Vous êtes sur la page 1sur 15

Organologia Vegetal é a parte da Botânica que estuda os d) zona suberosa ou de ramificação – é a parte mais

órgãos de uma planta. Órgãos são estruturas formadas por espessa e antiga da raiz. Caracteriza-se pela presença de
conjuntos de tecidos que desempenham funções específicas suberina em suas células, dessa região partem as ramifica-
num organismo. Os órgãos vegetais são: raiz, caule e folha. ções da raiz, ou seja, as raízes secundárias, as quais têm
A flor é na verdade um conjunto de órgãos (folhas modifica- uma origem endógena, de uma camada chamada periciclo.
das) e o fruto por sua vez é resultado da fecundação da flor. Também auxiliam a fixação do vegetal e aumentam a ca-
A raiz é um órgão vegetativo, geralmente subterrâneo e pacidade de absorção. Em cada raiz secundária existem as
aclorofilado com geotropismo e hidrotropismo positivo e, fo- mesmas regiões já descritas.
totropismo negativo. Origina-se a partir da radícula do em-
brião e tem funções de absorção de água e sais minerais, e) colo ou coleto – corresponde à região de transição
fixação, condução de seivas, além de também armazenar entre a raiz e o caule. Tem pequenas dimensões e apresenta
reservas nutritivas em alguns vegetais. As raízes são classifi- tecidos de ambos os órgãos.
cadas de acordo com o ambiente em que se encontram. São
aéreas, subterrâneas e aquáticas. CLASSIFICAÇÃO DAS RAÍZES
Numa raiz, podemos distinguir as seguintes partes:
Raízes Subterrâneas

São aquelas que se desenvolvem abaixo da superfície do


solo. Podem ser:

1) Axial ou Pivotante: são raízes que possuem um eixo


principal maior, perpendicular ao solo, do qual partem rami-
ficações de menor porte (radicelas). Encontrada em dicotile-
dôneas e gimnospermas. Ex: pinheiro, feijão, couve-flor, café.

Raiz – morfologia externa

As regiões da raiz

a) coifa ou caliptra - originada do caliptrogênio (meris-


tema primário), é uma estrutura que protege a ponta da raiz
à medida que ela cresce e se aprofunda, evitando um des-
gaste devido ao atrito com o solo. A coifa é tipicamente en-
contrada em raízes terrestres, porém em plantas aquáticas,
quando presente, é muito desenvolvida.

b) zona lisa ou de crescimento – localiza-se acima (po- Raiz pivotante


sição subterminal) da coifa e é subdividida em três partes:
meristemática por onde ocorre as divisões celulares; alon- 2) Fasciculada ou Cabeleira: são sistemas radiculares
gamento onde as células aumentam de volume e matura- onde não existe diferenciação entre a raiz principal e as ra-
ção onde as células iniciam-se a diferenciação em tecidos ízes secundárias. Elas surgem de pontos muito próximos,
adultos. não se aprofundam muito e geralmente pertencem a plantas
de estrutura ou porte menor. São características de plantas
c) zona pilífera ou de absorção – é a região responsável monocotiledôneas. Ex: arroz, trigo, mamona, grama, etc.
em absorver água e sais minerais do solo. Possui inúmeros
pêlos absorventes de origem epidérmica que, em conjunto,
multiplicam mais de cem vezes a área de absorção da raiz.

Botânica 76
Raízes Aéreas

São aquelas que crescem acima do nível do solo. Podem


ou não se apoiar na superfície. Grande parte das raízes aéreas
são classificadas como adventíceas, ou seja, emergem direta-
mente de caules e não da radícula do embrião. Podem ser:

1) Suportes ou Escoras: partem do caule e auxiliam a


sustentação do vegetal não tanto pelo porte, mas pelo tipo
de terreno em que estão instaladas. Ex: plantas de mangue,
milho, cana-de-açúcar.

Raiz fasciculada
3) Tuberosa: são raízes que além de desempenharem
as funções básicas de raiz, acumulam substâncias de reser-
va, principalmente o amido. São raízes que se desenvolvem
além do normal e podem ser pivotantes ou fasciculadas. Ex:
cenoura, mandioca, beterraba, rabanete, etc.

Raiz escora

2) Cintura: são raízes que se desenvolvem geralmente


sobre árvores ou pedras, sem serem parasitas. São caracte-
rísticas das epífitas. Ex: bromélia, orquídea.

Raízes cintura em Imbé

3) Estrangulantes: raízes não parasitas que vivem sobre


outro vegetal apenas envolvendo-o. Devido ao crescimento
em espessura, as raízes estrangulantes vão comprimindo o
Raiz tuberosa de cenoura
tronco suporte e acaba por estrangulá-lo. Ex: cipó-mata-pau.

Raiz, Caule e Folha 77


6) Tabulares: são raízes que crescem a partir do caule de
árvores de grande porte. Aumentam a estabilidade e auxiliam
as trocas gasosas, permitindo a respiração em solos pobres
em oxigênio devido à presença de grande quantidade de ma-
téria orgânica em decomposição. Ex: flamboyant, figueira.

