Vous êtes sur la page 1sur 46

Inação

Vítor Wilher

O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a
inação no
longo prazo? Inação
A dinâmica
da inação
no curto Curso de Análise de Conjuntura usando o R
prazo
Nível Geral
de Preços e
Inação ao Vítor Wilher
redor do
mundo
analisemacro.com.br
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor 5 de Setembro de 2016
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Plano de Voo


O que vimos
até aqui 1 O que vimos até aqui
O que
veremos hoje 2 O que veremos hoje
Introdução
3 Introdução
O que
determina a
inação no 4 O que determina a inação no longo prazo?
longo prazo?
A dinâmica 5 A dinâmica da inação no curto prazo
da inação
no curto
prazo 6 Nível Geral de Preços e Inação ao redor do mundo
Nível Geral
de Preços e 7 Inação no Brasil
Inação ao
redor do O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)
mundo Dos grupos para o índice cheio
Inação no E de volta aos grupos...
Brasil
O Índice de
Preços ao
Índice de Difusão
Consumidor
Amplo Núcleos de Inação
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
Os Índices Gerais de Preços
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher O que vimos até aqui


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a
1 Apresentação do Curso
inação no
longo prazo? 2 Apresentação do R e instalação de programas
A dinâmica
da inação
3 Fundamentos Macroeconômicos
no curto
prazo 4 Lidando com dados
Nível Geral
de Preços e
5 Nível de Atividade
Inação ao
redor do 6 Mercado de Trabalho
mundo
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher O que veremos hoje


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje
1 Introdução
Introdução
O que 2 O que determina a inação no longo prazo?
determina a
inação no 3 A dinâmica da inação no curto prazo
longo prazo?
A dinâmica 4 Nível Geral de Preços e Inação no mundo
da inação
no curto 5 Inação no Brasil
prazo
Nível Geral 6 O IPCA
de Preços e
Inação ao 7 Índice de Difusão
redor do
mundo 8 Núcleos de Inação
Inação no
Brasil 9 Os Índices Gerais de Preços
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Introdução


O que vimos
até aqui
Inação é um problema difícil e mal compreendido. A despeito
O que
veremos hoje disso, qualquer cidadão tem sua denição na ponta da língua.
Introdução Você pode perguntar a qualquer um e imediatamente terá a
O que
determina a
resposta: aumento de preços. Mas será que essa versão
inação no
longo prazo?
simples do que seja inação é a mais correta? A diculdade em
A dinâmica
entender o fenômeno inacionário é uma das causas para que
da inação
no curto
seu controle sofra interrupções em vários momentos da História
prazo brasileira. Inclusive no atual. Nessa seção do nosso Curso de
Nível Geral
de Preços e
Análise de Conjuntura usando o R, procuraremos mostrar o que
Inação ao
redor do
é e o que não é inação, bem como trabalharemos com diversos
mundo índices de preços. Esperamos que ajude estudantes de
Inação no
Brasil
graduação, pós-graduação e demais interessados a entender o
O Índice de
Preços ao
debate atual sobre inação em nosso país.1
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos 1
para o índice
cheio Para uma introdução ao fenômeno inacionário, ver Hall (1982). Para
E de volta
aos grupos...
análise da inação com o R, ver Lima (2015).
Inação

Vítor Wilher Introdução


O que vimos
até aqui
O que
Antes de mais nada, é preciso diferenciar duas coisas: nível
veremos hoje geral de preços e inação. O primeiro é uma medida acumulada
Introdução do comportamento agregado dos preços de bens e serviços de
O que
determina a uma economia em determinado período do tempo, geralmente
inação no
longo prazo? expressa por meio de números índices. A inação, desse modo,
A dinâmica é a taxa de crescimento do nível geral de preços entre dois
da inação
no curto períodos distintos.
prazo
Nível Geral É importante, nesse contexto, qualicar o que queremos dizer
de Preços e
Inação ao
redor do
com taxa de crescimento. Ao contrário do que o senso comum
mundo acredita, o aumento no preço de um determinado bem ou
Inação no serviço não pode ser caracterizado com o que estamos denindo
Brasil
O Índice de
Preços ao como inação. Para ser considerado inação, é necessário que
Consumidor
Amplo
(IPCA)
haja um aumento persistente e generalizado de preços.
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Introdução


O que vimos
até aqui
O que Essa denição um pouco mais ampla, por suposto, nos permite
veremos hoje
Introdução
perceber a diculdade que é lidar com o processo inacionário.
O que
Anal, é uma variável macroeconômica que agrega diversas
determina a
inação no
decisões de consumo e produção, tratadas no nível
longo prazo? microeconômico. O aumento dos preços dos alimentos, por
A dinâmica exemplo, não pode ser considerado, de forma isolada, como
da inação
no curto
prazo
inação: ele geralmente está associado a questões climáticas,
Nível Geral que momentaneamente reduzem a oferta desses produtos. Tão
de Preços e logo o problema se dissipe, os preços voltam ao normal.
Inação ao
redor do
mundo
Inação no
É justamente por isso, por essa dinâmica generalizada do
Brasil processo inacionário, que a sua causa última deve ser comum,
O Índice de
Preços ao
Consumidor como veremos a seguir.
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher O que determina a inação no


