Vous êtes sur la page 1sur 35

www.letras.com.

br/musicas-infantis/

Meu limão
Meu limão, meu limoeiro
Meu pé de jacarandá
Uma vez, tindolelê
Outra vez, tindolalá

A barata diz que tem


A Barata diz que tem sete saias de filó
É mentira da barata, ela tem é uma só
Ah ra ra, iá ro ró, ela tem é uma só !
A Barata diz que tem um sapato de veludo
É mentira da barata, o pé dela é peludo
Ah ra ra, Iu ru ru, o pé dela é peludo !
A Barata diz que tem uma cama de marfim
É mentira da barata, ela tem é de capim
Ah ra ra, rim rim rim, ela tem é de capim
A Barata diz que tem um anel de formatura
É mentira da barata, ela tem é casca dura
Ah ra ra , iu ru ru, ela tem é casca dura
A Barata diz que tem o cabelo cacheado
É mentira da barata, ela tem coco raspado
Ah ra ra, ia ro ró, ela tem coco raspado

A Canoa Virou
A canoa virou,
Deixá-la virar,
Por causa da (nome de pessoa)
Que não soube remar.
Se eu fosse um peixinho
E soubesse nadar,
Tirava (nome da pessoa)
Do fundo do mar.

A Galinha Magricela
Eu conheço uma galinha
A galinha da vizinha
Avezinha magricela e depenada
Quem tem pena da galinha
Avezinha depenada
A galinha magricela da vizinha?
Bota ovos pela sala
No banheiro e na cozinha
Ela bota, bota, bota
Sem parar
A galinha magricela
Bota ovos sem parar
A galinha magricela
É magrela de botar
A galinha magricela
E bota um e bota dois e bota três
A galinha magricela
Vira cambota e bota quatro de uma vez
A galinha magricela
E bota dez e bota cem e bota mil
A galinha magricela
Bota ôvo bota banca
De mais bela do Brasil

A Linda Rosa Juvenil


A linda rosa juvenil, juvenil, juvenil
A linda rosa juvenil, juvenil
Vivia alegre em seu lar, em seu lar, em seu lar
Vivia alegre em seu lar, em seu lar
E um dia veio uma bruxa má, muito má, muito má
Um dia veio uma bruxa má, muito má
Que adormeceu a rosa assim, bem assim, bem assim
que adormeceu a rosa assim, bem assim
E o tempo passou a correr, a correr, a correr
E o tempo passou a correr, a correr
E o mato cresceu ao redor, ao redor, ao redor
E o mato cresceu ao redor, ao redor
E um dia veio um belo rei, belo rei, belo rei
E um dia veio um belo rei, belo rei
Que despertou a rosa assim, bem assim, bem assim
que despertou a rosa assim, bem assim
Batemos palmas para o rei, para o rei, para o rei
batemos palmas para o rei, para o rei

Bela Pastora
Lá no alto daquela montanha
Avistei uma bela pastora
Que dizia na sua linguagem
Que queria se casar.
Bela pastora, entrai na roda
Para ver como se dança:
Uma volta, meia volta,
Abraçai o "seu" amor.

Boi da Cara Preta


Boi, boi, boi
Boi da cara preta
Pega este menino(a) que tem medo de careta

Não , não , não


Não pega ele não
Ele é bonitinho,
E mora no meu coração

Cai Cai Balão


Cai cai balão, cai cai balão
Na rua do sabão
Não Cai não, não cai não, não cai não
Cai aqui na minha mão !
Cai cai balão, cai cai balão
Aqui na minha mão
Não vou lá, não vou lá, não vou lá
Tenho medo de apanhar !

Cai Cai Balão (rua do Sabão)


Cai, cai, balão
Cai, cai, balão,

Aqui na rua do sabão

Não cai não,


Não cai não,
Não cai não,
Aqui na minha mão

Capelinha De Melão
Capelinha de melão
É de São João
É de cravo, é de rosa
É de manjericão

São João está dormindo


Não acorda, não
Acordai, acordai!
Acordai, João!

Eu Vi Três Meninas
Eu vi três meninas
Na chaminé;
Tão pequeninas
Fazendo café !
Bis :
É pirão sem sal !
É bolinho de bacalhau !

Escravos De Jó
Escravos de Jó jogavam caxangá
Tira, bota deixa ficar
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue za

Escravos de Jó jogavam caxangá


Tira, bota deixa ficar
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue za

BIS ESCRAVOS DE JÓ

Os escravos de Jó Jogavam o Caxangá


Os escravos de Jó Jogavam o Caxangá
Tira, bota, Deixa o zabelê ficar
Guerreiros com guerreiros
fazem Zigue, zigue, zá
Guerreiros com guerreiros
fazem Zigue, zigue, zá

Ciranda Cirandinha
Ciranda cirandinha
vamos todos cirandar,
vamos dar a meia volta
volta e meia vamos dar.
O anel que tu me destes
era vidro e se quebrou,
o amor que tu me tinha
era pouco e se acabou.
Por isso dona Ciranda
entre dentro desta roda
diga um verso bm bonito
diga adeus e vá-se embora.

Coelhinho da Páscoa
Coelhinho da Páscoa,
Que trazes pra mim?
Um ovo, dois ovos,
Três ovos assim.

Coelhinho da Páscoa,
Que cor eles têm?
Azul, amarelo e vermelho também,
Azul, amarelo e vermelho também!

Eu Sou Pobre, Pobre


Eu sou pobre, pobre, pobre,
De marré, marré, marré.
Eu sou pobre, pobre, pobre,
De marré deci.
Eu sou rica, rica, rica,
De marré, marré, marré.
Eu sou rica, rica, rica,
De marré deci.
Eu queria uma de vossas filhas,
De marré, marré, marré.
Eu queria uma de vossas filhas,
De marré deci.
Escolhei a qual quiser,
De marré, marré, marré.
Escolhei a qual quiser,
De marré deci.
Eu queria (nome da pessoa),
De marré, marré, marré,
Eu queria (nome da pessoa),
De marré deci.
Que ofício dais a ela ?
De marré, marré, marré.
Que ofício dais a ela ?
De marré deci.
Dou o ofício de (nome do ofício)
De marré, marré, marré.
Dou o ofício de (nome do ofício),
De marré deci.
Este ofício me agrada (ou não)
De marré, marré, marré.
Este ofício me agrada (ou não)
De marré deci.
Lá se foi a (nome da pessoa),
De marré, marré, marré.
Lá se foi a (nome da pessoa),
De marré deci.
Pra terminar :
Eu de pobre fiquei rica.
De marré, marré, marré.
Eu de rica fiquei pobre,
De marré deci.

Eu Vi Uma Barata
Eu vi uma barata,
Na careca do vovô;
Assim que ela me viu
Bateu asas e voou.

