Vous êtes sur la page 1sur 3

ITESMI – INSTITUTO TEOLÓGICO SUPERIOR DE MISSÕES

PROF.: EMMANUEL MARTINS

BREVE HISTÓRIA DO MOVIMENTO PENTECOSTAL


O movimento pentecostal de hoje traça seus vestígios da sua comunidade a uma reunião
de oração no Colégio Bíblico Betel, na cidade de Topeka, estado do Kansas, nos Estados
Unidos, em 1° de janeiro de 1901.[27] Ali, muitos chegaram à conclusão de que falar em
línguas era o sinal bíblico do Batismo no Espírito Santo. Charles Parham foi o fundador
desta escola, que mais tarde iria para a cidade de Houston, no Texas. Apesar da
segregação racial em Houston, William J. Seymour, um pregador negro, foi autorizado a
assistir a aulas bíblicas de Parham. Seymour viajou para Los Angeles, onde sua pregação
provocou o Avivamento da Rua Azusa em 1906. Apesar do trabalho de vários grupos
wesleyanos avivalistas, como Parham e D. L. Moody, o início do movimento pentecostal
difundido nos Estados Unidos, é geralmente considerado como tendo começado com
Seymour no avivamento da rua Azusa.[28]
O avivamento na rua Azusa foi o primeiro avivamento pentecostal a receber atenção
significativa, e muitas pessoas de todo o mundo tornaram-se atraídas para ele. A imprensa
de Los Angeles deu muita atenção ao avivamento de Seymour, o que ajudou a alimentar o
seu crescimento.[29] Um número de novos grupos menores iniciou-se, inspirado nos
acontecimentos deste avivamento. Os visitantes internacionais e missionários pentecostais
acabariam por trazer estes ensinamentos para outras nações, de modo que praticamente
todas as denominações pentecostais clássicas hoje traçam suas raízes históricas no
avivamento da rua Azusa.
Logo cedo os pentecostais foram incentivados por seu entendimento de que todo o povo de
Deus poderia profetizar nos últimos dias antes da segunda vinda de Cristo. Eles olharam
para as passagens bíblicas sobre o Pentecostes no segundo capítulo de Atos, em que Pedro
citou a profecia contida em Joel 2: "Nos últimos dias, Deus diz: Eu derramarei meu Espírito
sobre todos os povos. Vossos filhos e filhas profetizarão, vossos jovens terão visões, vossos
velhos terão sonhos. "(NVI) Assim, quando a experiência de falar em línguas espalhou-se
entre os homens e mulheres da rua Azusa, um sentido de urgência tomou conta, quando
eles começaram a olhar para o Segunda Vinda de Cristo. No início os pentecostais se viam
como peregrinos na sociedade, dedicando-se exclusivamente a preparar o caminho para a
volta de Cristo.[30][31]
O pentecostalismo, como qualquer outro movimento importante, deu origem a um grande
número de organizações com diferenças políticas, sociais e teológicas. O movimento inicial
foi contracultural: Afro-americanos e as mulheres foram importantes líderes do avivamento
da rua Azusa, o que ajudou a espalhar a mensagem Pentecostal muito além de Los Angeles.
Com o avivamento começando a diminuir, no entanto, diferenças doutrinárias começaram a
surgir como a pressão da evolução social, cultural e político da época começou a afetar a
igreja. Como resultado, mais divisões, isolacionismo, sectarismo e mesmo o aumento do
extremismo eram aparentes.
O movimento pentecostal pode ser dividido em três ondas delineadas por suas
características sócio-religiosas e contexto cronológico. Além das grandes denominações
pentecostais, existem hoje centenas de "ministérios independentes" ou novas
denominações surgindo anualmente no Brasil e no mundo.