O que vimos
até aqui
longo prazo?
O que
veremos hoje
Introdução
O que Havia no início da década de 80 do século passado algumas
determina a
inação no teorias no mercado para explicar a taxa de crescimento do nível
longo prazo?
geral de preços. Após a era Paul Volcker no Federal Reserve,
A dinâmica
da inação entretanto, cou combinado que a inação era explicada
no curto
prazo pela diferença entre a taxa de crescimento dos meios de
Nível Geral
de Preços e
pagamento e do produto real de uma economia. Essa é a
Inação ao ideia por trás da teoria quantitativa, cujos primeiros rabiscos
redor do
mundo podem ser encontrados no ensaio Of Money, de 1752, escrito
Inação no
Brasil
por ninguém menos que David Hume.
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher O que determina a inação no


O que vimos
até aqui
longo prazo?
O que
veremos hoje
Podemos ilustrar o argumento fazendo uso da equação de
Introdução
Cambridge, a partir do equilíbrio entre demanda
O que
determina a M d = kPy (1)
inação no
longo prazo?
A dinâmica e oferta de moeda
da inação
no curto Ms = M (2)
prazo
Nível Geral Igualando (11) e (12) e reordenando os termos, chegamos à
de Preços e
Inação ao equação:
redor do M
mundo P= (3)
Inação no ky
Brasil
O Índice de
Preços ao
Aplicando logaritmo e derivando em relação ao tempo, temos
Consumidor
Amplo que:
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
Ṗ = Ṁ − k̇ − ẏ (4)
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher O que determina a inação no


O que vimos
até aqui
longo prazo?
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a
inação no Como k é, por hipótese, constante, temos que:
longo prazo?
A dinâmica
da inação Ṗ = Ṁ − ẏ (5)
no curto
prazo
Nível Geral
Em outros termos, a taxa de crescimento do nível geral de
de Preços e
Inação ao
preços é dada pela diferença entre a taxa de crescimento
redor do
mundo
dos meios de pagamento e do produto real da economia.
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher O que determina a inação no


O que vimos
até aqui
longo prazo?
O que
veremos hoje Essa teoria embasa a famosa frase do economista Milton
Introdução Friedman, para quem "ination is always and everywhere a
O que monetary phenomenon".2 Ora, leitor, se a inação é
determina a
inação no determinada positivamente pela taxa de crescimento dos meios
longo prazo?
de pagamento, ca claro que a condução frouxa da política
A dinâmica
da inação monetária gera mais inação. Ou, de outra forma, podemos
no curto
prazo relacionar a taxa de crescimento dos meios de pagamento
Nível Geral à inação através da taxa de juros. Isso foi proposto
de Preços e
Inação ao inicialmente por Knut Wicksell em sua obra Interest and
redor do
mundo Prices (1898), para quem a política monetária será
Inação no expansionista se a taxa de juros de curto prazo estiver
Brasil
O Índice de abaixo daquela considerada de equilíbrio entre oferta e
Preços ao
Consumidor
Amplo demanda por fundos emprestáveis.3
(IPCA)
Dos grupos 2
para o índice
cheio Ver,
por exemplo, Friedman (1970).
3
E de volta
aos grupos...
Para uma referência atual, ver, por exemplo, Blinder (1999).
Inação

Vítor Wilher O que determina a inação no


O que vimos
até aqui
longo prazo?
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a
inação no Nesse contexto, leitor, a causa da inação ao longo do tempo
longo prazo?
A dinâmica deve ser buscada, em última instância, na condução da política
da inação
no curto monetária. Ao policymaker cabe calibrar a taxa básica de juros
prazo em torno daquela considerada de equilíbrio, natural ou neutra,
Nível Geral
de Preços e de modo a manter a estabilidade de preços na economia. Foi
Inação ao
redor do essa a grande lição da Era Volcker à frente do Federal Reserve.
mundo
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher A dinâmica da inação no curto


O que vimos
até aqui
prazo
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a
inação no No curto prazo, diversos fatores podem afetar a taxa de
longo prazo?
crescimento dos preços. Uma quebra de safra, por exemplo,
A dinâmica
da inação pode gerar um aumento localizado nos preços de alimentos, o
no curto
prazo que gera uma pressão inacionária. De outra forma, um
Nível Geral overshooting da taxa de câmbio aumenta o preços de bens
de Preços e
Inação ao tradeables, que por serem insumos em diversas cadeias
redor do
mundo produtivas, acaba gerando também uma pressão inacionária.
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher A dinâmica da inação no curto