"Seu"Joaquim-qui-rin-quim,
Da perna torta-ra-ta,
Dançando a conga-ra-ga,
Com a Maricota-ra-ta.

Fui No Tororó
Fui no Tororó beber água não achei
Achei linda Morena
Que no Tororó deixei
Aproveita minha gente
Que uma noite não é nada
Se não dormir agora
Dormirá de madrugada
Oh ! Dona Maria,
Oh ! Mariazinha, entra nesta roda
Ou ficarás sozinha !
Sozinha eu não fico
Nem hei de ficar !
Por que eu tenho o Pedro
Para ser o meu par !
Marcha Soldado

Marcha Soldado
Cabeça de Papel
Se não marchar direito
Vai preso pro quartel

O quartel pegou fogo


A polícia deu sinal
Acode acode acode
A bandeira nacional

Se essa Rua Fosse Minha


Se essa rua se essa rua fosse minha
Eu mandava eu mandava ladrilhar
Com pedrinhas com pedrinhas de brilhantes
Para o meu para o meu amor passar

Nesta rua nesta rua tem um bosque


Que se chama que se chama solidão
Dentro dele dentro dele mora um anjo
Que roubou que roubou meu coração

Se roubei se roubei teu coração


Tu roubaste tu roubaste o meu também
Se roubei se roubei teu coração
É porque, só porque te quero bem.

Nesta Rua
Nesta rua, nesta rua, tem um bosque
Que se chama, que se chama Solidão
Dentro dele, dentro dele mora um anjo
Que roubou, que roubou meu coração

Se eu roubei, se eu roubei seu coração


É porque tu roubastes o meu também
Se eu roubei, se eu roubei teu coração
É porque eu te quero tanto bem

Se Eu Fosse Um Peixinho
Se eu fosse um peixinho
E soubesse nadar
Tirava a Maria
Lá do fundo do mar.

Teresinha De Jesus
Terezinha de Jesus deu uma queda
Foi ao chão
Acudiram três cavalheiros
Todos de chapéu na mão
O primeiro foi seu pai
O segundo seu irmão
O terceiro foi aquele
Que a Tereza deu a mão
Terezinha levantou-se
Levantou-se lá do chão
E sorrindo disse ao noivo
Eu te dou meu coração
Dá laranja quero um gomo
Do limão quero um pedaço
Da morena mais bonita
Quero um beijo e um abraço

Terezinha De Jesus

Teresinha de Jesus
Deu a queda foi ao chão
Acodiram-lhe três cavaleiros
Todos três chápeu na mão.

O primeiro foi seu pai


O segundo seu irmão
O terceiro foi aquele que a
Teresa deu a mão

Quanta laranja madura


Quanto limão pelo chão
Quanto sangue derramado
Dentro do meu coração.

Da laranja quero um gomo


Do limão quero um pedaço
Da menina mais bonita
Quero um beijo e um abraço.

Um, Dois, Feijão Com Arroz


Um,dois,
Feijão com arroz;
Três,quatro,
Feijão no prato;
Cinco,seis,
Galo inglês;
Sete,oito,
Café com biscoito;
Nove,dez,
Burro que tu és.
Tra La La La La La Oi

Tra La La La La La Oi
Tra La La La La La Oi
Tra La La La La La Oi
Tra La La La La La Oi
Tra La La La La La Oi

As flores já não crescem mais..


Até o alecrim murchou...
O sapo se mandou..
O lambari morreu...
Porque o ribeirão secou!

Tra La La La La La Oi
Tra La La La La La Oi
Tra La La La La La Oi
Tra La La La La La Oi
Tra La La La La La Oi

Pirulito Que Bate Bate


Pirulito que bate bate
Pirulito que já bateu
Quem gosta de mim é ela
Quem gosta dela sou eu

Pirulito que bate bate


Pirulito que já bateu
A menina que eu gostava
Não gostava como eu

Pombinha Branca
Pombinha branca o que esta fazendo?
=lavando roupa pro casamento
-vou me lavar,
-vou me secar,
=vou pra janela,
=pra namorar.
passou um homem de terno branco
chapeu de lado meu namorado
mandei entrar
mandei sentar
cuspiu no chão
=limpa ai seu porcalhão
=tenha mais educação
-vai cuspir no seu portão

Peixinhos do Mar
Quem te ensinou a nadar
Quem te ensinou a nadar
Foi, foi marinheiro
Foi os peixinhos do mar
Foi, foi marinheiro
Foi os peixinhos do mar

E nós, que viemos de


Outras terras
De outro mar
E nós que viemos de
Outras terras
De outro mar
Temos pólvora,
Chumbo e bala
Nós queremos
É guerrear

Quem te ensinou a nadar


Quem te ensinou a nadar
Foi, foi marinheiro
Foi os peixinhos do mar
Foi, foi marinheiro
Foi os peixinhos do mar.

Atirei o pau-no-gato
Atirei o pau no gato-to
Mas o gato-to
Não morreu-reu-reu
Dona Chica-ca
Admirou-se-se
Do berro
Do berro que o gato deu:
Miau!

ATIREI O PAU NO GATO


Atirei o pau no gato...tô
Mas o gato...tô
Não morreu..reu..reu
Dona Chica..cá
Admirou-se..sê
Do berrú, do berrú
Que o gato deu
Miau!
Dona Chica.. cá
foi à polícia, ciá
Mas a polícia, ciá
Não prendeu..deu..deu
Dona Chica..cá..cá
Admirou..se..se
Do berrú, do berrú
Que o gato deu...
Miau!
Não Atire O Pau No Gato (nova)
Não atire o pau no gato, to
Porque isso, so
Não se faz, faz, faz
Jesus Cristo, to
Nos ensina, na
A amar, a amar os animais
Amém!

O Castelo Pegou Fogo


O castelo pegou fogo
"Seu" Francisco deu o sinal :
Acuda, acuda, acuda
A bandeira nacional !

Um, dois, três,


Quatro, cinco, seis,
Sete, oito nove,
Para doze faltam três !

O Cravo Brigou Com a Rosa


O cravo brigou com a rosa,
Debaixo de uma sacada,
O cravo saiu ferido,
E a rosa despedaçada.

O cravo ficou doente,


A rosa foi visitar,
O cravo teve um desmaio,
E a rosa pô-se a chorar

O Cravo E a Rosa
O Cravo brigou com a rosa
Debaixo de uma sacada
O Cravo ficou ferido
E a Rosa despedaçada

O Cravo ficou doente


A Rosa foi visitar
O Cravo teve um desmaio
A Rosa pos-se a chorar

O Meu Galinho
Faz três noites que eu não durmo, ola lá !
Pois perdi o meu galinho, ola lá !
Coitadinho, ola lá ! Pobrezinho, ola lá !
Eu perdi lá no jardim.
Ele é branco e amarelo, ola lá !
Tem a crista vermelhinha, ola lá !
Bate as asas, ola lá ! Abre o bico, ola lá !
Ele faz qui-ri-qui-qui.
Já rodei em Mato Grosso, ola lá !
Amazonas e Pará, ola lá !
Encontrei, ola lá ! Meu galinho, ola lá !
No sertão do Ceará !