Raízes estrangulantes

4) Respiratórias ou pneumatóforas: são raízes que


apresentam geotropismo negativo e desempenham função
de arejamento. Ocorrem em plantas de terreno alagadiço
como pântanos, onde o solo se apresenta com baixo teor Raiz tabular
de oxigênio. Desenvolvem-se a partir de raízes subterrâneas
7) Grampiformes: têm função de fixação de plantas tre-
secundárias e apresentam orifícios característicos denomi-
padeiras. São pequenas com aspecto de grampos que bro-
nados pneumatódios. Ex: avicenia
tam da face sombreada de alguns caules. Produzem uma
substância cimentante que acaba por fixar a planta no subs-
trato. Ex: hera.

Raízes Aquáticas

São características de plantas aquáticas, podendo ficar


ou não submersas. Possuem parênquima aerífero bem de-
senvolvido para auxiliar na flutuação e aeração da planta.
Raízes respiratórias de Avicenia tomentosa, planta comum nos manguezais
Ex: aguapé, vitória-régia.

5) Sugadoras ou Haustórios: são características de plan-


tas parasitas. Penetram até o sistema vascular da planta hos-
pedeira da qual retira os nutrientes. Podem ser hemiparasitas
(parasita parcial),quando retiram apenas a seiva bruta, como
por exemplo, a erva-de-passarinho ou holoparasitas (parasita
total), quando retiram a seiva elaborada, como o cipó-chumbo.

Raiz aquática

ANATOMIA INTERNA DAS RAÍZES

Podemos estudar a anatomia de uma raiz em dois mo-


mentos: estrutura primária e estrutura secundária.

Estrutura Primária

Para observarmos a anatomia primária da raiz, deve-se


fazer um corte na região pilífera. Nitidamente distingue-se
duas regiões: casca e cilindro central.
A casca é composta pela epiderme, parênquima cortical e
Raiz sugadora em cipó-chumbo
endoderme. A epiderme é aclorofilada, uniestratificada, sem

Botânica 78
estômatos e sem cutícula. O parênquima cortical ocupa a Observação: em monocotiledôneas geralmente não ocor-
maior área da casca primária, suas células são geralmente re o espessamento da raiz, devido a falta de meristemas se-
aclorofiladas e armazenam substâncias, apresentando ain- cundários e também pelo pouco tempo de vida que possuem.
da a função de aeração da raiz. A endoderme é um tecido Os tecidos de condução se originam diretamente do meriste-
uniestratificado, e compreende a parte mais interna da casca ma primário pleroma e situam-se aleatoriamente na raiz.
da raiz. A endoderme se caracteriza pela presença de uma
camada de suberina, formando as estrias de Caspary, imper-
meáveis. Estas controlam a quantidade de água que chega
ao cilindro central. Nas plantas que não possuem crescimen-
to secundário, como nas monocotiledôneas, as células da O caule é um órgão vegetativo geralmente aéreo com fun-
endoderme recebem um reforço de lignina, que em corte ção de sustentar ramos, folhas e frutos, além de elevar as
transversal lembram células em “U”. Em algumas células folhas em direção à luz e distribuir seiva pelo organismo ve-
da endoderme não existe o reforço de lignina, formando as getal. Apresenta geotropismo e hidrotropismo negativo e fo-
células de passagem, através das quais a água e demais totropismo positivo. Apresentam dois tipos de ramificações:
nutrientes alcançam o cilindro central. monopodial, com caule principal, de onde partem ramos la-
terais de crescimento indeterminado devido à presença de
meristema primário em suas gemas ou brotos, e simpodial,
sem eixo principal, onde cada ramo tem crescimento limitado
e ao parar de crescer origina outro ramo. Da mesma forma
que as raízes, os caules são classificados de acordo com o
ambiente em: aéreos, aquáticos e subterrâneos.

As partes de um caule são:

a) gema apical – responsável pelo crescimento em exten-


são, devido à presença do meristema primário. Situa-se na
ponta superior do caule.
b) gemas laterais – distribuídas pelas laterais do caule,
são responsáveis pelo desenvolvimento dos ramos, botões
Corte transversal da raiz, mostrando a estrutura primária florais e até raízes.
O cilindro central é formado pelo periciclo, localizado logo c) nó – região onde brotam as folhas. Também apresenta
após a endoderme da casca, pelos feixes condutores e pelo tecido meristemático.
parênquima medular. O periciclo é responsável em originar d) entrenó – região situada entre dois nós consecutivos.
as raízes laterais ou secundárias. Os feixes condutores es-
tão dispostos alternadamente separados por células de pa-
rênquimas, formando os feixes chamados radiais. O parên-
quima medular ou medula são células de preenchimento na
região mais central da raiz.

Estrutura Secundária (dicotiledôneas e gimnospermas)

A estrutura secundária da raiz é observada fazendo um


corte na região suberosa. No cilindro central inicia-se a forma-
ção do câmbio, que primeiramente coloca-se entre os feixes
radiais, para depois assumir a posição circular, produzindo
xilema para dentro e floema para fora. A casca acompanha o
crescimento do cilindro central, através da formação do felo-
gênio, que origina para dentro a feloderme e o súber para fora,
constituindo a casca secundária ou periderme da raiz. Caule – anatomia externa

CLASSIFICAÇÃO DOS CAULES

Caules Aéreos Eretos

1) Tronco: caule lenhoso com ramificações desde a base


e bastante resistente. É característico de plantas frondosas
do grupo das angiospermas dicotiledôneas e das gimnosper-
mas. Ex: mangueira, pessegueiro, etc.