O que vimos
até aqui
prazo
O que
veremos hoje
De modo a vericar a dinâmica da inação no curto prazo,
Introdução
O que
como vimos na seção 2 do nosso curso, os economistas fazem
determina a uso da Curva de Phillips. A versão modernamente aceita
inação no
longo prazo? desse famoso instrumento analítico foi elaborada por Friedman
A dinâmica
da inação
(1968), Phelps (1967) e Phelps (1968). Nessa versão, existe um
no curto
prazo
trade-o não estável entre inação e desemprego, como
Nível Geral
mostrado pela equação abaixo:
de Preços e
Inação ao
redor do πt = β0 + β1 Et πt+1 − β2 (ut − un ) + εt (6)
mundo
Inação no
Brasil Onde πt é a inação corrente, ut é o desemprego corrente e un
O Índice de
Preços ao é o desemprego natural. Nesses termos, toda vez que ut for
Consumidor
Amplo
(IPCA)
menor do que un , haverá pressão inacionária.
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher A dinâmica da inação no curto


O que vimos
até aqui
prazo
O que
veremos hoje
Introdução
O que
Em termos empíricos, diferentes considerações podem ser feitas
determina a
inação no
de modo a estimar a Curva de Phillips. Em particular, duas
longo prazo? questões são tratadas. A primeira diz respeito a como os
A dinâmica
da inação
agentes formam suas expectativas sobre o futuro. Há
no curto
prazo
basicamente duas opções: (i) os agentes olham para o passado
Nível Geral
e simplesmente replicam o que ocorreu para o futuro; (ii) os
de Preços e
Inação ao
agentes buscam inferir sobre um conjunto de informação mais
redor do
mundo
amplo o que acontecerá com os preços no futuro. Uma segunda
Inação no
questão tratada, em termos empíricos, é a adição de controles,
Brasil
O Índice de
como proxies para choques de oferta e/ou dummies sazonais.
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher A dinâmica da inação no curto


O que vimos
até aqui
prazo
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a Uma vez feito isso, uma versão um pouco mais geral da Curva
inação no
longo prazo? de Phillips, considerando dados mensais de inação, pode ser
A dinâmica especicada como abaixo:
da inação
no curto
prazo 11
X
Nível Geral πt = β0 + β1 πt−1 + β2 Et πt+1 + β3 ht−1 + βk+3 DSk + εt (7)
de Preços e
Inação ao k=1
redor do
mundo
Onde ht é o hiato do produto e DSk são as dummies sazonais.
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Nível Geral de Preços e Inação ao


O que vimos
até aqui
redor do mundo
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a De modo a mostrar a relação entre nível geral de preços e
inação no
longo prazo? inação, a taxa de crescimento desse nível geral de preços,
A dinâmica vamos levar para o R o Consumer Price Index de diversos
da inação
no curto países com o código a seguir.
prazo
Nível Geral cpi <- read.csv2('arquivo13.csv', header=T, sep=';', dec=',')
de Preços e
Inação ao cpi <- cpi[,-1]
redor do cpi <- ts(cpi, start=c(1991,01), freq=12)
mundo
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Nível Geral de Preços e Inação ao


O que vimos
até aqui
redor do mundo
O que
veremos hoje
Introdução
O que
Uma vez que tenhamos importado o CPI de diversos países,
determina a
inação no
podemos obter a inação mensal como abaixo.
longo prazo?
A dinâmica inflacao <- (cpi/lag(cpi,-1)-1)*100
da inação colnames(inflacao) <- colnames(cpi)
no curto
prazo
Nível Geral
de Preços e E a inação acumulada em 12 meses como abaixo.
Inação ao
redor do
mundo infanual <- (cpi/lag(cpi,-12)-1)*100
Inação no colnames(infanual) <- colnames(cpi)
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Nível Geral de Preços e Inação ao


O que vimos
até aqui
redor do mundo
O que Uma vez que tenhamos o CPI, a inação mensal e a inação
veremos hoje
acumulada em 12 meses, podemos ver alguns grácos
Introdução
selecionados, como abaixo.4
O que
determina a
inação no 4000
240

Alemanha
longo prazo?
220 100
Brasil

EUA
3000 200
180 90
A dinâmica
2000
160

da inação
1000 80
1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015
no curto 110

prazo 100 100


Canadá

100

França

Itália
90
90 90
Nível Geral 80
80

de Preços e 80 70

Inação ao
1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015

redor do 104 110


Reino.Unido

200

Argentina
mundo
103 100
Japão

102 150
90
101
100
Inação no 100 80

Brasil
99
1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015

O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo Figura: Nível Geral de Preços de países selecionados.
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
4
E de volta
aos grupos...
Lembre-se de carregar o pacote BMR.
Inação

