Vous êtes sur la page 1sur 15

DISCIPLINA: IMM

Ano Lectivo 2018/2019

Apresentação 11
1.1.6 Montagem de computadores

1.1.6.2 Instalação dos diferentes componentes de um PC:


* Componentes Internos
* Componentes externos
A montagem de um computador é uma tarefa que exige algum cuidado e
atenção. Se quisermos um PC único, fiável e rápido, temos de saber
escolher bem os componentes e montá-los de forma segura.

A Placa Principal é o componente mais importante de todo o


computador, pois é ela o suporte de todos os componentes do mesmo. É
por isso, um dos principais componentes com que nos devemos
preocupar quando pretendemos montar um PC. A escolha da
Motherboard correcta influencia por exemplo:
• O processador que poderemos instalar no nosso PC
• As memórias que poderemos instalar
• A capacidade de maior ou menor expansão de placas
• A possibilidade de se fazer overclock ao sistema
• A possibilidade de realizarmos futuros upgrades
Para além da placa principal, outros aspectos são importantes no processo
de montagem, começando pela caixa do PC, insignificante para alguns,
mas muito importante para outros.
De uma forma geral, para montarmos um computador de raiz devemos de
obedecer a uma certa ordem. Assim, as operações de montagem deverão
ser executadas pela seguinte ordem:
• Preparação da caixa;
• Colocação do processador na motherbord;
• Colocação das memórias na motherboard;
• Colocação da motherboard na caixa;
• Ligação da alimentação da motherboard;
• Fixação das diferentes drives (disquetes, CD, DVD) e disco rígido;
• Colocação das diferentes placas nos slots de expansão;
• Ligação da alimentação das diferentes drives e discos;
• Ligação dos ´flat-cables´;
• Ligação dos leds e switchs da caixa à motherboard.
* A CAIXA DO COMPUTADOR
A caixa serve como um chassis que suporta todas as peças. O projecto
das caixas tem vindo a normalizar-se

As caixas podem ser essencialmente de vários formatos, tamanhos e


modelos.
Quanto ao formato, podem ser:
- Caixas Horizontais (Desktop)
- Caixas Verticais: - Mini-Tower
- Mid-Tower (as mais vulgares)
- Big-Tower

Quanto aos modelos, as caixas podem ser:


- AT (Já em desuso)
- ATX (As mais usuais)
CAIXAS AT E ATX:
AT é a sigla para Advanced Tecnology. Trata-se de um tipo de caixa já
antigo, sendo cada vez mais difícil encontrar computadores novos que
utilizem esse padrão. Seu uso foi constante de 1983 até 1996. Um dos
factos que contribuíram para que o padrão AT deixasse de ser usado (e o
ATX, visto abaixo, fosse criado), é o espaço interno pequeno, que com
ajuda dos vários cabos do computador, dificultavam a circulação de ar,
levando, em alguns casos, a danos na máquina. Isso exigia grande
habilidade do montador para aproveitar o espaço disponível da melhor
maneira
Os conectores das portas paralela e série,
neste tipo de caixa, não são encaixados
directamente na placa. Eles ficam
disponíveis num adaptador, que é ligado na
parte de trás do gabinete e ligados à placa-
mãe através de um cabo. No ATX, essas
portas, assim como outras, são ligadas
directamente na placa-mãe, sem a
necessidade de cabos.
ATX é a sigla para Advanced Tecnology Extendend.
Pelo nome, é possível notar que trata-se do padrão
AT melhorado. Um dos principais desenvolvedores
do ATX foi a Intel. Como desde o início, o objectivo
do ATX foi o de solucionar os problemas do padrão
AT (citados anteriormente), o padrão apresenta uma
série de melhoras em relação ao anterior, sendo
portanto, amplamente usado actualmente.
Praticamente todos os computadores novos vem
baseado neste padrão.
Entre as principais características do ATX, estão o
maior espaço interno, proporcionando um ventilação
adequada, conectores de teclado e mouse no
formato PS/2 (tratam-se de conectores menores e
mais fáceis de encaixar), conectores série e paralelo
ligados directamente na placa-mãe, sem a
necessidade de cabos, melhor posicionamento do
processador, evitando que o mesmo impeça a
instalação de placas de expansão por falta de
espaço.
CIRCULAÇÃO DE AR EM CAIXAS ATX:

O padrão ATX simplifica a montagem e upgrade de PCs e ao mesmo


tempo aumenta a consistência do fluxo de ar para o processador. O fluxo
de ar em caixas ATX é, normalmente, de trás para a frente e lados.

