Vous êtes sur la page 1sur 8

Décimo Segundo Encontro Regional

Ibero-americano do CIGRÉ
Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE


MEDIÇÃO DE DESCARGAS PARCIAIS E FATOR DE PERDAS ON-LINE EM
TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

H. P. Amorim Jr.* A. F. S. Levy* O. B. Oliveira Filho*


A. T. de Carvalho* J. A. A. S. Cardoso* L. F. A. Nascimento**

Centro de Pesquisas de Energia Elétrica – CEPEL


Centrais Elétricas do Norte do Brasil - ELETRONORTE

RESUMO

A importância dos transformadores de potência nas instalações dos sistemas elétricos, em concorrência
com aspectos atuais de projeto, utilização e falhas, tem levado a um crescente interesse por sistemas de
monitoramento desses equipamentos em serviço. O CEPEL vem realizando estudos visando o
desenvolvimento de sistemas integrados de medição de Descargas Parciais (DP) e de Capacitância e
Tangente Delta (CTD) para fins de monitoramento de transformadores de potência, sobretudo de suas
buchas de alta tensão. A parte de medição de DP já está sendo implementada no campo e a parte de CTD
está em fase de ensaios em laboratório de alta tensão, tendo já passado, com sucesso, por experiências em
laboratório com buchas ASEA do tipo GOH. O sistema em desenvolvimento tem características
diferenciadas comparadas às dos atualmente disponíveis no mercado por ter facilidades para portabilidade
e integração dos resultados de diferentes grandezas monitoradas a partir do “tap” capacitivo das buchas,
gerando base para um diagnóstico sobre o desempenho dielétrico dos transformadores. Nesse trabalho são
apresentadas informações sobre o estágio atual desses estudos e desenvolvimentos no CEPEL e alguns
resultados já obtidos.

PALAVRAS-CHAVE

Descargas Parciais, Capacitância e Tangente Delta, Transformador de Potência e Monitoramento on-line

1. INTRODUÇÃO
A necessidade de monitoramento do estado operativo de transformadores de potência tem se tornado cada
vez mais evidente em função, entre outros fatores, de projetos otimizados, importância estratégica, idade
e custos diretos e indiretos de falhas desses equipamentos. Fatores como a sobrecarga à qual os
transformadores de potência podem estar submetidos, os índices de confiabilidade de operação e a

1
Décimo Segundo Encontro Regional
Ibero-americano do CIGRÉ
Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

redução do número de paradas programadas, fatores conflitantes na maioria das vezes, reforçam essa
necessidade.
Um dos componentes mais vulneráveis dos transformadores de potência é a bucha capacitiva de alta
tensão. Nos últimos anos, vários casos de falhas de transformadores de potência ocorreram com
indicações de envolvimento das buchas nas principais suspeitas de causa das falhas.
Nesse contexto, as buchas de alta tensão são elementos importantes na manutenção da integridade desses
equipamentos elétricos. Entretanto, não há uma sistemática normalizada de medições no campo que possa
ser agregada a outras ferramentas de diagnóstico para uma avaliação integrada dos transformadores.
Assim, no intuito de se estabelecer uma sistemática de avaliação on-line das buchas de alta tensão, o
CEPEL tem realizado estudos visando o desenvolvimento e implantação de sistemas de medição que
permitam a aquisição de informações sobre Capacitância e Tangente Delta (CTD), além de possibilitar a
medição de Descargas Parciais (DP). Deseja-se com isso, criar bases para a realizações de análises
integradas dos resultados.

Há muitos anos, um grupo de pesquisadores do CEPEL se dedica à pesquisa e desenvolvimento de


ferramentas computacionais para fins de medição, armazenamento e análise, bem como de modelos para
fins de avaliação operativa e diagnóstico de equipamentos elétricos de alta tensão. O objetivo maior é
estabelecer sistemas de monitoramento simples, modulares, confiáveis, eficientes, amigáveis, de tal
maneira que os estágios de monitoramento, processamento e armazenamento da informação, análise e
diagnóstico possam ser integrados com outras grandezas, criando assim conhecimento e potencial de
análise para que cada empresa tenha capacidade para decisões sobre a manutenção de seus equipamentos.