Primeira Onda Pentecostal


A primeira onda, conhecida como pentecostalismo clássico, abrangeu o período de 1910
a 1950 e iniciou-se com sua implantação no país, decorrente da fundação da Congregação
Cristã no Brasil e da Assembleias de Deus até sua difusão pelo território nacional. Desde o
início, ambas igrejas caracterizam-se pelo anticatolicismo, pela ênfase na crença no batismo
no Espírito Santo e por um ascetismo que rejeita os valores do mundo e defende a plenitude
da vida moral e espiritual. Francescon, Berg e Vingren tiveram matriz pentecostal comum,
ao receberem as novas doutrinas na Missão de Fé Apostólica conduzida pelo Pastor William
H. Durham, ex-pastor batista, em Chicago, Illinois.
A primeira denominação desse movimento organizada no Brasil em 1910 com a vinda do
missionário Louis Francescon, que atuou em colônias italianas no Sul e Sudeste do Brasil.
Francescon realizou em 1910, o primeiro batismo de orientação pentecostal em solo
brasileiro com a conversão de onze almas, originando a Congregação Cristã no Brasil em
Santo Antônio da Platina - Paraná, e no mesmo ano inicia esta igreja no Bairro do Brás em
São Paulo.
Em 1911, Daniel Berg e Gunnar Vingren, iniciaram suas missões no Pará e Nordeste,
dando origem a Assembleias de Deus. O movimento das Assembleias de Deus cresceu do
norte-nordeste para o sul, com apoio inicial do movimento pentecostal escandinavo e
posteriormente transferência de aliança com as Assemblies of God americanas. Com os
anos surgiram ministérios e convenções, dos quais muitos são independentes, ou seja, não
afiliados à Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil.
Além da Congregação Cristã no Brasil e da Assembleia de Deus surgiram outras
denominações pentecostais menores nos primeiros quarenta anos do pentecostalismo
brasileiro. Na década de 1930, nasceu a Igreja Adventista da Promessa à qual se referiu
Duncan A. Reilyl, mencionando que no Recife do ano de 1932, ao lado do pentecostalismo
proveniente dos Estados Unidos, nascia a Igreja Adventista da Promessa.[114] Em dezembro
daquele mesmo ano, foi organizada a Igreja de Cristo no Brasil em Mossoró (Rio Grande do
Norte). A Igreja de Cristo divergiu das demais igrejas pentecostais da primeira onda ao
seguir o dogma da "eterna segurança" mais conhecida como Perseverança dos santos. Esta
também defende que o cristão recebe o batismo do Espírito Santo no momento da
conversão e não como segunda bênção seguida de dons de línguas. Em Catalão, GO em
1935 foi fundada a Igreja Evangélica do Calvário Pentecostal. Esta igreja uniu-se à Igreja de
Deus de Cleveland, EUA, e se tornou a Igreja de Deus no Brasil, hoje presente em todos os
estados brasileiros. A Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo foi fundada em São Paulo em
1936 por Marcos Batista. A Missão Evangélica Pentecostal do Brasil, fundada em Manaus
em 1939, de origem americana, mas que atualmente atua de forma independente, com
direção nacional e credo baseado no pentecostalismo clássico, de característica moderada
quanto à questão de usos e costumes.
Uma das denominações derradeiras da primeira onda pentecostal no Brasil é a Igreja
Evangélica Avivamento Bíblico, fundada em 7 de setembro de 1946 por Mário Roberto
Lindströn, Oswaldo Fuentes e Alídio Flora Agostinho oriundos da Igreja Metodista. A Igreja
Evangélica Avivamento Bíblico conta hoje com mais de 60.000 pessoas.[carece de fontes]

Segunda Onda Pentecostal


A segunda onda começou a surgir na década de 1950, quando chegaram a São Paulo dois
missionários norte-americanos da International Church of The Foursquare Gospel. Na
capital paulista, eles criaram a Cruzada Nacional de Evangelização e, centrados na cura
divina, iniciaram a evangelização das massas, principalmente pelo rádio, contribuindo
bastante para a expansão do pentecostalismo no Brasil. Em seguida, fundaram a Igreja do
Evangelho Quadrangular. No seu rastro, surgiram o Ministério Cristo Vive, O Brasil para
Cristo, Igreja União Evangélica Pentecostal, Igreja Pentecostal Deus é Amor, Casa da
Bênção, Igreja Luz do Calvário, Igreja Unida, Igreja de Nova Vida e diversas outras igrejas
pentecostais menores como a Igreja Cristã Maranata, a Igreja Presbiteriana Pentecostal
dentre outras. Dentro da Igreja Católica Apostólica Romana, surgia na década de 1960
a Renovação Carismática Católica, no estado da Pensilvânia (EUA).

Terceira Onda Pentecostal


A terceira onda, chamada de neopentecostalismo, teve início na segunda metade dos anos
1970. Fundadas por brasileiros, as mais antigas são a Igreja Universal do Reino de
Deus (Rio de Janeiro, 1977), liderada pelo bispo Edir Macedo, e a Igreja Internacional da
Graça de Deus (Rio de Janeiro, 1980), liderada e fundada pelo missionário R. R. Soares,
ambas presentes na área televisiva com seus televangelistas. Posteriormente, temos o
surgimento da Renascer em Cristo (São Paulo, 1986), da Comunidade Evangélica Sara
Nossa Terra (Brasília, 1992), do Ministério Internacional da Restauração (1992), e da Igreja
Mundial do Poder de Deus (1998). De um modo geral, utilizam intensamente a mídia
eletrônica, impressa e editorial, algumas aplicam técnicas de administração empresarial,
com uso de marketing, planejamento estatístico, análise de resultados etc. Algumas pregam
a Teologia da Prosperidade, pela qual o cristão está destinado à prosperidade terrena,
rejeitando os tradicionais usos e costumes austeros dos pentecostais. O
neopentecostalismo constitui a vertente pentecostal mais influente, a que mais cresce e
também a mais liberal em questões de costumes.

Renovados & Carismáticos


Paralelamente ao pentecostalismo, várias denominações protestantes que eram tradicionais
experimentaram movimentos internos, com manifestações pentecostais. Assim foram
denominados "renovados", como a Igreja Cristã Maranata (originária da Igreja Presbiteriana
do Brasil), Igreja Presbiteriana Renovada (originária também da IPB), Convenção Batista
Nacional (originária da Convenção Batista Brasileira), Igreja do Avivamento
Bíblico (originária da Igreja Metodista do Brasil) e a Igreja Adventista da
Promessa (originária da Igreja Adventista do Sétimo Dia). Esta, entretanto, é classificada
por Duncan A. Reilyl como denominação pentecostal da primeira onda e não como
"renovada".[115]
Alguns movimentos renovados ou carismáticos permaneceram como organizações internas
de suas denominações, como é o caso do Movimento Encontrão na Igreja Evangélica de
Confissão Luterana do Brasil.
Nos anos mais recentes a doutrina de renovação do pentecostalismo ultrapassou até
mesmo as fronteiras do protestantismo, surgindo movimentos de renovação pentecostal
Católica Romana e Ortodoxa Oriental, como a Renovação Carismática Católica que teve
sua origem por padres influenciados por pastores e literaturas pentecostais
Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Pentecostalismo#Pentecostalismo_brasileiro

Acesso em: 24/10/2019