Corte transversal da raiz, mostrando a estrutura secundária

Raiz, Caule e Folha 79


dôneas. Pode ser oco, como no bambu ou então, como na
cana-de-açúcar ser suculento

Tronco

2) Estipe ou Estípite: caule cilíndrico, alongado e resis- Colmo em cana-de-açúcar


tente com ramificações apenas no ápice nas regiões de inflo-
rescências. Ex: coqueiro, palmeira.
4) Haste: caule pouco desenvolvido, flexível e geralmen-
te clorofilado. Típico de ervas, como couve, salsinha, etc.

Caules Aéreos Trepadores

São aqueles que se apóiam num suporte. Podem ser de


dois tipos:

1) Sarmentosos: quando apresentam elementos de fixa-


ção como as gavinhas do chuchu.

Palmeira

3) Colmo: caule cilíndrico com divisão em, nós e internós


bem nítida, formando gomos. Típico de algumas monocotile- Caule sarmentoso com gavinhas para fixação

Botânica 80
2) Volúveis: quando simplesmente se enrolam no suporte 2) Tubérculo: é a porção terminal de certos caules subter-
através do caule principal, como na madressilva, lúpulo e feijão. râneos que são intumescidos pelo acúmulo de substâncias nu-
tritivas. Apresentam gemas das quais saem ramificações e não
apresentam raízes. Ex: cará. Inhame, batata-inglesa, cará.

Caule volúvel

Caules Aéreos Rastejantes

São aqueles que se desenvolvem rente ao solo, Não con- Tubérculo de batata-inglesa
seguem manter-se eretos e também não se apóiam em ne-
nhuma superfície. O tipo mais conhecido é o estolho ou esto- 3) Bulbo: consiste, geralmente, de um eixo caulinar curto
lão, cujos nós partem raízes adventíceas. Ex: morangueiro, achatado (prato ou disco), envolvido por folhas modificadas
aboboreira, grama. que são os catáfilos. Podem ser tunicados (cebola), escamo-
sos (alho) ou sólidos (palma).

Bulbo de cebola

Caules rastejantes (aboboreiro)


Caules Aquáticos
Caules Subterrâneos
São pouco desenvolvidos, quase sempre clorofilados, com
1) Rizoma: cresce horizontalmente em relação ao solo, emi- aerênquimas facilitando retenção a de gases (para a respira-
tindo de espaços em espaços, brotos aéreos folhosos e florífe- ção e fotossíntese) e a flutuação do vegetal. Ex: vitória-régia.
ros. Apresentam raízes adventíceas. Ex: bananeira, samambaia.

Caule submerso de vitória-régia

Raiz, Caule e Folha 81


Caules Modificados Cladódios / Suculentos: comuns em algumas espécies de
cactos, sendo achatados, clorofilados e com reserva de água.
São caules que apresentam adaptações estruturais que
lhes permite uma melhor adaptação ao ambiente. Os prin-
cipais são:

Gavinhas: típicas de plantas trepadeiras. Tem o aspecto


de uma mola e atua na fixação dessas plantas.

Gavinha em pé de pepino
Cladódio em cactos

Espinhos: estas estruturas geralmente se apresentam


pontiagudos e rígidos. Protegem a planta de predadores, Xilopódios: caules subterrâneos, resistentes e que arma-
como exemplo, o limão, a laranja, etc. zenam substâncias de reserva. Típicos de plantas de cerrado.

Espinhos em limoeiro Xilopódios de imbuzeiro (planta do cerrado)

Caule alado: caule achatado em forma de folha. Ex: carqueja.

ANATOMIA DOS CAULES

As angiospermas possuem dois tipos de estruturas cauli-


nares: eustélica e astélica (atactostélica).

Estrutura Eustélica

Estrutura Eustélica Primária

Ocorre em dicotiledôneas e gimnospermas. Assim como


nas raízes distinguimos a casca e o cilindro central.
Na casca encontra-se a epiderme, geralmente cutiniza-
do, com estômatos e sem pêlos absorventes. O parênquima
cortical ou córtex, que é composto por células parenquimá-
ticas onde eventualmente existem cloroplastos e por células
de colênquima para sustentação e a endoderme, parte mais
Caule alado em carqueja

Botânica 82
central da casca, a qual contêm amido como substância de
reserva.
No cilindro central encontra-se o periciclo, de difícil visua-
lização, dele podem sair raízes, chamadas adventíceas, os É um órgão vegetativo geralmente laminar, verde, com
feixes vasculares separados pelo câmbio e a medula, forma- crescimento limitado (com exceção: samambaias). Sua prin-
da por parênquima central. cipal função é realizar a fotossíntese, mas também é na folha
que ocorrem as trocas gasosas da respiração, a transpiração
Estrutura Eustélica Secundária e a gutação.