Aspectos relacionados ao desempenho dielétrico do isolamento traduzido pela medição e avaliação de


suas condições estão sendo implementados, já com resultados em campo bastante promissores. Destacam-
se neste trabalho duas das principais técnicas de avaliação de buchas capacitivas: as Descargas Parciais
(DP) e a Capacitância e Tangente Delta (CTD).

2. SISTEMAS DE MEDIÇÃO
A medição de DP em transformadores de potência sempre apresenta discussões intensas e opiniões
divergentes nos grupos técnicos especializados. O estado da arte, que tem evoluído muito pouco nos
últimos anos, em termos de diagnóstico efetivo de equipamentos de alta tensão, ainda não permite a
elaboração de recomendações e procedimentos normativos universais. Essa estabilização tecnológica
acarreta numa diversidade de encaminhamentos de soluções de monitoramento e diagnóstico conforme a
filosofia de manutenção e conhecimento técnico de cada empresa. Existe, no entanto, um consenso entre
os especialistas nessa área, que é a percepção de que a medição de descargas parciais é uma ferramenta
fundamental para estabelecer uma avaliação consistente do desempenho de um sistema de isolamento
elétrico.

Desta forma, numa primeira fase do trabalho procurou-se entender os principais fatores que afetam a
qualidade da análise e diagnóstico do estado operativo dos equipamentos elétricos de alta tensão baseado
numa coletânea de aquisições de descargas parciais. Entre esses fatores citam-se as faixas de freqüência
de medição, a forma de armazenamento dos sinais aquistados, etc. A combinação dos sinais aquistados
com as condições de operação do equipamento elétrico, tais como: temperatura e sobrecarga, são fatores
que também devem ser considerados.

Baseado nessas informações iniciais, optou-se por desenvolver um sistema que pudesse ser flexível a
ponto de propiciar um certo grau de adaptação às características de cada instalação ou parte desta.
Notadamente, as faixas de freqüência de medição e a consideração de valores limites de descargas
parciais, são exemplos de parâmetros que podem ser diferentes para diferentes equipamentos elétricos. Do
ponto de vista da análise da informação foi desenvolvido um procedimento que facilita a visualização da

2
Décimo Segundo Encontro Regional
Ibero-americano do CIGRÉ
Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

evolução das descargas parciais em vários níveis tal como pela média global em um determinado período
de medição. A visualização de mapas, curvas e tendências pode ser flexibilizada e alterada conforme o
interesse dos usuários do sistema.

Outra meta importante foi a utilização de equipamentos modulares comerciais de fácil aquisição no
mercado e que tornaram o custo final do sistema muito reduzido, facilitando os processos de manutenção
e barateando os reparos e futuras atualizações do sistema. Foram acrescentados ao sistema, processos
matriciais de multiplexação das grandezas a serem monitoradas que permitem estabelecer diferentes
configurações.

O sistema inicial de monitoramento de transformadores, denominado IMA (Instrumentação para


Monitoramento e Análise), previsto inicialmente para monitorar os níveis de DP, foi expandido com o
monitoramento de capacitância e tangente delta (CTD). Credita-se às buchas capacitivas um percentual
elevado das falhas e defeitos em transformadores de potência. Essa informação pode ser confirmada pelo
Seminário sobre Buchas de Transformadores, promovido pela ELETRONORTE e realizado pelo IEEE
ocorrido em Novembro de 2005 [1]. Nele, as principais geradoras e transmissoras do país expuseram seus
problemas vividos decorrentes de falhas de isolamento elétrico nas buchas.

Os mecanismos existentes capazes de monitorar o estado operativo das buchas capacitivas baseiam-se nos
valores da capacitância e tangente delta (CTD). Pode-se afirmar que o processo de envelhecimento ou de
degradação do isolamento de uma bucha pode ser efetivamente monitorado através da avaliação destas
grandezas, sendo estas indicativos de eventuais falhas internas.

