Goiânia-GO 3
Fone: (62) 3612-2200
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Diretoria de Pesquisa e Inovação

Figura 1. Coletores ASBC e Coletor PET em teste (COSTA, 2007).

O funcionamento de um aquecedor solar é muito simples. O efeito estufa gerado pela transformação
da energia absorvida pela grade absorvedora é o responsável pelo aquecimento da água. A água fria no
fundo do reservatório entra no coletor, aquece-se, diminui sua densidade e flui em direção a saída do
coletor, voltando para o reservatório térmico. Esse processo de circulação natural só é cessado quando a
água do reservatório estiver na mesma temperatura da água no interior do coletor ou quando a radiação
solar incidente for insuficiente para promover o gradiente térmico necessário à sua circulação.
A única diferença dos aquecedores convencionais representa-se pelos materiais utilizados na
fabricação. O aquecedor solar de recicláveis também apresenta outras vantagens, que vai além do baixo
custo de sua construção e de sua facilidade de montagem. Um aquecedor convencional custa em torno
de 2.000 a 2.500 reais, pois inclui materiais mais sofisticados e eficientes e mão de obra especializada
para sua instalação; já o aquecedor com recicláveis necessita apenas de R$ 300,00 para ser montado,
posto que os materiais básicos sejam garrafas PET de 2 litros, latas de refrigerante, obtidas após o
consumo, e tubos de PVC, únicos materiais realmente a serem comprados.
O aquecedor solar com recicláveis tem um sistema semelhante ao aquecedor convencional. É
formado por colunas compostas de tubos PVC e revestidas por garrafas PET e latas de refrigerantes,
ambos pós-consumo, e seu funcionamento também se baseia no termosifão, pois este método é o que
melhor se adapta a aparelhos simples. À medida que a água esquenta sobe pelas colunas do
aquecedor/coletor, seguindo a tubulação, e regressa à parte superior do reservatório, enquanto que a
água fria por ser mais pesada flui para a parte inferior do coletor mantendo o aquecedor sempre cheio de
água e fechando o ciclo de aquecimento. Assim, cada vez que a água deixa a caixa de água e percorre o
aquecedor, ela aquece 10 ºC, o que permite que uma exposição das 10h00min às 16h00min horas atinja
uma temperatura de 52 ºC no verão e 38 ºC no inverno (ALANO, 2008).
Demonstra que é possível através da criatividade e da reutilização de materiais recicláveis produzir um
aquecedor solar, onde além de evitar o descarte desses resíduos, proporciona a economia de energia
elétrica para aquecer água, obtendo um ganho econômico, social e ambiental, como consta nos objetivos
do desenvolvimento sustentável. (ALANO, 2008)
Com o desenvolvimento desse projeto a população poderá ser beneficiada com a redução de custos
econômicos na conta de energia, visto que o aquecedor solar e voltado para o aquecimento de água que
seria utilizado no chuveiro sendo este um dos maiores consumidores de energia elétrica em uma
residência.

Objetivos (máximo 1 página)


- Objetivo Geral (refere-se a uma visão abrangente do problema)
Comprovar as viabilidades térmica, econômica e de materiais de coletores alternativos que utilizam

garrafas PET como elementos geradores de efeito estufa e tubos de PVC como elementos absorvedores

Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás


Av. Assis Chateaubriand, nº 1.658, Setor Oeste. CEP: 74.130-012. Goiânia-GO 4
Fone: (62) 3612-2200
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Diretoria de Pesquisa e Inovação

de radiação e condutores de calor.

- Objetivos Específicos (aborda questões particulares do objetivo geral)

1. Utilizar conceitos de transferência de calor para determinar a construção e eficiência do


aquecedor solar proposto;
2. Estudar o processo de conversão da energia solar em energia térmica;
3. Projetar e construir modelos de coletores alternativos utilizando garrafas PET e latas de refrigerantes;
4. Descrever e analisar todas as etapas do seu processo construtivo;

5. Ensaiar o aquecedor solar construído, comparar os resultados entre os vários tipos de coletores da
literatura;

6. Demonstrar as facilidades de montagem, desmontagem e transporte do protótipo construído;

7. Inserção da comunidade e projetos de extensão existentes no IFG como forma de integração de


conhecimentos e saberes.

