Vous êtes sur la page 1sur 2

A DIALÉTICA

Como Marx afirmou em seus Manuscritos Econômico-Filosóficos, afirmou que Feuerbach


foi “a única pessoa a ter uma relação séria e critica com a dialética de Hegel, efetuou
descobrimentos verdadeiros nesse campo e, acima de tudo, levou de vencida a velha filosofia.” 1
Com efeito, segundo o pai do socialismo científico, Feuerbach teve os seguintes méritos:

I. Ter mostrado a filosofia nada mais ser do que a religião trazida para o pensamento e
desenvolvida por este, de vendo ser igualmente condenada como outra forma e modo de
existência da alienação humana;

II. Ter lançado os fundamentos do materialismo genuíno e da ciência positiva, ao fazer da


relação social de "homem com homem" o principio básico de sua teoria;

III. Ter-se oposto à negação da negação que alega ser o positivo absoluto um princípio
autossuficiente, positivamente baseado em si mesmo.2

Entretanto, o materialismo dialético de Marx difere no de Feuerbach, que segundo ele “o


mundo sensível seria tomado apenas sobre a forma do objecto [des Objekts] ou da contemplação
[Anschauung]; mas não como atividade sensível humana, práxis, não subjectivamente.” 3 Sendo
assim, a práxis passa a assumir o papel central na dialética marxista, tendo em vista que “os
filósofos têm apenas interpretado o mundo de maneiras diferentes; a questão, porém, é transformá-
lo.”4
Segundo Marx, a história de toda a sociedade até aqui é a história de lutas de classes. 5 Deste
movimento constante entre os estamentos surgiam novas classes, ou ambas caiam, ou apenas uma
mantinha-se de pé., como assim assinalou em o Manifesto do Partido Comunista:“a moderna
sociedade burguesa, saída do declínio da sociedade feudal, não aboliu as oposições de classes.
Apenas pôs novas classes, novas condições de opressão, novas configurações de luta, no lugar das
antigas.”6

1
MARX, Karl. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Ter. Man. Cáp. 07. Disponível
em:<https://www.marxists.org/portugues/marx/1844/manuscritos/cap07.htm>. Acesso em: 21 de ago. de 2018.
2
Idem. Op. Cit.
3
MARX, Karl. Teses sobre Feuerbach. n° 1. Disponível
em:<https://www.marxists.org/portugues/marx/1845/tesfeuer.htm>. Acesso em: 21 de ago. de 2018.
4
Idem. Op. Cit. n° 11.
5
MARX, Karl; ENGELS, Friederich. Manifesto do Partido Comunista. I - Burgueses e Proletários. Disponível em:
<https://www.marxists.org/portugues/marx/1848/ManifestoDoPartidoComunista/cap1.htm>. Acesso em: 21 de ago.
de 2018.
6
Idem. Op. Cit.
O movimento dialético é composto de uma tese, o seu oposto, uma antítese e uma síntese..
Marx endossa Hegel ao afirmar que a proeza extraordinária da Fenomenologia de Hegel é a
percepção da dialética do negativismo como princípio motor e criador, 7 ou seja, o próximo passo só
surgiria a partir do confronto, não de idéias, como dizia Marx da dialética de Hegel, mas da práxis;
do materialismo dialéctico, onde o encerramento deste dependeria da revolução do proletáriado, a
classe oprimida do sistema capitalista.
Em vista dos dois últimos pontos ressaltados sobre a dialética marxista, tem-se:
Tese + Antítese = Síntese
Tese + Antítese = Síntese
Tese + Antítese = Síntese
Tese + Antítese = Síntese

Porém, como haveria uma revolução remodeladora de todo o status quo da sociedade sendo
o próprio Marx admitiu que “justamente quando parecem empenhados em revolucionar-se a si e às
coisas, em criar algo que jamais existiu, precisamente nesses períodos de crise revolucionária, os
homens conjuram ansiosamente em seu auxílio os espíritos do passado, tomando-lhes emprestado
os nomes, os gritos de guerra e as roupagens, a fim de apresentar e nessa linguagem emprestada.”? 8
Esta é sem dúvida uma das maiores contradições de Marx.

7
Idem. Op. Cit. XXIII.
8
MARX, Karl. O 18 de Brumário de Louis Bonaparte. Cáp. I. Disponível
em:<https://www.marxists.org/portugues/marx/1852/brumario/index.htm>. Acesso em: 21 de ago. de 2018.