Vous êtes sur la page 1sur 5

Definições

Reuso da Água  Reuso


 ?
 Água
FABIANO GENEROSO
Biólogo
 Líquido composto de hidrogênio e
Especialista em Técnicas Avançadas em Análises Clínicas - USP oxigênio, sem cor, cheiro ou sabor,
Especialista em Parasitologia Médica - USP
Especialista em Controles Ambientais - SENAI transparente em seu estado de pureza;
Consultor Ambiental - ALFA Equipamentos Ambientais quimicamente, é formado de dois
átomos de hidrogênio e um de
oxigênio;

Água Porque reutilizar água no mundo?

 Todas as reações químicas do nosso  97,5% da água do mundo > mares


organismo ocorrem em meio e oceanos
aquoso  Dos 2,5% restantes ¾ >icebergues e
 Fundamental para o metabolismo e glaciares
¼ desta água > consumo humano desde
saúde humana 
que tenha escapado às diversas fontes
 Fonte de sais minerais essenciais e poluidoras
excretora de substâncias tóxicas

1
Porque reutilizar água no Brasil? Aqüífero Guarani

 12% da água doce disponível do  O Aqüífero


mundo está aqui! Guarani é o maior
manancial de água
 Região Norte doce subterrânea
 Rio Amazonas > maior bacia fluvial transfronteiriço do
do mundo mundo

Porém Prioridades
 A maior parte desta água encontra-
Segundo a lei 9.433 de 8 de janeiro de
se afastada dos grandes centros

1997 DA POLÍTICA NACIONAL DE
urbanos RECURSOS HÍDRICOS a prioridade dos
 A maior parte das águas próximas recursos hídricos em situação de escassez
às grandes metrópoles está é para consumo humano e dessedentação
de animais,
indisponível ao consumo humano
 Cabe ao consumidor não residencial
procurar sua auto-suficiência através da
redução do consumo, da captação e
principalmente do reuso

2
Tratamento de água para reuso Descarte do lodo

 Coagulação  O material sólido


 Floculação separado do
sistema é
 Decantação
descartado em
 Filtração leitos de secagem
 Cloração até serem
destinados
corretamente.

Reuso de esgoto Grau de Tratamento NBR 13969:1997

 Desarenação  Classe 1
 Remoção de sólidos  Lavagem de carros e outros usos que
grosseiros
requerem contato direto do usuário com a
 Aeróbio água, compossível aspiração de aerossóis pelo
 Anaeróbio operador
 Filtração  Turbidez < 5 NTU
 Cloração  Coliformes fecais < 200 NMP/100ml

 Sólidos dissolvidos < 200 ppm

 Remoção de  pH > 6 e < 8

DBO  Cloro residual > 0,5 e < 1,5 ppm

3
Grau de Tratamento NBR 13969:1997 Grau de Tratamento NBR 13969:1997

 Classe 2  Classe 3
 Lavagens de pisos, calçadas e  Reuso na descarga dos vasos
irrigação dos jardins, manutenção de sanitários:
lagos e canais para fins paisagísticos:  Turbidez < 10 NTU
 Turbidez < 5 NTU  Coliformes fecais < 500 NMP/100ml
 Coliformes fecais < 500 NMP/ 500ml  Obs: Água de enxague das máquinas de

 Cloro residual > 0,5 ppm lavar roupas satisfazem este padrão

Grau de Tratamento NBR 13969:1997 ABNT NBR 13969:1997


 Classe 4  Todo o sistema de reservação e de
 Reuso nos pomares, cereais, distribuição deve ser claramente
forragens,pastagens para gado e identificado, através de placas de
outros cultivos através de escoamento
superficial ou por sestema de irrigação advertência nos locais estratégicos
pontual: e nas torneiras, além do emprego
 Coliformes fecais < 5000 NMP/100ml de cores nas tubulações e nos
Oxigênio dissolvido > 2,0 ppm

tanques de reservação distintas das
 Obs: A aplicação deve ser interrompida
pelo menos 10 dias antes da colheita. de água potável.

4
Água de reuso Água de reuso

 Aplicações  Aplicações
 Ao final do tratamento a água está apta  Usos urbanos não-potáveis: irrigação
a ser reutilizada para os diversos fins paisagística, combate ao fogo, descarga de
industriais vasos sanitários, sistemas de ar condicionado,
lavagem de veículos, lavagem de ruas e
 Irrigação: paisagística, campos para pontos de ônibus, etc.
cultivo
 Usos diversos: aqüicultura, construções,
 Usos industriais: refrigeração, alimentação controle de poeira, dessedentação de animais
de caldeiras, água de processamento.

Obrigado
Água de reúso

 Economia/ investimento
 Até 90%
 O retorno do investimento pode se dar
em até 4 meses
 Economia dos mananciais

Centres d'intérêt liés