Material e métodos (máximo 3 páginas)


(Deve conter uma descrição breve, porém suficiente para possibilitar a repetição da pesquisa. Os materiais utilizados, bem
como a metodologia da pesquisa, sua condução e análise devem ser descritas com clareza e precisão. Os processos e
técnicas já publicados e amplamente conhecidos são referenciados por citação)
Os dispositivos solares utilizados para a produção de água quente são os coletores que podem
ser divididos em dois grupos os convencionais e os alternativos, sendo os planos mais utilizados. Tais
coletores geralmente são constituídos por tubos absorvedores de cobre, chapa absorvedora de cobre ou
alumínio, cobertura de vidro e isolamento térmico de lã de vidro e a grade absorvedora confeccionada na
configuração em paralelo.

Os sistemas de aquecimento são geralmente constituídos por mais de um coletor, ligados


geralmente em paralelo, trabalhando em regime de termossifão ou fluxo forçado; por um armazenador
térmico geralmente de cobre ou inox e de tubos para a condução de calor, geralmente o CPVC. Tais
sistemas são de preço ainda relativamente caro, não estando acessível à maioria da população.
Basicamente, um coletor solar plano fechado é constituído por:

a) Caixa externa

Nos coletores solares convencionais são geralmente fabricados em perfil de alumínio, chapa
dobrada ou material plástico e que suporta todo o conjunto. No coletor proposto não possui esse elemento
no projeto, reduzindo o custo, sem comprometer o desempenho.

b) Isolamento térmico

É o elemento utilizado para minimizar as perdas de calor para o meio, fica em contato direto com a
caixa externa, revestindo-a. Os materiais isolantes mais utilizados na indústria nacional são: lã de vidro ou

Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás


Av. Assis Chateaubriand, nº 1.658, Setor Oeste. CEP: 74.130-012. Goiânia-GO 5
Fone: (62) 3612-2200
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Diretoria de Pesquisa e Inovação

de rocha e espuma de poliuretano. Vamos utilizar o EPS(isopor) que seria descartado para o lixo, além de
baixo custo ainda é ecologicamente correto seu aproveitamento, pois evita que esse material ocupe
grandes espaços nos lixões.

c) Tubos (flauta / calhas superior e inferior)

São tubos interconectados através dos quais o fluido escoa no interior do coletor. Normalmente, a
tubulação é feita de cobre devido à sua alta condutividade térmica e resistência à corrosão. Vamos utilizar
tubos de PVC, que vem sendo muito usado em vários estudos recentes e também vamos usar tubos de
metal rígidos que eram usados em eletrodutos que antigas construções.

d) Placa absorvedora (aletas):

Responsável pela absorção e transferência da energia solar para o fluido de trabalho. As aletas
metálicas, em alumínio ou cobre, são pintadas de preto fosco ou recebem tratamento especial para
melhorar a absorção da energia solar. No projeto proposto as aletas serão feitas de material reciclado,
qual seja, latas de cerveja e refrigerantes.

e) Cobertura transparente:

Nos coletores tradicionais essa cobertura é geralmente de vidro, policarbonato ou acrílico que
permite a passagem da radiação solar e minimiza as perdas de calor por convecção e radiação para o
meio ambiente. No projeto proposto vamos usar dois tipos de garrafas PET pós-consumo que utilizaremos
na construção do aquecedor solar, dando preferência às garrafas transparentes (cristal) , elas vão servir
de cobertura transparente e também de como elemento gerador de efeito estufa.

f) Reservatórios térmicos

Os reservatórios térmicos convencionalmente utilizados em sistemas solares de aquecimento,


chamados boiler, são geralmente fabricados em aço inoxidável, cobre ou aço carbono, para volumes de
até 15 mil litros. Podem ser horizontais ou verticais, sendo constituídos por duas superfícies cilíndricas,
uma interna e outra externa, tendo entre as mesmas, um isolamento térmico, geralmente a lã de vidro.
Para esse trabalho vamos usar um tambor de polietileno de 200 litros que será revestido de um material
isolante que poderá ser EPS (isopor), poliuretano, com as devidas adaptações tais como boia para
controlar a vazão da água, válvulas de retenção e um chuveiro para simulações dos banhos quentes.