Peixe Vivo
Como pode o peixo vivo
Viver fora da água fria
Como pode o peixe vivo
Viver fora da água fria
Como poderei viver
Como poderei viver
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Os pastores desta aldeia
Ja me fazem zombaria
Os pastores desta aldeia
Ja me fazem zombaria
Por me verem assim chorando
Por me verem assim chorando
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia

O Sapo Não Lava O Pé


O sapo não lava o pé
Não lava porque não quer
Ele mora lá na lagoa
Não lava o pé porque não quer
Mas que chulé!!!

Sapo
O sapo nao lava o pé
Não lava porque não quer
Ele mora lá na lagoa
Não lava o pé porque não quer
Mas que chulé! Ele mora la na lagoa não lava o pé porque não quer

Ró, Ró, Ró
Ró, ró, ró, minha rolinha !
Ró, ró, ró, quero chamar !
Ró, ró, ró que é vida minha !
Recompensa, eu quero dar.

Senhora, D. (nome da pessoa),


Entre dentro desta roda,
Diga um verso bem bonito
Diga adeus e vá-se embora.

Solo :
Se eu soubesse escrever n'água
Como sei escrever no chão,
Escrevia o teu nome
Dentro do meu coração !

Sabão Cracra
Sabão crá-crá, sabão crá-crá
Não deixa os cabelos do saco enrolar
Sabão cré-cré, sabão cré-cré
Não deixa os cabelos do saco de pé

Sabão cri-cri, sabão cri-cri


Não deixa os cabelos do saco cair
Sabão cró-cró, sabão cró-cró
Não deixa os cabelos do saco dar nó
Sabão cru-cru, sabão cru-cru
Não deixa os cabelos do saco,
Enrolar com os do lúuuuu

Samba Lêlê
Samba Lelê está doente
Está com a cabeça quebrada
Samba Lelê precisava
De umas dezoito lambadas

Samba , samba, Samba ô Lelê


Pisa na barra da saia ô Lalá (BIS)

Ó Morena bonita,
Como é que se namora ?
Põe o lencinho no bolso
Deixa a pontinha de fora

Ó Morena bonita
Como é que se casa
Põe o véu na cabeça
Depois dá o fora de casa

Ó Morena bonita
Como é que cozinha
Bota a panela no fogo
Vai conversar com a vizinha

Ó Morena bonita
Onde é que você mora
Moro na Praia Formosa
Digo adeus e vou embora
A Galinha Magricela
Eu conheço uma galinha
A galinha da vizinha
Avezinha magricela e depenada
Quem tem pena da galinha
Avezinha depenada
A galinha magricela da vizinha?
Bota ovos pela sala
No banheiro e na cozinha
Ela bota, bota, bota
Sem parar
A galinha magricela
Bota ovos sem parar
A galinha magricela
É magrela de botar
A galinha magricela
E bota um e bota dois e bota três
A galinha magricela
Vira cambota e bota quatro de uma vez
A galinha magricela
E bota dez e bota cem e bota mil
A galinha magricela
Bota ôvo bota banca
De mais bela do Brasil

Fui a Espanha
Fui à Espanha
Buscar o meu chapéu,
Azul e branco
Da cor daquele céu.

Ora, palma, palma, palma !


Ora, pé, pé, pé !
Ora, roda, roda, roda !
Caranguejo peixe é !

Caranguejo não é peixe,


Caranguejo peixe é
Caranguejo só é peixe
Lá no fundo da maré.

Samba, crioula,
Que veio da Bahia.
Pega na criança
E joga na bacia.
A bacia é de ouro,
Areada com sabão;
Depois de areada,
Enxuga com o roupão.

O roupão é de seda,
Camisinha de filó,
Touquinha de veludo
Pra quem ficar vovó.

(em coro, falando:)


A benção, vovó !
A benção, vovó !

Ciranda, cirandinha
Ciranda cirandinha, vamos todos cirandar,
Vamos dar a meia volta, volta e meia vamos dar
O anel que tú me destes era vidro e se quebrou,
O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou.

CIRANDA, CIRANDINHA
Ciranda, cirandinha
Vamos todos cirandar
Vamos dar a meia volta
Volta e meia vamos dar
O anel que tu me deste
Era vidro e se quebrou
O amor que tu me tinhas
Era pouco e se acabou
Ciranda, cirandinha
Vamos todos cirandar
Vamos dar a meia volta
Volta e meia vamos dar
Por isso, Sá Maria
Entre dentro desta roda
Diga um verso bem bonito
Diga adeus e vá-se embora

A Festa do Bolinha - Golden Boys


eu ontem fui a festa na casa do Bolinha
confesso não gostei dos modos da Glorinha
toda assanhada nunca vi igual
trocava mil beijocas com Raposo no quintal
porém pouco durou a...quela paixão
pois Bolinha com ciúmes formou a confusão
Aninha tropeçou e os copos derrubou
e a casa do Bolinha num inferno se tornou
Bolinha provou que é ciumento pra' chuchu
e que não gosta da Lulú
bobinha, que por ele ainda chora
com tanto pão dando bola no salão
Luluzinha foi gostar logo de um bolão

Dorme nenem
Dorme nênem que a cuca vai pegar,mamãe foi para roça e papai foi trabalhar.
Dorme nênem que a cuca vai pegar,mamãe foi para roça e papai foi trabalhar.

Carneirinho, Carneirão
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,
Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:
Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor
Para todos se ajoelhar.
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,
Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:
Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor
Para todos se levantar.
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,
Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:
Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor
Para todos se sentar.
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,
Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:
Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor
Para todos se levantar.
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,
Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:
Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor
Para todos se deitar.
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,
Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:
Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor
Para todos se levantar.

Meu Anel de Pedra Verde


Meu anel de pedra verde,
A quem devo oferecer ?
Ofereço à companheira
Que á sabe agradecer.

Ora, um, dois, três;


Ora quatro, cinco, seis;
Ora, sete, oito nove,
Para doze faltam três !