O método proposto e implementado estabelece a necessidade de um monitoramento integrado dessas duas


grandezas e outras tais como descargas parciais, de forma a se consolidar mecanismos efetivos de
diagnóstico desses equipamentos. De antemão, valores iniciais de capacitância e tangente delta são
fornecidos pelo fabricante no momento de recebimento do equipamento. Esses valores iniciais podem
servir como base para estabelecimento de variações limites que podem indicar alguma anomalia.

Dentre os três tradicionais métodos existentes de medição de capacitância e tangente delta (a saber: Ponte
de Schering, Somatório das Correntes e Detecção do Cruzamento Zero), foi adotado o método da
Detecção do Cruzamento Zero [2, 3]. Nesse método sinais de tensão e corrente são convertidos em forma
de ondas retangulares, e a diferença de fase obtida deve ser trabalhada de forma a se calcularem as
grandezas pertinentes. Além disso, utilizando técnicas de processamento de sinais, o efeito dos
harmônicos e ruídos externos pode ser minimizado, produzindo um sistema praticamente imune a ruídos
e, portanto, mais confiável.

A metodologia idealizada para os sistemas de medição de DP e CTD faz uso dos taps capacitivos das
buchas de alta tensão dos transformadores monitorados. Dessa maneira, evita-se, por um lado, a inserção
de novos componentes no sistema elétrico e, por outro, utiliza-se um componente existente na própria
bucha e que, na maioria dos casos, é um componente subutilizado.

2.1 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESCARGAS PARCIAIS


A ocorrência de DP no isolamento de um equipamento elétrico manifesta-se na forma de um trem de
pulsos de alta freqüência, da ordem de milivolts, superpostos à tensão aplicada no equipamento [4, 5].

Tratando-se de um sinal de alta freqüência, o sinal de DP pode ser aquistado através do circuito de
medição clássico mostrado na Figura 1 (norma IEC 270) [6]. O fenômeno de DP é captado através do
capacitor de acoplamento e medido sobre uma impedância de medição constituída essencialmente por
uma resistência da ordem de algumas dezenas ou centenas de Ohms.

3
Décimo Segundo Encontro Regional
Ibero-americano do CIGRÉ
Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

No entanto, para a caracterização do defeito no isolamento, é conveniente registrar os pulsos de DP em


função da fase da senóide em que estes ocorreram. Para tanto, utiliza-se o divisor capacitivo, de modo a
obter-se um sinal de sincronismo pela fase de alimentação. No caso prático de medições no campo, esse
sinal pode vir dos TPs existentes na própria subestação onde se situa o transformador de potência
monitorado. Ambos os sinais, de DP e de sincronismo, seguem para o equipamento de medição, onde
serão aquistados e processados.

Onde
1-Regulador de tensão; 2-Divisor de tensão capacitivo;
3-Voltímetro; 4-Filtro “π” para altas freqüências;
5-Capacitor de acoplamento;6-Medidor de Descargas Parciais (DP);
7-Impedância de medição; 8-Item sob ensaio.
Figura 1 - Circuito Típico de Medição de Descargas Parciais Utilizado em Laboratório

No campo, os sinais de descargas parciais podem, portanto, ser medidos a partir dos taps capacitivos
existentes nas próprias buchas capacitivas, as quais, nesse caso, atuam como capacitor de acoplamento.
Esse comportamento faz com que os sinais correspondentes às descargas tenham diferentes amplitudes
em função de seu local de ocorrência e da posição relativa do tap. Uma conclusão é que a medição de
descargas parciais em transformadores no campo é melhor utilizada se for considerada não em valores
absolutos, mas para estabelecer um comportamento estatístico das ocorrências e acompanhar a evolução
dos níveis de descarga ao longo do tempo.