Para a Construção do sistema de aquecimento proposto nesse trabalho vamos seguir as


seguintes etapas:

1. Corte das garrafas de PET para montagem das unidades de aquecimento;

2. Lavagem das garrafas PET;

Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás


Av. Assis Chateaubriand, nº 1.658, Setor Oeste. CEP: 74.130-012. Goiânia-GO 6
Fone: (62) 3612-2200
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Diretoria de Pesquisa e Inovação

3.Corte dos tubos de PVC;

4. Corte e lavagem das latas para fabricação das aletas;

6. Pintura dos tubos absorvedores com tinta preto fosco esmalte sintético;

7. Pintura das aletas;

8. Confecção da estrutura para fixação do coletor;

9.Colocação dos tês de PVC nos tubos utilizando cola;

10. Encaixe no tubo das garrafas de PET cortada;

11. Fixação das aletas no tubo absorvedor através do uso de arame;

O processo de fabricação do reservatório alternativo proposto compreende as seguintes etapas:

1. Fazer adaptação do tambor de polietileno de 200 litros, utilizado como elemento base;

2. Colocação no fundo do tambor de tubulação para saída de água para os coletores;

3. Abertura dos furos para saída de água para consumo e entrada de água proveniente do(s)
coletor(es), utilizando serra copo;

4. Revestimento usando o isolante que pode ser EPS ou poliuretano, que vai depender da
demanda do local;

5. Confecção da tampa do reservatório utilizando molde de compensado.

Procedimento Experimental

Os parâmetros que melhor caracterizam a eficiência térmica de um coletor solar são o rendimento
térmico, a potência perdida e o coeficiente global de perdas. Para será preciso fazer uma serie de
medições de temperaturas de entrada e saída do fluido do coletor, as temperaturas internas e externas do
coletor, a temperatura dos tubos absorvedores, temperatura da água contida no reservatório e radiação
solar global. Será preciso também medir o tempo necessário para a uniformização da temperatura da
massa fluídica no reservatório térmico.

Será preciso ainda que os ensaios sejam realizados em dias com boas condições solarimétricas,
altos índices de radiação solar direta e global e baixa nebulosidade para permitir uma análise comparativa
mais real entre os vários dias de ensaio.

Descrição das atividades propostas para cada estudante

Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás


Av. Assis Chateaubriand, nº 1.658, Setor Oeste. CEP: 74.130-012. Goiânia-GO 7
Fone: (62) 3612-2200
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Diretoria de Pesquisa e Inovação

(Deve conter uma descrição breve, das atividades a serem desenvolvidas para cada estudante.)

Todos os estudantes trabalharão de forma conjunta executando as seguintes atividades:

• Levantamento bibliográfico contínuo: leitura e busca de dissertações e artigos de congressos


nacionais e internacionais;

• Desenho e arquitetura do design do aquecedor usando softwares como o autocad ;

• Construção e montagem do aquecedor solar;

• Estudar o processo de conversão da energia solar em energia térmica;

• Análise de parâmetros energéticos do aquecedor solar;

• Aferição de dados térmicos durante os testes de aquecimento de água;

• Otimização e ajustes do aquecedor solar;

• Interdisciplinaridade entre o projeto proposto, com alunos do campus, comunidade e projetos de


extensão.

• Relatório parcial do projeto.

• Trabalhos a serem publicados em congressos e feiras de ciências internas e externas ao campus.

• Relatório final do projeto.

• Desenvolvimento de habilidades práticas para montagem e projeto do sistema proposto.

• Utilização do aquecedor solar como ferramenta de incentivo a pesquisa na área tecnológica,


englobando principalmente a física, matemática e disciplinas da aera térmica do curso.