Vaca amarela
Sua forma clássica é:

"Vaca amarela
Cagou na tigela
Quem falar primeiro
Comeu a bosta dela"
Algumas variações são:

"A vaca amarela


Pulou a janela
Três mexeu
Quatro comeu
Quem falar primeiro
Come a bosta dela
Eu sou rainha
Bebo o caldo da galinha"
"Era uma vez
Uma vaca amarela
Pulou a janela
Sujou na panela
Três comiam
Três mexiam
A primeira que falar
Come tudo dela"

"Vaca amarela
Pulou a janela
Cagou na panela
Mexeu mexeu
Quem falar primeiro
Come a bosta dela"
"Vaca amarela
Cagou na panela
Quem falar primeiro
Come tudo a bosta dela"
"Vaca amarela
Pulou a janela
Mexeu mexeu
Quem falar primeiro
Come tudo dela
Fora eu
Que sou o rei dela"

"Vaca amarela
Pulou pela janela
Quem falar primeiro
Tem que correr atrás dela"

"Vaca amarela
Trepou na janela
Cagou na panela"
"Vaca amarela
Cagou na panela
Três mexeu
Quatro comeu
Quem falar primeiro
Come tudo a bosta dela"

"Vaca preta
Pulou a gaveta
Quem conversar primeiro
Come a bosta do capeta"

"Vaca preta
Pulou a gaveta
Quem falar primeiro
Come a bosta preta"

O Bom Menino - palhaço Carequinha


O bom menino não faz pipi na cama
O bom menino não faz malcriação
O bom menino vai sempre à escola
E na escola aprende sempre a lição

O bom menino respeita os mais velhos


O bom menino não bate na irmãzinha
Papai do céu protege o bom menino
Que obedece sempre, sempre a mamãezinha

Por isso eu peço a todas as crianças


Muita atenção para o conselho que eu vou dar
(falado)
Olha aqui.
Carequinha não é amigo de criança que passa de noite da sua cama pra cama da mamãe
E também não é amigo de criança que rói unha, e chupa chupeta.
Tá certo ou não tá?
Táaaaaaa

Eu obedeço sempre a mamãezinha


Então aceite os parabéns do Carequinha.

O bom menino...

(falado)
Olha aqui.
Carequinha só gosta de criança que respeita mamãe, papai, titia e vovó
E seja amigo dos seus amiguinhos
E também que coma na hora certa, e durma na hora que a mamãe mandar.
Tá certo ou não tá?
Táaaaaaa

Eu obedeço sempre a mamãezinha


Então aceite os parabéns do Carequinha.
-Viva o bom menino
Vivaaa

PIRULITO QUE BATE BATE


Pirulito que bate bate,
Pirulito que já bateu,
Quem gosta de mim é ela
Quem gosta dela sou eu
BIS

AI BOTA AQUI O TEU PEZINHO


Ai bota aqui, ai bota aqui o teu pezinho
O teu pezinho bem juntinho ao pé do meu
(BIS)
E depois não vá dizer,
que você se arrependeu
(BIS)

A BARATA DIZ QUE TEM


A barata diz que tem
Sete saias de filó
É mentira da barata
Ela tem é uma só
Ah... ah... ah... oh... oh... oh...
Ela tem é uma só
(BIS)
A barata diz que tem
Um anel de formatura
É mentira da barata
Que ela tem a casca dura
Ah... ah... ah... oh... oh... oh...
Que ela tem é casca dura
(BIS)
A barata diz que tem
Sete saias de balão
É mentira ela não tem
Nem dinheiro pra sabão
Ah... ah... ah... oh... oh... oh...
Nem dinheiro pra sabão
(BIS)

CAI CAI BALÃO


Cai cai balão
Cai cai balão
Na rua do sabão

Não cai não


Não cai não
Não cai não
Cai aqui na minha mão
(BIS)

SABIÁ
Sabiá lá na gaiola
Fez um buraquinho
Voou, voou, voou, voou
E a menina que gostava
Tanto do bichinho
Chorou, chorou, chorou, chorou
(BIS)
Sabiá fugiu prô terreiro
Foi cantar lá no abacateiro
E a menina pôs-se a chorar
Vem cá sabiá, vem cá
A menina chama chorando
Sabiá estou te esperando
Sabiá responde de lá
Não chores que eu vou voltar
Sabiá lá na gaiola
Fez um buraquinho
Voou, voou, voou, voou
E a menina que gostava tanto do bichinho
Chorou, chorou, chorou, chorou

O SAPO NÃO LAVA O PÉ


Ia passando numa pinguelinha
Meu chinelinho caiu do pé
Os peixinhos reclamaram:
Que cheirinho de chulé
O sapo não lava o pé
Não lava porque não quer
Ele mora lá na lagoa
Não lava o pé porque não quer
Mas que chulé!!

PEIXE VIVO
Como pode um peixe vivo
viver fora d'água fria
(BIS)
Como poderei viver?
Sem a tua
Sem a tua
Sem a tua companhia
As pastoras dessa aldeia
já me fazem zombaria
(BIS)
Por viver assim chorando
Por viver assim tão só
Sem a tua
Sem a tua
Sem a tua companhia
(BIS)

REBOLA BOLA
Rebola bola você diz que dá, que dá
Você diz que dá na bola
Na bola você não dá
Eu sou carioca da gema
Carioca da gema do ovo
(BIS)
Rebola mãe, rebola pai, rebola filha
Eu também sou da família
Também quero rebolar
Eu sou mineira de Minas
Mineira de Minas Gerais
( BIS)
SAMBA-LÊ-LÊ
Samba-lê-lê está doente
Está com a cabeça quebrada
Samba lê lê precisava
É de uma boa lambada
Samba, samba, samba o lê lê
Samba na barra da saia o lá lá
(BIS)
Olhe morena bonita
Como é que se namora?
Põe-se um lencinho no bolso
Com as pontinhas de fora
Samba, samba, samba....
(BIS)

O COELHINHO DA PÁSCOA
O coelhinho da Páscoa
É um bom animal
Ele traz os ovinhos
Prá esconder no quintal
(BIS)

DE OLHOS VERMELHOS
De olhos vermelhos
E pêlo branquinho
Orelhas bem grandes
Eu sou o coelhinho
Sou muito assustado
Porém sou guloso
Por uma cenoura
Já fico manhoso
Eu pulo prá frente
Eu pulo prá trás
Dou mil cambalhotas
Sou forte demais
Comi uma cenoura
com casca e tudo
Tão grande ela era....
Fiquei barrigudo

COELHINHO, QUE TRAZES?