Para caracterizar satisfatoriamente a ocorrência de DP e sendo esse um fenômeno tipicamente estatístico,


faz-se necessária a aquisição do sinal durante vários ciclos da rede. A forma adotada para registrar a
ocorrência de DP foi a construção do mapa estatístico de descargas parciais, representado na Figura 2.
Neste gráfico, o eixo horizontal representa fase, o eixo vertical representa amplitude, e a cor indica o
número de ocorrências de DP (com determinada amplitude e em determinada fase) ao longo de vários
ciclos de aquisição. Destes registros, denominados mapas estatísticos, podem ser extraídas muitas outras
informações usualmente registradas pelos sistemas digitais de medição de DP, que serão empregadas nas
etapas de análise e diagnóstico do equipamento.

Figura 2 - Mapas estatísticos de DP. À esquerda é mostrado um mapa unipolar, e à direita um mapa
bipolar.

4
Décimo Segundo Encontro Regional
Ibero-americano do CIGRÉ
Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

2.2 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CAPACITÂNCIA E TANGENTE DELTA


O sistema de medição de Capacitância e Tangente Delta (CTD), embora utilize também o mesmo canal
de contato com o objeto avaliado, apresenta uma configuração bem diferente do sistema de medição de
DP. O circuito elétrico simplificado da modelagem e montagem do sistema em desenvolvimento pode ser
visto na Figura 3.

onde:
C2 - Capacitância interna do tap capacitivo em paralelo com capacitância externa conectada
no tap capacitivo. C2 = C2i + C2e, sendo C2e >> C2i.
R2 - Resistência equivalente da impedância de medição conectada em paralelo com C2.
C1 - Capacitância de alta,
R1 - Resistência interna de perdas,
IC1, IC2 - Componente capacitiva da corrente,
IR1, IR2 - Componente resistiva da corrente,
IT - Corrente total,
V1 - Tensão Fase-terra aplicada à Bucha,
V2 - Tensão na unidade de baixa tensão do divisor formado por C1, R1 e C2, R2.

Figura 3 – Diagrama simplificado da bucha e circuito de medição.

Um programa de aquisição e processamento de sinais foi desenvolvido, tendo por finalidade resolver, a
partir dos sinais de V1 e V2 aquistados, as equações que modelam o circuito elétrico capaz de discriminar
os valores de capacitância (C1) e tangente delta. No campo, o sinal de tensão de referência deverá ser
fornecido por um TP de medição já existente na subestação. O diagrama simplificado do sistema pode ser
observado na Figura 4.

Figura 4 – Diagrama simplificado do Sistema de Medição de Capacitância de Tangente Delta (CTD).


Em ambos os casos, tanto para o sistema de medição de descargas parciais (IMA-DP) quanto para o
sistema de medição de capacitância e tangente delta (IMA-CTD), todos os cuidados relativos à proteção e

5
Décimo Segundo Encontro Regional
Ibero-americano do CIGRÉ
Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

segurança foram tomados no projeto e confecção da impedância de medição a ser conectada no tap
capacitivo da bucha de alta tensão.

3. ESTUDOS DE CASOS
Para comprovação da técnica e dos protótipos desenvolvidos e apresentados neste trabalho foram
utilizados os laboratórios de Alta Tensão do CEPEL, bem como um conjunto de buchas capacitivas de
fabricação ASEA, 1977, tipo GOH-150 e instrumentos de medição de mercado internacional com
precisão comprovada (Tettex 2877 – totalmente automático). Os dados de placa destas buchas indicam CN
= 312 pF; VN = 24 kV; IN = 9000 A; PF = 0.219%.
O circuito de medição utilizado para a realização das medições está demonstrado na Figura 5 a seguir,
bem como o detalhe do acoplamento realizado no tap capacitivo da bucha por meio da impedância de
medição. Na figura podem ser observados todos os itens definidos na figura 1, são eles: Regulador de
tensão; Fonte de Tensão AC; Filtro “π” para altas freqüências; Divisor de tensão capacitivo; Capacitor de
Acoplamento; Impedância de medição e Objeto sob ensaio.