Vítor Wilher Nível Geral de Preços e Inação ao


O que vimos
até aqui
redor do mundo
O que
De maneira geral, o Nível Geral de Preços apresenta uma
veremos hoje tendência positiva. Isto é, os preços tendem a subir ao longo do
Introdução tempo. A velocidade desse crescimento, como vimos
O que
determina a anteriormente, vai depender, em termos estruturais, da
inação no
longo prazo? condução da política monetária e, em termos conjunturais, de
A dinâmica fatores especicados na Curva de Phillips. Para ilustrar,
da inação
no curto plotamos abaixo a inação mensal.
prazo
3
Nível Geral
1.0
1

Alemanha
2 0.5
Brasil

de Preços e
EUA
0
1 0.0

Inação ao
−1 −0.5
0
−1.0

redor do 1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015

mundo 1.0
0.5
Canadá

0.5
França

0.5

Itália
0.0 0.0

Inação no −0.5 −0.5


0.0

Brasil
−1.0 −1.0
1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015

O Índice de 2 1.0
Reino.Unido

0
Preços ao
Argentina
0.5
Japão

Consumidor
−20
0.0

Amplo
0 −40
−0.5

(IPCA) −1
1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015 1995 2000 2005 2010 2015

Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta Figura: Inação mensal de países selecionados.
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Nível Geral de Preços e Inação ao


O que vimos
até aqui
redor do mundo
O que
E, por m, podemos ver a inação acumulada em 12 meses
veremos hoje desses países, para vericar como diferentes países têm taxas de
Introdução crescimento dos preços distintas.
O que
determina a
inação no
longo prazo? 15
3

Alemanha
4
Brasil

EUA
2
A dinâmica
10
1
0
da inação 5
−2
0

no curto 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015
prazo 5
4
4
3
3
Canadá

França
Nível Geral
3

Itália
2
2 2

de Preços e 1 1 1

Inação ao
0 0 0
−1
redor do 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015

mundo 4
Reino.Unido

25

Argentina
2 4
Japão

Inação no 0 2
0

Brasil −2
−25

O Índice de
0 −50

Preços ao 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015

Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos Figura: Inação mensal de países selecionados.
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Inação no Brasil


O que vimos Uma vez que tenhamos denido o que seja nível geral de preços
até aqui
O que
e inação, bem como tenhamos visto a teoria da inação e
veremos hoje ilustrado o comportamento desta em países selecionados,
Introdução podemos agora nos voltar para o Brasil.
O que
determina a
inação no
longo prazo? Inflação mensal Inflação anual

A dinâmica
3.0

da inação
no curto

14
2.0

prazo
% a.m.

% a.a.

8 10
Nível Geral
1.0

de Preços e
Inação ao

6
redor do
0.0

4
mundo
2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA) Figura: Inação no Brasil.
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Inação no Brasil


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a
inação no
Acima, plotamos a inação mensal e acumulada em doze meses
longo prazo? para o Brasil, a partir do Índice de Preços ao Consumidor Amplo
A dinâmica (IPCA), o índice que serve de referência para o regime de metas
da inação
no curto
prazo
de inação.5 Vamos, agora, explorar um pouco mais esse índice.
Nível Geral
de Preços e
Inação ao
redor do
mundo
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos 5
para o índice
cheio Vigente no país desde 1999, conforme exposto no decreto 3088 de 21
E de volta
aos grupos...
de junho de 1999.
Inação

Vítor Wilher O Índice de Preços ao Consumidor


O que vimos
até aqui
Amplo (IPCA)
O que O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) faz parte do
veremos hoje
Introdução Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor (SNIPC),
O que que como dene o IBGE:6
determina a
inação no
longo prazo? Efetua a produção contínua e sistemática de índices de
A dinâmica preços ao consumidor, tendo como unidade de coleta
da inação
no curto estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços,
prazo concessionária de serviços públicos e domicílios (para
Nível Geral levantamento de aluguel e condomínio). O período de
de Preços e
Inação ao coleta do IPCA estende-se, em geral, do dia 01 a 30 do
redor do
mundo mês de referência. A população-objetivo do IPCA abrange
Inação no as famílias com rendimentos mensais compreendidos entre
Brasil 1 (hum) e 40 (quarenta) salários-mínimos, qualquer que
O Índice de
Preços ao seja a fonte de rendimentos, e residentes nas áreas urbanas
Consumidor
Amplo das regiões.
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
6
E de volta
aos grupos...
Para maiores informações, consulte o site do IBGE.
Inação