A partir do segundo ano de vida de uma gimnosperma ou Uma folha completa apresenta as seguintes partes:
de uma dicotiledônea, inicia-se o crescimento secundário do
caule. a) limbo – região onde se encontra o parênquima cloro-
Na casca o felogênio origina o súber para fora e a felo- filiano, geralmente laminar. É no limbo que se realizam as
derme para dentro e no cilindro central, o câmbio origina da funções da folha.
mesma forma que nas raízes, o xilema para dentro e o floe- b) pecíolo – haste que prende a folha ao caule.
ma para fora. O xilema apresenta-se dividido em duas regi- c) bainha – região alargada do pecíolo, junto ao tronco,
ões: alburno e cerne. com função de proteção e fixação.
O alburno constitui o xilema funcional, ou seja, nele ocorre d) estípulas – projeções do pecíolo geralmente com fun-
o transporte da seiva bruta. Enquanto que no cerne, esta ção protetora, podendo em alguns casos se transformar em
condução não acontece mais. Pois as células de xilema espinhos.
mais central foram entupidas por células de parênquimas (ti- e) nervuras – correspondem ao sistema de vasos condu-
las) constituindo o xilema não funcional, ideal para os traba- tores de seiva bruta e elaborada.
lhos de marcenaria. Ainda o cerne contribui na sustentação
do vegetal.

Estrutura Eustélica Secundária Partes da folha

Estrutura Astélica ou Atactostélica Quando uma folha não apresenta todas as partes descri-
tas, é dita incompleta e sua denominação depende da parte
Típica de monocotiledôneas, pois não possui os meriste- que está ausente.
mas secundários, não apresentando, portanto o crescimento
secundário (espessura). Os feixes de condução ficam dispos- • Folhas pecioladas: não possuem bainha. Ex: abóbora.
tos aleatoriamente no caule, não obedecendo padrão definido. • Folhas invaginantes: a bainha abraça o caule, portanto
não possui pecíolo. Ex: milho, grama.

Estrutura Astélica Folhas invaginantes

Raiz, Caule e Folha 83


• Folhas sésseis: não apresentam pecíolo e bainha. Ex:
fumo.

3) Quanto ao bordo (alguns exemplos)


Folha séssil • Liso
• Denteado
As folhas podem ser divididas em dois grupos básicos: • Serrilhado
folhas simples (quando o limbo se apresenta em uma única • Lobado
lâmina) e compostas (quando o limbo está dividido em por-
ções laminares denominadas folíolos) CLASSIFICAÇÃO DAS FOLHAS COMPOSTAS

CLASSIFICAÇÃO DAS FOLHAS SIMPLES 1) Quanto ao aspecto do limbo


• Paripinadas – os folíolos terminam em número par (A);
1) Quanto à forma do limbo (alguns exemplos) •Imparipinadas – os folíolos terminam em número ímpar (B);
• Elíptica
• Oval
• Cordiforme
• Sagitiforme
• Acicular

A. Folha paripinada B. Folha Imparipinada

• Palmadas ou digitadas – os folíolos saem de um mesmo


ponto (vértice);

2) Quanto à disposição das nervuras

• Uninérveas: nervura central. Exemplo: Cravo.


• Paralelinérveas: As nervuras dispõem-se paralelamen-
te no limbo. Exemplo: Monocotiledôneas como o milho.
• Peninérveas ou Reticuladas: Com nervura principal e
desta partem as laterais. Exemplo: Dicotiledôneas como a
laranjeira.
Folha Digitada

Botânica 84
• Geminadas – possuem apenas dois ou três folíolos. água de chuva, como reserva durante períodos de escassez.
Ex: bromélia
• Cotilédones – folhas presentes na semente; armazenam
reservas nutritivas.

Espinho em cáctus Gavinha em chuchu

Folhas geminadas

A QUEDA DAS FOLHAS

Na região de contato da folha com o caule , formam-se Brácteas em Bougainvillea sp Catáfilos em cebola
duas camadas: camada de abscisão e a camada de proteção
ou cicatrização. A camada de abscisão consiste em células
pequenas, de paredes celulares mais fracas e a camada pro-
tetora é rica em suberina, conferindo maior resistência ao
local onde a folha vai se desprender. As plantas que perma-
necem com suas folhas por um tempo longo são chamadas
de perenifólias e as plantas que perdem suas folhas a cada
outono são chamadas de caducifólias.
Esporófilo em samambaia Folha insetívora em Dionaea sp
VARIAÇÕES

Heterofilia: fenômeno que a planta apresenta dois ou


mais tipos de folhas devido ao ambiente em que se encon-
tram. Um exemplo é uma planta aquática do gênero Sagita-
ria, que possui folhas em forma de ponta de flecha na parte
aérea, folhas arredondadas na superfície da água e folhas
alongadas na parte submersa em água.
Folha coletora em bromélia Cotilédones em feijão

Anisofilia: são folhas diferentes no mesmo ramo, porém


a planta vive em um único ambiente. Geralmente é uma ANATOMIA DA FOLHA
aberração genética.
A anatomia da folha é estudada principalmente de acordo
CLASSIFICAÇÃO DAS FOLHAS QUANTO À FUNÇÃO com a disposição do parênquima no mesófilo (meio da fo-
lha). Pode se apresentar de três tipos:
Algumas plantas apresentam folhas modificadas ou não,
que exercem funções especiais além das já mencionadas. 1) Mesófilo Assimétrico
São elas:
• Espinhos – protegem e evitam perda de água. Ex: cactus Típico de dicotiledôneas, onde o mesófilo é formado por
• Gavinhas – pequenas folhas de plantas trepadoras. Ex: uma camada de parênquima paliçádico e uma logo abaixo
chuchu. de parânquima lacunoso. Neste tipo de anatomia, os estô-
• Brácteas – protegem flores e atraem agentes polinizado- matos se encontram na epiderme de baixo, sendo por isso
res. Ex: copo-de-leite chamadas de folhas hipoestomáticas.
• Escamas ou catáfilos – protegem caules subterrâneos
(bulbos). Ex: cebola
• Esporófilos – produzem esporos para reprodução asse-
xuada. Ex: samambaia
• Insetívoras – folhas de plantas carnívoras; digerem os
insetos capturados. Ex: Dionaea sp
• Coletoras – organizam-se como um vaso para coletar

Raiz, Caule e Folha 85


Mesófilo assimétrico.