Figura 5 - O circuito de medição utilizado para a realização das medições e o detalhe do acoplamento
realizado no tap capacitivo da bucha por meio da impedância de medição desenvolvida no projeto
O circuito de ensaio utilizado no âmbito deste desenvolvimento difere do arranjo padrão mostrado na
Figura 5. Neste arranjo não há a necessidade de se utilizar o capacitor padrão, o que representa um ganho
substancial quando a medição for realizada em campo.

Os resultados encontrados foram considerados satisfatórios pelo grupo e com alto grau de similariedade
com o instrumento comercial, o que valoriza a solução desenvolvida pelos pesquisadores do CEPEL. A
Tabela 1 a seguir, demonstra de forma resumida os valores obtidos em uma das baterias de ensaios.

Tabela 1 – Resumo dos Valores Obtidos no Ensaios realizados no CEPEL


Tensão (kV) Capacitância (pF) Tangente Delta (%)
Tettex IMA-CTD Variação Tettex IMA-CTD Variação
(%) (%)

5 322,66 322,90 0,074 3,88 . 10-3 2,86 . 10-3 26,29


10 322,66 322,90 0,074 3,88 . 10-3 2,71 . 10-3 30,15
15 322,66 322,80 0,043 3,89 . 10-3 3,36 . 10-3 13,62
20 322,66 322,70 0,012 3,89 . 10-3 3,40 . 10-3 12,60

6
Décimo Segundo Encontro Regional
Ibero-americano do CIGRÉ
Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

Foram estabelecidos alguns níveis de tensão de forma que fosse mantido a integridade do objeto sob teste.
Além disso, um outro objetivo seria identificar uma possível variação de valores com relação à tensão
aplicada. Entretando, esse ensaio em nada se assemelha à condição natural da linha, pois a mesma sempre
estará sob um determinado nível de tensão, bem próxima da nominal.

Os valores encontrados em muito se assemelham (Tettex e IMA-CTD), tendo sido considerado


satisfatório pelo grupo de pesquisadores. A variação maior notada na medição de Tangente Delta pode ser
minimizada quando consideramos a ordem de grandeza dos números medidos, na casa dos milésimos.
Trata-se de uma grandeza muito sensível devido a seu ordem de grandeza e, por esse motivo susceptível à
variações.

Em uma segunda bateria de testes foi utilizado um capacitor padrão de fabricação IMG com os seguintes
valores nominais: CN = 600 pF; VN = 200 kV. O mesmo procedimento anteriormente utilizado foi
empregado, ou seja, medições comparativas entre o sistema Tettex e o IMA-CTD. A Tabela 2 apresenta o
resumo das medições.

Tabela 2 – Resumo dos Valores Obtidos no Ensaios realizados no CEPEL


Tensão (kV) Capacitância (pF) Tangente Delta (%)
Tettex IMA-CTD Variação Tettex IMA-CTD Variação
(%) (%)

5 604,11 603,9 0,035 3,41 . 10-3 1,92 . 10-3 43,70


10 604,10 603,6 0,083 3,41 . 10-3 2,33 . 10-3 31,67
15 604,10 603,3 0,132 3,42 . 10-3 2,50 . 10-3 26,90
20 604,10 603,0 0,182 3,42 . 10-3 2,58 . 10-3 24,56

Novamente, fica claro pelos resultados que os valores encontrados para a capacitância em muito se
aproximam dos valores obtidos pelo sistema comercial e, por outro lado, os valores de Tangente Delta
tendem a diminuir a sua variação na medida em que a tensão aplicada é elevada. Estudos teóricos podem
ser realizados com o objetivo de se estabelecer uma equação que modele este fenômeno e que seja capaz
de apontar qual seria o grau de variação ao se aproximar do valor de tensão nominal do Capacitor, algo
em torno de 200 kV.