Vítor Wilher O Índice de Preços ao Consumidor


O que vimos
até aqui
Amplo (IPCA)
O que A periodicidade do IPCA é mensal, abrangendo as regiões
veremos hoje
Introdução
metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo
O que
Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Vitória e Porto
determina a
inação no
Alegre, Brasília e municípios de Goiânia e Campo Grande.7
longo prazo?
A dinâmica
O IPCA é construído de forma hierarquizada, sendo dividido em
da inação
no curto
grupos, subgrupos, itens e subitens. Desde agosto de 1999, são
prazo nove os grupos: alimentos e bebidas, habitação, artigos de
Nível Geral
de Preços e
residência, vestuário, transportes, comunicação, saúde e
Inação ao
redor do
cuidados pessoais, despesas pessoais e educação. O peso de
mundo cada um desses grupos no índice cheio é denido mensalmente,
Inação no
Brasil
de acordo com os gastos das famílias em diferentes bens e
O Índice de
Preços ao serviços. Estes gastos, por sua vez, são captados pela Pesquisa
Consumidor
Amplo
(IPCA)
de Orçamento Familiar (POF).8
Dos grupos 7
para o índice
cheio Paraver a metodologia de cálculo do índice, acesse aqui.
8
E de volta
aos grupos...
A estrutura atual de ponderação do IPCA é dada pela POF 2008-2009.
Inação

Vítor Wilher O Índice de Preços ao Consumidor


O que vimos
até aqui
Amplo (IPCA)
O que A cada grupo estarão, então, vinculados subgrupos, itens e subitens.
veremos hoje
Atualmente, o IPCA possui 373 subitens, distribuídos por 52 itens e
Introdução
19 subgrupos. Todos os meses, então, o IBGE calculará a variação do
O que
determina a preço de cada um desses subitens em relação ao mês anterior, bem
inação no como vericará o peso dele no índice cheio. O somatório do produto
longo prazo?
A dinâmica
entre variação mensal e peso de todos os 373 subitens dará a
da inação variação mensal do índice cheio.
no curto
prazo
Bom, então vamos começar a usar o R para a brincadeira car mais
Nível Geral
de Preços e divertida ainda. Para esse exercício, eu peguei a variação mensal e o
Inação ao
redor do
peso dos nove grupos do IPCA no SIDRA, para o período de agosto
mundo de 2009 a abril de 2015, totalizando 189 observações. Montei
Inação no minha planilha no Excel com a extensão csv e importei os dados para
Brasil
O Índice de
o R. Dei uma olhada nas primeiras e nas últimas observações das
Preços ao
Consumidor séries com as funções head e tail, para ver se estava tudo ok e pedi
Amplo
(IPCA) os grácos das variações mensais e, posteriormente, dos pesos dos 9
Dos grupos
para o índice
cheio
grupos.
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher O Índice de Preços ao Consumidor


O que vimos
até aqui
Amplo (IPCA)
O que
veremos hoje 6 3

Introdução 4

residencia
habitacao
alimentos

4 2
2
1
O que 2
0
determina a 0
−2
0

inação no 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015


−1
2000 2005 2010 2015
longo prazo? 2

comunicacao
4

transportes
A dinâmica 7.5
vestuario

1
da inação 0
2 5.0

no curto 0
2.5

prazo −1 0.0

2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015
Nível Geral
de Preços e 3

educacao
despesas

Inação ao 2 5.0
saude

2
redor do 1
2.5
mundo 0
1
0 0.0
Inação no 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor Figura: Variação mensal dos Grupos do IPCA.
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher O Índice de Preços ao Consumidor


O que vimos
até aqui
Amplo (IPCA)
O que
veremos hoje
25 6.0

pe_residencia
pe_habitacao
pe_alimentos

Introdução 24 16 5.5
23 15 5.0
O que 22
14 4.5
determina a 21
4.0
inação no 2000 2005 2010 2015
13
2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015
longo prazo?

pe_comunicacao
7.0 23

pe_transportes
pe_vestuario

A dinâmica 6.5 22 6

da inação 6.0
21 5
no curto 5.5
20
4
prazo 5.0
19

2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015
Nível Geral 11.6
de Preços e

pe_educacao
pe_despesas

10.5 7
pe_saude

Inação ao 11.2

redor do
10.0 6
10.8
mundo 10.4
9.5
5
9.0
Inação no 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor Figura: Pesos dos Grupos do IPCA.
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Dos grupos para o índice cheio


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a
inação no Bom, temos até aqui a variação mensal e o peso dos 9 grupos
longo prazo?
do IPCA. Podemos com esses dados obter a variação mensal do
A dinâmica
da inação índice cheio de forma simples: pelo somatório do produto entre
no curto
prazo variação e peso de cada um dos nove grupos. O código abaixo
Nível Geral faz exatamente isso.
de Preços e
Inação ao
redor do
mundo
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Dos grupos para o índice cheio


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a
inação no Contribuições Mensais para o índice cheio
longo prazo? contribuicao <- ipca[,1:9]*ipca[,10:18]/100
A dinâmica colnames(contribuicao) <- colnames(ipca[,1:9])
da inação
no curto O IPCA será a soma das contribuições de cada grupo
prazo ipcamensal <- ts(round(apply(contribuicao, MARGIN=1, FUN=sum),
Nível Geral digits=2), start=c(1999,8), freq=12)
de Preços e
Inação ao
redor do
mundo
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Dos grupos para o índice cheio


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje
IPCA Mensal
Introdução 3.0

O que
determina a
inação no
2.0

longo prazo?
% a.m.