2) Mesófilo Simétrico

Típico de monocotiledôneas, onde o mesófilo é formado por duas camadas de parênquima paliçádico, sendo que entre
estas duas camadas, situa-se uma camada de parênquima lacunoso. Os estômatos, nesta anatomia, se encontram nas duas
epidermes, por isso, as folhas são chamadas de anfiestomáticas.

3) Mesófilo Indiferenciado

Neste tipo de mesófilo, não existe diferença de parênquimas, pois as células são todas do mesmo tamanho. É comum em
algumas monocotiledôneas e algumas plantas aquáticas.

Botânica 86
AQUECENDO

1. (UCS) O corpo de uma planta apresenta basicamente três


partes: a raiz, as folhas e o caule. Em relação à morfofisiologia
vegetal, assinale a alternativa correta.
a) O procâmbio origina o sistema avascular primário, que compre-
ende o súber e a epiderme.
b) A seiva bruta é transportada pelo floema, que também é respon-
sável pela sustentação da planta.
c) Na epiderme das folhas, estão presentes estruturas como os hi-
datódios, muito importantes no processo de troca gasosa. a) estão presentes nas folhas.
d) A coifa protege o meristema apical da raiz contra eventuais da- b) permitem a perda de água sob a forma de vapor.
nos, durante a penetração no solo. c) estão relacionados com a transpiração cuticular.
e) Os tricomas, presentes apenas nas folhas, ajudam na manuten- d) permitem a entrada de CO2 e a saída de O2 no processo fotos-
ção do equilíbrio hídrico. sintético.
e) sua abertura e fechamento estão relacionados com fatores como
2. (UEL) As plantas vasculares colonizaram a paisagem terres- luminosidade e suprimento hídrico.
tre durante o período Devoniano Inferior, há cerca de 410 a 387
milhões de anos. A ocupação do grande número de habitats 5. (PUCMG) Os caules apresentam características específicas
demandou uma grande variedade de formas e adaptações nas de cada grupo de plantas.
plantas.

Com base na morfologia dos diferentes tipos de caules, assi-


nale a alternativa que contém caules adaptados à reprodução
assexuada e à fotossíntese, respectivamente.
a) Rizoma e Bulbo.
b) Colmo e Bulbo.
c) Estolão e Rizoma.
d) Cladódio e Estolão.
e) Estolão e Cladódio.

3. (UEL) Observe a tabela:

Sobre as figuras apresentadas, é correto afirmar, EXCETO:


a) 3 é caule de monocotiledônea, que não apresenta câmbio com
crescimento secundário em espessura e nem delimitação clara en-
tre córtex e cilindro central.
b) 4 é caule de dicotiledônea apresentando feixes vasculares líbe-
ro-lenhosos e há, nesse grupo de plantas, crescimento secundário
em espessura.
c) Em 2 encontra-se semente com cotilédones triploides e endos-
perma bem desenvolvido.
d) A semente representada em 1 apresenta reservas nutritivas no
endosperma bem desenvolvido e cotilédone reduzido.
Com relação aos dados da tabela e nos conhecimentos sobre
morfologia vegetal, é correto afirmar: DETONANDO
a) O Brasil consome mais vegetais classificados como faneróga- 6. (PUCRS) Caules e folhas podem sofrer modificações para
mas, angiospermas e dicotiledôneas. a realização de diferentes funções na planta. Considerando a
b) A Região Sudeste consome mais angiospermas, monocotiledô- videira (Vitis sp.), as estruturas utilizadas como suporte são
neas com frutos deiscentes. _________ modificadas(os) em _________.
c) A Região Centro-Oeste consome menos fanerógamas, dicotile- a) folhas gavinhas
dôneas com fruto tipo cariopse. b) caules gavinhas
d) A Região Norte, em relação às demais regiões, consome menos c) folhas cladófilos
angiospermas com frutos deiscentes. d) caules cladófilos
e) A Região Sul consome mais dicotiledôneas que produzem caules e) caules estolões
subterrâneos.
7. (ENEM) O manguezal é um dos mais ricos ambientes do
4. (UFTPR) Um aluno, durante uma aula prática de microsco-
pia, desenhou células estomáticas túrgidas representadas a planeta, possui uma grande concentração de vida, sustenta-
seguir. Sobre estas células é INCORRETO afirmar que: da por nutrientes trazidos dos rios e das folhas que caem das
árvores. Por causa da quantidade de sedimentos — restos de
plantas e outros organismos — misturados à água salgada, o
solo dos manguezais tem aparência de lama, mas dele resulta
uma floresta exuberante capaz de sobreviver naquele solo lo-
doso e salgado.
NASCIMENTO, M. S. V. Disponível em: http://chc.cienciahoje.uol.com.br.
Acesso em: 3 ago. 2011.

