Vous êtes sur la page 1sur 6

FACULDADE SUL-AMERICANA (FASAM)

DAYANE SOUZA MOREIRA AQUINO


MARIANA MONTEIRO

PLANO DE AULA

Goiânia
2018
FACULDADE SUL-AMERICANA (FASAM)

DAYANE SOUZA MOREIRA AQUINO


MARIANA MONTEIRO

PLANO DE AULA

Trabalho apresentado ao curso de


Pedagogia da Faculdade Sul-Americana
como requisito parcial para aprovação na
disciplina de Estágio Supervisionado II –
Ensino Fundamental, sob orientação da
professora: Luana

Goiânia
2018
PLANO DE AULA

O Planejamento escolar é muito importante para realização do trabalho


docente, em que a atividade vai ser sistematizada, e o centro vai ser a
aprendizagem dos alunos sob a direção do professor.

O planejamento escolar segundo Libâneo é:

“[...] um meio para programar as ações docentes, mas é também um


momento de pesquisa e reflexão intimamente ligado à avaliação. Há
três modalidades de planejamento, articulados entre si o plano da
escola, o plano de ensino e o plano de aula.” (LIBÂNEO,1994, p.45)

Essas reflexões que Libâneo menciona é acerca das nossas ações e


opções, pois “se não pensarmos detidamente sobre o rumo que devemos dar
ao nosso trabalho, ficaremos entregues aos rumos estabelecidos pelos
interesses dominantes” (LIBÂNEO, 1994, p.46), com isso o professor na
elaboração de seu planejamento deve levar em consideração a realidade social
e individual de seus alunos.
Em relação aos três níveis de planos: o plano da escola, o plano de
ensino e o plano de aula. Com Libâneo explica que:

O plano da escola é um documento mais global; expressa


orientações gerais que sintetizam, de um lado, as ligações da escola
com o sistema escolar mais amplo e, de outro, as ligações do projeto
pedagógico da escola com os planos de ensino propriamente ditos. O
plano de ensino (ou plano de unidade) é a previsão dos objetivos e
tarefas do trabalho docente para o ano ou semestre; é um documento
mais elaborado, dividido por unidades sequenciais, no qual aparecem
objetivos específicos, conteúdos e desenvolvimento metodológicos. O
plano de aula é a previsão do desenvolvimento do conteúdo para
uma aula ou conjunto de aulas e tem um caráter específico. (1994. p.
49)

Iremos falar especificamente sobre o plano de aula, onde o professor vai


detalhar a aula, descriminando tema; período estimado para cada atividade
proposta; objetivos; conteúdos; desenvolvimento da matéria nova; metodologia;
consolidação (fixação, exercício, recapitulação, sistematização); aplicação;
recursos, e avaliação. Na preparação das aulas o professor não pode esquecer
que os tópicos novos devem vir de uma sequência do conteúdo anterior.
Um plano de aula deve conter as seguintes etapas:
1 – O tema abordado: o assunto, o conteúdo a ser trabalhado;
2 – A justificativa: o motivo de se trabalhar determinado assunto;
3 – Os objetivos gerais a serem alcançados: o que os alunos irão conseguir
atingir com esse trabalho; com o estudo desse tema;
4 – Os objetivos específicos: relacionados a cada uma das etapas de
desenvolvimento do trabalho;
5 – As etapas previstas: mais precisamente uma previsão de tempo, onde o
professor organiza tudo que for trabalhado em pequenas etapas;
6 – A metodologia que o professor usará: a forma como irá trabalhar, os
recursos didáticos que auxiliarão a promover o aprendizado e a circulação do
conhecimento no plano da sala de aula;
7 – A avaliação: a forma como o professor irá avaliar, se em prova escrita,
participação do aluno, trabalhos, pesquisas, tarefas de casa, etc.
8 – A bibliografia: todo o material que o professor utilizou para fazer o seu
planejamento. É importante tê-los em mãos, pois caso os alunos precisem ou
apresentem interesse, terá como passar as informações.

Cada um desses aspectos irá depender das intenções do professor,


sendo que este poderá fazer combinados prévios com os alunos, sobre cada
um deles.
Para que o plano de aula seja um instrumento de trabalho para o
docente ele deve ser como um guia de orientação e apresentar uma ordem
sequencial, objetividade, coerência e flexibilidade. Segundo Libâneo
(1994.p.248):

Em primeiro lugar, o plano é um guia de orientação, pois nele são


estabelecidas as diretrizes e os meios de realização do trabalho docente...em
segundo lugar, o plano deve ter uma ordem sequencial, progressiva. Para
alcançar os objetivos são necessários vários passos...em terceiro lugar
devemos considerar a objetividade. Por objetividade entendemos a
correspondência do plano com a realidade à que vai aplicar...em quarto lugar
deve haver coerência entre os objetivos gerais e os específicos, conteúdos,
métodos e avaliação...em quinto lugar, o plano deve ter flexibilidade...no
decorrer das aulas o plano vai obrigatoriamente passando por adaptações em
função das situações especifica de cada classe.(LIBÂNEO,1994 p.248-149)

O Plano de aula possibilita um trabalho mais significativo e


transformador. Sua finalidade é criar e organizar o trabalho. A elaboração do
Plano é um processo de construção de conhecimento para os sujeitos que
participam da tarefa
Na previsão do tempo, não precisa ser definitiva, pois no decorrer da
explicação podem haver dúvidas no desenvolvimento metodológico da aula e o
professor pode alterar, quando for preciso.
Os objetivos específicos se refere ao que o professor espera da
assimilação de conhecimentos e habilidades (fatos, conceitos, ideias, relações,
técnicas de estudo etc.) e que vai descriminar a forma como que o professor
pode avaliar. Eles englobam o que os alunos deverão conhecer, compreender,
analisar e avaliar ao longo da disciplina. Por isso devem ser construídos em
forma de frases que iniciam com verbos indicando a ação. Podem ser divididos
em objetivo geral e específicos. Exemplos de verbos usados nos objetivos:
Conhecer, apontar, criar, identificar, descrever, classificar, definir, reconhecer,
compreender, concluir, demonstrar, determinar, diferenciar, discutir, deduzir,
localizar, aplicar, desenvolver, empregar, estruturar, operar, organizar, praticar,
selecionar, traçar, analisar, comparar, criticar, debater, diferenciar, discriminar,
investigar, provar, sintetizar, compor, construir, documentar, especificar,
esquematizar, formular, propor, reunir, voltar, avaliar, argumentar, contratar,
decidir, escolher, estimar, julgar, medir, selecionar.
O desenvolvimento metodológico vai detalhar a preparação e introdução
do assunto, desenvolvimento, sistematização e aplicação, métodos com que o
professor vai desenvolver para alcançar os objetivos propostos. As aulas
podem ser de exposição oral da matéria, de discussão, de estudo dirigido
individual, aula de exercícios, de recapitulação etc.
A avaliação é feita do inicio, durante e no final de cada aula, podendo
ser informal para fins diagnóstico e formal para atribuição de notas.
O trabalho do professor tem um peso significativo para o êxito de seus
alunos. Com isso ele deve fazer uma autoanálise para identificar pontos de
melhoria para suas aulas seguintes, e sempre procurar formas de melhorar sua
didática sempre em consideração às especificidades de cada aluno.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994 (Coleção magistério 2°
grau. Série formação do professor).
Tavares, Rosilene Horta. Didática geral. Belo Horizonte : Editora UFMG,
2011.