A dinâmica
1.0

da inação
no curto
prazo
0.0

Nível Geral
de Preços e 2000 2005 2010 2015
Inação ao
redor do
mundo
Inação no
Brasil
O Índice de Figura: IPCA construído a partir da contribuição dos grupos.
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Dos grupos para o índice cheio


O que vimos
até aqui
O que Recapitulando, pegamos a variação mensal e o peso dos 9
veremos hoje
Introdução grupos do IPCA e, a partir da contribuição de cada um,
O que obtivemos a variação mensal do índice cheio. Você pode, por
determina a
inação no exemplo, pegar os subitens do IPCA lá no SIDRA, aplicar o
longo prazo?
mesmo procedimento e obter o índice cheio. Ou subgrupos e
A dinâmica
da inação itens. Ver, por exemplo, a contribuição de cada subitem dentro
no curto
prazo de um item, ou dos itens no subgrupo. Enm, muitas
Nível Geral possibilidades para ver o impacto de um determinado bem ou
de Preços e
Inação ao serviço ou um conjunto de bens e serviços no índice cheio.
redor do
mundo
Com o intuito de começar a fazer uma análise da conjuntura,
Inação no
Brasil nós pegamos as últimas três contribuições mensais dos nove
O Índice de
Preços ao grupos e construímos uma tabela, como de praxe.
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Dos grupos para o índice cheio


O que vimos
até aqui
O que Tabela: Contribuição dos 9 grupos para o IPCA (p.p.)
veremos hoje
Introdução
O que Fev/15 Mar/15 Abr/15
determina a
inação no
longo prazo? IPCA Mensal 1,22 1,32 0,71
A dinâmica Alimentos 0,20 0,29 0,24
da inação
no curto Habitação 0,18 0,79 0,14
prazo
Residência 0,04 0,02 0,03
Nível Geral
de Preços e Vestuário −0,04 0,04 0,06
Inação ao
redor do Transportes 0,41 0,09 0,02
mundo
Comunicação 0 −0,05 0,01
Inação no
Brasil Saúde 0,07 0,08 0,15
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Despesas Pessoais 0,09 0,04 0,05
Amplo
(IPCA) Educação 0,27 0,04 0,01
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher E de volta aos grupos...


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje Como dito acima, a variação mensal dos nove grupos não diz
Introdução muita coisa sobre o comportamento dos mesmos ao longo do
O que
determina a tempo. Para vericar se um determinado grupo tem
inação no
longo prazo? pressionado mais ou menos o índice cheio, os economistas
A dinâmica fazem um "truque": eles acumulam a variação mensal dos
da inação
no curto últimos 12 meses. Com isso, é possível vericar de uma forma
prazo
melhor se há ou não pressão ao longo do tempo.
Nível Geral
de Preços e Para fazer isso, é bem simples. Em primeiro lugar, nós tomamos
Inação ao
redor do o fator de multiplicação de cada variação percentual mensal e
mundo
Inação no aplicamos o produtório para 12 meses, incluindo o mês em
Brasil
O Índice de
questão. No R, podemos fazer isso ao aplicar o código abaixo.
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher E de volta aos grupos...


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a
inação no
longo prazo? Variações acumuladas em 12 meses dos grupos
fator <- (1+(ipca[,1:9]/100))
A dinâmica vanual <- (fator*lag(fator,-1)*lag(fator,-2)* lag(fator,-3)*lag(fator,-4)* lag(fator,-5)*lag(fat
da inação lag(fator,-7)*lag(fator,-8)* lag(fator,-9)*lag(fator,-10)* lag(fator,-11)-1)*100
no curto colnames(vanual) <- colnames(ipca[,1:9])
prazo
Nível Geral
de Preços e
Inação ao
redor do
mundo
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher E de volta aos grupos...