Raiz, Caule e Folha 87


Para viverem em ambiente tão peculiar, as plantas dos man- a) a associação estabelecida é com um fungo endomicorrízico e a
guezais apresentam adaptações, tais como sequência numérica é representada através de pelo radicular, epi-
a) folhas substituídas por espinhos, a fim de reduzir a perda de derme, córtex, endoderme, floema e xilema, respectivamente.
água para o ambiente. b) a associação estabelecida é com um fungo ectomicorrízico e a
b) folhas grossas, que caem em períodos frios, a fim de reduzir a sequência numérica é representada através de pelo radicular, epi-
atividade metabólica. derme, córtex, endoderme, floema e xilema, respectivamente.
c) caules modificados, que armazenam água, a fim de suprir as c) a associação estabelecida é com um fungo endomicorrízico e
plantas em períodos de seca. bactérias fixadoras de nitrogênio, e a sequência numérica é repre-
d) raízes desenvolvidas, que penetram profundamente no solo, em sentada através de pelo radicular, epiderme, córtex, endoderme,
busca de água. floema e xilema, respectivamente.
e) raízes respiratórias ou pneumatóforos, que afloram do solo e ab- d) a associação estabelecida é com um fungo ectomicorrízico e
sorvem o oxigênio diretamente do ar. bactérias fixadoras de nitrogênio, e a sequência numérica é repre-
sentada através de pelo radicular, epiderme, córtex, endoderme,
8. (ENEM) A Caatinga é o único bioma exclusivamente bra- floema e xilema, respectivamente.
sileiro, ocupando cerca de 7% a 10% do território nacional. e) a associação estabelecida é com um fungo endomicorrízico e a
Nesse ambiente seco, mesmo quando chove, não há acúmulo sequência numérica é representada através de pelo radicular, epi-
de água, pois o solo é raso e pedregoso. Assim, as plantas derme, córtex, endoderme, xilema e floema, respectivamente.
desse bioma possuem modificações em suas raízes, caules e
folhas, que permitem melhor adaptação a esse ambiente, con- 10. (UFG) A conquista de diferentes ambientes pelos seres vi-
tra a perda de água e de nutrientes. Geralmente, seus caules vos depende de processos evolutivos que, muitas vezes, resul-
são suculentos e suas folhas possuem forma de espinhos e tam na modificação de órgãos para adaptação à nova condição
cutículas altamente impermeáveis, que apresentam queda na ambiental. Nesse aspecto, as brácteas coloridas e os espinhos
estação seca. são adaptações foliares que visam, respectivamente,
Disponível em: www.ambientebrasil.com.br. Acesso em: 21 maio 2010 (adaptado). a) nutrir a planta e realizar a fotossíntese.
b) atrair polinizadores e fornecer proteção.
Considerando as adaptações nos órgãos vegetativos, a prin- c) dispersar as sementes e nutrir a planta.
cipal característica das raízes dessas plantas, que atribui sua d) economizar água e realizar fotossíntese.
maior adaptação à Caatinga, é o(a) e) proteger contra insolação e realizar transpiração.
a) armazenamento de nutrientes por um sistema radicular aéreo.
b) fixação do vegetal ao solo por um sistema radicular do tipo 11. (UFJF) As plantas vasculares apresentam uma grande di-
tuberoso. versidade de adaptações morfológicas que permitem a ocupa-
c) fixação do vegetal ao substrato por um sistema radicular do tipo ção dos mais diferentes tipos de ambientes. Com relação aos
sugador. sistemas radiculares e caulinares, é CORRETO afirmar que:
d) absorção de água por um sistema radicular desenvolvido e profundo. a) O rizoma da bananeira é um tipo de raiz pivotante armazenadora
e) armazenamento de água do solo por um sistema radicular do de amido.
tipo respiratório. b) Na cebola, o sistema caulinar é do tipo colmo, formado por cama-
das de folhas carnosas armazenadoras.
9. (UEPB) c) As plantas parasitas, como a erva-de-passarinho, desenvolve-
ram raízes aéreas sugadoras ou haustórios.
d) Em regiões com estresse hídrico, muitas espécies de plantas xeró-
fitas, como os cactos, desenvolvem raízes do tipo pneumatóforos.
e) Os cladódios são sistemas radiculares especializados no arma-
zenamento de nutrientes.

12. (UEM) Existem milhares de espécies de plantas na Terra,


diversas delas apresentam adaptações que permitem sua so-
brevivência em determinadas condições ambientais. Sobre as
adaptações morfológicas, assinale o que for correto.
01) Plantas que apresentam raízes do tipo haustório vivem em am-
bientes úmidos e necessitam dessa adaptação, que auxilia no pro-
cesso de respiração.
02) Os caules subterrâneos, classificados em rizoma, tubérculo e
bulbo, acumulam reservas nutritivas.
04) Cladódio é um tipo de folha, encontrada em plantas hidrófilas,
com função de reservar água.
08) Brácteas são folhas modificadas, encontradas na base das flores
ou nas inflorescências, com função de atrair animais polinizadores.
16) Sâmara é um tipo de fruto seco e alado com dispersão por
anemocoria.