Coelhinho da Páscoa,
Com quem vai dançar?
Com aquela menina
Que sabe bailar
Coelhinho da Páscoa,
Que trazes prá mim?
Um ovo, dois ovos ,
três ovos assim
(BIS)
POMBINHA BRANCA
Pombinha branca
Que está fazendo
Lavando roupa
Pro seu casamento
Vou me lavar, vou me trocar
Vou na janela, prá namorar
Passou um homem
De terno branco
Chapéu de lado,
meu namorado
Mandei entrar
Mandei sentar
Cuspiu no chão
Tenha mais educação
Limpa aí seu porcalhão
Tenha mais educação
(BIS)

TEREZINHA DE JESUS
Terezinha de Jesus
De uma queda foi ao chão
Acudiram três cavaleiros
Todos três chapéu na mão
O primeiro foi seu pai
O segundo seu irmão
O terceiro foi aquele
Que a Tereza deu a mão

MEU GALINHO
Há três noites que eu não durmo, o lá lá
Pois perdi o meu galinho, o lá lá
Coitadinho, o lá lá, pobrezinho, o lá lá
Se perdeu lá no jardim
Ele é branco e amarelo, o lá lá
Tem a crista vermelhinha, o lá lá
Bate as asas, lá lá, abre o bico, o lá lá
Ele faz Qui-ri-Qui-Qui

O CRAVO E A ROSA
O cravo brigou com a rosa
Debaixo de uma sacada
O cravo saiu ferido
A rosa despedaçada
O cravo ficou doente
A rosa foi visitar
O cravo teve um desmaio
E a rosa pôs-se a chorar

CAPELINHA DE MELÃO
Capelinha de melão
É de São João
É de cravo, é de rosa
É de mangericão
São João está dormindo
Não me ouve não
Acordai, acordai
Acordai, João

O TREM MALUCO
O trem maluco
Quando sai de Pernambuco
Vai fazendo chic chic
Até chegar no Ceará
Rebola pai
Rebola mãe
Rebola filha
Eu também sou da família
Também quero rebolar
Minha mãe me pôs na escola
Pra aprender o beabá
A danada da fessora
Me ensinou a namorar
Sete e sete são quatorze
com mais sete, vinte e um
Tenho sete namorados,
mas não gosto de nenhum

A LINDA ROSA JUVENIL


A linda rosa juvenil, juvenil, juvenil
A linda rosa juvenil, juvenil
Vivia alegre num solar, num solar, num solar
Vivia alegre num solar, num solar
Mas uma feiticeira má, muito má, muito má
Mas uma feiticeira má, muito má
Adormeceu a rosa assim, bem assim, bem assim
Adormeceu a rosa assim, bem assim
Não há de acordar jamais, nunca mais, nunca mais
Não há de acordar jamais, nunca mais
E o tempo correu a passar, a passar, a passar...
E o mato cresceu ao redor, ao redor...
Um dia veio um lindo rei, lindo rei, lindo rei...
Que a bela rosa despertou, despertou, despertou...
Digamos ao rei: muito bem, muito bem, muito bem!...
Tra la la la la la la la tra la la tra la la la

NA BAHIA TEM
Na Bahia tem, tem,
Tem , tem, tem,
Na Bahia tem,
Ó Morena,
Côco de Vintém
(BIS)

MEU LIMÃO, MEU LIMOEIRO


Meu limão, meu limoeiro
Meu pé de jacarandá
Uma vez tin do lê lê
Outra vez tin do la la

ALECRIM DO CAMPO
ALECRIM, ALECRIM DOURADO
QUE NASCEU NO CAMPO
SEM SER SEMEADO
(BIS)
AI MEU AMOR
QUEM ME DISSE ASSIM
QUE A FLOR DO CAMPO
É O ALECRIM
ALECRIM, ALECRIM AOS MOLHOS
POR CAUSA DE TI
CHORAM OS MEUS OLHOS
(REFRÃO)
ALECRIM, DO MEU CORAÇÃO
QUE VOLTOU O CAMPO
COM ESTA CANÇÃO

O PASTORZINHO
Havia um pastorzinho
Que andava a pastorar
Saiu da sua casa
E pôs-se a cantar

Dó, ré, mi, fá, fá, fá


Dó, ré, dó, ré, ré, ré
Dó, sol, fá, mi, mi, mi
Dó, ré, mi, fá
Chegando ao Palácio

A princesa lhe falou


Dizendo ao pastorzinho
Que seu canto lhe agradou
Sol, lá, si, dó, dó, dó
Sol, lá, sol, lá, lá, lá
Sol, ré, dó, si, si, si
Sol, lá, si, dó, dó, dó

EU SOU POBRE, POBRE, POBRE


Eu sou pobre, pobre, pobre,
de marré-marré-marré
Eu sou pobre, pobre, pobre,
de marré-de-si
Eu sou rica, rica, rica,
de marré-marré-marré
Eu sou rica, rica, rica,
de marré-de-si
Quero uma de vossas filhas,
de marré-marré-marré
Quero uma de vossas filhas,
de marré-de-si
Escolhei a qual quiser,
de marré-marré-marré
Escolhei a qual quiser,
de marré-de-si
Eu só quero a Maria...
Eu de pobre fiquei rica,
de marré-marré-marré
Eu de pobre fiquei rica,
de marré-de-si

MARCHA SOLDADO
Marcha soldado Cabeça de papel
Se não marchar direito
Vai preso pro quartel
O quartel pegou fogo
Maria deu sinal
Acode, acode, acode
A Bandeira Nacional

PAI FRANCISCO
Pai Francisco entrou na roda
Tocando seu violão
Dararão dão dão
E vem de lá seu delegado
E Pai Francisco vai pra prisão
Como ele vem
Todo requebrado
Parece um boneco desengonçado

CARANGUEJO
Caranguejo não é peixe
Caranguejo peixe é
Caranguejo só é peixe
Na enchente da maré
Palma, palma, palma
Pé, pé, pé
Roda, roda, roda
Caranguejo peixe é

FUI NO ITORORÓ
Fui no Itororó
Beber água não achei
Achei foi a morena
Que no Itororó deixei
Aproveita minha gente
Que uma noite não é nada
Se não dormir agora
Dormirás de madrugada
Ó Maria
Ó Mariazinha
Entra nessa roda
E dançará sozinha
Sozinha eu não danço
Nem hei de dançar
Porque tenho a Olívia
Para ser meu par
Ponha aqui o seu pezinho
bem juntinho ao pé do meu
E depois não vá dizer
Que você se arrependeu
(BIS)

ABERTURA "GOGÓ E RITMO"


Alô turminha, afinar o gogó
Afinar o ritmo
Um dois, feijão com arroz
Três quatro, pé de pato
Cinco seis, cadê vocês?
Sete oito, comendo biscoito
Nove dez, juntar os pés
Um dois três, começar outra vez

PIRULITO QUE BATE BATE


Pirulito que bate bate,
Pirulito que já bateu,
Quem gosta de mim é ela
Quem gosta dela sou eu
BIS

Sabiá lá na Gaiola (baião, 1950) - Hervé Cordovil e Mário Vieira


Carmélia Alves

Sabiá lá na gaiola / fez um buraquinho


Voou, voou, voou, voou / E a menina que gostava
Tanto do bichinho / Chorou, chorou, chorou, chorou

Sabiá fugiu pro terreiro / Foi cantar lá no abacateiro


E a menina vive a chamar / Vem cá sabiá, vem cá
Sabiá lá na gaiola...
A menina diz soluçando / Sabiá estou te esperando
Sabiá responde de lá / Não chores que eu vou voltar.