A fonte de alimentação puxa o ar através das aberturas traseiras da caixa


e empurra-o para o processador, o qual está colocado perto da ventoinha.
Seguidamente, o ar é empurrado para fora através das aberturas situadas
nos lados e à frente das caixas. A combinação ventoinha+dissipador dos
CPU´s, juntamente com a circulação de ar nas caixas constituem uma
solução óptima para a dissipação térmica.
* A FONTE DE ALIMENTAÇÃO
As fontes de alimentação são as responsáveis por distribuir energia
eléctrica a todos os componentes do computador. Por isso, uma fonte de
qualidade é essencial para manter o bom funcionamento do equipamento
Essencialmente, as fontes de alimentação são equipamentos
responsáveis por fornecer energia aos dispositivos do computador,
convertendo corrente alternada (AC - Alternate Current) – a corrente da
rede de distribuição - em corrente contínua (DC - Direct Current ou VDC
- Voltage Direct Current), uma tensão apropriada para uso em aparelhos
electrônicos. As fontes devem ser blindadas para evitar interferência em
outros aparelhos e no próprio computador.
Tensões fornecidas pelas fontes
Os dispositivos que compõem o computador requerem níveis diferentes
de tensão para seu funcionamento. Por isso, as fontes de alimentação
fornecem, essencialmente, quatro tipos de tensão (em Volts - V):
5 V - utilizada na alimentação de chips, como processadores, chipsets e
módulos de memória;
- 5 V - aplicada em dispositivos periféricos, como mouse e teclado;
12 V - usada em dispositivos que contenham motores, como HDs (cujo
motor é responsável por girar os discos) e drives de CD ou DVD (que
possui motores para abrir a gaveta e para girar o disco);
- 12 V - utilizada na alimentação de barramentos de comunicação, como
o antigo ISA (Industry Standard Architecture).

Os valores descritos acima são usados no padrão de fonte conhecido


como AT (Advanced Technology). No entanto, o padrão ATX (Advanced
Technology Extended), quando lançado, apresentou mais uma tensão: a
de 3,3 V, que passou a ser usada por chips (principalmente pelo
processador), reduzindo o consumo de energia.
A fonte ATX ainda oferece um recurso muito útil: o desligar automático.
Assim, basta executar os procedimentos de desligar no sistema operacional
e o computador será inteiramente desligado, sem a necessidade de apertar
o botão Power, presente na frente da caixa. Em outras palavras, é possível
desligar o computador por meio de software.

Conectores ATX:

A imagem ao lado mostra o encaixe da placa-mãe,


onde o conector da fonte ATX deve ser encaixado.
Existe ainda o conector que alimenta drives de CD/DVD, HDs e alguns
modelos de coolers:

Há também o conector que alimenta o drive de disquete:


Potência das fontes de alimentação:
É muito importante, ao escolhermos uma fonte de alimentação para o
nosso computador, sabermos a potência que ela pode atingir. A lista
abaixo mostra, de uma forma geral, quanto consome, em termos de
energia, cada componente de um computador (em média):

Obviamente esses valores podem variar, pois não são precisos. Além disso, o
consumo de energia de determinados dispositivos pode depender do modelo e do
fabricante. O importante é que você analise a quantidade de itens existentes em seu
computador e adquira uma fonte que possa atender a essa configuração de maneira
estável
De seguida é apresentado um exemplo concreto, para uma máquina com
processador Athlon 64 FX, com dois HDs, um drive de CD, um drive de
DVD, placa de vídeo 3D, mouse óptico, entre outros

Somando cada componente vamos ter um total de 305 W (watts).


Juntando ainda a motherboard (80 W) e um módulo de memória (cerca de
10 W) e ainda a potencia do cooler (5 W), vamos obter um total de:
305+80+10+5 = 400 Watts
Precisaríamos então, teoricamente, para suportar electricamente este
sistema, de uma fonte de alimentação de 400 W. É importante, no entanto,
considerar ainda que dificilmente uma fonte de alimentação fornece a
potência máxima indicada. Por isso, é bom utilizar uma fonte que forneça
certa "folga" nesse aspecto. Para este caso específico a fonte deverá ter
mais de 500 watts de potência, para trabalhar em segurança
Resumindo: na hora de montar o computador, é importante dar especial
atenção não só ao processador, à placa-mãe e outros itens, mas também à
fonte de alimentação. Uma fonte de qualidade tem menor risco de
apresentar mal-funcionamento, consegue proteger a máquina em
oscilações da rede eléctrica e tem um eficiente sistema de dissipação de
calor, seja através de coolers maiores ou melhor projectados, seja através
da presença de mais de um desses coolers.

Deveremos também escolher uma fonte de alimentação que tenha uma


potencia em termos de watts, acima das necessidades do nosso sistema.
Isto é importante por uma questão de segurança e para evitar
sobreaquecimento da fonte e evitar danificar a mesma.