O que vimos
até aqui
O que
Com o objeto vanual criado, podemos agora aplicar a função
veremos hoje gtsplot e obter os grácos das variações acumuladas em 12
Introdução meses dos nove grupos.
O que
determina a
inação no 15 15

residencia
habitacao
alimentos 20

longo prazo? 10
10
10
5
5
0
A dinâmica 0
2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015
da inação 20

comunicacao
no curto
10

transportes
15
vestuario

15
8
prazo 10 10
6 5
5
4 0
0
Nível Geral 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015

de Preços e 10.0
11

Inação ao

educacao
despesas 9
10
saude

7.5
redor do
7
5 5.0 5

mundo 2000 2005 2010 2015 2000 2005 2010 2015


3
2000 2005 2010 2015

Inação no
Brasil
O Índice de Figura: Variação acumulada em 12 meses dos grupos do IPCA.
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Índice de Difusão


O que vimos
até aqui Como vimos, a inação, por denição, é um aumento
O que generalizado e persistente de preços. Em outras palavras, atinge
veremos hoje
Introdução
um grande número de bens e serviços, ocorre ao longo de vários
O que
períodos, bem como apresenta variações distintas entre os
determina a
inação no
diferentes bens e serviços, não seguindo assim uma taxa
longo prazo? constante em relação a uma referência qualquer. Dito isto,
A dinâmica
da inação
leitor, como podemos mostrar, em primeiro lugar, que a inação
no curto
prazo
é um aumento generalizado de preços?
Nível Geral
de Preços e
É bem simples: basta apresentar o conceito de difusão. Índices
Inação ao
redor do
de difusão mostram, em termos percentuais, a
mundo quantidade de bens e serviços que sofreram variação
Inação no
Brasil
positiva em determinado período em relação a todos os
O Índice de
Preços ao
bens e serviços avaliados. Para fazer isso no R, devemos, em
Consumidor
Amplo
(IPCA)
primeiro lugar, pegar as variações mensais de todos os subitens
Dos grupos
para o índice
do IPCA no último mês disponível lá no SIDRA.
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Índice de Difusão


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje Feito isso, importamos os dados para o R com o código abaixo.
Introdução
Observe que no argumento skip da função read.csv2
O que
determina a colocamos 4, de modo a dizer para o programa que ele deve
inação no
longo prazo? pular as quatro primeiras linhas, onde não há informação
A dinâmica relevante - é apenas o cabeçalho da planilha. Ademais, como
da inação
no curto pode ser visto no código, deletamos as duas últimas linhas, que
prazo
também não são importantes.
Nível Geral
de Preços e
Inação ao IMPORTAÇÃO DE SUBITENS
redor do subitens <- read.csv2('arquivo15.csv', header=T, sep=";
mundo ,dec=",
, skip=4, col.names=c('subitens', 'variação', 'peso'))
Inação no subitens <- subitens[-c(374,375),]
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Índice de Difusão


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a
inação no Agora temos um objeto com 373 linhas, que correspondem a
longo prazo?
todos os subitens do IPCA, com as respectivas variações e
A dinâmica
da inação pesos mensais. Estamos, assim, prontos para calcular o índice
no curto
prazo de difusão: ele será a razão percentual entre o número de
Nível Geral variações mensais positivas e o número total de bens e serviços.
de Preços e
Inação ao
redor do
mundo
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Núcleos de Inação


O que vimos
até aqui A ideia de um núcleo é capturar a tendência da inação ao longo do
O que tempo, retirando assim variações idissiocráticas. Em outros palavras,
veremos hoje
busca capturar a persistência do aumento de preços ao longo do
Introdução
tempo. Considere, por exemplo, que o preço de um bem/serviço i
O que varie de acordo com a equação πi,t = πt + µi,t , onde πt representa
determina a
inação no
longo prazo?
uma tendência e µi,t uma idiossincracia. Desse modo, para n
bens/serviços, o núcleo será dado por:
A dinâmica
da inação
no curto n n
prazo (8)
X X
πtnucleo = ωi πi,t − ωi µi,t
Nível Geral i=1 i=1
de Preços e
Inação ao
redor do Em outras palavras,Po objetivo do núcleo é reconhecer e retirar a
mundo
parte idissiocrática ni=1 ωi µi,t , concentrando-se na verdadeira
Inação no
Brasil tendência da variação dos preços ao longo do tempo. Não à toa,
O Índice de
Preços ao Bancos Centrais de todo o mundo procuram construir e acompanhar
Consumidor
Amplo medidas de núcleo de inação. No Brasil, em particular, temos
(IPCA)
Dos grupos atualmente cinco medidas de núcleo, conforme a tabela abaixo.
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Núcleos de Inação


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje
Introdução
O que
determina a
inação no
longo prazo?
A dinâmica
da inação
no curto
prazo
Nível Geral
de Preços e Figura: Descrição dos núcleos de inação acompanhados pelo BCB.
Inação ao
redor do
mundo
Inação no
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Núcleos de Inação