Eu fui no Tororó | Wilson Simonal


tchu tchu ru
tchu tchu ru...
Eu fui no Tororó
beber água e não achei
Achei bela morena,
que no Tororó deixei
Aproveita minha gente
que esta noite não é nada
Se não cantar agora
vai cantar de madrugada
Vem cá, menininha
Vem cá, menininha
Vai cantar agora
ou ficará sozinha
Sozinha eu não fico
nem hei de ficar
Porque tenho muita bossa
e também sei cantar
Eu fui no Tororó
beber água e não achei
Achei bela morena,
que no Tororó deixei
Aproveita minha gente
que esta noite não é nada
Se não cantar agora
vai cantar de madrugada
Vem cá, menininha
Vem cá, menininha
Vai cantar agora
ou cantará sozinha
Sozinha eu não fico
nem hei de ficar
Porque tenho muita bossa
e também sei cantar

Eu Fui no Itororó
Eu fui no Itororó
Beber água e não achei
Achei bela morena
Que no Itororó deixei.
Aproveita minha gente
Que uma noite não é nada
Quem não dormir agora
Dormirá de madrugada.
Ô, Dona Rosinha!
Ô, Dona Rosinha!
Entrarás na roda
ou ficarás sózinha.
Sózinha eu não fico
E nem hei de ficar
Porque tenho sempre alguém
Para ser meu par.
Tira tira teu pézinho
Põe aqui ao pé do meu
E depois não vá dizer
Que você se arrependeu!
Eu passei por uma ponte
Um cachorro me mordeu
Não foi nada, não foi nada
Quem sentiu a dor fui eu.
Domingo
Hoje é domingo,
pé de cachimbo...
o cachimbo é de ouro...
bate no touro...
o touro é valente...
bate na gente
...a gente é fraco...
e cai no buraco...
o buraco é fundo...
acabou-se o mundo!

Uni - du - ni - tê
- Uni - du - ni - tê,
Sa - la - mê min - guê,
um sorvete colorê
o escolhido foi
vo -cê!

Pula a fogueira
Pula a fogueira, Iaiá!
Pula a fogueira, Ioiô!
Cuidado para não se queimar
Olha que a fogueira
Já queimou o meu amor!

Nesta noite de festança


Todos caem na dança
Alegrando o coração
Foguetes, cantos e troça
Na cidade e na roça
Em louvor a São João

Nesta noite de folguedo


Todos brincam sem medo
A soltar seu pistolão
Morena flor do sertão
Quero saber se tu és
Dona do meu coração.

(Getúlio Marinho e João B. Filho)

Pedro, Antonio e João


Com a filha de João
Antônio ia se casar
Mas Pedro fugiu com a noiva
Na hora de ir pro altar

A fogueira está queimando


E um balão está subindo
Antônio estava chorando
E Pedro estava fugindo
E no fim dessa história
Ao apagar-se a fogueira
João consolava Antônio
Que caiu na bebedeira.
(Osvaldo Santiago e Benedito Lacerda)
Isto é lá com Sto Antônio
Eu pedi numa oração
Ao querido São João
Que me desse um matrimônio
São João disse que não!
São João disse que não!
Isto é lá com Santo Antônio!
Eu pedi numa oração
Ao querido São João
Que me desse um matrimônio
Matrimônio! Matrimônio!
Isto é lá com Santo Antônio!

Implorei a São João


Desse ao menos um cartão
Que eu levava a Santo Antônio
São João ficou zangado
São João só dá cartão
Com direito a batizado
Implorei a São João
Desse ao menos um cartão
Que eu levava a Santo Antônio
Matrimônio! Matrimônio!
Isso é lá com Santo Antônio!

São João não me atendendo


A São Pedro fui correndo
Nos portões do paraíso
Disse o velho num sorriso:
Minha gente, eu sou chaveiro!
Nunca fui casamenteiro!
São João não me atendendo
A São Pedro fui correndo
Nos portões do paraíso
Matrimônio! Matrimônio!
Isso é lá com Santo Antônio.
(Lamartine Babo)

A canoa virou
A CANOA VIROU
POIS DEIXARAM ELA VIRAR
FOI POR CAUSA DE [FULANA]
QUE NÃO SOUBE REMAR.
SE EU FOSSE UM PEIXINHO
E SOUBESSE NADAR
EU TIRAVA [FULANA]
DO FUNDO DO MAR.
SIRI PRA CÁ
SIRI PRA LÁ
[FULANA] É BELA
E QUER CASAR.

Sinos de Belém
Bate o sino pequenino
Sino de Belém
Já nasceu Deus- Menino
Para o nosso bem

Paz na Terra, pede o sino


Alegre a cantar
Abençoe Deus- Menino
Este nosso lar

Hoje a noite é bela


Juntos eu e ela
Vamos à capela
Sob a luz da vela
Felizes a rezar

Ao soar o sino
Sino pequenino
Vai o Deus- Menino
Nos abençoar

Bate o sino pequenino


Sino de Belém
Já nasceu Deus- Menino
Para o nosso bem

Paz na Terra, pede o sino


Alegre a cantar
Abençoe Deus- Menino
Este nosso lar.

Em Inglês:
Jingle Bells
Dashing through the snow
On a one-horse open sleigh,
Over the fields we go,
Laughing all the way;
Bells on bob-tail ring,
making spirits bright,
What fun it is to ride and sing
A sleighing song tonight

Jingle bells, jingle bells,


jingle all the way!
O what fun it is to ride
In a one-horse open sleigh

A day or two ago,


I thought I'd take a ride,
And soon Miss Fanny Bright
Was seated by my side;
The horse was lean and lank;
Misfortune seemed his lot;
He got into a drifted bank,
And we, we got upsot.

Jingle Bells, Jingle Bells,


Jingle all the way!
What fun it is to ride
In a one-horse open sleigh.

A day or two ago,


the story I must tell
I went out on the snow
And on my back I fell;
A gent was riding by
In a one-horse open sleigh,
He laughed as there
I sprawling lie,
But quickly drove away.

Jingle Bells, Jingle Bells,


Jingle all the way!
What fun it is to ride
In a one-horse open sleigh.

Now the ground is white


Go it while you're young,
Take the girls tonight
And sing this sleighing song;
Just get a bob-tailed bay
two-forty as his speed
Hitch him to an open sleigh
And crack! you'll take the lead.

Jingle Bells, Jingle Bells,


Jingle all the way!
What fun it is to ride
In a one-horse open sleigh.