Resultados esperados (máximo 1 página)


(Deve descrever os resultados esperados com o desenvolvimento da pesquisa. Itens relacionados com a divulgação da
pesquisa também podem ser apresentados: produção de monografias, artigos, publicação de resumos em congressos e
outros encontros científicos, etc.)
Através dos resultados dos ensaios será possível verificar a viabilidade de utilização dos sistemas
de aquecimento propostos com coletores que utilizam unidades de aquecimento constituídas por
garrafas PET, Tubos de PVC e latas de refrigerantes, e material isolante feito de EPS.
O Aquecedor solar proposto tenha um valor que torne o seu uso viável principalmente para as
pessoas de baixa renda, sendo esta, uma característica positiva desse estudo na sua função social, que
pode ser avaliada pela sua boa relação custo X benefício
Esperamos que esse projeto possa contribuir com a preservação do nosso ecossistema. Evitar que
materiais de difícil decomposição seja despejados na natureza. Conscientizar as pessoas da
importância de se reciclar, e de como pode se lucrar com materiais recicláveis, pois é uma ótima matéria
prima e de qualidade barata. Buscamos ainda por meio de este trabalho mostrar que existem outras
formas de energia que ocasionam menor impacto ao meio ambiente, nem por isso diminuindo sua
eficácia( energia alternativa do sol).
Atualmente, esse tipo de aquecimento pode privilegiar não apenas das classes baixas, mas também
a classe média e até mesmo as classes altas com o intuito de conscientização, o que poderá torna uma
tendência a crescer mundialmente.Com isso o projeto pode constribuir para divulgar o uso da energia
solar como também a conscientização da população quanto às vantagens dessa energia abundante que
é o sol.
Uma atuação direta do projeto inserido na comunidade local e com projetos de extensão propostos
pelo campus, na viabilização de preparação de alimentos a baixo custo e com uso de energia

Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás


Av. Assis Chateaubriand, nº 1.658, Setor Oeste. CEP: 74.130-012. Goiânia-GO 8
Fone: (62) 3612-2200
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Diretoria de Pesquisa e Inovação

sustentável.
Pode-se destacar a produção de trabalhos como artigos completos em congressos nacionais de
engenharia Mecânica e/ou de Materiais como o CONEM, CBECIMat, COBEM, e internos à instituição
como o CECITEC, destacando a proposta do projeto e enaltecendo a função do apoio de projetos de
pesquisa, dos mais diversos gêneros, apoiados pelo IFG.

Cronograma de execução
MESES
Atividades mês Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul
Levantamento bibliográfico contínuo:
leitura e busca de dissertações e artigos
x x x x x x x x x x x x
de congressos nacionais e
internacionais.
Desenho e arquitetura do design do
x x
sistema de aquecimento
Aquisição dos materiais necessários
para a construção do sistema de x x x
aquecimento
Construção do sistema de aquecimento x x x
Análise de parâmetros de desempenho
x x x x
do sistema de aquecimento.
Aferição de dados durante os testes de
x x x x
banho.
Otimização e ajustes do sistema de
x x x x
aquecimento proposto
Interdisciplinaridade entre o projeto
proposto, com alunos do campus, x x x x x
comunidade e projetos de extensão
Relatório parcial do projeto. x x x x
Trabalhos a serem publicados em
congressos e feiras de ciências internas x x x x x x x x x x
e externas ao campus
Relatório final do projeto. x x x x

Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás


Av. Assis Chateaubriand, nº 1.658, Setor Oeste. CEP: 74.130-012. Goiânia-GO 9
Fone: (62) 3612-2200
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Diretoria de Pesquisa e Inovação

Discriminação orçamentária

Fonte
Elemento de Valor
Nº Descrição Quant. financiadora Valor Total
despesa² Unitário
¹
Cola para tubos de PVC com pincel consumo
1 2 Departamento R$ 15,00 30,00
em pote
Conexão L (Luva) em PVC de consumo
2 20 mm ½” 2 Departamento R$ 3,00 R$ 6,00

Tampão em PVC de 20 mm ½” consumo


3 2 Departamento R$ 2,00 R$ 4,00

4 Canos de PVC de 20 mm ½” 18 metros Departamento consumo R$ 12,00 R$ 36,00


5 Tês de PVC 20 mm 20 Departamento consumo R$ 1,20 R$ 24,00
6 Fita veda rosca 1 Departamento consumo 8,00 R$ 8,00
7 Tambor de 200 litros com tampa 1 departamento consumo R$ 100,00 R$ 100
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
TOTAL R$ 208,00
¹ No item “Fonte financiadora”, identificar a fonte como: recurso próprio; recurso externo (empresas, outras instituições de
ensino/pesquisa, instituições de fomento); recurso do Departamento. Estes recursos já devem estar comprometidos com
a Fonte Financiadora. A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação não se responsabiliza por nenhum outro tipo de
financiamento, que não seja a bolsa.
² No item “Elemento de despesa”, identificar como: material de consumo; equipamento; serviço de terceiros e encargos
diversos; diárias e passagens; outros.

Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás


Av. Assis Chateaubriand, nº 1.658, Setor Oeste. CEP: 74.130-012. Goiânia-GO 10
Fone: (62) 3612-2200
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás
Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Diretoria de Pesquisa e Inovação

Referências bibliográficas (máximo 3 páginas)


(Somente deverão ser listados os documentos efetivamente citados no projeto. Utilizar ABNT com ordem alfabética crescente dos
autores)
ALANO, José Alcino. Aquecedor Solar produzido com materiais recicláveis. 4. ed. Tubarão, SC:
Secretaria de Estado do meio ambiente e recursos hídricos do Paraná – SEMA, 2008. Disponível em: <
http://www.sema.pr.gov.br/arquivos/File/cors/Kit_res_17_aquecedor_solar.pdf >.

AMADEU, Dalva Inês; MIRANDA NETO, Marcilio Hubner. Aquecedores solares produzidos com
materiais recicláveis como motivador de reflexões sobre fontes de energia e aquecimento global
em uma feira de ciências. Umuarama – PR. 2008

BEZERRA, A.M. Aplicações térmicas de energia solar, Editora Universitária – UFPb, João Pessoa, Pb,
2001.

DUFFIE, J.A., BECKMAN, W.A., Solar Engineering of Thermal Processes, II edition, New York, John &
Sons, 757 p., 1991.

CEMPRE (COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA RECICLAGEM) e ABIPET (Associação Brasileira


dos Fabricantes de Embalagens de PET), Manual Reciclagem & Negócios – PET, Enfardamento e
revalorização de sucatas de PET, 1997, São Paulo - SP .

Costa, R.N.A., Viabilidades térmica, econômica e de materiais de um sistema solar de aquecimento de


água a baixo custo para fins residenciais, Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-graduação
em Engenharia Mecânica, UFRN, 2007.

Cristofari, C. Et al., Modeling and performance of a copolymer solar water heating collector, Solar Energy,
v. 72: (2), p. 99-112, 2002.

Duffie, J.A., Beckman, W.A., Solar Engineering of Thermal Processes, II edition, New York, John & Sons,
757 p.,1991.

Souza, L.G.M., Análise comparativa entre coletor solar plano convencional e coletor solar alternativo
composto por múltiplos tubos de PVC, IV CONEM – Congresso Nacional de Engenharia Mecânica,
Belém - PA, 2004.

Souza, L.G.M., Gomes, U.U., Viabilidades térmica, econômica e de materiais da utilização de tubos de
PVC como elementos absorvedores em coletores de um sistema de aquecimento de água por
energia solar, Tese de Doutorado do Programa de Doutorado em Ciência e Engenharia de Materiais,
UFRN, 2002.

Souza, L.G.M., Sistema de aquecimento solar de agua para aplicacôes residenciais utilizando materiais
alternativos, V CONEM – Congresso Nacional de Engenharia Mecânica, Recife-Pe, 2006.
Souza, L.G.M., Alternative solar energy water heating system, COBEM 2007 – Congresso Internacional
de Engenharia Mecânica, Brasília- 2007.

Souza, L.G.M., Low cost alternative solar collector with PVC tubes absorption surface COBEM 2005 –
Congresso Internacional de Engenharia Mecânica, Ouro Preto – 2005.
Trends in Renewable Energies, SolarAcess.com, Canadian Association for Renewable Energies, 2005-
2007.
Varella F.K.O.M., Tecnologia solar residencial: inserção de aquecedores solares de água no Distrito de
Barão Geraldo – Campinas, Dissertação de Mestrado da Faculdade de Engenharia Mecânica da
UNICAMP, Campinas-São Paulo, 2004.

Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás


Av. Assis Chateaubriand, nº 1.658, Setor Oeste. CEP: 74.130-012. Goiânia-GO 11
Fone: (62) 3612-2200