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje Para maiores informações sobre esses núcleos, bem como para
Introdução saber qual deles captura melhor a tendência inacionária ao
O que longo do tempo, consulte Figueiredo and Filho (2014). Dito
determina a
inação no isto, vamos agora ver o comportamento dessas medidas de
longo prazo?
núcleo ao longo do tempo? As séries 4466, 11426, 11427, 16121
A dinâmica
da inação e 16122 podem ser baixadas lá no SST do Banco Central. Aqui,
no curto
prazo as nomeei de 1 a 5, representando, respectivamente, (1) médias
Nível Geral
de Preços e
aparadas com suavização; (2) médias aparadas sem suavização;
Inação ao (3) exclusão de monitorados e alimentos no domicílio; (4)
redor do
mundo exclusão de 12 itens de alimentos e monitorados mais voláteis;
Inação no
Brasil
(5) dupla ponderação. Abaixo, coloco o gráco dessas séries
O Índice de
Preços ao
junto com a inação cheia, todos acumulados em 12 meses.
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Núcleos de Inação


O que vimos
até aqui
O que IPCA vs. Núcleos
veremos hoje
Introdução
O que
30
series
determina a ipca
inação no nucleobcb1
longo prazo?
vanual

20 nucleobcb2
A dinâmica nucleobcb3
da inação nucleobcb4
no curto nucleobcb5
prazo 10

Nível Geral
de Preços e
Inação ao 0
redor do 1995 2000 2005 2010 2015

mundo Time

Inação no
Brasil Figura: Núcleos buscam captar a tendência da inação ao longo do
O Índice de
Preços ao tempo.
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Os Índices Gerais de Preços


O que vimos
até aqui
O que Para terminar essa seção sobre inação, vamos passar rapidamente
veremos hoje pelos Índices Gerais de Preço (IGPs), construídos e divulgados
Introdução mensalmente pela Fundação Getúlio Vargas. Os (IGPs) são formados
O que por três índices: Índice de Preços por Atacado (IPA), Índice de Preço
determina a
inação no ao Consumidor (IPC) e Índice Nacional de Custo da Construção Civil
longo prazo? (INCC). São divididos por período de coleta em IGP-10, IGP-M e
A dinâmica
da inação
IGP-DI.9
no curto
prazo Os números-índices do IGP-10, IGP-M e IGP-DI podem ser obtidos
Nível Geral aplicando a seguinte fórmula no R:
de Preços e
Inação ao
redor do IGPi,t = 0, 6 ∗ IPAi,t + 0, 3 ∗ IPCi,t + 0, 1 ∗ INCCi,t (9)
mundo
Inação no
Brasil
Onde i pode ser 10, M ou DI.
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Para ilustrar, vamos importar os três subíndices de cada um dos IGPs.
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
9
E de volta
aos grupos...
Veja a metodologia de cálculo do IGP-M aqui e do IGP-DI aqui.
Inação

Vítor Wilher Os Índices Gerais de Preços


O que vimos
até aqui
O que
veremos hoje
Introdução subindices <- ts(read.csv2('arquivo17.csv', header=T, sep=';', dec=',')[,-1], start=c(1994,08),
freq=12)
O que
determina a
inação no
longo prazo? E agora aplicamos aquela fórmula acima, de modo a obter os
A dinâmica
da inação
IGPs.
no curto
prazo igp10 <- subindices[,1]*0.6+subindices[,2]*0.3+subindices[,3]*0.1
igpm <- subindices[,4]*0.6+subindices[,5]*0.3+subindices[,6]*0.1
Nível Geral igpdi <- subindices[,7]*0.6+subindices[,8]*0.3+subindices[,9]*0.1
de Preços e
Inação ao
redor do
mundo As demais construções são idênticas ao que foi visto para o
Inação no IPCA, cando como exercício para o leitor.
Brasil
O Índice de
Preços ao
Consumidor
Amplo
(IPCA)
Dos grupos
para o índice
cheio
E de volta
aos grupos...
Inação

Vítor Wilher Referências


O que vimos Blinder, A. S. Bancos Centrais: teoria e prática. São Paulo:
até aqui
Editora 34, 1999.
O que
veremos hoje Figueiredo, F. M. R. and Filho, T. N. T. Revisitando as
Introdução medidas de núcleo de inação do Banco Central do Brasil.
O que
determina a
BCB Working Paper 356, 2014.
inação no
longo prazo?
Friedman, M. The role of monetary policy. The American
A dinâmica
Economic Review, LVIII(1):117, 1968.
da inação
no curto
Friedman, M. The Counter-Revolution in Monetary Theory.
prazo Institute of Economic Aairs, n. 33, 1970.
Nível Geral
de Preços e
Hall, R. E. Ination: Causes and Eects. University of Chicago
Inação ao
redor do
Press, 1982.
mundo Lima, V. W. R. Raio-X da Inação no Brasil usando o R.
Inação no Ebook, 2015.
Brasil
O Índice de
Preços ao Phelps, E. Phillips curves, expectations of ination and optimal
Consumidor
Amplo
(IPCA)
unemployment over time. Economica, 1967.
Dos grupos
para o índice Phelps, E. Money wage dynamics and labour-market
cheio
E de volta equilibrium. Journal of Political Economy, 76(2):678711,
aos grupos...