Pai Francisco
Pai Francisco entrou na roda
Tocando o seu violão
Bi–rim-bão bão bão, Bi–rim-bão bão bão !
Vem de lá Seu Delegado
E Pai Francisco foi pra prisão.
Como ele vem todo requebrado
Parece um boneco desengonçado

O natal existe / quero ver


Quero ver você não chorar
não olhar pra trás
nem se arrepender do que faz
Quero ver o amor vencer
mas se a dor nascer
você resistir e sorrir

Se você pode ser assim


tão enorme assim
eu vou crer

Que o Natal existe


que ninguém é triste
que no mundo há sempre amor

Bom Natal um Feliz Natal


muito amor e paz pra você
pra você
(Autor: Edson Borges)

Canção Da Criança - Francisco Alves


Brincando, marcha o menino de hoje.
Lutando, marchará o menino de amanhã.
Crianças despreocupadas desse Brasil-Menino,
cujas glórias hão de colher os homens grandes
que dominarão o Brasil-Gigante
esse Brasil grandioso que eu canto,
que as crianças da Casa de Lázaro
felizes cantarão, numa esperança
de vitórias e alegrias.
Criança feliz, que vive a cantar
alegre embalar seu sonho infantil
ó meu bom Jesus, que a todos conduz
olhai as crianças do nosso Brasil!

Criança feliz, que vive a cantar


alegre embalar seu sonho infantil
ó meu bom Jesus, que a todos conduz
olhai as crianças do nosso Brasil!

Crianças com alegria


qual um bando de andorinhas
viram Jesus que dizia:
Vinde a mim as criancinhas!
Hoje dos céus num aceno
os anjos dizem amém
porque Jesus Nazareno
foi criancinha também!
Criança feliz, que vive a cantar
alegre embalar seu sonho infantil
ó meu bom Jesus, que a todos conduz
olhai as crianças do nosso Brasil!

Criança feliz, que vive a cantar


alegre embalar seu sonho infantil
ó meu bom Jesus, que a todos conduz
olhai as crianças do nosso Brasil!

Crianças com alegria


qual um bando de andorinhas
viram Jesus que dizia:
Vinde a mim as criancinhas!
Hoje dos céus num aceno
os anjos dizem amém
porque Jesus Nazareno
foi criancinha também!

Criança feliz, que vive a cantar


alegre embalar seu sonho infantil
ó meu bom Jesus, que a todos conduz
olhai as crianças do nosso Brasil!

Criança feliz, que vive a cantar


alegre embalar seu sonho infantil
ó meu bom Jesus, que a todos conduz
olhai as crianças do nosso Brasil!

O sítio do seu Lobato


Seu Lobato tinha um sítio, ia, ia, ô
E no seu sítio tinha um cachorrinho, ia, ia, ô
Era, au, au, au, pra cá
Era, au, au, au, pra lá
Era au, au, au, pra todo lado ia, ia, ô

Seu Lobato tinha um sítio, ia, ia, ô

E no seu sítio tinha uma vaquinha, ia, ia, ô


Era, mu, mu, mu pra cá
Era, mu, mu, mu pra lá
Era, mu, mu, mu pra todo lado ia, ia, ô

Seu Lobato tinha um sítio, ia, ia, ô

E no seu sítio tinha um gatinho, ia, ia, ô


Era, miau, miau, miau, pra cá
Era, miau, miau, miau, pra lá
Era miau, miau, miau, pra todo lado ia, ia, ô

Seu Lobato tinha um sítio, ia, ia, ô


E no seu sítio tinha um pintinho, ia, ia, ô
Era, piu, piu, piu, pra cá
Era, piu, piu, piu, pra lá
Era piu, piu, piu, pra todo lado ia, ia, ô
Outra letra:

SEU LOBATO TINHA UM SÍTIO IA, IA, Ô!


E NO SEU SÍTIO TINHA UM CACHORRO, IA, IA, Ô!
Era AU, AU, AU PRA CÁ
ERA AU, AU, AU PRA LÁ
ERA AU, AU, AU, PRA TODO LADO, IA, IA, Ô!
SEU LOBATO TINHA UM SÍTIO IA, IA, Ô!
E NO SEU SÍTIO TINHA UMA GALINHA, IA, IA, Ô!
ERA COCORICÓ PRA CÁ
ERA COCORICÓ PRA LÁ
ERA COCORICÓ PRA TODO LADO, IA, IA, Ô!
SEU LOBATO TINHA UM SÍTIO IA, IA, Ô!
E NO SEU SÍTIO TINHA UMAVACA, IA, IA, Ô!
ERA MU, MU, MU PRA CÁ
ERA MU, MU, MU PRA LÁ
ERA MU, MU, MU PRA TODO LADO, IA, IA, Ô!
SEU LOBATO TINHA UM SÍTIO IA, IA, Ô!
E NO SEU SÍTIO TINHA UM PATO, IA, IA, Ô!
ERA QUÁ, QUÁ, QUÁ PRA CÁ
ERA QUÁ, QUÁ, QUÁ PRA LÁ
ERA QUÁ, QUÁ, QUÁ PRA TODO LADO, IA, IA, Ô!
IA, IA, Ô
IA, IA,Ô

Cantigas de Roda - Cirandas


O que são as cantigas de roda, cirandas, músicas infantis

Alguns exemplos de cantigas de roda:

Capelinha de melão
Capelinha de melão
É de São João
É de cravo, é de rosa,
É de manjericão
São João está dormindo
Não acorda, não
Acordai, acordai,
Acordai, João!

Caranguejo
Caranguejo não é peixe
Caranguejo peixe é
Caranguejo não é peixe
Na vazante da maré.
Palma, palma, palma,
Pé, pé, pé
Caranguejo só é peixe, na vazante da maré!

Atirei o pau no gato


Atirei o pau no gato, tô
mas o gato, tô tô
não morreu, reu, reu
dona Chica, cá cá
admirou-se, se se
do berrô, do berrô, que o gato deu, Miau!

Ciranda cirandinha
Ciranda, cirandinha, vamos todos cirandar, vamos dar a meia-volta, volta e meia vamos dar
O anel que tu me deste era vidro e se quebrou
O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou
Por isso, D. Fulano entre dentro dessa roda
Diga um verso bem bonito, diga adeus e vá-se embora
A ciranda tem tres filhas
Todas tres por batizar
A mais velha delas todas
Ciranda se vai chamar

Escravos de Jó
Escravos de Jó
Jogavam caxangá
Tira, bota, deixa o Zé Pereira ficar.
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá.