13. (FEEVALE) Marque a alternativa que completa corretamen-


te a frase que segue.
A figura acima representa o corte microscópico esquemático As folhas das árvores parecem-nos verde porque a luz solar
de uma raiz de angiosperma. No lado direto da figura, há repre- que incide sobre elas:
sentação seqüencial dos tecidos vegetais que formam a raiz, e a) é verde e as folhas refletem-na.
no lado esquerdo há representação de hifas de um organismo b) contém a cor verde e esta é absorvida pelas folhas.
estabelecendo uma associação mutualista com as raízes da c) contém a cor verde e esta é refletida pelas folhas.
planta. d) não contém a cor verde e as plantas emitem-na.
e) contém as cores vermelha e azul e a cor verde emitida pelas
Sobre essas estruturas podemos afirmar que folhas é uma mistura destas duas.

Botânica 88
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: a) Fruto, semente, botão floral, rizoma, tronco.
b) Fruto, tronco, botão floral, semente, rizoma.
c) Rizoma, semente, tronco, botão floral, fruto.
d) Semente, rizoma, fruto, botão floral, tronco.
e) Semente, tronco, botão floral, fruto, rizoma.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


A biotecnologia envolve várias técnicas que utilizam seres vi-
vos visando desenvolver produtos ou processos para melhoria
da qualidade de vida. Essas técnicas podem ser usadas para
obtenção de alimentos, drogas, sistemas de produção, entre
outros. Um exemplo é a cultura de células in vitro, técnica
biotecnológica que pode utilizar tanto células animais quanto
vegetais. Para a cultura in vitro há necessidade de usar meio
de cultura que contém nutrientes (água, minerais, vitaminas e
açúcares) necessários para sobrevivência, crescimento e pro-
liferação celular. Pequenas alterações nesse meio podem acar-
retar modificações fisiológicas e metabólicas.
Disponível em: <www.laben.ufscar.br/documentos/arquivos/cultura-celular.pdf>.
14. (UEL) A obra A flor do mangue faz alusão às plantas de há- Acesso em: 2 abr. 2014. (Adaptado).
bito arbóreo típicas do mangue. Com base nos conhecimentos
sobre essas plantas, considere as afirmativas a seguir.
17. (UFG) Para a utilização da técnica biotecnológica referi-
I. Possuem raízes escoras como adaptação ao solo instável da no texto, o material vegetal precisa apresentar totipotência,
para a sustentação do vegetal. que é a capacidade celular de reconstituir um organismo intei-
II. Suas raízes realizam trocas gasosas diretamente com o am- ro. Assim, um tecido com essa capacidade e uma habilidade
biente aéreo como adaptação a um solo pobre em oxigênio. celular deste tecido são, respectivamente,
III. Possuem raízes com baixo potencial osmótico de sucção a) esclerênquima e alongamento.
celular, gastando energia para absorver água do solo salgado. b) parênquima e divisão.
IV. Suas raízes possuem orifícios, denominados pneumatódios c) xilema e diferenciação.
para realizar a absorção e excreção de sais. d) súber e alongamento.
e) floema e divisão.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas I e II são corretas. 18. (UPE) A evolução das plantas terrestres se deu a partir
b) Somente as afirmativas I e III são corretas. de plantas aquáticas, provavelmente algas clorofíceas multi-
c) Somente as afirmativas III e IV são corretas. celulares, relativamente complexas, há aproximadamente 500
d) Somente as afirmativas I, II e IV são corretas. milhões de anos. Entretanto, a conquista do ambiente terrestre
e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas. necessitou de uma série de adaptações que permitissem sua
sobrevivência e seu ciclo de vida.
15. (IFSP) As Angiospermas são vegetais que podem apresen- Os problemas enfrentados pelas espécies de plantas terrestres
tar diferentes tipos de raízes que se relacionam, entre outras estão relacionados a seguir:
funções, às diferentes condições ecológicas, conforme as
apresentadas na tabela a seguir. I. Desidratação
II. Sustentação
Tipo de raiz Características III. Reprodução
Raiz subterrânea, com eixo principal profundo e ramificações que IV. Respiração
Pivotante
garantem a fixação da planta no solo. V. Nutrição
Raiz suporte, em que os ramos radiculares se fundem com o
Tabular
caule, sendo importantes na fixação da planta. Correlacione as adaptações evolutivas das plantas terrestres
Raiz de plantas aéreas, que cresce em direção ao solo e pode aos problemas listados acima. Assinale a alternativa que apre-
Estrangulante envolver o tronco da planta hospedeira, comprometendo a senta a respectiva correlação.
circulação da seiva.
a) I- Epiderme e Súber II- Caule e raiz III- Esporângeo e Flores
Raiz aérea, dotada de pequenos orifícios (pneumatódios) para IV-Estômatos V- Vasos condutores
Pneumatófora
processar a aeração do vegetal.
b) I- Caule e raiz II- Epiderme e Súber III- Estômatos IV- Epiderme
Tuberosa Raiz especial, que atua como órgão de reserva vegetal. e Súber V- Vasos condutores
c) I- Esporângeo e Flores II- Estômatos III- Caule e raiz III- Caule
Considerando-se que um manguezal é um ecossistema típico de e raiz V- Vasos condutores
região litorânea, com alta concentração de matéria orgânica, bai- d) I- Estômatos II- Epiderme e Súber III- Vasos condutores IV-
xa concentração de oxigênio, alta umidade e salinidade, espera- Caule e raiz V- Esporângeo e Flores
-se que a vegetação local apresente adaptações de raízes do tipo e) I- Estômatos II- Epiderme e Súber III- Esporângeo e Flores IV-
a) tabular. Vasos condutores V- Caule e raiz
b) estrangulante.
c) tuberosa. 19. (UFRGS) Assinale a alternativa que contém somente raízes
d) pneumatófora. utilizadas na alimentação.
e) pivotante. a) mandioca - rabanete - cenoura - beterraba.
b) rabanete - cebola - batata-inglesa - alcachofra.
SANGUE NO OLHO c) batata-inglesa - inhame - mandioca - beterraba.
16. (UEL) Assinale a alternativa que apresenta, correta e res- d) gengibre - beterraba - alho - batata-inglesa.
pectivamente, o órgão da planta utilizado como especiarias: e) cebola - mandioca - beterraba - inhame.
pimenta, canela, cravo-da-índia, noz-moscada e gengibre.