Os testes experimentais com o sistema IMA-DP foram realizados em diversos objetos de teste, tais como
barras estatóricas de geradores, células de testes e mesmo buchas capacitivas de transformadores de
potência. Os resultados experimentais em laboratório e também em campo do IMA-DP são considerados
pelos pesquisadores do CEPEL como plenamente satisfatórios, restando apenas a consolidação através de
um banco de dados históricos ao longo do tempo, o que só poderá ser obtido quando um grande número
de usuários atentar para a necessidade vital da realização de um monitoramento on-line.

5. CONCLUSÕES
O desenvolvimento de um sistema de monitoramento de descargas parciais e capacitância & tangente
delta (IMA) aplicado aos transformadores de potência, o qual se encontra atualmente em fase de
implantação no campo, teve por motivação os seguintes aspectos:
- Propiciar uma análise mais detalhada do comportamento das descargas parciais e capacitância e
tangente delta nos equipamentos sob monitoramento;
- Reduzir os custos dos sistemas de monitoramento de tal forma que seja viável sua instalação em
um grande número de transformadores de potência. Flexibilizando o custo total do sistema em
função do interesse específico em se monitorar mais intensamente algumas unidades em
detrimento de outras.

7
Décimo Segundo Encontro Regional
Ibero-americano do CIGRÉ
Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

- Reduzir os custos envolvidos na atualização de software e hardware;


- Reduzir custos com a manutenção dos sistemas;
- Facilitar a introdução contínua de ferramentas de análise e diagnóstico aproveitando-se de toda
estrutura do banco de dados que é obtido ao longo do tempo;
- Simplificar os estágios de monitoramento, formatação da informação, análise das descargas
parciais, diagnóstico dos transformadores criando assim conhecimento e potencial de análise em
cada empresa que seja suficiente para decisões de manutenção desse tipo de instalação;
- Relacionar, onde cabível, o comportamento das descargas parciais com outras grandezas
monitoradas tais como capacitância e tangente delta.
- Permitir que outras grandezas possam ser agregadas ao mesmo sistema sem muito retrabalho quer
seja de alteração de hardware ou de desenvolvimento de software. Um exemplo é a introdução da
medição de transitórios que ora encontra-se em desenvolvimento no CEPEL.
Os resultados obtidos pelo sistema de medição de CTD na fase de ensaios em laboratório com buchas
reais de até 24 kV foi considerado satisfatório pelo grupo de pesquisadores, o que viabiliza a
implementação da nova etapa que será a instalação de um protótipo em um transformador de potência.

6. BIBLIOGRAFIA

[1] Site Eletronorte, campo Destaques, acessado em 13.02.2006. www.eln.gov.br


[2] Mark F. Lachman, Wolf Walter and Philip A. von Gissemberg, “Experience With Application of Sum
Current Method to On-line Diagnostics of HV Bushings and Current Transformers”, Proceeding of the
65th Annual International Conference of Doble Clients, pp. 3-5.1-3-5.19, 1998.
[3] Pei Wang, M. R. Raghuveer, W. McDermid and J. C. Bromley, “ A Digital Technique for the On-line
Measurement of Dissipation Factor and Capacitance”, IEEE Transactions on Dielectrics and Electrical
Insulation, Vol. 8, No 2, pp. 228-232, April 2001.
[4] Curdts, E.B., "Fundamentals of Partial-Discharge Detection: System Sensitivity and Calibration", ”,
Engineering Dieletrics Volume I: Corona Measurement and Interpretation. ASTM Special Publication
699, Philadelphia, 1979, pp. 68-100.
[5] Perkins, J.R., “Some general remarks on corona discharges”, Engineering Dieletrics Volume I:
Corona Measurement and Interpretation. ASTM Special Publication 699, Philadelphia, 1979, pp. 03-21.
[6] Zaengl, “IEC TC 42 WG – CD September 95 – Partial Discharge Measurements”.
[7] Amorim, H. P. Jr., Vellasco, M.M.B.R, Lima, A.G.G. e Levy, A.F.S., “ Recognition of Partial
Discharge of High Voltage Electrical Equipament Using Neural Network ”, ISAP’99, Rio deJaneiro.