Morena Bonita
Samba Lelê Ó morena bonita!
Samba Lelê tá doente Como é que se namora? Domingo
Tá com a cabeça quebrada Põe o lencinho no bolso, Hoje é domingo,
Samba Lelê precisava Deixa a pontinha de fora. pé de cachimbo...
é de umas boas palmadas o cachimbo é de ouro...
Ó morena bonita, bate no touro...
Samba, oi samba, oi samba oi Lelê ! Como é que se casa? o touro é valente...
Samba, oi samba, oi samba oi Lalá ! Põe o véu na cabeça, bate na gente
Samba, oi samba, oi samba oi Lelê ! Dá o fora de casa. ...a gente é fraco...
Na barra da saia... e cai no buraco...
Samba Criola Ó morena bonita, o buraco é fundo...
Como é que se cozinha? acabou-se o mundo!
Samba criola, que veio da Bahia! Põe a panela no fogo, Uni - du - ni - tê
Pega essa criança e joga na bacia ! Vai conversar com a vizinha. Uni - du - ni - tê,
A bacia é de ouro, ariada com sabão. Sa - la - mê min - guê,
Depois de ariada, enxuga com roupão! Ó morena bonita, um sorvete colorê
O roupão é de seda, camisinha de filó Onde é que você mora? o escolhido foi
Roupinha de veludo, prá dar benção à vovó. Moro na Praia Formosa, vo -cê!
À benção, vovó! À benção, vovó! Digo adeus e vou embora.

À Linda Rosa Eu Fui no Itororó


A Linda Rosa juvenil, juvenil, juvenil. Eu fui no Itororó
A Linda Rosa juvenil, juvenil. Beber água e não achei
Vivia alegre em seu lar, em seu lar, em seu lar. Achei bela morena
Vivia alegre em seu lar, em seu lar. Que no Itororó deixei.

Um dia veio a bruxa má, muito má, muito má. Aproveita minha gente
Um dia veio a bruxa má, muito má. Que uma noite não é nada
Um dia veio a bruxa má, muito má, muito má. Quem não dormir agora
Um dia veio a bruxa má, muito má. Dormirá de madrugada.
Ô, Dona Rosinha!
Ô, Dona Rosinha!
E adormeceu a Rosa assim, bem assim, bem assim. Entrarás na roda
E adormeceu a Rosa assim, bem assim. ou ficarás sózinha.
Não há de acordar jamais, nunca mais, nunca mais.
Não há de acordar jamais, nunca mais.
Sózinha eu não fico
E nem hei de ficar
E o tempo passou a correr, a correr, a correr. Porque tenho sempre alguém
E o tempo passou a correr, a correr. Para ser meu par.
E o mato cresceu ao redor, ao redor, ao redor
E o mato cresceu ao redor... ao redor.
Tira tira teu pézinho
Põe aqui ao pé do meu
Um dia veio um Belo Rei, Belo Rei, Belo Rei. E depois não vá dizer
Um dia veio um Belo Rei... Belo Rei. Que você se arrependeu!
E despertou a Rosa assim, bem assim, bem assim
E despertou a rosa assim... bem assim.
Eu passei por uma ponte
Um cachorro me mordeu
Batemos palmas para o Rei, para o Rei, para o Rei Não foi nada, não foi nada
Batemos palmas para o Rei... para o Rei. Quem sentiu a dor fui eu.
Teresinha de Jesus Ciranda, cirandinha
Teresinha de Jesus Ciranda, cirandinha! A Moda da Tal Anquinha...
De uma queda foi ao chão Vamos todos cirandar A moda da tal anquinha
Acudiram três cavaleiros Vamos dar a meia volta É uma moda estrangulada
Todos três chapéu na mão. Volta e meia vamos dar! Depois do joelho em terra
Faz a gente ficar pasmada.
O primeiro foi seu pai O anel que tú me deste Maria, sacode a saia!
O segundo seu irmão Era vidro e se quebrou Maria, levanta o braço!
E o terceiro foi aquele O amor que tú me tinhas Maria, dá-me um beijinho!
A quem Teresa deu a mão. Era pouco e se acabou. Ó, Maria, dá-me um abraço!

Tanta laranja madura Ciranda, cirandinha! A moda da tal anquinha


Tanto limão pelo chão Vamos todos cirandar É uma moda estrangulada
Tanto sangue derramado Vamos dar a meia volta Depois do joelho em terra
Dentro do meu coração. Cavalheiro troque o par! Faz a gente ficar pasmada

Da laranja quero um gomo Por isso (D.fulana) Zequinha tem dó de mim!


Do limão quero um pedaço Entre dentro dessa roda Zequinha, levanta o braço!
Da Teresa quero um beijo Diga um verso bem bonito Zequinha, dá-me um beijinho!
Do seu pai quero um abraço Diga adeus e vá-se embora! Ó, Zequinha, dá-me um abraço!
Eu Entrei na Roda
Ai eu entrei na roda
Ai eu entrei na contra-dança
Ai eu entrei na contra-dança
Ai eu não sei dançar
Machadinha
Há! Há! Há! Minha machadinha
Há! Há! Há! Minha machadinha Todo mundo se admira
Quem te pôs a mão sabendo que és minha? Da macaca fazer renda
Quem te pôs a mão sabendo que és minha? Eu já ví uma perua
Ser caixeira de uma venda.
Sabendo que és meu já não sou mais tua!
Sabendo que és meu já não sou mais tua! Ai eu entrei na roda
Pula machadinha para o meio da rua! Ai eu entrei na contra-dança
Pula machadinha para o meio da rua! Ai eu entrei na contra-dança
Ai eu não sei dançar
No meio da rua não hei de ficar!
No meio da rua não hei de ficar! Sete e sete são quatorze
Pula machadinha para o teu lugar! Tres vezes sete vinte e um
Pula machadinha para o teu lugar! Tenho sete namorados
Mas só posso casar com um
Hei de ir à roda escolher meu par!
Hei de ir à roda escolher meu par! Ai eu entrei na roda
Pula machadinha para o teu lugar! Ai eu entrei na contra-dança
Pula machadinha para o teu lugar! Ai eu entrei na contra-dança
Ai eu não sei dançar
Pirulito
Pirulito que bate bate, -Eu ganhei um lenço verde
Pirulito que já bateu! Por ser verde vou queimar
Quem gosta de mim é ela, Porque verde é esperança
Quem gosta dela sou eu. E eu não tenho o que esperar

O Cravo e A Rosa Ai eu entrei na roda


O cravo brigou com a Rosa Ai eu entrei na contra-dança
Debaixo de uma sacada. Ai eu entrei na contra-dança
O Cravo saiu ferido Ai eu não sei dançar
E a Rosa despetalada.
Lá vai uma, lá vão duas
O Cravo ficou doente Lá vão três pela terceira
A Rosa foi visitar Lá se vai o meu benzinho
O Cravo teve um desmaio, De vapor prá cachoeira.
E a Rosa pôs-se a chorar.
Ai eu entrei na roda
Ai eu entrei na contra-dança
Ai eu entrei na contra-dança
Ai eu não sei dançar