Raiz, Caule e Folha 89


20. (CFTMG) No reino vegetal, existem espécies de caules sub- são adaptações para a absorção de oxigênio do ar. A concentração
terrâneos e raízes aéreas. Dentre as espécies citadas, desta- desse gás na água é baixa devido à intensa decomposição aeróbi-
cam-se, respectivamente, ca nesses ecossistemas costeiros.
a) orquídea e coco-da-baía.
b) cana-de-açúcar e goiabeira. 15: [D]
c) cenoura e erva-de-passarinho. A vegetação típica do mangue possui raízes aéreas do tipo pneu-
d) batata inglesa e “Avicenia” do mangue. matófora, pois a água salobra onde se desenvolvem é pobre em
oxigênio devido à intensa decomposição aeróbica que se processa
nesses ecossistemas.

16: [B]
1: [D] A pimenta é um fruto que se desenvolveu a partir do ovário da flor
A coifa é um tecido de proteção que reveste externamente a extre- da pimenteira. A canela é a casca do caule, que é classificado como
midade da raiz, local em que se encontra o meristema subapical, tronco. O cravo da índia utilizado como especiaria corresponde ao
responsável pelo crescimento longitudinal desse órgão. botão floral seco. A noz- moscada é a semente encontrada dentro
do fruto da moscadeira. A porção do gengibre utilizado como espe-
2: [E] ciaria corresponde o caule subterrâneo, conhecido como rizoma.
3: [E]
4: [C] 17: [B]
5: [C] As células vegetais parenquimáticas são vivas, se dividem por mito-
se e podem se desdiferenciar adquirindo totipotência e, consequen-
6: [B] temente, originar um vegetal completo
As estruturas utilizadas como suporte pelas videiras são prolonga-
mentos de caules modificados, denominados gavinhas. 18: [A]
A sobrevivência das plantas traqueófitas no meio terrestre é garanti-
7: [E] da pelas seguintes adaptações. Epiderme e súber impermeabilizam
As plantas dos manguezais apresentam adaptações para sobre- as superfícies vegetais. O caule e a raiz garantem a sustentação.
viver em solo encharcado de água salobra e pobre em oxigênio, Os esporângeos e flores dispersam esporos e pólen. Os estômatos
tais como raízes respiratórias (pneumotóforos), as quais afloram do permitem as trocas gasosas e a transpiração; e os vasos do xilema
solo e absorvem o oxigênio diretamente do ar. e do floema conduzem a seiva bruta e elaborada, respectivamente.

8: [D] 19: [A]


As plantas presentes no bioma Caatinga apresentam diversas 20: [D]
adaptações para a sobrevivência em ambiente quente e árido; den-
tre as quais, um sistema radicular bem desenvolvido e profundo ca-
paz de absorver água e íons que percolam o solo raso e pedregoso
desse ambiente.

9: [A]
O desenho representa a associação da raiz com um fungo endo-
micorrizico, porque ele penetra nas estruturas internas à raiz. A se-
quência numérica de 1 e 6 representa, na ordem, pelo radicular,
epiderme, córtex, endoderme, floema e xilema.

10: [B]
Brácteas são folhas modificadas cuja função é atrair agentes polini-
zadores que levarão o pólen de uma flor para outra garantindo a fe-
cundação. E os espinhos também são folhas alteradas com o pas-
sar do tempo e sua finalidade é proteção contra outros organismos.

11: [C]
As plantas parasitas desenvolvem raízes aéreas sugadoras (haus-
tórios) para retirar parte da seiva das plantas hospedeiras.

12: 02 + 08 + 16 = 26.
[01] Incorreto: Os haustórios são raízes sugadoras de plantas he-
miparasitas ou holoparasitas, as quais retiram a seiva de plantas
hospedeiras.
[04] Incorreto: Cladódio é um tipo de caule verde, achatado e dota-
do de espinhos, típico de certas espécies de cactos.

13: [C]
As folhas dos vegetais são verdes aos nossos olhos porque a luz
que incide sobre elas contém o comprimento de onda equivalente
ao verde que é refletido pela superfície foliar.

14: [A]
As plantas de mangue possuem raízes com alto potencial osmótico
porque estão emersas em águas salobras. Os orifícios presentes
nas raízes e caules desses vegetais, denominados pneumatóforos,

Botânica 90